Uruguaiana, 29 de outubro de 2012.

Segunda feira Conteúdos: Português: compreensão e interpretação, leitura, expressão oral, literatura infantil, produção textual, número de sílabas Matemática: multiplicação Educação Artística: pintura Ciências: experimentação, cores Objetivos: Apreciar a hora do conto interagindo com colegas e professora. Compreender e interpretar a história ouvida. Expressar-se oralmente com clareza. Expressar sentimentos e conhecimentos na produção artística. Evidenciar raciocínio lógico matemático ao realizar cálculos de multiplicação. Ouvir com atenção. Trabalhar em grupo de forma cooperativa. Vivenciar situações em que produzam o próprio material de pintura utilizando materiais diversos. Demonstrar atenção e identificar o segredo da experimentação das cores. Produzir um pequeno relato sobre a experiência feita em sala de aula. Procedimentos: 1. Oração Conversa informal Chamada A chamada será realizada da seguinte maneira: a professora chegará minutos antes na sala e escreverá no quadro negro os nomes de todos os alunos. Ao chegarem, os alunos serão motivados a sentarem em círculo; a professora chamará um aluno de cada vez para vir até o quadro negro e circular seu nome ou o nome de um colega; para isto, a professora irá dando dicas como, por exemplo: começa com a letra K, tem 9 letras, é trissílabo, e assim por diante. 2. Hora do conto: Será contado o conto “ Contra feitiço, feitiço e meio”, de Eloí Elisabet Bocheco.

a) Motivação:

A professora separará a turma em dois grupos. Cada grupo deverá pensar em uma prenda que o outro grupo deverá pagar. Com sua varinha mágica, a professora dirá em voz alta “Contra feitiço, feitiço e meio”, isto é, o feitiço virou contra o feiticeiro. O grupo deverá pagar a prenda que iria propor ao outro grupo. b) Hora do conto: A história será contada com o auxílio do próprio livro, de uma varinha mágica e um chapéu de bruxinha feitos em EVA. A professora levará os alunos para baixo de uma árvore e contará a história. c) Questionamentos orais:

Os questionamentos orais estarão dentro de um baú. A professora com um chapéu de bruxa e uma varinha passará na frente dos alunos, que estarão em um círculo de testa, colocará o chapéu e entregará a varinha para um aluno e este deverá sortear uma pergunta e respondê-la. E assim sucessivamente até que todos tenham participado. 1) 2) 3) 4) 5) 6) 7) 8) 9) 10) Tu tens alguma caixa cheia de guardados? Diz alguma coisa de estimação que tu tenhas. Tu já foste a alguma exposição? (Como foi?) Tu és amigo(a) dos animais? Será que podemos ser amigos de uma aranha? O que seria transformar “graça” em “desgraça”? Quem transformava a graça em desgraça? Por que ela fazia isto? Imite o ronco de um trovão. Tu sabes o que é urtiga? Sabes o nome de algum pássaro?

11) Tu sabes tocar flauta? 12) Tapetes podem voar? 13) Conheces alguma história em que os tapetes voavam?

14) Tu já brincaste de telefone sem fio? 15) Tu já colheste frutas na mata? (Como foi?) 16) Tu sabes onde fica o Japão?

17) 18)

O que são carpas, lambaris e dourados presentes no texto? Rodopia que nem pião.

19) Tu já fizeste alguma mágica? 20) 21) 22) 23) 24) Quem era Alcina? O que Alcina fazia? Quem era Tita? Como é o nome do teu animal de estimação? Quem era a dona do baú?

25) Tu já viste uma joaninha de perto? 26) Quem era Elisa? 3. Mágica das cores Os alunos e a professora confeccionarão tintas com ovos, barras de giz coloridas e pigmentos (corantes). Cada aluno receberá uma folha sulfite. A professora fará o seguinte questionamento: “ Se tu tivesses uma varinha de condão, que mágica farias?”. A partir deste questionamento, os alunos irão desenhar sobre a folha a mágica que fariam. Será realizada uma conversa. Depois de secos, os desenhos serão colados no caderno. 4. Hora da experiência: o segredo das cores da canetinha Material: canetinhas de hidrocor de diferentes cores, álcool, filtro de café, copo, fita crepe, tesoura. Desenvolvimento: pega o filtro de café e corta em retângulos, formando tiras. Enche o fundo do copo com o álcool. Pega a tira de papel filtro e desenha sobre ela uma bolinha com caneta hidrocor (um dedo de distância da ponta), prende a tira com fita crepe na canetinha e põe dentro do copo. A parte da bolinha deve ficar perto, mas não diretamente em contato com o álcool, assim formando um “T”. Deixa o álcool ser sugado pelo papel. Aguarda cerca de 15 minutos enquanto o álcool sobe pelo papel. Quando perceberes que o álcool deixou de subir, tira o papel e deixa-o secar. Após analisa o resultado da experiência.Irás perceber que, quando o álcool passou por algumas cores, elas foram decompostas. Por exemplo, a cor preta mostrou que era formada por pigmentos rosa, verde e azul. 5. Jogo da memória rápida As crianças ficarão dispostas em círculo. A professora ficará no meio com uma bola nas mãos, jogará a bola para um dos alunos e falará um cálculo de multiplicação. O aluno que receber a bola, deverá dar a resposta do cálculo proposto. Se ele acertar, ocupa o lugar no centro do círculo e escolhe outro colega para jogar a bola e responder outro cálculo de multiplicação.

6. Livro de magia A professora dará para cada criança uma folha sulfite para que façam o relato da experiência do segredo das canetinhas. Cada criança terá que relatar como foi feita a experiência do segredo das canetinhas, contando como foi feito, qual o material utilizado, o que ela achou, qual era o segredo. (A professora fará junto com os alunos os modelos desta experiência na atividade número 4. Cada aluno terá o seu comprovante). Recursos: corantes, giz, ovos, papel pardo, bola, pincel, tintura de iodo, limão, água, folhas sulfite, baú, varinha, chapéu de bruxa, canetinhas de hidrocor de diferentes cores, álcool, filtro de café, copo, fita crepe, tesoura. Avaliação: Apreciação da hora do conto e interação. Compreensão e interpretação. Expressão oral. Expressão de sentimentos na produção artística. Evidência de raciocínio lógico matemático na realização de cálculos. Escuta atenta. Trabalho cooperativo. Vivência de situações de produção de materiais. Demonstração de atenção na hora da experimentação. Produção textual. Observação:

Uruguaiana, 30 de outubro de 2012. Terça-feira Conteúdos: Potuguês: compreensão e interpretação, leitura oral e silenciosa Educação artística: produção de livro, desenho Ensino Religioso: alteridade Ciências: experimento, estados físicos Educação física: flexibilidade, equilíbrio, agilidade, lateralidade Objetivos:            Escutar com atenção a história. Ler o texto de forma coletiva e organizada. Interpretar a história ouvida. Trabalhar em grupo de forma cooperativa. Expressar os sentimentos de forma criativa. Utilizar os movimentos adequados na realização das atividades. Controlar gradualmente o próprio movimento. Desenvolver o equilíbrio. Ampliar as possibilidades de deslocamento. Explorar a agilidade e a atenção na realização das atividades. Vivenciar experiências que possam explorar o estado sólido e líquido de uma mistura.

Procedimentos: 1. Oração Conversa informal Chamada A chamada será realizada da seguinte maneira: a professora dará um pedaço de papel para cada aluno. Estes estarão sentados em duplas. A professora pedirá que cada aluno escreva o nome de seu colega do lado, isto é, de sua dupla e coloque dentro de uma caixinha que terá o nome: “ Presença mágica”. 2. Texto : “Contra feitiço, feitiço e meio”, de Eloí Elisabet Bocheco

3. Leitura do texto. Cada aluno deverá ler um trecho do texto. A professora terá uma caixinha com os nomes dos alunos. Ela sorteará um nome e este aluno deverá ler um trecho do texto. O mesmo aluno, após terminar de ler, retirará outro nome de dentro da caixinha e este será o próximo a dar continuidade à leitura. 4. Questionamentos escritos: 1) Tu tens alguma caixa cheia de guardados? 2) Diz alguma coisa de estimação que tu tenhas. 3) Se tivesses uma varinha mágica, o que farias? 4) Se pudesses dizer algo para Alcina, o que dirias? 5. Baú das recordações A professora organizará os alunos sentados no chão em círculo de testa. Cada aluno receberá um pedaço de papel colorido e escreverá um momento que tenha gostado ao longo de sua vida, relembrando um momento marcante, alegre, divertido, que trouxe felicidade. Após todos escreverem, de forma clara e organizada, cada um lerá o que escreveu e colocar dentro de um baú. A professora dará outro papel, de cor escura , para que os alunos possam escrever um momento não tão bom que eles lembrem, que trouxe choro, dor, sofrimento ou algo que eles considerem errado e que deve ser mudado no bairro, na cidade, no país. O aluno que quiser ler poderá, de forma organizada, realizar a leitura. A professora passará com uma caixinha feita em dobradura e pedirá que os alunos ponham dentro dela os papéis. Após todos terem colocado os papéis na caixa, de mãos dadas dirão: “Com estes papéis, vão as mágoas de um passado sombrio e escuro”. A professora pegará a caixa e na hora do recreio, juntamente com os alunos, enterrará em um canto do pátio da escola, simbolizando que foram jogadas fora todas as energias negativas. 6. Hora da experiência: O líquido que quer ser sólido Material: água, amido de milho, pote, colher, corante Desenvolvimento: A professora pegará um pote e colocará o amido de milho. Adicionará água e misturará tudo até formar uma mistura homogênea, isto é, até o ponto ideal. Esta mistura ora ficará mole, ora ficará dura; tudo depende do ponto ideal e da forma como a professora colocar a mão. Os alunos poderão fazer com tranquilidade essa experiência.

7. Educação Física Parte inicial Atividade 1 Nome da atividade: Alongamento Formação: em círculo de testa Desenvolvimento: seguindo as orientações da professora os alunos deverão realizar os movimentos indicados para alongar seus membros superiores e inferiores. Variação: em duplas. Parte Principal Atividade 2 Nome da atividade: Cabo de teias Formação: em equipes dispostas em filas indianas Desenvolvimentos: a professora dividirá a turma em duas equipes. Pegará uma corda e dará uma ponta para cada equipe. Ao sinal da professora, os alunos deverão puxar a corda para o lado de sua equipe. Ganha a equipe que fizer a equipe concorrente ultrapassar a linha demarcada no centro da corda. Variação: não há variação Atividade 3 Nome da atividade: Corrida das bruxinhas com obstáculos Formação: em equipes dispostas em filas indianas. Desenvolvimento: A professora separará a turma em equipes. Para cada equipe, ela dará uma vassoura e um chapéu. O aluno que estiver na frente da fila, deverá por o chapéu, “montar” na vassoura e sair “voando”. A professora espalhará pela quadra obstáculos por onde os alunos terão que ultrapassar e voltar entregando seu chapéu e a vassoura ao próximo colega que está na fila. Variação: não há variação Parte Final Atividade 4 Nome da atividade: Telefone sem fio Formação: sentados em círculo de testa

Desenvolvimento: a professora pedirá que os alunos sentem em círculo de testa. Falará no ouvido de um aluno uma mensagem e este deverá repassá-la aos demais. Cada um terá sua vez de repassar uma mensagem. Variação: não há variação. Atividade 5 Nome da atividade: Suspiro de aranha Formação: sentados em círculo de testa. Desenvolvimento: a professora pedirá que os alunos façam exercícios de respiração. Após, a professora explicará como é o modo correto de respiração e pedirá que todos se acalmem e alonguem novamente seus membros. Variação: não há variação. Recursos: folhas sulfite, papel colorido, caixinha de dobradura, presença mágica, vassouras, chapéus, corda, textos impressos, lápis de cor, hidrocor, água, amido de milho, potes, colher, corante, obstáculos para a corrida Avaliação: Escuta atenta. Leitura oral. Interpretação da história. Trabalho cooperativo. Expressão de sentimentos. Utilização de movimentos adequados. Controle gradual do movimento. Desenvolvimento do equilíbrio. Ampliação das possibilidades de deslocamento. Exploração da agilidade e da atenção . Vivência de experiências que possam explorar o estado sólido e líquido de uma mistura. Observação:

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful