OI Nº2 · MAR/ABR 2011 · AN

ANO INTERNACIONAL DAS FLORESTAS
Aliança entre gigantes. Brasil, Rússia, Índia e China lideram uma frente de trocas comerciais a que Portugal precisa de estar atento. Perceba de que forma estes quatro países podem impulsionar a nossa indústria

FOCUS

Economia e sustentabilidade. Duas realidades que lhe parecem inconciliáveis? Descubra nesta edição a importância de funcionarem em conjunto para a preservação de um património que é de todos. Saiba ainda qual o valor da floresta para o PIB nacional e as mais-valias de uma aposta na certificação

ECONOMIA & GESTÃO

A arte da inovação. Aceda a um estudo que enumera as principais razões para colocar a investigação na agenda e no centro da estratégia da sua empresa. Liderar a concorrência criando a realidade do seu próprio mercado é apenas uma

EMPRESAS

feiras&tendências

88 | XYLON PORTUGAL
A fileira da madeira e mobiliário é um excelente exemplo para a economia do país pois deté uma balança comercial positiva em 250 milhões e uma quota de 10% nas exportações nacionais

feiras&tendências

XYLON PORTUGAL | 89

TENDÊNCIAS DO DESIGN
Num momento em que se assiste a uma reorientação estratégica das marcas a favor da I&D e do design de produto, colmatando a saturação e algum excesso de protagonismo da comunicação e da publicidade, o professor Cruz Rodrigues do IADE (Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing, fala, em entrevista à Xylon Portugal, da importância de um caderno de tendências do sector. Um projecto que está a ser realizado em parceria com a aimmp e que tem em consideração a importância da dimensão multi-sensorial e comportamental das marcas em detrimento de uma focalização em factores exclusivamente visuais. Uma análise experiente ao mercado, em alinhamento com a evolução internacional, que inclui também um farol à criatividade nacional através da divulgação dos vencedores do Concurso Nacional de Design de Mobiliário, anunciados recentemente na Exporthome.
CADERNO DE TENDÊNCIAS PARA O MOBILIÁRIO
Quais os objectivos e premissas principais para a elaboração de um caderno de tendências para os próximos anos no âmbito do universo casa e especificamente na área do mobiliário? O habitat, para além de ser um componente fundamental da nossa qualidade de vida, é um factor dinâmico e impulsor na economia dos sectores provenientes, como a domótica, a energia renovável, os novos materiais de construção, a arquitectura e o design. Diante deste cenário e para que as empresas dos sectores relacionados com o habitat (indústrias da madeira, têxtil, cerâmica, mobiliário e centros tecnológicos, etc.) possam dispor de informações e conhecimentos das tendências e necessidades do actual mercado, é necessário desenvolver-se estratégias adequadas, que permitam o desenvolvimento de produtos e o seu correcto posicionamento no mercado. A solução reside no desenvolvimento de um “Caderno de Tendências”, que desenvolvido no âmbito do Design, oferece soluções inovadoras para um estudo abrangente e uma análise multidisciplinar de todos os sectores relacionados com o habitat. No contexto internacional as empresas portuguesas devem abrir-se ao mundo e apostar com mais intensidade na exportação dos seus produtos. O mobiliário é um dos sectores que mais exporta? O actual contexto do mercado financeiro internacional introduziu no nosso dia-a-dia um novo termo - crise. Isto porque com o seu agravamento ao nível internacional nos últimos meses, ficaram evidentes as principais fragilidades estruturais da economia portuguesa (défice público, défice na balança comercial e endividamento externo), e apesar dos constantes alertas dos economistas, só agora o país tomou consciência, que nos últimos tempos, estava a viver acima das posses. Assim para ser viável necessita de exportar mais bens transaccionáveis e substituir parte das importações com produção interna. Parece evidente que Portugal se encontra confrontado com uma enorme mudança dos factores de competitividade da generalidade das suas empresas. Como tal, para se aumentar o número de exportações, o país têm que se auxiliar de todos os bens de serviço transaccionáveis. Sendo um bom exemplo, a fileira da madeira e mobiliário que detém uma balança comercial positiva em €250 milhões e uma quota de 10% nas exportações nacionais. O seu futuro crescimento passa pela tentativa de conquista de novos mercados em países emergentes.

Diferentes sectores económicos estão preocupados com a transformação do conceito de família, pelo que nos últimos anos foram efectuados estudos sobre a evolução do conceito de habitat (casa e seus objectos) e sobre os padrões de família, de modo a compreender-se que impacto essas mudanças impõem ao nosso mercado

feiras&tendências

90 | XYLON PORTUGAL
No plano das Tendências existem novas formas de habitar. O sector da casa sofreu mudanças e transformações nos últimos anos? O habitat, como qualquer outro mercado/ sector a ser analisado, sofreu mudanças e transformações nos últimos anos, reflectindo a série de transformações ocorridas no ambiente sociocultural e económico, que por sua vez fomentaram reacções nos consumidores e nos mercados em geral. Como resultado, grandes mudanças ocorrem na maneira como vivemos, nas nossas cidades, casas, ou até mesmo no interior das habitações com os objectos do quotidiano. Para entender essas mudanças é essencial perceber como evoluíram e surgiram os novos modelos de família, uma vez que são essas unidades que formam a casa. É necessário perceber como elas se comportam, quais os seus valores e, finalmente, que tipo de objectos precisam ou querem, assim como quais são as estratégias correctas, para se conseguir comunicar com este novo grupo social. Assim, diferentes sectores económicos estão preocupados com a transformação deste conceito de família, (principal sistema em que a sociedade se baseia), como tal, nos últimos anos foram efectuados estudos sobre a evolução do conceito de habitat (casa e seus objectos), e consequentemente sobre os padrões de família, de modo a compreender-se que impacto essas mudanças impõem ao nosso mercado. Do ponto de vista do seu desenvolvimento, a construção de um caderno de tendências apresenta que tipo de estrutura metodológica? A construção do caderno de tendências tem como base processos de análise de conteúdo e proporciona um conjunto de instrumentos metodológicos, que se aplicam a «discursos» (conteúdos) extremamente diversificados e onde o factor comum é a interpretação controlada, baseada na dedução: a inferência. Enquanto esforço e método de interpretação do meio social, a análise de conteúdo oscila entre os dois pólos do rigor da objectividade e da abundância da subjectividade. Absorve e incita o investigador pela atracção do novo, o latente, o potencial inédito, retido por qualquer conceito de produto. Daí ser necessário investir-se num instrumento técnico e prático que se organiza em torno de três pólos cronológicos (pré-análise; exploração do material; interpretação dos resultados) e que nos possibilita alongar o tempo de latência entre as intuições e as interpretações definitivas.

Os cadernos de tendências são o método empregado como motor de pesquisa dos gabinetes de criação, onde o conhecimento das tendências de produto consagra um valor diferencial para a gestão estratégica das empresas

Num clima económico fortemente concorrencial, onde os riscos têm que ser reduzidos ao máximo, que vantagens pode trazer para as empresas o desenvolvimento de um caderno de tendências? Como resultado desta descodificação de dados, os cadernos de tendências são o método empregado como motor de pesquisa dos gabinetes de criação. Onde o conhecimento das tendências de produto consagra um valor diferencial para a gestão estratégica das empresas, tornando-se uma chave para a diferenciação. Permitindo que as empresas obtenham

A criação de um caderno de tendências absorve e incita o investigador pela atracção do novo, o latente, potencial inédito, retido por qualquer conceito de produto

feiras&tendências

XYLON PORTUGAL | 91
CONCURSO NACIONAL DE DESIGN DE MOBILIÁRIO
Quais os factores ou princípios que estiveram na génese da escolha do tema “A Procura da Essência do Desadorno”? As candidaturas respeitaram o mote lançado? No presente cenário social, os consumidores são suscitados a questionar a finalidade do consumo desenfreado. Perante este contexto conclui-se que é necessário fornecer profundidade e explorar o valor real das coisas, ou seja, os objectos precisam de ter um significado e responder a uma necessidade especial ou desejo. O que representa uma mudança de paradigma no conceito de consumo. Mais informado, mais exigente, mais participativo, os consumidores encontram-se hoje numa posição de maior força, perante um consumo excessivo. Originando que cada vez mais se compre as coisas realmente necessárias, em vez de artigos de luxo e/ou supérfluos, promovendo assim um consumo responsável, onde cada objecto tem uma lógica, que é um perfeito equilíbrio entre o usuário e as funções oferecidas pelo mesmo objecto. Passando a simplicidade a ter um significado muito próximo da funcionalidade. Neste contexto as candidaturas apresentadas enquadraram-se na sua maioria na filosofia do concurso.

‘No contexto de consumo é necessário fornecer profundidade e explorar o valor real das coisas; os objectos precisam de ter um significado e responder a uma necessidade especial ou desejo’
respostas as perguntas do mercado, através de um conhecimento da evolução do produto, relacionado ao perfil do consumidor e a divulgação adequada para essa tendência. Assim o conhecimento deste manual é útil para os diferentes perfis de usuário, como Empresas (responsáveis do domínio da gestão, marketing e design...), Profissionais (arquitectos, decoradores e designers…) e Instituições do sector da habitação (centros tecnológicos, associações empresariais...). No caso do sector do habitat, os cadernos de tendências permitem-nos, não somente estudar os elementos que formam a casa (arquitectura, design de interiores, mobiliário, revestimentos e têxteis), mas também as estratégias de comunicação, marketing e distribuição inovadoras que se relacionam com estes, bem como o ambiente sociocultural (novos usuários) em que o habitat está absorvido.

VENCEDORES
Primeira categoria MENTE VERDE (Estudantes)
Sean Patrick Santos Silva | Banco BIND

Segunda Categoria DESIGN QUOTIDIANO (Designers)
Paulo Jorge S.F. de Almeida | Sistema STARP

Terceira Categoria MANIFESTO TECNOLÓGICO (Empresas)
Temahome, S.A. | Sistema Modular ZENITH

feiras&tendências

92 | XYLON PORTUGAL

Em que contribui um concurso do género para o desenvolvimento do sector e especificamente dos seus futuros profissionais? A 2ª Edição do Concurso foi planeada como um projecto que tinha como objectivo principal incentivar a criação, o desenvolvimento e a promoção de produtos de mobiliário de madeira, concebidos por designers e empresas nacionais. Pretendendo assim destacar a capacidade e o talento de profissionais, estudantes e indústrias do ramo, contribuindo deste modo para o fortalecimento do sector, numa sociedade onde a crise financeira e económica sentida nos últimos tempos abalou a consciência dos consumidores. Neste âmbito, o Prémio de Design de Mobiliário em Madeira procurou fomentar a nível nacional o design português e a qualidade da produção nacional. Assim como, promover o mobiliário português e a internacionalização do design nas empresas de mobiliário, aproximando os futuros designers das empresas e da realidade do sector. Uma das questões actuais é aliar a criatividade às necessidades empresariais e económicas. Que análise lhe merece a composição geral dos trabalhos? Cumprem esse propósito? Neste âmbito e recordando o concurso

‘Hoje cada objecto tem uma lógica, que é um perfeito equilíbrio entre o usuário e as funções oferecidas pelo mesmo, passando a simplicidade a ter um significado muito próximo da funcionalidade’

evolução, a capacidade de resolver problemas quotidianos através de produtos dinâmicos, inventivos e práticos. A terceira – Manifesto Tecnológico – deu relevância a aspectos relativos à qualidade, a durabilidade e a optimização das matérias-primas, a sustentabilidade dos processos produtivos numa perspectiva criativa. As candidaturas apresentadas nestas categorias, não só são testemunho de uma clara percepção do contexto empresarial e económico das empresas portuguesas, mas também apresentam uma qualidade de projecto ao nível dos mercados internacionais. A criação de um prémio potencia no seu entender uma melhor qualidade do trabalho desenvolvido? Qual o valor acrescentado que representa? O trabalho desenvolvido é o reflexo de um design onde se evoca o propósito, a vontade e a capacidade de integração no tecido empresarial e comercial português. Os produtos apresentados são também uma mais-valia para a internacionalização de marcas e produtos portugueses. Neste âmbito os resultados alcançados acrescentam valor no sentido de criar condições para uma mudança de paradigmas de projecto, para fazer face aos novos desafios de mercado e para uma sociedade que se está a alterar profundamente.

foi organizado segundo três categorias. Mente Verde, Design Quotidiano e Manifesto Tecnológico. A primeira – Mente Verde – deu relevância a aspectos relativos à carga ética e social implícita no produto e pela responsabilidade social e ambiental presente nos objectos concebidos, tendo em atenção o seu ciclo de vida natural e os materiais e recursos aplicados. A segunda – Design Quotidiano – deu relevância a aspectos relativos à noção de objecto como expressão da cultura, evidenciando a sua

feiras&tendências

94 | XYLON PORTUGAL

LUSOMAPLE ÍRIS - MOBILIÁRIO DE ESCRITÓRIO, LDA.
LINHA ARQUI E LINHA LUK

feiras&tendências

XYLON PORTUGAL | 95

J. J. LOURO PEREIRA S.A.
LINHA FACE E LINHA LOOK

feiras&tendências

96 | XYLON PORTUGAL

ATZ
LINHA EMPIRE

feiras&tendências

XYLON PORTUGAL | 97
LINHA BOOMERANG