Você está na página 1de 13

Ética e Estética em "O Retrato de Dorian Gray

"

Biografia

- Oscar Fingal O'Flahertie Wills Wilde nasceu em 16 de Outubro de 1854, em Dublin. Filho de intelectuais irlandeses, desde a infância teve uma educação refinada. Estudou nas universidades de Trinity e Oxford, sendo que na última conheceu Walter Pater, cujos estudos sobre a Renascença, que enfatizavam o sensualismo, exerceram profunda influência sobre Wilde.

- Participou do movimento esteticista, que defendia visões subversivas sobre arte e sociedade. Aos 30 anos, casou-se com Constance Lloyd. Trabalhou como crítico de arte na década de 1880.

- Ganhou fama inicialmente por sua oratória sarcástica e envolvente e por seus gostos e vestes extravagantes. Porém, suas peças de teatro e contos começaram a ser reconhecidos. Seu único romance, “O Retrato de Dorian Gray”, foi um sucesso comercial. Wilde foi um artista que (deliberadamente) chocou a sociedade vitoriana, e também obteve popularidade em Paris.

- A partir de 1891, desenvolveu um relacionamento com Alfred Douglas, 16 anos mais jovem que ele. Foi um caso turbulento, com muitas separações e reconciliações. Incentivado por “Bosie”, o autor envolveu-se com gays prostitutos do underground londrino.

- Acusado de sodomia pelo marquês de Queensbery, pai de Douglas, foi levado a julgamento. A vida íntima de Oscar Wilde foi devassada, com provas (cartas, principalmente) expostas ao longo do tribunal. Foi preso em 1895,

(.” (pp.. foi profundamente inspirado pelas ideias de Lorde Henry. a qual coloca a beleza como prioridade. o escritor exilou-se em Paris. pautar-se por valores tidos como elevados). Seu livro.. Interpretação . 138) . . Costumava excitar a minha imaginação. assim como o Narciso mítico. É fútil e estúpida. matou o meu amor. Ao longo da obra.) Toda arte é essencialmente inútil. chamava-se esteticismo ou dandismo. Eu amava-a porque era maravilhosa. Agora nem sequer excita a minha curiosidade. porque possuía gênio e inteligência. torna-se progressivamente orgulhoso e preocupado apenas com seus próprios prazeres e caprichos. mas quanto à forma (levar a uma experiência artisticamente agradável e prazerosa).gritou ele -. “Sim . (. Dali em diante. portanto. Com isso. como no seu ode à juventude. em defesa daquilo que. Não exerce qualquer efeito em mim. Um livro ou é bem ou mal escrito.7-9). vítima de meningite cerebral.condenado a dois anos de trabalhos forçados. Dorian começa a entender todos os elogios e bajulações que costumavam lhe fazer. Porém. porque realizava os sonhos dos grandes poetas e dava forma e substância às sombras da arte. à época. Meu Deus! Que louco fui em amá-la!” (p.) Não existem livros morais nem livros imorais. torna-se um autêntico narcisista. Depois que foi libertado.Dorian Gray: um jovem de extraordinária beleza. Além disso..O prefácio de “O Retrato de Dorian Gray” é tido como um manifesto artístico. que. o autor dirige-se ao leitor propondo uma ética diferenciada em sua obra. Seu relacionamento curto e traumático com Sibyl Vane é um exemplo disso. aquilo que é inutilidade na perspectiva burguesa não o é para o esteta. não era autoconsciente dela. Agora deitou tudo a perder.. “O artista é criador de beleza. não deveria ser avaliado quanto à edificação (ensinar o Bem. quando seu amigo pintor Basil produz um quadro para o qual ele foi modelo. Além do mais. Faleceu em 30 de Novembro de 1900.

Para melhor o censurar. .Que dizem eles de nós? . .. .A frase é de sua autoria. Está sempre criticando acidamente os hábitos e costumes de sua época. É demasiado verdadeira. .Não gosta então do seu país”? . na separação radical entre vida pública e privada e na filantropia). marcada pela hipocrisia (por exemplo. e é autoindulgente quanto a isso.perguntou-lhe.Não poderia usá-la.Que Tartufo emigrou para Inglaterra e abriu uma loja.Ofereço-lhe. Harry? .Quer que eu assuma o veredicto da Europa sobre ele? . Talvez seja o personagem de perfil mais próximo ao do próprio Wilde. . . O seguinte diálogo demonstra sua predileção por se expressar em aforismos: “.Lorde Henry: o cinismo em pessoa.inquiriu. Henry Wotton preza pela sinceridade.É nele que vivo. Leva uma vida de nobre ocioso e que só preocupa com o “supérfluo”. .

saldam a estupidez com a fortuna e o vício com a hipocrisia.Mesmo assim.Tem evoluído.exclamou. . . . temos feito grandes coisas.Não tenha receio..Somente até à Bolsa de Valores.São práticos. . .São mais astutos do que práticos. . . .Temos carregado com esse fardo. Os nossos compatriotas nunca reconhecem uma descrição.Acredito na raça . . Quando fazem o balanço no livro razão. Gladys. Ela fez um aceno negativo com a cabeça.Representa a sobrevivência do esforço.As grandes coisas é que foram lançadas sobre nós. .

. .A Religião? .” (p.O Amor? . . . 297-298) .. .Você é um céptico.perguntou ela.É uma doença.Você o que é? .“Definir é limitar.Uma ilusão.E a Arte? .O moderno substituto da Crença. .Nunca! O cepticismo é o começo da Fé. .A decadência seduz-me mais.

em uma espécie de “reza”. enquanto que ele continuaria sempre jovem e esbelto. pois é tão bela que ele logo nota que ela continuará sempre encantadora.O retrato: Dorian indigna-se quando vê a obra pronta. ao longo da obra. E você adorou demasiado a si mesmo. Chega mesmo a afirmar que revelou muito de si mesmo no retrato que fez de D.Os diálogos: sempre marcados pelo deboche e sarcasmo dos personagens. Ocupam a maior parte do livro. lamenta-se quando Dorian se torna uma pessoa cada vez mais insensível e arrogante. ele encontrou no rapaz uma fonte de inspiração artística. Porém. Fomos ambos castigados” (p. Muitos comparam esta trama com a venda da alma ao diabo presente na lenda do Fausto ou mesmo com romances góticos como “O Médico e o Monstro” (Stevenson). e revelam mais sobre a história do que as descrições do narrador. D.Basil Hallward: apaixonado por Dorian.. Preocupado com os arroubos imorais de Harry (apelido de Henry Wotton). Lord Henry riu-se. rugas.Que transformações propõe então? . quer mudasse ou não. um sorriso cruel. Gray percebe que. o quadro reflete isso: por exemplo. enquanto ele irá envelhecer. desbotamento dos cabelos etc. Gray. ele pede para que o quadro sofra as marcas do tempo. é o mais moralista. Dos três amigos. . toda vez que comete algo pecaminoso. tornar-se-ia o símbolo de sua consciência” (p. . 144) . “O retrato. “O político olhou para ele intensamente”. Sendo assim. 241). Fui castigado. “Adorei-o demasiado.perguntou. . porque acredita que o Bem e o Belo não podem ser separados.

.repetiu. . com gorjeios na voz. timidamente. a História teria sido diferente. como um eco. pois não me interessa absolutamente nada o East End. Lady Agatha. Lorde Henry dirigiu um olhar para Mr. Esse é o pecado original do mundo.Tive sempre uma certa sensação de culpa quando vinha ver a sua querida tia. exceto o tempo . . e a vantagem da Ciência é a de não ter emoções. ..arriscou Mrs. Se o homem da caverna tivesse aprendido a rir. deu-me ânimo .Não desejo mudar nada em Inglaterra. duquesa . poderei olhá-la de frente sem corar. A vantagem das emoções é a de nos extraviar.O senhor.A Humanidade leva-se a si própria demasiada a sério. Erskine. .respondeu ele. realmente. Satisfaz-me bastante a reflexão filosófica.Mas nós temos responsabilidades tão graves . Mas.Terrivelmente graves . . . Vandeleur.Um certo rubor fica muito bem. eu sugeria que recorrêssemos à Ciência para nos organizar. Futuramente.interveio a duquesa.observou Lorde Henry. como o século XIX abriu falência devido a um excesso de dispêndio com a simpatia.

. tida como esteticamente desagradável) e rebeldes em relação ao “status quo” burguês. .exclamou ela.foram as palavras saídas dos lábios estreitamente apertados de Sir Thomas. basta que se repitam as mesmas loucuras. olhando-a do outro lado da mesa. .Consegue lembrar-se de algum erro grave que tenha cometido nos seus tempos de juventude. As opiniões políticas do autor revelam isso nitidamente.Muitos. gravemente. .exclamou ela. Em “A Alma do Homem sob o Socialismo”.Aristocratismo anárquico: o aproxima-se de Nietzsche ao ter posições simultaneamente aristocráticas (desprezo por doutrinas sociais e a própria questão da pobreza.disse ele. – Para se voltar à juventude.Quando uma senhora de idade como eu fica corada é mau sinal. duquesa? . Ele ficou a pensar por uns instantes. . Lorde Henry..Que perigosa teoria! . . 66 e 69) .Que teoria deliciosa! .” (p.Só quando somos jovens . receio bem . ele apresenta uma visão anarquista da ideologia .retorquiu ela. Ai.Tenho de pô-la em prática. se me pudesse dizer como ficar jovem outra vez.perguntou-lhe ele. .Então cometa-os outra vez .

em última instância. os esteticistas defendem que a beleza pode contrariar o que é considerado valoroso. Porém. justo e . Este valorizava a beleza como supremo ideal e pregava duplicidade (viver uma vida dupla. o autor parece buscar uma nova concepção.Ética e Estética: embora seja claro que Wilde pregue o relativismo moral. influência (aprender com algo ou alguém a perder a inocência e a inexperiência) e.socialista. colocavam o Bem como mais importante que o Belo). os franceses e ingleses promoveram um movimento artístico chamado esteticismo. Enquanto a filosofia alemã (Schiller. o que seria fundamental para a própria faculdade de juízo). sem se sentir pressionado a minar personalidades latentes). enfatizando elementos individualistas. ao contrário dos gregos (que viam a ética e a estética como indissociáveis) e dos cristãos (que. não deve se sentir culpado por seus atos. não se pode dizer que ele também relativize a ética. . certas instituições burguesas (como o casamento e a propriedade) deveriam ser abolidas. Para que haja um livre e pleno desenvolvimento das capacidades humanas. algo como um “socialismo aristocrático”. e elitistas. pois um indivíduo se cometeu algo tipo como reprovável. Ou seja. por exemplo. descobre do suicídio de Sibyl ou quando assassina Basil. a recusa da ideia de responsabilidade. por estar em desacordo com os costumes vigentes em seu contexto social e histórico. 223). por exemplo) via na estética uma doutrina teórica (dar sensibilidade à razão e vice-versa. permitindo a abertura a todas as possibilidades. “Havia momentos em que o mal aparecia como um dos meios de realizar a sua concepção do belo” (p. pela própria valorização da alma em detrimento da matéria. incomuns nas versões marxista e fabiana.Os crimes: o protagonista sente pouca ou nenhuma culpa quando. . Esta corrupção é carregada de autoindulgência e fascinação pelo moralmente reprovável. Enfim.

e toda a beleza e juventude que possuía enquanto vivo “transferem-se” para o quadro. . e o melhor a se fazer é aproveitar todas as possibilidades e prazeres oferecidos pela vida.) ensinar o homem a concentrar-se nos momentos da vida. voltam ao ideal grego de junção de ambas. O protagonista. Portanto. aliviado pela morte de James Vane. (. dedica-se ao luxo e à luxúria. praticado por Dorian.. isso não quer dizer que ele esteja abolindo noções éticas. Porém..) Deveria (. curiosamente. de teor moralizante.correto. o que justifica a busca que tudo aquilo que dê o mínimo de dor e o máximo de gozo. pois a juventude é finita. como profetizara Lord Henry. ele parece resoluto a praticar boas ações. visto ela ser um breve momento. mas sim defendendo que o Belo ganha papel primordial nelas – mesmo que a custo de prejudicar outras regras de conduta igualmente (ou até mais) importantes. está de novo em voga nos nossos dias. Com isso. Portanto. 200) .Hedonismo: concebe o prazer como o único valor intrínseco. Defendido por Henry. Com isso. deveria haver. permanece-lhe a dúvida se realmente ele mudou ou se tal atitude não passa de vaidade. por mais que as ideias e as condutas do autor sejam moralmente controversas à sua época.. seguindo tal filosofia de vida. embora nos momentos finais fique subentendida certa mensagem moral (“Todo excesso. Propõe viver a vida ao extremo.” (p. o belo Dorian eterniza-se na obra de arte.Hipocrisia ou arrependimento? No último capítulo. Seu “suicídio” (ele enfia uma faca no quadro-retrato) inverte os papéis: seu cadáver é de um homem velho e de aparência desagradável. não há restrições para a busca de tudo aquilo que é tido como pecado. que pretendia vingar a irmã Sibyl.. assim como toda . Porém. “Sim. os contos wildeanos. um novo hedonismo que recriasse a vida e a salvasse desse austero e sombrio puritanismo que.

da qual os críticos podem aparecer como cúmplices. E o livro mostra como a absolutização da beleza acaba sendo a ética. (. Mas como Oscar Wilde ficou exacerbado por comentários de críticos que chama de corruptos e ignorantes.)Algo paradoxal: Oscar Wilde propõe uma ética da beleza. traz a sua punição”).) O fato de o jovem terminar por esconder o quadro é uma metáfora sobre a atitude tomada pela sociedade burguesa com relação à arte.. O próprio Pater. é difícil poder se chegar a algum diálogo e muito mais ainda a um consenso sobre a ética da beleza como critério de leitura de um texto literário..“Wilde com seu The Picture of Dorian Gray (O Retrato de Dorian Gray) foi o responsável pela criação do principal exemplar romanesco inglês do decadentismo esteticista. em resenha sobre o livro. Os ensinamentos de Pater são reapresentados pelo personagem de Henry Wotton apenas para serem desacreditados. Livros são bem ou mal escritos. Revisão bibliográfica .renúncia. A figura do esteta enquanto degustador dos pecados é criticada através do protagonista.“Há algo paradoxal a respeito da ética da beleza. Jacques Laberge) . a sociedade burguesa prefere desviar os olhos. o desfecho mantém. Ao invés de aprender com ela. Conflitos acirrados entre Oscar Wilde e os críticos o levaram a propor uma ética da beleza : não existe essa coisa de um livro moral ou imoral.. A ética da beleza mesclada à agressão de Oscar Wilde contra os críticos não pode ser alheia à agressão da condenação. Ficará mais fácil aos críticos entender que a beleza exacerbada como temática do texto "O retrato de Dorian Gray" tenha servido posteriormente à própria condenação de Oscar Wilde. .” (“A Beleza em O Retrato de Dorian Gray”. de reconhecê-la como modelo denunciatório das corrupções do humano na realidade. a relação Beleza > Bem. com as devidas proporções. Importa que um livro seja belamente escrito.. (.

meses antes) estava falando de libertação sexual de uma forma genuinamente artística – algo que Wilde certamente aprovaria. tenha sido discutido mais pela imoralidade que pela qualidade literária – foi inclusive usado como uma das provas contrárias a Wilde em seu julgamento -. Pode-se dizer que Bowie (o qual havia se declarado bissexual.David Bowie é o maior expoente dessa tendência. que ao mesmo tempo prega paz e amor e é sexualmente promíscuo e “junkie” (usuário de drogas). com o passar dos anos passou a ser considerado como um clássico moderno. nos últimos anos do século XIX.observa que lorde Wotton não consegue reconhecer que a vida da mera sensação é anárquica e autodestrutiva. Mesmo que. disse: “Num tempo em que tabus . androginia e todo tipo de excesso. O advento do glam rock representou uma fase deste estilo musical em que se mesclavam roupas espalhafatosas. ênfase nas guitarras. Dorian Gray é seu discípulo e termina mal. O cantor Boy George. era um album conceitual sobre um extraterrestre que é um “rock star”. shows teatrais.“O Retrato de Dorian Gray” tornou-se o livro de cabeceira da juventude decadente da Inglaterra vitoriana. É como se o “decadentismo” tivesse voltado. por exemplo. maquiagem. Ricardo Miskolci) Wilde e o Glam Rock . principalmente a partir dos anos 70. quase um século depois. na época. Seu disco “The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars” (1972) foi um marco. . é o primeiro mártir do esteticismo à la Pater e a negação wildeana da divisão entre ética e estética. .” (“Um Esteta na Pátria do Utilitarismo”.A influência dos escritos wildeanos (e o estilo de vida que pregavam) alcançou o rock „n‟ roll.

Temáticas homoeróticas aparecem em canções como “Hand in Glove” e “The Boy with the Thorn Is His Side”. . A canção “Cemetery Gates” é uma homenagem ao escritor nascido em Dublin (assim como o próprio Morrissey). . como o personagem Ziggy Stardust. nas quais celebravam um estilo de vida hedonista (“The Drowners” e “Nancy Boy”. Bowie. . Em canções sexualmente ambíguas.Na década seguinte. por meio de bandas como Suede e Placebo. p. era um fã confesso de Oscar Wilde. a estética andrógina voltou ao rock britânico. cujo vocalista. ex. foram importantes na cena musical do Britpop.Nos anos 90.sociais e sexuais estavam sendo quebrado. Stephen Morrissey. criou um mundo onde as possibilidades eram infinitas: você podia ser quem quisesse”.). um dos destaques foi o conjunto The Smiths. respectivamente.