Émile Durkheim [1858-1917

]
A pretensão de conferir à sociologia uma reputação verdadeiramente científica será o principal objetivo da obra do pensador francês Émile Durkheim [1858-1917]. Seguidor do positivismo de Augusto Comte, toda obra de Durkheim está voltada para dotar a sociologia do que até então mais lhe faltava: um método de análise. Daí a sua importância para a história do pensamento sociológico. Durkheim também forneceu para a sociologia estudos pioneiros na área da sociologia da religião e do conhecimento, bem como estudos empíricos sobre o fenômeno do suicídio. Além disso, este pensador é um dos grandes analistas do mundo moderno com sua tese da divisão social do trabalho. Através deste conceito, ele aponta para a complexidade da sociedade contemporânea, cuja marca característica é a diferenciação social e a especialização das funções, com todas as conseqüências que este fenômeno traz para a vida do homem, suas relações sociais e a própria organização da sociedade.

(1) VIDA

E

OBRAS

Émile Durkheim, sociólogo francês, filho de rabinos, nasceu em 15 de abril de 1858 na cidade de Épinal, Alsácia. Iniciou seus estudos primários no colégio daquela cidade e lhes deu continuidade em Paris, no Liceu Louis Le Grand e na École Normale Superieure [1879]. Teve como professores Foustel de Coulanges e Boutrox. Em 1882, Durkheim forma-se em filosofia e é nomeado professor em Sens, Saint Quentin e Troyes, iniciando neste período seu interesse pelas questões sociais. Entre 1885 e 1886, Durkheim faz uma importante viagem de estudos para a Alemanha, para estudar ciências sociais. Na Alemanha (Lepzig e Berlim) entra em contato com Wilhelm Wundt [18321920]. Desta viagem, Durkheim retoma com a intenção de desenvolver a sociologia na França, visando torná-la uma ciência autônoma. Em 1887 é nomeado professor de pedagogia e de ciência social na faculdade de Bordeaux, no sul da França. Trata-se do primeiro curso de sociologia criado em uma universidade. É neste período que Durkheim escreve suas principais obras e forma a base de seu pensamento social. Em 1893, ele defende sua tese de doutorado (A Divisão Social do Trabalho) e funda a revista L'Anné Sociologique, na qual foi publicada a maior parte dos trabalhos iniciais da escola sociológica francesa. Adquirindo grande notoriedade, no ano de 1902 Durkheim é convidado a tomar-se professor suplente de pedagogia na Universidade de Sorbonne, em Paris. Em 1906 torna-se titular da cadeira e passa a lecionar paralelamente sociologia, que é transformada em cátedra no ano de 1913. No ano de 1914, começa na Europa a primeira guerra mundial. Abalado com a morte de seu filho na guerra, Durkheim morre em Paris, no dia 15 novembro de 1917. Além de ser um dos maiores clássicos da sociologia, Durkheim também é o responsável pela introdução desta ciência no ensino universitário. É com Durkheim que a sociologia adentra no mundo acadêmico e se firma definitivamente como ciência. As principais obras de Émile Durkheim são: A Divisão Social do Trabalho [1893], As Regras do Método Sociológico [1895], O Suicídio [1897], As Formas Elementares da Vida Religiosa [1912]. Além destes textos, podem-se mencionar ainda as seguintes obras póstumas do autor: Educação e Sociologia [1922], Sociologia e Filosofia [1924], O Socialismo [1928].

(1.1) CONTEXTO SOCIAL

E

INTELECTUAL

O período em que Durkheim viveu costuma ser chamado pelos historiadores de belle époque. Como o nome indica, este foi um período de progresso e otimismo, marcado por grandes invenções (eletricidade, avião, submarino, cinema, automóveis, etc.). Apesar deste clima de otimismo, já apareciam os problemas típicos da sociedade moderna (migrações, pobreza, criminalidade, etc.), chamados na época de "questão social". Todo este contexto social, com sua ambigüidade característica, vai exercer uma grande marca no pensamento de Durkheim, que vai compartilhar do objetivo de consolidar as conquistas da sociedade moderna, eliminado o que ele julgava serem "problemas passageiros".

modelando suas formas de agir. Durkheim sabia que. Em todas as obras de Durkheim vamos perceber que este pressuposto está presente. A idéia de aplicar a noção de evolução da natureza. a sociedade é muito mais do que a soma dos indivíduos que a compõem. Embora Durkheim não rejeitasse o progresso. ela deveria responder muito claramente às duas perguntas que definem qualquer ciência: qual o objeto de estudo da sociologia e segundo qual método deve a sociologia proceder para explicar o seu objeto de estudo. condicionando e padronizando o comportamento social do homem. Joseph de Maistre [1754-1821] e Louis de Bonald [1754-1840] são filósofos que se opuseram às transformações trazidas pela Revolução Francesa de 1789. a química. até mesmo nossa identidade (a noção de que somos pessoas.Dentre as influências fundamentais para se entender a formação do pensamento de Durkheim. para consolidar a sociologia como ciência. O que ele desejava ressaltar é que uma vez criadas pelo homem. Estes filósofos criticavam o racionalismo e a agitação do mundo moderno. sobre o comportamento suicida e mesmo sobre a divisão social do trabalho. as estruturas sociais passam a funcionar de modo independente dos indivíduos. . o homem dá origem a instituições sociais que possuem dinâmica própria. O pressuposto básico de Durkheim é de que a sociedade tem precedência lógica sobre o indivíduo. por analogia. sobre o conhecimento. caracterizado pela simplicidade da estrutura e pela homogeneidade. ● Conservadorismo. Tanto em suas explicações sobre a origem da religião. assinalados por uma heterogeneidade progressiva das partes". Em última instância. Pregavam um retomo aos ideais de estabilidade da Idade Média e sua ênfase na religião. (2) TEORIA SOCIOLÓGICA FUNCIONALISTA Continuador da obra de Auguste Comte. Para Spencer.1) OBJETO DE ESTUDO: O FATO SOCIAL Inicialmente. Em outros termos. Uma vez vivendo em sociedade. Durkheim teve que defrontar-se com uma questão-chave da análise sociológica: era preciso definir a relação entre indivíduo e sociedade. ● Evolucionismo. É a sociedade que atua sobre o indivíduo. Seu objetivo é fundar uma sociologia verdadeiramente "científica". elaborada por Charles Darwin [18091882]. Ninguém mais do que Durkheim vai colocar tanta ênfase na força do social sobre nossas vidas. para o estudo da sociedade. capaz de descrever as leis de funcionamento da sociedade e orientar o seu comportamento. Para Durkheim. mas a sociedade fica. a das sociedades) passa de um estágio primitivo. Vejamos qual a resposta de Durkheim para cada um destes problemas. e não no indivíduo. Durkheim vai retomar a ênfase no poder da razão (iluminismo) e na superioridade da ciência (positivismo). Durkheim afirmava que a explicação da vida social tem seu fundamento na sociedade. a principal preocupação de Durkheim era resgatar a intenção de fazer da sociologia uma ciência "madura". sujeitos individuais) não passa de uma construção social. (2. a ênfase conservadora na ordem vai influenciar as posições políticas deste pensador. Não que ele estivesse afirmando que uma sociedade possa existir sem indivíduos (o que seria totalmente ilógico). a tarefa da sociologia deverá se encaminhar na explicação de como o todo (que é a sociedade) condiciona suas partes (os indivíduos). a astronomia e outras ciências. influenciando suas concepções e modos de ver. para estágios de complexidade crescente. A sociedade é uma realidade sui generis: os homens passam. Partindo de Auguste Comte [1791 – 1857]. condicionando suas ações. Por isto. tal como já acontecia com a física. podem-se destacar três correntes de pensamento: ● Positivismo. "a evolução de todos os corpos (e. já tinha sido tentada pelo inglês Herbert Spencer [1820-1903]. Edmund Burke [1729 – 1797]. Durkheim vai então se preocupar em dotar a sociologia das mesmas características das ciências da natureza.

em que cada órgão cumpre uma função. portanto. tão objetiva como qualquer "coisa" da natureza. Para Durkheim. as "coisas" da sociedade também são uma realidade objetiva. o modo como o homem age é sempre condicionado pela sociedade. são impostas pela sociedade ao indivíduo). Para Durkheim. Segundo o autor. Assim. explicar um fato social significa primeiro investigar a razão pela qual surgiu aquela prática social (sua causa eficiente). (2. como o físico. [1978. era chegada a hora da sociologia elaborar "um método mais definido e mais adaptado à natureza particular dos fenômenos sociais" [1978. provêm da sociedade e não do indivíduo) e são coercitivas (ou seja. A partir desta preocupação. que se inspiravam na teoria de evolução das espécies. cabendo ao cientista apenas mostrar suas regularidades. "quando nos lançamos na explicação de um fato social. [1978. tinham se preocupado pouco com a questão do método em sociologia. pg 135]. Durkheim vai definir o objeto da sociologia como sendo o fato social. Durkheim afirmava que os sociólogos. (A) OBJETIVIDADE E NEUTRALIDADE Para Durkheim. tal como naquelas ciências. Durkheim parte do princípio de que a realidade social é análoga à realidade da natureza e que. concretamente. que é geral no conjunto de uma dada sociedade tendo. Ou seja. (B) O FUNCIONALISMO Durkheim se inspira na biologia como método orientador para a sociologia. capaz de exercer sobre o indivíduo uma coerção exterior. etc. Ele nos dá a definição deste conceito no primeiro capítulo de As Regras do Método Sociológico: "é um fato social toda a maneira de agir. pg 93] Três aspectos devem ser destacados nesta definição. . São formas de agir. ele retoma as idéias de Herbert Spencer. Durkheim vai se tomar responsável pela elaboração de uma das principais teorias sociológicas da ciência social moderna: a teoria sociológica funcionalista. Daí o nome funcionalismo dado a seu método de análise. o sociólogo deve seguir os mesmos passos de qualquer outro cientista. o biólogo. tratar os fatos sociais como coisas? Na verdade. o papel da sociologia consiste em "registrar" da forma mais imparcial possível a realidade pesquisada (o objeto). até então. o químico. Cabe ao pesquisador apenas fazer um retrato da realidade pesquisada. "a primeira regra e a mais fundamental é a de considerar os fatos sociais como coisas". ele segue uma tendência comum aos pensadores da época. têm uma existência independente do indivíduo). os sociólogos devem também ter uma postura a mais objetiva e imparcial possível: evitando as pré-noções que já tenham sobre estas questões e observando os fenômenos sempre de acordo com suas características exteriores. Essa visão da sociedade como um organismo mostra a enorme influência que o evolucionismo exerceu sobre o pensamento científico daquela época. Neste aspecto. Tudo de acordo com o pressuposto de que a sociedade é que explica o indivíduo. Mas. Trata-se dos comportamentos padronizados que os indivíduos assumem pelo fato de viverem em sociedade. independente de suas manifestações individuais". ou ainda. pg 94]. que já afirmava que tanto a natureza quanto a sociedade obedecem à mesma lei: a lei da evolução. Assim. tal como as "coisas" da natureza funcionam de uma forma independente da ação humana.2) MÉTODO DE ESTUDO: O FUNCIONALISMO Na sua principal obra. o que significa. para somente depois determinar a função (sua utilidade social) que exerce no organismo social. coercitivos e objetivos. As Regras do Método Sociológico. pois ela é uma realidade objetiva. pois estas formas de agir possuem um tríplice caráter: são objetivas (quer dizer. Para tratar os fatos sociais como "coisas". são exteriores (quer dizer. Ao equiparar os fenômenos sociais a "coisas". Estas formas coletivas existem porque cumprem uma função. distinta da ação humana individual. temos de investigar separadamente a causa eficiente que o produz e a função que ele desempenha" [1978. Ao proceder de tal forma. ao mesmo tempo.Em função disso. fixa ou não. Durkheim compara a sociedade a um "corpo vivo". uma existência própria. É porque são um produto da sociedade que os fatos sociais são exteriores. de Charles Darwin. os fenômenos sociais equiparam-se aos fenômenos naturais. Para Durkheim. de pensar e de sentir que têm origem na sociedade. os fatos sociais não existem por acaso. pg 84].

o direito é o símbolo visível do tipo de solidariedade que existe na sociedade. (2) a sociedade (como o organismo) é composta de várias partes. Esta é a essência da metodologia funcionalista. Vejamos cada uma destas etapas da evolução social de forma separada. Elas correspondem também a diferentes formas de organização da sociedade (sociedades segmentadas ou sociedades diferenciadas) e podem ser percebidas de acordo com o tipo de organização jurídica predominante (repressivo ou restitutivo).1) CONSCIÊNCIA COLETIVA E SOLIDARIEDADE MECÂNICA Segundo Durkheim. pensar e sentir. o que distingue cada um destes momentos da evolução da sociedade são os mecanismos que geram a solidariedade social: a consciência coletiva e a divisão social do trabalho. (3) cada parte cumpre uma função em relação ao todo. estava pensando em sociedades de tipo simples. são um dos meios pelo qual a sociedade materializa suas convicções morais (que são um dos elementos da consciência coletiva). Para o autor. Durkheim vai chamar a etapa inicial do processo de evolução social de sociedade de solidariedade mecânica e a etapa final deste processo de sociedade de solidariedade orgânica. De acordo com a forma pela qual ele é organizado. a justiça. Durkheim optou pelo estudo das normas jurídicas que. rebatizado mais tarde como "estrutural-funcionalismo". podemos afirmar: (1) a sociedade é semelhante a um organismo vivo. o exército. as entidades culturais. É na determinação da função social que estas instituições cumprem que a metodologia funcionalista procura explicar sua existência. Portanto. A semelhança entre eles também é forte. por exemplo. que forma um sistema determinado que tem vida própria". abrindo os primeiros "caminhos" de análise da realidade social.Para Durkheim. Para Durkheim. que apesar das inovações e aprofundamentos posteriores. a escola. segundo ele. o governo. nas sociedades de solidariedade mecânica. Mais tarde. caracterizado pela diferenciação social. a idéia de "função" será retomada na antropologia por Bronislaw Malinowski e Radcliffe-Brown e passará a ocupar um papel fundamental na sociologia com as obras de Talcott Parsons e Robert Merton. a explicação para que os indivíduos vivam em sociedade. a religião. está no fato de que eles partilham de uma "cultura comum" que os obriga a viver em coletividade. havendo pouco espaço para a individualidade. que será fundamental para o desenvolvimento posterior da sociologia. . Durkheim desenvolve a tese de que a sociedade passa por um processo de evolução. Trata-se de uma contribuição refinada e complexa. diz Durkheim. Esquematicamente. E é justamente isso que a idéia de função social mostra: a ligação que existe entre as partes e o todo. Nas sociedades de solidariedade mecânica. (3) A SOLIDARIEDADE SOCIAL: CONSCIÊNCIA COLETIVA E DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO Em A Divisão Social do Trabalho [1893]. constitui até hoje seu núcleo de idéias básicas. (3. existe total predomínio do grupo sobre os indivíduos. Mas como demonstrar isto do ponto de vista sociológico? De que forma o sociólogo poderia constatar o predomínio da consciência coletiva sobre a conduta dos indivíduos? Para demonstrar este fenômeno. a empresa. bem como a existência das nossas formas de agir. como são as sociedades indígenas. isso implica afirmar que a parte (o fato social) existe em função do todo (a sociedade). os indivíduos vivem em comum porque partilham de uma consciência coletiva comum. As partes nada mais são do que as instituições: a família. etc. Quando Durkheim fazia estas análises. a consciência coletiva pode ser definida como "um conjunto de crenças e sentimentos comuns à média dos membros de uma mesma sociedade. A solidariedade mecânica e a solidariedade orgânica são diferentes estratégias de integração das pessoas nos grupos ou nas instituições sociais. pensadores que vão aprimorar o método de Durkheim. em que a inserção dos indivíduos no grupo é fundamental para sua cultura.

Com a divisão social do trabalho. (3.2) EVOLUÇÃO E DIFERENCIAÇÃO SOCIAL Para explicar como se dá a mudança deste tipo de sociedade. não se refere apenas à especialização das funções econômicas. O segmento basta-se a si mesmo e tem pouca comunicação com o mundo exterior. Logo. Diferentes esferas sociais se diferenciam e especializam cada vez mais: a economia. em direção a uma da sociedade de solidariedade orgânica. chamada por Durkheim de divisão social do trabalho. Neste tipo de sociedade. cujo resultado é justamente um novo tipo de vida social. pois cada indivíduo (ou grupo social) exerce funções bem específicas que são vitais para o funcionamento do sistema social como um todo. A densidade material é o número dos indivíduos em relação a uma superfície do solo. pois a violação das regras sociais representa um perigo para a coesão (ou solidariedade social). Durkheim afirma que. beneficiado em farinha. por exemplo. a sociedade passa por um processo de evolução. podemos localizar ainda outros processos de diferenciação. A originalidade da explicação durkheimiana está em demonstrar que. por sua vez. . A diferença entre os dois é que. se tome uma causa da diferenciação. Finalmente. Pense na situação dos povos indígenas. que precisa ser plantado. não são admitidas transgressões nas condutas individuais: os transgressores são punidos para mostrar aos outros membros do grupo o quanto custa desviar-se das regras coletivas. Pense num padeiro que depende do fornecimento de trigo. a vida política. a dependência recíproca passa a ser o principal elemento a manter os indivíduos integrados na coletividade. Para que o volume. que vai reproduzir as características do grupo social anterior. longe de ser um entrave. O predomínio do direito repressivo mostra a força da consciência coletiva sobre a vida dos indivíduos. a arte e outras esferas vão se separando cada vez mais entre si e adquirindo uma dinâmica própria de funcionamento. o crescimento dos membros não leva a uma diferenciação das funções. por exemplo) vivem isolados. Durkheim observou que a estrutura das sociedades tradicionais era caracterizada por una repetição de segmentos similares e homogêneos. indicando que se trata de uma sociedade de solidariedade mecânica. no qual predomina a divisão do trabalho. É importante lembrar que a divisão social do trabalho. isto é. Neste sentido. o material e o moral. no direito repressivo temos principalmente a aplicação da punição. e assim por diante. A diferenciação social resulta da combinação dos fenômenos do volume e da densidade material e moral. (3. enquanto no direito restitutivo o objetivo da lei e das penas é apenas restabelecer a ordem das coisas. maior a densidade. segundo Durkheim. provoca na sociedade um processo de especialização das funções. a densidade material e a densidade moral. já que os indivíduos passam a depender das atividades desenvolvidas em outros setores da vida social. sem nenhuma relação entre si. vai dar origem a um novo processo de integração dos indivíduos na sociedade: a solidariedade orgânica. enquanto nas sociedades de solidariedade orgânica predomina o direito restitutivo. Quanto mais intenso o relacionamento entre os indivíduos. mas à formação de um novo grupo (segmento). a educação. na sociedade de solidariedade mecânica todos os atos criminosos deveriam ser punidos.Nas sociedades de solidariedade mecânica temos o predomínio do direito repressivo.3) DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE ORGÂNICA A sociedade de solidariedade orgânica possui grande diferenciação social. nos dois sentidos. com o tempo. este processo representa um novo mecanismo de integração social. É a própria especialização das funções e das pessoas que gera a solidariedade social. Uma sociedade segmentada é aquela onde os grupos sociais (como aldeias. É deste modo que Durkheim concebe a estrutura das sociedades antigas: como sociedades segmentadas. Esta especialização progressiva. caracterizado pela diferenciação social. ensacado. colhido. mas sem que isto os leve a construir um sistema social mais abrangente e complexo. três são os fatores responsáveis pelo crescimento da sociedade: o volume. É neste sentido que o direito repressivo é um indicador bastante seguro do predomínio da consciência coletiva sobre a conduta dos indivíduos. é preciso acrescentar a densidade. O crescimento quantitativo (volume) e qualitativo (densidade material e moral). com um sistema social que tem vida própria. o aumento do número dos indivíduos. Dentro de cada uma destas esferas. transportado. a cultura. que vão ocupando novos territórios e formando novas aldeias. Segundo Durkheim. A densidade moral é a intensidade das comunicações e trocas entre esses indivíduos. como é o caso do setor econômico e sua grande diversidade de atividades.

vivemos em sociedades onde existe uma grande divisão social do trabalho. Outro fator importante. os serviços econômicos que ela pode prestar são pouca coisa em comparação com o efeito moral que ela produz. Ao contrário. A complexidade da sociedade e a emergência do individualismo no Ocidente são os traços essenciais para se entender o nascimento da modernidade. de fato. eles são os elementos definidores do mundo moderno. no sentido de que ela passa a ser o elemento chave para a integração dos indivíduos na sociedade: "Somos levados. De fato. do sentimento de pertencimento a um coletivo. sendo esta sua função primordial. . uma noção de moral comunitária. que ele procura explicar a partir dos seguintes elementos: Tipo de Sociedade Fator de Integração Organização Social Tipo de Direito Solidariedade Mecânica Consciência Coletiva Sociedades Segmentadas Direito Repressivo Solidariedade Orgânica Divisão Social do Trabalho Sociedades Diferenciadas Direito Restitutivo (4) A SOCIEDADE MODERNA A obra de durkheimiana não ficou restrita apenas à construção do método sociológico. Durkheim afirma que a divisão social do trabalho não pode ser reduzida apenas à sua dimensão econômica. Nesse caso. como o mundo no qual ele vivia. a principal característica do mundo moderno é a complexidade da sociedade. antes de tudo. no sentido de que ela seria responsável pelo aumento da produção. A percepção de que o indivíduo é o fundamento da sociedade é muito diferente do mundo antigo. Nestes textos. Durkheim também se dedicou a entender as sociedades concretas. em que o grupo predominava sobre as pessoas. assim. Ele dá ao termo "moral" um sentido estritamente sociológico. uma função moral 1. ressaltado por Durkheim é a evolução da idéia de indivíduo. ele vai desenhando sua interpretação sobre a origem e as características do mundo social moderno. ao contrário dos povos primitivos. moral "é tudo o que é fonte de solidariedade". e sua verdadeira função é criar entre duas ou várias pessoas um sentimento de solidariedade". portanto. Como veremos. Para Durkheim. Esta idéia. a divisão social do trabalho tem. Trata-se dos vínculos sociais que induzem o comportamento altruísta. tanto aquelas do passado. a teoria da modernidade de Durkheim é construída na interpretação polar destes dois tipos de sociedade. a considerar a divisão do trabalho sob um novo aspecto. também tem raízes sociais e uma evolução histórica.Como conclusão. Sociedade Tradicional Micro Sociedade Sociedade Simples Predomínio do Coletivo Sociedade Moderna Macro Sociedade Sociedade Complexa Predomínio do Individual 1 Para Durkheim.

acaba tendo duas conseqüências importantes. A anomia. possibilitando. agora. Para Durkheim. Na passagem da sociedade de solidariedade mecânica para a sociedade de solidariedade orgânica. que. Para Durkheim. como diria Durkheim. o indivíduo passa a distinguir-se do corpo social e tomar consciência de sua própria individualidade. o declínio da consciência coletiva e os anseios de liberdade podem levar a um excesso de egoísmo. Se. por outro. o movimento socialista não deveria ser desprezado. Durkheim aponta dois elementos presentes na realidade de sua época que. julgava ele. existe maior autonomia para o indivíduo. a sociedade moderna também modifica o tipo de relações que se estabelecem entre o indivíduo e a sociedade. Mas. a escolha dos valores morais e das regras sociais que deveriam reger a conduta dos indivíduos e restabelecer a ordem social caberiam à própria sociedade. A relação se inverte e. a consciência coletiva perde seu papel de integração social e se enfraquece. colocar os indivíduos em choque entre eles e comprometer o "bom funcionamento" da sociedade. e esta é a segunda conseqüência importante. norma). Por um lado. o problema central das sociedades modernas. este papel deveria ser desempenhado pela razão. era o egoísmo generalizado por falta de uma orientação moral. moderando os desejos dos indivíduos e suas ambições. na sociedade moderna. existe uma maior autonomia dos indivíduos. palavra grega para lei. onde o indivíduo era visto apenas como parte de um ente coletivo que o dominava. para Durkheim. com a crescente diversificação das funções. Durkheim chegou a dedicar vários artigos para analisar o socialismo. Buscando colaborar neste sentido. esta liberdade poderia acabar num excesso de egoísmo. a força da consciência coletiva diminui. pois pertencer à sociedade já não depende de se ter as mesmas idéias ou agir da mesma maneira (consciência coletiva comum). Ao contrário das sociedades tradicionais. existe o risco de que o excesso de liberdade leve à desagregação social. No entanto. com a divisão social do trabalho. Faltava para a sociedade um conjunto de orientações morais que guiassem a conduta dos indivíduos e os integrassem na sociedade. Um dos fatores responsáveis por esse dilema era o enfraquecimento da religião. (4. exacerbando ainda mais o egoísmo das pessoas. os conflitos se tornaram generalizados e a integração social estava comprometida. Como tudo isto eram funções dos códigos morais. mas. Durkheim já havia chamado à atenção para o problema do excesso de egoísmo (ou individualismo exacerbado). para Durkheim. é o indivíduo que pretende aumentar sempre mais seu raio de ação em relação ao mundo social. Durkheim já havia detectado anteriormente que a especialização das funções e o declínio da consciência coletiva gerava o que ele chama de anomia (ausência de nomos. assim. que estavam em declínio.1) O PROBLEMA DA ANOMIA O tema da anomia vai se tomando cada vez mais um dos aspectos essenciais da reflexão durkheimiana e de seu diagnóstico sobre a modernidade. ainda não havia fabricado novos deuses (valores) que substituíssem os antigos. segundo Durkheim. que não era um problema cuja raiz estava na economia. poderiam dar uma resposta ao problema da ordem social: um elemento de ordem moral e um elemento de ordem institucional. O homem precisava de um "sentido" para a vida que guiasse sua conduta e lhe inculcasse o senso do dever e da disciplina. ou. Esta é. seria o grande problema da sociedade moderna. que ainda não havia achado os caminhos para realizar esta tarefa. Durkheim reconhecia que. Nas sociedades do passado. Temos então uma divisão anômica do trabalho. segundo ele. como acontecia na solidariedade mecânica. por sua vez. na medida em que ele era um sinal de que algo estava errado. era um problema de ordem moral. no mundo moderno. Todavia. para ele. era a religião que ditava os valores e as normas da sociedade. era justamente o excesso de egoísmo que gerava os conflitos de classe que opunham trabalhadores e patrões em acirradas lutas sociais. Isto.Além da mudança dos mecanismos que geram a integração social. Segundo sua teoria. apesar da margem de liberdade que o mundo moderno trouxe ao indivíduo. é o fato de que eles não detectavam a verdadeira causa dos problemas sociais. Para este autor. . O problema dos socialistas. de um lado. A questão da anomia é. portanto. a grande contradição do mundo moderno. a integração social. se as ambições e desejos ilimitados do homem não encontrassem um limite.

A existência do suicídio anômico é para ele um fato social patológico. ficando isolado e sujeito a depressão. no qual as normas estão ausentes ou perderam o sentido. que é capaz de tirar sua vida por ela (mártires. perda de prestígio. além do exacerbamento do individualismo. A anomia torna o indivíduo mais vulnerável aos impulsos suicidas. Para o pensador francês. em qualquer dos casos. (5) O SUICÍDIO COMO FATO SOCIAL Os problemas da anomia e da integração do indivíduo na sociedade moderna retornam em uma obra clássica. O suicídio não se deve apenas a causas psicológicas. quais seriam as organizações responsáveis pela difusão da "nova moral" e do "culto do indivíduo". Mas. quando frustrado. é no indivíduo que ele vê a solução dos problemas do mundo moderno. Com isso. O suicídio pode ser causado ou pela falta de integração do indivíduo na coletividade.). Durkheim busca mostrar como o comportamento de suicidar-se também possui causas sociais. Este egoísmo. as única instituições capazes de restaurar os valores na sociedade moderna seriam as corporações e as escolas. Durkheim chama de corporações. É importante perceber que. que deveriam ser considerados como valores sagrados. em Durkheim. sinais de que a sociedade estava anômica. pode levar a uma maior suscetibilidade ao suicídio. Trata-se de coisas distintas. a igreja. então. vemos que. e o Estado lhe parecia algo muito abstrato e afastado do indivíduo. Quando os laços que prendem os indivíduos aos grupos se afrouxam. psicopatológicas ou mesmo a processos de imitação. mas no excesso dela. Somente o "culto do indivíduo" e de sua liberdade. a perda de uma moral orientadora e disciplinadora dos comportamentos. ● Suicídio Anômico: é aquele que se deve a um estado de desregramento social. Assim. as organizações profissionais que.Do ponto de vista moral. fraternidade e respeito poderiam ser retomados. Para o pensador francês. as corporações difundiriam a nova moral do "culto do indivíduo" e eliminariam os conflitos de classe. suas causas serão sempre sociais. poderia oferecer um fundamento moral para a eliminação do egoísmo e dos conflitos sociais. naquela época. A sociedade alcançaria. Nela.. O Suícidio. Uma das forças que também determina o suicídio é social. Além disso. aparece a relação entre o indivíduo e a sociedade. Para entender este fenômeno. Durkheim distingue três tipos de suicídio: ● Suicídio Egoísta: quando não estão integrados às instituições ou a redes sociais que regulam suas ações e lhes imprimam a disciplina e a ordem (como a família. o culto do indivíduo (que ele chamava de individualismo) não se confunde com o egoísmo. o indivíduo se desvincula de suas redes sociais. Mas. dizia ele. seriam suficientemente superiores a cada um para se beneficiar de prestígio e de autoridade. melancolia e outros sentimentos. kamikases. em que predominava a atividade econômica. Agindo diretamente no mundo do trabalho. já que as religiões tinham perdido a importância que tinham antes? Inicialmente. Pode-se notar claramente que. o grande objetivo visado pelos positivistas e funcionalistas: a ordem e o progresso. ● Suicídio Altruísta: praticado quando o indivíduo se identifica tanto com a coletividade. representava um sério risco para a integração social e a preservação da sociedade. apesar da posição metodológica de Durkheim (no qual tudo que é individual resulta do social). de modo geral. . em cada um dos tipos de suicídio estudados por Durkheim. os laços de solidariedade. Quando os homens tomarem consciência do valor do ser humano. que evidenciaria as profundas disfunções na sociedade moderna. Mas a família também já apresentava. seu grau de integração social. as corporações responderiam ao caráter das sociedades modernas. o problema do mundo moderno não está na liberdade do indivíduo em si mesma. Durkheim pondera as possibilidades de que a família ou o Estado pudessem cumprir este papel. o trabalho). que é o egoísmo. a divisão social do trabalho estaria consolidada e as disfunções e patologias da sociedade (as lutas de classe) dariam lugar a uma sociedade integrada e harmônica. Seria um indício de que o excessivo enfraquecimento da consciência coletiva. os indivíduos acabam tendo desejos infinitos que não podem satisfazer. Durkheim acreditava que o único valor que poderia conter o excesso de egoísmo presente no mundo moderno era o valor do indivíduo. etc. do ponto de vista das instituições. honra. reunindo empregadores e empregados. estariam suficientemente próximas do indivíduo para constituir escolas de disciplina. ou pelo excesso de peso da sociedade sobre esse indivíduo.

a tranqüilidade e a "ordem" voltariam a existir na sociedade.) Durkheim São Paulo:Abril Cultural. Ora. eles devem ser isolados e tratados. pensar em aperfeiçoá-la. 1999a DURKHEIM. depois das grandes transformações e agitações ocorridas no surgimento da sociedade moderna. De Maistre e De Bonald). Émile Da Divisão do Trabalho Social [1893] São Paulo: Martins Fontes. Para regularizar o funcionamento da sociedade. ao máximo. que aparece em Durkheim a distinção entre os fatos sociais normais e os fatos sociais patológicos. a sociologia teria um papel fundamental. Segundo se pensava. 2000 . BIBLIOGRAFIA DURKHEIM. não há como mudar todo o conjunto da sociedade: a única solução possível seria restaurar o funcionamento das partes ou mesmo eliminar o problema. fundado em valores sólidos e eternos. Uma vez comparada a um organismo. mas com o uso da ciência e da tecnologia. é porque alguma de suas partes não está cumprindo regularmente sua função. Mas. coloca sua ênfase no equilíbrio e na integração social. mas eles queriam resgatar para o mundo moderno aquela que foi a maior marca do período medieval: a integração da sociedade em um todo ordenado e coerente. Se existe algum problema. 1995 DURKHEIM. as formas de conflito ou de contestação adquirem o caráter de desvios e anomalias (a serem eliminadas ou corrigidas pelo organismo social). sendo sua função apontar os problemas passageiros e normalizar a situação. Estas doenças ou patologias representam padrões de conduta e ação que não cumprem mais sua função social. Émile O Suicídio: Estudo de Sociologia [1897] São Paulo: Martins Fontes. mas que não tinham sido acompanhadas por uma idêntica modificação nos códigos morais da sociedade. É possível. os teóricos do positivismo sabiam que não se podia mais voltar na história. passando a atrapalhar o equilíbrio e continuidade da sociedade. Para que isto acontecesse. portanto. Influenciados pelos filósofos conservadores (Burke. Segundo estes autores. Na visão funcionalista. não encontram espaço e explicação numa teoria centrada na ordem e sua preservação. tudo voltaria à tranqüilidade típica da Idade Média. Cabe à sociologia localizar quais são as partes que apresentam problemas na sociedade e restaurar seu "bom funcionamento". Émile As Regras do Método Sociológico [1895] São Paulo: Martins Fontes. a sociologia deveria apontar aqueles elementos que ainda não estavam ajustados e integrados à estrutura social. tudo seria normalizado. É com base nesta idéia. Somente uma nova moral poderia restabelecer a ordem social e fazê-la funcionar adequadamente. Com base nestes pressupostos. a sociedade é como um corpo integrado. Este ponto de vista confere à sociologia durkheimiana um caráter eminentemente conservador. Isso leva a uma sociologia preocupada em "preservar" (conservar) a sociedade. ainda restavam alguns problemas (denominados de "questão social"). Estes fenômenos eram vistos como conquistas positivas. 1978 DURKHEIM. tornada um ser natural. Na sociedade podem aparecer comportamentos que representam "doenças" e. não faz sentido pensar a transformação da sociedade. Movimentos que contestem a ordem vigente e busquem a mudança. eles não rejeitavam as transformações da ordem econômica e política que tinham sido geradas pela revolução industrial e pela revolução francesa. o equilíbrio. por isso. coleção Os Pensadores. por exemplo. ao contrário dos filósofos conservadores. Numa abordagem de tal tipo. A tradição funcionalista. José Arthur (org. em que cada parte cumpre sua função. a teoria positivista assumiu uma atitude de defesa da sociedade emergente (a sociedade moderna ou capitalista). Desta forma. O grande lema dos positivistas era "ordem e progresso". assim como o médico deve preservar o corpo de seus pacientes. ligado à crença na ciência e no progresso tecnológico. se existem problemas na sociedade.(6) UMA SOCIOLOGIA CONSERVADORA A época em que Durkheim viveu se caracterizava por um sentimento de otimismo. Émile GIANOTTI.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful