Você está na página 1de 21
PENA DE MORTE Conceitos, Estatísticas e Discussões Manaus 2010

PENA DE MORTE

Conceitos, Estatísticas e Discussões

Manaus

2010

IDEALIZADORES

CAROLINA JEAN PINHEIRO CAROLINA DE SOUZA OLIVEIRA ELOÍSA FERREIRA FORMIGA FRANCISCO HEUDES DA SILVA FERREIRA JULIO SILVA DO ESPÍRITO SANTO LUCIA MARIA ALVES DE ALMEIDA MAYCOM MARINHO LOPES MOZANIL CORREA PANTOJA

RAMON

Prof. Paulo Ricardo Freire

PENA DE MORTE

TÓPICOS ABORDADOS

Conceito de Pena de Morte;

Contexto sócio-histórico;

A adesão mundial e estatísticas;

Métodos de execução, apelações e clemências;

Argumentos favoráveis e contrários;

O caso “Pedófilo de Luisiania”;

Vídeo de Opinião;

Debate.

PENA DE MORTE

O QUE SIGNIFICA ?

Pena de morte consiste na privação da vida do condenado por um delito que a lei sanciona como a referida condenação.

PENA DE MORTE

CONTEXTO SÓCIO-HISTÓRICO

Sua aplicação vem desde épocas remotas, tendo surgido entre as primeiras civilizações. Conforme o desenvolvimento da humanidade sua prática tem sido banida e a tendência é que sua aplicação seja reduzida. Durante muito tempo ela foi aplicada de modo consensual e acabava por se transformar em espetáculos públicos.

PENA DE MORTE

ADESÃO MUNDIAL

PENA DE MORTE ADESÃO MUNDIAL Abolida para todos os crimes Pena de morte legalizada Legalizada para

Abolida para todos os crimes Pena de morte legalizada Legalizada para crimes cometidos apenas em circunstâncias excepcionais Abolida na prática mas legal

PENA DE MORTE

O QUE DIZEM OS DADOS?

80%

70%

60%

50%

40%

30%

20%

10%

0%

76% 62% 33% 20% 4% 5% A Favor Contra Sem Opinião Feminino Masculino
76%
62%
33%
20%
4%
5%
A Favor
Contra
Sem Opinião
Feminino
Masculino

80%

70%

60%

50%

40%

30%

20%

10%

0%

73% 55% 41% 23% 4% 4% A Favor Contra Sem Opinião Branco Negro
73%
55%
41%
23%
4%
4%
A Favor
Contra
Sem Opinião
Branco
Negro

*Pesquisa realizada em Outubro de 2007 com 1.010 cidadãos maiores de 18 anos nos Estados Unidos.

PENA DE MORTE

O QUE DIZEM OS DADOS?

Em 2005 dos 3.320 condenados a PM nos Estados Unidos:

65% deles já haviam sido condenados por outros crimes;

8,4% já haviam sido condenados por homicídio;

7,8% tinham processos criminais em trâmite na época do novo crime cometido;

26,7% estavam em regime semi-aberto;

4,9% tinham fugido da prisão;

14% tinham acumulado mais de uma sentença a pena de morte;

22% eram casados, 21% divorciados e 3% viúvos.

54% nunca haviam se casado;

46% possuíam ensino médio ou superior.

PENA DE MORTE

O QUE DIZEM OS DADOS?

Corredor da Morte em 2008 por raça

2,20%

41,70%

56,10%

Brancos

Negros

Outras raças

Corredor da Morte em 2008 por sexo

1,80%

Homens

98,20%

Mulheres

Fonte: Capital Punishment 2008 – Statistic Tables, Bureau of Justice Statistics. Dezembro, 2009.

PENA DE MORTE

O QUE DIZEM OS DADOS?

Corredor da Morte em 2008 por escolaridade

9,20%

40,80%

13,50%

36,50%

Até 8ª série 9ª a 11ª série Ensino Médio Ensino Superior

Fonte: Capital Punishment 2008 – Statistic Tables, Bureau of Justice Statistics. Dezembro, 2009.

PENA DE MORTE

MÉTODOS DE EXECUÇÃO

Afogamento

Esmagamento

Apedrejamento

Flechas

Arrancamento

Fogueira

Cadeira Elétrica

Fuzilamento

Câmara de Gás

Inanição

Decapitação

Injeção Letal

Degola

Perfuração do Ventre

Empalação

Precipitação

Enforcamento

Retalhamento

Enfossamento

Roda

Esfolamento

Vergastação

PENA DE MORTE

APELAÇÕES

Há garantia de apenas uma apelação para o réu. Existe também a chance do caso ser reavaliado e invalidado até o perído do julgamento.

CLEMÊNCIA

O Presidente possui poder para perdoar o crime cometido.

PENA DE MORTE

ARGUMENTOS FAVORÁVEIS

1. Existem delitos tão hediondos onde só a morte é capaz de punir o delinqüente;

2. A

sociedade

não

tem

obrigação

de

sustentar

criminosos presos;

3. Apenas a pena de morte é capaz de dar exemplo e coibir futuros crimes.

PENA DE MORTE

ARGUMENTOS CONTRÁRIOS

1. Ninguém tem o direito de privar o outro da vida;

2. A pena perpétua é suficiente para a coerção do criminoso possibilitando, inclusive, sua recuperação;

3. A

a

pena

capital

não

consegue

erradicar

criminalidade.

PENA DE MORTE NO BRASIL

A Pena de Morte existiu enquanto colônia de Portugal;

1830, após a Independência, a Pena de Morte foi inserida no Código do Império;

Ultima execução no Brasil Império foi em 1855, Mota Coqueiro.

1890, após a Proclamação de Republica a

Pena de Morte foi abolida, salvo em casos

de guerra, hoje prevista no Art. 5, inciso

XLVII da Constituição Federal.

PENA DE MORTE NO BRASIL

Informações relevantes

* Um preso custa ao Brasil em média R$ 1.500,00.

* No Brasil, o número de presos

aumentou 100% nos últimos 10 anos.

* Índice de reincidência criminal no país é de 85%.

PENA DE MORTE NO BRASIL

• Crimes Hediondos no Brasil

PENA DE MORTE NO BRASIL • Crimes Hediondos no Brasil O caso dos seis jovens assassinados
PENA DE MORTE NO BRASIL • Crimes Hediondos no Brasil O caso dos seis jovens assassinados

O caso dos seis jovens assassinados em Luziania- Goiás.

PENA DE MORTE NO BRASIL

VIDEO

PENA DE MORTE NO BRASIL

DEBATE

• Contra ou a favor?

• É uma solução viável no país?

• Resolveria o problema da criminalidade?

• É uma forma justa de punição?

PENA DE MORTE NO BRASIL

PENA DE MORTE NO BRASIL

Referências

CLARK, County Prosecuting Attorney. Public Opinion Polls. Disponível em:

<http://www.clarkprosecutor.org/html/death/opinion.htm>. Acessado em:

31/05/2010.

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA. Capital Punishment, 2008 - Statistical Tables. Disponível em: <www.ojp.usdoj.gov/bjs>. Acessado em 31/05/2010.

FERREIRA, Carlos Lélio Lauria. A Falácia da Pena de Morte. Disponível em:

<http://www.internext.com.br/valois>. Acessado em: 31/05/2010.

LEMGRUBER, Julita. Controle da Criminalidade: mitos e fatos. São Paulo: Instituto Liberal, 2001.

MARTINS, Francisco. Direitos Humanos - Pena de Morte. Disponível em:

<http://www.notapositiva.com/trab_estudantes/trab_estudantes/filosofia/filosofia_t rabalhos/penademorte.htm>. Acessado em: 16/06/2010.

SOUSA, Bruna Maggi de Sousa. A Pena de Morte no Brasil. Disponível em:

<http://www.buscalegis.ufsc.br/revistas/index.php/buscalegis/article/viewFile/13427/1

2991>. Acessado em: 31/05/2010.