Você está na página 1de 2

Cronograma de Férias – A Declaração Universal dos Direitos Humanos

OBJETIVO: Relacionar os artigos inerentes na Declaração Universal dos Direitos Humanos


com os direitos e deveres que as crianças devem ter no Centro Espírita, em casa, na escola, ou em
qualquer outro lugar que cotidianamente frequentam. Além disso, fazer uma associação de tudo isso
com alguns princípios espíritas.

1º Encontro – “Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos.


Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de
fraternidade.”
1. Bate-papo:
a. Interpretar, junto com as crianças, o artigo entitulado acima.
b. Mostrando-lhes um mapa grande do Brasil, levantar as seguintes questões com as
crianças:
i. Um índio na Amazônia tem os mesmos direitos que vocês aqui em Minas Gerais?
ii. Mas, será que a vida de uma criança lá na Amazônia é diferente? (Sim. Elas moram
em ocas, vocês, em casas; elas caçam e pescam para comer, vocês vão à feira; elas
dormem em rede, vocês em cama; elas usam cocar, vocês, bonés.)
iii. Mas, mesmo assim, algumas crianças índias já vão a escolas iguais às suas. Então,
será que elas também têm o dever de: levantar a mão para chamar a professora,
fazer silêncio enquanto esta explica a matéria e tratar bem os seus colegas?
2. Atividade: Colorir em um papel os desenhos que retratem as diferenças de culturas entre índios
e mineiros, mas mostrando os mesmo direitos e deveres de ambos. Quando terminarem, fazer
um mural com esses desenhos.

2º Encontro – “Todo o indivíduo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.”


1. Bate-papo:
a. Perguntar:
i. O que é ter direito à vida? (É ter o direito de reencarnar. Qualquer espírito,
dependendo do seu merecimento, tem o direito de voltar à Terra para reparar os
seus erros.)
ii. O que é ter direito à liberdade? (Ninguém pode nascer em uma prisão e ficar
preso o resto da vida, ninguém pode nascer escravo. Todo mundo tem direito de
reencarnar em um lar onde poderá fazer o que precisa fazer na sua vida. Ser
livre não é sair por aí fazendo o que dá na cabeça; ser livre é fazer o que ser quer
com responsabilidade.)
iii. O que é ter direito à segurança? (É poder chamar a polícia quando se é roubado e,
antes disso, é ter o direito de nem ser roubado.)
2. Dinâmica: Dividir a sala em três grupos. O primeiro desenhará sobre o direito à vida, o segundo
sobre o direito à liberdade, e o terceiro sobre o direito à segurança.

3º Encontro – “Todo o indivíduo tem direito a ter uma nacionalidade.”


1. Bate-papo:
a. O que é uma nacionalidade? (É ser pertencente de uma nação. Nação é um conjunto de
pessoas que vivem em um mesmo lugar, falam a mesma língua, têm a mesma cultura, etc.)
b. Vocês falam a mesma língua? Qual?
c. Vocês moram no mesmo lugar? Qual?
d. Vocês comem pão-de-queijo, pé-de-moleque, arroz e feijão, usam chinelo em casa? (Isso
é cultura.)
e. Quem nasce no Brasil é o quê? Quem nasce em Minas Gerais é o quê? Quem nasce em
Uberlândia é o quê?
f. Então, qual é a nacionalidade de vocês? (Brasileira, pois a nacionalidade diz respeito ao
país e não ao estado ou à cidade.)
2. Dinâmica:
a. Mostrar o livro “Atlas das potencialidades brasileiras”, comentando as maravilhas do
Brasil.
b. Então, pedir para as crianças desenharem o que elas mais gostam em serem brasileiras.

4º Encontro – “Toda a pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a


condições equitativas e satisfatórias de trabalho e à protecção contra o desemprego.”
1. Bate-papo e dinâmica:
a. Interpretar, junto com as crianças, o artigo entitulado acima.
b. Ler com as crianças o poema “O que vou ser quando crescer?” estrofe por estrofe. Cada
uma destas terá um desenho represetando alguma profissão ilustrada na estrofe. Depois
de lido o poema, estas estrofes serão entregues às crianças para elas colorirem os
desenhos. Ao terminarem, será montado um mural com as estrofes na ordem correta.

5º Encontro – “Toda a pessoa tem direito ao repouso e aos lazeres, especialmente, a uma
limitação razoável da duração do trabalho e as férias periódicas pagas.”
1. Bate-papo:
a. Perguntar:
i. O que vocês entendem pelo artigo lido?
ii. O que vocês costumam fazer nas férias?
iii. Será que podemos fazer coisas úteis nas férias?
iv. Será que podemos exercitar nossa mente nas férias?
2. Atividades: Entregar mandalas, labirintos, caça-palavras, jogos dos 7 erros, palavras-cruzadas,
etc, para as crianças se descontraírem e, ao mesmo tempo, exercitarem suas mentes.

6º Encontro – “Toda a pessoa tem direito à educação.”


1. Bate-papo:
a. Perguntar às crianças o que elas acham ser educação.
b. Recitar o poema “A chuva”
2. Atividade: Pedir para as crianças montarem um mural com figuras, retiradas de revistas, que
retratem pessoas educadas, praticando boas maneiras, cuidando da natureza, etc.