Você está na página 1de 6

– " ABUSO"DE"AUTORIDADE" " – " 2012 " – " RESUMO " "

TURMA:" POLÍCIA"RODOVIÁRIA"FEDERAL " – " DELEGADO " CIVIL "

PROF."ANDREI"ROCHA "

!

PRINCIPAIS ARTIGOS DA LEI 4.898/65 FICHA RESUMO

ATENÇÃO ESPECIAL PARA A DOUTRINA!

! Elemento subjetivo do Agente delituoso: Dolo.

! Dupla subjetividade jurídica passiva da lei.

! Sujeito Imediato: Cidadão

! Sujeito Mediato: Estado

QUESTÃO 1

CESPE / PROCURADOR - PREF. NATAL / 2008

Os delitos descritos na lei no 4.898/65 (abuso de autoridade) só admitem a modalidade dolosa e são, em regra, de dupla subjetividade passiva.

ESPECIAL ATENÇÃO PARA A DOUTRINA!

! Da Condição de Procedibilidade. Em se tratando de crime de abuso de autoridade – lei no 4.898/65 –, eventual falha na representação, ou mesmo sua falta, não obsta a instauração da ação penal, conforme os exatos termos do art. 1, da lei n° 5.249/67. A mesma prevê que não existe qualquer condição de procedibilidade quanto aos delitos de que trata a lei de abuso de autoridade.

QUESTÃO 2

(CESPE / JUIZ-AC / 2007)

Com relação ao crime de abuso de autoridade, inexiste condição de procedibilidade para a instauração da ação penal correspondente.

ATENÇÃO ESPECIAL PARA A JURISPRUDÊNCIA!

!

GRUPO"DE"ESTUDO"DE"CIÊNCIAS" CRIMINAIS "

1!

– " ABUSO"DE"AUTORIDADE" " – " 2012 " – " RESUMO " "

TURMA:" POLÍCIA"RODOVIÁRIA"FEDERAL " – " DELEGADO " CIVIL "

PROF."ANDREI"ROCHA "

!

! Segundo o STJ, em se tratando de crime de abuso de autoridade – Lei no 4.898/65 - eventual falha na representação, ou mesmo sua falta, não obsta a instauração da ação penal. O art. 1 da Lei n° 5.249/67 não prevê qualquer condição de procedibilidade. (STJ HC 59591/RN 15/08/2006).

QUESTÃO 3

(CESPE / DELEGADO DA POLÍCIA CIVIL-SE / 2006)

De acordo com entendimento do STJ, em caso de crime de abuso de autoridade, eventual falha na representação, ou até mesmo a falta desta, não obsta a instauração da ação penal.

ATENÇÃO ESPECIAL PARA A SÚMULA 172 DO STJ!

! É pacífico na jurisprudência que compete à Justiça Comum processar e julgar militar por crime de abuso de autoridade, ainda que praticada em serviço. Súmula 172 do STJ. Inclusive tal entendimento serve para o policial militar.

QUESTÃO 4

(CESPE / DEFENSOR PÚBLICO - DPU / 2010)

Considere que um militar, no exercício da função e dentro de unidade militar, tenha praticado crime de abuso de autoridade, em detrimento de um civil. Nessa situação, classifica-se a sua conduta como crime propriamente militar, porquanto constitui violação de dever funcional havida em recinto sob administração militar.

ATENÇÃO ESPECIAL PARA A DOUTRINA!

!

! Do múnus público e do Particular. Não estão incluídos no conceito de autoridade pública aqueles que exercem múnus público (encargo atribuído pela lei ou pelo juiz em prol da coletividade) ou na condição de particular e, portanto, não podem

2!

GRUPO"DE"ESTUDO"DE"CIÊNCIAS" CRIMINAIS "

– " ABUSO"DE"AUTORIDADE" " – " 2012 " – " RESUMO " "

TURMA:" POLÍCIA"RODOVIÁRIA"FEDERAL " – " DELEGADO " CIVIL "

PROF."ANDREI"ROCHA "

!

cometer abuso de autoridade, salvo quando houver concurso de pessoas, forem partícipes ou coautores e desde que saibam da qualidade de autoridade pública do comparsa (Sílvio Maciel)

QUESTÃO 5

(CESPE / ANALISTA PROCESSUAL - MPU / 2010)

Hélio, maior e capaz, solicitou a seu amigo Fernando, policial militar, que abordasse seus dois desafetos, Beto e Flávio, para constrangê-los. O referido policial encontrou os desafetos de Hélio na praça principal da pequena cidade em que moravam e, identificando-se como policial militar, embora não vestisse, na ocasião, farda da corporação, abordou-os, determinando que se encostassem na parede com as mãos para o alto e, com o auxílio de Hélio, algemou-os enquanto procedia à busca pessoal. Nada tendo sido encontrado em poder de Beto e Flávio, ambos foram liberados. Nessa situação, Hélio praticou, em concurso de agente, com o policial militar Fernando, crime de abuso de autoridade, caracterizado por execução de medida privativa de liberdade individual.

ATENÇÃO ESPECIAL PARA A DOUTRINA!

de liberdade individual. ATENÇÃO ESPECIAL PARA A DOUTRINA! QUESTÃO 6 (CESPE / AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL

QUESTÃO 6

(CESPE / AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL - DPF / 2004)

– " ABUSO"DE"AUTORIDADE" " – " 2012 " – " RESUMO " "

TURMA:" POLÍCIA"RODOVIÁRIA"FEDERAL " – " DELEGADO " CIVIL "

PROF."ANDREI"ROCHA "

!

Antônio é um agente de polícia federal que se negou a cumprir ordem

emanada de seu superior hierárquico, por ser ela manifestamente ilegal. Em

represália, o superior hierárquico determinou, de ofício, a remoção do agente

para outro estado da Federação. O superior hierárquico do agente praticou

crime de abuso de autoridade.

ATENÇÃO ESPECIAL PARA O ARTIGO E PARA A DOUTRINA!

! Art. 3º. Constitui abuso de autoridade qualquer atentado: (

inviolabilidade do domicílio;

) b) à

! A invasão domiciliar, para efeitos de flagrante, somente poderá

ocorrer diante da plena certeza da autoridade policial. Somente a

certeza do crime que pode isentar do abuso de autoridade.

Evidências, suspeitas não são capazes de afastar o abuso de

autoridade. Assim entende o Cespe/UnB.

QUESTÃO 7

(CESPE / ESCRIVÃO – PC-ES / 2006 - ADAPTADA)

Cláudio e Rogério, policiais federais, no exercício de suas funções,

adentraram no domicílio de um suspeito, visando à apreensão de substância

entorpecente, tendo ali realizado intensa busca domiciliar, sem a autorização

do morador. Finda a diligência policial, nada foi encontrado.

Nessa situação, Cláudio e Rogério praticaram crime de abuso de autoridade,

QUESTÃO 8

CESPE - 2011 - PC-ES - ESCRIVÃO DE POLÍCIA - ESPECÍFICOS /

DIREITO PENAL / LEI Nº 4.898-1965 - ABUSO DE AUTORIDADE

Em caso de atitude suspeita, deixa o policial civil de praticar o crime de abuso

de autoridade ao invadir domicílio na busca do estado de flagrância de crime

permanente.

ATENÇÃO ESPECIAL PARA O ARTIGO!

!

GRUPO"DE"ESTUDO"DE"CIÊNCIAS" CRIMINAIS "

4!

– " ABUSO"DE"AUTORIDADE" " – " 2012 " – " RESUMO " "

TURMA:" POLÍCIA"RODOVIÁRIA"FEDERAL " – " DELEGADO " CIVIL "

PROF."ANDREI"ROCHA "

!

! Art. 4º Constitui também abuso de autoridade ( ) a) ordenar ou executar medida privativa da liberdade individual, sem as formalidades legais ou com abuso de poder; b) submeter pessoa sob sua guarda ou custódia a vexame ou a constrangimento não autorizado em lei;

! Concurso entre crime de tortura X abuso de autoridade.

QUESTÃO 9

CESPE / AGENTE PENITENCIÁRIO - SEJUS-ES / 2007

Considere que um delegado de polícia tenha efetuado a prisão de um suspeito com a finalidade de verificar o possível envolvimento deste na prática delituosa. A prisão não ocorreu em virtude de flagrante delito, inexistindo, também, ordem escrita da autoridade judiciária competente. Nesse caso, o delegado de polícia deverá responder por crime de abuso de autoridade, pois efetuou prisão que não se inclui nos casos permitidos pela lei.

ATENÇÃO PARA A DOUTRINA!

DAS MODALIDADES DE SANÇÃO

! Art. 6º O abuso de autoridade sujeitará o seu autor à sanção administrative, civil e penal.

! Cada processo ficará sujeito a sua seara. Não pode, por exemplo, o juiz criminal apurar a questão administrativa.

QUESTÃO 10

(CESPE / APC-TO / 2008)

A prática de um crime definido como abuso de autoridade sujeitará o seu autor à sanção administrativa, civil e penal, aplicadas, cumulativamente, pelo juiz que presidiu o processo de natureza criminal

ATENÇÃO ESPECIAL PARA O ARTIGO!

!

GRUPO"DE"ESTUDO"DE"CIÊNCIAS" CRIMINAIS "

5!

– " ABUSO"DE"AUTORIDADE" " – " 2012 " – " RESUMO " "

TURMA:" POLÍCIA"RODOVIÁRIA"FEDERAL " – " DELEGADO " CIVIL "

PROF."ANDREI"ROCHA "

!

! Art. 6º,§3º, ( ) c) perda do cargo e a inabilitação para o exercício de qualquer outra função pública por prazo até três anos.

! Cuidado! A perda da função pública e a inabilitação para o exercício de qualquer função pública não é efeito automático da sentença penal condenatória.

QUESTÃO 11

(CESPE / ADVOGADO - CAIXA / 2010)

A prática de crime de abuso de autoridade acarreta para o agente a responsabilidade administrativa, civil e penal. A perda da função pública e a inabilitação para o exercício de qualquer função pública são efeitos automáticos da sentença penal condenatória por esse delito.

!

GRUPO"DE"ESTUDO"DE"CIÊNCIAS" CRIMINAIS "

!

6!