Você está na página 1de 118

Pós-Graduação em Ciência da Computação

“Um Mapeamento Sistemático sobre a Abordagem de Ensino PBL (Problem Based Learning) aplicada à Ciência da Computação” Por

Armanda Maria Correia de Amorim Oliveira
Dissertação de Mestrado

Universidade Federal de Pernambuco posgraduacao@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~posgraduacao

RECIFE, NOVEMBRO/2012

Universidade Federal de Pernambuco

CENTRO DE INFORMÁTICA PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

ARMANDA MARIA CORREIA DE AMORIM OLIVEIRA

“Um Mapeamento Sistemático sobre a Abordagem de Ensino PBL (Problem Based Learning) aplicada à Ciência da Computação"

ESTE TRABALHO FOI APRESENTADO À PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DO CENTRO DE INFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO COMO REQUISITO PARCIAL PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO.

ORIENTADOR(A): PROF. DR. VINÍCIUS CARDOSO GARCIA

RECIFE, NOVEMBRO/2012

Dissertação de Mestrado apresentada por Armanda Maria Correia de Amorim Oliveira à Pós-Graduação em Ciência da Computação do Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco, sob o título “Um Mapeamento Sistemático sobre a Abordagem de Ensino PBL (Problem Based Learning) aplicada à Ciência da Computação” orientada pelo Prof. Vinicius Cardoso Garcia e aprovada pela Banca Examinadora formada pelos professores:

____________________________________________ Profa. Simone Cristiane dos Santos Lima Centro de Informática / UFPE

_____________________________________________ Profa. Filomena Maria Gonçalves da Silva Cordeiro Moita Departamento de Educação / UEPB

_____________________________________________ Prof. Vinícius Cardoso Garcia Centro de Informática / UFPE

Visto e permitida a impressão. Recife, 31 de agosto de 2012.

___________________________________________________ Prof. Nelson Souto Rosa
Coordenador da Pós-Graduação em Ciência da Computação do Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco.

Dedicatória

Dedico este trabalho aos meus pais, Maria das Neves e Diomedes Patriota.

Agradecimentos
Antes de agradecer a qualquer pessoa, quero agradecer a Deus, por ter me dado forças e discernimento para concluir esse Mestrado e nunca ter me deixado desistir. Aos meus pais Maria das Neves e Diomedes Patriota pela chance de sair de casa e tentar algo totalmente novo na minha vida, acreditando sempre no meu potencial, obrigada mainha e painho! Às minhas tias Nilda, Deida e Dedé por estarem presentes em todos os momentos da minha vida. À minha irmã querida, Fernanda Maria, por todos os telefonemas, pelo carinho e por estar sempre presente, mesmo estando distante. E ao meu cunhado Gelatti, que ficou cuidando dela todo esse tempo. Aos meus amigos e familiares que ficaram em João Pessoa, e sempre me apoiaram e acreditaram no meu trabalho e esforço: July Porto, Laís, Gratinho, Kaline, Danilo, Soli, Armandinho, Liana, Germana, Hélvia, Hélida e João Armando. Ao meu namorado, George Henrique, por todo apoio e força, e principalmente pela paciência quando precisei ficar ausente, amo você, minha vida! Aos amigos que fiz aqui em Recife e que se tornaram minha 2ª família, sempre presentes, principalmente nos momentos mais difíceis: Hugo Vieira, Emanuell Faustino, Leandro José, Rodrigo Lins, Manoel Rivelino, Fabrízio, Roberta, Rômulo e Daphne. A UFPE e o Centro de Informática, pela oportunidade e por toda a estrutura oferecida para que eu pudesse concluir meu trabalho. Aos professores do CIn, em especial meu orientador Vinícius Cardoso Garcia e a professora Simone Santos por compartilhar o conhecimento, pela paciência e ajuda durante todo o processo de desenvolvimento do trabalho. Ao grupo NEXT, o qual está crescendo a cada dia que passa, e o qual sou muito grata por fazer parte dessa história, e espero participar muito mais. E aos integrantes do NEXT pela troca de experiência durante as reuniões. E a todos aqueles que ajudaram diretamente ou indiretamente para que eu chegasse até o fim dessa jornada.

“Em uma grande vitória, o que existe de melhor, é que ela tira do vencedor o receio de uma derrota.” (Nietzsche)

Resumo
Em cursos relacionados à computação, a abordagem de ensino e aprendizagem geralmente prioriza o conhecimento teórico em detrimento do conhecimento prático. Em alguns casos o conhecimento prático é desprezado, dificultando, assim, o desenvolvimento de habilidades que são de total relevância para áreas técnicas como, por exemplo, as relacionadas a tecnologias da informação. As grandes desvantagens dessa abordagem são a falta de motivação dos estudantes durante as aulas e o esquecimento rápido do conhecimento adquirido. A partir de tais dificuldades, surgiu na Medicina um método chamado Aprendizagem Baseada em Problemas (do inglês, Problem Based Learning– PBL), que é centrado no aluno com foco na ênfase da prática. Estudos que envolvem PBL, especificamente na área de Ciência da Computação, necessitam de evidências de aplicabilidade, principalmente no que tange a utilização da aprendizagem de disciplinas da área de engenharia de software. Diante deste contexto, este trabalho teve como objetivo um mapeamento sistemático com a finalidade de identificar os estudos que envolvem a prática de PBL no ensino da Ciência da Computação. Para tal foi utilizado uma metodologia de buscas realizadas em engenhos automatizados, relevantes na área de Informática e Ciência da Computação, e obteve-se um total de 2.464 estudos, onde foram identificados 56 estudos primários considerados relevantes, classificados de acordo com cinco perguntas de pesquisa. A partir da análise realizada, o estudo conclui que grande parte das aplicações de PBL são voltadas para o ensino de disciplinas como Programação, Engenharia de Software e Sistemas Operacionais, e a utilização de metodologias como aprendizagem colaborativa e metodologias de ensino apoiadas em ferramentas de e-learning. Palavras-chaves: Ciência da Computação, Problem Based Learning, Mapeamento Sistemático.

7

Abstract
In courses related to computing, the teaching and learning approach generally emphasizes theoretical knowledge over practical one. In some cases the knowledge is neglected, hampering the development of skills that have relevance to all technical areas, such as those related to information technology. The major disadvantages of this approach are the lack of students’ motivation during class and their quickly forgetting acquired knowledge. From these difficulties arose in Medicine a method called Problem Based Learning, which is student-centered focus on the practice. Studies involving Problem-Based Learning, specifically in the area of Computer Science, need more applicability’s evidence, especially regarding the use of learning disciplines of software engineering. In this context, this work aimed to study a systematic mapping in order to identify the studies involving the practice of PBL in the teaching of Computer Science. Was used a methodology of searches performed on automated devices, the relevant area of Computer Science, gave a total of 2.464 studies, which were identified 56 primary studies as relevant and classified according to five research questions. From the analysis, the study concludes that most PBL applications were focused on the teaching of subjects such as Programming, Software Engineering and Operating Systems, and the use of different methodologies such as cooperative learning and teaching methodologies supported by e-learning tools.

Keywords: Computer Science, Problem Based Learning, Systematic Mapping.

8

Lista de Ilustrações
Figura 1 Gráfico dos Estudos Retornados......................................................................... 44 Figura 2 Gráfico da representatividade dos Estudos Primários ..................................... 46 Figura 3 Gráfico da Representação dos anos .................................................................. 47 Figura 4: Tópicos da Categoria 1 ........................................................................................ 49 Figura 5: Tópicos da Categoria 2 ........................................................................................ 56 Figura 6: Tópicos da Categoria 3 ........................................................................................ 66 Figura 7: Tópicos da Categoria 4 ........................................................................................ 79 Figura 8: Tópicos da Categoria 5 ........................................................................................ 90

9

Lista de Quadros
Quadro 1: String de busca para a questão central de pesquisa ................................ 37 Quadro 2: Quantidade dos papers retornados .......................................................... 44 Quadro 3: Estudos Primários .................................................................................... 45 Quadro 4: Estudos Repetidos ................................................................................... 46 Quadro 5: Classificação dos Estudos Primários........................................................ 48

10

Lista de Tabelas
Tabela 1: Evidências dos tópicos da Categoria 1 .............................................. 49 Tabela 2: Evidências dos tópicos da Categoria 2 .............................................. 57 Tabela 3: Evidências dos tópicos da Categoria 3 .............................................. 66 Tabela 4: Estudos primários e disciplinas .......................................................... 71 Tabela 5: Evidências dos tópicos da Categoria 4 .............................................. 80 Tabela 6: Evidências dos tópicos da Categoria 5 .............................................. 90

11

Lista de Abreviaturas e Siglas

C.E.S.A.R. – Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife MS – Mapeamento Sistemático PBL – Problem Based Learning MS – Mapeamento Sistemático TIC – Tecnologia da Informação e Comunicação

12

Sumário

Resumo ....................................................................................................................... 7 Abstract ....................................................................................................................... 8 Lista de Ilustrações ..................................................................................................... 9 Lista de Quadros ....................................................................................................... 10 Lista de Tabelas ........................................................................................................ 11 Lista de Abreviaturas e Siglas ................................................................................... 12 Sumário ..................................................................................................................... 13 Introdução ................................................................................................................. 15 1.1 Justificativa ................................................................................................. 15 1.1.1 Definição do Problema .......................................................................... 17 1.1.2 Objetivos ................................................................................................ 18 1.1.3 Contribuições ........................................................................................ 19 1.1.4 Estrutura da Dissertação ...................................................................... 19 Problem Based Learning ........................................................................................... 20 2.1 Problem Based Learning na Ciência da Computação ..................................... 24 Fundamentação de Mapeamento Sistemático .......................................................... 29 3.1 Diferença entre Mapeamento Sistemático e Revisão Sistemática ................... 30 3.2 Passo a passo do mapeamento sistemático.................................................... 32 3.2.1 Planejamento do Mapeamento Sistemático .................................... 32 3.2.2 Condução do Mapeamento Sistemático .......................................... 33 3.2.3 Apresentação do Mapeamento Sistemático .................................... 33 Metodologia do processo de Mapeamento Sistemático ............................................ 34 4.1 Procedimento do Mapeamento Sistemático ........................................................ 34 4.1.1 Questões de Pesquisa ............................................................................ 34 4.1.2 Estratégia de Busca ................................................................................ 36 4.1.3 Fontes de Busca...................................................................................... 37 4.1.4 Seleção dos Estudos .............................................................................. 38 4.1.5 Processo de Seleção dos Estudos Primários ...................................... 39 4.1.6 Síntese dos Dados Coletados ................................................................ 41 Desenvolvimento e Resultados ................................................................................. 43 5.1 Análise e Resultado dos Dados ....................................................................... 43 5.2 Análise das Evidências .................................................................................... 47 5.2.1 QS1: Características ............................................................................... 48 5.2.2 QS2: Efetividade ...................................................................................... 56 5.2.3 QS3: Metodologia PBL............................................................................ 65 5.2.4 QS4: Vantagens e benefícios do PBL.................................................... 79 5.2.5 QS5: Desafios Identificados ................................................................... 89 5.3 Discussão dos Resultados Obtidos ................................................................. 98 Considerações Finais .............................................................................................. 102 6.1 Desafios encontrados na pesquisa ................................................................ 102 6.2 Conclusões .................................................................................................... 103 6.3 Trabalhos Futuros .......................................................................................... 104 13

Bibliografia............................................................................................................... 106 APÊNDICES ........................................................................................................... 110 APÊNDICE A – ESTUDOS PRIMÁRIOS ............................................................. 111 APÊNDICE B – ESTUDOS EXCLUÍDOS ............................................................ 114

14

Capítulo

1
Introdução
Neste capítulo foram apresentados os elementos que contextualizam problemas relacionados ao ensino e a aprendizagem no curso de Ciência da Computação, bem como a motivação para o desenvolvimento de um mapeamento sistemático. Em seguida foram apresentados a justificativa, os objetivos e a organização do trabalho. 1.1 Justificativa O ensino superior permite aos alunos uma maior compreensão dos conhecimentos gerais e específicos de um determinado assunto, favorecendo assim o pensamento crítico, além de uma preparação para o exercício profissional, integrando os conhecimentos teóricos com a prática (TYNALA, 1999). Ao mesmo tempo em que oferece uma maior compreensão, a área da Educação tenta adaptarse aos resultados dos progressos tecnológicos das demais áreas, como por exemplo, as áreas de Ciências, Tecnologia e Artes. Tais áreas apresentam constante progresso e novidades que visam atender as exigências do mercado, trazendo benefícios para o ser humano (MARTINS, 2007). Diante desse contexto, na evolução do mercado da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), os profissionais desta área enfrentam constantes mudanças, fazendo com que existam algumas necessidades de adaptação de conceitos, métodos e técnicas para situações específicas que possam surgir no mercado de trabalho. Esses problemas não só afetam as empresas, mas também os engenheiros de software que além de terem como pré-requisito um vasto conhecimento nas ferramentas para desenvolvimento de software, também devem 15

ter uma ampla visão do problema a ser resolvido, ou seja, entendimento de negócios, empreendedorismo e habilidades interpessoais(SAVERY e DUFFY, 1995). Além da necessidade de bons profissionais na área da Computação, essa evolução no mercado de TI, surge também à questão da competitividade. Neste contexto, as empresas vêm promovendo uma grande demanda de inovação no desenvolvimento dos softwares, tornando-os com mais qualidade, flexibilidade e maior produtividade(SANTOS, BATISTA, et al., 2010). A partir de desafios como os citados acima, e de uma busca para a melhor capacitação profissional, está sendo utilizado na área da Ciência da Computação um método educacional de ensino chamado Problem Based Learning (PBL), ou Aprendizagem Baseada em Problemas. Esse método ganhou aceitação e está se tornando cada vez mais eficaz, dentro de uma variedade de disciplinas no ensino superior (YATES e GERDES, 1996). O PBL satisfaz três critérios importantes que promovem a aprendizagem ideal: primeiro, fornece um ambiente onde o aluno está imerso em uma atividade prática; segundo, o mesmo pode receber orientações e apoio tanto dos outros alunos como de um tutor responsável pela atividade, tornando a atividade multidirecional, ou seja, inclui professor, tutor e aluno; e por fim, o aprendizado é baseado na resolução de um problema real, com base na colaboração e integração de um pequeno grupo. Sendo assim, o PBL depende da habilidade dos alunos para trabalharem em conjunto, identificando e analisando os problemas para que possam alcançar as soluções (PETERSON, 1997). No geral, o PBL faz uso dos problemas identificados para iniciar, motivar e focar a aquisição de conhecimentos, além de estimular o desenvolvimento de habilidades e atitudes no âmbito profissional. É considerada como sendo uma estratégia educacional centrada no aluno, que o auxilia no desenvolvimento do raciocínio e comunicação, habilidades essenciais para o sucesso em sua vida profissional (ANDRADE, JUNIOR, et al., 2007). Esse método surgiu na década de 70, através do médico Howard Barrows, sendo aplicada em turmas de medicina (DESLISLE, 1997). Era um método totalmente voltado para a área da saúde e hoje em dia vem tendo aceitação no ensino de diversas áreas do conhecimento, principalmente na Computação, como também em outros níveis educacionais, fundamental e médio. No entanto, os registros bibliográficos relacionados à PBL e Computação são poucos, e segundo (SAVIN-BADEN, 2000) esses estudos precisam de relatos dos atores principais do 16

processo de ensino-aprendizagem, os alunos e professores. As pesquisas existentes têm se concentrado na aprendizagem e no desempenho dos alunos, poucas exploram as possibilidades de PBL, principalmente na área da Computação. Com o objetivo de fornecer uma ampla visão dos estudos nos quais foram registradas as práticas de PBL na Computação, e também pesquisar por estudos que tragam relatos sobre possibilidades de PBL, desafios, práticas, características e benefícios, é apropriado realizar um Mapeamento Sistemático. O Mapeamento Sistemático que tem como objetivo investigar as possibilidades, desafios, práticas, características e benefícios do PBL na área, como também identificar a quantidade, tipo de pesquisa e resultados disponíveis, além de verificar a evolução dos estudos na área de pesquisa escolhida (PETERSEN, FELDT, et al., 2007). Diante deste contexto, este trabalho se justifica pela necessidade de realizar um Mapeamento Sistemático e tornar a prática e aplicação do PBL mais conhecida e efetiva na área da Computação.

1.1.1 Definição do Problema Para ter sucesso na área da Ciência da Computação, é necessário ter conhecimento e dominar uma variedade de habilidades, tais como: facilidade com matemática, lógica, resolução de problemas, pensamento algorítmico e

programação. Infelizmente muitos estudantes têm dificuldades para desenvolver essas habilidades, principalmente quando o assunto é relacionado à programação orientada a objetos, matemática discreta, estrutura de dados e análise de algoritmos (MARTIN e CHINN, 2005). Tais problemas ocorrem pela maneira na qual o ensino é abordado nos cursos de graduação, visto que é possível notar uma grande falta de prática após a teoria (SANTOS, BATISTA, et al., 2010). A prática juntamente com a teoria permite com que os alunos façam conexões, ligando o conhecimento prévio aos novos conhecimentos aprendidos durante o novo processo de

aprendizagem(SCHMIDT, 1993) e (COLES, 1991). Como conseqüência desse fator, podemos citar a grande frustração do professor e o abandono por parte dos alunos, muitos desistem de atuar na área devido a tais dificuldades (MARTIN e CHINN, 2005). Quando não há o abandono dos alunos, há a má formação do profissional, pois os mesmos não possuem a prática suficiente para o mercado de trabalho (PENG, 2010). 17

A partir deste contexto surgiu o problema desta pesquisa, que buscou entender os estudos que ressaltam as melhores práticas para a utilização do método de PBL com os mais diversos focos como, por exemplo, aplicação em disciplinas relacionadas à área de computação. Para tal, foi utilizado o método de mapeamento sistemático que teve como foco construir uma visão ampla de como o método PBL está sendo aplicado no cotidiano destes cursos. 1.1.2 Objetivos Nesta seção são apresentados os objetivos do trabalho, ou seja, as quantificações que o trabalho procurou alcançar.

Objetivo Geral

O objetivo deste trabalho é construir um estudo de Mapeamento Sistemático para identificar o estado da arte da utilização do método PBL no processo de ensino e aprendizagem em cursos da área da Ciência da Computação.

Objetivos Específicos

Para obtenção do objetivo geral deste trabalho, temos como objetivos específicos:

Estudar criticamente os modelos de aprendizagem baseada em problemas mais referenciados na literatura;

• • • •

Analisar as características da aplicação de PBL; Verificar as evidências de efetividade de PBL na Computação; Analisar como a metodologia foi utilizada na aplicação de PBL, Listar os benefícios e as vantagens encontradas nos estudos primários;

• •

Identificar os desafios da aplicação de PBL na Computação; Por fim, consolidar os resultados obtidos, a partir de validações e interpretação dos resultados alcançados.

18

1.1.3 Contribuições

Essa pesquisa contribuiu nos seguintes aspectos:

Identificar melhorias no processo ensino/aprendizagem a partir do método PBL;

Identificar através do Mapeamento Sistemático, os estudos existentes que visam mostrar características, objetivos e desafios do PBL;

Possibilitar subsídios que contribuam com metodologias existentes referentes à aplicação de PBL em diversas disciplinas do curso de Ciência da Computação;

Possibilitar que professores entendam melhor sobre a metodologia e possam aplicá-la em diversas disciplinas;

Através dos resultados do mapeamento sistemático, será possível identificar lacunas que possam vir a gerar novos estudos e problemas de pesquisa em PBL na Computação.

1.1.4 Estrutura da Dissertação

Esta dissertação está estruturada em seis capítulos, que foram divididos em: Capítulo 1, apresentação do problema, justificativa da pesquisa, os objetivos e as contribuições. O capítulo 2 apresenta uma revisão literária sobre o método PBL, e seguido, no capítulo 3, uma fundamentação de Mapeamento Sistemático. No capítulo 4 encontra-se toda a metodologia que foi utilizada no processo do Mapeamento Sistemático, já o capítulo 5 foca no desenvolvimento do mapeamento sistemático e nos resultados obtidos. Por fim, no capítulo 6, encontram-se as considerações finais.

19

Capítulo

2
Problem Based Learning
Neste capítulo foi apresentada a primeira parte referente à revisão bibliográfica, na qual foram apresentados os conceitos necessários à fundamentação deste trabalho na parte de PBL. Entre os assuntos que foram explorados estão: contextualização e características sobre PBL e seu uso na Computação.

A Aprendizagem Baseada em Problemas, no inglês denominado por PBL (Problem Based Learning) é um método instrucional de ensino que difere do modelo tradicional de ensino, pelo fato de utilizar problemas de vida real para iniciar o processo de aprendizagem, visando estimular o desenvolvimento de habilidades para solucionar problemas. Esta metodologia preza pelo uso de problemas baseados no mundo real, que são trabalhados em grupos, no qual o problema é usado para iniciar, direcionar, motivar e focar a aprendizagem, ao contrário dos métodos tradicionais que colocam o problema ao final da apresentação do conteúdo (MILTER e STINSON, 1995) e(RIBEIRO, 2005). Ao fazer isso, o PBL apresenta várias mudanças e críticas aos modelos tradicionais de ensino, como aprendizagem colaborativa e comportamental, visando em um aprendizado que resulta em mudança de comportamento e que motiva os alunos melhorando os resultados educacionais (MILTER e STINSON, 1995). Essa abordagem teve início na área médica, na década de 1970 na Universidade de McMaster’s Medical School (BOUD e FELETTI, 1997), tendo como precursor o médico e educador Howard Barrows que desenvolveu métodos para instruir os médicos a desenvolverem suas próprias capacidades de reflexão fora da escola de medicina, ou seja, desenvolver habilidades de solucionar problemas reais 20

(DESLISLE, 1997). Autores definem o PBL como uma aprendizagem que é o resultado do processo de trabalho para a compreensão ou resolução de um problema (BARROWS e TAMBLYN, 1997). Os profissionais da medicina nem sempre possuem todas as informações referentes a um paciente, muitas vezes não sendo possível fornecer um diagnóstico mais completo, podendo haver também emergências, nas quais pacientes são impossibilitados de comunicar todas as informações pertinentes(ALESSIO, 2004). Visto isso, fica claro a necessidade de se ter profissionais capacitados para resolver qualquer emergência do mundo real, profissionais que tenham a habilidade de distinguir a condição do paciente e como proceder para recolher as informações necessárias que levem ao diagnóstico adequado. De acordo com (BARROWS, 1985),a aprendizagem baseada em problemas foi desenvolvida para permitir que os alunos de medicina pudessem integrar, usar e reusar informações recém-adquiridas dos problemas dos pacientes, como por exemplo, os sintomas, dados laboratoriais, curso da doença, dentre outros, fornecendo pistas para a recuperação no contexto clínico. O objetivo desse método não é apenas a solução do problema, e sim o aprendizado a partir do problema apresentado, ou seja, relatar soluções a partir do problema e o processo utilizado para obtê-los. Como também incluir uma base de conhecimentos integrada e estruturada em torno de problemas da vida real, além de aquisição de habilidades de trabalho em grupo, aprendizagem autônoma e atitudes como cooperação, ética e respeito pela opinião alheia (BARROWS, 2001). Na sociedade de hoje, a habilidade na resolução de problemas é um requisito básico dos cidadãos, independente da área de atuação. Seja na vida ou no trabalho, é necessário entender a noção geral e técnica de resolução de problemas através de um problema específico de aprendizagem ou um problema prático na vida. A tendência do desenvolvimento da sociedade se intensifica pela necessidade de resolução de problemas e de habilidade em assuntos sociais. Somente esse tipo de ensino pode treinar os alunos a aprenderem de forma cooperativa e independente, aumentando a capacidade dos alunos de comunicação, adaptando-se à era da informação atual(PENG, 2010). Coincidentemente, o PBL satisfaz bem este requisito, por ser centrado no aluno e fazer uso de problemas reais, permite que os alunos formem grupos e resolvam problemas de diferentes complexidades. Este processo aumenta a 21

capacidade dos alunos em resolução de problemas e aprimora a construção do conhecimento e entendimento(PENG, 2010). À medida que o problema é um componente crítico do processo de aprendizagem, é essencial que existam bons problemas(HUANG e YANG, 2008). As características que definem um bom problema, segundos os autores Duch, Groh e Allen (2001), são: 1. O problema deve interessar e motivar os alunos para que os mesmos procurem uma compreensão mais profunda dos conceitos que estão sendo introduzidos; 2. O problema deve ser apropriado para ser dividido em diversos estágios; 3. O problema deve ser complexo o suficiente para que haja a cooperação de todos os membros do grupo, para que os mesmos trabalhem em busca da solução; 4. O problema deve ser aberto; 5. Os objetivos do curso devem ser incorporados aos problemas. A partir de tais características, um problema pode ser considerado bom, e trará resultados para a aprendizagem. O processo de PBL pode ser adotado de várias formas, dependendo da natureza do domínio e objetivos específicos de cada programa. Não há traços definidos do PBL, apenas pessoas que trabalham em uma variedade de contextos com várias abordagens e metodologias diferentes(SAVIN-BADEN, 2000). Apesar de variações de uso do PBL é necessário um modelo de uso desse método, modelo esse que teve como base o original da Universidade McMaster, que descreve seis características fundamentais do PBL(BARROWS, 1996): 1. A aprendizagem é centrada no aluno; 2. A aprendizagem acontece em pequenos grupos de estudantes; 3. Existe a presença de um tutor que é visto como facilitador ou guia; 4. Os problemas são apresentados logo no início do processo, antes que tenha ocorrido qualquer preparo ou estudo;

22

5. Os problemas encontrados são utilizados como instrumentos para atingir os conhecimentos e as habilidades de resolução de problemas; 6. Novas informações são adquiridas através da aprendizagem autodirigida.

No processo de ensino os professores devem compreender corretamente o problema com base em método de aprendizagem, que difere do modelo tradicional de educação, centrada no professor. O PBL direciona o papel da aprendizagem para os alunos e o papel do professor muda para um único ensinamento, o de orientar, bem como o de ensinar(PENG, 2010). Os professores devem se preparar para o curso juntos, compreendendo a natureza do ensino por meio de problemas, demonstrações ou freqüência de cursos de outros professores. Após essa preparação, os professores devem melhorar continuamente as suas qualidades profissionais, de modo a agir qualificadamente para os múltiplos papéis, como especialistas nas disciplinas, guia no processo de aprendizagem e aconselhamento de como o aluno deve prosseguir na resolução do problema. A melhoria na qualidade profissional dos professores e a capacidade operacional é a chave para garantir a realização bem sucedida da aprendizagem baseada em problemas. Esse método não só exige uma sólida compreensão do conhecimento de sua própria disciplina, mas também de disciplinas pertinentes, e isso requer uma grande flexibilidade de conhecimento, excelente capacidade de raciocínio lógico, e habilidade de levantar questões e sugerir boas respostas, como também capacidade de mobilizar o interesse e entusiasmo dos alunos, visto que se trata de uma metodologia que difere do tradicional(PENG, 2010). Além de ser implementado na área médica, o PBL também se encaixa em currículos de graduação, algumas universidades pretendem mudar o plano curricular, explorando novas maneiras para a participação dos alunos na resolução de problemas da vida real (SEABERRY, 2002). Esse método é utilizado em mais de 60 escolas médicas em todo o mundo e também nas escolas de odontologia, farmácia, oftalmologia e enfermagem (DESLISLE, 1997). Levando em conta os conceitos e características que foram apresentados, (WOODS, 1994) definiu algumas características sobre a aprendizagem baseada em

23

problemas, algumas dessas características coincidem com a definição posterior de Barrows (1996), dentre as quais se destacam: • PBL é uma das opções educacionais mais interessantes que tem aparecido nos últimos tempos; • PBL é um ambiente de aprendizagem que incorpora a maioria dos princípios que melhoram a aprendizagem, como: cooperação entre os alunos, feedback por parte dos professores, e adaptações às preferências de aprendizagem do aluno; • PBL oferece uma oportunidade de prática, usando habilidades para resolução de problemas, habilidades em trabalhos de equipe, aprendizagem autodirigida e possibilidade de autoavaliação por parte dos alunos.

É importante ressaltar que Woods (1994) deu importância para o feedback dos professores e as preferências do aluno, características que não foram consideradas por Barrows (1996), pode-se afirmar que uma definição complementa a outra. Barrows (1996) redefiniu algumas características de Woods (1994), no entanto, esse último ressalta a importância de um feedback tanto do professor como o aluno, com o intuito de avaliar a aplicação do PBL, como também o desempenho dos alunos nas disciplinas. Todas essas características reforçam que diversas áreas têm a possibilidade de utilizar o método de PBL, como também, a área da Ciência da Computação, tema discutido na próxima subseção.

2.1 Problem Based Learning na Ciência da Computação

Estudos mostram que os objetivos esperados pelo ensino superior e pesquisas sobre o desenvolvimento profissionais de engenheiros convergem da realidade, ou seja, onde se buscam simultaneamente conhecimentos, habilidades e atitudes(RIBEIRO e MIZUKAMI, 2004). Os principais objetivos que devem ser alcançados pelo ensino superior são: capacitação profissional e o estímulo à aprendizagem, o que facilita a compreensão de conhecimentos gerais,

desenvolvendo assim pensamento crítico e preparação para o exercício profissional. Esses princípios favorecem a integração da teoria à prática, onde o profissional será 24

capaz de promover habilidades interpessoais e se preparar para o mundo de trabalho em geral (TYNALA, 1999). De acordo com estudiosos, é possível listar atributos profissionais que são esperados por engenheiros, como(RIBEIRO e MIZUKAMI, 2004): • Conhecimento: possuir conhecimentos em diversas áreas como:

ciência e tecnologia, computação, administração, impactos ambientais e sociais da tecnologia; • Habilidades: desenvolver habilidades em projetos, solução de

problemas, facilidade para comunicação e trabalho em equipe, autoavaliação e avaliação em pares; • autônomo. Atitudes: ter ética profissional, responsabilidade com colegas,

iniciativa, flexibilidade, empreendedorismo, motivação para aprendizado

Diante desses atributos, as escolas de engenharia consideram importante ter um processo de formação integral, no entanto, existe o desafio de promover uma aquisição de conhecimento crescente, complexo e mutável dentre os profissionais. Todo esse desafio se aplica desde a formação do profissional até sua entrada no mercado de trabalho. Na Computação, encontra-se a dificuldade em se ter bons profissionais na área da Tecnologia da Informação como, por exemplo, os engenheiros de software. Alguns métodos de ensino procuram resolver esse desafio, como o PBL, que oferece aos alunos uma maneira de adquirir conhecimento e desenvolver habilidades e atitudes esperadas de um profissional. O PBL tem sido principalmente utilizado como estratégia educacional em disciplinas isoladas ou parte de disciplinas, como a Engenharia de Software (RIBEIRO e MIZUKAMI, 2004). A educação formal na Engenharia de Software tem sido lenta impossibilitando muitas vezes de formar profissionais com tais necessidades. Bach (1997) afirmou que na Engenharia de Software os assuntos abordados nos livros e nas aulas são “impraticáveis”, ou seja, a prática fica a desejar, impossibilitando assim o profissional de encarar a realidade, e só estudar o que está presente na teoria. Os engenheiros de software enfrentam diversos problemas de adaptar conceitos, métodos e técnicas para as situações específicas dos problemas de mercado, em geral influenciada pela variação de escopo, custos e prazos dos 25

projetos de software. As organizações estão promovendo uma forte procura de maneiras diferentes e inovadoras para desenvolver software com mais flexibilidade e qualidade. Para a formação dos engenheiros de software as abordagens do PBL podem ajudar no desenvolvimento dos alunos, promovendo a capacidade para trabalhar em equipes, solucionar problemas e também incentivar o desenvolvimento de suas habilidades e atitudes, como trabalho em equipe e habilidades autodirigida de aprendizagem, cooperação, ética e respeito pelos outros pontos de vista das pessoas (SANTOS, BATISTA, et al., 2010). Além dessas dificuldades, autores como Peng (2010), apresentam um problema nos livros didáticos para a programação. O mesmo afirma que grande parte dos livros são escritos com foco principal na estrutura lógica do conhecimento. Sempre começa com a introdução do conceito abstrato e obscuro como, por exemplo, conceitos de "objeto", "propriedade", "evento" ou "método", não respeitando assim as regras cognitivas dos alunos. Na condição de que os alunos não têm muito conhecimento em programação de computadores, é realmente difícil para os mesmos entenderem tais conceitos, que podem facilmente diminuir seu entusiasmo para aprender programação. Assim, os professores são necessários no processo de ensino, para criar uma espécie de ambiente de aprendizagem na qual os alunos se interessem a aprender. Para estimular o aprendizado e mudar o processo de aprendizagem, de aceitar passivamente, é necessário centrar os alunos, organizar aulas com a intenção de mudar o objetivo de “o que eu quero aprender” para “como eu deveria aprender” (PENG, 2010). A idéia fundamental é que o ponto de partida para a aprendizagem seja o problema que o aluno deseja resolver. Visando assim uma forma de construir e ministrar cursos utilizando o problema como forma de incentivo e motivação para os alunos (RICHARDSON e DELANEY, 2009). Para que o ensino seja eficaz, Huang e Yang (2008) atribuíram alguns fatores como: • Entender o background de conhecimento dos alunos: para que sejam definidos problemas relevantes que irão de fato ajudar os alunos, é necessário ter um conhecimento prévio do que os alunos aprenderam durante sua vida acadêmica;

26

Compreensão profunda das matérias lecionadas pelos professores: o professor deve conhecer muito bem sobre os conteúdos de ensino, a fim de lidar com diferentes situações durante o processo de ensino, visto que os alunos podem fazer qualquer pergunta que pareça inimaginável, e apresentar soluções diferentes, sendo assim, o professor deve ser capaz de dar julgamentos corretos, análise e explicações adequadas para orientar os alunos;

O professor deve estar ciente da pedagogia PBL: o professor deve ter conhecimentos sobre a abordagem de ensino PBL;

O problema PBL deve ser relevante: o problema deve estar de acordo com o que está sendo ensinado e com os conhecimentos prévios dos alunos. Se o problema é impróprio, os alunos não poderão impor suas ideias e possíveis soluções, o que impede a continuidade do processo de ensino;

Autoaprendizagem por parte dos alunos: embora os alunos possam ter uma boa participação em sala de aula, é preciso que o mesmo aprofunde mais o conteúdo fora da sala de aula, para que esses novos conhecimentos adquiridos possam se consolidar com os

conhecimentos aprendidos em sala de aula. Além das características de evolução e eficácia da metodologia, autores como Huang e Yang (2008) encontraram algumas dificuldades do uso da metodologia para o ensino da Ciência da Computação, são elas: • O processo de ensino/aprendizagem é demorado, o que pode resultar em uma baixa eficiência na aprendizagem; • É difícil para o professor organizar e controlar o processo de ensino/aprendizagem quando a quantidade de alunos é elevada; • Quando organizados em grupos, a capacidade de desenvolvimento dos alunos pode não ser igual, alguns desempenham um papel dominante no grupo, enquanto outros estão participando só para ser mais um. Apesar de tais dificuldades, é possível listar alguns casos de sucesso da implementação do PBL em cursos de engenharia, como no curso de Engenharia 27

Elétrica da Universidade de Tecnologia de Delf na Holanda e no curso de Engenharia de Computação da Universidade de Aalborg na Dinamarca (MICHEL, CECHINEL e NÓBREGA, 2008). Bem como no curso de Engenharia de Computação na Universidade Estadual de Feira de Santana eo curso de Mestrado em Engenharia de Software gerenciado pelo C.E.S.A.R EDU.

Tendo em vista os benefícios do método de PBL, em diferentes áreas do conhecimento, cabe fazer um estudo mais aprofundado com o objetivo de fornecer uma ampla visão de pesquisas que vem sendo desenvolvidas na área, bem como analisar lacunas que possam vir a ser exploradas em pesquisas na área de PBL. Neste trabalho, utilizou-se a técnica de mapeamento sistemático, a fim de fazer um levantamento nos principais engenhos de busca sobre artigos que relatem a utilização de PBL no processo de ensino e aprendizagem em cursos da área de Computação.

.

28

Capítulo

3
Fundamentação de Mapeamento Sistemático
Neste capítulo foram apresentados os conceitos necessários para a fundamentação do Mapeamento Sistemático (MS). Entre os conceitos que foram explorados estão: definição do MS, diferença entre MS e Revisão Sistemática.

O estudo de Mapeamento Sistemático (MS) é um método projetado para fornecer uma ampla visão de uma determinada área de pesquisa, que permite identificar, quantificar e analisar os resultados, estabelecendo evidências sobre um determinado tema (KITCHENHAM, 2007), (ARKSEY e O’MALLEY, 2005).

Arksey e O’Malley (2005) discutem alguns motivos para se fazer um estudo de MS, como: • É útil para conhecer a extensão, alcance e natureza das áreas de pesquisa, mapeando as áreas de estudo, onde se tem conhecimento dos materiais que estão disponíveis; • Identificar a relevância da necessidade de se fazer ou não uma Revisão Sistemática completa; • Descrever com mais detalhes os resultados de uma pesquisa em uma determinada área de estudo, proporcionando assim, uma síntese dos resultados do MS; • Identificar lacunas existentes de pesquisa da literatura em uma área de pesquisa.

29

O MS também pode ser definido como uma pesquisa da literatura, que poderá identificar quais tipos de estudos que podem ser abordados por uma Revisão Sistemática, como também indicar o local no qual os mesmos foram publicados, em que bases de dados foram indexados e quais os tipos de resultados que apresentaram(PETTICREW e ROBERTS, 2006). O MS é considerado como um estudo secundário, visto que possibilita uma visão mais ampla dos estudos primários, tornando-o dependente da realização de mapeamentos para revelar as evidências da pesquisa (KITCHENHAM, 2007). A metodologia utilizada para fazer um estudo de MS é apoiada na mesma visão da metodologia de uma Revisão Sistemática, pois é conduzida de maneira auditável, rigorosa e transparente (ARKSEY e O'MALLEY, 2005). A Revisão Sistemática da Literatura também é considerada um estudo secundário que visa identificar, avaliar e interpretar todas as pesquisas disponíveis relevantes para uma questão de pesquisa específica, ou área temática, ou fenômeno de interesse. Como acontece com o Mapeamento de Estudo, a Revisão Sistemática também depende de estudos primários sobre a pesquisa, no entanto tais métodos também apresentam diferenças importantes (KITCHENHAM, 2007).

3.1 Diferença entre Mapeamento Sistemático e Revisão Sistemática A fase de planejamento do MS é semelhante ao da Revisão Sistemática. É possível listar algumas diferenças entre esses dois métodos: • Diferenças quanto às questões de pesquisa: de acordo com Kitchenham (2007) e Petersen, Feldtet AL (2007) no MS as questões de pesquisa utilizadas para uma área de estudo, são mais amplas e podem ser classificadas de natureza exploratória e descritiva. A Revisão Sistemática possui questões de pesquisas mais definidas, focadas em um ponto específico da área de estudo. • Diferença quanto à extração de dados: Bayley et al. (2007) afirma que a extração de dados realizada no MS é mais abrangente, e tem objetivo de focar na classificação e categorização dos resultados. Na Revisão Sistemática a extração de dados é mais detalhada e foca na identificação das melhores práticas e efetividade da área de estudo, também é realizada uma avaliação de qualidade dos estudos primários. 30

Diferença quanto à escrita do protocolo: o protocolo resultante do MS é bem menor, que o da Revisão Sistemática, pois pode ser baseado em três etapas (BAILEY et al, 2007): • • • Identificação da Pesquisa; Seleção dos estudos primários (inclusão/exclusão); Avaliação da qualidade do estudo (validade).

Kitchenham (2007) discute alguns outros pontos que caracterizam a diferença de MS e Revisão Sistemática, são eles: • Os termos de busca do Mapeamento Sistemático são menos focados no assunto de pesquisa do que os termos da Revisão Sistemática, que são mais centrados no que está sendo pesquisado. Sendo assim, é muito provável o retorno de um grande número de estudos para o Mapeamento Sistemático, evitando a restrição de artigos, como é considerado na Revisão Sistemática, uma vez que o objetivo do Mapeamento é uma visão ampla da área e pesquisa como um todo; • A divulgação dos resultados do Mapeamento Sistemático pode ser mais limitada do que os resultados de uma Revisão Sistemática.

A partir de tais definições e diferenças, conclui-se que um Mapeamento Sistemático é mais resumido e simples do que a Revisão Sistemática, e encaixa-se neste trabalho devido as suas características. Justificou-se o uso de um MS pelo fato de que este trabalho fornece uma visão ampla do uso de PBL na Ciência da Computação, identificando, quantificando e analisando os resultados através de classificação e categorização dos mesmos. As questões de pesquisa utilizadas são mais amplas, com o objetivo de buscar informações mais gerais sobre PBL e Ciência da Computação, possibilitando assim a identificação de lacunas existentes nessa área de estudo. Os passos iniciais foram relatados na próxima subseção.

31

3.2 Passo a passo do mapeamento sistemático

Os passos iniciais do estudo de MS são geralmente semelhantes aos de uma Revisão Sistemática, embora a questão de pesquisa do MS seja mais ampla. Esse mapeamento sistemático foi baseado nos guias de (KITCHENHAM,

2007)e(PETERSEN, FELDT, et al., 2007) que resume as etapas de uma revisão sistemática em três fases principais: Planejamento do Mapeamento, Condução do Mapeamento e Apresentação do Mapeamento. Essas etapas foram resumidamente descritas abaixo.

3.2.1 Planejamento do Mapeamento Sistemático Durante a fase de planejamento, a primeira tarefa que deve ser executada é o desenvolvimento do protocolo. O protocolo apresenta o plano detalhado da pesquisa sistemática, especificando os processos a serem seguidos, como: todas as condições que serão aplicadas para selecionar os estudos primários, as medidas de qualidade, dentre outras informações (BRERETON, KITCHENHAM, et al., 2006). Sendo assim, o plano define de antemão como a pesquisa sistemática deve ser feita. Além da elaboração do protocolo, é necessário definir a questão de pesquisa. A questão de pesquisa faz parte do protocolo e é usada para construir a string da busca, para as buscas automatizadas. A questão de pesquisa não deve ser alterada depois da validação do protocolo(BRERETON, KITCHENHAM, et al., 2006). Mafra e Travassos (2007) apresentam algumas informações que fazem parte da fase do planejamento, como: Os objetivos da pesquisa; As questões de pesquisa, bem como as strings de busca; Os métodos que serão utilizados na análise dos dados; Planejamento das fontes e seleção dos estudos; Definição do protocolo.

32

3.2.2 Condução do Mapeamento Sistemático Para essa segunda fase, é necessário que o protocolo já tenha sido finalizado e validado adequadamente. A partir do protocolo validado, o MS já está pronto para seguir os passos dessa segunda fase. Mafra e Travassos (2007) discutiram cada passo realizado nessa fase. Primeiramente, é feita a realização das buscas nas fontes que foram definidas na fase de planejamento. Todo o processo de coleta dos estudos deve ser documentado e armazenado. Após a coleta dos estudos, deve-se realizar a seleção dos estudos primários, de acordo com os critérios de inclusão e exclusão prédefinidos, onde também é realizada a qualidade do estudo, ou seja, só serão aceitos, os estudos que fazem parte da pesquisa sistemática e que respondem a questão de pesquisa. A partir dessa seleção, pode-se realizar a extração dos dados. Devem ser extraídas as informações que respondem as questões de pesquisa que foi proposta no início da pesquisa(MAFRA e TRAVASSOS, 2007).

3.2.3 Apresentação do Mapeamento Sistemático Uma vez que a pesquisa sistemática está concluída e as questões de pesquisa respondidas, deve-se elaborar um relatório, a partir das informações que foram armazenadas no protocolo. Todo o resultado do MS deve ser apresentado nesse relatório, podendo utilizar recursos gráficos para a apresentação do mesmo, como por exemplo, gráficos e tabelas (BRERETON, KITCHENHAM, et al., 2006). A partir da fundamentação de Mapeamento Sistemático, foi dado inicio ao desenvolvimento desse processo, bem como a divisão de cada tarefa referente ao mapeamento. O próximo capítulo descreve toda a metodologia de desenvolvimento do mapeamento sistemático do presente estudo.

33

Capítulo

4
Metodologia do processo de Mapeamento Sistemático
Neste capítulo foram descritos todos os passos referentes ao desenvolvimento do Mapeamento Sistemático.

4.1 Procedimento do Mapeamento Sistemático O mapeamento sistemático descrito nesta pesquisa foi conduzido com o objetivo de reunir informações para fornecer uma maior abordagem dos estudos sobre o método PBL, possibilitando a compreensão do uso desse método, e novas estratégias para o ensino da Computação. Nas próximas seções foi discutido o procedimento realizado para o MS. Durante esse procedimento foi realizada a concepção de um protocolo, onde foram descritos o processo e os métodos aplicados na pesquisa. As informações que fazem parte do protocolo serão apresentadas nas subseções seguintes.

4.1.1 Questões de Pesquisa Uma das etapas essenciais do Mapeamento Sistemático foi à definição das questões de pesquisa que conduziram a busca dos documentos relevantes, permitindo posteriormente a triagem de documentos, keywording de abstracts e extração dos dados (PETERSEN, FELDT, et al., 2007).

34

Partindo do objetivo para responder a questão central do estudo que é: “Como se caracteriza a aprendizagem baseada em PBL e qual a sua contribuição e desafios para o ensino da Computação?”. Foram elaboradas cinco questões secundárias que tiveram como intuito auxiliar nas seguintes respostas:

QS1: Quais as principais características de PBL que foram encontradas e que apóiam o ensino na Ciência da Computação? Essa pergunta verificou as principais características que fazem com que o método PBL apóie o ensino de diversas disciplinas do curso de computação.

QS2: Quais os critérios para a aplicação efetiva de PBL na Ciência da Computação? Essa pergunta investigou os critérios de efetividade da aplicação da metodologia PBL no ensino da Ciência da Computação.

QS2: Como a metodologia PBL é aplicada no ensino da Ciência da Computação? Essa pergunta teve como objetivo identificar os indícios de como a metodologia PBL é aplicada na Computação, ou seja, quais as características de aplicação de PBL.

QS4: Quais as vantagens e benefícios de se aplicar PBL na Computação? Essa pergunta teve como principal objetivo listar as vantagens e os benefícios existentes com o uso da metodologia para o ensino da Computação, como PBL pode ajudar nesse ensino.

QS5: Quais os principais desafios sobre a aprendizagem em PBL na Computação?

35

Essa pergunta foca nos desafios de PBL para o ensino de Computação, visando entender melhor as dificuldades e encontrar soluções para as mesmas.

A partir dos estudos resultantes desse mapeamento, foi possível responder todas as questões de pesquisas. O resultado foi apresentado no capítulo 5 de Desenvolvimento e Resultados.

4.1.2 Estratégia de Busca De acordo com (KITCHENHAM, 2007), existe uma estratégia utilizada para a pesquisa dos estudos primários. Esses estudos primários são identificados através do uso de strings de buscas em bases de dados, ou através de buscas manuais em conferências ou publicações em journals(PETERSEN, FELDT, et al., 2007). A estratégia de busca utilizada nesse mapeamento sistemático foi composta pelos seguintes passos: • • • • Termos chaves da pesquisa; Tradução dos termos; Identificação dos sinônimos; Construção da string de busca.

Para a construção dos termos chaves da pesquisa foram utilizadas as palavras-chaves da questão central, sendo as mesmas traduzidas para o inglês, que é a língua utilizada nas bases de dados onde foram buscados os artigos. Além das palavras-chaves foram identificados seus respectivos sinônimos baseados na área de pesquisa, o que facilitou as buscas. A string de busca foi construída a partir da combinação das palavras-chaves e sinônimos. Foram utilizados dois operadores, OR (ou) entre os sinônimos e AND (e) entre as palavras-chaves. As palavras-chaves e suas respectivas traduções foram: • Aprendizagem: learning 36

• • • • •

PBL: ProblemBased Learning Contribuição: contribution Desafios: challenges Ensino: education Computação: Computer

Os sinônimos identificados para as palavras-chaves foram: • Learning: learner, education, educational program, constructivism, constructivist, instruction; • • • • Problem Based Learning: PBL, problem based learned; Contribution: advantages; Challenges: outcome, results; Computer: software, computer engineering, information technology, computer science;

A partir das palavras-chaves e dos sinônimos, foi gerada a string de busca, como mostra o quadro abaixo: Quadro 1: String de busca para a questão central de pesquisa
String de Busca

(learning OR learner OR education OR methodology OR approaches OR "educational program" OR constructivism OR constructivist OR instruction) AND "problem based learning" OR PBL OR "problem based learned") AND (contribution OR advantages) AND (challenges OR outcome OR results) AND (computer OR software OR "computer engineering" OR "information technology" OR "computer science")

4.1.3 Fontes de Busca As pesquisas iniciais dos estudos foram realizadas em bibliotecas digitais. Tais bibliotecas disponibilizaram os artigos para download, mecanismos de busca

37

através de palavras-chaves e artigos relevantes para o domínio de pesquisa. As fontes de pesquisas utilizadas foram:

• • • •

IEEExplore Digital Library (http://ieeexplore.ieee.org) ACM Digital Library (http://portal.acm.org) Elsevier Scopus (http://www.scopus.com) Elsevier ScienceDirect (http://www.sciencedirect.com)

4.1.4 Seleção dos Estudos

Com o objetivo de melhorar os resultados obtidos das buscas nas bibliotecas digitais, foi importante criar alguns critérios de inclusão e exclusão, tendo como base a pergunta de pesquisa definida anteriormente [KITCHENHAM e CHARTERS, 2007].

Critérios de Inclusão Foram considerados todos os estudos que encontrados a partir da string de busca nos engenhos citados acima, desde que o estudo esteja disponível na internet e satisfaça alguns dos critérios de inclusão abaixo: • Relevância que o estudo possui em relação à pergunta de pesquisa proposta; • Periódicos e artigos completos publicados em revistas, conferências ou simpósios; • Estudos que descrevam pesquisas relacionadas ao tema de

metodologia de ensino PBL e Ciências da Computação; • Estudos que relatem experiências da metodologia favorecendo o ensino no curso de Ciências da Computação; • Estudos com acesso disponível na biblioteca online da UFPE.

38

Critérios de Exclusão Não foram considerados:

• •

Estudos não escritos em inglês; Estudos publicados em editoriais, prefácios, artigos de resumo, entrevistas, notícias e revisões;

Estudos com resultados experimentais, inconsistentes ou com conteúdo incompleto;

Estudos que sejam similares (quando dois ou mais artigos apresentam conteúdos semelhantes, será considerado o estudo mais recente);

• •

Estudos que não façam parte da área de pesquisa; Estudos que não estejam disponíveis para download a partir dos serviços da UFPE.

4.1.5 Processo de Seleção dos Estudos Primários A seleção dos estudos foi realizada em quatro etapas: Seleção e catalogação dos estudos coletados: Essa seleção foi feita após a aplicação da string de busca nos engenhos selecionados. Cada estudo foi catalogado em uma planilha de dados, para análise posterior. Para cada estudo candidato foram catalogadas as seguintes informações: o ID (identificador); o Título; o Ano; o Fonte; o Autor; o Instituição; o Resumo (abstract).

Seleção dos estudos relevantes: 39

De acordo com (KITCHENHAM, 2007), as buscas iniciais retornam um número muito grande de estudos, muito deles não são relevantes para as perguntas de pesquisa, ou até mesmo não possuem nenhuma relação com o assunto em questão. Para evitar estudos irrelevantes no Mapeamento Sistemático, após a organização dos estudos na planilha, foi necessário submetê-los a um processo composto por dois filtros, com o objetivo de selecionar os estudos que são mais relevantes à pergunta de pesquisa. Os filtros são: o É feita a inclusão e exclusão dos trabalhos, com base na leitura do título e do resumo (abstract). Se o artigo não apresentar uma indicação clara do foco do seu estudo através do título e do abstract, o mesmo será aprovado e encaminhado para o próximo processo de filtragem para uma melhor análise; o É feita a inclusão e exclusão dos trabalhos com base na leitura da introdução e conclusão considerando os critérios definidos anteriormente, com o objetivo de obter a listagem final dos estudos primários. Os estudos primários podem ser vistos no Apêndice A, e os estudos excluídos após a primeira etapa citada acima, podem ser vistos no Apêndice B.

Avaliação dos estudos relevantes: Após a etapa de inclusão e exclusão dos estudos, foi feita a avaliação de

cada estudo restante. Nesta etapa os estudos foram separados em 5 (cinco) categorias, resultantes das questões secundárias. Foi a partir da divisão nas categorias que os estudos estavam prontos para a extração de informações.

Extração de informações dos estudos relevantes: Nessa etapa os estudos foram lidos para que fosse realizada a extração dos

dados sobre a utilização do método PBL no curso de Ciências da Computação, bem como aplicações, benefícios e desafios.

40

Extração e Análise dos Dados

De acordo com (KITCHENHAM, 2007), esta etapa tem o objetivo de criar formas para a extração de dados, coletando com precisão as informações obtidas, respondendo às questões de pesquisa, e avaliando a qualidade de cada estudo.

Após a realização do processo de filtragem, foram considerados 52 estudos que foram classificados nas categorias. O processo de categorização foi feito em paralelo ao segundo filtro da seleção (leitura de introdução e conclusão). Se o estudo fosse aprovado o mesmo seria avaliado com mais detalhes até que fosse possível categorizá-lo em uma ou mais categorias. A análise dos dados foi feita de acordo com cada categoria, ou seja, os estudos foram avaliados e categorizados de acordo com o assunto que é abordado. As categorias foram elaboradas de acordo com as questões secundárias, sendo assim, para cada questão secundária existe uma categoria, sendo elas: • Questão Secundária 1 (QS1): o Características de PBL;

Questão Secundária 2 (QS2): o Efetividade de PBL para o ensino na Computação.

Questão Secundária 3 (QS3): o Metodologia PBL.

Questão Secundária 4 (QS4): o Vantagens e Benefícios de PBL.

Questão Secundária 5 (QS5): o Desafios identificados.

4.1.6 Síntese dos Dados Coletados Após a extração e analise dos dados, foi realizada a síntese dos resultados. Essa síntese foi realizada com os resultados de cada categoria, que foi definida 41

previamente, sendo assim, foi sintetizado cada resultado de acordo com a categoria que o mesmo se encontra. Os resultados de cada categoria foram apresentados a partir de recursos gráficos, com o intuito de mostrar qual a categoria é mais abordada e as características da mesma. A síntese dos dados objetivou apresentar os resultados de cada estudo que foi considerado relevante para o MS, com o intuito de visualizar qual categoria tem sido mais enfatizada nas pesquisas e qual delas necessita de mais estudo nas pesquisas futuras.

42

Capítulo

5
Desenvolvimento e Resultados
Neste capítulo, foi apresentado o desenvolvimento e os resultados obtidos do Mapeamento Sistemático. O desenvolvimento e o resultado desse MS foi apresentado em quatro partes distintas, que foram constituídas pelas principais contribuições do estudo. Tais partes foram classificadas como:

5.1 Análise e Resultados dos Dados: nessa seção foram apresentados os dados gerais do MS, como: quantidade de trabalhos retornados nas buscas, processo de seleção dos estudos primários, extração dos dados, dentre outros;

5.2 Análise das Evidências: nessa seção foram apresentadas as evidências, com foco nos resultados de cada questão secundária que foi definida de acordo com a questão de pesquisa;

5.3 Discussão dos Resultados Obtidos: nessa seção foi apresentada a análise dos resultados que foram obtidos, tanto na pesquisa, como na Análise dos Dados e Análise de Evidências.

5.1 Análise e Resultado dos Dados A condução do MS foi realizada de acordo com a metodologia do processo que foi apresentada no capítulo anterior. A string de busca foi formatada de acordo com as palavras-chaves das questões de pesquisa, e resultou na localização de 43

2.464 estudos. A quantidade de estudo para cada engenho foi distribuída conforme dade o Quadro 2:

Quadro 2: Quantidade dos papers retornados Engenho de Busca Quantidade IEEExplorer Scopus Science Direct ACM TOTAL 1.242 681 327 214 2.464

A Figura 1 apresenta o gráfico com a porcentagem de estudos retornados por cada engenho de busca.

Estudos Retornados
ACM 9% IEEE Explorer

Science Direct
13% 50% Scopus 28%

IEEE Explorer Scopus Science Direct ACM

Figura 1 Gráfico dos Estudos Retornados

A partir desses números, iniciou se o processo de seleção dos estudos iniciou-se primários, sendo realizado primeiramente com base na leitura do título e abstract, , abstract nos quais foram descartados, no total, 2.4 estudos. Posteriormente com base na ram 2.412 osteriormente, leitura da introdução e conclusão dos estudos, foram destacados os mais relevantes, estudos, releva resultando num total de 52 estudos. O Quadro 3 mostra com detalhes a quantidade de de estudos aprovados e reprovados para cada engenho de busca nos dois processos de seleção.

44

Quadro 3: Estudos Primários
EstudosPrimários 1ª Fase Título e Abstract 2ª Fase Introdução e Conclusão Excluídos Incluídos

Fontes

NãoRelevante

Indisponível

Estudos Retornados Estudos Relevantes

Estudos Primários

IEEE SCOPUS SCIENCE DIRECT ACM TOTAL

1.242 681 327 214 2.464

69 38 3 23 133

33 30 3 15 80

0 12 0 0 12

36 8 0 8 52

Apesar dos 327 estudos retornado no Science Direct e apenas 214 no ACM, conforme pode ser observado, o índice de Estudos Primários aprovados no Scopus foi bem maior que o Science Direct, sendo de 8 (oito) estudos primários, 15%, enquanto o Science Direct não obteve nenhum estudo primário.O engenho de busca IEEE obteve 36 estudos classificados, e o Scopus8 (oito). O número de estudos retornados foi reduzido, em consideração ao número dos Estudos Primários, visto que foi considerado o processo de seleção apresentado no capítulo anterior. A partir da leitura da introdução e conclusão dos Estudos Relevantes dos critérios de inclusão e exclusão, obteve-se o total de 52 Estudos Primários, disponíveis no Apêndice A. Dos 133 Estudos Relevantes, 80 deles foram considerados Não Relevantes e 12 estavam indisponíveis para download. A Figura 2 apresenta o gráfico da representatividade dos estudos primários. 45

Representatividade dos Estudos Primários
ACM

15% IEEE
SCOPUS

16% 69%
IEEE

SCOPUS ACM

Figura 2 Gráfico da representatividade dos Estudos Primários representatividade

Alguns desses estudos foram apontados por mais de um engenho de busca, resultando assim em 48 estudos únicos. O Quadro 4 abaixo indica os estudos que foram repetidos e em quais engenhos de busca isso ocorreu.

Quadro 4: Estudos Repetidos ENGENHO DE BUSCA SCIENCE DIRECT SCOPUS IEEE ACM X X

ID SC80 SC386 IE414 IE422

X X X X

X X

Para a realização da pesquisa, não foi considerada limitação por ano, sendo ara assim, os Estudos Primários foram publicados entre os anos de 1997 e 2011. A 199 Figura 3 ilustra a evolução da abordagem de PBL, identificada pelo processo de , seleção, ao longo dos anos. go

46

18 16 14 12 10 8 6 4 2 0

Figura 3 Gráfico da Representação dos anos

Como pode ser observado, é possível afirmar que as abordagens de PBL, na área de Ciência da Computação, vêm crescendo desde o ano de 2009, com alta incidência no ano de 2010.

5.2 Análise das Evidências

Nesta seção foram apresentados os principais resultados de cada questão secundária de pesquisa, bem como as categorias que a mesma se classifica, as quais foram definidas anteriormente. Nessa seção, foram apresentados os resultados para cada questão de pesquisa. Na Seção 5.2.1 encontram-se as evidências das características de PBL encontradas nos estudos primários para a aplicação do método de PBL na Ciência da Computação. Na Seção 5.2.2 foram apresentadas as evidências relacionadas à efetividade da metodologia no processo de ensino/aprendizagem. Na Seção 5.2.3 foram descritos os critérios referentes à aplicação da metodologia, ou seja, como a metodologia estava sendo aplicada nas experiências dos estudos primários. Na Seção 5.2.4 foram apresentados os benefícios e as vantagens do uso de PBL. Por fim, na Seção 5.2.5 foram apresentados os desafios identificados durante o processo de ensino/aprendizagem de PBL. Todas as evidências foram devidamente referenciadas pelos 52 estudos, e os números das referências foram precedidos por EP (Estudo Primário), como forma

47

de deixar claras as referências do mapeamento sistemático. Alguns estudos foram classificados em mais de uma categoria, como mostrado no Quadro 5.

Quadro 5: Classificação dos Estudos Primários
CATEGORIA ESTUDOS PRIMÁRIOS EP_01, EP_03, EP_07, EP_08, EP_09, EP_11, EP_14, EP_16, EP_18, EP_21, CARACTERÍSTICAS EP_22, EP_23, EP_24, EP_27, EP_31, EP_35, EP_37, EP_39, EP_43, EP_46 EP_01, EP_03, EP_08, EP_13, EP_17, EP_18, EP_26, EP_28, EP_29, EP_31, EFETIVIDADE EP_34, EP_36, EP_37, EP_38, EP_42, EP_43, EP_44, EP_45, EP_46, EP_47, EP_48 EP_01, EP_02, EP_03, EP_04, EP_05, EP_06, EP_07, EP_08, EP_09, EP_10, METODOLOGIA EP_11, EP_13, EP_14, EP_15, EP_16, EP_18, EP_24, EP_25, EP_28, EP_29, EP_31, EP_32, EP_36, EP_38, EP_39, EP_40, EP_42, EP_43, EP_45, EP_46 EP_01, EP_02, EP_03, EP_04, EP_07, EP_08, EP_09, EP_10, EP_16, EP_18, EP_22, EP_24, EP_28, EP_29, EP_31, EP_33, EP_37, EP_38, EP_39, EP_40, EP_42, EP_43, EP_44, EP_45 EP_06, EP_12, EP_25, EP_35, EP_41, 30 21 20 QTDE

VANTAGENS E BENEFÍCIOS

33

EP_03,EP_07, EP_09, EP_10, EP_11, DESAFIOS IDENTIFICADOS EP_12, EP_14, EP_25, EP_28, EP_29, EP_35, EP_36, EP_37, EP_39, EP_40, EP_42, EP_43, EP_44, EP_46 19

Os estudos primários foram organizados em uma tabela do Excel, a tabela encontra-se disponível no Apêndice A.

5.2.1 QS1: Características

Quais as principais características de PBL que foram encontradas que apóiam o ensino na Ciência da Computação?

48

O objetivo desta questão foi mapear as características do método PBL no ensino da Computação. No total, 7 (sete) tópicos diferentes foram explorados pelos estudos primários, como respostas para a pergunta. Os tópicos foram definidos de acordo com as características de PBL definidas por Woods (1994) e Barrows (1996), assim foi possível fazer uma comparação de como os estudos primários abordam tais características. Em geral, os autores são claros quando afirmam a necessidade de um problema que inicie o processo, como também que esse problema deve ser real. As evidências extraídas dos estudos primários estão resumidas na Figura 4.

Aprendizagem em grupo Colaboração entre participantes Aprendizagem auto-dirigida Foco na resolução de problemas Problema inicia o processo Mudança no papel do professor Mudança no papel do aluno 0 1 Qtde 1 2

2 2 2 6 2 5

3

4

5

6

7

Figura 4: Tópicos da Categoria 1

As evidências extraídas dos estudos primários estão sumarizadas na Tabela 1 e descritas posteriormente.

Tabela 1: Evidências dos tópicos da Categoria 1

49

Cada tópico de pesquisa foi brevemente descrito e acompanhado dos estudos primários que foram relacionados ao tópico, juntamente com as evidências que mostram a relação.

Mudança no papel do aluno Nesse tópico foi apresentada a evidência que ressalta o papel do aluno durante o processo de ensino/aprendizagem do método PBL.

EP_08: Enfatizou que o aluno tem um papel ativo no ensino de aprendizagem, o que permite uma melhor compreensão dos conceitos. “ teaching based on problem solving (in which students have an active role in their learning) allow students to understand better difficult concepts and retain the knowledge acquired for a long period of time.”

Mudança no papel do professor É importante apresentar as evidências nas quais os autores enfatizam a tarefa do professor. Ou seja, para que a metodologia seja aplicada corretamente, deve-se definir corretamente o papel do professor no processo de

ensino/aprendizagem, que é orientar o aluno no desenvolvimento da resolução do problema. As evidências mostram como a divisão das tarefas do professor pode ajudar no processo.

EP_01: Apesar da facilidade existente de se aplicar o método de PBL, o professor deve ficar atento para outros pontos importantes, como: avaliar bem os alunos, fazer a escolha de um problema, ter uma boa estratégia para dividir os grupos, identificar os objetivos, dentre outros listados na evidência abaixo. “ teachers can implement PBL easily, and the woks that teachers would undertake include: • Analyze learners, Identify problem, and Select strategy of students grouping. • • • Identify instructional goals. Develop learning resources. Design and conduct learning activities.

50

• •

Design and conduct evaluation of instruction. Develop instruments to assess instructional effect.”

EP_16: Mostrou a responsabilidade dos professores no papel de orientador e facilitador do processo de ensino/aprendizagem “In PBL, the teachers do not implant the knowledge to the student's brain, but play the role of guider, helper, resource provider and evaluator. They set up problem context, tell the students how to collect information, how to identify and analyze the information, how to ask questions, and evaluate the performance of the student at last. In the whole process, the students play a subjective role while the teacher plays a leading role and evaluate the performance of the student at last.”

EP_18: O professor deve utilizar o problema com o intuito de aumentar o interesse dos alunos e realizar troca de experiências entre eles. “The educator should use a problem to touch students’ experiences and interests, and then help them to be actively involved with further learning.”

EP_37: Um dos autores do estudo primário, professor, realizou o papel de tutor. “ the first author served as a tutor for one of the groups, and periodically

visited the other groups, interviewing many students and tutors.”

EP_43: Aprimorou o conhecimento do aluno através de problemas reais, com a ajuda do professor, como orientador das atividades. “ enhance the learning experiences of students through the use of real-world tasks, open-ended problems and student-centered-learning whereby the teacher functions as a facilitator of the learning process.”

As responsabilidades atribuídas pelos professores é um assunto pouco discutido pelos estudos primários, igualmente a definição de um problema, o papel de professor é de grande importância no processo. É necessário definir com clareza as atividades que serão atribuídas pelo professor, para deixar claro ao aluno, que grande parte do processo de ensino/aprendizagem será conduzida por ele mesmo, 51

tendo o professor apenas como orientador. No entanto, essa responsabilidade não se resume apenas na orientação ao aluno, mas também em todo o planejamento do curso, buscando sempre atingir os objetivos propostos pelo PBL.

Problema inicia o processo É essencial que o processo de ensino/aprendizagem seja iniciado com a apresentação do problema. Antes de qualquer contato com o assunto a ser abordado, o aluno deverá ter conhecimento do problema, e planejar como será os passos para sua resolução. As evidências mostram os estudos primários que citaram essa importância.

EP_35: Enfatizou de um modo geral o uso de problemas como um ponto de partida e estímulo para a aprendizagem. “PBL is a teaching method that may engage students in authentic learning activities that use professional problems of practice as the starting point, stimulus, and focus for learning. ( ) PBL promotes student learning based on the need to solve problems.”

EP_46: Afirmou que o método de ensino/aprendizagem deve ser realizado a partir de um problema, visando à resolução do mesmo. “The problem based learning method dictates that the students’ projects must aim at solving a problem. This approach challenges and engages the students by inspiring them to set up an objective, which they must accomplish through analysis, design, implementation, test and reflection.”

Foco na resolução de problemas O problema irá constituir o caminho do processo de ensino/aprendizagem do aluno, ou seja, o ponto de partida para o início do desenvolvimento das mais diversas habilidades que poderão ser adquiridas é importante que o problema seja claro e bem elaborado.

EP_09: Mesmo com problemas mal definidos, os alunos podem ter bons resultados no processo de ensino/aprendizagem, no entanto, isso não é considerada uma boa estratégia. 52

“In PBL students learn by addressing ill-defined and open-ended problems and reflecting on their experiences, thus developing problem-solving strategies and building domain knowledge in a self-directed manner.”

EP_11: Considerou PBL como uma abordagem multidisciplinar para a solução de problemas. “PBL seeks to incorporate a multidisciplinary approach in the solution of problems. Students are given a problem, but not constrained on where they may look for answers.”

EP_14: Deve apresentar um bom problema. “PBL works particularly well if a good problem is presented.”

EP_27: Dividiu o processo de aprendizagem em 2 (dois) aspectos distintos. “The problem solving approach focuses on two distinct aspects of this process - clarifying the nature of the problem and proposing appropriate solutions. Progression through the learning process is demonstrated by the ability to tackle increasingly complex problems.”

EP_31: Usou de uma situação com algum problema para orientar e ajudar as atividades de aprendizagem. “This approach consists of using a problem situation to guide the learning activities on a need-to-know basis. The problem situation should be new to the student, i.e., it must require, for a satisfactory resolution, more information than the current knowledge can provide. The student is stimulated to search the available sources of knowledge to acquire the necessary elements to solve the problem.”

EP_39: Visou desenvolver o raciocínio do aluno através de um ambiente motivador, resolvendo problemas de situações reais. “The proposed methodology aims to develop student’s algorithmic reasoning by offering a collaborative and motivating environment where students work on problems that simulate real world situations. In this environment, students are encouraged to solve the problems by applying abstract thinking.”

53

Poucos estudos primários levaram em consideração a utilização de bons problemas, um ponto de extrema relevância que deve ser mais comentado durante a utilização do método de PBL. O uso de bons problemas também é importante para que se tenham todos os requisitos necessários para auxiliar o aluno em seus estudos.

Aprendizagem autodirigida Autores apresentam como característica a aprendizagem autodirigida durante o processo de ensino/aprendizagem.

EP_22: Enfatizou no aperfeiçoamento da qualidade do ensino, e a capacidade de autoaprendizagem dos alunos. “the author takes the method of problem-based learning and suitably arranges the course design, which with a good result not only improves the quality of teaching, but also trains students' ability of self-learning, active exploration and mutual cooperation.”

EP_23: Incentivou a autoavaliação e autoaprendizagem do aluno “Students are encouraged to keep up with self-assessment during the learning process, in order to ensure that they are always in the right path towards meeting the learning outcomes.”

Colaboração entre participantes Os alunos podem compartilhar o conhecimento adquirido como também discutir sobre o processo de resolução dos problemas, esclarecerem dúvidas entre eles mesmos e também opinar sobre as opiniões dos demais integrantes, para isso a turma sempre é dividida em grupos.

EP_03: Os alunos trabalharam em grupo “The design project is structured around a formalized base group which exists for the duration of the subject. The base groups are selected at random from the different degree programs and, in general, consist of three members with no two members from the same degree program.”

54

EP_07: Incentivou os alunos a terem uma maior responsabilidade nos estudos, como também a aprendizagem colaborativa e cooperativa entre eles. “Students take responsibility for their own learning as PBL encourages students to identify their learning needs and determine the resources they will need to use to accomplish their tasks. PBL also encourages collaborative and cooperative learning among students and their peers; students play the key role in encouraging learning in this collaborative setting.”

Aprendizagem em grupo Os autores apresentaram que a partir da realização de uma boa prática, com bons resultados, os alunos terão uma maior facilidade para a realização dos trabalhos em equipe.

EP_21: Apresentou o trabalho em grupo como uma boa oportunidade para a prática do trabalho em equipe. “It is clearly an advantage of o PBL curriculum that students have ample opportunities to practice teamwork skills.”

EP_24: Trabalho em grupo. “Problem-based learning is one teaching approach that often makes heavy use of collaborative learning. This approach typically involves students working and learning in small groups with teachers serving as facilitators”

Os estudos primários que foram apresentados como resposta para essa questão de pesquisa, possuem uma relação com todas as características citadas por Barrows (1996) e Woods (1994), onde se pode confirmar que os estudos analisados seguem os princípios de tais autores. É necessário que o aluno tenha o problema no início do processo de ensino/aprendizagem como também é de extrema importância que todo o conhecimento adquirido seja através da resolução de problemas, possibilitando um contato maior do aluno com os problemas da realidade.

55

5.2.2 QS2: Efetividade

Quais os critérios para a aplicação efetiva de PBL na Ciência da Computação?

O objetivo dessa questão foi de pesquisar nos estudos primários quais deles que apresentaram efetividade na metodologia, ou seja, quais os tópicos que constituem a efetividade do processo de ensino/aprendizagem. Para responder essa pergunta, foi necessária a divisão dos estudos primários em 11 (onze) tópicos que diversificam a efetividade do processo de PBL. Grande parte desses critérios, 35,7% se resume em um tópico, onde os autores afirmam que a maior efetividade foi com o uso de outras abordagens, como por exemplo, aprendizagem colaborativa e desenvolvimento de jogos. Outros critérios também foram citados como: trabalho em grupo, suporte de ferramentas elearning, construção de aplicativos, entre outros. A Figura 5 mostra os tópicos e a quantidade de estudos primários classificados.

Competições Construção de aplicativos Uso de outras abordagens Trabalho em grupo Utilização de problemas reais Desenvolvimento de jogos Lições de casa Melhor ambientação para as aulas Visão crítica Suporte de ferramentas de E-Learning Interações 0

1 4 10 3 4 2 1 1 1 2 1 2 Qtde 4 6 8 10 12

Figura 5: Tópicos da Categoria 2

As evidências extraídas dos estudos primários estão sumarizadas na Tabela 2 e descritas posteriormente.

56

Tabela 2: Evidências dos tópicos da Categoria 2

Interações Característica pouco comum entre os estudos primários seriam as interações, as quais dividem os processos de ensino/aprendizagem em níveis.

EP_36: “This study proposes that by bringing the concept into sharper focus, real insight will be gained into the nature of blended PBL. Interaction in the context of this study will be explored at three levels: interaction with concepts, tasks and people (peer learners and tutors).”

Suporte de ferramentas de E-Learning Alguns estudos primários utilizaram ferramentas E-Learning para apoiar a metodologia.

EP_08: Justificou o uso de IMS-LD para PBL. “The teachers involved in this PBL trial have concluded that the IMS-LD specification is a very useful methodological tool for formalizing the design of the PBL pedagogical scenario.”

EP_17: Aulas através da internet, eles acreditam que através dessa tecnologia os alunos se sentem mais incentivados até mesmo para se comunicarem entre si, possibilitando uma melhor troca de informações e opiniões. “ in an internet-based learning environment, it is considerably more efficient

for students to exchange information and opinions in comparison to the traditional 57

classroom-oriented

learning

environment,

which

indirectly

encourages

communication among students.”

EP_48: Uso da linguagem Co-operative Problem-Based learning Metamodel. “CPM is a language dedicated to the design of Problem Based Learning (PBL) models. It is a visual modeling language specializing UML for the design of PBL upstream to the EML-like languages. ( )The CPM (Co-operative Problem-Based learning Metamodel) language provides a rich graphical formalism to

designers/authors of PBL situations; It covers the instructional design process from initial requirements (and didactical choices) to the detailed design step.”

Visão crítica Apesar de toda a avaliação feita pelos professores para comprovarem a eficácia da metodologia, e os resultados propostos pelos alunos, autores destacam a importância do aluno nesse processo avaliativo. Durante o processo de resolução de problemas, o aluno também ficará apto a criticar e opinar sobre soluções apresentadas por outros alunos.

EP_18: “MALESAbrain encourages learners to judge or critically evaluate the solutions posted by others before exploring further knowledge-content.”

Melhor ambientação para as aulas Além de todas as características, como utilização de problemas reais, aprendizagem autodirigida, colaboração entre participantes, também foi foco dos autores o ambiente das aulas, a metodologia deve oferecer um ambiente mais dinâmico para os alunos, por se tratar de uma metodologia focada na prática e no trabalho em grupo.

EP_13: “Since the network Problem-Based Learning is the conformity between computer network and Problem-Based Learning, it gives students a learning environment which is moving, opening, and exchanging. Problem-Based Learning can really achieve the goal of independent research, cooperative learning and personal learning by Internet.”

58

Lições de casa Apesar de se tratar de uma metodologia que foca bastante na prática, autores afirmaram que além da prática é necessário que os alunos tenham lições de casa, para que possam consolidar a teoria com a prática que foi aprendida em sala de aula e aprofundar ainda mais o conhecimento.

EP_28: “Although students enjoy good participation in a successful PBL classroom teaching, and can have more deep understand of the design patterns learned than traditional teaching approaches, it is also necessary to leave homework, especially experimental projects to students to consolidate their knowledge learned in classroom.”

Desenvolvimento de jogos Autores demonstraram que em projetos de desenvolvimento de jogos, os alunos desenvolveram melhor, visto que a maioria deles trabalhou com assuntos no quais são especialistas e tinham maior conhecimento, e até mesmo maior incentivo, conforme descrito nas evidências dos estudos primários.

EP_29: Os alunos desenvolveram projetos nos quais eles têm um bom nível de entendimento. “In a game development project, students can develop their own requirements for a domain in which they are experts.”

EP_46: Os alunos tiveram um maior incentivo com desafios nas áreas de entretenimento. “The paper is motivated by a strong belief that not only is game development through problem based learning a powerful method to engage students in many fields of computer science, it has also shown to engage and challenge students to search for innovative solutions at the boundary between the known and unexplored areas in several fields of interactive entertainment.”

Os

jogos

incentivam

aqueles

alunos

que

possuem

determinados

conhecimentos e que gostam de utilizar tal tecnologia. Um aluno teve a infância voltada para os mais diversos jogos eletrônicos, e que vivenciaram toda a evolução 59

tecnológica dos mesmos, sentem-se incentivados para desenvolver jogos, o que auxilia o método PBL na área de desenvolvimento.

Utilização de problemas reais Além do conceito de bons problemas, alguns autores também comentaram a utilização de problemas reais, ou seja, quanto mais próximo da realidade, ou até mesmo se for real o problema, mais realista será o processo de resolução do problema, e mais próximo da realidade estarão os alunos. O que torna a aprendizagem mais eficaz, e o aumenta o incentivo do aluno, por se tratar da realidade. As evidências mostram os bons resultados do processo de

ensino/aprendizagem a partir da utilização de problemas reais.

EP_01: Enfatizou que se os alunos tiverem um bom problema, voltado para a realidade, eles serão mais estimulados a resolvê-lo. “It provides the opportunity to create engaging and stimulating studentcentered learning activities. If students are given an authentic problem that is challenging and real, they will be motivated to learn and to enjoy the learning process immensely.”

EP_43: Apresentou características de um bom problema, ou seja, problema voltado para a realidade. “The cases are written in close consultation with industry practitioners to ensure that they resemble, as realistically as possible, the real-world business problems.”

EP_44: Classificou a utilização de bons problemas como sendo uma estratégia de PBL. “Specific instructional strategies used in PBL—namely the use of authentic problems of practice, collaboration, and reflection—are presented as the catalyst for students’ improved self-efficacy.”

EP_45: Apresentou bons resultados a partir do desenvolvimento de um software real, onde foram utilizados problemas reais.

60

“The objective and subjective measurement results obtained from the application of the yPBL methodologies have been highly motivating. Indeed, instructors and students consider as very positive the gained experience from working in a real software project.” A principal característica de um bom problema, é que o mesmo seja voltado para a realidade. Os estudos primários mostraram que quanto mais realista for o problema, maior o incentivo dos alunos de resolvê-lo. Eles se sentem úteis resolvendo problemas o mais próximo o possível da realidade, o que os deixa mais perto dos projetos que são desenvolvidos em empresas de tecnologia.

Trabalho em grupo Uma das principais características do processo de ensino/aprendizagem do método PBL é o trabalho em grupo. A turma se divide em diversos grupos que irão trabalhar na busca da solução do problema. A quantidade de integrantes de cada grupo, e qual o problema a ser solucionado fica a critério do professor. As evidências abaixo descrevem como cada estudo primário abordou essa característica.

EP_01: Trabalho em grupo para auxiliar no processo de resolução de problema. “The system involves learners working in collaborative groups to explore the solutions to open ended and ill-defined problems related to the course content.”

EP_34: Tem como critério grupos de 5 a 6 alunos, todos com características acadêmicas diferentes. “The team includes a group of people (about 5-6 people) that work together to learn or work on a subject or project. They have different backgrounds, such as academic disciplines, skills and expertise, and working experiences.”

EP_43: Enfatizou na efetividade da divisão dos grupos. “Moreover, students are generally expected to work collaboratively in small teams over an extended period of time during which they are encouraged to acquire additional information beyond their existing knowledge from multiple external sources to aid in problem-solving.”

61

De acordo com o que foram apresentados nas evidências, os critérios de divisão dos grupos são realizados a partir do professor. Não existe nenhum procedimento obrigatório de divisão de grupos, a divisão depende muito da disciplina e da quantidade de alunos matriculados nas disciplinas e principalmente do professor.

Uso de outras abordagens Autores também apresentaram situações nas quais foram utilizadas outras abordagens e/ou metodologias em conjunto com a metodologia PBL, visando sempre um melhor resultado. As evidências apresentam cada abordagem de acordo com o estudo primário relacionado.

EP_01: Descreveu o método PBL juntamente com o método de Brunner. “This article described o PBL mode under the guidance of instruction system design, constructivism learning theory, Brunner's discovery method and PBL pedagogy.”

EP_03: Autores afirmaram e ressaltaram a aprendizagem colaborativa, e outros exemplificaram características de efetividade a partir da combinação do método PBL com a aprendizagem colaborativa. “Combining PBL with cooperative learning, provides a mechanism for students to maximize their own and other group members’ learning by working in teams to accomplish a common task or goal.”

EP_24: Também faz uma abordagem de product-based learning. “We present product-based learning as an extension of collaborative problembased learning by focusing on the design and development of a product as a solution to a proposed problem.” EP_26: Apresentou bons resultados do uso de aprendizagem colaborativa em cursos de nível superior. “Collaborative learning has been evidenced as effective in promoting students' higher-level cognitive skills. Srinivas summarizes 44 benefits of collaborative learning. Lehtinen et al. provide a review of Computer Supported Collaborative Learning.” 62

EP_31: Fez uso do método Facilitator-Supported Online. “ the FSO method is a Student-Centric pedagogical approach taken to its

extremes, where in-class time is reduced to the minimum needed and teacher support is increased, as well as the confidence of the student in this teacher/student relationship. ( )In the FSO method, before each class a new problem is proposed, consisting of several interconnected tasks that need to be performed and formatted as a report and which need to be delivered by the students before a deadline.”

EP_38: Apresentou um resultado significante de aprendizagem colaborativa, primeiramente em disciplinas de cálculo e posteriormente para ciências da computação. “Collaborative learning and problem-based learning are two approaches to pedagogy that have been used in many academic disciplines. Treisman was successful in creating a learning environment in first-year calculus that combines both of these approaches. His model has been replicated in many science and engineering programs, but few computer science programs have adopted it.”

EP_40: Mistura de dois métodos o PBL e o project-based learning. “ we have to apply a modification in the methodology in order to make it

adequately to our purposes. The so called method, Mixed- Project-Based Learning methodology, is based in an adequate time-schedule cross-problem solution where the time variable introduces a new axe that makes possible to achieve the specified learning objectives.”

EP_46: Apresentação de estudos de caso com o uso de PBL. “This paper attempts to exemplify the benefits of PBL through case studies and the following three cases will describe how students at Medialogy are being engaged through the use of PBL in their bachelor project to design innovative entertaining games and applications.”

63

EP_47: Uso de tutoriais. “Work in tutorials is also viewed as an opportunity to learn about group processes and group dynamics, which could be of special interest to most professional programmers.” As diferentes abordagens auxiliaram no processo de ensino/aprendizagem muitas vezes para deixar o ambiente de ensino mais dinâmico, e mais parecido com a realidade, incentivando os alunos a se dedicarem à resolução de problemas, adquirindo diversas habilidades.

Construção de aplicativos Além de o método ser aplicado em diversas disciplinas, com o objetivo de melhorar o aprendizado, a mesma também pode ser utilizada para o

desenvolvimento de software e construção de aplicativos. Muitas vezes o problema dado resulta na construção de algum aplicativo, o que estimula ainda mais os alunos a utilizarem tal abordagem. As evidências os estudos primários que fazem uso dessa aplicação.

EP_13: Construção de plataforma com J2EE. “The article describes the process of building up Problem-Based Learning platform based on J2EE.”

EP_36: Projeto para um curso on-line. “The focus of the PBL approach was for each group of multidisciplinary participants to design an online or blended course of their own choosing. This problem they were to solve included stages of problem identification, deconstruction, seeking and using knowledge and experience, understanding, thinking, choosing a strategy, acting and then critically evaluating and reflecting on the action.”

EP_37: Relatou experiências em projetos de engenhos de buscas paro PBL. “In this paper we report on experiences in the use of web search engine projects to drive problem-based learning in computer science courses. ( ) students can build search engine components, and even entire search engines, in the context of problem-based learning in introductory and intermediate computer science courses.” 64

EP_44: Enfatizou em estudantes que trabalharam com desenvolvimento de algum software. “I examined how student self-efficacy, as it relates to being software development professionals, changed while involved in o PBL environment.”

Os

estudos

primários

apresentaram

exemplos

que

envolviam

o

desenvolvimento de alguma ferramenta, algumas delas com ênfase no ensino de PBL, ou seja, ferramentas que de certa forma apóia o ensino de PBL. Competições As competições incentivaram os alunos a praticarem mais, desafiando-os em diversas competições, apresentando uma maior efetividade no processo de ensino/aprendizagem Esse tipo de prática estimula os alunos a procurarem fazer um trabalhar melhor, sendo assim o esforço e dedicação são maiores.

EP_42: “

develop a National RoboCode Competition both authors saw

potential benefits to enhance their PBL initiative and add an interesting challenge for their students. The competition was aimed at first year programming students, allowing them to demonstrate their programming abilities, advance their knowledge and have some fun.”

5.2.3 QS3: Metodologia PBL

Como a metodologia PBL é aplicada no ensino da Ciência da Computação?

Para responder essa pergunta, foram listados os principais critérios de como a metodologia é aplicada. Os critérios listados foram 5 (cinco) que dividem bem as aplicações de PBL.É importante mostrar como a metodologia funciona e quais os resultados positivos. Entre os critérios citados, a parte de conteúdo foi a mais discutida, com 34,4% dos estudos primários, no qual foram citadas as disciplinas nas quais a metodologia PBL foi utilizada. Outro critério importante foi o de ambiente, com 21,3% dos estudos, onde foram discutidos os mais diversos ambientes que auxiliam o ensino baseado em PBL. A Figura 6 apresenta os 13 tópicos e a quantidade de estudos primários classificados entre eles. 65

Processo Conteúdo Papel do aluno/professor Ambiente Problema 0 2 4 4 6 Qtde Figura 6: Tópicos da Categoria 3 8 10 12 1 10

13 16

14

16

18

As evidências extraídas dos estudos primários estão sumarizadas na Tabela 3 e descritas posteriormente.

Tabela 3: Evidências dos tópicos da Categoria 3

Problema

Como PBL é uma metodologia que está focada na resolução de problemas, esse critério tem como objetivo apresentar os estudos primários que evidenciem como o problema deve ser apresentado, ou como o problema irá ajudar no processo de ensino/aprendizagem com o método de PBL. Os estudos primários mostraram 2 (duas) evidências, nas quais, o problema é um tipo de incentivo para o aluno, pois é visto como um desafio, e por ser voltado para a realidade, o aluno terá uma visão de um mercado de trabalho, de um problema real. Na evidência seguinte, foram esclarecidas as características que devem compor um problema, como por exemplo: apresentar claramente os objetivos do problema, como também despertar o 66

interesse do aluno, e que permita várias formas de soluções. Um problema bem formulado é o primeiro passo para que o aluno mostre interesse, e principalmente quando se trata de problemas reais, e atuais.

EP_04: Incentivo ao aluno mostrando que o aprendizado será a partir da resolução de um problema. “This approach emphasizes the student’s active learning-based, students will learn the task or problem with the task design, to encourage self-exploration, controversy, stimulate and support the learner's level of thinking.”

EP_06: O problema deve ser interessante, com objetivos claros e que possibilite diversas formas de diferentes de soluções. “ it must: be relevant and interesting for students, have clear objectives and

stages, be complex in the sense of having different solutions, be an interdisciplinary project and present situations close to the professional world.”

EP_45: Uso de games “The objectives of games have through recent years however gone from being purely for entertainment to more serious purposes. Games and other forms of interactive entertainment are today accepted as a serious element in teaching in all levels of education. Simulations save thousands of lives, and improve the quality of living for millions. It is therefore important to educate the future game-designers so they can develop games that fulfill a number of specific real-life problem oriented goals. This requires a strong ability to solve problems and discover innovative solutions.”

EP_46: Enfatizou no desenvolvimento de jogos utilizado como problemas. “ we are utilizing the Problem Based Learning method to encourage

students to solve game design problems by pushing the boundaries and designing innovative games.”

Ambiente O ambiente também é um fator essencial para a aplicação do método PBL, pelo fato de que deve simular a realidade, deve deixar o aluno mais próximo 67

possível de um trabalho real, no qual ele possa interagir com os outros grupos, e até mesmo ter contato com o cliente, dependendo do problema apresentado. Esse tópico relatou as evidências que apresentam como deve ser o ambiente, e se houve o auxilio de ferramentas, ou tecnologias, como foi feita essa ligação com o método PBL. Das 15 (quinze) evidências encontradas, para esse tópico, 6 (seis) focaram no uso de diversas tecnologias e ferramentas para auxiliar na interatividade do ambiente. Também foi ressaltada a implantação de uma Fábrica de Software, aonde os alunos vivenciam o dia-a-dia de trabalho nas empresas de TI. Também foi citado o uso do método PBL com outras metodologias.

EP_05: Apresentou uma plataforma que faz uso da tecnologia de Processadores de Sinais Digitais. “The platform of E-Education realizes the functions of transferring and controlling the teacher's lecture notes, multimedia courseware, multichannel real time speech&video acquisition and processing by using the VGA technology. ( ) The research designs a foundational training platform for E-education which is based on embedded recording and broadcasting system. The platform adopts VGA card for collecting and encoding signals with the DSP technology.”

EP_08: Proporcionou melhores ambientes de ensino, oferecendo aos alunos diversas formas de adquirir conhecimento. “Information and Communications Technologies (ICTs) can be very useful for supporting PBL trials by providing a richer learning environment, offering students alternative ways of gaining knowledge and information, enabling more accurate assessment, and individualizing practice, feedback and reflection.”

EP_09: Plataforma de Virtual Words. “The aim of our work is to explore meaningful ways to set up and facilitate collaborative PBL activities in VWs and to evaluate their suitability and effectiveness as a learning platform. We set up an educational environment on top of an existing VW platform, built a number of supporting tools for collaboration and prototyping, and designed a complete activity based on the principles of PBL.”

68

EP_10: Fábrica de Software. “The software factory model used by the proposed methodology aims at the standardization of good practices, in order to gradually improve tools and techniques and to establish appropriate control through metrics definition and evaluation.”( )“ the methodology proposes the use of software factory as the appropriate environment to implement the practice for software engineering students. ( ) the methodology provides an environment based on Software Factory in which the students are immersed in practical software development projects taken from real clients, supported by processes, roles and metrics to control the results achieved.”

EP_14: Ambiente interativo, voltado para a realidade que desperta no aluno um maior interesse para a resolução de problemas reais possibilitando que os mesmos adquiram diversas habilidades. “Student learning changed and student knowledge increased as a result of implementing PBL. The students were now part of a more interactive environment, particularly at meetings, where they disseminated new knowledge learned. This gave them a real sense of solving a problem, even knowing that they . “have put in more

work”. Students themselves recognize this: Personally, I believe that I have learnt more through PBL in the first 8 weeks than I would have in a standard classroom environment.”

EP_18: A ferramenta MALESAbrain permite que o professor faça uma apresentação prévia do processo de ensino/aprendizagem, a partir disso a ferramenta passa a apoiar o aluno com as soluções propostas por eles. “The educator needs only to give a learning domain and a few beginning questions (even beginning questions are not compulsory) to the system before the learning discussion starts. The system then asks learners to judge (or criticize) other’s proposed solutions.”

EP_31: Uso de computadores portáteis, tablet, smartphones. “The PBL team is equipped with mobile computing devices with networking capabilities, such as Pocket PCs, Tablet PCs, Laptop PCs and Smart Phones, to support their activities.”

69

EP_32: Utilizou a linguagem The Specification Oriented Language in Visual Environment for Instruction Translation. “The Specification Oriented Language in Visual Environment for Instruction Translation (SOLVEIT) is an environment that provides tools to support the process of problem solving. ( ) The "new assumptions" about teaching and learning and programming that articulated by Grabinger are addressed by the SOLVEIT comprise it: problem formulation, planning, design, translation, testing and delivery of the problem's solution.”

EP_36: Apresentou o uso de mídias interativas como apoio para o método de PBL. “The combined use of interactive media and problem-based learning is complicated, since on their own each demand that staff and students possess a complex array of different teaching and learning capabilities. Together they can be seen as a formidable combination and this study has shown that they are approaches to learning that are complementary rather than collide.”

EP_39: Uso de tablet. “ the use of tablet PCs plays an important role. The use of digital ink in the

classroom not only stimulates interest because it represents state-of-the-art technology, but also because it allows for different types of expression that include, but are not limited to, diagrams, sketches, free-hand drawings, and mathematical formulas.”

Esse tópico apresentou diversas ferramentas, tecnologias e métodos que fizeram parte dos ambientes citados nos estudos primários, tornando o ambiente mais interativo, com opções diferenciadas de estudo para os alunos, como por exemplo, o uso de tablets. É importante ressaltar que os estudos apresentaram ferramentas e tecnologias distintas, o que mostra que a inexistência de centralização de uma única ferramenta ou tecnologia. Tais ferramentas fazem uso de fóruns de discussão o que ajuda o aluno a manter sempre uma discussão em aberto sobre um determinado assunto, ou então criticar e comentar algum assunto. Outra característica dessas ferramentas é auxiliar o professor com a organização e melhoria das aulas. 70

Alguns autores definiram o uso de Fábrica de Software como um bom ambiente onde a idéia é transformar a Fábrica em uma empresa fictícia na qual os alunos fazem parte tomando decisões e implementando o que foi requisitado.

Papel do aluno/professor O professor geralmente faz o papel do tutor, que tem a tarefa de acompanhar os grupos, retirar dúvidas e comentar sobre o desenvolvimento da solução do problema. Algumas vezes ele também faz parte do grupo juntamente com os alunos, onde também estará buscando pela solução do problema, deixando que os alunos assumam o controle da aprendizagem, no entanto, o professor ainda continua sendo a pessoa de maior responsabilidade. A evidência mostrou como o professor deve se comportar no processo de ensino/aprendizagem.

EP_24: O professor é um membro ativo na equipe, no entanto os alunos que devem assumir o controle da aprendizagem. “In this approach, the instructor becomes an active member of the project team, working with the students to achieve the product vision. Through this method, students take control of their own learning while working together towards group success.”

Conteúdo O critério Conteúdo buscou nos estudos primários as evidências que apresentaram como o método PBL foi utilizado para disseminar o conteúdo de disciplinas, sendo assim grande parte das evidências foram voltadas para a aplicação de PBL em alguma disciplina da área de Ciência da Computação. Como pode ser visto na Tabela 4, a disciplina que teve mais destaque foi Engenharia de Software, com 20% dos estudos que se encaixaram nesse tópico, algumas não foram apresentadas pelos autores, os mesmos só citaram que utilizavam a metodologia para disciplinas, sem especificar qual seria a disciplina. Muitas vezes a metodologia é aplicada pura, outras vezes fazem uso de diversas abordagens. Nas evidências abaixo pode ser visto como é feita a aplicação da metodologia em cada disciplina.
Tabela 4: Estudos primários e disciplinas

71

Disciplinas Engenharia de Software Robótica Sistemas Embarcados Sistema de Informação de Gestão Não apresentada Interação Humano-Computador Qualidade de Software Programação Sistemas Operacionais Padrões de Projeto Sistemas Digitais

Estudo Primário EP_01, EP_10, EP_45 EP_02 EP_03 EP_04 EP_06, EP_08, EP_15 EP_07 EP_14 EP_16 EP_25 EP_28 EP_40

Qtde - % 3 - 20% 1 - 6% 1 - 6% 1 - 6% 3 - 20% 1 - 7% 1 - 7% 1 - 7% 1 - 7% 1 - 7% 1 - 7%

EP_01: Utilização do método na disciplina de Engenharia de Software. “Software engineering course was taken as the example to illustrate the implementation of the PBL model.”

EP_02: Enfatizou o ensino de disciplinas de Robótica. “Topics are introduced in a way such that students are confident with what computer studies imply despite the use of the robot. Robotics is only the “toy” for motivating the beginner students on the subject.”

EP_03: Utilização em disciplinas de Sistemas Embarcados. “The embedded systems design course has two major objectives: first, that each group produce a working design; and secondly, that each group member is proficient in all aspects of the design process.”

EP_04: Utilização em cursos de Sistema de Informação de Gestão. “This paper presents new theoretical PBL model for MIS Course Design and research. Our interest in exploring the potential of PBL in preparing managers rests on cognitive, motivational and functional grounds.”

EP_06: Enfatizou a utilização de PBL em 3 cursos diferentes, no entanto não apresentou nenhuma disciplina.

72

“Among the different experiences carried out at the Teruel Polytechnic School of Engineering, we present those carried out in Computer Science Engineering. The experiment was fulfilled as a multidisciplinary project that included three courses: ‘Strategies and Information Systems’, ‘Electronic Commerce’ and ‘User Interfaces’.”

EP_07: Utilização do método na disciplina Interação Humano-Computador. “The objective is to conduct a research which is the best assessment technique for HCI subject.”

EP_08: Enfatizou a utilização de PBL no curso de Engenharia da Computação, mas não apresentou nenhuma disciplina. “This paper presents o PBL trial applied to a course in a computer engineering degree at the University of Seville, Spain.”

EP_10: Utilização do método na disciplina de Engenharia de Software. “ this article is to propose an innovative pedagogical methodology based on

PBL (Problem Based Learning) to improve the learning effectiveness in software engineering ”

EP_13: Focou no desenvolvimento de uma plataforma que apoiou o ensino de PBL. “The article explained the basic process about building a Problem-Based Learning platform which based on JSP and Javabean technology according to J2EE.”

EP_14: Utilização do método na disciplina Qualidade de Software. “PBL was implemented in the Software Engineering Quality module within the M.Sc. in Software Engineering at the University of Limerick.”

EP_15: Enfatizou a utilização de PBL em outros cursos da área de Computação, mas não apresentou nenhuma disciplina. “The Framework is based on perception of 78 students and 8 Lecturers and 3 Administrators in a computing science program, Information Technology

73

management Program and software engineering program in Sooreh Applied and Scientific University in Iran.”

EP_16: Utilização de PBL em disciplina de programação. “In order to verify the effect of PBL in online teaching, we have done experiment on the course of "Object-Oriented Programming With Java" in last 3 years: we recorded the performance, feeling of students and outcome of study; by making comparison, we analyzed and summarized the strategy for guidance, improved the strategies and teacher's ability in guiding students.”

EP_25: Usou o método de PBL na disciplina de Sistemas Operacionais. “ we try to apply problem- based learning (for short PBL) to teach Operating

Systems curriculum which is one of the core curriculums for computer science and technology specialty, network engineering specialty and information security specialty.”

EP_28: Usou o método de PBL na disciplina de Padrões de Projeto. “This paper concentrates on the discussion of the teaching strategy for software design patterns subject. We adopt problem-based learning (PBL) teaching strategy with a variation in our teaching process.”

EP_40: Usou o método de PBL na disciplina de Sistemas Digitais. “This paper resumes the scheduled objectives and the results obtained using the Mixed-Project-Based Learning methodology in a third year Digital Systems Design course in Computer Science / Electrical Bachelor Engineering studies.”

EP_45: Utilização de PBL em disciplina de Engenharia de Software. “This paper proposes a new learning methodology, based on the well-known PBL method and adapted to software engineering processes. This methodology called yPBL is aimed at being applied to develop software engineering courses within the context of real software projects. yPBL is defined as a mapping between the roles and phases considered in PBL methods into the roles, iterations and phases considered in the "y" process.”

74

Diversas disciplinas foram apresentadas como conteúdo nesse tópico, no entanto o maior destaque foi para a disciplina de Engenharia de Software, o que ressalta a importância de ser ter um método bem planejado para o ensino dessa disciplina, e no qual o PBL se encaixaria muito bem, devido a sua prática. Devido a esse grande número de aplicação na Engenharia de Software também foi possível afirmar que existe alguma deficiência no ensino dessa disciplina, e assim foram apresentadas diversas maneiras de como ministrar o conteúdo, sempre focado em PBL, e na melhoria do ensino. Alguns estudos primários apenas citaram a utilização de PBL em cursos, sem apresentar uma disciplina específica.

Processo Esse critério visou apresentar evidências sobre o processo do método PBL, como por exemplo, as etapas e formas de avaliação que foram utilizadas, não só a avaliação do aluno, mas também como o aluno avaliou o método de ensino, como foram planejados o processo de avaliação e a aplicação método. Também foram realizadas avaliações para medir o conhecimento do aluno e ver em qual grupo o mesmo se encaixaria, e também com foi realizada a divisão dos grupos nas salas de aula. As evidências apresentaram critérios para a avaliação durante o processo de ensino/aprendizagem. Vale ressaltar que tais critérios diferem de acordo com cada disciplina e professor. Não existiu nenhum padrão de avaliação, cada professor trabalha de acordo com sua necessidade.

EP_03: A avaliação foi realizada com a ajuda de um feedback do aluno sobre a utilização do método PBL. “Student feedback is used extensively to evaluate the performance of both the teaching staff and the subject. These student evaluations consist of both formalized university-wide evaluations (JCET) and informal evaluations conducted solely for this subject by teaching staff associated with the subject.

EP_09: Alguns autores deixaram claro como será o processo de ensino/aprendizagem da metodologia, definindo assim o passo a passo das tarefas a serem executadas.

75

“For our study in the area of user interface design we have identified the following tasks in group-based PBL activities: • In the early stages, students discuss about the problem, write down facts and reveal aspects for which further knowledge may be required. • Then, they assign roles to group members, search for and share resources, and formulate, present and explain their ideas. • Finally, they collaboratively assemble a final solution, refine it and present it to the class to be further evaluated.”

EP_10: Apresentou duas perguntas feitas aos alunos, que teve respostas satisfatórias. “In the beginning of the course, students present some resistance to the course rhythm. Therefore, in the end of the second month, they were suited to the rhythm, guided by the project velocity. We extracted from the satisfaction students points of view, the evaluation of the course. The results showed 100% of affirmative responses to the two questions: (i) “Does the MCSE (course) provide improvements in your professional performance?” and (ii) “Would you advise someone to study in MCSE?”.”

EP_11: Enfatizou que a avaliação deve ser uma continuidade do processo de ensino/aprendizagem, e não ser a ruptura desse processo. “The learning principle emphasizes that assessments should continue the learning process and not be viewed as a disjoint activity. Too often there is a complete break in activities where teaching ends and then there is an assessment.”

EP_14: Relatou mudanças na organização da sala de aula, e na divisão de grupos. “PBL’s introduction led to changes in class organization. Although the classes continued with the two-hour lecture format, the lecturer split the students into groups of four. Given the international make-up of the class, each team had at least 2 Asian student members.”

EP_25: Avaliação de nível de conhecimento do aluno, para que a divisão dos grupos seja realizada de acordo com o nível de cada um. 76

“The students are divided into levels, the identifying, relatively speaking, errors correcting and problem solving ability of higher levels of knowledge of students is stronger. These students often have strong interest in the process of resolving the problem, therefore the performance of such students in the process of PBL are more prominent.”

EP_28: Modificação do modo como o qual a metodologia será aplicada, para que o método PBL se encaixe perfeitamente à disciplina. “ we make a few modification of PBL in adopting it in the teaching process

of software design patterns subject. We made a little variation to improve the learning efficiency, that is giving the students a learning problem and at the same time telling them the goals to achieve, and giving them some instructions of the design principle. ( ) a good PBL problem should be moderate sized, be adjacent to students’ knowledge background, they are capable to give a solution (may not be good enough) within about 30 minutes to ensure a completion of o PBL lesson within 2 class hours.”

EP_29: Uso de pré-requisitos para que os grupos fossem divididos de acordo com o grau de conhecimento de cada aluno. “ each student group is first given basic requirements. This initial set of

requirements are intended to guide the students into the right direction so that the target requirements are neither too simplistic nor unreasonable for the skill sets expected to be obtained during the semester. Based on the minimum requirements above, students develop their own customized requirements.”

EP_38: Grupos que contêm de 2 a 4 alunos e tem um facilitador como orientador. “Students form groups ranging in size from two to four and discuss the problems on the worksheet one at a time. There is a facilitator, a more senior student familiar with the material, who is “in charge” of the workshop.”

EP_39: Os grupos foram divididos no início do semestre e são compostos 5 alunos, cada.

77

“In the beginning of the semester, students are arranged into four groups of 5 members each. For each problem, each group is encouraged to collaboratively seek the solution through a series of steps, usually in two consecutive meetings.”

EP_40: A avaliação foi realizada em 2 partes, a primeira pelos problemas resolvidos, e a segunda uma apresentação oral do projeto desenvolvido. “First of all, students must be able to correctly work in group. • Writing is evaluated by means of intermediate solved problems and classroom exercises. • Synthesis of results and oral expression is evaluated in the final project.”

EP_42: Grupos que contêm até 3 alunos e os mesmos foram instruídos previamente sobre como o grupo deve trabalhar durante o semestre. “A team can include up to three people. In many programming situations, the primary working unit is a team, not an individual. Constructing a team is part of the problem scenario; students have prior knowledge of how teams works they have been participating in teams during semester 1.”

EP_43: Realização de cursos que ajudaram aos alunos com disciplinas prérequisitos para que os mesmos não fossem prejudicados durante o processo. “These pre requisite courses cover topics such as the fundamentals of software engineering, database analysis and design as well as Java programming.” A partir das evidências apresentadas, ficou claro que existem diversas formas de avaliar o aluno, o método de avaliação irá depender do professor que acompanha a turma, como também existem avaliações nas quais os alunos avaliaram o método PBL através de questionários propostos pelos professores. Ainda sobre avaliação, alguns autores mostraram que antes do processo de ensino/aprendizagem existiram algumas avaliações nas quais foram analisadas as competências dos alunos, por dois motivos: o primeiro para saber se o aluno estaria apto para cursar tal disciplina e segundo para decidir em qual grupo o aluno poderia fazer parte, equilibrando a disseminação dos conhecimentos. Alguns autores também apresentaram mudanças 78

no processo de aplicação do método, usando como justificativa adequar o método à disciplina que estava sendo ministrada, no entanto essa opção deve ser muito bem analisada para que a essência da metodologia não seja perdida durante as modificações.

5.2.4 QS4: Vantagens e benefícios do PBL

Quais as vantagens e benefícios de se aplicar PBL na Ciência da Computação? Essa pergunta teve como objetivo investigar as vantagens e os benefícios da utilização da metodologia na Ciência da Computação. Foram listados diversos benefícios, divididos em 8 (oito) tópicos diferentes, que se classificaram em melhoria no desenvolvimento da prática, melhoria no desenvolvimento de habilidades, feedback dos alunos, entre outros. O tópico mais discutido com 38,24% foi o de melhoria no desenvolvimento de habilidades, como por exemplo, facilidade na resolução de problemas, melhor visão crítica sobre diversos assuntos, trabalho em grupo, aprendizagem autodirigida, entre outros que foram citados nas evidências. A Figura 7 apresenta todos os tópicos, bem como os estudos primários classificados entre eles.

Melhor / maior participação em sala de aula Melhor gerenciamento do tempo de estudo Feedback positivo dos alunos Aplicação em outros cursos Melhor preparação para o mercado de trabalho Facilidade na identificação e resolução de… Melhoria no desenvolvimento de habilidades Melhoria no desenvolvimento da prática de ensino 0

1 1 4 2 2 5 13 6 2 4 6 8 10 12 14

Qtde - % Figura 7: Tópicos da Categoria 4

As evidências extraídas dos estudos primários estão sumarizadas na Tabela 5 e descritas mais abaixo. 79

Tabela 5: Evidências dos tópicos da Categoria 4

Melhoria no desenvolvimento da prática de ensino Um dos benefícios citado pelos autores foi o aluno poder praticar tudo aquilo que aprende na teoria, permitindo assim que os alunos desenvolvam diversas competências no processo de aprendizagem. Quando o aluno está imerso a prática, adquire uma compreensão mais profunda sobre o assunto abordado, o que estimula a participação dos mesmos no processo de ensino/aprendizagem.

EP_28: Utilização da prática para padrões de projeto. “We make use of the modified PBL pedagogy in the teaching activities of the subject “Software design patterns”, and it is proved very effective. As the teaching progresses, we find that the students’ designs becoming more and more conformable with the correct design patterns.”

EP_29: Enfatizou a importância da prática da área de desenvolvimento de software, bem como as características dessa prática. “ learning what is involved in developing software to help them pursue other

career aspects of the Information Technology (IT) industry. The students fitting this profile are less keen on studying the theories of Object Orientation in their first day of programming class and are likely to be more enthused about the prospect of being exposed to practical, hands-on programming experiences throughout the semester, especially when the course they are taking is their first OOSE course.” 80

EP_37: Área da computação voltada para a programação. “ (i) broad coverage of computer science with an emphasis on

programming; (ii) integration of the web into the syllabus; and (iii) stimulation of both continuing and non-continuing students alike.”

EP_40: Apresentou características do desenvolvimento da prática dos alunos em projetos. “ the application of this methodology have allowed that the students receive

all the theoretical concepts and, also, the students have developed transversal skills as writing, learning and oral expressions in the same course, developing a project consisting on a semi-complex digital system.”

EP_42: Os alunos absorveram melhor o assunto ministrado, pois estavam imersos na prática. “...way of learning encourages a deeper understanding of the material, rather than surface learning, because it is the students who are actively “doing”.”

EP_45: Participação ativa dos alunos, que estavam praticando os conhecimentos. “These methodologies ask for the active participation of the students within the learning process, playing not only the traditional passive learning role but also an active role where part of the knowledge needs to be discovered and applied by themselves.”

Como a prática já faz parte de uma das características relevantes da aplicação do método PBL, poucos estudos primários explicitaram tal necessidade, pelo fato de que já fica subentendido, para o professor que for trabalhar com o método, que é de grande importância que os alunos pratiquem os assuntos que foram ministrados em sala de aula. A partir disso o aluno poderá trabalhar diretamente com o conteúdo ministrado pelo professor, podendo ter um maior conhecimento, pois estará praticando, observando como tal assunto é feito na prática, tendo apenas uma orientação do professor.

81

Melhoria no desenvolvimento de habilidades Além de um bom resultado com a prática, após o processo da metodologia, foi possível citar diversas habilidades que foram adquiridas pelos alunos, principalmente habilidades que podem ser notadas no decorrer das disciplinas. Essas habilidades podem ser classificadas como facilidade para o aluno resolver diversos tipos de problemas baseados na realidade, trabalhar em equipe, dentre outras que são listadas pelas evidências.

EP_02: Os alunos adquiriram conhecimentos e competências tanto na parte de hardware como software. “Students acquired the established PBL skills (knowledge and competences) in software and hardware.”

EP_03: Ressaltou a melhoria existente após o uso do método PBL. “ the use of an integrated PBL course is the main reason for observing such

a significant improvement, mainly through providing an environment which builds the students’ motivation and morale resulting in better design capabilities and in a better attitude to learning compared with students from previous years.”

EP_04: Afirmou que PBL é um método mais livre e flexível de ser aplicado. “PBL learning process is more freedom and flexibility, the evaluation of students is more important. PBL always aimsatensure effective.”

EP_06:

Apresentou

diversas

habilidades

como

responsabilidade,

competência, autoaprendizado, facilidade para resolução de problemas, entre outros. “•Development of learning skills for the acquisition of new knowledge usually referred as "learning to learn." •Development of analysis, synthesis and evaluation capacities: the student has to face up to a problem and solve it. •Development of transversal skills and competences, such as responsibility, ability to work by themselves and cooperative work, improvement of oral and written expression, etc.

82

•Development of a real experience similar to those they can find in a company. There is a client (lecturer’s role) and there is a problem that they have to solve; students have to share the tasks, assuming the implementation and delivery timetable.”

EP_07: Apresentou diversas características que incentivam os alunos. “PBL skill is very important in learning. Students are encouraged to use present knowledge and skill to find the answer in PBL. Assessment is ongoing and regular to provide feedback that assists, extends and improves learning. Tutor is an essential part of providing appropriate and constructive feedback that is meaningful to students, supports and empowers their learning, and contributes to their development.”

EP_09: Enfatizou que durante as aulas os alunos prestaram mais atenção, o que facilita a auto-aprendizagem e a colaboração entre os alunos. “The evaluation results were quite encouraging, as the learning session that we studied managed to capture the attention of students, to trigger self-directed learning activities, and to foster collaboration and discourse between them. ( )This approach has several advantages, as students are actively gaining transferable skills by investigating, explaining and resolving meaningful problems and the individual or group participation in problem-solving activities is highly motivating for them.”

EP_10: Além de apresentar habilidades que já foram citadas nos outros estudos primários, o EP_10, citou outros diferenciais do aluno, como a facilidade de trabalho em grupo, e respeito pelo ponto de vista dos demais estudantes. “PBL is used in this methodology to improve the effectiveness of learning, promoting the ability of the students to work in teams to solve problems and also encourages the development of their skills and attitudes, including teamwork and self-directed learning skills, cooperation, ethics and respect for other people’s points of view.”

EP_18: Destacou diversas habilidades como: pensamento crítico do aluno sobre as discussões propostas, identificar a importância do problema apresentado para a aprendizagem, entre outras. 83

“The learning system: 1. helps the students to think about the pros and cons of the proposed issues before they go into chat room for discussion. 2. highlights the issues with different levels of importance. 3. helps the students to identify the importance of the learning issues in the problem. It helps each of them to pick up a learning issue for further investigation and research. 4. allows the educator to monitor learner-groups’ discussions on his/her screen to save the shortage of manpower and time limitation. 5. allows the educator to coach progress groups in the right track of discussion.”

EP_24:

Os

alunos

se

tornaram

mais

ativos

no

processo

de

ensino/aprendizagem. “ allows students to become active learners in achieving learning objectives,

while at the same time providing project management and team-working experience.”

EP_25: Apresentou em geral, benefícios sobre as habilidades desenvolvidas pelos alunos. “And the final exam results show that the achievement of students is very close between PBL teaching of and traditional teaching methods. The students’ learning ability, practical ability and teamwork have been greatly improved in the process of PBL learning as well. The students hope that we can continue to apply PBL to the teaching practice in the future.”

EP_39: Habilidades com resolução de problemas e habilidades em comunicação, argumentação e responsabilidade. “ it has led to recognized improvements in student programming skills

related to abstraction and problem solving, and also in communication and argumentation skills, as well as responsibility and peer support.”

EP_42: Focou nas habilidades desenvolvidas a partir do desenvolvimento de software.

84

“Students develop skills for each stage of the software development process: requirements analysis, design, implementation, and testing; and they can think critically, reflect on their work, conduct tradeoffs and make informed decisions.”

EP_44: Impacto nas avaliações pessoais dos alunos no que diz respeito à capacidade de desenvolver software. “Students’ participation in o PBL environment seemed to have an impact on their personal appraisals of capability, specifically in regards to their abilities to be software development professionals.”

A partir das evidências apresentadas acima, pôde-se concluir que uma das principais habilidades adquiridas pelos alunos foi a de resolução de problemas, ou seja, o aluno adquiriu habilidades para compreender, analisar e implementar a solução do problema. Durante esse processo eles desenvolveram um

aperfeiçoamento em outras habilidades, como trabalho em grupo, melhor comunicação com os outros alunos, maior responsabilidade com as atividades propostas, além de um maior conhecimento relacionado às disciplinas que foram cursadas.

Facilidade na identificação e resolução de problemas Capacidade do aluno de conseguir identificar e resolver diversos problemas. A partir de uma boa identificação e um bom entendimento do problema proposto, o aluno apresentou facilidade no processo de resolução.

EP_01: Enfatizou que antes do aluno começar a resolver o problema, é necessário que o mesmo reúna informações se como será essa resolução e posteriormente identificar o melhor caminho a ser seguido. “When students follow the PBL methodology, they could learn to gather facts specified in the problem, to generate multiple hypotheses about how to solve the problem, to identify topics that require new information, to perform self-directed study in these topics, to evaluate their self -directed study and to improvee their problemsolving skills.”

85

EP_22: Afirmou que os alunos serão capazes de inicialmente realizar investigações sobre o problema e posteriormente aprender mais sobre métodos de pesquisas para resolver o problema. “Students are able to experience the scientific inquiry process and learn the scientific research method during problem solving process. Their independent exploration ability, practical ability and innovative spirit will be well cultivated.”

EP_33: Habilidade para resolver problemas. “Digital Natives learn mostly in context, in response to a (perceived) demand, or to solve a particular problem. They learn “on the go,” in multi tasking mode.”

EP_38: Ressaltou a importância de que os alunos precisaram identificar maneiras de resolver o problema e os processos a serem seguidos durante a resolução. “ students will be better able to understand what they need to do to solve a

problem and recognize whether they are adhering to the processes that they established. By making the problem solving processes public (to the rest of the workshop and to the facilitator), students have a framework for discussing how to solve problems and how to verify answers.”

EP_41: Apresentou uma ordem de atividades destinada aos alunos no processo de resolução de problemas. “ a progression of activities designed to help develop students’ skills in

problem identification, problem solving, and, ultimately, system creation.”

De acordo com as evidências apresentadas, antes de qualquer passo, ou processo para a resolução do problema, o aluno deve primeiramente colher informações relacionadas ao problema e quais as possíveis formas de se chegar à resolução do problema, identificando os processos que devem ser seguidos até a resolução. Dessa maneira o aluno poderá organizar o processo de resolução, facilitando assim a identificação dos passos que foram realizados.

86

Melhor preparação para o mercado de trabalho Alguns autores citaram que a partir do processo proposto pela metodologia, tanto por ser baseada em problemas como por impor aos alunos a prática dos problemas, os mesmos adquirem conhecimentos que poderão ajudá-los no mercado de trabalho. As evidências mostram quais os benefícios encontrados para o mercado de trabalho.

EP_43: Propôs um modelo teórico que facilita a melhor compreensão do processo de inovação empresarial. “ we would better prepare them[the students]for the challenges in today’s

business environment where creativity is of paramount importance. We further propose an integrative theoretical model to enable a better understanding of the usefulness, satisfaction and acceptance of the business innovation process. This model was empirically validated using a survey methodology. The results provide support for our decision to incorporate the business innovation process in our ISD course.”

EP_44: Apresentou bons resultados para o mercado de trabalho. “Twenty-seven students indicated that because of the course they were ready to deal with the demands of actual software development projects, even though some seemed surprised about their newfound confidence.”

Diante dos estudos primários acima, pôde-se concluir que grande parte dos alunos concluiu o curso com certa experiência para desenvolvimento de software e trabalho em empresas, devido à prática realizada durante a disciplina.

Aplicação em outros cursos O método PBL foi iniciado na área da Medicina, e está se desenvolvendo cada vez em outras áreas, alguns autores mostram que a partir dos bons resultados da metodologia na Ciência da Computação, a mesma poderia ser aplicada em outros cursos, da mesma em que é aplicada na computação, como pode ser visto nos estudos primários seguintes.

87

EP_08: Afirmou que o projeto de ensino pode ser reutilizado por outros cursos. “Thanks to the use of IMS-LD, the PBL scenario design was made explicit, and is therefore easily reusable for the same or even other courses. In fact, the authors are currently repeating the trial in other related courses.”

EP_12: Enfatizou o uso de PBL para diversos cursos de engenharia. “PBL has several successful implementations across many disciplines in Higher Education including engineering education.

Feedback positivo dos alunos É importante ter um feedback dos alunos para ter conhecimento dos pontos positivos e negativos, assim será possível a realização de mudanças e melhoria na aplicação da metodologia, como também comprovar o crescimento dos

conhecimentos e o desenvolvimento de habilidades dos alunos. As evidências dos estudos primários mostraram diversos tipos de feedback dado pelos alunos.

EP_19: Afirmou que os alunos deram um feedback positivo sobre o uso de PBL. “As a whole, students have given good responses on their intention towards the use of computer-simulation tools in problem-base learning.”

EP_24: Apresentou a preferência dos alunos diante do processo de ensino/aprendizagem baseado em PBL. “Student feedback indicated that the project was preferred as a learning experience over traditional, lecture-based methods. The product-based method maintained student engagement and encouraged intentional learning tendencies.”

EP_35: O feedback dos alunos foi realizado a partir de um questionário no final do semestre. “In the final questionaire delivered at the end of the semester students’ involvement in learning in the PBL with initiation group (5.3215) was significantly higher than that in the PBL without initiation group (4.9942).”

88

EP_37: Foi entregue um relatório aos alunos com perguntas voltadas ao estudo. “ students completed a survey which included questions geared to the topic

of this study: 87% said their programming ability is greatly improved; 97% agreed that building a search engine is an interesting way to learn about computer science; and 70% said that their interest in doing tertiary study in computer science has increased significantly.”

Uma parte significante dos autores dos estudos primários utilizaram questionários para avaliar a opinião dos alunos referente ao processo de ensino/aprendizagem a partir de PBL. Os questionários continham diversas perguntas referentes ao desenvolvimento dos alunos durante a disciplina.

Melhor gerenciamento do tempo de estudo Com a metodologia voltada para a prática, os autores do EP_31 afirmaram que com isso o aluno poderá organizar melhor seu horário de estudo. EP_31: “The students may manage their own study time as they wish (asynchronous study), performing other activities more freely such as professional internship in industry.”

Melhor / maior participação em sala de aula Com o uso da prática e das resoluções de problemas, o método incentivou mais a participação dos alunos em sala de aula.

EP_16:“Class participation rate has increased by 73%, and rate of on-time handing in assignment by 36%, percentage of significant questions increased prominently too.”

5.2.5 QS5: Desafios Identificados

Quais os principais desafios sobre a aprendizagem em PBL na Computação?

Essa questão teve o objetivo de listar os principais desafios e problemas encontrados durante o processo de ensino/aprendizagem com PBL na Computação. 89

Foram identificados 12 tópicos que abordam diferentes desafios e problemas. Como pode ser visto na Figura 8, os principais desafios do uso da metodologia é a falta de crença e conhecimento da metodologia, dificuldades nas disciplinas anteriores e aplicação da metodologia. A Figura 8 mostra os 12 tópicos e a quantidade de estudos classificadas neles.

Dificuldade nos objetivos alcançados e bons… Interesse dos alunos em computação Uso de outras tecnologias Disseminação do conhecimento Variedade de conhecimento dos alunos Restrições na metodologia Poucos bons problemas Tempo Conhecimento da metodologia Dificuldades em disciplinas Aplicação da metodologia 0 0,5 Qtde - % 1

3 1 1 2 1 1 2 3 3 3 3 1,5 2 2,5 3 3,5

Figura 8: Tópicos da Categoria 5

As evidências extraídas dos estudos primários estão sumarizadas na Tabela 6 e descritas posteriormente.

Tabela 6: Evidências dos tópicos da Categoria 5

90

Diante das estatísticas apresentas, definiram-se como desafios relevantes: a dificuldade na aplicação da metodologia; dificuldades nas disciplinas, muitos alunos não seguem a teoria, visando à prática; falta de crença na metodologia; falta de tempo durante o semestre para aplicar a metodologia e dificuldades para verificar se os objetivos foram alcançados e se tiveram bons resultados. As evidências apresentaram as justificativas para cada tópico encontrado nessa categoria.

Aplicação da metodologia Dentre os mais variados desafios, se destacou a aplicação da metodologia, ou seja, a falta de coordenação e compartilhamento de atividades, como mostrado nas evidências seguintes.

EP_09: Problemas relacionados à organização e coordenação do método. “The study also highlighted a number of problems that were mostly related to activity awareness, resource sharing and coordination issues.”

EP_10: Paradigma diferente do ensino convencional. “The adoption of PBL is not an easy task and such method is frequently a surprise to students and educators, due to its paradigm totally different from conventional teaching, based on teacher-to-student unilateral learning.”

EP_28: Problemas de organização e controle da aplicação da metodologia. “It is difficult for teacher to organize and control the learning process when the number of students is large.”

De acordo com as evidências apresentadas, grande parte do problema da aplicação da metodologia é a falta de conhecimento e a falta de organização do processo, bem como a diferença entre PBL e o processo de ensino tradicional.

Dificuldades em disciplinas No caso de ensino de algoritmos e programação, alguns alunos tendem a ir logo para a parte prática, esquecendo uma boa parte da abstração, que é a base de 91

qualquer disciplina de programação. Sendo assim, existe uma falta de experiência para desenvolvimento de aplicativos, o que dificulta o processo de

ensino/aprendizagem voltadas para a programação.

EP_28: Enfatizou a dificuldade do aluno para desenvolver nas linguagens C e Java. “Before taking this course, students generally have learned object-oriented programming language(s) such as C, Java, unfortunately they usually only know the language syntax but don’t have practical projects experiences.”

EP_37: Falta de experiência para desenvolvimento de software em equipe. “The greatest challenge for all groups was collaborating in a team to build a multi-component system. Even the most capable programmers had no prior experience of software development teams or multi-component system-building.”

EP_39: Os alunos não se interessaram muito pela teoria, visando apenas a prática da disciplina. “In the Java/C programming language environment, students usually have a tendency to jump directly from problem definition to implementation, skipping the abstraction/algorithmic problem-solving phase. This jump is strongly discouraged because it leads to poor programming habits that will be hard to change in the future.”

Cada evidência apresentou uma dificuldade distinta. Muitos alunos possuem bom conhecimento da teoria, no entanto, a prática para desenvolver projetos era a maior dificuldade, existe uma falta de experiência por parte dos alunos para o desenvolvimento, enquanto outros visaram apenas a parte prática da disciplina, esquecendo todo o referencial teórico que serve de base para entendimento do assunto.

Conhecimento da metodologia Muitos alunos não acreditavam na eficiência da metodologia pelo motivo da carga horária de trabalho que era imposta. Outros não tinham experiência 92

necessária em PBL para desenvolver ferramentas, ou fazer parte do processo de ensino/aprendizagem. Os autores perceberam que os alunos deveriam começar a ter um maior conhecimento da metodologia, como foi demonstrado nos estudos primários desse tópico.

EP_09: Falta de experiência com o processo de ensino/aprendizagem de PBL, que foi considerado um dos problemas do estudo primário. “All participants had considerable experience in user interface design courses, since that they had all attended the courses of: human-computer interaction, interaction design and multimedia design. However, they had limited experience in collaborative, PBL situations, mediated by VWs. Some of these obstacles are based on inherent deficiencies of the specific platform that we used and have been tackled in other multi-user virtual environments (e.g. the use of a shared whiteboard), while others are still open issues.”

EP_35: Desafios iniciais para os alunos que estavam no processo de ensino/aprendizagem com PBL. “ in o PBL environment, these students have to climb a stiff learning curve

and overcome much resistance that might pose challenges to students in the initial stage, and limit the potential effects of PBL.”

EP_39: Alguns alunos criticaram a carga de trabalho imposta pela disciplina. “The use of PBL was criticized by students due to the workload it imposed, but believed by the great majority as a positive contribution to their learning process.”

Como pode ser visto, a falta de conhecimento do método de PBL pode gerar algumas dificuldades para o andamento da disciplina. Alguns alunos não possuem conhecimento do método e acabam não acreditando em sua eficiência. Diante disso, notou-se a necessidade de expandir os conceitos relacionados de PBL para que os alunos e até os professores tenham um maior conhecimento sobre esse método, possibilitando cada vez mais a melhoria de PBL.

93

Tempo Outros autores classificaram como um desafio a falta de tempo para aplicar o processo durante o tempo disciplina, ou seja, o tempo disponível para cada disciplina não atende a necessidade do tempo proposto para a aplicação da metodologia. Para resolver tal problema, alguns autores propuseram mudanças nas cargas horárias de PBL. As evidências demonstram cada caso encontrado nos estudos primários.

EP_25: Devido às horas limitadas da disciplina, o plano de PBL não foi cumprido. “ traditional teaching method is more efficient in knowledge of teaching and

learning, in the contrast, PBL may be required of teachers and students to spend more time and spirit. Under the limited class hours, there may not be completed on time teaching plan in PBL. In this regard, we believe that make some appropriate additions and adjustments according to the actual class hour.”

EP_28: Consumo excessivo de tempo. “It is very time consuming, results in low learning efficiency.”

EP_40: Enfatizou na ordem dos tópicos que devem ser seguidos no processo, primeiro a teoria, depois a prática, sendo assim deve-se ter um planejamento de acordo com o tempo disponível da disciplina. “The main problem during all the process is the order in which the topics have to be introduced. Usually, and due to the timetable of the course, practical classes are introduced whilst theoretical concepts are explained in class.”

Os autores dos estudos primários acima enfatizaram a questão de falta de tempo, que o tempo disponibilizado pelas disciplinas não corresponde ao tempo de se aplicar o método PBL. A partir desse problema, percebe-se a necessidade de planejar a disciplina, para que sejam realizadas tanto a parte teórica como a parte prática.

94

Poucos bons problemas Pelo fato de precisarem de bons problemas para a implementação da prática, muitas vezes os professores recorrem a problemas reais, no entanto, o apoio de empresas é escasso, sendo assim, é se torna um pouco difícil propor bons problemas para implementar a metodologia Os estudos primários exemplificam a afirmativa acima com algumas evidências.

EP_42: Falta de bons problemas. “The net result means that there are few good PBL problems available to assist new practitioners with implementation. One of the major stumbling blocks to the implementation of PBL within any discipline is the lack of a good set of problems.”

EP_43: Falta de bons problemas voltados para a realidade. “Unfortunately, the adoption of real-world project is not always a feasible option. This is mostly due to difficulty in gaining access to suitable real-world organizations and resource constraints in managing the projects.”

Conforme visto na primeira categoria, a existência de bons problemas é pouca, o que é considerado com um desafio para a aplicação de PBL, visto que para a prática é necessário o uso de problemas voltados para a realidade, e com essa carência de bons problemas a prática não será tão eficiente.

Restrições na metodologia Como mostrado na evidência do EP_29, existem algumas restrições para a aplicação da metodologia, como por exemplo, falta de materiais didáticos, tipo de público, tempo limitado, dentre outros que são listados.

EP_29: “What challenges educators the most is often not the lack of teaching materials, but the constraints imposed upon a course. These include (1) type of audience, (2) the limited amount of time available for a prearranged set of course objectives, (3) a rigid curriculum, and (4) the choice of teaching methods.”

95

Variedade de conhecimento dos alunos O EP_14 apresentou um grande desafio para a aplicação da metodologia que é a variedade de conhecimento dos alunos, muito não possuem o conhecimento disponível oriundos de disciplinas anteriores, o que dificultou o processo de ensino/aprendizagem de outras disciplinas. EP_14: “The variety of student backgrounds had the potential to cause problems when teaching the module.”

Disseminação do conhecimento Ao utilizar a prática de divisão em grupos, nem todos os alunos aprendem de forma igual, visto que alguns assumem responsabilidades diferentes, o que dificulta a avaliação dos professores, pois os alunos não são avaliados igualmente.

EP_12: Dificuldade de avaliar de forma justa os integrantes do grupo. “It is common knowledge that tutors face difficulties in fairly assessing individuals within groups as some students choose not to contribute. These disagreements may lead to unwanted tensions within groups and may force some students to disengage and take the ‘free-rider’ route. Tutorials should address the range of things on which students may disagree.”

EP_28: Os alunos não desempenharam papéis iguais, o que pode dificultar a aprendizagem. “When organized as groups, students’ capability may not be developed equally. Some play a dominant role in the group, while others are there just to make up the number.”

Os dois desafios apresentados pelos estudos primários foram de grande relevância, o primeiro apresentou a dificuldade de avaliar de forma junta os alunos durante o processo de avaliação, pois alguns alunos podem ter resultados melhores que outros, mesmo fazendo parte de um mesmo grupo. E o segundo desafio foi referente à divisão de tarefas entre os integrantes do grupo, provavelmente algum aluno foi mais beneficiado que outros, devido à complexidade das tarefas a serem executadas. É preciso muito cuidado ao dividir as tarefas, os alunos devem realizar 96

trabalhos de complexidade parecida para que não haja diferença entre os conhecimentos adquiridos nem injustiça durante o processo de avaliação.

Uso de outras tecnologias Apesar de muitos autores citarem o uso de outras tecnologias como incentivo no processo de ensino/aprendizagem, alguns afirmaram que isso pode ser prejudicial para a aprendizagem, como mostrado no EP_36.

EP_36: “The combined use of interactive media and problem-based learning is complicated, since on their own each demand that staff and students possess a complex array of different teaching and learning capabilities.”

Interesse dos alunos em computação Alguns alunos não demonstraram interesse inicial pela área de Ciência da Computação, o que dificultou a implementação de um método diferente do tradicional. Além de conhecimento sobre o método PBL, o aluno também deve conhecer a área que deseja estudar, para que o processo de ensino/aprendizagem não seja tão árduo, e para que o aluno não apresente resistência sobre o método de ensino.

EP_46: “Not all the students have a natural interest in computer science, so the development of games and other forms of interactive media is used as a motivating drive to engage the students in learning both artistic as well as technical topics.”

Dificuldade nos objetivos alcançados e bons resultados Os estudos primários apresentados, explicaram a dificuldade de perceber se os objetivos são alcançados e se obteve bons resultados. Muitas vezes os professores não sabem como avaliar os alunos, e avaliar a eficácia da metodologia e se os alunos conseguiram alcançar os objetivos desejados.

EP_03: Dificuldade em determinar se as metas e os objetivos foram alcançados. 97

“The most difficult aspect of a problem-based learning course is determining if the desired goals and objectives have been achieved.”

EP_07: Enfatizou na dificuldade de fazer uma boa avaliação. “The real challenge is to make assessment a rewarding, challenging and even fun part of a similarly rewarding, challenging and fun learning experience. It is possible and achievable to improve the quality of teaching by using PBL in the future teaching.”

EP_11: Dificuldade em decidir a forma de avaliação e a eficácia dessa avaliação. “Besides the fundamental challenge of creating a good problem, educators are faced with the task of deciding how to evaluate the technique’s effectiveness and how to assess whether students have met the overall learning objectives for the course.”

Um dos grandes problemas citado pelos autores foi a dificuldade em avaliar e ter bons resultados, como também dificuldade em determinar se os objetivos foram alcançados. Esses problemas podem ser resultantes devido a falta de conhecimento de PBL, sendo necessário um estudo maior sobre o método e um maior entendimento em formas de avaliação que possam ser eficazes.

5.3

Discussão dos Resultados Obtidos

A partir dos gráficos desse capítulo, foi possível realizar algumas discussões a cerca dos resultados: • O gráfico dos tópicos da Categoria 1, referente as características da

metodologia PBL, apresentou 7 (sete) tópicos de características baseadas em Woods (1994) e Barrows (1996), e mostrou que 30% dos estudos primários consideraram que o foco de PBL está na resolução de problemas, ou seja, a essência da metodologia é referente a resolução de problemas, característica também citada por Woods (1994) e Barrows (1996). Outra característica também foi 98

muito discutida pelos autores, com 25% dos estudos da Categoria 1, foi o papel do professor, é de extrema importância deixar claro as atribuições do professor de acompanhar os alunos durante o processo de resolução do problema para que não haja uma quebra no processo de PBL. Alguns tópicos corresponderam a 10% dos estudos, como por exemplo: autores que enfatizaram que o problema deve dar inicio ao processo de ensino/aprendizagem, a existência da aprendizagem autodirigida, pois os alunos buscaram como resolver tal problema, colaboração entre os participantes pelo fato da turma ser dividida em grupos, e a aprendizagem em grupo, onde os alunos podiam compartilhar o conhecimento adquirido, discutir sobre as possíveis formas de resolução do problema, como também opinar sobre as diversas opiniões de outros alunos. O papel do aluno no processo de ensino/aprendizagem não foi muito discutido, e correspondeu apenas a 5% dos estudos classificados. Com essa categoria foi possível listar todas as características que condizem com o que foi definido tanto por Woods, no ano de 1994, como por Barrows, no ano de 1996. • No gráfico dos tópicos da Categoria 2 pôde ser observados 11 tópicos

referentes à efetividade da aplicação da metodologia, características descritas pelos autores que demonstraram a efetividade do PBL. Como abordado em um dos tópicos, é necessária a utilização de problemas reais para a prática da metodologia, o que facilita a interação do aluno com a realidade e facilita uma melhor identificação e resolução dos problemas, como foi abordado nos estudos primários que correspondem a 14,29% dos estudos dessa categoria. A Tabela 2, das evidências da Categoria mostrou que 35,7% dos estudos afirmaram que a efetividade do processo de ensino/aprendizagem se deu a partir do uso de outras abordagens, como por exemplo, a aprendizagem colaborativa e até o uso de linguagens que apóiam o ensino de PBL. A construção de aplicativos também foi considerada uma prática bastante eficaz, que correspondeu a 14,29% dos estudos dessa categoria. Outros assuntos também foram discutidos, mas não foram considerados tão relevantes, por serem poucos citados pelos estudos como: suporte de ferramentas e-learning, melhor ambientação para as aulas, lições de casa, competições, entre outros. • A Figura 6, do mapeamento por tópico de pesquisa da Categoria 3,

apresentou 5 (cinco) tópicos relacionados à aplicação da metodologia PBL na Ciência da Computação. Nesse tópico foram definidos 5 (cinco) critérios como o 99

objetivo de analisar como a metodologia realmente foi aplicada nos estudos primários selecionados. Com 34,4% dos estudos, o critério de Conteúdo apresentou como os conteúdos eram aplicados em diversas disciplinas, como por exemplo: engenharia de software, sistemas operacionais, programação, sistemas digitais e outras. O critério de Processo representou 27,66% dos estudos, onde foram discutidos os processos utilizados durante a aplicação de PBL, como critérios de avaliação e o passo-a-passo utilizado na metodologia. Com 21,3% dos estudos, foram apresentados diversos ambientes nos quais a metodologia foi aplicada, como por exemplo, os ambientes baseados em fábrica de software. O critério Papel do aluno/professor foi o menos discutido, com apenas 2,13% dos estudos dessa categoria. E 4,26% dos estudos apresentaram como o problema deveria ser proposto para dar inicio ao processo de ensino/aprendizagem. • Já na Figura 7, que representou o mapeamento por tópico da categoria

4, foram apresentados 8 (oito) tópicos que listaram as vantagens e os benefícios da utilização da metodologia, onde pôde ser destacado o desenvolvimento de diversas habilidades por parte do aluno, como por exemplo, feedback positivo dos alunos, facilidade de resolução de problemas, melhor preparação para o mercado de trabalho, melhoria do desenvolvimento de habilidades. Como tópico mais discutido, com 38,24% dos estudos primários classificados nessa categoria, a melhoria no desenvolvimento de diversas habilidades mostrou que os alunos ficaram aptos para uma melhor comunicação em grupo, uma melhor visão crítica, maior facilidade para resolução de problemas, como também um maior conhecimento nas disciplinas em questão. Outro tópico discutido e relevante foi a melhoria no desenvolvimento da prática de ensino onde ressaltou que o aluno pode praticar tudo aquilo que aprendeu na teoria, por estar totalmente focado em problemas reais e em como resolvê-los. Também foi discutido que a partir do processo de ensino/aprendizagem voltado para a prática e para problemas reais, o aluno se torna apto para o mercado de trabalho, com uma maior facilidade para identificação e resolução de problemas. Outros tópicos também foram destacados, como por exemplo: maior participação dos alunos em sala aula, aplicação da metodologia em outros cursos e feedback positivo por parte dos alunos, no que se refere à aplicação da metodologia. • Por fim, na Figura 8, do mapeamento dos tópicos da categoria 5, foram

listados os 11 tópicos que discutiram sobre os desafios encontrados durante o processo de aplicação da metodologia na área de Ciência da Computação. A Tabela 100

6 mostrou que apesar do uso de tecnologias resultarem em benefícios claros para a aplicação da metodologia, também pode ser considerado um desafio, como foi apresentado pelo EP_36. Os maiores índices de desafios foram apresentados nos tópicos: aplicação da metodologia, dificuldades em disciplinas, falta de tempo, objetivos alcançados e falta de crença e conhecimento da metodologia, todos com 13,04% dos estudos primários. Entre esses desafios o mais prejudicial foi a falta de crença e conhecimento da metodologia, pois atrapalha todo o processo de aplicação de PBL, visto que os alunos estão acostumados com o método tradicional de ensino. Sendo assim é necessário incentivar os alunos e passar mais informações a respeito da metodologia mostrando aplicações e bons resultados. Os outros tópicos variam entre 1 e 2 estudos primários.

101

Capítulo

6
Considerações Finais
O último capítulo dessa dissertação apresentou as considerações finais, compilou os resultados obtidos e propôs oportunidades de trabalho futuro identificadas. O capítulo foi divido da seguinte maneira: Desafios encontrados na pesquisa, Conclusões e Trabalhos futuros.

6.1 Desafios encontrados na pesquisa

Dentre os desafios identificados no decorrer desta pesquisa, pôde-se dizer que o mais impactante tenha sido relacionado com as buscas realizadas. O estudo se baseou em quatro engenhos e o processo de filtragem foi automatizado, é possível que estudos relevantes possam ter ficado de fora dessa filtragem inicial, tendo em vista que cada engenho tem suas próprias regras de extração e classificação de artigos, independemente da utilização da mesma string de busca em todos os engenhos. Tendo em vista que a string de busca tenha sido construída baseada em palavras-chaves, estudos podem ter ficado de fora por conterem palavras sinônimas não mensuradas, termos criados recentemente e traduções de para o inglês. Alguns estudos mais recentes podem estar ausentes porque os motores de busca podem não ter indexá-los. Um dos engenhos utilizados de busca na pesquisa, forneceu restrições em termos de download, onde se teve a restrição de 11 artigos que não puderam ser baixados. Foi realizada a análise desses artigos baseado na leitura dos resumos e pôde-se identificar que apenas 3 artigos destes, seriam relevantes para a pesquisa. Alguns engenhos de busca não apresentaram nenhuma forma de selecionar os 102

estudos de uma só vez, onde foi necessário selecionar estudo por estudo para poder obter as informações necessárias para o preenchimento das planilhas. Os engenhos de busca também não permitiram o download de vários estudos ao mesmo tempo, onde também, foi preciso fazer um download de cada vez. Mesmo a string de busca tendo sido construída com foco nas áreas de computação, mostrou resultados de artigos em diversas áreas tais como engenharias e saúde, tendo em vista que essas áreas já utilizam a metodologia de PBL a mais tempo, por esse motivo foi obtido um número baixo de estudos para serem analisados. Os artigos de outras áreas serviram para aprofundar o referencial teórico deste trabalho, pois mostraram o estado da arte.

6.2 Conclusões

Este trabalho realizou um mapeamento sistemático, identificando as principais caraterísticas do uso de PBL na área de Ciência da Computação. Após a avaliação inicial de 2.464 artigos, foram selecionados 52 estudos primários relevantes para a pesquisa. Foram utilizadas cinco questões de pesquisa, que possibilitou que o encontrasse evidências de forma satisfatória, mostrando que a maioria das aplicações da metodologia de PBL foram voltadas para a aplicabilidade nas disciplinas de Engenharia de Software e Programação. O processo de mapeamento foi quantificado e especificado, de forma que torna mais fácil a realização de trabalhos futuros, utilizando as evidências encontradas. Dos quatro engenhos de busca utilizados neste trabalho, O IEEE foi o que obteve o maior número de estudos primários, totalizando um número 13 artigos para análise. Dentre todos os estudos relevantes identificados na pesquisa, os principais beneficios foram, desenvolvimento de diversas habilidades para resolução de problemas reais, trabalho em grupo, autonomia na aprendizagem e aperfeiçoamento das habilidades de comunicação em grupo. Dentro evidências identificadas, foi possível obter respostas para as questões de pesquisa que foram propostas no início do trabalho. A primeira questão foi sobre as características encontradas nos estudos, onde foi encontrado: aprendizagem em grupo, colaboração entre participantes, aprendizagem auto-dirigida, foco na resolução de problemas, entre outros. A segunda questão abordou a efetividade da metodologia PBL no ensino da Computação e foi obtido como resposta: uso de 103

diversas

abordagens,

trabalho

em

grupo,

utilização

de

problemas

reais,

desenvolvimentos de jogos, e outros. Já a terceira questão abordou como a metolodogia era aplicada, se baseando em 5 critérios: processo, conteúdo, papel do aluno/professor, ambiente e problema. Foi encontrado como resposta a aplicação de PBL em diversas disciplinas, vários ambientes que incentivam o ensino, como por exemplo as fábricas de software, e diversos processos de avaliação, tanto dos alunos como da aplicação da metodologia. A quarta questão de pesquisa procurou pelas vantagens e pelos benefícios para a aplicação de PBL, e obteve-se como resposta: melhoria no desenvolvimento de habilidades, melhor preparação para o mercado de trabalho, melhor gerenciamento do tempo de estudo, facilidade na identificação e resolução de problemas. Por fim, na quinta questão de pesquisa, foi identificado os principais desafios encontrados na aplicação de PBL, como por exemplo: poucos bons problemas, restrições na metodologia, tempo, uso de outras tecnologias, aplicação e conhecimento da metodologia. A partir de todas as evidências analisadas, foi possível concluir que a metodologia de PBL vem sendo aplicada na área de Ciência da Computação, tendo uma grande aceitação por parte de professores e alunos e facilitando a melhoria do ensino e a formação de profissionais com uma visão mais ampla dos problemas reais na área de Ciência da Computação. No entanto ainda é preciso discutir mais sobre o assunto, principalmente apresentar bons resultados a partir da aplicação da metodologia com o intuito de disseminar pontos positivos desse método e aumentar a crença tanto dos educadores como também dos alunos que não possuem conhecimento nem entendimento sobre PBL.

6.3 Trabalhos Futuros

Os resultados obtidos por este estudo, serão compilados e estruturados como referência, dando suporte à criação de um Framework que servirá para que o grupo de pesquisa N.E.X.T – iNnovative Educacional eXperience in Technology

(http://cin.ufpe.br/~next/) - venha a utilizar em pesquisas que trate de situações reais de ensino e aprendizagem. Tendo em vista que existem diferentes abordagens pedagógicas no processo de ensino e aprendizagem, como trabalho futuro, pretende-se identificar as principais abordagens pedagógicas já consolidadas e que possam vir a serem 104

utilizadas junto a meotologia de PBL, para tal será feito um estudo de diferentes abordagens já existentes e identificado características em comum com a metodologia de PBL. Por fim, pretende-se sintetizar este trabalho em formato de artigos para publicações em diversas conferencias e periódicos tais como: CBIE – Congresso Brasileiro de Informática na Educação, SITE - Society for Information Technology and Teacher Education Conference, ICCE – International Conference on Computers in Education e a Revista Brasileira de Informática na Educação.

105

Bibliografia
ALESSIO, H. Student Perception About and Perfomance in Problem Based Learning, 2004. ANDRADE, G. P. et al. Aplicação do Método PBL no Ensino de Engenharia de Software: Visão do Estudante., 2007. ARKSEY, H.; O'MALLEY, L. Scoping Studies: Towards a Methodological Framewrok, 2005. BACH, J. SE education: we`re on our own, 1997. BARROWS, H. S. How to design a problem-based curriculum for the pre-clinical years, 1985. BARROWS, H. S. Problem Based Learning in Medicine and Beyond, 1996. BARROWS, H. S. Problem Based Learning (PBL), 2001. BARROWS, H. S.; TAMBLYN, R. M. Problem Based Learning: An Approach to Medical Education, 1997. BOUD, D.; FELETTI, G. The Challenge of Problem Based Learning. 2ª Edição. ed. [S.l.]: London: Kogan Page, 1997. BRERETON, P. et al. Lessons from applying the systematic literature review process within the software engineering domain, 2006. BUDGEN, D. et al. Using Mapping Studies in Software Engineering, 2010. COLES, C. R. Is problem-based learning the only way?, 1991. DESLISLE, R. How to use problem-based learning in the classroom. Alexandria: ASCD, 1997. DUCH, B. J.; GROH, S. E.; ALLEN, D. E. The Power of Problem-Based Learning, 2001.

106

HUANG, H.; YANG, D. Teaching Design Patterns: A Modified PBL Approach, 2008. KITCHENHAM, B. Guidelines for performing Systematic Literature Reviews in Software Engineering, 2007. KITCHENHAM, B. What’s up with software metrics? – A preliminary mapping study, 2009. KITCHENHAM, B. A. et al. Refining the systematic literature review process—two participant - observer case studies., 2010. KITCHENHAM, B.; BRERETON, P.; BUDGEN, D. The Educational Value of Mapping Studies of Software Engineering Literature, 2010. MAFRA, S. N.; TRAVASSOS, G. H. Técnicas de Leitura de Software: Uma Revisão Sistemática, 2007. MARTIN, K.; CHINN, D. Collaborative, Problem-Based Learning in Computer Science, 2005. MARTINS, J. S. Projetos de Pesquisa: estratégias de ensino e aprendizagem. 2ª Edição. ed. Campinas: [s.n.], 2007. MICHEL, B. C.; CECHINEL, C.; NÓBREGA, T. R. Prática Integrada: Uma Abordagem Didático-Pedagógica Baseado em Projetos Colaborativos, 2008. MILTER, R. G.; STINSON, J. E. Educating leaders for the newcompetitive environment., 1995. NURAINI, C. K. et al. Alcomputerized of Assessment Technique in Problembased Learning (PBL) for Teaching Human Computer Interaction (HCI): Case Study on User Interface Design. International Conference on Information and Multimedia Technology. [S.l.]: [s.n.]. 2009. PENG, W. Practice and Experience in the Application of Problem-based Learning in Computer Programming Course. International Conference on Educational and Information Technology. [S.l.]: [s.n.]. 2010. PETERSEN, K. et al. Systematic Mapping Studies in Software Engineering, 2007. 107

PETERSON, M. Skills to Enhance Problem Based Learning, 1997. PETTICREW, M.; ROBERTS, H. Systematic Reviews in the Social Sciences: A Practical Guide. [S.l.]: Blackwell Publishing, 2006. RIBEIRO, L. R. C. A aprendizagem baseada em problemas (PBL): Uma implementação na educação em engenharia na voz dos atores, 2005. RIBEIRO, L. R.; MIZUKAMI, M. G. N. A PBL na Universidade de New Castle: Um modelo para o ensino de engenharia no Brasil. XXXII COBENGE. Brasília: [s.n.]. 2004. RICHARDSON, I. et al. Educating Software Engineers of the Future: Software Quality Research through Problem-Based Learning. Conference on Software Engineering Education and Training. [S.l.]: [s.n.]. 2011. RICHARDSON, I.; DELANEY, Y. Problem Based Learning in the Software Engineering Classroom. Conference on Software Engineering Education and Training, 2009. SANTOS, S. C. et al. Applying PBL in Software Engineering Education, 2010. SAVERY, J. R.; DUFFY, T. M. Problem Based Learning: An Instruction Model and its Constructivist Framework, 1995. SAVIN-BADEN, M. Problem Based Learning in Higher Education: Untold Stories, 2000. SCHMIDT, H. G. Foundations of Problem-Based Learning: Some Explanatory Notes, 1993. SEABERRY, J. Introduction Problem Based Learning into Qualitative Analyses: A Primer Guide and Literature Review, 2002. TIEN, C.; CHU, S.; LIN, Y. Four Phases to Construct Problem-Based Learning Instruction Materials., 2005. TYNALA, P. Towards expert knowledge? A comparison between constructivist and a traditional learning environment in the university, 1999. 108

WOODS, D. R. Problem-based learning: How to gain the most from PBL, 1994. YATES, W. R.; GERDES, T. T. Problem Based Learning in Consultation Psychiatry, 1996.

109

APÊNDICES

110

APÊNDICE A – ESTUDOS PRIMÁRIOS
EP EP_01 TÍTULO A case study of Problem-Based Learning instruction design under web-based environment A learning approach based on robotics in Computer Science and Computer Engineering A multidisciplinary cooperative problem-based learning approach to embedded systems design A New Theoretical PBL Model for MIS Course Design and Research EP_04 EP_05 EP_06 A Research of PBL Platform for E-education Based on Embedded Recording and Broadcasting System Active learning through problem based learning methodology in engineering education Alcomputerized of Assessment Technique in Problem-Based Learning (PBL) for Teaching Human Computer Interaction (HCI): Case Study on User Interface Design EP_07 An eLearning Standard Approach for Supporting PBL in Computer Engineering EP_08 EP_09 EP_10 EP_11 EP_12 EP_13 EP_14 EP_15 EP_16 An Exploratory Study of Problem-Based Learning in Virtual Worlds Applying PBL in Software Engineering Education Assessment and evaluation in problem-based learning Benefiting from electronically blurred boundaries between students and academics in problem based learning Building up Problem-Based Learning Platform Based on J2EE Educating software engineers of the future: Software quality research through problem-based learning Framework of a Reflective E-portfolio Supported by Outcome Based Education and Problem Based Learning Implementing problem-based learning in an online class Incorporation of Internet distance education and problem based learning to facilitate creativity and problem solving ability of learners-Based on a RFID course EP_17 EP_18 EP_19 MALESAbrain for problem-based learning in IT education Measuring students' intention in using network simulation tools for problem-based learning using TAM Model Driven Development of Cooperative Problem-Based Learning Situations Implementing Tools for Teachers and Learners from Pedagogical Models EP_20 EP_21 EP_22 EP_23 EP_24 Product-based learning in software engineering education 2009 Peer evaluation and Peer review to support PBL teamwork Practice and experience in the application of problem-based learning in computer programming course Problem Based Learning: A review of the monitoring and assessment model 2010 2010 2010 2005 2010 2005 2011 2009 1997 2009 2009 2011 2010 2010 2010 2009 2010 2009 2009 ANO 2010 2010 1998 2011

EP_02 EP_03

111

Research on teaching operating systems course using problem-based learning EP_25 EP_26 EP_27 EP_28 EP_29 EP_30 EP_31 EP_32 EP_33 EP_34 The Facilitator-Supported Online Method: Using Problem-Based Remote Learning Techniques for Engineering Students The integration of problem-based learning and problem-solving tools to support distributed education environments Toward Social Learning Environments Work in progress - a mobile computing collaborative framework for problem-based learning environment Applying web-enabled self-regulated learning and problem-based learning with initiation to involve low-achieving students in learning Harmonizing technology with interaction in blended problem-based learning EP_36 EP_37 EP_38 EP_39 EP_40 Resources, tools, and techniques for problem based learning in computing EP_41 EP_42 EP_43 EP_44 Problem-based learning and self-efficacy: How a capstone course prepares students for a profession yPBL methodology: a problem-based learning method applied to Software Engineering RoboCode& problem-based learning a non-prescriptive approach to teaching programming Training students to be innovative information systems developers synergizing Building a search engine to drive problem-based learning Collaborative, problem-based learning in computer science Evaluating the impact of PBL and tablet PCs in an algorithms and computer programming course Mixed-project-based learning methodology in computer electronic engineering Research on the pedagogies of computer science Riding the wave of new strategies in engineering education Teaching Design Patterns: A Modified PBL Approach Teaching Object-Oriented Software Engineering through Problem-Based Learning in the Context of Game Design Techniques for providing software engineering education to working professionals

2010 2010 1999 2008 2008 2004 2010 2002 2008 2005

EP_35

2009 2010 2006 2005 2010 2005 1998 2006 2009 2005 2010

EP_45 Problem Based Game Design - Engaging Students by Innovation EP_46 2000 EP_47 EP_48 EP_49 EP_50 Portraits of PBL: Course objectives and students’ study strategies in computer engineering 2006 CPM: A UML profile to design cooperative PBL situations at didactical level Benefiting from electronically blurred boundaries between students and academics in problem based learning Teaching Object-Oriented Software Engineering through Problem-Based Learning in the Context of Game Design 2009 2008 2011

112

EP_51 EP_52

The Facilitator-Supported Online Method: Using Problem-Based Remote Learning Techniques for Engineering Students Teaching Design Patterns: A Modified PBL Approach

2010 2008

113

APÊNDICE B – ESTUDOS EXCLUÍDOS
ANO TÍTULO AUTORES MOTIVOS DE EXCLUSÃO Foca em uma visão geral de tecnologias de hardware e software para o ensino pré universitário de engenharia. ENGENHO

Educational Technologies for Precollege Engineering 2011 Education Initiation Steps towards Generating Integrated Computer Supported Environment for Project2009 Based Learning Using knowledge building to support deep learning, collaboration and innovation in 2010 engineering education

Riojas, M. and Lysecky, S. and Rozenblit, J.

IEEE

Basiri, K. and Iahad, N.A.

Foca em aprendizagem baseada em projetos.

IEEE

Ellis, G.W. and Rudnitsky, A.N. and Moriarty, M.A.

Foca em outros tipos de engenharia, e não na engenharia de software.

IEEE

Evaluation of Methodology PBL Done 2010 by Students

Amante, B. and Lacayo, A. and Pique, M. and Oliver, S. and Ponsa, P. and Foca em aprendizagem Vilanova, R. baseada em projetos. Foca em um projeto de engenharia eletrônica, além de ser aprendizagem baseada em projetos.

IEEE

2010

2011

2003

2011

2010

An approach to applying Project-Based Learning in engineering courses Project-based learning and its application in markeing research teaching Innovation and education in the digital age: reconciling the roles of pedagogy, technology, and the business of learning A Dynamic Social Feedback System to Support Learning and Social Interaction in Higher Education Student experience in using Project-based Learning (PBL) in higher education

Fernandez-Samaca, L. andRami´ andrez, J.M.

IEEE

Zheng, Changjuan and Wu, Lijuan and Wang, Xingang

Foca em aprendizagem baseada em projetos.

IEEE

Friedman, R.S. and Deek, F.P.

Thoms, B.

Foca no ensino e inclusão digital e virtual do uso da tecnologia da informação em ambientes acadêmicos. IEEE Foca em uma ferramenta com mecanismos de feedback de aprendizagem em geral, aplicado em algumas faculdades. IEEE

Jingxuan Wu and Lei Fan

Process Management Model for Higher Education: Improvement of educational programs Llamosa-Villalba, 2010 in software quality R.andAceros, S. Martinez-Mones, A. and Multiple Case Studies to Gomez-Sanchez, E. and Enhance Project-Based Dimitriadis, Y.A. and JorrinLearning in a Computer Abellan, I.M. and Rubia-Avi, 2005 Architecture Course B. and Vega-Gorgojo, G. Improving undergraduates' teamwork skills by 2010 adapting project-based Huang Jun

Foca em aprendizagem baseada em projetos. Foca em um Modelo de Gestão de Processos de Ensino Superior, promovendoo estabelecimento de um ambiente de melhoria de processos em programas de ensino superior de engenharia

IEEE

IEEE

Foca em aprendizagem baseada em projetos.

IEEE

Foca em aprendizagem baseada em projetos.

IEEE

114

learning methodology How to motivate students in project 2002 based learning A Constrained and Guided Approach for Managing Software Engineering Course 2010 Projects

Pucher, R. and Mense, A. and Wahl, H.

Yung-Pin Cheng and Lin, J.M.-C.

Foca em aprendizagem baseada em projetos. Foca em uma experimentação para organização e gestão de projetos em cum curso de engenharia de software. Foca em aprendizagem baseada em projetos.

IEEE

IEEE IEEE

Project-based teaching McDermott, K.J. and 2007 in engineering programs Nafalski, A. and Gol, O. Purao, S. and Vaishnavi, V. and Bagby, J. and Borthick, Using Problems to F. and Cameron, B. and Learn Service-Oriented Lenze, L. and Sawyer, S. 2008 Computing and Suen, H. and Welke, R. Technology enhanced Amato, A. and Thilakaratne, construction technology R. and Henri, J. and 2004 teaching Trinidad, S. Quality assurance in a student-based agile software engineering Marrington, A. and Hogan, 2005 process J.M. and Thomas, R.

Foca em problemas de computação orientada a serviços. Voltado pra o estudo de arquitetura.

IEEE

IEEE

Baseado em práticas de qualidade em um processo de desenvolvimento. IEEE

Applying Project-Based Learning to Product 2010 Design Teaching

Remote collaborative teaching for computer 2002 science Problem-based engineering design and assessment in a digital 1997 systems program Women in Engineering: Exploring the Effects of Project-Based Learning in a First-Year Undergraduate 2006 Engineering Program

Não foca na area de computação, e sim na área de design de produtos, alem de ser aprendizagem Ning Bin Yang baseada em projetos. Foca em experimentos usando tecnologias da internet para superar Fuller, A. and McFarlane, P. desvantagens no ensino das and Lam, K. universidades ocidentais.

IEEE

IEEE

Maskell, D.

Voltado pra o curso de graduação em engenharia. Foca num experimento de groundedtheory sobre PBL em um curso de engenharia, focando em comparações de experiencias femininas. PBL focada em desenvolvimento de dispositivos móveis, PDA e smartphone. Foca em uma aprendizagem auto-dirigida aplicada em um projeto de aplicação web.

IEEE

Zastavker, Y.V. and Ong, M. and Page, L. Wattinger, C. and Nguyen, D.P. and Fornaro, P. and Guggisberg, M. and Gyalog, T. and Burkhart, H.

IEEE

2006

2004

2010

2009

Problem-Based Learning Using Mobile Devices Student-directed learning in a graduate software engineering course An open-ended experiment-projectbased learning mode for information and computational science Attitudes towards Knowledge Transfer in the Context of Web Problem-Based Learning Integrated Circuits Course From

IEEE

Ellis, H.J.C.

IEEE

Cen Gang and LuoJunyan and Zhang Shaolin

Foca em aprendizagem baseada em projetos.

IEEE

Kuo-Hung Tseng and ChiCheng Chang and Yen-Hao Chen and Shi-Jer Lou and Yeh, R.C.

Foca em problemas de pobreza em Taiwan, e mostra com o uso de PBL pode ajudar no aprendizado e conhecimento. IEEE

115

the Perspective of High School Students

2010

2010

2011

2011

2011

2011

2010

2010

2009

2008

2007

Competitive and agile software engineering education ATE sustainment in a PBL environment: Effective methods for long term supportability of modern cots based ATE Does social computing provide satisfaction for modern learner? Engineering education research to practice (E2R2P): NSF GRANT 1037808 Review of research: Teaching and learning argumentative reading and writing: A review of research Using collaborative teaching and inquiry project-based learning to help primary school students develop information literacy and information skills Learning motivation in elearning facilitated computer programming courses Some internet-based strategies that help solve the problem of teaching large groups of engineering students Initiation steps towards generating integrated computer supported environment for projectbased learning The contribution of project-based-learning to high-achievers' acquisition of technological knowledge and skills An evaluation method of project based learning on software development experiment

Watkins, K.Z. and Barnes, T.

Mostra os resultados de aprendizagem de 2 cursos de engenharia de software, no entanto, não apresenta nenhuma metodologia.

IEEE

Bieber, H.

Foca em testes automáticos e funcionalidades dos testes. IEEE

Pilav-Velic, A., Habul, A.

Irrelavante

SCOPUS

Villachica, S.W., Plumlee, D., Huglin, L., Borresen, D.

Irrelavante

SCOPUS

Newell, G.E., Beach, R., Smith, J., Vanderheide, J.

Foca em leitura argumentativa e práticas da escrita.

SCOPUS

Chu, S.K.W., Tse, S.K., Chow, K.

Abordagens de TI para alunos de escolas primárias.

SCOPUS

Law, K.M.Y., Lee, V.C.S., Yu, Y.T.

Mompo, R., Redoli, J.

Foca na aprendizagem de programação com e-learning. Foca em programas de ensino baseados em elearning e utilização de ferramentas da internet, para o ensino.

SCOPUS

SCOPUS

Basiri, K., Iahad, N.A.

Foca em aprendizagem baseada em projetos.

SCOPUS

Mioduser, D., Betzer, N.

Foca em aprendizagem baseada em projetos.

SCOPUS

Matsuura, S. Dym, C.L., Agogino, A.M., Eris, O., Frey, D.D., Leifer, L.J. Doppelt, Y.

Foca em aprendizagem baseada em projetos. Foca em aprendizagem baseada em projetos. Foca em aprendizagem baseada em projetos.

SCOPUS

Engineering design thinking, teaching, and 2006 learning Implementation and 2003 assessment of project-

SCOPUS SCOPUS

116

based learning in a flexible environment

117