Você está na página 1de 3

Estudo Ezequiel Capítulo 17 A parábola das duas águias e da videira

Vers.

João Ferreira de Almeida 2° edição.

http://www.biblegateway.com

1

Veio a mim a palavra do Senhor dizendo:

Veio até mim a palavra do Senhor:

2

Filho do homem, propõe um enigma e usa duma parábola para com a casa de Israel;

Homem mortal, expõe esta parábola ao povo de Israel:

3

e dize: Assim diz o SENHOR Deus: Uma grande águia, de grandes asas, de comprida plumagem, farta de penas de várias cores, veio ao Líbano e levou a ponta dum cedro.

Uma grande águia, de largas asas de plumagem farta e colorida, veio até ao Líbano e arrancou um ramo da copa do mais alto cedro, e levou-o para uma cidade de comércio intenso. Plantou-o ali, num terreno fértil à beira dum rio, onde poderia crescer rapidamente, como acontece com os salgueiros. Ganhou então raízes, cresceu e tornou-se numa videira, não muito alta, mas de ramos muito estendidos na direcção da águia, produzindo ramos fortes e frutos luxuriantes. Mas quando outra águia muito grande, de largas asas e farta plumagem, se chegou igualmente, esta planta começou estendendo as raízes e os ramos na direcção desta última, ainda que estivesse em bom terreno e com água bastante para se tornar numa esplêndida videira, produzindo folhas e bons frutos.

4

Arrancou a ponta mais alta dos seus ramos e a levou para uma terra de negociantes; na cidade de mercadores, a deixou.

5

Tomou muda da terra e a plantou num campo fértil; tomou-a e pôs junto às muitas águas, como salgueiro.

6

Ela cresceu e se tornou videira mui larga, de pouca altura, virando para a águia os seu ramos, porque as suas raízes estavam debaixo dela; assim, se tornou em videira, e produzia ramos, e lançava renovos.

7

Houve outra grande águia, de grandes asas e de muitas penas; e eis que a videira lançou para ela as suas raízes e estendeu para ela os seus ramos, desde a cova do seu plantio, para que a regasse.

 

8

Em boa terra, à borda de muitas águas, estava ela plantada, para produzir ramos, e dar frutos, e ser excelente videira.

9

Dize: Assim diz o SENHOR Deus: Acaso, prosperará ela? Não lhe arrancará a águia as raízes e não cortará o seu fruto, para que se sequem todas as folhas de seus renovos? Não será necessário nem poderoso braço nem muita gente para a arrancar por suas raízes.

Pergunta o Senhor Deus: Deixarei eu esta videira desenvolver-se e prosperar? Não! Vou antes arrancá-la, com raízes e tudo! Corto-lhe os ramos e deixo as folhas murcharem e morrerem. Não custa nada arrancá-la. Nem sequer preciso para isso de muita gente nem de equipamento especial. Ainda que essa videira tivesse começado muito bem, conseguirá prosperar? Não. Murchará completamente quando o vento de leste lhe tocar, morrendo no próprio solo em que se dera tão bem.

10

Mas, ainda plantada, prosperará? Acaso, tocando-lhe o vento oriental, de todo não se secará? Desde a cova do seu plantio se secará.

11

Então, veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo:

Então veio até mim esta mensagem do Senhor:

12

Dize agora à casa rebelde: Não sabeis o que significam estas cousas? Dize:

Pergunta a esses rebeldes filhos de Judá: Não compreendem o que significa esta parábola? Pois vou dizer-vos: Nabucodonozor, rei de Babilónia , veio a Jerusalém, levou-lhe o rei e os nobres e trouxe-os para Babilónia. Depois, estabeleceu um acordo com um membro da família real , e fê-lo jurar lealdade para consigo. Pegou numa nova planta e plantou-a num terreno fértil, junto a um grande rio, mandando para o exílio os indivíduos mais importantes no governo de Judá, para que Judá não volte a ser forte e não se revolte. Mas respeitando as suas promessas, Judá poderia ser respeitado e manter a sua identidade.

Eis que veio o rei da Babilônia a Jerusalém, e tomou o seu rei e os seus príncipes, e os levou consigo para a Babilônia;

13

tomou um da estirpe real e fez aliança com ele; também tomou dele juramento, levou os poderosos da terra,

14

para que o reino ficasse humilhado e não se levantasse, mas, guardando a sua aliança, pudesse subsistir.

15

Mas ele se rebelou contra o rei da Babilônia, enviando os seus mensageiros ao Egito, para que se lhe mandassem cavalos e muita gente. Prosperará, escapará aquele que faz tais cousas? Violará a aliança e escapará?

Contudo Zedequias rebelou-se contra Babilónia, mandando embaixadores ao Egipto para obter um grande exército e muitos cavalos que combatessem contra Nabucodonozor. Poderá Israel alguma vez prosperar depois de ter quebrado dessa forma com todos os seus compromissos? Alguma vez se sairia bem? Não! Tão certo como eu viver, diz o Senhor, o rei de Israel morrerá. Zedequias falecerá em Babilónia, onde vive o rei que lhe deu poder e como qual estabeleceu o acordo que veio a quebrar. Faraó e todo o seu poderoso exército não servirá de nada para ajudar Israel, quando o rei de Babilónia cercar Jerusalém novamente e destruir muitas vidas. Visto que o rei de Israel rompeu as promessas que jurara; por isso não escapará.

16

Tão certo como eu vivo, diz o SENHOR Deus, no lugar em que abita o rei que

fez reinar, cujo juramento desprezou e cuja aliança violou, sim, junto dele, no meio da Babilônia será morto.

o

17

Faraó, nem com grande exercito, nem com numerosa companhia, o ajudará na guerra, levantando tranqueiras e edificando baluartes, para destruir muitas vidas.

18

Pois desprezou o juramento, violando a aliança feita com aperto de mão, e praticou todas estas cousas; por isso, não escapará.

 

19

Portanto, assim diz o SENHOR Deus: Tão certo como eu vivo, o meu

O Senhor Deus diz: Tão certo como eu ser vivo, sem falta castigá-lo-ei por ter desprezado um juramento feito em meu nome. Lançarei sobre ele a minha rede, será apanhado no meu laço; hei-de trazê-lo para Babilónia e ajustarei contas com ele ali, por me ter traído. Todos os melhores soldados de Israel serão mortos na guerra; os que ficarem na cidade serão espalhados pelos quatro cantos da terra. Então sim, hão-de saber que fui eu, o Senhor, que falou estas palavras.

juramento que desprezou e a minha aliança que violou, isto farei recair sobre

a

sua cabeça.

20

Estenderei sobre ele a minha rede, e ficará preso no meu laço; levá-lo-ei à Babilônia e ali entrarei em juízo com ele por causa da rebeldia que praticou contra mim.

21

Todos os seus fugitivos, com todas as suas tropas, cairão à espada, e os que restarem serão espalhados a todos os ventos; e sabereis que eu, o SENHOR,

 

o

disse.

22

Assim diz o SENHOR Deus: Também eu tomarei a ponta de um cedro e a plantarei; do principal dos seus ramos cortarei o renovo mais tenro e o plantarei sobre um monte alto e sublime.

Diz o Senhor Deus: Eu próprio tomarei o rebento mais tenro do cimo do maior cedro e plantá-lo-ei na mais elevada montanha de Israel. Tornar-se-á um cedro notável, que dará ramos e frutos. Animais de toda a espécie abrigar-se-ão debaixo dele; os seus ramos servirão de poiso a toda a espécie de aves. E todo o mundo se dará conta de que sou eu, o Senhor, quem deita abaixo as altas árvores e eleva as pequenas, que faço murchar as árvores verdes e torno verdes as que secavam. Eu, o Senhor, disse que o farei e hei-de fazê-lo.

23

No monte alto de Israel, o plantarei, e produzirá ramos, dará frutos e se fará cedro excelente. Debaixo dele, habitarão animais de toda sorte, e à sombra dos seus ramos se aninharão aves de toda espécie.

24

Saberão todas as árvores do campo que eu, o SENHOR, abati a árvore alta,

elevei a baixa, sequei a árvore verde e fiz reverdecer a seca; eu, o SENHOR,

 

o

disse e o fiz.

Glosário

Tenro - adj. Que pode ser facilmente cortado, dividido, mastigado; mole: carne tenra. Fig. Que tem pouco tempo; recente; jovem: tenra idade.

Zedequias - nome dado a Matanias, era tio paterno de Joaquim, ou seja, irmão de Jeoaquim e filho de Josias. Foi designado rei por Nabucodonozor em lugar de Joaquim, aos vinte e um anos e reinou por onze anos. Também ele fez que era mau perante o SENHOR, seu Deus, e não se humilhou perante o profeta Jeremias, que falava da parte do SENHOR.

Ele fizera um tratado de sujeição a Nabucodonozor, mediante juramento a Deus, mas rebelou-se contra o rei. Obstinado, não se voltou ao SENHOR, Deus de Israel, mas prosseguiu em sua rebeldia, e mandou mensageiros ao Egito, pedindo que se lhe mandassem cavalos e muita gente (Ezequiel 17:15). Também todos os chefes dos sacerdotes e o povo aumentavam mais e mais as transgressões, segundo todas as abominações dos gentios; e contaminaram a casa que

o

SENHOR tinha santificado em Jerusalém.

O

SENHOR compadeceu-se do povo e mandou-lhes mensageiros, mas o povo zombou deles, desprezaram as palavras de Deus e mofaram dos Seus profetas, entre os

quais se encontrava Ezequiel até que subiu a ira do SENHOR contra o seu povo, e não houve remédio algum.

Perto do fim do nono ano do seu reinado, o rei Nabucodonosor veio com todo o seu exército, e se acamparam contra Jerusalém, sitiando a cidade por fora e levantando rampas de ataque ao redor dela. Exatamente um ano e meio depois, a cidade foi invadida, e todos os homens de guerra fugiram de noite escapando por entre os caldeus que a cercavam. Também Zedequias fugiu, mas foi perseguido, aprisionado e levado à presença de Nabucodonozor para ser sentenciado: seus filhos foram mortos à sua vista, depois vazaram os seus olhos e foi levado atado com duas cadeias de bronze para a Babilônia. Duas profecias foram assim cumpridas de forma notável: que Zedequias viria o rei da Babilônia face a face (Jeremias 32:4; 34:3), e que ele seria levado à Babilônia mas não a veria e seria morto ali (Ezequiel 12:13).

A

Bíblia nos diz que foi o SENHOR que fez subir contra ele o rei dos caldeus, o qual matou os seus jovens à espada, na casa do seu santuário; e não teve piedade nem

dos jovens nem das donzelas, nem dos velhos nem dos mais avançados em idade; a todos os deu nas suas mãos. "Horrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo" (Hebreus 10:31) e "Tu, sim, tu és terrível; se te iras, quem pode subsistir à tua vista?" (Salmo 76:7).

Notas (Gilmar Filho)

O

erro de Zedequias, além de não se humilhar perante o SENHOR, foi ter traído um juramento que fez em nome do SENHOR. Isso me faz lembrar de Mateus 5:33-37.

A

palavra do crente, uma vez que a Igreja é o Israel de Deus, é válida como juramento, não pode ser negada, porque o crente que se preza faz tudo diante do SENHOR

e

verdadeiramente teme o SENHOR.