Você está na página 1de 31

Sistema Nervoso Autônomo

Parassimpatomiméticos

Prof a. Dr a. Juliana Geremias Chichorro

Transmissores do Sistema Nervoso Periferico

Transmissores do Sistema Nervoso Periferico

Diferençças as funcionais

Diferen

funcionais entre

entre SNA SNA

simp simpáático tico ee parassimp

parassimpáático tico

SIMP SIMPÁÁTICO TICO PARASSIMP PARASSIMPÁÁTICO TICO
SIMP
SIMPÁÁTICO
TICO
PARASSIMP
PARASSIMPÁÁTICO
TICO

ATIVIDADE

OU

EXERCÍCIO

REPOUSO

Freq. Cardíaca Pressão arterial Funções gastrintestinais Utilização de glicose e gordura Miose

Freq. Cardíaca Pressão arterial Funções gastrintestinais

Utilização de

glicose e gordura Midríase

Simp Simpáático tico

Parassimp Parassimp á á tico tico

Parassimp Parassimpáático tico

Parassimp Parassimp á á tico tico

Fisiologia da Transmissão Colinérgica

Síntese e liberação de Ach:

-

Sintetizada no interior da terminação nervosa a partir da colina;

-

Quando capturada é acetilada pela enzima citosólica colina

acetiltransferase (CAT);

-

Armazenada nas vesículas sinápticas;

-

Liberada das vesiculas por exocitose;

-

Quando liberada na fenda sináptica atua em neurônios pós-sinápticos;

-

Na fenda sináptica pode ser hidrolizada pela acetilcolinesterase

(AChE).

Ações farmacológicas da ACh

  • - Mimetizadas pela muscarina e bloqueadas pela atropina;

  • - ações muscarínicas assemelham-se aos efeitos da estimulação parassimpática, com duas exceções importantes:

  • - ACh provoca vasodilatação generalizada (via NO)

-ACh provoca secreção das glândulas sudoríparas, as quais recebem

fibras colinérgicas do SNAS.

  • - ações nicotínicas:

- estimulação de todos os gânglios autônomos

  • - estimulação da musculatura voluntária

  • - secreção de adrenalina pela medula das supra-renais.

Receptores Colinérgicos

Receptores Nicotínicos

Receptores Colinérgicos Receptores Nicotínicos

Tipos de Receptores Nicotínicos

Tipos de Receptores Nicotínicos

Receptores Colinérgicos

Receptores Muscarínicos

Receptores Colinérgicos Receptores Muscarínicos • M , M e M → G / +PLC • IP

• M 1 , M 3 e M 5 G q / +PLC

• IP3 e DAG

- α i - - (-) cardíaca e neural • M 2 e M 4 →
-
α i
-
-
(-) cardíaca e neural
• M 2 e M 4 → G i / - AC

• M 2 – canais de K +

Tipos de Receptores Muscarínicos

Tipos de Receptores Muscarínicos
M3 M3 M3 M2 M3 M3 Muscarínicos
M3
M3
M3
M2
M3
M3
Muscarínicos

Principais efeitos da ativação do SNA

Principais efeitos da ativação do SNA

Principais efeitos da ativação do SNA

Principais efeitos da ativação do SNA

Efeito de fármacos sobre a transmissão

colinérgica

• Ação direta sobre os receptores colinérgicos

– Agonistas muscarínicos

– Antagonistas muscarínicos

– Agonistas nicotínicos

– Antagonistas nicotínicos

• Ação indireta

– Inibidores da síntese e liberação de ACh – anticolinesterásicos, inibem as colinesterases

Agonistas muscarínicos

Alcalóides colinomiméticos:

– muscarina – pilocarpina – oxotremorina (sintético) – arecolina

Agonistas muscarínicos • Alcalóides colinomiméticos: – muscarina – pilocarpina – oxotremorina (sintético) – arecolina Areca catechu

Areca catechu

Agonistas muscarínicos • Alcalóides colinomiméticos: – muscarina – pilocarpina – oxotremorina (sintético) – arecolina Areca catechu

Amanita muscaria

Agonistas muscarínicos • Alcalóides colinomiméticos: – muscarina – pilocarpina – oxotremorina (sintético) – arecolina Areca catechu

Pilocarpus jaborandi

Agonistas muscarínicos

ACh e ésteres da colina sintéticos:

– metacolina – carbacol – betanecol

Algumas propriedades farmacológicas dos ésteres da colina e alcalóides naturais

     

MUSCARINIC ACTIVITY

   

MUSCARINIC

 

SUSCEPTIBILITY TO

SCV

TGI

Urinary

Eye

Antagonism

NICOTINIC

AGONIST

CHOLINESTERASES

 

Bladder

(Topical)

by Atropine

ACTIVITY

Acetylcholine

 

+++

++

++

++

+

+++

++

Methacholine

+

+++

++

++

+

+++

+

Carbachol

+

+++

+++

++

+

+++

Bethanechol

±

+++

+++

++

+++

Muscarine

++

+++

+++

++

+++

Pilocarpine

+

+++

+++

++

+++

Efeitos dos agonistas muscarínicos

- Sistema Cardiovascular:

Redução da frequencia cardíaca: ativação de receptores M 2 do nodo sino- atrial.

Redução da força de contração: redução da contratilidade ventricular via ativação de receptores M 2 .

Vasos sanguíneos: normalmente não recebem inervação parassimpática. Agonistas muscarínicos causam vasodilatação generalizada e queda na pressão arterial via ativação de receptores M 3 nas células endoteliais. `

Efeitos dos agonistas muscarínicos

- Trato Gastrointestinal

Aumento da motilidade e contração do músculo liso (M 3 ). Aumento da secreção de suco gastrico pelas células parietais (M 1 ). Uso clínico: betanecol (agonista não seletivo), para estimular a motilidade gastrintestinal em casos de íleo paralítico, distensão gástrica pós-operatória.

- Outros músculos lisos

Contração dos brônquios, bexiga urinária, canal deferente, uretra (M 3 ). Uso clínico: betanecol (agonista não seletivo) para auxiliar esvaziamento da bexiga urinária. Uso clínico: metacolina – diagnostico de hiperreatividade das vias aereas

Efeitos dos agonistas muscarínicos

  • - Secreções glandulares

Estimulação das glândulas exócrinas: sudorípara, lacrimal, salivar e brônquica (M 3 ). Uso clínico: xerostomia, Pilocarpina e Cevimelina.

  • - Olhos

Contração do músculo circular da íris, via receptores M 3 , contração pupilar. Facilitação da drenagem do humor aquoso. Uso clínico: aplicação tópica de pilocarpina para o glaucoma.

Efeitos dos agonistas muscarínicos

- Sistema nervoso central

Efeitos centrais: ativação de receptores M 1 do cérebro resultando em tremores, hipotermia, aumento da atividade locomotora, melhora da cognição.

Perspectivas: desenvolvimento de agonistas M 1 para déficit de memória e Doença de Alzheimer.

Precauções, toxicidade e contra-indicações

Reações tóxicas a agonistas muscarínicos: sulfato de atropina (0,5 a 1 mg para adultos por via s.c. ou i.v.). Adrenalina pode ser administrada em caso de broncoconstrição ou efeitos cardiovasculares severos.

Contra-indicações: asma, insuficiência coronária, ulcera péptica.

Outros efeitos indesejáveis: sudorese, salivação, cólicas abdominais, dificuldade na acomodação visual, cefaléias.

Micetismo

  • - Presença de muscarina em várias espécies de cogumelos.

  • - Sintomas: 30 a 60 min após a ingestão.

  • - Salivação, lacrimação, náusea, vômito, cefaléia, distúrbios visuais, cólicas abdominais, diarréia, broncoespasmo,

bradicardia, hipotensão e choque.

Agonistas Nicotínicos

Nicotina: ganglionar

Lobelina: ganglionar

Epibatidina: ganglionar

nicotina
nicotina

tabaco

Agonistas Nicotínicos • Nicotina: ganglionar • Lobelina: ganglionar • Epibatidina: ganglionar nicotina tabaco lobelina epibatidina Lobellia

lobelina

Agonistas Nicotínicos • Nicotina: ganglionar • Lobelina: ganglionar • Epibatidina: ganglionar nicotina tabaco lobelina epibatidina Lobellia

epibatidina

Agonistas Nicotínicos • Nicotina: ganglionar • Lobelina: ganglionar • Epibatidina: ganglionar nicotina tabaco lobelina epibatidina Lobellia

Lobellia sp.

Estimulantes ganglionares:

  • - Nicotina, lobelina.

-Sem aplicação terapêutica (exceto nicotina).

  • - Sistema nervoso periférico: estimulação transitória seguida de depressão mais persistente de todos os gânglios autônomos.

  • - Sistema nervoso central: estimulação

Baixas doses: analgesia Altas doses: tremores e convulsões.

Sistema cardiovascular: taquicardi a, vasoconstrição, aumento da PA.

TGI: aumento do tônus e motilidade. Náuseas, vômitos e diarréia.

Gândulas exócrinas: estimulação das secreções salivar e brônquica seguida de inibição.

Bloqueadores ganglionares

  • - hexametonio, trimetafano, mecamilamina

  • - Bloqueiam todos os gânglios autônomos e entéricos

  • - Principais efeitos: hipotensão, inibição das secreções, paralisia

gastrintestinal, etc.

  • - Uso clínico: não é comum, tratamento da hipertensão cronica, produzir

hipotensão durante a anestesia para minimizar hemorragia.

Table 9–4 Usual Predominance of Sympathetic or Parasympathetic Tone at Various Effector Sites, and Consequences of Autonomic Ganglionic Blockade

SITE

PREDOMINANT

EFFECT OF GANGLIONIC

TONE

BLOCKADE

Arterioles

Sympathetic

Vasodilation; increased peripheral blood

(adrenergic)

flow; hypotension

Veins

Sympathetic

Dilation: peripheral pooling of blood;

(adrenergic)

decreased venous return; decreased cardiac

output

Heart

Parasympathetic

Tachycardia

(cholinergic)

Iris

Parasympathetic

Mydriasis

(cholinergic)

Ciliary muscle

Parasympathetic

Cycloplegia—focus to far vision

(cholinergic)

Gastrointestinal

Parasympathetic

Reduced tone and motility; constipation;

tract

(cholinergic)

decreased gastric and pancreatic secretions

Urinary bladder

Parasympathetic

Urinary retention

(cholinergic)

Salivary glands

Parasympathetic

Xerostomia

(cholinergic)

Sweat glands

Sympathetic

Anhidrosis

(cholinergic)

Genital tract

Sympathetic and

Decreased stimulation

parasympathetic