1

Cronologia da História de Cascavel e do Oeste
Há muita falsificação e/ou falhas grosseiras de metodologia na pesquisa histórica sobre Cascavel e Oeste do Paraná. Esta cronologia alinha os fatos à medida em que realmente se sucederam. Suas fontes e documentação estão em detalhes no livro Cascavel, A História. É uma cronologia básica. Traz apenas as datas mais importantes. São positivas e completas (ou seja, constam dia, mês e ano), desde o início do povoamento da região até o início do ensino superior em Cascavel. Os casos excepcionais (em que há o ano mas não o mês e o dia) estão assinados em vermelho.

**

Estilização do mapa elaborado pelo engenheiro Arthur Martins Franco em 1905, incluindo os pousos ervateiros de Toledo e Cascavel, os diversos entrepostos ervateiros das obrages e, em azul, o local da Encruzilhada dos Gomes, onde a cidade de Cascavel começaria a ser formada 25 anos depois. O ponto assinalado pela Encruzilhada dos Gomes é hoje marcado oficialmente pelo obelisco da Praça Getúlio Vargas, que é o Marco Zero da cidade de Cascavel: é de onde começa a contar a quilometragem para as demais cidades.

**

2

Cabeza de Vaca

Século XVI
22 de abril de 1500 – Achamento do Brasil. 16 de agosto de 1501 – Navegador português Aleixo Garcia, acompanhado de índios, chega à região da atual Guaíra. 1˚ de dezembro de 1541 – O adelantado espanhol Alvar Nuñez Cabeza de Vaca, a caminho de Assunção, passa pelo Rio Iguaçu. 3 de dezembro de 1541 – Alvar Nuñez Cabeza de Vaca trava contato com o Caminho do Peabiru, no Centro-Oeste do atual Paraná. 31 de janeiro de 1542 – Cabeza de Vaca retorna às margens do Rio Iguaçu. Século XVII 18 de setembro de 1628 – Parte de São Paulo a bandeira que irá destruir a redução jesuítica de Guayrá. 29 de janeiro de 1629 – Bandeirantes Raposo Tavares e Manuel Preto tomam de assalto a redução jesuítica de Guayrá. Século XVIII 8 de setembro de 1770 – Registra-se a descoberta dos Campos Gerais, primeiro passo para a ocupação do interior do Paraná. 9 de setembro de 1770 – Cândido Xavier de Almeida declara descobertos os Campos Gerais. 19 de setembro de 1770 – Criado o Forte Nossa Senhora do Carmo, em Campo Alegre, o marco inicial da futura cidade de Guarapuava, de onde se originaram as demais povoações do Oeste. 22 de setembro de 1770 – Carta de Cândido Xavier ao governador paulista Afonso Botelho narra a descoberta de vestígios indígenas nos campos de Guarapuava e pede reforços para combatê-los.

3

D. João VI

3 de dezembro de 1770 – Governo de São Paulo fornece “37 praças e 23 aventureiros voluntários” ao guarda-mor Francisco Martins Lustosa para descobrir ouro no atual Paraná. 10 de novembro de 1771 – Tenente-coronel Afonso Botelho de Sampayo e Souza, irmão do governador de São Paulo, parte de Curitiba para buscar a definitiva ocupação dos Campos Gerais pela Coroa portuguesa. 6 de dezembro de 1771 – Afonso Botelho chega à entrada dos Campos Gerais, fazendo levantar uma grande cruz, benta ao troar da artilharia, armando a capela no dia seguinte. 8 de dezembro de 1771 – Rezada a 1ª missa nos Campos Gerais, em homenagem a Nossa Senhora da Conceição. Século XIX 5 de novembro de 1808 – Príncipe d. João ordena guerra aos índios. 25 de novembro de 1808 – Decreto joanino autoriza estrangeiros a possuir terras no Brasil. 1˚ de abril de 1809 - Carta Régia do rei d. João VI cria a Expedição Real de Conquista dos Campos de Guarapuava, que viria a abrir caminho à ocupação do Oeste paranaense. Segunda bandeira povoadora da região, era chefiada pelo tenente coronel Diogo Pinto de Azevedo Portugal e pelo tenente Antônio da Rocha Loures. 2 de agosto de 1809 – Expedição de conquista dos Campos Gerais parte de Curitiba chefiada pelo tenente-coronel Diogo Pinto de Azevedo Portugal. 17 de junho de 1810 – Expedição Real de Conquista alcança o terceiro planalto do atual Paraná.

4

Zacarias, primeiro governador do Paraná

27 de junho de 1810 – Montada nas cercanias da atual Guarapuava a torre do Atalaia sobre quatro estacas de 40 palmos de altura para resistir aos ataques indígenas. Nesse mesmo dia os índios atacam, mas são expulsos pelos colonos. 7 de agosto de 1812 – Tem início o aldeamento e a escravidão dos primeiros 312 índios nos Campos Gerais do Paraná, começando com a captura do chefe Pahí, que convenceu os demais a se submeter aos portugueses. 11 de novembro de 1819 – Determinada a criação da Freguesia de Nossa Senhora de Belém, que originou Guarapuava. 9 de dezembro de 1819 – Criada a Freguesia de Nossa Senhora de Belém, vanguarda da ocupação do Oeste do Paraná nos tempos imperiais. 7 de setembro de 1822 – D. Pedro de Orleans e Bragança declara a Independência do Brasil, seguindo conselho dado por seu pai, o rei de Portugal. 24 de abril de 1825 – Freguesia de Nossa Senhora de Belém é atacada pelos índios Dorins, um ramo Caingangue. O ataque se deve às arbitrariedades de Luiz Tigre Gacon, diretor dos índios de Atalaia. O forte é completamente destruído pelo ataque. 29 de novembro de 1832 – Criada a 5ª Comarca da Capitania de São Paulo, com sede em Curitiba. Era o Paraná de hoje mais a porção Oeste de Santa Catarina. 21 de março de 1849 – Criada a Vila de Guarapuava, à qual fazia parte todo o Oeste do Paraná.

5

Santa Helena começou antes de Foz do Iguaçu

17 de julho de 1852 – Criada a primeira Câmara Municipal do Oeste, na Freguesia de Nossa Senhora de Belém, elevada à categoria de Vila, com autonomia para organizar o poder local. 29 de agosto de 1853 – Lei 704, assinada pelo imperador d. Pedro II desmembra a 5ª Comarca de São Paulo. Estava criada a Província do Paraná. 19 de dezembro de 1853 – Instala-se a Província do Paraná, então com uma população de 60 mil habitantes brancos, 8.500 escravos negros e mulatos e meio milhar de mulatos livres. Toma posse o presidente provincial (governador) Zacarias de Góes e Vasconcelos. 21 de março de 1854 – Lei provincial autoriza o governo a promover a atração de estrangeiros ao interior do Paraná. 18 de agosto de 1858 – Companhia Domingo Barthe abre no Rio Paraná o Porto Santa Helena, segundo depoimento de Antonio Bortolini. É um dado controverso quando confrontado com a biografia de Barthe. 11 de novembro de 1864 – Começa a Guerra do Paraguai. 4 de dezembro de 1875 – Capitão Nestor Borba parte rumo a Guaíra. 23 de junho de 1876 – Descobertas as ruínas da Ciudad Real del Guayrá. 9 de dezembro de 1882 – Tomás Larangeira (grafia documental) obtém permissão para explorar as terras do extremo-Oeste. 7 de abril de 1886 – Presidente do Paraná, Alfredo d’Escragnolle Taunay cria a Sociedade de Imigração do Paiquerê, sob a presidência do visconde Guarapuava. 4 de junho de 1888 – Ministro João Alfredo formaliza a Comissão Estratégica do Paraná, com a missão de ocupar o Oeste do Paraná. 25 de novembro de 1888 – Começa a abertura da picada que deu origem à atual BR-277. 21 de março de 1888 – Nasce José Silvério de Oliveira, o Tio Jeca, fundador de Cascavel urbana.

6

Jeca Silvério, fundador da cidade de Cascavel

15 de julho de 1889 – Expedição pioneira do tenente José Joaquim Firmino alcança as barrancas do Rio Paraná depois de 7 meses e 20 dias de marcha. 13 de setembro de 1889 – Deixa Guarapuava a segunda expedição rumo à fronteira, com a missão de fundar a Colônia Militar do Iguaçu. 22 de novembro de 1889 – A 2ª Expedição Militar de Conquista chega à fronteira, depois de 69 dias de marcha pela mata paranaense. 23 de novembro de 1889 Instala-se a Colônia Militar do Iguaçu, hoje Foz do Iguaçu. 27 de abril de 1892 – Lei n° 1 cria a Secretaria de Estado de Obras Públicas e Colonização do Paraná. 20 de outubro de 1892 – Ministério da Guerra desmembra a Colônia Militar do Iguaçu da Comissão Estratégica do Paraná, que prosseguia com a missão de construir a Estrada Estratégica entre Guarapuava e Foz do Iguaçu. 8 de abril 1893 – Decreto n° 1 aprova o regulamento do Serviço de Terras e Colonização do Paraná. Atenção: embora não haja dia e mês documentados, é importante observar que em 1895 o ervateiro Augusto Gomes de Oliveira começou a construir a estrada carroçável da erva-mate, que ao cruzar a trilha militar deu origem à Encruzilhada dos Gomes, onde em 28 de março de 1930 teve início a cidade de Cascavel. 28 de abril de 1899 – Timóteo Feijó recebe concessão para construir uma ferrovia ligando Guarapuava às Sete Quedas. Século XX 12 de outubro de 1902 – Nasce Sandálio dos Santos em Quaraí (RS).

7

Cascavel em 1905: imagem de Max Kopf mostra a visão geral do acampamento do engenheiro Martins Franco

3 de setembro de 1904 – O engenheiro Arthur Martins Franco inicia viagem ao Oeste do Paraná. Curiosamente, a partida se deu em direção a Paranaguá, onde tomaria um navio argentino para seguir a Montevidéu, no Uruguai, e então a Buenos Aires, na Argentina, onde iniciaria a viagem a Foz do Iguaçu. 8 de outubro de 1904 – Chega a Foz do Iguaçu para iniciar a demarcação das terras das obrages o engenheiro Arthur Martins Franco. 24 de novembro de 1904 – A turma de medição do engenheiro Arthur Martins Franco começa a demarcar as terras da obrage Nuñes y Gibaja. Fará o primeiro mapeamento do Médio-Oeste Oeste. 9 de março de 1905 – Chega ao acampamento central da empresa ervateira Domingo Barthe, ou Central Barthe, na futura Cascavel, o engenheiro Arthur Martins Franco, acompanhado do fotógrafo Max Kopf. Ele registra algumas das primeiras imagens do atual território cascavelense. 6 de abril de 1905 – Coronel Jorge Schimmelpfeng compra 250 mil hectares de terras devolutas e forma a Fazenda Britânia, por meio da lei 610. 29 de setembro de 1905 – Estado passa a Colônia Lopeí (atual Cascavel) ao domínio da companhia Nuñes y Gibaja. Com ela, também os Pousos Guajuvira, 1° de Outubro, Arroio Grande, Palmito, Pouso Frio e Toledo, cada qual com 200 hectares.

8

Cascavel em 1905: Max Kopf mostra a hora do rancho, com a distribuição de ração no acampamento de Martins Franco

6 de agosto de 1906 – Forma-se em Buenos Aires a empresa Companhia de Maderas Del Alto Paraná, constituída por capital inglês, proprietária da Fazenda Britânia, no Oeste do Paraná. 12 de novembro de 1906 – Criado o Distrito Policial de Foz do Iguaçu, que se transforma em distrito administrativo de Guarapuava com o decreto 412. Registrada na cidade de Portland (Maine, EUA) a Brazil Railway Company, que viria a se tornar proprietária de terras no interior do Paraná, inclusive a área onde hoje se encontra Cascavel. 2 de janeiro de 1907 – Decreto n° 1 cria a Comissão de Colonização do Paraná. 10 de abril de 1907 – Estado do Paraná entrega à empresa Iznardi, Alves e Cia a concessão para construir uma ferrovia ligando Guarapuava ao Rio Paraná. 11 de junho de 1907 – Decreto nº 218 aprova o regulamento para o Serviço de Colonização no Estado do Paraná. 6 de maio de 1908 – Governo do Estado cria o Parque de Guaíra, com a lei 815. 8 de abril de 1910 – Foz do Iguaçu torna-se Distrito Judiciário com lei 971. 14 de novembro de 1910 – Lei 1.383 eleva o distrito judiciário de Alto Paraná (Foz do Iguaçu) à categoria de município (confrontar com a lei 1.658, de 3 de março de 1914).

9

Acampamento militar governista (tropa que combatia os revolucionários paulistas) no hoje Cascavel Velho, em abril de 1925, cinco anos antes do início da formação da cidade de Cascavel

26 de março de 1912 – Estado do Paraná vende 20 mil hectares à empresa Petry, Meier e Azambuja, nos termos da lei 1.147. A empresa é dirigida pelos empresários José Petry, Hans e Alberto Meier e Antônio Bittencourt de Azambuja. 19 de abril de 1912 – Manoel Francisco Correa recebe concessão para construir uma ferrovia entre Guarapuava e Foz do Iguaçu. 16 de junho de 1912 – Ministério da Guerra extingue a Colônia Militar do Iguaçu. Controle da área passa ao Estado do Paraná. 3 de março de 1914 – A ex-Colônia Militar do Iguaçu é elevada à categoria de Município. A sede recebe o nome de Vila Iguassú, atual Foz do Iguaçu. 14 de março de 1914 – Lei 1.383 oficializa a criação do Município de Foz do Iguaçu, então com o nome de Vila Iguassu. A mesma lei eleva Catanduvas à categoria de Distrito Judiciário, pertencente ao Município de Guarapuava. 10 de junho de 1914 – Instalado o Município de Foz do Iguaçu. 14 de junho de 1914 – Toma posse a primeira Câmara de Vereadores de Foz do Iguaçu, composta por seis integrantes: Jorge de Oliveira de Silveira, Fidelis Alves, Fulgêncio Pedroso de Almeida, Jorge Samways, João Martins Boska e Ignácio de Sá Sottomaior. Jorge Schimmelpfeng assume a prefeitura de Foz do Iguaçu.

10

Mapa mostra que o velho pouso ervateiro e a propriedade rural que ficava no Cascavel Velho não podem ser confundidos com a Encruzilhada dos Gomes, onde Jeca Silvério começou a formar a cidade de Cascavel

11

Mapa detalhado da planta de Cascavel, que foi oficializada inicialmente como “Patrimônio Municipal de Aparecida dos Portos de Cascavel”: 1- Estrada a Lopeí. 2- Rio das Antas. 3- Estrada da Roça. 4- Estrada para Foz do Iguaçu. 5- Rio Coati Chico. 6- Estrada para Catanduvas. 7- Rio/Pouso da Cascavel. 8- Encruzilhada dos Gomes

12

O livro Cascavel: Uma Santa na Encruzilhada faz referência às diversas denominações pelas quais Cascavel foi chamada. Narra a longa disputa entre os políticos e os religiosos em torno do nome definitivo da cidade.

28 de julho de 1916 – O decreto 653 dá início ao Parque Nacional do Iguaçu, sendo, na época, estadual: 1.008 hectares na margem direita do rio Iguaçu, junto aos saltos de Santa Maria. 1° de junho de 1917 – Inaugurada a ferrovia da Companhia Mate Larangeira (grafia documental), com um trajeto de 60 quilômetros. 8 de setembro de 1918 – Governo do Paraná celebra acordo com a Companhia de Estrada de Ferro São Paulo–Rio Grande, para a construção de linha férrea entre Ponta Grossa e Guarapuava, com prolongamento até Foz do Iguaçu. Atenção: embora não tenham sido documentados o dia e o mês, em 1920 o colono catarinense Antônio José Elias, vulgo Antônio Diogo, adquiriu junto à Braviaco uma propriedade rural na qual se encontravam o atual Cascavel Velho (antigo pouso ervateiro) e a Encruzilhada dos Gomes (formada pelo cruzamento da estrada carroçável da erva-mate com a trilha militar). 18 de fevereiro de 1920 - Lei estadual 1.909 atribui à Companhia Brasileira de Viação e Comércio (Braviaco) a execução da Estrada de Ferro Oeste do Paraná. 20 de março de 1920 – Lei estadual nº 1.939 aprova o primeiro plano de viação ferroviário do Estado. 26 de abril de 1920 – Mais de 50 mil hectares de terras são acrescidos à sociedade Petry, Meier e Azambuja, por Roberto Stuber, que adquiriu as terras junto ao governo do Paraná. É uma etapa da colonização de Santa Helena. 11 de novembro de 1923 - José Silvério de Oliveira, o Nhô Jeca, descobre uma estatueta de santa no local em que mais tarde seria construída a capela de Aparecida dos Portos, hoje Igreja de Santo Antônio, em Cascavel. 5 de julho de 1924 – Começa a Revolução Paulista, que acabou envolvendo o Oeste do Paraná nos conflitos.

13

Othon Mäder, prefeito de Foz do Iguaçu, criou o Patrimônio Municipal de Aparecida dos Portos de Cascavel na antiga Encruzilhada dos Gomes

31 de agosto de 1924 – Revolucionários que se deslocam de São Paulo ocupam o Porto São José, no Paraná, iniciando a ocupação do Oeste paranaense, que dura sete meses. 9 de setembro de 1924 – Colônia Lopeí recebe posto telefônico dotado de telégrafo, obra concluída sob a direção de João de Almeida Mourão, com a implantação de postes telegráficos ao longo de 51 quilômetros, ligação feita com o Porto São Francisco. 24 de setembro de 1924 – Revolucionários paulistas ocupam Foz do Iguaçu com uma patrulha chefiada por Juarez Távora. 29 de março de 1925 – Forças revolucionárias se rendem após o cerco a Catanduvas. 5 de abril de 1925 – Mesmo derrotadas, forças rebeldes da Revolução Paulista chegam ao pouso Cascavel para organizar a resistência ao avanço das tropas governistas. Nesta mesma época os moradores de Foz do Iguaçu que haviam fugido da cidade temendo a revolução retornam para casa. 19 de abril de 1925 – Forças legalistas retomam Foz do Iguaçu, que ficou vários meses em poder dos revolucionários paulistas. 5 de janeiro de 1927 – Lei 5.141 autoriza recursos para a construção da atual BR-277. 23 de abril de 1929 – Lei estadual n.º 2.683 cria o Instituto de Estradas de Rodagem do Paraná. 25 de abril de 1929 – Lei estadual n.º 2.670 cria o Instituto de Madeira do Paraná. 28 de março de 1930 – José Silvério de Oliveira chega para ficar em definitivo na Encruzilhada dos Gomes. Começa a formação da cidade de Cascavel.

14

O agente postal Bento dos Santos Barreto fixou o nome definitivo de Cascavel com um telegrama

Atenção: embora não tenham sido documentados dia e mês, em 1930 o prelado de Foz do Iguaçu, Monsenhor Guilherme, batizou a vila de Encruzilhada dos Gomes como “Aparecida dos Portos”. Para José Silvério de Oliveira, o nome do lugar não poderia ser rebatizado com outro nome a não ser Cascavel. 9 de março de 1931 – Depois de dirigir a Secretaria de Terras do Estado, Othon Mäder é empossado prefeito de Foz do Iguaçu. 20 de julho de 1931 – O telegrafista Bento dos Santos Barreto, a pedido de Tio Jeca Silvério, expede o primeiro telegrama trocando o nome de Aparecida dos Portos para Cascavel. 1˚ de setembro de 1931 – Município de Foz do Iguaçu pede ao governo do Estado a posse das terras da atual Cascavel. 4 de setembro de 1933 – Município de Foz do Iguaçu adquire as terras da futura Cascavel junto ao governo do Estado e inicia a criação do Patrimônio Municipal de Aparecida dos Portos de Cascavel. 10 de setembro de 1934 – Criado o Distrito Policial de Cascavel pelo interventor (governador) paranaense Manoel Ribas. 14 de novembro de 1934 – Entra em funcionamento o Distrito Policial de Cascavel. 16 de abril de 1936 – Expedido pelo governador Manoel Ribas título de domínio pleno das terras do primeiro perímetro urbano de Cascavel. Em favor de Foz do Iguaçu, o título abrangia uma área de 1.001 hectares. Surgia o Patrimônio Municipal de Aparecida dos Portos de Cascavel. 20 de outubro de 1938 – Decreto-lei 7.573 cria o Distrito de Cascavel, pertencente a Foz do Iguaçu. Pelo mesmo decreto, Rocinha recebe novamente o nome de Catanduvas.

Tuiuti Esporte Clube: local em que as lideranças cascavelenses se reuniram para organizar a conquista do Município e da Comarca

15

14 de maio de 1941 – Getúlio Vargas cria com o Decreto-lei n° 3.196 a Comissão de Estradas de Rodagem para os Estados do Paraná e Santa Catarina (CCERFSC), que seria encarregada de construir a atual BR-277. 6 de junho de 1941 – Com base no decreto-lei nº 3.196, organiza-se a Comissão Construtora de Estradas de Rodagem para os Estados do Paraná e Santa Catarina (CCERP-SC). Sua missão era construir a rodovia Ponta Grossa – Foz do Iguaçu. 13 de setembro de 1943 – Getúlio Vargas cria o Território Federal do Iguaçu com o decreto 5.812. Cascavel teve em seguida seu nome alterado para Guairacá. 27 de janeiro de 1944 – O ditador Getúlio Vargas visita a região Oeste, participando de ato no 1º Batalhão de Fronteira. 7 de fevereiro de 1946 – Presidente Eurico Gaspar Dutra nomeia o coronel Frederico Trotta para o governo do Território Federal do Iguaçu. 10 de junho de 1946 - Apresentada à Assembleia Nacional Constituinte emenda extinguindo o Território Federal do Iguaçu. 18 de setembro de 1946 – Extinto o Território Federal do Iguaçu. 20 de junho de 1947 – Criada pelo Governo do Estado a Fundação Paranaense de Colonização e Imigração, apoio oficial à ocupação do Oeste paranaense. 3 de julho de 1947 – Governador Moysés Lupion decreta construção de um grupo escolar e escola reunida em Cascavel (hoje, Eleodoro Ébano Pereira).

16

Padre Luiz Luíse iniciou o cooperativismo, combateu a corrupção no Banco do Brasil e trouxe a aviação comercial

24 de setembro de 1947 – Instalado na avenida Brasil o Grupo Escolar e Escola Reunida de Cascavel, futuramente Colégio Eleodoro Ébano Pereira. 25 de outubro de 1947 – Lei n° 4 cria o Departamento Administrativo do Oeste do Paraná, compreendendo os municípios de Foz do Iguaçu (incluindo o Distrito de Cascavel), Laranjeiras do Sul, Mangueirinha e Clevelândia. Substitui a parte paranaense do antigo Território Federal do Iguaçu, com sede em Laranjeiras do Sul. 1˚ de agosto de 1948 – Instala-se em Foz do Iguaçu a Industrial Madeireira do Paraná, principal elemento de apoio ao desenvolvimento de Cascavel na década de 50. 25 de agosto de 1949 – Fundado o Tuiuti Esporte Clube, que veio para dar consistência à comunidade em Cascavel. 10 de agosto de 1951 – Circula o primeiro ônibus da empresa Oeste Paraná Ltda fazendo a linha regular Ponta Grossa–Foz do Iguaçu. 14 de novembro de 1951 – Com a lei estadual 790/51, começa a formação de diversos municípios paranaenses, dentre os quais Cascavel, Toledo, Guaraniaçu e Guaíra (Oeste) e Maringá (Norte). 10 de outubro de 1952 – Padre Luiz Luíse leva a estátua de Nossa Senhora Aparecida em procissão até a atual localização da Catedral de Nossa Senhora Aparecida e declara fundada a nova cidade de Cascavel. 9 de novembro de 1952 – Realizam-se as primeiras eleições municipais em Cascavel. 14 de dezembro de 1952 – Instala-se o Município de Cascavel. 24 de dezembro de 1952 – Governo do Estado regulamenta atuação do Departamento de Geografia, Terras e Colonização, que veio criar a Inspetoria de Terras de Cascavel, primeiro órgão estadual a se instalar no município.

17

José Neves Formighieri, primeiro prefeito de Cascavel

2 de janeiro de 1953 – Inaugura-se em Cascavel o Aeroporto Coronel Adalberto Mendes da Silva. 3 de janeiro de 1953 – Por influência de João Saldanha, Tarqüínio Joslin dos Santos funda a Associação Rural de Cascavel, que teve Antônio Rodrigues de Almeida como primeiro presidente. É o atual Sindicato Patronal Rural. 11 de janeiro de 1953 – Voo inaugural do novo Aeroporto Coronel Adalberto Mendes da Silva, em Cascavel. 6 de maio de 1953 – Publica-se o primeiro jornal de Cascavel – Correio d’Oeste, de Celso Formighieri Sperança. 27 de janeiro de 1954 – Publicada no Diário Oficial do Paraná a lei 1.542, de 14 de dezembro de 1953, criando as Comarcas de Cascavel e Toledo. 15 de fevereiro de 1954 – Surge a primeira lei de incentivo à industrialização em Cascavel, de autoria do vereador Helberto Edwino Schwarz, mais tarde prefeito. 6 de maio de 1954 – Lei estadual 1.894 cria o Departamento de Fronteiras, com autonomia administrativa e diretamente subordinado ao governador do Estado, extinguindo o Departamento do Oeste, criado em outubro de 1947. 9 de junho de 1954 – Governador Bento Munhoz da Rocha Neto convoca a população de Cascavel para resolver, em praça pública, qual deveria ser o nome definitivo da cidade: “Cascavel”, “Aparecida dos Portos” ou “Aparecida do Oeste”. Venceu a primeira por aclamação. Instaladas as comarcas de Cascavel e de Toledo. Em Cascavel assume, por ausência do titular, Aurélio Feijó, o juiz substituto Epiphânio Figueiredo. 4 de agosto de 1954 – Criado o Departamento de Fronteiras, com autonomia administrativa, diretamente subordinada ao Governador do Estado (seria extinto em 1961). Extinto o Departamento Administrativo do Oeste do Paraná.

18

19

Aqui ficava a Encruzilhada dos Gomes, assinalada pelo obelisco do Marco Zero, então com a praça ainda em obras Ao fundo, a igreja, consagrada na época a Nossa Senhora Aparecida, onde hoje está a Igreja de Santo Antônio. Abaixo, a Praça GV já em fase de acabamento.

20

Obelisco do Marco Zero atualmente: a prova definitiva de que a cidade começou aqui – na antiga Encruzilhada dos Gomes

29 de maio de 1956 – Brasil e Paraguai assinam acordo visando à construção da Ponte da Amizade. 25 de agosto de 1956 – Criado pelo professor Antônio Cid o Colégio Rio Branco, futuro Marista. 30 de setembro de 1957 – Lei 65 autoriza o prefeito cascavelense Helberto Schwarz a construir uma usina geradora de energia elétrica no salto do rio Melissa, com capacidade inicial de 2 mil KVA. Atenção: como tantas outras ações do Município anteriores ao incêndio de 12 de dezembro de 1960, não estão documentados dia e mês, mas em 1958 foi inaugurado o obelisco da Praça Getúlio Vargas, que define o Marco Zero da cidade de Cascavel – o ponto exato da Encruzilhada dos Gomes, origem da cidade de Cascavel. 4 de abril de 1960 – Surge a Associação Comercial de Cascavel, mais tarde Associação Comercial e Industrial de Cascavel (Acic). 12 de dezembro de 1960 – Incêndio criminoso destrói a Prefeitura de Cascavel.

21

Prefeitura de Cascavel, alvo de incêndio criminoso em 1960

22 de novembro de 1961 – 8˚ Distrito Rodoviário da região tem sua sede transferida de Foz do Iguaçu para Cascavel. Cascavel assume a liderança da região Oeste. 30 de junho de 1963 – O maior incêndio de todos os tempos em Cascavel. Quase a metade do centro da cidade foi destruída. 6 de agosto de 1963 – Deputado federal Lyrio Bertoli, de Cascavel, apresenta no Congresso Nacional projeto de lei para criar a Hidrelétrica Federal de Sete Quedas, atual Itaipu. 19 de janeiro de 1964 – Na prova automobilística pioneira Duas Horas de Cascavel, vitória de Tamôio Fedumenti. Valdecir Sartori fica em segundo lugar, Jacy Miguel Scanagatta em terceiro, José Caratu e Pedrão Mikilita empatam na quarta colocação. 16 de março de 1964 – Ministro Expedito Machado, de Viação e Obras Públicas aprova projeto de terraplanagem do Aeroporto Internacional de Cascavel. 1º de abril de 1964 – Golpe de Estado implanta ditadura empresarialmilitar. 27 de março de 1965 – Os presidentes brasileiro e paraguaio, Castelo Branco e Alfredo Stroessner, inauguram a Ponte da Amizade, na fronteira entre os dois países. 10 de agosto de 1965 – Missão do governo japonês chega a Cascavel para avaliar o potencial e as perspectivas da região. 4 de abril de 1966 – Lei Municipal 420 institui o Marco Zero de Cascavel, localizado no obelisco da Praça Getúlio Vargas. O Marco Zero se define pelo cruzamento de estradas denominado Encruzilhada dos Gomes, origem da cidade de Cascavel.

22

Prova Automobilística Cascavel de Ouro, em 1989

22 de junho de 1966 – Ministros de Relações Exteriores do Brasil, Juracy Magalhães, e do Paraguai, Raul Sapena Pastor, assinam a Ata do Iguaçu, para o aproveitamento hidrelétrico das Sete Quedas. 4 de dezembro de 1966 – Prova automobilística inaugura a Pista do Parque São Paulo, precursora do Autódromo de Cascavel. Reinaugurada a Praça Getúlio Vargas. Junto ao obelisco da Praça Getúlio Vargas, que define o Marco Zero da cidade de Cascavel (a Encruzilhada dos Gomes) foi plantada uma cápsula do tempo: em caixa de concreto, uma coleção de objetos da época – dinheiro, mapa e documentos. 31 de dezembro de 1966 – Morre o fundador da Cascavel urbana, José Silvério de Oliveira, o Tio Jeca. 15 de novembro de 1967 – Primeira edição da Cascavel de Ouro, tradicional prova automobilística em comemoração ao aniversário do Município. 24 de julho de 1968 – Criado o 6° Batalhão de Polícia Militar de Cascavel, com a lei 5.797, originado da 3ª Cia do 3º BPM, de Pato Branco. 18 de setembro de 1968 – Prédio do Fórum da Comarca de Cascavel, na travessa Willy Barth, é devorado por um incêndio aparentemente criminoso. 28 de novembro de 1968 – Câmara cria a Fundação de Ensino Superior de Cascavel, para instalar a futura Fecivel (hoje, Unioeste). 27 de março de 1969 – Inaugurado oficialmente o trecho da BR-277 ligando Cascavel a Foz do Iguaçu. 10 de julho de 1969 – Câmara de Cascavel cria comissão para iniciar a luta pela introdução do ensino superior no Oeste do Paraná. 29 de novembro de 1969 – Governo do Paraná decide que a primeira instituição de ensino superior do Oeste será uma Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras em Cascavel.

23

10 de abril de 1970 – Comissão Técnica Mista da Ata do Iguaçu, Eletrobrás (Brasil) e Ande (Administração Nacional de Eletricidade, pelo Paraguai) celebram convênio para viabilizar a construção de Itaipu. 12 de maio de 1970 – Câmara aprova proposta do prefeito Octacílio Mion para constituir o primeiro Distrito Industrial de Cascavel.
Governador Parigot de Souza profere aula inaugural da Fecivel, hoje Unioeste, em 16 de agosto de 1972

19 de maio de 1970 – Comissão de Ensino Superior de Cascavel envia ao governo do Paraná documento propondo a criação do ensino superior no Oeste. 15 de dezembro de 1970 – Criada a Cooperativa Agropecuária Cascavel (Coopavel), hoje Cooperativa Agroindustrial de Cascavel. 24 de abril de 1971 - Professor Marcos Cláudio Schuster propõe a criação da Universidade do Oeste. 12 de agosto de 1971 – Criada a Universidade Oeste do Paraná pela Lei Municipal Nº 866/71, tendo por mantenedora a Fundação Universidade Oeste do Paraná (FUOP), cujo presidente é o professor Attílio Ortigara. 27 de outubro de 1971 – Regulamentado o funcionamento da FUOP (Fundação Universidade do Oeste do Paraná), em Cascavel. 27 de novembro de 1971 – Criada a Fundação Universidade Oeste do Paraná (FUOP) com a lei municipal 885 de Cascavel. 15 de maio de 1972 – Decreto federal 70.521 autoriza o funcionamento da Fecivel (hoje incorporada à Unioeste). 16 de agosto de 1972 – Entra em funcionamento a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cascavel (Fecivel), futura Unioeste, com aula inaugural do governador Parigot de Souza. **

24

Mapas, fotografias, documentação e fontes dessas datas estão no livro Cascavel, A História, publicado pela Gráfica Positiva.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful