Você está na página 1de 3

IDEALISMO

FRIEDRICH FROEBEL

O EDUCADOR
DAS CRIANÇAS
PEQUENAS
O criador dos
O alemão Friedrich Froebel (1782-
1852) foi um dos primeiros edu-
cadores a considerar o início da infân-
lo. Com base na observação das ativi-
dades dos pequenos com jogos e brin-
quedos, Froebel foi um dos primeiros
jardins-de-infância cia como uma fase de importância de- pedagogos a falar em auto-educação,
cisiva na formação das pessoas – idéia um conceito que só se difundiria no iní-
defendia um ensino hoje consagrada pela psicologia, ciên- cio do século 20, graças ao movimento
sem obrigações porque cia da qual foi precursor. Froebel viveu da Escola Nova, de Maria Montessori
o aprendizado depende em uma época de mudança de concep- (1870-1952) e Célestin Freinet (1896-
ções sobre as crianças (leia quadro na pá- 1966), entre outros.
dos interesses de gina 39) e esteve à frente desse proces-
cada um e se faz por so na área pedagógica, como fundador Treino de habilidades
meio da prática dos jardins-de-infância, destinado aos Por meio de brinquedos que desenvol-
menores de 8 anos. O nome reflete um veu (leia quadro na página 38) depois de
princípio que Froebel compartilhava analisar crianças de diferentes idades,
com outros pensadores de seu tempo: Froebel previu uma educação que ao
o de que a criança é como uma planta mesmo tempo permite o treino de ha-
em sua fase de formação, exigindo cui- bilidades que elas já possuem e o sur-
dados periódicos para que cresça de ma- gimento de novas. Dessa forma seria
neira saudável. “Ele procurava na infân- possível aos alunos exteriorizar seu mun-
cia o elo que igualaria todos os homens, do interno e interiorizar as novidades
sua essência boa e divina ainda não cor- vindas de fora – um dos fundamentos
rompida pelo convívio social”, diz Ales- do aprendizado, segundo o pensador.
sandra Arce, professora da Universida- Ao mesmo tempo que pensou sobre
de Federal de São Carlos (SP). a prática escolar, ele se dedicou a criar
As técnicas utilizadas até hoje em Edu- um sistema filosófico que lhe desse sus-
MASSIMO LISTRI/CORBIS /STOCK PHOTOS

cação Infantil devem muito a Froebel. tentação. Para Froebel, a natureza era
Para ele, as brincadeiras são o primeiro a manifestação de Deus no mundo ter-
recurso no caminho da aprendizagem. reno e expressava a unidade de todas
Não são apenas diversão, mas um mo- as coisas. Da totalidade em Deus de-
do de criar representações do mundo corria uma lei da convivência dos con-
concreto com a finalidade de entendê- trários. Isso tudo levava ao princípio

GRANDES PENSADORES 2 ● NOVA ESCOLA 37


de que a educação deveria trabalhar os símbolos para conhecer o que é o espí-
BIOGRAFIA
conceitos de unidade e harmonia, pe- rito divino e como ele se manifesta no
los quais as crianças alcançariam a pró- mundo. A criança, segundo o educador, Filho de um pastor protestante,
pria identidade e sua ligação com o trazia em si a semente divina de tudo o Friedrich Froebel nasceu em
Oberweissbach, no sudeste da
eterno. A importância do autoconhe- que há de melhor no ser humano. Ca-
Alemanha, em 1782. Nove meses
cimento não se limitava à esfera indi- bia à educação desenvolver esse germe depois de seu nascimento, sua
vidual, mas seria ainda um meio de tor- e não deixar que se perdesse. mãe morreu. Adotado por um tio,
nar melhor a vida em sociedade. viveu uma infância solitária, em
Além do misticismo e da unidade, a Educação espontânea que se empenhou em aprender
natureza continha, de acordo com Froe- O caminho para isso seria deixar a matemática e linguagem e a
explorar as florestas perto de
bel, um sistema de símbolos conferido criança livre para expressar seu inte-
onde morava. Após cursar
por Deus. Era necessário desvendar tais rior e perseguir seus interesses. Froe- informalmente algumas matérias
na Universidade de Jena, tornou-
se professor e ainda jovem fez uma
BRINQUEDOS CRIADOS PARA APRENDER visita à escola do pedagogo Johann
Froebel considerava a Educação desmontáveis. As brincadeiras Heinrich Pestalozzi (1746-1827),
Infantil indispensável para a eram acompanhadas de músicas, em Yverdon, na Suíça. Em 1811, foi
formação da criança – e essa idéia versos e dança. Os objetos criados convocado a lutar nas guerras
foi aceita por grande parte dos por Froebel eram chamados de napoleônicas. Fundou sua primeira
teóricos da educação que vieram “dons” ou “presentes” e havia escola em 1816, na cidade alemã
depois dele. O objetivo das regras para usá-los, que de Griesheim. Dois anos depois,
atividades nos jardins-de-infância precisariam ser dominadas para a escola foi transferida para
era possibilitar brincadeiras garantir o aproveitamento Keilhau, onde Froebel pôs em
criativas. As atividades e o material pedagógico. As brincadeiras prática suas teorias pedagógicas.
escolar eram determinados de previstas por Froebel eram, quase Em 1826, publicou seu livro mais
antemão, para oferecer o máximo sempre, ao ar livre para que a importante, A Educação do
de oportunidades de tirar proveito turma interagisse com o ambiente. Homem. Em seguida, foi morar na
educativo da atividade lúdica. “Todos os jogos que envolviam os Suíça, onde treinou professores
Froebel desenhou círculos, ‘dons’ começavam com as pessoas e dirigiu um orfanato. Todas essas
esferas, cubos e outros objetos formando círculos, movendo-se e experiências serviram de
que tinham por objetivo estimular cantando, pois assim conseguiam inspiração para que ele fundasse
o aprendizado. Eles eram feitos de atingir a perfeita unidade”, diz o primeiro jardim-de-infância,
material macio e manipulável, Alessandra Arce. Para Froebel, era na cidade alemã de Blankenburg.
geralmente com partes importante acostumar as crianças Paralelamente, administrou uma
aos trabalhos manuais. gráfica que imprimiu instruções de
A atividade dos sentidos brincadeiras e canções para serem
e do corpo despertariam o aplicadas em escolas e em casa.
germe do trabalho, que, Em 1851, confundindo Froebel com
segundo o educador um sobrinho esquerdista,
alemão, seria uma o governo da Prússia proibiu as
imitação da criação do atividades dos jardins-de-infância.
universo por Deus. O educador morreu no ano
seguinte, mas o banimento só foi
suspenso em 1860, oito anos mais
Crianças de um tarde. Os jardins-de-infância
jardim-de-infância
brasileiro: rapidamente se espalharam pela
brincadeiras para Europa e nos Estados Unidos, onde
MASAO GOTO FILHO

desenvolver a foram incorporados aos preceitos


criatividade educacionais do filósofo John
Dewey (1859-1952).

38 NOVA ESCOLA ● GRANDES PENSADORES 2


NOVO CONCEITO DE INFÂNCIA NA EUROPA
Duas tendências históricas são infância não passava de um
essenciais para a compreensão da período de “teste” para
obra de Froebel. Uma é a candidatos a adultos. Na Idade
valorização da infância – que Média, segundo o historiador
passou, entre os séculos 18 e 19, francês Philippe Ariès, a idéia
a ser encarada como uma fase da de infância simplesmente não
vida com particularidades bem existia: as crianças eram
Retrato da família
marcantes e com duração longa (é adultos à espera de adquirir a de Maximiliano I, da
dessa época também o surgimento estatura “normal”. Outra Áustria, do século
do conceito de adolescência). tendência histórica marcante do 15: crianças com
Havia pouco tempo, era comum feições de adultos
período em que Froebel viveu foi o
meninos europeus de 7 anos individualismo burguês,
entrarem para as Forças Armadas. simbolizado pela figura de
PARA PENSAR
Cerca de um século antes do Napoleão, que encarnava o ideal
nascimento de Froebel, tamanha do homem que se fez sozinho e se Froebel chegou a suas conclusões
era a mortalidade infantil que a tornou imperador da França. sobre a psicologia infantil
observando as brincadeiras e os
jogos das crianças. Diante das
atividades espontâneas de seus
bel adotava, assim, a idéia contempo- meira infância, dizia, o importante é alunos, você já pensou que tem
rânea do “aprender a aprender”. Para trabalhar a percepção e a aquisição da a oportunidade de entender a
ele, a educação se desenvolve esponta- linguagem. No período propriamen- psicologia de cada um e também
neamente. Quanto mais ativa é a men- te escolar, seria a vez de trabalhar re- de depreender algumas
características da faixa etária
te da criança, mais ela é receptiva a no- ligião, ciências naturais, matemática,
a que eles pertencem?
vos conhecimentos. linguagem e artes.
O ponto de partida do ensino seriam Froebel defendia a educação sem

‘‘
os sentidos e o contato que eles criam imposições às crianças porque, segun-
com o mundo. Portanto, a educação do sua teoria, elas passam por dife- Por meio da
teria como fundamento a percepção,
da maneira como ela ocorre natural-
rentes estágios de capacidade de apren-
dizado, com características específi-
educação, a criança
mente nos pequenos. Isso não quer di- cas, antecipando as idéias do suíço vai se reconhecer
zer que ele descartasse totalmente o en- Jean Piaget (1896-1980). Froebel de-
sino diretivo, visto como um recurso tectou três estágios: primeira infância, como um membro
legítimo caso o aluno não apresentas- infância e idade escolar. “Em seus es-
vivo do todo
se o desenvolvimento esperado. De mo-
do geral, no entanto, a pedagogia de
Froebel pode ser considerada como de-
fensora da liberdade.
O educador acreditava que as crian-
ças trazem consigo uma metodologia
critos, ele demonstra como a brinca-
deira e a fala, observadas pelo adulto,
permitem apreender o nível de desen-
volvimento e a forma de relaciona-
mento infantil com o mundo exterior”,
diz Alessandra Arce.
QUER SABER MAIS?
’’
A Educação do Homem, Friedrich Froe-
bel, 238 págs., Ed. UPF, tel. (54) 3316-8373,
28 reais 50 Grandes Educadores: de
Confúcio a Dewey, Joy A. Palmer, 308 págs.,
natural que as leva a aprender de acor- Froebel não fez a separação entre re- Ed. Contexto, tel. (11) 3832-5838, 48 reais
Friedrich Froebel: O Pedagogo dos Jar-
do com seus interesses e por meio de ligião e ensino, consagrada atualmente, dins-de-Infância, Alessandra Arce, 120
atividade prática. Ele combatia o ex- mas via a educação como uma ativida-
HULTON/GETTY IMAGES

págs., Ed. Vozes, tel. (24) 2233-9000, 18,30


cesso de abstração da educação de seu de em que escola e família caminham reais História Social da Criança e da Fa-
mília, Philippe Ariès, 280 págs., Ed. LTC, tel.
tempo, argumentando que ele afasta- juntas, outra característica que o apro-
(21) 3970-9450, 60 reais
va os alunos do aprendizado. Na pri- xima da prática contemporânea.

GRANDES PENSADORES 2 ● NOVA ESCOLA 39