Você está na página 1de 9

Introdução à Educação Digital

O texto disponibilizado para leitura

é uma adaptação de um outro

bastante semelhante de autoria de Edla M. F. Ramos, que consta do livro recém publicado “Informática aplicada à aprendizagem da matemática”. Este livro foi escrito para o programa de Licenciatura em Matemática à Distância oferecido pela Universidade Federal de Santa Catarina. A autora e a

Coordenação do Curso autorizaram

a sua inclusão neste material.

Por que precisamos usar a tecnologia na escola?

As relações entre a escola, a tecnologia e a sociedade

Por Edla Ramos

Se este texto estivesse sendo lido por você a vinte e tantos anos atrás, uma questão que provavelmente apareceria seria se deveríamos ou não usar as novas (nem tanto mais) tecnologias na educação. No início da década de 80, havia o anseio de que essa tecnologia poderia produzir a massificação do ensino, descartando a necessidade do professor, ou que pudesse levar a aceleração perigosa de estágios de aprendizagem com consequências graves. Argumentava-se também sobre o disparate de usar microcomputadores em escolas que eram carentes de outros tantos recursos. Hoje em dia, no entanto, já há bastante concordância sobre o fato de que a informática deva ser incorporada ao processo educacional. Permanecem, contudo, as dúvidas sobre por que (ou sob qual perspectiva)

e sobre como essa incorporação deve acontecer.

Para Refletir Antes de prosseguir a leitura, pare um pouco, pense nas questões a seguir
Para Refletir
Antes de prosseguir a leitura, pare um pouco, pense nas questões a seguir e registre
por escrito suas respostas numa folha:
„ Por que precisamos usar a tecnologia na escola?
„ Você já apresentou esse questionamento a colegas, pais ou mesmo aos es-
tudantes?
„ Caso tenha feito, que respostas ouviu?
„ Teria por acaso ouvido que precisamos preparar os educandos para o mer-
cado de trabalho?
Você ficou satisfeito com esta resposta ou pensou em outros aspectos além deste?

18

Se você também não se contenta com esse argumento, está convidado para uma re- flexão mais ampla acerca do tema! Neste texto, apresento diversos argumentos para de- monstrar que a superação das exclusões não vai se dar pela via da empregabilidade ape- nas. A crise que estamos vivendo vai muito além do desemprego, pois estar empregado é condição necessária, mas cada vez menos suficiente, para a cidadania.

É preciso superar a lógica da empregabilidade, pois esta não dá conta da sutileza e da complexidade da relação entre escola, tecnologia e sociedade. Não contribui também para a construção de uma educação para a solidariedade, para a equidade, para o con- sumo ecologicamente sustentável. Está impregnada por um conceito de desenvolvimento predatório e dependente.

Em síntese, como diz Hugo Assmann, não basta educar a massa trabalhadora para ali- mentar a máquina produtiva, é preciso educar para provocar indignação frente à aceitação conformista da relação tecnologia X exclusão. É preciso formar cidadãos aptos a construir uma sociedade solidária, principalmente quando se considera que uma sociedade sen- sivelmente solidária precisa ser permanentemente reconstruída. Cada geração precisa aprender a dar valor à solidariedade.

A educação para a solidariedade persistente se perspectiva como a mais avançada tarefa so-

cial emancipatória. (ASSMANN

, 1998, p. 21).

O uso ou a incorporação das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) nos processos educativos tem implicações que ultrapassam de longe os muros de uma sala de aula ou de uma escola. Afinal, estas tecnologias favoreceram grandes mudanças neste período que está sendo chamado de revolucionário.

Analisando a história da nossa civilização, percebemos que em vários momentos ocor- reram mudanças revolucionárias no modo como o homem vivia. Aprofundando a nossa análise destas revoluções históricas, percebemos que entre seus motivos estava sempre a invenção de alguma ferramenta que expandiu a nossa capacidade de ação sobre o mundo (ou sobre a nossa realidade), ou, que expandiu a nossa capacidade de comunicação e de expressão. Tomemos como exemplo a revolução industrial com seus inventos principais:

a máquina a vapor e a criação da imprensa . As novas tecnologias ampliam essas capa- cidades de modo extraordinário, e, por isso, a dimensão das mudanças que elas estão

Unidade 1
Unidade 1

Figura 1.1: Máquina a vapor

19

Introdução à Educação Digital

Introdução à Educação Digital Figura 1.2: Prensa de Gutemberg produzindo vem gerando profundas crises e

Figura 1.2: Prensa de Gutemberg

produzindo vem gerando profundas crises e desequilíbrios. O mercado de trabalho, que afeta a vida de todos, também vem se transformando continuamente: muitas profissões e postos de trabalho foram extintos; novos produtos são criados constantemente; há de- semprego em muitos setores e falta de trabalhadores noutros.

A

mutação das técnicas produtivas é acompanhada por novas formas de divisão do trabalho

e,

logo também, pelo surgimento de novas classes sociais, com o desaparecimento e a perda

de poder das classes precedentes, por uma mudança da composição social e das próprias relações políticas. (ROSSI apud MUSSIO, 1987, p. 20).

Muitas incertezas afligem as pessoas nessa nossa época de uso intensivo de novas tecnologias. Dentre as questões em destaque estão:

„ Como garantir a continuidade de sociedades democráticas e participativas?

„ Como garantir o acesso à informação por todos e evitar o aumento das formas de controle e vigilância da mesma?

„ Como conseguir eficiência econômica e evitar o desemprego em massa e mais concentração de renda?

„ Como conseguir segurança pública e evitar a instalação do terror?

„ Face às diferenças que se acirram, como conseguir uma sociedade com respeito mútuo, com justiça distributiva e sem invasão da privacidade ou massificação?

Para Refletir Convidamos você novamente a parar um pouco a leitura e tentar fazer uma
Para Refletir
Convidamos você novamente a parar um pouco a leitura e tentar fazer uma síntese do
que foi dito. Uma boa estratégia para fazer uma síntese é construir um mapa conceitual.
Vamos dar um exemplo iniciando a construção de um para os parágrafos acima; se
você achar interessante pode completá-lo a partir do ponto em que paramos.

20

Unidade 1

invenções de comunicação intervenção humana na natureza
invenções de
comunicação
intervenção humana
na natureza
mudanças revolucionárias provocam gerando
mudanças
revolucionárias
provocam
gerando

crises, incertezas, aflições, possibilidades

Figura 1.3: Mapa Conceitual

Saiba Mais Pierre Lévy (Tunísia, 1956) é um filósofo da informação que se ocupa em
Saiba Mais
Pierre Lévy (Tunísia, 1956) é um filósofo da informação que se ocupa em estudar as inte-
rações entre a Internet e a sociedade. Fez mestrado em História da Ciência e doutorado
em Sociologia e Ciência da Informação e da Comunicação, na Universidade de Sorbon-
ne, França. Trabalha desde 2002 como titular da cadeira de pesquisa em inteligência
coletiva na Universidade de Ottawa, Canadá.

Novamente voltando, alguns anos atrás havia grandes expectativas sobre os efeitos da expansão do uso destas tecnologias. Muitos estavam bastante otimistas, mas já havia quem alertasse que não deveríamos sê-lo, pois

nada está decidido a priori” (LÉVY, 1993, p. 9). Lévy (1993, p. 7) nos lembrava já em 1993 que teríamos que inventar como gostaríamos que esta nova sociedade da informação fosse, do mesmo modo que inventamos a sua tecnologia. Ele ressaltava que havia um grande descom- passo e distanciamento entre “a natureza dos problemas colocados à coletividade humana pela situação mundial da evolução técnica e o estado do debate coletivo sobre o assunto.

Hoje em dia a realidade já não nos permite mais ser otimistas. É um fato bastante triste que no mundo de hoje, onde nunca tanta riqueza foi produzida, há tanto ou mais fome,

21

Introdução à Educação Digital

A tecnodemocracia é uma nova formação política onde os meios técnicos viabilizariam o desenvolvimento de comunidades inteligentes, capazes de se autogerir, onde todas as vozes poderiam ser ouvidas levando todos à inclusão social. Você acha que no Brasil já temos o estágio de uma tecnodemocracia?

Proveniente de estudo feito em parceria com o Ministério da Educação (MEC) e o Instituto Sangari, com base em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2005. Disponível em http://www. agenciabrasil.gov.br/

22

doenças e injustiças do que sempre houve. Logo, tanta tecnologia por enquanto não pro- duziu os efeitos desejados. Está ficando bastante claro que a forma de uso que damos às TIC é determinante nas respostas dadas a todas as questões que apresentamos acima. De modo geral, pode-se dizer que a tecnologia abre muitas possibilidades, mas a deter- minação do que vai se tornar realidade, dentre o que é possível, é do âmbito da política.

Então, se queremos uma tecnodemocracia, vamos precisar formar os sujeitos para isso. Precisamos pensar em alfabetização tecnológica para todos, pois quem não compreende a tecnologia não vai poder opinar sobre o que fazer com ela. Felizmente a sociedade está mais atenta sobre esta necessidade e tem buscado equipar as escolas; há também muitos projetos de inclusão digital que buscam ampliar o acesso às novas tecnologias.

Mas o quadro ainda não é satisfatório. Segundo dados de 2008 do Comitê Gestor da Internet, no Brasil a taxa média brasileira de acesso à internet nos domicílios é de 20%. Esse já parece ser um número interessante, mas não se pode esquecer que esta é só a taxa média, há grande diferença entre as regiões, sendo a região sudoeste a mais conecta- da, com 26%, e as regiões norte e nordeste as menos conectadas, com 9%. Essa diferença se propaga por qualquer crité- rio que esteja relacionado com os indi-

cadores eco-

crité- rio que esteja relacionado com os indi- cadores eco- Figura 1.4: Mapa da exclusão digital

Figura 1.4: Mapa da exclusão digital no Brasil Fonte: http://integracao.fgvsp.br/ano6/06/pesquisas.htm

Unidade 1

nômicos e sociais. Uma rápida olhada nos dados ao lado permite concluir que o Brasil conectado é essencialmente urbano, bem educado, bem alimentado e branco.

É importante também considerar que a escola é um lugar especialmente adequado para a promoção da inclusão digital, uma vez que a grande maioria dos jovens a frequenta num tempo em que estão bastante abertos ao aprendizado. Além disso, o uso coletivo que ali se pode dar aos computadores torna a inclusão digital a partir das escolas um investimento socialmente relevante.

A

melhor forma de combater o apartheid digital a longo prazo é investir diretamente nas escolas,

de

modo que os alunos possam ter acesso desde cedo às novas tecnologias. (BAGGIO, 2003).

No Brasil, o número de escolas com computadores e acesso à internet ainda está muito longe do ideal. Resultados de 2005 indicavam que o uso da internet nas escolas é ainda muito baixo. Segundo a pesquisa, apenas 5,4% da população com 10 anos de idade ou mais declarou ter usado a internet na escola.

Há outro estudo mais objetivo que aponta que

das 142 mil escolas brasileiras, apenas 8% dispõe de Internet com velocidade superior a 512 Kbps. (SANTOS, 2008).

Tentando mudar esta realidade, o governo Brasileiro muito recentemente lançou o Progra- ma Banda Larga nas Escolas, em parceria com as operadoras de telefonia fixa. O programa pretende que todos os alunos das escolas públicas do ensino fundamental e médio situadas na área urbana tenham acesso à Internet banda larga (2megabits) até o final de 2010.

Suponhamos, então, que, como nação, tenhamos realizado um grande esforço e inves-

timento e tenhamos chegado a promover a alfabetização tecnológica para todos. Ainda assim não teria sido o bastante. Vamos fazer uma comparação com a alfabetização para

a escrita e a leitura. Sabemos muito bem que o que é entendido como ser alfabetizado

muitas vezes é apenas ter atingido a capacidade de ler uma página impressa e de assinar

o próprio nome. Sabemos que um cidadão precisa muito mais do que isso. Um cidadão

precisa poder decidir sobre o que quer ler e ter acesso aos materiais que lhe interessam;

precisa poder escrever com competência sobre o que desejar; e, acima de tudo, precisa, quando julgar necessário, ter assegurado o direito de ser lido.

O que queremos dizer é que a massificação de competências técnicas é necessária,

Apartheid é uma palavra de origem

africana, adotada legalmente em 1948 na África do Sul para designar um regime segundo o qual os brancos detinham o poder e os povos restantes eram obrigados

a viver separadamente, de acordo

com regras que os impediam de ser verdadeiros cidadãos (APARTHEID. In: WIKIPÉDIA: a enciclopédia livre. Disponível em:

< http://pt.wikipedia.org/wiki/

Apartheid >. Acesso em: 26 jul.

2009.)

512Kbps corresponde aproximadamente a 500 mil bits por segundo, ou metade de um megabit. O megabit por segundo (Mbps ou Mbit/s) é uma unidade de transmissão de dados equivalente a 1.000.000 bits por segundo. Já o bit (simplificação para dígito binário, “BInary digiT” em inglês) é a menor unidade de medida de dados usada na Computação.

23

Introdução à Educação Digital

mas não é suficiente. É preciso mais. É preciso promover compreensão crítica sobre as tecnologias. Piero Mussio, abordando a questão da alfabetização tecnológica, destaca:

Há dois níveis de compreensão de um instrumento tecnológico. O primeiro é o da compreensão

O segundo nível é o da compreensão do uso do instrumen-

to (

técnica, típico dos especialistas (

sendo capaz de avaliar, julgar o instrumento proposto não por seus mecanismos internos

mas pelas suas funções (globais) externas. (MUSSIO, 1987, p. 16).

)

)

Mussio lembra que é preciso fazer crescer a consciência do significado cultural do instrumento de forma a minimizar a “delegação” de poder aos especialistas. Nesse nível de compreensão, o usuário passa a naturalmente ser ator do projeto de inserção tecnológica. Acontece que esta atuação para se tornar explícita exige um processo trabalhoso de aprendizado, de compreensão e de adaptação. A questão que Mussio levanta nesta problemática é: “como permitir a quem quiser usar convenien- temente um artefato tecnológico informar-se, não para ser civilizado ou alfabetizado apenas, mas para melhorar a si mesmo, ativando funções críticas autônomas de avaliação de tais sistemas, por aquilo que fazem e pelo modo como fazem. (RAMOS, 1996, p. 6).

Em outras palavras, já que as novas tecnologias mudam profundamente os meios de produção e de consumo, o que está em jogo é o controle político e social desses meios. Illich (1976) lembra que as próprias características técnicas dos meios de produção po- dem tornar impossível este controle. Novamente, é preciso compreender a tecnologia para poder dizer como elas devem ser. Vemos assim que, para Illich, dominar uma ferra- menta é muito mais do que aprender a usá-la, significa a garantia da possibilidade de se definir conjuntamente o que vamos fazer com elas.

A intenção com o que foi até agora dito é a de sublinhar a necessidade de criar posturas autônomas e críticas de aprendizado sobre a tecnologia. Boff (2005) explicita essa ideia dizendo que precisamos educar os sujeitos para que sejam críticos, criativos e cuidantes. Ser crítico, para ele, é a capacidade de situar cada evento em seu contexto biográfico, social e histórico, desvelando os interesses e as conexões ocultas entre as coisas. É ser capaz de responder: quais tecnologias servem a quem? Boff (2005, p. 9) explicita que

24

somos criativos quando vamos além das fórmulas convencionais e inventamos maneiras sur-

preendentes de expressar a nós mesmos [

quando estabelecemos conexões novas, intro-

];

Unidade 1

duzimos diferenças sutis, identificamos potencialidades da realidade e propomos inovações e alternativas consistentes.

Enfim, ser criativo significa ser capaz de recriar-se e de recriar o mundo, ou de inventar as tecnologias que queremos. Por último, e mais importante, é preciso ser cuidantes. Ser cuidante é ser capaz de perceber a natureza dos valores em jogo, de estar atentos ao que verdadeiramente interessa, discernindo que impactos nossas ideias e ações têm sobre as outras pessoas, e sobre o planeta. Sem o cuidado e a ética esvaziamos as capacidades críticas e criativas, pois, não nos esqueçamos que vivemos um tempo em que nossas ações estão em vias de inviabilizar a vida no planeta.

Para Refletir No caso do aprendizado sobre a tecnologia, podemos então entender que, além de
Para Refletir
No caso do aprendizado sobre a tecnologia, podemos então entender que, além de
aprender a usar, é preciso ser capaz de dizer para que usar e para que não usar e,
ainda, ser capaz de dizer como deve ser a tecnologia a ser usada. Levando isso em
conta sugerimos que você pense então na importância dos profissionais da educa-
ção nesse processo. Você e seus colegas na sua escola, já haviam sentido antes a
necessidade de fazer esta reflexão? Pode anotar em que situações essa necessida-
de havia surgido?

Como já dissemos: quem não compreende não opina. Por isso perguntamos:

„ Existiria um conjunto de conceitos fundamentais sobre as Tecnologias de Informa- ção e Comunicação (TIC) que precisariam ser dominados por todos os cidadãos?

Não temos dúvidas sobre isto nas disciplinas de matemática, de língua portuguesa, de história etc. Quais seriam esses conceitos no caso das TIC? Alguns nos vêm à mente: o que é digital? O que é hipertexto? Como se estrutura a Web física e logica- mente? Qual é a geopolítica da Web? O que é um banco de dados? Princípios das linguagens de programação? O que é um computador? Estruturas hierárquicas de

classificação? Medidas de Informação (bits, gigabytes,

Transmissão de dados?

)?

25

Introdução à Educação Digital

Tudo o que discutimos até agora são questões que podem orientar sobre como usar as tecnologias na escola. Elas podem ajudar a definir os currículos (seus conteúdos, obje- tivos e métodos); a definir a orientação da prática pedagógica; os tipos de software edu- cacional que devemos usar; a formação dos professores, a organização da distribuição e uso dos recursos computacionais etc. Enfim, elas podem ajudar a definir como o nosso dia-a-dia na escola deverá ser reorganizado.

Mas, finalizando, precisamos considerar que o computador é também uma importan- te ferramenta pedagógica que pode ajudar a desenvolver o raciocínio das pessoas. Na verdade, acreditamos que a incorporação da tecnologia ao processo educativo cria uma oportunidade ímpar para a estruturação e implantação de novos cenários pedagógicos. Sabemos que o nível de interatividade dessa ferramenta tem potencial para produzir no- vas e riquíssimas situações de aprendizagem. Pelo seu potencial pedagógico, podem também ser espaço da cointegração entre disciplinas. E, por isso tudo, podem contribuir para a valorização dos educadores e para o seu reencantamento pelo ato de educar. Além disso, frente a essa interatividade, as debilidades da educação baseadas na transmissão, no treino e na memória ficam tão evidentes que é difícil não percebê-las.

Piaget já nos falava que a aceitação de erros é fundamental para a construção signifi- cativa e verdadeira do conhecimento. Sem errar não se chega ao conhecimento. É preciso experimentar, tentar e tentar de novo. Então o professor que vai fazer o uso de novas tec- nologias de um modo proveitoso precisa perder o medo de experimentar junto com seus alunos, precisa negar o verticalismo da sua relação com eles buscando mais confiança e companheirismo. Ninguém está aqui anunciando o fim da autoridade do professor, mas sim o abandono do autoritarismo que está intrínseco ao ensino das soluções prontas e acabadas, adotadas sem crítica nem compreensão. Nem estamos advogando que tudo precise ser reinventado, pois há muitas soluções excelentes para muitos problemas. Não estamos também negando a importância do treino e dos exercícios de repetição no apren- dizado. Estamos sim negando o seu uso acrítico e alienado. Acreditamos que a aprendi- zagem significativa e crítica que queremos ver implementadas com as novas tecnologias pressupõem o coletivo, a cooperação entre pessoas e disciplinas e o diálogo franco e livre.

26