Você está na página 1de 53

CAMPUS BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

MECÂNICA DOS SOLOS E DAS ROCHAS

Aula 01

REDE DE FLUXO

1

Conteúdo da Aula

Apresentação da Disciplina

(ementa, programa, regras

)

Fluxo unidimensional (revisão)

Fluxo Bidimensional Rede de Fluxo

2

1) Traçado de redes de fluxo

2) Distribuição das pressões

3) Empuxos de terra Teoria de Rankine e Coulomb

4) Muros de contenção ou de Arrimo

5) Minerais formadores das rochas

6) Transformação das rochas

7) Resistência das rochas e propriedades tecnológicas

3

FLUXO UNIDIMENSIONAL

ÁGUA SUBTERRÂNEA: é definida como a água abaixo do lençol freático (N.A.).

da

PERCOLAÇÃO:

envolve

movimento

o

água através do solo.

O fluxo de água através do solo é laminar para os tipos de solo considerados (areia, silte e argila).

Quando os vazios são grandes (pedregulho) fluxo turbulento pode ocorrer. Quando o fluxo é turbulento ele deve ser interrompido ao invés de ser calculado.

4

FLUXO UNIDIMENSIONAL

TIPOS DE PERCOLAÇÃO:

do

problema (carga hidráulica) não mudam com

o tempo.

2 - Fluxo não Estacionário ou Transiente: As variáveis do problema mudam com o tempo, devido a mudanças das condições de contorno com o tempo.

1

Fluxo

Estacionário:

As

variáveis

-

5

FLUXO UNIDIMENSIONAL:

CALCULO DA VAZÃO

CALCULO DE RECALQUES POR ADENSAMENTO

CALCULO DO FATOR DE SEGURANÇA (RESISTÊNCIA DO SOLO - TENSÃO EFETIVA)

6

FLUXO UNIDIMENSIONAL:

FLUXO UNIDIMENSIONAL: 7

7

Em 1856 DARCY publicou sua lei que diz:

“A velocidade de fluxo da água através de

meios porosos é diretamente proporcional ao

gradiente hidráulico, i”:

Onde:

proporcional ao gradiente hidráulico, i” : Onde: - distância / tempo - distância / tempo -
proporcional ao gradiente hidráulico, i” : Onde: - distância / tempo - distância / tempo -

- distância / tempo

- distância / tempo

- adimensional.

8

LEI DE DARCY

DARCY (PARIS, 1856)

LEI DE DARCY DARCY (PARIS, 1856) 9

9

LEI DE DARCY

VARIAÇÕES:

· PRESSÃO DE ÁGUA E

· COMPRIMENTO DA AMOSTRA (L)

MEDIDAS:

· VAZÃO ATRAVÉS DA AREIA (Q)

DE DARCY VARIAÇÕES: · PRESSÃO DE ÁGUA E · COMPRIMENTO DA AMOSTRA (L) MEDIDAS: · VAZÃO

10

LEI DE DARCY

LEI DE DARCY : Vazão : Coeficiente de Permeabilidade : Gradiente Hidráulico : Área da Seção

: Vazão

: Coeficiente de Permeabilidade

LEI DE DARCY : Vazão : Coeficiente de Permeabilidade : Gradiente Hidráulico : Área da Seção

: Gradiente Hidráulico

: Vazão : Coeficiente de Permeabilidade : Gradiente Hidráulico : Área da Seção Transversal da amostra

: Área da Seção Transversal da amostra de solo.

11

CARGAS NA ÁGUA

O fluxo de água é a resposta de mudanças de energia (ou energia potencial total) entre

dois pontos. A energia num ponto pode ser

definida pela Equação de Bernoulli. Considerando um fluido não viscoso e

incompressível.

energia num ponto pode ser definida pela Equação de Bernoulli. Considerando um fluido não viscoso e

12

13
13

13

CARGAS NA ÁGUA

As variáveis apresentadas estão ilustradas

na figura abaixo:

14
14

CARGAS NA ÁGUA

Onde Dh é a carga perdida (energia / peso

unitário) sobre a distância Ds. Se a carga cinética é desprezível a equação anterior

será:

(energia / peso unitário) sobre a distância D s. Se a carga cinética é desprezível a

15

CARGAS NA ÁGUA

CARGA TOTAL = C. PIEZOMÉTRICA + C. ALTIMÉTRICA

CARGAS NA ÁGUA CARGA TOTAL = C. PIEZOMÉTRICA + C. ALTIMÉTRICA 16

16

TENSÃO EFETIVA NULA / AREIA MOVEDIÇA

TENSÃO EFETIVA NULA / AREIA MOVEDIÇA 17

17

PARA OCORRER RUPTURA DE FUNDO, O SOLO DEVE APRESENTAR UMA TENSÃO EFETIVA NULA POR CAUSA DA FORÇA DE PERCOLAÇÃO

ASCENDENTE.

CRÍTICO

NECESSÁRIO

O

OCORRER RUPTURA DE FUNDO É IGUAL A:

GRADIENTE

PARA

CAUSA DA FORÇA DE PERCOLAÇÃO ASCENDENTE . CRÍTICO NECESSÁRIO O OCORRER RUPTURA DE FUNDO É IGUAL

18

Revisão - Exemplo 01

Revisão - Exemplo 01 19
Revisão - Exemplo 01 19
Revisão - Exemplo 01 19
Revisão - Exemplo 01 19
Revisão - Exemplo 01 19
Revisão - Exemplo 01 19

19

Revisão - Exemplo 02

Revisão - Exemplo 02 Figura 5.3b - Ensaio de Permeabilidade em carga variável. 20
Revisão - Exemplo 02 Figura 5.3b - Ensaio de Permeabilidade em carga variável. 20
Revisão - Exemplo 02 Figura 5.3b - Ensaio de Permeabilidade em carga variável. 20

Figura 5.3b - Ensaio de Permeabilidade em carga variável.

Revisão - Exemplo 02 Figura 5.3b - Ensaio de Permeabilidade em carga variável. 20
Revisão - Exemplo 02 Figura 5.3b - Ensaio de Permeabilidade em carga variável. 20

20

FLUXO É UNIDIMENSIONAL

FLUXO É TRIDIMENSIONAL

FLUXO BIDIMENSIONAL

REDE DE FLUXO.

21

FLUXO UNIDIMENSIONAL

FLUXO UNIDIMENSIONAL 22

22

FLUXO UNIDIMENSIONAL

FLUXO UNIDIMENSIONAL 23
FLUXO UNIDIMENSIONAL 23

23

FLUXO BIDIMENSIONAL

1) 5 LINHAS DE FLUXO (4 CANAIS DE

FLUXO DE 0.3 M)

2) A VAZÃO TOTAL SERÁ A SOMA DA VAZÃO DOS CANAIS DE FLUXO 3) LINHAS DA MESMA CARGA TOTAL SÃO

AS LINHAS EQUIPOTENCIAIS

4) LINHAS EQUIPOTENCIAIS EQÜIDISTANTES, PERDA DE CARGA TOTAL ENTRE LINHAS EQUIPOTENCIAIS

CONSTANTE.

5) SISTEMA DE LINHAS DE FLUXO E LINHAS EQUIPOTENCIAIS CONSTITUI A REDE DE FLUXO.

6) SOLOS ISOTRÓPICOS REDES DE FLUXO

E LINHAS EQUIPOTENCIAIS CONSTITUI A REDE DE FLUXO. 6) SOLOS ISOTRÓPICOS REDES DE FLUXO ORTOGONAIS OU

ORTOGONAIS OU MALHA QUADRADA.

24

n d - n f - F - 25
n
d
-
n
f
-
F
-
25
26
26
26
27

27

28

28

Fluxo Permanente Bidimensional

Equação de Laplace

h

2

h

2

h

2

1   S

e

k

 

t

k

 

t

k

 

t

e

S

     

 

x

2

2

y

2

2

z

2

2

 

x

y

z

1

e

t

t

Onde: k x , k y , k z = Coeficiente de permeabilidade nas respectivas direções;

h t = carga total no ponto considerado;

x,y,z = direção de fluxo;

e = índice de vazios;

S = grau de saturação;

t = tempo.

Equação de Laplace

A equação da Laplace é muito conhecida no meio matemático

e conseqüentemente na engenharia. A solução da equação de

Laplace são dois grupos de curvas ortogonais entre si.

No caso de Fluxo:

Curvas Linhas de fluxo;

Curvas Linhas equipotenciais.

O conjunto das linhas de fluxo e equipotenciais é denominado de rede de fluxo.

Rede de Fluxo

A

rede

de fluxo

é a solução gráfica da equação de

curvas

quadrados

Laplace,

perpendiculares

curvilíneos.

composta

de

dois

de

grupos

formando

entre

si,

Dados extraídos da Rede de Fluxo

Determinação da vazão total em uma região de fluxo.

l.e.

l.e.

l.e.

l.e.

l.e.

l.e.

Linhas equipotencias

de fluxo. l.e. l.e. l.e. l.e. l.e. l.e. Linhas equipotencias dQ dQ Canal de Fluxo dQ

dQ

fluxo. l.e. l.e. l.e. l.e. l.e. l.e. Linhas equipotencias dQ dQ Canal de Fluxo dQ dQ

dQ

Canal de Fluxo

l.e. l.e. l.e. Linhas equipotencias dQ dQ Canal de Fluxo dQ dQ dHe dHe dHe dHe

dQ

dQ
dQ
dHe dHe dHe dHe dHe Dht
dHe
dHe
dHe
dHe
dHe
Dht
lf lf lf lf lf
lf
lf
lf
lf
lf

Q

Linhas de fluxo

Dados extraídos da Rede de Fluxo

Q = dQ . nf

Onde:

Q = vazão total

dQ = Vazão em cada um canal de fluxo;

nf = número de canais de fluxo.

dQ = Q / nf

Dht = dHe . nd

Onde:

Dht = Diferença de carga total;

dHe = diferença de carga entre equipotenciais;

nd = número de regiões entre equipotenciais.

Dados extraídos da Rede de Fluxo

Pela lei de Darcy a vazão em um canal é

dQ = k (dHe/l)A

lei de Darcy a vazão em um canal é  dQ = k (dHe/l)A Diferença de

Diferença de carga entre equipotenciais

dQ = k.(dHe/l)b.l

Substituindo

Q/nf = k (Dht / nd l).b.l

Q = k (Dht) nf/nd

l b (para l = b temos)
l
b
(para l = b temos)

Dados extraídos da Rede de Fluxo

Determinação da carga total em um ponto qualquer.

h t = h t início do fluxo dH e * número de regiões entre equipotenciais até o ponto.

Exercício Determinar a vazão que

passa no sistema

90

30

0

Linha equipotencial h t cte
Linha equipotencial h t cte

100

40

0

– Determinar a vazão que passa no sistema 90 30 0 Linha equipotencial h t cte

k = 0,001 cm/seg

Exercício Determinar a vazão que

passa no sistema

(hti

htf)

 

L

(90 - 40)

Q

 

k

.A

 

0,001

.30x1

 

100

Q 0,015cm

3

/ s

/cm de extensão

Exercício Determinar a vazão que

passa no sistema

90

30

0

Dividir como quero mas sempre em quadrados. 90 85 80 75 70 65 60 55
Dividir como quero mas
sempre em quadrados.
90
85
80 75 70 65
60 55 50
45 40

ht é uma linha

como quero mas sempre em quadrados. 90 85 80 75 70 65 60 55 50 45

100

como quero mas sempre em quadrados. 90 85 80 75 70 65 60 55 50 45

k = 0,001 cm/seg

40

0

Exercício Determinar a vazão que

passa no sistema

Q k Dht

nf

nd

0,001 90 - 40

3

10

nf = número de canais de fluxo;

nd = número de regiões entre equipotenciais.

Valida as duas equações!!!

.

0,015 cm

3 / s

Exemplo

Linhas equipotenciais com mesma carga
Linhas equipotenciais com
mesma carga

Linhas de fluxo (da água)

Exemplo:

Rede de fluxo na fundação da barragem de concreto

Vazão é determinada pela fórmula:

k = 0,003cm/seg

Q

k h

n

f

n

D

fluxo na fundação da barragem de concreto  Vazão é determinada pela fórmula: k = 0,003cm/seg

TRAÇADO DA REDE DE FLUXO

TRAÇADO DA REDE DE FLUXO 42
TRAÇADO DA REDE DE FLUXO 42

42

TRAÇADO DA REDE DE FLUXO

PROCEDIMENTO:

· DEFINIR AS CONDIÇÕES DE CONTORNO (FLUXO E EQUIPOTENCIAIS)

· TRÊS OU QUATRO CANAIS DE FLUXO

SÃO SUFICIENTES

TRAÇAR CURVAS SUAVES (PARÁBOLAS)

·

(FLUXO E EQUIPOTENCIAIS) · TRÊS OU QUATRO CANAIS DE FLUXO SÃO SUFICIENTES TRAÇAR CURVAS SUAVES (PARÁBOLAS)

43

TRAÇADO DA REDE DE FLUXO

AS LINHAS DE FLUXO E EQUIPOTENCIAS

SÃO ORTOGONAIS

· FORMAM QUADRADOS (CIRCUNFERÊNCIAS INSCRITAS)

DE FLUXO • AS LINHAS DE FLUXO E EQUIPOTENCIAS SÃO ORTOGONAIS • · FORMAM QUADRADOS (CIRCUNFERÊNCIAS

44

Rede de Fluxo

É a trajetória percorrida pela água no interior do maciço de solo

Linhas de Fluxo
Linhas de Fluxo

Equipotenciais

Linhas de Equipotenciais Limites = BA/CD Linhas de Fluxo-Limite = AE/EC/FG

Linhas de Fluxo = trajetória do fluxo Equipotenciais = pontos com igual carga total

Linhas de Fluxo-Limite = AE/EC/FG Linhas de Fluxo = trajetória do fluxo Equipotenciais = pontos com

45

Rede de Fluxo

É a trajetória percorrida pela água no interior do maciço de solo

Linhas de Fluxo Equipotenciais
Linhas de Fluxo
Equipotenciais

Linhas de Equipotenciais Limites = AB Linhas de Fluxo-Limite = AD/BC Linha de Saturação = BC Linha Freática = BC/CD (pressão neutra nula)

Linhas de Fluxo = trajetória do fluxo Equipotenciais = pontos com igual carga total

= BC/CD (pressão neutra nula) Linhas de Fluxo = trajetória do fluxo Equipotenciais = pontos com

46

Traçado da Rede de Fluxo Método Gráfico

Regras

A perda de carga entre duas equipotenciais consecutivas e a vazão entre duas linhas de fluxo consecutivas devem ser

constantes.

Lei de Darcy no elemento i:

Conceito de Rede:
Conceito de Rede:

47

Traçado da Rede de Fluxo Método Gráfico

Regras

A perda de carga entre duas equipotenciais consecutivas e a vazão entre duas linhas de fluxo consecutivas devem ser

constantes.

Lei de Darcy no elemento i:

devem ser constantes. Lei de Darcy no elemento i: Conceito de Rede: Rede composta por regiões
devem ser constantes. Lei de Darcy no elemento i: Conceito de Rede: Rede composta por regiões

Conceito de Rede:

constantes. Lei de Darcy no elemento i: Conceito de Rede: Rede composta por regiões formando “quadrados”
constantes. Lei de Darcy no elemento i: Conceito de Rede: Rede composta por regiões formando “quadrados”
constantes. Lei de Darcy no elemento i: Conceito de Rede: Rede composta por regiões formando “quadrados”

Rede composta por regiões formando

“quadrados” ! (kv = kh = isotropia)

48

Traçado da Rede de Fluxo Método Gráfico

Observações Importantes:

O processo é iterativo! Não é necessário acertar na primeira tentativa!

Transições entre trechos retos e cursos das linhas devem ser

suaves Em cada canal, o tamanho dos “quadrados” varia gradualmente

49

Exemplo

No exemplo considerado, existem 4 canais de fluxo e 12 faixas de perda de potencial. Para um k =10 -4 m/s, por exemplo, Q = 10 -4 x 6 x 4/12 = 2 x 10 -4 m 3 /s (cerca de 0,72m 3 /hora) por metro de comprimento de barragem.

= 10 - 4 x 6 x 4/12 = 2 x 10 - 4 m 3

GRADIENTES:

a diferença de carga total que provoca percolação, dividida pelo número de

faixas de perda de potencial, indica a perda de carga de uma equipotencial para

a seguinte.

No exemplo considerado, a perda de carga entre equipotenciais consecutivas é de 6/12 = 0,5 m. Esta perda de carga dividida entre as equipotenciais é o

gradiente.

entre equipotenciais consecutivas é de 6/12 = 0,5 m. Esta perda de carga dividida entre as

Para o sistema de fluxo abaixo calcular a vazão que passa pela fundação.

3,70m NR 9,00m K=1x10 -4 m/s
3,70m
NR
9,00m
K=1x10 -4 m/s

N

f

1,0m

N

D

Q

k

D

ht

Exemplo:

Rede de fluxo na fundação da barragem de concreto

Vazão é determinada pela fórmula:

k = 0,003cm/seg

Q

k h

n

f

n

D

fluxo na fundação da barragem de concreto  Vazão é determinada pela fórmula: k = 0,003cm/seg