Você está na página 1de 42
Aula de Tecnologia Mecânica I
Aula de Tecnologia Mecânica I
Mancais de Rolamento e Deslizamento
Mancais de Rolamento e Deslizamento

INTRODUÇÃO:

A primeira utilidade de um "rolamento" que poderia nos vir à cabeça seria servir como elemento auxiliar no transporte (até por causa dos carrinhos de "rolimã" da infância). E nisso os "rolamentos" são bem antigos. Alguns historiadores situam o início do seu uso por volta do ano 4.000 A.C., ajudando os Scandinavos a deslizar com seus trenós. Outros historiadores preferem apontar o seu início por volta de 3.500 A.C., quando os Sumérios utilizaram um cubo de roda construído em madeira montado sobre um eixo também de madeira.

INTRODUÇÃO

Já os egípcios apresentam diversas provas do seu uso datada de cerca de 1.800 A.C., que mostra um egípcio na ponta da pedra entornando um lubrificante no chão. Essa ilustração é freqüentemente referida como a mais antiga figura de um "engenho de lubrificação” trabalhando. Nas civilizações clássicas, Grécia e Roma, temos grandes aplicações de "elementos rolantes". Porém é na civilização Romana onde os mais espetaculares desenvolvimentos são encontrados. Com a revolução industrial, houve um grande avanço sobre o desenvolvimento deste elemento.

DEFINIÇÃO

Rolamentos são normalmente elementos metálicos que apresentam forma cilíndrica compostos por vários sub-elementos. São vazados em sua parte central visando o acoplamento em um eixo. Possuem principalmente a função de sustentar (apoio) um sistema de transmissão de torque suportando muitas vezes esforços simples ou combinados.

de sustentar (apoio) um sistema de transmissão de torque suportando muitas vezes esforços simples ou combinados.
de sustentar (apoio) um sistema de transmissão de torque suportando muitas vezes esforços simples ou combinados.
de sustentar (apoio) um sistema de transmissão de torque suportando muitas vezes esforços simples ou combinados.

DEFINIÇÃO E TAMANHOS

Este elemento apresenta uma grande variedade de tamanhos, conseqüentemente pode ser utilizados em diversos campos de aplicação na área industrial.

grande variedade de tamanhos, conseqüentemente pode ser utilizados em diversos campos de aplicação na área industrial.

CONSTITUIÇÃO

Os rolamentos também denominados mancais de rolamento são em geral, constituídos por alguns sub-elementos:

Anéis,

Interno,

Externo.

Corpos rolantes, Gaiola ou separador.

são em geral, constituídos por alguns sub-elementos: Anéis, Interno, Externo. Corpos rolantes, Gaiola ou separador .

CONSTITUIÇÃO – ROLOS E ESFERAS

CONSTITUIÇÃO – ROLOS E ESFERAS
CONSTITUIÇÃO – ROLOS E ESFERAS

CLASSIFICAÇÃO

Estes elementos são classificados principalmente segundo a direção de carga a ser suportada:

Radial Axial Combinada

elementos são classificados principalmente segundo a direção de carga a ser suportada: Radial Axial Combinada

CLASSIFICAÇÃO

CLASSIFICAÇÃO

CLASSIFICAÇÃO

CLASSIFICAÇÃO

CLASSIFICAÇÃO

CLASSIFICAÇÃO

TIPOS

Abertos, Selados e Blindados

TIPOS Abertos, Selados e Blindados

TIPOS

TIPOS

TIPOS

TIPOS

TIPOS

TIPOS

APLICAÇÃO

Rolamentos de carreira simples composto por elementos girantes esféricos. Exemplos de aplicações: Motores elétricos, alternadores, ventilação industrial, compressores, bombas de aquecimento, secadoras, instalações frigoríficas, foto-copiadora, carregadores de acumuladores, máquinas têxteis, compressores de esteiras mecânicas e aparelhos eletrodomésticos.

carregadores de acumuladores, máquinas têxteis, compressores de esteiras mecânicas e aparelhos eletrodomésticos.
carregadores de acumuladores, máquinas têxteis, compressores de esteiras mecânicas e aparelhos eletrodomésticos.

APLICAÇÃO

Rolamentos composto por elementos girantes cônicos. Útil para aplicações em cargas combinadas. Exemplos de aplicações: Eixos de redutores, mudança de transmissão com pinhão cônico, bombas, compressores, indústrias de papel.

Eixos de redutores, mudança de transmissão com pinhão cônico, bombas, compressores, indústrias de papel.

APLICAÇÃO

Rolamentos com carreira dupla e elementos girantes do tipo esférico. Tipo contato radial e de contato angular. Substituem rolamentos com carreira simples visando suportar maiores cargas radiais e cargas axiais nos dois sentidos. Exemplos de aplicações: Motores elétricos, aparelhos eletrodomésticos, hastes de máquinas para madeira, redutores, material agrícola.

Motores elétricos, aparelhos eletrodomésticos, hastes de máquinas para madeira, redutores, material agrícola.
Motores elétricos, aparelhos eletrodomésticos, hastes de máquinas para madeira, redutores, material agrícola.

APLICAÇÃO

Rolamentos de esferas com contato angular (oblíquo). As pistas dos anéis internos e externos dos rolamentos com uma carreira de esferas de contato radial são desnivelados um em relação ao outro. Adaptado para aplicações onde se combinam cargas radiais e axiais. Exemplos de aplicações: Caixa de redutores, hastes de máquinas-ferramenta

onde se combinam cargas radiais e axiais. Exemplos de aplicações: Caixa de redutores, hastes de máquinas-ferramenta

APLICAÇÃO

Rolamentos axiais composto por elementos girantes esféricos, cônicos ou cilíndricos. Suportam cargas axiais muito elevadas e são pouco sensíveis aos choques. As cargas radiais devem por sua vez ser moderadas. Exemplos de aplicações: Eixos verticais pesados, turbo alternadores, pivôs de gruas, parafusos de injeção de plástico, contra-pontas, bombas de platô.

pesados, turbo alternadores, pivôs de gruas, parafusos de injeção de plástico, contra-pontas, bombas de platô.

APLICAÇÃO

Rolamentos composto por elementos girantes cilíndricos. Aplicado onde as cargas radiais são elevadas e as velocidades de rotação altas. As cargas axiais aplicadas a estes rolamentos devem permanecer pequenas. Exemplos de aplicações: Motores elétricos pesados, caixas de eixos de vagões, vagonetas de pressão, cilindros de laminadores.

de aplicações: Motores elétricos pesados, caixas de eixos de vagões, vagonetas de pressão, cilindros de laminadores.

APLICAÇÃO

Rolamentos auto-compensadores composto por elementos girantes cilíndricos. Suportam cargas radiais muito grandes, cargas axiais moderadas. Exemplos de aplicações: Peneiras, trituradores, moedores, gaiola de laminador, pesados redutores, pesados ventiladores industriais, cilindros de máquinas impressoras, máquinas de pedreiras.

pesados redutores, pesados ventiladores industriais, cilindros de máquinas impressoras, máquinas de pedreiras.

APLICAÇÃO

Rolamentos auto-compensadores composto por elementos girantes cônicos. Suportam cargas radiais e axiais muito grandes. Exemplos de aplicações:

equipamentos pesados.

girantes cônicos. Suportam cargas radiais e axiais muito grandes. Exemplos de aplicações: equipamentos pesados.

APLICAÇÃO

Rolamentos auto-compensadores de esferas. Dotados de 2 fileiras de esferas e uma pista esférica sobre o anel externo. Exemplos de aplicações: Eixos longos e flexíveis, aplicações Industriais padrão, química, agricultura.

externo. Exemplos de aplicações: Eixos longos e flexíveis, aplicações Industriais padrão, química, agricultura.

APLICAÇÃO

Rolamentos combinado. Dotados de dois tipos de elementos girantes. Suporte simultaneamente grandes cargas radiais e axiais.

combinado. Dotados de dois tipos de elementos girantes. Suporte simultaneamente grandes cargas radiais e axiais.

IDENTIFICAÇÃ DO PRODUTO

Para a substituição do elemento, deve-se atentar para as seguintes características:

Fabricante,

Tipo de Rolamento,

Diâmetro do Furo,

Diâmetro Externo,

Largura.

RPM

características: Fabricante, Tipo de Rolamento, Diâmetro do Furo, Diâmetro Externo, Largura. RPM

DIMENSIONAMENTO

Capacidade de carga básica

L é a vida do rolamento em Revoluções C d é a carga radial dinâmica básica a é uma constante de acordo com o tipo do rolamento

a = 3 (rolamento de esferas) a = 10/3 (rolamento de rolos)

a = 3 (rolamento de esferas) a = 10/3 (rolamento de rolos)

P e é a carga radial equivalente

com o tipo do rolamento a = 3 (rolamento de esferas) a = 10/3 (rolamento de
com o tipo do rolamento a = 3 (rolamento de esferas) a = 10/3 (rolamento de

DIMENSIONAMENTO

Carga Radial Dinâmica Equivalente

P e é a carga radial equivalente X d é a fator de carga radial (tabelado) Y d é a fator de carga radial (tabelado) Fr e Fa são as forças radiais e axiais respectivamente (obtidos pelas reações de apoio)

de carga radial (tabelado) Fr e Fa são as forças radiais e axiais respectivamente (obtidos pelas

DIMENSIONAMENTO

Cálculo final de C d (carga dinâmica básica requerida)

R é o fator de confiabilidade (porcentagem) IF é o Fator de impacto tabelado L d é a vida estipulada em projeto K R é Constante tabelada de acordo com a confiabilidade desejada

L d é a vida estipulada em projeto K R é Constante tabelada de acordo com

DIMENSIONAMENTO

1. Calcular as reações de apoio sobre o eixo, que será Fr e Fa para o rolamento

2. Determinar L d e R para o projeto – com R definir K R

3. Avalie a severidade do impacto – definir IF

4. Selecione o tipo de rolamento – definir X d e Y d (são dois conjuntos de valores)

5. Calcule P e para ambos conjuntos de valores

6. Calcule a carga dinâmica básica requerida (usando o maior valor de P e ).

7. Utilizando uma tabela de fornecedor de rolamento escolha o rolamento que respeite o valor de C d .

8. Ajustar o diâmetro do rolamento ou do eixo para encaixe – respeitar o maior diâmetro (independentemente de qual elemento seja).

Tabelas

Tabelas

EXEMPLO

Um eixo foi dimensionado em 1,6 polegada (40,65 mm) e a análise de forças gerou os seguintes dados:

Fr= 370lbf (1646,5 N) (1lbf = 4,45N) Fa= 130 lbf (578,5N) Velocidade de 350 rpm Vida do projeto 10 anos, 50 dias/ano e 20h/dia R=95% Acionamento em correia V (IF = 1,2 – 2,5) Rolamento de esferas de uma carreira e canal profundo (X d1 = 1 e Y d1 =0; X d2 = 0,55 e Y d2 =1,45)

DIMENSIONAMENTO

Eixo com cargas variáveis

IF i é o fator de impacto de cada trecho P e é a carga radial dinâmica para cada trecho α i é a rotação relativa de cada trecho

de cada trecho P e é a carga radial dinâmica para cada trecho α i é

MANCAIS DE DESLIZAMENTO

O mancal de rolamento comparado com o mancal de deslizamento

Vantagens:

Coeficiente de atrito de partida (estático) não superior ao de operação (dinâmico);

Pouca variação do coeficiente de atrito com carga e velocidade;

Baixa exigência de lubrificação;

Devido à avançada padronização internacional são intercambiáveis e possibilitam

a utilização pela substituição simples; Possibilitam a simplificação da configuração dos conjugados, facilitando a

manutenção e a inspeção; Pequeno aumento da folga durante a vida útil;

Em geral podem apoiar simultaneamente a carga radial e a carga axial;

Permitem a utilização com folga negativa (condição de pré-carga) para aumentar a rigidez;

Desvantagem:

Maior sensibilidade ao choque;

Custo de fabricação;

Tolerância pequena para carcaça e alojamento do eixo;

Não suporta cargas tão elevadas como os mancais de deslizamento;

Ocupa maior espaço radial

TIPOS DE LUBRIFICAÇÃO

Hidrodinâmica – regidas pelas leis de mecânica dos fluídos, a velocidade do eixo dever ser alta o bastante para gerar a pressão na lubrificante a fim de separar os metais, evitando o contato. Hidrostática – não necessita de altas velocidades entre o mancal e o eixo, o lubrificante entra pressurizado para manter a película, utilizado em sistemas com velocidades muito baixas, a resistência friccional deve ser mínima. Elasto-hidrodinâmica – fenômeno que ocorre quando um lubrificante é introduzido entre superfícies de contato de rolamento, engrenagens engranzadas etc. se baseia na teoria de Hertz de tensão de contato e mecânica dos fluídos. Película sólida – lubrificação de temperaturas extremas, como grafite ou dissulfeto de molibdênio e outros tipos de compósitos. Com baixas taxas de desgaste e pouco atrito. Limítrofe – quando a carga sobre o mancal é pequeno, pode-se utilizar esse tipo de lubrificação.

DIMENSIONAMENTO

Para mancais limítrofe

Procurar o produto PV para buscar o material numa tabela.

V cont é a velocidade de deslizamento para movimento contínuos (ft/min) ou (m/min) d é o diâmetro do eixo (in ou m) (1/12 conversão de in para ft) N é a velocidade de rotação (rpm)

ou (m/min) d é o diâmetro do eixo (in ou m) (1/12 conversão de in para
ou (m/min) d é o diâmetro do eixo (in ou m) (1/12 conversão de in para

DIMENSIONAMENTO

V osc é a velocidade de deslizamento médio para movimento oscilatório.

ϕ é o ângulo total varrido por cada oscilação (rad) f é a freqüência de oscilação (osc/min)

oscilatório. ϕ é o ângulo total varrido por cada oscilação (rad) f é a freqüência de
oscilatório. ϕ é o ângulo total varrido por cada oscilação (rad) f é a freqüência de

DIMENSIONAMENTO

P é o segundo conceito a ser calculado

W é a força em lbf ou N d é o diâmetro do eixo (in ou m) L é o comprimento do mancal (in ou m).

a ser calculado W é a força em lbf ou N d é o diâmetro do

DIMENSIONAMENTO

Após cálculo de P e V, calcular o produto P.V

Buscar o material pela tabela abaixo.

DIMENSIONAMENTO Após cálculo de P e V, calcular o produto P.V Buscar o material pela tabela

DIMENSIONAMENTO

A relação do comprimento por diâmetro deve estar dentro da faixa

DIMENSIONAMENTO A relação do comprimento por diâmetro deve estar dentro da faixa

DIMENSIONAMENTO

Projeto de mancal hidrodinâmico

Viscosidade – fluído newtoniano

F é a força de atrito (lbf ou N) η é a viscosidade (lbf.s/in² (reyns) ou N.s/m²) U é a velocidade constante da superfície plana em movimento (in/s ou m/s) h é a espessura do filme de lubrificante (in ou m) A é a área da superfície plana em movimento em contato com o filme de óleo (in² ou m²)

de lubrificante (in ou m) A é a área da superfície plana em movimento em contato
de lubrificante (in ou m) A é a área da superfície plana em movimento em contato
de lubrificante (in ou m) A é a área da superfície plana em movimento em contato

Projeto do Elevador

Potência na Roldana Dimensionar o eixo da polia (τ adm = 80MPa, F.S.=4)

Dimensionar a torção pura, flexão pura (M=3000N.m) Flexo-torção (Von-Mises)

Dimensionar o rolamento

R=90%, L=10anos.365dias/ano.6h/ano.60min/h.350rpm Fr=1400N, Fa=0N Pesquisar tabela de mancais de rolamento Redimensionar o eixo ou o mancal e estipular os novos diâmetros.