NOVEMBRO 2012

Contrato de Gerenciamento SESAU e Pró Saúde - TO

RELATÓRIO DE DESEMPENHO

Página | 1

CONTRATANTE: SECRETARIA DE SAUDE DO ESTADO DO TOCANTINS CONTRATADA: PRÓ SAUDE ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E HOSPITALAR DIRETORES OPERACIONAIS PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: MARCUS HENRIQUE WÄCHTERE ROGÉRIO VANDERLEI KUNTZ COORDENADORES OPERACIONAIS PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: ALLAN JACQUESON BARBOSA LOBO, EDEMIR BELTRAME, JEFERSON MACHADO PEREIRA, MARCELO PADOIN CANAZARO. COORDENADORES MÉDICOS PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: DRA. MARGARETH SENA E CÉSAR BORTOLUZO. ENTIDADES GERENCIADAS
1-ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL GERAL PÚBLICO DE PALMAS DR. FRANCISCO AYRES CNPJ: 24.232.886/0115-25 ENDEREÇO: AV NS 01S/N CONJ 02 LOTE 01 201 SUL - PALMAS/TO RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: LAFAETE TEIXEIRA JUNIOR 2- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARAGUAÍNA CNPJ: 24.232.886/0100-49 ENDEREÇO: R 13 DE MAIO, 1336 - CENTRO - ARAGUAINA/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: MARCELO MANOCCI 3- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE GURUPI CNPJ: 24.232.886/0103-91 ENDEREÇO: AV JUSCELINO KUBITSCHEK, 1641- CENTRO -GURUPI/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: VALDEMIR FERNILLE GIRATO 4- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL E MATERNIDADE PÚBLICA DONA REGINA SIQUEIRA CAMPOS CNPJ: 24.232.886/0106-34 ENDEREÇO: R NE cinco S/N QUADRA104 NORTE LOTE 31 A 41 – PALMAS/TO RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: ÍRIS GONZALES 5- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE PARAÍSO DR. ALFREDO O. BARROS CNPJ: 24.232.886/0109-87

Página | 2

ENDEREÇO: R 03, S/N QUADRA02 LOTE 01 AOS 19 - SETOR AEROPORTO - PARAISO DO TOCANTINS/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: MARCEL AUGUSTO DE OLIVEIRA 6- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE MIRACEMA CNPJ: 24.232.886/0112-82 ENDEREÇO: AV IRMA EMMA RUDOLFH NAVARRO, S/N -SETOR UNIVERSITARIO- MIRACEMA DO TOCANTINS/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: IVETE BORGES 7- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE PORTO NACIONAL CNPJ: 24.232.886/0110-10 ENDEREÇO: AV MURILO BRAGA, 1592 – CENTRO - PORTO NACIONAL/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: RENATA CAVALCANTE 8- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE GUARAÍ CNPJ: 24.232.886/0114-44 ENDEREÇO: R 03, 1516 – CENTRO – GUARAI/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: DEBORAH WORTMANN 9- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARRAIAS CNPJ: 24.232.886/0117-97 ENDEREÇO: AVENIDA PARANÃ S/N – BURITIZINHO – ARRAIAS/TO RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: FULVIO E. BASSOLI 10- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL PÚBLICO DE DOENÇAS TROPICAIS CNPJ: 24.232.886/0102-00 ENDEREÇO: AV JOSE BRITO SOARES, 1015 – ANHANGUERA – ARAGUAINA/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: REJANE XAVIER SOARES 11- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL MATERNO INFANTIL PÚBLICO TIA DEDE CNPJ: 24.232.886/0105-53 ENDEREÇO: R RAQUEL DE CARVALHO, 420 – CENTRO - PORTO NACIONAL/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: REMÍDIO VIZZOTTO JÚNIOR 12- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE DIANÓPOLIS

Página | 3

CNPJ: 24.232.886/0118-78 ENDEREÇO: R 10, S/N QUADRA34 LOTE um - NOVA CIDADE – DIANOPOLIS/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: CARLOS BARBOZA

13- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE PEDRO AFONSO CNPJ: 24.232.886/0113-63 ENDEREÇO: R NUMERIANO BEZERRA DE CASTRO, S/N QUADRA5 LOTE 5 - PEDRO AFONSO/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: REGINA AVELAR RUA 14- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL INFANTIL PÚBLICO DE PALMAS CNPJ: 24.232.886/0116-06 ENDEREÇO: R NS B, S/N LOTE 09 202 SUL – PALMAS/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: MARIA CÂNDIDA BRUM 15- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARAGUAÇU CNPJ: 24.232.886/0104-72 ENDEREÇO: AV NOVA MATINHA, S/N QUADRA13 LOTE A1/12 – ARAGUAÇU/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: WESLLEY GUIMARÃES 16- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARAPOEMA CNPJ: 24.232.886/0099-70 ENDEREÇO: R FRANCISCO FURTUOSO DE AGUIAR, 411 – CENTRO – ARAPOEMA/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: RAQUEL M. DA SILVA 17- ENTIDADE GERENCIADA: HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ALVORADA CNPJ: 24.232.886/0108-04 ENDEREÇO: AV JK, 715 CENTRO – ALVORADA/TO. RESPONSÁVEL (IS) PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL: ANTONIO MARCOS CARNEIRO

Página | 4

Sumário 1. ANÁLISE GLOBAL DOS HOSPITAIS ..................................................................................... 6 1.1 METAS CONTRATUAIS .................................................................................................... 6 1.1.1METAS QUANTITATIVAS ....................................................................................................... 6 1.1.2 METAS QUALITATIVAS ....................................................................................................... 16 2. ANÁLISE INDIVIDUAL DOS HOSPITAIS............................................................................. 19 2.1 HOSPITAL GERAL PÚBLICO DE PALMAS ...................................................................... 19 2.2 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARAGUAÍNA ....................................................... 38 2.3 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE GURUPI ................................................................ 62 2.4 HOSPITAL E MATERNIDADE PÚBLICA DONA REGINA ............................................... 62 2.5 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE PARAÍSO ............................................................. 77 2.6 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE MIRACEMA .......................................................... 90 2.7 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE PORTO NACIONAL ............................................. 99 2.8 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE GUARAÍ ............................................................. 122 2.9 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARRAIAS ........................................................... 132 2.10 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE DOENÇAS TROPICAIS..................................... 150 2.11 HOSPITAL TIA DEDÉ .................................................................................................. 150 2.12 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE DIANÓPOLIS ................................................... 182 2.13 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE PEDRO AFONSO ............................................. 201 2.14 HOSPITAL INFANTIL PÚBLICO DE PALMAS ............................................................. 201 2.15 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARAGUAÇU..................................................... 210 2.16 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ARAPOEMA .................................................... 228 2.17 HOSPITAL REGIONAL PÚBLICO DE ALVORADA ..................................................... 245 ANEXO I – RELATÓRIO DA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO......................................... 260 ANEXO II – ATAS DE REUNIÃO DAS COMISSÕES ............................................................. 260

Página | 5

1. ANÁLISE GLOBAL DOS HOSPITAIS

1.1 METAS CONTRAT UA IS

1.1.1METAS QUANTITATIVAS Abaixo apresentamos os números de saídos de cada hospital gerenciado e o posicionamento nas metas do 4º quadrimestre, tendo como base o plano estatístico mensal.

Hospital Geral Público de Palmas Saídos X Metas
1400 1211 1200 1000 800 600 400 200 0 set/12 out/12 Meta nov/12 Saídos dez/12 QUADRI 4 1097 1097 1158 1097 1091 1097 1.153 1.097

Página | 6

Hospital Regional Público de Araguaína Saídos X Metas
1200 1000 800 600 400 200 0 set/12 out/12 Meta nov/12 Saídos dez/12 QUADRI 4 955 803 955 891 955 770 955 955 821

Hospital Regional Público Gurupi Saídos X Metas
900 800 700 600 500 400 300 200 100 0 set/12 out/12 Meta nov/12 Saídos dez/12 QUADRI 4 604 570 577 856,5 856,5 856,5 856,5 857

556

Página | 7

Hospital e Maternidade Pública Dona Regina Saídos X Metas
900 800 700 600 500 400 300 200 100 0 set/12 out/12 Meta nov/12 Saídos dez/12 QUADRI 4 699 674 699 823 699 747 699 699 748

Hospital Regional Público Paraíso Dr. Alfredo O. Barros Saídos X Metas
700,0 600,0 500,0 400,0 300,0 200,0 100,0 0,0 set/12 out/12 Meta nov/12 Saídos dez/12 QUADRI 4 589,0 510 456 589,0 589,0 505 589,0 589,0 490

Página | 8

Hospital Regional Público Miracema Saídos X Metas
500 450 400 350 300 250 200 150 100 50 0 set/12 out/12 Meta nov/12 Saídos dez/12 QUADRI 4 450 388 346 312 349 450 450 450 450

Hospital Regional Público de Porto Nacional Saídos X Metas
600 500 400 300 200 100 0 set/12 out/12 Meta nov/12 Saídos dez/12 QUADRI 4 270 270 270 270 270 488 524 455 489

Página | 9

Hospital Regional Público Guaraí Saídos X Metas
500,0 450,0 400,0 350,0 300,0 250,0 200,0 150,0 100,0 50,0 0,0 set/12 out/12 Meta nov/12 Saídos dez/12 QUADRI 4 184 189 158 177 459,0 459,0 459 459,0 459,0

Hospital Regional Público de Arraias Saídos X Metas
300 250 200 150 100 50 0 set/12 out/12 Meta nov/12 Saídos dez/12 QUADRI 4 136 120 125 267 267 267 267 267

119

Página | 10

Hospital Público de Doenças Tropicais de Araguaína Saídos X Metas
180 160 140 120 100 80 60 40 20 0 set/12 out/12 Meta nov/12 Saídos dez/12 QUADRI 4 120 99 109 165 165 165 165 165

109

Hospital Materno Infantil Público Tia Dedé Saídos X Metas
400 350 300 250 200 150 100 50 0 set/12 out/12 Meta nov/12 Saídos dez/12 QUADRI 4 340 259 340 274 340 295 340 340 276

Página | 11

Hospital Regional Público de Dianópolis Saídos X Metas
450,0 400,0 350,0 300,0 250,0 200,0 150,0 100,0 50,0 0,0 set/12 out/12 Meta nov/12 Saídos dez/12 QUADRI 4 210 202 206 206 382,5 382,5 382,5 382,5 382,5

Hospital Regional Público de Pedro Afonso Leôncio de Sousa Miranda Saídos X Metas
270 260 250 240 230 220 210 200 set/12 out/12 Meta nov/12 Saídos dez/12 QUADRI 4 225 225 225 225 225 241 259 248 249

Página | 12

Hospital Infantil Público de Palmas Saídos X Metas
300 250 200 150 100 50 0 set/12 out/12 Meta nov/12 Saídos dez/12 QUADRI 4 238 221 238 243 238 236 238 238 233

Hospital Regional Público de Araguaçu Saídos X Metas
200,0 180,0 160,0 140,0 120,0 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 set/12 out/12 Meta nov/12 Saídos dez/12 QUADRI 4 117 110 109 182,5 182,5 182,5 182,5 183

100

Página | 13

Hospital Regional Público Arapoema Saídos X Metas
200,0 180,0 160,0 140,0 120,0 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 set/12 out/12 Meta nov/12 Saídos dez/12 QUADRI 4 106 76 108 97 179,5 179,5 179,5 179,5 179,5

Hospital Regional Público de Alvorada Saídos X Metas
90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 set/12 out/12 nov/12 Meta Saídos dez/12 QUADRI 4 67 83,5 83,5 75 69 83,5 83,5 84 70

Página | 14

Total Geral Hospitais do Tocantins - Pró-Saúde Saídos X Metas
8.000 7.000 6.000 5.000 4.000 3.000 2.000 1.000 0 set/12 out/12 Meta nov/12 Saídos 0 dez/12 QUADRI 4 4.710 7.439 6.339 7.439 6.414 7.439 6.085 7.439 7.439

Conforme observado nos gráficos acima, nota-se enfraquecimento persistente das atividades hospitalares e de produção durante o mês de novembro/12, situando-se inclusive, inferior a média obtida no 2º quadrimestre do contrato. A produção total do grupo de hospitais já apresenta-se abaixo do limite tolerância mínimo que é de 85%, sendo que o registrado no período foi de 82%. Voltamos a reforçar que os maiores motivos dessa alteração na produção devem-se, principalmente: - esvaziamento das ações por indefinições no encerramento do contrato entre a Pró Saúde e SESAU; - não contratação de médicos por parte da SESAU para compor as escalas médicas faltantes; - atraso no pagamento de produtividade médica e nos plantões extras por parte da SESAU; - limitações estruturais; - não repactuação e reordenamento de metas e valores ; - irregularidade absoluta no repasse dos pagamentos mensais por parte da SESAU; - duplo comando ou falta deste nos hospitais; e - falta de disciplina das equipes.

Página | 15

É importante destacar que todos estes motivos foram oficializados para conhecimento da SESAU em tempo hábil, além de constarem nos últimos relatórios de prestação de contas realizados por esta Organização Social. Reforçamos ainda que a instabilidade e irregularidade no repasse dos recursos financeiros tem provocado desmotivação em toda a equipe de trabalho. Situação semelhante ocorre com os fornecedores de insumos do grupo de hospitais que também se sentem inseguros em realizar o fornecimento, uma vez que não existe, por parte da SESAU, compromisso efetivo em honrar este ônus. Isso tudo, faz com que o desempenho das instituições seja pífio e deixando a população a mercê de assistência. Na consolidação geral da produção total do grupo de hospitais, observa-se uma variação inferior a meta partindo de 34% em Guaraí a 194 % no Regional de Porto Nacional, sendo que HGPP, Dna Regina, Regional de Porto Nacional e Regional de Pedro Afonso atingiram as metas. Regional de Araguaína e Infantil de Palmas posicionaram-se dentro do limite contratual e Gurupi, Guaraí, HPDT, Arapoema, Paraíso, Miracema, Tia Dedé, Arraias, Dianópolis, Alvorada e Araguaçu não atingiram a meta. Destacamos ainda que conforme termo amigável de rescisão de contrato assinado em 10/07/2012, o acompanhamento no desempenho das metas não mais cabe à Pró Saúde

1.1.2 METAS QUALITATIVAS O contrato de gerenciamento das unidades hospitalares prevê metas qualitativas de desempenho, divididas por quadrimestre. O quadro 01 abaixo exposto representa o cronograma proposto para implantação dos itens que compõem os indicadores qualitativos conforme contrato de gerenciamento firmado entre Estado do Tocantins – Secretaria de Estado da Saúde e Pro-Saúde - ABASH. O quadro 2 expõe, conforme determina o quadro1, a relação de membros constituintes de cada comissão e do Serviço de Atenção ao Usuário. Legenda para quadro 2: C: comissão constituída. I: item em fase de implantação

Página | 16

Quadro 1
INDICADORES QUALITATIVOS DE ACOMPANHAMENTO HOSPITALAR

Peso Percentual Foco do Indicador Dados Exigidos 1º Quadrim. 2º. Quadrim. 3º. Quadrim.

Constituição da Comissão de Ética: Documento com nome e função dos componentes da Comissão de Ética Comissão de Ética Funcionamento Regular da Comissão de Ética: Relatório mensal de reuniões realizadas pela Comissão de Ética

15

10

10

Constituição da Comissão de Farmácia e Terapêutica: Documento com nome e função dos componentes da Comissão de Farmácia e Terapêutica Comissão de Farmácia e Terapêutica Funcionamento Regular da Comissão de Farmácia e Terapêutica: Relatório mensal de reuniões realizadas pela Comissão de Farmácia e Terapêutica

20

10

10

Constituição da Comissão de Óbitos: Documento com nome e função dos componentes da Comissão de Óbitos Comissão de Óbitos Funcionamento Regular da Comissão de Óbitos: Informação mensal do nº de óbitos institucionais analisados e nº de óbitos maternos.

15

10

10

Constituição da Comissão de Prontuários: Documento com nome e função dos componentes da Comissão de Prontuários Comissão de Prontuários Revisão mensal de pelo menos 10% dos prontuários pela Comissão. 90% dessa amostra devem conter cópia, assinada pelo usuário, do Relatório de Alta ou Informe de Atendimento completo

15

10

10

Constituição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar: Documento com o nome e função dos componentes da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar

20

Comissão de Controle de Infecção Hospitalar

Relatório mensal de análise dos indicadores (Densidade de Infecção Hospitalar em UTI PEDIÁTRICA, Densidade de Infecção Hospitalar em corrente sanguínea associada a cateter venoso central em UTI PEDIÁTRICA e Densidade de Infecção Hospitalar em corrente sanguínea associada a cateter venoso central ou cateter umbilical na UTI PEDIÁTRICA) e medidas tomadas pela Comissão de Controle de Infecção Hospitalar quando necessário.

20

20

Apresentação de documento contendo o nome e função dos componentes, estruturas e rotinas do S.A.U Serviço de Atendimento ao Usuário Resolução de 80% das queixas apresentadas ao Serviço de Atendimento ao Usuário

15

10

10

Apresentação das Autorizações de Internação Hospitalar (AIH): a porcentagem de AIH apresentadas deve corresponder a 100% ou mais em relação ao nº de saídas hospitalares do mês.

10

10

Qualidade da informação

Pontualidade no preenchimento dos dados de atividade e financeiros: o envio dos dados de atividade assistencial e financeira pela SESAU/TO deverá obedecer, rigorosamente, aos prazos definidos em contrato. Código de residência dos pacientes corretos: deverão ser informados no sistema AIH de forma correta e de acordo com o Código de Endereçamento Postal (CEP) e compatível com o código IBGE do município.

10

10

10

10

TOTAL

100

100

100

Página | 17

Quadro 2 Comissões ProntuáÓbitos SAU Qualidade da Informação CEP res iI I I I I I I I I I I I I I I I I Envio de dência Página | 18 dados

C.F.T.

rios CCIH

HGP de Palmas HRP de Araguaína HRP de Gurupi

C C C

C C C C C C C C C C C C C C C C C

C C C C C C C C C C C C C C C C C

C C C C C C C C C C C C C C C C C

C C C C C C C C C C C C C C C C C

C C C C C C C C C C C C C C C C C

AIHs I I I I I I I I I I I I I I I I I

Ética

SAU

I I I I I I I I I I I I I I I I I

HM Pública Dona Regina C HRP de Paraíso HRP de Miracema HRP de Porto Nacional HRP de Guaraí HRP de Arraias HPDT Araguaína HMP Tia Dede HRP de Dianópolis HRP de Pedro Afonso HIP de Palmas HRP de Araguaçu HRP de Arapoema HRP de Alvorada C C C C C C C C C C C C C

2. ANÁLISE INDIVIDUAL DOS HOSPITAIS 2.1 HOSPITA L GERA L PÚBLICO DE PALM AS 2.1.1 METAS CONTRATUAIS

1.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
1.1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALID ADE;
1.1. Le itos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 72 0 60 0 26 8 0 0 40 32 238 Fe v 72 0 60 0 26 8 0 0 40 32 238 Mar 72 0 60 0 26 8 0 0 40 32 238 Abr 72 0 60 0 26 8 0 0 40 32 238 Mai 72 0 60 0 26 8 0 0 40 32 238 Jun 72 0 60 0 26 8 0 0 40 32 Jul 72 0 60 0 26 8 0 0 40 32 Ago 72 0 60 0 26 8 0 0 40 32 238 Set 72 0 60 0 26 8 0 0 40 32 238 Out 72 0 60 0 26 8 0 0 40 32 238 Nov 72 0 60 0 26 8 0 0 40 32 238 De z 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 792 0 660 0 286 88 0 0 440 352 2618

238 238

COMENTÁRIO: Não houve alteração do Total de Leitos, conforme contrato.

1.1.2 – Nº. DE INTE RNAÇÕ ES POR ESPECIALID ADE;
1.2. Internaçõe s por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 528 0 508 0 20 9 0 0 184 48 Fev 546 0 401 0 22 4 0 0 204 55 Mar 504 6 458 0 22 12 0 0 249 70 Abr 510 4 407 0 36 14 0 0 220 52 Mai 593 13 386 0 33 25 0 0 282 65 Jun 463 13 385 0 19 15 0 0 290 78 Jul 422 14 366 0 25 16 0 0 221 56 Ago 482 17 418 0 29 17 0 0 258 81 Set 346 15 431 0 17 13 0 0 207 95 Out 286 6 447 0 19 12 0 0 219 118 Nov 264 9 408 0 21 6 0 0 221 100 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 4944 97 4615 0 263 143 0 0 2555 818 13435

1297 1232 1321 1243 1397 1263 1120 1302 1124 1107 1029

COMENTÁR IO: Diminuiu o numero de intern açõe s por es pe cialidade, assim como os m es es anteriores vem caindo, f ato que vem de en contro com a baix a ro tatividade de leitos.

Página | 19

1.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de s aídos por e specialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Inf antil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade Jan 612 0 410 1 18 7 0 1 184 34 Fe v 511 0 378 0 26 13 1 0 199 62 Mar 520 3 478 0 23 8 0 0 264 108 Abr 491 2 399 0 30 17 0 0 219 78 Mai 575 2 416 0 17 26 0 0 271 67 Jun 475 7 358 0 31 21 0 0 270 79 Jul 489 10 348 0 20 16 0 0 237 55 Ago 476 11 378 0 26 13 0 0 260 91 Se t 366 12 428 0 5 11 0 0 221 74 Out 389 3 472 0 9 6 0 0 225 96 Nov 353 8 436 0 16 12 0 0 216 47 De z 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 5257 58 4501 1 221 150 1 1 2566 791

1267 1190 1404 1236 1374 1241 1175 1255 1117 1200 1088

0 13547

COMENTÁRIO: Nota-se uma diminuição no numero de saídos, fato que diminui a rotatividade dos leitos e aumenta a média de permanência.

1.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;
1.4. Porcentage m de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Inf antil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação Jan 77% 0% Fev Mar Abr 76% 0% Mai 68% 0% Jun 85% 0% 84% 0% Jul 68% 0% Ago 78% 0% Set 72% 0% 62% 0% Out 70% 0% 87% 0% Nov 73% 0% 85% 0% 92% 98% 0% 0% 81% 65% 89% Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 860% 0% 1020% 0% 978% 982% 0% 0% 934% 655% 76% 116% 0% 0% 59% 0% 80% 93% 0% 0% 92% 71% 87%

101% 102% 0% 82% 84% 0% 0% 78% 60% 83% 0% 88% 81% 0% 0% 87% 66% 85%

98% 103% 0% 81% 97% 0% 0% 92% 58% 84% 0%

97% 144% 0% 91% 96% 0% 0% 90% 70% 83% 0% 88% 80% 0% 0% 64% 43% 93%

86% 104% 81% 0% 0% 96% 60% 84% 94% 0% 0% 89% 72% 86%

79% 109% 86% 0% 0% 86% 19% 66% 92% 0% 0% 79% 70% 81%

COMENTÁRIO: O percentual de ocupação teve um pequeno aumento devido a dificuldade de altas.

Página | 20

1.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊ NCI A;
1.5. Média de Pe rm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência Jan 2,82 0 4,57 0 36,6 29,9 0 0 5,28 17,3 4,65 Fev 3,12 0 4,68 0 25,4 14,4 0 0 5,08 11,4 4,77 Mar 4,97 0 2,29 0 28,1 28,9 0 0 4,33 9,26 4,44 Abr 3,35 0 4,4 0 20,9 13,7 0 0 5,03 8,04 4,68 Mai 2,63 0 4,6 0 40,6 7,77 0 0 4,41 11,2 4,34 Jun 3,88 0 4,2 0 18 10,7 0 0 3,94 12,7 4,6 Jul 3,1 0 5,18 0 25,4 14,9 0 0 4,7 12,8 4,85 Ago 3,63 9,2 6,75 0 24,5 13,3 0 0 3,1 5,11 5,11 Set 4,26 0 2,61 0 12,4 18,7 0 0 4,69 2,46 4,22 Out 4,04 0 3,68 0 21,1 32,9 0 0 4,46 17,5 4,82 Nov 4,29 0 4,6 0 17,5 21,9 0 0 4,57 8,92 5,12 De z 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 40,0839 9,2 47,5567 0 270,503 206,947 0 0 49,5888 116,671

COMENTÁRIO: Houve pequeno aumento na média de permanência em relação ao mês passado, fato que implica na rotatividade do leito.

1.1.6 – VOLUME CIRURGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 282 438 720 Fe v 262 519 781 Mar 326 553 879 Abr 312 483 795 Mai 358 522 880 Jun 406 457 863 Jul 360 435 795 Ago 333 552 885 Set 335 503 838 Out 498 370 868 Nov 364 445 809 De z 0 0 0 TOTAL 3836 5277 9113

COMENTÁRIO: Nota-se menor numero de cirurgias em sua totalidade, é identificado o aumento no numero de cirurgias eletivas e diminuição no numero de cirurgias de urgência quando comparado com os números do mês anterior.

1.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 113 337 270 0 0 720 Fe v 135 327 319 0 0 781 Mar 157 299 423 0 0 879 Abr 143 327 325 0 0 795 Mai 163 385 356 0 0 904 Jun 118 359 385 0 0 862 Jul 93 331 371 0 0 795 Ago 120 325 440 0 0 885 Set 163 316 359 0 0 838 Out 160 337 371 0 0 868 Nov 166 318 325 0 0 809 De z 0 0 0 0 0 0 TOTAL 1531 3661 3944 0 0 9136

COMENTÁRIO: Nota-se um menor numero de cirurgias de médio e pequeno porte.

Página | 21

1.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Jan 0 0 0 Fev 0 0 0 Mar 0 0 0 Abr 0 0 0 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 0 0 0

COMENTÁRIO: Não realizamos partos no HGPP, somente em caso de extrema urgência, que não seja possível encaminhar para o Hospital Dona Regina.

1.1.7 – SADT’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia Jan Fe v Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 414754 12320 57647 2975 61165 20709 1345 6759 1452 5960 10996 3923 192 61 0 0 37284 0 637542

37.091 36.188 41.790 38.786 40.807 37322 35310 35276 38051 36217 37916 932 5.434 49 4.836 2.334 96 848 141 495 915 4.639 340 4.885 2.268 108 721 163 510 558 352 0 0 0 0 3.109 0 978 5.360 333 5.794 2.431 145 728 188 458 730 415 0 0 0 0 3.223 0 1.250 5.762 309 5.967 2.246 131 898 139 549 906 294 17 0 0 0 3.438 0 1027 5.141 351 6.260 2.362 151 543 231 587 1.057 354 26 0 0 0 3.694 0 966 3578 290 3350 2286 114 773 79 620 1319 276 25 0 0 0 3588 0 1161 5004 284 6337 2209 118 737 194 599 1194 347 34 0 0 0 3192 0 1575 7676 307 6023 2305 164 749 120 789 1238 522 29 29 0 0 3104 0 686 1185 361 0 16 0 0 3154 0 1305 5002 244 6340 0 102 0 1262 5288 276 5461 0 129 0 118 626 1100 395 17 10 0 0 3843 0 949 4763 192 5912 2268 87 762 79 41 972 385 44 6 0 0 4203 0

737 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Total 222 0 0 0 0 2.736 0

55951 54756 62573 60692 62591 54586 56720 59906 56446 54742 58579

COMENTÁRIO: Observa-se um aumento no numero de SADT’s em relação ao mês anterior.

1.1.8 – AMBU LATÓRIO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 37043 0 0 0 37043

3.027 3.080 3.834 3413 3.841 3266 2916 3884 3641 3239 2902 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

3027 3080 3834 3413 3841 3266 2916 3884 3641 3239 2902

COMENTÁRIO: Houve queda na quantidade de atendimento no ambulatório. Página | 22

1.1.9 – ATE NDIMENT OS DE URGÊ NCI A/E MERGÊNCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 31683 0 0 0 31683

3.060 3.027 3.195 3.193 3.183 2629 2649 2833 2846 2647 2421 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

3060 3027 3195 3193 3183 2629 2649 2833 2846 2647 2421

COMENTÁRIO: Houve pequena queda nos atendimentos de urgência e emergência.

1.1.10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 162 729 104 21 218 1234 Janeiro
Sesau Pró 3º Total

Fevereiro
Sesau Pró 3º Total Sesau Pró

Março
3º Total Sesau Pró

Abril
3º Total

158 175 35 274 8 650

0 0 58 10 0 68

320 904 197 305 226 1952

162 729 104 21 218 1234

146 178 37 340 12 713

0 0 59 10 2 71

308 907 200 371 232 2018

161 725 103 22 220 1231

150 175 37 335 11 708

0 0 60 10 3 73

311 900 200 367 234 2012

159 722 98 22 222 1223

161 177 37 320 10 705

0 0 59 10 4 73

320 899 194 352 236 2001

1.10. Recursos Humanos
Sesau Pró

Maio
3º Total Sesau Pró

Junho
3º Total Sesau Pró

Julho
3º Total Sesau Pró

Agosto
3º Total

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

173 721 98 22 222 1236

153 174 37 319 10 693

0 0 59 10 4 73

326 895 194 351 236 2002

152 730 123 11 222 1238

147 174 36 313 10 680

0 0 59 10 4 73

299 904 218 334 236 1991

144 732 123 19 222 1240

143 171 36 319 10 679

0 0 59 6 1 66

287 903 218 344 233 1985

144 736 123 15 228 1246

144 170 36 316 10 676

0 0 59 6 5 70

288 906 218 337 243 1992

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 144 743 126 19 228 1260

Setembro
Sesau Pró 3º Total

Outubro
Sesau Pró 3º Total

Novembro
Sesau Pró 3º Total

Dezembro
Sesau Pró 3º Total

142 170 36 148 c 10 506

0 0 59

286 913 221 167

144 742 126 15 228 1255

137 165 34 58 10 404

0 0 25 0 0 25

281 907 185 73 238 1684

144 743 127 15 230 1259

142 164 34 58 10 408

0 0 26 0 0 26

286 907 187 73 240 1693

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

7 66

245 1832

Estamos encontrando grande dificuldade no gerenciamento dos agentes de portaria, com grande taxa de absenteísmo e a falta de compromisso além do déficit de colaboradores.

Página | 23

No mês de novembro estamos deparando com a realização de hora extra da enfermagem e fisioterapeutas com prévia autorização da Secretaria de Estado da Saúde, essas horas estão sendo realizadas devido a abertura da nova sala de cuidados intermediários localizada no Pronto Socorro. Encontra-se em finalização o processo de admissão de enfermeiros assistenciais, técnicos de enfermagem e fisioterapeutas conforme solicitado pela Direção do Estado e autorizado pela Secretaria de Saúde.

1.1.11 – NEP
CURSO 3º Seminário: Mobilizar em Saúde e Segurança do Trabalho TOTAL NÚMERO DE CARGA HOPARTICIPANTES RÁRIA 1 1 8:00:00 8:00:00 TOTAL DE HORAS 8:00:00 8:00:00

HORAS DE TREINAMENTO
144:00:00 96:00:00 48:00:00 0:00:00 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT

TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

8:00:00 1607 0:00:18

1.1.12 – LOGÍSTICA
1.13. Estoque
1 3.1 Esto que em dias de co nsumo - M at/med 30 dias .1 .

Jan 44 44,5

Fev 23,7 23,7

Mar 42,0 42,0

Abr 55,1 55,1

Mai 36,6 36,6

Jun 63,0 63,0

Jul 48,0 48,0

Ago 30,0 30,0

Set 28,0 28,0

Out 36,0 36,0

Nov 34,0 34,0

Dez 0,0 0,0

TOTAL 440,9 440,9

Total

COMENTÁRIO: Estamos trabalhando levando em consideração o estoque de segurança, porém mantendo os dias de consumo sempre baixo devido as dificuldade financeiras encontradas.

Página | 24

1.1.13 – CORPO CLÍ NICO
§ Gerenciado pelo Estado, porém mantemos plantões na UTI pediátrica através de empresa médica esNome CARLOS BENÍCIO LOPES SILVA EDUARDO DIAS RIBEIRO MARCO AURÉLIO V. B. DE LIMA ANTONIO SERGIO C. B. GUIMARAES RENATO CHICRALA LORENA LEMES BALESTRA WALLACE ANDRE PEDRO DA SILVA RICARDO JOSE DOS SANTOS SILVA ANTONIO TEIXEIRA DA S. JUNIOR MARCOS MENEZES F. DE CAMPOS Função / Área MEDICO CLÍNICO GERAL MEDICO CLÍNICO GERAL MEDICO CIRURGIÃO CARDÍO MEDICO NEUROLOGISTA MEDICO CLÍNICA CIRÚRGICA MEDICA – PID MEDICO – UTI ADULTO MEDICO PNEUMOLOGISTA MEDICO CIRUGIÃO PLÁSTICO MEDICO CIRURGIÃO TORÁCICO PLANTÕES 3 4 8 9 6 220H/MÊS 6 6 6 11

pecializada contratada e médicos CLT distribuídos da seguinte maneira:

No mês de setembro foram gastos em folha de pagamento com a equipe de médico pessoa jurídica o valor de R$ 34.294,12 e com os médicos de contratados no regime CLT o total de R$ 128.984,02 incluindo os encargos sociais.

1.2 - SAU
· Setor desativado, com continuidade do Estado como Ouvidoria, os colaboradores do setor foram realocados nas recepções do hospital.

1.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS
· Qualidade Gerenciada pelo Estado

Página | 25

· · · ·

Manutenção: Realização de manutenção corretiva conforme demanda espontânea e está sendo elaborado lista para aquisição de materiais de reposição e de trabalho. Logística: Realização dos controles de compras quinzenais, redução do volume de estoque, realizado o controle de itens vencidos. Iniciado Projeto de Controle de OPME (Órteses, Próteses e Materiais Especiais) que deve ser finalizado na primeira quinzena de dezembro. Agentes de Portaria: Está sendo desenvolvido estudo para melhor estruturar o serviço dos agentes de portaria.

1.4 – FATURAMENTO
4. Faturamento 4.1 - AIH (Quantitativo) 4.2 - Valores (em reais) Mar 1379 Abr 1467 Mai 1444 Jun 1563 Jul 1273 Ago 1178 Set 1100 Out 1.038 Nov 1000 TOTAL 14063 22057624,5

2258747,1 2370968,1

2.327.700,2 2.716.688,0 1.975.347,4 1.741.537,0 1.600.000,0 1.567.585,1 1.500.000,0

COMENTÁRIO: Mensalmente a quantidade de AIH’s faturadas estão sendo menores, fato que ocorre devido a falta de processos e fluxos. Obs. Houve correção os quantitativos e valores referentes a outubro.

1.5 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS
· Apesar de não estarmos fazendo parte diretamente das obras e implantações do serviço na sala de Cuidados Intermediários, continuamos recebendo solicitações de aquisição de alguns materiais para manutenção e hora extra para colaboradores destinados a nova área.

1.6 – EQUIPAMENTOS NOVOS
· Não houve aquisição pela PróSaúde, mas o Estado tem adquirido alguns equipamentos e moveis.

Página | 26

1.7 – COMISSÕES
CONTROLE DE REUNIÕES DAS COMISSÕES DO HGPP CENTRAL DE COMISSÕES COMISSÕES/ COMITÊ PRESIDENTE REUNIÃO/JUNHO JUSTIFICATIVAS

Comitê de Médica

Ética Dra. veira

Jussara

de 24/11/2012

A

Reunião

foi

realizada

conforme

Souza Martins Oli-

cronograma anual. A A A Reunião Reunião Reunião foi foi foi realizada realizada realizada conforme conforme conforme

Comitê de Revisão Dra. Maria Dolores 10/10/2012 de óbito são de Prontuários Neife Galhardo da Silva Comissão de Revi- Dr. Álvaro Ferreira 05/11/2012 Comissão de Con- Dra. Loiziana Bar- 30/11/2012 trole de Infecção bosa Barcelos MiHospitalar - CCIH randa Comissão de Far- Dr. Atil José de Sou- 22/11/2012 mácia e Terapêuti- za ca

cronograma anual. cronograma anual. cronograma anual. reunião foi realizada A conforme cronograma anual.

A Comissão de Qualidade se reuniu pela Coordenação da Marcia Germano no dia 06/09/2012

1.8 – OUTRAS INFORMAÇÕES
Humanização Projeto fazendo acontecer a humanização hospitalar: esse projeto são as ações desenvolvidas pelos profissionais aos pacientes e acompanhantes como doação de roupas e calçados – 05 -, doação de Kit higiene 71 Kits, eventos realizados dentro do ambiente hospitalar tanto para acompanhantes, pacientes e servidores, este mês ministramos 01 curso de voluntários para 02 participantes da liga feminina, e realizamos reuniões de apresentação da proposta da humanização da UTI Adulta para iniciarmos um trabalho juntamente com os profissionais. Política de humanização hospitalar: são as atividades desenvolvidas pelos profissionais do setor como visita ao leito – 08 - leitos visitados, onde levamos informação e orientação e levantamento de demandas com encamiPágina | 27

nhamentos e resolutividade; Reuniões com os acompanhantes 18 participantes; Reunião 15 reuniões com 60 pessoas participantes; Serviço de Ouvidoria – 02 demandas, todas respondidas - contamos com duas caixas de sugestões e reclamações que ficam na recepção do pronto socorro e na recepção principal da internação e através do sistema de informação integrado da ouvidoria do estado, onde recebemos as reclamações e sugestões e encaminhamos para os setores responsáveis e retornamos ao reclamante sobre a resolutividade do problema; Conversa com quem cuida – 131 participantes – Uma equipe multiprofissional que realiza reuniões e/ou visitas aos leitos onde passamos informações, orientações ao acompanhante da pessoa idosa de como cuidar do paciente em casa evitando assim a reinternação do mesmo e informando os direitos e deveres da pessoa idosa; Visita aos leitos pedagogia hospitalar – são trabalhos desenvolvidos com as crianças internadas no hospital para atividades lúdicas e de acompanhamento escolar onde atuamos nos leitos e na Brinquedoteca. Quantidade de atendimentos 52 crianças atendidas. Artesanato realizado com os pacientes, acompanhantes e servidores para ajudar na recuperação e melhorar a estadia no hospital – 02 oficina realizada com acompanhantes. Projeto visitação Hospitalar – Serviço de Assistência religiosa e de voluntários no ambiente Hospitalar – 637 visitas - São voluntários, alguns ligados a igrejas, todos são cadastrados, capacitados e supervisionados pelo setor de humanização para as visitas aos leitos. Culto Ecumênico – 30 cultos, com 373 participantes: que são igrejas evangélicas cadastradas que realizam o culto na capela nos dias determinados. Projeto Assistência Religiosa Hospitalar – Sementes do Verbo: São as 04 Irmãs da Comunidade Sementes do Verbo que trabalham no Hospital fazendo assistência religiosa aos pacientes e acompanhantes através de: Visita ao Leito 691 – comunhão nos leitos 23 Confissão 04, Ajudam na realização das missas que são realizadas todas as quartas-feiras e aos domingos na capela – 08 missas com 133 participantes e realização de unção no leito 58 e 05 – batismo, I eucaristia – 02, visita domiciliar - 04. Projeto musica para o corpo e alma: Corpo de Bombeiros, Policia Militar e Guarda Metropolitana – 86 visitas - São profissionais pastores, padres e músicos que visitam os leitos e UTI do hospital levando musica e orações para os pacientes e acompanhantes. Liga Feminina de combate ao Câncer – São voluntarias ligadas à Liga Feminina que realizam atividades dentro do HGP como: visitas ao Leito – 360 visitas - são visitas diárias em todos os leitos da oncologia para le-

Página | 28

vantamento de demandas e acompanhamentos aos pacientes; Corte de Cabelo - 23 cortes - para os pacientes e acompanhantes. Doações 62 peças – são doações recebidas de roupas para o hospital - através de comunidade e algumas entidades que realizam as doações para o hospital como leite, brinquedos, roupas, kit de higiene e etc.

Relatório Estatístico de Psicologia – Novembro/2012 Setor: Psicologia Hospitalar Assistencial Relatório referente aos atendimentos realizados pelas psicólogas: Alberto Franco, Ana Lívia, Aruana Silva, Junia Gomes, Edilânia Salvador, Évora Melo, Thais Ferreira, Jaqueline Montenegro, Juliana Marinho, Kátia Araújo e Marina Aguiar. .- Atendimentos a clientes internos: foram atendidos 208 (duzentos e oito) clientes internos, perfazendo um total de 506 (quinhentos e seis) sessões, conforme descriminação abaixo:

Especialidades Cardiologia Cirurgia Plástica Cirurgia Vascular Clínica Médica Clínica Cirúrgica Infectologia Nefrologia Ortopedia Pneumologia USM/Psiquiatria Urologia Neurocirurgia

N° de clientes internos 10 05 10 12 56 06 14 39 07 21 05 18

N° de sessões 20 15 22 32 84 15 40 105 21 111 08 22

Página | 29

Reumatologia Endocrinologia Total

04 01 208

08 03 506

- Atendimentos a clientes externos: foram atendidos 140 (cento e quarenta) clientes externos, perfazendo um total de 234 (duzentos e trinta e quatro) sessões, conforme descriminação abaixo:

Especialidade Cardiologia Cirurgia Plástica Cirurgia Vascular Clínica Médica Clínica Cirúrgica Infectologia Nefrologia Pneumologia Ortopedia Reumatologia USM/Psiquiatria Urologia Neurocirurgia Endocrinologia Total

No. de clientes externos 05 04 07 03 61 01 08 05 15 01 17 01 11 01 140

No. de sessões 11 10 15 08 72 03 16 12 26 01 40 01 15 03 234

- Pronto-atendimentos: 15(quinze) pronto atendimentos;

Página | 30

Especialidades Neurocirurgia Pneumologia Clínica Médica Cirurgia Vascular Nefrologia Pneumologia Cirurgia Plástica Cardiologia UTI – Adulto TOTAL

N° de atendimentos clien- N° de atendimentos clientes internos 01 01 03 02 01 01 01 10 tes externos 02 03 05

- Suportes a óbito: 02 - Encaminhamentos externos: 01 acompanhamento ambulatorial - Avaliação e acompanhamento à visita especial (menores): 10 - 04 (quatro ) visitas multiprofissional e equipe de neurocirurgia. - Atendimento multiprofissional USM: 04 - Discussão de casos na USM: 10 - Elaboração e digitação de Its.

II) Unidades de Tratamento Intensivo (UTI’s) - UTI Pediátrica N° 07 de clientes N° de sessões 19 N° de clientes exter- N° de sessões nos 23 125

internos

-Suporte a óbito: 02

Página | 31

- Atendimentos a familiares em conjunto com a equipe médica: 07 - Interconsulta: 04 - UTI Geral/Adulto N° 20 de clientes N° de sessões 35 N° de clientes exter- N° de sessões nos 34 107 internos

-Suporte a óbito: 05 - Encaminhamentos: serviço social 02 - Avaliação e acompanhamento de visita especial: 02

- Participação em reunião da equipe de humanização: 04 III) Sobreavisos da Equipe de Psicologia Assistencial (UI’s e UTI’s): foram atendidos 50 (cinquenta) solicitações.

UTIs Cliente Interno Cliente Externo B. Pronto Socorro: 11 33

UIs 04 02

TOTAL 15 35

Relatório referente aos atendimentos realizados pelos psicólogos: Sergio Baggio, Alésia Jerônimo,Fernanda Abreu, Graça Madeiro, Marluce Oliveira, Juliana Lourenço, Elisana Barbosa, Munik Bannach e Juarez Dias Lemes. I. Atendimentos a pacientes: foram atendidos 87 (oitenta e sete) pacientes, perfazendo um total de 124 (cento e vinte e quatro) sessões, conforme descriminação abaixo:

Página | 32

Total de pacientes atendidos Sala azul Sala verde Sala amarela Sala vermelha UCI Corredor TOTAL 09 22 04 27 04 21 87

Total de sessões 15 35 09 30 08 27 124

II. Atendimentos a acompanhantes dos pacientes: foram atendidos 299 (duzentos e noventa nove) familiares e/ou acompanhantes de pacientes internados, perfazendo um total de 922 (novecentos e vinte e dois) conforme descriminação abaixo: Total de acompanhantes Sala azul Sala verde Sala amarela Sala vermelha UCI Corredor TOTAL 13 21 23 167 47 28 299 Total de sessões 19 25 154 350 342 32 922

III. Suporte após notícia de óbito: foram atendidos juntamente com a equipe médica 35 (trinta e cinco) óbitos. Total de óbitos 35

IV. Atendimentos a pacientes de tentativa de auto extermínio e vítimas de violência doméstica: 04 (quatro) caso de tentativa de auto extermínio e 01 (um) caso de violência física atendidos pelo serviço de psicologia, destes: Página | 33

Tentativa de auto Violência domésti- Total extermínio Total de pacientes aten- 02 didos Total de sessões com pa- 02 cientes Total de acompanhantes nhantes 04 01 01 05 08 Total de sessões acompa- 07 02 ca 02

V. Mediações: 90 (noventa) mediações, conforme dados abaixo: Total de pacientes Mediação médico Mediação serviço social Total 31 01 32 Total de mediações 89 01 90

VI. Acolhimento dos acompanhantes na recepção: 62 (sessenta e dois) acompanhantes, perfazendo 161 (cento e sessenta e um) sessões. Total de acompanhantes 62 Quantidade de atendimentos 161

VIII. Transmissão de Boletim Médico: 0 (nenhum) pacientes, totalizando 0 (nenhum) boletins emitidos. Quantidade de pacientes contemplados Quantidade de Boletim Médico com o Boletim Médico 00 emitidos 00

Página | 34

IX. Sobreavisos (00:00 às 7:00) Pronto Socorro, UI’s e UTI’s: foram atendidas 01 (um) solicitações, conforme descriminação abaixo: Pronto Socorro U.I’s Hemodinâmica U.T.I. Geral U.T.I. Pediátri- Total ca 01 01

Relatório Quantitativo Final – novembro/ 2012 I. Cliente interno: foram atendidos 349 (trezentos e quarenta e nove), perfazendo 711 (setecentos e onze) sessões. Total de pacientes atendidos 349 Total de sessões 711

II. Cliente externo: foram atendidos 734 (setecentos e trinta e quatro), perfazendo 1590 (hum mil e quinhentos e noventa) sessões. Total de acompanhantes atendidos 734 Total de atendimentos – novembro/2012 Foram atendidos 1083 (hum mil e oitenta e três) usuários, totalizando 2301 (dois mil trezentos e um) atendimentos. Total de usuários atendidos 1083 Total de sessões 2301 Total de sessões 1590

Página | 35

MANUTENÇÃO: Realizada a manutenção corretiva conforme demanda. Estamos enfrentando grandes problemas com os fornecedores locais para a aquisição de peças de reposição e chaves, porém está sendo programada uma compra para suprir as necessidades imediatas.

PID *Albene Martins Chave INDICADORES DE RESULTADO DO PROGRAMA DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR – PID REFERENTES AO MÊS DE NOVEMBRO 2012

Desde a implantação do Programa de Internação Domiciliar inaugurado em 12 de dezembro de 2011, foram realizadas 138 internações/pacientes e 27 Reinternações/pacientes, totalizando 165 internações/Leitos já ocupados no Programa de Internação Domiciliar do HGPP.

Página | 36

Faixa etária e sexo do total de 138 pacientes que foram internados e 27 pacientes Reinternados no PID desde a inauguração em dezembro de 2011. Com base em estatística social a faixa etária corresponde a 71 pacientes com idade superior a 61 anos, 51 pacientes com idades de 31 a 60 anos e apenas 16 pacientes com idade abaixo de 30 anos, o sexo corresponde a 83 pacientes do sexo masculino e 53 pacientes do sexo feminino conforme o gráfico abaixo.

Taxa de internações ou reinternações hospitalares (TIR), em Novembro de 2012. Nº de Internações Nº de Reinternação – PID Nº de Reinternação - Pacientes que voltaram a receber assistência do HGPP Nº de pacientes que recusaram o PID Nº de pacientes atendimentos/dia Total de pacientes atendidos durante o mês 09 04 04 00 443 1.377

Foram 1.377 atendimentos a pacientes no mês, de acordo com a especialidade de cada profissional que juntos formam uma equipe multidisciplinar que realizam atendimentos de acordo com a escala pré-estabelecida.

Página | 37

- Indicadores de resultado do total de 09 internações e 04 reinternações, referente ao mês de Novembro de 2012. Durante o mês de novembro foram realizadas 09 (oito) internações e 04 (quatro) reinternações que correspondem respectivamente a 45% e 20% por cento totalizando 65% de leitos oferecidos. Do total de pacientes atendidos no mês apenas 04 (quatro) voltaram a receber assistência no Hospital Geral Público de Palmas - HGPP, e não houve recusa por parte dos pacientes e familiares em receber assistência realizada pela equipe do PID em domicilio.

Taxa de altas do programa por recuperação (TAR) em Novembro de 2012. Nº de alta por recuperação Nº de óbitos em domicilio Nº de pacientes que solicitou alta a pedido Nº de pacientes que voltaram para o HGPP Nº de leitos disponíveis para os atendimentos domiciliar 07 00 00 04 20

3.0 - Indicadores de resultado do total de 20 leitos disponíveis que corresponde à taxa de alta de 07 pacientes por recuperação e 04 Reinternações no HGPP no mês de Novembro de 2012.

Página | 38

Internação domiciliar por área de abrangência (TAD), em Novembro de 2012. Abrangência do programa Número de pacientes atendidos na Região Norte Número de pacientes atendidos na Região Sul População total do município de Palmas Fonte : Censo IBGE 2010. Município de Palmas – TO 04 15 223.817

4.0 - Taxa de internação por área de abrangência, 15 da região Sul e 04 na região Norte no total do mês de Novembro de 2012. O Programa de Internação Domiciliar abrange o município de Palmas – TO, com população em média de 223.817 mil habitantes de acordo com o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, 2010. Palmas/TO se caracteriza por ser uma cidade planejada dividida entre regiões sul e norte. Nesse mês foram atendidos 15 pacientes na região Sul e 04 na região Norte. RELAÇÃO MENSAL DA TAXA DE OCUPAÇÃO E MÉDIA DE PERMANÊNCIA NO PID

Página | 39

MÊS MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO

TAXA DE OCUPAÇÃO 77% 76% 90% 67% 68% 67%

MÉDIA DE PERMANÊNCIA 79 dias 67 dias 51 dias 59 dias 34 dias 46 dias

74% vembro.

63 dias

5.0 - Indicadores de resultado referente à taxa de ocupação e média de permanência no PID no mês de NoNo mês de novembro os pacientes atendidos em regime de Internação Domiciliar correspondem em 45% de internação e 20% de reinternação do total de 20 leitos disponíveis. 20 pacientes foram atendidos no mês conforme a rotatividade do programa.

Pesquisa de Satisfação A qualidade do serviço do Programa de Internação Domiciliar (PID) é resultado do comprometimento e responsabilidade das equipes EMAD e EMAP, que estão dispostos a oferecer um bom atendimento, com dedicação ao trabalho, baseados sempre nos aspectos sociais, éticos, morais e religiosos do paciente e da família. Sendo assim foi inserida uma pesquisa de satisfação que é realizada mensalmente e serve para nortear o andamento dos serviços e medir a qualidade da assistência que está sendo oferecida aos pacientes desse programa. Partindo deste pressuposto, a avaliação da qualidade dos serviços de saúde é fundamental no sentido de detectar problemas e falhas no processo de atendimento prestado ao paciente e familiar, a busca continua para a melhoria do PID não cessa, visto ser um serviço novo e diferenciado nesse município de Palmas -TO, e

Página | 40

classificado atualmente como um programa de primeiro mundo, premiado pela Federal Brasileira de Administradores Hospitalares. Por meio das pesquisas de satisfação mensais realizada com os usuários do PID foi possível a construção de padrão de atendimento onde a aceitabilidade para a EMAD e EMAP pode indicar quanto o serviço responde às expectativas dos clientes/usuários. Gráficos

Gráfico 1 – Avaliação do atendimento realizado pela Médica do PID, conforme pesquisa de satisfação do usuário do mês de novembro. Palmas, 2012.

Página | 41

Gráfico 2 – Avaliação do atendimento realizado pelo Enfermeiro do PID, conforme pesquisa de satisfação do usuário do mês de novembro. Palmas, 2012.

Pesquisa de satisfação dos Téc. de Enfermagem do PID
9

4

0 Ótimo Bom Regular

0 Ruim

0 Péssimo

Gráfico 3 – Avaliação do atendimento realizado pelos Téc. de Enfermagem do PID, conforme pesquisa de satisfação do usuário do mês de novembro. Palmas, 2012.

Página | 42

Gráfico 4 – Avaliação do atendimento realizado pela equipe de Fisioterapia do PID, conforme pesquisa de satisfação do usuário do mês de novembro. Palmas, 2012.

Gráfico 5 – Avaliação do atendimento realizado pelo Psicólogo do PID, conforme pesquisa de satisfação do usuário do mês de novembro. Palmas, 2012.

Página | 43

Gráfico 6 – Avaliação do atendimento realizado pela Assistente Social do PID, conforme pesquisa de satisfação do usuário do mês de novembro. Palmas, 2012.

Gráfico 7 – Avaliação do atendimento realizado pela Nutricionista do PID, conforme pesquisa de satisfação do usuário do mês de novembro. Palmas, 2012.

Página | 44

Gráfico 8 – Avaliação do tempo entre uma visita e outra da equipe EMAP do PID, conforme pesquisa de satisfação do usuário do mês de novembro. Palmas, 2012.

Gráfico 9 – Avaliação da facilidade de acesso do HGPP caso necessite retornar, conforme pesquisa de satisfação do usuário do mês de novembro. Palmas, 2012.

Página | 45

Gráfico 10 – Avaliação da freqüência de serviços utilizados pelos pacientes do PID, conforme pesquisa de satisfação do usuário do mês de novembro. Palmas, 2012.

Caso necessite entrar em contato com um profissional do PID é prontamente atndido?
100%

0 Sim Não

Gráfico 11 – Avaliação do PID, caso seja necessário entrar em contato com algum profissional, conforme pesquisa de satisfação do usuário do mês de novembro. Palmas, 2012. Página | 46

Aspecto geral: como você se sente sendo atendo pelo PID
10

2 0 Ótimo Bom Regular 0 Ruim 0 Péssimo

Gráfico 12– Avaliação do PID, no contexto geral, conforme pesquisa de satisfação do usuário do mês de novembro. Palmas, 2012. Considerações finais Ao realizar está pesquisa, evidencia-se que o PID mantém sua qualidade na prestação dos serviços visto que os resultados oscilam, porém mantém a qualidade dos serviços, não houve queda nos valores obtidos posteriormente. Assim percebe-se que a atenção recebida em domicilio é bem vinda a todos apesar de ser uma atividade programada e inserida no cronograma de atividades. As pesquisas de satisfação deram destaque ao lugar dos pacientes nos serviços e sistemas de saúde, o conceito de responsabilidade fortaleceu ainda mais os direitos seja ele no papel de paciente, usuário, consumidor ou cliente. Nos programas de humanização do atendimento no SUS, preconiza-se a avaliação por parte do paciente ou usuário por meio de pesquisas de satisfação, ou seja, a humanização refere-se a uma concepção que garantir os direitos dos usuários são medidos por meio de conceitos operacionais como pesquisa de satisfação. Assim a pesquisa de satisfação privilegia não só o usuário na avaliação da qualidade de atendimento, mas, toda a equipe que presta o atendimento, visto que por meio dos resultados, pode-se intervir e melhorar, modificar e concretizar qualquer plano de ação elaborado, tornando mais objetiva à busca de melhoria.

Página | 47

Campanha Novembro Azul Assim como no mês de outubro foi realizado a campanha de prevenção do câncer de mama denominado “Outubro Rosa”, no mês de novembro foi realizado a campanha de prevenção ao câncer de próstata destinado ao público masculino, onde é conhecido como “Novembro Azul”. A proposta do campanha é aumentar a expectativa de saúde do homem, reduzir os índices de doenças e incentivar a população masculina a procurar atendimento médico preventivo, o que evita complicações em quadros que poderiam ser facilmente controlados quando identificados com antecedência. Por essa razão, a campanha Novembro Azul está ganhando força e visa alertar os homens sobre a prevenção do tumor masculino mais frequente no mundo, o câncer de próstata. A próstata é um órgão do sistema reprodutor masculino, que fica logo abaixo da bexiga, na frente do reto. O diagnóstico precoce desse tumor, feito através dos exames de toque retal e PSA, aumenta as chances de sucesso no tratamento da doença em 95%. Apesar de a mortalidade ter diminuído após a introdução do PSA, os tumores de próstata ainda são a segunda causa mais comum de morte por câncer nos Estados Unidos e no Brasil. Só em 2012 são estimados 60 mil novos casos no país e cerca de um milhão em todo o mundo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde e do Instituto Nacional do Câncer (INCA). Os números elevados são associados, principalmente, ao estilo de vida dos homens, que geralmente estão mais expostos a acidentes, consomem mais álcool e utilizam outras drogas e não praticam atividade física regularmente, além dos fatores de risco já conhecidos, como idade avançada, etnia e histórico familiar. Dia 17 de novembro é o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata e por isso o mês dedicado à causa é tão importante. O objetivo é divulgar, esclarecer e sensibilizar a população masculina a fazer o exame de toque retal para diagnosticar a doença precocemente.

Página | 48

PALAVRA DO DIRETOR DO HOSPITAL Continuamos não sendo convidados a participar das reuniões e muito menos nas tomadas de decisões. Continuamos tendo dificuldade com atual situação financeira, com relação ao comercio local, dificultando assim a compra. Estamos constantemente em contato com os Diretores e gestores de outras unidades hospitalares da rede afim de realizar empréstimos de materiais e medicamentos necessários para o dia-a-dia do serviço e estamos trabalhando com a quantidade de estoque mínima para não onerar maiores custos. Conforme mencionado em partes acima neste relatório. Estamos enfrentando grande problema com os funcionários em questão do comprometimento, o numero de absenteísmo aumentou consideravelmente. Está sendo trabalhada nesse momento a motivação dos colaboradores, tendo em vista a necessidade da mão de obra de cada profissional para que seja atendida as necessidades a contento. Nota-se estatisticamente uma constante queda no volume de atendimento. Notamos como forte aliado da boa gestão o Programa de Internação Domiciliar (PID), que teve a rotatividade de mais de 40 pacientes assistidos em casa, fato que ajuda a diminuir a quantidade de pacientes ocupando leitos do hospital e diminuindo os custos da internação. A implantação da sala de Cuidados Intermediários serve como uma válvula de escape para os pacientes que se encontravam internados na Sala Vermelha, porém ela entra em conflito com a Politica Nacional de Humanização e o Acolhimento por Classificação de Risco, uma vez que o novo serviço está sendo implantado dentro do espaço físico da Sala Azul, local onde deve ter giro de poltrona e aumentando o numero de pacientes in-

Página | 49

ternados no corredor. Além disso a infraestrutura disponível no local não atende a necessidade de UTI e não encontramos na literatura uma portaria que regulamento uma Semi-Intensiva Adulto. Está sendo realizado solicitações de produtos de alto custo como próteses sem o de acordo da Pró-Saúde, fato que foi explicado que tais necessidades devem ser negociados entre a SESAU e a Diretoria Operacional da Pró-Saúde. Está sendo montado uma equipe exclusiva que cuidará de OPME (Órteses, Próteses e Materiais Especiais) onde o intuito é gerir melhor os materiais e diminuir os custos com tais materiais. Foi solicitado novamente a todos os chefes de setor a programação de férias dos colaboradores CLT vinculados a Pró-Saúde e que tem o período aquisitivo para programação a partir de fevereiro.

2.2 HOSPITA L REG IONAL PÚBLICO DE ARA GUAÍNA 2.2.1 METAS CONTRATUAIS

2.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO

2.1. 1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 59 0 82 0 19 1 0 0 28 22 211 Fev 59 0 82 0 19 1 0 0 28 22 211 Mar 59 0 88 0 19 1 0 0 28 22 217 Abr 59 0 88 0 19 1 0 0 28 22 217 Mai 59 0 88 0 19 1 0 0 28 22 217 Jun 59 0 88 0 19 1 0 0 28 22 Jul 59 0 88 0 19 1 0 0 28 22 Ago 59 0 88 0 19 1 0 0 28 22 217 Set 59 0 88 0 19 1 0 0 28 23 218 Out 63 0 86 0 19 1 0 0 27 22 218 Nov 63 0 86 0 19 1 0 0 27 22 218 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 657 0 952 0 209 11 0 0 306 243 2378

217 217

COMENTÁRIO: Em setembro/2012 foi acrescentado um leito na Quimioterapia.

Página | 50

2.1.2 – Nº. DE INTE RNAÇÕ ES POR ESPECIALID ADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 398 0 236 0 67 0 0 0 137 35 873 Fev 388 0 224 0 83 0 0 0 134 69 898 Mar 421 0 283 0 78 0 0 0 139 58 979 Abr 463 1 247 0 51 0 0 0 146 65 973 Mai 424 0 245 0 87 0 0 0 159 75 990 Jun 426 0 228 0 57 0 0 0 148 56 915 Jul 312 0 252 0 80 0 0 0 180 70 894 Ago 299 0 244 0 92 0 0 0 144 91 870 Set 267 0 230 0 87 0 0 0 162 56 802 Out 319 0 263 0 98 0 0 0 134 73 887 Nov 246 0 231 0 109 0 0 0 138 46 770 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 3963 1 2683 0 889 0 0 0 1621 694 9851

COMENTÁRIO: O número de Internações apresentou uma pequena queda, mesmo que o processo de gerenciamento de leitos realizado no HRPA tenha sido interrompido pelos médicos após anúncio na mídia do rompimento do contrato da Pró-Saúde com a SESAU. .

2.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 336 0 234 0 70 0 0 0 128 63 831 Fev 376 0 278 0 84 0 0 0 108 50 Mar 454 0 307 0 81 0 0 0 121 51 Abr 487 0 230 0 60 0 0 0 131 65 973 Mai 416 0 323 0 62 0 0 0 127 50 978 Jun 393 0 255 0 45 0 0 0 154 58 905 Jul 333 0 301 0 55 0 0 0 171 45 905 Ago 318 0 318 0 35 0 0 0 134 60 865 Set 253 0 283 0 88 0 0 0 159 54 837 Out 311 0 316 0 97 0 0 0 129 48 901 Nov 222 0 245 0 137 0 0 0 129 50 783 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 3899 0 3090 0 814 0 0 0 1491 594 9888

896 1014

COMENTÁRIO: Pelo quarto mês consecutivo o HRPA vem se estabilizando no número de saídos, reflexo da posição assumida pelos médicos, de não realizar mais o Gerenciamento de Leitos, após anúncio da rescisão contratual entre a Pró-Saúde e SESAU.

Página | 51

2.1.4 – PERCE NTUAL DE OCUPAÇÃO PO R CLÍNI CA;
1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação 76% 0% 94% 0% 92% 0% 0% 0% 64% 66% 80% 80% 0% 98% 0% 89% 0% 0% 0% 99% 79% 89% 81% 0% 95% 0% 81% 0% 0% 0% 93% 92% 88% 78% 0% 94% 0% 82% 0% 0% 0% 77% 0% 96% 0% 71% 0% 0% 0% 76% 0% 93% 0% 82% 0% 0% 0% 72% 0% 92% 0% 82% 0% 0% 0% 101% 93% 86% 72% 157% 136% 148% 0% 90% 0% 84% 0% 0% 0% 99% 90% 0% 91% 0% 86% 0% 0% 0% 98% 77% 0% 90% 0% 86% 0% 0% 0% 87% 0% 84% 0% 96% 0% 0% 0% 97% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 1052% 0% 1017% 0% 930% 0% 0% 0% 1035% 942%

96% 100% 100% 91% 87% 91% 88% 81% 86%

78% 105%

84% 107% 103% 107%

COMENTÁRIO: A taxa de ocupação do HRPA vem se mantendo estável durante o ano de 2012.

2.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊ NCI A;
1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência 4,97 0 9,61 0 4,07 0 0 0 4,19 8,16 6,32 4,35 0 7,9 0 3,07 0 0 0 7,19 11,4 6,07 3,91 0 7,36 0 3,1 0 0 0 6,46 13,9 5,7 3,58 0 7.40 0 3,95 0 0 0 6,16 14,2 5,58 4,47 0 6,71 0 2,26 0 0 0 6,59 12 5,73 4,15 0 8,45 0 4,49 0 0 0 5,18 9,67 5,92 5,31 0 7,68 0 5,17 0 0 0 7,25 10,5 6,67 6,89 0 11,3 0 7,23 0 0 0 7,12 9,97 7,01 12,9 0 7,69 0 2,92 0 0 0 5,2 13,2 8,63 9,33 0 7,11 0 2,75 0 0 0 5,88 15,7 7,69 12,6 0 8,92 0 4,01 0 0 0 6,15 13,9 8,97 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 72,47 0 82,75 0 43,02 0 0 0 67,37 132,59

COMENTÁRIO: Com o não cumprimento do gerenciamento de leitos pelos colaboradores do HRPA houve aumento na média de permanência dos pacientes.

Página | 52

2.1.6 – VOLUME CIRURGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 258 187 445 Fev 246 183 429 Mar 251 191 442 Abr 268 184 452 M ai 268 196 464 Jun 256 175 431 Jul 281 156 437 Ago 277 199 476 Set 263 184 447 Out 227 259 486 Nov 310 179 489 Dez 0 0 0 TOTAL 2905 2093 4998

COMENTÁRIO: Em Novembro de 2012 houve uma estabilidade no número de cirurgias realizadas, em comparação com os meses anteriores.

2.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Número de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 169 165 111 0 0 445 Fev 185 127 117 0 0 429 Mar 181 165 96 0 0 442 Abr 180 169 103 0 0 452 Mai 185 173 106 0 0 464 Jun 173 151 107 0 0 431 Jul 176 149 112 0 0 437 Ago 223 160 93 0 0 476 Set 181 166 100 0 0 447 Out 215 152 119 0 0 486 Nov 196 192 101 0 0 489 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 2064 1769 1165 0 0 4998

COMENTÁRIO: A meta era ultrapassarmos as 600 cirurgias/mês até o final do ano.

2.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.3. Núm ero de Partos 1.6.3.1. Normal 1.6.3.2. Cesáreas 1.6.3.3. Outros Média Geral de Partos Jan 0 0 0 0 Fev 0 0 0 0 Mar 0 0 0 0 Abr 0 0 0 0 M ai 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 TOTAL 0 0 0 0

Página | 53

2.1. 7 – SADT ’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 285723 7637 60418 12639 27287 499 0 0 287 4565 13933 1286 3813 1437 0 0 0 0 18848 438372

25801 23826 28676 27000 26459 22856 21999 27712 27651 28433 25310 461 3441 1152 2657 41 0 0 71 250 968 3199 1091 2886 44 0 0 79 353 1157 108 368 208 0 0 0 0 1653 1094 6041 1350 2800 54 0 0 6 362 1066 130 379 205 0 0 0 0 1993 239 6065 1182 2942 39 0 0 22 354 1356 131 347 239 0 0 0 0 2021 147 5961 1284 2834 44 0 0 24 399 1514 90 469 147 0 0 0 0 2007 922 5963 1193 1654 33 0 0 9 320 1391 94 313 201 0 0 0 0 1565 860 5339 1071 1867 40 0 0 3 444 1327 129 390 98 0 0 0 0 1435 545 5106 1100 1933 39 0 0 5 510 1593 134 391 141 0 0 0 0 373 539 6832 1069 2494 48 0 0 3 654 1208 126 209 11 0 0 0 0 1856 905 6634 1109 2920 72 0 0 21 546 1330 132 226 0 0 0 0 0 2223 957 5837 1038 2300 45 0 0 44 373 1034 93 286 0 0 0 0 0 1809

1.7.11 Tomografia Computadorizada 957 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico 119 435 187 0 0 0 0

1.7.19 Outros (Eco, Fono, Psicologia) 1913 Total

37485 35940 44156 41937 41379 36514 35002 39582 42700 44551 39126

COMENTÁRIO:

2.1. 8 – A MBULATÓRIO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 21826 0 0 0 21826

1713 1544 2177 1728 2748 1785 1551 2228 2187 2190 1975 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

1713 1544 2177 1728 2748 1785 1551 2228 2187 2190 1975

COMENTÁRIO: Como é de conhecimento do Núcleo Gestor, a capacidade de geração de consultas do Ambulatório é muito superior à média realizada mensalmente. Aguardávamos a publicação de portaria regulando os parâmetros de produção cirúrgica e consultas X hora trabalhada, a qual não ocorreu.

Página | 54

2.1. 9 – ATENDI MENTOS D E URGÊNCIA/EME RGÊNCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 40061 0 0 0 54991

4879 4708 5343 5244 5708 4514 4914 5030 4966 4976 4709 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

4879 4708 5343 5244 5708 4514 4914 5030 4966 4976 4709

COMENTÁRIO: Diminuição expressiva é reflexo do não cumprimento dos processo de gestão de leitos e organização das rotinas do P.S.
2.1. 10 – NEP
CURSO Curso Técnico em Vigilância de Saúde - TVS - ETSUS Curso Técnico em Radiologia - ETSUS Aperfeiçoamento Educacionais na Saúde - ETSUS Capacitação em Manipulação de Medicamentos Quimioterápicos Antineoplásicos Capacitação em Controle de Infecções Hospitalar Palestra Outubro Rosa: Mulher que se ama é mulher que se cuida Palestra Outubro Rosa: Mulher que se ama é mulher que se cuida Palestra: Principais sentimentos dos indivíduos submetidos à amputação por complicações de pé diabético III Forum Tocantinense de Ciência, Técnologia e Inovação em Saúde N* PARTICIPANTES 10 2 3 24 25 38 33 3 1 0 0 0 105 CARGA HORÁRIA 40:00:00 16:00:00 30:00:00 06:00:00 01:00:00 01:30:00 01:30:00 02:00:00 16:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 138:00:00 TOTAL HORAS HOMEM 400:00:00 80:00:00 90:00:00 144:00:00 25:00:00 57:00:00 49:30:00 6:00:00 16:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 867:30:00

TOTAL
TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

867:30:00 1.700 0:30:37

Página | 55

HORAS DE TREINAMENTO
1920:00:00 1680:00:00 1440:00:00 1200:00:00 960:00:00 720:00:00 480:00:00 240:00:00 0:00:00 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV
CARGA HORÁRIA TOTAL

. No mês de Novembro as ações de treinamento do Hospital Regional de Araguaína apresentou um total de 867 horas. As ações de treinamento foram focadas em capacitações para a equipe de enfermagem, promovemos também dois eventos internos, "Outubro Rosa (final de outubro) e Novembro Azul", no qual foram realizadas palestras sobre prevenção ao câncer de mama e próstata, tendo como público alvo acompanhantes de pacientes internados e colaboradores do HRA.

Página | 56

2.1. 11- RECURSOS HUMANOS
1.11. Recursos Humanos
S e s au

Jane iro
P ró 3º T o tal Sesau

Fevereiro
P ró 3º T o ta l S e s a u

Março
P ró 3º T o t a l S e s au

Abril
P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

308 668 25 0 231 1232

160 81 20 180 15 456

0 0 54 0 0

468 749 99 180 246

305 665 25 0 229

160 82 20 219 16 497

0 0 54 0 0

465 747 99 219 245

330 667 54 0 231

166 81 22 222 16 507

0 0 54 0 0

496 748 130 222 247

330 667 54 0 231

167 79 23 226 22 517

0 0 54 0 0

497 746 131 226 253

54 1742 1224

54 1775 1282

54 1843 1282

54 1853

1.11. Recursos Humanos
S e sa u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o ta l S e s a u P ró 3º

Agos to
T o t a l S e s au P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

327 663 25 11 219 1245

169 71 25 227 22 514

0 0 54 0 0

496 734 104 238 241

327 664 25 11 219

169 70 25 227 22 513

0 0 35 0 0

496 734 85 238 241

391 663 25 11 158

166 71 25 227 21 510

0 0 35 0 0

557 663 85 238 179

386 663 25 11 158

166 71 25 227 21 510

0 0 35 0 0

552 734 85 238 179

54 1813 1246

35 1794 1248

35 1793 1243

35 1788

1.11. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 332 660 25 63 158 1238

Sete m bro
S e sa u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Nove m bro
T o ta l S e s a u P ró 3º

Dezem bro
T o t a l S e s au P ró 3º T o tal

167 78 25 117 21 408

0 0 35 96 0

499 738 85 276 179

327 642 25 59 160

167 78 25 68 21 359

0 0 35 141 0

494 720 85 268 181

327 642 25 59 160

167 78 25 68 21 359

0 0 35 141 0

494 720 85 268 181

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

131 1777 1213

176 1748 1213

176 1748

2.1. 12 – LOGÍSTICA
1.13. Estoque Jan Fe v 0,0 0,0 Mar 0,0 0,0 Abr 80,0 80,0 Mai 85,0 85,0 Jun 50,0 50,0 Jul 45,0 45,0 Ago 40,0 40,0 Set 51,0 51,0 Out 56,0 56,0 Nov 86,0 86,0 De z 0,0 0,0 TOTAL 493,0 493,0
1 3.1 Esto que em dias de co nsumo - M at/med 30 dias 0,0 .1 .

Total

0,0

Observação: Conforme cálculo definido pelo Relatório Contábil MV

Página | 57

2.1. 13 – CORPO CLÍNICO

Permanecem as pendências nas especialidades de Cirurgia Plástica, Assistência para Cirurgia e Urologia. Todos os plantões são realizados de acordo com a Portaria SESAU n° 132/2010.

2.2 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

Processo de instalação do novo Raio X comprado pela Sesau, com o levantamento de material de comprar para preparação da instalação.

2.3 – IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS Sem serviços implantados no mês de Novembro de 2012.

2.4 – FATURAMENTO
5. Faturamento Jan 5.1 - AIH 5.2 - Valores
883 1 .008.270

Fev
875 999.780

Mar
967 1 96.761 .1

Abr
938 1 9.752 .21

Mai
1 092 1 .381 45 .1

Jun
1 000 971 .603

Jul
931 880.539

Ago
1 008

Set
803

Out
91 0

Nov
891 1 046696,0

Dez
0 0,0

TOTAL
1 0298 1 .891 1 .254

1 074835,0 1 062809,0 1 049064,3

2.5 – OBRAS

Não foram realizadas obras no mês de Novembro de 2012. Descrito um projeto de

2.6 – EQUIPAMENTOS NOVOS

Não foram adquiridos pela SESAU equipamentos este mês de Novembro de 2012.
2.7 – OUTRAS INFORMAÇÕES HUMANIZAÇÃO/PASTORAL DA SAÚDE

Planilha do mês de Novembro de 2012 Pastoral da Saúde
Sabonete Escova dental

511 381
Página | 58

Creme dental Visita a pacientes feita ( Voluntários e funcionários da Pastoral da Saúde ) Roupas adulto Eucaristia Mensagens religiosas Consultas e Exames Outros Produtos Distribuidos

398 2.080 49 30 1.801 7 487

Sabonete

10% 7%

Escova dental

Creme dental

34%

8%
Visita a pacientes feita ( Voluntários e funcionários da Pastoral da Saúde )

Roupas adulto

0% 1% 40%
Eucaristia

Mensagens religiosas

Página | 59

CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO Novembro Azul com envolvimento das equipes de Medicina do ITPAC e com Palestra no Auditório sobre a importância da Prevenção do Câncer Próstata e diabetes, com distribuição de folders e visita ao acompanhantes.

Página | 60

PALAVRA DO DIRETOR DO HOSPITAL Após o anúncio da rescisão contratual pela SESAU, o Hospital Regional Público de Araguaína tem apresentado
queda contínua de produtividade e qualidade nos resultados. Observamos ainda que tal cenário nos levou a uma queda acentuada nos atendimentos de Ambulatório e Emergências. O HRPA novamente não atinge suas metas no número de saídos, em decorrência do abandono gradual do sistema de Gerenciamento de Leitos, levando à superlotação do pronto socorro e distanciando-se cada vez mais da meta anteriormente proposta. No início do mês de Novembro foi efetivado o processo de desligamento dos funcionários do SND, assim como a rescisão de contrato dos mesmos junto ao sindicato.. Tivemos diversos problemas com energia elétrica, pois em alguns pontos existe sobrecarga, outros a fiação é muito antiga e já estava danificada, e com as chuvas os problemas se agravaram, fizemos a troca de fiação de uma rede da Radioterapia. Estivemos em reunião com o Laboratório Prisma junto com a Dra. Vanda da Sesau, para acertarmos os detalhes da continuidade do laboratório no atendimento do hospital até dia 15/01/2013, onde foi acordado um acréscimo de 25% sobre a tabela SUS. Tivemos nas ultimas semanas a campanha “Novembro Azul”, havendo uma ótima participação dos alunos de medicina da ITPAC do Hospital, com apresentação de palestras, entrega de folders e explicações para os visitantes e acompanhantes. Tivemos o episódio do dia 12/12/2012 onde houve a invasão de homens encapuzados, que entraram a noite no Hospital por volta das 20hs, rendendo os agentes de Portaria, e indo diretamente ao leito onde esta em recuperação um paciente que havia sido baleado na noite anterior, e executaram a tiros os mesmo. Informações passadas pela policia que o individuo tinha passagem pela policia. No mesmo dia acionamos a equipe de Psicologia para atender tanto aos pacientes como familiares da vítima e os funcionários da Ala. No dia seguinte estive em reunião com o Tenente Coronel Edson Murici, onde acertamos detalhes para trazermos a equipe do Hospital a sensação de segurança, onde fiz o relatório passando para o Dr. Kaio e o Coordenador

Página | 61

dos agentes de Portaria Sr. Valter. Hoje temos o telefone direto do Gabinete do Comando com acesso 24hs por dia. Preparamos o material para treinamento do dos Agentes de Portaria, Telefonistas e Posso Ajudar, como IT,s e descrição de atividades.

2.3 HOSPITA L REG IONAL PÚBLICO DE GUR UPI 2.3.1 METAS CONTRATUAIS
3.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO 3.1. 1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Le itos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 32 27 29 22 9 0 0 6 0 0 125 Fe v 30 27 27 22 19 0 0 6 0 0 131 Mar 30 27 27 22 19 0 0 6 0 0 131 Abr 30 27 27 22 19 0 0 6 0 0 131 Mai 30 27 27 22 19 0 0 6 0 0 131 Jun 30 27 27 22 19 0 0 6 0 0 Jul 30 27 27 22 19 0 0 6 0 0 Ago 30 27 27 22 19 0 0 6 0 0 131 Set 30 27 27 22 19 0 0 6 0 0 131 Out 30 27 27 22 19 0 0 6 0 0 131 Nov 30 27 27 22 19 0 0 6 0 0 131 TOTAL 272 243 245 198 161 0 0 54 0 0 1042

131 131

Após a abertura dos leitos de UTI em janeiro/2012, o hospital aumentou de 125 leitos para 131 leitos ativos.

Página | 62

3.1. 2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIAL IDADE;

1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade

Jan 138 43 72 249 12 0 0 14 89 13 630

Fev 148 61 126 226 42 0 0 5 76 11 695

Mar 153 78 173 299 46 0 0 10 85 20 864

Abr 93 89 132 276 35 0 0 8 85 18 736

Mai 96 58 144 272 41 0 0 11 79 20 721

Jun 52 56 67 217 39 0 0 4 78 12 525

Jul 62 43 68 223 31 0 0 7 67 10 511

Ago 80 40 108 238 29 0 0 7 60 12 574

Set 64 46 84 232 38 0 0 8 66 6 544

Out 68 49 42 231 20

Nov 77 41 96 210 32 0 0 4 3 42 4 505

TOTAL 1031 604 1112 2673 365 0 0 81 795 129 6790

68 3 485

Podemos observar que o número de internação tem caído devido as paralizações das Cirurgias Eletivas.

3.1. 3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE

1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade

Jan 129 52 69 251 9 0 0 11 83 13 617

Fev 160 55 121 233 37 0 0 8 80 10 704

Mar 142 79 160 307 33 0 0 8 84 18 831

Abr 105 103 123 261 27 0 0 4 102 16 741

Mai 126 59 125 260 36 0 0 6 80 21 713

Jun 76 54 75 222 16 0 0 5 59 14 521

Jul 85 39 69 219 22 0 0 11 58 7 510

Ago 80 36 93 233 22 0 0 3 62 22 551

Set 66 48 84 237 20 0 0 2 62 9 528

Out 89 48 44 224 11

Nov 100 37 66 201 36 0 0 8 6 77 2 525

TOTAL 1058 573 963 2447 233 0 0 66 746 135 6746

76 5 505

Página | 63

Devido a suspensão das cirurgias eletivas no mês de junho/2012, tivemos uma diminuição significativa devido o número de pacientes saídos. Desde Junho/2012 até o presente momento a situação não se alterou, e há uma quantidade significativa de cirurgias eletivas aguardando para serem realizadas. 3.1. 4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;
1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação 83% 29% 65% 71% 94% 0% 0% 55% 0% 0% 64% 75% 33% 79% 73% 70% 0% 0% 25% 0% 0% 65% 92% 45% 86% 84% 79% 0% 0% 17% 0% 0% 75% 95% 47% 84% 87% 67% 0% 0% 29% 0% 0% 76% 91% 36% 83% 82% 77% 0% 0% 33% 0% 0% 74% 70% 36% 58% 66% 49% 0% 0% 22% 0% 0% 70% 68% 23% 62% 59% 58% 0% 0% 25% 0% 0% 55% 68% 22% 59% 67% 54% 0% 0% 22% 0% 0% 54% 65% 21% 58% 63% 59% 0% 0% 31% 0% 0% 56% 62% 19% 55% 61% 56% 0% 0% 29% 0% 0% 53% 58% 16% 52% 60% 54% 0% 0% 27% 0% 0% 51% 707% 292% 634% 650% 608% 0% 0% 260% 0% 0%

Com a diminuição das cirurgia eletivas e com a transição da Pro-Saúde e SESAU no decorrente período podemos observar que tivemos uma redução na taxa de ocupação. 3.1. 5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;

1.5. Mé dia de Pe rm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros (Patológico) Média Geral de Permanência

Jan 6,36 4,71 6,09 1,58 6,89 0 0 0 0 9,36

Fe v 4,39 3,33 4,36 1,64 5,55 0 0 0 0 6,14

Mar 5,99 3,33 4,33 1,37 7,08 0 0 0 0 4

Abr 8,13 2,51 5,54 1,66 6,86 0 0 0 0 3,31

Mai 6,74 3,19 3,54 1,56 6,35 0 0 0 0 3,65

Jun 8,28 3,39 6,24 1,42 6,62 0 0 0 0 2,67

Jul 7,47 3,36 7,51 1,32 6,24 0 0 0 0 3,54

Ago 7,95 3,42 5,32 1,42 6,81 0 0 0 0 3,08

Se t 9,68 3,15 5,58 1,43 6,05 0 0 0 0 3,5

Out 7,35 2 4,75 1,46 10

Nov 8,04 2,22 5,28 1,41 7,96 0 0 0 0

TOTAL

34,61 58,54 16,27 76,41 0 0 0 0 43,14

1,59

2,3

Com o deslocamento do supervisor de enfermagem para outras atividades onde o mesmo monitorava a permanência dos pacientes, hoje não encontramos este trabalho nas respectivas clinicas.

Página | 64

3.1. 6 – VOLUME CIRURGICO

1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias

Jan 106 89 195

Fev 103 124 227

Mar 135 195 330

Abr 97 177 274

Mai 153 193 346

Jun 138 93 231

Jul 174 79 253

Ago 163 100 263

Set 187 72 259

Out 168 68 236

Nov 161 56 217

TOTAL 1585 1246 2831

Em decorrência da não realização das cirurgias eletivas e natural a queda substancial do volume cirúrgico. 3.1. 6.1 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE

1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte

Jan 67 82 46 19 66 280

Fev 50 112 65 17 60 304

Mar 105 142 83 19 73 422

Abr 63 130 53 10 60 316

Mai 69 111 74 17 75 346

Jun 38 82 43 11 57 231

Jul 62 90 30 10 61 253

Ago 73 88 24 13 65 263

Set 55 82 23 24 75 259

Out 42 73 37 17 67 236

Nov 33 62 36 14 72 217

TOTAL 657 1054 514 171 731 3127

Podemos observar que a partir do mês de maio, tivemos uma redução no número de cirurgias de médio e grande porte em relação aos meses anteriores, já nos meses seguintes os resultados são de preocupação. 3.1. 6.2 – Nº. DE PARTOS POR TI PO
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 89 66 0 155 Fev 83 60 0 143 Mar 116 73 0 189 Abr 91 60 0 151 Mai 97 75 0 172 Jun 54 57 0 111 Jul 84 61 0 145 Ago 80 65 0 145 Se t 75 75 0 150 Out 83 67 0 150 Nov 73 69 0 142

TOTAL 852 659 0 1653

Página | 65

3.1. 7 – SADT ’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Total Jan 6796 87 2315 81 1747 0 0 0 15 134 33 0 150 0 0 0 21 0 Fev 7224 217 2374 71 1702 0 0 0 22 170 70 0 155 0 0 0 18 0 Mar 9053 150 3503 97 2186 0 0 0 27 184 90 0 134 0 0 0 26 0 Abr 8.197 154 3038 140 1954 0 0 0 25 186 72 0 162 0 0 0 20 0 Mai Jun Jul Ago 6852 49 2930 99 1110 0 0 0 28 178 72 0 152 0 0 0 37 0 Set 8657 38 2358 97 988 0 0 0 23 183 67 0 54 0 0 0 20 0 Out 7444 12 2189 82 1025 0 0 0 26 168 79 0 118 0 0 0 28 0 Nov 7112 15 2250 82 1105 0 0 0 21 153 65 0 96 0 0 0 24 0 TOTAL 73579 937 30222 1075 16175 0 0 0 229 1846 683 0 1230 0 0 0 262 0 126238

9446 5008 4902 153 71 56

3527 2583 3155 244 84 80

1728 1427 1203 0 0 0 21 168 72 0 176 0 0 0 25 0 0 0 0 11 175 64 0 0 0 0 0 16 0 0 0 0 10 147 64 0 129 0 0 0 27 0

11379 12023 15450

13948 15560 9439 9773 11507 12485 11171 10923

3.1. 8 – A MBULATÓRIO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 374 0 0 0 374 Fev 518 0 0 0 518 Mar 688 0 0 0 688 Abr 653 0 0 0 653 Mai 821 0 0 0 821 Jun 590 0 0 0 590 Jul 430 0 0 0 430 Ago 388 0 0 0 388 Set 568 0 0 0 568 Out 312 0 0 0 312 Nov 298 0 0 0 298 TOTAL 5342 0 0 0 5342

Página | 66

3.1. 9 – ATENDI MENTOS D E URGÊNCIA/EME RGÊNCIA

1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai

Jun

Jul

Ago

Set

Out

Nov

TOTAL 34100 0 396 0 34496

3610 3614 4688 4032 4227 3532 3351 3462 3584 3484 3705 0 55 0 0 27 0 0 54 0 0 52 0 0 53 0 0 51 0 0 27 0 0 21 0 0 56 0 0 36 0 0 41 0

3665 3641 4742 4084 4280 3583 3378 3483 3640 3520 3746

3.1. 10 – RECURSOS HUMANOS
100 380 20 2 68 570 26 73 20 84 2 205 0 0 0 0 0 0 126 453 40 86 70 775 124 354 15 3 68 564 40 81 20 110 3 254 0 0 0 0 0 0 164 435 35 113 71 818 124 351 15 3 68 561 40 81 20 110 3 254 0 0 0 0 0 0 164 432 35 113 71 815 123 350 15 3 70 561 40 81 20 120 3 264 0 0 0 0 0 0 163 431 35 123 73 825

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s a u P ró 3º T o ta l

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

109 352 27 2 70 560

87 73 5 98 3 266

0 0 0 0 0 0

196 425 32 100 73 826

109 352 27 2 70 560

84 72 5 98 3 262

0 0 0 0 0 0

193 424 32 100 73 822

108 352 27 2 70 559

83 72 5 98 3 261

0 0 0 0 0 0

191 424 32 100 73 820

107 352 20 2 70 551

82 71 5 98 3 259

0 0 0 0 0 0

189 423 25 100 73 810

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 107 352 20 2 70 551

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

De zem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o ta l

82 71 5 34 3 195

0 0 0 0 0 0

189 423 25 36 73 746

107 352 20 2 70 551

82 70 5 4 3 164

0 0 0 0 0 0

189 422 25 6 73 715

107 352 20 2 70 551

82 70 5 3 3 163

0 0 0 0 0 0

189 422 25 5 73 714

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

Página | 67

3.1. 11 – NEP

CURSO

NÚMERO DE CARGA HOPARTICIPANTES RÁRIA 35 24:00:00

TOTAL DE HORAS 840:00:00

Método Canguru

I Forum Tocantinense de Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde

1

16:00:00

16:00:00

Controle Social da Saúde do Trabalhador

1 0 0 0 37 876:00:00 716 1:13:24

20:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 60:00:00

20:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 876:00:00

TOTAL
TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

HORAS DE TREINAMENTO
80 60 40 20 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ

Página | 68

DADOS QUALITATIVOS

As ações de capacitação realizadas no mês de Novembro apresentou uma declinação em 18% no número de horas em relação ao mês anterior.

3.1. 12 – LOGÍSTICA

1.13. Estoque
1 3.1 Esto que em dias de consumo .1 . M at/med 30 dias

Jan 0,0 0,0

Fev

Mar

Abr

Mai

Jun

Jul

Ago 34,0 34,0

Set 30,0 30,0

Out 30,0 30,0

Nov 45,0 45,0

TOTAL 412,0 382,0

38,0 52,0 77,0 69,0 59,0 53,0 38,0 52,0 77,0 69,0 59,0 53,0

Total

Podemos verificar que estamos abastecendo o HRPG no que tange a MAT/MED regularmente e temos estoques suficientes para realizarmos os atendimentos aos usuários. 3.1. 13 – CORPO CLÍNICO Contamos com 4 médicos contratados pela Pró Saúde, e mantemos um bom relacionamento como o corpo clínico do Hospital Regional Público de Gurupi.

3.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

Estamos em negociação com os seguintes processos: - Implantação e reforma na área física para a instalação das 02 autoclaves (Em processo) - Estamos acompanhando diariamente os processos dos serviços da logística (Entrada e saída dos mat/med no sistema MV Sistema separando Pró Saúde e SESAU). - Recursos Humanos, estamos acompanhando todos os processos conforme orientação da Pró Saúde e SESAU.

Página | 69

3.4 – FATURAMENTO

4. Faturamento

Jan

Fev

Mar

Abr

TOTAL

4.1 - AIH (Quantitativo)

652

684

836

753

2.925

4.2 - Valores (em reais)

478.280,67

493.835,65

591.885,21

569.082,88

2.133.084,41

4. Faturamento

Mai

Jun

Jul

Ago

TOTAL

TOTAL GERAL

4.1 - AIH (Quantitativo)

740

676

593

697

2.706

4.1 - AIH (Quantitativo)

6831

4.2 - Valores (em reais)

644.316,44

570.869,66

580.629,58

652.629,45

2.448.445,13

4.2 - Valores (em reais)

5.704.291,26

4. Faturamento

Set

Out

Nov

Dez

TOTAL

4.1 - AIH (Quantitativo)

645

555

0

0

-

4.2 - Valores (em reais)

597.936,45

524.825,27

0,0

0,0

-

3.5 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS S ERVIÇOS Realizamos o projeto para troca das 02 Autoclaves, e reforma da Lavanderia, todos aguardando aprovação da SESAU para darmos seguimento nas obras.

3.6 – COMISSÕ ES O Hospital Regional Público de Gurupi, de acordo com legislação pertinente que determina a implantação e o funcionamento de comissões responsáveis pela padronização dos processos internos e pela qualidade e segurança dos serviços prestados aos nossos clientes, dispõe assim notificar junto aos demais as diversas comissões existente na Unidade Hospitalar, conforme abaixo:

Página | 70

Comissão de Controle de Infecção Hospitalar – CCIH – ata abaixo:

Página | 71

Página | 72

Página | 73

Página | 74

MEMORANDO EXPLICATIVO DAS OUTRAS COMISSÕES

Página | 75

Página | 76

PALAVRA DO DIRETOR DO HOS PITAL

Hospital Regional Público de Gurupi possui 131 leitos, dos quais 19 são leitos de UTI adulto um benefício histórico para a Região SUL do Estado do TO, pela criação de mais 10 leitos em janeiro deste ano a direção e todos os funcionários do hospital parabeniza o Governo do Estado do TO.

A Administração do Hospital possui um bom relacionamento com a população, com o Corpo Clínico do Hospital, com todos os funcionários e com os prestadores de serviços.

Concluímos, que no dia 17 de maio de 2012, a SESAU informou que não mais será necessário os serviços prestados pela OS, sendo assim estamos passando por um período de transição seguindo orientações de nossa Diretoria e da SESAU.

2.4 HOSPITA L E MATER NIDADE PÚBLICA DONA REGINA 2.4.1 METAS CONTRATUAIS

4.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO

4.1. 1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Inf antil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 0 0 0 58 0 0 35 6 0 20 119 Fev 0 0 0 58 0 0 20 21 0 20 119 Mar 0 0 0 58 0 0 20 21 0 20 119 Abr 0 0 0 58 0 0 20 21 0 20 119 Mai 0 0 0 58 0 0 20 21 0 20 119 Jun 0 0 0 58 0 0 20 21 0 20 119 Jul 0 0 0 58 0 0 20 21 0 20 119 Ago 0 0 0 58 0 0 20 21 0 20 119 Set 0 0 0 58 0 0 20 21 0 20 119 Out 0 0 0 58 0 0 20 21 0 20 119 Nov 0 0 0 58 0 0 20 21 0 20 119 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 0 0 638 0 0 235 216 0 220 1309

Página | 77

4.1.2 – Nº. DE INTE RNAÇÕ ES POR ESPECIALID ADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 0 0 0 679 0 0 30 6 0 131 846 Fev 0 0 0 385 0 0 17 200 0 209 811 Mar 0 0 0 526 0 0 26 246 0 125 923 Abr 0 0 0 527 0 0 37 207 0 124 895 Mai 0 0 0 500 0 0 39 150 0 107 796 Jun 0 0 0 494 0 0 37 116 0 108 755 Jul 0 0 0 540 0 0 27 125 0 95 787 Ago 0 0 0 526 0 0 29 108 0 110 773 Set 0 0 0 430 0 0 21 63 0 139 653 Out 0 0 0 555 0 0 27 164 0 104 850 Nov 0 0 0 524 0 0 27 99 0 106 756 De z 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 0 0 5686 0 0 317 1484 0 1358 8845

observa-se que manteve a média dos meses anteriores.

4.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por es pecialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade Jan 0 0 0 653 0 0 19 5 0 127 804 Fev 0 0 0 597 0 0 24 38 0 171 830 Mar 0 0 0 493 0 0 21 250 0 161 925 Abr 0 0 0 480 0 0 7 233 0 182 902 Mai 0 0 0 445 0 0 11 187 0 161 804 Jun 0 0 0 452 0 0 10 173 0 159 794 Jul 0 0 0 504 0 0 9 132 0 131 776 Ago 0 0 0 462 0 0 8 141 0 157 768 Set 0 0 0 423 0 0 6 85 0 149 663 Out 0 0 0 493 0 0 3 184 0 143 823 Nov 0 0 0 428 0 0 9 157 0 190 784 De z 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 0 0 5430 0 0 127 1585 0 1731 8873

mantém a proporção histórica em relação ao volume de internações, visto que temos trabalhado intensamente para reduzir a média de permanência.

Página | 78

4.1.4 – PERCE NTUAL DE OCUPAÇÃO PO R CLÍNI CA;
1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 75% 0% 0% 92% 88% 0% 66% 78% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 1092% 0% 0% 1039% 1042% 0% 1040% 296%

83% 101% 110% 113% 107% 103% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 92% 0% 0% 80% 0% 0% 94% 91% 0% 98% 0% 0% 84% 91% 0% 92% 96%

93% 107% 0% 0% 0% 0%

88% 112% 0% 0% 0% 0% 82%

105% 114%

95% 100% 100% 79% 100% 0% 81% 0%

94% 102% 103% 100% 0% 0% 0% 0%

90% 104% 0% 0% 97%

66% 109% 102% 112%

95% 122%

87% 105% 104% 105% 101%

89% 100%

96% 103%

o número de internações na obstetrícia ainda é desproporcional ao número de leitos disponíveis, o que muitras vezes nos obriga em alguns dias abrir leitos extras.

4.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊ NCI A;
1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Berçário 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência Jan 0 0 0 2,31 0 0 39,5 29,2 0 2,91 3,93 Fev 0 0 0 4,31 0 0 33,1 2,9 0 3,29 4,4 Mar 0 0 0 4,02 0 0 28,5 2,67 0 3,9 4,16 Abr 0 0 0 4,11 0 0 68,9 2,7 0 3,68 4,16 Mai 0 0 0 4,31 0 0 53,2 3,18 0 3,78 4,61 Jun 0 0 0 3,97 0 0 50,5 3,31 0 3,48 4,31 Jul 0 0 0 3,33 0 0 66,1 3,92 0 3,85 4,25 Ago 0 0 0 4,18 0 0 69,1 4,61 0 3,76 4,93 Se t 0 0 0 3,59 0 0 75,3 7,05 0 4,85 5,15 Out 0 0 0 4,12 0 0 171 3,7 0 3,82 4,56 Nov 0 0 0 3,15 0 0 63,6 3,67 0 2,18 3,72 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 0 0 41,4 0 0 718,9 66,88 0 39,5 12,49

mantém-se a média histórica sem alterações significativas, se considerarmos a desproporcionalidade de leitos entre UTI e UI, o que reduz o giro de leitos naquelas unidades.

Página | 79

4.1.6. – VOLUME CIRÚRGICO
1.6. Volume Cirúrgico 1.6.1. cirurgias de Urgência 1.6.2.cirurguias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 254 12 266 Fev 251 26 277 Mar 242 65 307 Abr 275 30 305 Mai 238 39 277 Jun 266 26 292 Jul 244 30 274 Ago 216 61 277 Se t 186 36 222 Out 174 52 226 Nov 250 24 274 Dez 0 0 0 TOTAL 2596 401 2997

várias cirurgias eletivas tiveram que ser canceladas, em virtude da indisponibilidade de leitos, todos ocupados pelo obstetrícia.
4.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE
1.6.3. Núm e ro de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 15 4 16 42 189 266 Fev 19 4 23 64 167 277 Mar 40 10 24 38 195 307 Abr 27 15 15 52 196 305 Mai 36 11 14 40 176 277 Jun 22 2 20 55 193 292 Jul 25 5 18 35 191 274 Ago 49 2 23 43 55 172 Se t 41 6 12 50 145 254 Out 29 4 15 37 184 269 Nov 18 3 13 54 186 274 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 321 66 193 510 1877 2967

4.1. 6.4 - N °. DE PARTOS POR TI PO
1.6.4. Número de partos por tipo
1.6.4.1. normal 1.6.4.2. cesariana 1.6.4.3. outros

Jan
184 189 0

Fev
189 167 0

Mar
251 195 0

Mai
224 176 0

Jun
209 193 0

Jul
228 191 0

Ago
244 155 0

Set
171 144 0

Out
229 187 0

Nov
198 186

Total
2.378 1.979 0

Página | 80

4.1. 7 – SADT ’S
1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Total 9.043 158 468 48 3.787 0 0 145 0 795 0 0 0 0 0 58 10.509 0 0 0 68 8.123 0 8.919 10.124 111 497 23 3.945 0 0 171 0 755 0 0 108 485 20 3.371 0 0 164 0 865 0 0 0 0 0 50 9.301 0 9.305 9.862 73 399 33 78 593 50 9.291 61 480 14 3082 0 0 127 0 818 0 0 0 0 0 59 9.212 102 465 17 4.187 0 0 121 0 794 0 0 0 0 0 51 9.288 85 477 31 8350 122 486 26 9034 77 453 9 2942 0 0 140 0 870 0 0 0 0 0 44 9615 58 442 23 4291 0 0 92 0 792 0 0 0 0 0 57 9154 0 24524 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 102043 1033 5245 294 38906 0 0 1629 0 9189 0 0 0 0 0 614 115827 0 274780

2.747 3.401 0 0 77 0 845 0 0 0 0 0 71 0 0 107 0 947 0 0 0 0 0 59

3.987 3.166 0 0 305 0 899 0 0 0 0 0 48 0 0 180 0 809 0 0 0 0 0 49

8.511 8.961 0 0

11.256 15.843 12.150 10817 11202 0 25188 0 30792 0 0 0

25011 22612 24488

22061 24058

27270 24005 24771

COMENTÁRIO: o item 1.7.17 Diversos é composto pelo Teste da Orelhinha, Ecocardiografia, Fonoaudiologia, Psicologia,
Cardiotoco, Teste do Olhinho)

4.1. 8 – A MBULATÓRIO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 823 0 0 0 823 Fev 834 0 0 0 834 Mar 878 0 0 0 878 Abr 764 0 0 0 764 Mai 648 0 0 0 648 Jun 554 0 0 0 554 Jul 484 0 0 0 484 Ago 641 0 0 0 641 Set 556 0 0 0 556 Out 664 0 0 0 664 Nov 629 0 0 0 629 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 7475 0 0 0 7475

Página | 81

4.1. 9 – ATENDI MENTOS D E URGÊNCIA/EME RGÊNCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 18916 0 0 0 18916

1.703 1.579 1.897 1.811 1.865 1687 1.782 1.612 1593 1751 1636 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

1703 1579 1897 1811 1865 1687 1782 1612 1593 1751 1636

4.1. 10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 81 337 116 11 103 648 Janeiro
S e s au P ró 3º

Fevereiro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t al S es a u P ró

Abril
3º T o t al

36 51 15 108 5 215

0 0 15 4 0 19

117 388 146 123 108 882

61 339 110 5 93 608

41 50 19 97 5 212

0 0 15 0 0 15

102 389 144 102 98 835

60 339 110 5 93 607

50 56 15 108 6 235

0 0 15 0 0 15

110 395 140 113 99 857

60 339 107 5 93 604

50 49 14 108 6 227

0 0 15 0 0 15

110 388 136 113 99 846

1.10. Recursos Humanos
S e s au P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t al S es a u P ró 3º T o t al

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

55 345 113 5 93 611

54 49 14 108 6 231

0 0 15 0 0 15

109 394 142 113 99 857

53 347 108 5 92 605

53 49 14 108 6 230

0 0 15 0 0 15

106 396 137 113 98 850

48 346 108 5 91 598

51 49 15 108 6 229

0 0 0 0 0 0

99 395 123 113 97 827

53 340 106 5 90 594

75 49 14 102 6 246

0 0 0 0 0 0

128 389 120 107 96 840

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 55 343 103 5 91 597

Setem bro
S e s au P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Dezem bro
T o t al S es a u P ró 3º T o t al

75 49 14 37 6 181

0 0 15 0 0 15

130 392 132 42 97 793

52 340 110 5 90 597

75 49 14 9 6 153

0 0 0 0 0 0

127 389 124 14 96 750

52 342 105 5 87 591

70 48 14 4 5 141

0 0 0 76 0 76

122 390 119 85 92 808

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

Página | 82

4.1.11 – NEP

CURSO

NÚMERO DE CARGA PARTICIHORÁRIA PANTES

TOTAL DE HORAS

Curso de Aleitamento Materno Integração de Estágio Terapia Nutricional Treinamento Aspiração Manual Intra-Uterina (MAIU)
TOTAL 44:00:00 750 00:202:66

33 59 20 48 160

20:00:00 04:00:00 12:00:00 04:00:00 40:00:00

20:00:00 04:00:00 12:00:00 08:00:00 44:00:00

TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

HORAS DE TREINAMENTO
00:00 00:00 00:00 00:00 00:00 00:00 00:00 FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ

As ações de capacitação do Hospital e Maternidade Pública Dona Regina Siqueira Campos, no mês de novembro apresentou uma baixa no número de horas, e uma alta no numero de servidores em relação ao mês anterior. Neste mês totalizamos 44:00 horas com a participação de 160 servidores/colaboradores,tendo uma alta em relação ao mês de outubro, sendo que nesse mês de novembro atingimos 00:202.66 em número de horas por colaboradores e no mês de dezembro teremos o curso SAVIS.

4.1. 12 – LOGÍSTICA

1.13. Estoque

Jan

Fev 64,0 64,0

Mar 48,0 48,0

Abr 60,0 60,0

Mai 51,0 51,0

Jun 41,0 41,0

Jul 41,0 41,0

Ago 44,0 44,0

Set 38,0 38,0

Out 50,0 50,0

Nov 39,0 39,0

Dez 0,0 0,0

TOTAL 524,0 524,0

48,0 1.13.1. Estoque em dias de consumo - Mat/med 30 dias Total 48,0

Página | 83

4.1. 13 – CORPO CLÍNICO

No mês de outubro 19 neonatologistas, 04 cirurgiões pediátricos e 09 ginecologistas/obstetras deram cobertura ao Alojamento Conjunto, UTI Neo, Unidade Intermediária e Unidade Canguru através da Pessoa Jurídica. Totalizando o valor de R$ 534.670,82 na competência novembro. O contrato firmado entre a Pró-Saúde e a SESAU contempla apenas a prestação de serviço de neonatologia. Os demais serviços, cirurgia pediátrica, ginecologia e obstetrécia e hematologia, não estão elencados em contrato, porém vem sendo realizados através da PJ para cobertura de escala.

4.2 - SAU O Serviço de Atendimento ao Usuário foi desativado pelo fato da SESAU ter assumido a gestão geral do Hospital e Maternidade Dona Regina, o serviço foi unificado à Ouvidoria.

Índices de Satisfação:
Participantes SATISFAÇÃO - AMBULATÓRIO
1. Como considera o atendimento recebido na recepção? 2. Avalie o atendimento da Equipe de Enfermagem? 3. Avalie o atendimento da Equipe Médica? 4. Como considera as nossas instalações físicas? 5. Avalie a limpeza e organização do hospital? 6. Como você avalia o tempo de espera para o atendimento? 7. De forma geral como você avalia o atendimento do Hospital Média Período

81
JAN. 98,76% 97,53% 97,53% 91,36% 96,30% 75,30% 93,83% 92,94%

206
FEV. 93,69% 93,21% 86,89% 86,89% 89,80% 70,39% 84,95% 86,55%

139
MAR. 78,42% 75,54% 77,70% 72,60% 74,10% 62,59% 74,10% 73,58%

296
ABRI. 83,10% 85,50% 82,80% 81,00% 83,10% 70,90% 83,10% 81,36%

369
MAIO 75%

437
JUN.

193
JUL.

236
AGOS

72,10% 98,60% 83,90% 94,10% 98,10% 77,70% 94,90% 72,30% 98,20% 75,10% 89,40% 74,50% 97,00% 77,20% 87,70% 69,60% 59,20% 77,20% 87,70% 71,30% 97,00% 76,70% 87,30% 70,20% 98,40% 78,30% 88,10% 72,14% 92,36% 78,09% 89,89%

Participantes
SATISFAÇÃO - INTERNAÇÃO
1. Como considera o atendimento recebido na recepção? 2. Avalie o atendimento da Equipe de Enfermagem? 3. Avalie o atendimento da Equipe Médica? 4. Como considera as nossas instalações físicas? 5. Avalie a limpeza e organização do hospital? 6. Qual a sua avaliação em relação a alimentação? 7. De forma geral como você avalia o atendimento do Hospital Média Período

348
JAN.
90,81% 88,79% 87,35% 83,05% 81,90% 70,40% 83,62% 83,70%

453
FEV.
83,00% 84,55% 83,88% 78,14% 79,25% 73,29% 83,66% 80,82%

380
MAR.
91,41% 78,53% 85,23% 80,78% 77,32% 70,44% 85,98% 81,38%

659
ABRI.
69,20% 70% 66,90% 63,30% 64,20% 63,20% 68,10% 66,41%

776
MAIO

313
JUN.

261
JUL.

355
AGOS

93,90% 86,20% 88,80% 92,30% 85,40% 85,60% 92,30% 83,90% 85,90% 88,80% 83,60% 81,40% 82,50% 82,70% 82,10% 76,70% 80,90% 79,20% 92,00% 84,30% 81,40% 88,36% 83,86% 83,49%

Página | 84

O mês de maio encontra-se zerado devido à problemas na totalização. Participantes
SATISFAÇÃO - PRONTO SOCORRO
1. Como considera o atendimento recebido na recepção? 2. Avalie o atendimento da Equipe de Enfermagem? 3. Avalie o atendimento da Equipe Médica? 4. Como considera as nossas instalações físicas? 5. Avalie a limpeza e organização do hospital? 6. Como você avalia o tempo de espera para o atendimento? 7. De forma geral como você avalia o atendimento do Hospital Média Período

275
JAN.
86,18% 86,55% 82,18% 78,18% 85,82% 58,55% 80,00% 79,64%

310
FEV.
83,55% 82,26% 72,90% 80,65% 82,58% 59,03% 76,46% 76,78%

381
MAR.
88,32% 77,48% 77,98% 82,94% 81,93% 64,63% 81,34% 79,23%

804
ABRI.
89,10% 88,70% 89,40% 85,90% 87,60% 65,50% 86,30% 84,64%

843
MAIO
88%

533
JUN.

683
JUL.

566
AGOS

87,20% 84,60% 82,70% 92,40% 83,90% 82,30% 91,00% 87,20% 82,00% 68,80% 29,90% 84,10% 79,30% 78,10% 80,60% 85,50% 81,20% 77,50% 80,90% 78,20% 78,80% 78,70% 71,90% 84,70% 81,60% 78,80% 80,60% 84,99% 81,63% 78,13% 75,33%

Participantes
SATISFAÇÃO - SADT
1. Como considera o atendimento recebido na recepção? 2. Avalie o atendimento da Equipe de Médica e Técnica? 3. Como considera as nossas instalações físicas? 4. Avalie a limpeza e organização do hospital? 5. Como você avalia o tempo de espera para o atendimento? 6. De forma geral como você avalia o atendimento do Hospital Média Período

283
JAN.
92,23% 89,04% 89,40% 88,34% 66,78% 83,74% 84,92%

215
FEV.
80,47% 73,95% 76,74% 78,14% 58,61% 72,56% 73,41%

259
MAR.
87,64% 83,40% 79,92% 80,69% 65,34% 77,22% 79,04%

512
ABRI.
82,40% 81,50% 79,90% 80,30% 61,10% 77,50% 77,12%

551
MAIO

525
JUN.

484
JUL.

452
AGOS

91,90% 91,80% 84,30% 92,56% 94,70% 90,90% 77,50% 91,80% 90,60% 89,50% 83,10% 90,70% 92,80% 85,70% 82,20% 90,70% 81,80% 71,40% 82,90% 89,30% 93,80% 86,80% 81,80% 90,70% 90,93% 86,02% 81,97% 90,96%

4.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS No mês de competência outubro foram realizados:
· · · Homologação dos colaborados do Setor de Nutrição e Dietética. Inventário rotativo de mat/med, materiais de expediente e estoques. Implantação do Dispensário no Centro Cirúrgico, que obedecerá os seguintes fluxos:

FLUXOGRAMA DE CIRURGIAS ELETIVAS: MAPA DE CIRURGIAS à ENFERMAGEM ENTREGA PARA FARMÁCIA à FARMACÊUTICO TRIA O MAPA à AUXILIARES DA FARMÁCIA PREPARAM OS KIT´S à FARMACÊUTICO CONFERE OS KIT´S PRONTOS à ENTREGA DOS KIT´S PELA FARMÁCIA 1 HORA ANTES DA CIRURGIA PARA EQUIPE DE ENFERMAGEM à Página | 85

APÓS O PROCEDIMENTO ENFERMAGEM ESTORNA MATERIAIS E MEDICAMENTOS NÃO UTILIZADOS NO PROCEDIMENTO à FARMACÊUTICO REALIZA ESTORNO NO SISTEMA.

FLUXOGRAMA DE URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS: SOLICITAÇÃO DE MATERIAIS E MEDICAMENTOS PELA ENFERMAGEM à à FARMACÊUTICO VERIFICA SOLICITAÇÃO à AUXILIARES DA FARMÁCIA SEPARAM E MONTAM OS KIT´S COM A SOLICITAÇÃO DA ENFERMAGEM à FARMACÊUTICO CONFERE OS KIT´S PRONTOS à ENTREGA DOS KIT´S PELA FARMÁCIA ANTES DA CIRURGIA à APÓS O PROCEDIMENTO ENFERMAGEM ESTORNA MATERIAIS E MEDICAMENTOS NÃO UTILIZADOS NO PROCEDIMENTO à FARMACÊUTICO REALIZA ESTORNO NO SISTEMA.

4.4 – FATURAMENTO

4. Faturamento 4.1 - AIH (Quantitativo) 4.2 - Valores (em reais)

Mar 1017 1.218.893,8

Abr 1015 1.075.878,3

Mai 903 918.068,9

Jun 964 865.872,8

Jul 948 800.833,6

Ago 900 906.086,7

Set 708 717.990,0

Out 866 854.755,1

Nov 851 817.250,1

Dez 0 0,0

TOTAL 10247 9726789,0

4.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS Sem ocorrências. 4.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS Sem ocorrências. 4.8 – COMISSÕES As 05 comissões obrigatórias cumpriram o cronograma de reuniões (mínimo 01 reunião mensal ordinária), bem como o cronograma de atividades: a) Comissão de Farmácia e Terapêutica: reuniu-se ordinariamente no dia 28 de novembro. A reunião teve como principal assunto a elaboração do Manual de medicamentos padronizados, implanta-

Página | 86

ção de formulário para solicitação de medicamentos não padronizados e os critérios para exclusão e inclusão de medicamentos padronizados. Ata da reunião em anexo; b) Comissão de Ética Médica: reuni-se ordinariamente no dia 22 de novembro, conforme Declaração em anexo, firmada pela Presidente da Comissão, Drα Daniela C. Kaesemodel Nicolak; c) Comissão de Investigação e Revisão de Óbitos: reuniu-se ordinariamente no dia 28 de novembro. No mês de novembro a Câmara Técnica apresentou ao Comitê de Investigação e Revisão de Óbitos a conclusão das investigações realizadas no decorrer de junho a agosto/12. Neste período foram realizadas 08 investigações de óbitos, sendo 04 fetais e 04 infantis. Ata da reunião e relatórios das análises dos óbitos em anexo; d) Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH): reuniu-se ordinariamente no dia xx de novembro. Foram discutidos assuntos da demanda do setor. Foi elaborado relatório dentro dos termos definidos no Anexo II do Contrato de Gestão. Ata e Relatório de Atividades em anexo; e) Comissão de Revisão de Prontuários: reuniu-se ordinariamente no dia 28 de novembro. Ata e relatório e atividades em anexo.

4.9 – OUTRAS INFORMAÇÕES 4.9.1. ASSISTÊNCIA AO PACIENTE 4.9.1.1. VOLUNTARIADO
Na tentativa de valorizar ainda mais o paciente que está internado no hospital e à sua família,

sobretudo, as mães assistidas no banco de leite, na ginecologia, na unidade canguru e no alto risco, buscamos recrutar pessoas interessadas em realizar um trabalho voluntário que alcancem este público oferecendo-lhes apoio neste processo, que muitas vezes torna-se difícil e doloroso em vista das condições em que se encontram. As pessoas que se interessam em realizar um trabalho voluntário no hospital inicialmente precisam apresentar uma proposta das atividades a serem realizadas que será apreciada pelo setor de humanização juntamente com o setor que receberá o voluntário. Após este momento a pessoa participa de uma oficina em que lhe é apresentado as normas do hospital, sua filosofia, os diretos e deveres do voluntário. Feito isso o voluntário assina um temo de compromisso e conhece as dependências do hospital. As atividades

Página | 87

realizadas no hospital são monitoradas pelo preenchimento da lista de presença e por conversas com os setores sobre os trabalhos dos voluntários.

4.9.1.2. Projeto de Vinculação das Gestantes Este projeto foi elaborado pela Equipe Matricial de Humanização e Comitê do Parto Humanizado com o objetivo de fortalecer a Rede de cuidados às mulheres no ciclo gravídico-puerperal, integrando o pré-natal à assistência ao parto e puerpério, de forma a diminuir a fragmentação deste cuidado, prestando a elas um cuidado humanizado e acolhedor. 4.9.1.3. Apoio e organização das oficinas do Projeto “Arte e Mãe” Este projeto consiste em oferecer um espaço terapêutico e de ocupação para as gestantes do Alto Risco e mães de bebês internados na UTI/UI/Canguru através da elaboração de artesanatos. A EMH é responsável pelo gerenciamento das atividades realizadas pelas voluntárias que participam deste projeto, assim como pela condução de reuniões de planejamento das ações. 4.9.2. INTERAÇÃO COM OS COLABORADORES DO HMPDR Sem ocorrências.

4.9.3. INTERAÇÃO COM A COMUNIDADE

Assim como o Outubro Rosa, campanha que mobilizou para a prevenção contra o câncer de mama, a Campanha Novembro Azul tem o objetivo de conscientizar a população, em especial os homens, para a importância de se prevenir contra o câncer de próstata, que é o segundo tipo de câncer mais comum entre os homens no Brasil e o sexto no mundo. A campanha é realizada em todos os países em novembro, pois é o mês do Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata.

Página | 88

Com objetivo divulgar, esclarecer e sensibilizar a população sobre o câncer de próstata o HMPDR também aderiu à campanha através da divulgação, com banner na recepção, com o intuito de orientar as usuárias do Hospital e também seus acompanhantes.

PALAVRA DO DIRETOR DO HOSPITAL Os problemas relatados nos meses anteriores persistiram, em decorrência do cancelamento do contrato. Reforçamos que não há nenhum tipo de investimento na estrutura física e de equipamentos, pelo fato de o Estado não ter repassado parte dos valores contratuais previsto no Anexo V, do contrato de gerenciamento dos hospitais públicos do Estado do Tocantins.

Página | 89

A falta de investimento tem gerado ampla insatisfação por parte dos colaboradores, pois não se consegue implantar novos projetos gerando desmotivação dos mesmos. Entramos no período de grandes chuvas no Estado, e o resultado da falta de manutenção preventiva pode ser notada quando parte do teto de algumas áreas desabou. Com o investimento está cortado não é possível realizar obras no telhado, o que poderá gerar problemas a curto prazo.

2.5 HOSPITA L REG IONAL PÚBLICO DE PAR AÍSO 2.5.1 METAS CONTRATUAIS

5.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
5.1. 1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE
1.1. Le itos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 15 24 22 8 0 0 0 3 0 0 72 Fev 15 24 22 8 0 0 0 3 0 0 72 Mar 15 24 22 8 0 0 0 3 0 0 72 Abr 15 24 22 8 0 0 0 3 0 0 72 Mai 15 25 22 8 0 0 0 2 0 0 72 Jun 15 25 22 8 0 0 0 2 0 0 72 Jul 15 25 22 8 0 0 0 2 0 0 72 Ago 15 25 22 8 0 0 0 2 0 0 72 Se t 15 25 22 8 0 0 0 2 0 0 72 Out 15 25 22 8 0 0 0 2 0 0 72 Nov 15 25 22 8 0 0 0 2 0 0 72 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 165 271 242 88 0 0 0 26 0 0 792

Número de Leitos sem alteração.

Página | 90

5.1.2 – Nº. DE INTE RNAÇÕ ES POR ESPECIALID ADE
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 98 47 173 114 0 0 0 5 0 0 437 Fev 117 88 139 93 0 0 0 1 0 0 438 Mar 121 100 155 132 0 0 0 1 0 0 509 Abr 113 89 189 135 0 0 0 0 0 0 526 Mai 94 77 187 133 0 0 0 0 0 0 491 Jun 85 69 191 141 0 0 0 0 0 0 486 Jul 82 57 184 125 0 0 0 0 0 0 448 Ago 73 54 213 137 0 0 0 0 0 0 477 Set 74 35 257 147 0 0 0 0 0 0 513 Out 70 24 230 128 0 0 0 0 0 0 452 Nov 59 56 267 133 0 0 0 0 0 0 515 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 986 696 2185 1418 0 0 0 7 0 0 5292

O número de internações teve um aumento de 13,94% em relação ao mês anterior. Observa-se o aumento de 16,09% no número de internações da clínica cirúrgica, reflexo do aumento das internações de ortopedia, e o baixo número de internações na clínica pediátrica.

5.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade Jan 143 47 159 80 0 0 0 1 0 0 430 Fev 127 78 128 92 0 0 0 0 0 0 425 Mar 147 103 136 121 0 0 0 0 0 0 507 Abr 129 85 170 126 0 0 0 1 0 0 511 Mai 124 80 159 140 0 0 0 0 0 0 503 Jun 109 67 162 161 0 0 0 0 0 0 499 Jul 92 64 152 134 0 0 0 0 0 0 442 Ago 125 45 176 129 0 0 0 0 0 0 475 Set 93 33 229 155 0 0 0 0 0 0 510 Out 78 25 205 148 0 0 0 0 0 0 456 Nov 74 51 238 142 0 0 0 0 0 0 505 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 1241 678 1914 1428 0 0 0 2 0 0 5263

O número de saídos teve um aumento de 10,75% em relação ao mês anterior, tendo as altas na clinica cirúrgica um aumento de 16,10%, acompanhando o aumento do número de internações.

Página | 91

5.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação 51% 54% 63% 70% 60% 59% 53% 59% 65% 57% 62% 22% 34% 43% 42% 11% 27% 2% 24% 50% 19% 30% Jan 76% 28% 67% 63% Fev 66% 50% 58% 63% Mar Abr Mai 68% 49% 73% Jun 60% 40% 68% Jul 55% 33% 76% 98% Ago 68% 27% 78% Set 71% 21% 84% Out 65% 20% 84% Nov 64% 32% 86% Dez TOTAL 771% 398% 798% 999% 0% 0% 0% 304% 0% 0% 77% 102% 51% 62% 82% 48% 62% 95%

98% 101%

99% 100%

99% 100%

A taxa de ocupação geral do Hospital apresentou um aumento pequeno de 3,18% em relação ao mês anterior. No geral, a taxa continua baixa, acompanhando a tendência dos últimos meses e, principalmente na clínica pediátrica, onde temos o maior número de leitos.

5.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊ NCI A
1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência 2,76 2,80 2,74 3,12 3,04 2,82 3,01 3,01 3,02 3,64 3,15 2,00 3,80 Jan 2,46 4,47 2,89 1,96 Fev 2,24 4,47 2,89 1,58 Mar 2,44 3,69 3,13 1,68 Abr 3,57 4,04 2,39 1,82 Mai 2,56 4,71 3,15 1,74 Jun 2,49 4,48 2,78 1,51 Jul 2,77 4,02 3,43 1,82 Ago 2,51 4,60 3,01 1,90 Set 3,44 4,67 2,41 1,55 Out 3,85 6,24 2,80 1,65 Nov 3,86 4,67 2,39 1,69 Dez TOTAL 32,19 50,06 31,27 18,89 0,00 0,00 0,00 5,80 0,00 0,00

Média de permanência teve uma queda de 13,46% em relação ao mês anterior, voltando aos níveis dos meses anteriores.

Página | 92

5.1.6 – VOLUME CIRURGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 166 48 214 Fev 130 38 168 Mar 148 63 211 Abr 166 69 235 Mai 179 77 256 Jun 180 74 254 Jul 184 56 240 Ago 236 54 290 Set 268 66 334 Out 256 52 308 Nov 259 71 330 Dez 0 0 0 TOTAL 2172 668 2840

O volume cirúrgico teve um aumento de 7,14% em relação ao mês anterior, apresentando uma aumento de 36,54% nas cirurgias eletivas, consequência do aumento da cirurgia geral.
5.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 23 78 61 7 45 214 Fev 31 57 40 14 26 168 Mar 33 61 40 17 60 211 Abr 50 73 51 9 52 235 Mai 55 99 38 10 54 256 Jun 43 82 64 17 48 254 Jul 49 87 47 14 43 240 Ago 71 92 62 15 50 290 Set 69 129 60 15 61 334 Out 59 117 69 21 42 308 Nov 106 72 93 7 52 330 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 589 947 625 146 533 2840

Hospital de média e baixa complexidade concentrando mais da metade de suas cirurgias em médias e pequenas. Aumento das cirurgias de grande porte na especialidade de ortopedia.

5.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 51 45 0 96 Fev 53 26 0 79 Mar 56 60 0 116 Abr 70 52 0 122 Mai 52 54 0 106 Jun 58 48 0 106 Jul 47 43 0 90 Ago 58 50 0 108 Set 62 61 0 123 Out 62 42 0 104 Nov 72 52 0 124 Dez 0 0 0 0 TOTAL 641 533 0 1174

O número de partos teve um aumento de 19,23% neste mês. Observa-se a queda na relação do número de cesáreas, representando 41,94% dos partos realizados.

Página | 93

5.1. 7 – SADT ’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Total Jan 7630 0 1628 167 321 0 0 43 0 367 0 0 0 0 0 55 446 0 10657 Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 39299 0 20868 2142 3189 0 0 486 0 4600 99 78 0 0 0 671 9005 0 80437

4514 4492 4701 2910 2249 2190 2536 2615 2535 2927 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

1603 1909 2136 2099 1900 1711 1941 2141 2007 1793 194 344 0 0 56 0 437 12 6 0 0 0 45 733 0 295 371 0 0 23 0 489 11 2 0 0 0 67 662 0 240 432 0 0 50 0 431 8 6 0 0 0 67 628 0 258 213 0 0 62 0 428 8 6 0 0 0 68 721 0 235 246 0 0 37 0 369 18 6 0 0 0 56 99 322 0 0 32 0 395 12 6 0 0 0 62 197 525 0 0 60 0 491 5 7 0 0 0 58 166 200 0 0 55 0 452 9 11 0 0 0 58 113 0 0 0 40 0 366 6 11 0 0 0 74 178 215 0 0 28 0 375 10 17 0 0 0 61

580 1015 1046 1037 1016 1121 0 0 0 0 0 0

7944 8321 8699 6773 5696 5844 6866 6744 6168 6725

A diminuição apresentada no Laboratório Clínico se deve ao fato de sua equipe não realizar os cadastros necessários no Sistema MV.

5.1. 8 – A MBULATÓRIO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 767 0 0 0 767 Fev 771 0 0 0 771 Mar 671 0 0 0 671 Abr 939 0 0 0 939 Mai Jun Jul 737 0 0 0 737 Ago 709 0 0 0 709 Set 816 0 0 0 816 Out 765 0 0 0 765 Nov 731 0 0 0 731 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 8863 0 0 0 8863

946 1011 0 0 0 0 0 0

946 1011

As consultas ambulatoriais tiveram uma queda de 4,44% em relação ao mês anterior, acompanhando a tendência do mês anterior.

Página | 94

5.1. 9 – ATENDI MENTOS D E URGÊNCIA/EME RGÊNCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 43835 0 0 0 43835

4032 4126 4395 4273 4088 3575 3463 3936 3997 3815 4135 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

4032 4126 4395 4273 4088 3575 3463 3936 3997 3815 4135

Os atendimentos de urgência e emergência tiveram um aumento de 8,39% em relação ao mês anterior, gerado pelo aumento do quadro de médicos, tendo como consequência maior presença do corpo clínico no Pronto Socorro.
5.1. 10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 40 179 40 31 32 322 Janeiro
S e s a u P ró 3º

Feve reiro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o ta l

34 8 3 55 3 103

0 0 0 0 0 0

74 187 43 86 35 425

42 183 38 31 36 330

46 8 4 55 3 116

0 0 0 0 0 0

88 191 42 86 39 446

39 191 38 32 35 335

46 8 4 55 4 117

0 0 0 0 0 0

85 199 42 87 39 452

45 194 40 32 35 346

46 8 4 55 4 117

0 0 0 0 0 0

91 202 44 87 39 463

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s a u P ró 3º T o ta l

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

58 205 42 26 36 367

38 5 7 67 4 121

0 0 0 0 0 0

96 210 49 93 40 488

60 205 42 26 38 371

38 5 7 66 4 120

0 0 0 0 0 0

98 210 49 92 42 491

60 205 42 25 38 370

38 5 7 66 4 120

0 0 0 0 0 0

98 210 49 91 42 490

60 205 41 24 38 368

40 4 7 67 4 122

0 0 0 0 0 0

100 209 48 91 42 490

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 60 205 41 24 38 368

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

De zem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o ta l

40 4 7 33 4 88

0 0 0 0 0 0

100 209 48 57 42 456

60 205 42 24 40 371

40 4 7 14 4 69

0 0 0 41 0 41

100 209 49 79 44 481

57 199 66 1 49 372

38 4 17 3 4 66

0 0 0 42 0 42

95 203 83 46 53 480

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

Página | 95

5.1.11 – NEP

CURSO

NÚMERO DE CARGA PARTICIPANTES HORÁRIA

TOTAL DE HORAS

Curso para gestante (orientações quanto a amamentação, dentição e outros) Orientação de biossegurança Oficina e monitoramento das ações de vigilância epidemiológica no combate e controle da Dengue Coleta, acondicionamento, conservação de transporte de amostras biológicas Oficina de construção de atribuições dos NEPS nas unidades de Saúde

11 17 45 2 1

03:00:00 01:00:00 02:00:00

33:00:00 17:00:00 90:00:00

22:00:00 140:00:00 16:00:00 16:00:00

TOTAL

76

92:00:00 296:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 NOV00:00:00 00:00:00 00:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00 0:00:00

HORAS DE TREINAMENTO
96:00:00 84:00:00 72:00:00 60:00:00 48:00:00 36:00:00 24:00:00 12:00:00 0:00:00 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 SET 0 OUT 0 0

TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

296:00:00 76 3:53:41

Página | 96

DADOS QUALITATIVOS

As ações de capacitação do Hospital Regional Público de Paraíso, neste mês teve um aumento de 94% de horas de treinamentos realizados em comparação ao mês anterior. Neste mês totalizamos 92 horas de treinamento e com a participação de 76 servidores/colaboradores. Também realizamos várias atividades e reuniões para trabalhar o relacionamento dentro do hospital. Estamos programando para o próximo mês as da LNT e o curso de reanimação neonatal para dia 15 de dezembro, relacionamento interpessoal em programação.

5.1. 13 – CORPO CLÍNICO

Sem atuação junto ao Corpo Clínico.

5.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS
· · · Acompanhamento diário do processo de compras Acompanhamento diário do processo financeiro Acompanhamento do processo no Departamento Pessoal

5.4 – FATURAMENTO
4. Faturamento 4.1 - AIH (Quantitativo) Jan 516 Fev 346 Mar 528 Abr 421 Mai 458 Jun 391 Jul 229 Ago 294 Set 283 Out 235 Nov 284 Dez 0 TOTAL 3985

Os prontuários continuam não sendo preenchidos pelo corpo clínico, impactando diretamente na quantidade faturada de AIH´s. Esta quantidade é referente ao dia três, sendo o fechamento efetivo do faturamento realizado até o dia cinco.

5.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS
Não possuímos novas obras e serviços em andamento.

5.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS
Não foram adquiridos equipamentos novos.

Página | 97

5.8 – COMISSÕES
· · · · · A Comissão de Óbito se reuniu no dia 16 de novembro de 2012; A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar se reuniu no dia 20 de novembro de 2012; A Comissão de Fármaco-vigilância não foi realizada; A Comissão de Prontuário Médico se reuniu no dia 16 de novembro de 2012; A Comissão de Ética Médica esteve reunida no dia 16 de novembro de 2012.

PALAVRA DO DIRETOR DO HOSPITAL
Neste mês foi realizado com sucesso o inventário rotativo e programando para o mês de dezembro o inventário geral do Hospital. Continuamos acompanhando os processo de compras de insumos e a realização dos serviços essenciais junto com a diretoria da SESAU. Os indicadores estatísticos deste mês apresentaram uma boa melhora, reflexo da contratação de médicos pela SESAU, aumentando o número de atendimentos e internações.

Página | 98

2.6 HOSPITA L REG IONAL PÚBLICO DE MIR ACEMA 2.6.1 METAS CONTRATUAIS

6.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
6.1. 1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Le itos por Es pe cialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Inf antil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 16 19 17 15 0 0 0 4 0 0 71 Fe v 16 19 17 15 0 0 0 4 0 0 71 Mar 16 19 17 15 0 0 0 4 0 0 71 Abr 16 19 10 15 0 0 0 4 7 0 71 Mai 16 19 10 15 0 0 0 4 7 0 71 Jun 16 19 10 15 0 0 0 4 7 0 71 Jul 16 19 10 15 0 0 0 4 7 0 71 Ago 16 19 10 15 0 0 0 4 7 0 71 Set 16 19 10 15 0 0 0 4 7 0 71 Out 16 19 10 15 0 0 0 4 7 0 71 Nov 16 19 10 15 0 0 0 4 7 0 71 De z 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 176 209 131 165 0 0 0 44 56 0 781

Durante o mês de novembro de 2012 não ocorreram alterações quanto a distribuição dos leitos nas especialidades atendidas no Hospital, e o total de leitos também permaneceu inalterado, conforme cadastro no CNES.

6.1.2 – Nº. DE INTE RNAÇÕ ES POR ESPECIALID ADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 82 46 42 55 0 0 0 0 0 0 225 Fev 72 53 104 40 0 0 0 1 0 0 270 Mar 92 83 47 49 0 0 0 0 0 0 271 Abr 93 106 121 74 0 0 0 1 0 0 395 Mai 106 81 152 78 0 0 0 0 0 0 417 Jun 89 91 84 53 0 0 0 0 44 0 361 Jul 91 62 92 61 0 0 0 0 39 0 345 Ago 99 76 108 68 0 0 0 1 61 0 413 Set 108 85 82 59 0 0 0 0 50 0 384 Out 97 87 90 54 0 0 0 0 38 0 366 Nov 74 57 82 78 0 0 0 2 29 0 322 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 1003 827 1004 669 0 0 0 5 261 0 3769

Página | 99

No mês de novembro de 2012 foram realizadas 322 internações que representa uma redução de 12% em relação ao mês de outubro do corrente ano, sendo que na clínica médica houve uma redução de 23,71% em comparado ao mês de outubro, tal situação ocorreu devido a férias, licença médica de clínicos gerais e demanda espontânea, foi repassado o assunto para o Diretor Técnico para monitorar o fluxo de internações junto aos profissionais médicos. Observa-se uma redução no volume de internações na pediatria em 34,48% em relação ao mês anterior devido o ingresso dos prestadores de serviços médicos na pediatria que dão resolutividade nos atendimentos de urgência e emergência, internando somente o necessário. No caso das internações ortopédicas os atendimentos são demandas espontâneas, além disso, não houve transferências do HGPP para realizar procedimentos cirúrgicos da especialidade. Na clínica cirúrgica a redução foi devido médico da especialidade estar de férias e não houve ambulatório da urologia devido as horas que não foi liberado pela SESAU para o Drº Adelmo. Considerando o número de internações reduzidas no referido mês, citamos o aumento expressivo na clínica obstétrica em 30% em relação ao mês anterior. Esse resultado foi em decorrência do fechamento da escala da obstetrícia com os médicos PJ e conseqüentemente houve também uma redução nas transferências na obstetrícia.

6.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de Saídos por especialidade Jan 87 45 35 57 0 0 0 0 0 0 224 Fev 84 56 105 39 0 0 0 0 0 0 284 Mar 112 85 47 45 0 0 0 0 0 0 289 Abr 100 111 115 67 0 0 0 0 0 0 393 Mai 122 73 149 77 0 0 0 0 0 0 421 Jun 97 91 84 53 0 0 0 0 47 0 372 Jul 92 57 82 51 0 0 0 0 44 0 326 Ago 102 80 111 63 0 0 0 0 52 0 408 Set 109 86 107 50 0 0 0 0 36 0 388 Out 93 82 94 45 0 0 0 0 34 0 348 Nov 88 48 77 72 0 0 0 2 27 0 314 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 1086 814 1006 619 0 0 0 2 240 0 3767

No mês de novembro de 2012, o número de saídos reflete da redução do volume de internações, mencionado acima, conseqüentemente atingimos 314 pacientes saídos, o que representa uma redução em 30% da meta estipulada para o hospital que é de 450 saídos. Comparando com o período anterior, reduzimos em 9,77% o número de saídos. De acordo com a meta contratual do Contrato de Gestão da Pró Saúde e SESAU, devemos atingir a meta de 85% , devido aos fatores já levantados anteriormente, atingimos em 70% da meta contratual.

Página | 100

6.1.4 – PERCE NTUAL DE OCUPAÇÃO PO R CLÍNI CA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Jan 77% 30% 30% 14% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Fev 67% 34% 51% 14% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Mar 64% 48% 32% 17% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Abr 76% 56% Mai 76% 41% Jun 73% 48% 70% 24% 0% 0% 0% 0% 42% 0% Jul 67% 27% 73% 33% 0% 0% 0% 0% 50% 0% Ago 76% 38% 76% 30% 0% 0% 0% 1% 47% 0% Set 72% 36% 85% 26% 0% 0% 0% 0% 40% 0% Out 79% 41% 73% 28% 0% 0% 0% 0% 30% 0% Nov 73% 26% 74% 51% 0% 0% 0% 2% 36% 0% Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 800% 425% 719% 311% 0% 0% 0% 2% 246% 0%

50% 104% 35% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 38% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

Durante o mês de novembro de 2012 continuamos com um percentual de ocupação mediano 48%. Com a contratação de médicos obstetras elevamos o percentual da clínica obstétrica em 51%, comparando com o mês anterior que foi de 28%. Estamos reorganizando o serviço da obstetrícia para aumentar referência para a comunidade local e região, reduzindo o número de gestantes transferidas para Palmas, principalmente para o Hospital Dona Regina. A redução do índice de ocupação da clínica pediátrica foi devido ao número de internações.

6.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊ NCI A;
1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros(berçário) 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência Jan 4,39 3,91 4,48 1,51 0 0 0 0 0 0 3,57 Fev 3,73 3,34 2,48 1,56 0 0 0 0 0 0 2,86 Mar 2,84 3,29 3,64 1,84 0 0 0 0 0 0 2,95 Abr 3,64 2,88 2,22 2,37 0 0 0 0 0 0 2,79 Mai 3,1 3,3 2,17 2,29 0 0 0 0 0 0 2,66 Jun 3,59 3,01 1,6 2,06 0 0 0 0 0 0 2,77 Jul 3,62 2,81 2,76 3,04 0 0 0 0 2,45 0 3,01 Ago 3,71 2,81 2,14 2,19 0 0 0 0 1,98 0 2,65 Set 3,17 2,37 2,38 2,38 0 0 0 0 2,33 0 2,6 Out 4,19 2,95 2,4 2,87 0 0 0 0 1,91 0 3,02 Nov 3,9 3,13 2,85 3,18 0 0 0 1 2,81 0 3,25 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 39,88 33,8 29,12 25,29 0 0 0 1 11,48 0

Durante o mês de novembro de 2012 houve um aumento na taxa de ocupação para 3,25% em relação ao mês de outubro. Observa-se que apesar de o volume de internações foi reduzido, os pacientes permaneceram mais tempo internado. Será repassado também para a Direção Técnica averiguar os fatores que aumentou o índice do período.

Página | 101

6.1.6 – VOLUME CIRURGICO
6.1.6.1 – Nº de Cirurgias de Urgência 6.1.6.2 – Nº de Cirurgias eletivas
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 18 6 24 Fev 50 42 92 Mar 25 5 30 Abr 69 31 100 Mai 77 101 178 Jun 53 76 129 Jul 77 77 154 Ago 94 113 207 Set 75 100 175 Out 67 105 172 Nov 64 84 148 Dez 0 0 0 TOTAL 669 740 1409

Durante o mês de novembro de 2012 atingimos o total de 148 procedimentos cirúrgicos. Comparando com o mês de outubro, houve uma redução de 24 cirurgias gerando um percentual de 13,93%. Considerando que os cirurgiões que estavam de férias, os mesmos mantinham um percentual de produtividade considerável por isso, houve essa redução no número de cirurgias de eletivas. Além disso, não recebemos pacientes transferidos do HGPP para o hospital como aconteceu nos meses anteriores.
6.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 2 5 0 7 10 24 Fev 6 42 34 0 10 92 Mar 13 8 0 3 6 30 Abr 11 41 21 6 21 100 Mai 26 86 42 7 17 178 Jun 13 42 57 6 11 129 Jul 32 69 33 3 17 154 Ago 41 82 62 5 17 207 Set 20 102 27 5 21 175 Out 21 106 32 3 10 172 Nov 23 67 27 7 24 148 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 208 650 335 52 164 1409

No mês de novembro de 2012, relação ao mês de setembro de 2012. O número de cesáreas aumentou em relação ao mês de outubro de 2012 em 58,33%, devido à contratação dos médicos PJ para cobrir a escala da obstetrícia e redução das transferências para hospitais referendados. Houve uma redução no número de cirurgias de médio porte em 36, 79% em decorrência de férias de profissionais da especialidade, como também no ambulatório de especialidades cirúrgicas.
6.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.3. Núm ero de Partos 1.6.3.1. Normal 1.6.3.2. Cesáreas 1.6.3.3. Outros Média Geral de Partos Jan 30 10 0 40 Fev 18 10 0 28 M ar 23 6 0 29 Abr 35 21 0 56 Mai 31 17 0 48 Jun 18 11 0 29 Jul 28 17 0 45 Ago 24 17 0 41 Set 16 21 0 37 Out 20 10 0 30 Nov 34 24 0 58 Dez 0 0 0 0 TOTAL 277 164 0 441

No mês de novembro 2012 realizamos um total de 58 partos, obtivemos um acréscimo de 48,27% com relação ao mês de outubro de 2012. Com a contratação dos médicos obstetras e pediatras, resgatamos o serviço de obstetrícia do hospital, sendo referência para o Hospital Regional Público de Miracema.

Página | 102

Para conseguir o título do Incentivo Hospital Amigo da Criança, damos início às replicações da capacitação do Aleitamento Materno, reforma da maternidade do hospital, aquisição de equipamentos para atendimento neonatal. Observa-se também uma redução de transferência de pacientes obstétricos, devido o serviço estar completo.
6.1. 7 – SADT ’S

1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico 1.7.19 Outros (Psicologia) Total

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai

Jun

Jul

Ago

Set

Out

Nov

De z 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL 66666 252 11963 1873 1141 0 0 76 0 1134 0 0 0 0 0 0 0 0 4636 87741

6873 6219 6575 5840 6662 5624 6071 5859 5547 5263 6133 2 547 141 0 0 0 4 0 75 0 0 0 0 0 0 0 0 554 11 4 12 35 43 27 50 17 30 21

932 1291 1197 1053 1209 1085 1208 1254 1086 1101 231 0 0 0 2 0 124 0 0 0 0 0 0 0 0 445 207 0 0 0 3 0 106 0 0 0 0 0 0 0 0 482 171 0 0 0 4 0 85 0 0 0 0 0 0 0 0 417 193 0 0 0 3 0 118 0 0 0 0 0 0 0 0 465 195 0 0 0 9 0 95 0 0 0 0 0 0 0 0 495 144 0 0 0 7 0 117 0 0 0 0 0 0 0 0 131 127 0 0 0 14 0 169 0 0 0 0 0 0 0 0 526 151 245 0 0 3 0 75 0 0 0 0 0 0 0 0 304 144 482 0 0 5 0 62 0 0 0 0 0 0 0 0 421 169 414 0 0 22 0 108 0 0 0 0 0 0 0 0 396

8196 7964 8668 7726 8529 7670 7582 7953 7596 7493 8364

No mês de novembro de 2012, ocorreu um aumento nos volumes de exames de SADT em 10,41% em relação ao mês de outubro de 2012. Os exames de anatomia patológica houve uma variação negativa de 30%, comparado com o mês anterior, ressaltamos que o volume cirúrgico foi reduzido.

Página | 103

6.1. 8 – A MBULATÓRIO

1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan 825 0 0 0 825

Fev 772 0 0 0 772

Mar 969 0 0 0 969

Abr 915 0 0 0 915

Mai 941 0 0 0 941

Jun 869 0 0 0 869

Jul 446 0 0 0 446

Ago 895 0 0 0 895

Set 669 0 0 0 669

Out 925 0 0 0 925

Nov 790 0 0 0 790

Dez 0 0 0 0 0

TOTAL 9016 0 0 0 9016

O Serviço de Ambulatório do Hospital Regional Público de Miracema, resume-se ao Serviço de Fisioterapia e ao Serviço de Psicologia, não tendo consultas médicas eletivas, e no mês de novembro de 2012 houve uma redução de 14,59% com relação ao mês de outubro de 2012, esse percentual negativo foi em decorrência da psicóloga estar de licença maternidade, ficando somente um psicólogo para atender todas as necessidades do hospital. Estamos aguardando contratação de novos servidores para assim ampliar os serviços.

6.1. 9 – ATENDI MENTOS D E URGÊNCIA/EME RGÊNCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov De z 0 0 0 0 0 TOTAL 43191 0 0 0 43191

2918 3271 4153 5407 4381 3950 3.454 3468 4242 4518 3429 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

2918 3271 4153 5407 4381 3950 3454 3468 4242 4518 3429

O mês de novembro de 2012 tivemos uma redução no número total de atendimentos no Pronto Socorro de 24,10% em relação ao mês de outubro de 2012. Comparando com o mesmo período de 2011 tivemos um acréscimo de 40,65% no volume de atendimentos. Considerando que o Hospital Regional Público de Miracema é referência para cinco municípios e região que necessita dos nossos serviços de urgência e emergência, como também as demandas espontâneas. Também vale registrar mais uma vez que a estrutura física do Pronto Socorro do Hospital Regional Público de Miracema, está necessitando urgentemente de uma reforma para adequação e implementação das atividades que está previsto na ampliação e reforma do hospital.

Página | 104

6.1. 10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 34 131 12 29 20 226 Janeiro
S e s a u P ró 3º

Feve reiro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o ta l

29 10 0 41 4 84

0 0 0 12 0 12

63 141 12 82 24 322

34 131 12 29 20 226

29 11 0 47 7 94

0 0 0 0 0 0

63 142 12 76 27 320

34 131 12 29 20 226

30 11 0 47 6 94

0 0 0 0 0 0

64 142 12 76 26 320

34 131 12 29 20 226

30 11 0 47 5 93

0 0 0 0 0 0

64 142 12 76 25 319

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s a u P ró 3º T o ta l

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

40 121 12 30 18 221

31 8 0 50 5 94

0 0 9 0 0 9

71 129 21 80 23 324

40 121 12 30 18 221

31 8 0 50 5 94

0 0 9 0 0 9

71 129 21 80 23 324

40 121 12 30 18 221

30 8 0 50 5 93

0 0 9 0 0 9

70 129 21 80 23 323

40 121 12 30 18 221

29 10 0 47 6 92

0 0 9 0 0 9

69 131 21 77 24 322

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 42 121 12 30 18 223

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

De zem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o ta l

28 10 0 9 6 53

0 0 9 0 0 9

70 131 21 39 24 285

41 120 3 39 23 226

23 10 0 14 6 53

0 0 0 38 0 38

64 130 3 91 29 317

42 127 11 24 27 231

23 10 0 14 6 53

0 0 0 38 0 38

65 137 11 76 33 322

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

Página | 105

6.1.11 – NEP

RELATÓRIO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE HOSPITAL REGIONAL PUBLICO DE MIRACEMA NOVEMBRO/2012

CURSO Promovendo e Incentivando a Amamentação Hospital Amigo da Criança TOTAL

NÚMERO DE PARTICIPANTES 14 14

CARGA HORÁRIA 20:00:00 20:00:00

TOTAL DE HORAS 280:00:00 280:00:00

TOTAL DE HORAS

280:00:00

NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

322 0,0362318

CARGA HORÁRIA TOTAL
480:00:00 432:00:00 384:00:00 336:00:00 288:00:00 240:00:00 192:00:00 144:00:00 96:00:00 48:00:00 0:00:00 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV

Carga Horaria

Página | 106

DADOS QUALITATIVOS

As ações de capacitação do Hospital Regional Publico de Miracema (HRPM), no mês de Novembro de 2012, foi realizada a replicação da capacitação do Incentivo Hospital Amigo da Criança nos dia 07, 08 e 09 do mês de novembro.

6.1.12 – LOGÍSTICA

1.13. Estoque
1.13.1. Estoque em dias de consumo - Mat/med 30 dias

Jan

Fev

Mar 65,0 65,0

Abr 52,0 52,0

Mai 52,0 52,0

Jun 40,0 40,0

Jul 52,0 52,0

Ago 37 37

Set 42 42

Out 55 55

Nov 60 60

Dez 0,0 0,0

TOTAL 680,0 680,0

257,0 162,0 257,0 162,0

Total

No mês de novembro de 2012 encerramos com um valor total de estoque de R$ 244.723,44 o que dividido pelo nosso consumo diário que foi de R$ 4.078,72, chegamos ao total de 60 dias de cobertura de estoque. Durante o mês de novembro foi realizado o inventário rotativo de acordo com as orientações do coordenador de logística Carlos Gomes. Comparando os dias de cobertura de estoque de outubro, aumentamos em 5 dias, porém aumentamos o valor de estoque devido à doações de outros hospitais.

Página | 107

6.1. 1 – COR PO CLÍNICO

Estamos aguardando o contrato com a SESAU do Dr. Fernando cirurgião vascular, para realização de cirurgias eletivas de varizes. No mês de novembro deu início a empresa WSP prestadora de Serviços Médicos para preencher a escala da obstetrícia e pediatria no regime de plantões de 12 e 24 horas. Observa-se que no mês de novembro, houve um acréscimo nos partos em decorrência da ampliação da especialidade. Os serviços da pediatria e obstetrícia estão compostos da seguinte forma:

GINECOLOGIA/OBSTETRÍCIA: 1. PS em Ginecologia/obstetrícia; 2. Ambulatório de Ginecologia - 10 consultas por plantão de 24 horas + porta; 3. Os médicos que fazem USG não fazem ambulatório e nem eletivas - farão 12 USG eletivas + de emergência que chegarem no plantão; 4. Intercorrência da enfermaria; 5. Prescrição do dia subseqüente ao plantão; 6. 02 cirurgias eletivas de pequeno porte por plantão de 24 horas; PEDIATRAS: 1. Urgência e Emergência – porta; 2. Sala de Parto/Berçário; 3. Intercorrência da Enfermaria/Berçário; 4. Prescrição do dia subseqüente; Além disso, foi solicitada uma lista de equipamentos necessários para a melhoria das condições de atendimento em Gineco-Obstetrícia e Pediatria, citados abaixo: - conexões pediátrico e neonatal do respirador Inter 5;

Página | 108

- 08 bombas de infusão; - 04 monitores cardíacos; - 01 desfibrilador com pá pediátrica e de preferência com monitor cardíaco; - pulseiras para mães e RNs; - 01 Ambus pediátricos; - 02 Ambus neonatais; - 02 incubadoras; - 04 berços aquecidos; - 02 fototerapia; - cânulas 2,5, 3, 3,5, 4; - 02 laringoscópios pediátricos; - 02 otoscópios; - 02 laringoscópios neonatais; - 01 tococardio - 05 pinar; - 02 oftalmoscópio; -02 esfig. pediátricos; - 02 esfig. Neonatal; - 02 esfig. Adolescente; - 07 estetoscópios pediátricos e neonatais; - régua ergométrica; - balança pediátrica digital;

Página | 109

Dos equipamentos acima descritos faltam nesta unidade: conexões do Inter 5, desfibrilador com pá pediátrica e de preferência com monitor cardíaco, oftalmoscópio, balança pediátrica digital, régua ergométrica. Foi solicitado para os diretores dos hospitais de referência o empréstimo de alguns itens que não possuem nesta unidade, sendo que o Diretor Geral do Hospital Regional Público de Guripi, Valdemir Fernille Girato cedeu um berço aquecido.

Os médicos obstetras e pediatras terão uma programação de um curso de 20 horas de IHAC (Incentivo ao Hospital Amigo da Criança). Dois médicos cirurgiões estavam de férias no período e um clínico geral de licença médica. O médico urologista Drº Adelmo que atendia as consultas ambulatoriais da especialidade pela regulação, informou a esta direção que a partir do dia 14/11 não atenderia mais os pacientes, devido a Direção Técnica ter reduzido o número de plantões extras (06) que era pago até que o contrato de 20 horas fosse liberado pela SESAU. Drº Adelmo está aguardando uma negociação para retomar as atividades anteriores. Foi protocolado à pedido dos servidores médicos efetivos, junto à SESAU a solicitação de acréscimo de 20 horas para dois clínicos gerais, três ortopedistas, redistribuída para este hospital o qual já foi publicado. 6.2 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

Foi realizada uma reunião com a gerente do Sistema MV Ionara para apresentar a consultora Fabiana, além disso, discutimos os processos do sistema MV junto à farmácia e as pendências da enfermagem. Foi solicitada uma avaliação do novo comprador Srº Luiz para o domínio do sistema. Houve uma avaliação onde percebeu-se uma melhora dos serviços com o ingresso da coordenação de farmácia nos processos de interação entre dispensação e posto de enfermagem. Foi devolvido patrimônios sucateados, para o almoxarifado da SESAU.

Página | 110

Recebemos bens patrimoniais como: 06 arquivos com 04 gavetas; 08 armários de duas portas; 02 armários (guarda roupas) 04 portas; 04 armários (guarda roupas) 08 portas; Os mesmos foram distribuídos nos setores desta Instituição. Devido a uma chuva forte, houve a necessidade de a Hosptech realizar uma manutenção nos equipamentos como: detectores fetais, eletrocardiograma e bisturi elétrico. Em decorrência do período chuvoso, houve várias intercorrências pertinentes à manutenção onde há necessidade de aprimoramento do serviço no hospital. Foi solicitado para o HGPP a disponibilização de quatro caixas de material cirúrgico para ampliação do serviço de cirurgias vasculares: caixa de varizes, flecebo extrator, agulha de crochê, micropore estéril e atadura de 20 estéril. Iniciou-se um trabalho de consultoria com a coordenadora da qualidade Thaís Muniz e a Diretora de Enfermagem Ursula Bersot, onde foi realizado o planejamento dos trabalhos, aplicação do RAG(Requisito de Apoio a Gestão) no Centro Cirúrgico, Hospital A, Lactário, Pré Parto e CME, enfermagem, plano de ação, reunião com Farmácia, Maternidade, IHAC(Inicimigo da Criança)ativa sensibilização com os enfermeiros sobre o regimento da a equipe multidisciplinar da Farmácia, avaliação das

comissões do hospital, elaborado cronograma de treinamentos para as próximas semanas. Solicitado para o Diretor da Hospital Ricardo Rocha o orçamento dos equipamentos para locar: 01 desfibrilador com pá pediátrica e de preferência com monitor cardíaco e 01 fototerapia. Foi concedido a título de doação pela SESAU três caixas cirúrgicas: hérnia, postectomia e laqueadura, sendo entregue para o setor de patrimônio do hospital.

Página | 111

6.3 – FATURAMENTO

5. Faturamento 5.1 - AIH 5.2 - Valores 5. Faturamento 5.1 - AIH 5.2 - Valores

Jan 353 151.844,89 Ago 293 130.155,73

Fev 286 131.731,90 Set 416 193.049,08

Mar 258 121.617,54 Out 376 161.567,86

Abr 259 121.590,36 Nov 312 144.293,16

Mai 345 152.141,21 Dez

Jun 365 151.267,13 TOTAL 1021 467497,97

Jul 295 132.644,72

TOTAL 2.161 962.837,75

TOTAL GERAL 3.142 1.591.903,58

No mês de novembro foram faturadas 312 contas, com valor médio de R$ 462,48. Analisando o número de altas do período foi de 301, atingindo a meta contratual de saídos X contas faturadas. Estamos realizando o controle das AIH’s sem preenchimento médico, controle dos cartões SUS, revisão de processos e a implantação da regulação das cirurgias eletivas.

6.4 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS
Não houve nenhuma reforma estrutural no mês de novembro de 2012 no Hospital Regional Público de

Miracema. 6.5 – EQUIPAMENTOS NOVOS Devido a necessidade de adquirir os equipamentos necessários para os serviços de obstetrícia e pediatria e implantação do projeto Iniciativa do Hospital Amigo da Criança, foi solicitado proposta de locação junto a Hosptech dos equipamentos abaixo relacionados para o hospital: cardioversor, fototerapia e monitor cardíaco. 6.6 – COMISSÕES Foi realizada reunião da Comissão da CCIH, sendo apresentados os dados estatísticos do serviço, o índice de infecção hospitalar no mês de outubro foi de 3,1%. Todos os pacientes que adentrarem no Pronto Socorro com hipótese diagnóstica de doença infectocontagiosa deverá comunicar a CCIH. Situação dos banheiros das enfermarias em estado de precariedade, aguardando reforma. A nutricionista vai conversar com os médicos do centro cirúrgico para elaborar um cronograma de entrega de refeições dentro do se-

Página | 112

tor. Elaborar plano de ação para as melhorias dentro do Centro Cirúrgico. Padronização e reformatação do Formulário de Inspeção e Segurança de Produtos Químicos. Aprovação do Regimento Interno da Comissão. Realizada reunião da Comissão de Farmaco-Vigilância, sendo tratado dos seguintes assuntos: Falta de controle de materiais e medicamentos com a participação da coordenadora de qualidade Thaís e a Diretora de Enfermagem Ursula, onde será aplicado o RAG na farmácia. Apresentado o modelo do Regimento Interno da Comissão e atualização da Ata de Abertura. Aumento de mat/med dispensados para o setor de Urgência e Emergência e identificar a eficácia dos antimicrobianos dos pacientes internados. Elaboração do Plano de Ação da Farmácia e controle do estoque mínimo no berçário. Foi realizada reunião da Comissão de Investigação de Óbitos onde foi apresentado o relatório mensal de outubro, sendo que ocorreram 10 óbitos, sendo investigados na sua totalidade, a taxa de mortalidade ficou em 2,72%. Elaborar fluxograma para a liberação de óbitos até a entrega do corpo. Agendar reunião com as assistentes sociais para definir o fluxo do óbito e liberação do corpo. Foi realizado reunião com a Comissão de Revisão de Prontuários, onde foi discutido o fluxo de cirurgias eletivas, situação do SISREG e a dificuldade de aprovação dos laudos pelos médicos auditores. Protocolos de revisão de prontuários, check-list e qualidade dos prontuários. 6.9 – OUTRAS INFORMAÇÕES No mês de novembro, o hospital está engajado na campanha “Novembro Azul”, tendo como objetivo de conscientizar a população em especial os homens, para a importância de se prevenir contra o câncer de próstata que é o segundo tipo de câncer mais comum entre os homens no Brasil e o sexto no mundo. Diante disso, realizamos algumas ações: - ornamentação da frente do hospital com refletores de luz azul, iluminando a fachada do hospital, banner e balões; - foi realizada uma palestra pela nutricionista Núbia Salvador Guimarães, informando sobre a importância de uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais, frisando sobre o consumo exagerado de gordura, principalmente as de origem animal.

Página | 113

- Slide e vídeos educativos no monitor da recepção, falando sobre a importância do diagnóstico precoce, sobre o preconceito do toque retal, exame de sangue PSA, cujos mesmos podem identificar o aumento de uma proteína produzida pela próstata que seria o início da doença; - Consultas e avaliações de funcionários com idade acima de 40 anos com o médico urologista do hospital Drº Adelmo Aires Negre. No momento da consulta agendada para os servidores, o médico colocou sobre os sintomas como: dificuldade de urinar, freqüência urinária alterada ou diminuição do jato da urina, dentre outros, falando também do histórico familiar da doença. Colocando também, caso a doença comprovada, o médico pode indicar radioterapia, cirurgia ou tratamento hormonal. - Equipe organizadora usou laço de fita azul durante uma semana, simbolizando o apoio a esta causa;

Foi realizada no dia 14 de novembro uma ação social pelo Dia D da prevenção da diabetes na Praça Derocy de Moraes, centro da cidade no período matutino, onde foram realizadas várias ações como: - Ornamentação do Coreto localizado no centro da praça, com balões azuis, bancos para acomodação da comunidade e som ambiente; - Realizado teste rápido da diabetes; - Orientações sobre a importância da prevenção da diabetes, ministrado pela equipe de enfermagem do hospital; - Aferimento da pressão arterial;

No intuito de adquirir o título de Hospital Amigo da Criança, o Hospital Regional Público de Miracema realizou várias etapas como: reunião com a comissão do Hospital Materno Infantil Público Tia Dedé e a comissão deste hospital. Partindo desse pressuposto, recebemos capacitação ministrada pela Comissão do Hospital Dona Regina, elaborado a Política de Aleitamento Materno do hospital, replicação da capacitação de Aleitamento Materno de 20 horas. Realizou-se o segundo curso dessa iniciativa nos dias 07 a 09 de novembro de 2012, com carga horária de 20 horas, tendo como público alvo, os profissionais médicos (obstetra, pediatra e clínico) servidores da maternidade, pré parto, centro cirúrgico e pediatria.

Página | 114

Foi passado pelo Outubro Rosa caracterizado pela campanha educativa sobre o câncer de mama e suas implicações. Na seqüência, desenvolvemos o Novembro Azul, expresso por um conjunto de ações sistematizadas, objetivando a prevenção do câncer de próstata. Eis-nos agora, próximo ao mês de dezembro, entendendo que o hospital é também uma instituição mesmo com as suas especificidades, desenvolvemos um projeto com o objetivo único de ornamentação natalina para todos nós, na qualidade de gestores, servidores/colaboradores e clientes SUS. A Diretoria Regional de Ensino de Miracema, realizou um movimento nacional do combate ao câncer na Praça Derocy de Moraes no dia 27/11 das 08:00 às 11:00 e das 15:00 às 18:00. O Programa Saber Saúde da Escola do Governo Federal em parceria com as Secretarias de Saúde, Hospital Regional Público de Miracema-Pró Saúde e Educação que possui caráter preventivo, objetivando minimizar os fatores de risco de câncer tais como: Controle de Tabagismo, Alcoolismo, Irradiação Solar, Hábitos Alimentar inadequados e Sedentarismo. Várias atividades foram desenvolvidas: Teste de Glicemia, Aferição de Pressão, Técnica de Alongamento, Palestras e Vídeos Educativos sobre os assuntos. PALAVRA DO DIRETOR DO HOSPITAL O mês de novembro foi um mês de muitas realizações de caráter social, onde houve a participação do hospital em vários eventos, considerando que esta parceria foi de fundamental importância para a imagem do hospital neste momento administrado pela Pró-Saúde. Primando sempre pela saúde do nosso município e região, aguardamos a reforma da estrutura física deste hospital em primeira instância com a ampliação de mais uma sala cirúrgica, reformas das enfermarias e os banheiros. Considerando outro fator relevante para a história da obstetrícia deste hospital, foi o acréscimo substancial de partos e conseqüentemente a diminuição de encaminhamentos para o Hospital Maternidade Dona Regina, devido o aprimoramento das escalas da especialidade de obstetrícia e pediatria pelos médicos da empresa WSP, realizamos um total de 58 partos, obtivemos um acréscimo de
48,27% com relação ao mês de outubro de 2012.

Ressaltamos que com a implantação do IHAC poderemos oportunizar aos nossos clientes SUS a importância do Aleitamento Materno, estamos resgatando a história da obstetrícia de Miracema e região, pois atingiu-se em datas pretéritas um número de 100 partos/mês.

Página | 115

No mês de novembro, observa-se uma redução desde o volume de atendimentos de Urgência e Emergência e conseqüentemente, houve redução do volume de internações, número de saídos, onde não atingimos a meta contratual de saídos, onde atingimos 70% do percentual estipulado de 85%. Em relação à gestão do hospital, tenho alguns servidores no cargo de gerências como o de manutenção, faturamento, financeiro e RH, onde estão insatisfeitos pela falta de pagamento das gratificações pela SESAU. Conversei com os servidores e solicitei que mantivessem a postura de chefias e que o Estado está liberando as gratificações gradativamente, pois esta postura prejudica o bom andamento do trabalho. O Hospital de Miracema, retomou as ações para certificação dada pelo Ministério da Saúde, juntamente com o Governo do Estado para o título do Incentivo Hospital Amigo da Criança (IHAC). A enfermeira da qualidade Thais Muniz ficará no hospital por vinte dias onde a mesma irá implantar alguns itens como: - implantação dos dez passos do Aleitamento Materno; - adequação do Lactário (ante-sala, paramentação, estrutura da sala de preparo e protocolo de amamentação); - treinamento em urgência e emergência; - implantação das orientações sobre a pega correta da amamentação com as gestantes; - reuniões mensais com as gestantes; - adequação e implantação da Política de Aleitamento Materno; Algumas ações da enfermagem que estavam pendentes como a implantação do SAE, treinamentos e apresentação das atribuições dos enfermeiros estão em andamento com a participação da coordenadora de qualidade e a Diretora de Enfermagem Ursula Bersot que estão desenvolvendo ações conjuntas com a enfermagem visando um aprimoramento das funções. O Hospital de Miracema está ampliando suas atividades junto à população com objetivo único de prestar um excelente atendimento, é necessário que o Diretor Técnico seja participativo e atuante, que os interesses sejam iguais aos da Direção do hospital, uma vez que não contamos com o apoio necessário para o aprimoramento dos processos inerentes à função e as ações pertinentes ao seu cargo. Estamos na etapa final de fechamento de mais um ano, estratégias, ações, planejamentos, devem ser observados neste período. Finalizo a minha verbalização agradecendo o apoio dos hospitais, da Pró Saúde, da Secretaria de Estado da Saúde, colegas de trabalho, prestado à mim no momento de enfermidade. Agradeço o apoio
Página | 116

da Diretora Administrativa Maria da Penha Bandeira que contribuiu com que o hospital mantivesse a qualidade dos serviços prestados à comunidade. Agradeço também a Iris Forini Gonzales e Ursula Diogo Bersot que prestaram apoio a esta Direção. Em especial agradeço ao coordenador Allan Jacqueson Barbosa Lobo pelo apoio que foi prestado pela sua pessoa, onde consegui ter uma recuperação tranqüila. São ações como essas que nos fazem a acreditar a cada dia que vale a pena fazer parte da família Pró Saúde. ANEXO FOTOS – DIA D - DIABETES
Aferição de pressão arterial na Praça Derocy Moraes.

Teste de Glicemia na Praça Derocy Moraes

Página | 117

FOTOS – ORNAMENTAÇÃO DE NATAL Corredor Unidade de Internações

Página | 118

Enfeite de Natal

Fotos - Dia Nacional de Combate ao Câncer

Página | 119

Verificação do teste de Glicemia

Página | 120

FOTOS – CAPACITAÇÃO IHAC (Hospital Amigo da Criança

FOTOS – NOVEMBRO AZUL Página | 121

Exames de prevenção para os funcionários e ornamentação do Pronto Socorro

2.7 HOSPITA L REG IONAL PÚBLICO DE POR TO NACIONAL 2.7.1 METAS CONTRATUAIS

7.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
7.1. 1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 41 0 17 0 0 0 0 0 10 0 68 Fev 45 0 21 0 0 0 0 0 5 0 71 Mar 49 0 21 0 0 0 0 0 5 0 75 Abr 51 0 16 0 0 0 0 0 9 0 76 Mai 50 0 17 0 0 0 0 0 9 0 76 Jun 50 0 17 0 0 0 0 0 9 0 76 Jul 49 0 17 0 0 0 0 0 9 0 75 Ago 49 0 17 0 0 0 0 0 9 0 75 Set 49 0 17 0 0 0 0 0 9 0 75 Out 49 0 17 0 0 0 0 0 9 0 75 Nov 49 0 17 0 0 0 0 0 9 0 75 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 531 0 194 0 0 0 0 0 92 0 817

Página | 122

7.1.2 – Nº. DE INTE RNAÇÕ ES POR ESPECIALID ADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 231 0 158 0 0 0 0 0 64 0 453 Fev 204 0 161 0 0 0 0 0 70 0 435 Mar 265 0 191 0 0 0 0 0 101 0 557 Abr 193 0 181 0 0 0 0 0 117 0 491 Mai 228 0 170 0 0 0 0 0 114 0 512 Jun 210 0 97 0 0 0 0 0 78 0 385 Jul 224 0 106 0 0 0 0 0 93 0 423 Ago 229 0 169 0 0 0 0 0 88 0 486 Set 227 0 154 0 0 0 0 0 102 0 483 Out 191 0 191 0 0 0 0 0 123 0 505 Nov 246 0 142 0 0 0 0 0 74 0 462 De z 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 2448 0 1720 0 0 0 0 0 1024 0 5192

7.1.3– Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por es pe cialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade Jan 269 0 176 0 0 0 0 0 105 0 550 Fe v 256 0 181 0 0 0 0 0 74 0 511 Mar 290 0 177 0 0 0 0 0 147 0 614 Abr 236 0 156 0 0 0 0 0 101 0 493 Mai 251 0 157 0 0 0 0 0 104 0 512 Jun 252 0 110 0 0 0 0 0 88 0 450 Jul 258 0 137 0 0 0 0 0 92 0 487 Ago 269 0 176 0 0 0 0 0 89 0 534 Set 275 0 176 0 0 0 0 0 112 0 563 Out 258 0 137 0 0 0 0 0 92 0 487 Nov 257 0 129 0 0 0 0 0 72 0 458 De z 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 2871 0 1712 0 0 0 0 0 1076 0 5659

7.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;
1.4. Porcentage m de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação Jan 98% 0% 78% 0% 0% 0% 0% 0% 26% 0% Fev 83% 0% 65% 0% 0% 0% 0% 0% 81% 0% Mar 85% 0% 80% 0% 0% 0% 0% 0% 96% 0% Abr 88% 0% 78% 0% 0% 0% 0% 0% 98% 0% Mai 83% 0% 74% 0% 0% 0% 0% 0% 78% 0% Jun 86% 0% 60% 0% 0% 0% 0% 0% 61% 0% Jul 84% 0% 52% 0% 0% 0% 0% 0% 42% 0% Ago 71% 0% Set 71% 0% Out 79% 0% Nov 78% 0% De z 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 906% 0% 924% 0% 0% 0% 0% 0% 722% 0%

94% 115% 100% 128% 0% 0% 0% 0% 0% 44% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 41% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 84% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 71% 0%

Página | 123

7.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊ NCI A;
1.5. Mé dia de Pe rm anê ncia 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência Jan 5,23 0 4,14 0 0 0 0 0 0,78 0 Fev 4,25 0 4,59 0 0 0 0 0 1,58 0 Mar 4,43 0 6,79 0 0 0 0 0 1,14 0 Abr Mai Jun 5,11 0 2,78 0 0 0 0 0 1,85 0 0 0 0 0 0 0 1,27 0 0 1,99 0 0 0 0 0 1,39 0 Jul 4,96 0 2,81 0 0 0 0 0 Ago 3,99 0 3,34 0 0 0 0 0 1 0 Set 3,81 0 Out 5,06 0 2,58 0 0 0 0 0 1,8 0 Nov 4,47 0 0,07 0 0 0 0 0 2,65 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 28,95 0 23,11 0 0 0 0 0 10,65 0

5,51 4,76 0 4,94 2,01 0 0 0 0 0 1,7 1,95 0

7.1.6 – VOLUME CIRURGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 135 73 208 Fev 126 116 242 Mar 169 168 337 Abr 168 108 276 Mai 173 95 268 Jun 201 10 211 Jul 209 12 221 Ago 162 113 275 Set 175 109 284 Out 217 106 323 Nov 184 84 268 Dez 0 0 0 TOTAL 1919 994 2913

7.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE
1.6.3. Núm e ro de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 26 18 164 0 0 208 Fev 0 45 197 0 0 242 Mar 0 71 266 0 0 337 Abr 0 59 217 0 0 276 Mai 0 34 234 0 0 268 Jun 0 27 184 0 0 211 Jul 0 17 204 0 0 221 Ago 0 53 222 0 0 275 Set 0 65 219 0 0 284 Out 0 101 222 0 0 323 Nov 0 64 204 0 0 268 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 26 554 2333 0 0 2913

Página | 124

7.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Jan 0 0 0 Fev 0 0 0 Mar 0 0 0 Abr 0 0 0 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 0 0 0

7.1. 7 – SADT ’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 41164 888 22656 2063 2154 0 0 0 225 956 0 0 0 0 0 0 0 0 70106

3697 3876 4574 3930 4292 3847 3413 3419 3828 3594 2694 80 98 95 0 112 89 70 85 76 83 100

1685 1647 2125 2131 2260 2035 1994 2042 2212 2379 2146 215 0 0 0 0 30 46 0 0 0 0 0 0 0 0 231 0 0 0 0 17 75 0 0 0 0 0 0 0 0 223 0 0 0 0 25 86 0 0 0 0 0 0 0 0 213 0 0 0 0 17 62 0 0 0 0 0 0 0 0 179 0 0 0 0 27 89 0 0 0 0 0 0 0 0 193 326 0 0 0 21 102 0 0 0 0 0 0 0 0 140 297 0 0 0 16 115 0 0 0 0 0 0 0 0 165 348 0 0 0 25 86 0 0 0 0 0 0 0 0 153 362 0 0 0 13 88 0 0 0 0 0 0 0 0 199 432 0 0 0 17 103 0 0 0 0 0 0 0 0 152 389 0 0 0 17 104 0 0 0 0 0 0 0 0

5753 5944 7128 6353 6959 6613 6045 6170 6732 6807 5602

7.1. 8 – A MBULATÓRIO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 229 210 0 0 439 Fev 229 224 0 0 453 Mar 292 240 0 0 532 Abr 439 366 0 0 805 Mai 425 295 0 0 720 Jun 415 282 0 0 697 Jul 293 295 0 0 588 Ago 465 311 0 0 776 Set 439 263 0 0 702 Out 601 188 0 0 789 Nov 502 207 0 0 709 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 4329 2881 0 0 7210

Página | 125

7.1. 9 – ATENDI MENTOS D E URGÊNCIA/EME RGÊNCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 37792 6480 0 0 44272

3166 3086 3818 3785 3925 3786 3631 3263 3001 3337 2994 359 0 0 496 0 0 587 0 0 385 0 0 616 0 0 415 0 0 388 0 0 731 0 0 890 0 0 758 0 0 855 0 0

3525 3582 4405 4170 4541 4201 4019 3994 3891 4095 3849

7.1.10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 114 235 44 6 41 440 Janeiro
S e sa u P ró 3º

Fevereiro
T o t al S e sa u P ró 3º

Março
T o t a l S e s au P ró 3º T o t a l S e s au P ró

Abril
3º T o tal

52 25 8 56 8 149

0 0 0 0 0 0

166 260 52 62 49 589

100 234 41 5 38 418

59 25 9 73 10 176

0 0 0 0 0 0

159 259 50 78 48 594

100 232 42 5 36 415

58 25 9 73 10 175

0 0 0 0 0 0

158 257 51 78 46 590

101 231 41 5 36 414

60 24 9 79 12 184

0 0 0 0 0 0

161 255 50 84 48 598

1.10. Recursos Humanos
S e sa u P ró

Maio

Junho
T o t al S e sa u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s au P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s au P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

101 235 41 5 35 417

60 24 9 73 12 178

0 0 0 0 0 0

161 259 50 78 47 595

101 235 41 5 35 417

60 24 9 73 12 178

0 0 0 0 0 0

161 259 50 78 47 595

100 233 38 5 33 409

58 24 9 73 12 176

0 0 0 0 0 0

158 257 47 78 45 585

101 233 39 5 34 412

56 24 9 73 12 174

0 0 0 0 0 0

157 257 48 78 46 586

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 101 233 39 5 34 412

Setem bro
S e sa u P ró 3º

Outubro
T o t al S e sa u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s au P ró 3º

Dezem bro
T o t a l S e s au P ró 3º T o tal

56 23 9 39 12 139

0 0 0 0 0 0

157 256 48 44 46 551

101 233 39 5 34 412

53 23 9 20 12 117

0 0 0 0 0 0

154 256 48 25 46 529

101 233 39 5 34 412

52 23 10 17 12 114

0 0 0 0 0 0

153 256 49 22 46 526

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

Página | 126

7.1.11 – NEP
CURSO NÚMERO DE PARTICIPANTES CARGA HORÁRIA TOTAL DE HORAS

Curativos clínicos e cirúrgicos. Como avaliar uma ferida , Classificação de uma ferida,Processos de ci catrização de uma ferida. Coberturas que devem ser utilizadas em um curativo. Como indentificar sinais e sintomas de dengue. Visita técnica da vigilância em saúde neste núcleo.
TOTAL
TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

38 74 73 38 6 0 229

04:00:00 04:00:00 05:30:00 06:15:00 05:00:00 00:00:00 00:45:00

152:00:00 296:00:00 401:30:00 237:30:00 30:00:00 0:00:00 1117:00:00

1117:00:00 526 0,088482256

HORAS DE TREINAMENTO
70 60 50 40 30 20 10 0 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ CARGA HORÁRIA TOTAL

DADOS QUALITATIVOS

Houve um pequena queda das ações de capacitações do Hospital Regional Público de Porto Nacional, de servidores em relação ao mês anterior. Neste mês totalizamos a participação de 229 servidores e um total de 24,45 horas de treinamento. Realizaremos cursos no mês de dezembro de acordo com a necessidade dos setores.

Página | 127

7.1. 12 – LOGÍSTICA

1.13 . Es t o que 1 3.1 Esto que em dias de co nsumo - M at/med 30 dias .1 . To tal

Jan 1 06,0 1 06,0

F ev 1 47,0 1 47,0

M ar 1 20,0 1 20,0

A br 69,0 69,0

M ai 60,0 60,0

J un 56,0 56,0

J ul 71 ,0 71 ,0

A go 69,0 69,0

Set 63,0 63,0

O ut 52,0 52,0

Nov 76,0 76,0

D ez 0,0 0,0

TOT A L 889,0 889,0

7.1. 13 – CORPO CLÍNICO

·

Sem ocorrências relevantes.

7.2 – SAU
Ítem deixou de ser contratual.

7.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS
· · · · Acompanhamento diário sobre o estoque para que não falte materiais, medicamentos. Devido parceria com médico cirurgião iniciaram as cirurgias de laparoscopia no hospital. Iniciado também cirurgias de catarata. Reunião mensal com a CCIH para análise de indicadores, alinhamento de processos e possíveis melhorias relacionadas aos processos de controle de infecção. Realizado Implantação do Sistema de Informação de Agravos de Notificação no Núcleo Hospitalar do HRPPN, pela equipe da Direção e Operacionalização da Vigilância em Saúde/Palmas, com o objetivo de otimizar as inconformidades das notificações realizadas de 26 a 28/11/2012. · Concluído instalação do aparelho Autoclave de forma adequada com barreira (entrada e saída de material por portas distintas) diretamente na sala de acondicionamento de materiais na CME (Central de Material de Esterilização) e ligação direta do ar comprimido no sistema de tubulação do Centro Cirúrgico. · Encaminhado para SESAU MEMO, solicitando aquisição de aparelhos e equipamentos para montagem da quarta sala cirúrgica.

Página | 128

·

Programado e realizado manutenção preventiva dos monitores multiparâmetros da U.C.I , Sala de Emergência e Centro Cirúrgico, manutenção realizada pelo técnico da Empresa HOSPTECH – Serviços Hospitalares LTDA.

· · · · · · · ·

Remanejado um servidor Técnico de Enfermagem que prestava serviço no SER – Serviço de Reabilitação para o Centro Cirúrgico. Realizado Inspeção Sanitária no HRPPN, com aplicação do Módulo VII do roteiro de Inspeção em Assistência Hemoterápica, com orientação a equipe de enfermagem a respeito da Legislação em vigor. Implantação do Sistema MV para controle dos medicamentos com saída pelo nome do paciente no Pronto-Socorro do HRPPN. Realizado Capacitação pela CCIH/NEP/Coord. Enf. para equipe de enfermagem sobre o tema “Como avaliar uma ferida” I Módulo. Realizado Capacitação pela CCIH /NEP/Coord. Enf. para equipe de enfermagem sobre o tema “Curativos Clínicos e Cirúrgicos” II Módulo. Realizado Capacitação pela CCIH /NEP/Coord. Enf. para equipe de enfermagem sobre o tema “Tipos de Curativos, Produtos e Coberturas’ III Módulo. Reunião extraordinária com a equipe de enfermagem do Centro Cirúrgico, para alinhamento de processos de enfermagem. Equipe da Diretoria de Doenças Vetoriais, Reemergentes e Zoonoses da Secretaria de Estado da Saúde, realiza treinamento da equipe de enfermagem e laboratório sobre o tema Isolamento Viral e supervisão + Oficina sobre Dengue dia 28/11/2012 - Auditório – Monitoramento e avaliação das ações da Vigilância Epidemiológica no município de Porto Nacional.

· · ·

Recebemos a equipe de reportagem da SESAU e SBT/Porto no Centro Cirúrgico para Inauguração das cirurgias de videolaparoscopia no HRPPN. Entregue Ofício para Direção Geral com destino à Promotoria Municipal sobre relação de materiais aparelhos e equipamentos adquiridos durante a Gestão da Pró-Saúde e GMPB. Recebida a Certidão de Responsabilidade Técnica pela Equipe de Enfermagem do HRPPN, onde uma via foi para ANVISA, uma via para gerente de enfermagem e uma via para a diretoria.

Página | 129

7.4 – FATURAMENTO
4.1- AIH (Quantitativo ) 345 4.2 - Valo res (em 259.346,8 reais) 481 31 3.558,3 476 328.768,4 51 1 462 433 427 408 428 2561 32,23 374 252.672,3 364 233.432,4 0 0,0 4709 1 727320,4 339.542,2 274489,92 331 4,1 71 8 320635,00 258093,1 5

7.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS
· A obra em execução pela SEINFRA da Ala A, continua na etapa do Pronto Socorro.

OUTUBRO 2012

NOVEMBRO 2012

OUTUBRO 2012

NOVEMBRO 2012

A obra foi retomada. Alguns pontos já estão em fase de acabamento. Porém ainda faltam pontos de água nas salas de emergência e nos consultórios e rede de gases que não estão contemplados no projeto.

Página | 130

7.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS
Não houve compra de equipamentos neste mês.

7.8 – COMISSÕES
· · · · · A Comissão de Prontuário Médico se reuniu dia 19 de novembro; A Comissão de Ética Médica não se reuniu neste mês; A Comissão de Óbito não se reuniu neste mês; A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar se reuniu no dia 28 de novembro, onde vários assuntos foram discutidos na reunião que se encontram na ata em anexo; A reunião da Comissão de Farmácia e Terapêutica ocorreu no dia 28 de novembro sem qualquer queixa técnica e ocorrências relevantes ao processo.

7.9 – OUTRAS INFORMAÇÕES · · Continuidade da ginástica laboral para os colaboradores. Toda quinta-feira é realizado corte de cabelo dos usuários para maior comodidade e a fim de elevar a auto-estima dos mesmos.

PALAVRA DO DIRETOR DO HOSPITAL
No mês de novembro o Hospital Regional Público de Porto Nacional continuou passando por dificuldades, devido ao atraso de pagamento, necessitando negociação com os fornecedores. Neste mês, tivemos a homologação de mais duas colaboradoras da nutrição que estavam pendentes devido afastamento no INSS. Independente da decisão do Governo da Pró-saúde continuar até que as licitações necessárias sejam concluídas, os colaboradores contratados pela Pró-Saúde, continuam ansiosos com a indefinição de uma data e estão nos cobrando muito uma definição com relação às férias.

Página | 131

Há uma necessidade muito grande de uma definição de contrato de manutenção dos equipamentos de ar condicionado, pois temos setores que não podem ficar sem como farmácia, almoxarifado (onde fica o servidor), laboratório e outros que estão funcionando precariamente. Trabalhamos constantemente na manutenção dos estoques para que o serviço não perca a qualidade assistencial. De modo geral, o hospital passa por dificuldades, porém, a população continua sendo assistida.

2.8 HOSPITA L REG IONAL PÚBLICO DE GUARAÍ 2.8.1 METAS CONTRATUAIS

8.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
8.1. 1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Le itos por Es pe cialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 18 13 19 14 0 0 0 4 0 0 68 Fe v 18 13 19 14 0 0 0 4 0 0 68 Mar 18 13 19 14 0 0 0 4 0 0 68 Abr 18 13 19 14 0 0 0 4 0 0 68 Mai 13 13 17 12 0 0 0 3 0 0 58 Jun 13 13 17 12 0 0 0 3 0 0 58 Jul 13 13 17 12 0 0 0 3 0 0 58 Ago 13 13 17 12 0 0 0 3 0 0 58 Se t 13 13 17 12 0 0 0 3 0 0 58 Out 13 13 17 12 0 0 0 3 0 0 58 Nov 13 13 17 12 0 0 0 3 0 0 58 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 163 143 195 140 0 0 0 37 0 0 678

COMENTÁRIO: O Hospital Regional Público de Guaraí atualmente possui 58 leitos cadastrados, está inserido na Macrorregião de Saúde de Araguaína e compõe a Região de Saúde Lobo Guará, com população estimada em 58 mil habitantes.

Página | 132

8.1. 2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIAL IDADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 55 14 75 64 0 0 0 13 0 0 221 Fev 76 35 78 61 0 0 0 13 0 0 263 Mar 68 45 97 63 0 0 0 16 0 0 289 Abr 79 45 74 57 0 0 0 14 0 0 269 Mai 64 13 39 72 0 0 0 10 0 0 198 Jun 60 29 70 53 0 0 0 14 0 0 226 Jul 89 22 85 42 0 0 0 1 0 0 239 Ago 49 14 60 38 0 0 0 1 0 0 162 Set 41 14 60 33 0 0 0 0 0 0 148 Out 48 8 64 33 0 0 0 0 0 0 153 Nov 41 6 49 31 0 0 0 1 0 0 128 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 670 245 751 547 0 0 0 83 0 0 2296

COMENTÁRIO: Neste mês de novembro o total de internações apresentou uma redução em relação ao mês anterior, influenciada principalmente pela clínica cirúrgica. No berçário ocorreu apenas uma internação considerando a opção das duas únicas pediatras que compõem o corpo clínico, em cumprirem suas cargas horárias em regime de plantões na urgência/emergência desde o mês de julho/2012, ficando a avaliação dos recémnascidos e a UCI-Neo, descobertas, situação que mantém-se da mesma maneira neste mês.

8.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE;
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade Jan 96 13 72 26 0 0 0 9 0 0 216 Fev 108 34 76 27 0 0 0 14 0 0 259 Mar 127 37 96 26 0 0 0 12 0 0 298 Abr 104 31 88 30 0 0 0 14 0 0 267 Mai 59 20 40 69 0 0 0 8 0 0 196 Jun 68 33 68 54 0 0 0 17 0 0 240 Jul 78 24 81 40 0 0 0 1 0 0 224 Ago 55 12 67 39 0 0 0 1 0 0 174 Set 44 11 60 36 0 0 0 0 0 0 151 Out 45 7 55 29 0 0 0 0 0 0 136 Nov 40 9 45 32 0 0 0 1 0 0 127 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 824 231 748 408 0 0 0 77 0 0 2288

COMENTÁRIO: Neste mês de novembro observa-se uma redução no número de pacientes saídos, considerando a redução no número de internações em todas as clínicas.

Página | 133

8.1. 4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação Jan 33% 9% 40% 36% 0% 0% 0% 57% 0% 0% 33% Fev 32% 23% 35% 35% 0% 0% 0% 35% 0% 0% 32% Mar 39% 18% 47% 31% 0% 0% 0% 52% 0% 0% 36% Abr 46% 24% 40% 29% 0% 0% 0% 68% 0% 0% 38% Mai 40% 6% 20% 38% 0% 0% 0% 45% 0% 0% 27% Jun 47% 17% 46% 29% 0% 0% 0% 58% 0% 0% 37% Jul 71% 9% 43% 17% 0% 0% 0% 6% 0% 0% 34% Ago 53% 7% 30% 18% 0% 0% 0% 1% 0% 0% 26% Set 30% 7% 29% 15% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 20% Out 38% 3% 29% 15% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 21% Nov 28% 3% 27% 15% 0% 0% 0% 2% 0% 0% 18% Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 457% 126% 386% 278% 0% 0% 0% 324% 0% 0%

COMENTÁRIO: O percentual geral de ocupação no mês de novembro apresentou queda em relação ao mês anterior, influenciada pela redução no número de internações e na permanência na clínica médica, pediátrica e obstétrica.

8.1. 5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;
1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Berçário Patológico 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência Jan 1,93 2,69 3,31 6,04 0 0 0 7,89 0 0 3,18 Fev 1,54 2,5 2,57 5,26 0 0 0 2,93 0 0 2,43 Mar 1,72 1,97 2,88 5,12 0 0 0 5,33 0 0 2,57 Abr 2,38 3,06 2,57 4,1 0 0 0 5,79 0 0 2,97 Mai 2,76 1,15 2,7 2,06 0 0 0 5,25 0 0 2,44 Jun 2,68 2 3,46 1,94 0 0 0 3,06 0 0 2,67 Jul 3,67 1,58 2,77 1,55 0 0 0 6 0 0 2,75 Ago 3,91 2,42 2,33 1,69 0 0 0 1 0 0 2,68 Set 2,64 2,36 2,48 1,53 0 0 0 0 0 0 2,29 Out 3,38 2 2,75 1,93 0 0 0 0 0 0 2,74 Nov 2,78 1,33 3,11 1,72 0 0 0 2 0 0 2,52 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 29,39 23,06 30,93 32,94 0 0 0 39,25 0 0

COMENTÁRIO: Neste mês de novembro observa-se redução na média geral de permanência em relação ao mês anterior, influenciado pela redução na permanência de pacientes nas clínicas médica, pediátrica e obstétrica.

Página | 134

8.1. 6 – VOLUME CIRURGICO;
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 44 52 96 Fev 24 61 85 Mar 34 98 132 Abr 44 66 110 Mai 43 28 71 Jun 38 54 92 Jul 27 42 69 Ago 27 35 62 Set 19 38 57 Out 25 35 60 Nov 24 24 48 Dez 0 0 0 TOTAL 349 533 882

COMENTÁRIO: A quantidade de cirurgias no mês de novembro apresentou queda em relação ao mês anterior, permanecendo abaixo da média mensal dos meses anteriores do ano, que foi de 83 cirurgias/mês. Podemos perceber que a queda está diretamente relacionada às cirurgias eletivas.

8.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 18 14 28 32 4 96 Fev 15 6 47 2 15 85 Mar 23 18 58 5 28 132 Abr 17 20 31 4 38 110 Mai 11 4 18 3 35 71 Jun 29 3 24 1 35 92 Jul 26 5 19 4 15 69 Ago 13 3 27 1 18 62 Set 27 7 7 2 14 57 Out 16 7 15 3 19 60 Nov 15 6 6 6 15 48 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 210 93 280 63 236 882

COMENTÁRIO: Neste mês de novembro ocorreu queda no número de cirurgias em relação ao mês anterior, influenciada principalmente pela redução nas cirurgias de pequeno porte, curetagens e cesarianas.

8.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO;
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Total de Partos Jan 20 32 0 52 Fev 13 24 0 37 Mar 17 30 0 47 Abr 12 38 0 50 Mai 24 35 0 59 Jun 12 35 0 47 Jul 16 15 0 31 Ago 11 18 0 29 Set 13 14 0 27 Out 9 19 0 28 Nov 8 15 0 23 Dez 0 0 0 0 TOTAL 155 275 0 430

COMENTÁRIO: No mês de novembro observa-se uma redução no total de partos, inclusive das cesarianas, fazendo com que a taxa de cesáreas da unidade apresente uma variação de 67,86% para 65,22%. O índice ainda é considerado muito elevado em relação ao preconizado pela Organização Mundial da Saúde, que é de 15%, e pelo Ministério da Saúde para o Estado do Tocantins, que é 26% do total de partos da unidade hospitalar, conforme Portaria nº 466/GM, de 14 de junho/2000.

Página | 135

8.1. 7 – SADT ’S;
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pezinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov De z 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 26904 638 6025 549 844 0 0 54 9 632 0 0 0 0 0 0 4276 0 39931 2230 2091 2818 2367 2159 2873 2526 1981 2963 2855 2041 58 483 30 0 0 0 0 9 41 0 0 0 0 0 0 887 0 58 263 32 77 0 0 0 0 103 0 0 0 0 0 0 791 0 58 274 45 149 0 0 0 0 84 0 0 0 0 0 0 773 0 58 697 63 126 0 0 0 0 51 0 0 0 0 0 0 588 0 58 609 42 197 0 0 0 0 68 0 0 0 0 0 0 568 0 58 622 71 152 0 0 0 0 44 0 0 0 0 0 0 538 0 58 696 72 143 0 0 12 0 49 0 0 0 0 0 0 131 0 58 689 42 0 0 0 11 0 51 0 0 0 0 0 0 0 0 58 472 61 0 0 0 12 0 45 0 0 0 0 0 0 0 0 58 653 30 0 0 0 16 0 26 0 0 0 0 0 0 0 0 58 567 61 0 0 0 3 0 70 0 0 0 0 0 0 0 0

3738 3415 4201 3950 3701 4358 3687 2832 3611 3638 2800

COMENTÁRIO: Pode-se observar que neste mês de novembro o total de SADT’s apresentou redução considerável, principalmente pela redução no número de exames de análises clínicas. OBS.: Linha 1.7.17 – Diversos: Refere-se aos serviços de Fonoaudiologia e de Psicologia, os quais não apresentaram em tempo hábil os dados relativos aos atendimentos nesta área, o que ocorreu também para o serviço de fisioterapia (linha 1.7.5).

8.1.8 – AM BULATÓR IO;
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 12 0 0 0 12 Fev 115 0 0 0 115 Mar 62 0 0 0 62 Abr 63 0 0 0 63 Mai 104 0 0 0 104 Jun 114 0 0 0 114 Jul 105 0 0 0 105 Ago 166 0 0 0 166 Set 191 0 0 0 191 Out 186 0 0 0 186 Nov 148 0 0 0 148 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 1266 0 0 0 1266

COMENTÁRIO: O Hospital Regional Público de Guaraí atende consultas nas especialidade de cardiologia, cirurgia geral e pediatria. Na especialidade de cardiologia é referência em atendimento para os municípios Página | 136

que compõem a Região de Saúde Lobo Guará, entre outros. Na cirurgia geral, atende toda a demanda de consultas pré-cirúrgicas reguladas pelos municípios da região acima citada. As consultas ambulatoriais na especialidade de pediatria são restritas a egressos desta Unidade Hospitalar. Neste mês de novembro pode-se observar redução na quantidade de consultas realizadas no ambulatório, o que está relacionado aos atendimentos nas especialidades de cardiologia e ortopedia.

8.1. 9 – ATENDI MENTOS D E URGÊNCIA/EME RGÊNCIA;
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 26783 0 0 0 26783 2349 3134 2956 2802 2558 2275 2496 1928 2002 2111 2172 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

2349 3134 2956 2802 2558 2275 2496 1928 2002 2111 2172

COMENTÁRIO: O Hospital Regional Público de Guaraí possui plantonista durante 24 horas na urgência/emergência, contando também com atendimento cirúrgico, ortopédico e pediátrico em alguns dias do mês. A média diária de usuários atendidos neste setor gira em torno de 80 pacientes/dia. Neste mês a demanda de usuários que procuraram atendimento no hospital apresentou um pequeno acréscimo em relação ao mês anterior.

Página | 137

8.1. 10 – RECURSOS HUMANOS;
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 28 99 12 9 20 168 Janeiro
S e s a u P ró 3º

Feve reiro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o ta l

28 8 4 34 2 76

2 0 0 0 0 2

58 107 16 43 22 246

28 100 12 9 20 169

37 9 4 34 2 86

2 0 0 0 0 2

67 109 16 43 22 257

30 100 12 9 20 171

38 9 4 34 2 87

1 0 0 0 0 1

69 109 16 43 22 259

22 98 7 22 20 169

38 9 4 34 2 87

2 0 0 0 0 2

62 107 11 56 22 258

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s a u P ró 3º T o ta l

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

20 98 7 24 20 169

38 9 4 34 2 87

1 0 0 0 0 1

59 107 11 58 22 257

20 100 7 24 21 172

38 9 4 34 2 87

1 0 0 0 0 1

59 109 11 58 23 260

20 100 7 24 21 172

37 9 4 34 2 86

0 0 0 0 0 0

57 109 11 58 23 258

20 100 7 24 21 172

37 9 4 34 2 86

0 0 0 0 0 0

57 109 11 58 23 258

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 20 100 7 24 21 172

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

De zem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o ta l

37 9 4 14 2 66

0 0 0 0 0 0

57 109 11 38 23 238

20 100 7 24 21 172

37 9 4 2 2 54

0 0 0 0 0 0

57 109 11 26 23 226

20 100 7 24 21 172

37 9 4 2 2 54

0 0 0 0 0 0

57 109 11 26 23 226

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

OBS.: Linha 1.10.4 – Apoio - coluna SESAU, refere-se a servidores das áreas de farmácia, transporte, fisioterapia, fonoaudiologia, psicologia, nutrição e agência transfusional. Coluna Pró, refere-se a colaboradores do setor de manutenção.
8.1.11 – NEP Até a presente data (03/12/2012) não recebemos o relatório do Núcleo de Educação Permanente do hospital.

Página | 138

8.1. 12 – LOGÍSTICA
1.13. Estoque
1 3.1 Esto que em dias de co nsumo - M at/med 30 dias .1 .

Jan 967,0 967,0

Fev 52,0 52,0

Mar

Abr

Mai

Jun

Jul

Ago

Se t

Out

Nov

Dez 0,0 0,0

TOTAL 2013,0 2013,0

64,0 105,0 111,0 64,0 105,0 111,0

98,0 101,0 126,0 98,0 101,0 126,0

85,0 125,0 179,0 85,0 125,0 179,0

Total

COMENTÁRIO: 1. No mês de janeiro o estoque em dias de consumo apresentou erroneamente 967 dias. Foi constatado que a equipe do setor de logística não estava utilizando o sistema adequadamente para realizar os registros e movimentações de estoque. Realizada capacitação da equipe e monitoramento pela Consultoria de logística, tendo sido o estoque devidamente ajustado. Desta forma, a informação correta a ser considerada refere-se à informação do mês de fevereiro. 2. Em virtude de atrasos por parte dos fornecedores e posterior acúmulo das entregas, o estoque em dias de consumo nos meses de abril e maio, aumentou. 3. Neste mês de novembro o estoque em dias de consumo apresentou aumento, considerando o remanejamento de materiais e medicamentos entre os hospitais da rede e o abastecimento por parte do Estoque Regulador, bem como pela redução do consumo, o qual foi de R$34.811,53 em novembro, em relação ao mês anterior que foi de R$ 48.950,70.

8.1. 13 – CORPO CLÍNICO

O Corpo Clínico do Hospital Regional Público de Guaraí é composto por 23 médicos distribuídos da seguinte maneira: Plantonistas Urgência/Emergência: 12 médicos Cirurgiões Plantonistas: 04 Pediatras Plantonistas: 02 Prescritores: 02 Cardiologista: 01 Oftalmologista: 01 O Hospital conta atualmente com 01 ortopedista não lotado na unidade, que realiza plantões extras para atendimentos na clínica ortopédica, duas vezes por semana.

Página | 139

8.2 - SAU

8.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS
Ø Aquisições sendo realizadas conforme nova politica de compras; Ø Lançamentos diários das notas fiscais no sistema MV e envio das mesmas ao ECTO semanalmente; Ø Relatório de Entradas de Produtos acompanhados das cópias das notas fiscais, bem como Relatório do Resumo das Entradas de produtos por Espécie, sendo enviados quinzenalmente ao ECTO conforme orientações da Coordenação de Logística.

8.4 – FATURAMENTO
4. Faturamento 4.1 - AIH (Quantitativo) 4.2 - Valores (em reais) Jan Fe v Mar 209 235 282 0,0 0,0 Abr 284 Mai 170 Jun 112 Jul 190 Ago 218 Set 193 Out 148 Nov Dez 0 0,0 0 TOTAL 2041

0,0 136.341,4 76.439,1 59.606,9 100.112,1 104.107,0

95.891,4 64.643,2

0,0 637.141,0

COMENTÁRIO: O fechamento do mês de novembro não foi concluído até a presente data (03/12/2012), portanto não dispomos das informações para lançamento na tabela acima.

8.5 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS
No mês de novembro não ocorreram obras e implantação de novos serviços.

8.6 – EQUIPAMENTOS NOVOS
Não ocorreram aquisições de novos equipamentos no mês de novembro.

8.7 – COMISSÕES
Reunião da CCIH realizada no dia 22 de novembro/2012. Reunião da Comissão de Farmácia e Terapêutica realizada no dia 22 de novembro/2012.

Página | 140

Até a presente data (03/12/2012) não recebemos as atas das reuniões das Comissões de Prontuários e da Comissão de Óbitos. Comissão de Ética Médica – esta comissão não foi composta, considerando que os editais convocando candidatos a inscreverem chapas para a eleição da referida comissão foram publicados nos períodos de 03 a 11 de outubro/2011, de 04 a 20 de novembro/2011 e de 24 de fevereiro a 13 de março/2012, para os quais não houve candidatos interessados.

8.8 – OUTRAS INFORMAÇÕES

PALAVRA DO DIRETOR DO HOSPITAL
No dia 21 de novembro foi realizada reunião entre a Diretoria Geral, Diretoria da Pró-Saúde no hospital e colaboradores/servidores do setor de Farmácia e do Almoxarifado, com o objetivo de aprimorarmos a organização e os controles necessários a estes setores, os quais são de vital importância para o adequado andamento das atividades do hospital. De forma geral, no mês de novembro as atividades desenvolvidas transcorreram normalmente, em parceria com a Diretoria Geral do hospital, no intuito de desenvolvermos de forma satisfatória os serviços que vem sendo prestados.

Página | 141

2.9 HOSPITA L REG IONAL PÚBLICO DE ARR AIAS 2.9.1 METAS CONTRATUAIS

9.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
9.1. 1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Le itos por Es pe cialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 16 10 8 8 0 0 0 3 0 6 51 Fe v 16 10 8 8 0 0 0 3 0 6 51 Mar 16 10 8 8 0 0 0 3 0 6 51 Abr 16 10 8 8 0 0 0 3 0 6 51 Mai 16 10 8 8 0 0 0 3 0 6 51 Jun 16 10 8 8 0 0 0 3 0 6 51 Jul 16 10 8 8 0 0 0 3 0 6 51 Ago 16 10 8 8 0 0 0 3 0 6 51 Set 16 10 8 8 0 0 0 3 0 6 51 Out 16 10 8 8 0 0 0 3 0 6 51 Nov 16 10 8 8 0 0 0 3 0 6 51 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 176 110 88 88 0 0 0 33 0 66 561

COMENTÁRIO: O Hospital Regional Publico de Arraias permanece com a distribuição de leitos acima mencionada sem alteração. Ressalto que estes leitos foram suficientes para atender com sobras a demanda por nossos serviços.

9.1.2 – Nº. DE INTE RNAÇÕ ES POR ESPECIALID ADE;
1.2. Internações por Espe cialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 124 13 9 9 0 0 0 0 0 0 155 Fev 131 18 16 16 0 0 0 0 0 0 181 Mar 154 17 11 9 0 0 0 0 0 0 191 Abr 129 15 14 4 0 0 0 0 0 0 162 Mai 110 22 24 5 0 0 0 0 0 0 161 Jun 78 11 29 9 0 0 0 0 0 0 127 Jul 87 5 20 4 0 0 0 0 0 0 116 Ago 89 20 19 4 0 0 0 0 0 0 132 Set 96 13 13 13 0 0 0 0 1 0 136 Out 87 15 11 5 0 0 0 0 0 0 118 Nov 102 5 13 7 0 0 0 0 0 0 127 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 1187 154 179 85 0 0 0 0 1 0 1606

COMENTÁRIO: Identificamos um aumento no total de internações em relação ao último mês, onde o aumento se deu na clinica médica.

Página | 142

9.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade Jan 131 16 12 10 0 0 0 0 0 0 169 Fev 120 12 15 18 0 0 0 0 0 0 165 Mar 128 35 21 18 0 0 0 0 0 0 202 Abr 115 22 10 9 0 0 0 0 0 0 156 Mai 96 23 23 20 0 0 0 0 0 0 162 Jun 81 21 33 12 0 0 0 0 0 0 147 Jul 85 21 10 7 0 0 0 0 0 0 123 Ago 73 17 22 7 0 0 0 0 0 0 119 Set 79 25 16 15 0 0 0 0 1 0 136 Out 79 11 12 17 0 0 0 0 0 0 119 Nov 85 8 18 9 0 0 0 0 0 0 120 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 1072 211 192 142 0 0 0 0 1 0 1618

COMENTÁRIO: Em comparação ao mês anterior, o número de pacientes saídos se manteve.

9.1.4 – PERCE NTUAL DE OCUPAÇÃO PO R CLÍNI CA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Inf antil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 496% 118% 192% 145% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

53% 59% 11% 7%

68% 56% 15% 11% 16% 13% 10% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 4% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

45% 42% 37% 34% 15% 12% 13% 12% 20% 21% 13% 25% 4% 11% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 3% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 8% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

32% 30% 39% 7% 7% 8%

14% 18% 9% 15% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

10% 17% 27% 67% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 9% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 4% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

25% 28%

32% 25%

25% 23% 19% 21%

17% 17% 21%

COMENTÁRIO: O percentual de ocupação teve um pequeno aumento em relação ao mês anterior, aumentando a clinica médica e clinica cirúrgica.

Página | 143

9.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊ NCI A;
1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência Jan 1,82 1,89 2,83 2 0 0 0 0 0 0 1,9 Fev 1,99 1,58 2,56 1,94 0 0 0 0 0 0 2,01 Mar 2,37 1,29 1,9 1,25 0 0 0 0 0 0 2,05 Abr 2,14 1,5 3,1 1 0 0 0 0 0 0 2,04 Mai 2,18 2 2,04 0,55 0 0 0 0 0 0 1,95 Jun 2,41 1,81 1,55 2,33 0 0 0 0 0 0 2,13 Jul 1,99 1,73 2,21 1,14 0 0 0 0 0 0 1,92 Ago 2,13 2,11 2,86 2,86 0 0 0 0 0 0 2,29 Set 1,71 0,75 1,2 1,74 0 0 0 0 0 0 1,45 Out 1,74 1,92 3,42 1,22 0 0 0 0 0 0 1,84 Nov 1,76 1,67 2,78 1,11 0 0 0 0 0 0 1,87 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 22,24 18,25 26,45 17,14 0 0 0 0 0 0

COMENTÁRIO: Em comparação ao mês anterior, notamos um aumento na média de permanência em relação ao mês anterior.

9.1.6 – VOLUME CIRURGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 12 8 20 Fev 14 10 24 Mar 18 4 22 Abr 12 8 20 Mai 21 13 34 Jun 36 0 36 Jul 8 13 21 Ago 11 28 39 Set 19 16 35 Out 9 11 20 Nov 6 20 26 Dez 0 0 0 TOTAL 166 131 297

COMENTÁRIO: Verificamos um aumento nas cirurgias no mês de novembro.
9.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 0 7 5 0 8 20 Fev 3 2 7 3 9 24 Mar 2 2 15 2 1 22 Abr 2 2 11 1 4 20 Mai 3 6 17 1 7 34 Jun 10 3 20 0 3 36 Jul 2 2 10 7 0 21 Ago 1 9 20 0 9 39 Set 4 3 18 1 9 35 Out 1 7 6 1 5 20 Nov 3 10 7 1 5 26 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 31 53 136 17 60 297

COMENTÁRIO: Verificamos um aumento nas cirurgias no mês de novembro.

Página | 144

9.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 3 8 0 11 Fev 12 9 0 21 Mar 9 2 0 11 Abr 6 4 0 10 Mai 10 7 0 17 Jun 10 3 0 13 Jul 4 7 0 11 Ago 3 9 0 12 Set 7 9 0 16 Out 8 5 0 13 Nov 10 6 0 16 Dez 0 0 0 0 TOTAL 82 69 0 151

9.1. 7 – SADT ’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov De z 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 21696 32 2851 0 1254 0 0 0 0 1025 0 0 0 0 0 0 155 0 27.013

2.039 2.226 2.245 2.222 2.285 2.015 1.893 1.492 1413 1955 1911 4 268 0 72 0 0 0 0 40 0 0 0 0 0 0 6 0 1 284 0 80 0 0 0 0 89 0 0 0 0 0 0 12 0 1 341 0 120 0 0 0 0 65 0 0 0 0 0 0 7 0 3 268 0 135 0 0 0 0 124 0 0 0 0 0 0 16 0 5 262 0 120 0 0 0 0 126 0 0 0 0 0 0 21 0 6 254 0 145 0 0 0 0 113 0 0 0 0 0 0 11 0 3 171 0 145 0 0 0 0 100 0 0 0 0 0 0 12 0 0 272 0 127 0 0 0 0 116 0 0 0 0 0 0 20 0 3 282 0 112 0 0 0 0 97 0 0 0 0 0 0 17 0 3 225 0 100 0 0 0 0 108 0 0 0 0 0 0 18 0 3 224 0 98 0 0 0 0 47 0 0 0 0 0 0 15 0

2.429 2.692 2.779 2.768 2.819 2.544 2.324 2.027 1.924 2.409 2.298

COMENTÁRIO: : Nossa produção de exames auxiliares teve uma pequena diminuição comparado aos meses anteriores.

Página | 145

9.1. 8 – A MBULATÓRIO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 0 0 0 0 0 Fev 217 0 0 0 217 Mar 240 0 0 0 240 Abr 261 0 0 0 261 Mai 318 0 0 0 318 Jun 226 0 0 0 226 Jul 151 0 0 0 151 Ago 140 0 0 0 140 Set 242 0 0 0 242 Out 39 0 0 0 39 Nov 98 0 0 0 98 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 1932 0 0 0 1932

COMENTÁRIO: Como podemos identificar houve um aumento expressivo nas consultas, fato que se deve a volta das férias de algumas especialidades.

9.1. 9 – ATENDI MENTOS D E URGÊNCIA/EME RGÊNCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun 994 0 0 0 994 Jul 956 0 0 0 956 Ago Set Out Nov Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 13167 0 0 86 13253

1590 1284 1532 1381 1266 0 0 20 0 0 24 0 0 22 0 0 20 0 0 0

860 1056 1180 1068 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

1610 1308 1554 1401 1266

860 1056 1180 1068

COMENTÁRIO: Mesmo sabendo que o foco da unidade é o atendimento de urgência e emergência, podemos evidenciar que poucos são os casos que se enquadram nessa rotina, mesmo com a queda no atendimento, fica claro através dos números que o serviço de assistência primária dos municípios aos quais atendemos precisa melhorar e muito. Porém com estes atendimentos a instituição acaba contribuindo com a população não a deixando desassistida.

Página | 146

9.1. 10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 29 73 11 11 12 136 Janeiro
S e s a u P ró 3º

Feve reiro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o ta l

20 2 2 26 0 50

0 0 0 0 0 0

49 75 13 37 12 186

22 73 11 11 12 129

20 2 2 33 0 57

0 0 0 0 0 0

42 75 13 44 12 186

24 73 12 11 12 132

20 2 2 32 0 56

0 0 0 0 0 0

44 75 14 43 12 188

24 73 12 11 12 132

20 3 2 33 0 58

0 0 0 0 0 0

44 76 14 44 12 190

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agosto
T o t a l S e s a u P ró 3º T o ta l

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

24 73 12 11 12 132

20 2 2 33 0 57

0 0 0 0 0 0

44 75 14 44 12 189

24 73 12 11 12 132

20 2 2 33 0 57

0 0 0 0 0 0

44 75 14 44 12 189

24 73 10 11 12 130

19 2 2 33 0 56

0 0 0 0 0 0

43 75 12 44 12 186

24 73 10 11 11 129

19 2 2 33 0 56

0 0 0 0 0 0

43 75 12 44 11 185

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 24 73 10 11 11 129

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

De zem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o ta l

19 2 2 22 0 45

0 0 0 11 0 11

43 75 12 44 11 185

24 73 10 11 11 129

19 2 2 11 0 34

0 0 0 19 0 19

43 75 12 41 11 182

24 73 10 11 11 129

19 2 2 11 0 34

0 0 0 19 0 19

43 75 12 41 11 182

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

9.1.11 – NEP Não houve atuação do NEP neste mês de Outubro. 9.1. 12 – LOGÍSTICA
1.13. Estoque
1 3.1 Esto que em dias de co nsumo - M at/med 30 dias .1 .

Jan

Fe v

Mar

Abr

Mai

Jun

Jul

Ago

Set

Out

Nov 0,0 0,0

Dez 0,0 0,0

TOTAL 1539,1 1539,1

374,6 138,3 374,6 138,3

85,1 132,1 130,2 105,0 120,6 273,8 85,1 132,1 130,2 105,0 120,6 273,8

77,9 101,5 77,9 101,5

Total

COMENTÁRIO: Não conseguimos realizar o levantamento dos dados em Novembro, visto que estamos tendo problemas para retirar os relatórios.

Página | 147

9.1. 13 – CORPO CLÍNICO

Não tivemos mudanças no quadro clinico do hospital. Temos um grande problema que é a falta dos profissionais que ocorrem por diversos motivos e que atrapalham diretamente o serviço prestado, sendo que ficam buracos na escala.

9.2 - SAU
O Serviço foi desativado.

9.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Análise das escalas de trabalho de dezembro 2012 e aprovação.
Análise diária da estatística. Participação nas reuniões das comissões implantadas no hospital. Atividades diárias relacionadas ao bom andamento do hospital.

9.4 – FATURAMENTO

4. Faturamento 4.1 - AIH (Quantitativo) 4.2 - Valores (em reais)

Jan 131

Fev 132

Mar 160

Abr 104

Mai 150

Jun 96

Jul 34

Ago 33

Set 31

Out 51

Nov Dez TOTAL 0 0 922

29.675,1 30.337,0 43.187,1 27.415,4 34.805,6 21,833,67 14.207,7 13.644,0

18.361,6 24.683,4 0,0 0,0 236316,8

COMENTÁRIO: Não conseguimos realizar o levantamento dos dados em Novembro, visto que estamos tendo problemas para retirar os relatórios.

9.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS Não executamos obras e serviços neste mês de novembro 12 9.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS
No mês de novembro 12 não houve aquisição de novos equipamentos para unidade.

Página | 148

9.8 – COMISSÕES
Quanto à questão das comissões, ressaltamos logo abaixo alguns fatores impactantes que contribuíram para não realização das reuniões de todas as comissões: · · O esvaziamento provocado pela rescisão de contrato do estado com a Pró - Saude; Falta de profissionais (médicos, enfermeiros, farmacêuticos e outros) que alegam a não viabilidade da participação por não terem uma carga horária disponível para atuarem junto às comissões o que acabou comprometendo a realização das seguintes comissões no mês de novembro/2012 do corrente ano: CCIH: Não temos profissionais para compor a mesma. ÉTICA MEDICA: Não estamos atingindo o quorum necessário para realização.

Seguem logo abaixo as comissões que conseguimos reunir: COMISSÃO DE ÓBITOS · · Levantamento de óbitos ocorridos no mês de novembro de 2012; Após a constatação de 04 óbitos, realizamos o confronto óbito x diagnostico x idade para projeções assistenciais; COMISSÃO DE PRONTUÁRIO · · · · Análise de prontuário; Atraso no preenchimento dos prontuários; Preenchimentos ilegíveis das autorizações de internações hospitalar dificultando a identificação do diagnostico para o faturamento; Acordado o acionamento do Diretor Técnico para tomar as devidas providências em relação ao itens levantados. COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPEUTICA

Página | 149

·

Foi discutido a supervisão do vencimento de mat/med fora farmácia.

Findo o tópico comissões informando que apesar dos esforços individuais de alguns servidores/funcionários, não conseguimos dar continuidade em 100% das atividades das comissões.

PALAVRA DO DIRETOR DO HOSPITAL
Temos buscado melhores resultados para mantermos uma estrutura funcional e prestar serviços com qualidade aos usuários para que o HRP de Arraias possa dar continuidade na Prestação de Serviços de Saúde para toda a população, pois a população necessita de nosso atendimento.

2.10 HOSPITA L REGIONA L PÚBLICO DE DOENÇAS TROPICAIS 2.10.1 METAS CONTRATUAIS

10.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
10. 1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Le itos por Es pe cialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 36 15 0 0 0 0 0 0 0 0 51 Fe v 36 15 0 0 0 0 0 0 0 0 51 Mar 36 15 0 0 0 0 0 0 0 0 51 Abr 36 15 0 0 0 0 0 0 0 0 51 Mai 36 15 0 0 0 0 0 0 0 0 51 Jun 36 15 0 0 0 0 0 0 0 0 51 Jul 36 15 0 0 0 0 0 0 0 0 51 Ago 36 15 0 0 0 0 0 0 0 0 51 Se t 36 15 0 0 0 0 0 0 0 0 51 Out 36 15 0 0 0 0 0 0 0 0 51 Nov 36 15 0 0 0 0 0 0 0 0 51 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 396 165 0 0 0 0 0 0 0 0 561

COMENTÁRIO: Não houve variações nos números de leitos por especialidade.

Página | 150

10.1.2 – Nº. DE I NTERNAÇÕES POR ESPE CIALIDADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Inf antil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 114 46 0 0 0 0 0 0 0 0 160 Fev 96 49 0 0 0 0 0 0 0 0 145 Mar 98 46 0 0 0 0 0 0 0 0 144 Abr 79 40 0 0 0 0 0 0 0 0 119 Mai 86 45 0 0 0 0 0 0 0 0 131 Jun 79 47 0 0 0 0 0 0 0 0 126 Jul 91 28 0 0 0 0 0 0 0 0 119 Ago 94 28 0 0 0 0 0 0 0 0 122 Set 85 31 0 0 0 0 0 0 0 0 116 Out 76 29 0 0 0 0 0 0 0 0 105 Nov 72 29 0 0 0 0 0 0 0 0 101 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 970 418 0 0 0 0 0 0 0 0 1388

COMENTÁRIO: Os números de internação mostram uma redução significativa se analisarmos pelos números dos meses do inicio do semestre.

10.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALI DADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Inf antil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 98 49 0 0 0 0 0 0 0 0 147 Fev 103 40 0 0 0 0 0 0 0 0 143 Mar 99 45 0 0 0 0 0 0 0 0 144 Abr 90 38 0 0 0 0 0 0 0 0 128 Mai 81 44 0 0 0 0 0 0 0 0 125 Jun 86 46 0 0 0 0 0 0 0 0 132 Jul 89 39 0 0 0 0 0 0 0 0 128 Ago 83 33 0 0 0 0 0 0 0 0 116 Set 89 31 0 0 0 0 0 0 0 0 120 Out 76 23 0 0 0 0 0 0 0 0 99 Nov 76 33 0 0 0 0 0 0 0 0 109 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 970 421 0 0 0 0 0 0 0 0 1391

COMENTÁRIO: Podemos observar que houve uma redução no número de saídos o que se dá pela diminuição do número de internações.

Página | 151

10.1.4 – PERCENTU AL DE OCUPAÇÃO PO R CLÍNI CA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação Jan 66% 79% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 70% Fev 72% 80% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 74% Mar 68% 72% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 69% Abr 58% 79% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 64% Mai 49% 83% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 59% Jun 56% 76% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 62% Jul 38% 61% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 45% Ago 49% 49% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 49% Set 61% 64% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 62% Out 43% 45% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 43% Nov 56% 46% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 53% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Dez TOTAL 56% 67% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 59%

COMENTÁRIO: Em relação ao mês anterior, tivemos uma leve inclinação na taxa de ocupação que vem caindo significativamente, com redução mais acentuada na clínica pediátrica.

10.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;
1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência Jan 7,48 7,54 0 0 0 0 0 0 0 0 7,5 Fev 7,31 8,65 0 0 0 0 0 0 0 0 7,69 Mar 7,71 7,4 0 0 0 0 0 0 0 0 7,61 Abr 6,91 9,34 0 0 0 0 0 0 0 0 7,63 Mai 6,8 8,77 0 0 0 0 0 0 0 0 7,5 Jun 7,02 7,39 0 0 0 0 0 0 0 0 7,15 Jul 4,82 7,31 0 0 0 0 0 0 0 0 5,58 Ago 6,65 6,85 0 0 0 0 0 0 0 0 6,71 Set 7,35 9,32 0 0 0 0 0 0 0 0 7,86 Out 6,25 9,13 0 0 0 0 0 0 0 0 6,92 Nov 7,92 6,24 0 0 0 0 0 0 0 0 7,41 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez TOTAL 6,93 7,99 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 7,23

COMENTÁRIO: Observou-se uma redução na média de permanência em ambas clinicas, onde temos a redução no período de internação, havendo um aumento nesse mês de novembro.

Página | 152

10.1.6 – VOLUME CI RURGICO
10.1.6.1 – Nº DE CIRURGIAS ELETIVAS;
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 0 55 55 Fev 0 51 51 Mar 0 44 44 Abr 0 42 42 Mai 0 37 37 Jun 0 28 28 Jul 0 21 21 Ago 0 36 36 Set 0 35 35 Out 0 24 24 Nov 0 20 20 Dez 0 0 0 TOTAL 0 393 393

COMENTÁRIO: O hospital não possui bloco cirúrgico, apenas uma sala para pequenos procedimentos, o que justifica o pequeno volume das cirurgias.
10.1.6.2 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 0 0 55 0 0 55 Fev 0 0 51 0 0 51 Mar 0 0 44 0 0 44 Abr 0 0 42 0 0 42 Mai 0 0 37 0 0 37 Jun 0 0 28 0 0 28 Jul 0 0 21 0 0 21 Ago 0 0 36 0 0 36 Set 0 0 35 0 0 35 Out 0 0 24 0 0 24 Nov 0 0 20 0 0 20 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 0 393 0 0 393

COMENTÁRIO: São realizadas apenas pequenas cirurgias, principalmente dermatológicas.
10.1.6.3 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.3. Núm ero de Partos 1.6.3.1. Normal 1.6.3.2. Cesáreas 1.6.3.3. Outros Média Geral de Partos Jan 0 0 0 0 Fev 0 0 0 0 Mar 0 0 0 0 Abr 0 0 0 0 Mai 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 TOTAL 0 0 0 0

COMENTÁRIO: O Hospital não realiza partos.

Página | 153

10. 1.7 – SADT’S (DESCREVER VOLU ME PRO DUZIDO POR EXA ME)
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico 1.7.19 Outros ( especificar) Ecocardigrafia Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 73617 275 2061 518 683 0 0 1481 43 494 244 38 0 0 0 0 0 0 88 79542

6462 7822 7854 7088 7322 6104 5462 7041 6035 6308 6119 33 130 61 103 0 0 179 5 45 30 4 0 0 0 0 0 0 10 49 281 55 119 0 0 158 13 43 32 5 0 0 0 0 0 0 8 46 209 61 95 0 0 75 6 55 14 5 0 0 0 0 0 0 11 35 227 56 41 0 0 178 3 44 18 3 0 0 0 0 0 0 5 25 210 48 66 0 0 140 4 59 26 2 0 0 0 0 0 0 5 20 184 51 42 0 0 186 0 43 28 4 0 0 0 0 0 0 1 13 150 27 41 0 0 196 0 40 14 5 0 0 0 0 0 0 4 0 194 45 48 0 0 239 6 61 18 5 0 0 0 0 0 0 7 22 174 45 81 0 0 130 2 46 23 2 0 0 0 0 0 0 23 32 171 28 47 0 0 0 4 54 18 2 0 0 0 0 0 0 9 0 131 41 0 0 0 0 0 4 23 1 0 0 0 0 0 0 5

7062 8585 8431 7698 7907 6663 5952 7664 6583 6673 6324

COMENTÁRIO: Redução nos números de exames ocasionada pelo menor volume de internação e redução na média de permanência na clínica médica.

10. 1.8 – AMB ULATÓRIO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 14472 0 0 0 14472

1388 1491 1717 1425 1505 1036 1081 1430 1023 1258 1118 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

1388 1491 1717 1425 1505 1036 1081 1430 1023 1258 1118

COMENTÁRIO: Pode-se observar um ligeiro aumento no número de consultas no ambulatório e a média de junho a julho em relação ao período de janeiro a maio de 2012, melhorou significativamente no mês de agosto, mas,

Página | 154

10. 1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 542 0 0 0 542 Fev 490 0 0 0 490 Mar 485 0 0 0 485 Abr 526 0 0 0 526 Mai 524 0 0 0 524 Jun 414 0 0 0 414 Jul 418 0 0 0 418 Ago 391 0 0 0 391 Set 357 0 0 0 357 Out 366 0 0 0 366 Nov 356 0 0 0 356 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 4869 0 0 0 4869

COMENTÁRIO: Houve uma pequena variação no número de atendimentos de Urgência/Emergência, permanecendo abaixo da média observada nos meses de janeiro a maio/2012.
10. 1.10 – NE P

RELATÓRIO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE HOSPITAL PÚBLICO DE DOENÇAS TROPICAIS NOVEMBRO/2012

CURSO Capacitação na Padronização da Técnica de Aplicação e Leitura do TesteTuberculínico III Fórum Tocantinese de Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde

NÚMERO DE CARGA PARTICIPANTES HORÁRIA 8 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 9 40:00:00 16:00:00 0:00:00 0:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 96:00:00

TOTAL DE HORAS 40:00:00 16:00:00 0:00:00 0:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 00:00:00 0:00:00 56:00:00

TOTAL

Página | 155

TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

56:00:00 316 00:10:38

No mês de Novembro as ações de treinamento do Hospital Público de Doenças Tropicais, apresentou um declínio em comparação ao mês anterior de 25% em relação ao número de

horas de treinamento do mês anterior. Foi ofertado uma capacitação para técnicos e enfermeiros sobre Padronização da Técnica de Aplicação e Leitura do teste Tuberculínico-PPD

de grandes relevância para os colaboradores do Hospital, houve apenas 8 participantes de um total de 316 funcionários.

Página | 156

10. 1.11 – REC URSOS HU MANOS
Janeiro
S e s a u P ró 3º

Fevere iro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o tal

40 110 1 27 27 205

35 18 1 56 1 111

0 0 0 0 0 0

75 128 2 83 28 316

31 109 1 25 27 193

36 19 1 66 1 123

0 0 0 0 0 0

67 128 2 91 28 316

30 110 1 25 27 193

36 19 1 67 1 124

0 0 0 0 0 0

66 129 2 92 28 317

30 110 1 25 27 193

36 20 1 71 1 129

0 0 0 0 0 0

66 130 2 96 28 322

Maio
S e s a u P ró 3º

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agos to
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

30 110 1 25 27 193

42 19 1 66 1 129

0 0 0 0 0 0

72 129 2 91 28 322

30 110 1 25 27 193

41 19 1 66 1 128

0 0 0 0 0 0

71 129 2 91 28 321

37 108 1 23 25 194

41 19 1 66 1 128

0 0 0 0 0 0

78 127 2 89 26 322

37 110 1 23 25 196

39 19 1 66 1 126

0 0 0 0 0 0

76 129 2 89 26 322

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Nove m bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Deze m bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

43 111 2 17 25 198

38 18 1 40 1 98

0 0 0 0 0 0

81 129 3 57 26 296

43 111 2 18 26 200

37 18 1 20 1 77

0 0 0 0 0 0

80 129 3 38 27 277

43 111 2 17 26 199

37 18 1 20 1 77

0 0 0 0 0 0

80 129 3 37 27 276

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

COMENTÁRIO: Tivemos 01 desligamento a pedido do empregador (Sup. Adm. de Pessoal) e o 01 retorno de licença maternidade da colaboradora Iracema de Sousa.
No quadro de funcionários da SESAU houve a remoção de 01 Téc. de enfermagem e 01 Fisioterapeuta, e a absorção de 01 Enfermeiro.

Página | 157

10. 1.12 – LOGÍSTICA
1.13. Estoque
1 3.1 Esto que em dias de co nsumo - M at/med 30 dias .1 .

Jan 0,0 0,0

Fev 0,0 0,0

Mar 41,7 41,7

Abr 64,6 64,6

Mai 24,9 24,9

Jun 27,7 27,7

Jul 68,6 68,6

Ago 44,2 44,2

Set 70,0 70,0

Out 76,0 76,0

Nov 76,0 76,0

Dez 0,0 0,0

TOTAL 493,6 493,6

Total

COMENTÁRIO: Verificando a tabela acima, fechamos o mês de novembro com 76 dias de consumo, mantendo praticamente a média do mês anterior.

10. 1.13 – COR PO CLÍNICO

O Corpo Clínico do Hospital Público de Doenças Tropicais é composto por 26 médicos distribuídos da seguinte maneira:
5.1.5 - MEDICOS POR ESPECIALIDADES Cirurgião Geral Clínico Geral Dermatologista Gatroenterologista Ginecologista Infectologista Pediatra Pneumologista Radiologista SUB TOTAL (5) 1 13 2 1 2 2 3 1 1 26

10.2 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS
· No mês de novembro, a Secretária Estadual de Saúde, Sra. Vanda Paiva, participou de uma reunião nas instalações do Laboratório Prisma, que contou com a presença dos DG da SESAU dos Hospitais HDT e Regional, Procuradores da Pró-Saúde e, também todos os sócios do Laboratório. Na ocasião, foi definida a permanência do prestador de serviço até o mês de janeiro, com acréscimo de 25% na Tabela SUS para continuidade dos serviços nas duas unidades.

Página | 158

·

A reforma do 3º Piso do HDT já está em andamento com previsão para conclusão em 20/12/2012, onde será reinstalado o Laboratório de Saúde Pública de Araguaína (LSPA), segundo determinação da Secretária de Saúde, Srª. Vanda Paiva. Portanto, o prédio que atualmente abriga o LSPA, localizado na Av. Tocantins, 1270 - Centro, hoje sob responsabilidade da Pró-Saúde, será desocupado com essa mesma previsão de data. A ocorrência de algum imprevisto quanto à conclusão da reforma e mudança para as novas instalações do LSPA, será previamente comunicado pela Sra. Ana Márcia P. dos Santos - Coordenadora do LSPA

·

Vinda do Coord. Operacional de Araguaína, Sr. Allan Lobo, no dia 07/11/12, onde foi o mediador de uma reunião com o DG da SESAU, Sr. Hilário Fábio, a Gerente de Qualidade, Sra. Thais Muniz e a Procuradora da Pró-Saúde, Adm. Rejane Xavier.

·

Na oportunidade, foram realinhadas as atividades da Gerente de Qualidade na unidade, que inclusive está no Hospital Regional Público de Miracema desde o dia 26/11/12, desenvolvendo várias ações entre elas, fez a aplicação do Check - List sobre IHAC-Iniciativa Amigo da Criança e os 10 passos, o qual foi elaborado pela mesma.

·

Foi aplicado o Check-list (abaixo, modelo do CHECK-LIST)nos setores: Lactário, CME, Pré - Parto, Centro Obstétrico, Maternidade e Nutrição.

Página | 159

HOSPITAL AMIGO DA CRIANÇA ITEM 1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 1.6 1.7 1.8 1.9 1.10 1.11 1.12 1.13 1.14 1.15 GRUPO 1 - REQUISITOS TÉCNICO-OPERACIONAIS - LACTÁRIO RT e substituto legalmente habilitado. Dietas enterais e fórmulas lácteas tem controle do tempo entre o preparo e a administração completa ao paciente. Possui registro de infusão de NE. Utiliza água filtrada ou fervida para o preparo de substâncias lácteas. Normas específicas sobre o modo de preparar as diferentes fórmulas, validadas pelo SCIH. Coleta específica das preparações para análises microbiológicas. Profissionais atendem aos requisitos de higiene e limpeza preconizados no manual de boas práticas (higiene pessoal) validado pelo SCIH. Profissionais utilizam corretamente a paramentação definida para o exercício dessa atividade (avental, luva, touca, mascara e calçado fechado). Critérios de tempo e temperatura para uso da autoclave e testes de qualidade do processamento. Registro de controle de temperatura, ações corretivas para os desvios e higienização dos equipamentos (geladeiras, freezers, etc.) estão devidamente preenchidos. Todas as soluções possuem identificação de abertura (data, hora, profissional e data de validade após abertura). Escovas para limpeza de mamadeiras e bicos. Possui procedimentos descritos para higienização desses materiais validado pelo SCIH. Definidos e padronizados os produtos utilizados para a higienização dos materiais, equipamentos e superfícies, validados pelo SCIH. Monitora a qualidade da água em conjunto com os setores afins (manutenção, SCIH, higienização, entre outros). Realiza nutrição enteral (NE) em sistema aberto (preparado para consumo imediato) atendendo normas técnicas. REQUISITO OK? SIM NÃO NA CLASSIFICAÇÃO PROC PESS INF/EQ

Página | 160

ITEM GRUPO 2 - REQUISITOS TÉCNICO-OPERACIONAIS - CENTRO OBSTETRICO 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 2.6 2.7 2.8 2.9 2.10 Atendimento Médico disponível nas 24 horas. Dimensionamento da equipe leva em consideração a demanda e complexidade dos serviços. A unidade permite permanência de acompanhante de livre escolha da mulher no acolhimento, pré-parto, parto e pósparto imediato. Programa de orientação para o trabalho de parto, o aleitamento materno, etc. Escalas de serviço/folga, que assegure a cobertura da assistência prestada, sem descontinuidade das atividades para as 24 horas. Sistema de identificação (pulseira) na puérpera com dados do RN. Equipe multiprofissional tem acesso facilitado ao prontuário e faz registros. Acondicionamento e transporte de material limpo e contaminado em recipientes próprios, identificados distintamente de tal forma que garanta a segurança de sua circulação nas salas de parto, devidamente formalizado conforme critérios validados pelo SCIH. Indicador utilizado para quantificar partos normal/cesárea Prontuário do paciente em ordem e completo, contendo: ficha de internação, laudo, evolução, prescrição médica e de Enfermagem diária, solicitação de SADTs (registrado no prontuário), anotação de Enfermagem por evento, o laudo de resultados, termo de consentimento e partograma.

REQUISITO OK? SIM NÃO NA

CLASSIFICAÇÃO PROC PESS INF/EQ

Página | 161

ITEM 3.1 3.2 3.3 3.4 3.5 3.6 3.7 3.8 3.9 3.10 3.11 3.12 3.13 3.14

GRUPO 3 - REQUISITOS TÉCNICO-OPERACIONAIS - MATERNIDADE Enfermeiro exclusivo nas 24 horas. Atendimento Médico disponível nas 24 horas. O dimensionamento da equipe leva em consideração a demanda e complexidade dos serviços. Escalas de serviço/folga, que assegure a cobertura da assistência prestada, sem descontinuidade das atividades para as 24 horas. Registro das internações, contendo: nome do paciente, número de registro, patologia, nome do médico, data e transferência ou alta. Protocolo formalizado para solicitação de interconsultas. Plano Multiprofissional de Alta Hospitalar. Avaliação Nutricional e Interação Medicamentosa com evidências. Definição da Teoria e do modelo/ padrão de assistência de Enfermagem, adota e aplica. Método instituído para classificação dos pacientes quanto ao grau de dependência/complexidade recomendado por literatura científica, com foco na melhoria dos resultados assistenciais. Sistematização da Assistência de Enfermagem implantada, atendendo todos os processos. (Anamnése, Prescrição e Evolução) Na infusão venosa consta rótulo de identificação com: nome do paciente, n.º do leito. Medicação, volume, início, término, gotejamento, tempo de infusão e profissional responsável. Identificação nos procedimentos invasivos: sondagens, equipos, curativos, punções e acessos venosos, constando: data, hora, próxima troca e profissional responsável, validado pelo SCIH. Registro de temperatura e Higienização dos equipamentos (geladeiras, banhos-maria, etc.) está devidamente preenchido e há registros de ações corretivas para os desvios.

REQUISITO OK? SIM NÃO NA

CLASSIFICAÇÃO PROC PESS INF/EQ

Página | 162

3.15 3.16 3.17

3.18 3.19 3.20 3.21 3.22 3.23 3.24 3.25 3.26 3.27 3.28 3.29 3.30 3.31

Materiais e medicamentos são armazenados em recipientes adequados e identificados por paciente. Todas as medicações em soluções possuem identificação de abertura (data, hora, profissional e data de validade). A diluição e o preparo de medicamentos são realizados no ato da administração ao paciente: checagem das 9 certezas (Paciente certo, via certa, dose certa, tempo, documentação, ação da droga, forma e resposta certa), dirigir-se ao paciente pelo nome, com dupla conferência de nome e sobrenome no leito e documentações. Praticar orientações sobre os procedimentos a que será submetido. (ELLIOTT,2010). Acondicionamento e transporte de material limpo e contaminado em recipientes próprios, identificados distintamente de tal forma que garanta a segurança de sua circulação entre os setores, devidamente formalizado conforme critérios validados pelo SCIH. Evidência da capacitação da equipe para atender as urgências e emergências de acordo com o protocolo. Controle de visitantes com fluxo e horários definidos, tornando o acesso organizado. Acesso e condições favoráveis para os SADTs. Identificação de leitos contendo nome do paciente, especialidade e nº do leito. Sistema de identificação (pulseira) na puérpera com dados do RN. Adota critérios de alojamento conjunto desde o nascimento. Existência de processo que garanta segurança do binômio durante a internação até a alta. Evidência do sistema de controle da identificação do RN e mãe na alta. Garante acesso ao Banco de Leite humano ( conforme RDC 171/2006). Realiza o teste do pezinho. Realiza o teste da orelha. Realiza vacinação no RN. Profissionais da unidade participam da comissão e ou comitê hospitalar de óbito maternos, fetais e neonatais.
Página | 163

3.32 3.33 3.34 3.35 3.36 3.37 3.38 3.39 ITEM 4.1 4.2 4.3 4.4 4.5 4.6 4.7 4.8 4.9

Equipe multiprofissional tem acesso facilitado ao prontuário e faz registros. Plano Multiprofissional de Alta Hospitalar. Controle de temperatura e Higienização dos equipamentos (geladeiras, freezers, estufas, banhos-maria, câmaras frigoríficas, etc.) está devidamente preenchido e há registros de ações corretivas para os desvios. Materiais e medicamentos são armazenados em recipientes adequados e identificados por paciente. Todas as medicações em soluções possuem identificação de abertura (data, hora, profissional e data de validade). Evidência de padronização de rotina de isolamento do paciente validada pelo SCIH. Evidencia da capacitação da equipe para atender as urgências e emergências de acordo com o protocolo. Controle de visitantes com fluxo e horários definidos, tornando o acesso organizado. GRUPO 4 - REQUISITOS TÉCNICO-OPERACIONAIS - IHAC(Iniciativa Hospital Amigo da Criança) O hospital possui protocolo sobre aleitamento materno Existe treinamento/capacitação junto à equipe sobre o protocolo de aleitamento materno Existe orientação a todas as gestantes sobre as vantagens e o manejo da amamentação Existe protocolo para que seja iniciada a amamentação na primeira meia hora após o parto. Existe um trabalho da equipe multiprofissional para que seja estimulado somente o aleitamento materno, com excessão dos casos de indicação médica. O hospital oferece aulas para grupo de gestantes abordando cuidados com a mama e amamentação mensalmente. Existe indicador para quantificar crianças que só se alimentam de leito materno Existe plano de cuidado quanto ao aleitamento materno pós-alta Parturientes são conscientizadas pela equipe da importância em não usar chupetas e bicos
Página | 164

REQUISITO OK? SIM NÃO NA

CLASSIFICAÇÃO PROC PESS INF/EQ

ATIVIDADES REALIZADAS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM
· · · · · Auditoria de Prontuários para conferência de realização de 100% de SAE confeccionadas por enfermeiros; Auditoria de Prontuários para conferência de realização de 100% de Prescrição de Enfermagem confeccionadas por enfermeiros; Auditoria de Prontuários para conferência de realização de 100% de checagem e evolução de enfermagem realizadas por equipe de técnicos de enfermagem; Gerenciamento de leitos com atualização imediata para controle do censo hospitalar; Entrevista concedida pelo Gerente de Enfermagem, Sr. Diogo Abreu às emissoras SBT e Bandeirantes, onde falou sobre a Capacitação realizada no período de 26 a 30/11/12, com o tema “Cuidados de Enfermagem em Patologias Tropicais”, focando principalmente os cuidados que a população tem que ter em relação a Leptospirose e o Calazar; · Treinamento de PPD - FOTOS EM ANEXO - 19/11/2012 a 23/11/2012 - Curso onde técnicos de enfermagem e enfermeiros lotados no HPDT desenvolveram capacitação conjunta com equipe técnica da SESAU para realização do teste e leitura; · Reunião mensal com enfermeiros e técnicos de enfermagem sobre atualização de normas e rotinas hospitalares, dentro outros diversos assuntos - nos dias 13/11/2012 com enfermeiros e no dia 23/11/2012 com técnicos de enfermagem; · Curso de Capacitação de Cuidados de Enfermagem em Patologias Tropicais – realizado no período de 26 a 30/11/12 em parceria criada entre o HPDT e IMT (Instituto de Medicina Tropical) onde enfermeiros e técnicos de enfermagem foram capacitados para melhoria da qualidade da assistência prestada aos pacientes internados no HPDT; · · Realização de pequenos procedimentos cirúrgicos e broncoscopias; Reunião diária sobre assuntos e problemáticas surgidas no dia a dia.

Evidências

Matéria publicada no site da SESAU e no Blog da Pró-Saúde, conforme link abaixo: http://prosaudetocantins.org/2012/12/gerente-de-enfermagem-da-fundacao-de-medicina-tropical-dotocantins-alerta-populacao-sobre-riscos-de-leptospirose-e-calazar.html

Movidos pelo desejo de proporcionar diagnóstico precoce para tratamento e cura da Leishmaniose Visceral (Calazar) e dar início aos tratamentos especializados diminuindo o risco de morte na infância, a equipe de colaboradores voluntários do HDT promoveu a 1ª Edição da Ação Solidária em Saúde que levou atendimento de enfermagem, médico, nutricional e odontológico para a população infantil do bairro Xixebel na cidade de Araguaína, no dia 24/11/2012 de forma itinerante. Foram atendidas 41 crianças de 0 a 13 anos. Página | 166

Parte da Equipe, composta por enfermeiros, médicos, acadêmicos de medicina, nutricionistas, odontólogas, téc. e aux. de enf. prontos para atuar

O primeiro atendimento foi realizado por enfermeiras, que fizeram todo uma triagem situacional dos pacientes.
O

Página | 167

Em seguida, os pacientes eram conduzidos aos médicos que tiveram o auxilio dos acadêmicos de medicina que trabalharam também como voluntários no projeto.

O atendimento odontológico foi realizado a todas as crianças presentes no local e realizados os encaminhamentos pelas Dras. Fernanda e Priscila, odontóloga do HPDT.

Página | 168

Na foto acima, da esquerda para direita, a Enfª Marlúcia, Téc. Enf. Tereza, DG da SESAU, Sr. Hilário Fábio, Téc. Laboratório Danilo e umas das organizadoras do projeto, Enfª Aline, Supervisora de Enf. do HPDT.

Foi realizado o atendimento nutricional pela Nutricionista Camila que orientou os pacientes sobre alimentação balanceada e saudável.

Página | 169

Entrega de cestas básicas no período tarde, adquiridas por meio de doações de parceiros da unidade e fora da unidade.

Atendimento com o pediatra e Diretor Técnico da unidade, Dr. Gilmar Queiroz, que deixou as mães bastantes satisfeitas

Página | 170

Equipe de voluntários colaboradores do HPDT

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO MÊS DE NOVEMBRO/2012 PELO SETOR DE HUMANIZAÇÃO
Atividades efetivadas com os usuários; Roda de conversas com a equipe multiprofissional, pacientes internados e acompanhantes. Atividades efetivadas com os colaboradores: Diariamente participamos de rodas de conversa com os colaboradores com o objetivo de humanizarmos os nossos processos de trabalho; Todas as terças-feiras – foram desenvolvidas atividades laborais sob a orientação do Fisioterapeuta Adriano Amaral, com foco na promoção da saúde do trabalhador. Todas as quartas-feiras – foram efetivadas a reunião do Grupo Pensando Leve formado por colaboradores que estão com sobrepeso/obesidade, com foco na saúde do trabalhador, reeducação alimentar e emagrecimento com qualidade de vida.

Página | 171

Reunião do Grupo de Trabalho de Humanização (GTH) – foram efetivadas nos dias 01/11 e 22/11; Atividades executadas pela Coordenação de Humanização e equipe 06/11 - Apresentação do serviço de Humanização e Ouvidoria do HDT na reunião da Comissão Intergestora Regional (CIR) – realizada no Auditório do SINE. 24.11 - 1ª Ação Solidária do HDT – realizada no bairro Xixebal de maior incidência de leishmaniose visceral (calazar). Ofertamos Roda de Terapia Comunitária a comunidade. 27.11 – Participação na roda de conversa do Grupo de Trabalho de Humanização Ampliado (GTHA) realizada no Hospital Municipal de Araguaína. 1ª EXPODHT – Campanha informativo-educativa, de prevenção e de diagnóstico precoce do HIV, Sífilis e Hepatites B e C, bem como de divulgação das ações realizadas por alguns serviços no HDT, que aconteceram nos dias 29 e 30/11. O evento foi organizado por toda uma equipe de trabalho, conduzido pela Assist. Social , Sra. Zilene do Socorro B. da Silva. Matéria publicada no site da SESAU , conforme link abaixo: http://www.saude.to.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=2494:hdt-realiza-1oexposicao-sobre-prevencao-e-diagnostico-precoce-do-hiv-sifilis-e-hepatite-b-e-c&catid=45:noticias

HDT realiza 1ª. exposição sobre prevenção e diagnóstico precoce do HIV, sífilis e hepatite BeC
Escrito por Luzinete Martins Sex, 30 de Novembro de 2012 07:24

Com o objetivo de educar e informar sobre prevenção e diagnóstico precoce do HIV, sífilis e hepatite B e C o HDT - Hospital de Doenças Tropicais do Tocantins está promovendo nesta quinta, 29 e sexta-feira, 30, a primeira Expo-HDT o evento acontecerá a partir das 19h no mini auditório da unidade hospitalar.

Nesta quarta-feira, 29, às 19h será realizada uma mesa redonda, sob as temáticas “Aspectos que envolvem o atendimento às vítimas de violência sexual e condutas jurídico-legais com foco em crianças e adolescentes”, debatidas por autoridades envolvidas com a temática. Já na quinta-feira 30, acontecerá uma exposição de trabalhos desenvolvidos pelos serviços do HDT (humanização, programas de Hanseníase e tuberculose do projeto “Calazar” e sobre nutrição saudável).

Página | 172

De acordo com o diretor geral do HDT Hilário Fábio, o evento acontece por ocasião da data alusiva ao dia mundial de luta contra AIDS, onde será realizado também uma campanha com o tema: “Fique sabendo”, com a realização de testes rápidos para HIV e Sífilis e Hepatite B/C com aconselhamento, pelo CTA - Centro de Testagem e Aconselhamento pelo Serviço de Assistência Especializada (SAE).

29/11 – Abertura oficial e mesa redonda com a temática “Aspectos que envolvem o atendimento às vítimas de violência sexual e condutas jurídico-legais.” Estiveram presentes no evento diversas autoridades, entre elas, fizeram parte da composição da roda de conversa como debatedores, o Promotor de Justiça da Infância e Juventude em Araguaína/TO, Dr. Sidney Fiori Junior, o Professor Dr. Jorge Luiz Medeiros da SEDUC, Dra. Maria Lourdes Casa Grande, VicePresidente do CRM e Dr. Gilmar Antonio Martins de Queiroz, Diretor Técnico do HDT. Apresentação do coral formado pelos profissionais do HDT. 30/11 – Exposição de 02 painéis que evidenciavam as concretudes da Política Nacional de Humanização (PNH) e Eventos realizados no decorrer do corrente ano; Exposição de trabalhos artísticos produzidos na Brinquedoteca pelas crianças internadas e seus acompanhantes; Realização de roda de conversa com pacientes, acompanhantes, trabalhadores e gestores.

Página | 173

Evidências Apresentação do serviço de Humanização e Ouvidoria do HDT na CIR

Ação Solidária do HDT

Página | 174

1ª EXPOHDT

Abertura oficial do evento EXPOHDT.

O banner da Campanha do câncer de próstata foi exposto na abertura do evento EXPOHDT, bem como, focalizado durante o evento. Todas os demais banners do EXPOHDT fizeram alusão a campanha.

Página | 175

Parte do coral da EXPOHDT se apresentou na abertura do evento, animando os presentes com clássicos como “Eu Quero Apenas” de Roberto Carlos

Página | 176

30/11 – Exposição de 02 painéis que evidenciavam as concretudes da Política Nacional de Humanização (PNH) e Eventos. realizados

O EXPOHDT foi planejado aproveitando também a celebração do Dia Mundial da Luta Contra a AIDS, no dia 01 de dezembro e, pensando nisso, foi promovida uma campanha com o tema: “Fique sabendo”, com a realização de testes rápidos para HIV e Sifilis e Hepatites B e C, com aconselhamento pelo CTA – Centro de Testagem e Aconselhamento pelo Serviço de Assistência Especializada (SAE).

Página | 177

Na foto ao lado a Psicóloga, Dra. Graziela , a Procuradora da Pró-Saúde no HPDT, Adm. Rejane Xavier, Sra. Oseni, Coord. da Humanização do HDT e Sra. Mara Betania, Coord. do Setor de Financeiro.

Página | 178

10.3 – IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS Não houve implantação de novos serviços. 10.4 – FATURAMENTO
5. Faturamento 5.1 - AIH 5.2 - Valores Jan 150 Fev 146 Mar 150 Abr 131 Mai 130 Jun 138 Jul 130 Ago 115 Set 135 Out 100 Nov 110 Dez 0 TOTAL 1435

57386,0 65580,5 92099,3 55853,9 67211,0 70658,4 58677,90 59050,4 63501,8 50342,6 58198,5

0,0 698560,4

COMENTÁRIO: O faturamento vem acompanhando a diminuição nos atendimentos.

10.5 – OBRAS Não houve. 10.6 – EQUIPAMENTOS NOVOS A unidade não recebeu nenhum equipamento

10.7 – COMISSÕES

- Comissão de Revisão de Prontuário
Reunião realizada no dia 27/11/2012, evidenciada pela ata.

- Comissão de Óbito
Reunião realizada no dia 28/11/2012, evidenciada pela ata.

- Comissão de Ética Médica
Reunião realizada no dia 14/11/2012 e não foi apresentado nenhum caso para ser discutido, conforme declaração.

- Comissão de Controle de Infecção Hospitalar
Reunião realizada no dia 22/11/2012, evidenciada pela ata.

- Comissão de Farmácia Terapêutica
Reunião realizada no dia 30/11/2012, evidenciada pela ata. Página | 179

10.8 – OUTROS HOSPITAL PÚBLICO DE DOENÇAS TROPICAIS ADERE A CAMPANHA DE COMBATE AO CÂNCER DE PRÓSTATA
Assim como outubro é considerado o mês de combate ao câncer de mama e colo do útero, marcado pelo nome de outubro rosa, onde o HPDT também aderiu a campanha, o mês de novembro no Brasil é considerado o Novembro Azul, pois é o mês em que todos chamam a atenção dos homens para o combate ao câncer de próstata, tipo de câncer que mais mata homens no Brasil. Fazendo alusão ao dia 17, Dia Nacional de
Combate ao Câncer de Próstata, o Hospital Público de Doenças Tropicais de Araguaína mais uma vez aderiu

à campanha em prol da luta contra o câncer de próstata. Nos dias 29 e 30/11 os colaboradores usaram nos braços uma fitinha na cor azul e muitos vieram com alguma peça azul, simbolizando a campanha, bem como, ficou em exposição na Recepção e depois no evento EXPOHDT, um banner ilustrando a campanha e reforçando a importância do ato de prevenção.

A frente da unidade, no evento EXPOHDT ficou exposto o banner reforçando a campanha.

Página | 180

Colaboradores expondo as fitinhas azuis nos braços simbolizando a campanha

PALAVRA DO DIRETOR DO HOSPITAL
Apesar das indefinições em relação a saída da Pró-Saúde das 17 unidades do Estado de Tocantins, aqui no HPDT continuamos trabalhando em parceria com os administradores da SESAU, Diretor Geral, Sr. Hilário Fábio e Diretor Administrativo, Sr. Nelson Gonçalves. Continuamos focados no Setor de Compras, procurando dar continuidade a assistência dos usuários e procurando cumprir com as obrigações contratuais que ainda são de nossas responsabilidades. O processo de abastecimento do hospital continua ocorrendo de forma satisfatória com o devido andamento das atividades assistenciais e de funcionamento da unidade hospitalar, havendo apenas algumas interrupções de fornecimento que foram retomados rapidamente através das eficazes negociações do Sr. Carlos, Coordenador Regional de Logística do TO, não gerando nenhum transtorno aparente. Todos os processos de melhorias continuam paralisados sem previsão de execução, devido a falta de definição. Página | 181

As aquisições de equipamentos, mobiliários e outros itens necessários ao desenvolvimento das atividades também ficaram comprometidos. Não estamos realizando contratações de novos colaboradores e, as demissões só estão sendo realizadas em casos estritamente necessário. Dessa forma, todos os processos estão sendo executados sem sofrerem nenhuma melhoria expressiva.

2.11 HOSPITA L TIA DE DÉ 2.11.1 METAS CONTRATUAIS

11.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
11. 1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Leitos por Es pecialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 0 17 2 12 0 0 0 10 0 4 45 Fev 0 17 2 12 0 0 0 10 0 4 45 M ar 0 17 2 12 0 0 0 10 0 4 45 Abr 0 17 2 12 0 0 0 10 0 4 45 Mai 0 17 2 12 0 0 0 10 0 4 45 Jun 0 17 2 12 0 0 0 10 0 4 45 Jul 0 17 2 12 0 0 0 10 0 4 45 Ago 0 17 2 12 0 0 0 10 0 4 45 Set 0 17 2 12 0 0 0 10 0 4 45 Out 0 17 2 12 0 0 0 10 0 4 45 Nov 0 17 2 12 0 0 0 10 0 4 45 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 187 22 132 0 0 0 110 0 44 495

Sem alterações no número de Leitos ofertados a população.

Página | 182

11.1.2 – Nº. DE I NTERNAÇÕES POR ESPE CIALIDADE;
1.2. Internações por Espe cialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 0 93 143 43 0 0 0 42 0 35 356 Fev 0 114 0 125 0 0 0 18 0 44 301 Mar 0 95 7 127 0 0 0 34 0 63 326 Abr 0 53 0 182 0 0 0 32 0 62 329 Mai 0 103 11 156 0 0 0 37 0 37 344 Jun 0 85 6 161 0 0 0 37 0 51 340 Jul 0 59 7 142 0 0 0 27 0 49 284 Ago 0 82 8 134 0 0 0 29 0 65 318 Set 0 67 10 133 0 0 0 29 0 41 280 Out 0 56 8 154 0 0 0 30 0 48 296 Nov 0 79 13 131 0 0 0 43 0 44 310 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 886 213 1488 0 0 0 358 0 539 3484

Em Novembro houve aumento de 5% no volume geral de Internações e na Especialidade de Obstetrícia redução de 15% na especialidade de Pediatria houve aumento de 29%, comprovante a sazonalidade na demanda da região.

11.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por e spe cialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade Jan 0 59 16 78 0 0 0 39 0 35 227 Fev 0 90 10 103 0 0 0 17 0 44 264 Mar 0 112 6 133 0 0 0 34 0 63 348 Abr 0 89 2 127 0 0 0 32 0 62 312 Mai 0 94 5 174 0 0 0 12 0 52 337 Jun 0 91 10 Jul 0 63 13 Ago 0 82 10 135 0 0 0 29 0 54 310 Se t 0 62 12 133 0 0 0 26 0 47 280 Out 0 68 15 138 0 0 0 32 0 50 303 Nov 0 66 17 123 0 0 0 43 0 45 294 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 876 116 1450 0 0 0 321 0 541 3304

157 149 0 0 0 36 0 49 0 0 0 21 0 40

343 286

novembro houve a queda de 3% no volume geral de saídos.

Em

Página | 183

11.1.4 – PERCENTU AL DE OCUPAÇÃO PO R CLÍNI CA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação Jan 0% 35% 6% Fev 0% Mar 0% Abr 0% Mai 0% Jun 0% Jul 0% Ago 0% 63% 52% 81% 0% 0% 0% 43% 0% 90% 65% Set 0% 66% 38% 81% 0% 0% 0% 41% 0% 91% 65% Out 0% 45% 34% 84% 0% 0% 0% 72% 0% 79% 64% Nov 0% 68% 23% 86% 0% 0% 0% 79% 0% 91% 75% Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 0% 473% 286% 530% 0% 0% 0% 324% 0% 619%

38% 40.78% 40% 4%

74% 77.45% 45% 35% 45%

2% 0.62% 48%

59.79% 58% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

58% 59.50% 96.51% 90.56% 82% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

44% 38.33% 45% 0% 0% 85% 0% 59%

22% 28.57% 25% 21.13% 77% 65% 64% 45% 49%

72% 71.04% 59%

Aumento de 17% na ocupação, ressaltando que houve aumento na média de permanência.

11.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA
1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros (Berçario) 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência Jan 0 7,19 6.57 2,09 4,8 0 0 0 3.65 0 0 2,84 2,59 4,12 0 0 0 0 0 0 2,88 Fev 0 Mar 0 8,35 Abr 0 8,65 Mai 0 3,14 1,76 3,56 0 0 0 3,81 0 0 2,86 Jun 0 4,34 1,17 1,87 0 0 0 1,55 0 0 2,8 Jul 0 3,59 1,4 1,79 0 0 0 6,36 0 1,71 2,88 Ago 0 3,79 1,68 1,99 0 0 0 4,26 0 1,37 2,92 Set 0 4,97 1,05 1,79 0 0 0 4,56 0 1,58 3,15 Out 0 3,22 1,05 1,94 0 0 0 7,03 0 1,05 2,94 Nov 0 5,03 0,74 2,2 0 0 0 5,56 0 1,85 3,46 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 52,27 14,95 32,07 0 0 0 3,65 0 7,56 50,87

1,42 3.50 4,22 0 0 0 0 0 0 2,87 3,79 0 0 0 0 0 0 3,18

Em Novembro houve aumento de tratamento clínico de pacientes com patologias crônicas na especialidade de Ginecologia e Obstetrícia, levando o aumento de 18% na média Geral de permanência.

11.1.6 – VOLUME CI RURGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 54 29 83 Fev 41 27 68 Mar 70 12 82 Abr 88 7 95 Mai 163 12 175 Jun 188 5 193 Jul 159 7 166 Ago 157 22 179 Set 132 13 145 Out 170 13 183 Nov 149 21 170 Dez 0 0 0 TOTAL 1371 168 1539

Página | 184

11.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 55 2 0 20 53 130 Fev 41 2 0 15 38 96 M ar 51 14 0 21 51 137 Abr 49 30 0 25 49 153 Mai 56 31 0 22 66 175 Jun 0 0 0 5 67 72 Jul 64 14 0 14 74 166 Ago 1 88 7 16 67 179 Set 0 64 13 10 58 145 Out 0 83 13 27 60 183 Nov 0 71 21 22 56 170 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 317 399 54 197 639 1606

11.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 72 53 0 125 Fev 61 38 0 99 Mar 75 51 0 126 Abr 66 63 0 129 Mai 74 66 0 140 Jun 81 67 0 148 Jul 71 74 21 166 Ago 74 67 0 141 Set 60 58 0 118 Out 76 60 0 136 Nov 64 56 0 120 Dez 0 0 0 0 TOTAL 774 653 21 1448

Observa-se a sazonalidade na região se compararmos mês a mês, mas há equilíbrio se compararmos os últimos três meses mantendo em 124 partos em média.
11. 1.7 – SADT’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 13295 282 2695 0 11086 0 0 53 0 2021 0 0 0 0 0 720 0 0 30152

989 1046 1153 16 122 0 849 0 0 7 0 184 0 0 0 0 0 80 0 0 9 182 0 33 297 0

942 1337 1601 1044 1193 1114 1491 1385 17 337 0 12 334 0 17 313 0 16 177 0 41 197 0 24 252 0 977 0 0 9 0 175 0 0 0 0 0 52 0 0 52 239 0 838 0 0 9 0 233 0 0 0 0 0 67 0 0 45 245 0 900 0 0 0 0 177 0 0 0 0 0 57 0 0

987 1289 1001 1194 1115 0 0 17 0 166 0 0 0 0 0 49 0 0 0 0 7 0 188 0 0 0 0 0 67 0 0 0 0 4 0 152 0 0 0 0 0 57 0 0 0 0 0 0 179 0 0 0 0 0 62 0 0 0 0 0 0 165 0 0 0 0 0 63 0 0

892 1044 0 0 0 0 179 0 0 0 0 0 76 0 0 0 0 0 0 223 0 0 0 0 0 90 0 0

2247 2456 3034 2510 3118 3274 2384 2788 2603 2929 2809

Em novembro houve queda no número de exames de Ultrassonografia 50%, acompanhando a queda da procura na especialidade de Obstetrícia que foi de 16% no volume de internações. Observação: O Hospital Página | 185

possui um equipamento de Ultrassonografia ultrapassado e além desse fator não possuí o recurso de Doppler, importante recurso na detecção de sofrimento fetal.

11. 1.8 – AMB ULATÓRIO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 49 0 0 0 49 Fev 40 0 0 0 40 Mar 20 0 0 0 20 Abr 67 0 0 0 67 Mai 42 0 0 0 42 Jun 54 0 0 0 54 Jul 27 0 0 0 27 Ago 83 0 0 0 83 Set 40 0 0 0 40 Out 49 0 0 0 49 Nov 43 0 0 0 43 De z 0 0 0 0 0 TOTAL 514 0 0 0 514

O Hospital possuí uma Pediatra que faz as consultas de retorno Puericultura, a queda no número de atendimento em comparação ao mês de outubro se deve ao absenteísmo, pois tal serviço também é oferecido pelo município de Porto Nacional.

11. 1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov De z 0 0 0 0 0 TOTAL 24234 0 0 0 24234

1546 1667 2460 2223 2368 2759 2086 2214 2455 2210 2246 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

1546 1667 2460 2223 2368 2759 2086 2214 2455 2210 2246

Em novembro a procura pelo Atendimento de Urgência e Emergência se manteve na média dos últimos três meses que é de 2.242 atendimentos, embora se comparados mês a mês demonstra sazonalidade na procura.

Página | 186

11. 1.10 – REC URSOS HU MANOS

Em Novembro dois Servidores de funções Administrativas solicitaram desligamento, pois tomaram posse em
1.10. Recursos Humanos
Sesa u

Jane iro
P ró 3º T o tal Sesau

Feve reiro
P ró 3º T o tal Sesa u

Março
P ró 3º T o tal Sesau

Abril
P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

64 125 31 1 19 240

32 0 9 28 4 73

0 0 0 0 0 0

96 125 40 29 23 313

52 126 30 1 17 226

32 0 9 35 4 80

0 0 0 0 0 0

84 126 39 36 21 306

46 126 30 2 16 220

32 2 9 35 5 83

0 0 0 0 0 0

78 128 39 37 21 303

43 130 31 2 15 221

33 2 9 35 6 85

0 0 0 0 0 0

76 132 40 37 21 306

1.10. Recursos Humanos
Sesa u

Maio
P ró 3º T o tal Sesau

Junho
P ró 3º T o tal Sesa u

Julho
P ró 3º T o tal Sesau

Agosto
P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

42 129 31 2 15 219

33 2 9 34 6 84

0 0 0 0 0 0

75 131 40 36 21 303

42 130 31 2 15 220

33 2 9 34 6 84

0 0 0 0 0 0

75 132 40 36 21 304

43 130 31 2 15 221

31 2 9 34 5 81

0 0 0 0 0 0

74 132 40 36 20 302

42 130 31 2 12 217

31 2 9 34 5 81

0 0 0 0 0 0

73 132 40 36 17 298

1.10. Recursos Humanos
Sesa u

Se te m bro
P ró 3º T o tal Sesau

Outubro
P ró 3º T o tal

Novem bro
Sesa u P ró 3º T o tal

Deze m bro
Sesau P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

42 130 31 2 12 217

31 2 9

0 0 0

73 132 40 47 17 309

41 130 31 2 14 218

31 1 8

0 0 0

72 131 39 35 19 296

39 130 31 2 16 218

31 1 8

0 0 0

70 131 39 35 21 296

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

18 27 5 0

6 27 5 0

6 27 5 0

65 27

51 27

51 27

outro Concurso Público.

Página | 187

11.1.11 – NEP

CURSO III Fórum de Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde. Capacitação sobre Diagnóstico e Notificação da Dengue Simulação em Urgência e Emergência Pediátrica TOTAL
TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

NÚMERO DE PARTICIPANTES 01 28 2 31 58:00:00 269 00:12:00

CARGA HORÁRIA 12:00:00 1:30:00 8:00:00 21:30:00

TOTAL DE HORAS 12:00:00 42:00:00 16:00:00 58:00:00

HORAS DE TREINAMENTO
80 60 40 20 0 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV CARGA HORÁRIA TOTAL

Página | 188

11. 1.12 – LOGÍSTICA
1.13. Estoque
1 3.1 Esto que em dias de co nsumo - M at/med 30 dias .1 .

Jan 34,7 34,7

Fev 89,7 89,7

Mar 52,7 52,7

Abr 78,6 78,6

Mai

Jun

Jul 91,0 91,0

Ago 81,0 81,0

Set 71,0 71,0

Out 72,0 72,0

Nov 48,0 48,0

Dez 0,0 0,0

TOTAL 808,7 808,7

77,0 113,0 77,0 113,0

Total

Destaque-se o envolvimento de toda a equipe de Logística em Novembro em realizar a conferência geral dos estoques e disponibilizar a rede de Hospitais do Tocantins itens sazonais com baixo consumo neste hospital.

11. 1.13 – COR PO CLÍNICO

A necessidade de contratação de Empresa Pessoa Jurídica para complementar a escala de Plantões em Pediatria, ainda é latente no Hospital. Neste mês de Novembro houve a necessidade de contratação de 29 Plantões em Pediatria gerenciado pelo estado porém mantidos pela Pró Saúde totalizando R$ 74.089,00, além de Plantões através de profissionais Celetistas 2 na especialidade de Pediatria total de 20 plantões, e 3 em Obstetrícia total de 28 plantões e uma folha de pagamento de R$ 106.082.15 com impostos. Continua em fase de elaboração os protocolos nas Especialidades de Pediatria e Obstetrícia. A equipe de Obstetrícia realizou o primeira Interrupção de Gestação de Feto Anencéfalo conforme a nova jurisprudência do CFM – Conselho Federal de Medicina. Na ocasião do Parto a equipe aplicou o Termo de Consentimento Pré-Informado que foi devidamente assinado pela paciente em questão. Na reunião de Corpo Clínico realizada no dia 01 de Novembro a Direção Técnica reforçou o cumprimento da Política de Aleitamento Materno e o envolvimento do Corpo Clínico na busca da Certificação na Iniciativa Hospital Amigo da Criança - IHAC. Cobrado a melhoria no atendimento prestado a população Há o déficit de profissionais especializados para a realização de exames de Ultrassonografia. Com a crescente demanda nas Urgências Obstétricas e a busca constante de exames mais detalhados que auxiliem o profissional na tomada de decisão, o Hospital se depara com uma grande dificuldade, em que o equipamento de Ultrassonografia existente não possui o recurso de Doppler, além de ser um equipamento ultrapassado.

Página | 189

11.2 - SAU ITEM SEM OBRIGATORIEDADE CONTRATUAL DESTACA-SE A INTERAÇÃO DA SUPERVISÃO DO SAU COM A OUVIDORIA ESTADUAL.

11.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS 0. Foi implantado o serviço de secretario dos postos de enfermagem melhorando consideravelmente as atividades de rotina do setor com carga horaria de 08 horas atendendo todos as áreas de assistência de enfermagem.
1. Implantado reuniões mensais com todos os enfermeiros por setor para transmitir mudanças especificas de acordo com as rotinas individuais. 2. Solicitado aos enfermeiros que implantem reuniões mensais com suas equipes para discussões e soluções de problemas referentes as rotinas de setor, falta de comunicação e gerenciamento de serviço que vem ocorrendo com muita frequência e desta forma melhora a comunicação bem como a resolutividade da assistência prestada, também desta maneira todos seguem a mesma conduta no momento da tomada de decisões. 3. Implantado manual em todos os setores com atribuições de cada profissional da enfermagem para melhor esclarecimento de funções e papeis de cada um melhorando desta maneira os diversos questionamentos quanto a atividade desenvolvida e de acordo com a lei do exercício profissional esclarecendo o que é privativo a cada função. 4. Foi repassados em forma de reuniões todos os questionamentos dos técnicos de enfermagem em relação aos enfermeiros de problemas que veem ocorrendo diariamente nos setores e solicitado a continuidade pelos enfermeiros caso não aja consenso comunicar a coordenação de enfermagem através de documento. 5. Implantado instruções de trabalho em alguns setores após aprovação da equipe e comissão de controle de infecção hospitalar. 6. Foi encontrado muita dificuldade para o fechamento da escala de dezembro por ser tratar de um mês de festivo e com muitas pessoas de férias e licenças medicas uma vez que a equipe não esta completa de acordo com o dimensionamento realizado pela instituição ocasionando muitos plantões extras e até mesmo falta de profissional para completar a escala entregue oficio para direção para ciência. 7. Implantado escala de plantão extra na Central de Material Esterilizado (expurgo) exclusivo para não haver contaminação da área suja com a limpa, esta medida foi tomada para adequação da RDC 15 de 15 de março de 2012. 8. Implantação do check-list nos setores para conferências diária de equipamentos usados na assistência pelos enfermeiros dos setores. 9. Implantado novamente formulário próprio de duas vias para os serviços de manutenção e reparos em geral que interferem na assistência ao paciente devido a muitas solicitações sem sucesso.

Página | 190

11.4 – FATURAMENTO
4. Faturamento
4.1- A IH (Quantitativo ) 4.2 - Valo res (em reais)

Jan
324 1 67.861 ,1

Fev
328 1 .275,3 61

Mar
31 3 1 57.731 ,7

Abr
31 1 1 54.647,6

Mai
344

Jun
334

Jul
334

Ago
303 1 52.088,3

Set
223 1 04.584,0

Out
256 1 26.854,2

Nov
225 1 20.872,5

TOTAL
3295 1 6551 45,5

1 67.1 2,4 1 .059,2 1 .059,2 1 71 71

Obs. Até o fechamento desde relatório o faturamento não havia fechado. Dados parciais.

11.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS
· Nenhuma obra realizada e nenhum novo serviço implantado.

11.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS
· Não houve aquisições e ou transferência.

11.8 – COMISSÕES
· · · · · Comissão de Ética Médica, reuniram-se em 30 de Novembro, sem denúncias a serem apuradas. Comissão de Revisão de Prontuários reuniram-se no dia 30 de Novembro. Comissão de Revisão de Óbitos reuniram-se no dia 08 de Novembro. Comissão de Farmácia e Terapêutica reuniram-se no dia 29 de Novembro. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar reuniram-se no dia 26 de Novembro.

11.9 – OUTRAS INFORMAÇÕES Em novembro houve a negociação para manutenção da Locação do Almoxarifado Externo que serve de abrigo aos Materiais e Medicamentos estocáveis do Hospital Tia Dedé.
NOVEMBRO AZUL Novembro é o mês de conscientização do câncer de próstata. Por isso o Hospital Materno Infantil Público Tia Dedé, realizou a Campanha Novembro Azul. A exemplo do Outubro Rosa (prevenção ao câncer de mama), a intenção desta vez é conscientizar o público masculino sobre a importância da detecção precoce de eventuais tumores na próstata, pois isso pode salvar muitas vidas. Devemos estimular a nossos servidores, pacientes e acompanhantes homens a detecção precoce de tumores que, quando descobertos no início, podem ser curados. Por esta razão, é que o Hospital Tia Dedé realizou está campanha, alertando para a importância de exames preventivos. De acordo com informações do Instituto do Câncer (INCA), braço do Ministério da Saúde para esta área, no Brasil o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Em números absolutos, é o sexto tipo mais comum no mundo e o mais prevalente em homens, representando cerca de 10% do total de cânceres.

Página | 191

Mais do que qualquer outro tipo, é considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos. O aumento observado nas taxas de incidência no Brasil pode ser parcialmente justificado pela evolução dos métodos diagnósticos (exames), pela melhoria na qualidade dos sistemas de informação do país e pelo aumento na expectativa de vida. Alguns desses tumores podem crescer de forma rápida, espalhando-se para outros órgãos e podendo levar à morte. A grande maioria, porém, cresce de forma tão lenta (leva cerca de 15 anos para atingir 1 cm³) que não chega a dar sinais durante a vida. Durante o mês de Novembro os visitantes do Tia Dedé puderam observar na entrada do Hospitais banner alusivo além de contam com informações repassadas pelos profissionais e servidores.

Página | 192

PALAVRA DO DIRETOR DO HOSPITAL
Continuamos com atrasos significativos nos repasses financeiros, que tem reflexo direto na continuidade do abastecimento do Hospital, o que exige esforço redobrado nas negociações. Fornecedores locais já cortaram totalmente o abastecimento. Em novembro é possível destacar o grande envolvimento da equipe de Logística em buscar o alinhamento nos processos internos, visando a melhoria na gestão de estoques, com foco na armazenagem, distribuição entre os estoque satélites e consumo final, evitando perdas por vencimento. Prova desse envolvimento foi a queda nos dias de Estoque de Consumo, trazendo para uma margem confortável sem prejudicar a assistência. Estoque enxuto possibilidade à melhor conferência e melhor qualidade de armazenagem. A Gerência de Enfermagem vem enfrentando inúmeros problemas de disciplina por parte da Enfermagem e grande quantidade de Atestados Médicos e afastamentos existentes, causando assim déficit de plantões. Todos os esforços vem sendo mantidos afim de não prejudicar a Assistência. Possuímos Agentes de Portaria para Controle e Orientação de Acesso, estes profissionais foram treinados no sentido de acolher e providenciar encaminhamento de pacientes e visitantes as dependências da unidade. A ausência de profissionais de Segurança caracterizada possibilita á acompanhantes, visitantes e pacientes mais exaltados à afronta ao servidor público e a ordem do ambiente Hospitalar, tornando-se latente a necessidade desses profissionais na instituição como forma de inibir tais atitudes, esse processo traria melhorias ao processo já implantado de Agentes de Portaria. Destaco o conjunto das Direções Pró Saúde e Sesau na busca comum pela Certificação IHAC – Iniciativa Hospital Amigo da Criança e engajamento das Direção Técnica e Clínica, protocolado ofício junto a Sesau solicitando auditoria prévia para Credenciamento, no aguardo da definição da data.

Página | 193

2.12 HOSPITA L REGIONA L PÚBLICO DE DIANÓPOLIS 2.12.1 METAS CONTRATUAIS
12.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO 12. 1.1 – Nº DE LE ITOS P OR ES PECI AL IDADE;
1.1. Leitos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 17 12 7 7 0 0 0 2 0 2 47 Fev 17 12 7 7 0 0 0 2 0 2 47 Mar 17 12 7 7 0 0 0 2 0 2 47 Abr 17 12 7 7 0 0 0 2 0 2 47 Mai 17 12 7 7 0 0 0 2 0 2 47 Jun 17 12 7 7 0 0 0 2 0 2 47 Jul 17 12 7 7 0 0 0 2 0 2 47 Ago 17 12 7 7 0 0 0 2 0 2 47 Set 17 12 7 7 0 0 0 2 0 2 47 Out 17 12 7 7 0 0 0 2 0 2 47 Nov 17 12 7 7 0 0 0 2 0 2 47 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 187 132 77 77 0 0 0 22 0 22 517

COMENTÁRIO: A quantidade de leitos acima são os leitos ativos na unidade hospitalar. 12. 1.2 – Nº . D E I NT ERNAÇÕES POR E SPECIALID ADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 103 8 63 38 0 0 0 1 0 0 213 Fev 86 16 71 33 0 0 0 2 0 0 208 Mar 133 20 79 24 0 0 0 6 2 0 264 Abr 119 35 77 34 0 0 0 2 22 0 289 Mai 205 10 27 35 0 0 0 0 2 0 279 Jun 90 26 53 36 0 0 0 3 32 2 242 Jul 86 19 35 58 0 0 0 0 16 1 215 Ago 83 11 22 43 0 0 0 0 8 2 169 Set 95 27 65 24 0 0 0 2 4 0 217 Out 120 8 20 39 0 0 0 2 17 1 207 Nov 100 13 34 36 0 0 0 3 7 0 193 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 1220 193 546 400 0 0 0 21 110 6 2496

COMENTÁRIO: O número de internações reduziu devido a não realização das cirurgias pelos médicos especialistas, o motivo foi a negociação de renovação de contrato ao qual não concordavam com os valores oferecidos e não foram renovados.

Página | 194

12.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade Jan 85 9 58 31 0 0 0 1 26 1 211 Fev 93 17 66 36 0 0 0 2 21 0 235 Mar 107 22 83 32 0 0 0 6 14 0 264 Abr 132 35 71 32 0 0 0 2 22 0 294 Mai 196 10 28 34 0 0 0 3 0 4 275 Jun 96 24 53 36 0 0 0 3 32 2 246 Jul 83 20 35 50 0 0 0 0 15 1 204 Ago 91 11 26 43 0 0 0 0 8 2 181 Set 79 22 38 52 0 0 0 2 4 0 197 Out 120 7 19 35 0 0 0 0 16 0 197 Nov 92 14 38 40 0 0 0 3 7 0 194 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 1174 191 515 421 0 0 0 22 165 10 2498

COMENTÁRIO: O número de saídos reduziu devido a saída dos cirurgiões que realizavam em torno de 80 cirurgias mês.

12. 1.4 – P ERCE NTUAL D E OCUPAÇÃO POR CLÍ NICA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação Jan 109% 1% 60% 41% 0% 0% 0% 2% 0% 0% 55% Fev 41% 11% 86% 33% 0% 0% 0% 7% 0% 0% 35% Mar 76% 16% 85% 18% 0% 0% 0% 26% 0% 0% 48% Abr 92% 73% 91% 16% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 68% Mai 73% 7% 7% 12% 0% 0% 0% 0% 0,36 0,36 33% Jun 75% 5% 7% 12% 0% 0% 0% 0% 0,83 0,41 39% Jul 60% 5% 16% 16% 0% 0% 0% 0% 3% 0% 26% Ago 49% 7% 13% 25% 0% 0% 0% 0% 5% 1% 20% Set 61% 5% 15% 14% 0% 0% 0% 0% 5% 0% 26% Out 97% 4% 10% 20% 0% 0% 0% 0% 8% 0% 25% Nov 85% 0% 51% 0% 0% 0% 0% 13% 17% 0% 47% Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 817% 134% 441% 208% 0% 0% 0% 48% 156% 79%

COMENTÁRIO: O percentual de ocupação esta sendo reavaliado nos meses de maio, junho, julho, agosto, setembro e outubro, pois, foram observados alguns erros e discrepâncias em relação aos percentuais e caso houver realmente erro os mesmos serão corrigidos e informados em dezembro de 2012.

Página | 195

12. 1.5 – MÉD IA DE PE RMANÊNC IA;

1.5. Média de Permanência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros (Berçário) 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência

Jan 6,78 0,56 2,26 2,87 0 0 0 1 0 0 2,45

Fev 2,12 2,24 2,55 1,81 0 0 0 2 0 0 2,89

Mar 3,72 2,73 2,23 1,19 0 0 0 2,67 0 0 2,55

Abr 2,11 2,44 1,58 0,77 0 0 0 0 0 0 2,02

Mai 1,44 1,8 1 1,25 0 0 0 1 0 0 1,67

Jun 2 1 2 1 0 0 0 0 1 0 2,09

Jul 2 1 1 1 0 0 0 1 0 0 1,74

Ago 1 1 1 1 0 0 0 1 0 0 1,49

Set 1 2 1 1 0 0 0 0 0 0 1,67

Out 1 1 1 1 0 0 0 0 1 0 1,75

Nov 4,74 0,79 2,89 2,53 0 0 0 2,67 1,83 0 3,5

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL 27,91 16,56 18,51 15,42 0 0 0 11,34 3,83 0

COMENTÁRIO: O percentual de permanência esta sendo reavaliado nos meses de maio, junho, julho, agosto, setembro e outubro, pois, foram observados alguns erros e discrepâncias em relação aos percentuais e caso houver realmente erro os mesmos serão corrigidos e informados em dezembro de 2012. 12.1.6 – VOLUME CIRURGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 29 47 76 Fev 17 64 81 Mar 29 50 79 Abr 26 50 76 Mai 6 21 27 Jun 16 27 43 Jul 4 44 48 Ago 36 26 62 Set 30 35 65 Out 45 19 64 Nov 27 34 61 Dez 0 0 0 TOTAL 265 417 682

COMENTÁRIO:

12.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 18 30 28 0 18 94 Fev 10 31 40 0 13 94 Mar 6 46 27 4 18 101 Abr 25 25 26 6 20 102 Mai 1 12 7 7 12 39 Jun 5 11 8 1 18 43 Jul 7 25 16 0 10 58 Ago 13 31 13 4 22 83 Set 17 31 17 4 18 87 Out 27 13 21 3 23 87 Nov 9 36 16 5 19 85 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 138 291 219 34 191 873

COMENTÁRIO: O número de cirurgias são os mesmos do quadro X.1.6 – Volume Cirúrgico porém as cesárias fazem parte das cirurgias de grande porte realizadas nesta unidade.

Página | 196

12.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4. Núm e ro de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 23 18 0 41 Fev 32 13 0 45 Mar 19 18 0 37 Abr 32 20 0 52 Mai 36 13 0 49 Jun 25 18 0 43 Jul 24 10 0 34 Ago 24 22 0 46 Set 23 18 1 42 Out 30 23 0 53 Nov 20 19 0 39 De z 0 0 0 0 TOTAL 288 192 1 481

12.1.7 – SADT’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos (Serviço social e Psicologia) 1.7.18 Teste Ergométrico 1.7.19 Outros ( especificar) Fonoaudiologia Total Jan 332 27 428 55 45 0 0 0 0 125 0 0 60 0 0 0 0 0 130 Fev 391 21 492 155 47 0 0 4 0 156 0 0 88 0 0 0 0 0 105 Mar 309 16 733 175 234 0 0 5 0 142 0 0 132 0 0 0 0 0 97 Abr 364 22 546 129 171 0 0 5 0 222 0 0 80 0 0 0 365 0 159 Mai 487 5 584 61 252 0 0 6 0 130 0 0 153 0 0 0 0 0 0 Jun 485 14 644 149 157 0 0 2 0 150 0 0 95 0 0 0 430 0 0 Jul 367 16 454 77 433 0 0 3 0 212 1 0 105 0 0 0 0 0 50 Ago 469 14 568 121 311 0 0 6 0 104 2 0 88 0 0 0 247 0 175 Set 424 12 671 126 302 0 0 3 0 146 1 0 92 0 0 0 262 0 136 Out 578 6 524 53 227 0 0 0 0 171 0 0 31 0 0 0 404 0 129 Nov 483 13 489 86 253 0 0 15 0 233 0 0 59 0 0 0 442 0 179 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 4689 166 6133 1187 2432 0 0 49 0 1791 4 0 983 0 0 0 2150 0 1160 20744

1202 1459 1843 2063 1678 2126 1718 2105 2175 2123 2252

COMENTÁRIO:

12. 1.8 – AMBULAT ÓRI O
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fe v Mar Abr Mai Jun Jul Ago Se t Out Nov De z 0 0 0 0 0 TOTAL 24530 17784 479 2090 44883

1812 1721 2084 1667 2336 2259 3641 2049 2430 2469 2062 1264 42 472 956 1389 1173 1989 1820 1345 1726 2054 2212 1856 95 330 78 746 111 453 0 45 0 38 0 0 0 0 0 0 0 0 153 6

3590 3102 4297 3404 4370 4117 4986 3775 4484 4681 4077

COMENTÁRIO: Como podemos constatar no quadro acima mesmo com a baixa no atendimento, nossa equipe atende uma enorme quantidade de ambulatório, porém nossa finalidade é Urgência e Emergência.

Página | 197

12. 1.9 – ATEND IME NTOS DE UR GÊNC I A/EMER GÊ NCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fe v Mar Abr Mai Jun Jul Ago Se t Out Nov De z 0 0 0 0 0 TOTAL 24530 17784 479 2090 44883

1812 1721 2084 1667 2336 2259 3641 2049 2430 2469 2062 1264 42 472 956 1389 1173 1989 1820 1345 1726 2054 2212 1856 95 330 78 746 111 453 0 45 0 38 0 0 0 0 0 0 0 0 153 6

3590 3102 4297 3404 4370 4117 4986 3775 4484 4681 4077

COMENTÁRIO: Nossos atendimentos que deveriam ser de Urgência e Emergência também atende ambulatório devido a cultura da população de procurar o serviço de Urgência e Emergência deixando claro que o serviço de assistência primária precisa melhorar e muito. Porém com estes atendimentos a instituição acaba contribuindo com a população não deixando-a desassistida. 12.1.10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Adminis tração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 40 88 15 8 12 163 Jane ir o
S e s a u P ró 3º T o tal

Feve r eir o
S e s a u P ró 3º T o tal

Mar ço
S e s a u P ró 3º T o ta l S e s a u P ró

Abr il
3º T o tal

8 0 2 33 3 46

0 0 0 1 0 1

48 88 17 42 15 210

29 89 15 8 12 153

10 0 2 38 3 53

0 0 0 1 0 1

39 89 17 47 15 207

30 89 15 9 12 155

10 0 2 37 0 49

0 0 0 1 0 1

40 89 17 47 12 205

32 89 15 9 12 157

12 1 2 37 3 55

0 0 0 1 0 1

44 90 17 47 15 213

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio
3º T o tal

Junho
S e s a u P ró 3º T o tal

Julho
S e s a u P ró 3º T o ta l

Agos to
S e s a u P ró 3º T o tal

1.10.1. Adminis tração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

32 89 15 9 12 157

12 1 2 37 3 55

0 0 0 1 0 1

44 90 17 47 15 213

32 89 15 9 12 157

12 1 2 37 3 55

0 0 0 1 0 1

44 90 17 47 15 213

32 89 15 9 12 157

12 1 2 37 3 55

0 0 0 1 0 1

44 90 17 47 15 213

32 89 15 9 12 157

12 1 2 37 3 55

0 0 0 1 0 1

44 90 17 47 15 213

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Adminis tração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 32 89 15 9 12 157

Setem br o
S e s a u P ró 3º T o tal

Outubro
S e s a u P ró 3º T o tal

Nove m br o
S e s a u P ró 3º T o ta l

Deze m br o
S e s a u P ró 3º T o tal

12 1 2 20 3 38

0 0 0 1 0 1

44 90 17 30 15 196

32 98 15 9 12 166

12 1 2 8 3 26

0 0 0 1 0 1

44 99 17 18 15 193

32 98 15 9 12 166

12 1 2 8 3 26

0 0 0 1 0 1

44 99 17 18 15 193

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

Página | 198

12.1.11 – NEP Neste mês não tivemos atividades do NEP 12.1.12– LOGÍSTICA
1.13. Estoque
1 3.1 Esto que em dias de co nsumo - M at/med 30 dias .1 .

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai 88,0 88,0

Jun

Jul

Ago

Set 93,4 93,4

Out

Nov

Dez 0,0 0,0

TOTAL 1756,0 1756,0

250,0 276,2 240,7 233,1 250,0 276,2 240,7 233,1

96,9 101,5 108,5 96,9 101,5 108,5

67,1 200,6 67,1 200,6

Total

COMENTÁRIO: 12. 1.1 3 – CORP O CL ÍNIC O Foi realizado novamente, eleição para direção clínica porem não houve candidatos por falta de remuneração do cargo.

12.2 - SAU O Serviço SAU finalizou suas atividades em 30 de agosto de 2012 e os funcionários forma remanejados da seguinte forma, um para recepção, um para farmácia e um para auxiliar a diretoria. 12.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Estamos tentando manter a implantação dos processos em todos os setores do hospital apesar das dificuldades enfrentadas e estes processos estão sendo trabalhados de forma conjunta com todos os profissionais da instituição (recepção, médicos, enfermeiros, SND, etc.) Juntamente com o novo Diretor da SESAU que vem apoiando e auxiliando o trabalho. Obs. O da farmácia já está pronto e sendo colocado em prática a partir de 01 de outubro de 2012. 12.4 – FATURAMENTO
4. Faturamento 4.1 - AIH (Quantitativo) 4.2 - Valores (em reais) Mar 33 Abr 126 Mai 178 Jun 104 Jul 103 Ago 140 Set 148 Out 214 Nov 0 Dez 0 TOTAL 1.466,00 717.704,14

14.041,00

57.909,73

94.499,31

52.797,04

50.751,05

55.982,27

63.357,05

100.156,47

0,00

0,00

COMENTÁRIO: Continuamos com os problemas com a Implantação do sistema SIS REG para a autorização eletrônica das AIHs, já foram tomadas medidas para resolução do problema e informado ao Diretor SESAU para que o problema seja resolvido e as dificuldades só tendem a aumentar devido a falta de funcionários no setor. Diante do fato acima foi contratado pelo estado um profissional para trabalhar no faturamento o que já podemos observar que o número de AIHs faturadas já aumentou indicando que a ação vem obtendo resultados.

Página | 199

12.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS Estão sendo mantidos as manutenções pontuais diante das dificuldades financeiras atuais. 12.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS Neste mês não houve nenhuma aquisição. 12.8 – COMISSÕES As comissões estão em pleno funcionamento conforme metas contratuais, no entanto as dificuldades vem aumentando devido a instabilidade financeira uma vez que os problemas referentes a aquisições não estão sendo cumpridos, diante do exposto, as comissões estão questionando a produtividade das mesmas, já que os problemas são sempre adiados quando dependem de recursos financeiros. 12.9 – OUTRAS INFORMAÇÕES Neste mês foram realizadas reuniões com todos os setores do hospital no intuito de diminuirmos os problemas com as escalas e implantações de novas diretrizes para melhoria dos serviços. Também foram feitas reuniões para adequarmos inventários e relatórios necessários. Palavra do Diretor do Hospital No hospital Regional Público de Dianópolis, a parceria entre Pró Saúde e Estado vem funcionando bem e diante das dificuldades tenta se manter firme em seu objetivo de cuidar bem da população que o procura, porém, necessita de reformas, médicos e funcionários, para continuar cumprindo seu papel ainda melhor.

Página | 200

2.13 HOSPITA L REGIONA L PÚBLICO DE PE DRO AFONSO 2.13.1 METAS CONTRATUAIS 13.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO 13.1.1 – Nº DE LEITOS POR ES PEC IALIDADE

1.1. Le itos por Es pecialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Inf antil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai

Jun

Jul

Ago

Set

Out

Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL

11 5 8 6
0 0 0 0 0 0

11 5 8 6
0 0 0 0 0 0

11 5 8 6
0 0 0 0 0 0

11 5 8 6
0 0 0 0 0 0

13 5 8 6
0 0 0 0 0 0

13 5 8 6
0 0 0 0 0 0

13 5 8 6
0 0 0 0 0 0

13 5 8 6
0 0 0 0 0 0

13 5 8 6
0 0 0 0 0 0

13 5 8 6
0 0 0 0 0 0

30

30

30

30

32

32

32

32

32

32

122 50 80 60 0 0 0 0 0 0 312

COMENTÁRIO: O número de leitos do Hospital sofreu alteração em Maio, passando a 32 leitos, assim

distribuídos: 13 de Clínica Médica; 5 de Pediatria; 6 de Obstetrícia e 8 de Clínica Cirúrgica. 13.1.2 – Nº. DE I NTERNAÇÕES POR ESPE CIALIDADE
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 TOTAL

112 50 55 55
0 0 0 0 0 0

50 21 29 46
0 0 0 0 0 0

91 40 64 63
0 0 0 0 0 0

104 34 45 57
0 0 0 0 0 0

92 24 50 58
0 0 0 0 0 0

83 23 42 48
0 0 0 0 0 0

86 19 18 35
0 0 0 0 0 0

76 28 27 42
0
0 0 0 0 0

74 24 41 45
0 0 0 0 0 0

92 34 42 50
0 0 0 0 0 0

272 146 258 240 224 196 158 173 184 218

0

0

860 297 413 499 0 0 0 0 0 0 2069

COMENTÁRIO: Em Outubro visualizamos um aumento no número de internações, fato que veio se repetindo desde Agosto. Isto se deve a uma melhoria no número de cirurgias e partos realizados, gerando pequeno aumento no total de internações.

Página | 201

13.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE

1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai

Jun

Jul

Ago

Set

Out

Nov

Dez

TOTAL

129 42 46 54 0 0 0 0 11 0

76 24 31 46 0 0 0 0 15 0

106 120 118 40 61 71 0 0 0 0 6 0 37 44 61 0 0 0 0 16 0 28 56 58 0 0 0 0 24 0

98 22 43 47 0 0 0 0 13 0

103 100 110 115 23 17 37 0 0 0 0 19 0 27 37 45 0 0 0 0 16 0 30 39 51 0 0 0 0 19 0 38 40 53 0 0 0 0 17 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

1075 311 414 523 0 0 0 0 156 0 2479

282 192 284 278 284 223 199 225 249 263

COMENTÁRIO: O número de saídos vem aumentando desde Agosto e em Outubro manteve-se a tendência. O motivo é a melhora no número de cirurgias realizadas, após o retorno da produção da equipe cirúrgica e também pelo aumento das internações e atendimentos. 3.1.4 – PERCE NTUAL DE OCUPAÇÃO PO R CLÍNI CA

1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai

Jun

Jul

Ago

Set

Out

Nov

Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

TOTAL

93% 63% 99% 107% 76% 50% 53% 48% 85% 53% 0% 61% 35% 63% 61% 47% 36% 59% 43% 56% 49% 77% 59% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 43% 33% 34% 34% 37% 45% 0% 46% 28% 14% 31% 33% 30% 0% 49% 42% 31% 45% 42% 48% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%
0% 0% 0% 0% 0% 0%

727% 446% 367% 498% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

0% 0% 0% 0% 0% 0%

0% 0% 0% 0% 0% 0%

0% 0% 0% 0% 0% 0%

68% 50% 78% 73%

58% 41% 36% 41% 56% 45%

COMENTÁRIO:A ocupação do Hospital apresentou variações que refletiram a movimentação ao longo deste período. A queda que vinha ocorrendo desde Março, reverteu-se em Agosto e Setembro, mas em Outubro, devido á diminuição na ocupação da Clínica Médica, com casos que exigiam permanência menor do internado, houve nova queda no índice de ocupação.

Página | 202

13.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA

1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai

Jun

Jul

Ago

Set

Out Nov Dez TOTAL 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

2,35 2,57 2,73 2,94 2,59 2,00 2,06 1,95 3,01 1,84 2,26 2,13 2,23 2,46 2,39 2,27 2,26 1,93 1,83 1,84 2,54 2,71 2,15 2,36 2,02 1,58 2,00 2,05 2,03 1,85 1,94 1,85 2,01 1,75 1,59 1,62 1,54 1,87 1,47 1,70 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0 0 0 0 0 0

24,04 21,6 21,29 17,34 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0

2,20 2,18 2,32 2,36 2,04 1,75 1,78 1,81 2,17 1,70

COMENTÁRIO: Nota-se ao longo do ano que a média de permanência geral tem apresentando variações. De Julho a Setembro houve pequena alta, especialmente por causa de alguns casos que exigiram maior tempo de internação, como idosos crônicos por exemplo, mas em Outubro este quadro se reverteu devido á queda no número destes tipos de casos. 13.1.6 – VOLUME CI RÚRGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Soma Geral de Cirurgias Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov 0 0 Dez TOTAL 0 0

24 59 83

14 29 43

32 42 74

28 41 69

17 48 65

20 45 65

12 9 21

32 15 47

11 39 50

20 29 49

0

0

210 356 566

COMENTÁRIO: O Hospital vem recuperando a quantidade de cirurgias realizadas mensais, mas ainda em patamares menores que o 1º semestre. Em Outubro, tivemos praticamente o mesmo número de cirurgias totais de Agosto, mas nota-se um aumento no nº de cir. de emergência e queda no número de eletivas. A queda nas eletivas foi motivada pelas férias de cirurgiões, assim com pela ausência do único anestesista do hospital, licenciado por alguns dias.

Página | 203

13.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Soma Geral de Cirurgias por Porte Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez TOTAL

7 23 27 3 23

5 6 6 4 22

14 20 5 3 32

18 2 15 6 28

14 19 7 0 25

17 17 6 0 25

2 3 1 1 14

2 15 2 3 25

11 1 14 3 21

2 12 1 3 31

0 0 0 0 0

0 0 0 0 0

83

43

74

69

65

65

21

47

50

49

0

0

92 118 84 26 246 566

COMENTÁRIO: Na planilha acima é bom especificar que as curetagens e cesáreas são cirurgias consideradas de pequeno e médio porte respectivamente. Por isto, estas cirurgias foram extraídas das contagens de pequena, média e grande, para compor o total de forma correta na planilha. A variação segue o comentário do tópico anterior.
13.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Soma Geral de Cirurgias por Porte Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez TOTAL

25 23
0

15 22
0

25 32
0

17 28
0

20 25
0

11 25
0

14 14
0

15 25
0

19 21 0 40

18 31 0 49

0 0 0 0

0 0 0 0

48

37

57

45

45

36

28

40

179 246 0 425

Em Agosto, tivemos um número maior de partos totais, com repetição da quantidade em Setembro. Mas em Outubro, houve um pequeno aumento no número total, novamente devido ao aumento de cesarianas. O número de partos cesáreas continua com patamar elevado : 58% do total, em 2012. Fatores como solicitação da parturiente, vontade médica e partos mais complicados, agravados pela falta de pré-natal adequado, são os que levam ao índice elevado de cesáreas.

Página | 204

13. 1.7 – SADT’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Total Jan Fev Mar Abr M ai Jun Jul Ago Set Out Nov 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL

1465 47 440 69 20 0 0 4 18 168 8 13 0 0 0 0 22 0

862 30 354 44 0 0 0 7 0 7 3 6 0 0 0 0 41 0

1004 1476 1372 942 16 495 95 40 0 0 11 0 38 0 0 0 0 0 0 65 0 29 494 57 29 0 0 16 0 29 5 19 0 0 0 0 68 0 26 468 113 25 0 0 4 0 24 4 20 0 0 0 0 46 0 28 372 50 22 0 0 3 0 30 1 12 0 0 0 0 46 0

1109 13 352 42 0 0 0 1 0 34 3 16 0 0 0 0 31 0

838 20 396 30 2 0 0 2 0 47 2 12 0 0 0 0 62 0

909 29 365 45 26 0 0 5 0 78 4 12 0 0 0 0 40 0

897 14 400 41 41 0 0 4 0 72 1 1 0 0 0 0 50 0

10874 252 4136 586 205 0 0 57 18 527 31 111 0 0 0 0 471 0
17268

2274 1354 1764 2222 2102 1506 1601 1411 1513 1521

COMENTÁRIO: Verifica-se que o maior volume é de Análises Clínicas, que, no Hospital, é terceirizada. No geral, a variação de SADT segue o movimento do Hospital. Houve uma pequena elevação em Setembro, repetida em Outubro, fruto do maior número de atendimentos destes meses, principalmente em urgência e emergência.

13. 1.8 – AMB ULATÓRIO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 TOTAL

772 489 845 769 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

738 510 281 268 0 0 0 0 0 0 0 0 0
0 0 0

280 0 0 0

222 0 0 0

772 489 845 769 738 510 281 268 280 222

0

0

5174 0 0 0 5174

COMENTÁRIO: Percebe-se que o segundo semestre está longe da média de atendimentos do 1º. Isto aconteceu devido a extinção de atendimento em algumas especialidades como Cardiologia e Oftalmologia, mas principalmente devido á queda acentuada por consultas na especialidade de Clínica Médica.

Página | 205

13. 1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA

1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai

Jun

Jul

Ago

Set

Out

Nov Dez TOTAL 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

2045 1915 1776 2089 1916 1804 1997 1879 1929 2196 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

2045 1915 1776 2089 1916 1804 1997 1879 1929 2196

19546 0 0 0 19546

COMENTÁRIO: Os atendimentos de urgência vem apresentando variações ao longo do ano e respondem muito á sazonalidades e demanda. Em Outubro este número voltou a crescer em relação a Setembro, devido á maior procura do Hospital por causas diversas como traumas, febre e dor generalizada.
13. 1.10 – REC URSOS HU MANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total Jane iro
S e sa u P ró 3º Tot a l

Fe vere iro
S e sa u P ró 3º Tot a l

Março
S e sa u P ró 3º Tot a l S e sa u P ró

Abril
3º Tot a l

22 54 9 13 15 113

21 21 4 37 1 84

0 0 0 0 0 0

43 75 13 50 16 197

13 53 9 13 14 102

32 21 4 37 1 95

0 0 0 0 0 0

45 74 13 50 15 197

14 54 8 13 14 103

32 22 4 37 1 96

0 0 0 0 0 0

46 76 12 50 15 199

14 54 8 13 14 103

34 22 4 37 1 98

0 0 0 0 0 0

48 76 12 50 15 201

1.10. Recursos Humanos
S e sa u P ró

Maio
3º Tot a l

Junho
S e sa u P ró 3º Tot a l S e sa u

Julho
P ró 3º

Agos to
Tot a l S e sa u P ró 3º Tot a l

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

6 55 8 14 15
98

33 22 4 37 1
97

0 0 0 0 0 0

39 77 12 51 16 195

6 55 8 16 15 100

33 21 4 37 1 96

0 0 0 0 0 0

39 76 12 53 16 196

6 55 8 16 15 100

32 21 4 37 1 95

0 0 0 0 0 0

38 76 12 53 16 195

6 54 9 16 15 100

32 21 4 37 1 95

0 0 0 0 0 0

38 75 13 53 16 195

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

Se te m bro
S e sa u P ró 3º Tot a l

Outubro
S e sa u P ró 3º Tot a l

Nove m bro
S e sa u P ró 3º Tot a l

De ze m bro
S e sa u P ró 3º Tot a l

6 54 9 16 15

32 21 4 17 1

0 0 0 13 0

38 75 13 46 16

6 54 9 16 15
100

32 21 4 8 1
66

0 0 0 22 0 22

38 75 13 46 16 188

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

100

75

13

188

Página | 206

13.1.11 – NEP

Não foram realizados treinamentos neste mês.

13.1.12 – LOGÍST ICA

1.13. Estoque 1.13.1. Estoque em dias de consumo Total

Jan
2 2 25 ,7 2 2 25 ,7

Fev 339,8 339,8

Mar 73,3 73,3

Abr 101,4 101,4

Mai 200,8 200,8

Jun 213,8 213,8

Jul 203,6 203,6

Ago 127,8 127,8

Set 167,3 167,3

Out 160,3 160,3

Nov 0,0 0,0

Dez 0,0 0,0

TOTAL 3813,7 3813,7

COMENTÁRIO: Os meses de Janeiro e Fevereiro não devem ser levados em consideração para qualquer

análise, pois o sistema ainda não estava sendo alimentado corretamente e em sua totalidade. Observamos que ainda há um volume grande de dias de estoque no Hospital, mas desde Julho, o hospital tem conseguido diminuir esta quantidade, com redução das compras e empréstimos a outros hospitais. Em Setembro houve pequeno aumento no estoque, pois recebemos materiais e medicamentos de compras da Secretaria da Saúde, mas em Outubro, o estoque voltou a diminuir, com a utilização e menor volume de compras. 13.1.13 – CORPO CLÍ NICO Destaca-se a dificuldade do Hospital em manter-se com somente 1 anestesista, pois o mesmo tirou licença em Outubro, por 10 dias, acarretando suspensão de cirurgias. Outo problema é de ordem pessoal e existente entre este anestesista e um dos cirurgiões do hospital, que vem provocando diminuição no volume de cirurgias eletivas agendadas.

13.2 - SAU

O serviço foi encerrado em Agosto.

13.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS - Houve uma troca na consultoria da MV, assumindo o Sr. Adalberto os trabalhos no Hospital, mas somente ás quintas e sextas, pois divide a consultoria com Guaraí.

Página | 207

- Realizada revisão geral na ambulância placa final 1494 e enviada ambulância placa final 1043 para revisão geral na SESAU. - Início dos trabalhos da empresa Litucera no setor de Nutrição, com absorção da maioria dos funcionários Pró-Saúde e do estoque existente, adquirido pela Pró-Saúde e posteriormente repassado ao Estado. - Realizada manutenção preventiva em aparelho de RX Philips. - Realizada reunião com a equipe de farmacêuticos, cujo teor foram hierarquia, férias e escalas.

13.4 – FATURAMENTO
4. Faturamento 4.1 - AIH (Quantitativo) 4.2 - Valores (em reais) Jan 246 Fev 195 Mar 209 Abr 205 Mai 153 Jun 135 Jul 195 Ago 155 Se t 188 Out 190 TOTAL 1871 799.477,7

99.238,3 77.333,1 94.104,7 93.182,3 71.898,2 59.286,3 76.964,6 64.893,0 79.538,6 83.038,7

COMENTÁRIO: A variação de faturamento segue a variação do atendimento do Hospital, já descrita nos tópicos

anteriores. O Hospital também fatura os procedimentos ambulatoriais, chamados SIA/SUS, cujos valores compõem o faturamento total. No quadro abaixo, estão os valores faturados SIA/SUS de Jan a Out/12:
MÊS jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 Ago/12 Set/12 Out/12 VALOR (R$) 31.498,91 38.381,82 27.056,56 33.202,13 36.123,57 29.799,36 28.135,23 31.060,97 43.974,09 44.942,74

13.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS - Nenhuma obra foi realizada e nenhum serviço implementado.

Página | 208

13.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS - Nenhum equipamento foi comprado ou instalado.

13.8 – COMISSÕES Comissão de Óbitos – reunião não realizada Comissão de Prontuários – reunião não realizada Comissão de Ética Médica – reunião não realizada. Comissão de CCIH – reunião realizada em 24/10/2012 Comissão de Farmácia – reunião não realizada.

PALAVRA DO DIRETOR DO HOSPITAL O mês de Outubro, assim como Setembro caracterizou-se por uma pequena melhora no número de atendimento geral . O Hospital apresentou aumentos de produção na Urgência e Emergência, que levaram a um aumento no número de exames/procedimentos. A quantidade de cirurgias foi praticamente a mesma do mês anterior, mas o número de partos e internações aumentaram. Percebe-se que o hospital está melhorando sua produção mas ainda está muito distante da produtividade do 1º semestre. A assistência á população continuou sendo prestada de maneira satisfatória, mas não pudemos mensurar com mais clareza o índice de satisfação pois o serviço do SAU foi suspenso. Em relação á equipe de colaboradores, tivemos também a transferência das responsabilidades da Nutrição para um serviço terceirizado, que absorveu grande parte dos funcionários destes setores. No tocante á Logística e Almoxarifado, o Hospital conseguiu conduzir bem as dificuldades de reposição de materiais e medicamentos, tendo ocorrido poucas faltas e sem grandes impactos no atendimento á população. Por fim, observamos que o faturamento de AIHs e SIA/SUS vem aumentando a cerca de 4 meses, sendo em maior volume a partir de Setembro quando foi implementado o sistema MV para este setor, agilizando e incrementando o processo.

Página | 209

2.14 HOSPITA L INFA NTIL PÚBLICO DE PALMAS 2.14.1 METAS CONTRATUAIS

14.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO 14.1.1 – Nº DE LEIT OS POR ESPECIALIDADE ;
1.1. Leitos por Es pe cialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 0 28 0 0 0 0 0 0 0 4 32 Fe v 0 28 0 0 0 0 0 0 0 4 32 M ar 0 28 0 0 0 0 0 0 0 4 32 Abr 0 28 0 0 0 0 0 0 0 4 32 Mai 0 28 0 0 0 0 0 0 0 4 32 Jun 0 28 0 0 0 0 0 0 0 4 32 Jul 0 28 0 0 0 0 0 0 0 4 32 Ago 0 28 0 0 0 0 0 0 0 4 32 Se t 0 28 0 0 0 0 0 0 0 4 32 Out 0 28 0 0 0 0 0 0 0 4 32 Nov 0 28 0 0 0 0 0 0 0 4 32 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 308 0 0 0 0 0 0 0 44 352

Durante o mês de novembro de 2012 não ocorreram alterações quanto a distribuição dos leitos nas especialidades atendidas no Hospital, e o total de leitos também permaneceu inalterado, conforme cadastro no CNES.

14.1.2 – Nº. DE INT ERNAÇÕ ES POR ESPECIAL IDADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 0 154 0 0 0 0 0 0 0 16 170 Fev 0 245 0 0 0 0 0 0 0 29 274 Mar 0 268 0 0 0 0 0 0 0 47 315 Abr 0 255 0 0 0 0 0 0 0 30 285 Mai 0 269 0 0 0 0 0 0 0 45 314 Jun 0 236 0 0 0 0 0 0 0 16 252 Jul 0 207 0 0 0 0 0 0 0 12 219 Ago 0 219 0 0 0 0 0 0 0 20 239 Set 0 193 0 0 0 0 0 0 0 41 234 Out 0 215 0 0 0 0 0 0 0 30 245 Nov 0 204 0 0 0 0 0 0 0 40 244 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 2465 0 0 0 0 0 0 0 326 2791

No mês de novembro manteve-se estável em relação ao mês anterior. Considerando-se a média do primeiro semestre (268 internações) e a média do segundo semestre (234 internações) observa-se um decréscimo de 14,5% na média de internações. Este fato não foi acasionado por fatores internos do hospital.

Página | 210

14.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIAL IDADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 0 147 0 0 0 0 0 0 0 16 163 Fev 0 239 0 0 0 0 0 0 0 38 277 Mar 0 266 0 0 0 0 0 0 0 46 312 Abr 0 247 0 0 0 0 0 0 0 33 280 Mai 0 275 0 0 0 0 0 0 0 37 312 Jun 0 243 0 0 0 0 0 0 0 21 264 Jul 0 208 0 0 0 0 0 0 0 12 220 Ago 0 230 0 0 0 0 0 0 0 20 250 Set 0 184 0 0 0 0 0 0 0 37 221 Out 0 209 0 0 0 0 0 0 0 34 243 Nov 0 198 0 0 0 0 0 0 0 38 236 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 2446 0 0 0 0 0 0 0 332 2778

14.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação Jan 0% 71% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 31% 68% Fev 0% 85% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 25% 80% Mar 0% 89% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 27% 85% Abr 0% 81% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 25% 77% Mai 0% 88% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 41% 85% Jun 0% 86% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 39% 83% Jul 0% 74% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 18% 70% Ago 0% 79% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 16% 73% Set 0% 78% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 37% 75% Out 0% 85% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 40% 81% Nov 0% 81% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 16% 76% Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 0% 897% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 315%

Apesar da taxa de ocupação apresentar valor médio de 78%, observa-se macas nos corredores da Emergência, isto é devido ao espaço exíguo desta área, que possui 4 leitos permanentemente ocupados, funcionando também como terapia intensiva e alguns pacientes com ventilação mecânica.

Página | 211

14.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;
1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência Jan 0 6,66 0 0 0 0 0 2,44 0 0 6,25 Fev 0 4,64 0 0 0 0 0 0,76 0 0 4,11 Mar 0 5,8 0 0 0 0 0 0,72 0 0 5,04 Abr 0 5,51 0 0 0 0 0 0,91 0 0 4,97 Mai 0 5,21 0 0 0 0 0 1,38 0 0 4,75 Jun 0 4,73 0 0 0 0 0 1,27 0 0 5,11 Jul 0 5,82 0 0 0 0 0 1,83 0 0 5,6 Ago 0 4,51 0 0 0 0 0 1 0 0 4,23 Set 0 6,05 0 0 0 0 0 1,19 0 0 5,24 Out 0 6,02 0 0 0 0 0 1,47 0 0 5,39 Nov 0 6,2 0 0 0 0 0 0,5 0 0 5,28 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 61,15 0 0 0 0 0 13,47 0 0

No mês de novembro a média de permanência ficou um pouco acima da média anual (5,09). Vale ressaltar que dois aspectos impactam diretamente neste indicador: Exames de auxílio ao diagnóstico: muitos exames complementares são realizados fora do hospital, causando atraso no diagnóstico._ Pacientes crônicos internados por longos períodos no hospital.

14.1.6 – VOLUME CIRURG ICO

14.1.6.1 – Nº de Cirurgias de Urgência; 14.1.6.2 – Nº de Cirurgias eletivas;

1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias

Jan 10 19 29

Fev 39 32 71

Mar 42 18 60

Abr 22 33 55

M ai 31 21 52

Jun 26 10 36

Jul 9 12 21

Ago 32 20 52

Set 18 45 63

Out 14 49 63

Nov 18 44 62

Dez 0 0 0

TOTAL 261 303 564

Página | 212

14.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Número de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 3 9 17 0 0 29 Fev 14 22 35 0 0 71 Mar 9 27 24 0 0 60 Abr 6 28 21 0 0 55 Mai 7 26 19 0 0 52 Jun 2 19 15 0 0 36 Jul 3 4 14 0 0 21 Ago 4 9 39 0 0 52 Set 46 13 4 0 0 63 Out 7 9 47 0 0 63 Nov 3 7 52 0 0 62 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 104 173 287 0 0 564

14.1.7 – SADT’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico 1.7.19 Outros ( especificar) Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 39396 106 4556 0 5517 0 0 0 0 792 482 160 0 0 98 0 178 0 0 51285 3233 4936 4574 3700 4479 3626 3069 2798 3502 3157 2322 6 258 0 344 0 0 0 0 70 34 6 0 0 18 0 3 0 0 11 371 0 409 0 0 0 0 58 53 24 0 0 19 0 0 0 0 15 537 0 640 0 0 0 0 84 35 12 0 0 13 0 7 0 0 12 499 0 604 0 0 0 0 80 42 12 0 0 18 0 21 0 0 12 548 0 571 0 0 0 0 84 47 17 0 0 24 0 38 0 0 5 479 0 597 0 0 0 0 89 41 12 0 0 0 0 9 0 0 3 376 0 553 0 0 0 0 64 64 17 0 0 0 0 29 0 0 5 321 0 455 0 0 0 0 79 47 16 0 0 2 0 18 0 0 10 402 0 389 0 0 0 0 72 31 8 0 0 0 0 10 0 0 20 412 0 454 0 0 0 0 63 45 13 0 0 2 0 19 0 0 7 353 0 501 0 0 0 0 49 43 23 0 0 2 0 24 0 0

3972 5881 5917 4988 5820 4858 4175 3741 4424 4185 3324

Por decisão da SESAU, no mês de novembro houve a substituição do laboratório contratado pela Pró Saúde, LABVIDA, pelo laboratório CMD. Este assumiu o serviço no HIPP a partir de 01/11/2012.

14.1.8 – AMBUL AT ÓRIO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 229 0 0 0 229 Fev 304 0 0 0 304 Mar 381 0 0 0 381 Abr 392 0 0 0 392 Mai 401 0 0 0 401 Jun 440 0 0 0 440 Jul 176 0 0 0 176 Ago 400 0 0 0 400 Set 300 0 0 0 300 Out 389 0 0 0 389 Nov 425 0 0 0 425 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 3837 0 0 0 3837

Página | 213

14.1.9 – AT ENDIMENT OS DE URG ÊNCIA/EMERGÊNCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 469 0 0 0 469 Fev 566 0 0 0 566 Mar 766 0 0 0 766 Abr 719 0 0 0 719 Mai 723 0 0 0 723 Jun 597 0 0 0 597 Jul 521 0 0 0 521 Ago 524 0 0 0 524 Set 514 0 0 0 514 Out 585 0 0 0 585 Nov 532 0 0 0 532 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 6516 0 0 0 6516

14.1.10 – RECURSO S HUMANOS;

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 26 156 14 86 42 324

Janeiro
S e s a u P ró 3º

Fe vereiro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril

23 15 3 60 0 101

0 0 0 0 0 0

49 171 17 146 42 425

26 140 14 86 42 308

21 16 3 67 1 108

0 0 0 0 0 0

47 156 17 153 43 416

29 140 14 87 44 314

21 16 3 66 1 107

0 0 0 0 0 0

50 156 17 153 45 421

28 140 14 88 41 311

21 16 3 66 1 107

0 0 0 0 0 0

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agos to
T o t a l S e s a u P ró 3º

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

27 141 14 90 41 313

22 16 3 66 1 108

0 0 0 0 0 0

49 157 17 156 42 421

27 141 14 90 41 313

29 16 3 59 1 108

0 0 0 0 0 0

56 157 17 149 42 421

29 137 14 91 40 311

28 16 3 58 1 106

0 0 0 0 0 0

57 153 17 149 41 417

29 137 14 91 40 311

27 16 3 57 1 104

0 0 0 0 0 0

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 29 137 14 91 40 311

Se tem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Novem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

De zem bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

27 16 3 36 1 83

0 0 0 21 0 21

56 153 17 148 41 415

28 136 14 91 40 309

27 16 3 18 1 65

0 0 0 39 0 39

55 152 17 148 41 413

28 136 14 91 40 309

27 16 3 18 1 65

0 0 0 39 0 39

55 152 17 148 41 413

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

Observa-se nos meses de outubro e novembro a diminuição do número dos servidores contratados pela Pró Saúde devido as áreas de Higienização e Nutrição terem sido absorvidas pela empresa Litucera.

Página | 214

No decorrer do ano percebe-se a diminuição do número total de colaboradores sem substituição, este fato tem comprometido a continuidade dos trabalhos, devido a excassez de colaboradores para desempenhar funções em alguns setores específicos.

14.1.11 – NEP

CURSO Treinamento sobre Serviço de Verificação de Óbito e Declarção de Óbito Treinamento Projeto HIPP Recicle Treinamento sobre Anotações de Enfermagem Treinamento sobre Exame Físico Treinamento sobre Lavagem das Mãos Treinamento sobre Atribuições Enfermagem - COREN Integração dos Estagiários do Curso Técnico de Enfermagem Escola Estadual Frederico Treinamento sobre Atribuições DGES Curso de Atualização para Auxiliares e Técnicos de Enfermagem com Ênfase em Urgência e Emergência Curso Técnico em Hemoterapia TOTAL

NÚMERO DE PARTICIPANTES

CARGA HORÁRIA

TOTAL DE HORAS

14 15 37 30 23 20 5 13

02:00:00 01:00:00 01:30:00 2:00:00 2:00:00 2:40:00 1:00:00 02:30:00

28:00:00 15:00:00 55:30:00 60:00:00 46:00:00 53:20:00 5:00:00 32:30:00

7 4 168

40:00:00 48:00:00 102:40:00

280:00:00 192:00:00 767:20:00

Página | 215

TOTAL DE HORAS NÚMERO TOTAL DE COLABORADORES DO HOSPITAL HORAS/HOMEM

767:20:0 0 422 1:49:06

12 10 8 6 4 2 0 1

JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGOS SET OUT NOV

DADOS QUALITATIVOS

As ações de capacitação do Hospital Infantil Público de Palmas, no mês deNovembro 2012 apresentaram Redução no número de horas em relação ao mês anterior. Neste mês foram totalizadas 102h40min com a participação de 168 colaboradores/colaboradores.

14.1.12 – LOGÍST ICA

1.13. Estoque

Jan

Fev

Mar 68 68

Abr 90 90

Mai 92 92

Jun 87 87

Jul 58 58

Ago 93 93

Set 56 56

Out 81 81

Nov 99 99

TOTAL 1125 1125

82 1 3.1 Esto que em dias de co nsumo - M319 .1 . at/med 30 dias Total 319 82

Obs: O valor do estoque referente ao mês de janeiro, no sistema MV, não corresponde com o valor real, devido alguns custos médios elevados (tais como: hidrocortizona 100mg FR/AM valor:6,5615 no sistema 137,00) , devido estas alterações, forami revisados todos os cadastros do sistema MV e feitas as correções. No início de julho foi revisado o processo de baixa de produtos do setor SND, corrigidas falhas no processo e realizadas as devidas baixas de produtos já consumidos. Também foi realizado Página | 216

uma auditoria no estoque de não perecíveis que se encontrava armazenado no Estoque Regulador. No últimos dias do mês de agosto, chegaram pedidos não entregues nos meses de junho e julho por falta de pagamento aos fornecedores, referentes as áreas SHL e descartáveis do SND, por este motivo o estoque aumentou pois o mesmo ainda não teve tempo hábil para consumo. Observa-se uma oscilação nos níveis mensais de estoque, isto é devido a atrasos de entrega de fornecedores por problemas de pagamentos, onde os pedidos ficam retidos até a regularização das pendências financeiras. No dia 18 de setembro foi realizado o inventário dos materiais da área de Serviço de Higienização e Limpeza, documentado a entrega destes estoques para a SESAU através de Ata de Entrega de Estoque. No dia 04 de outubro foi realizado o inventário dos materiais da área de Serviço de Nutrição e Dietética, documentado a entrega destes estoques para a SESAU através de Ata de Entrega de Estoque.

14.1.13 – COR PO CLÍNICO Inaugurado em fevereiro de 2010, o Hospital Infantil de Palmas (HIP) é unidade estadual de referência no atendimento aos recém- nascidos, lactentes e crianças até 12 anos de idade, contando hoje com 58 leitos e as seguintes unidades: Sala de emergência com 04 leitos 02 consultórios (pediatria clínica e subespecialidades),

Enfermaria de cirurgia com 04 leitos

Serviços de apoio diagnóstico (ultrassonografia, radiologia, laboratório de análises clínicas)

Enfermarias de observação clínica do Pronto Consultório odontológico Socorro (PS) com 18 leitos

Enfermarias de isolamento com 09 leitos

Farmácia hospitalar

Página | 217

Enfermarias de clínicas pediátricas com 20 Brinquedoteca leitos

Centro cirúrgico pediátrico com 02 salas de cirurgia e 01 sala de recuperação pósanestésica

·

A equipe técnica é composta por:

12 pediatras (06 plantonistas do Pronto Socorro, 05 prescritores de enfermarias e 01 afastado por licença médica) 02 cirurgiões pediátricos. ·

Profissionais médicos de subespecialidades pediátricas: Oftalmologia Pneumologia Astroenterologia Reumatologia Neurologia e Neurocirurgia Otorrinolaringologia Infectologia Ortopedia Imunoalergia Cardiologia Nefrologia Hematologia Cirurgia Pediátrica Cardiologia Endocrinologia Imunoalergia Dermatologia Urologia Cirurgia Pediátrica Radiologia

Equipe multiprofissional (enfermagem, fisioterapia, fonoaudióloga, nutrição, psicologia, pedagogia, farmacêutica hospitalar e serviço social).

O ensino da especialidade pediátrica é exercido por preceptores do corpo clínico do HIPP e estendido aos 05 médicos residentes bem como aos alunos da graduação e internato dos cursos de medicina de 03 instituições (UFT, UNIRG e ITPAC Porto Nacional). Página | 218

A unidade de emergência do HIPP é equipada para funcionar inclusive como unidade de terapia intensiva, uma vez que a UTI pediátrica do HGP frequentemente não disponibiliza vagas, permanecendo por esta razão pacientes graves e até em ventilação mecânica por tempo prolongado. Sua área física é exígua para os 04 leitos em funcionamento, com taxa de ocupação completa na maioria das vezes.

O plantão do Pronto Socorro (PS) é realizado por 02 pediatras em turnos de 06, 12 ou 24 horas, sendo que o plantonista é responsável pelo atendimento dos pacientes da observação, emergência, pacientes externos (referenciados de outras unidades ou de demanda espontânea) e as intercorrências das enfermarias após a saída de seus prescritores. As cargas horárias são respectivamente de :

11 plantões mensais de 24 horas para jornadas de 60 horas semanais 07 plantões mensais de 24 horas para jornadas de 40 horas semanais 04 plantões mensais de 24 horas para jornadas de 20 horas semanais.

Os plantonistas do P.S atualmente são em número de 06, havendo um déficit de pelo menos 08 plantonistas com jornadas de 40 horas semanais. Para a composição da escala atualmente são necessários profissionais vindos do estado de São Paulo, integrantes de empresa contratada para suprir esta deficiência. Os plantões são pagos como extras, inclusive aos plantonistas do corpo clínico que já excederam sua carga horária, sendo que a remuneração atual é de R$ 2.000,00 (dois mil reais) em valor líquido, por 24 horas. O número de leitos disponíveis no Hospital é insuficiente para o atendimento da demanda, sendo que desde fevereiro do corrente ano tem ocorrido superlotação, havendo necessidade do improviso de leitos nos corredores, fato que gera grandes transtornos operacionais. Os 05 pediatras prescritores das enfermarias trabalham diuturnamente nos períodos matutinos prestando atendimento diferenciado a pacientes com patologias diversas e de grande complexidade, tais como pneumonias graves, calazar, e neuropatias crônicas. Por ser o HIPP um hospital de referência frequentemente ocorre a necessidade de permanência maior dos pacientes em regime de internação hospitalar, gerando-se desta forma altas taxas de ocupação dos leitos e cuidados especiais pela equipe multiprofissional.

Página | 219

O serviço de apoio diagnóstico prestado atualmente pelo laboratório de análises clínicas foi alterado para Posto de Coleta, devido a estrutura física imprópria segundo os padrões da Vigilância Sanitária. A nefrologia pediátrica encontra-se com demanda de atendimento reprimida, pois as crianças nefropatas crônicas não dispõem de serviço de diálise peritoneal e são transferidas via TFD para outros centros de referência com ônus adicional para o serviço público de saúde estadual. Diante do exposto recomenda-se:

1- Contratação imediata de 08 (cinco) pediatras com jornada de trabalho de 40 (quarenta) horas cada, para a composição da escala de plantão do P.S.

2- Ampliação dos atuais turnos de trabalho dos pediatras que atendem na Unidade de emergência de 06 horas para 12 horas diurnas visando-se uma melhor assistência aos pacientes graves e em risco de vida.

3- Ampliação da área física da atual Unidade de emergência do Hospital, uma vez que a referida unidade funciona como suporte da UTI Pediátrica do HGP quando ocorre indisponibilidade de leitos.

4- Reforma e ampliação da área física do atual laboratório de análises clínicas segundo os padrões e recomendações da Vigilância Sanitária, uma vez que as atuais instalações são impróprias e inadequadas.

5- Implantação do serviço de referência estadual em Nefrologia Pediátrica equipado para a realização de tratamento dialética das crianças nefropatas crônicas, em conformidade às recomendações encaminhadas pela nefropediatra Dra. Mirian Goreth Kzan Pereira Mace. No corpo clínico do HIPP existe uma médica pediatra contratada pelo regime CLT. No mês de novembro, 12 pediatras e 1 cirurgião pediátrico contratados pela empresa UTI Neonatal CR Serviços Médico Hospitalares S/S, prestaram serviços de plantões no HIPP. O valor gasto com a empresa de serviços médicos no mês de novembro totalizou R$ 77.667,81 (setenta e sete mil, seiscentos e sessenta e sete reais e oitenta e um centavos).

Página | 220

14. 2 – SAU

Serviço desativado em 30 de agosto de 2012.

14.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

A Pró Saúde atualmente está atuando nas áreas de logística e manutenção. O serviço de manutenção preventiva encontra-se inoperante e o serviço de manutenção corretiva está enfrentando muitas dificuldades. Existem muitos serviços urgentes a serem realizados no hospital, mas em decorrência da falta de crédito junto aos fornecedores e a exigência dos mesmos em pagamento a vista, tornou esta atividade bem crítica. Todo serviço de manutenção executado está sendo feito com o pagamento antecipado aos fornecedores. Em caráter emergencial, a Pró Saúde liberou recursos no montante de R$ 3.000,00 para a aquisição de itens de manutenção para a retomada das manutenções preventivas e corretivas. No mês de novembro foi realizado a Inventário Rotativo dos Estoques como uma forma de organização para o Inventário Geral de final de exercício que se realizará no mês de dezembro.

14.4 – FATURAMENTO
5. Faturamento 5.1 AIH 5.2 Valores Jan 175 81.319,4 Fev 272 110.922,7 Mar 353 164.141,8 Abr 253 126.673,2 Mai 256 124.420,4 Jun 263 125.250,53 Jul 236 109.124,04

5. Faturamento 5.1 AIH 5.2 Valores

Ago 262 110.525,82

Set 237 150.669,01

Out 263 133.001,12

Nov

Dez

Total

Média

Até o fechamento deste relatório, o setor de faturamento do hospital ainda não havia finalizado o trabalho de processar todos os documentos a serem faturados na competência novembro/2012. Como este setor não está mais ligado a gerência da Pró-Saúde, o faturamento não está seguindo a determinação de fechamento no primeiro dia útil do mês.

Página | 221

14.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS 14.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS 14.8 – COMISSÕES COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA
Não houve reunião da Comissão de Farmácia e Terapêutica em virtude do encerramento da discussão para a padronização de medicamentos no HIPP e os membros da Comissão estarem trabalhando na revisão da lista de medicamentos a serem padronizados.

COMISSÃO DE REVISÃO DE ÓBITOS
Reunião realizada dia 03/12/2012 em caráter ordinário. Pauta: _ Discussão de problema ocorrido com o preenchimento de prontuário de óbito _ Estatística

COMISSÃO DE REVISÃO DE PRONTUÁRIOS
Reunião ordinária realizada no dia 26 de novembro em caráter ordinário. Pauta: - Apresentação estatística dos prontuários revisados no mês de novembro. - Apresentação de gráfico com problemas detectados nos prontuários revisados. _ Problema relacionado ao grande índice de prontuários faltando o carimbo da equipe de enfermagem. Foram revisados 30% dos prontuários do mês de agosto. Foi apresentado o gráfico com problemas detectados nos prontuários do mês de outubro de 2012 e entregue a cada um dos membros para conhecimento das suas equipes.

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR
Reunião ordinária realizada dia 28 de novembro em caráter ordinário. Pauta: _ Melhoria da higienização; _ Apresentação das Normas do HIPP; Página | 222

_ Discussão para padronização das normas pelo Corpo Clínico.

COMISSÃO DE ÉTICA MÉDICA
Esta comissão está em fase de estruturação, ainda sem cronograma de reuniões ordinárias.

14.9 – OUTRAS INFORMAÇÕES; 14.9.2 CONSULTORIA 14.9.3 INTERAÇÃO COM A COMUNIDADE
O Hospital Infantil de Palmas aderiu a campanha de prevenção de câncer de próstata e prevenção de diabetes “NOVEMBRO AZUL”. Realizado evento educativo e preventivo com os acompanhantes e profissionais do HIPP, abordando os temas: Câncer de Próstata e Diabetes Mellitus. Em virtude de nosso público alvo serem crianças e a maioria das acompanhantes serem do sexo feminino a Equipe de Enfermagem promoveu a realização da verificação de glicemia, aferição de PA e entrega de folders educativos sobre o câncer de próstata, enfatizando a importância da conscientização quanto a realização do exame preventivo de próstata.

Página | 223

Banner da campanha

Página | 224

Página | 225

PALAVRA DO DIRETOR DO HOSPITAL

No mês de novembro, como nos meses anteriores, enfrentamos muitas dificuldades na realização de exames diagnósticos que não são realizados no hospital, os fornecedores somente realizam os exames mediante pagamento antecipado, fato que tem causado transtornos internos junto a equipe médica e aumentando o tempo de permanência do paciente internado. Conforme já citado anteriormente, serviço de manutenção preventiva encontra-se inoperante e o serviço de manutenção corretiva está enfrentando muitas dificuldades. Existem muitos serviços urgentes a serem realizados no hospital, mas em decorrência da falta de crédito junto aos fornecedores e a exigência dos mesmos em pagamento a vista, tornou esta atividade bem crítica. Mesmo fornecedores que já foram regularizados não estão concedendo crédito. Esta situação foi minimizada em parte, pela liberação emergencial por parte da Pró Saúde de R$ 3.000,00 para a aquisição de itens de manutenção. Página | 226

Outra dificuldade enfrentada e que vem se acentuando é a pressão por parte da Direção do Estado, para que sejam executadas ações que demandam investimentos. Investimentos em estrutura física e equipamentos não estão sendo realizados pelo fato do Estado ter repassado somente parte dos valores contratuais previstos no Anexo V, do Contrato de Gerenciamento dos Hospitais Públicos do Estado do Tocantins. Com a instabilidade do projeto e a falta de definições de datas de encerramento, alguns funcionários CLT encontram-se desmotivados e em alguns casos, apresentando problemas de insubordinação. Estes fatos tem causado desgaste em toda a equipe e neste momento, necessitamos fazer uma revisão do quadro de funcionários CLT, de forma a garantir a continuidade do serviço com qualidade e tranquilidade. No mês de outubro, por negociação verbal do Diretor Técnico do HIPP com ex- Secretário de Saúde Sr. Luis Fernando, foi reduzida a carga horária dos médicos estatutários, contrariando Portaria nº 132/2010, emitida pela SESAU em 07/07/2010, a qual disciplina o número de plantões a serem realizados. Também por esta negociação, esta diferença de plantões foi cobrada através de plantões extras na empresa contratada para prestação de serviços médicos na especialidade pediatria. Este impasse permaneceu no mês de novembro cujo valor que foi repassado para pagamento via empresa terceirizada desta diferença de plantões totalizou R$ 19.500,00 (dezenove mil e quinhentos reais). Como este pagamento não foi autorizado pela Pró Saúde, já existe um descontentamento por parte dos profissionais médicos estatutários lotados no HIPP, fato este que ocasionará brevemente inúmeros transtornos se não for resolvido com rapidez. Apesar de todos os contratempos que estamos enfrentando diariamente, destaco o trabalho da Gerência de Enfermagem do HIPP, funcionário Pró Saúde, que tem realizado inúmeros trabalhos e treinamentos com a equipe de enfermagem do hospital. Listo a seguir alguns eventos: Capacitação sobre Aspectos Éticos e Legais da Anotação de Enfermagem, capacitação sobre a importância da Implantação da Sistematização da Assistência de Enfermagem, dimensionamento de recursos humanos em enfermagem do HIPP, capacitação em Urgência e Emergência. Estas ações evidenciam o comprometimento da Pró Saúde com a qualidade do trabalho desenvolvido no hospital.

Página | 227

2.15 HOSPITA L REGIONA L PÚBLICO DE AR AGUAÇ U 2.15.1 METAS CONTRATUAIS

15.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
15. 1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Le itos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 11 9 4 4 0 0 0 0 0 0 28 Fev 11 9 4 4 0 0 0 0 0 0 28 Mar 11 9 4 4 0 0 0 0 0 0 28 Abr 11 9 4 4 0 0 0 0 0 0 28 Mai 11 9 4 4 0 0 0 0 0 0 28 Jun 11 9 4 4 0 0 0 0 0 0 28 Jul 11 9 4 4 0 0 0 0 0 0 28 Ago 11 9 4 4 0 0 0 0 0 0 28 Set 11 9 4 4 0 0 0 0 0 0 28 Out 11 9 4 4 0 0 0 0 0 0 28 Nov 11 9 4 4 0 0 0 0 0 0 28 De z 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 121 99 44 44 0 0 0 0 0 0 308

O hospital não apresenta nenhuma variação no quadro de leitos, permanecendo assim, o mesmo quantitativo disposto no CNES (Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde).

15.1.2 – Nº. DE I NTERNAÇÕES POR ESPE CIALIDADE;
1.2. Internações por Espe cialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 126 18 1 9 0 0 0 0 0 0 154 Fev 108 21 0 7 0 0 0 0 0 0 136 Mar 131 26 1 13 0 0 0 0 0 0 171 Abr 141 32 1 15 0 0 0 0 0 0 189 Mai 131 27 4 9 0 0 0 0 0 0 171 Jun 71 23 3 16 0 0 0 0 0 0 113 Jul 88 9 0 9 0 0 0 0 0 0 106 Ago 78 8 5 11 0 0 0 0 0 0 102 Set 95 16 6 9 0 0 0 0 0 0 126 Out 75 19 0 12 0 0 0 0 0 0 106 Nov 84 8 4 6 0 0 0 0 0 0 102 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 1128 207 25 116 0 0 0 0 0 0 1476

Página | 228

15.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade Jan 128 10 1 9 0 0 0 0 0 0 148 Fev 105 10 0 9 0 0 0 0 0 0 124 Mar 129 29 1 13 0 0 0 0 0 0 172 Abr 136 32 1 20 0 0 0 0 0 0 189 Mai 138 31 3 11 0 0 0 0 0 0 183 Jun 72 27 5 15 0 0 0 0 0 0 119 Jul 81 11 0 10 0 0 0 0 0 0 102 Ago 79 9 6 9 0 0 0 0 0 0 103 Set 85 15 6 11 0 0 0 0 0 0 117 Out 77 21 1 11 0 0 0 0 0 0 110 Nov 84 8 4 4 0 0 0 0 0 0 100 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 1114 203 28 122 0 0 0 0 0 0 1467

15.1.4 – PERCENTU AL DE OCUPAÇÃO PO R CLÍNI CA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Infantil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Jan 91% 16% 3% 6% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Fev Mar Abr Mai 93% 34% 6% 11% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jun 45% 17% 23% 10% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Jul 60% 8% 0% 9% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Ago 60% 5% 6% 10% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Set 70% 13% 8% 13% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Out 47% 16% 17% 23% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Nov 62% 8% 13% 8% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 806% 188% 86% 123% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

73% 100% 105% 21% 2% 9% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 24% 2% 12% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 26% 6% 12% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

15.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;
1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Infantil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência Jan 2,42 4,6 4 0,78 0 0 0 0 0 0 2,95 Fev 2,21 5,5 0 1,11 0 0 0 0 0 0 2,2 Mar 2,65 2,31 2 1,15 0 0 0 0 0 0 2,02 Abr 2,54 2,16 7 0,7 0 0 0 0 0 0 3,1 Mai 2,29 3,06 2,33 1,27 0 0 0 0 0 0 2,23 Jun 2,06 1,74 5,4 0,8 0 0 0 0 0 0 2,5 Jul 2,54 1,91 0 1,1 0 0 0 0 0 0 1,85 Ago 2,59 1,67 1,33 1,33 0 0 0 0 0 0 1,73 Set 2,71 2,27 1,67 1,45 0 0 0 0 0 0 2,02 Out 2,08 2,19 21 2,45 0 0 0 0 0 0 6,92 Nov 2,44 2,63 3,75 2,25 0 0 0 0 0 0 2,77 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 26,53 30,04 48,48 14,39 0 0 0 0 0 0

Página | 229

15.1.6 – VOLUME CI RURGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 4 2 6 Fev 1 1 2 Mar 5 3 8 Abr 6 4 10 Mai 3 4 7 Jun 7 5 12 Jul 3 0 3 Ago 4 9 13 Set 3 9 12 Out 1 3 4 Nov 3 6 9 Dez 0 0 0 TOTAL 37 46 86

15.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 0 2 0 2 2 6 Fev 0 1 0 0 1 2 Mar 0 3 1 0 4 8 Abr 0 4 0 2 4 10 Mai 0 2 2 0 3 7 Jun 0 11 1 0 0 12 Jul 0 3 0 0 0 3 Ago 0 5 8 0 0 13 Set 0 6 6 0 0 12 Out 0 3 0 0 0 3 Nov 0 9 0 0 0 9 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 0 49 18 4 14 85

15.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Jan 5 2 0 Fev 4 1 0 Mar 5 4 0 Abr 3 4 0 Mai 6 3 0 Jun 4 7 0 Jul 3 3 0 Ago 4 4 0 Set 3 3 0 Out 7 2 0 Nov 1 3 0 Dez 0 0 0 TOTAL 45 36 0

Página | 230

15. 1.7 – SADT’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Jan Fev Mar Abr Mai Jun 1144 0 242 0 108 0 0 0 0 19 0 0 0 0 0 0 0 0 Jul 1584 0 185 0 72 0 0 0 0 104 0 0 0 0 0 0 0 0 Ago 1975 0 216 0 125 0 0 0 0 91 0 0 0 0 0 0 0 0 Set 0 0 240 0 122 0 0 0 0 88 0 0 0 0 0 0 0 0 Out Nov 0 1000 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 213 0 129 0 0 0 0 62 0 0 0 0 0 0 0 0 De z 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 13528 0 2130 0 1024 0 0 0 0 882 0 0 0 0 0 0 0 0

1310 1413 1598 1596 1908 0 274 0 102 0 0 0 0 112 0 0 0 0 0 0 0 0 0 262 0 110 0 0 0 0 102 0 0 0 0 0 0 0 0 0 289 0 101 0 0 0 0 103 0 0 0 0 0 0 0 0 0 161 0 103 0 0 0 0 107 0 0 0 0 0 0 0 0 0 48 0 52 0 0 0 0 94 0 0 0 0 0 0 0 0

- O Expectofotrômetro do laboratório está quebrado desde setembro, justificando a queda no número de exames realizados.
15. 1.8 – AMB ULATÓRIO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 0 0 0 0 0 Fev 0 0 0 0 0 Mar 0 0 0 0 0 Abr 0 0 0 0 0 Mai 0 0 0 0 0 Jun 0 0 0 0 0 Jul 0 0 0 0 0 Ago 0 0 0 0 0 Set 0 0 0 0 0 Out 0 0 0 0 0 Nov 0 0 0 0 0 Dez 0 0 0 0 0 TOTAL 0 0 0 0 0

Não há atendimento ambulatorial.
15. 1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov De z 0 0 0 0 0 TOTAL 14111 3192 330 0 17633

1327 1185 1279 1441 1430 1229 1292 1252 1228 1219 1229 891 49 0 714 80 0 893 74 0 596 62 0 98 65 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

2267 1979 2246 2099 1593 1229 1292 1252 1228 1219 1229

Página | 231

15. 1.10 – REC URSOS HU MANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 18 56 10 6 7 97 Jane iro
S e s a u P ró 3º

Fe vere iro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o tal

18 0 1 20 0 39

0 0 4 0 0 4

36 56 15 26 7 140

23 55 10 6 7 101

18 1 1 19 0 39

0 0 0 0 0 0

41 56 11 25 7 140

23 55 10 6 7 101

18 1 1 19 1 40

0 0 0 0 0 0

41 56 11 25 8 141

20 55 9 8 7 99

22 1 1 20 1 45

0 0 0 0 0 0

42 56 10 28 8 144

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agos to
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

16 55 9 11 7 98

14 1 1 34 1 51

0 0 0 0 0 0

30 56 10 45 8 149

17 55 9 11 7 99

14 1 1 34 1 51

0 0 0 0 0 0

31 56 10 45 8 150

17 55 9 11 7 99

14 1 1 34 1 51

0 0 0 0 0 0

31 56 10 45 8 150

17 55 9 11 7 99

14 1 1 34 1 51

0 0 0 0 0 0

31 56 10 45 8 150

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 17 55 9 11 7 99

Se te m bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Nove m bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

De ze m bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

14 1 1 20 1 37

0 0 0 12 0 12

31 56 10 43 8 148

17 55 9 11 7 99

14 1 1 14 1 31

1 0 0 18 0 19

32 56 10 43 8 149

17 55 9 11 7 99

14 1 1 14 1 31

1 0 0 18 0 19

32 56 10 43 8 149

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

15.1.11 – NEP 15. 1.12 – LOGÍSTICA
1.13. Estoque Jan Fev 106,6 Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0,0 0,0 TOTAL 1222,2 1222,2

137,0 1 3.1 Esto que em dias de co nsumo - M at/med 30 dias .1 . Total

32,5 82,2 32,5 82,2

63,9 168,0 103,0 128,0 63,9 168,0 103,0 128,0

78,0 145,0 178,0 78,0 145,0 178,0

137,0 106,6

- Os valores de saída de materiais e medicamentos por setor e por paciente se mantem na média, no entanto os estoques aumentam em virtude do atraso de alguns pedidos e o recebimento de empréstimos da SESAU.
15. 1.13 – COR PO CLÍNICO

Página | 232

15.2 - SAU 15.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS · · · · · · · · · · Realizado Plano de Investimento e contemplando todos os setores do hospital. Aguardando apenas as cotações da Central de Compras para encaminhá-lo a SESAU; Aplicação do RAG básico no hospital; Liberado a Certidão de Responsabilidade Técnica da Farmácia; Comemoração dos aniversariantes do mês; Criado comissão para a realização da confraternização de fim de ano; Homologação das rescisões dos colaboradores do SHL, SPR e SND; Ida a Caixa Econômica Federal de São Miguel do Araguaia para viabilizar e agilizar a liberação do FGTS dos colaboradores dispensados; Decoração natalina em todo o hospital; Inventário rotativo; Cadastramento no portal de compras para liberação dos pedidos de compras.

15.4 – FATURAMENTO
4. Faturamento 4.1 - AIH (Quantitativo) 4.2 - Valores (em reais) Jan 132 Fev 69 Mar 174 Abr 180 Mai 173 Jun 155 Jul 105 Ago 120 Se t 66 Out 118

52.942,6 26.072,0 61.137,7 57.754,3 59.948,6 42.735,3 32.794,5 31.987,5 22.901,1 38.313,5

O faturamento de novembro ainda não foi fechado, no entanto em outubro foram apresentadas 118 laudos de internação e 89 ficaram retidas por falta de preenchimento médico.

15.6 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS ·
·

Revestimento no telhado da cozinha para evitar a entrada de água pela coifa;
Revestimento com azulejo na parede da cozinha;

15.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS
· · · Armários guarda-roupas de 04 e 08 portas em aço; Arquivos de aço com 04 gavetas para pastas suspensas; E armários de aço com 02 portas e 04 prateleiras; Página | 233

15.8 – COMISSÕES
Em virtude da falta de profissionais (médicos, enfermeiros, farmacêuticos e outros), de escalas de trabalho dedicadas a assistência ao paciente e apesar de todos os esforços desta direção, não conseguimos dar continuidade as atividades das comissões de Farmácia e Terapêutica, CCIH, Revisão de Prontuário e Revisão de Óbitos.

15.9 – OUTRAS INFORMAÇÕES

PALAVRA DO DIRETOR DO HOSPITAL Neste mês realizamos o inventário rotativo e iniciamos os preparativos para o Inventário Geral em Dezembro. Conseguimos tirar a CRT da Farmacêutica em nome da Pró-Saúde, o que irá facilitar a aquisição de medicamento e materiais pela Central de Compras. A interação com o Diretor da SESAU e as Gerências do Hospital tem propiciado uma clima amistoso dentro da instituição e viabilizado a implantação de alguns processos, rotinas e gestão dos processos de compras, insumos e manutenção predial.

Página | 234

2.16 HOSPITA L REGIONA L PÚBLICO DE AR APOEMA 2.16.1 METAS CONTRATUAIS

16.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO
16. 1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Le itos por Especialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 9 4 5 6 0 0 0 0 0 0 24 Fev 9 4 5 6 0 0 0 0 0 0 24 Mar 9 4 5 6 0 0 0 0 0 0 24 Abr 9 4 5 6 0 0 0 0 0 0 24 Mai 9 4 5 6 0 0 0 0 0 0 24 Jun 9 4 9 6 0 0 0 0 0 0 28 Jul 9 4 9 6 0 0 0 0 0 0 28 Ago 9 4 9 6 0 0 0 0 0 0 28 Set 9 4 9 6 0 0 0 0 0 0 28 Out 9 4 9 6 0 0 0 0 0 0 28 Nov 9 4 9 6 0 0 0 0 0 0 28 De z 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 99 44 79 66 0 0 0 0 0 0 288

COMENTÁRIO: Conseguimos o aumento no cadastro de leitos, pois possuíamos 24 leitos cadastrados e fisicamente 28 leitos efetivos em funcionamento, agora são 28 cadastrados, que ficaram divididos em 9 - Leitos de Clínica Médica (sendo 1 Isolamento), 9 - Leitos Cirúrgicos, 6 - Obstétricos e 4 – Pediátricos.

16. 1.2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ES PECIA LIDADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 99 18 24 13 0 0 0 0 0 0 154 Fev 89 20 36 13 0 0 0 0 0 0 158 Mar 78 30 39 10 0 0 0 0 0 0 157 Abr 64 29 31 15 0 0 0 0 0 0 139 Mai 84 30 32 7 0 0 0 0 0 0 153 Jun 70 27 23 14 0 0 0 0 0 0 134 Jul 36 11 15 5 0 0 0 0 0 0 67 Ago 36 23 17 8 0 0 0 0 0 0 84 Set 72 9 9 9 0 0 0 0 0 0 99 Out 60 20 8 7 0 0 0 0 0 0 95 Nov 51 13 27 6 0 0 0 0 0 0 97 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 739 230 261 107 0 0 0 0 0 0 1337

COMENTÁRIO: Analisando os dados referentes ao ano de 2012 conforme demonstra os dados estatísticos podemos verificar que desde julho tivemos uma queda significativa em relação aos demais meses.

Página | 235

16.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALI DADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 88 21 22 10 0 0 0 0 0 0 141 Fev 88 20 36 11 0 0 0 0 0 0 155 Mar 82 26 38 11 0 0 0 0 0 0 157 Abr 71 27 24 11 0 0 0 0 0 0 133 Mai 70 23 27 8 0 0 0 0 0 0 128 Jun 68 33 22 14 0 0 0 0 0 0 137 Jul 36 11 16 5 0 0 0 0 0 0 68 Ago 35 19 18 7 0 0 0 0 0 0 79 Set 65 8 1 8 0 0 0 0 0 0 82 Out 39 18 13 6 0 0 0 0 0 0 76 Nov 63 13 26 6 0 0 0 0 0 0 108 Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 TOTAL 705 219 243 97 0 0 0 0 0 0 1264

COMENTÁRIO:

Analisando os dados de 2012, pode-se verificar que existe uma queda considerável de

pacientes saídos do mês de julho adiante.

16.1.4 – PERCENTU AL DE OCUPAÇÃO PO R CLÍNI CA;
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Inf antil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação Jan 81% 29% 33% 10% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 44% Fev 73% 38% 56% 14% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 49% Mar 65% 53% 65% 11% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 50% Abr 58% 46% 47% 10% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 42% Mai 57% 37% 63% 6% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 42% Jun 55% 47% 22% 15% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 35% Jul 35% 15% 13% 6% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 19% Ago 31% 39% 19% 9% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 25% Set 63% 15% 1% 7% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 21% Out 48% 9% 10% 6% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 27% Nov 40% 20% 27% 6% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 25% Dez 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% TOTAL 607% 348% 354% 100% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

COMENTÁRIO: As informações estatísticas anteriores como internações e saídos por especialidade já denotam o resultado no percentual de ocupação onde houve uma queda também significativa, a ocupação caiu para menos da metade analisando os dados anteriores.

Página | 236

16.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA;

1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Inf antil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência

Jan 2,57 1,71 2,32 1,8 0 0 0 0 0 0 2,35

Fev 2,17 2,2 2,25 2,18 0 0 0 0 0 0 2,19

Mar 2,21 2,54 2,66 1,91 0 0 0 0 0 0 2,35

Abr 2,21 1,96 3,04 1,64 0 0 0 0 0 0 2,26

Mai 2,29 2 3,59 1,38 0 0 0 0 0 0 2,45

Jun 2,33 1,81 2,68 2,08 0 0 0 0 0 0 2,24

Jul 2,69 1,73 2,25 2,4 0 0 0 0 0 0 2,41

Ago 2,42 2,53 2,89 2,29 0 0 0 0 0 0 2,54

Set 2,63 2,25 2 1,63 0 0 0 0 0 0 2,04

Out 2,13 2,89 2,38 1,5 0 0 0 0 0 0 2,12

Nov 1,78 1,71 2,57 1,83 0 0 0 0 0 0 1,98

Dez 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL 25,43 23,33 28,63 20,64 0 0 0 0 0 0

COMENTÁRIO: A média de permanência se mantém sem alterações considerando que são as mesmas patologias que estão sendo atendidas pela unidade.

16.1.6 – VOLUME CI RÚRGICO
16.1.6.1 – Nº de Cirurgias de Urgência; 16.1.6.2 – Nº de Cirurgias eletivas;

1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias

Jan 1 24 25

Fev 3 40 43

Mar 2 44 46

Abr 0 37 37

Mai 1 32 33

Jun 1 24 25

Jul 0 18 18

Ago 1 22 23

Set 0 19 19

Out 1 12 13

Nov 3 26 29

Dez 0 0 0

TOTAL 13 298 311

COMENTÁRIO: O Hospital tem uma autoclave grande que está quebrada há mais de 3 meses e uma pequena que não tem capacidade de esterilizar o volume de materiais que atende a cirurgias. Ainda na Gestão da PróSaúde foram confeccionados 23 kits contendo instrumentais cirúrgicos e campos operatórios para realização das cirurgias eletivas, que são enviados para Hospital Regional Público de Araguaína para esterilizar. Na Gestão da Pró-Saúde, as cirurgias eram realizadas em dois finais de semana o que não acontece atualmente. A Anestesiologista não atua mais fazendo sua escala em dois finais de semana no mês e consequentemente o cirurgião geral contratado pela Pró-Saúde só tem operado uma vez por mês, cumprindo sua carga horária realizando atendimentos ambulatoriais para cirurgias eletivas.

Página | 237

16.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan 1 20 3 0 1 25 Fev 9 25 5 0 4 43 Mar 2 10 29 0 5 46 Abr 4 19 14 0 0 37 Mai 3 25 5 0 0 33 Jun 6 14 1 0 4 25 Jul 5 13 0 0 0 18 Ago 4 10 4 0 5 23 Set 8 10 1 0 0 19 Out 2 11 0 0 0 13 Nov 0 22 4 0 3 29 Dez 0 0 0 0 0 0 TOTAL 44 179 66 0 22 311

COMENTÁRIO: A unidade começou a realizar as cirurgias eletivas em outubro de 2011, após a contratação de um cirurgião geral. Os leitos do hospital continuam ociosos, caberia intensificar as cirurgias.
16.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.3. Número de Partos 1.6.3.1. Normal 1.6.3.2. Cesáreas 1.6.3.3. Outros Média Geral de Partos Jan 1 0 0 1 Fev 4 0 0 4 Mar 5 0 0 5 Abr 7 1 0 8 Mai 3 5 0 8 Jun 7 4 0 11 Jul 3 2 0 5 Ago 3 5 0 8 Set 7 1 0 8 Out 0 2 0 2 Nov 2 3 0 5 Dez 0 0 0 0 TOTAL 42 23 0 65

16.1.7 – SADT’S (DESCREVER VOLUME PRODUZIDO POR EXAME)

1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico 1.7.19 Outros ( especificar) Total

Jan 1015 18 77 0 0 0 0 0 0 70 0 0 0 0 0 3 0 0 0

Fev

Mar

Abr 827 6 155 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Mai 989 14 183 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Jun 785 10 172 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 967

Jul 303 10 133 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 446

Ago 196 14 120 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Set 872 10 189 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Out 137 5 181 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 323

Nov 705 2 219 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 926

De z 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

TOTAL 7862 117 1697 0 0 0 0 0 0 120 0 0 0 0 0 6 0 0 0 9802

961 1072 22 60 0 0 0 0 0 0 37 0 0 0 0 0 3 0 0 0 6 208 0 0 0 0 0 0 13 0 0 0 0 0 0 0 0 0

1183 1083 1299

988 1186

330 1071

COMENTÁRIO: Ressaltamos que a prestadora V.C do Prado continua atendendo, considerando o contrato feito pela Pró-Saúde no valor de R$ 2.500,00 para oferecer cobertura em forma de sobreaviso durante 24h/dia à Página | 238

unidade. Dos municípios referenciados, somente Arapoema está sendo atendido. Pau D´arco e Bernardo Sayão continuam aguardando o contrato com a SESAU, conforme oficio 03/2012 recebido em 04/04 da Sra Vanessa Prado proprietária do Laboratório Bioclínico informando a suspensão de exames laboratoriais. Lembrando que até os dias atuais nada foi resolvido em relação ao Laboratório V.C.DO.PRADO que continua prestando serviços à unidade, apesar de seu contrato vencido em 06/06/2012.

16. 1.8 – AMB ULATÓRIO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 21 0 0 0 21 Fev 52 0 0 0 52 Mar 61 0 0 0 61 Abr 82 0 0 0 82 Mai 59 0 0 0 59 Jun 59 0 0 0 59 Jul 54 0 0 0 54 Ago 44 0 0 0 44 Set 70 0 0 0 70 Out 4 0 0 0 4 Nov 47 0 0 0 47 De z 0 0 0 0 0 TOTAL 553 0 0 0 553

COMENTÁRIO: No mês de Novembro, o cirurgião geral realizou 15hs de avaliação cirúrgica, por isso o quantitativo comparado ao mês de outubro.
16. 1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 1139 0 0 0 1139 Fev Mar Abr Mai Jun 930 0 0 0 930 Jul 912 0 0 0 912 Ago 797 0 0 0 797 Set Out Nov De z 0 0 0 0 0 TOTAL 10338 399 95 20 10852

956 1114 0 0 0 0 0 0

376 1101 399 95 20 0 0 0

928 1022 1063 0 0 0 0 0 0 0 0 0

956 1114

890 1101

928 1022 1063

COMENTÁRIO: O PSF – Programa de Saúde da Família do Munícipio continua com apenas uma equipe, segundo a população e confirmação do Secretário Executivo Dr. Gastão em visita técnica no dia 22/08 em nosso Hospital. A população continua procurando o serviço de Urgência e Emergência, porém os médicos que estão de plantão no Hospital estão fazendo uma triagem com os usuários. Somente após avaliação médica o usuário é encaminhado para fazer a ficha de atendimento e, caso não seja atendimento de urgência e emergência, os usuários estão sendo referenciados para o PSF. O médico da única equipe de PSF, Dr. Ricardo Magno, Diretor Técnico do Hospital, nas quintas-feiras trabalha simultaneamente nas 2 unidades, atendendo os pacientes do PSF no Hospital.

Página | 239

16. 1.10 – REC URSOS HU MANOS
1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 18 39 8 0 8 73 Janeiro
S e s a u P ró 3º

Fe vere iro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Março
T o t a l S e s a u P ró 3º T o t a l S e s a u P ró

Abril
3º T o tal

24 4 0 21 1 50

3 0 0 0 0 3

45 43 8 21 9 126

19 39 8 0 8 74

30 5 0 21 1 57

3 0 0 0 0 3

52 44 8 21 9 134

19 39 8 0 8 74

30 4 0 21 1 56

5 0 0 0 0 5

54 43 8 21 9 135

19 39 8 0 8 74

30 4 0 20 1 55

5 0 0 0 0 5

54 43 8 20 9 134

1.10. Recursos Humanos
S e s a u P ró

Maio

Junho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Julho
T o t a l S e s a u P ró 3º

Agos to
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

19 39 8 0 9 75

32 5 0 20 1 58

5 0 0 0 0 5

56 44 8 20 10 138

19 39 8 0 9 75

31 5 0 20 1 57

5 0 0 0 0 5

55 44 8 20 10 137

19 39 8 0 9 75

31 5 0 20 1 57

5 0 0 0 0 5

55 44 8 20 10 137

19 39 8 0 9 75

31 4 0 20 1 56

5 43 0 0 0 5

55 86 8 20 10 136

1.10. Recursos Humanos 1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total 19 39 8 0 9 75

Setem bro
S e s a u P ró 3º

Outubro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Nove m bro
T o t a l S e s a u P ró 3º

Deze m bro
T o t a l S e s a u P ró 3º T o tal

31 4 0 8 1 44

5 0 0 0 0 5

55 43 8 8 10 124

19 39 8 0 9 75

26 4 0 2 1 33

0 0 0 5 0 5

45 43 8 7 10 113

24 40 8 0 9 81

25 4 0 2 1 32

5 0 0 0 0 5

54 44 8 2 10 118

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

COMENTÁRIO: No período de 01 a 30 de Novembro de 2012, tivemos em nosso quadro funcional, 06 (cinco) servidores de férias, 01 (um) licença maternidade e 01 (um) licença médica, e 11 (onze) atestados de diversos setores.

16. 1.12 – LOGÍSTICA

1.13. Estoque
1 3.1 Estoque em dias de co nsumo - M at/med 30 dias .1 .

Jan

Fe v

Mar

Abr 0,0

Mai 0,0 0,0

Jun

Jul

Ago

Set

Out

Nov

Dez 0,0 0,0

TOTAL 737,4 737,4

0,0 146,6 121,1 136,0 166,0 167,7 0,0 146,6 121,1 136,0 166,0 167,7

Total

0,0

0,0

0,0

0,0

COMENTÁRIO:

Página | 240

16. 1.13 – COR PO CLÍNICO

·

Estamos com um 1 profissional médico de férias e 1 de licença médica, sendo que um profissional não chegou a fazer parte da escala médica, pois, já foi lotado na unidade de licença;

16.3 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

ENFERMAGEM
·

No dia 08/11 foi nomeada no Diário Oficial a Supervisora de Enfermagem Silvana Silva Santos, servidora estatutária que iniciou sua prestação de serviço no Hospital a partir do dia 12/11 assumindo o cargo de Coordenação de Enfermagem, que até então o Enfermeiro Robson Albuquerque, funcionário CLT, respondia pela função e seguindo a Resolução COFEN 302/2005 Artigo 2 e 4 Inciso II ressalta a importância e cancelamento do cancelamento de RT (Responsabilidade Técnica) o qual o mesmo protocolou no COREN da cidade de Palmas no dia 19/11 a baixa da sua RT, foi dado inicio a transição de todas as informações pertinentes ao cargo.

·

Foi realizada uma capacitação especifica a Coordenadora de Enfermagem da SESAU Enfermeira Silvana da Silva Santos sobre Confecção de Escalas de Serviço, capacitação esta realizada a pedido da mesma.

·

Foi Realizada uma reunião no dia 29/11/2012 as 16:00hs, convocada pela nova Coordenadora de Enfermagem da SESAU a Enfermeira Silvana da Silva Santos, A Diretora da SESAU Cirleth Shirlei de Paula Silva, três enfermeiros Assistenciais e o Gerente de Enfermagem Pró Saúde Robson Albuquerque. A Coordenadora Silvaba apresentou sua proposta e forma de trabalho aos demais assim como a Diretora Cirleth Shirlei de Paula Silva , foram tratados assuntos pertinentes à escala de final de ano, férias, posturas no ambiente de trabalho entre outros assuntos.

·

Foi proposto pelo Gerente de Enfermagem Robson Albuquerque, funcionário CLT, na reunião um programa de capacitação e/ou treinamento durante a realização dos plantões a toda Equipe de Enfermagem de forma que o servidor não necessitasse se deslocar de sua residência até a unidade para participação, de forma que obtivéssemos 100% da equipe treinada neste modelo, tendo em vista que o mesmo estando de plantão participara dos treinamentos. Foi solicitado da Coordenadora Silvana que montasse uma planilha com os temas propostos as capacitações e/ou treinamentos e fosse repassado ao Gerente Robson para que possa ser montada as aulas para dar inicio as capacitações ainda no mês de Dezembro. Página | 241

LOGISTICA
· ·

Realizado inventario – Fechamento do Projeto. Esta sendo realizado no primeiro horário e no final do expediente a consolidação dos dados no sistema MV. Os materiais e medicamentos que estão próximos a vencer foram disponibilizados a outros Hospitais da rede e os que tiveram interesse foram remanejados almejando não ter perdas no estoque de mat/med;

·

·

Os pedidos de compra de insumos estão sendo feitos diretamente no portal de compras da PróSaúde, e são liberados somente com a autorização do Sr. Francisco Ricardo Ruys, exceto os gêneros alimentícios perecíveis e materiais de manutenção que estamos adquirindo via Hospital, mas também com a autorização da Diretora Geral da Pró Saúde e Diretoria do Estado.

·

O processo de compra está sendo montado, lançado no sistema MV todas as notas fiscais e as mesmas são encaminhadas ao setor financeiro do Hospital que posteriormente encaminha ao escritório da Pró Saúde em Palmas, junto com a nota fiscal e o espelho da entrada no sistema MV;

· ·

No mês de Novembro, o Hospital não adquiriu nenhum bem mobilizado; Estão sendo enviadas ao Escritório da Pró Saude em Palmas, cópias das notas fiscais e os relatórios entrada de produto e resumo da entrada de produtos por espécie, quinzenalmente.

DEPARTAMENTO DE PESSOAL
· No mês de Novembro tivemos os seguintes atestados dos colaboradores CLT, nas equipes relacionadas: 1 Supervisora do SPP, 1 Supervisora do Departamento Pessoal, 1 Técnico Segurança do Trabalho; · · · No mês de Novembro os servidores estatutários nas equipes relacionadas: 4 atestados de Auxiliar de Enfermagem, 01 Enfermeiro, 2 Técnicos de Enfermagem, 01 Assistente Serviço de Saúde; No mês de Novembro, os seguintes servidores estatutários estavam de férias: 2 servidores da Radiologia, 1 Médica, 1 Psicóloga, 1 Técnico de Enfermagem e 1 Auxiliar de Enfermagem. No dia 08/11 foi publicado no Diário Oficial a nomeação da gerente de RH Adelice de Souza Lima, a gerente do Núcleo de Educação Permanente Jeane da Silva Morais, a Supervisora Administrativa Iara Silva de Freitas Borges, a Gerente de Logística katianne Ferro de Moura, a Gerente de Atendimento Gilcelly Batista de Aguiar Araújo, o Gerente de Transporte Emerson Bezerra da Silva, a Supervisora de Enfermagem Silvana Silva Santos. Página | 242

16.4 – IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS
· Não houve nenhuma implantação.

16.5 – FATURAMENTO
5. Faturamento 5.1 - AIH 5.2 - Valores Abr 205 82.994,69 Mai 136 49.471,56 Jun 164 66994,5 Jul 70 27508,3 Agosto 112 48559,3 Setembro 73 28759,8 Outubro 75 28617,5 Novembro 94 0,0 TOTAL 943 368797,7

COMENTÁRIO: Toda a diminuição no volume de atendimentos, internações reflete na produção da unidade e consequentemente no faturamento é o que podemos analisar com os dados acima. Especificamente na data de hoje 03/12 não temos os valores do faturamento, pois estamos fechando o mês.

16.6 – OBRAS
Não foram realizadas reformas no mês de julho.

16.7 – EQUIPAMENTOS NOVOS
Não foram feitas aquisições de nenhum equipamento.

16.8 – COMISSÕES

- Comissão de Grupo de Trabalho de Humanização
Não foi entregue pela Coordenadora da Humanização a Ata do Grupo de Trabalho de Humanização porem a mesma foi realizada no dia 27/11. ANIVERSARIANTE DO MÊS
A responsável pela Humanização não enviou fotos do Aniversariante do Mês que foi realizada no dia 28/11;

PALAVRA DO DIRETOR DO HOSPITAL
No dia 08/11 foi publicado no Diário Oficial a nomeação da gerente de RH Adelice de Souza Lima, a gerente do Núcleo de Educação Permanente Jeane da Silva Morais, a Supervisora Administrativa Iara Silva de Freitas Borges, a Gerente de Logística katianne Ferro de Moura, a GePágina | 243

rente de Atendimento Gilcelly Batista de Aguiar Araújo, o Gerente de Transporte Emerson Bezerra da Silva, a Supervisora de Enfermagem Silvana Silva Santos, e com a entrada desses novos gerentes estatutários estão acontecendo algumas mudanças nos respectivos setores. Com a nomeação da Supervisora de Enfermagem Silvana Silva Santos, servidora estatutária que iniciou sua prestação de serviço no Hospital a partir do dia 12/11 assumindo o cargo de Coordenação de Enfermagem, que até então o Enfermeiro Robson Albuquerque, funcionário CLT, respondia pela função e seguindo a Resolução COFEN 302/2005 Artigo 2 e 4 Inciso II ressalta a importância e cancelamento do cancelamento de RT (Responsabilidade Técnica) o qual o mesmo protocolou no COREN da cidade de Palmas no dia 19/11 a baixa da sua RT, foi dado inicio a transição de todas as informações pertinentes ao cargo. No dia 26/11 foi feito uma reunião com os motoristas do Hospital CLT e Estatutários, onde a Gestão da SESAU, Diretoria do Hospital Cirleth Shirlei de Paula Silva e o Gerente de Transportes Emerson Bezerra da Silva, convidou a Procuradora da Pró Saúde e a Supervisora de Departamento Pessoal da Pró Saúde, foi uma reunião muito proveitosa, pois pode-se ouvir as queixas dos colaboradores, orientá-los, passar novas rotinas, mudanças de fluxos, e maior atenção com os carros do Hospital, pois são patrimônio do Estado, enfim orientações pontuais pelos responsáveis dos setores. No dia 29/11 o representante da Empresa Liquigás fez a retirada dos botijões e foi solicitado ao mesmo que deixasse a tubulação, até que a Empresa Litucera possa fazer as adequações necessárias, e o mesmo retornará em 20 dias, contando a data da sua visita que foi dia 29/11, todo o processo de retirada foi acompanhado pela Gerente de Logística SESAU, representantes da Empresa Litucera e Procurada da Pró Saúde.

Página | 244

2.17 HOSPITA L REGIONA L PÚBLICO DE A LVORADA 2.17.1 METAS CONTRATUAIS

17.1 – INDICADORES DE PRODUÇÃO 17.1.1 – Nº DE LEITOS POR ESPECIALIDADE;
1.1. Le itos por Es pe cialidade 1.1.1. Clínica Médica 1.1.2. Clínica Pediátrica 1.1.3. Clínica Cirúrgica 1.1.4. Clínica Obstétrica 1.1.5. UTI de Adultos 1.1.6. UTI Infantil 1.1.7. UTI Neonatal 1.1.8. Berçário 1.1.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Leitos Jan 8 4 0 2 0 0 0 0 0 0 14 Fev 8 4 0 2 0 0 0 0 0 0 14 Mar 8 4 0 2 0 0 0 0 0 0 14 Abr 8 4 0 2 0 0 0 0 0 0 14 Mai 8 4 0 2 0 0 0 0 0 0 14 Jun 8 4 0 2 0 0 0 0 0 0 14 Jul 8 4 0 2 0 0 0 0 0 0 14 Ago 8 4 0 2 0 0 0 0 0 0 14 Se t 8 4 0 2 0 0 0 0 0 0 14 Out 8 4 0 2 0 0 0 0 0 0 14 Nov 8 4 0 2 0 0 0 0 0 0 14 TOTAL 88 44 0 22 0 0 0 0 0 0 154

Não houve alteração nos numero de leitos no período, especificado acima.
17.1.2 – Nº. DE INTERNAÇÕES POR ESPECIALIDADE;
1.2. Internações por Especialidade 1.2.1. Clínica Médica 1.2.2. Clínica Pediátrica 1.2.3. Clínica Cirúrgica 1.2.4. Clínica Obstétrica 1.2.5. UTI de Adultos 1.2.6. UTI Infantil 1.2.7. UTI Neonatal 1.2.8. Berçário 1.2.9. Clínica Ortopédica 1.2.10. Outros Total de Internações por especialidade Jan 66 9 0 0 0 0 0 0 0 0 75 Fev 76 9 0 0 0 0 0 0 0 0 85 Mar 64 17 0 0 0 0 0 0 0 0 81 Abr 65 15 0 0 0 0 0 0 0 0 80 Mai 84 18 0 0 0 0 0 0 0 0 102 Jun 86 8 0 0 0 0 0 0 0 0 94 Jul 52 5 0 0 0 0 0 0 0 0 57 Ago 58 11 0 0 0 0 0 0 0 0 69 Set 57 16 0 0 0 0 0 0 0 0 73 Out 57 10 0 0 0 0 0 0 0 0 67 Nov 53 17 0 0 0 0 0 0 0 0 70 TOTAL 718 135 0 0 0 0 0 0 0 0 853

Pela análise do período especificado acima, no mês de junho conseguimos manter a quantidade de internações do mês anterior, fato que reflete na melhora do atendimento e confiança dos usuários no hospital. Houve uma diminuição no mês de Julho por ser um mês de férias. Nota-se que nos meses subsequentes as internações estão aumentando novamente confirmando que os usuários estão buscando atendimento na Unidade.

Página | 245

17.1.3 – Nº. DE SAÍDOS POR ESPECIALIDADE
1.3. Nº. de saídos por especialidade 1.3.1. Clínica Médica 1.3.2. Clínica Pediátrica 1.3.3. Clínica Cirúrgica 1.3.4. Clínica Obstétrica 1.3.5. UTI de Adultos 1.3.6. UTI Infantil 1.3.7. UTI Neonatal 1.3.8. Berçário 1.3.9. Clínica Ortopédica 1.3.10. Outros Total de saídos por especialidade Jan 65 8 0 0 0 0 0 0 0 0 73 Fev 74 8 0 0 0 0 0 0 0 0 82 Mar 63 17 0 0 0 0 0 0 0 0 80 Abr 68 17 0 0 0 0 0 0 0 0 85 Mai 84 16 0 0 0 0 0 0 0 0 100 Jun 90 9 0 0 0 0 0 0 0 0 99 Jul 55 4 0 0 0 0 0 0 0 0 59 Ago 53 9 0 0 0 0 0 0 0 0 62 Set 55 14 0 0 0 0 0 0 0 0 69 Out 63 12 0 0 0 0 0 0 0 0 75 Nov 53 16 0 0 0 0 0 0 0 0 69 TOTAL 723 130 0 0 0 0 0 0 0 0 853

Podemos observar que estamos mantendo o número de pacientes saídos. 17.1.4 – PERCENTUAL DE OCUPAÇÃO POR CLÍNICA
1.4. Porcentagem de Ocupação 1.4.1. Clínica Médica 1.4.2. Clínica Pediátrica 1.4.3. Clínica Cirúrgica 1.4.4. Clínica Obstétrica 1.4.5. UTI de Adultos 1.4.6. UTI Inf antil 1.4.7. UTI Neonatal 1.4.8. Outros (Berçário) 1.4.9. Clínica Ortopédica 1.4.10. Outros Porcentagem Geral de Ocupação Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov TOTAL 555% 249% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 70% 68% 17% 10% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 65% 59% 48% 43% 32% 46% 43% 33% 50% 24% 28% 47% 33% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 8% 14% 25% 19% 24% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%

45% 42%

44% 42% 41% 34% 21% 30% 31% 24% 35%

Nota-se que estamos aumentando gradativamente a Porcentagem Geral de Ocupação.

Página | 246

17.1.5 – MÉDIA DE PERMANÊNCIA
1.5. Média de Perm anência 1.5.1. Clínica Médica 1.5.2. Clínica Pediátrica 1.5.3. Clínica Cirúrgica 1.5.4. Clínica Obstétrica 1.5.5. UTI de Adultos 1.5.6. UTI Inf antil 1.5.7. Uti Neonatal 1.5.8. Outros 1.5.9. Clínica Ortopédica 1.5.10. Outros Média Geral de Permanência Jan 2,68 2,63 0 0 0 0 0 0 0 0 2,67 Fev 2,14 1,5 0 0 0 0 0 0 0 0 2,07 Mar 2,54 1,76 0 0 0 0 0 0 0 0 2,38 Abr 2,09 1,94 0 0 0 0 0 0 0 0 2,06 Mai 1,40 3,63 0 0 0 0 0 0 0 0 1,76 Jun 1,16 4,44 0 0 0 0 0 0 0 0 1,45 Jul 1,49 2,5 0 0 0 0 0 0 0 0 1,56 Ago 2,13 1,89 0 0 0 0 0 0 0 0 2,10 Set 1,85 2,14 0 0 0 0 0 0 0 0 1,91 Out 1,30 1,92 0 0 0 0 0 0 0 0 1,40 Nov 2,25 1,81 0 0 0 0 0 0 0 0 2,14 TOTAL 21,03 26,16 0 0 0 0 0 0 0 0

Analisando a média geral de permanência, observamos que estamos variando na média de permanência, fato que está ligado ao tipo de internação realizadas nos períodos.
17.1.6 – VOLUME CIRURGICO
1.6. Volum e Cirúrgico 1.6.1. Cirurgias de Urgência 1.6.2. Cirurgias Eletivas Média Geral de Cirurgias Jan 0 0 0 Fev 0 0 0 Mar 0 0 0 Abr 0 0 0 Mai 0 0 0 Jun 0 0 0 Jul 0 0 0 Ago 0 0 0 Set 0 0 0 Out 0 0 0 Nov 0 0 0 Dez 0 0 0 TOTAL 0 0 0

Não realizamos cirurgias.
17.1.6.3 – Nº DE CIRURGIAS POR PORTE;
1.6.3. Núm ero de Cirurgias por Porte 1.6.3.1. Cirurgias Grandes 1.6.3.2. Cirurgias Médias 1.6.3.3. Cirurgias Pequenas 1.6.3.4. Curetagens 1.6.3.5. Cesáreas Média Geral de Cirurgias por Porte Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez TOTAL 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Não realizamos cirurgias.
17.1.6.4 – Nº. DE PARTOS POR TIPO
1.6.4. Núm ero de partos por tipo 1.6.4.1. Normal 1.6.4.2. Cesariana 1.6.3.3. Outros Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez TOTAL 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Não realizamos partos no período.

Página | 247

17.1.7 – SADT’S
1.7. SADT 1.7.1. Laboratório Clínico 1.7.2. Anatomia Patológica 1.7.3. Radiologia 1.7.4. Eletrocardiografia 1.7.5. Fisioterapia (Sessões) 1.7.6. Hemodiálise(Sessões) 1.7.7. Hemodinâmica 1.7.8. Hemoterapia 1.7.9. Endoscopia 1.7.10. Ultrassonografia 1.7.11 Tomografia Computadorizada 1.7.12 Ressonancia Magnética 1.7.13 Mamografia 1.7.14 Citopatologia 1.7.15 Eletroencefalografia 1.7.16 Teste do Pézinho 1.7.17 Diversos 1.7.18 Teste Ergométrico Total Jan 228 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 228 Fev 251 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 251 Mar 342 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 342 Abr 390 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 390 Mai 324 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 324 Jun 158 0 0 0 0 0 0 0 0 45 0 0 0 0 0 0 0 0 203 Jul 0 0 0 0 0 0 0 0 0 37 0 0 0 0 0 0 0 0 37 Ago 0 0 0 0 0 0 0 0 0 45 0 0 0 0 0 0 0 0 45 Set 54 0 0 0 0 0 0 0 0 52 0 0 0 0 0 0 0 0 106 Out 234 0 0 0 0 0 0 0 0 45 0 0 0 0 0 0 0 0 279 Nov 271 0 0 0 0 0 0 0 0 53 0 0 0 0 0 0 0 0 324 TOTAL 2252 0 0 0 0 0 0 0 0 277 0 0 0 0 0 0 0 0 2529

Analisando o quantitativo de exames realizados no período, observamos que houve uma pequena diminuição no mês, visto que tivemos problemas com o pagamento e foi cortado a realização dos exames. Devido a situação mencionada acima não houve realização de exames no mês de julho e agosto. Entretanto, após negociar com o prestador de serviço, retornamos ao serviço de análises clínicas e podemos observar que já estamos novamente realizando os exames conforme a demanda do hospital.

Página | 248

17.1.8 – AMBULATÓRIO
1.8. Ambulatório 1.8.1. Consultas 1.8.2. Consultas com Procedimentos 1.8.3. Procedimentos 1.8.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov De z TOTAL 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Não realizamos ambulatório.

17.1.9 – ATENDIMENTOS DE URGÊNCIA/EMERGÊNCIA
1.9. Urgência/Emergência 1.9.1. Consultas 1.9.2. Consultas com Procedimentos 1.9.3. Procedimentos 1.9.4. Procedimentos Cirúrgicos Total Jan 797 0 0 0 797 Fev Mar Abr Mai Jun Jul 996 0 0 0 996 Ago Set Out Nov TOTAL 11176 0 0 0 11176 820 1049 1086 1036 1030 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 923 1122 1235 1082 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

820 1049 1086 1036 1030

923 1122 1235 1082

Analisando o período, observamos que obtivemos um pequena diminuição das consultas nos meses de julho e agosto. Entretanto, no mês de setembro/2012 aumentamos nosso número de consultas em 21,56% em relação a agosto/2012, e para o mês de outubro/2012 aumentamos em 10,07% em relação a setembro/2012, sendo que, no mês de novembro/2012 reduzimos em 12,39%.

Página | 249

17.1.10 – RECURSOS HUMANOS
1.10. Recursos Humanos
Sesau

Jane iro
P ró 3º T o ta l Sesau

Fe ve re iro
P ró 3º T o ta l Sesau

Março
P ró 3º T o ta l Sesau

Abril
P ró 3º T o ta l

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

9 22 0 0 7 38

16 2 0 19 0 37

0 0 0 0 0 0

25 24 0 19 7 75

9 22 0 0 7 38

20 2 0 18 0 40

0 0 0 0 0 0

29 24 0 18 7 78

9 22 0 0 7 38

20 2 0 18 0 40

0 0 0 0 0 0

29 24 0 18 7 78

9 22 0 0 7 38

21 2 0 18 0 41

0 0 0 0 0 0

30 24 0 18 7 79

1.10. Recursos Humanos
Sesau

Maio
P ró 3º T o ta l Sesau

Junho
P ró 3º T o ta l Sesau

Julho
P ró 3º T o ta l Sesau

Agosto
P ró 3º T o ta l

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

9 22 1 0 7 39

21 2 0 18 0 41

0 0 0 0 0 0

30 24 1 18 7 80

9 23 1 0 7 40

21 2 0 18 0 41

0 0 0 0 0 0

30 25 1 18 7 81

9 23 1 0 7 40

21 2 0 18 0 41

0 0 0 0 0 0

30 25 1 18 7 81

9 23 1 0 7 40

21 2 0 18 0 41

0 0 0 0 0 0

30 25 1 18 7 81

1.10. Recursos Humanos
Sesau

Se te m bro
P ró 3º T o ta l Sesau

Outubro
P ró 3º T o ta l Sesau

Novem bro
P ró 3º T o ta l Sesau

De zem bro
P ró 3º T o ta l

1.10.1. Administração 1.10.2. Enfermagem 1.10.3. SADT 1.10.4. Apoio 1.10.5. Médicos Total

9 24 1 0 7 41

21 2 0 7 0 30

0 0 0 9 0 9

30 26 1 16 7 80

9 24 1 0 7 41

24 2 0 0 0 26

0 0 0 15 0 15

33 26 1 15 7 82

9 24 1 0 7 41

24 2 0 0 0 26

0 0 0 15 0 15

33 26 1 15 7 82

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

0 0 0 0 0 0

Página | 250

17.1.11 – NEP

Página | 251

17.1.12 – LOGÍSTICA

1.13. Estoque
1 3.1 Esto que em dias de .1 . co nsumo - M at/med 30 dias

Jan 351 351

Fev 218 218

Mar 123 123

Abr Mai 89 89 142 142

Jun 167 167

Jul 135 135

Ago Set 98 98 86 86

Out 62 62

Nov 78 78

TOTAL 1.548,84 1.548,84

Total

17.1.13 – CORPO CLÍNICO

· ·

Não tivemos mudanças no quadro clínico do hospital. Iniciamos a realização de exames de ultrassom, visto que temos em nosso quadro o profissional especializado para realizar este exame. E também retornamos com a realização de exames de ultrassom.

17.2 – GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

· · · · · · · ·

Análise das escalas de trabalho de dezembro/2012 e aprovação. Diariamente é discutido com Diretor Técnico e Enfermagem o alinhamento dos serviços. Análise diária da estatística. Participação nas reuniões das comissões implantadas no hospital. Participação nas reuniões com os setores para desenvolvermos melhores condições de trabalho e conhecimento dos mesmos. Preenchimento dos dados do hospital no plano estatístico padrão da Pró-Saúde e SESAU. Atividades diárias relacionadas ao bom andamento do hospital. Participação em reunião com Dr. Gastão e equipe da Sesau conforme visita realizada no Hospital.

17.3 – FATURAMENTO
4. Faturamento 1º Semestre 2012 4.1 - AIH (Quantitativo) 4.2 - Valores (em reais) Jan 85 26.562,42 Fev 81 21.148,79 Mar 86 26.497,02 Abr 77 19.408,32 Mai 94 25.175,63 Jun 95 21.697,16 TOTAL GERAL DO 1º SEMESTRE 518 140.489,34

4. Faturamento 2º Semestre 2012 4.1 - AIH (Quantitativo) 4.2 - Valores (em reais)

Jul 50 10.498,79

Ago 60 15.260,82

Set 58 19.897,17

Out 88 31.498,09

Nov 0 -

Dez 0 -

TOTAL 256 77.154,87

Total Geral do Faturamento de AIH em 2012 (Quantitativo) Total Geral do Faturamento de AIH em 2012 (em reais)

774 217.644,21

Página | 252

Analisando o período observamos que tivemos uma redução no mês de julho por se tratar de férias. Contudo, em agosto/2012 já conseguimos aumentar o número de AIH’s faturadas. Pode-se observar que, no mês de setembro/2012 tivemos um quantitativo de AIH menor e em valores maior do que o mês de agosto/2012, entretanto, não podemos faturar todas as contas hospitalares por faltar informações como CID o que foram resolvidas e faturadas no mês de outubro/2012. Até o fechamento deste relatório, não havia terminado o faturamento do mês de novembro/2012.
17.4 – OBRAS E IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SERVIÇOS

Não foram realizadas obras ou implantação de novos serviços.

Página | 253

17.6 – COMISSÕES

As comissões estão ativas e em andamento. Sendo que as reuniões estão sendo registradas em livro próprio de atas. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar – CCIH

Página | 254

Comissão de Revisão de Prontuários

Página | 255

Comissão de Ética Médica

Página | 256

Comissão de Fármaco-Vigilância

Página | 257

Comissão de Revisão de Óbito

Página | 258

PALAVRA DO DIRETOR DO HOSPITAL

Neste momento difícil que passamos estamos realizando o trabalho para que todos passem por esta fase de transição da melhor maneira, sem dar reflexos negativos aos usuários desta instituição. Em relação as metas contratuais estamos cumprindo, tanto o número de saídos como as ações das comissões obrigatórias. Embora temos os recursos limitados estamos otimizando os recursos ao máximo para atender a população da melhor maneira tanto com materiais e medicamentos de qualidade.

Página | 259

ANEXO I – RELATÓRIO DA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO

ANEXO II – ATAS DE REUNIÃO DAS COMISSÕES

Página | 260

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful