GIBITECA NOTÍCIAS – ESPECIAL CONSCIÊNCIA NEGRA

Nº 01

EDITORIAL
O Gibiteca Notícias é a primeira publicação da nossa Gibiteca da Escola Municipal Judith Lintz Guedes Machado, como entrevistas, quadrinhos, curiosidades e muito mais. Nosso alunos prepararam uma edição especial para comemorar A SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA. Esperamos que gostem!

ORGULHO DO NEGRO Por: Nayene Pires Silva Oliveira (9º B) Sou negro Negro sim senhor! Hoje carrego orgulho, Sou negro trabalhador. Tenho os mesmos direitos que todos. Estudo, trabalho e comando. Não é mais como outrora, Que vivíamos no tronco apanhando Sou professor, médico e juiz. Carrego o direito de ir e vir. Ando de cabeça erguida. Sou negro e sou feliz.

VOCÊ SABIA QUE...  Em 1947 Orrin C. Evans publicou a All-Negro Comics, é considerada a primeira HQ a ser produzida por afro-americanos?  Zelda Jackson Ormes, conhecida como Jackie Ormes, afroamericana, foi a primeira mulher negra a produzir em 1937 uma série conhecida em quadrinhos?  A The Ormes Society é uma organização dedicada a apoiar mulheres afro-americanas que criam histórias em quadrinhos?  O Pantera Negra foi o primeiro super-herói negro, criado em 1966 por Stan Lee e Jack Kirby?  O primeiro herói negro a ter sua própria revista foi o cowboy Lobo, em 1965?  Em 1975 surgiu a primeira Super-heroína negra, a Tempestade, dos X-Men.  Em 1931 surgiria no Brasil um personagem negro que que ganharia o gosto popular: Azeitona.

SOMOS TODOS IGUAIS

RESGATANDO AS MEMÓRIAS DOS MAIS VELHOS
Por Rafaela da Silva Noberto (8º ano A) M.F.N. nasceu em 26 de dezembro de 1932, na Fazenda Fortaleza. Na sua infância ela brincava de pique e de roda com seus irmãos, carregava uma cesta com comida na cabeça para levar para seu pai na roça. Começou a trabalhar com os seus 10 anos de idade junto com seu pai. Ela trabalhava na lavoura de café, na colheita, mas também pegava no cabo a enxada e revirava o brejo para o plantio do arroz. Ela não estudou, pois não tinha tempo para estudar e ir á escola, pois tinha que trabalhar com o seu pai, ajudar nos afazeres da casa e cuidar dos seus irmãos. Sua mãe morreu quando M.F. N. tinha apenas 08 anos de idade. Seu pai ela não se recorda quantos anos tinha quando ele morreu. Na sua adolescência teve muitas colegas e costumava ir com elas para o baile para dançar até bem tarde da noite. Foi quando, também, conheceu um rapaz L. N. e começaram a namorar. Acabaram noivando e se casando mais tarde, no dia 17 de setembro de 1948. Sua vida de casada também foi de muita luta, pois não ganhavam o suficiente. Tiveram muitos filhos, 11 no total. No entanto, 05 deles morreram. Quando seus filhos ficaram mais velhos eles ajudaram os pais no trabalho. Depois, vieram os netos, Hoje ela diz que as coisas mudaram que ficaram muito diferentes. Não passam mais dificuldades como antes e o que era tristeza agora é só alegria.

ESPAÇO PAPO LEGAL!
A Gibiteca Escolar entrevistou o premiado quadrinhista André Diniz que já publicou várias histórias em quadrinhos no Brasil e no exterior. Ele especializou-se em quadrinhos com temática relacionada à cultura afrobrasileira. G.E - Quando e como vocês passou a trabalhar com a temática história do negro e da cultura africana? A.D - Não foi uma coisa planejada. A primeira foi a HQ "Chico Rei". Ouvi sobre a história dele em algum lugar que já nem me lembro mais e achei fascinante. Com as pesquisas para a HQ, me deparei com um tema muito mais fascinante do que eu poderia imaginar. Dessas pesquisas, me veio a ideia para "O Quilombo Orum Aiê". Mais pesquisas e mais fascínio pelo tema. Daí vem outra ideia, que traz mais uma e mais uma!... G.E - Qual foi a sua primeira HQ sobre o tema? A.D - Chico Rei. G.B - Qual o retorno que tem tido com seu trabalho? A.D - É algo fascinante que não tem preço. Na minha filosofia de trabalho, se escrevo uma HQ sobre certo tema, tenho o cuidado de escrevê-la para quem já tem fascínio pelo tema e também para aquele que não tem nenhum interesse específico, mas que quer uma boa leitura por si só. Tenho recebido ótimo retorno desses dois leitores, o que é maravilhoso. G.B - Fale sobre seu traço e sobre as fontes que pesquisa para realizar a produção de uma HQ como Quilombo Arum AiÊ: A.D - Eu já tinha publicado várias HQs como roteirista, em parceria com outros desenhistas. Mas, a partir de Chico Rei, eu encontrei o meu rumo

com desenhista, descobri o que eu tinha a dizer também com os desenhos. Esse caminho foi descoberto casando dois estilos pelos quais eu sou simplesmente fascinado: a arte africana e a xilogravura. Amo a beleza da estilização, do exagero das formas e da criatividade das figuras humanas e animais retratados pela arte africana em geral, e também acho belíssimos os traços grosseiros e rudes da xilogravura, traços que revelam uma poesia rústica linda de ver. ANDRÉ DINIZ - nasceu em 05 de setembro de 1975, em Niterói (RJ). Além de roteirista também é desenhista e editor.

Conheça a nossa GITIBECA! Contato: gibitecacom@gmail.com te: (32) 36944269

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful