Você está na página 1de 16
Introdução aos reactores químicos. Princípio do projecto de reactores.
Introdução aos reactores químicos.
Princípio do projecto de reactores.
Introdução aos reactores químicos. Princípio do projecto de reactores. Introdução aos Reactores Químicos 1
Introdução aos reactores químicos. Princípio do projecto de reactores. Introdução aos Reactores Químicos 1
Introdução aos reactores químicos. Princípio do projecto de reactores. Introdução aos Reactores Químicos 1

Introdução aos Reactores Químicos

1

Princípios da conservação Balanços de massa e energia Termodinâmica química Dinâmica de fluidos
Princípios da conservação
Balanços de massa e energia
Termodinâmica química
Dinâmica de fluidos
e energia Termodinâmica química Dinâmica de fluidos + Cinética Modelo Cinético Modelo matemático

+

Cinética

Termodinâmica química Dinâmica de fluidos + Cinética Modelo Cinético Modelo matemático macrocinético Modelo

Modelo Cinético

Modelo matemático macrocinético
Modelo matemático macrocinético
Modelo matemático reactor químico
Modelo matemático
reactor químico
macrocinético Modelo matemático reactor químico Factores de segurança e materiais construção

Factores de segurança e materiais construção

químico Factores de segurança e materiais construção Conservação de energia poluição Optimização Scale-up

Conservação de energia poluição

Optimização

Scale-up

Transferência de massa (difusão e convecção)

Scale-up Transferência de massa (difusão e convecção) Transferência de Calor Operação estado estacionário

Transferência de Calor

Operação estado estacionário

Transferência de Calor Operação estado estacionário Operação estado transiente Multiplicidade Estabilidade

Operação estado transiente

Multiplicidade

Estabilidade

Controlo

Selectividade

Conversão

Rendimento

ESCOLHA DO TIPO DE REACTOR
ESCOLHA DO TIPO DE REACTOR

Introdução aos Reactores

Químicos

Áreas e estudos complementares da engenharia da reacção química

2

1) Recolha de dados químicos e físico-químicos para caracterização da reacção. a) Desenvolvimento de um
1) Recolha de dados químicos e físico-químicos para caracterização da reacção.
a) Desenvolvimento de um modelo matemático reprodutível das velocidades
de reacção em função das condições operatórias.
b) Estimativa estatística dos parâmetros cinéticos do modelo.
2) Recolha de dados sobre a influência do escoamento, mistura e transferência
de calor.
3) Indicação do mecanismo controlador do sistema reaccional (cinético,
transferência de massa ou transferência de calor).
4) Escolha do tipo de reactor a utilizar.

Introdução aos Reactores Químicos

3

5) Escolha das condições iniciais a utilizar 6) Cálculo do volume do reactor e verificação
5) Escolha das condições iniciais a utilizar
6) Cálculo do volume do reactor e verificação do seu comportamento.
a) Determinação da influência de uma nova escala de dimensão (scale-up)
nos passos anteriores
b) Influência da separação e purificação de produtos e reciclagem de modo
a manter estáveis os níveis de conversão e rendimento pretendidos.
c) Controlo da reacção e estabilidade dos estados finais
7) Selecção dos materiais de construção
8) Projecto mecânico preliminar para o reactor
9) Custos de capital, de produção e repetição dos passos de 5) a 9) até
optimização do projecto

Introdução aos Reactores Químicos

4

EQUACIONAR OS PROBLEMAS APLICANDO OS PRINCIPIOS DA CONSERVAÇÃO DA MASSA, ENERGIA E DA QUANTIDADE DE
EQUACIONAR
OS PROBLEMAS
APLICANDO OS
PRINCIPIOS DA
CONSERVAÇÃO
DA MASSA,
ENERGIA E DA
QUANTIDADE
DE MOVIMENTO

Introdução aos Reactores Químicos

5

1) Modo de Operação - Reactores contínuos - Reactores descontínuos ou por partidas - Reactores
1) Modo de Operação
- Reactores contínuos
- Reactores descontínuos ou por partidas
- Reactores semi-contínuos
- Reactores semi-descontínuos

2) Tipo de reacção - Reactores catalíticos ou não-catalíticos

3) Número de fases presentes

- Reactores homogéneos ou heterogéneos

Introdução aos Reactores Químicos

6

4) Geometria do reactor, modo de escoamento e de contacto entre fases: - Reactor tanque
4) Geometria do reactor, modo de escoamento e de contacto entre fases:
- Reactor tanque de agitação
- Reactor tubular
- Reactor de leito com enchimento (fixo ou móvel)
- Reactor de leito fluidizado

Introdução aos Reactores Químicos

7

Operação em Contínuo
Operação em Contínuo

Os reagentes (alimentação) são introduzidos no reactor continuamente sendo

os produtos retirados igualmente de modo contínuo.

Esta operação, à excepção do arranque (start-up) e do termino (shut-down)

dá-se em estado estacionário e geralmente fornece um controlo eficaz da

reacção.

Introdução aos Reactores Químicos

8

Operação em Descontínuo ou de Partidas
Operação em Descontínuo ou de Partidas
Processo em que todos os reagentes são adicionados no inicio e a reacção termina quando
Processo em que todos os reagentes são adicionados no inicio e a reacção
termina quando se atinge o grau de conversão fixado (desejado), retirando-se
os produtos da reacção.
Utilização:
- Industria de pequena escala ou sempre que se pretenda obter produtos
químicos semelhantes (pigmentos, produtos farmacêuticos, polímeros etc.)

Introdução aos Reactores Químicos

9

Reacções Homogéneas
Reacções Homogéneas
Reacções Homogéneas Os reagentes, produtos, inertes e catalizadores estão todos numa só fase (líquida ou gasosa)
Os reagentes, produtos, inertes e catalizadores estão todos numa só fase (líquida ou gasosa) 
Os reagentes, produtos, inertes e catalizadores estão todos numa só fase
(líquida ou gasosa)
 Fase Gasosa – Operação em contínuo
 Fase Líquida – pode ter vários tipos de operação
Reacções Heterogéneas

O projecto de reactor torna-se mais complexo devido à interacção da cinética e da transferência de massa existente entre as fases ou dentro de cada fase

Introdução aos Reactores Químicos

10

Reactor Tanque de Agitação
Reactor Tanque de Agitação
Reactor Tanque de Agitação Introdução aos Reactores Químicos Tanque que possui um agitador mecânico e normalmente

Introdução aos Reactores Químicos

Tanque de Agitação Introdução aos Reactores Químicos Tanque que possui um agitador mecânico e normalmente uma
Tanque que possui um agitador mecânico e normalmente uma serpentina que funciona para controlo da
Tanque que possui um agitador mecânico e
normalmente uma serpentina que funciona para
controlo da temperatura da reacção.
Elevado grau de agitação

Mistura reaccional homogénea e quando operando em regime continuo, a composição da corrente de produtos é idêntica à composição no interior do tanque

11

Reactor Tubular Geralmente utilizado para reacções em fase gasosa, os reagentes são continuamente consumidos à
Reactor Tubular
Geralmente utilizado para reacções em fase gasosa,
os reagentes são continuamente consumidos à
medida que avançam no reactor ao longo do seu
comprimento.
Matematicamente mais difíceis de descrever, já que
existe difusão radial e axial.
Idealmente e em fase homogénea, as propriedades do elemento de volume de
fluido são uniformes e para se obter um controlo de temperatura devem usar-se
vários tubos de pequeno diâmetro em paralelo.

Introdução aos Reactores Químicos

12

Reactor de Leito de Enchimento
Reactor de Leito de Enchimento
Reactores utilizados em reacções heterogéneas Existem basicamente 2 tipos:  O sólido é um reagente
Reactores utilizados em reacções heterogéneas
Existem basicamente 2 tipos:
 O sólido é um reagente
 O sólido é um catalisador ( sistema mais
utilizado e muito utilizado e, reacções gás-
líquido)
Reactor de leito gotejante
O liquido escoa na direcção descendente em
forma de filme ou gotas e a corrente gasosa
move-se em contra ou co-corrente
Reactor de leito borbulhante
A fase gasosa movimenta-se na direcção
ascendente na forma de bolhas através do
liquido que está em contra ou co-corrente
através do liquido que está em contra ou co-corrente Para sistemas Gás-liq.-catalisador sólido Introdução aos

Para sistemas Gás-liq.-catalisador sólido

Introdução aos Reactores Químicos

13

Reactor de Leito Fluidizado
Reactor de Leito Fluidizado
Reactor de Leito Fluidizado Apresenta os sólidos suspensos de pequena dimensão (300 mm) devido ao escoamento
Apresenta os sólidos suspensos de pequena dimensão (300 mm) devido ao escoamento ascendente do fluido
Apresenta os sólidos suspensos de pequena
dimensão (300 mm) devido ao escoamento
ascendente do fluido reagente
Favorece transferência de massa e calor e uma
boa mistura
Permitem um bom contacto partícula fluido, tendo como vantagem um bom controlo de temperatura e
Permitem um bom contacto partícula fluido, tendo como vantagem um bom
controlo de temperatura e assegurar boa selectividade e evitar a desactivação
catalítica

Introdução aos Reactores Químicos

14

Reactor CSTR (continous stirred tank reactor) Reactor Semi-descontínuo Introdução aos Reactores Químicos Reactor

Reactor CSTR

(continous stirred tank reactor)

Reactor CSTR (continous stirred tank reactor) Reactor Semi-descontínuo Introdução aos Reactores Químicos Reactor

Reactor Semi-descontínuo

(continous stirred tank reactor) Reactor Semi-descontínuo Introdução aos Reactores Químicos Reactor Descontínuo

Introdução aos Reactores Químicos

Reactor Descontínuo

tank reactor) Reactor Semi-descontínuo Introdução aos Reactores Químicos Reactor Descontínuo Bateria de Reactores 15

Bateria de Reactores

tank reactor) Reactor Semi-descontínuo Introdução aos Reactores Químicos Reactor Descontínuo Bateria de Reactores 15

15

Reactor Tubular Reactor tubular de leito fixo Introdução aos Reactores Químicos Reactor tubular de leito

Reactor Tubular

Reactor tubular de leito fixo

Reactor Tubular Reactor tubular de leito fixo Introdução aos Reactores Químicos Reactor tubular de leito gotejante
Reactor Tubular Reactor tubular de leito fixo Introdução aos Reactores Químicos Reactor tubular de leito gotejante

Introdução aos Reactores Químicos

Reactor tubular de leito gotejante

Reactor Tubular Reactor tubular de leito fixo Introdução aos Reactores Químicos Reactor tubular de leito gotejante

16