Você está na página 1de 4

Democracia ou Cleptocracia

Terminou há pouco um longo periodo de folclore eleitoral. Acabado o tempo


das promessas e dos sorrisos iniciou-se a fase do cenho franzido e do roubo
despudorado.

Para a multidão assaltada pelos gangs no poder que se apresentam sob


várias formas - governo, elencos camarários, empresários e capital em geral
- exige-se submissão, resignação, sacrifício e confiança nas … instituições
democráticas.

Democracia ? Em Portugal ?

Para quem entenda que democracia é mais do que eleições periódicas,


partidos políticos e poder dizer mal do governo sem risco de prisão, há um
logro democrático que pode ser observado sob diversos ângulos.

1 - As eleições

A importância das eleições dos deputados para a AR deriva de dois factores:


um é, de facto, a de conduzir à legitimação do gang governamental ao qual
irá caber a criação de condições para facilitar a acumulação capitalista e
manter serena a multidão (com televisão mas também com bastonada, se
necessário); o outro é o de encenar uma representação da multidão nas
instituições políticas. Vejamos a questão da representação.

Os 230 lugares na AR visam a representação do eleitorado todo. Eles são o


número de representantes dos cidadãos eleitores (8,934 milhões em 2005),
o que corresponde a um por cada 38842 cidadãos. Não interessa, no
contexto, aqui vertido se são muitos ou poucos; interessa apenas que a
5,750 milhões de votantes em partidos corresponde, de facto, à eleição de
148 deputados cabendo aos não votantes os lugares de 82 deputados que
não entenderam por bem eleger.

Como os lugares na AR foram todos preenchidos, existe uma usurpação


pelos gangs partidários dominantes dos lugares afectos à população não
votante, aqueles (e são muitos) que manifestaram desconfiança ou repúdio
perante o cardápio de partidos concorrentes.

A abstenção é um indicador fortíssimo da saúde e vitalidade de uma


democracia; é um sintoma de repúdio do mandarinato e das falsas escolhas
que se apresentam em democracia de mercado.

Se o mandarinato estivesse preocupado com a democracia aceitaria esses


lugares vagos como medida da sua real legitimidade global e seria obrigado
a gerar iniciativas que fomentassem a participação da multidão nos actos
eleitorais; a promover acções que conduzissem a multidão a um maior
empenho na acção política; a um maior respeito pela satisfação das
necessidades globais e maior cuidado nas promessas que saem das
gargantas dos mandarins com tanta ligeireza como de impunidade, nos
casos, escandalosamente comuns, de incumprimento.

Não procedem dessa maneira porque eles são os beneficiados com o


divórcio entre a política e a multidão. Quanto mais alheada e mansa andar a
multidão mais folga o mandarinato e mais impunemente funciona o sistema
cleptocrático; e por isso eles apresentam aqueles discursos redondos e
vazios, de palavras codificadas que se dirigem mais aos seus adversários e
menos ao eleitorado.

Portanto, eles ocupam todos os lugares (com as mordomias e os fundos


públicos inerentes), como se os abstencionistas e aqueles que votaram nulo
ou em branco os tivessem, também, legitimado. Assim, quem se abstém
constitui um enorme grupo de despojados de valor político democrático
como se a sua opção tivesse menos legitimidade que a dos votantes.

Nos sistemas mais maduros no sentido do totalitarismo, essa usurpação


pode mesmo acentuar-se nos casos em que se exige uma percentagem (5%
na Alemanha) para um partido estar presente no parlamento, gerando-se
assim um outro vector de despojados de representação, constituido pelos
votantes em formações que, por serem minoritárias são colocadas à
margem.

Em Portugal, isso vem sendo falado no seio dos gangs dominantes (as duas
Torres Gémeas, PS e PPD) e constitui uma forma de afunilar ainda mais o
debate político nos media num estreito leque de pequenas diferenças
formais (é o bipolarismo, o rotativismo…). Caminha-se para uma putrefacção
corrupta idêntica à vigente na monarquia constitucional, cujas
características foram retratadas por Eça de Queirós e outros vultos
contemporâneos e que ocultou ou disfarçou os problemas que se vieram a
conduzir ao regicídio e à instauração da república.

Outros sistemas eleitorais torneiam essa questão do divórcio entre a


multidão e os gangs partidários instituindo o voto obrigatório (Brasil, Bélgica,
por exemplo) sem contar com aquele tipo grosseiro de fraude eleitoral que
dá votações de 99%, típicas das ditaduras tradicionais e não concebíveis nas
democracias (ou ditaduras) de mercado.

Há muito também que as Torres Gémeas vêm discutindo as vantagens de


elencos camarários monocolores, para “agilizar a gestão”, isto é, facilitar a
corrupção, assim tornada restrita a membros de uma só máfia partidária,
sem concorrência ou o incómodo de vereadores da oposição.
2 – Os arranjos “democráticos” post-eleitorais

Terminada a contagem dos votos até o simulacro de democracia desaparece


para tudo se cingir aos jogos de poder dentro do gang dominante o que se
pode tornar ainda mais complexo se houver necessidade de coligação entre
vários gangs. Isso processa-se a vários níveis.

Primeiro, porque a hierarquia nas listas eleitorais é completamente


subvertida uma vez que quem preenche de facto os lugares de deputado são
figuras extraidas dos lugares secundários dessas listas uma vez que os
elementos mais mediáticos, colocados nos lugares cimeiros apenas aí
figuram como isco para iludir eleitores menos atentos.

Depois, porque os chefes de gang obrigam os futuros deputados, antes da


tomada de posse, a assinar uma carta de renúncia ao mandato, sem data,
que fica na posse da direcção do gang. Resta assim garantida a
“independência” do deputado… a sua intransigente defesa dos interesses do
povo… Os deputados saberão que só falam quando autorizados pelos seus
chefes, sobre os assuntos põe eles determinados e nos termos pelos
mesmos definidos.

Finalmente, ao nível da constituição do governo muitas atribuições são


dadas a não eleitos (ao contrário, por exemplo da Grã-Bretanha),
demasiadas vezes figuras obscuras, simples incompetentes, traficantes de
influências saídos de empresas de advogados ou indicados pelo poder
financeiro e ainda pelos cooptados aos níveis secundários do gang
governamental.

E ninguém poderá, seriamente, argumentar que o governo está legitimado


pelas eleições porquanto entre as promessas eleitorais e a política real
levada a cabo pela máfia governamental vai uma grande distância. Quem
votou neles decerto se sente vigarizado e para o demonstrar aí está o
resultado do PS através do seu candidato Mário Soares e da votação obtida
pelo Alegre. Recorde-se que o mandarinato para justificar as diferenças
entre o prometido e a prescrição a aplicar à multidão, encenou aquela
paródia da consulta ao sumo-sacerdote Constâncio sobre o estado da
economia. Se só depois das eleições de inteiraram do estado da economia é
porque são ignorantes e levianos; logo, não servem.

3 – Legitimidade ?

Neste contexto de sobrerepresentação dos partidos presentes na AR, um


deles, o PS com o robot Sócrates à frente afirma-se com maioria absoluta
com base em 28,8% do eleitorado ! Assente na ausência de qualquer
escrutínio durante 4 anos, a mafia socratóide age, como possuidora de um
poder absoluto, em verdadeira ditadura: e, nesse âmbito sente-se legitimada
para reduzir o poder de compra da esmagadora maioria da população de
trabalhadores, no activo ou no desemprego e ex-trabalhadores, mantendo
ou melhorando os rendimentos do sector financeiro e dos promotores de
OPAs, exagerando grosseiramente, os resultados do combate à fraude e
evasão fiscal ou contributiva, como se os problemas se resolvessem com um
maior rigor junto dos trabalhadores com subsídio de desemprego ou por
doença.

Por outro lado, os resultados valem o que valem, dependem dos contextos e
do modo como os media apresentam as candidaturas. Sete meses antes do
25 de Abril, Caetano ganhou as eleições e bem se viu então o apoio que
realmente detinha. Nos países do Leste europeu, no periodo 1989/91
assistiu-se a todas as reviravoltas políticas, reconversão de mandarins, etc:
contudo, meses antes, os governos ditos comunistas tinham vencido
eleições de modo esmagador.

Pretendem, em suma, convencer a multidão que a simples existência de


eleições garante a expressão democrática dos anseios da multidão, o que
não é verdade, mais ainda quando o gang no governo subverte totalmente o
que havia proclamado antes do escrutínio. Visa-se, pois, criar uma ilusão de
legitimidade que tende a inibir as vozes discordantes e críticas e garantir a
sonolenta aquiescência dos restantes. Por outro lado, a multidão afastada da
acção política, induzida a aceitar como natural que alguns se especializem
nessa área, como em qualquer outra, tende a votar com um elevado
sentimento de resignação ou leviandade.

Perante esta falta de legitimidade e de democracia não tem a multidão


qualquer dever de aceitação das instituições nem daqueles que as dominam.
Ainda recentemente um estudo divulgado na imprensa referia o desencanto
dos portugueses face ao país, extraindo ainda os técnicos, das respostas, a
ideia de que se poderá estar no limiar de motins e sublevações populares.
Está aberta a larga estrada da desobediência, da contestação, da não
colaboração com o poder dos gangsters.

Voltaremos a este tema.

Inserto em:

ESQUERDA_DESALINHADA.BLOGS.SAPO.PT

Para outros temas, consukte ainda,

ESQUERDADESALINHADA.BLOGS.SAPO.PT