Você está na página 1de 5

A identificação da fera e da sua marca número 666

GOSTA de desvendar mistérios? Para encontrar a solução, você procura indícios que o ajudam a encontrá-la. Deus proveu na sua Palavra inspirada as informações necessárias a respeito do número 666, o nome, ou a marca, da fera mencionada no capítulo 13 de Apocalipse. Neste artigo, examinaremos quatro linhas de raciocínio — indícios vitais — que nos revelarão o significado da marca da fera. Consideraremos (1) como os nomes bíblicos às vezes são escolhidos, (2) a identidade da fera, (3) o que significa dizer que 666 é ―número de homem‖, e (4) o significado do número 6 e por que é escrito três vezes, a saber, 600 mais 60 mais 6, ou 666. — Revelação 13:18. Nomes bíblicos são mais do que apenas um rótulo Nomes bíblicos muitas vezes têm um significado especial, particularmente quando dados por Deus. Por exemplo, visto que Abrão ia tornar-se pai duma nação, Deus mudou o nome desse patriarca para Abraão, que significa ―Pai Duma Multidão‖. (Gênesis 17:5, nota, NM com Referências) Deus instruiu José e Maria a chamar o futuro filho dela de Jesus, que significa ―Jeová É Salvação‖. (Mateus 1:21, nota, NM com Referências; Lucas 1:31) Em harmonia com esse nome que tem significado especial, Jeová possibilitou a nossa

salvação por meio do ministério e da morte sacrificial de Jesus. — João 3:16. Portanto, o número 666, dado por Deus como nome, deve simbolizar o que ele considera ser os traços distintivos da fera. Naturalmente, para entendermos tais características temos de identificar a própria fera e conhecer suas atividades. A identificação da fera O livro bíblico de Daniel lança muita luz sobre o significado de animais simbólicos. O capítulo 7 contém uma descrição detalhada e vívida de ―quatro animais gigantescos‖ — um leão, um urso, um leopardo e um atemorizante animal com grandes dentes de ferro. (Daniel 7:2-7) Daniel nos diz que esses animais representam ―reis‖, ou reinos políticos, que governam em sucessão enormes impérios. — Daniel 7:17, 23. The Interpreter‘s Dictionary of the Bible (O Dicionário Bíblico do Intérprete) diz a respeito da fera de Revelação 13:1, 2 que ela ―combina todas as características das quatro feras da visão de Daniel . . . Portanto, essa primeira fera [de Revelação] representa as forças conjuntas de todos os governos políticos no mundo opostos a Deus‖. Essa observação é confirmada pelo texto de Revelação 13:7, que diz a respeito da fera: ―Foi-lhe dada autoridade sobre toda tribo, e povo, e língua, e nação.‖ Por que a Bíblia usa feras como símbolos de governo humano? Pelo menos por dois motivos. Primeiro, por causa do registro animalesco de derramamento de sangue acumulado no decorrer dos séculos. ―A guerra é uma das constantes da história‖, escreveram os historiadores Will e Ariel Durant, ―e não tem diminuído, apesar da civilização e da democracia‖. Certamente, ―homem tem dominado homem para seu prejuízo‖. (Eclesiastes 8:9) O segundo motivo é que ―o dragão [Satanás] deu à fera seu poder e seu trono, e grande autoridade‖. (Revelação 12:9; 13:2) Portanto, foi o Diabo que deu origem à dominação humana e, por isso, ela reflete a disposição dele, que é similar a um animal — um dragão. — João 8:44; Efésios 6:12. No entanto, isso não significa que todos os governantes humanos sejam instrumentos de Satanás. Na realidade, em certo sentido, os governos humanos servem como ‗ministros de Deus‘, dando uma certa estabilidade à sociedade humana, sem a qual haveria caos. Alguns líderes têm protegido direitos humanos fundamentais, inclusive o direito de praticar a religião verdadeira — algo que

Satanás não quer. (Romanos 13:3, 4; Esdras 7:11-27; Atos 13:7) Ainda assim, por causa da influência do Diabo, nenhum homem ou instituição humana jamais conseguiu trazer duradoura paz e segurança às pessoas. — João 12:31. “Um número humano” Um terceiro indício para saber o significado de 666 é o fato de ele ser chamado de ―número de homem‖ ou, conforme diz The Amplified Bible, ―um número humano‖. Essa expressão não pode se referir a um único ser humano, porque é Satanás — não algum homem — que exerce autoridade sobre a fera. (Lucas 4:5, 6; 1 João 5:19; Revelação 13:2, 18) Antes, ter a fera ―um número humano‖, ou marca humana, sugere que se trata de uma entidade humana, não espiritual ou demoníaca, e por isso manifesta certas características humanas. Quais seriam essas? A Bíblia responde, dizendo: ―Todos [os humanos] pecaram e não atingem a glória de Deus.‖ (Romanos 3:23) O ―número humano‖ da fera, portanto, indica que governos refletem a decaída condição humana, a marca do pecado e da imperfeição. A História confirma isso. ―Toda civilização que já existiu por fim desmoronou‖, disse o ex-Secretário de Estado Henry Kissinger, dos Estados Unidos. ―A História é um relato de esforços que fracassaram, de aspirações não concretizadas . . . Portanto, o historiador tem de viver com o senso da inevitabilidade de tragédia.‖ A avaliação honesta de Kissinger confirma a seguinte verdade bíblica fundamental: ―Não é do homem terreno o seu caminho. Não é do homem que anda o dirigir o seu passo.‖ — Jeremias 10:23. Agora que identificamos a fera e discernimos como Deus a encara, podemos examinar a parte final desse mistério — o número seis, e por que foi repetido três vezes — quer dizer, 666, ou 600 mais 60 mais 6. Seis repetido três vezes — por quê? Nas Escrituras, certos números têm um significado simbólico. Um exemplo disso é o número sete que muitas vezes é usado para simbolizar o que é completo, ou perfeito, aos olhos de Deus. Por exemplo, a semana criativa de Deus tem sete ‗dias‘, ou longos períodos, durante os quais Deus realizou completamente seu objetivo criativo referente à Terra. (Gênesis 1:3–2:3) As ―declarações‖ de Deus são como prata que foi ―depurada sete vezes‖, ficando assim refinada perfeitamente. (Salmo 12:6; Provérbios 30:5, 6) Mandou-se

que o leproso Naamã se banhasse sete vezes no rio Jordão, e ele foi totalmente curado. — 2 Reis 5:10, 14. Seis é um número inferior a sete. Não seria um símbolo apropriado aos olhos de Deus de algo imperfeito ou defeituoso? Com certeza! (1 Crônicas 20:6, 7) Além disso, seis repetido três vezes, como 666, enfatiza fortemente essa imperfeição. Que esse é o entendimento correto é confirmado pelo fato de que 666 é ―um número humano‖, conforme já consideramos. De modo que a história da fera, seu ―número humano‖, bem como o próprio número 666, levam a uma só conclusão indiscutível — graves deficiências e fracasso aos olhos de Jeová. A descrição das deficiências da fera faz lembrar o que se disse a respeito do Rei Belsazar, da antiga Babilônia. Jeová disse àquele governante por meio de Daniel: ―Foste pesado na balança e achado deficiente.‖ Belsazar foi morto naquela mesma noite, e o poderoso Império Babilônico caiu. (Daniel 5:27, 30) Do mesmo modo, o julgamento de Deus contra a fera política e os que têm a sua marca significa o fim dela e dos seus apoiadores. Nesse caso, porém, Deus não erradicará apenas um sistema político, mas todo o vestígio de governo humano. (Daniel 2:44; Revelação 19:19, 20) Portanto, é muito importante que evitemos ter a marca mortífera da fera. A identificação da marca Logo depois de revelar o número 666, Revelação menciona 144.000 seguidores do Cordeiro, Jesus Cristo, os quais têm o nome dele e o do seu Pai, Jeová, escritos nas suas testas. Os que levam esses nomes se identificam como pertencendo a Jeová e a seu Filho, a respeito dos quais dão testemunho orgulhosamente. Do mesmo modo, os que têm a marca da fera proclamam sua servidão a ela. Portanto, a marca figurativa, quer na mão direita quer na testa, é um símbolo que identifica a pessoa como alguém que dá devoção idólatra ao sistema político animalesco do mundo. Os que têm a marca dão a ―César‖ aquilo que legitimamente pertence a Deus. (Lucas 20:25; Revelação 13:4, 8; 14:1) Como? Por darem honra idólatra ao estado político, a seus símbolos e seu poderio militar, a que recorrem em busca de esperança e salvação. Qualquer adoração que prestem ao verdadeiro Deus é apenas uma fachada de religiosidade. Em contraste, a Bíblia nos exorta: ―Não confieis nos nobres, nem no filho do homem terreno, a quem não pertence a salvação. Sai-lhe o espírito, ele volta ao seu solo; neste dia perecem deveras os seus pensamentos.‖ (Salmo 146:3, 4) Os que acatam esse conselho sábio

não ficam desiludidos quando governos deixam de cumprir as suas promessas, ou quando líderes carismáticos se tornam impopulares. — Provérbios 1:33. Isso não significa que os verdadeiros cristãos ficam de braços cruzados sem fazer nada a respeito da aflição da humanidade. Ao contrário, proclamam ativamente o único governo que resolverá os problemas da humanidade — o Reino de Deus, do qual são representantes. — Mateus 24:14. O Reino de Deus, a única esperança da humanidade Quando Jesus esteve na Terra, ele fez do Reino de Deus o tema principal da sua pregação. (Lucas 4:43) Na sua oração-modelo, às vezes chamada de oração do Pai-Nosso, Jesus ensinou aos seus seguidores a orarem pela vinda deste Reino e para se fazer a vontade de Deus aqui na Terra. (Mateus 6:9, 10) O Reino é um governo que regerá a Terra inteira, não de alguma capital terrestre, mas do céu. Por isso, Jesus o chamou de ―o reino dos céus‖. — Mateus 11:12. Quem está melhor habilitado a ser Rei desse Reino do que Jesus Cristo, que morreu a favor dos seus futuros súditos? (Isaías 9:6, 7; João 3:16) Dentro em breve, este Governante perfeito, agora uma poderosa pessoa espiritual, lançará a fera, seus reis e seus exércitos ―no lago ardente que queima com enxofre‖, símbolo de completa destruição. Mas isso não é tudo. Jesus eliminará também Satanás, algo que nenhum humano conseguiria fazer. — Apocalipse 11:15; 19:16, 19-21; 20:2. O Reino de Deus trará paz para todos os seus súditos obedientes. (Salmo 37:11, 29; 46:8, 9) Até mesmo a tristeza, a dor e a morte não existirão mais. Que perspectiva gloriosa para os que se mantêm livres da marca da fera! — Apocalipse 21:3, 4. Fonte: Pesquisa Jhero

http://www.saibatananet.blogspot.com.br/