Você está na página 1de 12

ARQUIVOLOGIA P/ O TSE - TEORIA E EXERCÍCIOS COMENTADOS PROFESSORA: CAROLINA TEIXEIRA

Olá, candidato ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Seja bem-vindo ao nosso curso de teoria e exercícios para o TSE! O objetivo do nosso curso é ajudá-lo a acertar todas as questões da prova de Arquivologia no concurso de técnico judiciário do TSE. Pode parecer um objetivo ousado à primeira vista, mas não é não. O edital do TSE, badaladíssimo, saiu hoje, dia 14/11. As provas serão no dia 12 de fevereiro. Até lá, você já estará craque na matéria. A banca é a CONSULPLAN e isto, como você verá mais pra frente, é um ponto positivo a nosso favor. Essa matéria tem sido bastante cobrada em concursos da área administrativa. Ao longo do nosso curso, você verá que é uma matéria simples, muitas vezes até intuitiva e que, com treino e dedicação, você terá plenas condições de fazer uma excelente prova. Antes, porém, me apresento. Meu nome é Carolina Teixeira, sou de Brasília e, em 2007, com 21 anos, aluna de Engenharia de Redes na Universidade de Brasília (UnB), eu prestei meu primeiro concurso, para a Câmara dos Deputados. Estudei “freneticamente” e consegui o 4º lugar no concurso. Depois do resultado, o concurso foi suspenso e, como eu não sabia quanto tempo essa suspensão duraria, decidi estudar para o concurso do Supremo Tribunal Federal. Nesse meio tempo, decidi trocar de curso na UnB e comecei a cursar Administração. Passei no concurso do STF, trabalhei por lá quase um ano, até que, finalmente, fui chamada na Câmara e concluí minha graduação em Administração, na UnB. Desde então, boa parte da minha vida está ligada a concursos públicos. Sou Coordenadora Pedagógica do Ponto dos Concursos e tenho dois livros publicados pela editora Método: Arquivologia para Concursos (Teoria e Exercícios do CESPE e da FCC comentados) e Administração de Recursos Materiais para Concursos (Teoria e Exercícios do CESPE comentados). Os dois livros acabaram de ser atualizados (agora, em agosto de 2011, e estão chegando nas livrarias atualizadíssimos). Quem me conhece sabe que defendo com unhas e dentes o serviço público e a sua forma de ingresso - o concurso público -, instituição que, apesar de precisar de alguns ajustes, é muito bacana, porque permite a qualquer um que tenha interesse acesso a uma carreira digna e bem remunerada. Essa imagem de que serviço público é estático e de que não há nada de interessante para se fazer é já ultrapassada. Aqui na Câmara, por

1 Profa. Carolina Teixeira www.pontodosconcursos.com.br

questões mais fáceis que bancas como o Cespe. com algumas exceções (como a Esaf. parecem mais simples – e. à primeira vista. com outras questões . dizendo que também se recusava a estudar questões tão simples assim. precisa fazer é “calçar as sandálias de humildade”! Vou te dar um exemplo. temos de estudar questões simples. Aqui em Brasília. o professor disse que. apesar de a banca examinadora do concurso ser a FCC. ele resolveria questões desta banca durante as aulas. Neste meu concurso da Câmara. Neste momento. como as questões do CESPE eram mais elaboradas. 2 Profa. em regra. Carolina Teixeira www.ARQUIVOLOGIA P/ O TSE . por exemplo). Como de graça a gente aceita até injeção na testa. existem diversos lugares muito legais para se trabalhar e meu trabalho lá é. candidato ao TSE. como fiquei em primeiro lugar. como as da Consulplan. Na hora. o são mesmo. se a banca exige questões simples. eu não fazia aula presencial. porque as questões são. na maioria das vezes. que exigem que o candidato marque se o item está “certo” ou “errado”. Na primeira aula.que. eu. o concurso vai ser fácil? De forma alguma! A primeira coisa que você. após o TSE. eu peguei o meu caderninho e saí de sala. que sempre fui lá meio cara-de-pau.pontodosconcursos. escolhi um curso de matéria específica e me matriculei. Ele . Lembro-me bem de uma colega que. apenas estudava pelo pacote do Ponto dos Concursos). agora. Isto significa que. foi justamente com o concurso da Câmara que a FCC tornou-se nacionalmente conhecida. tentei convencê-lo de que. a FCC ainda não tinha forte tradição em concursos públicos. Pois bem. te garanto. eu aprendi muito sobre bancas aparentemente desconhecidas (à época. mais fáceis.com.TEORIA E EXERCÍCIOS COMENTADOS PROFESSORA: CAROLINA TEIXEIRA exemplo.br . do que aconteceu comigo. questões de múltipla escolha. cuja banca foi a Fundação Carlos Chagas (FCC). Quando eu ainda estudava para o concurso da Câmara. foi defender o professor. Inclusive. porque não via sentido em passar 4 horas do meu precioso e raro tempo assistindo à resolução exclusivamente de exercícios de outra banca. Até acredito que. para quem está acostumado a este tipo de questão. nada monótono. na minha humilde opinião. depressa. a Consulplan torne-se nacionalmente conhecida também). há uma tradição enorme em concursos do Cespe e. ganhei um curso (até então.disse que se recusava a resolver questões tão “ridículas” em sala de aula. bancas examinadoras de múltipla escolha possuem. estava era com uma preguiça danada de ter de preparar outro material. fiz um simulado em um cursinho aqui em Brasília e.

muito trabalho. Para isto. deve saber também que. como você já deve ter percebido. não houver questões da nossa banca. à primeira vista. mas não há (eu. mas não têm certeza da resposta. que o fato de a banca ser a Consulplan. Carolina Teixeira www. dá trabalho.. questões de outras bancas. em questões da FCC. Aqui. Portanto. A partir deles.pontodosconcursos. 3 Profa. Você. na hora da prova. ocorra o mesmo que ocorre em Arquivologia). focaremos a teoria.com. você não errará. Se. que. é um grande trunfo do nosso curso. na hora da prova. sabendo aquilo que foi perguntado. no nosso curso. como concurseiro. não havia. Explico: existem concurseiros especializados em questões do CESPE. você será um dos poucos inscritos neste concurso que poderá se considerar especialista em questões de arquivologia da banca. básicas. do que a banca costuma exigir. sem ter tido bons resultados nos últimos concursos. desconheço!) concurseiros especialistas em questões de arquivologia da Consulplan. parecem simples. você precisará saber todo o básico e não poderá se dar ao luxo de errar questões.. que ainda não é tão conhecida assim.TEORIA E EXERCÍCIOS COMENTADOS PROFESSORA: CAROLINA TEIXEIRA Para encurtar uma longa história.. nas outras matérias. de trazer a você questões da Consulplan. elas não treinam as questões suficientemente. este curso é de teoria e exercícios. durante os estudos. O básico da matéria estará bem sedimentado na sua cabeça e. E por que somente poucos dos milhares de inscritos virarão especialistas nesta matéria? Porque selecionar questões da banca. pelo menos. Bom. como os candidatos serão nivelados neste concurso? É fácil a fórmula: para passar neste concurso (tomando-se como base que.ARQUIVOLOGIA P/ O TSE .. mas os exercícios serão o nosso norte. em questões da Esaf. pelo menos. você precisará treinar repetidamente a resolução de questões da banca. as pessoas costumam errar coisas simples. eu trarei. deparando-se com a questão. e nem todos terão tempo ou paciência para isto. O nosso estudo aqui vai ser voltado para que você tenha condições de responder rapidamente aos itens. Depois das nossas 3 aulas. para que nenhuma lacuna teórica fique faltando no nosso curso. com segurança. Ou.. Confesso que o fato não me surpreendeu. para estar habituado ao que costuma cair. em determinado tópico da matéria. E por que isto acontece? Porque. eu sou quem tenho esta responsabilidade. Eu disse. encontrei esta colega alguns anos depois e ela ainda estava estudando. como forma de complementação de estudo. há algumas linhas acima. Resolvem um exercício ou outro e.br . se vamos resolver questões da banca. têm a consciência de que leram aquilo em algum lugar..

mas porque achei um bom tópico para você ter uma impressão correta de como serão nossas aulas e. vamos lá começar nossa matéria? Resolvi começar pelo tópico “tabela de temporalidade”. com uma média de 40 páginas e.159. Ao explicar um conceito novo. os conjuntos de documentos produzidos e recebidos por órgãos públicos..com. O nosso calendário de aulas será o seguinte: AULA Aula 1 Aula 2 Aula 3 DIA Dia 09/12 Dia 16/12 Dia 23/12 Se. podemos ver a definição de arquivo: “Consideram-se arquivos. vamos explorar bem esta definição. se ainda assim a dúvida persistir. As outras aulas serão muito maiores. também. de 1991. muito mais exercícios. vá até o final desta aula. Carolina Teixeira www. Existem algumas leis que podem ser cobradas na nossa matéria. de fácil assimilação. Mãos à obra. você já vai se familiarizando com os termos. basta sabermos o que são os arquivos. você quiser tentar resolver os exercícios. quem não sabe irá assimilar o conteúdo. bem como por pessoa física. Mas. qualquer que seja o suporte da informação ou a natureza dos documentos. por ora.. não há o menor problema. Aí. 4 Profa. vou deixá-lo bem mastigadinho. não porque ele seja o primeiro a ser ensinado. Pois bem.ARQUIVOLOGIA P/ O TSE . É bom avisar que esta aula demonstrativa é conteúdo integrante das aulas. né? Fique tranqüilo que.TEORIA E EXERCÍCIOS COMENTADOS PROFESSORA: CAROLINA TEIXEIRA E não se preocupe que a linguagem usada aqui será. instituições de caráter público e entidades privadas. que serve para você ter uma ideia de como será o curso. antes de começar a aula.pontodosconcursos. porque é tópico muito importante e. como você também já deve ter percebido. de forma que você não fique com nenhuma dúvida. pois o fórum de dúvidas está aí para isso mesmo. Esta aula é a aula demonstrativa. obviamente. A mais importante delas é a Lei 8. em decorrência do exercício de atividades específicas.” Deu pra entender o que é arquivo. onde se encontra a lista de exercícios e o respectivo gabarito. fica assim: quem já sabe irá revisar. então. nas próximas aulas.br . para os fins desta Lei. como se estivéssemos mesmo em sala de aula. bem informal. mas. Nela.

Carolina Teixeira www. aquela segundo os estágios de sua evolução. ainda que não o sejam. segundo a qual os documentos passam por um ou mais períodos dentro da organização. constituam objeto de consultas frequentes. § 2º) arquivo corrente e esta definição tem sido reiteradamente exigida em provas de concurso público: “Consideram-se arquivos correntes os conjuntos de documentos em curso ou que. Em resumo: os arquivos podem ser corrente. são consultados freqüentemente. que aguardam destinação final. como o próprio nome diz. por sua vez. de 18 de outubro de 1995. Essa classificação dos arquivos em correntes. A terminologia arquivística brasileira define arquivo intermediário. A Resolução nº 1. mas já posso adiantar que ou os documentos serão mantidos para sempre na organização (em uma idade que se chama guarda permanente) ou serão eliminados. como “conjunto de documentos procedentes de arquivos correntes. 5 Profa. Enquanto o documento não é guardado permanentemente nem eliminado e já não é freqüentemente movimentado ou consultado. arquivos correntes são aqueles que ainda são muito movimentados dentro da organização (vão constantemente de um setor para outro) ou que. mesmo sem movimentação. O destino final dos documentos será visto detalhadamente nas aulas futuras. intermediário ou permanente e. Nas próximas aulas. como você já deve desconfiar. em palavras simples. será fácil perceber que elas são complementares e que cada uma delas possui uma maneira peculiar de tratar os documentos e organizá-los.TEORIA E EXERCÍCIOS COMENTADOS PROFESSORA: CAROLINA TEIXEIRA Os arquivos podem sofrer diversas classificações (que serão vistas nas aulas). mas a mais exigida em concursos públicos é. permanentemente.br . ainda.ARQUIVOLOGIA P/ O TSE . “Ciclo Vital dos Documentos”.com. ainda. podem ser eliminados. o último estágio de evolução do documento é o arquivo permanente.” Então. ele está no arquivo intermediário. Portanto. Ao estudarmos as fases. do Conarq. intermediários e permanentes é conhecida como “Teoria das Três Idades” ou. 1º. define (art. disparadamente.pontodosconcursos.” Isto significa que arquivos intermediários são aqueles que vieram dos arquivos correntes (estudamos acima) e que aguardam o seu destino final. local em que ele é mantido.

que estabelece os prazos de guarda dos documentos de uma pessoa física: 6 Profa.TEORIA E EXERCÍCIOS COMENTADOS PROFESSORA: CAROLINA TEIXEIRA veremos um esquema lindo de todas as possibilidades da vida de um documento! A pergunta agora é: como saber quanto tempo cada documento deve ficar em cada fase? Como saber se o documento deve ser eliminado ou mantido no arquivo permanentemente? Estas perguntas são respondidas por meio da tabela de temporalidade. que estabelece prazos para a manutenção dos documentos em arquivos correntes ou intermediários ou para sua eliminação. Veja a definição da terminologia arquivística brasileira: “Instrumento de destinação. que é o objeto do nosso estudo nessa aula demonstrativa! A tabela de temporalidade é o instrumento de destinação. estabelecendo critérios para microfilmagem e eliminação.” Veja o exemplo de uma tabela de temporalidade. ou recolhidos aos arquivos permanentes.pontodosconcursos. Carolina Teixeira www.com. que determina os prazos em que os documentos devem ser mantidos nos arquivos correntes e intermediários.br .ARQUIVOLOGIA P/ O TSE . aprovado pela autoridade competente. aprovado pela autoridade competente.

AR RQUIVOL LOGIA P/ O TSE .TEORIA E EXERCÍCIOS COM T MENTADO OS FESSORA CAROLI INA TEIX PROF A: XEIRA 7 fa.com. a Profa Carolina Teixeira www osconcurs br w.pontodo sos.b .

E) A definição dos prazos de guarda e destinação dos documentos. que. não é difícil responder à nossa primeira questão da Consulplan: A tabela de temporalidade é o instrumento de destinação. aprovado pela autoridade competente. estão discriminados os prazos de guarda.br . (CONSULPLAN – 2007 – Prefeitura Municipal de Cataguases/MG – Arquivista) A tabela de temporalidade como instrumento arquivístico.ARQUIVOLOGIA P/ O TSE . 1. • existência de outros documentos ou outras fontes com as mesmas informações. foram as cobrados pelo examinador. Lembre-se das palavras-chave sobre tabela de temporalidade: prazos e destinação. Relendo a definição de tabela de temporalidade.TEORIA E EXERCÍCIOS COMENTADOS PROFESSORA: CAROLINA TEIXEIRA Note que. C) A definição da localização do documento. na segunda coluna da tabela de temporalidade acima. Este prazo está relacionado ao valor do documento e leva em consideração os seguintes fatores: • frequência de uso das informações dos documentos. que são os períodos durante os quais o documento deve ser mantido.pontodosconcursos. GABARITO: E 8 Profa. Carolina Teixeira www. D) A definição da classificação do documento. possui como objetivo: A) A definição da descrição do documento. B) A definição da elaboração do documento. Dá pra ver que o gabarito é a letra “e”. Ficou claro o que é a tabela de temporalidade? Agora vamos tentar resolver alguns exercícios da Consulplan sobre ela para testar nossos conhecimentos. • existência de normativos que regulem a sua prescrição legal.com. né? Eu sublinhei as palavraschave da definição. não por acaso. que estabelece prazos para a manutenção dos documentos em arquivos correntes ou intermediários ou para sua eliminação.

com. (CONSULPLAN – 2010 – Município de São Leopoldo/RS – Arquivista) “Instrumento arquivístico que tem por objetivo definir prazos de guarda e destinação de documentos.” A afirmativa trata-se de: A) Tabela de temporalidade de documentos. D) Da descrição do documento. GABARITO: A 3. B) Da localização do documento. E) Da elaboração do documento. com a intenção de garantir o acesso a informação e que é resultante da avaliação. a tabela de temporalidade possui como objetivo a definição: A) Dos prazos de guarda e destinação dos documentos. E) Código de classificação. C) Da Classificação do documento.br . Veja que estas questões foram aplicadas no mesmo ano e exigem praticamente a mesma coisa. É por isto que precisamos resolver questões antigas da banca! Quais as palavras-chave sobre tabela de temporalidade? Prazos e destinação – e é a letra “a” que fala sobre elas. (CONSULPLAN – 2007 – Companhia Hidroelétrica do São Francisco/ CHESF – Arquivista) Como instrumento arquivístico.ARQUIVOLOGIA P/ O TSE . 9 Profa.pontodosconcursos. D) Plano de arquivo. Carolina Teixeira www. C) Inventário.TEORIA E EXERCÍCIOS COMENTADOS PROFESSORA: CAROLINA TEIXEIRA 2. B) Lista descritiva.

br 10 Profa.TEORIA E EXERCÍCIOS COMENTADOS PROFESSORA: CAROLINA TEIXEIRA Agora ficou muito fácil resolver a esta questão. Carolina Teixeira www. poderá mantê-lo por toda a vida. uma vez conquistado. a lista de questões sem comentários.br . se quiser.com. de 2007. Carolina Teixeira carolina@pontodosconcursos.ARQUIVOLOGIA P/ O TSE .pontodosconcursos. melhor ainda. A seguir. saber que. Se você tiver qualquer dúvida ou crítica ou sugestão.com. não é mesmo? Veja que ela foi aplicada numa prova de arquivista (que exige nível superior em Arquivologia) e em 2010. de forma que todo o conteúdo básico fique bem sedimentado na sua mente. GABARITO: A Bom. Te encontro na aula 1! Um forte abraço e que Deus te abençoe. achou essa questão “mamão com açúcar” e não precisou perder muito tempo nela. É muito bom conseguir um emprego com os próprios méritos e. Isto significa que o concurseiro que resolveu estas questões anteriores. me encontra no fórum de dúvidas. Você vai ver que a forma como as questões estão dispostas no curso vai te ajudar a memorizar tudo aquilo de que você vai precisar para a prova. o meu objetivo nesta aula foi convencê-lo de que o nosso curso de teoria e exercícios de arquivologia para o TSE será um excelente curso e que farei tudo o que estiver ao meu alcance para ajudá-lo na busca deste objetivo. se for um servidor público dedicado. você. para você treinar.

C) Da Classificação do documento. E) A definição dos prazos de guarda e destinação dos documentos. D) A definição da classificação do documento. 2. Carolina Teixeira www. possui como objetivo: A) A definição da descrição do documento. (CONSULPLAN – 2007 – Companhia Hidroelétrica do São Francisco/ CHESF – Arquivista) Como instrumento arquivístico. C) Inventário. D) Da descrição do documento.com. B) Lista descritiva. a tabela de temporalidade possui como objetivo a definição: A) Dos prazos de guarda e destinação dos documentos. B) Da localização do documento.” A afirmativa trata-se de: A) Tabela de temporalidade de documentos. (CONSULPLAN – 2010 – Município de São Leopoldo/RS – Arquivista) “Instrumento arquivístico que tem por objetivo definir prazos de guarda e destinação de documentos. (CONSULPLAN – 2007 – Prefeitura Municipal de Cataguases/MG – Arquivista) A tabela de temporalidade como instrumento arquivístico.ARQUIVOLOGIA P/ O TSE . com a intenção de garantir o acesso a informação e que é resultante da avaliação. E) Código de classificação. C) A definição da localização do documento. 11 Profa.br . D) Plano de arquivo. B) A definição da elaboração do documento. 3.TEORIA E EXERCÍCIOS COMENTADOS PROFESSORA: CAROLINA TEIXEIRA QUESTÕES COMENTADAS NESTA AULA 1.pontodosconcursos. E) Da elaboração do documento.

pontodosconcursos.TEORIA E EXERCÍCIOS COMENTADOS PROFESSORA: CAROLINA TEIXEIRA GABARITO DAS QUESTÕES COMENTADAS NESTA AULA 1 E 2 A 3 A 12 Profa.com.br . Carolina Teixeira www.ARQUIVOLOGIA P/ O TSE .