Você está na página 1de 3

81

ALICIAMENTO DE TRABALHADORES
DE UM LOCAL PARA OUTRO DO
TERRITÓRIO NACIONAL

_____________________________

81.1 CONCEITO, OBJETIVIDADE JURÍDICA E SUJEITOS DO


CRIME

O art. 207 define assim este crime: “Aliciar trabalhadores, com o fim de levá-los de
uma para outra localidade do território nacional.” A pena: detenção, de um a três anos, e
multa.

A Lei nº 9.777/78 incluiu o § 1º, o qual contém dois outros tipos, que devem ser assim
compreendidos: (a) recrutar trabalhadores fora da localidade de execução do trabalho,
dentro do território nacional, mediante fraude ou cobrança de qualquer quantia do
trabalhador; e (b) não assegurar, a trabalhadores recrutados fora da localidade de
execução do trabalho, dentro do território nacional, condições do retorno ao local de
origem.

A proteção é conferida ao interesse estatal no combate à migração de trabalhadores e


também ao próprio trabalhador.

Sujeito ativo é qualquer pessoa. Sujeito passivo é o Estado e também o trabalhador.

81.2 TIPICIDADE

81.2.1 Conduta e elementos do tipo

O núcleo do tipo do caput é o verbo aliciar, que tem o mesmo significado de seduzir,
convencer por meios não violentos. Incutir, na mente do trabalhador, a idéia de transferir-
se para outra localidade.

O § 1º cuida do recrutamento de trabalhadores de uma localidade do território


2 – Direito Penal II – Ney Moura Teles

nacional, para outra localidade onde será executado o trabalho. De uma cidade para outra,
de uma região para outra, não havendo qualquer menção à distância ou qualidade de
qualquer das localidades. Refere-se a norma, como no caput, à mudança do trabalhador de
um lugar para outro, dentro do território nacional, não tendo qualquer relevância se um
lugar oferece melhores ou piores condições de trabalho que o outro.

Na primeira parte do § 1º a conduta é recrutar com o emprego de fraude, já


comentada na análise do crime do art. 206, ou fazê-lo mediante a cobrança, do próprio
trabalhador, de qualquer quantia, ou seja, de qualquer valor em dinheiro. O agente recruta
o trabalhador, enganando-o com promessas de vantagens, bons salários, trabalho
interessante, boas condições, que, na verdade, não existem. É a fraude, o engodo. Outra
possibilidade é a do recrutamento ser feito com a cobrança, ao trabalhador, de um
determinado valor.

Na segunda formulação típica do § 1º, o trabalhador é recrutado sem emprego de


fraude ou sem cobrança de quantia alguma; porém, findo o trabalho, o agente não lhe
assegura as condições para que possa retornar ao lugar de onde fora buscado.

São todos crimes dolosos, devendo a consciência do agente alcançar, como é óbvio,
todos os elementos do tipo, dentre eles, o fim pretendido, que é a transferência do
trabalhador de um para outro local do país.

81.2.2 Consumação e tentativa

A consumação ocorre, nos casos de aliciamento e recrutamento, no instante em que


o trabalhador é seduzido ou convencido pelo agente, independentemente de ser transferido
do lugar onde se encontra, admitida a tentativa.

No tipo descrito na parte final do § 1º do art. 207, a consumação ocorre no


momento em que o agente nega-se a proporcionar, ao trabalhador que recrutara, as
condições necessárias para que ele retorne ao lugar de origem. Nesse caso, a tentativa é
impossível, pois no instante em que o agente recusa a cumprir seu dever de providenciar o
retorno, já está consumado o crime.

81.2.3 Aumento de pena

A pena será aumentada de um sexto a um terço, se o crime é cometido contra


Aliciamento de Trabalhadores de um Local para Outro do Território Nacional - 3

vítima menor de dezoito anos, idosa, gestante, indígena ou portadora de deficiência física
ou mental (art. 207, § 2º de Código Penal). Idosa é a pessoa que, além de uma idade
cronológica avançada, tem, por força de suas condições físicas debilitadas, menor
capacidade de resistência.

O aumento de pena somente será reconhecido quando o agente tiver consciência da


condição da vítima.

81.3 AÇÃO PENAL

A ação penal é de iniciativa pública incondicionada. A suspensão condicional do


processo penal somente será possível nas hipóteses em que não incidir a causa de aumento
de pena do § 2º.

Interesses relacionados