Você está na página 1de 87

Técnico em Segurança do Trabalho

Disciplina:

Ergonomia e Saúde ocupacional

Governador: Eduardo Henrique Accioly Campos Vice-Governador: João Soares Lyra Neto Secretário de Educação: Anderson

Governador: Eduardo Henrique Accioly Campos

Vice-Governador: João Soares Lyra Neto

Secretário de Educação: Anderson Stevens Leônidas Gomes

Secretário Executivo de Educação Profissional: Paulo Dutra

Gerente Geral da Educação Profissional: Luciane Pulça

Gestor de Educação a Distância: George Bento Catunda

Coordenador do Curso: Carlos Cunha

Professora Pesquisadora: Maria Luisa Muniz

Equipe Central de Educação a Distância:

Andréia Guerra; Carlos Cunha; Eber Gomes; Gustavo Tavares; Maria de Lourdes Cor- deiro Marques; Maria Helena Cavalcanti; Mauro de Pinho Vieira; Pedro Luna; Reginaldo Filho

Técnico em Segurança do Trabalho PROGRAMA DA DISCIPLINA 1. Competência 1: Compreender e identificar os
Técnico em Segurança do Trabalho PROGRAMA DA DISCIPLINA 1. Competência 1: Compreender e identificar os
Técnico em Segurança do Trabalho PROGRAMA DA DISCIPLINA 1. Competência 1: Compreender e identificar os
Técnico em Segurança do Trabalho PROGRAMA DA DISCIPLINA 1. Competência 1: Compreender e identificar os
Técnico em Segurança do Trabalho PROGRAMA DA DISCIPLINA 1. Competência 1: Compreender e identificar os

Técnico em Segurança do Trabalho

PROGRAMA DA DISCIPLINA

1. Competência 1: Compreender e identificar os serviços de saú- de ocupacional necessários à sua organização, no que tange ao cumprimento das políticas de Saúde e Segurança no Trabalho (SST);

2. Competência 2: Estabelecer ações preventivas e corretivas para a promoção da saúde ocupacional no ambiente de trabalho;

3. Estruturar e desenvolver avaliação ergonômica nos ambientes de trabalho .

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

03
03
Técnico em Segurança do Trabalho LISTA DE ABREVIATURAS AET – Análise Ergonômica de trabalho CA
Técnico em Segurança do Trabalho LISTA DE ABREVIATURAS AET – Análise Ergonômica de trabalho CA
Técnico em Segurança do Trabalho LISTA DE ABREVIATURAS AET – Análise Ergonômica de trabalho CA
Técnico em Segurança do Trabalho LISTA DE ABREVIATURAS AET – Análise Ergonômica de trabalho CA
Técnico em Segurança do Trabalho LISTA DE ABREVIATURAS AET – Análise Ergonômica de trabalho CA

Técnico em Segurança do Trabalho

LISTA DE ABREVIATURAS

AET – Análise Ergonômica de trabalho CA – Certificado de Aprovação CAT – Comunicação de Acidente de Trabalho CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CLT – Consolidação das Luis do Trabalho CNAE – Classificação Nacional de Atividades EPC – Equipamento de Proteção Coletiva EPI – Equipamento de Proteção Individual LT – Limite de Tolerância MTE – Ministério do Trabalho e Emprego NR – Norma Regulamentadora OIT – Organização Internacional do Trabalho OMS – Organização Mundial da Saúde PCMSO – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais SESMT – Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medi- cina do Trabalho SIPAT – Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho SST – Saúde e Segurança no Trabalho

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

04
04
Técnico em Segurança do Trabalho SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA INTRODUÇÃO 1º COMPETÊNCIA - Compreender e
Técnico em Segurança do Trabalho SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA INTRODUÇÃO 1º COMPETÊNCIA - Compreender e
Técnico em Segurança do Trabalho SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA INTRODUÇÃO 1º COMPETÊNCIA - Compreender e
Técnico em Segurança do Trabalho SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA INTRODUÇÃO 1º COMPETÊNCIA - Compreender e
Técnico em Segurança do Trabalho SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA INTRODUÇÃO 1º COMPETÊNCIA - Compreender e

Técnico em Segurança do Trabalho

SUMÁRIO

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

INTRODUÇÃO

1º COMPETÊNCIA - Compreender e identificar os serviços de saúde ocupacional necessários à organização, no que tange ao cumprimento das políticas de Saúde e Segurança no Trabalho (SST).

1.1 Histórico da Saúde Ocupacional

1.2 Norma regulamentadora 4 - Serviços Especializados em Engenharia

de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT)

1.3 Norma regulamentadora 5 – Comissão Interna de Prevenção de Aci-

dentes (CIPA)

2º COMPETÊNCIA - Estabelecer ações preventivas e corretivas para a promoção da saúde ocupacional no ambiente de trabalho

2.1 Fatores de Risco

2.2 Mapa de risco

2.3 Doenças e acidentes ocupacionais

2.4 Medidas de prevenção dos riscos

3º COMPETÊNCIA - Estruturar e desenvolver avaliação ergonômica nos ambientes de trabalho

3.1 Surgimento da ergonomia

3.2 Classificação da ergonomia

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

05
05
Técnico em Segurança do Trabalho 3.3 Norma regulamentadora 17 - Ergonomia 3.4 Análise ergonômica de
Técnico em Segurança do Trabalho 3.3 Norma regulamentadora 17 - Ergonomia 3.4 Análise ergonômica de
Técnico em Segurança do Trabalho 3.3 Norma regulamentadora 17 - Ergonomia 3.4 Análise ergonômica de
Técnico em Segurança do Trabalho 3.3 Norma regulamentadora 17 - Ergonomia 3.4 Análise ergonômica de
Técnico em Segurança do Trabalho 3.3 Norma regulamentadora 17 - Ergonomia 3.4 Análise ergonômica de

Técnico em Segurança do Trabalho

3.3 Norma regulamentadora 17 - Ergonomia

3.4 Análise ergonômica de trabalho (AET)

CONCLUSÃO

REFERÊNCIAS

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

06
06
Técnico em Segurança do Trabalho APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Seja bem vindo(a) a mais uma disciplina
Técnico em Segurança do Trabalho APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Seja bem vindo(a) a mais uma disciplina
Técnico em Segurança do Trabalho APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Seja bem vindo(a) a mais uma disciplina
Técnico em Segurança do Trabalho APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Seja bem vindo(a) a mais uma disciplina
Técnico em Segurança do Trabalho APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Seja bem vindo(a) a mais uma disciplina

Técnico em Segurança do Trabalho

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

Seja bem vindo(a) a mais uma disciplina do módulo I, do curso de Técnico de Segurança do Trabalho! Caro(a) cursista, vamos seguir juntos nesta jornada e, aprovei- tar este momento de interação para aprender um pouco sobre Saúde Ocupacional e Ergonomia. Entenderemos qual a importância desta dis- ciplina, na prática diária do técnico de segurança do trabalho e como os conhecimentos dela irão dar consistência e facilitar as ações, a serem realizadas pelo profissional especialista nessa área. Podemos destacar vários questionamentos qu,e ao longo da dis- ciplina, vamos responder, como por exemplo:

Quando e porque surgiu a preocupação com as condições labo- rais dentro das indústrias? Quais são os serviços que atuam na Saúde Ocupacional do trabalhadores e como eles se estruturam e atuam nas empresas? Quais são os fatores de risco ambientais e porque a neces- sidade de identificá-los? O que é um mapa de risco, qual a sua impor- tância e como é feita a sua elaboração? Quais os cuidados que se deve tomar ao elaborar as medidas de prevenção em um local de trabalho? Quando surgiu a ergonomia e como ela se classifica? Como é realizada a análise ergonômica do trabalho? Pretendemos esclarecer e discutir todas estas perguntas e acreditamos que, ao fim da disciplina, você, prezado(a) cursista, estará apto a respondê-las. Mas não apenas isso! Ao final, o aluno, além de obter o conhecimento teórico, será capaz de identificar os riscos am- bientais existentes em locais de trabalhos diversos e saberá elaborar um mapa de risco, além de ter as informações necessárias para colocar em prática uma análise ergonômica do trabalho. Bons estudos!

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

07
07
Técnico em Segurança do Trabalho INTRODUÇÃO A definição de saúde, segundo a Organização Mundial de
Técnico em Segurança do Trabalho INTRODUÇÃO A definição de saúde, segundo a Organização Mundial de
Técnico em Segurança do Trabalho INTRODUÇÃO A definição de saúde, segundo a Organização Mundial de
Técnico em Segurança do Trabalho INTRODUÇÃO A definição de saúde, segundo a Organização Mundial de
Técnico em Segurança do Trabalho INTRODUÇÃO A definição de saúde, segundo a Organização Mundial de

Técnico em Segurança do Trabalho

INTRODUÇÃO

A definição de saúde, segundo a Organização Mundial de Saúde

(OMS), é a de um completo bem estar físico, psíquico, social e espiritual. Ela também é vista como um processo, uma construção do ser huma- no. A saúde e o trabalho, nos dias de hoje, já carregam uma relação de causa e efeito bem definida. Sendo assim, o trabalho termina por ser um dos determinantes dessa construção, ou seja, um dos determinantes da saúde dos cidadãos. Caro(a) cursista, a partir do primeiro parágrafo, podemos con- cluir que o ambiente do trabalho, os equipamentos utilizados e a organi- zação das atividades são fatores decisivos para a saúde dos trabalhado- res. Por isto, a importância de estudar a saúde ocupacional, os fatores de risco para doenças e acidentes existentes no ambiente de laboral

e as medidas de prevenção de agravos. Para conseguirmos resultados

positivos é necessário um esforço conjunto dos empregadores, dos tra- balhadores, do Estado e da sociedade civil para melhorar a segurança, a

saúde e o bem-estar no trabalho. Dessa forma, vamos começar a 1º competência fazendo um apanhado histórico geral da saúde ocupacional e, comentando como e

quando surgiram os primeiros serviços voltados à prevenção de agravos em funcionários. Além disso, serão abordados através de Normas regu- lamentadoras (NRs), alguns serviços que atualmente prestam atendi- mento de prevenção de doenças e acidentes no local de trabalho. Na 2º competência, iremos conhecer os riscos ambientais deta- lhadamente e, posteriormente, aprenderemos o que é o mapa de risco,

a sua importância e o passo a passo na sua elaboração. Mas não vamos

parar por aqui, após aprendermos a identificar estes riscos, começare- mos a pensar em medidas para preveni-los e deixar o local de trabalho

o mais saudável possível. Encerremos esta disciplina na 3º competência, onde será abor- dada uma ciência denominada de ergonomia. Vamos aprender onde ela surgiu, qual a sua importância, classificação e campo de aplicação. Por fim, iremos compreender como realizar uma análise ergonômica do tra-

balho e qual a sua importância e utilidade.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

08
08
Técnico em Segurança do Trabalho COMPETÊNCIA 1: COMPREENDER E IDENTIFICAR OS SERVIÇOS DE SAÚDE OCUPACIONAL
Técnico em Segurança do Trabalho COMPETÊNCIA 1: COMPREENDER E IDENTIFICAR OS SERVIÇOS DE SAÚDE OCUPACIONAL
Técnico em Segurança do Trabalho COMPETÊNCIA 1: COMPREENDER E IDENTIFICAR OS SERVIÇOS DE SAÚDE OCUPACIONAL
Técnico em Segurança do Trabalho COMPETÊNCIA 1: COMPREENDER E IDENTIFICAR OS SERVIÇOS DE SAÚDE OCUPACIONAL
Técnico em Segurança do Trabalho COMPETÊNCIA 1: COMPREENDER E IDENTIFICAR OS SERVIÇOS DE SAÚDE OCUPACIONAL

Técnico em Segurança do Trabalho

COMPETÊNCIA 1: COMPREENDER

E IDENTIFICAR OS SERVIÇOS DE

SAÚDE OCUPACIONAL NECESSÁRIOS

À ORGANIZAÇÃO, NO QUE TANGE AO

CUMPRIMENTO DAS POLÍTICAS DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO (SST).

Caro(a) aluno(a), iremos iniciar a 1º competência desta discipli- na, fazendo uma abordagem geral do histórico da saúde ocupacional. Vamos compreender quando surgiu a preocupação com a saúde dos tra- balhadores e quais foram as medidas tomadas inicialmente na época da Revolução Industrial visando a redução dos acidentes e a prevenção dos riscos existentes no ambiente laboral. Compreenderemos também como este contexto levou a criação dos primeiros serviços de saúde ocupacional e atualmente quem são eles e como funcionam dentro das empresas.

Histórico da Saúde Ocupacional

O homem foi percebendo que algumas substâncias de origem animal, vegetal ou mineral, quando manipuladas ou ingeridas, são ca-

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

09
09
Técnico em Segurança do Trabalho pazes de produzir doenças e até mesmo de causar a
Técnico em Segurança do Trabalho pazes de produzir doenças e até mesmo de causar a
Técnico em Segurança do Trabalho pazes de produzir doenças e até mesmo de causar a
Técnico em Segurança do Trabalho pazes de produzir doenças e até mesmo de causar a
Técnico em Segurança do Trabalho pazes de produzir doenças e até mesmo de causar a

Técnico em Segurança do Trabalho

pazes de produzir doenças e até mesmo de causar a morte. Há cerca de 400 anos Paracelso discorreu:

“Todas as substâncias são tóxicas. Não há uma que não seja vene- no. A dose correta é que diferencia um veneno de um remédio.” Através desta reflexão e, com os conhecimentos mais atuais, po-

demos concluir que qualquer substância presente no ambiente do tra- balho pode vir a produzir algum efeito adverso, quando em contado com

o organismo humano.

Imagem 01: Mineradores

Imagem 01: Mineradores

É importante resaltar que diversos fatores, em conjunto, vão in- terferir no desenvolvimento de alguma doença ocupacional, como por exemplo: o tempo de exposição ao agente, a concentração das subs- tâncias, a quantidade do agente no ambiente laboral, a intensidade da exposição e a suscetibilidade individual do trabalhador. Sendo assim, quanto maior for o tempo de exposição ao agente,

a concentração das substâncias, a quantidade do agente no ambiente laboral e a intensidade da exposição, mais vulnerável ao adoecimento estarão os trabalhadores. Entretanto o aparecimento ou agravamento

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

10
10
Técnico em Segurança do Trabalho das doenças ocupacionais serão determinados pela suscetibilidade in- dividual, ou
Técnico em Segurança do Trabalho das doenças ocupacionais serão determinados pela suscetibilidade in- dividual, ou
Técnico em Segurança do Trabalho das doenças ocupacionais serão determinados pela suscetibilidade in- dividual, ou
Técnico em Segurança do Trabalho das doenças ocupacionais serão determinados pela suscetibilidade in- dividual, ou
Técnico em Segurança do Trabalho das doenças ocupacionais serão determinados pela suscetibilidade in- dividual, ou

Técnico em Segurança do Trabalho

das doenças ocupacionais serão determinados pela suscetibilidade in- dividual, ou seja, características particulares de cada pessoa. Algumas pessoas são mais altas, outras são magras, umas tem a pele escura, ou- tras a imunidade mais baixa e determinados grupo tem uma facilidade maior a adquirir determinadas doenças quando comparados a outros.

A Revolução Industrial foi iniciada na Europa (Inglaterra, Franca

e Alemanha) e ocorreu entre 1760 e 1850. Nesta época, as condições de trabalho eram precárias: não havia limites nas jornadas de trabalho; o ambiente era fechado e as máquinas, sem nenhuma proteção. Conse- quentemente, as doenças e os acidentes com mutilações e óbitos, eram numerosos e as doenças infectocontagiosas se disseminaram.

Imagem 02: Revolução Industrial

Imagem 02: Revolução Industrial

Neste momento, onde a força de trabalho era explorada de for- ma desumana visando apenas à produtividade das grandes indústrias,

tornou-se necessário uma intervenção, sob a pena de inviabilidade de sobrevivência dos trabalhadores. Foi neste contexto que surgiu, na In- glaterra, a medicina do trabalho.

O interesse inicial brotou de um proprietário de uma fábrica têx-

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

11
11
Técnico em Segurança do Trabalho til chamado Robert Dernham que estava preocupado com a saúde
Técnico em Segurança do Trabalho til chamado Robert Dernham que estava preocupado com a saúde
Técnico em Segurança do Trabalho til chamado Robert Dernham que estava preocupado com a saúde
Técnico em Segurança do Trabalho til chamado Robert Dernham que estava preocupado com a saúde
Técnico em Segurança do Trabalho til chamado Robert Dernham que estava preocupado com a saúde

Técnico em Segurança do Trabalho

til chamado Robert Dernham que estava preocupado com a saúde de seus trabalhadores que não dispunham de nenhum cuidado médico, além dos prestados por instituições filantrópicas.

Imagem 03: Crianças trabalhando em fábrica têxtil

Imagem 03: Crianças trabalhando em fábrica têxtil

Dernham procurou o seu médico particular, Robert Baker, e lhe questionou qual seria a melhor maneira ara ele resolver esta situação. A resposta de Baker foi:

“Coloque no interior da sua fábrica o seu próprio médico, que servirá de

intermediário entre você, os seus trabalhadores e o público. Deixe-o visitar

a fábrica, sala por sala, sempre que existam pessoas trabalhando, de ma-

neira que ele possa verificar o efeito do trabalho sobre as pessoas. E se ele verificar que qualquer dos trabalhadores está sofrendo a influência de cau- sas que possam ser prevenidas, a ele competirá fazer tal prevenção. Dessa forma, você poderá dizer: meu médico é a minha defesa, pois a ele dei toda

a minha autoridade no que diz respeito à proteção da saúde e das condições

físicas dos meus operários; se algum deles vier a sofrer qualquer alteração da saúde, o médico unicamente é que deve ser responsabilizado”.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

12
12
Técnico em Segurança do Trabalho Surgiu assim em 1830, quando Robert Dernham contratou Baker para
Técnico em Segurança do Trabalho Surgiu assim em 1830, quando Robert Dernham contratou Baker para
Técnico em Segurança do Trabalho Surgiu assim em 1830, quando Robert Dernham contratou Baker para
Técnico em Segurança do Trabalho Surgiu assim em 1830, quando Robert Dernham contratou Baker para
Técnico em Segurança do Trabalho Surgiu assim em 1830, quando Robert Dernham contratou Baker para

Técnico em Segurança do Trabalho

Surgiu assim em 1830, quando Robert Dernham contratou Baker para trabalhar em sua fábrica, o primeiro serviço de medicina do traba- lho.

Vamos agora reler atentamente a resposta dada por Baker. Se prestarmos atenção poderemos observar que em suas palavras des-

pontam os elementos básicos das expectativas do capital quando às fi- nalidades de um serviço de medicina do trabalho:

Serviços dirigidos por pessoas de inteira confiança do em- presário e que estivessem dispostas a defendê-lo;

Serviços que fossem centrados na figura do médico;

Seria uma tarefa eminentemente médica a prevenção dos danos à saúde resultantes dos riscos do trabalho;

Ao médico cabia a responsabilidade pela ocorrência de pro- blemas de saúde.

Devido à inexistência ou precariedade dos serviços de saúde

e por contemplar as expectativas dos empregadores, o modelo acima

descrito se difundiu rapidamente entre vários países. Os serviços de

medicina do trabalho passaram a criar e manter a dependência do tra- balhador e de seus familiares ao mesmo tempo em que controlava dire- tamente a força de trabalho. Algumas indústrias, em especial nos Estados Unidos, se man- tiveram muito resistentes em prestar uma atenção especial aos pro-

blemas de saúde de seus trabalhadores. As primeiras iniciativas em relação a serviços médicos apenas surgiram a partir do aparecimento da legislação sobre indenizações, em casos de acidentes de trabalho. Nestes casos, o interesse principal dos empregadores era reduzir o cus- to das indenizações. Os movimentos mundiais com relação à saúde do trabalhador passaram

a interessar à Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a Organiza- ção Mundial da Saúde (OMS). Através da recomendação nº112 de 1959 a OIT define os Serviços de Saúde Ocupacional como sendo serviços mé- dicos instalados em um local de trabalho ou suas proximidades com as seguintes finalidades:

proteger os trabalhadores contra qualquer risco à sua saú-

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

13
13
Técnico em Segurança do Trabalho de, que possa decorrer do seu trabalho ou das condições
Técnico em Segurança do Trabalho de, que possa decorrer do seu trabalho ou das condições
Técnico em Segurança do Trabalho de, que possa decorrer do seu trabalho ou das condições
Técnico em Segurança do Trabalho de, que possa decorrer do seu trabalho ou das condições
Técnico em Segurança do Trabalho de, que possa decorrer do seu trabalho ou das condições

Técnico em Segurança do Trabalho

de, que possa decorrer do seu trabalho ou das condições em que este é realizado;

contribuir para o ajustamento físico e mental do trabalhador, obtido especialmente pela adaptação do trabalho aos traba- lhadores, e pela colocação destes em atividades profissio- nais para as quais tenham aptidões;

contribuir para o estabelecimento e a manutenção do mais alto grau possível de bem-estar físico e mental dos traba- lhadores.

A recomendação nº 112/59 foi um importante marco no processo

de organização dos serviços de saúde do trabalhador. Um dos maiores méritos desta recomendação foi o de definir as funções dos serviços de medicina do trabalho, destacando-se os seguintes aspectos:

As funções dos serviços de medicina do trabalho deveriam ser essencialmente preventivas;

Realização dos exames médicos ocupacionais (admissional, periódico, demissional e especiais);

Visitação periódica aos locais de trabalho para identificar fa- tores de risco que possam afetar a saúde dos trabalhadores;

Inspeção periódica das instalações sanitárias e de conforto (vestiário, refeitório, alojamento, etc);

Orientação na alimentação dos trabalhadores;

Registro sistemático de todas as informações referentes à saúde dos trabalhadores;

Providenciar os primeiros socorros às vítimas de acidentes ou indisposições;

Manter estreito relacionamento com os demais serviços e órgãos da empresa, e com órgãos externos interessados em questão de segurança, saúde e bem-estar social dos traba- lhadores.

Além de definir as funções dos serviços de medicina do traba- lho, consta ainda da Recomendação nº 112/59 as seguintes disposições gerais:

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

14
14
Técnico em Segurança do Trabalho • O serviço de medicina do trabalho deveria ser dirigido
Técnico em Segurança do Trabalho • O serviço de medicina do trabalho deveria ser dirigido
Técnico em Segurança do Trabalho • O serviço de medicina do trabalho deveria ser dirigido
Técnico em Segurança do Trabalho • O serviço de medicina do trabalho deveria ser dirigido
Técnico em Segurança do Trabalho • O serviço de medicina do trabalho deveria ser dirigido

Técnico em Segurança do Trabalho

O serviço de medicina do trabalho deveria ser dirigido por um médico, que, deveria subordinar-se diretamente à dire- ção da empresa;

O médico responsável pelo serviço deveria ter formação es- pecializada em medicina do trabalho;

Os médicos do trabalho deveriam gozar de independência profissional e moral completa, tanto em relação ao empre- gador como em relação aos empregados e seus represen- tantes;

O pessoal de enfermagem agregado ao serviço deverá ter qualificação, de acordo com normas fixadas pelo organismo competente;

Os locais e equipamentos dos serviços de medicina do tra- balho deveriam estar de acordo com as normas fixadas pelo organismo competente;

A prestação dos serviços de medicina do trabalho não deve- riam ocasionar nenhum gasto aos trabalhadores, sendo que seu funcionamento deveria correr por conta do empregador e/ou do Estado;

Os trabalhadores e suas organizações deveriam colaborar, plenamente, na consolidação dos fins dos serviços de medi- cina do trabalho.

Como se deu a evolução da Saúde Ocupacional aqui no Brasil?

A América Latina, incluindo o Brasil, passou pelo processo da Revolução Industrial por volta de 1930, bem mais tarde que os países norte-americanos e europeus. Apesar da experiência já vivida pelos de- mais países, passamos pelas mesmas fases. Em 1970 o Brasil já era considerado o campeão de acidentes de trabalho. Aqui no Brasil, os serviços médicos dentro das empresas foram criados por iniciativa dos empregadores e são razoavelmente recentes. Inicialmente, consistia em assistência médica gratuita para os trabalha- dores, provenientes de forma geral do campo. Apesar da OIT recomen- dar serviços com caráter essencialmente preventivos, os brasileiros

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

15
15
Técnico em Segurança do Trabalho eram eminentemente curativos e assistenciais. Apenas em 1972 o go-
Técnico em Segurança do Trabalho eram eminentemente curativos e assistenciais. Apenas em 1972 o go-
Técnico em Segurança do Trabalho eram eminentemente curativos e assistenciais. Apenas em 1972 o go-
Técnico em Segurança do Trabalho eram eminentemente curativos e assistenciais. Apenas em 1972 o go-
Técnico em Segurança do Trabalho eram eminentemente curativos e assistenciais. Apenas em 1972 o go-

Técnico em Segurança do Trabalho

eram eminentemente curativos e assistenciais. Apenas em 1972 o go- verno brasileiro baixou a portaria nº 3237 e tornou obrigatória a existên- cia dos serviços médicos, de higiene e segurança em todas as empresas com mais de 100 trabalhadores.

Norma regulamentadora 4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT)

O SESMT tem como finalidade promover a saúde e proteger a integridade do trabalhador no seu local de trabalho. É obrigatório que as empresas privadas e públicas, os órgãos públicos da administração direta e indireta e dos poderes Legislativo e Judiciário, que possuam empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho – CLT man- tenham os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. Mais na frente, veremos que, embora todas as empresas estejam obrigadas a cumprir o contido nas Normas Regula- mentadoras (NR), nem todas estão obrigadas a constituir o SESMT.

Imagem 04: Objetivos do SESMT

Imagem 04: Objetivos do SESMT

Para realizar o dimensionamento do SESMT, ou seja, definir quantos funcionários de cada categoria serão necessários na sua com- posição, é preciso duas informações: a gradação do risco da atividade principal da empresa e o número total de empregados do estabeleci-

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

16
16
Técnico em Segurança do Trabalho mento. Estas informações podem ser obtidas nos quadros I e
Técnico em Segurança do Trabalho mento. Estas informações podem ser obtidas nos quadros I e
Técnico em Segurança do Trabalho mento. Estas informações podem ser obtidas nos quadros I e
Técnico em Segurança do Trabalho mento. Estas informações podem ser obtidas nos quadros I e
Técnico em Segurança do Trabalho mento. Estas informações podem ser obtidas nos quadros I e

Técnico em Segurança do Trabalho

mento. Estas informações podem ser obtidas nos quadros I e II da NR-4. O quadro I contém, para cada Classificação Nacional de Atividades Eco- nômicas – CNAE, o grau de risco correspondente que varia de 1 a 4, em escala crescente de risco.

Quer saber mais? Confira a NR-4 na íntegra com todos os seus quadros no link abaixo.

http://portal.mte.gov.br/data/files/8A7C812D308E21660130D26E7A5C

0B97/nr_04.pdf

Já o quadro II contém a composição mínima obrigatória do SES- MT, em função do grau de risco estabelecido no quadro I, e da quantida- de de empregados do estabelecimento.

QUADRO II - DIENSIONAMENTO DOS SESMT

de de empregados do estabelecimento. QUADRO II - DIENSIONAMENTO DOS SESMT Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

17
17
Técnico em Segurança do Trabalho Saiba mais! Ao observarmos o quadro II, podemos constatar que
Técnico em Segurança do Trabalho Saiba mais! Ao observarmos o quadro II, podemos constatar que
Técnico em Segurança do Trabalho Saiba mais! Ao observarmos o quadro II, podemos constatar que
Técnico em Segurança do Trabalho Saiba mais! Ao observarmos o quadro II, podemos constatar que
Técnico em Segurança do Trabalho Saiba mais! Ao observarmos o quadro II, podemos constatar que

Técnico em Segurança do Trabalho

Saiba mais!

Ao observarmos o quadro II, podemos constatar que quando o número de empregados no estabelecimento alcança o patamar entre 2.001 a 3.500, para todos os graus de risco, o auxiliar de enfermagem do trabalho começa a ser obrigatório e o enfermeiro do trabalho ainda não. Este trecho da NR – 4 vai de encontro ao disposto na lei do exercício profissional da equipe de enfermagem, que deixa bastante claro que o auxiliar de enfermagem só pode exercer suas funções quando supervisionado por um enfermeiro. Sendo assim, para que os auxiliares de enfermagem não estejam praticando o exercício ilegal da sua profissão se torna obrigatória a contratação de enfermeiros já no patamar entre 2.001 a 3.500 empregados.

Atenção!

O dimensionamento do SESMT é previsto em função da quanti- dade de empregados do estabelecimento, e não de toda a empresa.

Os canteiros de obras e as frentes de trabalho, que tenham menos de mil empregados e que estejam situados no mesmo estado, território ou Distrito Federal não serão considerados como estabele- cimentos, mas como integrantes da empresa de engenharia principal responsável. Ficando a encargo desta, os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. Em situações como a citada acima, os engenheiros de seguran- ça do trabalho, os médicos do trabalho e os enfermeiros do trabalho (funcionários de nível superior) poderão ficar centralizados. Já para os técnicos de segurança do trabalho e auxiliares de enfermagem do tra- balho (funcionários de nível técnico), o dimensionamento será feito por canteiro de obra ou frente de trabalho. No caso das empresas que possuam mais de 50% de seus em- pregados em estabelecimentos ou setor com atividade cuja gradação de risco seja de grau superior ao da atividade principal, o dimensionamento SESMT deverá ser realizado em função do maior grau de risco.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

18
18
Técnico em Segurança do Trabalho Caro(a) aluno(a), imagine uma empresa que execute várias ativi- dades
Técnico em Segurança do Trabalho Caro(a) aluno(a), imagine uma empresa que execute várias ativi- dades
Técnico em Segurança do Trabalho Caro(a) aluno(a), imagine uma empresa que execute várias ativi- dades
Técnico em Segurança do Trabalho Caro(a) aluno(a), imagine uma empresa que execute várias ativi- dades
Técnico em Segurança do Trabalho Caro(a) aluno(a), imagine uma empresa que execute várias ativi- dades

Técnico em Segurança do Trabalho

Caro(a) aluno(a), imagine uma empresa que execute várias ativi- dades em um mesmo estabelecimento. Podemos exemplificar fazendo referência a uma empresa que seja revendedora de veículos e que te- nha setores de venda e uma oficina mecânica. Esta empresa pode até ter como atividade principal a venda de veículos, entretanto, se o maior número de funcionários se encontre em atividade na oficina mecânica, o grau de risco considerado será o da oficina.

Quando uma empresa poderá centralizar o seu SESMT?

Aqui vamos tratar das exceções citadas nas páginas acima.

A empresa pode atender a um conjunto de estabelecimentos pertencen-

tes a ela, desde que a distância a ser percorrida entre aquele estabele- cimento que se encontra o serviço e cada um dos demais não ultrapasse

a 5000 mil metros. Uma outra situação, são empresas onde seus estabelecimentos, isoladamente, não se enquadrem no quadro II. Entretanto, elas ainda ficam obrigadas a cumprir esta norma, quando o somatório dos empre- gados de todos os estabelecimentos do estado ou território, alcance os limites previstos no quadro II. Em casos onde alguns estabelecimentos se enquadrem no qua- dro II e outro (s) não, a assistência a este (s) será feita pelo serviço es- pecializado daquele (s).

Quando a empresa contratante tiver obrigatoriedade de consti- tuir um SESMT, por se enquadrar no quadro II, e a empresa contratada não, mesmo considerando o total de empregados nos seus estabeleci- mentos, a empresa contratante deverá estender os seus Serviços Espe- cializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho aos

funcionários da empresa contratada, sejam estes centralizados ou por estabelecimento. Ou seja, caso a empresa contratada não seja obrigada

a constituir um SESMT, a empresa contratante fará esse atendimento

utilizando o seu SESMT próprio. Nas situações onde a empresa contratante e as outras por ela contratadas, sozinhas, não se enquadrem no quadro II, mas após o so-

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

19
19
Técnico em Segurança do Trabalho matório dos seus empregados, no estabelecimento, atingirem os limites disposto
Técnico em Segurança do Trabalho matório dos seus empregados, no estabelecimento, atingirem os limites disposto
Técnico em Segurança do Trabalho matório dos seus empregados, no estabelecimento, atingirem os limites disposto
Técnico em Segurança do Trabalho matório dos seus empregados, no estabelecimento, atingirem os limites disposto
Técnico em Segurança do Trabalho matório dos seus empregados, no estabelecimento, atingirem os limites disposto

Técnico em Segurança do Trabalho

matório dos seus empregados, no estabelecimento, atingirem os limites disposto no referido quadro. Para as empresas que operem em regime sazonal, ou seja, ape- nas em algumas épocas do ano, o SESMT deverá ser dimensionado atra- vés da média aritmética do número de trabalhadores do ano anterior. Aos funcionários que trabalham no SESMT, fica proibida a reali- zação de outras atividades na empresa, durante o seu período de atua- ção no SESMT. Para os trabalhadores de nível médio (técnicos de enfer- magem e de segurança do trabalho) este período é de 8 horas diárias, já para os de nível superior ( engenheiro de segurança do trabalho, enfer- meiro do trabalho e médico do trabalho) este período é de no mínimo 3 horas (tempo parcial) ou 6 horas (tempo integral) diárias. Todos os custos decorrentes da instalação e manutenção do SESMT ficará exclusivamente a encardo do empregador. As atividades dos profissionais integrantes dos SESMT devem ser, visando principalmente à prevenção, o reconhecimento do risco ocupacional e as medidas necessárias à proteção ao trabalhador. Sendo assim, compete aos profissionais integrantes dos Serviços Especializa- dos em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho:

aplicar os conhecimentos de engenharia de segurança e de medicina do trabalho ao ambiente de trabalho e a todos os seus componentes, inclusive máquinas e equipamentos, de modo a reduzir até eliminar os riscos ali existentes à saúde do trabalhador;

determinar, quando esgotados todos os meios conhecidos para a eliminação do risco e este persistir, mesmo reduzido, a utilização, pelo trabalhador, de Equipamentos de Prote- ção Individual - EPI, de acordo com o que determina a NR 6, desde que a concentração, a intensidade ou característica do agente assim o exija;

colaborar, quando solicitado, nos projetos e na implantação de novas instalações físicas e tecnológicas da empresa;

manter permanente relacionamento com a Comissão Inter- na de Prevenção de Acidentes (CIPA), valendo-se ao máximo de suas observações, além de apoiá-la, treiná-la e atendê-

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

20
20
Técnico em Segurança do Trabalho la; • promover a realização de atividades de conscientização, educação
Técnico em Segurança do Trabalho la; • promover a realização de atividades de conscientização, educação
Técnico em Segurança do Trabalho la; • promover a realização de atividades de conscientização, educação
Técnico em Segurança do Trabalho la; • promover a realização de atividades de conscientização, educação
Técnico em Segurança do Trabalho la; • promover a realização de atividades de conscientização, educação

Técnico em Segurança do Trabalho

la;

promover a realização de atividades de conscientização, educação e orientação dos trabalhadores para a prevenção de acidentes do trabalho e doenças ocupacionais, tanto atra- vés de campanhas quanto de programas de duração perma- nente;

Imagem 05: Educação continuada

Imagem 05: Educação continuada

esclarecer e conscientizar os empregadores sobre acidentes do trabalho e doenças ocupacionais, estimulando-os em fa- vor da prevenção;

analisar e registrar em documento(s) específico(s) todos os acidentes ocorridos na empresa ou estabelecimento, com ou sem vítima, e todos os casos de doença ocupacional, descre- vendo a história e as características do acidente e/ou da do- ença ocupacional, os fatores ambientais, as características do agente e as condições do(s) indivíduo(s) portador(es) de doença ocupacional ou acidentado(s);

registrar mensalmente os dados atualizados de acidentes do

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

21
21
Técnico em Segurança do Trabalho trabalho, doenças ocupacionais e agentes de insalubridade, preenchendo, no mínimo,
Técnico em Segurança do Trabalho trabalho, doenças ocupacionais e agentes de insalubridade, preenchendo, no mínimo,
Técnico em Segurança do Trabalho trabalho, doenças ocupacionais e agentes de insalubridade, preenchendo, no mínimo,
Técnico em Segurança do Trabalho trabalho, doenças ocupacionais e agentes de insalubridade, preenchendo, no mínimo,
Técnico em Segurança do Trabalho trabalho, doenças ocupacionais e agentes de insalubridade, preenchendo, no mínimo,

Técnico em Segurança do Trabalho

trabalho, doenças ocupacionais e agentes de insalubridade, preenchendo, no mínimo, os quesitos descritos nos mode- los de mapas constantes nos Quadros III, IV, V e VI (ver os quadros no link acima que indica a NR-4 e seus anexos na íntegra), devendo a empresa encaminhar um mapa contendo avaliação anual dos mesmos dados à Secretaria de Seguran- ça e Medicina do Trabalho até o dia 31 de janeiro, através do órgão regional do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

O SESMT deve manter uma estreita relação com a CIPA, estu- dando suas observações e solicitações, propondo soluções corretivas e preventivas, ou seja, utilizando-a como um agente multiplicador. As empresas, cujos estabelecimentos não se enquadrem no quadro II poderão, com a ajuda do sindicato ou associação da categoria econômica correspondente ou por iniciativa própria, se juntar e organi- zar um SESMT comum. Esses serviços serão mantidos pelas empresas usuárias e, as despesas, serão estipuladas de acordo com a proporção do número de empregados de cada uma. Nestes casos, o dimensiona- mento será em função do somatório dos empregados das empresas participantes. Quem também pode constituir um SESMT comum são as empre- sas de mesma atividade econômica, localizadas em um mesmo municí- pio, ou em municípios limítrofes, mesmo que seus estabelecimentos se enquadrem no quadro II. O serviço será organizado pelo sindicato patro- nal correspondente ou pelas próprias empresas, desde que previsto em convenção ou acordo coletivo de trabalho. O dimensionamento conside- rará o somatório dos trabalhadores assistidos As empresas que desenvolvem suas atividades em um mesmo polo industrial ou comercial, se enquadram, em mais um caso, com possibilidade de criação de um SESMT comum. Este serviço será orga- nizado pelas próprias empresas interessadas, desde que previsto nas convenções ou acordos coletivos de trabalho das categorias envolvidas. O dimensionamento considerará o somatório dos trabalhadores assis- tidos e a atividade econômica que empregue o maior número entre os trabalhadores assistidos.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

22
22
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 06: Polo comercial de Caruaru Os SESMT deverão ser
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 06: Polo comercial de Caruaru Os SESMT deverão ser
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 06: Polo comercial de Caruaru Os SESMT deverão ser
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 06: Polo comercial de Caruaru Os SESMT deverão ser
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 06: Polo comercial de Caruaru Os SESMT deverão ser

Técnico em Segurança do Trabalho

Imagem 06: Polo comercial de Caruaru

Imagem 06: Polo comercial de Caruaru

Os SESMT deverão ser registrados no órgão regional do MTE.

Norma regulamentadora 5 – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA)

O objetivo da CIPA é a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatí- vel permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção da saúde do trabalhador. Caro(a) cursista quando nos re- ferimos a segurança do trabalho, a pri- meira palavra que deve vir a nossa cabe- ça é prevenção, e o principal objetivo da CIPA é justamente o de apoiar as empre-

Imagem 07: CIPA - segurança

Imagem 07: CIPA - segurança

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

23
23
Técnico em Segurança do Trabalho sas na adoção de medidas que eliminem, neutralizem, ou, pelo
Técnico em Segurança do Trabalho sas na adoção de medidas que eliminem, neutralizem, ou, pelo
Técnico em Segurança do Trabalho sas na adoção de medidas que eliminem, neutralizem, ou, pelo
Técnico em Segurança do Trabalho sas na adoção de medidas que eliminem, neutralizem, ou, pelo
Técnico em Segurança do Trabalho sas na adoção de medidas que eliminem, neutralizem, ou, pelo

Técnico em Segurança do Trabalho

sas na adoção de medidas que eliminem, neutralizem, ou, pelo menos, reduzam os riscos ocupacionais nos ambientes de trabalho.

A CIPA deve ser constituída por estabelecimento e deve ser

mantida em regular funcionamento as empresas privadas, públicas, so- ciedades de economia mista, órgãos da administração direta e indireta, instituições beneficentes, associações recreativas, cooperativas, bem como outras instituições que admitam trabalhadores como emprega- dos. Estas obrigações se aplicam aos trabalhadores avulsos e às enti- dades que lhes tomem serviço. O trabalhador avulso é aquele, sindicalizado ou não, que presta serviço de natureza rural ou urbana, sem vínculo empregatício, a diver- sas empresas, com intermediação do sindicato da categoria ou do órgão gestor de mão de obra. Como exemplo, podemos citar trabalhadores rurais que lidam na plantação e colheita e empregados do porto que movimentam as mercadoria fazendo cara e descarga. Com o objetivo de harmonizar as políticas de segurança e saúde no trabalho a empresa que possuir em um mesmo município dois ou mais estabelecimentos, deverá garantir a integração das CIPA e dos de- signados. Já as empresas que estejam situadas em um mesmo centro comercial ou industrial, deverão estabelecer, através dos membros da CIPA ou designados, mecanismos de integração com objetivo de promo-

ver o desenvolvimento de ações de prevenção de acidentes e doenças decorrentes do ambiente e instalações de uso coletivo.

A composição da CIPA se dará com representantes, titulares e

suplentes, dos empregados eleitos em escrutínio secreto, do qual parti-

cipem, independentemente de filiação sindical, exclusivamente os em- pregados interessados e com representantes, titulares e suplentes, dos empregadores que serão por eles designados. Ou seja, escolhidos pelo empregador, não participando do processo eleitoral. O dimensionamen- to será de acordo com o previsto no quadro I da NR 5. Existem dois quadros na NR 5. O quadro II divide as atividades desenvolvidas pelas empresas em grupos de CNAE, e o quadro I estabe- lece para cada grupo definido no quadro II, e no número de empregados no estabelecimento, o dimensionamento da CIPA.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

24
24
Técnico em Segurança do Trabalho Quer saber mais? Confira a NR-5 na íntegra com todos
Técnico em Segurança do Trabalho Quer saber mais? Confira a NR-5 na íntegra com todos
Técnico em Segurança do Trabalho Quer saber mais? Confira a NR-5 na íntegra com todos
Técnico em Segurança do Trabalho Quer saber mais? Confira a NR-5 na íntegra com todos
Técnico em Segurança do Trabalho Quer saber mais? Confira a NR-5 na íntegra com todos

Técnico em Segurança do Trabalho

Quer saber mais? Confira a NR-5 na íntegra com todos os seus quadros no link abaixo.

http://www.cpac.embrapa.br/publico/usuarios/uploads/cipa/nr_05.pdf

Nos casos em que o estabelecimento não se enquadrar no qua- dro I, a empresa designará um responsável pelo cumprimento dos ob- jetivos da NR 5, podendo ser adotados mecanismos de participação dos empregados, através de negociação coletiva. Os membros eleitos da CIPA terão um mandato com duração de um ano, sendo permitida uma reeleição. A dispensa arbitrária ou sem justa causa de um trabalhador, eleito para cargo de direção da CIPA, fica proibida, desde o registro de sua candidatura até um ano após o final de seu mandato. Aos mesmos, fica vetada a possibilidade de transferência para outro estabelecimento sem a sua concordância.

Imagem 08: trabalho conjunto

Imagem 08: trabalho conjunto

O empregador irá escolher entre os seus representantes o pre- sidente da CIPA. Já o vice-presidente será escolhido, entre os titulares, pelos representantes dos empregados. Os membros da CIPA deverão entrar em acordo e eleger um secretário e o seu substituto. Estes po-

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

25
25
Técnico em Segurança do Trabalho dem fazer parte ou não da comissão, sendo neste último
Técnico em Segurança do Trabalho dem fazer parte ou não da comissão, sendo neste último
Técnico em Segurança do Trabalho dem fazer parte ou não da comissão, sendo neste último
Técnico em Segurança do Trabalho dem fazer parte ou não da comissão, sendo neste último
Técnico em Segurança do Trabalho dem fazer parte ou não da comissão, sendo neste último

Técnico em Segurança do Trabalho

dem fazer parte ou não da comissão, sendo neste último caso necessá- ria a concordância do empregador. A CIPA, após ser obrigatoriamente protocolizada no Ministério do Trabalho, não poderá ter seu número de representantes diminuído, nem poderá ser desativada antes do término do mandato de seus mem- bros, mesmo que haja redução do número de empregados da empresa, exceto no caso de encerramento das atividades do estabelecimento. Vamos conhecer um pouco mais do papel da CIPA enumerando e comentando as suas atribuições:

identificar os riscos do processo de trabalho, e elaborar o mapa de riscos, com a participação do maior número de tra- balhadores, com assessoria do SESMT, onde houver. Mais a frente, veremos como elaborar um mapa de risco. Inicial- mente, é importante temos em mente que o reconhecimento dos riscos ocupacionais é a primeira medida a ser adotada para que seja possível fazer o seu controle;

elaborar plano de trabalho que possibilite a ação preventiva na solução de problemas de segurança e saúde no trabalho;

participar da implementação e do controle da qualidade das medidas de prevenção necessárias, bem como da avaliação das prioridades de ação nos locais de trabalho. É importante que a empresa eleja prioridades e elabore um cronograma de implementação das medidas a adotar, visto que nem to- das poderão ser adotadas ao mesmo tempo;

realizar, periodicamente, verificações nos ambientes e con- dições de trabalho visando à identificação de situações que venham a trazer riscos para a segurança e saúde dos traba- lhadores. O ambiente de trabalho deve ser verificado perio- dicamente, visto que ele é dinâmico e é alterado constante- mente;

realizar, a cada reunião, avaliação do cumprimento das me- tas fixadas em seu plano de trabalho e discutir as situações de risco que foram identificadas. É importante checar se as medidas adotadas estão surtindo o efeito desejado ou se precisam ser ajustadas;

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

26
26
Técnico em Segurança do Trabalho • divulgar aos trabalhadores informações relativas à seguran- ça e
Técnico em Segurança do Trabalho • divulgar aos trabalhadores informações relativas à seguran- ça e
Técnico em Segurança do Trabalho • divulgar aos trabalhadores informações relativas à seguran- ça e
Técnico em Segurança do Trabalho • divulgar aos trabalhadores informações relativas à seguran- ça e
Técnico em Segurança do Trabalho • divulgar aos trabalhadores informações relativas à seguran- ça e

Técnico em Segurança do Trabalho

divulgar aos trabalhadores informações relativas à seguran- ça e saúde no trabalho. Os trabalhadores devem ser infor- mados sobre segurança e saúde no ambiente de trabalho de forma clara e precisa para se conscientizarem da importân- cia das meninas de prevenção;

participar, com o SESMT, onde houver, das discussões pro- movidas pelo empregador, para avaliar os impactos de alte- rações no ambiente e processo de trabalho relacionados à segurança e saúde dos trabalhadores;

requerer ao SESMT, quando houver, ou ao empregador, a paralisação de máquina ou setor onde considere haver risco grave e iminente à segurança e saúde dos trabalhadores;

colaborar no desenvolvimento e implementação do Progra- ma de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) e Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e de outros programas relacionados à segurança e saúde no tra- balho;

divulgar e promover o cumprimento das Normas Regula- mentadoras, bem como cláusulas de acordos e convenções coletivas de trabalho, relativas à segurança e saúde no tra- balho;

participar, em conjunto com o SESMT, onde houver, ou com o empregador, da análise das causas das doenças e aciden- tes de trabalho e propor medidas de solução dos problemas identificados;

requisitar ao empregador e analisar as informações sobre questões que tenham interferido na segurança e saúde dos trabalhadores;

requisitar à empresa as cópias da Comunicação de Acidente do Trabalho (CAT) emitidas;

promover, anualmente, em conjunto com o SESMT, onde houver, a Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Tra- balho (SIPAT);

participar, anualmente, em conjunto com a empresa, de Campanhas de Prevenção da AIDS.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

27
27
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 09: trabalho em grupo Aos membros da CIPA, devem
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 09: trabalho em grupo Aos membros da CIPA, devem
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 09: trabalho em grupo Aos membros da CIPA, devem
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 09: trabalho em grupo Aos membros da CIPA, devem
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 09: trabalho em grupo Aos membros da CIPA, devem

Técnico em Segurança do Trabalho

Imagem 09: trabalho em grupo

Imagem 09: trabalho em grupo

Aos membros da CIPA, devem ter garantidos, pelo empregaador, os meios necessários e tempo suficiente para a realização de suas atri- buições constantes do plano de trabalho. A CIPA contará com reuniões mensais realizadas no horário do expediente normal da empresa. Poderão ser solicitadas reuniões extra- ordinárias, quando houver denúncia de situação de risco grave e iminen- te que determine aplicação de medidas corretivas de emergência, ocor- rer acidente do trabalho grave ou fatal ou houver solicitação expressa de uma das representações. As decisões da CIPA serão tomadas prioritariamente por con- senso. No caso de ele não ser possível será realizada uma votação. Está deverá ser registrada na ata de reunião. Um membro titular da CIPA poderá perder o mandato, caso falte a mais de quatro reuniões sem justificativa. Este membro será substituí- do por um suplente, de acordo com a sua ordem de colocação na eleição. No caso de afastamento do presidente, o empregador é quem indicará um substituto e, no caso de afastamento do vice-presidente os membros titulares da representação dos empregados vão escolher um substituto entre os titulares.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

28
28
Técnico em Segurança do Trabalho O empregador deverá promover treinamento aos membros da CIPA com
Técnico em Segurança do Trabalho O empregador deverá promover treinamento aos membros da CIPA com
Técnico em Segurança do Trabalho O empregador deverá promover treinamento aos membros da CIPA com
Técnico em Segurança do Trabalho O empregador deverá promover treinamento aos membros da CIPA com
Técnico em Segurança do Trabalho O empregador deverá promover treinamento aos membros da CIPA com

Técnico em Segurança do Trabalho

O empregador deverá promover treinamento aos membros da

CIPA com uma carga horária de 20 horas, sendo estas ministradas em no máximo 8 horas por dia. As empresas que não tenham a obrigatorie- dade de manter a CIPA deverão realizar treinamento anual com o desig- nado responsável pelo cumprimento dos objetivos da NR 5. No prazo de 60 dias antes do término do mandato em curso, o empregador deve convocar as eleições para escolha dos representantes dos empregados. Os membros atuais constituirão a comissão eleitoral, que ficará responsável pela organização e acompanhamento do proces-

so eleitoral. Onde a CIPA ainda não existir a comissão eleitora será cons- tituída pela empresa.

A realização da eleição e a apuração de votos serão realizadas

em horário normal de trabalho, possibilitando a participação da maioria dos trabalhadores e voto será secreto através de meios eletrônicos. Em situações onde a participação na votação seja os casos de empate, o fun- cionário que tiver mais anos de serviço no estabelecimento assumirá. Quando mais de uma empresa atua no mesmo estabelecimento a CIPA ou o designado da contratante e da contratada, deverão definir mecanismos de integração e adotar de forma integrada ações de pre- venção de acidentes e doenças do trabalho. Desta forma, garantindo o mesmo nível de proteção em matéria de segurança e saúde a todos os trabalhadores do estabelecimento. É de responsabilidade da empresa contratante prestar informações sobre os riscos presentes no ambiente de trabalho e medidas de proteção adequadas à empresa contatada.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

29
29
Técnico em Segurança do Trabalho COMPETÊNCIA 2: ESTABELECER AÇÕES PREVENTIVAS E CORRETIVAS PARA A PROMOÇÃO
Técnico em Segurança do Trabalho COMPETÊNCIA 2: ESTABELECER AÇÕES PREVENTIVAS E CORRETIVAS PARA A PROMOÇÃO
Técnico em Segurança do Trabalho COMPETÊNCIA 2: ESTABELECER AÇÕES PREVENTIVAS E CORRETIVAS PARA A PROMOÇÃO
Técnico em Segurança do Trabalho COMPETÊNCIA 2: ESTABELECER AÇÕES PREVENTIVAS E CORRETIVAS PARA A PROMOÇÃO
Técnico em Segurança do Trabalho COMPETÊNCIA 2: ESTABELECER AÇÕES PREVENTIVAS E CORRETIVAS PARA A PROMOÇÃO

Técnico em Segurança do Trabalho

COMPETÊNCIA 2: ESTABELECER AÇÕES PREVENTIVAS E CORRETIVAS PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE OCUPACIONAL NO AMBIENTE DE TRABALHO

As doenças ocupacionais são adquiridas pelo trabalhador atra- vés da exposição a agentes químicos, físicos, biológicos, ergonômicos e mecânicos (ou de acidentes). Algumas vezes, elas só ocorrem após vá- rios anos de exposição ou, depois que o trabalhador se afasta do agente causador. Nesta unidade vamos conversar um pouco sobre os tipos de risco ambientais, as doenças ocupacionais causadas por eles e as medi- das de prevenção e correção para evitar tais agravos.

Fatores de Risco

Consideram-se riscos ocupacionais, os agentes existentes nos ambientes de trabalho, capazes de causar danos à saúde do empregado. Os ambientes de trabalho pela natureza das atividades desenvolvidas e/ ou pelas características de organização podem comprometer a saúde d trabalhador em curto, médio e longo prazo, gerando lesões imediatas, doenças ou a morte, além de prejuízos de ordem legal e patrimonial para a empresa.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

30
30
Técnico em Segurança do Trabalho Você sabia? O Ministério da Saúde elaborou um manual de
Técnico em Segurança do Trabalho Você sabia? O Ministério da Saúde elaborou um manual de
Técnico em Segurança do Trabalho Você sabia? O Ministério da Saúde elaborou um manual de
Técnico em Segurança do Trabalho Você sabia? O Ministério da Saúde elaborou um manual de
Técnico em Segurança do Trabalho Você sabia? O Ministério da Saúde elaborou um manual de

Técnico em Segurança do Trabalho

Você sabia? O Ministério da Saúde elaborou um manual de procedimentos para os serviços de saúde onde consta lista das doenças relacionadas ao trabalho. Confira no link abaixo este material na íntegra.

http://www.medtrab.ufpr.br/arquivos%20para%20dowload%202011/

Disciplina%20Doencas%20do%20Trabalho/Manual%20DO%20Min%20

Saude.pdf

No intuito de minimizar esses danos, se torna necessária a in- vestigação dos riscos no local de trabalho para conhecer a que fatores os funcionários estão expostos e que possíveis medidas de proteção são passíveis de serem aplicadas, ressaltando que, não apenas a presença de um agente nocivo no ambiente laboral é suficiente para causar trans- tornos. O que será prejudicial é a presença do fator de risco somada à sua alta concentração, forma de apresentação (líquido, sólido, gasoso), ao seu nível de toxidade e ao tempo de exposição do trabalhador. O desencadeamento das doenças ocupacionais, também está di- retamente relacionado ao Limite de Tolerância (LT) dos agentes ambien- tais a que o trabalhador fica exposto. A NR-15 define limite de tolerância como “a concentração ou intensidade máxima ou mínima relacionada com a natureza e o tempo de exposição ao agente que não causará dano à saúde do trabalhador durante sua vida laboral.”

Saiba mais! Podemos avaliar os riscos ambientais existente em um ambiente de trabalho de duas formas:

• Avaliação qualitativa > é a forma mais simples e também conhecida como forma preliminar. É utilizada apenas a sensibilidade do trabalhador que identifica a presença do risco. Ex: percepção do cheiro de vazamento de gás.

• Avaliação quantitativa > é utilizada para medir, comparar e

estabelecer. É necessário o uso de um método científico e a utilização de instrumentos e equipamentos destinados à quantificação do risco. Ex: Medir através de aparelho específico (dosímetro) o nível de ruído do ambiente.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

31
31
Técnico em Segurança do Trabalho Os riscos físicos são representados por fatores ou agentes exis-
Técnico em Segurança do Trabalho Os riscos físicos são representados por fatores ou agentes exis-
Técnico em Segurança do Trabalho Os riscos físicos são representados por fatores ou agentes exis-
Técnico em Segurança do Trabalho Os riscos físicos são representados por fatores ou agentes exis-
Técnico em Segurança do Trabalho Os riscos físicos são representados por fatores ou agentes exis-

Técnico em Segurança do Trabalho

Os riscos físicos são representados por fatores ou agentes exis- tentes no ambiente de trabalho que podem afetar a saúde dos traba- lhadores, como: ruídos, vibrações, radiações, frio, calor, pressões anor- mais e umidade. Os riscos químicos são identificados pelo grande número de substâncias que podem contaminar o ambiente de trabalho e provocar danos à integridade física e mental dos trabalhadores, a exemplo de po- eiras, fumos, névoas, neblinas, gases, vapores, substâncias, compostos ou outros produtos químicos. Os riscos biológicos estão associados ao contato do homem com vírus, bactérias, protozoários, fungos, parasitas, bacilos e outras espé- cies de microorganismos. Os riscos ergonômicos estão ligados à execução de tarefas, à organização e às relações de trabalho, ao esforço físico intenso, levan- tamento e transporte manual de peso, mobiliário inadequado, posturas incorretas, controle rígido de tempo para produtividade, imposição de ritmos excessivos, trabalho em turno e noturno, jornadas de trabalho prolongadas, monotonia e repetitividade. Engloba também os fatores psicossociais e, entre eles, podemos citar as situações causadoras de estresse e o relacionamento interpessoal entre o trabalhador e seus co- legas de trabalho ou a chefia. Os riscos de acidente ou mecânicos são muito diversificados e estão presentes no arranjo físico inadequado, pisos pouco resistentes ou irregulares, material ou matéria-prima fora de especificação, máquina e equipamentos sem proteção, ferramentas impróprias ou defeituosas, iluminação excessiva ou insuficiente, instalações elétricas defeituosas, probabilidade de incêndio ou explosão, armazenamento inadequado, animais peçonhentos e outras situações de risco que poderão contribuir para a ocorrência de acidentes.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

32
32
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 10: Classificação dos fatores de risco Você sabia? Cada
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 10: Classificação dos fatores de risco Você sabia? Cada
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 10: Classificação dos fatores de risco Você sabia? Cada
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 10: Classificação dos fatores de risco Você sabia? Cada
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 10: Classificação dos fatores de risco Você sabia? Cada

Técnico em Segurança do Trabalho

Imagem 10: Classificação dos fatores de risco

Imagem 10: Classificação dos fatores de risco

Você sabia? Cada fator de risco é identificado por uma cor diferente! Sendo assim, quando formos representar um risco ambiental podemos simplesmente colocar a sua cor correspondente.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

33
33
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 11: Cores dos fatores de risco Mapa de Risco
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 11: Cores dos fatores de risco Mapa de Risco
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 11: Cores dos fatores de risco Mapa de Risco
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 11: Cores dos fatores de risco Mapa de Risco
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 11: Cores dos fatores de risco Mapa de Risco

Técnico em Segurança do Trabalho

Imagem 11: Cores dos fatores de risco

Imagem 11: Cores dos fatores de risco

Mapa de Risco

O mapa de risco é a representação gráfica (em uma planta baixa) dos fatores de risco existentes em um setor de trabalho ou em toda a empresa. Esta representação é feita através de círculos de diferentes cores e tamanhos, permitindo fácil visualização de todos os riscos de uma empresa. Como visto em alguns parágrafos acima, cada risco tem uma cor que o representa, e o tamanho dos círculos vai ser de acordo com a graduação do risco que pode ser classificado em pequeno (leve), médio e grande (elevado). Esta graduação vai ser mensurada em conformidade com as sensibilidades dos trabalhadores.

Imagem 12: Simbologia das cores

Imagem 12: Simbologia das cores

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

34
34
Técnico em Segurança do Trabalho O mapa é considerado um instrumento participativo que vai ser
Técnico em Segurança do Trabalho O mapa é considerado um instrumento participativo que vai ser
Técnico em Segurança do Trabalho O mapa é considerado um instrumento participativo que vai ser
Técnico em Segurança do Trabalho O mapa é considerado um instrumento participativo que vai ser
Técnico em Segurança do Trabalho O mapa é considerado um instrumento participativo que vai ser

Técnico em Segurança do Trabalho

O mapa é considerado um instrumento participativo que vai ser elaborado com a colaboração dos trabalhadores, que serão organiza- dos e acompanhados pela CIPA e terão a supervisão e colaboração do

SESMT. Este momento de elaboração possibilita a troca e divulgação de informações entre os trabalhadores, bem como estimula a sua partici- pação nas atividades de prevenção. Podemos atribuir ao mapa de risco a capacidade de fazer um le- vantamento preliminar de riscos no ambiente da empresa e de informar

o quantitativo de funcionários expostos a esses riscos. Dessa forma, se torna possível gerar informação para todos os empregados da empresa

e visitantes, e criar um planejamento para as ações preventivas que se- rão adotadas pela empresa.

Benefícios da adoção do mapa de risco:

identificação prévia dos riscos existentes nos locais de traba- lho aos quais os trabalhadores poderão estar expostos;

conscientização quanto ao uso adequado das medidas e dos equipamentos de proteção coletiva e individual;

redução de gastos com acidentes e doenças, medicação, in- denização, substituição de trabalhadores e danos patrimo- niais;

facilitação da gestão de saúde e segurança no trabalho com aumento da segurança interna e externa;

melhoria do clima organizacional, maior produtividade, com- petitividade e lucratividade.

Elaboração do mapa de risco

1. Conhecer o processo de trabalho do local analisado - os trabalha-

dores:

Os trabalhadores: número, sexo, idade, queixas de saúde, jornada e treinamentos recebido;

os equipamentos, instrumentos e materiais de trabalho;

As atividades exercidas;

O ambiente.

2. Identificar os riscos existentes no local analisado, conforme a clas-

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

35
35
Técnico em Segurança do Trabalho sificação específica dos riscos ambientais. 3. Identificar as medidas preventivas
Técnico em Segurança do Trabalho sificação específica dos riscos ambientais. 3. Identificar as medidas preventivas
Técnico em Segurança do Trabalho sificação específica dos riscos ambientais. 3. Identificar as medidas preventivas
Técnico em Segurança do Trabalho sificação específica dos riscos ambientais. 3. Identificar as medidas preventivas
Técnico em Segurança do Trabalho sificação específica dos riscos ambientais. 3. Identificar as medidas preventivas

Técnico em Segurança do Trabalho

sificação específica dos riscos ambientais.

3. Identificar as medidas preventivas existentes e sua eficácia referen- te à:

Proteção coletiva;

Organização do trabalho

Proteção individual;

Higiene e conforto: banheiro, lavatórios, vestiários, armá- rios, bebedouro, refeitório, área de lazer.

4. Identificar os indicadores de saúde:

Queixas mais freqüentes e comuns entre os trabalhadores expostos aos mesmos riscos;

Acidentes de trabalho ocorridos;

Doenças profissionais diagnosticadas;

Causas mais freqüentes de ausência ao trabalho.

5. Elaborar o Mapa de Riscos, sobre o layout da empresa, indicando

através de círculos:

O grupo a que pertence o risco, de acordo com a cor padro- nizada;

O número de trabalhadores expostos ao risco, o qual deve ser anotado dentro ou abaixo do círculo;

A intensidade do risco, de acordo com a percepção dos tra- balhadores, que deve ser representada por tamanhos pro- porcionalmente diferentes de círculos.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

36
36
Técnico em Segurança do Trabalho Observe atentamente o ambiente de trabalho Imagem 13: Elaboração do
Técnico em Segurança do Trabalho Observe atentamente o ambiente de trabalho Imagem 13: Elaboração do
Técnico em Segurança do Trabalho Observe atentamente o ambiente de trabalho Imagem 13: Elaboração do
Técnico em Segurança do Trabalho Observe atentamente o ambiente de trabalho Imagem 13: Elaboração do
Técnico em Segurança do Trabalho Observe atentamente o ambiente de trabalho Imagem 13: Elaboração do

Técnico em Segurança do Trabalho

Observe atentamente o ambiente de trabalho

Imagem 13: Elaboração do mapa de risco – parte 1

Imagem 13: Elaboração do mapa de risco – parte 1

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

37
37
Técnico em Segurança do Trabalho Imagine que está vendo tudo de cima Imagem 14: Elaboração
Técnico em Segurança do Trabalho Imagine que está vendo tudo de cima Imagem 14: Elaboração
Técnico em Segurança do Trabalho Imagine que está vendo tudo de cima Imagem 14: Elaboração
Técnico em Segurança do Trabalho Imagine que está vendo tudo de cima Imagem 14: Elaboração
Técnico em Segurança do Trabalho Imagine que está vendo tudo de cima Imagem 14: Elaboração

Técnico em Segurança do Trabalho

Imagine que está vendo tudo de cima

Imagem 14: Elaboração do mapa de risco – parte 2

Imagem 14: Elaboração do mapa de risco – parte 2

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

38
38
Técnico em Segurança do Trabalho Agora represente tudo com círculos e cores referentes aos riscos
Técnico em Segurança do Trabalho Agora represente tudo com círculos e cores referentes aos riscos
Técnico em Segurança do Trabalho Agora represente tudo com círculos e cores referentes aos riscos
Técnico em Segurança do Trabalho Agora represente tudo com círculos e cores referentes aos riscos
Técnico em Segurança do Trabalho Agora represente tudo com círculos e cores referentes aos riscos

Técnico em Segurança do Trabalho

Agora represente tudo com círculos e cores referentes aos riscos identificados.

Imagem 15: Elaboração do mapa de risco – parte 3

Imagem 15: Elaboração do mapa de risco – parte 3

Após discutido e aprovado pela CIPA, o mapa de riscos, completo ou setorial, deverá ser afixado em cada local analisado, de forma clara- mente visível e de fácil acesso para os trabalhadores. O ideal é que logo

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

39
39
Técnico em Segurança do Trabalho na entrada da empresa tenha um mapa de riscos de
Técnico em Segurança do Trabalho na entrada da empresa tenha um mapa de riscos de
Técnico em Segurança do Trabalho na entrada da empresa tenha um mapa de riscos de
Técnico em Segurança do Trabalho na entrada da empresa tenha um mapa de riscos de
Técnico em Segurança do Trabalho na entrada da empresa tenha um mapa de riscos de

Técnico em Segurança do Trabalho

na entrada da empresa tenha um mapa de riscos de todos os setores da mesma informando, assim, a todos os trabalhadores e funcionários dos riscos que podem ser encontrados em casa ambiente.

Doenças e acidentes ocupacionais

As doenças e os acidentes decorrentes do trabalho geram diver- sos fatores negativos tanto para o trabalhador acidentado, quanto para as empresas e a sociedade. A soma dos custos e prejuízos humanos, sociais e econômicos são muito altos e algumas vezes irreparáveis.

Você sabia? Que as doenças decorrentes do trabalho são consideradas acidentes de trabalho e que elas se subdividem em:

Doença profissional > entendida como a doença produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho peculiar a determinada atividade. A própria atividade laborativa basta para comprovar a relação de causa e efeito entre o trabalho e a doença. Ex: silicose Doença do trabalho > entendida como a doença adquirida ou desencadeada em função de condições especiais em que o trabalho é realizado e que com ele se relacione diretamente. Neste caso, necessita- se comprovar a relação de causa e efeito entre o trabalho e a doença. Ex: lombalgia em profissional de enfermagem.

Saiba mais! Para adquirir mais conhecimento sobre as doenças ocupacionais e os tipos de acidentes do trabalho confira no link abaixo a Seção I (Das Espécies de Prestações) do Capítulo II (Das prestações em geral) da Lei nº 8213, de 24 de julho de 1991.

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8213cons.htm

O índice de trabalhadores mortos prematuramente ou que ficam incapacitados é alarmante. Os funcionários que conseguem fugir de tais infortúnios ainda podem ser atingidos pelo sofrimento físico e mental (depressão e traumas), desemrprego, pela necessidade de cirurgias,

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

40
40
Técnico em Segurança do Trabalho próteses, assistência médica e psicológica, fisioterapia, e remédios, de-
Técnico em Segurança do Trabalho próteses, assistência médica e psicológica, fisioterapia, e remédios, de-
Técnico em Segurança do Trabalho próteses, assistência médica e psicológica, fisioterapia, e remédios, de-
Técnico em Segurança do Trabalho próteses, assistência médica e psicológica, fisioterapia, e remédios, de-
Técnico em Segurança do Trabalho próteses, assistência médica e psicológica, fisioterapia, e remédios, de-

Técnico em Segurança do Trabalho

próteses, assistência médica e psicológica, fisioterapia, e remédios, de- pendência de terceiros para acompanhamento e locomoção, diminuição do poder aquisitivo e estigmatização. As empresas também são atingidas fortemente pelas consequ- ências de acidentes e doenças ocupacionais. Elas ficam responsáveis pelo pagamento do salário do trabalhador nos primeiros 15 dias após

o acidente, pelo transporte e assistência médica de urgência, pela in-

vestigação das causas do acidente e correção da situação. Em algumas circunstâncias é necessária a paralisação de máquinas, equipamentos e setores com consequente interrupção da produção, em outros ocorrem prejuízos como a destruição de máquinas, veículos e equipamentos ou

danificação de produtos, matéria-prima e outros insumos. É importante resaltar que dificilmente a empresa consegue manter o mesmo conceito

e imagem no mercado.

E em relação à sociedade? Como será que acidentes e doenças

gerados no ambiente laboral podem vir a interferir na vida cotidiana dos cidadãos? Como nós estamos sendo afetados? Segundo os dados estatísticos, a maioria das pessoas que so- frem este tipo de acidente está em uma faixa etária entre 20 e 30 anos. Estes jovens trabalhadores, muitas vezes, são os responsáveis pelo sus- tento de suas famílias e acabam onerando a sociedade por necessitarem de socorro e medicações de urgência, intervenções cirúrgicas, leitos nos hospitais, maior apoio da família e da comunidade e de benefícios pre- videnciários. O País, de uma forma geral, acaba prejudicado, visto que a população economicamente ativa fica reduzida.

Medidas de prevenção dos riscos

É fundamental criar dentro das empresas um clima de sensi-

bilização dos funcionários, visando à proteção contra todos os tipos de riscos presentes no ambiente de trabalho. Quando se cria uma cons- cientização coletiva referente ao respeito à integridade física dos traba- lhadores e melhoria contínua dos ambientes de trabalho, os acidentes, doenças e custos são prevenidos e reduzidos. Caro cursista, queremos deixar bem claro que o risco ao traba-

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

41
41
Técnico em Segurança do Trabalho lhador será maior, sempre que o tempo de exposição ou
Técnico em Segurança do Trabalho lhador será maior, sempre que o tempo de exposição ou
Técnico em Segurança do Trabalho lhador será maior, sempre que o tempo de exposição ou
Técnico em Segurança do Trabalho lhador será maior, sempre que o tempo de exposição ou
Técnico em Segurança do Trabalho lhador será maior, sempre que o tempo de exposição ou

Técnico em Segurança do Trabalho

lhador será maior, sempre que o tempo de exposição ou de contato a

fonte de perigo, a frequência de exposição ao perigo e a proximidade da fonte de perigo for maior. Para podermos elaborar estratégias de prevenção de riscos pre- cisamos inicialmente realizar uma análise preliminar das condições de trabalho:

Realizar um diagnóstico inicial das características da em- presa, dos trabalhadores e dos ambientes de trabalho. Ou seja, identificar qual o ramo de atividade desta empresa, quem são os seus trabalhadores (idade, sexo) e a situação estrutural dos setores de trabalho;

Fazer um mapeamento dos processos de produção e ativi- dades relacionadas atentando para suas principais etapas. Dessa forma, estaremos identificando as condições de risco;

Caracterizar a exposição através da avaliação dos riscos, com a finalidade de identificar as fontes de perigo, a intensi- dade, a concentração e a quantidade nos quais os mesmos são encontrados;

Discutir e definir as alternativas de eliminação ou controle das condições de risco e realizar uma programação de ações de prevenção a serem seguidas com o estabelecimento de prioridades e objetivos e metas claros a serem cumprido;

Implementar e avaliar as medidas adotadas. Efetivar o con- trole operacional através de uma avaliação que vise o moni- toramento das ações efetuadas e a checagem dos resultados alcançados, e caso necessário à reformulação das ações e metas.

Agora nós já sabemos os passos que devemos seguir, desde a identificação de um risco, até as medidas de prevenção que devem ser tomadas para saná-los. Mas, e na hora de criar essas ações de preven- ção dos riscos, será que também não é necessário seguir uma ordem lógica que aperfeiçoe o nosso serviço? A resposta para essa pergunta é sim! Vamos conhecer o Princí- pio da tecnologia de controle proposto pela higiene ocupacional:

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

42
42
Técnico em Segurança do Trabalho • Inicialmente deve-se evitar que um agente potencialmente tóxico ou
Técnico em Segurança do Trabalho • Inicialmente deve-se evitar que um agente potencialmente tóxico ou
Técnico em Segurança do Trabalho • Inicialmente deve-se evitar que um agente potencialmente tóxico ou
Técnico em Segurança do Trabalho • Inicialmente deve-se evitar que um agente potencialmente tóxico ou
Técnico em Segurança do Trabalho • Inicialmente deve-se evitar que um agente potencialmente tóxico ou

Técnico em Segurança do Trabalho

Inicialmente deve-se evitar que um agente potencialmente tóxico ou perigoso para a saúde seja utilizado, formado ou liberado;

Se isso não for possível, contê-lo de tal forma que não se propague para o ambiente;

Se isso não for possível, ou suficiente, isolá-lo ou diluí-lo no ambiente de trabalho;

Em último caso, bloquear as vias de entrada no organismo.

Um outro método é o Processo para controle do risco, que se- guindo uma ordem correlaciona o tipo de medida ao processo:

Medidas construtivas ou de engenharia > Devem ser ado- tadas na fase de concepção e projeto. Atuam sobre os meios de trabalho (equipamentos, máquinas e edifícios). Incluem os equipamentos de proteção coletiva (EPC). Processo >Eliminar ou reduzir o risco. Envolver o risco.

Medidas organizacionais > Limitação do número de expos- tos ou do tempo de exposição. Processo > Afastar o homem.

Medidas de proteção individual ou adicionais > Utilização dos equipamentos de proteção individual (EPI). Processo > Proteger o homem.

Hoje, a ciência e a tecnologia colocam à nossa disposição no mercado uma vasta quantidade de medidas e equipamentos de prote- ção. Os dispositivos de uso individual, destinados à proteção de uma pessoa são os EPI. Já os equipamentos que protegem vários trabalha- dores ao mesmo tempo e otimizam o ambiente de trabalho são os EPC. Exemplos de EPI > luvas, botas, máscara, capacete, jaleco e protetor auricular.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

43
43
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 16: Equipamentos de proteção individual Exemplos de EPC >
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 16: Equipamentos de proteção individual Exemplos de EPC >
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 16: Equipamentos de proteção individual Exemplos de EPC >
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 16: Equipamentos de proteção individual Exemplos de EPC >
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 16: Equipamentos de proteção individual Exemplos de EPC >

Técnico em Segurança do Trabalho

Imagem 16: Equipamentos de proteção individual

Imagem 16: Equipamentos de proteção individual

Exemplos de EPC > isolamento de máquinas, corrimão e pasti- lhas antiderrapantes em escadas, extintor de incêndio, chuveiros, pias, iluminação adequada, limpeza do local de trabalho, sistema de exaus- tão, sinalização e alarmes.

Imagem 17: Equipamentos de proteção coletiva

Imagem 17: Equipamentos de proteção coletiva

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

44
44
Técnico em Segurança do Trabalho O EPI nunca deve ser a primeira opção, ele só
Técnico em Segurança do Trabalho O EPI nunca deve ser a primeira opção, ele só
Técnico em Segurança do Trabalho O EPI nunca deve ser a primeira opção, ele só
Técnico em Segurança do Trabalho O EPI nunca deve ser a primeira opção, ele só
Técnico em Segurança do Trabalho O EPI nunca deve ser a primeira opção, ele só

Técnico em Segurança do Trabalho

O EPI nunca deve ser a primeira opção, ele só deve ser usado em

último caso. A sua utilização e feita quando não for possível eliminar o risco por outras medidas ou EPC, quando for necessário complementar

a proteção coletiva, em exposição de curto período e em trabalhos even- tuais ou emergenciais.

A pessoa que vai ficar responsável pela seleção do EPI a ser uti-

lizado deve conhecer não apenas o equipamento, mas também as con- dições em que o trabalho é executado, o tipo de risco a ser prevenido, a

parte do corpo a ser atingida, as características e qualidade técnica do EPI, o grau de proteção que o produto deve proporcionar e se ele possui

o certificado de aprovação (CA) do Ministério do Trabalho e Emprego. Não adianta apenas fornecer o EPI ao funcionário, temos que conscientizá-lo da importância do seu uso na prevenção de acidentes e doenças e fornecermos informação através de capacitações continua- das da forma correta de utilizá-los.

Saiba mais! Quando falamos em Saúde Ocupacional há dois conceitos que não podem deixar de ser abordados:

• Anamnese > É o histórico da vida do funcionário, que geralmente é colhido através de um questionário com perguntas. Se subdivide em anamnese ocupacional, quando as perguntas se referem à ocupação atual ou anterior do trabalhador, e em anamnese clínica, quando as perguntas se referem aos hábitos de vida, a história familiar e agravos pregressos.

• Nexo Causal > Também conhecido como Nexo Técnico, é a relação entre o adoecimento e a situação de trabalho. Ou seja, é quando se consegue fazer a ligação entre a causa e o efeito, entre os fatores de risco do ambiente laboral que estariam levando o trabalhador ao adoecimento. Não é simples, uma vez que tal processo é específico para cada indivíduo, envolvendo sua história de vida e de trabalho. Para estabelecer o nexo, torna-se fundamental a descrição detalhada da situação de trabalho, quanto ao ambiente, à organização e à percepção da influência do trabalho no processo de adoecer. Muitas vezes, também se torna necessário complementar as informações com resultado de exames clínicos (físico e mental) e complementares (exame de sangue, de fezes, de urina, de imagem e etc).

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

45
45
Técnico em Segurança do Trabalho Agentes Físicos São as diversas formas de energia, as quais
Técnico em Segurança do Trabalho Agentes Físicos São as diversas formas de energia, as quais
Técnico em Segurança do Trabalho Agentes Físicos São as diversas formas de energia, as quais
Técnico em Segurança do Trabalho Agentes Físicos São as diversas formas de energia, as quais
Técnico em Segurança do Trabalho Agentes Físicos São as diversas formas de energia, as quais

Técnico em Segurança do Trabalho

Agentes Físicos

São as diversas formas de energia, as quais os trabalhadores podem estar expostos. Os agentes geradores deste risco possuem a ca- pacidade de alterar as características físicas do meio ambiente, exigem um meio de transmissão para propagar sua nocividade e agem até mes- mo sobre indivíduos que não têm contato direto com a fonte de risco.

Vamos agora enumerar as medidas de controle do agente físico calor:

Insuflação de ar fresco no ambiente (ventiladores e ar con- dicionado);

Arejar o ambiente através da abertura de portas e janelas;

Exaustão de vapores de água (ventiladores ou encanação);

Uso de barreiras refletoras (alumínio polido, aço inoxidável), colocadas entre o trabalhador e a fonte geradora de calor;

Automatização do processo (uso de máquinas no lugar de homens);

Aclimatação, ou seja, inicialmente expor o trabalhador de forma gradual ao risco para que o organismo através da sua capacidade fisiológica se adapte ao ambiente;

Exames periódicos;

Reposição hídrica e salina (instalar bebedores em locais es- tratégicos no local de trabalho);

Limitar o tempo de exposição do trabalhador;

Equipamentos de proteção individual, vestimentas de tecido leve, cor clara, que absorva o calor do organismo do funcio- nário e com sistema de ventilação acoplado.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

46
46
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 18: Trabalhador exposto ao risco físico calor Vamos agora
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 18: Trabalhador exposto ao risco físico calor Vamos agora
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 18: Trabalhador exposto ao risco físico calor Vamos agora
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 18: Trabalhador exposto ao risco físico calor Vamos agora
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 18: Trabalhador exposto ao risco físico calor Vamos agora

Técnico em Segurança do Trabalho

Imagem 18: Trabalhador exposto ao risco físico calor

Imagem 18: Trabalhador exposto ao risco físico calor

Vamos agora enumerar as medidas de controle do agente físico frio:

Exames médicos periódicos;

Aclimatação do trabalhador;

Alimentação balanceada devido a perda grande de energia;

Hidratação adequada;

Evitar trabalhos solitários;

Evitar trabalhos exaustivos que levem ao suor e consequente umedecimento das roupas;

Troca das vestimentas úmidas por secas sempre que neces- sário;

Períodos de descanso em locais aquecidos;

Educação continuada através de treinamentos;

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

47
47
Técnico em Segurança do Trabalho • Reduzir o tempo de exposição; • Não conter assentos
Técnico em Segurança do Trabalho • Reduzir o tempo de exposição; • Não conter assentos
Técnico em Segurança do Trabalho • Reduzir o tempo de exposição; • Não conter assentos
Técnico em Segurança do Trabalho • Reduzir o tempo de exposição; • Não conter assentos
Técnico em Segurança do Trabalho • Reduzir o tempo de exposição; • Não conter assentos

Técnico em Segurança do Trabalho

Reduzir o tempo de exposição;

Não conter assentos metálicos nem sistema de ventilação;

Sistema que permita a abertura das portas internamente;

As roupas devem estar sempre limpas e secas e ser com- posta de camadas múltiplas (calça, capote e luvas) e as botas de couro com forro.

Imagem 19: Trabalhador exposto ao risco físico frio

Imagem 19: Trabalhador exposto ao risco físico frio

Vamos agora enumerar as medidas de controle do agente físico radia- ção ionizante:

Áreas controladas delimitadas com sinalização e barreiras físicas com blindagem feita de concreto, aço ou chumbo;

Utilização de avental plumbífero, protetor de gônadas e ti- reoide e óculos de vidro plumbífero com proteção lateral;

Guarda adequada dos EPI para evitar fissuras ou rompimen- tos no lençol de chumbo;

Monitoração individual do agente;

Monitoramento biológico através de exames de sangue.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

48
48
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 20: Trabalhador exposto ao risco físico radiação ionizante Vamos
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 20: Trabalhador exposto ao risco físico radiação ionizante Vamos
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 20: Trabalhador exposto ao risco físico radiação ionizante Vamos
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 20: Trabalhador exposto ao risco físico radiação ionizante Vamos
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 20: Trabalhador exposto ao risco físico radiação ionizante Vamos

Técnico em Segurança do Trabalho

Imagem 20: Trabalhador exposto ao risco físico radiação ionizante

Imagem 20: Trabalhador exposto ao risco físico radiação ionizante

Vamos agora enumerar as medidas de controle do agente físico radia- ção não ionizante:

Diminuir o tempo de exposição;

Proporcionar descanso em ambiente coberto;

Realizar exames periódicos;

Utilizar blusas de manga, calças compridas, chapéu árabe, óculos de sol e protetor solar.

Imagem 21: Trabalhador exposto ao risco físico radiação não ionizante

Imagem 21: Trabalhador exposto ao risco físico radiação não ionizante

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

49
49
Técnico em Segurança do Trabalho Vamos agora enumerar as medidas de controle do agente físico
Técnico em Segurança do Trabalho Vamos agora enumerar as medidas de controle do agente físico
Técnico em Segurança do Trabalho Vamos agora enumerar as medidas de controle do agente físico
Técnico em Segurança do Trabalho Vamos agora enumerar as medidas de controle do agente físico
Técnico em Segurança do Trabalho Vamos agora enumerar as medidas de controle do agente físico

Técnico em Segurança do Trabalho

Vamos agora enumerar as medidas de controle do agente físico pres- sões anormais:

Capacitar o trabalhador quanto aos riscos e os cuidados que ele deve ter para evitar traumas e doenças descompressivas;

Os exames de rotina devem estar rigorosamente em dia e a saúde do trabalhador perfeita.

Imagem 22: Trabalhador exposto ao risco físico pressões extremas

Imagem 22: Trabalhador exposto ao risco físico pressões extremas

Vamos agora enumerar as medidas de controle do agente físico ruído:

Substituição de equipamento por um mais silencioso;

Manutenção das máquinas (balanceamento e equilíbrio das partes móveis, lubrificação dos rolamentos e regulação dos motores);

Programação das operações de forma que fique o menor nú- mero de máquinas funcionando simultaneamente;

Substituição de engrenagens metálicas por outras de plás- tico;

Isolar a fonte através de barreira isolante e adsorvente de

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

50
50
Técnico em Segurança do Trabalho som; • Monitoramento periódico no agente no ambiente de traba-
Técnico em Segurança do Trabalho som; • Monitoramento periódico no agente no ambiente de traba-
Técnico em Segurança do Trabalho som; • Monitoramento periódico no agente no ambiente de traba-
Técnico em Segurança do Trabalho som; • Monitoramento periódico no agente no ambiente de traba-
Técnico em Segurança do Trabalho som; • Monitoramento periódico no agente no ambiente de traba-

Técnico em Segurança do Trabalho

som;

Monitoramento periódico no agente no ambiente de traba- lho;

Realização dos exames de rotina;

EPIs – protetor auricular.

Imagem 23: Trabalhador exposto ao risco físico ruído

Imagem 23: Trabalhador exposto ao risco físico ruído

Vamos agora enumerar as medidas de controle do agente físico vibra- ção:

• Substituição de equipamentos que produzam vibração;

• Instalar amortecedores de vibração em assentos;

• Calibrar o pneu de veículos;

• Utilizar ferramentas com características antivibratórias;

• Colocar pedais de borracha nas máquinas;

• Realizar manutenção periódica dos equipamentos;

• Limitar o tempo de exposição do funcionário;

• Implantar rodízios e pausas na jornada de trabalho;

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

51
51
Técnico em Segurança do Trabalho • Capacitação sobre a forma de utilização correta das ferramen
Técnico em Segurança do Trabalho • Capacitação sobre a forma de utilização correta das ferramen
Técnico em Segurança do Trabalho • Capacitação sobre a forma de utilização correta das ferramen
Técnico em Segurança do Trabalho • Capacitação sobre a forma de utilização correta das ferramen
Técnico em Segurança do Trabalho • Capacitação sobre a forma de utilização correta das ferramen

Técnico em Segurança do Trabalho

• Capacitação sobre a forma de utilização correta das ferramen- tas e equipamentos para minimizar a vibração;

• Realizar controle médico dos trabalhadores;

• EPIs – luvas antivibração e botas de borracha.

Imagem 24: Trabalhador exposto ao risco físico vibração

Imagem 24: Trabalhador exposto ao risco físico vibração

Vamos agora enumerar as medidas de controle do agente físico umida- de:

Construção de caneletas para permitir o escoamento da água utilizada;

Rodízio de funcionários;

Horários destinados ao descanso em ambientes secos;

Exames periódicos;

Utilização de EPIs impermeáveis (luvas, macacões e botas).

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

52
52
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 25: Trabalhador exposto ao risco físico umidade Agentes Biológicos
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 25: Trabalhador exposto ao risco físico umidade Agentes Biológicos
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 25: Trabalhador exposto ao risco físico umidade Agentes Biológicos
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 25: Trabalhador exposto ao risco físico umidade Agentes Biológicos
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 25: Trabalhador exposto ao risco físico umidade Agentes Biológicos

Técnico em Segurança do Trabalho

Imagem 25: Trabalhador exposto ao risco físico umidade

Imagem 25: Trabalhador exposto ao risco físico umidade

Agentes Biológicos

São micoorganismos, incluindo os geneticamente modificados ou não, as culturas de células, os parasitas, as toxinas e os príons, ca- pazes de provocar infecções, alergias ou toxidades em seres humanos. Ainda podemos incluir as bactérias, os vírus, os fungos e mordidas e ataques por animais peçonhentos, domésticos e selvagens.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

53
53
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 26: Trabalhador exposto ao risco biológico Vamos agora enumerar
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 26: Trabalhador exposto ao risco biológico Vamos agora enumerar
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 26: Trabalhador exposto ao risco biológico Vamos agora enumerar
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 26: Trabalhador exposto ao risco biológico Vamos agora enumerar
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 26: Trabalhador exposto ao risco biológico Vamos agora enumerar

Técnico em Segurança do Trabalho

Imagem 26: Trabalhador exposto ao risco biológico

Imagem 26: Trabalhador exposto ao risco biológico

Vamos agora enumerar as medidas de controle dos agentes biológicos:

Seleção de equipamentos de trabalho;

Substituição de micoorganismos;

Modificação do processo de trabalho. Ou seja do passo a pas- so, de como o trabalho é realizado;

Minimizar a proliferação de contaminantes no ambiente através de limpeza, desinfecção, ventilação e controle de ve- tores;

Utilizar sinalização para indicar a presença do risco;

Todo local onde exista possibilidade de exposição ao agente biológico deve ter lavatório exclusivo para higiene das mãos provido de água corrente, sabonete líquido, toalha descar- tável e lixeira provida de sistema de abertura sem contato manual;

Informar sobre os riscos de exposição ao agente biológico;

Capacitar o trabalhador quanto às normas e procedimentos

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

54
54
Técnico em Segurança do Trabalho padronizados; • Diminuir o número de trabalhadores expostos; • Fazer
Técnico em Segurança do Trabalho padronizados; • Diminuir o número de trabalhadores expostos; • Fazer
Técnico em Segurança do Trabalho padronizados; • Diminuir o número de trabalhadores expostos; • Fazer
Técnico em Segurança do Trabalho padronizados; • Diminuir o número de trabalhadores expostos; • Fazer
Técnico em Segurança do Trabalho padronizados; • Diminuir o número de trabalhadores expostos; • Fazer

Técnico em Segurança do Trabalho

padronizados;

Diminuir o número de trabalhadores expostos;

Fazer uso das precauções padrão ou precauções universais. Inclui realizar os procedimentos com segurança, utilizar ade- quadamente os EPIs, evitar manipulação desnecessária de material biológico, manipular cuidadosamente instrumen- tos perfuro cortantes potencialmente contaminados, utilizar coletor resistente para descarte destes materiais e evitar o reencape de agulha ou a desconexão da agulha da seringa;

Uso de equipamentos de proteção individual adequados a cada tipo de exposição (avental jaleco, gorro, máscara, luva,

avental cirúrgico, protetor ocular, protetor facial, sapatos fe- chados, botas, pró-pé );

Fazer uso de dispositivos de segurança como conectores e sistemas de infusão sem agulhas, agulhas e seringas com travas de segurança e seringas com sistema retrátil da agu-

lha;

Lavagem das mãos antes e depois de cada procedimento;

A

higienização das vestimentas utilizadas nos centros cirúr-

gicos e obstétricos, serviços de tratamento intensivo, unida- des de pacientes com doenças infectocontagiosa e quando

houver contato direto da vestimenta com material orgânico, deve ser de responsabilidade do empregador;

Acompanhamento médico dos funcionários;

Programa de imunização;

Protocolos de atendimentos pós-exposição a material orgâ-

 

nico;

Não deve ser permitido a utilização de pias de trabalho para

fins diversos dos previstos, o ato de fumar, o uso de adornos

e o manuseio de lentes de contato nos postos de trabalho, o

consumo de alimentos e bebidas nos postos de trabalho, a guarda de alimentos em locais não destinados para este fim,

o uso de calçados abertos e deixar o local de trabalho com os equipamentos de proteção individual e as vestimentas utili- zadas em suas atividades laborais.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

55
55
Técnico em Segurança do Trabalho Agentes Químicos São substâncias compostas ou produtos que podem penetrar
Técnico em Segurança do Trabalho Agentes Químicos São substâncias compostas ou produtos que podem penetrar
Técnico em Segurança do Trabalho Agentes Químicos São substâncias compostas ou produtos que podem penetrar
Técnico em Segurança do Trabalho Agentes Químicos São substâncias compostas ou produtos que podem penetrar
Técnico em Segurança do Trabalho Agentes Químicos São substâncias compostas ou produtos que podem penetrar

Técnico em Segurança do Trabalho

Agentes Químicos

São substâncias compostas ou produtos que podem penetrar no organismo pela via respiratória, pela via cutânea (através do con- tato com a pele) ou através do trato gastrointestinal (digestão). Podem ter ação localizada, quando atua somente na região de contato, e ação sistêmica, quando são absorvidos e distribuídos dentro do organismo, afetando diferentes órgãos e tecidos.

Imagem 27: Trabalhador exposto ao risco químico

Imagem 27: Trabalhador exposto ao risco químico

Vamos agora enumerar as medidas de controle dos agentes químicos:

Substituição do agente, substância, ferramenta ou tecnologia de trabalho por outro mais seguro, menos tóxico ou lesivo;

Mudanças ou alteração do processo produtivo por automati- zação. Ou seja, a máquina fazendo o papel do homem e con- sequentemente o afastando do risco;

Enclausuramento da operação. Impede a dispersão do con- taminante para o ambiente de trabalho;

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

56
56
Técnico em Segurança do Trabalho • Isolamento ou segregação da operação. Pode ser feito o
Técnico em Segurança do Trabalho • Isolamento ou segregação da operação. Pode ser feito o
Técnico em Segurança do Trabalho • Isolamento ou segregação da operação. Pode ser feito o
Técnico em Segurança do Trabalho • Isolamento ou segregação da operação. Pode ser feito o
Técnico em Segurança do Trabalho • Isolamento ou segregação da operação. Pode ser feito o

Técnico em Segurança do Trabalho

Isolamento ou segregação da operação. Pode ser feito o iso- lamento no tempo, que consiste em realizar as operações fora do horário normal, reduzindo assim o quantitativo de trabalhadores expostos, e o isolamento do espaço, que con- siste em realizar o processo a distância da maioria dos fun- cionários;

Umidificação do processo para controlar as poeiras;

Implantação e manutenção de sistema de ventilação local exaustora adequada e eficiente. Consiste em esgotar os po- luentes (poeiras, gases, vapores, fumos) na fonte antes de sua dispersão para o ambiente de trabalho;

Medidas de higiene. O ambiente deve ser sempre limpo com água ou aspirador, ou umedecer a poeira a ser removida;

Manutenção preventiva e corretiva de maquinas e equipa- mentos. Evitando a poluição dos gases e vapores pela elimi- nação de folgas e frestas e pela lubrificação eficiente;

Monitoramento sistemático dos agentes agressores;

Classificação e rotulagem das substâncias químicas;

Equipamentos de proteção ambiental (respiradores, cremes protetores, luvas, botas );

Treinamento. Educação continuada dos funcionários sobre segurança, saúde, isso adequado dos EPI e desenvolvimento de suas atividades;

Monitoramento individual. Através de exames médicos;

Medidas de higiene pessoal. Cuidados como lavar as mãos, o rosto e os cabelos no fim da jornada de trabalho e nas pau- sas para refeições.

Agentes Ergonômicos

São condições de trabalho que interferem nas características psicofisiológicas dos trabalhadores. Ou seja, aspectos relacionados ao levantamento, transporte e descarga de materiais, ao mobiliário, aos equipamentos e às condições ambientais do posto de trabalho e à pró- pria organização do trabalho.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

57
57
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 28: Trabalhador exposto ao risco ergonômico Vamos agora enumerar
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 28: Trabalhador exposto ao risco ergonômico Vamos agora enumerar
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 28: Trabalhador exposto ao risco ergonômico Vamos agora enumerar
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 28: Trabalhador exposto ao risco ergonômico Vamos agora enumerar
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 28: Trabalhador exposto ao risco ergonômico Vamos agora enumerar

Técnico em Segurança do Trabalho

Imagem 28: Trabalhador exposto ao risco ergonômico

Imagem 28: Trabalhador exposto ao risco ergonômico

Vamos agora enumerar as medidas de controle dos agentes ergonômi- cos:

Diminuição da jornada de trabalho;

Aumentar o número de turnos ou de equipes;

Analisar as médias de horas trabalhadas por semana;

Realizar rodízio entre os funcionários;

Estabelecer pausas para descanso durante a jornada de tra- balho;

Proporcionar assistência médica e exames periodicamente;

Ao carregar peso fazer uso da mecânica corporal (deixar os pés totalmente apoiados no chão e mantê-los afastados, manter as costas eretas o máximo possível, flexionar os jo- elhos e não curvar a coluna) e utilizar vestimentas que per- mitam liberdade de movimentos e sapatos fechados e anti-

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

58
58
Técnico em Segurança do Trabalho derrapantes; • Terapias corporais de relaxamento (ex: ginástica laboral),
Técnico em Segurança do Trabalho derrapantes; • Terapias corporais de relaxamento (ex: ginástica laboral),
Técnico em Segurança do Trabalho derrapantes; • Terapias corporais de relaxamento (ex: ginástica laboral),
Técnico em Segurança do Trabalho derrapantes; • Terapias corporais de relaxamento (ex: ginástica laboral),
Técnico em Segurança do Trabalho derrapantes; • Terapias corporais de relaxamento (ex: ginástica laboral),

Técnico em Segurança do Trabalho

derrapantes;

Terapias corporais de relaxamento (ex: ginástica laboral), alongamento e reeducação postural;

Imagem 29: Ginástica laboral

Imagem 29: Ginástica laboral

Psicoterapia, hidroterapia, acupuntura e massoterapia;

Diminuição da competitividade no ambiente de trabalho;

Busca de metas coletivas;

Diminuição da intensidade do trabalho;

Orientar hábitos saudáveis de vida, como alimentação balan- ceada, exercícios físicos regulares, manter o sono diário de no mínimo seis horas;

Não preencher o tempo livre com mais trabalho e sim utili- zá-lo para atividades agradáveis;

Dedicar um tempo para habilidades que sempre quis apren- der ou desenvolver, como pintura, música, dança de salão ou outra que venha a trazer satisfação pessoal;

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

59
59
Técnico em Segurança do Trabalho • Saber administrar tempo levando em consideração além das questões
Técnico em Segurança do Trabalho • Saber administrar tempo levando em consideração além das questões
Técnico em Segurança do Trabalho • Saber administrar tempo levando em consideração além das questões
Técnico em Segurança do Trabalho • Saber administrar tempo levando em consideração além das questões
Técnico em Segurança do Trabalho • Saber administrar tempo levando em consideração além das questões

Técnico em Segurança do Trabalho

Saber administrar tempo levando em consideração além das questões do trabalho, o cuidado pessoal e o lazer;

Cultivar o relacionamento interpessoal, buscando um bom relacionamento com colegas e trabalho, familiares e amigos.

Riscos de acidente

Os acidentes em um ambiente de trabalho são muito variados e

vão depender da atividade que está sendo realizada. Sendo assim vamos enumerar algumas medidas gerais de controle dos riscos de acidente:

Promover um ambiente de trabalho confortável;

Manter o local de trabalho organizado com todos os objetos nos seus lugares e bem arrumados;

Informar quanto aos riscos existentes na empresa e as for- mas de preveni-los

Orientar a importância de seguir todas as normas de segu- rança;

Utilizar de forma correta os dispositivos de prevenção de aci- dentes.

Imagem 30: Trabalhador exposto ao risco de acidente

Imagem 30: Trabalhador exposto ao risco de acidente

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

60
60
Técnico em Segurança do Trabalho COMPETÊNCIA 3: ESTRUTURAR E DESENVOLVER AVALIAÇÃO ERGONÔMICA NOS AMBIENTES DE
Técnico em Segurança do Trabalho COMPETÊNCIA 3: ESTRUTURAR E DESENVOLVER AVALIAÇÃO ERGONÔMICA NOS AMBIENTES DE
Técnico em Segurança do Trabalho COMPETÊNCIA 3: ESTRUTURAR E DESENVOLVER AVALIAÇÃO ERGONÔMICA NOS AMBIENTES DE
Técnico em Segurança do Trabalho COMPETÊNCIA 3: ESTRUTURAR E DESENVOLVER AVALIAÇÃO ERGONÔMICA NOS AMBIENTES DE
Técnico em Segurança do Trabalho COMPETÊNCIA 3: ESTRUTURAR E DESENVOLVER AVALIAÇÃO ERGONÔMICA NOS AMBIENTES DE

Técnico em Segurança do Trabalho

COMPETÊNCIA 3: ESTRUTURAR E DESENVOLVER AVALIAÇÃO ERGONÔMICA NOS AMBIENTES DE TRABALHO

Nesta competência vamos detalhar melhor o risco ergonômico, conhecer e nos aprofundar um pouco nesta ciência que é denomina- da Ergonomia, além de saber como ela surgiu, qual o seu campo de atuação e a sua importância para a melhoria da qualidade de vida dos trabalhadores e minimização de acidentes e doenças relacionados ao trabalho.

Surgimento da ergonomia

Vamos relembrar um pouco Na primeira competência, estudamos sobre o histórico da saú- de ocupacional e o surgimento de serviços dedicados à prevenção de acidentes e doenças ocupacionais. Vimos que o processo da revolução industrial foi muito acelerado e que os trabalhadores se encontravam em péssimas condições para exercer seus ofícios. Os empresários eram alheios aos problemas dos homens, estavam apenas preocupados com o aumento da produção e dos lucros.

Entretanto, chegou uma fase onde os índices de acidentes, adoe- cimentos e morte dos trabalhadores eram alarmantes. Muitos funcioná- rios tinham ficado inválidos ou tinham ido a óbito e a escassez de mão de obra começou a ser sentida e a se tornar preocupante. Somou-se a esta

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

61
61
Técnico em Segurança do Trabalho realidade os conhecimentos científicos e tecnológicos que foram apli- cados
Técnico em Segurança do Trabalho realidade os conhecimentos científicos e tecnológicos que foram apli- cados
Técnico em Segurança do Trabalho realidade os conhecimentos científicos e tecnológicos que foram apli- cados
Técnico em Segurança do Trabalho realidade os conhecimentos científicos e tecnológicos que foram apli- cados
Técnico em Segurança do Trabalho realidade os conhecimentos científicos e tecnológicos que foram apli- cados

Técnico em Segurança do Trabalho

realidade os conhecimentos científicos e tecnológicos que foram apli- cados na Segunda Guerra Mundial como o desenvolvimento de aviões, submarinos, tanques, radares e armas. Os soldados precisavam de mui- ta habilidade para operá-los e as condições ambientais eram bastante desfavoráveis o que gerou na época diverso erros e acidentes fatais.

Imagem 31: Segunda Guerra Mundial

Imagem 31: Segunda Guerra Mundial

Logo após a II Guerra, já tinha vários profissionais envolvidos em projetos que visavam adaptar os instrumentos às características e ca- pacidade dos soldados que operavam as máquinas. Em 12 de julho de 1949, na Inglaterra, essas pessoas se reuniram e foi ali, onde, oficial- mente, nasceu a ergonomia. Na mesma época, nos Estados Unidos, a marinha e a força aérea, juntas, montavam um laboratório de pesquisa de ergonomia com o objetivo de aperfeiçoar aeronaves e submarinos. Por fim, a ergonomia ganhou impressionante avanço e enorme desen-

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

62
62
Técnico em Segurança do Trabalho volvimento tecnológico, se disseminando rapidamente pela América e Europa, após
Técnico em Segurança do Trabalho volvimento tecnológico, se disseminando rapidamente pela América e Europa, após
Técnico em Segurança do Trabalho volvimento tecnológico, se disseminando rapidamente pela América e Europa, após
Técnico em Segurança do Trabalho volvimento tecnológico, se disseminando rapidamente pela América e Europa, após
Técnico em Segurança do Trabalho volvimento tecnológico, se disseminando rapidamente pela América e Europa, após

Técnico em Segurança do Trabalho

volvimento tecnológico, se disseminando rapidamente pela América e Europa, após a Corrida Espacial e a Guerra Fria.

Importante!

Alguns estudiosos creditam o surgimento da ergonomia ao homem primitivo que, com a necessidade de se proteger e sobreviver, sem querer, começou aplicar os princípios da ergonomia, buscando meios de tornar seus trabalhos mais fáceis e menos penosos.

Caro(a) cursista você saberia dizer o significado da palavra ergono- mia?

Ela vem do grego, onde ergon, que significa trabalho e normos significa normas, regras, leis. Sendo assim, a ergonomia é o estudo da adaptação do trabalho às características dos indivíduos, de modo a lhes proporcionar um máximo de conforto, segurança e bom desempenho de suas atividades no trabalho.

A ergonomia surge como uma nova ciência, mediante a contri- buição de diversas disciplinas científicas como antropométrica, biome- cânica ocupacional, anatomia, fisiologia do trabalho, psicologia do tra- balho, desenho industrial, toxicologia e informática, que visa humanizar o trabalho e tornar mais produtivo os seus resultados.

Saiba mais! Antropometria > é o espaço onde o trabalho é desenvolvido (equipamentos, máquinas), devendo considerar os movimentos e dimensões do corpo humano. São feitos estudos das medidas das várias características do corpo como dimensões lineares, diâmetros e pesos e também pesquisas para o homem parado e em movimento (antropometria estática e dinâmica). Biomecânica > Se refere a aspectos mecânicos do movimento humano, incluindo considerações de alcance, força e velocidade dos movimentos do corpo.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

63
63
Técnico em Segurança do Trabalho O homem se torna o centro das atenções e cuidados,
Técnico em Segurança do Trabalho O homem se torna o centro das atenções e cuidados,
Técnico em Segurança do Trabalho O homem se torna o centro das atenções e cuidados,
Técnico em Segurança do Trabalho O homem se torna o centro das atenções e cuidados,
Técnico em Segurança do Trabalho O homem se torna o centro das atenções e cuidados,

Técnico em Segurança do Trabalho

O homem se torna o centro das atenções e cuidados, ele agora

é a peça fundamental do sistema de produção. Os conceitos foram in-

vertidos, se antes o homem tinha que se adaptar ao meio laboral, agora

o trabalho, os equipamentos e o meio é que têm que se moldar ao ho-

mem. A constituição, o potencial e as limitações humanas são analisa- dos e não será exigido além da capacidade individuais de cada pessoa.

O trabalho deve ser motivador e permitir a satisfação física e

mental do funcionário e não ser encarado apenas como um meio de so- brevivência. Existe uma preocupação com as consequências sanitária e psicológicas do ambiente procurando torná-lo agradável e são. Vários aspectos são estudados na ergonomia como por exemplo postura e movimentos corporais (trabalho sentado, trabalho em pé, mo- vimentação de cargas e levantamento de peso), informações captadas pela visão e audição, controle (relação de mostradores e controles) e cargos e tarefas.

Imagem 32: Trabalhadores movimentando cargas

Imagem 32: Trabalhadores movimentando cargas

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

64
64
Técnico em Segurança do Trabalho Saiba mais! A Ergonomia se divide em três fases distintas:
Técnico em Segurança do Trabalho Saiba mais! A Ergonomia se divide em três fases distintas:
Técnico em Segurança do Trabalho Saiba mais! A Ergonomia se divide em três fases distintas:
Técnico em Segurança do Trabalho Saiba mais! A Ergonomia se divide em três fases distintas:
Técnico em Segurança do Trabalho Saiba mais! A Ergonomia se divide em três fases distintas:

Técnico em Segurança do Trabalho

Saiba mais!

A Ergonomia se divide em três fases distintas:

Primeira fase ou ergonomia tradicional > Nesta fase, os cientistas tinham como objetivo redimensionar os postos de trabalho e dessa forma possibilitar um melhor alcance motor e visual dos funcionários. Os estudos ficaram centrados nas características físicas e perceptivas do ser humano e na aplicação de dados no design de controles, displays e arranjos de interesse militar.

Segunda fase ou ergonomia do meio ambiente > Passa a se entender a relação do homem com o meio ambiente, os postos de trabalho são projetados de tal forma que isolam o trabalhador do ambiente industrial agressivo. Surge a preocupação com os efeitos que a temperatura, o ruído, a vibração, a iluminação e os aerodispersoides podem causam no homem. Nets fase, as dimensões do trabalho e o ambiente passam a ser adequados ao homem.

Terceira fase ou ergonomia de software ou cognitiva > A ergonomia começa a operar em um outro ramo científico, estudando e elaborando sistemas de transmissão de informação mais adequados a capacidade mental do homem, muito comum à informática e ao controle automático de processos industriais. Nesta fase, se dá ênfase ao processo cognitivo do ser humano.

Imagem 33: Trabalhador de informática

Imagem 33: Trabalhador de informática

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

65
65
Técnico em Segurança do Trabalho Classificação da ergonomia Ergonomia de concepção ou ergonomia proativa Já
Técnico em Segurança do Trabalho Classificação da ergonomia Ergonomia de concepção ou ergonomia proativa Já
Técnico em Segurança do Trabalho Classificação da ergonomia Ergonomia de concepção ou ergonomia proativa Já
Técnico em Segurança do Trabalho Classificação da ergonomia Ergonomia de concepção ou ergonomia proativa Já
Técnico em Segurança do Trabalho Classificação da ergonomia Ergonomia de concepção ou ergonomia proativa Já

Técnico em Segurança do Trabalho

Classificação da ergonomia

Ergonomia de concepção ou ergonomia proativa Já na fase de planejamento e concepção dos locais, postos e instrumentos de trabalho se realizam intervenções ergonômicas. É o tipo mais indicado, pois já se pensa em ambientes de trabalho adequa- dos, antes mesmo de os trabalhadores começarem suas atividades, não sendo necessário estabelecer alterações em situações previamente es- tabelecidas. Ou seja, antes de se abrir uma empresa e até mesmo de começar a construção de suas instalações e compra de suas máquinas e equipamentos, já se realiza um estudo de base para que se façam essas ações da maneira mais ergonomicamente correta para os trabalhado- res.

Entretanto não é a maneira mais fácil de trabalhar, visto que as decisões serão tomadas baseadas em situações não reais simuladas em computadores e modelos virtuais. Sendo assim, é exigida uma maior carga de conhecimento e experiência de quem for colocá-la em prática.

Ergonomia de correção ou ergonomia reativa Aqui, as ações serão realizadas em ambientes reais, onde as ati- vidades laborais já são efetuadas. É quando se identificam problemas ergonômicos em algumas funções e são necessárias medidas para sa- ná-las. Em algumas situações, a saúde e a segurança dos trabalhadores estão sendo colocadas em risco e, em outras, os problemas estão in- terferindo diretamente na produção. Nos dois casos, os problemas têm que ser resolvidos. Um dificultador é que as soluções adotadas muitas vezes não são completamente satisfatórias, exigindo custo elevado de implantação.

Ergonomia de conscientização Neste tipo de ergonomia a abordagem é um pouco diferente, os trabalhadores são capacitados, através de treinamentos de reciclagem individuais ou coletivos, para que eles mesmo sejam capazes de iden- tificar e corrigir problemas que possam surgir no dia a dia do trabalho.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

66
66
Técnico em Segurança do Trabalho Ergonomia de participação O usuário do sistema passa a ser
Técnico em Segurança do Trabalho Ergonomia de participação O usuário do sistema passa a ser
Técnico em Segurança do Trabalho Ergonomia de participação O usuário do sistema passa a ser
Técnico em Segurança do Trabalho Ergonomia de participação O usuário do sistema passa a ser
Técnico em Segurança do Trabalho Ergonomia de participação O usuário do sistema passa a ser

Técnico em Segurança do Trabalho

Ergonomia de participação

O usuário do sistema passa a ser envolvido na solução de proble- mas ergonômicos. Parte-se do princípio básico de que o usuário detém o conhecimento prático que, muitas vezes, acaba passando desperce- bido pelo projetista na ergonomia de concepção. Por usuário, devemos entender o próprio trabalhador, quando se trata de alterações no posto de trabalho, e o consumidor, quando se trata do produto de consumo.

Vamos relembrar um pouco Na segunda competência, listamos e comentamos um pouco so- bre alguns riscos ergonômicos, encontrados com frequência nos am- bientes de trabalho. São eles: relações desgastadas de trabalho, esforço físico inten- so, levantamento e transporte manual de peso, mobiliário inadequado, posturas incorretas, controle rígido de tempo para produtividade, impo- sição de ritmos excessivos, trabalho em turno e noturno, jornadas de trabalho prolongadas, monotonia, repetitividade e outras situações cau- sadoras de estresse físico e /ou psíquico.

Imagem 34: Profissional com postura incorreta

Imagem 34: Profissional com postura incorreta

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

67
67
Técnico em Segurança do Trabalho Norma regulamentadora 17 – Ergonomia Esta NR tem como objetivo
Técnico em Segurança do Trabalho Norma regulamentadora 17 – Ergonomia Esta NR tem como objetivo
Técnico em Segurança do Trabalho Norma regulamentadora 17 – Ergonomia Esta NR tem como objetivo
Técnico em Segurança do Trabalho Norma regulamentadora 17 – Ergonomia Esta NR tem como objetivo
Técnico em Segurança do Trabalho Norma regulamentadora 17 – Ergonomia Esta NR tem como objetivo

Técnico em Segurança do Trabalho

Norma regulamentadora 17 – Ergonomia

Esta NR tem como objetivo definir parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores. Dessa forma, proporcionando um máximo de confor- to, segurança e desempenho eficiente. Estas condições de trabalho in- cluem aspectos relacionados ao levantamento, transporte e descarga de materiais, ao mobiliário, aos equipamentos e às condições ambientais do posto de trabalho e à própria organização do trabalho.

Imagem 35: Profissional levantando peso de forma incorreta

Imagem 35: Profissional levantando peso de forma incorreta

A norma define transporte manual de carga como sendo todo transporte no qual o peso da carga é suportado inteiramente por um só trabalhador, compreendendo o levantamento e a deposição da carga. Já

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

68
68
Técnico em Segurança do Trabalho o transporte manual regular de cargas seria toda atividade realizada
Técnico em Segurança do Trabalho o transporte manual regular de cargas seria toda atividade realizada
Técnico em Segurança do Trabalho o transporte manual regular de cargas seria toda atividade realizada
Técnico em Segurança do Trabalho o transporte manual regular de cargas seria toda atividade realizada
Técnico em Segurança do Trabalho o transporte manual regular de cargas seria toda atividade realizada

Técnico em Segurança do Trabalho

o transporte manual regular de cargas seria toda atividade realizada de maneira contínua ou que inclua, mesmo de forma descontínua, o trans- porte manual de cargas. Na CLT podemos extrair sobre o transporte manual de cargas:

Artigo 198: O peso máximo que um empregado pode remover individu- almente, ressalvada as disposições especiais relativas ao trabalho do menos e da mulher é de 60kg. Artigo 390: Ao empregador é vedado empregar a mulher em serviços que demandem o emprego de força muscular superior a 20kg para o trabalho contínuo, ou 25kg para o trabalho ocasional.

Parágrafo único: Não está compreendido, na determinação deste artigo,

a remoção de material feita por impulsão ou tração de vagonetes sobre

trilhos, de carros de mão ou qualquer aparelhos mecânicos. Quando o transporte manual de cargas ficar a encargo de mulheres ou de trabalhadores jovens (idade inferior a dezoito anos e maior de qua- torze anos), visando o não comprometimento de sua saúde ou seguran- ça, o peso máximo das cargas deve ser nitidamente menor que àquele admitido para os homens. Para trabalhador cujo peso seja suscetível de comprometer sua saúde ou sua segurança, não deverá ser exigido nem admitido o transporte manual de cargas. Com o intuito de manter a saúde e prevenir os acidentes entre os traba- lhadores designados para o transporte manual regular de cargas, que não as leves, é necessário treinamento e instruções, quanto aos méto- dos de trabalho que devem ser utilizados. Meios técnicos apropriados devem ser utilizados para limitar ou facilitar o transporte manual de cargas.

O transporte e a descarga de materiais feitos por impulsão ou tração de vagonetes sobre trilhos, carros de mão ou qualquer outro aparelho mecânico e, o trabalho de levantamento de material, feito com equipa- mento mecânico de ação manual, deverão ser executados de forma que

o esforço físico realizado pelo trabalhador seja compatível com sua ca- pacidade de força e não comprometa a sua saúde ou a sua segurança.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

69
69
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 36: Profissional descarregando material de forma incorreta Sempre que
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 36: Profissional descarregando material de forma incorreta Sempre que
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 36: Profissional descarregando material de forma incorreta Sempre que
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 36: Profissional descarregando material de forma incorreta Sempre que
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 36: Profissional descarregando material de forma incorreta Sempre que

Técnico em Segurança do Trabalho

Imagem 36: Profissional descarregando material de forma incorreta

Imagem 36: Profissional descarregando material de forma incorreta

Sempre que o ofício puder ser executado na posição sentada, o posto de trabalho deve ser planejado ou adaptado para esta posição.

No caso de atividades, nas quais os trabalhos devam ser realizados sen- tados, a partir da análise ergonômi- ca do trabalho, poderá ser exigido suporte para os pés, que se adapte ao comprimento da perna do traba- lhador. Já nas atividades nas quais os trabalhos devam ser realizados de pé, devem ser colocados assentos para descanso em locais em que pos- sam ser utilizados por todos os tra- balhadores durante as pausas.

Imagem 37: Equipamentos de trabalho ergonomicamente corretos

Imagem 37: Equipamentos de trabalho ergonomicamente corretos

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

70
70
Técnico em Segurança do Trabalho No trabalho manual, tanto sentado quanto em pé, as bancadas,
Técnico em Segurança do Trabalho No trabalho manual, tanto sentado quanto em pé, as bancadas,
Técnico em Segurança do Trabalho No trabalho manual, tanto sentado quanto em pé, as bancadas,
Técnico em Segurança do Trabalho No trabalho manual, tanto sentado quanto em pé, as bancadas,
Técnico em Segurança do Trabalho No trabalho manual, tanto sentado quanto em pé, as bancadas,

Técnico em Segurança do Trabalho

No trabalho manual, tanto sentado quanto em pé, as bancadas, mesas, escrivaninhas e os painéis devem proporcionar ao trabalhador condições de boa postura, visualização e operação. Alguns requisitos mínimos devem ser atendidos como: ter altura e características da su- perfície de trabalho compatíveis com o tipo de atividade, com a distância requerida dos olhos ao campo de trabalho e com a altura do assento; ter área de trabalho de fácil alcance e visualização pelo trabalhador e ter características dimensionais que possibilitem posicionamento e movi- mentação adequados dos segmentos corporais. Em trabalho que necessite a utilização também dos pés, os pe- dais e demais comandos para acionamento pelos pés, devem ter posi- cionamento e dimensões que possibilitem fácil alcance, bem como ân- gulos adequados entre as diversas partes do corpo do trabalhador, em função das características e peculiaridades do trabalho a ser executado. Os assentos utilizados nos postos de trabalho devem atender alguns requisitos mínimos de conforto como altura ajustável à estatura do tra- balhador e à natureza da função exercida, características de pouca ou nenhuma conformação na base do assento, borda frontal arredondada e encosto com forma levemente adaptada ao corpo para proteção da região lombar.

Imagem 38: Assento ergonômico

Imagem 38: Assento ergonômico

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

71
71
Técnico em Segurança do Trabalho Atenção! Todos os equipamentos, as condições ambientais e a organiza-
Técnico em Segurança do Trabalho Atenção! Todos os equipamentos, as condições ambientais e a organiza-
Técnico em Segurança do Trabalho Atenção! Todos os equipamentos, as condições ambientais e a organiza-
Técnico em Segurança do Trabalho Atenção! Todos os equipamentos, as condições ambientais e a organiza-
Técnico em Segurança do Trabalho Atenção! Todos os equipamentos, as condições ambientais e a organiza-

Técnico em Segurança do Trabalho

Atenção! Todos os equipamentos, as condições ambientais e a organiza- ção do trabalho devem estar adequados às características psicofisioló- gicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho a ser executado.

Algumas medidas são necessárias na realização de atividades que envolvam leitura de documentos para digitação, datilografia ou me- canografia, entre elas o fornecimento de suporte adequado para docu- mentos que possa ser ajustado proporcionando boa postura, visualiza- ção e operação, evitando movimentação frequente do pescoço e fadiga visual e a utilização de documento de fácil legibilidade sempre que pos- sível, sendo vedada a utilização do papel brilhante, ou de qualquer outro tipo que provoque ofuscamento. Observem que os equipamentos utilizados no processamento eletrônico de dados com terminais de vídeo devem seguir as seguintes regras:

Condições de mobilidade suficientes para permitir o ajuste da tela do equipamento à iluminação do ambiente, protegen- do-a contra reflexos, e proporcionar corretos ângulos de vi- sibilidade ao trabalhador;

O teclado deve ser independente e ter mobilidade, permitin- do ao trabalhador ajustá-lo de acordo com as tarefas a se- rem executadas;

A tela, o teclado e o suporte para documentos devem ser co- locados de maneira que as distâncias olho-tela, olho- tecla- do e olho-documento sejam aproximadamente iguais;

Ser posicionados em superfícies de trabalho com altura ajustável.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

72
72
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 39: Teclado ergonômico Em ambientes de trabalho onde são
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 39: Teclado ergonômico Em ambientes de trabalho onde são
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 39: Teclado ergonômico Em ambientes de trabalho onde são
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 39: Teclado ergonômico Em ambientes de trabalho onde são
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 39: Teclado ergonômico Em ambientes de trabalho onde são

Técnico em Segurança do Trabalho

Imagem 39: Teclado ergonômico

Imagem 39: Teclado ergonômico

Em ambientes de trabalho onde são executadas atividades que exijam so- licitação intelectual e atenção constantes (salas de controle, laboratórios, escritó- rios, salas de desenvolvimento ou análise de projetos, etc) condições de conforto são recomendadas, tais como níveis de ruí- do de acordo com o estabelecido em nor- mas, índice de temperatura efetiva entre 20 e 23ºC, velocidade do ar não superior a

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

Imagem 40: Mouse ergonômico

Imagem 40: Mouse ergonômico

73
73
Técnico em Segurança do Trabalho 0,75m/s e umidade relativa do ar não inferior a 40%.
Técnico em Segurança do Trabalho 0,75m/s e umidade relativa do ar não inferior a 40%.
Técnico em Segurança do Trabalho 0,75m/s e umidade relativa do ar não inferior a 40%.
Técnico em Segurança do Trabalho 0,75m/s e umidade relativa do ar não inferior a 40%.
Técnico em Segurança do Trabalho 0,75m/s e umidade relativa do ar não inferior a 40%.

Técnico em Segurança do Trabalho

0,75m/s e umidade relativa do ar não inferior a 40%. A iluminação, seja ela natural ou artificial, geral ou suplemen- tar, deve ser apropriada à natureza da atividade em todos os locais de trabalho. A iluminação geral deve ser uniformemente distribuída e difu- sa. A iluminação geral ou suplementar deve ser projetada e instalada de forma a evitar ofuscamento, reflexos incômodos, sombras e contrastes excessivos. Quando nos referimos à organização do trabalho devemos es- tar atentos as normas de produção, ao modo operatório, a exigência de tempo, a determinação do conteúdo de tempo ao ritmo de trabalho e ao conteúdo das tarefas. Nas atividades que exijam sobrecarga muscular estática ou di- nâmica do pescoço, ombros, dorso e membros superiores e inferiores, devem ser incluídas pausas para descanso e, quando do retorno do tra- balho, após qualquer tipo de afastamento igual ou superior a 15 dias, a exigência de produção deverá permitir um retorno gradativo aos níveis de produção vigentes na época anterior ao afastamento.

Imagem 41: Descanso no ambiente de trabalho

Imagem 41: Descanso no ambiente de trabalho

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

74
74
Técnico em Segurança do Trabalho Em atividades de processamento eletrônico de dados, deve-se ficar atento
Técnico em Segurança do Trabalho Em atividades de processamento eletrônico de dados, deve-se ficar atento
Técnico em Segurança do Trabalho Em atividades de processamento eletrônico de dados, deve-se ficar atento
Técnico em Segurança do Trabalho Em atividades de processamento eletrônico de dados, deve-se ficar atento
Técnico em Segurança do Trabalho Em atividades de processamento eletrônico de dados, deve-se ficar atento

Técnico em Segurança do Trabalho

Em atividades de processamento eletrônico de dados, deve-se ficar atento a algumas questões:

Fica vetada ao empregador promover qualquer sistema de avaliação dos trabalhadores envolvidos nas atividades de di- gitação, que se norteie no número individual de toques sobre

teclado, para efeito de remuneração e vantagens de qual- quer espécie;

o

O

número máximo de toques reais (cada movimento de pres-

são sobre o teclado) exigidos pelo empregador não deve ser superior a 8.000 por hora trabalhada;

O tempo efetivo de trabalho de entrada de dados não deve exceder o limite máximo de 5 horas, sendo que, no período de tempo restante da jornada, o trabalhador poderá exercer outras atividades, desde que não exijam movimentos repeti- tivos, nem esforço visual;

Nas atividades de entrada de dados deve haver, no mínimo, uma pausa de 10 minutos para cada 50 minutos trabalhados, não deduzidos da jornada normal de trabalho;

Quando do retorno ao trabalho, após qualquer tipo de afas- tamento igual ou superior a 15 dias, a exigência de produção em relação ao número de toques deverá ser iniciado em ní- veis inferiores aos 8.000 por hora trabalhada.

O Anexo I é referente ao trabalho dos operadores de checkout. Aplica-se aos empregadores que desenvolvem atividades comerciais utilizando sistema de autosserviço e checkout, como supermercados, hipermercados e comércio atacadista. Contêm exigências a serem cum- pridas em relação aos postos de trabalho, a manipulação de mercado- rias, a organização do trabalho, aos aspectos psicossociais do trabalho, e a informação e formação dos trabalhadores. Já o Anexo II é referente ao trabalho em teleatendimento / tele- marketing. Aplica-se a todas as empresas que mantêm serviço de te- leatendimento / telemarketing nas modalidades ativo ou receptivo em centrai de atendimento telefônico e/ou centrais de relacionamento com clientes, para prestação de serviços, informação e comercialização de

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

75
75
Técnico em Segurança do Trabalho produtos. Contêm exigências a serem cumpridas em relação ao mobili-
Técnico em Segurança do Trabalho produtos. Contêm exigências a serem cumpridas em relação ao mobili-
Técnico em Segurança do Trabalho produtos. Contêm exigências a serem cumpridas em relação ao mobili-
Técnico em Segurança do Trabalho produtos. Contêm exigências a serem cumpridas em relação ao mobili-
Técnico em Segurança do Trabalho produtos. Contêm exigências a serem cumpridas em relação ao mobili-

Técnico em Segurança do Trabalho

produtos. Contêm exigências a serem cumpridas em relação ao mobili- ário, e equipamentos dos postos de trabalho, capacitação dos trabalha-

dores, condições sanitárias de conforto, programa de saúde ocupacional

e de prevenção de riscos ambientais.

Imagem 42: Trabalhadores de teleatendimento / telemarketing

Imagem 42: Trabalhadores de teleatendimento / telemarketing

Saiba mais! Para ter acesso a todos os anexos da norma regulamentadora 17 e seu texto na íntegra clique no link abaixo:

http://www.guiatrabalhista.com.br/legislacao/nr/nr17.htm

Análise Ergonômica de Trabalho (AET)

É considerada uma ergonomia de correção e foi desenvolvida por pesquisadores franceses. Com o intuito de avaliar a adaptação das

condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalha- dores, cabe ao empregador realizar a análise ergonômica do trabalho. Através da aplicação dos conhecimentos da ergonomia se faz a análise,

o diagnostico e a correção de uma situação real do ambiente de traba- lho.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

76
76
Técnico em Segurança do Trabalho Sendo assim, inicialmente, se compreende as atividades dos trabalhadores,
Técnico em Segurança do Trabalho Sendo assim, inicialmente, se compreende as atividades dos trabalhadores,
Técnico em Segurança do Trabalho Sendo assim, inicialmente, se compreende as atividades dos trabalhadores,
Técnico em Segurança do Trabalho Sendo assim, inicialmente, se compreende as atividades dos trabalhadores,
Técnico em Segurança do Trabalho Sendo assim, inicialmente, se compreende as atividades dos trabalhadores,

Técnico em Segurança do Trabalho

Sendo assim, inicialmente, se compreende as atividades dos trabalhadores, posteriormente, se identifica um problema ou uma situ-

ação problemática e, por fim, se realiza um diagnóstico que relaciona os diversos determinantes das atividades e suas consequências, tanto para os trabalhadores quanto para o sistema. Podemos concluir que a AET não pode ser realizada para toda a empresa, ela deve ter uma elabora- ção localizada para cada setor da empresa. São feitas análises de uma situação de trabalho com o intuito de adaptar

o homem a:

Condições técnicas > estruturas gerais do sistema de pro- dução, fluxo de produção, sistemas de controle etc;

Condições ambientais > estuda-se o layout, mobiliário, ruí- do, iluminação, temperatura;

Condições organizacionais > horas de trabalho, turnos, ín- dice de retrabalho, dificuldades operacionais ambientais e organizacionais;

Condições cognitivas > são as exigências na realização do trabalho, controle, qualidade e inspeção;

Condições de regulação no trabalho > pausas, flexibilidade, paradas, ginástica pré-laboral.

A AET se divide em cinco etapas, são elas a análise de demanda, a aná-

lise da tarefa, a análise da atividade, o diagnóstico e as recomendações.

Análise de demanda

É o momento inicial da análise ergonômica. Aqui, se busca en- tender a empresa e levantar os problemas existentes que precisam ser sanados. Para obter os dados necessários é preciso buscar fontes e meios seguros de informações sobre a demanda, fazendo consultas a alguns serviços da empresa como os serviços de medicina e seguran- ça do trabalho, departamento de recursos humanos e departamento de engenharia industrial. A procura é por dados estatísticos, referentes a doenças ocupacionais, acidentes, taxas de absenteísmo e de rotativida- de, índices de rotatividade e organogramas.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

77
77
Técnico em Segurança do Trabalho É realizada uma visita para reconhecimento da situação de tra-
Técnico em Segurança do Trabalho É realizada uma visita para reconhecimento da situação de tra-
Técnico em Segurança do Trabalho É realizada uma visita para reconhecimento da situação de tra-
Técnico em Segurança do Trabalho É realizada uma visita para reconhecimento da situação de tra-
Técnico em Segurança do Trabalho É realizada uma visita para reconhecimento da situação de tra-

Técnico em Segurança do Trabalho

É realizada uma visita para reconhecimento da situação de tra- balho. Entanto, antes deve-se fazer uma preparação que consiste em informar os trabalhadores da visita e do estudo ergonômico que será re-

alizado, conhecer previamente o funcionamento da instituição, verificar

a importância do problema formulado e prever visitas complementares em empresas do mesmo grupo ou ramo de atividade.

Análise da tarefa

Refere-se a um planejamento do ofício e pode estar contida em documentos formais como procedimentos operacionais e descrição de cargos.

Nesta fase, são analisadas a tarefa prescrita, cujos objetivos e métodos são definidos por instruções, e a tarefa real. Ou seja, todos os processos do trabalho prescrito são avaliados e o trabalho executado também. Uma maior ênfase é dada na análise do trabalho real, o intuído principal é levantar as diferenças entre os dois tipos de tarefas. Dessa forma, são identificados os diferentes aspectos da realidade do trabalho

e as dificuldades são salientadas.

Análise da atividade

Aqui será feita uma avaliação de como o homem se comporta no ambiente de trabalho. É o passo a passo que o indivíduo executa para alcançar os objetivos de produção. As atividades que os trabalhadores exercem são influenciadas por fatores interno e externos. Entre os fa- tores internos podemos citar as características do trabalhador quanto à formação, experiência, idade, sexo, medidas antropométricas, disposi- ções momentâneas como motivação, sono / vigília e fadiga. Já os fatores externos fazem referência às condições em que as atividades são execu- tadas como as condições ambientais de trabalho (ruído, calor, vibração, iluminação, gases e poeiras), as condições técnicas do trabalho (mate- riais, máquinas, ferramentas, documentos, softwares) e as condições organizacionais de trabalho (trabalho noturno, pausas, horários e ritmo de trabalho).

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

78
78
Técnico em Segurança do Trabalho Diagnóstico Nesta fase, se realiza a síntese da análise ergonômica
Técnico em Segurança do Trabalho Diagnóstico Nesta fase, se realiza a síntese da análise ergonômica
Técnico em Segurança do Trabalho Diagnóstico Nesta fase, se realiza a síntese da análise ergonômica
Técnico em Segurança do Trabalho Diagnóstico Nesta fase, se realiza a síntese da análise ergonômica
Técnico em Segurança do Trabalho Diagnóstico Nesta fase, se realiza a síntese da análise ergonômica

Técnico em Segurança do Trabalho

Diagnóstico

Nesta fase, se realiza a síntese da análise ergonômica do traba- lho. Através de vários fatores relacionados ao trabalho e à empresa, que podem influenciar o trabalho, vamos evidenciar as causas que provocam o problema que foi descrito na análise de demanda. Por exemplo aci- dentes podem ser causados por iluminação inadequada, equipamentos sem manutenção e sinalização incompleta, já a taxa de absenteísmo em operadores de telemarketing pode ser devido a pressão da chefia e am- biente de trabalho competitivo.

Recomendações

Inicialmente, é feito um levantamento dos problemas existentes no ambiente laboral e, posteriormente, avaliada a população dos traba- lhadores, com suas características peculiares, e as tarefas prescritas, as reais e o comportamento do homem no trabalho. A partir destes dados levantados se estabelece diagnósticos situacionais, os quais se tornam norteadores no processo de elaboração de um plano de ação de intervenção. Quando as recomendações já estão definidas não se deve esquecer de determinar metas a serem alcançadas e prazos para serem cumpridos.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

79
79
Técnico em Segurança do Trabalho CONCLUSÃO No decorrer dos anos, muitas mudanças se processaram no
Técnico em Segurança do Trabalho CONCLUSÃO No decorrer dos anos, muitas mudanças se processaram no
Técnico em Segurança do Trabalho CONCLUSÃO No decorrer dos anos, muitas mudanças se processaram no
Técnico em Segurança do Trabalho CONCLUSÃO No decorrer dos anos, muitas mudanças se processaram no
Técnico em Segurança do Trabalho CONCLUSÃO No decorrer dos anos, muitas mudanças se processaram no

Técnico em Segurança do Trabalho

CONCLUSÃO

No decorrer dos anos, muitas mudanças se processaram no

mundo do trabalho. Inicialmente, na época da revolução industrial, se via com grande descaso com a condição dos empregados dentro das industrias. Só com o passar do tempo e o surgimento da necessidade de uma mão de obra numerosa e saudável é que estes padrões começaram

a se alterar. Em contra partida, apareceram novas formas de adoeci-

mento dos trabalhadores, tecnologias inovadoras foram inseridas e sur- giram outras estratégias gerenciais. Essas mudanças, acabam exigindo dos serviços de saúde ações que contemplassem políticas de saúde e de segurança no trabalho ainda mais eficazes. Para ser possível a criação de ambientes de trabalho saudáveis

é

necessário a adoção de políticas e programas de prevenção de riscos

e

agravos, o incentivo ao bom funcionamento de serviços como a CIPA e

SESMT e uma cultura de conscientização dos servidores através trei- namentos com informações sobre os riscos, as doenças, as medidas de

o

prevenção e exposição da realidade. Segundo a Declaração de Luxemburgo 2005, a promoção da saú-

de no ambiente e trabalho pode ser obtida pela execução de algumas

estratégias:

Melhorar a organização e o ambiente de trabalho;

Promover a participação efetiva e concreta dos atores envol- vidos;

Incentivar o desenvolvimento pessoal e profissional dos tra- balhadores.

A busca pelas melhor condições do ambiente laboral devem ser

incessantes, visto que, um bom local de trabalho contribui para facilitar

o planejamento da produção e consequente aumentar a produtividade,

melhorar a comunicação interna e nas relações de trabalho, aumentar a confiança e a autoestima dos funcionários, alicerçar o comprometimen- to de todos e a cooperação no ofício e, principalmente e mais importan-

te, otimizar o nível de saúde dos trabalhadores.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

80
80
Técnico em Segurança do Trabalho CRÉDITO DAS IMAGENS Imagem 01: Mineradores Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho CRÉDITO DAS IMAGENS Imagem 01: Mineradores Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho CRÉDITO DAS IMAGENS Imagem 01: Mineradores Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho CRÉDITO DAS IMAGENS Imagem 01: Mineradores Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho CRÉDITO DAS IMAGENS Imagem 01: Mineradores Disponível em:

Técnico em Segurança do Trabalho

CRÉDITO DAS IMAGENS

Imagem 01: Mineradores Disponível em: http://guayaberamineira.blogspot.com.br/2008_11_01_ archive.html

Imagem 02: Revolução industrial Disponível em: http://www.fisica-interessante.com/aula-historia-e-

epistemologia-da-ciencia-11-crise-da-fisica-1.html

Imagem 03: Crianças trabalhando em fábrica têxtil Disponível em: http://profvalquiriahistoria.blogspot.com.br/2009/05/as- muitas-faces-da-revolucao-industrial.html

Imagem 04: Objetivos do SESMT Disponível em: http://messnotrabalho.blogspot.com.br/2011/04/sesmt. html

Imagem 05: Educação continuada Disponível em: http://www.retsus.fiocruz.br/index.php?Area=Destaque

Imagem 06: Polo comercial de Caruaru Disponível em: http://faltouogol.blogspot.com.br/2010/05/jogos-univer- sitarios-de-caruaru-atraem.html

Imagem 07: CIPA - segurança Disponível em: http://www.higra.com.br/blog/?p=671

Imagem 08: Trabalho conjunto Disponível em: http://vivaexatas.pbworks.com/w/page/7003347/Fron- tPage

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

81
81
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 09: Trabalho em grupo Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 09: Trabalho em grupo Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 09: Trabalho em grupo Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 09: Trabalho em grupo Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 09: Trabalho em grupo Disponível em:

Técnico em Segurança do Trabalho

Imagem 09: Trabalho em grupo Disponível em: http://wallpapers.midiagospel.net/Bonecos_massinha_

metas_objetivos_mãos_dadas-1889.html

Imagem 10: Classificação dos fatores de risco Disponível em: http://blogsegurancatotal.blogspot.com.br/2012/03/o- mapa-de-risco-foi-criado-atraves-da.html

Imagem 11: Cores dos fatores de risco Disponível em: http://valoreseatitudes.blogspot.com.br/2011/07/mapa-

de-riscos_11.html

Imagem 12: Simbologia das cores Disponível em: http://www.areaseg.com/sinais/mapaderisco.html

Imagem 13: Elaboração do mapa de risco – parte 1 Disponível em: SESI, SEBRAI. Dicas de prevenção de acidentes e doen- ças no trabalho. Brasília, 2005.

Imagem 14: Elaboração do mapa de risco – parte 2 Disponível em: SESI, SEBRAI. Dicas de prevenção de acidentes e doen- ças no trabalho. Brasília, 2005.

Imagem 15: Elaboração do mapa de risco – parte 3 Disponível em: SESI, SEBRAI. Dicas de prevenção de acidentes e doen- ças no trabalho. Brasília, 2005.

Imagem 16: Equipamentos de proteção individual Disponível em: http://www.sempretops.com/cursos/cursos-e-treina- mentos-de equipamentos-de-protecao-individual/

Imagem 17: Equipamentos de proteção coletiva Disponível em: http://www.anuncios.gigao.com.br/equipamentos-de-

proteco-coletiva--epc-gigao-web-8797

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

82
82
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 18: Trabalhador exposto ao risco físico calor Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 18: Trabalhador exposto ao risco físico calor Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 18: Trabalhador exposto ao risco físico calor Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 18: Trabalhador exposto ao risco físico calor Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 18: Trabalhador exposto ao risco físico calor Disponível em:

Técnico em Segurança do Trabalho

Imagem 18: Trabalhador exposto ao risco físico calor Disponível em: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2010/09/sul-corea- nos-fazem-sessoes-terapeuticas-em-fornos-de-carvao.html

Imagem 19: Trabalhador exposto ao risco físico frio Disponível em: http://roqueisquem.blogspot.com.br/2009/08/10072007- camara-frigorifica-municipal.html

Imagem 20: Trabalhador exposto ao risco físico radiação ionizante Disponível em: http://www.odiario.com/empregos/noticia/305952/raio- x-auxilia-no-diagnostico-de-doencas/

Imagem 21: Trabalhador exposto ao risco físico radiação não ionizante Disponível em: http://laerciojsilva.blogspot.com.br/2010/08/sol-escal- dante-prejudica-cortador-de.html

Imagem 22: Trabalhador exposto ao risco físico pressões extremas Disponível em: http://farolparaabrolhos.blogspot.com.br/2012_01_01_ archive.html

Imagem 23: Trabalhador exposto ao risco físico ruído Disponível em: http://www.ensaiosacusticos.com/

Imagem 24: Trabalhador exposto ao risco físico vibração Disponível em: http://paulochianezzi.blogspot.com.br/2011/12/vibra-

cao.html#!/2011/12/vibracao.html

Imagem 25: Trabalhador exposto ao risco físico umidade Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/36750-os-pre-

juizos-dos-lava-jatos-para-o-meio-ambiente-entrevista-especial-com-

roberto-naime

Imagem 26: Trabalhador exposto ao risco biológico Disponível em: http://profjabiorritmo.blogspot.com.br/2010/08/niveis- de-biosseguranca.html

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

83
83
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 27: Trabalhador exposto ao risco químico Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 27: Trabalhador exposto ao risco químico Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 27: Trabalhador exposto ao risco químico Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 27: Trabalhador exposto ao risco químico Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 27: Trabalhador exposto ao risco químico Disponível em:

Técnico em Segurança do Trabalho

Imagem 27: Trabalhador exposto ao risco químico Disponível em: http://www.nrfacil.com.br/blog/?p=3543

Imagem 28: Trabalhador exposto ao risco ergonômico Disponível em: http://segurancasaude.blogspot.com.br/2011/10/nr-11-

concomitante-com-nr-22.html

Imagem 29: Ginástica laboral Disponível em: http://www.saude.al.gov.br/categorias/atencaoasaude/

assistenciahospitalarede0?page=5

Imagem 30: Trabalhador exposto ao risco de acidente Disponível em: http://www.cabuloso.xpg.com.br/portal/galleries/view/

acidente-no-trabalho-2

Imagem 31: Segunda Guerra Mundial Disponível em: http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-233623968-

foto-segunda-guerra-tanque-com-soldados-da-feb-italia-1945-_JM

Imagem 32: Trabalhadores movimentando cargas Disponível em: http://www.hotfrog.com.br/Empresas/COOPLABORr- Cooperativa-de-Trabalho

Imagem 33: Trabalhador de informática Disponível em: http://www.grupoisastur.com/manual_isastur/data/

pt/1/1_9.htm

Imagem 34: Profissional com postura incorreta Disponível em: http://www.ufsm.br/labiomec/gebes/noticias/Janeiro. Carla.html

Imagem 35: Profissional levantando peso de forma incorreta Disponível em: http://www.escoladepostura.com.br/main. asp?link=noticia

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

84
84
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 36: Profissional descarregando material de forma incorreta Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 36: Profissional descarregando material de forma incorreta Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 36: Profissional descarregando material de forma incorreta Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 36: Profissional descarregando material de forma incorreta Disponível em:
Técnico em Segurança do Trabalho Imagem 36: Profissional descarregando material de forma incorreta Disponível em:

Técnico em Segurança do Trabalho

Imagem 36: Profissional descarregando material de forma incorreta Disponível em: http://zonaderisco.blogspot.com.br/2008/09/trabalha- dores-do-porto-de-manaus.html

Imagem 37: Equipamentos de trabalho ergonomicamente corretos Disponível em: http://moveisparaescritorio.com.br/tags/ergonomia-no- trabalho/

Imagem 38: Assento ergonômico Disponível em: GONÇALVES, F.M. Ergonomia. Instituto politécnico de Coimbra. Instituto superior de engenharia de Coimbra. Departamento de engenharia química e biológica. Gestão de recursos humanos. De- zembro, 2008.

Imagem 39: Teclado ergonômico Disponível em: GONÇALVES, F.M. Ergonomia. Instituto politécnico de Coimbra. Instituto superior de engenharia de Coimbra. Departamento de engenharia química e biológica. Gestão de recursos humanos. De- zembro, 2008.

Imagem 40: Mouse ergonômico Disponível em: GONÇALVES, F.M. Ergonomia. Instituto politécnico de Coimbra. Instituto superior de engenharia de Coimbra. Departamento de engenharia química e biológica. Gestão de recursos humanos. De- zembro, 2008.

Imagem 41: Descanso no ambiente de trabalho Disponível em: http://www.pequenoguru.com.br/tag/produtividade/

page/2/

Imagem 42: Trabalhadores em teleatendimento / telemarketing Disponível em: http://revistabahia.com.br/2010/02/07/setor-de-telema- rketing-e-lider-nas-ofertas-de-emprego-no-pais/

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

85
85
Técnico em Segurança do Trabalho REFERÊNCIAS BRASIL, Ministério da Saúde. Doenças relacionadas ao trabalho. Ma-
Técnico em Segurança do Trabalho REFERÊNCIAS BRASIL, Ministério da Saúde. Doenças relacionadas ao trabalho. Ma-
Técnico em Segurança do Trabalho REFERÊNCIAS BRASIL, Ministério da Saúde. Doenças relacionadas ao trabalho. Ma-
Técnico em Segurança do Trabalho REFERÊNCIAS BRASIL, Ministério da Saúde. Doenças relacionadas ao trabalho. Ma-
Técnico em Segurança do Trabalho REFERÊNCIAS BRASIL, Ministério da Saúde. Doenças relacionadas ao trabalho. Ma-

Técnico em Segurança do Trabalho

REFERÊNCIAS

BRASIL, Ministério da Saúde. Doenças relacionadas ao trabalho. Ma- nual de procedimentos para os serviços de saúde. Série A. Normas e manuais técnicos; n.144. Brasília, 2001

DANTAS, J. Trabalho e Coração Saudáveis. Aspectos psicossociais. Im- pactos na promoção da saúde. Belo Horizonte: ERGO Editota, 2007.

Declaração de Luxemburgo. Disponível em: http://amimt.org.br/down- loads/Luxemburgo_declaracao.pdf

Evolução histórica da engenharia de segurança do trabalho. Disponível em: http://www.eps.ufsc.br/disserta96/anete/cap2/cap2_ane.htm

FERRARI, M. Curso de segurança, saúde e higiene no trabalho. 1. ed. Bahia: podivm, 2010.

GONÇALVES, F.M. Ergonomia. Instituto politécnico de Coimbra. Instituto superior de engenharia de Coimbra. Departamento de engenharia quí- mica e biológica. Gestão de recursos humanos. Dezembro, 2008.

IIDA, I. Ergonomia: projeto e produção. 2. ed. rev. e ampliada. São Paulo:

Edgard Blucher, 2005.

MENDES, R.; DIAS, E.C. Da medicina do trabalho à saúde do trabalha- dor. Rev. Saúde Pública. São Paulo, 25(5): 341-9, 1991.

MORAES, M.V.G. Doenças Ocupacionais, agentes: físico, químico, bioló- gico, ergonômico. 1. ed. São Paulo: iátria, 2010.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

86
86
Técnico em Segurança do Trabalho Norma regulamentadora 04. Disponível em: http://portal.mte.gov.br/
Técnico em Segurança do Trabalho Norma regulamentadora 04. Disponível em: http://portal.mte.gov.br/
Técnico em Segurança do Trabalho Norma regulamentadora 04. Disponível em: http://portal.mte.gov.br/
Técnico em Segurança do Trabalho Norma regulamentadora 04. Disponível em: http://portal.mte.gov.br/
Técnico em Segurança do Trabalho Norma regulamentadora 04. Disponível em: http://portal.mte.gov.br/

Técnico em Segurança do Trabalho

Norma regulamentadora 04. Disponível em: http://portal.mte.gov.br/

data/files/8A7C812D308E21660130D26E7A5C0B97/nr_04.pdf

Norma regulamentadora 05. Disponível em: http://portal.mte.gov.br/

data/files/8A7C812D308E21660130D26E7A5C0B97/nr_04.pdf

Norma regulamentadora 17. Disponível em: http://www.guiatrabalhista.

com.br/legislacao/nr/nr17.htm

Portal da Saúde. Disponível em: http://www.min-saude.pt/portal/con- teudos/enciclopedia+da+saude/prevencao/AcidentesTrabalho.htm Recomendação número 112. Disponível em: http://www.ebah.com.br/

content/ABAAAA68sAK/recomendacao-n-112

SESI, SEBRAI. Dicas de prevenção de acidentes e doenças no trabalho. Brasília, 2005.

VIDAL, M.D. Introdução à ergonomia. GENTE - Grupo de ergonomia e novas tecnologias CESERG – Curso de Especialização Superior em Er- gonomia. Rio de Janeiro.

Disciplina: Ergonomia e Saúde ocupacional

87
87