Você está na página 1de 33

Módulo: ConfiguraçãoConfiguração ee IntegraçãoIntegração dede RedesRedes

e e Integração Integração de de Redes Redes Parte Parte 1: 1: Telefonia Telefonia Básica Básica

ParteParte 1:1: TelefoniaTelefonia BásicaBásica

Metodologia:

ExpositivaExpositiva // ParticipativaParticipativa

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Básico de Telefonia - AGENDA

• OBJETIVO • Conhecer os tipos de centrais de comutação • Entender o processo de
• OBJETIVO
• Conhecer os tipos de centrais de comutação
• Entender o processo de comutação telefônica

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Introdução

Historicamente, a primeira central de comutação era basicamente a mesa da operadora. Nesta tecnologia

analógica e manual, todo o processo para o estabelecimento de uma conversação era realizado pela

operadora. Em seguida, foram implementadas as primeiras centrais analógicas automáticas e conhecidas

como SXS (passoa-passo), de forma que o estabelecimento de uma dada conexão era realizada de acordo

com os dígitos recebidos pela central pela utilização de um rotor, e portanto, com o controle do progresso

de uma conexão realizado passo a passo. Com o desenvolvimento das tecnologias de relés e seletores

mecânicos, surgiram as primeiras centrais eletromecânicas, ainda analógicas totalmente automáticas e

programáveis, onde as conexões das chamadas eram feitas por meio do cruzamento de uma barra vertical

com uma barra horizontal (conhecido como seletor). Na década de 80 no Brasil, são introduzidas as

primeiras centrais digitais controlados por software e denominadas de controle por programa armazenado

(CPA), onde as conexões das chamadas são estabelecidas por meio do uso de seletores temporais

(memórias

RAM)

como

também

de

seletores

espaciais

(portas

lógicas).

Estes

sistemas

empregam

tecnologias de multiplexação por divisão no tempo (TDM), proporcionando sistemas com alta capacidade,

qualidade, confiabilidade e um amplo espectro de novas funcionalidades para assinantes e operadoras.

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Interligação entre Usuários

A B
A
B

F

Interligação entre Usuários A B F E A B C D p.explo: cidade A com 100K

E

Interligação entre Usuários A B F E A B C D p.explo: cidade A com 100K

A

B C
B
C

D

Interligação entre Usuários A B F E A B C D p.explo: cidade A com 100K
Interligação entre Usuários A B F E A B C D p.explo: cidade A com 100K
Interligação entre Usuários A B F E A B C D p.explo: cidade A com 100K

p.explo: cidade A com 100K hab.

Profº Rosalvo Soares C. Filho

N (N-1) NL= 2
N (N-1)
NL=
2

N= 4.999.950.000 conexões

Classificação dos sistemas de comutação

Manuais : mesas com as operadoras

Automáticos:

comando direto ( seleção de saída do comutador é feita pela própria sinalização da parte que origina a chamada )

Passo a Passo

Rotary

Strowger

Comando indireto (sistema com matrizes e uma lógica que analisa o numero chamado e decide o caminho a ser usado )

Eletro-mecânicas ( Crossbar)

Semi-eletrônicas ( Crosspoint)

Eletrônicas

Digitais

Profº Rosalvo Soares C. Filho

A
A
C
C

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Sistemas de Comutação

CENTRAL

Rosalvo Soares C. Filho Sistemas de Comutação CENTRAL B LINHA DE ASSINATE D E F •SISTEMA

B

Rosalvo Soares C. Filho Sistemas de Comutação CENTRAL B LINHA DE ASSINATE D E F •SISTEMA

LINHA DE ASSINATE

D

Filho Sistemas de Comutação CENTRAL B LINHA DE ASSINATE D E F •SISTEMA MANUAL •SISTEMA PASSO-A-PASSO
E
E
F
F

•SISTEMA MANUAL •SISTEMA PASSO-A-PASSO •SISTEMA CROSSBAR (XB) •SISTEMA CPA

Arquitetura Telefônica (Simplificada) : RTPC *

Arquitetura Telefônica (Simplificada) : RTPC * ATM MTS ERB LS + RDSI LS + CTX LS
Arquitetura Telefônica (Simplificada) : RTPC * ATM MTS ERB LS + RDSI LS + CTX LS

ATM

Arquitetura Telefônica (Simplificada) : RTPC * ATM MTS ERB LS + RDSI LS + CTX LS
Arquitetura Telefônica (Simplificada) : RTPC * ATM MTS ERB LS + RDSI LS + CTX LS
Arquitetura Telefônica (Simplificada) : RTPC * ATM MTS ERB LS + RDSI LS + CTX LS

MTS

Arquitetura Telefônica (Simplificada) : RTPC * ATM MTS ERB LS + RDSI LS + CTX LS
ERB LS + RDSI LS + CTX LS TDM
ERB
LS + RDSI
LS + CTX
LS
TDM

PABX

0800 RI 0900
0800
RI
0900

INTS

ERB LS + RDSI LS + CTX LS TDM PABX 0800 RI 0900 INTS FAX TS

FAX

TS ELR LS + TS
TS
ELR
LS + TS

FAX

KS
KS
PABX LS + TDM
PABX
LS + TDM

INMARSAT

Profº Rosalvo Soares C. Filho

* RTPC : Rede Telefônica Pública Comutada

Centrais Privadas de Comutação Telefônica (CPCT)

RAMAL KS REDE TELEFONE PÚBLICA PABX TIE LINE RAMAL PABX
RAMAL
KS
REDE
TELEFONE
PÚBLICA
PABX
TIE
LINE
RAMAL
PABX

TELEFONE DIGITALKS REDE TELEFONE PÚBLICA PABX TIE LINE RAMAL PABX RAMAL ANALÓGICO TELEFONE PABX: Public Automatic Branch

RAMAL

ANALÓGICOPABX TIE LINE RAMAL PABX TELEFONE DIGITAL RAMAL TELEFONE PABX: Public Automatic Branch Exchange KS: Key

TELEFONE

PABX: Public Automatic Branch Exchange KS: Key Systems
PABX: Public Automatic Branch Exchange
KS: Key Systems

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Rede Telefônica

Modelo Hierárquica ( estruturada com níveis com subordinação ) dividem-se em:

Redes Interurbanas

Redes Locais

Redes Locais

redes de entroncamento ( interligam estações locais )

rede de assinantes ( interligam os assinantes as centrais telefônicas) e dividem-se em:

rede primária ou de alimentação

rede secundária ou de distribuição

rede terciária ou interna

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Central Pública de Comutação Local

LS 1 LS 2 LS 3
LS 1
LS 2
LS 3
Central Pública de Comutação Local LS 1 LS 2 LS 3 Utilizadas pelas operadoras do Serviç
Central Pública de Comutação Local LS 1 LS 2 LS 3 Utilizadas pelas operadoras do Serviç
Central Pública de Comutação Local LS 1 LS 2 LS 3 Utilizadas pelas operadoras do Serviç
Central Pública de Comutação Local LS 1 LS 2 LS 3 Utilizadas pelas operadoras do Serviç
Central Pública de Comutação Local LS 1 LS 2 LS 3 Utilizadas pelas operadoras do Serviç
Central Pública de Comutação Local LS 1 LS 2 LS 3 Utilizadas pelas operadoras do Serviç

Classificação das Centrais Telefônica

Considerado o sub-sistemas mais importante de uma rede telefônica, pode ser classificado de acordo com a capacidade:

Central Simplificada (capacidade final menor que 1.000 terminais )

Central de pequeno porte (capacidade final menor que 4000 terminais )

Central de médio porte (capacidade final menor que 10.000 terminais )

Central de grande porte (capacidade final maior que 10.000 terminais )

Quanto a aplicação:

Privada ( aparelhos são os ramais e enlaces são troncos)

Pública ( tratam o serviço básico de telefonia )

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Classificação das Centrais Telefônica

Quanto a tecnologia de comutação, as centrais podem ser classificadas:

CPA-E ( Centrais Analógicas ou Espaciais ) estrutura de áudio interna é analógica e as matrizes de comutação são analógicas

CPA-T ( Centrais Digitais ou Temporais ) estrutura de áudio interna é digital e as matrizes de comutação são digitais. A conversão analógica- digital é realizada na interface de assinante

RDSI (Rede Digital de Serviços Integrados ) neste caso, a informação digital é gerada desde o terminal do assinante. Toda a informação é digital de um extremo ao outro. O terminal suporte serviços de voz, vídeo e dados em um mesmo dispositivo ( terminal do assinante )

Quanto a função na rede telefônica, as centrais classificam-se:

Central Local: processa as chamadas originadas ou terminadas em um terminal telefônico a ela conectados

Central Trânsito: central que processa as chamadas entre centrais

Central Tandem: apresenta as funções de central local e trânsito

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Classificação Central Pública : TANDEM LS 1 LS 2 TDM LS 3 LS 4
Classificação Central Pública : TANDEM
LS 1
LS 2
TDM
LS 3
LS 4

Equipamentos de comutação que interligam as centrais locais classificadas de :

TDM puras quando não possuírem assinantes diretamente interligados a ela;

TDM mistas (TDM/LS) quando possuírem assinantes diretamente interligados a ela.

(representam os equipamentos que interligam as centrais locais de cidades vizinhas)

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Classificação Central Pública : TRÂNSITO

ÁREA A

LS 1 TDM LS 3
LS 1
TDM
LS 3
Central Pública : TRÂNSITO ÁREA A LS 1 TDM LS 3 LS 2 LS 4 TS
Central Pública : TRÂNSITO ÁREA A LS 1 TDM LS 3 LS 2 LS 4 TS

LS 2

LS 4

TS

Pública : TRÂNSITO ÁREA A LS 1 TDM LS 3 LS 2 LS 4 TS LS
LS 1 TDM LS 3
LS 1
TDM
LS 3

LS 2

ÁREA A LS 1 TDM LS 3 LS 2 LS 4 TS LS 1 TDM LS

LS 4

ÁREA B

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Equipamentos de comutação que interligam as centrais TDM.

Dependendo do projeto,podem interligar diretamente as centrais locais ou apresentarem-se também com funcionalidades de central local (TS/LS).

Representam os equipamentos que são alocados para permitir a conexão das chamadas oriundas e encaminhadas para os diversos estados; por essa razão, são também denominadas de centrais

trânsito interurbanas.

Classificação Central Pública : Internacional

PAÍS A PAÍS C TS INTS INTS TS EQUIP. Tx. PAÍS B TS INTS
PAÍS A
PAÍS C
TS
INTS
INTS
TS
EQUIP.
Tx.
PAÍS B
TS
INTS

Equipamentos de comutação que interligam as centrais trânsito de um país para outro.

O meio de interligação entre essas centrais, dado as enormes distâncias, podem ser realizadas por meio do uso de conexões por satélites ou cabos submarinos.

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Classificação Central Pública : Função Mista

LS 1 LS 3 TDM1 TS TDM2 LS 2 LS 4
LS 1
LS 3
TDM1
TS
TDM2
LS 2
LS 4

TDM 1 / TDM 2 Tandem com função Local

TS Trânsito com função Local

LS Central Local

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Classificação Central Pública : Funções Especiais

ELR LS Estágio de Linha Remoto
ELR
LS
Estágio de Linha Remoto

.

480 .

.

Especiais ELR LS Estágio de Linha Remoto . 480 . . E Central L LS U
E Central L LS U
E
Central
L
LS
U

Unidade de Linha Estendida

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Classificação Central Pública : INMARSAT

INMARSAT INTS
INMARSAT
INTS

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Classificação Central Pública : Centrex

Antes do Centrex PABX REDE PÚBLICA PABX EMPRESA A EMPRESA B
Antes do Centrex
PABX
REDE PÚBLICA
PABX
EMPRESA A
EMPRESA B
EMPRESA A PABX FUNÇÃO DE DB REDE PÚBLICA EMPRESA B DTI DB DTI PABX DB
EMPRESA A
PABX
FUNÇÃO DE
DB
REDE
PÚBLICA
EMPRESA B
DTI
DB
DTI
PABX
DB
BD: Banco de Dados

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Centrex

Rede Inteligente PCS 0800 BANCO REDE DE PAS PÚBLICA DADOS PCS 0900 CARTÃO ELETRÔNICO PI
Rede Inteligente
PCS
0800 BANCO
REDE
DE
PAS
PÚBLICA
DADOS
PCS
0900
CARTÃO ELETRÔNICO
PI
REDE INTELIGENTE

PAS: Ponto de Acesso de Serviço

PCS: Ponto de Controle de Serviço

PI:

Periférico Inteligente

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Rede Digital de Serviços Integrados : RDSI

INTERFUN-

CIONAMENTO

DE REDES

de Serviços Integrados : RDSI INTERFUN- CIONAMENTO DE REDES RDSI RENPAC RTPC Profº Rosalvo Soares C.
de Serviços Integrados : RDSI INTERFUN- CIONAMENTO DE REDES RDSI RENPAC RTPC Profº Rosalvo Soares C.
de Serviços Integrados : RDSI INTERFUN- CIONAMENTO DE REDES RDSI RENPAC RTPC Profº Rosalvo Soares C.

RDSI

RENPAC

RTPC

: RDSI INTERFUN- CIONAMENTO DE REDES RDSI RENPAC RTPC Profº Rosalvo Soares C. Filho ASSINANTE RDSI
: RDSI INTERFUN- CIONAMENTO DE REDES RDSI RENPAC RTPC Profº Rosalvo Soares C. Filho ASSINANTE RDSI

Profº Rosalvo Soares C. Filho

ASSINANTE RDSI EQUIP. DADOS TR1 AT FAX ASSINANTE DA REDE RDSI MODEM EQUIP. DE DADOS
ASSINANTE
RDSI
EQUIP.
DADOS
TR1
AT
FAX
ASSINANTE DA
REDE RDSI
MODEM
EQUIP.
DE
DADOS
ATUAL
TELEFONE
ATUAL

RDSI: Rede Digital de Serviços Integrados RENPAC: Rede Nacional de Pacotes

RTPC: Rede de Telefonia Pública de Comutação

EXEMPLOS DE ARQUITETURAS DE REDES TELEFONICAS

EXEMPLOS DE ARQUITETURAS DE REDES TELEFONICAS

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Hierarquia entre Centrais Trânsito

Na RTPC ( Rede de Telefonia Pública Comutada ) os níveis hierárquico entre centrais transito são chamados de classes:

Central Trânsito Internacional: Central trânsito cuja única função é encaminhar chamadas internacionais

Central Trânsito Classe I: Central trânsito interurbana que se liga com pelo menos, uma central de trânsito internacional através de rota final. Pertence ao maior nível hierárquico da Rede nacional.

Central Trânsito Classe II: Central trânsito interurbana que se liga a uma central de trânsito classe I através de rota final para trânsito internacional.

Central Trânsito Classe III: Central trânsito interurbana que se liga a uma central de trânsito classe II através de rota final para trânsito internacional

Central Trânsito Classe IV: Central trânsito interurbana que se liga a uma central de trânsito classe III através de rota final para trânsito internacional.

Profº Rosalvo Soares C. Filho

uma central de trânsito cl asse III através de rota final para trânsito internacional. Profº Rosalvo

Rede de Centrais

Central de

Comutação Central de Comutação Central de Comutação Central de Comutação
Comutação
Central de
Comutação
Central de
Comutação
Central de
Comutação

As redes telefônicas são constituidas de várias centrais de comutação onde se ligam os assinantes e de centrais que são utilizadas para interligar outras centrais, formando uma rede de centrais em estrela. Dependendo das necessidades de comunicação, duas centrais de assinantes podem se ligar diretamente, formando uma rede mista “malha-estrela”.

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Rede Privada Multi-Central

CPCT

A

Circuitos de Interligação (entroncamento)

CPCT

B

CPCT

D

CPCT

C

A rede privativa multi-central é constituída de várias CPCT´s, de um ou mais clientes, interligada entre si e localizadas em diferentes localidades (bairros, cidades, estados ou países). A CPCT C é utilizada como trânsito para as interligações CPCT A com CPCT D e CPCT B com CPCT D.

Profº Rosalvo Soares C. Filho

RTPC

Concentrador ou Estágio de Linha Remoto

RTPC Concentrador ou Estágio de Linha Remoto Assinantes Locais A s s i n a n

Assinantes

Locais

Assinantes

Remotos

Assinantes

Locais

A s s i n a n t e s Remotos Assinantes Locais Central Local Entroncamento
A s s i n a n t e s Remotos Assinantes Locais Central Local Entroncamento
A s s i n a n t e s Remotos Assinantes Locais Central Local Entroncamento
Central Local Entroncamento Central CPCT Local
Central
Local
Entroncamento
Central
CPCT
Local
Central
Central
Local CPCT
Local
CPCT
Usuários Usuários CPCT CPCT Em uma RTPC as ligações podem ser: - Intra-central; quando os
Usuários
Usuários
CPCT
CPCT
Em uma RTPC as ligações podem ser:
- Intra-central; quando os dois assinantes, chamado e chamador, pertencem a mesma
central;
- Inter-centrais; quando a chamada é realizada entre assinantes de duas centrais locais.

Profº Rosalvo Soares C. Filho

RTPC com Tandem Central Central Local Local Central Central Central Local Tandem Tandem Central Central
RTPC com Tandem
Central
Central
Local
Local
Central
Central
Central
Local
Tandem
Tandem
Central
Central
Local
Central
Tandem
Local
Central
Central
Local
Local

Neste caso as chamadas inter centrais podem trafegar por:

- Duas centrais locais;

- Duas centrais locais e uma tandem ou

- Duas centrais locais e duas tandem.

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Rede Interurbana

Central

Local

Central

Local

Área A

Central

de

Trânsito

Interurbana

Área B2

Central

de

Trânsito

Interurbana

Central

de

Trânsito

Interurbana

Área B1

Central

Local

Central

Local

Central

Local

Central

Local

Rede Interurbana Nacional

L

1

L

L

L

L

2

3

4

5

6

7

L

Central

Central

Central

Central

Central

Central

Central

Central

Local

Classe III

Classe II

Classe I

Classe I

Classe II

Classe III

Local

L

L

L

L

L

L

O

trecho compreendido entre dois centros sub-sequentes de comutação é denominado “seção

comutada”.

O

encaminhamento, em condições normais, na Rede Nacional, é composto de no máximo sete seções

comutadas (oito centrais).

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Rede Internacional de um País

de / para

outros países

de / para outros países Central Trânsito Internacional de / para outros países Rede Internacional Central

Central

Trânsito

Internacional

de / para outros países Central Trânsito Internacional de / para outros países Rede Internacional Central
de / para outros países Central Trânsito Internacional de / para outros países Rede Internacional Central

de / para

outros países

Rede

Internacional

Central

Trânsito

Interurbana

Rede

Central Tandem Interurbana Central Central Loc al Lo c al Central Tandem Local
Central
Tandem
Interurbana
Central
Central
Loc
al
Lo
c al
Central
Tandem
Local

Interurbana

Rede

Local

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Configuração de uma Rede de Telecom

Equipamento Acesso Central Central Acesso Equipamento Terminal de de Multiplexador Multiplexador de de
Equipamento
Acesso
Central
Central
Acesso
Equipamento
Terminal
de
de
Multiplexador
Multiplexador
de
de
Terminal
de Usuário
Usuário
Comutação
Comutação
Usuário
de Usuário
Equipamento
de
Transmissão

Profº Rosalvo Soares C. Filho

Operadoras do Serviço Fixo

LONGA DISTÂNCIA

Região I

Embratel (MCI) (1)

Intelig

(Bonari) (2)

Telemar (1) Vésper (2) I.I. II.II. III.III.
Telemar (1)
Vésper (2)
I.I.
II.II.
III.III.

(Tele Norte-Leste)

(Canbrá)

Região II

Brasil Telecom ( Itália Tel.) (1)

(Tele centro-Sul) GVT (Global Village Telecom) (2)

Região III

Telefonica

Vésper

(Telesp) (1)

(Megatel) (2)

Legenda:

(1):Concessionária

(2):Autorizada (espelho)

Profº Rosalvo Soares C. Filho

ANALOGICODIGITALOPTICO

Meios : Evolução do Nó de Comutação

SW OPTICO
SW
OPTICO
IP / ATM CPA-T & RDSI CPA-S XB
IP / ATM
CPA-T
& RDSI
CPA-S
XB
SxS
SxS

SxS : Passo a Passo XB : Crossbar CPA : Controle por Programa Armazenado T/S : Temporal/Espacial ATM : Asynchronous Transfer Mode RDSI : Rede Digital de Serviços Integrados IP: Internet Protocol

LOGICA POR CABO

CONTROLE POR SOFTWARE

Profº Rosalvo Soares C. Filho