Você está na página 1de 38
AAuuddiittoorriiaa OOddoonnttoollóóggiiccaa:: AAssppeeccttooss rreellaacciioonnaaddooss aaoo ggeerreenncciiaammeennttoo
AAuuddiittoorriiaa OOddoonnttoollóóggiiccaa:: AAssppeeccttooss
rreellaacciioonnaaddooss aaoo ggeerreenncciiaammeennttoo ddee
ddaaddooss ee ccuussttooss ooppeerraacciioonnaaiiss
Projeto de dissertação de mestrado em Odontologia Legal e
Deontologia.
(FOP- UNICAMP)
Orientando: Daniel P.P. de Bragança, C.D.
Orientadora: Profa Dra Dagmar de Paula Queluz
TTEERRMMIINNOOLLOOGGIIAA Auditoria odontológica: Exame detalhado realizado por um C.D. legalmente habilitado com a
TTEERRMMIINNOOLLOOGGIIAA
Auditoria odontológica: Exame detalhado
realizado por um C.D. legalmente
habilitado com a finalidade de verificar a
proposta, o andamento e/ou a situação
final do tratamento odontológico indicado
pelo C.D. operacional, considerando
conformidade técnica, indicação,
viabilidade e oportunidade do tratamento
proposto. (Juhás, 2007)
A lei federal 9.656 de 03/06/1998, que dispõe sobre os planos e seguros privados de
A lei federal 9.656 de 03/06/1998, que
dispõe sobre os planos e seguros
privados de assistência à saúde,
apresenta 36 artigos que normatiza
desde a criação da empresa até os
tipos de planos a serem
comercializados.
Esta lei federal rege as cooperativas de trabalho odontológico, as entidades de auto-gestão, administradoras e
Esta lei federal rege as cooperativas de
trabalho odontológico, as entidades de
auto-gestão, administradoras e
empresas de Odontologia de grupo
(planos ou seguros).
DDEENNOOMMIINNAAÇÇÃÃOO COOPERATIVAS MÉDICA/ODONTOLÓGICA: Sociedades de pessoas sem fins lucrativos, constituídas
DDEENNOOMMIINNAAÇÇÃÃOO
COOPERATIVAS MÉDICA/ODONTOLÓGICA:
Sociedades de pessoas sem fins lucrativos,
constituídas conforme o disposto na lei nº
5.764, de 16/12/1971, que operam
exclusivamente planos privados de
assistência à saúde e odontológicos.
Economicamente, a Enciclopédia Barsa (2001) descreve que o cooperativismo tem como objetivos: - Reduzir os
Economicamente, a Enciclopédia Barsa
(2001) descreve que o cooperativismo tem
como objetivos:
- Reduzir os custos de produção;
- Obter melhores condições de preços e prazos;
- Utilizar instalações físicas de uso comum;
- Interferir no sistema em vigor, procurando
alternativas a seus métodos e soluções.
Schiavolin Neto, 2005
Travaglini (2003) descreve que as Cooperativas Odontológicas se diferenciam em diversos aspectos dos Convênios
Travaglini (2003) descreve que as
Cooperativas Odontológicas se
diferenciam em diversos aspectos dos
Convênios mercantilistas. O principal diz
respeito à participação de cada
cooperado, por meio do voto, nas
iniciativas da entidade.
AANNSS A lei 9961, de 28/01/2000, legalizou a criação da ANS (Agência Nacional de Saúde
AANNSS
A lei 9961, de 28/01/2000, legalizou a criação
da ANS (Agência Nacional de Saúde
Suplementar), autarquia que regula,
normatiza, controla e fiscaliza as atividades
que garantam a assistência suplementar à
saúde.
RReess 2200//22000011 CCFFOO A resolução 20/2001 normatiza perícias e auditorias odontológicas em sede
RReess 2200//22000011 CCFFOO
A resolução 20/2001 normatiza perícias e
auditorias odontológicas em sede
administrativa, estabelecendo padrões
éticos de atuação.
RReess 2200//22000011 CCFFOO Art. 4º: “Considera-se auditor o profissional concursado ou contratado por empresa
RReess 2200//22000011 CCFFOO
Art. 4º: “Considera-se auditor o profissional
concursado ou contratado por empresa
pública ou privada, que preste serviços
odontológicos e necessite de auditoria
odontológica permanente para verificação
da execução e da qualidade técnica-
científica dos trabalhos realizados por
seus credenciados.”
RReess 2200//22000011 CCFFOO O art. 5º define as atribuições do auditor odontológico: - Seguir as
RReess 2200//22000011 CCFFOO
O art. 5º define as atribuições do auditor
odontológico:
- Seguir as normas técnicas-administrativas
da empresa em que presta serviço,
observando se as mesmas estão de
acordo com o C.E.O (???).
RReess 2200//22000011 CCFFOO Aplicar medidas técnicas que visem corrigir a cobrança de honorários de forma
RReess 2200//22000011 CCFFOO
Aplicar medidas técnicas que visem corrigir a
cobrança de honorários de forma equivocada
por parte do profissional.
- Efetuar auditoria prévia ou inicial.
- Efetuar auditoria final.
-
-
Assessorar a operadora em todas as questões
legais e administrativas, analisar críticas,
reclamações, sugestões e reivindicações dos
usuários, da operadora e da rede prestadora.
Juhás, 2007 relatou estudo onde constatou-se que após análise das auditorias apenas 55,89% das restaurações
Juhás, 2007 relatou estudo onde
constatou-se que após análise das
auditorias apenas 55,89% das
restaurações previamente aprovadas para
execução eram realmente necessárias.
Você sabe quais são as duas maiores mentiras ditas aos auditores em qualquer lugar no
Você sabe quais são as duas maiores mentiras ditas aos
auditores em qualquer lugar no mundo?
1) Seja muito bem vindo!
2) Volte sempre !
CCLLAASSSSIIFFIICCAAÇÇÃÃOO - Quanto ao tipo. - Quanto a fase de realização. - Quanto à natureza.
CCLLAASSSSIIFFIICCAAÇÇÃÃOO
- Quanto ao tipo.
- Quanto a fase de realização.
- Quanto à natureza.
- Quanto ao resultado.
1. Quanto ao tipo: - Auditoria eletrônica - Auditoria técnica - Auditoria clínica
1. Quanto ao tipo:
- Auditoria eletrônica
- Auditoria técnica
- Auditoria clínica
2. Quanto a fase de realização: - Auditoria Inicial. - Auditoria Final. - Auditoria de
2. Quanto a fase de realização:
- Auditoria Inicial.
- Auditoria Final.
- Auditoria de acompanhamento.
3. Quanto à natureza: - Auditoria interna. - Auditoria externa.
3. Quanto à natureza:
- Auditoria interna.
- Auditoria externa.
4. Quanto ao resultado: - Auditoria conforme. - Auditoria não conforme.
4. Quanto ao resultado:
- Auditoria conforme.
- Auditoria não conforme.
AAUUDDIITTOORR OODDOONNTTOOLLÓÓGGIICCOO “Um ouvinte, revisor, verificador, avaliador e assessor. Funcionário
AAUUDDIITTOORR OODDOONNTTOOLLÓÓGGIICCOO
“Um ouvinte, revisor, verificador, avaliador e
assessor. Funcionário idôneo que informa
sobre a interpretação e ampliação das
normas, no processo de organização de
uma empresa e propõe estratégias sobre
a resolução correspondente aos
procedimentos, dentro de sua
competência.”
(Serratto, 2001)
PPEERRFFIILL 1. Curricular: - Tempo de formação. - Curso de especialização. - Aprendizado. - Projetos
PPEERRFFIILL
1. Curricular:
- Tempo de formação.
- Curso de especialização.
- Aprendizado.
- Projetos realizados.
- Publicações.
2. Comportamental: - Características profissionais. - Características técnicas. - Atributos éticos (sigilo). -
2. Comportamental:
- Características profissionais.
- Características técnicas.
- Atributos éticos (sigilo).
- Atributos pessoais.
GG QQ TT Gestão de Qualidade Total: -Que atende perfeitamente (Projeto perfeito) -De forma confiável
GG QQ TT
Gestão de Qualidade Total:
-Que atende perfeitamente (Projeto perfeito)
-De forma confiável (Sem defeitos)
-De forma acessível (Custos coerentes)
-De forma segura (Segurança do cliente)
-No tempo certo (Contrato cumprido)
CAMPOS, 1994
Princípios da gestão da Qualidade: -Foco no cliente. -Liderança. -Envolvimento das pessoas. -Abordagem sistêmica
Princípios da gestão da Qualidade:
-Foco no cliente.
-Liderança.
-Envolvimento das pessoas.
-Abordagem sistêmica da gestão.
-Melhoria contínua.
-Relação mutuamente benéficas com fornecedores.
Norma ISO 9001, 2000.
1) Realizar levantamento de dados em auditorias CLÍNICAS realizadas de 2002 a 2008 em uma
1) Realizar levantamento de dados em
auditorias CLÍNICAS realizadas de 2002 a
2008 em uma cooperativa de trabalho
Odontológico da cidade de Macaé-RJ,
relacionando as NÃO-CONFORMIDADES
encontradas a procedimentos solicitados,
quantidade de Unidades de Serviço (US)
e profissionais solicitantes.
2) Relacionar o valor gasto pela cooperativa com auditorias no período de 2002 a 2008,
2) Relacionar o valor gasto pela cooperativa com
auditorias no período de 2002 a 2008, e
relacionar com o valor que a cooperativa se
isentou de pagar aos cooperados com as não
conformidades verificadas nas auditorias
iniciais, no mesmo período, verificando assim o
custo – benefício das auditorias clínicas em
todos os tratamentos solicitados.
3) Implantar um software onde poderiam realizar-se auditorias eletrônicas, técnicas e clínicas, onde o programa
3) Implantar um software onde poderiam
realizar-se auditorias eletrônicas, técnicas
e clínicas, onde o programa apontaria ao
auditor a melhor forma de auditoria para
cada tratamento proposto após digitação
dos dados clínicos no programa.
JJuussttiiffiiccaattiivvaa - Padronização do método de auditoria na cooperativa de trabalho Odontológico. -
JJuussttiiffiiccaattiivvaa
- Padronização do método de auditoria na
cooperativa de trabalho Odontológico.
- Desburocratização na aprovação de
orçamentos para o usuário do sistema.
- Redução dos custos com auditorias.
AMOSTRA: - Os dados serão coletados no arquivo de auditorias da cooperativa de trabalho Odontológico
AMOSTRA:
- Os dados serão coletados no arquivo de
auditorias da cooperativa de trabalho
Odontológico sediado no município de
Macaé-RJ.
- Serão analisadas auditorias Iniciais de
todos os orçamentos aprovados na
cooperativa no período de 2002 a 2008.
Cronologia de execução da pesquisa: A duração estimada da pesquisa será de 15 meses. Cronograma:
Cronologia de execução da pesquisa:
A duração estimada da pesquisa será de 15
meses.
Cronograma:
03
(três) meses: preparação, entrega e aprovação
do projeto ao CEP;
02
06
02
02
(dois) meses: levantamento bibliográfico;
(seis) meses: levantamento dos dados;
(dois) meses: compilação dos dados;
(dois) meses: Após defesa, oferecimento a
revistas indexadas para publicação de trabalho
científico.
Coleta e análise dos dados: - Após a coleta de dados, serão analisados por programa
Coleta e análise dos dados:
- Após a coleta de dados, serão analisados
por programa estatísticos:
Testes Qui-quadrado e Exato de Fisher.
FIM FIM !! !! OObbrriiggaaddoo ppeellaa aatteennççããoo !!
FIM FIM !! !!
OObbrriiggaaddoo ppeellaa aatteennççããoo !!