Formação Profissional de Ascensorista

CURSO DE FORMAÇÃO DE ASCENSORISTA

Sumário

A história do elevador ..........................................................................................02 Ascensorista............................................................................................................04 Conhecendo o elevador ........................................................................................06 Segurança e eficiência...........................................................................................07 Segurança ao entrar e sair do elevador...............................................................08 Terminologia...............................................................................................11

Formação Profissional de Ascensorista

A Historia do elevador

Mais de 2 milhões de elevadores transportam pessoas e cargas em todo o mundo; um quinto deles encontram-se na América do Norte, nos quais 350 milhões de pessoas sobem e descem diariamente. Nos problemas de Física, os elevadores são apenas caixas suspensas pelo cabo, que exerce uma força de tração maior, menor ou igual ao peso do elevador. Na verdade, elevadores existem há séculos e nunca foram dispositivos tão simples como os problemas sugerem. Vitrúlio, arquiteto romano do século I a.C., fez a primeira descrição desse equipamento - uma cabina suspensa em poço vertical, movida por tração humana, animal ou hidráulica, com o auxílio de um contrapeso para elevar pessoas ou cargas Na metade do século XIX, o americano E.G.Otis introduziu no elevador, movido a vapor, o uso do sarilho - cilindro horizontal onde o cabo é enrolado e tracionado.Os elevadores consistem basicamente num carro fechado, equilibrado por um contrapeso, que se move por meio de um cabo de aço impulsionado por um motor. Os mais antigos elevadores elétricos (construídos no início do século XX) eram alimentados por corrente contínua. Até meados da década de 20, esses equipamentos empregavam motores de alta rotação que giravam a roda de impulsão principal por meio de uma engrenagem sem fim. Atualmente, os motores com engrenagens fornecem a potência necessária para a maioria dos elevadores com velocidades de 122 a 152 metros por minuto. Nas velocidades mais altas, os motores de baixa rotação sem engrenagens apresentam-se bastante vantajosos com relação à velocidade de deslocamento e aos custos operacionais. Os elevadores sem engrenagens podem alcançar velocidades de até 600 metros por minuto e geralmente são usados em edifícios de escritórios que têm mais de 10 andares e em prédios de apartamentos de mais de 30 andares.

Embora a introdução de novos materiais (plásticos e aço inoxidável, por exemplo) tenha modificado a aparência externa dos elevadores, o sistema básico de deslocamento sofreu poucas alterações nas últimas décadas. O sistema de controle, ao contrário, alterou-se profundamente desde os tempos em que uma corda numa polia fazia atuar uma válvula de pressão ou movia uma barra deslizante através dos contatos do painel de controle. Botões no carro e nos andares, aceleração e desaceleração automáticas e a necessidade de maior velocidade de deslocamento conduziram aos sistemas unificados de controle, capazes de prover serviços mais rápidos com um número mínimo de carros.

2

Formação Profissional de Ascensorista

Normalmente, os elevadores são contrabalançados por um contrapeso equivalente ao peso do carro vazio mais cerca de 40% de sua carga máxima. O contrapeso reduz a força necessária para elevar o carro, fornecendo também uma certa desaceleração que serve para auxiliar o controle da velocidade na descida. Uma das características mais importantes do projeto de um elevador é o sistema de segurança. Em circunstâncias normais, a velocidade é controlada por um regulador, através de chaves que atuam sobre o motor e os circuitos de freio. Quando a velocidade de descida de um carro excede o limite predeterminado, os braços de frenagem (ativados por um cabo conectado a uma unidade reguladora na máquina de enrolamento) são postos em contato com os trilhos de orientação, retardando o movimento de maneira segura, até parar o carro. Além disso, em todos os poços de elevador existe um conjunto de amortecedores hidráulicos ou de molas para reduzir os efeitos de uma eventual queda.

Alguns elevadores modernos são equipados com dispositivos sensíveis ao peso do carro, que o impedem de atender chamadas quando já está com sua lotação máxima. Outro importante equipamento de segurança é o sistema de travamento das portas, que impede o movimento do carro até que elas se fechem completamente.

3

a primeira impressão de um visitante em um prédio comercial é a recepção ou portaria. estar atento ao limite de carga. registra o andar solicitado pelo passageiro. Residenciais. A figura do ascensorista é cada vez mais rara nos prédios modernos. para localizar defeitos e evitar acidentes. Comerciais e Similares. Verifica o funcionamento do elevador. No entanto. características como iniciativa e capacidade de comunicação são fundamentais para o desempenho da atividade. Zeladores. jamais exceder as especificações técnicas do fabricante. ou seja. Cabineiros.Formação Profissional de Ascensorista Ascensorista proporciona segurança no elevador Ascensorista garante correta utilização do elevador Os elevadores estão cada vez mais modernos e com funções facilitadas para que qualquer usuário possa acioná-los. para conduzir passageiros e cargas aos locais solicitados ou determinados. um relações públicas do condomínio. Também é importante que o ascensorista tenha um conhecimento básico de localização dos profissionais ou moradores do prédio para melhor orientar os visitantes. define Edison Artur da Silva Feijó. por meio de comandos. para garantir a segurança dos passageiros e cargas. para possibilitar a parada do elevador no andar correspondente. onde os elevadores de última geração facilitam ao máximo as operações para que qualquer usuário possa acioná-lo. repartições públicas. O controle de portas e dos prazos de manutenção preventiva são situações que exigem máximo cuidado". examinando os equipamentos. e logo após o profissional que pilota o elevador". Cabe ao ascensorista controlar. abertura e fechamento de portas.Não dá para negar. baseando-se nas informações legais quanto à lotação e tonelagem máxima permitidas. na realidade. ao limite de lotação e carga e a outras instruções. Serventes e Outros do Estado Características do profissional Por isso. . sempre haverá situações onde a figura do ascensorista é indispensável. pressionando os botões do painel de controle. Porteiros. garantindo a correta operação e a segurança de todos. "O ascensorista precisa ter conhecimento técnico na operação de elevadores. Vigias. há situações em que essa profissão continua sendo indispensável e muito valorizada. "O ascensorista é. Locais com grande fluxo de público e com equipamentos mais antigos não abrem mão de quem se responsabilize pelo elevador. assim como movimentos de deslocamentos dos elevadores. principalmente com crianças que são mais desatentas. "A maior preocupação são com os possíveis acidentes. 4 . edifícios comerciais e outros locais de atendimento público. "É preciso transportar os condôminos ou visitantes de maneira segura e cordial aos seus destinos"Quem ocupa o cargo também deve ter atenção especial com a segurança dos ocupantes. acionando os dispositivos de comando e obedecendo à escala de alternância de andares.Controla a quantidade de peso das pessoas e mercadorias a transportar. tampouco tentar burlar o comando de excesso de carga" De acordo com a Classificação Brasileira de Ocupações Opera elevadores em empresas. No entanto. Faxineiros. presidente do Sindicato dos Empregados em Edifícios e Condomínios. Isso numa visão mais simples.

Pode prestar informações ao público sobre a localização de pessoas ou dependências e serviços. Por que é importante conhecer o funcionamento do elevador? 5 . Pode coibir o uso de cigarros na cabine do elevador. Zela pelo bom funcionamento e limpeza interna do elevador.Formação Profissional de Ascensorista Opera o elevador ligando-o e desligando-o através de dispositivos automáticos e/ou manuais e fazendo-o parar nos andares solicitados.G. De acordo com a Classificação Brasileira de Profissões quais as atividades do Ascensorista? Qual a função do ascensorista ? Por que este profissional é considerado o relações publicas da empresa? Quando o texto diz que o ascensorista deve conhecer as localizações de todas as salas e pessoas . 2. 3. explique por que isso deve acontecer? Quais as principais características que um ascensorista deve ter? Quando foi criado o elevador ? 7. Como estão equipados alguns elevadores modernos ? Como é contrabalenceado o peso do elevador ? 10. para evitar conseqüências desagradáveis. 4. Quem foi E. para conduzir passageiros e cargas aos locais determinados.Otis? 8. 9. constatando e comunicando avarias e outras anormalidades. Atividades de Revisão : 1. Pode abrir manualmente a porta do elevador em casos de emergência por defeitos do automático ou falta de energia elétrica. 6. para possibilitar a saída dos passageiros. para conservá-lo em condições de segurança e asseio. 5.

Limitador de Velocidade Sistema de segurança que controla a velocidade e interrompe o funcionamento do elevador quando acionado 4. Guias Responsáveis por conduzir o movimento de subida e descida 6.Formação Profissional de Ascensorista Conhecendo o elevador . Máquina de Tração Responsável por tracionar a cabina 3. Cabina Responsável por transportar pessoas e objetos 5. Painel de Comando Controla todas as funções do elevador 2. Freio de Segurança Paralisa o elevador quando o limitador de velocidade é acionado 7. 1. Pára-choques Servem para proteção de limite de percurso do elevador 6 . Porta de Pavimento Abre apenas com a chegada do elevador no pavimento solicitado 8.

Se houver algum problema. Chame o elevador apenas uma vez e aguarde calmamente . Antes de entrar. pressione o botão de alarme e aguarde calmamente o socorro. verifique se a cabina está no pavimento.Formação Profissional de Ascensorista Segurança e eficiência máxima no uso do elevador. Jamais permita que crianças usem o elevador sozinhas Cuidados • Nunca segure a porta do elevador 7 .

Chame o elevador na botoeira de pavimento e aguarde a sua chegada. Não “segure” a porta do elevador por mais tempo que o necessário para o embarque e desembarque. esta atitude pode danificar o equipamento. uma batida na porta pode danificar o equipamento. além de não 8 ser justo com outros usuários. esta atitude pode danificar o equipamento.Entretanto. Os elevadores possuem dois tipos de portas: as portas de abertura simultânea e as portas de eixo vertical (veja figuras ao lado). isto pode danificar o equipamento.Formação Profissional de Ascensorista • Respeite o limite de carga • Não fume Segurança ao entrar e sair do elevador. Os elevadores dispõem de equipamentos mecânicos e eletrônicos que impedem o seu fechamento durante a entrada e saída de porta com a mão. há alguns cuidados necessários a seguir para garantir a sua segurança: Não interrompa o fechamento da porta com a mão. além de não ser justo com outros usuários. Não apresse o fechamento das portas. Atenção no transportar carrinhos de compras. As portas não devem ser usadas como apoio de pessoas ou objetos. . empurrando-as ou puxando-as. As portas dos elevadores dispõem de acessórios de segurança que impedem seu fechamento na entrada e saída de pessoas. Cuidado com objetos muito finos que podem não ser detectados pelos sistemas de segurança das portas como coleiras de cães e bengalas. Chame o elevador na botoeira de pavimento e aguarde a sua chegada. Não “segure” a porta do elevador por mais tempo que o necessário para o embarque e desembarque.

AMORTECEDOR: Um dispositivo localizado no fundo da caixa de elevador. ao absorver e dissipar a energia cinética do carro ou 9 . ou que têm um significado específico quando relacionados com transporte vertical. projetado para parar um carro ou contrapeso além de seu limite normal de viagem na descida. vários termos usados têm significado específico e são um meio de comunicação entre profissionais. devem ser consultadas para as definições “oficiais”. CHAMADA: Um alarme ou campainha dentro do carro. ALARME. ALARME: Sinal destinado a chamar a atenção em caso de emergência. é conectada a um botão de pressão na botoeira de operação do carro. e está disponível para os passageiros pedirem socorro em emergências.Formação Profissional de Ascensorista Termos em elevadores Como em qualquer indústria. dentro da cabina. acionado por um botão de pavimento para dar um sinal audível. chamando o carro para outro pavimento. como retorno sonoro ou para uso durante uma possível falha de energia. PORTA ABERTA: O mesmo que “Alarme. BOTÃO: Uma campainha elétrica localizada dentro ou fora da caixa do elevador e deve ser audível para o pessoal de operação do edifício. Chamada”. Uma segunda campainha operada por bateria está localizada no próprio carro. ALARME . exceto que sinaliza que uma porta de operação manual está aberta. O glossário seguinte é uma compilação de muitos termos e definições peculiares à indústria de elevadores e escadas rolantes. Podem ser termos não aceitos legalmente. e impede a operação do elevador. As definições e descrições dadas no “Glossário” foram obtidas de muitas fontes e são inclusas somente para propósitos descritivos. ALARME. Normas de elevadores locais e a NBR 5666 Terminologia de Elevadores. da ABNT.

que constituem as laterais da unidade. Os painéis podem ser de metal ou vidro. ASCENSORISTA: Pessoa habilitada a manejar elevadores BALAUSTRADA: Numa escada rolante. APLICAÇÃO: A capacidade de carregamento de carga. ou pistão em um acoplamento direto. o freio de segurança do carro e os cabos de sustentação ou polías. por meio de uma seta ou luz. A barra de reversão é montada na porta com articulações que permitem movimento. os conjuntos de sapatas superiores e inferiores. corrimão etc.Formação Profissional de Ascensorista AMORTECEDOR A ÓLEO: Um amortecedor que usa óleo como um• meio que absorve e dissipa a energia cinética de um carro ou contrapeso na descida. BARRA DE REVERSÃO: Um membro vertical em forma de barra instalado na face de uma porta de elevador automática e de altura aproximada à da porta. ANUNCIADOR: Um dispositivo elétrico dentro do carro que indica visualmente ao ascensorista. BANDEIRA: Uma folha ou folhas usadas para fechar a abertura da armação de entrada da caixa. monta-carga etc. servindo a níveis distintos e destinado ao transporte de pessoas e carga. AMORTECEDOR DE MOLA: Um amortecedor que utiliza uma mola para dissipar a energia cinética de um carro ou contrapeso na descida. extensão.. ARMAÇÃO DO CARRO: A armação suporte na qual estão presos a plataforma do carro. através das quais os passageiros andam. é o conjunto de painéis. Quando as portas estão fechando. velocidade de operação e outros dados técnicos que definem as capacidades operacionais de um elevador. acima das folhas de portas de pavimento. as chamadas feitas por passageiros esperando no pavimento. ASCENSOR OU ELEVADOR: Aparelho estacionário provido de cabina que se move aproximadamente na vertical entre guias. se elas são tocadas por um passageiro 10 . escada rolante.

interruptores. em sua parte frontal destinado a reverter sua movimentação quando obstada. interruptores etc.) ao equipamento de controle na casa de máquinas. no caso de um elevador hidráulico. operador de porta etc. Ou ao acionar as válvulas eletrieamente e/ou motor da bomba. O circuito de controle. causa a parada e a reabertura das portas. então. CABO DE COMANDO: Uma quantidade de cabos flexíveis e encapsulados. BOTÃO (CHAVE) DE EMERGÊNCIA: Dispositivo de acionamento manual destinado a paralisar o carro e mantê-lo parado. BARRA ELETRÔNICA: Montado em uma porta automática de elevador. fibras óticas. o dispositivo. luzes. provoca a parada do elevador através da remoção da alimentação do motor da máquina de tração e aplicãção do freio em um elevador elétrico. para registrar o destino de passageiros e a operação dos sistemas de segu rança. BOTÃO DE PARADA DE EMERGÊNCIA: Um dispositivo localizado dentro do carro que. É um tipo de dispositivo protetor de porta. interligando os equipamentos do carro botôes. CABINA: 11 . tendo uma ponta presa na parte inferior da caixa: a outra ponta é ancorada na caixa e conduzida à casa de máquinas. ao ser operado manualmente. parará o fechamento da porta e fará a sua reabertura. ao “sentir” a presença de pessoas ou objetos obstruindo a abertura durante o fechamento.Formação Profissional de Ascensorista ou sofrem obstrução. BOTÃO LUMINOSO: Um botão de chamada cuja lente ou anel transparente ilumina para mostrar que o botão foi acionado para registrar uma chamada no carro ou no pavimento. BARRA DE SEGURANÇA: Elemento solidário à porta da cabina. instalados dentro do carro do elevador para uso dos passageiros e / ou ascensorista.. Os cabos de comando podem conter cabos blindados. BOTOEIRA DE OPERAÇÃO DO CARRO: A montagem de botões. luzes. coaxiais e. a barra é movida e um interruptor é acionado. possivelmente.

desde que a porta esteja na posição fechada. 12 . CONTATO ELÉTRICO DA PORTA DO CARRO: Um dispositivo elétrico cuja função é impedir a operação da máquina de tração através de sua operação normal. montados sobre plataforma. a ser levantada à velocidade nominal. teto e piso. Inclui o fundo da caixa e termina no teto. Geralmente localizada na parte superior do edifício. onde se movimentam o carro e o contrapeso se houver. máquina. que normalmente é de 5 minutos. CAIXA: Recinto formado por paredes verticais. especificada para o elevador.Formação Profissional de Ascensorista Recinto fechado por paredes. moto-gerador etc. armação. incluindo sua plataforma. paredes ou fechamento e a porta do carro. monta-carga ou escada rolante. CAPACIDADE: Carga ou lotação máxima. CARRO DO ELEVADOR: A unidade de carregamento. CARGA ÚTIL: A carga de projeto e instalação de elevador. mas também pode ser localizada embaixo ou ao lado. destinado à instalação de polias e outros dispositivos. CAIXA DO ELEVADOR OU MONTA-CARGA: Um passadiço para o percurso de um ou mais elevadores ou monta-carga. painel seletor. fundo de poço e teto. em um dado período de tempo. CASA DE POLIAS: Recinto localizado acima do teto da caixa. tais como. destinado ao transporte de pessoas e/ou carga. CAPACIDADE DE MANOBRA: O número de pessoas em um ou grupo de elevadores. atendidas no movimento de subida e descida. painel de controle. CASA DE MAQUINAS: A porção de um edifício dedicada exclusivamente para abrigar partes de controle e acionamento de um elevador ou monta-carga. acima da caixa.

acionando os dispositivos instalados na cabina. é outra forma de acionamento direto. ou seja. e vários tipos de acionamentos diretos em linha convertem ar para dc por meios de semicondutores de estado sólido. que percorre verticalmente uma caixa de elevador. 13 . Freqüência variável ar. Cursores de deslizamento simplesmente escorregam junto às faces da guia. CONTROLE REOSTÁTICO: É um sistema de controle de velocidade realizado pela variação da resistência e / ou reatância no circuito de armadura e / ou campo do motor ar de uma máquina de tração. COMANDO AUTOMÁTICO: Comando que processa a partida do carro e a parada automática nos pavimentos. atendendo às ordens emitidas da cabina e/ou às chamadas dos pavimentos. CONTROLE DO ELEVADOR: O sistema elétrico que dirige os principais movimentos. tais como SCR’s. Os sistemas de controle usuais são o gerador com controle de campo. ou pode ser material plástico. os aparatos nos quais estão conectados. utilizando um moto-gerador para converter a linha ar para (dc é a principal alimentação para grandes máquinas de tração). de maneira predeterminada. que é autolubrificante. dentro de guias próprias. e contrabalança o peso do carro e um percentuaL da capacidade de carga. COMANDO MANUAL: Comando em que as operações de partida e parada do carro são feitas exclusivamente por pessoa habilitada. CURSORES DO CARRO OU CONTRAPESO: Dispositivo preso à armação do carro e contrapeso. Cursores de rolos não requerem lubrificação das guias. manter a velocidade estabelecida. que os mantém localizados adequadamente com relação às guias. barras de aço ou cimento. partir e acelerar o elevador. COMANDO: Sistema que condiciona o funcionamento do elevador às características do serviço a que for destinado. utilizando máquinas de tração ar. iniciar e controlar a desaceleração. na parte superior e inferior. nivelamento e parada. CONTROLE: Um dispositivo ou grupo de dispositivos que serve para controlar. Cursores de rolos consistem de rodas de borracha ou plástico montadas sob molas. exigindo que as guias sejam lubrificadas. a corrediça de deslizamento pode ser de metal. que rodam na frente e dos lados das faces das guias.Formação Profissional de Ascensorista CONTRAPESO: Uma estrutura com armação de aço contendo pesos de ferro fundido.

independentemente do funcionamento do dispositivo de parada normal ELEVADOR RESIDENCIAL: Um elevador elétrico de passageiros instalado numa residência privada e que tem uma carga útil não excedendo 320 kg. EQUIPAMENTO À PROVA DE EXPLOSÃO: Equipamento construído especialmente onde os dispositivos elétricos são selados adequadamente. no sistema de controle de movimento de um elevador. conforme norma A17. uma velocidade nominal menor que 0. 14 .Formação Profissional de Ascensorista DIAGRAMA ESQUEMATICO: Um desenho apresentando o circuito de operação elétrica.20m/s. enquanto que um diagrama de “campo’ indica ao instalador. no local de trabalho. escada rolante ou monta-carga etc.1 para as limitações. ESCADA ROLANTE: Escada de movimento contínuo. inclinada e usada para subir ou descer passageiros. movida eletricamente. como conectar a fiação de vários componentes fornecidos durante a instalação. tais como SCR’s e controles programáveis. DISPOSITIVO DE PARADA FINAL: Um dispositivo que. independentemente dos dispositivos de operação.para levantar e abaixar pessoas de um andar para outro. após o carro ter passado por um terminal extremo. DISPOSITIVO DE PARADA: Um ou mais dispositivos normais para retardar e parar um elevador ou monta-carga automaticamente num elevador extremo ou próximo. causa a remoção da energia do motor de um elevador elétrico ou montacarga e freio. ESTADO SÓLIDO -ACIONAMENTO DO MOTOR A utilização de componentes elétricos estáticos. controle de velocidade e sinais de um elevador. para minimizar a possibilidade de explosão provocada por faíscas ou arcos. Normalmente é empregado em edifícios situados em usina catalisadora de fluidos. uma área dentro da cabina menor que 1. Um diagrama “completo” mostra todas as ligações e componentes para operar o equipamento.15m e uma altura não maior que 15 m. ou de um elevador hidráulico. ELEVADOR DE CADEIRA PARA ESCADA: Um elevador de passageiro instalado sobre uma escada numa residência privada.1. Veja norma A 17. automaticamente.

e na qual o conjunto de portas e o elevador são instalados. consistindo de paredes verticais ou divisórias. controles programáveis ou circuitos integrados para controlar o sistema de operação de um ou grupo de elevadores. 15 . microprocesadores. no topo da caixa. exceto sapatas ou rolos de guias. onde os corrimãos fazem a volta. plataformas etc. sobre o qual os passageiros permanecem ou caminham. FECHADOR DE PORTA: Um dispositivo mecânico que fecha uma porta de pavimento ou de carro por meio de molas ou gravidade.LÓGICA: A utilização de componentes elétricos estáticos. garras do freio de segurança e protetores de plataforma. polias e equipamento.Formação Profissional de Ascensorista ESTADO SÓLIDO . EXCITADOR: Unidade geralmente conectada ao motor-gerador e que fornece tensão para o funcionamento de circuitos de um armário de comando. equipamento ou dispositivo instalado debaixo da plataforma do carro. que isolam a caixa de todas as outras partes do edifício ou de caixas adjacentes. FOLGA INFERIOR DO CARRO: A distância livre vertical do fundo da caixa do elevador até a parte mais baixa de estruturas. trava a porta antes do carro se movimentar. quando o carro se encontra sobre amortecedores totalmente comprimidos. ESTEIRA ROLANTE: Um transportador de movimento contínuo para carregar passageiros. quando o carro está nivelado com pavimento extremo superior. e no qual a superfície continua paralela àsua direção de movimento e é ininterrupto. EXTENSÃO DA BALAUSTRADA: A ponta curva da escada rolante ou esteira rolante. FOLGA SUPERIOR DO CARRO: A menor distância entre o cabeçote (topo do carro) e a parte mais próxima da estrutura superior ou qualquer outra obstrução. ESTRUTURA SUPERIOR: Todos os membros estruturais. simultaneamente. suportando o maquinário do elevador. FECHAMENTO DA CAIXA DO ELEVADOR: A estrutura sólida.. FECHO ELETROMECÂNICO: Dispositivo que abre e fecha circuitos elétricos e .

FUNDO DA CAIXA: A porção de uma caixa de elevador. especialmente projetada para ser fixada verticalmente na estrutura da caixa e usada para guiar o carro ou contrapeso em sua viagem vertical. no caso de descer a uma velocidade excessiva. Geralmente. GUIA: Seção de aço laminado ou outro formato. INDICADORES: Pequenos mostradores mecânicos ou elétricos montados junto aos botões de pavimento. o motor é ac e o gerador produz corrente dc. (Veja «Freio de segurança). GERADOR COM CONTROLE DE CAMPO: É um sistema de controle de velocidade realizado pelo uso de um gerador acionado por um motor. Estes são os primeiros modelos. o contrapeso também). deve causar uma interação entre o limitador de velocidade. que indica a direção em que o carro está viajando e pode sinalizar a chegada do carro quando as portas estão abrindo. que indicam a posição do carro dentro da caixa de elevadores. INDICADOR DE DIREÇAO DO CARRO: Um sinal auxiliar instalado no carro. monta-carga ou escada rolante. FREIO DE SEGURANÇA: Dispositivo de segurança fixado na armação do carro ou do contrapeso. para cada elevador ou monta-carga.Formação Profissional de Ascensorista FREIO: Uma parte integral de uma máquina de tração de elevador. no qual a tensão aplicada ao motor da máquina de tração é ajustada e a velocidade variada pela alteração da intensidade e direção do gerador de campo. que opera para parar a unidade e/ou manter o peso da carga numa posição fixa. enquanto elevadores modernos usam indicadores eletrônicos digitais. também usada durante a aplicação do freio de segurança para parar o carro (em alguns. prendendo-os às guias quando acionado. Numa condição anormal em que o carro ou contrapeso desça acima de uma velocidade predeterminada. e o cabo acione o freio de segurança para entrar em contato com a guia e dar ao carro ou contrapeso uma parada controlada. destinado a pará-los de maneira progressiva ou instantânea. estendendo-se do nível do pavimento inferior até o piso do fundo da caixa. INDICADOR DE PASSAGEIROS EM ESPERA: 16 .

como uma rampa. Interruptor magnético (relé ou contatorl —operado através de um esforço magnético de uma bobina. ou de indicador de posição do carro quando colocado no carro. ou operado por outro mecanismo. automaticamente. normalmente por números iluminados ou um tipo digital. interrupção de um feixe de luz. a posição do carro do elevador dentro da caixa. alteração de capacitância etc. para isolar uma corrente elétrica de outra. Interruptores de proximidade — opera pela influência de uma proximidade magnética. Existem muitos tipos de interruptores mecânicos em elevadores. Também pode ser encontrado num painel indicador no saguão. Entradas e saídas (1/O) — pode ser usado como uma interface entre um interruptor mecânico e dispositivos de estado sólido. interruptores de parada interruptores limites interruptores de porta interruptores de nivelamento interruptores do limitador INTERRUPTOR DE AFROUXAMENTO DOS CABOS: Um dispositivo que. E chamado de indicador de posição de pavimento quando é colocado num pavimento. faz com que seja removida a energia elétrica do motor da máquina de acionamento e do freio do elevador. como um interruptor de luz. ou pode ser parte de um monitor de TV numa central de controle ou casa de máquinas. INTERRUPTOR: Um dispositivo usado para completar ou interromper um circuito elétrico. por exemplo: -etc. que faz a operação do interruptor (encontrado em profusão em comandos e painéis de controles) Interruptor mecânico — pode ser operado manualmente. INDICADOR DE POSIÇÃO: Um dispositivo que indica. quando os cabos de sustentação de uma máquina a tambor de enrolamento se afrouxa.Formação Profissional de Ascensorista Um indicador centralizado que mostra quais são os pavimentos e as direções de chamadas registradas e não atendidas. 17 .

O intervalo realmente experimentado é um valor dinâmico. isto é. e que. são providos nas portas dos carros. que pode ser uma função de um sistema projetado para operar 18 . normalmente 5 minutos. usado quando o carro está lotado ou quando houver outra razão para não atender a chamadas de pavimento. e 2. Limites. INTERTRAVAMENTO DA PORTA DE PAVIMENTO: Um mecanismo de travamento aplicado nas portas de pavimento dos elevadores e projetado para que as portas estejam trancadas. Ele é usado para: 1. antes que os pára-choques sejam encontrados. interromperá o circuito de alimentação de uma escada rolante. INTERVALO: O resultado calculado da média do tempo de viagem de ida-e-volta de um elevador num grupo de elevadores. INTERRUPTOR DA PLACA-PENTE: Um dispositivo eletromecânico que. a menos que o carro esteja dentro da zona do pavimento e esteja parado. Impedir a abertura da porta de pavimento pelo lado do pavimento.Formação Profissional de Ascensorista INTERRUPTOR DE OPERAÇÃO DO CARRO: Operação na qual o movimento e direção de viagem do carro está diretamente e somente sob o controle do operador. INTERRUPTOR NÃO-PÁRA: Um interruptor localizado dentro do carro do elevador e operado por um ascensorista. dividido pelo número de elevadores disponíveis naquele grupo. Existem duas considerações quanto ao intervalo: uma é o Intervalo de carregamento (despacho). ao ser operado. também. por meio de um interruptor operado manualmente. ao ser acionado pelo movimento vertical da placa-pente. alterado constantemente. ou começando a parar. e os limites de “direção” normalmente estão acima e abaixo dos pavimentos extremos para assegurar a reversão de sentido. INTERRUPTORES LIMITES: Um dispositivo elétrico projetado para limitar o percurso do elevador dentro de uma caixa. a menos que a porta esteja na posição fechada e trancada. isto é. e é visto como uma situação média ou a capacidade de um grupo de elevadores atender a um número de pessoas num período de tempo. Impedir eletricamente a operação normal da máquina de tração. impede o elevador de fazer paradas em resposta às chamadas registradas de pavimento. antes que um contato elétrico seja feito. o tempo entre as saídas de elevadores deixando um terminal principal. Os limites “finais” estão nos extremos do percurso. normalmente em conjunto com um anunciador. nos extremos de viagem. É empregado como dispositivo de segurança.

uma função da resposta do sistema de operação para tráfego. 19 . LIMITADOR FINAL: Aparelho destinado a cortar a corrente de alimentação do motor da máquina. LIMITADOR DE PERCURSO: Aparelho destinado a parar. que indica a um passageiro em espera. LAYOUT: Um desenho aplicado a uma instalação específica. automaticamente. acima ou próximo à entrada do elevador. o carro nas paradas extremas. requisitos de normas etc. constituído principalmente de motor. (Pode também estar localizado no fundo da caixa). e acionado por uma polia friccionada por um cabo tensionado por uma polia no fundo da caixa. freqüentemente. normalmente através de bateria protegida sobre o carro. e a segunda. que é o tempo médio entre os elevadores passando num andar superior que é. através de uma indicação luminosa e sinal audível. quando ultrapassar as paradas extremas depois de operados os limitadores de velocidade. LANTERNA DO PAVIMENTO: Um dispositivo sinalizador montado nos pavimentos dos elevadores. LIMITADOR DE VELOCIDADE: Um dispositivo de segurança para sobre-velocidade. localizado na casa de máquinas ou na parte mais alta da caixa. enquanto que a força de reserva depende da partida total do gerador MÁQUINA: Conjunto destinado a movimentar o carro. que o carro está chegando e sua direção de viagem ao deixar o pavimento. independente de comando.Formação Profissional de Ascensorista elevadores. polia de tração (ou tambor) e freio. detalhando tamanho e disposição de equipamentos. LUZ DE EMERGÊNCIA: A unidade que provê alimentação de emergência para iluminar o elevador. e que está preso adequadamente ao carro ou contrapeso. intervalo de operação. A alimentação de emergência é ligada imediatamente. com ênfase particular em sua interação com o edifício e mostrando o serviço a ser realizado por cada parte envolvida. Serve como um guia para o construtor e para o mecânico do elevador. no caso de falta de energia.

sem o uso de corretas ou correntes. com ou sem engrenagens intermediárias. MÁQUINA DE ACIONAMENTO POR CORRENTE: Uma máquina de acionamento indireto. engrenagem. MÁQUINA DE ACIONAMENTO POR CORREIA: Uma máquina de acionamento indireto. Ela inclui o cilindro. conectado ao carro com cabos de aço. ou para acionar uma escada rolante. Inclui o motor. um elevador inclinado ou esteira rolante. correia ou corrente. tendo uma correia isolada ou múltipla como meio de acoplamento a uma fonte de rotação. na qual o motor está diretamente acoplado meca-nicamente para a Porta de acionamento. tambor ou eixo. e suas guias. MÁQUINA DE ACIONAMENTO ELÉTRICO: Uma máquina na qual a energia é aplicada através de um motor elétrico. o pistão ou êmbolo e polias. freio e polia de acionamento ou tambor.Formação Profissional de Ascensorista MÁQUINA DE ACIONAMENTO: A unidade de potência que aplica a força necessária para levantar e abaixar um elevador ou monta-cargas. se houver. Ela inclui o cilindro e o êmbolo ou pistão. se houver. tendo uma corrente como meio de acoplamento a uma fonte de rotação. e que opera dentro de um cilindro sob pressão hidráulica. que opera sob pressão hidráulica. 20 . junto com seus acoplamentos. MÁQUINA DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO A CABO: Uma máquina na qual a energia é aplicada através de um pistão ou êmbolo. MÁQUINA DE ACIONAMENTO DIRETO: Uma máquina de tração elétrica. MÁQUINA DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO: Uma máquina na qual a energia é aplicada por meio de um líquido sob pressão dentro de um cilindro equipado com um êmbolo ou pistão. MÁQUINA DE ACIONAMENTO DE AÇÃO DIRETA: Uma máquina na qual a energia é aplicada através de um êmbolo ou pistão fixado diretamente à armação do carro ou plataforma.

facilitando a entrada e saída de passageiros. freio e polia. A máquina pode ser do tipo acionamento direto ou indireto. MOTO-GERADOR. MÁQUINA DE TAMBOR DE ENROLAMENTO: Uma máquina de acionamento com engrenagem na qual a energia do motor é transmitida para o tambor que recebe os cabos de suspensão. N1VELAMENTO: O sistema através do qual a soleira de um elevador é nivelada automaticamente com o piso do pavimento a cada parada. cujo motor levanta e abaixa um fuso vertical através de uma rosca. na qual a ponta superior do fuso é acoplada diretamente ao fundo ou ao lado da armação do carro ou plataforma. viagem. entre o motor. MÁQUINA DE FUSO: Uma máquina de acionamento elétrico. (Veja “Gerador com controle de campo”). utilizando um redutor de velocidade com sem-fim e coroa. onde a área do piso não excede 1m 2. MONTA-CARGA: Um mecanismo de levantamento e abaixamento equipado com um carro que move verticalmente em guias. e que provê corrente elétrica para o controle da partida. CONJUNTO: Uma peça do maquinário elétrico. e a capacidade não excede 225 kg. MÁQUINA DE TRAÇÃO COM ENGRENAGEM: Uma máquina com tração acionada através de engrenagem. para o motor de acionamento de um elevador com gerador com controle de campo. desaceleração e nivelamento do elevador. que tem a polia de tração e o tambor do freio montados diretamente no eixo de armadura do motor. com ou sem engrenagem. MÁQUINA DE TRAÇÃO: Uma máquina na qual o movimento do carro é obtido através do atrito entre os cabos e a polia de tração. Pode ser ditado por um seletor (veja definição) ou por um 21 . MÁQUINA DE TRAÇÃO SEM ENGRENAGEM: Uma máquina de tração sem engrenagens intermediárias. usado exclusiva-mente para carregar materiais. aceleração.2 m quando não possuir prateleiras. a altura interna é1.Formação Profissional de Ascensorista MÁQUINA DE ACIONAMENTO LINEAR: Um meio de acionamento no qual um motor linear é usado para acionar um componente da máquina montado independentemente ou como parte da estrutura da caixa do elevador. convertendo a alimentação de corrente alternada que chega para corrente contínua.

bem como qualquer chamada do carro. OPERAÇÃO AUTOMÁTICA EM GRUPO: Operação automática de dois ou mais elevadores que estão associados. Coletivo é a base da maioria dos sistemas de operação automática de elevadores. e um botão em cada pavimento.Formação Profissional de Ascensorista dispositivo elétrico dentro da caixa. OPERAÇÃO AUTOMÁTICA COLETIVA SELETIVA: Operação automática por meio de um botão dentro do carro para cada pavimento servido. incluindo um despacho automático. na qual somente botões de pavimento de descida são providos em pavimentos superiores — normalmente utilizado em apartamentos residenciais. OPERAÇÃO AUTOMÁTICA: Operação na qual a partida do carro do elevador é efetuada em resposta à atuação momentânea dos dispositivos de operação no pavimento e/ou dentro do carro identificado com os pavimentos. e atenderá às chamadas de descida somente no sentido de descida. Variações da operação coletiva” são as que seguem: OPERAÇÃO AUTOMÁTICA COLETIVA NÃO SELETIVA: Operação automática por meio de um botão dentro do carro para cada pavimento servido. mas independentemente de sua direção de viagem. após a atuação dos botões. Esta operação raramente é fornecida. na qual todas as chamadas são registradas pela atuação momentânea dos botões de pavimento e as paradas correspondentes são feitas na ordem em que os pavimentos são alcançados em cada direção de viagem. e/ou em resposta a mecanismo de partida automático. todas as chamadas de pavimento de subida são atendidas quando o carro está subindo. e por botões de subida e descida em cada pavimento individual. A operação dos carros é coordenada por um sistema de controle supervisor. e na qual o carro pára automaticamente nos pavimentos. OPERAÇÃO COLETIVA: Um sistema de operação de elevador no qual as chamadas do carro e do pavimento são retidas e o elevador atenderá às chamadas para subir somente no sentido de subida. ao chegar naquele pavimento. Com este tipo de operação. quando o carro está descendo. fazendo as paradas na ordem em que os pavimentos são alcançados. Uma variação é coletivo na descida. por meio do qual carros selecionados em 22 . O termo nivelamento também é usado para descrever a ação do elevador em se aproximar e parar no pavimento. Com este tipo de operação. e todas as de descida. na qual todas as chamadas registradas pela atuação momentânea dos botões do carro e do pavimento e as paradas correspondentes. o carro pára em todos os pavimentos para os quais os botões foram acionados. são feitas independentemente do número e da seqüência de botões acionados.

se qualquer botão do carro ou de pavimento tiver sido acionado. quando não há chamada registrada.Formação Profissional de Ascensorista determinados pontos de despacho automaticamente fecham as portas e procedem suas viagens de maneira ordenada. e um botão em cada pavimento . PAINEL DE RELÉS: Uma quantidade de interruptores eletromagnéticos. Para operar dois ou mais elevadores como um time. com altura ao nível dos olhos. OPERADOR: Veja “Porta do carro ou pavimento”. na qual um deles pode ser usado para controlar o movimento do carro enquanto este botão ou interruptor estiver mantido acionado manualmente. disposto de forma que. PAINEL VISOR: Uma inserção numa porta de elevador. Permite que pessoas em espera nos pavimentos vejam quando o carro está naquele andar. a carga do elevador. O sistema de operação diz ao elevador quando partir ou parar. OPERAÇÃO POR PRESSÃO CONSTANTE: Operação por meio de botões ou interruptores dentro do carro e nos pavimentos. OPERAÇÃO AUTOMÁTICA ISOLADA: Operação automática por meio de um botão dentro do carro para cada pavimento servido. OPERAÇÃO DO ELEVADOR: O sistema lógico que dirige o elevador para realizar funções específicas. Também podem ser dispositivos de estado sólido. usualmente montado na casa de máquinas para receber e registrar todas as chamadas feitas pelos passagetros por meio de botões do carro e pavimento. relés ou painéis. constituindo um painel. atrasos durante a transferência de passageiros. um sistema de operação em grupo é empregado e dirige a ação de cada elevador para tentar mantê-los separados e de tal forma que não mais que um elevador atenda a uma chamada de pavimento numa determinada direção. 23 . a disposição dos elevadores para estacioná-los em várias posições através do percurso dos elevadores e calcular qual elevador está na melhor posição para responder a chamadas de pavimento. Entradas para o sistema de operação são as chamadas de pavimento e do carro. Normalmente usado com uma sinalização “em uso” localizada em botões de pavimento. Várias estratégias são usadas e podem consistir de despacho de elevadores para distanciá-los de um pavimento principal. numa moldura adequada. descer ou estacionar. consistindo de uma peça de vidro de segurança. (Veja “Controle do elevador”). de tamanho limitado por norma. o acionamento de qualquer outro botão de operação do carro e do pavimento não terá efeito na operação do carro. Algumas versões de sistemas de operação automática em grupo partem o carro automaticamente para “passear” à procura de chamadas de pavimento. enquanto outros sistemas não movem elevadores até uma chamada registrar uma “demanda”. até que a resposta para o primeiro botão tenha sido completa. subir. para otimizar e equalizar respostas. ou pessoas dentro do carro vejam o andar em que o carro está parado. mau funcionamento e interferência. abrir ou fechar as portas.

PISTÃO: Num elevador hidráulico. PAVIMENTO: A porção de um piso. como segue: 24 . PLACA-PENTE: A placa dentada em cada extremo da escada rolante.próxima aos degraus. parada. PERCURSO: A distância vertical entre o fundo e o topo dos pavimentos extremos de um elevador. Sua remoção permite o acesso do pessoal de manutenção a partes do equipamento. velocidade. de onde o degrau emerge em uma ponta. monta-carga ou escada rolante. sacada ou plataforma usada para receber e descarregar passageiros ou carga. PLACA-PISO: A placa removível em cada extremo de uma escada rolante. na qual os passageiros viajam. PISO (ESCADA ROLANTE): A superfície horizontal dos degraus. e desaparece em outra. PLATAFORMA DO CARRO: A estrutura que forma o piso do carro e suporta diretamente a carga. aceleração e retardamento do carro e outras funções correlatas. que cobre o mecanismo e serve como pavimento. (Veja Elevadores Hidráulicos). A ranhura do degrau percorre entre os dentes da placa-pente. a parte que empurra o carro para cima ou contém sua descida.Formação Profissional de Ascensorista PAINEL DE COMANDO : Conjunto de elementos que comanda a partida. Também serve para suportar a placa-pente. POLIA: Uma polia com uma ou múltiplas ranhuras para os vários sistemas de efeitos. a placa-pente constitui a beira da placa-piso. sentido de movimento. o pistão se move dentro do cilindro por meio de pressão hidráulica.

POLIA TENSORA DO LIMITADOR: Um dispositivo localizado no fundo da caixa. Porta de suspensão ou 2:1: — montada sobre o carro e contrapeso. Porta do limitador: montada sobre o limitador de velocidade para acionar o mecanismo de segurança — usada com Porta de tensão do cabo do limitador. Variações podem incluir uma porta de três velocidades. para abrir. PORTA DE ABERTURA LATERAL: Porta de uma folha que. desliza para a direita ou esquerda. PORTA BIPARTIDA: Uma porta corrediça vertical ou horizontal (abertura central). Porta secundária: — parte do arranjo de efeitos em algumas máquinas sem engrenagem. Porta de compensação: — usada para manter os cabos de compensação tensionados. arranjadas de tal forma que as seções ou grupos se abrem a partir da oposta e são interligadas de modo que todas as seções operam simultaneamente. Usada com efeito 2:1 do elevador. A folha interna se move com a metade da velocidade da outra folha. Estes tipos de portas são usadas onde a largura da caixa é limitada e somente quando a largura é maior do que o possível recomendado para uma porta de abertura central. montadas abaixo da máquina e servindo para obter laçada dupla de cabos em volta da Porta de acionamento da máquina.Formação Profissional de Ascensorista Porta de tração (acionamento) — uma parte da máquina do elevador por onde passam os cabos de sustentação do carro e do contrapeso. normalmente montada no fundo da caixa. PORTA DE ABERTURA CENTRAL: Porta na qual duas folhas são utilizadas e. (Veja “Cabos de compensação”) Porta superior: — usada para reverter a direção dos cabos em instalações com máquina localizada abaixo do topo da caixa do elevador. PORTA PANTOGRÁFICA: 25 . PORTA DE DUAS VELOCIDADES: Ao abrir. O atrito entre a Porta e os cabos permite a tração. metade da largura da abertura desliza para a direita e a outra metade para a esquerda. Porta de desvio: — altera a direção dos cabos de sustentação vindos da Porta de acíonamento da máquina. uma porta de duas velocidades desliza duas folhas para a direita e duas para a esquerda. que serve para manter esticado o cabo do limitador. utilizando três folhas. consistindo de duas ou mais seções. Dois conjuntos de duas folhas combinadas podem fazer uma porta duas velocidades de abertura central. ao abrir.

Outros métodos incluem raios infra-vermelho ou detecção. Proteção adicional pode incluir dispositivos com raios luminosos que.Formação Profissional de Ascensorista Um tipo de fechamento do carro ou pavimento. RAIOS LUMINOSOS: Um dispositivo montado no painel principal de porta do carro ou painel na entrada do carro.1 para a definição de carregamento C2). PRESSAO DE TRABALHO: A pressão medida no cilindro de um elevador hidráulico ao levantar o carro e sua carga à velocidade nominal. para impedir o fechamento da porta do carro e do pavimento. quando um raio é interrompido por um passageiro. ou tela. PROTEÇÃO DE PORTA: Um sistema de proteção contra portas corrediças durante a entrada e saída de passageiros. (Veja a norma de elevadores Ai 7. PORTA DO CARRO OU PAVIMENTO: A parte móvel do carro ou entrada da caixa. onde um campo eletrostático é criado e. ou no carregamento classe C2. Um dispositivo normalmente montado na porta do carro e consiste de uma face móvel que interrompe um circulto elétrico que pára e reverte o fechamento da porta. (Veja Porta do Carro ou Pavimento). interrompendo-se o feixe refletido. provendo acesso para o carro ou para o pavimento. articulada ou fixa. que fecha a abertura. POÇO: Parte da caixa compreendida entre o nível da parada extrema inferior e o fundo da caixa. quando nivelar para cima com máxima carga estática. ao ser distorcido pela capacitância do corpo. Um ou mais raios luminosos são projetados cruzando a abertura da porta do carro. consistindo de madeira ou metal. PORTA DE EIXO VERTICAL: Porta que gira em torno de um eixo vertical. dão um sinal de parada e reversão da porta. RAMPA RETRÁTIL: 26 . como charneira. dará um sinal para parar e reverter a porta. Outro semelhante contém uma face detectora. e interligados de forma a transmitir um sinal de reabertura para o operador de porta. Normalmente é usado em elevadores de carga. quando interrompido pela transferência de passageiros.

Formação Profissional de Ascensorista Um dispositivo motorizado ou operado eletromagneticamente. através dos botões do carro e somente durante uma emergência. A fase 1 também é ativada pelo sinal de um detector de fumaça localizado em pavimentos superiores. com operação restrita por chave ou cartão. e servem para reduzir a velocidade do motor para a velocidade necessária para acionar o elevador. em miniatura. onde eles estacionam com as portas abertas. como um incêndio. Pavimento — Um interruptor. monta-carga ou escada rolante. Consulte as normas locais para conhecer esta ou outras exigências. RAMPA MÓVEL: Dispositivo móvel solidário ao carro destinado a acionar o fecho eletromecânico da porta do pavimento. SERVIÇO de EMERGÊNCIA de INCÊNDIO (SERVIÇO DE BOMBEIROS): Fase 1 . Em algumas jurisdições. 2. 27 . quando acionado. parar ou nivelar o elevador por meio de contatos elétricos. Dentro do carro — Veja “Serviço Independente”.Serviço de Incêndio dentro do carro — Um interruptor dentro do carro que permite que o elevador seja operado pelo pessoal de emergência. retorna os carros para o pavimento principal. retardar. que tem a função de absorver os impulsos laterais gerados pela operação da máquina (veja “Eixo Sem Fim”). durante a operação fase 1.Um interruptor com chave no saguão que.Chamada de retorno . Fase II . cuja posição de suas partes em movimento está sempre relacionada à posição do carro dentro da caixa. ROLAMENTO AXIAL: Um rolamento de esferas localizado na ponta do eixo sem fim de uma máquina com engrenagem. normalmente estabelecendo prioridade e retendo-o para permitir a operação do interruptor de serviço de emergência dentro do carro. SERVIÇO HOSPITALAR DE EMERGÊNCIA: 1. que chama o elevador para o pavimento. que reproduz. É capaz de “ler” as chamadas do carro e de pavimento para sinalizar ao controle quando partir. quando o carro estiver atendendo a uma chamada efetuada. em resposta a chamadas. acelerar. Alguns seletores incluem as funções de nivelamento final. e opera sinais. usado para destravar o sistema de travamento da porta de pavimento ou intertravamento. tais como indicadores de posição. lanternas de pavimento etc. ou outros meios. a viagem do elevador em sua caixa. SELETOR: Um dispositivo mecânico localizado na casa de máquinas. SEM-FIM E COROA: Estes são fechados numa caixa de engrenagens de uma máquina com engrenagem. O dispositivo é acionado do carro por meio de um cabo ou fita de aço. Também determina a direção de viagem do carro. instalado no carro. um detector de fumaça de saguão principal pode enviar os elevadores para um andar alternativo.

TEMPO DE IDA E VOLTA: Um tempo médio (em segundos) exigido para um elevador viajar. e rolamentos adequados fixados na porta. Cada suspensão consiste de um trilho de aço afixado no carro ou entrada da caixa.Formação Profissional de Ascensorista SERVIÇO INDEPENDENTE: Uma operação especial dentro do carro. quando um carro é removido de operação automática e não responde mais às chamadas do carro ou do pavimento. Normalmente este serviço é ativado por um interruptor (com chave ou protegido) na botoeira do carro. Responde somente às chamadas registradas na botoeira de operação do carro. TEMPO DE ESPERA: O tempo que uma pessoa espera por elevadores. conforme o sentido de direção do carro. suportando a porta e guiando seu movimento. SINALIZAÇÃO EM USO: Um sinal luminoso. e retornar para aquele pavimento. TRELIÇA (ESCADA ROLANTE): 28 . que varia de uma pessoa justamente pegando o elevador (0 segundo) para a máxima espera durante uma dada situação de tráfego. permitindo a sua abertura com a presença do carro. partindo de um determinado pavimento. normalmente acrescentada ao indicador de posição. Tempo de ida e volta inclui a operação de portas. incluindo o pavimento de despacho. ou na ausência deste. para mostrar a direção na qual um elevador está viajando ou viajará. TANQUE: O reservatório para fluido num elevador hidráulico. liberar e pegar passageiros. TRINCO OU FECHO MECÂNICO: Dispositivo destinado a travar a porta do pavimento. por meio de ferramenta especial. Os tempos de espera estão relacionados a intervalos. SUSPENSÃO DA PORTA: Dispositivo montado no painel do carro e da caixa. SETA DIRECIONAL: Uma sinalização luminosa. tempo de transferência de passageiros em todos os pavimentos. É usado em operação automática isolada. normalmente na placa de um botão de pavimento. para mostrar que o elevador está em uso. onde um certo percentual esperará um tempo abaixo do intervalo (60 a 70 por cento com sistema de operação de elevadores em grupo) e o restante tempos acima do intervalo.

dentro da qual é permitido a um dispositivo de nivelamento causar o movimento do carro somente na direção do pavimento e com as portas do carro e pavimento abertas.Formação Profissional de Ascensorista Uma estrutura com seções de aço. sustentando unidas as partes de uma escada rolante e servindo para suportar a escada rolante sobre a estrutura do edifício. Atividade de Revisão : 1. TESTES DE SEGURANÇA: São testes conduzidos periodicamente (quando exigido pela norma de elevadores) para verificar o funcionamento dos dispositivos de segurança. elaborada tipo “ponte”. ZONA DE NIVELAMENTO: ou abaixo de um pavimento. VELOCIDADE NOMINAL: Velocidade projetada para o funcionamento do carro.Identifique os itens selecionados : __________________________________________________ __________________________________________________ __________________________________________________ __________________________________________________ __________________________________________________ __________________________________________________ __________________________________________________ __________________________________________________ 29 __________________________________________________ ________________________________________ 1 _________ 2 . ZONA DE PAVIMENTO: Uma zona dentro da caixa que se estende de um ponto 46 centímetros abaixo de um pavimento até um ponto 46 centímetros acima do pavimento.

4. O que a caixa? 11.Controle do elevador o que significa? 15. O que limitador de velocidade? 30 . 6.O que é fechador de porta? O que é anunciador? 17.O que é interruptor mecânico? 10.Para que serve o freio? Defina elevador : 18.Formação Profissional de Ascensorista 3 4 5 7 6 1. 7.Para que serve o interruptor ? 21. 9. 5.O que é o Guia? O que é barra eletrônica ? 19. 3.O que é contrapeso? 14. 8.O que é layout? 1. O que é casa de máquinas ? Explique como é a cabina do elevador: O que é o alarme ? Para que serve o amortecedor? Qual a função do ascensorista? 12.O que você entende por capacidade de manobra? 13. O que é cabina? 22. 2.Qual a diferença de elevador residencial para o elevador de escada: 16.Para que serve o Guia? Para que ser serve o botão de emergência? 20.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful