O USO DE TRILHA NO POVOADO DO MANGUE, ALAGOAS, COMO INSTRUMENTO DE INSERÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Fátima Regina de Saboya Salgado1 José Sabino2

Eixo temático: O Homem - Trilhas em comunidades tradicionais e preservação Resumo: Esta investigação teve como objetivo evidenciar a importância do uso de trilhas como instrumento de inserção social e educação ambiental. Adotou-se a abordagem metodológica interdisciplinar, por permitir relacionar ambiente, cultura e sociedade. Foram feitas pesquisas bibliográficas, levantamento sócio-econômico e visitas técnicas ao Povoado do Mangue, que se situa à margem da Lagoa do Roteiro, no município de Barra de São Miguel, Alagoas. A comunidade local tem como atividade principal a coleta de mariscos, seja para comercialização, seja para alimentação própria. Caracterizada a comunidade e feito o reconhecimento da área, observou-se que a região comporta a implantação de trilha, atividade essa que demanda pessoal especializado para que sejam minimizados os impactos ambientais decorrentes da visitação. O local a ser utilizado é dotado de beleza cênica, com animais e vegetação típicos de ecossistemas conservados, situados entre o manguezal e a Mata Atlântica. A implantação de trilhas e a absorção do morador como condutor local de ecoturismo transforma-o em agente multiplicador de conhecimento, além de ser fator agregador da comunidade, visto que possibilita a valorização do homem sob os aspectos cultural, social e econômico. Esta atividade permite, ainda, o aproveitamento das capacidades locais, elevando a auto-estima por meio da percepção da importância de seus conhecimentos tradicionais, bem como a percepção do ambiente como patrimônio a ser preservado.

Palavras-chave: desenvolvimento regional, conservação da biodiversidade, turismo sustentável, manguezal

UNIDERP, fatimasaboya@uol.com.br – Mestranda em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional 2 UNIDERP, sabino-jose@uol.com.br - Docente do Programa de Mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional. Rua Ceará, 333. CEP 79003-010 Campo Grande – MS

1

Introdução
A educação ambiental é importante estratégia para a compreensão da interdependência entre os vários aspectos ―ecológico, social, econômico e político― que movimentam o mundo UNESCO (2006). Por outro lado, a degradação das condições de vida de grande contingente populacional brasileiro (e por que não dizer mundial), nos leva a pensar na utilização de instrumentos que conduzam essas populações à inserção social. Foi nesse sentido que se pensou na utilização de atividades educativas e turísticas em trilhas como instrumento para inserção social e educação ambiental de populações que se encontram à margem do sistema social. O alcance desse tema se revela importante para tais populações, visto que muitas vezes elas dispõem dos recursos naturais que possibilitariam tal inserção, mas não têm orientação ou não sabem como utilizá-los de forma sustentável (GARAY & DIAS, 2001). Assim, o tema foi tratado de forma a evidenciar a possibilidade do uso de trilhas como instrumento efetivo de educação ambiental e inserção das populações (para uma ampla revisão sobre ecoturismo de base comunitária veja MITRAUD, 2003).

Objetivos
O objetivo geral deste trabalho foi o de evidenciar a importância do uso de trilhas como instrumento de inserção social e educação ambiental. Os objetivos específicos foram a valorização do conhecimento tradicional, a união da comunidade em torno da atividade de condução de visitantes em trilhas e a promoção da educação ambiental por meio da percepção do ambiente como patrimônio a ser preservado.

Metodologia
Na fase inicial da pesquisa, foram realizadas duas visitas técnicas ao Povoado do Mangue, com o intuito de analisar os recursos naturais existentes, que possibilitariam a implantação de atividade de educação ambiental em trilhas interpretativas (cf. metodologia sugerida por LINDBERG & HAWKINS 1993). Nestas visitas a trilha foi inteiramente percorrida, com a participação de dois moradores. Durante o percurso, os condutores foram questionados sobre as espécies da fauna e flora ali existentes, bem como sobre a impressão que aquele ambiente natural causava neles e nos visitantes. Foram, ainda, esclarecidos sobre o objetivo da

pesquisa. Os condutores informaram que a trilha podia ser percorrida de duas formas: no sentido tabuleiro-Povoado do Mangue ―percurso por nós escolhido― e no sentido Povoado do Mangue-tabuleiro. Em ambas as situações o veículo que traz os visitantes, os leva ao ponto de partida. O percurso da trilha foi registrado fotograficamente, inclusive quanto a aspectos que a margeiam, apontados como relevantes pelos condutores ou observados pelos pesquisadores. Constatada a existência de recursos naturais que permitem a realização da atividade proposta, passou-se à realização de entrevistas a indivíduos da comunidade, que forneceram dados sobre o local, segundo seus saberes tradicionais, e que também foram informadas sobre os objetivos da pesquisa. Após esta fase exploratória, realizou-se pesquisa bibliográfica que relacionasse a atuação da população local em atividades de natureza à inserção social e à educação ambiental. A maioria dos estudos encontrados vincula a educação ambiental aos benefícios que esta proporciona ao visitante. São raras as publicações que relacionam os benefícios para a população local e a educação ambiental (e.g., DI TULLIO, 2005), e ainda assim com enfoque apenas aproximado ao que se pretendia para este trabalho.

Resultados/ Discussão
Justificativa O litoral do nordeste brasileiro, notadamente o de Alagoas, é dotado de recursos naturais ainda pouco conhecidos e relativamente bem preservados, como os manguezais da Lagoa do Roteiro, situada no litoral sul de Alagoas. Apesar da abundância de recursos naturais, a população que vive em seu entorno é carente de recursos econômicos, não se beneficiando das riquezas oriundas da atividade turística intensa existente na sede do município, notadamente na alta temporada, quando a população da Barra de São Miguel sextuplica, conforme dados da Prefeitura Municipal em seu sítio oficial na internet (PREFEITURA MUNICIPAL DA BARRA DE SÃO MIGUEL, 2006). O baixo IDH-M (0,430) apresentado no município de Barra de São Miguel, onde se situa o Povoado do Mangue é outro motivo que justifica a presente pesquisa. Apesar do elevado nível de recursos naturais na região, que poderia ser utilizado de forma sustentável na melhoria das condições de vida da população local, a pobreza é uma marca social determinante no Povoado do Mangue. Alternativas que apontem

caminhos de inserção da sociedade são necessárias à melhoria das condições sócioeconômicas da população local.

Caracterização da área O município de Barra de São Miguel (Figura 1) tem 77 km², 7.274 habitantes (IBGE, 2005) e está situado no litoral Sul de Alagoas, distante 32 km da capital, Maceió, na mesorregião da mata alagoana e na microrregião dos tabuleiros de São Miguel dos Campos (PREFEITURA MUNICIPAL DA BARRA DE SÃO MIGUEL, 2006). A principal atividade econômica do município é o turismo. O Povoado do Mangue, localizado no município de Barra de São Miguel, teve início em 1956, à beira do manguezal, na margem direita da Lagoa do Roteiro (Figuras 2 e 3), quando duas famílias ali fixaram residência, em casas de taipa. Atualmente é um assentamento regulamentado, em área cedida pelo Serviço do Patrimônio da União, Gerência Regional de Alagoas.

Figura 1- Região da Barra de São Miguel e Lagoa do Roteiro, Alagoas.

Fonte: http://maps.google.com

Figura 2 – Região do Povoado do Mangue, Alagoas.

Fonte: http://maps.google.com

Figura 3 – Região do Povoado do Mangue, Alagoas.

Fonte: http://maps.google.com
A área está atualmente classificada como Reserva Ecológica de Manguezais da Lagoa do Roteiro, de acordo com o Decreto Estadual n° 32.355/87. Foi requerida, em 18/05/2005, a reclassificação da área para Reserva de Desenvolvimento Sustentável, considerando que há mais de 50 anos vive naquele local comunidade tradicional que sobrevive da coleta de mariscos e crustáceos extraídos do manguezal e da Lagoa do Roteiro, bem como para adequar-se à nova legislação acerca das Unidades de Conservação, que não mais contempla a modalidade Reserva Ecológica.

Caracterização da comunidade envolvida Conforme pesquisa sócio-econômica realizada em março de 2005, residem no Povoado do Mangue aproximadamente 320 pessoas, em 72 residências, que tiram seu sustento, predominantemente, da coleta de mariscos. Do total de moradores, 142 são crianças (entre 0 e 12 anos). Cerca de 1/3 da população não é alfabetizada; em 36 residências (50%) a renda mensal familiar é inferior a um salário mínimo. A comunidade é dotada de uma escola (até a 3ª série do ensino fundamental) e uma biblioteca, ambas doadas pela iniciativa particular e administradas pela prefeitura de Barra de São Miguel. Não dispõe de posto de saúde, porém um médico do município atende na biblioteca uma vez por semana. Recentemente foi instalado um telefone público. Em janeiro de 2005 foi implantada, no local, rede de energia elétrica. Apenas as 18 (25%) residências de alvenaria, que foram construídas pelo poder público, são dotadas de fossa séptica. Seus moradores exercem as mais diversas atividades, sendo a maioria relacionada à pesca artesanal.

Recursos naturais A região estudada é típica de manguezal, sobressaindo-se as espécies Laguncularia racemosa (mangue-amarelo) e Rhizophora mangle (mangue-vermelho, também conhecido localmente como gaiteira). O Povoado do Mangue localiza-se entre o manguezal e a Mata Atlântica. Esporadicamente, dois moradores conduzem visitantes e demais interessados por caminhada em trilha (Figura 4), com extensão aproximada de 12 km (conforme informação prestada pelos condutores). Considerando as várias paradas, o percurso é vencido entre 4 a 5 horas de caminhada, em sentido único, saindo do tabuleiro (onde se encontra um canavial) em direção ao Povoado do Mangue.

Figura 4 – Os condutores, Zé Biu e Waldick, na trilha em estudo, no Povoado do Mangue, Alagoas.

Fonte: Fátima Saboya
O Brasil não dispõe de padronização de classificação de trilhas. Porém, encontra-se em fase de desenvolvimento pela ABNT, com participação da ABETA (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE TURISMO DE AVENTURA, 2006) estabelecimento de normas técnicas para diversas atividades, inclusive aquelas relativas às caminhadas (CE 54:003.10 – Cicloturismo, Turismo com atividades de Caminhada e Cavalgada). Analisando-se as várias classificações de trilhas, notadamente as classificações propostas por Free Way Adventures, The Adventure Company e Mountain Travel, apresentadas por Andrade (2003), a trilha do Povoado do Mangue melhor se insere na classificação adotada por Free Way Adventures, sendo do nível C (semipesada) quanto à intensidade, visto que demanda caminhada entre 4 a 5 horas, e de nível 2 (com obstáculos naturais) quanto ao nível técnico, considerando a declividade em alguns pontos da trilha. A trilha percorrida é do tipo “atalho” (ANDRADE, 2003), ou seja, seu início e fim estão em diferentes pontos do Povoado. Durante a trilha, os condutores apontaram várias espécies da flora local, citando seus nomes populares: mororó (Bauhina forficata), murici (Byrsonima sericea), jitaí (Apuleia leiocarpa), cocão (Apuleia leiocarpa), miolo-preto, birro, piranha (Pisonia sp.), embiriba (Eschweilera sp.), embaúba (Cecropia sp.), sapucaia (Lecythis pisonis), banana-de-papagaio (Himatanthus bracteatus), cupiúba (Tapirira guimensis), bulandim

(Platonia

insignis),

jaqueira

(Artocarpus

heterophillus),

sabacuim

(Shefflera

morototoni), peroba (Aspidosperma polyneuron), pau d’arco (Tecoma curialis), paubrasil (Caesalpinia echinata), dentre várias outras cujos nomes desconheciam, mesmo popularmente. Além dessas foram identificados cajueiros, mangueiras, coqueiros e jenipapeiros. No percurso, os condutores chamaram a atenção para vários aspectos nas margens da trilha, tais como borboletas (Figura 5), vestígios de animais (Figura 6), bica (Figura 7), fungos (Figura 8), lagoa (Figura 9) e antiga casa de farinha (Figura 10).

Figura 5 – Borboleta do gênero Caligo, registrada na trilha do Povoado do Mangue, Alagoas.

Fonte: Fátima Saboya

Figura 6 - Toca de animal (provavelmente tatu), registrada na trilha do Povoado do Mangue, Alagoas.

Fonte: Fátima Saboya

Figura 7 – Bica registrada na trilha do Povoado do Mangue, Alagoas.

Fonte: Fátima Saboya

Figura 8 - Fungo orelha-de-pau (vista superior), registrado na trilha do Povoado do Mangue, Alagoas.

Fonte: Fátima Saboya

Figura 9 - Barra do rio São Miguel, registrada na trilha do Povoado do Mangue, Alagoas.

Fonte: Fátima Saboya

Figura 10 - Antiga casa de farinha (abandonada), registrada na trilha do Povoado do Mangue, Alagoas.

Fonte: Fátima Saboya

Inserção social A maioria dos estudos encontrados refere-se à importância das trilhas interpretativas sob a ótica trilha-visitante, ressaltando seu caráter educativo, fato que é inegável. O estudo mais próximo da abordagem que se pretende, ou seja, a relação

trilha-condutor, sendo este condutor pertencente à comunidade em que se insere a trilha, foi realizado por Di Tullio (2005), em sua dissertação de mestrado, em que focaliza a “abordagem participativa na construção de uma trilha interpretativa como estratégia de educação ambiental em São José do Rio Pardo, SP”. Neste trabalho, a autora ressalta a importância do processo participativo como instrumento efetivo de educação ambiental e inserção social, por vincular os envolvidos às questões de seu ambiente natural. Nos demais estudos, de forma genérica, são apontados os aspectos socialmente benéficos relacionados à inserção de comunidade nativa em atividades ecoturísticas. Resultados de oficina sobre Diversidade Biológica e Turismo, realizada pela Convenção para a Diversidade Biológica (UNEP, 2001), reconhecem a existência de benefícios potenciais do turismo. De modo similar, o uso de trilhas interpretativas no Povoado do Mangue possibilita alguns benefícios sócio-econômicos, conforme apontado naquela oficina, tais como: geração de trabalho e renda, por meio do uso alternativo da diversidade biológica, geração de fundos para o desenvolvimento e/ou manutenção de práticas sustentáveis e educação ambiental. Para Coriolano & Lima (2003), o turismo deve ser um processo que valoriza as pessoas e as atividades devem ser planejadas de forma a respeitar o lugar e as pessoas, com foco no desenvolvimento social e cultural do grupo. A preocupação com a biodiversidade não afasta a preocupação com o Homem, tanto que o Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica estabeleceu algumas premissas em seu programa de ecoturismo, dentre elas a promoção da autoestima e da valorização da sócio-diversidade e cultura locais, ambas entendidas como parte de um processo de resgate da cidadania local, dentro de uma perspectiva global (AMBIENTEBRASIL, 2006). Campos (2006), reconhece que atividades em trilhas interpretativas favorecem o desenvolvimento local da comunidade, sendo alternativa ao verdadeiro desenvolvimento sustentável que o ecoturismo segue, resultando em recuperação e conservação da fauna e flora das comunidades naturais, com a utilização direta das trilhas interpretativas. Para o European Travel & Tourism Action Group (2006), o turismo tem, ainda, importante papel na ponta mais fraca do mercado de trabalho, por fornecer um mecanismo social da inserção para trabalhadores sem qualificação. Estudo de Heller, Price, Reinharz, Rigor, Wandersman e D’Aunno, citado por Ross (2001), chegou à conclusão de que “a psicologia da comunidade produziu uma grande diversidade de modelos, segundo os quais a estrutura e o funcionamento da comunidade podem ser explorados e compreendidos”, indicando o modelo das

“representações sociais”, por abordar “a idéia de continuidade e de percepções e formas de pensar no nível da comunidade”. Desta forma, ainda segundo aqueles autores, houve uma mudança na avaliação dos indicadores de qualidade de vida pelos próprios envolvidos, que passaram a ter a percepção de que não somente as dimensões econômicas, mas também as sociais, são importantes na previsão da satisfação geral com a vida da comunidade. De modo similar, pode ocorrer a inserção social da comunidade do Povoado do Mangue, quando a absorção do morador como condutor local de ecoturismo transforma-o em agente multiplicador de conhecimento, ao mesmo tempo em que utiliza seus conhecimentos tradicionais, não somente com os visitantes, mas também com os demais moradores. Estudos similares, sobre importância do turismo no desenvolvimento local, são apontados por Rodrigues (1997) e Serrano & Bruhns (1997), além dos possíveis riscos e impactos culturais quando a atividade é mal planejada. Adicionalmente, a atividade de condução pode ser vista como fator agregador da comunidade, porque os une em torno de um objetivo maior, que é a manutenção da qualidade ambiental do manguezal. Ao mesmo tempo, a condução em trilhas possibilita a valorização do Homem sob os aspectos cultural, social e econômico, permitindo o aproveitamento das capacidades locais, elevando a auto-estima por meio da percepção da importância de seus conhecimentos tradicionais, bem como a percepção do ambiente como patrimônio a ser preservado. Assim, pode-se dizer que a atividade de condução de visitantes em trilha mobiliza os moradores do Povoado do Mangue, conferindo-lhes senso de responsabilidade em relação ao destino do ambiente natural que os rodeia, além de, aos poucos, possibilitar mudanças sócioeconômicas na dura realidade em que vivem.

Educação ambiental Em publicação especializada da UNESCO (2006) atesta que a educação ambiental é um processo de aprendizagem permanente, que promove o conhecimento da inter-relação entre ecologia, sociedade, economia e política, promovendo, ainda, mudanças de atitude baseadas no compromisso e no desenvolvimento de habilidades e valores que tornem os indivíduos capazes de buscar soluções para os problemas ambientais. No próprio conceito são encontradas as finalidades básicas da educação ambiental: introdução de novas formas de conduta em relação ao ambiente, aquisição

dos conhecimentos, habilidades e valores necessários à proteção ambiental e compreensão de que há interdependência entre conservação, sociedade, economia e política. A participação em atividade de condução de visitantes em trilhas proporciona à comunidade do Povoado do Mangue excelente oportunidade para ampliar seus conhecimentos quanto ao ambiente natural que os rodeia. A curiosidade natural em relação às espécies não conhecidas por eles, e sua importância para aquele ambiente, deve ser estimulada. Neste momento se faz mais importante a união entre poder público e iniciativa privada, seja na capacitação de guias de natureza, seja na implementação de infra-estrutura na trilha, de modo similar ao apontado por Mitraud (2003). Sobre a capacitação dos condutores, Drumm et al. (2004) ressaltam sua importância, visto que são eles que proporcionam o elemento educativo à atividade ecoturística e, ainda, que são sua capacidade e seu compromisso que asseguram que os impactos negativos sejam minimizados, por estarem em posição privilegiada de observar e reportar os impactos que percebam nas trilhas. Drumm et al. (2004) enfatizam também que os condutores de trilha servem como importante modelo, seja para os visitantes, seja para sua própria comunidade, visto que suas atitudes e seu comportamento enviam importante mensagem sobre o conceito de ecoturismo: o guia recolhe lixo ao longo da trilha? Coopera com as autoridades informando atividades ilegais? O guia adapta os conceitos do ecoturismo às situações em sua casa e em sua comunidade? Estas atitudes são observadas e muitas vezes copiadas, auxiliando na multiplicação de práticas corretas. Esta capacitação é facilitada porque já existe uma relação estreita entre a comunidade e o ambiente natural, saindo dali seu sustento. Assim, no dizer de Kato (2006), “a idéia da exploração sustentável e da preservação do meio ambiente em que a comunidade tradicional vive é inerente e enraizada na cultura dessas populações”. Deste modo, a importância da educação ambiental revela-se ao condutor da atividade de condução em trilhas, de modo a desenvolver o senso de responsabilidade, possibilitando e favorecendo ações dentro de parâmetros de sustentabilidade (GARAY & DIAS, 2001).

Conclusão
A simples existência de recursos naturais no entorno de uma comunidade não é suficiente para promover a educação ambiental da população local ou mesmo sua inserção social. A valoração dos recursos naturais pelas populações tradicionais

decorre da constatação da possibilidade de sua utilização. Para facilitar o processo de utilização dos recursos naturais, portanto, é necessário que haja capacitação destas pessoas para condução em trilhas, fato que possibilita o uso de forma racional, introduzindo práticas e conceitos relativos ao desenvolvimento sustentável . Desta forma, a ampliação dos saberes, mais do que simples expansão do conhecimento, traz consigo um novo modo de vida, fundamentado na consciência e no reconhecimento de que seu saber também é importante. Para além dos benefícios ambientais, a atividade de condução em trilha proporciona aos condutores auto-estima e respeito social, bem como promove mudanças de atitude que servem de modelo aos demais moradores do Povoado do Mangue.

Bibliografia

AMBIENTEBRASIL. Apresentação das Instituições e do Projeto Ecoturístico Desenvolvido no Pólo Vale do Ribeira - PETAR Disponível em: http://www.ambientebrasil.com.br/composer.php3?base=./ecoturismo/index.html&conte udo=./ecoturismo/programas/petar.html Acesso em: 18 Out. 2006. ANDRADE, W. J. Implantação e manejo de trilhas. In: MITRAUD, S. (Org.) Manual de Ecoturismo de Base Comunitária – ferramentas para um planejamento responsável. Brasília: WWF Brasil, 2003. ABETA – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE TURISMO DE AVENTURA. Relatório de Atividades de janeiro a agosto de 2006. Disponível em: <http://www.abeta.com.br/pt_new/gc_online/nivel1.asp?nivel1_id=210&idioma=pt. Acesso em: 18.10.2006. CAMPOS, A. M. N. Turismo – a relação do ecoturismo e das trilhas interpretativas. Revista Espaço Acadêmico, n° 57, Fev. 2006. Disponível em: <http://www.espacoacademico.com.br/057/57campos.htm>. Acesso em 18 Out. 2006. CORIOLANO, L. N. M. T; LIMA, L. C. (Orgs.) Turismo comunitário e responsabilidade socioambiental. Fortaleza: EDUECE, 2003. DI TULLIO, A. A abordagem participativa na construção de uma trilha interpretativa como uma estratégia de educação ambiental em São José do Rio Pardo-SP. Dissertação de mestrado, Escola de Engenharia de São Carlos – Universidade de São Paulo, 2005. DRUMM, A., MOORE, A., SOLES, A., PATTERSON, C, TERBORGH, J. E. Desarrollo y manejo del ecoturismo. Volume 2. The Nature Conservancy, 2004. EUROPEAN TRAVEL & TOURISM ACTION GROUP. Disponível <http://www.etag-euro.org/pgpolicy.htm>. Acessado em 13 Out. 2006. em:

GARAY, I. & B.F.S. DIAS (Orgs.) Conservação da Biodiversidade em Ecossistemas Tropicais: avanços conceituais e revisão de novas metodologias de avaliação e monitoramento. Petrópolis: Vozes, 2001. KATO, P. Portal SOS Mata Atlântica. Disponível em: <http://www.sosmatatlantica.org.br /?secao=conteudo&id=8_3_8>. Acesso em: 20 Out. 2006. LINDBERG, K. & D.E. HAWKINS (eds.). Ecotourism: a guide for planners & managers. North Bennington, Vermont: The Ecotourism Society, 1993. MITRAUD, S.F. (Org.), Manual de Ecoturismo de Base Comunitária: Ferramentas para um planejamento responsável. Brasília: WWF, 2003. PREFEITURA MUNICIPAL DA BARRA DE SÃO MIGUEL. Disponível em: <http://www. barradesaomiguel-al.com.br/dadosgerais.php>. Acessada em: 17 Out. 2006. RODRIGUES, A. B. (Org.). Turismo e Desenvolvimento Local. HUCITEC: São Paulo, 1997. ROSS, G. F. Psicologia do turismo. São Paulo: Contexto, 2001. SERRANO, C. M. T.; BRUHNS, H. T. Viagens à natureza: turismo, cultura e ambiente. Papirus: Campinas, 1997. UNESCO. Environmental Education for Sustainable Development. Disponível em: <http://portal.unesco.org/en/ev.php-URL_ID=24219&URL_DO=DO_TOPIC&URL_ SECTION=201.html>. Acesso em: 21 Out. 2006. UNEP – UNITED NATIONS ENVIRONMENT PROGRAMME. Convention on Biological Diversity - Report of the workshop on biological diversity and tourism. Santo Domingo, 2001.