v: :-:?

•:$
^

EM DEBATE
Rio de Janeiro • v. 36 • n. 92 »jan./mar. 2012

T/,.A

RESENHA

. CRITICALREVIEW

COSTA, A.& et ai. O Direito achado na rua; introdução crítica ao direito à saúde. Brasília: CEAD/UnB,200S.

quarto volume da série Direito Achado na. Rua é dedicado ao tema da saúde, aglutinando vários textos para mais um curso à distância na Universidade de Brasília. O Direito do Trabalho e o Direito Agrário já foram assunto nesta série, organizada para "capacitar assessorias jurídicas de movimentos sociais que possam reconhecer a atuaçáo jurídica dos novos sujeitos coletívos e as experiências por eles desenvolvidas de criação de direito" (p. 17). Reconhecendo o quanto "o movimento social pela reforma sanitária se configurou como um dos mais fortes protagonistas durante o processo constituinte que desaguou na Constituição de 1988" e caractetizando-o como uma "experiência carregada de ampla participação política dos sujeitos sociais e presença atíva na esfera pública — a rua — para formar opiniões" (p. 17), os organizadores inscrevem o Direito à Saúde como parte de tais práticas sociais que enunciam direitos, fazendo-o ocupar um volume dividido em seis unidades. Cada uma delas com um número de módulos, os quais variam de três a sete, contabilizando 30 textos. Esses módulos se ocupam de uma ampla diversidade de temas, desde os clássicos do Direito Sanitário — vigilância sanitária — até os emergentes — a bioética. Do mesmo modo que a coletânea sobre o assunto publicada pelo Ministério da Saúde (2003), este volume reúne temas relevantes para a consolidação do Sistema Único de Saúde (SUS), atualízando alguns deles — ética sanitária e direito internacional sanitário — e acrescentando muitos outros — judicializaçáo da saúde e biodíversidade, por exemplo. Na primeira unidade, 'Construindo as Bases da Discussão', a relação entre as cidadanias local, nacional, regional e global, no contexto da formação da União Europeia, é assunto no primeiro módulo, afirmando que a perspectiva de consolidação de uma cidadania regional tem efeitos sobre a garantia do direito à saúde para as populações nacionais. Esta mesma consolidação estimulou a formação de 'redes de saúde', como as 'redes do câncer', constituídas por diversos sistemas de atores sociais com o intuito de colocar em comum os vários elementos do meio de atendimento médico e social, transmitindo e coordenando os recursos existentes e, assim, gerando estruturas fortemente conexas (p. 40). Não seria este um exemplo internacional do que esperase nacionalmente no contexto da implantação do SUS no Brasil, a efetívação do princípio da participação da comunidade? Por sinal, a participação da comunidade é um assunto que comparece em todas as unidades. Na segunda unidade, 'Evolução do Direito à Saúde', o segundo módulo menciona que o direito à saúde é uma "obra nunca acabada", de modo que "[...] sua concretização é permanente e dependente da participação de vários atores sociais e dos poderes estatais." (p. 105), entre eles a sociedade civil e o Poder Legislativo. Assim, apresenta-se o Observatório da Saúde no Legislativo1, "[...J resultado da recomendação das instituições de saúde para maior transparência no acompanhamento das proposições legislativas em saúde no cenário nacional" (p. 107), considerado um potente instrumento de participação social no SUS.

O

'Desenvolvido pelo Programa de Direito Sanitário da FIOCRUZ Brasília, em parceria com a Consultoria Legislativa do Senado Federal e da Câmara dos Deputados, o Observatório pode ser acessado no site http://obseivar.orIo.fiQauz.br.

Saúde em Debate. Hio de Janeiro, v. 36, n. 92. p. 143-145, jan^mar. 2012

143

RESENHA

•' CRITICAL REVIEW

Na terceira unidade, 'A Saúde como instrumento de inclusão social', os conselhos de saúde são abordados de uma perspectiva habermasiana em um dos módulos, no qual se afirma que cumprem melhor a sua competência fiscalizam ria do que a deliberativa (p. 174). Na quarta unidade, 'Do direito às açÕes concretas', o controle social é incluído entre os grandes desafios que se colocam às políticas públicas, juntamente com a transversalidade e a descentralização (p, 277-278). Já na quinta, "Instituições e Saúde", recuperam-se dois autores — Gohn e Gavronski - para tratar do funcionamento dos conselhos em um dos módulos. De um lado, ainda que os conselhos executassem mais sua competência deliberativa do que a fiscalizatória, isso "[...] não garante sua implementação efetiva [das decisões], pois não há estruturas jurídicas que dêem amparo legal e obriguem o executivo a acatar as decisões dos conselhos [...]" (p. 343). De outro lado, diz-se que "[...] os dispositivos que estabelecem o gestor como presidente nato dos conselhos de saúde são inconstitucionais [...]" (p. 342). Em 'Os Desafios Emergentes do Direito à Saúde', a perspectiva que opõe direito à saúde e direito de propriedade intelectual na querela sobre as patentes farmacêuticas é colocada em questão no terceiro módulo, citando o exemplo dos medicamentos antirretrovirais para sublinhar uma modalidade de participação social, que articula o Estado e a Sociedade Cívíl de maneira diferenciada. Levando em conta [...J a abertura, de negociações com grandes laboratórios internacionais para licenciamento voluntário de seus medicamentos com o objetivo de diminuição dos gastos necessários ao Programa DST/AIDS, nota-se que essa 'luta' do 'Governo Brasileiro' levou ao [...] aprendizado de que o investimento na geração de parque tecnológico nadonal [Complexo Tecnológico de Medicamentos de Farmanguínhos] é fundamental fará viabilizar a plena extensão do direito à saúde, bem como para implementação da devida limitação dos direitos de propriedade intelectual, (p. 406). Assim, "[...] sem o investimento na institucionalização de meios para abertura das opções políticas, por mais que sejam abertos novos espaços de participação, eles serão cada dia menos valiosos para a sociedade" (p. 406). Tal como a participação da comunidade, os princípios constitucionais da descentralização da gestão e do atendimento Integrai também comparecem no volume. No sexto módulo da quarta unidade, apresentam-se os efeitos da "burocratização da descentralização": a "[...] baixa velocidade na implementação do SUS" e a "desresponsabilização" (p. 323). Defende-se que o sistema de saúde foi feito 'único' pela Constituição para que o titular do direito pudesse exigir a sua totalidade de qualquer um dos seus integrantes [...j, não sendo cabível que qualquer um deles se exima de seus deveres apontando a responsabilidade de outro. (p. 323).

144

Saúde em Deboíe, Rio de Janeiro, v. 36, n, 92, p. 143-145, jan/mar, 2012

RESENHA

-

CRITICALREVIEW

No sétimo módulo da rerceíra unidade indíca-se um dos impasses no alcance da integralidade em saúde, a situação das prisões, por meio de uma análise do Plano Nacional de Saúde no Sistema Penitenciário e da difícil "[...] superação dessa (falsa) tensão entre segurança e assistência [...]" (p. 249). Finalizando, vale retomar os temas emergentes do Direito Sanitário elencados no terceiro módulo da primeira unidade (p. 74). Nota-se que, apesar de contar com tantos textos, ficaram algumas lacunas no volume: particularmente, a saúde suplementar. Além disso, nota-se que mais de um módulo trata do mesmo assunto, corno é o caso da saúde mental (3 dos 30). Porém, isso pode ser redimensionado em uma futura publicação desse curso, que se tornou latino-americano em 2011 e que tem muito a oferecer para a formação de pessoas implicadas com a consolidação do direito à saúde, sejam eles sanharistas ou juristas, entre muitos outros. • Martinho Braga Batista e Silva1

Referências
BRASIL. Ministério da Saúde. Direito Sanitário e Saúde Pública. Brasília; Ministério da Saúde, 2003.

'Doutor em Antropologia Social pela Unvlersidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) - Rio de Janeiro (RJ), Brasil. Pesquisador da Fundação Oswaido Cruz (F1OCRUZ) - Rio de Janeiro (RJ), Brasil. E-mail: silmartinho@gmail.com

Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 36, n. 92, p. 143-145, jan/mar. 2012

145

^^

CENTRO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE SAÚDE (CEBES)

SAÚDE EM DEBATE A revista Saúde em Debate é uma publicação trimestral editada pelo Centro Brasileiro de Estudos de Saúde

DIREÇAO NACIONAL (GESTÃO 2011-2013) NATIONAL BOARD OFDiRECTORS (YEARS 2011-2013) Presidente: Vlce-Presldente: Dlretora Administrativa; Editor de Política Editorial; Direteres Executivos: Ana Maria Costa Alcides Silva de Miranda Aparecida Isabel Bressan Paulo Duarte de Carvalho Amarante Lizaldo Andrade Mala Luiz Bernardo Delgado Bleber Maria Lúcia Frizzon Rizzotto Paulo Navarro de Moraes Di teto rés Ad-hoc: Pedro Silveira Carneiro Felipe de Oliveira Lopes Cavalcanti José Carvalho de Noronha

EDITOR CIENTIFICO - CIENTIFlC EDITOR Paulo Duarte de Carvalho Amarante (RJ)

CONSELHO EDITORIAL - PUBLISHING COUNCIL Alicia Stolkiner - UBÁ (Argentina) Angel Martinçz Hernaez - Untversídad Rovira Í Virgili [Espanha) Carlos Botazzo ~ USP (SP/Brasil) Catalina Eiberischutz - UAM-X (México) CorneljsJohannesVan Stralen-UFMG (MG/Brasil) Diana Mauri - Universidade de Milão (Itália) Eduardo Maia Freese de Carvalho - CPqAM/FIOCRUZ (PE/Brasil) Giovanni Berlinguer - Unlversità La Saplenza (Itália) Hugo Spinelli - UNLA (Argentina) José Carlos Braga - UNICAMP (SP/Brasil) José da Rocha Carvalheiro - FIOCRUZ (RJ/ Brasil) Luiz Augusto Facchini - UFPel (RS/Brasil) Luiz Odorlco Monteiro de Andrade - UFC (CE/Brasil) Maria Salete Bessa Jorge - UECE (CE/Brasil)

CONSELHO FISCAL • FISCALCOUNCIL Armando Raggio Fernando Henrique de Albuquerque Maia Júlio Strublng Muller Neto

CONSELHO CONSULTIVO • ADVISORY COUNCIL Ary Carvalho de Miranda Ana Ester Maria Melo Moreira CornelísVanStralen El eonor Minho Conlli Eli lola Gurgel Andrade Felipe Assan Remondi Gustavo Machado Felínto Jalrnílson Silva Paim Lígia Bahia Luiz António Silva Neves Maria Fátima de Souza Mário César Scheffer Nelson Rodrigues dos Santos Rosana Tereza Onocko Campos Silvio Fernandes da Silva

Paulo Marchiori Buss - ROCRUZ (RJ/Srastl) Paulo deTarso Ribeiro de Oliveira - UFPA (PA/Brasil) Rubens de Camargo Ferreira Adorno - USP [SP/Brasil) Sônia Maria Fie U ry Teixeira - FGV (RJ/Brasil) Sulamls Daln - UERJ (RJ/Brasil)

EDITORA EXECUTIVA -

EXECUTIVEEDITOR

Marílla Fernanda de Souza Correia

SECRETARIA EDITORIAL • EDfTORlALSECRETARY Frederico Torna s Azevedo

INDEXAÇÃO SECRETARIA • SECRETARIES Gabriela Rangel de Moura José Maurício Octavlano de Oliveira Júnior

INDEXATION

Literatura Latlno-arnericaria e do Caribe ern Ciências da Saúde - LILACS História da Saúde Pública na América Latina e Caribe - HISA Sistema Regional de tnformaclón en Lfnea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, Espana y Portugal - LATINDEX Sumários de Revistas Brasileiras - SUMÁRIOS

Secreta ria Geral: Pesquisador:

JORNALISTA • JOURNALIST Priscilla Faria Uma Leonel ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA Avenida Brasil, 4036 - sala 802 - Manguinhos 21040-361 -Rio de Janeiro-RJ-Brasil TeL: (21) 38S2-9140 | 3882-9141 Fax.: (21) 2260-3782 Site: www.cebes.org,br • www.saudeemdebate.org.br E-mail: cebes@cebes.org.br • revistagsaudeemdebate.org.br

Apoio A Revista Saúde em Debate é associada í Associação Brasileira de Editores Científicos Ministério da Saúde
FIOCRUZ Fundíçio Oiwildo Cruz E5COU NICIOKtL DE SMD£ PUBL1U
SEHGtD AROUCA

EHSP

Produção gráfica e editorial Graphic and editorial producthn Zeppeliní Editorial wwwieppellitl.com.br

Impressão e Acabamento Prlnt and Finísh Corbã Editora Artes Gráficas

Tiragem Number of Copies 2.000 exempla res/coptei

Revista foi impressa no Rio de Janeira em março de 2012 Capa em papel cartão supremo 2SO g/m1 Miolo em papel kromma sitie90 g/m1

TTifs publícatton waspríntedin Rio de Janeiro In mordi, 2012 Cover In premlum card250 g/m2 Core ín kromma sílk 90 g/m1

Saúde em Debate, Revista do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde, Centro Brasileiro de Estudos de Saúde, CEBES - v.l (out/nov7dez-1976) São Paulo: Centro Brasileiro de Estudos de Saúde, CEBES, 2011.
v. 36; n. 92; 27,5 cm

Trimestral 1SSN0103-1104 1. Saúde Pública, Periódico. I. Centro Brasileiro de Estudos de Saúde, CEBES

CDO 362.1

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful