Você está na página 1de 2
SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DIRETORIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS

NOTA TÉCNICA Nº 02/2010-DIGPE Natal, 18 de outubro de 2010.

Define o procedimento padrão no âmbito do IFRN para a concessão do auxílio-transporte.

O

DIRETOR

DE

GESTÃO

DE

PESSOAS

DO

INSTITUTO

FEDERAL

DE

EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições,

CONSIDERANDO o teor do art. 4º do Decreto nº 2.880/1998;

CONSIDERANDO a Orientação Normativa nº 04/2011 da Secretaria de Recursos Humanos – Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão;

CONSIDERANDO o item 3.1.6 do Acórdão nº 2.211/2005 – Plenário/TCU;

CONSIDERANDO o item 1.20 do Acórdão nº 1.595/2007 – Segunda Câmara/TCU;

CONSIDERANDO o Despacho nº 16/2010-AUDIN/DIGPE, de 1º de outubro de 2010;

R E S O L V E:

Art. 1º. A concessão do benefício do auxílio-transporte no âmbito do IFRN procedimentos estabelecidos nesta Nota Técnica.

seguirá as rotinas e

Art. 2º.

O auxílio-transporte para deslocamento residência-trabalho dentro do mesmo município será

concedido mediante apresentação pelo servidor da documentação abaixo listada.

I – Formulário institucional no qual o servidor deverá preencher sua identificação pessoal e funcional, bem como o gasto diário e mensal que tem com transporte público no trajeto de sua residência até a Reitoria ou Campus de exercício;

II – Comprovante de endereço atualizado.

§1º. Equiparam-se à situação descrita no caput desse artigo os servidores que residam em municípios diferentes dos quais trabalhem, desde que o local de serviço e sua residência integrem a região metropolitana da Grande Natal e o servidor se desloque através de transporte coletivo.

§2º. Considera-se transporte coletivo o ônibus tipo urbano, o trem, o metrô, e os transportes marítimos, fluviais e lacustres, desde que revestidos das características de transporte de passageiros e devidamente regulamentados pelas autoridades competentes; (Nova redação, de acordo com a Orientação Normativa SRH nº 4, de 08 de abril de 2011.)

Art. 3º. O auxílio-transporte para deslocamento residência-trabalho entre municípios diferentes será concedido mediante apresentação dos documentos constantes no Art. 2º, bem como dos listados a seguir.

I – Declaração do Diretor-Geral do Campus na qual constem os horários de serviço do servidor durante a semana e atestando a utilização de transporte de viagem pelo servidor;

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DIRETORIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE

DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS

Continuação da Nota Técnica nº 02/2010-DIGPE, de 18 de outubro de 2010

......................

fl. 02/02.

II – Apresentação de bilhetes de passagem dos deslocamentos de ida e vinda no trajeto residência- trabalho e trabalho-residência.

§1º. O servidor que não puder apensar os bilhetes de passagem ao processo de solicitação poderá apresentar cópia a ser autenticada pelo setor de Gestão de Pessoas, mediante conferência com os originais e desde que a passagem esteja identificada com o nome do servidor ou entregar planilha mensal de prestação de contas, conforme modelo em anexo, devidamente assinada, acrescida dos comprovantes originais dos bilhetes de passagens utilizados. (Nova redação, de acordo com a Orientação Normativa SRH nº 4, de 08 de abril de 2011.)

§2º. Caso os bilhetes apresentados não sejam nominalmente identificados, aceitar-se-á cópia feita

somente após o servidor da área de Gestão de Pessoas identificar a passagem ao escrever o nome do requerente nos bilhetes comprobatórios. §3º. A planilha mencionada acima deverá conter obrigatoriamente os seguintes dados: (Acrescido, em razão de Auditoria da CGU/RN)

I – Nome completo do Servidor; II – Matrícula SIAPE; III – Setor de Lotação; IV – Identificação da Empresa de Transporte Coletivo; V – Percurso utilizado; VI – Horário do deslocamento de cada uma dos bilhetes; VII – Valor gasto diariamente; VIII – Dia da utilização de cada um dos bilhetes;

Art. 4º. É vedado o pagamento de auxílio-transporte nos deslocamento residência/trabalho/residência, quando utilizado serviço de transporte regular rodoviário seletivo ou especial. (Acrescido, em razão da publicação da Orientação Normativa SRH nº 4, de 08 de abril de 2011.)

§1º. Entende-se como transporte regular rodoviário seletivo ou especial, para fins de Nota Técnica, os veículos que transportam passageiros exclusivamente sentados, para percursos de médias e longas distâncias, conforme normas editadas pelas autoridades de transporte competentes. §2º. As disposições do caput não se aplicam nos casos em que a localidade de residência do servidor não seja atendida por meios convencionais de transporte ou quando o transporte seletivo for comprovadamente menos oneroso para a Administração. §3º, O pagamento do auxílio-transporte nas situações previstas no caput fica condicionado à apresentação dos bilhetes de transportes utilizados pelos servidores, nos moldes do artigo antecedente.

Art. 5º. O pagamento de auxílio-transporte para custeio de deslocamentos intermunicipais e interestaduais em ônibus rodoviários nos meses subseqüentes ao de requerimento será realizado contra apresentação do quantitativo de bilhetes de passagem apresentados no mês anterior, descontando-se os dias não comprovados.

Art. 6º. Não se concederá auxílio-transporte aos servidores residentes a distância superior a 200 km do local de trabalho. (Suprimido em razão do Despacho nº. 376/2010-PROJU/IFRN de 22 de outubro de 2010)

Art. 7º. Os casos omissos deverão ser encaminhados à Diretoria de Gestão de Pessoas para análise.

AURIDAN DANTAS DE ARAÚJO Diretor de Gestão de Pessoas