Você está na página 1de 378

Jasmuheen

EM SINTONIA

(A Arte da Ressonância)

Tradução: Dinah Abreu Azevedo

EDITORA GROUND

“Tudo o que você pensa frutifica, através da energia. Você tem dentro de si as máquinas mais fantásticas, a totalidade da consciência. Você tem o poder que gera a vida e, quando esse poder é alimentado intencionalmente, ele cria a realidade. Tudo o que você precisa fazer é lhe dar a forma que deseja."

Ramtha

Sumário

Dedicatória, 9 Prefácio, 11 Introdução, 15

1.

A Arte da Ressonância, 19

2.

A Singularidade do Ser, 23

3.

O

Corpo Enquanto Sistema Energético, 28

4.

Visualização, 33

5.

A

Energia da Luz Branca, 39

6.

Autocontrole e Discernimento, 42

7.

O

“Sopro” da Vida, 45

Visualização Criativa

 

1.

Respiração e luz, 51

8.

A

Natureza da Realidade, 55

9.

O

Controle da Mente e o Poder do Pensamento, 62

10.

O

Poder da Emoção, 68

Associação de lembranças positivas, 75 Sonhos e orientação, 76

Visualização Criativa

 

2.

Meditação para purificar e alinhar o corpo emocional, 78

11.

O

Poder da Afirmação, 83

Afirmações, 86

Programação x Afirmações, 87

O

poder da mente — além da psicologia motivacional, 89

Expansão da consciência com programação por Eltrayan, 94

12.

Estresse e Fatores Estressantes, 98

13.

Técnicas Práticas para Acabar com o Estresse, 104

Visualização Criativa 3. A criação do santuário interior, 113

14.

Meditação — Aplicações Integrais, 117

Além da meditação - o eterno no agora, 136

Visualizações Criativas

4. Sintonização com a luz branca e a respiração, 139

5. Abrir-se para a orientação interior, 141

6. A cura das relações afetivas, 143 Influências esotéricas nas relações afetivas, 146

15. Como Maximizar o Fluxo da Energia da Meditação

Durante a Meditação, 153

A limpeza do corpo físico, 153

A limpeza do corpo emocional, 156

A limpeza do corpo mental, 158

16.

Os Chakras - Os Centros Energéticos do Corpo, 161

Visualização Criativa

 

7.

Invocação ao chakra unificado, 176

17.

O

Eu Superior e o EU SOU Presença, 179

Informações sobre os cinco corpos superiores extraído de “As

Chaves de Enoch”, 187

18.

Destino e Serviço, 189

19.

Equilíbrio e Integração - Aumento de Poder e Iluminação, 193

20.

Meditação para Aumentar o Poder e a Chama Violeta da

Liberdade, 196

Visualizações Criativas

8. Meditação com a chama violeta, 200

9. Meditação para aumentar o poder, 202

10. Meditação para facilitar a manifestação, 207

O banco da abundância e os Cofres Cósmicos, 209

21. Androginia - Nossa Verdadeira Condição, 213

Visualizações Criativas

11. Meditação para equilibrar as energias masculinas e femininas, 215

12. Visualização para aumentar o fluxo de energia entre o lado esquerdo e o lado direito do cérebro, 218

22.

Meditação e Cristais, 220

23. Compreensão e Forma de Trabalhar as Frequências

Vibratórias, 223 33 - A pulsação universal Os sete elementos e pulsação 33, 236 Vibração e som - harmonia e mantras, 240

Visualização Criativa

13. Técnica de respiração para aumentar conscientemente

nossa frequência vibratória, 244

24. Canalização, 246

25. Ascensão, 256 Iniciações, 263 Trecho do livro Conversations with Reac, por Eltreya, 267 Técnicas para acelerar a ascensão, 271

Visualização Criativa

14. Técnicas para acelerar a ascensão, 212

15. Meditação para acelerar a ascensão, 276

26. Imortalidade, 284 Regeneração e rejuvenescimento - A fonte da juventude

Visualização Criativa 16.Desprogramação e reprogramação das glândulas do corpo para facilitar a regeneração celular, 289

27. Prana Nirvana, 291 Viver de luz e prana - uma experiência pessoal, 295

28. Comunicação Telepática, 301 Cinco passos para você se abrir para a comunicação superior, 311 Bilocação, Viagem pelo Pensamento e Teletransporte, 314

29. Visualização Criativa

17. Técnicas de bilocação, 322

30.

A

Criação do Corpoluz e

o Aumento de seu Quociente de Luz, 324

Visualização Criativa 18. Aumento e/ou criação de seu quociente de luz, 333

31. As Leis Universais, 335

32. As Fraternidades Universais, 344

33. Uma Ponte para o Novo Mundo, 349

Visualização Criativa 19. A visão do Novo Mundo, 355

Resumo - Em Sintonia, 357 Uma história da criação, 361 As leis universais e o M.S.P.D. (M.A.P.S.), 363 Sobre Jasmuheen, 371 Glossário de termos usados, 375 Bibliografia e leitura recomendada, 377

Dedicatória

É com muito amor e prazer que dedico este livro, em primeiro

lugar, a minhas filhas encantadoras, Anjie e Jesse, com as quais aprendi e compartilhei tantas coisas ao longo desse caminho que trilhamos

juntas. Em segundo lugar, dedico-o ao resto de minha família, que tem sido sempre carinhosa, aceitando meus interesses frequentemente “fora do comum”. A minha adorada mãe, Enid, que deixou seu corpo físico em 1994, mas que ainda está conosco em nosso coração. A meu maravilhoso pai, Arent Ulrik, por sua fé e encorajamento no sentido de sermos o que queremos ser. Em terceiro lugar, a meus grandes e velhos amigos por seu calor humano, apoio carinhoso e amor incondicional, independente de minhas

preocupações. Jeff, Michael, Tonia, Sam, Margaret e Tora (minha irmã e minha amiga) - obrigada. Agradeço especialmente a Michael por me permitir o uso ininterrupto de seu computador para a primeira edição deste livro, e a Natalie por seu paciente trabalho de revisão.

A Sananda, Arcturius, Kwan Yin, Paul, o veneziano, Mãe Maria,

Kuthumi. St. Germain - a todos os Mestres Ascensos e a todos os seres de luz por seu amor, inspiração e orientação - obrigada. Que este livro, para o qual todos vocês “contribuíram” - de uma forma ou de outra - durante os últimos oito anos, abra o coração e a mente de muitos. Desde

1987, suas energias maravilhosas me inspiraram a manter diários deta- lhados de minha pesquisa e escrever parágrafos relevantes a partir diretamente de coisas que simplesmente me interessavam pessoalmente. Mal sabia eu, naquela época, que todos eles seriam utilizados um dia. Tudo isso, além de comunicação telepática direta que

me proporcionou mais informações, foi reunido para você sob a forma da série educativa A Arte da Ressonância, que é a base deste livro.

Também dedico este livro a todos os que buscam

a simplicidade,

a verdade, o sentido e a alegria de viver.

Prefácio

O livro que veio depois de Em Sintonia (se não considerarmos a trilogia de ensinamentos revelados que teve o título de Inspirações) foi Viver de Luz. Graças à minha editora alemã, KOHA Verlag, este quarto livro conseguiu o que se poderia chamar de grande sucesso, pois foi bem recebido em vários países europeus. Quando escrevi Viver de Luz, supunha que a maioria das pessoas já tinha lido Em Sintonia e, por isso, já devia estar bem adiantada no caminho de entrar em sintonia com o universo e se responsabilizar pelos próprios atos. O livro Viver de Luz foi escrito para guerreiros, àqueles que já estão sintonizados e firmemente conectados à voz do Divino dentro de si. A pesquisa e a história de minha experiência pessoal a respeito de viver de luz foram oferecidas àqueles cujo coração cheio de felicidade, claramente os guiou para o que era um passo válido para eles.

Manter a opção de ser permanentemente sustentado pelo prana só é possível para aqueles que têm muito autocontrole e para aqueles cuja matriz é essa. A maioria que vai até o final do processo (ver capítulo 27) volta a comer, mas fazem isso por prazer, não por precisarem de alimento e, por isso, são mais livres. Livres da crença limitadora de que, se não comer, você morre. Embora essa crença talvez reflita a verdade para um instrumento desafinado, não o é necessariamente para alguém que está na viagem do autocontrole consciente. Ser capaz de viver de luz é um subproduto muito insignificante do que agora passei a chamar de - irradiar o Esplendor Supremo. Em Sintonia foi escrito como parte dos serviços que tenho a oferecer, que é apresentar instrumentos e informações bem fundamentadas em pesquisas para inspirar os indivíduos a dar início ao

processo de se sintonizar e assumir responsabilidade. Depois de conseguir um certo grau de sintonia evidente, podem vir a se interessar em examinar a validade da opção de alimentar-se de prana. Desse modo, Em Sintonia apresenta ao leitor a ideia básica de que somos sistemas de energia e fala sobre o que nós, enquanto sistemas de energia, podemos conseguir. Como disse Jesus, “Tudo o que eu fiz, vocês também podem fazer - e mais.” Em Sintonia gira em torno da construção de pontes entre os mundos: o etérico e o físico, a ciência e a religião, o Oriente e o Ocidente. Depois de construir pontes que unam os mundos com a finalidade de criar um modelo pessoal e funcional de realidade que respeite tudo, e depois de ter tido acesso à nossa matriz pessoal no interior da Matriz Divina, somos convidados a demonstrar nossa maestria impecável. Enquanto mestres impecáveis, somos muito mais capazes de ser uma força global eficaz voltada para gerar séria e pragmaticamente uma transformação planetária. Esse projeto tem o apoio de nosso trabalho como embaixadores do M.S.P.D. na arena social, educacional, econômica e política - M.S.P.D. é a sigla de Movimento em prol de uma Sociedade Positiva e Desperta - em inglês, M.A.P.S. (Movement of an Awakened Positive Society). Cada um de nós tem o potencial de fazer diferença, e uma diferença para melhor. Descobrir qual é nossa dádiva para com o planeta é resultado de um processo de auto refinamento que, por sua vez, é resultado da decisão de assumir responsabilidade pelos próprios atos. Isso também faz parte do desafio ou da alegria, dependendo de sua perspectiva, que é nossa viagem pela vida. Oferecer essa dádiva de maneira eficaz é a arte de estar Em Sintonia.

Por isso apresentamos as informações e citações que se seguem, para inspirar você a começar, ou continuar sua viagem pessoal de compreensão. A vida nos proporciona generosamente muitas experiências maravilhosas que nos permitem alterar constantemente nossa percepção da realidade. Muitas das citações que usei ao longo do livro todo me foram dadas por inspiração ou insights pessoais que ajudaram a construir meu próprio modelo. Independentemente de lhe darmos o nome de Divino, Deus, Buda, Alá ou Inteligência Suprema, todos podemos nos concentrar nessa força criadora e convidá-la a expressar-se plenamente em todos os momentos de nossa vida.

Brisbane, dezembro de 1998 Jasmuheen

Introdução

Este livro foi escrito a partir de notas utilizadas na série Art of Ressonance, uma série de workshops e seminários dirigidos pela Self Empowerment Academy (S.E.A.) [Academia de Expansão do Poder Pessoal]. Os princípios básicos da S.E.A. são:

1. Que somos todos sistemas de energia pura em forma física. Enquanto sistemas energéticos, somos governados pelas mesmas leis que governam toda energia e toda matéria.

2. Que todos temos nossa própria Matriz Divina codificada a nível celular. Essa matriz não tem somente as respostas ao nosso propósito divino e destino de vida, como também de nosso papel na totalidade coletiva. Em consequência, quando temos acesso a essa matriz, sentimo-nos inteiramente sintonizados com o “quadro maior”. Quando - tal como foi pré-ordenado - começamos a manifestar verdadeira maestria de expressão, nossa vida torna-se abundante e cheia de sentido em todos os níveis.

A S.E.A. foi fundada para disseminar instrumentos e técnicas de

autoajuda que lhe permitam ter acesso a essa matriz, bem como

oferecer dados e material de referência educativo e bem fundamentados em pesquisas para ajudar a despertar você para seu propósito mais elevado e autocontrole.

A motivação da S.E.A. é facilitar o início da Nova Era ou Idade de

Ouro oferecendo as chaves que devem ser utilizadas para sua autodescoberta. Todos os grandes sábios, avatares e mestres dizem que a salvação ou iluminação pode ser encontrada durante a viagem

interior. Essa viagem interior nos permite descobrir nossa singularidade

e é o fio comum que nos liga a todos. Podemos ter inspiração

trabalhando com os outros em prol de um objetivo comum. Mas o que é necessário para desencadear as grandes mudanças que buscamos dentro de nós e sobre este planeta é elevar individualmente nosso nível de vibração e sintonia com as oitavas superiores da luz. Depois disso seremos guiados pela Fonte divina que nos sustenta e se move através de nosso ser. Ninguém, a não ser nós mesmos, pode desencadear as mudanças necessárias para criar o céu na Terra, e podemos fazer isso simplesmente mudando nossa frequência.

• Todos os seres vivos são sistemas energéticos, transmitindo sinais e vibrações. Mude suas vibrações que você muda sua vida. Simples assim.

Este livro pretende atingir todas as camadas da sociedade: inspirar você a começar sua viagem interior em busca de paz e felicidade, e inspirar os que já estão conscientemente no caminho a continuar explorando todas as facetas desse processo assombroso de autocontrole. Durante todos os meus anos de pesquisa, nunca encontrei um livro que começasse com os instrumentos e informações básicos de autoajuda e depois avançasse para o que muitos consideram as práticas esotéricas mais complexas, como bilocação, comunicação telepática etc. Espero que este manual preencha essa lacuna.

Os que desejam encontram métodos de acabar positiva e natu- ralmente com o estresse, ou encontrar paz interior e relaxamento, vão achar os primeiros capítulos úteis. Se ficar curioso, continue lendo, pois

o desenrolar do livro leva à discussão do que alguns chamam de

milagres. Para mim, esses milagres são capacidades naturais reveladas

a nós quando sintonizamos nossa frequência e vibramos em harmonia com as oitavas superiores de luz. Numerosas técnicas e meditações dirigidas são apresentadas ao longo de todo o livro. Devem ser utilizadas na medida das necessidades. Recomendamos que você grave numa fita os exercícios de meditação que o interessam - acrescentando, tirando ou modificando trechos de acordo com sua orientação interior, de modo a tirar o benefício máximo para seu crescimento. Você vai descobrir que o ser interior também responde mais vigorosamente ao som de sua própria voz. A S.E.A. também tem a maioria desses exercícios gravados em fita para os interessados. Foram gravados por profissionais. Entre em contato com a Academia para obter mais detalhes. Algumas das informações serão repetidas por dois motivos: o primeiro é a ênfase, pois aprendemos com a repetição, e o segundo é que todas as informações estão relacionadas entre si e não é fácil separá-las e compartimentalizá-las. Ao ler este livro, você talvez encontre declarações com as quais não concorda. Espero que tudo fique satisfatoriamente explicado nos mínimos detalhes à medida que o livro avança; mas você também pode pesquisar os assuntos de seu interesse, tomando como base o material de referência do final. Conceitos como reencarnação, comunicação telepática e viver só da própria luz - devido à minha história de pesquisa, de compreensão da lei universal e de minha experiência - tornaram-se factuais e corriqueiros; mas entendo que essas coisas talvez pareçam forçadas para algumas pessoas. Uma das maiores lições a aprender a essa altura é o discernimento (ver capítulo 6), assim como nossa forma de moldar a realidade (ver capítulo 8). Tudo quanto peço aos leitores e aos estudiosos é que mantenham a cabeça aberta.

Existem três tipos básicos de aprendizado. O primeiro é frequentar aulas e/ou palestras com professores que sabemos ou supomos que tenham conhecimentos especializados num determinado campo. Eles

podem dividir seus conhecimentos conosco, como numa universidade ou num currículo escolar. Aceitamos o que dizem como informações corretas devido às suas qualificações, formação ou saber comprovado que lhes dá credibilidade. Quando em dúvida, podemos procurar referências ou fazer nossa própria pesquisa.

O segundo tipo de aprendizado é quando várias hipóteses são

rigorosamente testadas em condições específicas, o que leva a uma margem mínima de erro, como acontece no mundo da ciência, e elas

são aceitas ou rejeitadas. Trata-se do método “só acredito vendo”. E muito característico da parte esquerda do cérebro.

O terceiro é o método do conhecimento intuitivo, ao qual temos

acesso através da meditação e da contemplação, onde muito do que acontece não pode ser “provado”. Esse conhecimento é obtido com a ativação de nosso sexto sentido, a intuição, e nosso sétimo sentido, o saber. Também pode ser ativado pelo uso consciente do “lado direito do cérebro” e ouvindo nosso Mestre Interior. O que a S.E.A. tem a oferecer entra nessa categoria.

O trabalho da S.E.A. é construir pontes que liguem o mundo da

religião ao mundo da ciência, o mundo físico e o mundo etérico. A S.E.A. trabalha com a energia da força vital universal, que é a base de toda ciência e de toda religião. A pesquisa de religiões e filosofias tanto do Oriente quanto do Ocidente mostram crenças e denominadores comuns que só têm nomes diferentes. Como disse Jesus, “Procurem o Reino do Céu dentro de vocês, que tudo lhes será revelado”.

CAPÍTULO 1

A ARTE DA RESSONÂNCIA

O dicionário Aurélio define sintonia como “1. Eletr. Condição de um circuito cuja frequência de oscilação é igual à de um outro circuito ou à de um campo oscilante externo. 2. Fig. Acordo mútuo; harmonia, reciprocidade. 3. Psicol. Estado de quem se encontra em correspondência ou harmonia com o meio.” No campo da metafísica, a sintonia está associada à Lei Universal da Correspondência. Esta lei afirma basicamente que os semelhantes se atraem. Nosso corpo é um sistema energético, e todos oscilamos de acordo com uma frequência vibratória específica, única, que reflete a soma de tudo o que vivenciamos ao longo das eras. Temos o que é chamado de sistema de quatro corpos, ou corpos “inferiores” - chamados de “inferiores” por causa de sua frequência vibratória - e corpos ou campos energéticos superiores que vibram numa frequência mais alta ou mais refinada. Sua vibração pode ser comparada às notas musicais tocadas num piano ou num instrumento de cordas. Pode estar afinada ou desafinada. A toxicidade dos pensamentos negativos, de emoções negativas mal resolvidas, de poluentes, do lixo, de alimentação inadequada etc., afeta os campos energéticos do corpo. Estes, por sua vez, influenciam nossa frequência vibratória e determinam se estamos “afinados” ou “desafinados”. Experiências de vidas passadas, assim como da vida atual, ficam gravadas na memória celular e também se refletem em nossa frequência vibratória. Deepak Chopra afirma em seu livro “Saúde Perfeita” que uma célula é uma memória que reuniu matéria à sua volta,

formando uma estrutura específica, e que o corpo é o lugar que a memória chama de lar. Muitos indivíduos estão sendo motivados agora por um desejo profundo de sentir alegria, equilíbrio, harmonia e amor incondicional na vida. Passamos a sentir tudo isso automaticamente assim que realinhamos nossos corpos físico, emocional, mental e espiritual de acordo com frequências mais altas, mais refinadas. Realinhar nossa frequência é como afinar a corda de um instrumento de acordo com seu diapasão perfeito. Quanto mais refinadas as frequências que emitimos, tanto mais refinadas as experiências de vida que atraímos por meio da Lei Universal da Correspondência. Por exemplo: o corpo físico pode estar em sintonia perfeita com a nota musical dó, o campo energético do corpo emocional com a nota ré, o campo energético do corpo mental com a nota mi e o corpo espiritual com a nota fá. Quando há uma sintonia perfeita entre as notas desses campos energéticos, elas se relacionam harmonicamente e a vida se torna mágica. Quando estamos desafinados, a música é cheia de notas discordantes, nós próprios desafinamos e nossa vida não flui nem parece harmônica. Os modelos e as expectativas variam de uma pessoa para outra. Assim como o afinamento exato de um instrumento é crucial para um professor de música, um leigo com um ouvido destreinado não reconhece as nuances mais sutis e, por isso, é menos exigente. Mas existem quadros pessoais de referência e todos estabelecemos nossos padrões do que é ou não aceitável. Mas qualquer um que sinta, por menos que seja, que sua vida pode ser melhor, beneficia-se com o realinhamento e harmonização dos campos energéticos com uma sintonia mais fina e com a escala perfeita para si.

Hoje, em seu desejo de melhorar a qualidade e/ou duração de sua vida, muitos indivíduos estão seguindo as instruções de seu guia interior para se purificar - não só no nível físico, mas também no plano emocional e no plano mental. Estão comendo menos, de preferência alimentos leves. Emocionalmente, também estão “processando” as emoções e eliminando o lixo - sentimentos de medo, ódio, culpa, preocupação, ansiedade, raiva etc. - que, quando estão mal resolvidos, fixam-se nos vários órgãos do corpo físico. Esse estoque de emoções negativas cria bloqueios em nossos campos energéticos e acabam levando à doença. No plano mental, esses indivíduos estão reconhecendo as limitações impostas à nossa vida pelo pensamento negativo e como a energia segue o pensamento para criar nossa realidade. Pensamentos, palavras e atos são manifestações da energia e tudo o que pomos para fora volta para nós, segundo a lei do karma e a Lei da Correspondência. Essa é a natureza da energia: tudo o que a vida nos apresenta está aqui porque atraímos para nós por meio de nossa frequência vibratória. Os pensamentos, palavras e atos positivos, somados à intenção de sempre agir em favor do que é melhor para todos os seres e do que é melhor para nós mesmos, muda nossa vibração e, em consequência, nossa experiência de vida. O que fazer para realinhar conscientemente nossa frequência vibratória para estarmos mais bem sintonizados com os seres divinos de luz que somos em essência é discutido com mais detalhes ao longo dos próximos capítulos. Em resumo, uma das melhores formas de harmonizar nossos campos energéticos com sua sintonia “perfeita” é a meditação, é passar algum tempo, todos os dias, no Grande Silêncio que

há dentro de nós. Independentemente de facilitar um realinhamento energético efetivo, a meditação ajuda a nos abrir para o guia interior - a ouvir os sussurros de nosso Eu Divino até que eles se tornem uma voz claramente reconhecível. Quando agimos de acordo com ela, sua orientação nos permite experimentar a alegria, o amor e a harmonia que procuramos em todos os aspectos de nossa vida. A meditação alinha nossos campos espiritual, mental e emocional. Esse realinhamento reflete-se em nosso campo energético ou corpo físico, e o altera. Uma boa dieta, alimentos leves, água pura e fresca, exercícios suaves que não exigem muito esforço são fatores que nos permitem realinhar, reconstruir e alterar o campo energético do corpo físico diariamente e promovem a saúde, a vitalidade e a longevidade; mas nenhum deles tem o poder da meditação, quando maximizamos a absorção de prana com uma respiração especial e permitimos que a energia da luz branca nos cure e transforme. Vivemos numa época assombrosa - o começo de uma nova era - e temos a capacidade de criar a realidade que desejamos: basta alterar os sinais energéticos que emitimos e compreender as leis que governam toda a matéria.

CAPÍTULO 2

A SINGULARIDADE DO SER

Durante muitas eras, nosso amado planeta Terra passou por grande sofrimento, caos, guerras e devastações pelo simples motivo de que muitos dos seres que vivem sobre ela se esqueceram do que são em essência, além da máscara de sua personalidade e ego. Esse esquecimento significa que muitos também deixaram de respeitar, compreender e aceitar a singularidade individual.

Nossa singularidade existe simplesmente porque não há dois seres que tenham exatamente o mesmo código genético e influências ambientais somados a experiências de vidas passadas. Esses três fatores constituem o resultado final de quem somos hoje. O terceiro fator é importante, pois explica porque gêmeos idênticos, por exemplo, que têm o mesmo código genético e as mesmas influências genéticas reagem de formas muito diferentes a determinadas situações. O elemento que está faltando aqui é que eles não foram gêmeos em todas as suas vidas passadas e, por isso, cada qual tem sua memória celular própria.

Individual e coletivamente, os seres humanos desejam uma mudança neste planeta no momento presente. O desejo de muitos é que cheguemos a descobrir uma unidade verdadeira entre irmãos e irmãs. Esse desejo é de um novo mundo onde haja paz entre todas as raças, credos e culturas. Onde entendemos e nos conectamos a uma vontade superior e a um projeto mais amplo. Essa é a motivação oculta de muitos que estão começando sua viagem interior, ou já estão no meio dela.

Muitos não estão mais interessados em continuar sujeitos ao medo

ou às limitações e à ignorância (os resultados à nossa volta no plano físico são eloquentes) e reconheceram que, para mudar o planeta, temos de limpar primeiro o nosso próprio quintal. As massas são constituídas de indivíduos e, para mudar a consciência das massas, a consciência do indivíduo tem de ser alterada. À medida que alteramos nossas percepções

e nossa consciência, compreendemos quem somos, porque estamos aqui

e que papel estamos destinados a desempenhar na criação dessa nova era.

Este é o nosso lar e só nós podemos desencadear as mudanças que desejamos mergulhando dentro de nós e entrando em contado com nossa Matriz Divina e única. Essa matriz não tem as respostas só de nossas perguntas individuais; contém igualmente o projeto mais amplo que a humanidade está destinada a concretizar somado a nosso papel nesse empreendimento conjunto. Quando estabelecemos contato com essa

matriz interna, compreendemos que temos papéis únicos e intransferíveis

a desempenhar e que vamos conseguir nos relacionar uns com os outros com amor incondicional e aceitando suas escolhas.

A vida neste planeta pode ser comparada a uma enorme produção teatral que mantém o público e os artistas hipnotizados com sua complexidade. O roteiro não trata somente de uma quantidade colossal de experiências, que vão das engraçadas e leves àquelas dramáticas ou que criam suspense; a produção em si é muito impressionante. Há algum tempo, quando estava em meditação profunda, tive uma visão relacionada ao que acabei de dizer - “a peça de teatro da vida” - e “vi” exatamente isso. Havia atores, todo o pessoal que trabalha nos bastidores, críticos e até público. Mas eles estavam sem sintonia. Os atores interferiam nas tarefas do pessoal dos bastidores, os músicos davam palpites no trabalho dos iluminadores e assim por diante. Os participantes simplesmente não

estavam concentrados em seu papel. A visão continuava, assim como o comentário do senhor Sananda em meu íntimo, dizendo que, embora tudo estivesse se desenrolando perfeitamente, se quisermos melhorar a peça de teatro coletiva que é a vida, podemos - pois a humanidade é intuitivamente dirigida por um conhecimento interior da perfeição potencial de tudo quanto pode se tornar manifesto em todos os planos.

Em primeiro lugar, disse ele, podemos nos concentrar em descobrir qual é nosso papel nessa grande peça de teatro que é a vida. Acharíamos isso mais fácil se parássemos de nos concentrar no que os outros estão fazendo. Aí, então, podemos redirecionar nossa energia e atenção para nos abrir para os guias internos e desenvolver nosso discernimento. Isso nos permitiria curtir o aprendizado e reconhecer nosso papel. A alegria é o Espírito expressando-se na vida; portanto, o grau de alegria que sentimos sempre é um bom sinal de quando estamos em alinhamento com o Espírito e com o caminho que nos foi destinado.

Em segundo lugar, tendo reconhecido nosso papel predeterminado e que somos parte de um todo, seria bom “aprender nossas falas” e deixar que nossos talentos naturais e/ou capacidades adquiridas se manifestem e evoluam até a perfeição.

Em terceiro lugar, temos de entender que frequentamos a escola da vida há muitas eras e adquirimos e desenvolvemos capacidades, assim como um vasto repertório de conhecimentos (muitas vezes guardado na memória celular) que podemos utilizar para desempenhar nosso papel de forma competente. Isso deve ser feito em harmonia e alinhamento com todos os outros participantes, sabendo que esses participantes também fizeram seus cursos e adquiriram conhecimentos para seu papel nessa peça. Portanto, a terceira sugestão é confiar e respeitar as escolhas dos

outros, pois eles também foram instruídos para poderem desempenhar seus papéis em harmonia com o nosso.

Sananda disse que somente então essa “peça de teatro da vida” flui harmoniosamente - sintonizada com a expressão divina e recebendo “elogios delirantes”. Só então a Idade de Ouro pode se consolidar e a abundância em todos os planos da vida ser uma realidade para os seres humanos coletivamente. Quando fazemos tudo isso, nossa realidade pessoal e nosso estado de consciência alteram-se igualmente, em particular quando a frequência vibratória do planeta e de seus habitantes sintoniza-se com as oitavas superiores da luz e o quociente de luz dentro de nosso ser aumenta.

Esse é um estado de consciência em que o campo energético do coração está completamente aberto, onde podemos reconhecer a singularidade de todos e estabelecer contato com o mestre que há dentro de todos, quando a peça de teatro se torna mágica. É um estado de consciência em que o ser deixa de ser o “eu”, superando a separação e a limitação, procurando apenas servir o grande projeto voltado para o que é melhor para o todo, e não só para o indivíduo. Essa discussão será aprofundada no capítulo sobre destino e serviço. À medida que entendemos as leis da energia e como criar nossa realidade com nossos pensamentos (ver capítulos 8 e 9), sabemos que mesmo que a gente nem sempre consiga mudar as circunstâncias imediatas, sempre podemos mudar nossa atitude e, desse modo, nossa experiência de vida.

Lições para uma vida harmoniosa:

Discernimento - saber qual é nosso próximo passo.

Aceitação da singularidade individual - aprender a dançar sem pisar

nos pés dos outros. Você pode querer dançar uma valsa, outro pode querer dançar um samba.

Singularidade do ser - descubra qual é a dança que você quer

dançar. Aprenda os passos. Divida o espaço!

CAPÍTULO 3

O CORPO ENQUANTO SISTEMA ENERGÉTICO

Energia - segundo o Aurélio é “a propriedade de um sistema que lhe permite realizar trabalho”. Segundo Stephen Hawking, em “Uma Breve História do Tempo”, o termo “conservação de energia” é a lei da ciência que afirma que a energia (ou seu equivalente em massa) não pode ser criada nem destruída - mas pode mudar de forma, e muda realmente. O dr. Deepak Chopra, em seu livro “Corpo sem idade: Mente sem fronteiras”, afirma que todo átomo é mais de 99,9% espaço vazio e que as partículas subatômicas que se movem a grande velocidade nesse espaço são feixes de energia vibratória que consegue transmitir informações e códigos singulares. Para criar vida a partir da matéria inerte, é preciso haver troca de energia e informações por meio do RNA e do DNA, processo que leva à criação da estrutura celular. O fluxo dessa inteligência é que nos sustenta e é o que o dr. Chopra denomina de campo universal. Ele afirma que o mundo físico é apenas um espelho da inteligência maior que organiza matéria e energia, e que também reside em nós. Todos somos parte dela; por isso precisamos cuidar de tudo com amor. Mesmo sendo únicos em nossa individualidade, estamos ligados por um fio comum de energia pura que sustenta todas as células, nosso ser e a vida como um todo. As religiões chamam essa energia de Deus e acham que ela é onipresente, onipotente e onisciente. A física quântica chama-a de “grande energia unificadora” e também acha que ela está em toda a parte, é Toda- Poderosa e sabe tudo. Os adeptos da Nova Era dão-lhe outros nomes - Tudo O Que Existe, Inteligência

Divina etc. São apenas nomes para descrever a mesma força ou poder.

Nosso corpo é composto de átomos e células que mantêm essa energia e informações. Pensamentos, palavras e atos também são energia. A energia expande-se, contrai-se e muda de forma e, desse modo, o que pomos para fora volta para nós. Essa questão vai ser esmiuçada nos próximos capítulos. Em termos religiosos, traduz-se como “Aquilo que você planta, você colhe.” Em termos energéticos, tudo é governado pela Lei Universal da Correspondência e pela Lei da Atração, que dizem que os semelhantes se atraem.

Como já disse no capítulo 1, os seres humanos têm quatro corpos energéticos “inferiores”, que vibram em frequências diferentes.

1. O corpo físico (o único visível, o único que parece sólido a nossos

olhos físicos).

2. O corpo emocional.

3. O corpo mental.

4. O corpo espiritual.

Também temos corpos energéticos superiores - chamados de superiores porque vibram em frequências mais elevadas. O livro de Barbara Ann Brennan, “Mãos de Luz”, discute detalhadamente esses corpos e campos energéticos; recomendo sua leitura aos interessados. Quando conseguimos fazer com que esses corpos energéticos fiquem perfeitamente alinhados, temos acesso a um “saber” e sentimos um propósito mais gratificante em nossa vida, pois tudo entra no lugar num piscar de olhos. Esse estado de iluminação, tão ansiosamente procurado pelos discípulos esotéricos do Oriente, é obtido quando sintonizamos nossos quatro corpos inferiores, fazendo não só com que fiquem em perfeita harmonia uns com os outros, mas numa escala que permite aos

corpos energéticos superiores, EU SOU Presença, o Deus interior ou a consciência crística (todos nomes para descrever nosso eu mais refinado) expressarem plenamente seu poder e magia no corpo físico.

Em resumo: somos sistemas energéticos, transmitimos e emitimos sinais. Quando enviamos sinais aleatórios, recebemos experiências de vida aleatórias ou acidentais. Quando controlamos nossos sinais, podemos chegar a ter um controle maior sobre nossa vida. Dando um passo depois do outro, quando sintonizamos nossos corpos e realinhamos nossas frequências (os sinais de energia que transmitimos) numa escala mais pura, mais harmoniosa, podemos controlar a qualidade e a quantidade de nossas experiências e de nossa vida.

Sobre reencarnação: depois de comprovar cientificamente que a energia não pode ser criada nem destruída, mas que muda de forma, e depois de entender que os seres humanos são sistemas energéticos, eu gostaria de fazer a afirmação lógica de que a reencarnação simplesmente reconhece a indestrutibilidade da energia e, embora a matéria de nosso

corpo possa se deteriorar e morrer, a energia interior - aquela que sustenta

o corpo - só muda de forma e segue em frente. Qualquer pessoa

interessada em explorar o conceito de reencarnação pode se interessar em pesquisar o material fornecido por Edgar Cayce que, como todos sabem, é o mais amplamente documentado a respeito desse tópico.

Há uma lei universal chamada Lei da Evolução e do Renascimento, segundo a qual a humanidade passa “por um lento processo de

desenvolvimento realizado com uma persistência inabalável através de repetidas encarnações em formas que têm uma eficiência cada vez maior

e através das quais todos nós, no devido tempo, somos levados aos

píncaros do esplendor espiritual ao reconhecer a Fonte e a verdadeira

identidade. Essa lei também é conhecida como a Lei da Periodicidade - trecho da obra Vision of Ramala (Visão de Ramala). A partir de minha pesquisa detalhada e de minhas experiências pessoais, a reencarnação é uma ocorrência básica do tempo linear à qual vou me referir esporadicamente ao longo de todo o livro. Uma maneira simples de entendê-la é a seguinte: a vida encarnada é uma escola, um processo de crescimento e aprendizado. Quando “morremos”, abandonamos o campo energético do corpo físico mas, durante algum tempo, preservamos os campos energéticos dos corpos emocional, mental e espiritual. Eles são integrados em um único campo energético e, depois, entram literalmente em férias.

As férias são uma época de reflexão, quando olhamos o período letivo que terminou, verificamos o que aprendemos, se fomos bem em nossas provas ou não. As provas nas quais não passamos precisam ser refeitas no próximo período letivo e, por isso, quando planejamos nossos próximos cursos, selecionamos o “currículo” e as disciplinas que queremos estudar. Esse aprendizado e as provas estão relacionados com nosso crescimento enquanto seres e, em geral, as lições giram em torno de coisas intangíveis como empatia, amor, compaixão, servir etc. O período letivo é também, em geral, uma época de aprender n nos relacionar uns com os outros e com a vida num plano denso, material. Por quê as centelhas do Divino (nós) escolheram entrar na escola de vida do planeta Terra é uma outra história. *

* Discutida no livro de Jasmuheen intitulado Our Camelot -the Game of Divine Alchemy (Camelot - O Jogo da Alquimia Divina).

Depois de aprender tudo o que há para aprendermos nessa escola e depois de passarmos em todas as provas, entramos em uma outra instituição de ensino, quebrando desse modo o ciclo de reencarnações neste plano terrestre. Nossos campos energéticos continuam mudando de forma, exatamente como faz a própria energia, de acordo com a Lei Universal de Mudança e Transmutação que afirma que a única coisa permanente é a forma e a natureza indestrutível da energia passando por alterações constantes. Isso tem sido chamado de imortalidade da “alma”. A imortalidade física também é possível e permite-nos continuar na mesma forma física não só para completar esse aprendizado, como também para melhorar o currículo, se quisermos. Esse assunto é tratado com mais detalhes no capítulo sobre imortalidade.

Capítulo 4

Visualização

O mundo físico à nossa volta é sólido e real para nós porque passamos a vida inteira desenvolvendo nossos sentidos para vê-lo dessa maneira. Imagine que você passou os últimos 20 a 60 anos, ou toda a sua vida, sentindo os “reinos interiores” todos os dias com esses mesmos cinco sentidos e com a mesma persistência com que os empregou no mundo físico. Que grau de realidade esses reinos interiores teriam para você?

Assim como temos exploradores e pesquisadores no mundo externo, também temos agora muitas pessoas que começaram a explorar os reinos internos em busca da fugidia chave da felicidade, do amor e da abundância. Ao longo de toda a história, alguns indivíduos foram motivados pela mente superior a buscar respostas para o enigma da existência humana. Mas agora muitos outros estão começando a fazer seriamente a viagem interior reservada comumente aos místicos, sábios, avatares e escolas que ensinavam doutrinas secretas em tempos passados. Desde o amanhecer da história a humanidade tem procurado sabedoria e conhecimento superior. Poderíamos dizer que os problemas que afligem a sociedade moderna são o resultado direto da falta de uma sabedoria superior e da sensação de estar separado da Força Criadora. Quando começamos a entrar em contato e compreender o conhecimento superior mergulhando em nosso mundo interno e fundindo nossa consciência com a energia que nos sustenta, a falta de sentido e a infelicidade são substituídas pela alegria da autodescoberta e sentimentos de plenitude.

Aprendendo a nos abrir - e dar ouvidos - a nossos guias interiores,

encontramos o caminho certo, realizamos nosso destino. A infelicidade, a doença e o estresse são indícios de que algo está errado em nossa vida. Esses indícios não estão se manifestando por acaso: servem para nos avisar que nossos atos e/ou nosso caminho atual não são os certos para nós, e levam-nos a corrigir nossas atitudes e conduta.

A visualização criativa permite-nos explorar os reinos interiores

ativando a mente superior e trabalhando com a Inteligência Divina para criar uma realidade em outra dimensão. Quando vivenciada regularmente, essa “realidade” se infiltra em nossa realidade cotidiana neste plano e a transforma. Em seu livro Ye Are Gods (Somos Deuses), Annalee Skarin

escreve: “A imaginação é um presente de Deus. E o poder da mente

introduzir no reino espiritual as sementes do desejo”. Toda a nossa realidade da vigília é criada pelo pensamento. Tudo o que existe no plano físico é produto do pensamento e da vontade do homem, e do pensamento e da vontade do Poder Criador.

A pesquisa moderna comprovou que o corpo não consegue

diferenciar entre uma experiência intensa de visualização e um evento real, tratando ambos como se fossem a mesma coisa. Essa idéia abre um reino inteiro antes inexplorado e permite-nos compreender que o corpo é de fato o servo da mente. Os corpos físico e emocional estão a serviço do corpo mental que, por sua vez, usa o corpo espiritual como um canal para todos os corpos, a fim de ter acesso ao mundo celeste superior. A mente superior é nosso Eu Maior (alma) e nos liga à Inteligência Divina. A Inteligência Divina manifesta-se plenamente naquilo que chamo de EU SOU Presença. Conhecer o poder da visualização criativa permite-nos saber como “desprogramar” - ou criar - doenças e enfermidades. Não há nada que não possamos conseguir num “estado de consciência” certo, mas antes é necessário ter clareza e visão para criar uma nova realidade. A visão é

produzida pela meditação, contemplação e abertura para a mente superior por meio de técnicas apropriadas. Grace Cooke, em The Jewel in the Lotus (A Jóia na Flor de Lótus) afirma que o verdadeiro significado da imaginação espiritual é a criação, na mente superior, de uma linguagem que expresse pura beleza, pura bondade e puro amor. Chega a dizer que, com sua imaginação e visão, o homem pode expressar sua alma em mundos muito distantes deste. Diz que o medo do desconhecido, de ser enganado, leva as pessoas a criar uma barreira entre elas e o mundo real do Espírito, e que a imaginação verdadeira é a porta que leva ao mundo etérico e a outros reinos superiores. Os estudos esotéricos mostram que os quatro quintos da mente humana que se sabe que não usamos abrigam nossa mente superior e são o banco de dados da consciência superior. Quanto mais nos sintonizamos e usamos a mente superior por meio de técnicas como a visualização, tanto mais fácil se torna criar a realidade que desejamos e tanto mais fácil se torna entrar em contato com a Matriz Divina. Os detalhes e as técnicas para ativar os diversos centros cerebrais são discutidos no Capítulo sobre comunicação telepática. A diferença entre a mente superior e a inferior é que enquanto esta última se preocupa com as questões cotidianas da sobrevivência neste plano físico, a mente superior nos leva a evoluir mais e a fazer perguntas como: “Será que a vida tem um sentido?” “Será que existe vida depois da morte?” “Será que existe um poder superior, um grande projeto?” - e muitas outras! Usando o ritual de visualização e a energia da luz branca, fazemos funcionar uma mente superconsciente e, quando nos acostumamos a meditar, essa mente cria um mundo real que é inspirador e tranquilo, dependendo das imagens com que entramos em contato. Quando

praticado regularmente, essa experiência transborda para nossa realidade da vida cotidiana de vigília. Muita gente pergunta como fazer a distinção entre imaginação verdadeira e mera fantasia. “A verdadeira imaginação é o resultado da reação do cérebro a vibrações mais altas que foram desencadeadas por nossa aspiração sincera e orações. Você pode ter todos os tipos de pensamentos indignos e tolos com sua mente inferior, mas quando entra

em contato com o poder e a luz dourada

poder de Deus, o que afeta não só sua mente superior, mas o cérebro, de modo que você consegue criar, com o poder de Deus, a forma descrita a você (em meditação e visualização dirigida) para ajudá-lo a entrar no mundo do Espírito” - diz Grace Cooke em The Jewel in the Lotus (esse texto é maravilhosamente informativo para os que estão começando a fazer meditação e visualização criativa). Por mais de 19 anos, evitei usar técnicas de visualização criativa. Durante minha prática de meditação, acabei me viciando em sentimentos de alegria e amor que sentia por meio do trabalho com a respiração e a luz. Elas me sintonizaram com o que eu conhecia como o “Nome Santo”, a energia que dirige a respiração e a luz que eu ativava por meio da técnica física de virar os olhos físicos para dentro e para cima a fim de visualizar o chakra da sobrancelha. Eu sabia, por experiência própria, que essa forma de meditação me transformou, de maneira suave, mas profunda, pois me tornei mais calma, mais centrada e mais focalizada, mais capaz de agir em lugar de reagir aos estímulos apresentados pelas experiências de vida.

você fica impregnado com o

Depois, as experiências que desfrutei me levaram a começar a trabalhar conscientemente com as fraternidades da luz (discutidas no capítulo 32, que fala de sociedades universais). De repente compreendi o objetivo de meu aprendizado anterior e senti o desejo sincero de me tornar

um canal o mais transparente possível para a Inteligência Divina. Utilizar a visualização criativa permitiu-me ativar conscientemente a mente superior, purificar e realinhar meus campos energéticos de uma forma profunda e consistente, e acelerar o aprendizado de controle tio eu.

A função das técnicas de visualização específicas descritas neste

livro é aumentar o quociente de luz de nosso corpo, eliminar as programações negativas e o lixo emocional que não nos serve mais para nada, e muito mais. No final do capítulo 7 está o primeiro exercício de visualização criativa. Combina visualização com a energia da luz branca e o trabalho com a respiração, e é uma técnica maravilhosa para acabar com o

estresse e nos ligar à calma interior.

A visualização criativa ajuda-nos a ativar integralmente nossos sentidos internos. Todos temos esses sentidos ativados nos mais diversos graus. Alguns de nós são naturalmente clarividentes no sentido de ter facilidade em “ver” durante a meditação dirigida com emprego de técnicas de visualização. Alguns parecem não ver nada, mas têm sensação ou sentimento intensos, e outros "sentem” à distância. Alguns parecem ter clariaudiência natural c ouvem com clareza quando estão nesses reinos interiores.

O desafio é desenvolver todos os sentidos de tal modo que, quando

usarmos técnicas de visualização criativa e mergulharmos em nosso mundo interior, os sentidos de visão, gosto, olfato, tato e audição estejam inteiramente despertos e nossas experiências dessas coisas possam ser mantidas à vontade. Os exercícios para desenvolver esses sentidos por meio da visualização criativa estão no final do capítulo 13 sob o título geral de A criação do santuário interior. Ao longo dos próximos capítulos, há cerca de 17 exercícios de meditação dirigida que usam técnicas de visualização, e

hoje existem muitos outros exercícios de visualização e meditação dirigida em fitas cassete que você pode comprar com facilidade. Inicialmente, o ideal é usar fitas durante 40% do tempo em que estivermos meditando. Depois de adquirir competência na visualização, essa porcentagem pode ser substancialmente reduzida, pois todo ser tem seu próprio foco, propostas e visão com os quais entrar em contato; eles é que vão dirigir nossa viagem interior. Estarmos sempre recebendo instruções externas pode inibir o Mestre Interior. A visualização é como um pintor diante de uma tela em branco. Nossa imaginação - o pincel e as tintas - é somente uma ferramenta, um meio para um fim. Aquilo em que nos concentramos cresce. A imaginação e a visualização são as sementes que lançamos hoje para criar a realidade de amanhã.

Capítulo 5

A Energia da LUZ Branca

A luz branca é o aspecto visual da energia que sustenta o corpo

humano e flui pelo universo inteiro. Essa energia também pode ser percebida por todos os nossos sentidos físicos quando os voltamos para dentro durante uma sessão de meditação. Desse modo, podemos não só “ver” essa energia como luz branca, como também podemos ouvi-la como harmonias interiores. Podemos tocar ou sentir os raios de luz e as ondas sonoras dessa

energia; além disso, ela traz consigo uma sensação de amor c bem-estar. Também podemos sentir o gosto dessa energia quando a glândula pineal segrega um néctar, ou fluido, chamado pelos antigos iogues de fonte da juventude, ou amrita.

A luz branca é o aspecto visual de nossa essência divina e é a

energia mais curativa e transformadora do universo. Por isso, quando estamos em busca de transformação e cura, devemos invocar essa luz durante a meditação e usar técnicas específicas de respiração e visualização. Em sua “Autobiografia de um Iogue Contemporâneo”, Yogananda afirma que quando nos concentramos calmamente no chakra da sobrancelha - a sede de nossa “visão interior” - e depois passamos nossa atenção para um determinado ponto entre o bulbo (medula oblongata) e o hipotálamo, a corrente de energia que vem dos dois olhos dirige-se primeiro ao ponto da testa e depois para o bulbo; em seguida, a energia da luz branca aparece no terceiro olho, ou chakra da sobrancelha, refletida ali pelo bulbo. Pouco depois de fazer 17 anos, aprendi uma técnica específica com meu guru para perceber essa luz interior, e tive minha primeira experiência

marcante. Eu estava deitada de costas no banco de trás do carro de meus pais praticando essa técnica que havia aprendido sob um cobertor para me proteger da luz exterior. Alguns minutos depois de manter a concentração nesse chakra da sobrancelha, toda a minha cabeça explodiu com uma luz branca e pura que vinha de dentro. Meus olhos estavam fechados e a luz exterior estava sendo bloqueada pelo cobertor. Fiquei ofuscada com a intensidade dessa luz. Era como olhar para uma lâmpada de 1000 watts a pouca distância, depois fechar os olhos com a imagem firmemente plantada na mente. Só que essa luz vinha de dentro e trazia consigo um sentimento avassalador de amor incondicional que inundou todo o meu ser, permitindo que eu me sentisse conectada a tudo! Senti uma expansão de consciência, como se eu fosse vasta e ilimitada, e muito amada. Foi uma apresentação aos reinos interiores que me permitiu ir drasticamente além de sentir que eu era meu corpo ou personalidade e sentir verdadeiramente minha condição divina. Empolgada com essa revelação, pulei alegremente exclamando: “Consigo ver a luz! Consigo ver a luz!” Meus maravilhosos pais disseram tranquilamente: “Que bom, querida!”, trocaram um olhar de preocupação e seguiram em frente. Esse foi o começo de muitas dessas experiências impressionantes que continuaram regularmente desde o início da década de 1970, permitindo-me entender minha singularidade, usufruir de minha condição divina e reconhecê-la nos outros. Portanto, há técnicas que podemos utilizar para ver essa luz branca - o combustível é nossa intenção sincera de procurar sentir a natureza ilimitada de nosso ser. As técnicas práticas serão tratadas junto com as técnicas de respiração no capítulo intitulado A respiração da vida. Através de minha experiência pessoal e de orientação interior, descobri que é mais fácil conseguir isso depois que sintonizamos nossa frequência com o trabalho de respiração. Além disso, a combinação de sentir a vibração que nos sustenta mais seu aspecto visual de luz é mais intensa, pois juntas, essas

experiências desencadeiam sentimentos de felicidade e amor incondicional dentro de nós que podem ser comparados a estar envolvido pelos braços do Divino! Trabalhar com vibrações e com a energia da luz branca é a base de toda cura e de todo trabalho de transformação e, combinado à visualização criativa, permite-nos entrar em contato - e depois criar de acordo - com nossa natureza divina, ilimitada. No livro Mahatma I and II (baseado nos ensinamentos de Janet McClure), Brian Grattan escreve: “Tudo é energia. Tudo é Deus. A essência de Deus é amor.” Chega a dizer que a forma mais pura de energia de todos os universos é a energia de Mahatma, que é luz branca e dourada, e personifica a consciência que percorre todas as dimensões de volta à Fonte. Ele chama essa energia de energia do futuro, que “trará as mais elevadas qualidades e valores de vida, bem como o bem espiritual da humanidade”. Grattan afirma que a energia de Mahatma alinha-nos com uma vida mais requintada, mais espiritual, onde os ideais mais elevados da humanidade podem ser concretizados. Chega a dizer que o uso dessa energia vai libertar a humanidade dos limites da terceira dimensão e permitir que a espiritualização da matéria ocorra neste plano da existência.

CAPÍTULO 6

AUTOCONTROLE E DISCERNIMENTO

Como todos temos essa Matriz Divina codificada dentro de nós (que tem todas as respostas a todas as nossas perguntas - além do sentido de nossa vida), muitos de nós chegamos a uma altura da existência em que começamos conscientemente nossa viagem interior de autodescoberta. Essa descoberta é inspirada pela mente superconsciente ou Eu Superior que nos guia até reconhecermos, entrarmos em contato e trabalharmos com essa matriz. Muitas vezes, somente depois de muitas vidas ou anos em busca da verdadeira plenitude nos reinos exteriores, e não encontrando as chaves que abrem as portas da abundância que a alma deseja, é que começamos a procurar conscientemente em nosso íntimo. Durante a meditação e o tempo despendido no Grande Silêncio interior, aprendemos a ouvir nosso guia interno, que desenvolve um aspecto da maior importância, necessário a todos nós nessa época: o discernimento. O discernimento permite-nos usar a discriminação para avaliar a massa de informações de que dispomos agora por meio de livros, artigos, canais de televisão etc. Permite-nos absorver somente o que é “bom” * para nós. Para saber o que é bom para nós, precisamos conhecer a nós mesmos. Temos de saber se queremos nos preocupar com o “eu” que

* Para mim, não existe “bom” e “ruim”, “certo” e “errado”, pois tudo existe para nos ensinar, para nos inspirar a fim de podermos continuar trilhando o caminho de nosso desenvolvimento. Os eventos têm uma natureza neutra. Somos nós que fazemos juízos de valor em relação a um evento, dizendo que são bons ou ruins, certos ou errados de acordo com nossa perspectiva. Esse assunto é discutido com mais detalhes nos próximos capítulos.

se identifica com a mente inferior e gira em torno das questões de sobrevivência ou se queremos receber instruções claras da mente superior, que tem o quadro completo, para podermos descobrir o sentido de nossa vida nesse planeta. Como todos somos singulares, únicos, precisamos escolher entre as inúmeras técnicas e informações destinadas à autoajuda que existem agora. Há uma miríade de tratamentos de saúde à nossa disposição hoje em dia, entre os quais podemos optar, uma vez que nem todos respondem da mesma forma à homeopatia, nem todos desejam deixar sua saúde exclusivamente nas mãos de nossos médicos ortodoxos e nem todos procuram métodos alternativos. Mas podemos aprender a experimentar, a desenvolver nosso discernimento e usar o que achamos que funciona para nós.

Discernimento, mergulho no mundo interior e percepção do que é bom para nós são fatores que ajudam nossa viagem de autodescoberta a fluir mais facilmente, com menos distrações. Esse discernimento vem naturalmente até nós quando nos sintonizamos melhor com os reinos interiores e com nosso guia mais elevado. Quanto mais mergulhamos, tanto mais fácil se torna discernir entre a orientação da mente superior e os desejos e orientação da mente inferior. Sempre podemos reconhecer a orientação certa pelos resultados que essa orientação, quando seguida, traz consigo. Quando entramos em contato com nossa matriz, descobrimos nosso papel e aprendemos nossas falas, ficamos ocupados demais SENDO o melhor que podemos ser para sequer pensar no caminho ou nas escolhas dos outros. Também somos guiados por uma consciência de que tudo está se desenvolvendo muito bem e que tudo quanto podemos fazer é amar e respeitar as opções dos outros. Muitos indivíduos dizem que não “gostam” de certas pessoas, nem de suas ideias, nem de suas atitudes, nem sequer de sua energia e, por

isso, adotam uma das seguintes posturas: acham que quando não “gostam” de alguém ou de um grupo, é porque deve haver algo de errado com a pessoa ou o grupo. Acham que são sinceros ou estão “certos” e, por isso, o(s) outro(s) deve “ter entendido mal, estão perdidos ou simplesmente errados”. Uma segunda possibilidade é adotarem a postura de que, como sua energia não combina com a da outra pessoa, grupo ou ideia, então devem ficar longe deles, seguir seu próprio caminho e se relacionar somente com aqueles com quem estão “sintonizados”. Ou então resolvem criar seu próprio grupo com pessoas com quem “se dão” mais harmoniosamente. Essa atitude leva ao princípio de aceitação de “viver e deixar viver”. A terceira postura é reconhecer e aceitar as diferenças, que é um passo à frente. Envolve o desejo de unidade, amor incondicional e aceitação das escolhas dos outros. Envolve desempenhar nossos papéis singulares em completa harmonia, sem juízos de valor. Aqui as pessoas entendem perfeitamente que todos estão aprendendo, desenvolvendo-se e avançando em total concordância com o grande projeto.

CAPÍTULO 7

O “SOPRODA VIDA

Dizem que se não mudássemos nada - nem nossos hábitos alimentares, ginástica, estruturas mentais - nada, a não ser a maneira de respirar, mudaríamos radicalmente a nossa vida toda. Leonard Orr, autor de Physical Immortality (Imortalidade Física) e fundador do renascimento, diz que se reduzirmos o número de respirações por minuto de 15 para 5, por exemplo, triplicaríamos nosso tempo de vida. Quando isso é sugerido a certas pessoas, elas dizem que não se imaginam vivendo 200 anos. Respondo que poderiam imaginar isso se tivessem alegria de viver e um sentido para sua existência (mais informações sobre imortalidade e morte física mais adiante). Basta dizer que, quando encontramos o sentido de nossa vida e entendemos nosso destino, em geral não queremos abandonar o corpo físico devido à ignorância e à doença e depois termos de preparar um novo veículo para continuar em frente. Recomeçar num novo corpo, ter de passar pelas fraldas, escola, puberdade e adolescência e reativar a memória celular é, para mim, uma forma incompetente de administrar o tempo. Fomos criados com o veículo mais perfeito que existe para manter a vida, curar a si mesmo e transportar a consciência. Ele é capaz de nos sustentar até estarmos prontos para abandoná-lo ou fazê-lo fundir-se com a luz.

Há um exemplo antigo nos círculos de meditação, usado para nos explicar o que nos sustenta: se a pessoa tiver de morrer, até em hospitais onde há todos os equipamentos para salvar a vida e onde bombeiam oxigênio em seus pulmões, sua “centelha de vida” não retomaria necessariamente. Não é o oxigênio que nos mantém vivos. O oxigênio é

como a gasolina de um carro, ajuda o veículo a continuar andando. Aquela “centelha” que nos sustenta é nossa essência divina. Quando essa energia abandona o corpo físico, todos os sintomas de vida física desaparecem.

Dizem que a alegria é essa “centelha” expressando-se como vida (é por isso que o grau de alegria sentido na vida é um bom indício de estarmos em sintonia com o Espírito e o objetivo superior). Como essa centelha é uma forma de energia que impregna nosso ser, pode ser percebida quando sintonizamos nossa consciência. Essa energia pode ser medida como onda sonora ou raio de luz, e também pode ser percebida como uma vibração. Leonard Orr diz: “Conectar a inspiração com a expiração de uma forma relaxada produz consciência de uma percepção mental direta do espírito, uma percepção emocional do espírito e uma sensação física de

energia vital verdadeira, que é o Deus Todo- Poderoso fluindo através de

quando a inspiração está conectada com a expiração e a

toda a carne

respiração interior se funde com a respiração exterior, essa fusão da energia da luz pura com o ar transmite vibrações através do sistema nervoso e do sistema circulatório, purificando o corpo e a aura humana, e alimentando e equilibrando a mente e o corpo humano”.

Há muitas técnicas de respiração a nosso dispor, basta escolher. Repetindo: podemos usar nosso discernimento, abrir-nos e experimentar técnicas diferentes até descobrirmos aquela que nos permite perceber a energia que nos sustenta. Independentemente de ajudar a manter e restaurar a saúde e a vitalidade, e a obter uma longevidade cada vez maior, o principal benefício de procurar a experiência da “respiração da vida” (a energia que nos sustenta) é que, devido à sua natureza muito pura e perfeita, quando entramos em contato e a sentimos, temos uma série de experiências, que

vão desde uma profunda paz interior, relaxamento completo e sono melhor, até sentimentos avassaladores de alegria e felicidade, nirvana ou samadhi. Essa energia é muito sutil e silenciosa em seu poder enquanto cria e sustenta a vida. 1. Por isso, o primeiro passo para entrar em contato com essa energia e “sentir” sua vibração e presença em nosso ser é com nossa respiração - manter nossa respiração conectada, onde toda inspiração flui naturalmente para toda expiração, sem pausas. Os budistas chamam esse processo de “caça à respiração”. Os adeptos do renascimento chamam- no de respiração rítmica. 2. O segundo passo é respirar suavemente. A respiração grosseira e curta é o que o corpo faz quando sentimos raiva, medo ou frustração. A respiração suave é como uma folha ou pluma dançando ao vento – delicada, fluida. No livro Mindfulness with Breathing (Consciência Através da Respiração), os budistas sugerem que seguremos uma vela em frente do nariz para fazer com que a inspiração e a expiração sejam tão sutis e tão rítmicas que a chama ao passar pelas narinas nem sequer treme. A respiração grosseira apaga a chama. A força que impregna todos os seres vivos é suave, mas poderosa, e deve ser atraída, não forçada a vir. Quando a pessoa está procurando fazer uma limpeza emocional no corpo através de técnicas de visualização e respiração (como aquelas do grupo do renascimento), a respiração grosseira é um instrumento muito eficaz. Mas para entrar em contato com a energia que nos sustenta, precisamos nos sintonizar com seu ritmo enquanto ela percorre nosso corpo. Também se recomenda respirar através das narinas, pois procurar manter durante um certo tempo uma respiração profunda, conectada e suave pela boca, seca, a garganta e a

boca, produz desconforto e interrupção da prática. A respiração pelas narinas evita isso e também permite um fluxo regular de energia. Se estiver fazendo um trabalho de purificação, você pode inspirar pelas narinas e expirar com força, intenção e vontade pela boca. Experimente também respirar através de uma narina de cada vez (de forma suave, profunda e conectada), pois isso faz o fluxo de energia mudar rapidamente de um lado para o outro do corpo. 3. O terceiro passo dessa primeira técnica é para tornar a respiração profunda ou longa. Os budistas dizem que a respiração certa mantém o corpo calmo - respiração calma, corpo calmo. Dizem que a respiração longa, isto é, fazer menos respirações por minuto, refresca e acalma o corpo, permitindo-lhe relaxar. A respiração profunda, em que o abdômen se contrai e o peito se expande na inspiração, e o peito se contrai e o abdômen se expande na expiração, é a que restaura a saúde e a vitalidade.

Respirações rítmicas, conectadas e sutis, e que também são longas, lentas e profundas permitem entrarmos em contato e perceber o aspecto vibratório da energia que dirige a respiração. Essa energia que dirige nossa respiração é nossa essência divina. Conectar-se a essa essência permite-nos sentir e desfrutar as características próprias de sua natureza - amor, alegria, felicidade etc. Quando respiramos profundamente, maximizamos a inspiração tanto de oxigênio quanto de prana. A doença não tem condições de se instalar num ambiente extremamente oxigenado. Isso explica porque o exercício regular é recomendado para a boa saúde. Quanto mais profunda e lentamente respiramos, tanto mais oxigênio ingerimos, e também mais prana - e ambos têm efeitos benéficos sobre nossa saúde. O prana é a

energia da força vital universal e revitaliza, cura e transforma a estrutura celular, promovendo a longevidade. A técnica de respirar profunda, suave e conectadamente é como a técnica do nado livre ou de peito que utilizamos para acompanhar a correnteza de um rio. Chega um momento em que sentimos como se estivéssemos sendo respirados e nenhum esforço ou técnica é necessário depois que entramos no ritmo - como o movimento sem esforço que fazemos ao atingir a correnteza e deixar que ela nos leve rio abaixo. Quando usamos essa técnica, estamos procurando criar um movimento ondulatório onde a inspiração e a expiração sejam iguais que nos leve à percepção da frequência vibratória da vida. Podemos contar até sete na inspiração, por exemplo, e depois até sete na expiração. Contar é um método simples de manter a mente concentrada inicialmente, e também de garantir que a inspiração e a expiração tenham a mesma duração. Essa técnica de respiração é uma forma de nos sintonizarmos * e, quando praticada regularmente todos os dias, promove sentimentos de paz e tranquilidade. Quando sentimos raiva, podemos respirar profunda,

* Sintonizar nosso ser é como cuidar de um veículo motorizado ou de um instrumento

musical. Para ter um desempenho ótimo, precisamos manter o instrumento “afinado”. Podemos tratar o instrumento tão mal que ele deteriora e funciona como um

calhambeque velho - e fica vulnerável à doença, deterioração e morte - mas também podemos controlar seu desempenho de tal maneira que ele anda como um Porche novo. O trabalho com a respiração é um tipo de afinamento, assim como a visualização,

a alimentação, a ginástica, a meditação etc. Podemos ter o máximo em termos de dieta,

exercícios regulares, companhia ou cursos inteligentes para estimular o corpo mental e

procurar experiências que nos satisfaçam emocionalmente, mas o que fazer para alimentar a alma e afinar o espírito? Tratamos disso em debate no próximo capítulo sobre meditação e aplicações integrais.

suave e conectadamente e, então percebemos a raiva se dissolvendo enquanto acalmamos o corpo e a mente. Essa técnica também pode ser usada no trânsito ou em qualquer situação estressante para nos ressintonizarmos com um estado de relaxamento maior. Quando fazemos o trabalho de respiração logo de manhã para

estabelecer o clima do dia, descobrimos que tudo flui com mais facilidade. Também podemos reservar cinco ou dez minutos toda noite, antes de dormir, para nos ressintonizarmos de novo, a fim de termos um sono mais profundo e reparador. Desse modo, tornamo-nos pessoas que respiram

conscientemente - praticando no chuveiro, no trânsito

minutos durante o trabalho e vá ao banheiro; lá respire para aliviar o acúmulo de estresse. Podemos controlar as emoções e os níveis de estresse com o trabalho de respiração. O exercício regular de respiração também atua como medida preventiva contra o estresse, pois quando liberamos a tensão diariamente, evitamos que ela se acumule e leve à doença (uma técnica respiratória para aumentar conscientemente a frequência vibratória é discutida no capítulo sobre frequências vibratórias).

reserve cinco

Visualização Criativa 1

Respiração e luz Técnicas que utilizam a energia da luz branca e a respiração

Tome providências para não ser perturbado - tire o telefone do gancho.

Fique à vontade e feche os olhos. Estabeleça seu ritmo respiratório usando respirações profundas, sutis e conectadas - inspire lentamente enquanto conta até sete e expire contando até sete. Não deixe que haja pausas entre a inspiração e a expiração. Pratique primeiro o ritmo. Faça cinco minutos de exercício, mantendo a respiração conectada - cada inspiração flui para a expiração, e vice-versa. Depois que o ritmo já tiver sido criado com um número igual de inspirações e expirações, encontre uma profundidade que você possa manter. Conte até sete enquanto inspira, depois até sete enquanto expira; depois conte até dez enquanto inspira, e até dez enquanto expira. Inspire e expire tão profundamente quanto puder e vá aumentado o tempo, até chegar a cinco minutos. Se ficar tonto, com náusea ou sem fôlego, ou a respiração se tornar irregular, volte sua contagem de dez para nove, por exemplo. Pratique até encontrar seu ritmo e o tempo ideal. Lembre- se, você precisa se exercitar e aumentar a capacidade de seus pulmões de modo que, no início, você talvez só consiga contar até sete mas, com a prática esse número vai passar para dez, quinze e até vinte. Quanto mais profundamente você respirar, tanto mais saudável vai se sentir. Respire profundamente a partir do abdômen; não faça uma respiração superficial só com os pulmões.

Depois respire suavemente - de maneira tão suave, lenta, profunda e conectada que pareça um suave rio de energia fluindo através de seu

ser. Pratique segurando uma vela à sua frente - sua inspiração e expiração devem ser tão suaves que a chama não treme.

Quando sua respiração estiver conectada, profunda e suave, você talvez sinta calor ou formigamento pelo corpo à medida que estiver sendo reequilibrado eletromagneticamente num nível diferente de vibração.

Depois visualize um cilindro de energia luminosa pura, branca e dourada, vindo da mais pura fonte de energia que existe, cercando você. Imagine que ela não tem começo nem fim enquanto toca o chão à sua volta, ancorando-se e envolvendo-o.

Veja esse cilindro cheio com a mais intensa, pulsante e vibrante energia elétrica. Sinta como é curativa e transformadora - energia viva, luz líquida.

Inspire essa luz para dentro de seu corpo. Sinta-a enchendo seus pulmões e imagine-a penetrando em todas as suas células com sua força curativa.

Ao inspirar, sinta essa luz sendo absorvida através dos poros de sua pele. Sinta como se todas as partes de seu ser estivessem sugando essa luz para dentro como se fosse um gigantesco aspirador de pó. Sinta seus pulmões e todo o seu ser se expandindo enquanto inspira.

Ao expirar, imagine suas células saturadas de luz, e que você está liberando essa luz de suas células expelindo-a pelos poros de sua pele. Visualize a luz de cada célula sendo ligada como uma lâmpada e depois se espalhando pelos órgãos, pelo corpo inteiro e saindo pelos poros de sua pele.

À medida que a luz transborda para fora de você, imagine que ela vem de uma fonte de energia inesgotável, situada em seu interior e que, à medida que flui, dissolve em seu caminho toda e qualquer energia discordante (toxinas, lixo metabólico, poluentes, doenças, emoções negativas) retidas na estrutura celular.

Permita-se também eliminar o estresse do corpo à medida que expira. Você se cercou com essa potente energia luminosa. Sinta que tudo quanto é eliminado vai ser automaticamente dissolvido e/ou transformado por seu poder, porque a luz é o aspecto visual da Força Criadora.

Sinta que está se expandindo e se tornando maior, sem limites, à medida que essa luz é inspirada e preenche todas as células. Ao expirar, sinta a luz dissolvendo as vibrações negativas à medida que inunda todas as células e depois vai além da fronteira da forma física.

Visualize-se sentado numa grande bolha ou balão circular. Veja essa bolha encher-se com a energia da luz. À medida que inspira, puxe a energia até o centro de seu ser. Ao expirar, irradie a luz e encha a bolha que o envolve. Faça a bolha ficar do tamanho que você quiser. Veja-a atraindo até o centro apenas luz e energias positivas, curativas.

Ou visualize a energia da luz pura fluindo até o topo dessa bolha, veja-

a fluindo através de você e à sua volta. Você se sente seguro,

relaxado, curado e livre. Essa bolha é um escudo eletromagnético de

energia luminosa que o envolve sempre. Se a visualizar todos os dias e

a encher de luz, seu campo vai se tornar cada vez mais forte e o

protegerá da energia negativa. Vai permitir que você se revitalize e se fortaleça com a luz interior toda vez que você precisar.

Respire profunda, suave, conectadamente. Inspire a luz da

Pratique

energia que o cerca. Sinta-a encher suas células, ser absorvida pelos poros de sua pele. Respire lentamente, sentindo o corpo relaxar. Inspire luz. Expire a tensão de seu pescoço, sinta-a fluir suavemente para fora de seu corpo. Inspire luz. Sinta-a inundando suas células.

Expire eliminando a tensão dos ombros. Percorra lentamente o corpo todo, inspirando luz, liberando tensão, mantendo a respiração conectada, profunda e suave. Sinta a luz fluir por você como um rio,

lavando suavemente toda a negatividade, todo o estresse, toda a tensão.

Dez minutos da meditação descrita acima todas as manhãs e todas as noites lhe proporcionarão:

1. Um relaxamento profundo e duradouro.

2. Um sono melhor.

3. Mais saúde e vitalidade.

4. Realinhamento dos sistemas energéticos do corpo com seu estado natural de sintonia.

5. Cura da estrutura celular.

6. Conserto de rupturas do campo eletromagnético

7. Um campo de força eletromagnética em volta do corpo.

CAPÍTULO 8

A NATUREZA DA REALIDADE

Só há uma realidade, que é a experiência de Tudo O Que Existe - a experiência de um estado de ser que se manifesta depois de fundirmos nossa consciência com a energia pura ou Força Divina que impregna e cria tudo. E um estado de desprendimento do eu e o fim dos sentimentos de separação e limitação. E um estado de SER vasto, multidimensional - o estado de simplesmente SER Tudo O Que Existe. Com essa experiência vem o reconhecimento de que tudo é ilusão; apesar disso, também podemos entender o sentido da ilusão. Assim como criamos nossas crenças de separação, depois precisamos criar um caminho que nos leve além desses véus de ilusão ou separação. Aceitamos a ideia incongruente de Deus como uma entidade externa a nós e, simultaneamente, acreditamos que esse Deus está em toda a parte, em tudo. A medida que um número maior de pessoas opta por se conectar e fundir com o Deus interior, nossa religação consciente com a fonte de toda criação e a lembrança que temos dela criam caminhos que levam para além dessa ilusão. A formação de ideias sobre um Eu Superior, hierarquias, dimensões, vibrações espirituais e esferas angélicas levam-nos a percorrer um caminho que nos permite eliminar mais um “véu de ilusão” e separação. O espírito e a razão andam de mãos dadas, tendo a razão nascido do Espírito. Para atravessar a ponte que vai da limitação para o infinito e nos fundirmos realmente com a vastidão inerente a nosso ser, podemos utilizar a razão para nos guiar até o Espírito, um estado que se encontra além de nossa capacidade intelectual. Portanto, as ideias de ilusão que criamos

para nos despojar de nossas densidades acumuladas podem ser consideradas importantes, pois o caminho fica então desobstruído para todos os seres fazerem essa transição quando/se desejarem. Não há problema algum em reconhecer que estamos perdidos e precisamos voltar para casa mas, se estivermos cercados por uma floresta densa, como encontraremos o caminho? No entanto, se houver pegadas na floresta deixadas por outros que já iniciaram sua viagem de volta, ela fica mais fácil para nós. Usando nosso discernimento e orientação interior, podemos seguir as pegadas, se quisermos, ou formos inspirados a criar as nossas, simplesmente por saber que outros já seguiram à nossa frente. A realidade cotidiana desse plano da existência é diferente para cada um de nós, pois cada um de nós é um ser único: não existem duas criaturas com a mesma constituição fisiológica, psicológica ou emocional. Nossa “realidade” é criada, em grande medida, por nossos processos mentais. Em primeiro lugar, pela percepção que temos, isto é, como “vemos” uma certa coisa. Essa percepção sempre se baseia em uma experiência anterior ou em sistemas de crenças, sejam eles mantidos na memória consciente ou na memória subconsciente e celular (que inclui experiências de vidas passadas). Em segundo lugar, nossa realidade é criada pela atitude que optamos por adotar em relação à percepção que temos de uma determinada série de circunstâncias. Essa atitude produz outros pensamentos e ideias que, por sua vez, desencadeiam uma resposta emocional, uma palavra, um ato. Esse pensamento, palavra ou ato cria então a nossa realidade com a natureza das transmissões de energia pois, segundo as leis da vida, os semelhantes se atraem. Portanto, somos o que pensamos e a vida é um espelho que reflete para nós aquilo que pensamos. A ênfase é na palavra nossa. Durante os últimos 20 anos, mais ou menos, durante minha pesquisa de metafísica e experiências de meditação, conheci muita gente para quem minhas experiências nada

significam ou não são reais, simplesmente porque não fazem parte de seu mundo. Também conheci muita gente que se identificou completamente com essas mesmas experiências e visões de mundo. Descobri que não podemos determinar nossos modelos de acordo com os de outras pessoas; precisamos ser fiéis à nossa “vocação interior” - mesmo quando os outros acham essa “vocação ou chamado interior” pouco convencional, ou maluca. Sonhos e visões marcantes têm uma grande capacidade criadora, mas, muitas vezes, vão de encontro à maré da convenção. A mudança só parte de alguém que ousa ser diferente! Se todos estivéssemos preparados para aceitar sem questionamento as visões e valores de nossos antepassados, a humanidade não evoluiria. A humanidade tem um mecanismo inato que a leva a estar sempre procurando melhorar. Aprendemos com nossos erros. Assumimos riscos. Nem todos se sentem motivados a explorar o Pólo Sul ou a descobrir se a Terra é de fato achatada. A história foi forjada por aqueles preparados para “entornar o caldo” e nadar contra a correnteza do pensamento convencional. As pessoas tendem a condenar, temer ou menosprezar o que não entendem. Dizem que “a ignorância é a mãe do medo” e, na vida social, parece ser uma afirmação relevante. Tomemos como exemplo o medo de outras práticas culturais ou religiosas se sabemos que estamos “certos”, podemos concluir logicamente que, se a opção ou visão de mundo de outra pessoa é diferente da nossa, deve estar errada. Talvez devêssemos dizer “certa para mim”, com ênfase em para mim (ou seja, de acordo com o que considero verdadeiro) - pois o que os outros vivenciam pode estar certo segundo seu ponto de vista, opções, condicionamentos e uma miríade de outros fatores válidos. Os Mestres Ascensos dizem que tudo é válido, tudo está aqui para nos educar e inspirar. Combinando uma mente aberta, pesquisa e experiência prática permite-se escolher com mais sabedoria o que é bom para nós. Senhor

Sananda, um dos Mestres Ascensos, diz em seu discurso sobre o verdadeiro amor, no livro Inspirations (Inspirações), que devemos ver o planeta Terra como uma enorme biblioteca. Muitas seções da biblioteca lidam com ciência, religião, artes, música etc. Muitos de nós vêm simplesmente para estudar, aprender ou passar os olhos por uma ou mais seções dessa biblioteca. Alguns passam a vida inteira estudando ciência ou religião. Outros passam a vida inteira pulando de uma seção para outra, despendendo todo o tempo necessário para se familiarizarem com as informações ou experiências necessárias para seguir em frente. Alguns, depois de estudar todas as seções relevantes indispensáveis à sua evolução, chegam e perguntam quem construiu a biblioteca, e para quê e, desse modo, iniciam conscientemente sua viagem interior. Outros ainda, depois de descobrir quem construiu a biblioteca, e porque, optam por verificar se o sistema pode ser aperfeiçoado para o uso coletivo do todo. E, desse modo, passam a vida a serviço do grande projeto e da humanidade. Muitos seres acham que não têm controle sobre as situações quando sua resposta e reação emocional parece instantânea. Isso pode deixá-los com uma sensação de impotência (esse também é um tópico tratado em outros capítulos). Mas, na verdade, fomos feitos para pensar antes de sentir; em consequência, a natureza de nossa realidade é determinada por nossa atitude e pensamentos. Temos o poder de mudar e controlar nosso pensamento de tal modo que nossa realidade, a cada novo momento, é como queremos que seja - o que é melhor que achar que somos vítimas da vida. Digo “a cada novo momento” porque o corpo emocional não reconhece o tempo. A memória celular preserva nossas estruturas emocionais - medos, mágoas e sofrimentos que aconteceram em outras vidas, com outras experiências. Tudo isso pode criar bloqueios ou reações emocionais inexplicáveis que parecem indesejáveis ou injustificáveis na situação presente. Por exemplo: uma criança na praia pode ter medo de

entrar na água. Aos dois anos de idade, esse medo parece irracional, pois pode não ter havido nenhuma experiência na vida atual de ter sido derrubada pelas ondas. Mas se essa criança se afogou no mar numa vida anterior, o corpo emocional se lembra e mantém o medo que pode vir à tona em determinadas circunstâncias. Na vida atual da criança, esse medo pode ser eliminado. A mãe pode segurar a criança nos braços e entrar gradualmente na água, por exemplo, indo cada vez mais para o fundo, até a criança perceber que, a essa altura, não há nada a temer. Esse procedimento refaz a memória emocional e dissolve o medo. Um exemplo comum da forma como criamos a realidade é ilustrado pela escolha que fazemos ao ver uma garrafa com meio litro de líquido. Os que têm tendências mais positivas olham e veem uma garrafa meio cheia; os que têm inclinações negativas olham e veem uma garrafa meio vazia. Ambas as visões estão certas. Mas a pessoa que vê a garrafa meio cheia fica satisfeita por ter alguma coisa para beber, e sente-se agradecida, enquanto o indivíduo que a vê meio vazia fica decepcionado. Todos os acontecimentos da vida são emocionalmente neutros - somos nós que temos uma reação emocional a eles. Quando nosso carro quebra, é simplesmente um carro quebrado - nada mais, nada menos. Uma pessoa pode sentir raiva, frustração e contrariedade por chegar atrasada. Outra pode telefonar pedindo ajuda e depois se sentar, curtir a paisagem ou resolver aproveitar o tempo e ler mais um capítulo do livro, ou fazer outra coisa qualquer, sabendo que a ajuda está chegando e aceitando a situação. A lição pode ser levar o carro para consertar mais cedo, ou verificar se o tanque está cheio de gasolina - pensar retrospectivamente serve para nos ensinar, mas não vai mudar aquele momento que está se concretizando. Aqueles que reagem com raiva levam consigo aquela energia negativa e podem até infectar outros com ela. Podem culpar esse evento

exterior por sua raiva, em vez de aceitar a responsabilidade por sua reação ao evento. Quando temos consciência de que, em qualquer momento dado, podemos optar por uma experiência ser positiva ou negativa de acordo com nossa percepção do evento, podemos então escolher conscientemente ver as coisas de uma forma positiva. Escolher essa percepção cria uma realidade que, posteriormente, é mais benéfica para todos os envolvidos. Não é uma atitude fatalista diante da vida, é uma atitude que aumenta nosso poder sempre que assumimos plena responsabilidade por todas as experiências que temos ao compreender que nossa atitude e pensamentos criam de fato a nossa realidade. Os indivíduos que optam por ver o copo meio cheio em geral tendem a desfrutar e apreciar o que têm na vida. O universo responde a nossas expectativas “A Profecia Celestina”, de James Redfield discute essa ideia de uma forma muito bonita. Há alguns anos, tive a experiência de ser deixada literalmente com a roupa do corpo - sem dinheiro, sem propriedades, sem entes queridos. Para coroar tudo isso, fiquei sabendo que estava com câncer. Senti que o peso daquilo tudo tinha o potencial de me “engolir” com toda a sua negatividade. Percebi que, como eu não tinha poder para mudar a realidade física dos eventos, só poderia mudar minha atitude diante do que estava acontecendo. E, desse modo, comecei uma viagem de controle mental na qual todos os dias encontrava motivos para me sentir agra- decida. Minhas filhas eram saudáveis e felizes. Tínhamos um teto sobre a cabeça (ao menos temporariamente), camas quentes e alguma comida na geladeira. Todo dia eu encontrava mais alguma coisa para curtir - um pôr do sol, uma flor, o carinho dos amigos, a experiência de alegria e amor na calma interna e assim por diante. Minha realidade tornou-se maravilhosa e meu aprendizado com essas experiências foi muito marcante e ficou

indelevelmente gravado em minha consciência. Ao mudar somente minha forma de pensar, criei literalmente uma vida que poderia valorizar e curtir. Yogananda, em seu livrinho Scientific Healing Affirmations (Afirmações Científicas que Curam), diz que como o mundo que conhecemos funciona de acordo com a Lei da Dualidade, o homem, em seu aspecto mental, vivência a dualidade e os contrastes da existência. Vida e morte, saúde e doença, felicidade c infelicidade. Ele diz que quando o homem entra em sintonia com a consciência da alma, aquele estado superior de percepção inerente a tudo, toda dualidade desaparece e ele só conhece o espírito eterno e abençoado. Diz também que, na mente divina (a mente superior) nossa percepção imutável de bem-aventurança está sempre presente. Em resumo: podemos dizer que a natureza de nossa realidade é governada por nossa maneira de ver a vida. A qual, por sua vez, é influenciada por nossas experiências anteriores. Mas nossa percepção pode ser mudada com a alteração de nosso nível de consciência através da prática da meditação, e também pela percepção do poder de nossos pensamentos. Ter consciência de nossa capacidade inerente de moldar a realidade só com o pensamento é o primeiro passo para o controle mental e para a criação da vida tal como realmente desejamos que seja.

CAPÍTULO 9

O CONTROLE DA MENTE E O PODER DO PENSAMENTO

Toda criação nasce do pensamento. Mas pensamento é energia. Se pensarmos positivamente, então essa atitude positiva será refletida, voltando para nós, através de experiências de vida positivas - a menos que tenhamos certas coisas a aprender antes. Mas é sempre uma opção nossa perceber esse aprendizado como uma lição dolorosa ou não. Todos os eventos desencadeiam uma experiência ou emoção correspondente à nossa maneira de ver o evento. Vivemos num plano de dualidade e, assim sendo, todo evento tem duas facetas. Podemos governar a resposta emocional escolhendo a maneira de ver ou de pensar a respeito do evento. O dr. Deepak Chopra lembra-nos que “não existe um mundo objetivo para o observador” e que a “percepção é uma faculdade adquirida”. A percepção é governada por influências ambientais, códigos genéticos e experiências de vidas passadas - todas elas preservadas na memória celular. É possível ter acesso a essas lembranças através da meditação, da hipnose e/ou regressão a vidas passadas que podem afetar as experiências de nossa vida presente, e afetam mesmo. Chris Griscom, do The Light Institute of Galisteo (O Instituto de Luz Galisteu) é uma profissional que trabalha - com sucesso com regressão a vidas passadas - ela diz em seu livro Time is an Illusion (O Tempo é uma Ilusão) que “A atitude e a compreensão não controlam o corpo emocional! Ao contrário: é o corpo emocional que determina nossa existência em todos os níveis de consciência deste planeta e, apesar disso, continuou por trás de seu desenvolvimento consciente. A razão disso é que o nível emocional energético faz parte da dimensão astral, que está fora da

realidade influenciada pelo tempo. Sem se dar conta de que ‘o tempo passa’, o corpo emocional revisita ou reorganiza constantemente os componentes afetivos que o constituem. Como nós mesmos nos identificamos muito com nosso corpo mental, vivemos a ilusão de que influenciamos e dirigimos o corpo emocional com nossa vontade consciente. E, ‘como a consciência de qualquer dos corpos não depende do veículo material’, as impressões ‘pegajosas’ do corpo emocional simplesmente se repetem a cada nova encarnação. O ‘velho’ corpo emocional traz para o ‘novo’ veículo físico todas aquelas experiências, reações e percepções da realidade que adquiriu de outros corpos”. Consequentemente, acho que, embora possamos controlar ou lidar positivamente com o corpo emocional, com a escolha da percepção que fazemos “a cada novo momento", também precisamos examinar questões passadas e resolvê-las. Isso nos permite liberar a energia do passado. Essas estruturas ou lembranças preservadas na memória celular costumam ser a base de bloqueios da vida presente. Quando esses bloqueios energéticos foram criados por emoções mal resolvidas do passado, são resultado de nosso ponto de vista e compreensão mental do evento naquela época. À medida que crescemos e evoluímos, o mesmo aconteceu com nossa consciência, o que nos permite ver retrospectivamente a vida sob um outro ângulo, com mais informações.

A essa altura, eu gostaria de contar uma história pessoal relacionada à forma pela qual a memória celular, guardando lembranças de experiências de uma vida passada, pode afetar nossa vida atual. Há algum tempo atrás, quando estava meditando, recebi instruções claras no sentido de fazer regressão, mas à minha última vida em particular. Eu tinha tido sonhos e visões muito vividos de uma encarnação como índia no passado. Quando criança, sempre ficava extremamente emocionada ao assistir

filmes de mocinhos e índios, e sempre torcia pelos índios. Em minhas viagens pelos Estados Unidos, também tive uma reação profundamente negativa à população branca, que era tanto injustificável quanto inexplicável. Sob hipnose, tive novamente visões muito vividas de minha encarnação anterior. Eu era um índio apache corpulento e pouco atraente. “Vi” a tribo levantando acampamento tanto por causa de influências sazonais quanto de ameaça de ataque. Sempre “via” muito caos e sangue derramado, e estava no meio daquilo tudo. Inclinei-me e peguei meu filho de dois anos, cuja parte esquerda do rosto fora destruída por um tiro. Enquanto segurava seu corpo mutilado nos braços, senti ódio, mágoa, raiva e sofrimento intensos (a ponto de alarmar o hipnotizador, que não esperava uma reação tão forte). Havia muitas outras coisas, mas não são relevantes para a história. Eu sabia instintivamente que meu filho era minha filha mais nova hoje, com quem eu vinha tendo problemas de comportamento praticamente desde que ela nasceu. Fosse qual fosse o método que eu usasse para me aproximar dela, não conseguia construir uma ponte que cobrisse o abismo que havia entre nós. Quando lhe contei essa experiência, ela se lembrou (o que já é uma outra história) que também sabia que minha rejeição de sua energia na hora do parto se devia à minha impressão de que eu não suportaria a dor se tivesse que perdê-la de novo. Naquele instante de recordações para ambas, tudo mudou dramaticamente e, desde então, temos nos dado maravilhosamente bem (ela havia sido classificada como uma pessoa que tinha o problema comportamental de procurar atenção e que, independentemente da quantidade de amor e atenção que recebesse, nunca ficava satisfeita). Eu reagira muito negativamente à gravidez dela, a ponto de pensar na possibilidade de um aborto. Para o feto, esses sentimentos preparam o terreno para a criança sentir-se intensamente rejeitada. Portanto, ambas

tínhamos lembranças profundamente gravadas na memória celular; ela, desde a concepção, e eu de nossa última vida passada. Compreender, entrar cm contato e purificar essas lembranças da memória celular criaram mudanças profundas e duradouras. Portanto, temos consciência do fato de que os pensamentos emitem e transmitem campos energéticos “invisíveis”, que operam através de laçadas de biofeedback. Esses campos depois atingem um certo ponto e voltam para sua fonte original. Consequentemente, tudo o que vem para nós na vida, tudo o que se encontra à nossa frente, é atraído para nós pela natureza das energias que emitimos. Nós - nossos corpos físico, emocional, mental e espiritual - somos campos energéticos em movimento, todos ressoando e vibrando em determinadas frequências, e transmitindo ondas de energia. Em termos simplistas, o corpo humano pode ser visto como a aparelhagem física do computador, a mente como o disco que faz o sistema funcionar, os pensamentos como os programas, e nossa vida como a cópia “impressa” dos três. O corpo físico reage ao corpo emocional, que reage ao corpo mental e, quando está alinhado, serve o Espírito e a Inteligência Divina. Portanto, nossa programação mental afeta não só o equilíbrio emocional, como também a saúde física. Nossos processos mentais são hábitos adquiridos, mas podem parecer automáticos e fora do nosso controle. Em sua fita áudio- cassete do livro intitulado “Vida Incondicional”, o dr. Chopra diz: “Somos prisioneiros de nossos pensamentos. Através da memória e do hábito, tornamo-nos literalmente feixes de nervos e respostas condicionadas, desencadeadas constantemente por pessoas e circunstâncias e tendo resultados previsíveis de reações bioquímicas em nosso corpo. E, assim sendo, a mente condicionada deixa pouco espaço para alguma coisa nova. As emoções parecem além de nosso controle. Construímos uma prisão, e a tragédia é que não conseguimos ver as paredes dessa prisão. A falta de

sentido que temos de suportar atualmente só piora quando continuamos dentro dessa prisão.” Nossos processos mentais nos são ensinados pelas pessoas com quem nos relacionamentos em nossos anos de formação, quando muitas vezes aprendemos a:

Generalizar indevidamente.

Pensar somente em termos de preto e branco.

Tirar conclusões sem provas.

Esperar o pior de uma situação ou fazer com que as coisas fiquem desproporcionais.

Tomar tudo como questão pessoal.

Sempre enfatizar os fracassos ou os problemas.

Quando entendemos que:

Os pensamentos são energia (que também podem desen- cadear emoções).

Leis universais governam essa energia.

Temos o poder de criar nossa realidade pessoal.

Podemos nos libertar para sempre do pensamento limitado e da crença de que a vida “simplesmente nos acontece”.

Depois disso, tornamo-nos aprendizes do controle mental. Percebemos a necessidade de sermos disciplinados e vigilantes em relação a todo e qualquer pensamento. Também precisamos questionar a base de nossas crenças, estruturas mentais e reações mais comuns. Quando nossa vida tem abundância em todos os planos, é porque controlamos a mente e sua capacidade de criar. Quando ainda sentimos limitação e carência, precisamos continuar examinando nossos pensamentos com o maior cuidado. Um pensamento positivo, seguido de

outro negativo, neutraliza o campo energético, e vice-versa. Portanto, sempre que surpreendermos um pensamento negativo, precisamos fazer com que sigam a ele pensamentos positivos; depois, é só observar as mudanças em nossa realidade. A curto prazo, o controle da mente e a responsabilidade por todos os pensamentos, palavras e ações requerem muito mais energia e dedicação do que a mentalidade de vítima, com a qual culpamos o mundo e os outros por nossos sofrimentos e circunstâncias. A longo prazo, depois de recebermos o diploma - com muita disciplina e discernimento - do curso de controle mental, os benefícios são muitos e a qualidade de vida melhora dramaticamente (o uso da meditação como instrumento para desenvolver o controle mental e, por meio deste, desprogramar e reprogramar nossas estruturas é discutido no capítulo 14).

CAPÍTULO 10

O PODER DA EMOÇÃO

A pesquisa feita por muitos terapeutas alternativos, assim como por alguns médicos da linha ortodoxa, entre os quais o dr. Chopra, mostrou que o desequilíbrio emocional é um fator importante no surgimento das doenças. Nossa dificuldade em lidar com o estresse, devida muitas vezes a sentimentos de incerteza ou falta de controle, também é muito nociva para o corpo físico e pode levar a um colapso nervoso. Embora pareça que nossas reações emocionais são automáticas, os circuitos nervosos que conduzem a informação ao cérebro levam aproximadamente três segundos para transmitir essa informação antes de haver respostas emocionais e ser desencadeada a experiência de nossa mente com elas. Nesses três segundos, o resto do cérebro já recebeu a informação através de circuitos nervosos mais rápidos, de modo que, mesmo sem ter consciência desse processo, somos feitos para pensar antes de sentir. Não somos “vítimas” de nossas emoções. Quando temos uma reação emocional “espontânea”, porque alguém pisou no nosso calo, temos de aprender a lidar efetivamente com essa emoção de forma a não criar bloqueios energéticos e, com o passar do tempo, doenças. Como já discutimos, os eventos não têm um caráter emocional. Atribuímos uma emoção a eles de acordo com nossa percepção, com nossa maneira de interpretá-los. As emoções fortes e mal resolvidas são estocadas no corpo e criam bloqueios, pois impedem o fluxo de energia através de seus canais corporais. Se quisermos melhorar nossa qualidade de vida, se desejarmos experiências que nos tragam mais alegria, felicidade e harmonia,

precisamos antes não aceitar nada inferior. Quando resolvemos aceitar e nos concentrar no lado positivo de nossos sentimentos, aprendemos a fazer com que nossa atitude em relação a eles fique em harmonia com o pensamento positivo, procurando ver sempre o lado bom das coisas. Tanto a positividade quanto a negatividade existem: optamos por nos concentrar nos aspectos positivos da vida e, como resultado das leis da energia, aquilo em que nos concentramos se desenvolve. Ao compreender que todas as experiências estão aqui para nos ensinar e inspirar; ao compreender que somos nós que damos uma resposta emocional a um evento através de nossa percepção e interpretação dele, adquirimos um controle maior sobre a qualidade de nossas experiências. Mesmo quando uma situação parece negativa inicialmente, podemos optar por vê-la e aceitá-la como algo positivo. Podemos e aprendemos de fato com ela que, então, pode ser assimilada por sua capacidade de nos ensinar. Estocar emoções negativas no corpo físico é algo que não serve para nada. Se quiséssemos represar um rio construindo um muro, a vida vegetal além da barragem se atrofiaria e morreria por causa da falta d’água. O mesmo acontece com nosso corpo. As emoções têm de fluir livremente para o corpo ser saudável. Precisam ser aceitas, não negadas. Precisam ser enfrentadas de uma maneira positiva - precisam ser respeitadas, aceitas e eliminadas sem uma benevolência exagerada. O computador que é nosso corpo grava emoções negativas em bancos de dados chamados órgãos, isto é, o fígado estoca a raiva, os pulmões estocam a tristeza etc., simplesmente porque não aprendemos a lidar efetivamente com essas emoções. Em seu livro “Corpo sem idade: Mente sem fronteiras”, o dr. Deepak Chopra afirma que o sofrimento emocional do presente é percebido como mágoa, no passado é lembrado como raiva, no futuro é visto como ansiedade. A raiva que não se manifesta volta-se contra a pessoa e,

quando fica guardada lá dentro, chama-se culpa; a insuficiência de energia que ocorre quando a raiva é dirigida contra a própria pessoa é chamada de depressão. Se, como ele diz em “Saúde Perfeita”, as células são apenas memórias revestidas de matéria, então é da maior importância co- meçarmos a considerar a memória celular e obter acesso a ela tendo em vista liberar bloqueios energéticos, o que podemos fazer limpando a negatividade e toxicidade de nossas células. Podemos aprender a lidar com nossas emoções de duas maneiras. Em primeiro lugar, podemos liberar as emoções negativas geradas por experiências passadas gravadas nas células e órgãos do corpo. Em segundo lugar, podemos aprender a lidar mais efetivamente com as emoções negativas à medida que elas aparecem. Com a meditação regular, damos mais um passo em frente. Podemos aprender o desapego. Podemos agir, em vez de reagir. Podemos dirigir nossa vida a partir de um lugar profundo em nosso íntimo, vendo as coisas com a devida perspectiva.

1. Liberação de emoções negativas guardadas na memória celular:

a) Isso pode ser feito com técnicas de visualização criativa, como

aquela que descrevemos no final deste capítulo.

b) Um grande número de modalidades terapêuticas também está

à nossa disposição para ajudar o corpo físico a realizar essa liberação de maneira rápida e eficaz: cinesiologia, homeopatia e harmonização corporal. Ajuda para realinhar e purificar a estrutura celular e os campos energéticos do corpo e pode ser obtida com uma série de terapias alternativas que podem conseguir em algumas horas o que levaria anos de meditação para você conseguir.

c) Também podemos pedir que nosso corpo emocional seja

purificado e elimine todas as crenças e estruturas negativas de limitação enquanto dormimos à noite. Basta você se sintonizar com o

Eu Superior e pedir-lhe para fazer isso. Não alimente dúvidas. Você pode pedir para ter consciência do processo, enquanto ele estiver acontecendo, através de sonhos, ou pode pedir especificamente para isso ser feito sem lembrança consciente.

Acho que todo trabalho de purificação emocional pode ser uma experiência suave e fluida, e não algo traumático, a menos que a gente prefira assim. Não concordo com o provérbio que diz que não ganhamos nada sem sofrer; acho que tudo pode ser obtido de maneira suave e amorosa, se essa for nossa intenção e desejo.

2. Como lidar efetivamente com mágoas e outras emoções negativas:

a) Dissipe as emoções negativas por meio da respiração a fim de recuperar a calma a nível do corpo, mente e emoções. Estabeleça um ritmo profundo e sutil, e continue até se sentir centrado. b) Sintonizar nosso ser é como os cuidados que temos com um veículo motorizado ou um instrumento musical. A fim de termos um desempenho ótimo, precisamos manter o instrumento “afinado”. Podemos tratar mal o veículo e, por isso, ele se deteriora e anda como um calhambeque velho - e fica suscetível a problemas de funcionamento, decadência e morte; também podemos controlar seu desempenho de tal maneira que anda como um Porsche novo. O trabalho de respiração é uma forma de afinar o instrumento, assim como a visualização, a dieta, ginástica, meditação etc. Podemos nos beneficiar com alimentos da melhor qualidade, exercícios regulares, companhia inteligente ou treinamento destinado a estimular o corpo mental, e procurar experiências que nos tragam satisfação emocional; mas o que fazer para tranquilizar a alma e refinar o espírito? Essas questões

são discutidas em detalhe no capítulo sobre meditação e aplicações integrais. Expresse os sentimentos de uma forma que não seja agressiva e ameaçadora para a pessoa que os desencadeou, e depois enfrente as questões que o irritam. Lembre-se, a situação externa é somente um espelho. Se você não tivesse nenhum problema interno, não reagiria. Um bom indício de sucesso do trabalho de liberação que você já fez é o fato de deixar de reagir violentamente a uma situação que, no passado, sempre foi um elemento explosivo.

c) Assuma responsabilidade pelo que você pensa e sente. Os sentimentos sempre seguem o pensamento e a percepção. Se não gosta do que está sentindo, mude o que você está pensando.

d) Faça o possível para conseguir sua própria aprovação, em vez de buscar a aprovação dos outros. Estabeleça seus próprios padrões do que é aceitável. Cada um de nós tem um padrão diferente em relação ao que deseja experimentar e aceitar na vida.

e) Faça sua energia chegar ao máximo procurando obter acesso a seu reservatório interior durante a meditação. Ao nos fundirmos com a essência divina dentro de nós, aprendemos a amar, respeitar e aceitar os outros, e nos tornamos nossa própria fonte de felicidade. Não dependa dos outros para se sentir bem.

f) Lembre-se que a pessoa mais importante do mundo é você. Se estiver feliz, pode lidar positivamente com os outros e dar-se de uma forma mais eficiente.

g) Mantenha contato com suas respostas físicas e emocionais - não negue o que você está sentindo. “Jogar para baixo do tapete” ou manter um desconforto emocional em seu interior, como, por exemplo, ao “engolir um sapo” para garantir a paz ou não “criar caso” só leva a doenças, úlceras pépticas, câncer, problemas cardíacos etc.

h)

Entenda porque sente mágoa e elimine-a.

i)

Aprenda a viver cada momento.

j)

Esteja disposto a mudar - a única coisa permanente no universo é a mudança.

k)

Não

envenene

o corpo com comida de má qualidade,

pensamentos ou emoções perniciosos.

l)

Pare de fazer juízos de valor. Opte por ter somente pensamentos positivos e opiniões favoráveis sobre os outros, assim como sobre você mesmo.

m)

Substitua a motivação do medo pela do amor.

Um dos instrumentos mais eficazes que existem para resolver os problemas do corpo emocional e, em consequência, do corpo físico, é o perdão - perdoe a si mesmo, e aos outros também. Pratiquei meditação durante anos, fazia ginástica regularmente e tinha uma alimentação relativamente boa. Tudo isso manteve o tumor cancerígeno de meu fígado sob controle. Mas ele era resultado direto de uma raiva mal resolvida. Embora eu tivesse trabalhado muito no sentido do meu “crescimento pessoal”, utilizado técnicas de renascimento e tenha usado outros métodos para me curar, não tinha conseguido perdoar - ou talvez não estivesse disposta, até que o diagnóstico de “risco de vida” obrigou-me a dar esse passo. A medicina ortodoxa pode salvar vidas quando os cânceres são detectados cedo e removidos. Mas também temos de pensar porque o câncer surgiu e remover a causa e não só o sintoma.

3. A meditação enquanto medida preventiva Esse tópico é discutido em detalhe no capítulo sobre a meditação e seus benefícios. A melhor coisa da meditação é ajudar-nos a lidar com as emoções por meio do distanciamento que podemos conseguir, de modo

que não precisamos mais nos sentir “à mercê dos outros”. Permite-nos ser responsáveis por nossa felicidade de uma forma segura e garantida, e também a identificar rapidamente de quem é o problema. Em Time is an Illusion (O Tempo é uma Ilusão), Chris Griscom afirma que, independentemente do trabalho com regressão a vidas passadas, a meditação e alteração da frequência de nossos campos energéticos para oitavas superiores é a forma mais eficiente que existe para eliminar velhas estruturas negativas mantidas dentro do corpo emocional e na memória celular. Controlar o corpo emocional e o corpo mental requer disciplina. Levamos anos pensando que somos impotentes diante de nossos pensamentos e sentimentos subsequentes simplesmente porque a sociedade nos ensina a adotar essa atitude, agora podemos tomar consciência de nossos pensamentos e aprender a discipliná-los. Um guru indiano disse certa vez que não se pode esperar que um cavalo selvagem que perambula pelas planícies desde que nasceu (como nossa mente indisciplinada) entre num curral só porque assobiamos. A televisão criou expectativas de resultados instantâneos que tornam muito difícil passar algum tempo em silêncio, disciplinando e acalmando a mente. As novelas de televisão reforçam a mentalidade de vítima, os programas de competições reforçam a ambição e os noticiários reforçam o medo e a negatividade. Todas essas são emoções poderosas, reforçadas subliminarmente em nossa vida cotidiana. No entanto, a televisão também é um poderoso meio de comunicação e podemos controlar esse ins- trumento, através da seleção do que assistimos, de maneira a poder ser usado em nosso proveito. Temos o poder de escolher o que vemos, o que pensamos, o que é a nossa realidade e nossa experiência emocional.

4. Fixe seus padrões Chamo o exercício que se segue de “associação de lembranças positivas”. Seu objetivo é conseguir duas coisas. A primeira é fixar um padrão mínimo do que é aceitável para você em relação à sua experiência emocional. A segunda é usá-lo como instrumento para melhorar seu dia quando você se “levanta com o pé esquerdo”. O exercício é simples, mas muito eficaz.

Associação de lembranças positivas a) Sente-se em contemplação - respire profunda, suave e conectadamente, até sentir paz interior. Isso vai lhe permitir obter acesso à sua memória mais rapidamente. b) Volte no tempo, faça uma pesquisa no banco de dados de sua memória. Descubra um momento de sua vida que foi simplesmente maravilhoso, feliz, pleno. c) Recorte os detalhes, a hora, o lugar, com quem você estava, o que tornou esse evento tão especial. Preste atenção, em particular, ao que você estava sentindo. d) Depois de estabelecer contato com o sentimento ligado a esse evento, tome a decisão de não aceitar nada inferior a isso. A forma exata da recordação não é importante. O importante é como usar essa lembrança para desencadear sentimentos de felicidade e harmonia.

A maioria das pessoas com as quais fiz esse exercício dizem que os sentimentos mais comuns de que se lembram são alegria, contentamento e despreocupação. Dizem também que são as experiências de que mais sentem falta em sua vida atual e no seu mundo adulto de “responsabilidade”.

O fato é que tivemos essas experiências no passado e, embora talvez não seja possível recriarmos as mesmas circunstâncias, podemos fixar para nós um padrão do que desejamos aceitar num nível emocional. Começando cada novo dia acessando uma lembrança positiva no seu banco de dados, podemos determinar o clima de cada dia. Podemos optar por não aceitar menos e depois evocar o sentimento revivendo o evento. Isso permitirá que o dia comece com uma nota positiva. Se o universo responde a nossas expectativas e se sempre esperamos o melhor para nós ao mesmo tempo em que procuramos neutralizar todos os pensamentos negativos sendo persistentemente positivos, vamos descobrir que nossa vida muda quase magicamente - garanto!

Sonhos e orientação Os sonhos podem ser usados com muita eficiência para recebermos orientação, para purificar e/ou curar o corpo emocional e mental e para treinarmos. Sempre que estou insegura em relação a um problema ou decisão, medito antes de ir dormir e peço à mente superior, o EU SOU Presença, ou o mestre com quem eu estiver trabalhando no momento, para me dar uma resposta clara através dos sonhos, mais clareza total ao me recordar e compreensão indubitável do simbolismo do sonho. Essa técnica nunca falha! Sempre acordo imediatamente depois de ter o sonho com a resposta ou instrução, e consigo interpretar qualquer simbolismo que possa conter. Mas é muito importante reservamos algum tempo para a meditação e a contemplação antes de dormir, para que a mente subconsciente possa levar até a mente consciente todos os problemas por resolver que surgiram durante o dia, de modo que esses problemas não nos preocupem durante os sonhos. A interpretação de sonhos é uma forma incrível de

adquirir autoconhecimento, e há muitos livros maravilhosos sobre o assunto para os interessados. Podemos ir além da mente subconsciente e de sua necessidade de comunicar os problemas à mente consciente, pedindo-lhe atenção e respostas através dos sonhos se nos concentrarmos em nós mesmos através da meditação e da contemplação no fim de cada dia. Isso deixa o período dos sonhos livre para explorar outros reinos e dimensões da realidade. Pessoalmente, acho que minhas “atividades” noturnas agora estão divididas. A primeira parte da noite é gasta com o treinamento, enquanto o restante é gasto com questões de natureza mais pessoal através das instruções dadas nos sonhos. E durante a primeira parte que a gente deixa o corpo físico para trabalhar nos reinos etéricos; a outra diz respeito à interação entre a mente subconsciente, a mente consciente e a mente supraconsciente. Afirmações para programar a recordação dos sonhos: “Peço ao EU SOU Presença que me permita ter lembrança total e fácil recordação consciente de sonhos, instruções, treinamento e lições que recebo durante o sono de meu corpo físico”.

Visualização Criativa 2

Meditação para purificar e alinhar o corpo emocional

O objetivo dessa meditação é a) eliminar o lixo emocional que está retido na memória celular e provém de questões mal resolvidas do passado; e b) permitir lidar efetivamente com as emoções negativas numa base cotidiana (ver a meditação para criar o santuário interior antes de realizar esta).

Fique à vontade num lugar onde não será perturbado.

Sintonize-se com o trabalho de respiração e luz.

Depois de relaxar, visualize-se de pé numa montanha. A sua frente há degraus que levam para baixo.

Comece à contar à medida que desce. Entre as respirações, inspire profundamente e faça uma expiração conectada.

Deixe-se relaxar cada vez mais à medida que vai contando. A cada degrau que você desce, sente-se cada vez mais leve e mais livre, sabendo que está prestes a entrar num “lugar seguro, especial”.

Inspire e expire

9

inspire e expire

8

inspire e expire

7

6

5

4

3

2

1

0

Quando chega ao fim da escada, você se sente profundamente relaxado. Faça algumas respirações conectadas; olhe à sua volta, abra todos os seus sentidos interiores.

Você “vê” (visualiza ou imagina) que está num santuário belíssimo - um lugar que é só seu, onde você se sente completamente seguro, alimentado e amado. É o seu “ninho” interior, seu cantinho, como aqueles que as crianças têm para brincar e “fantasiar”.

Deixe a mente vagar. Veja as árvores, os canteiros de flores. Veja- se colhendo uma flor. Leve-a até o nariz e sinta seu perfume (deixe o seu olfato ser ativado).

Ouça os pássaros cantando e o vento farfalhando nas árvores.

Sinta o sol em sua pele e o vento nos cabelos.

Pare por um momento. Deixe a mente superior criar esse santuário interior. Lembre-se de que este é o seu lugar. Você pode criá-lo, fazer com que seja exatamente como você quer -- não há limitações para sua visão aqui.

Faça algumas respirações profundas, sutis e conectadas. Deixe- se banhar na beleza desse lugar. Se você pudesse ter um lugar de perfeição física, como seria? Uma praia, uma floresta tropical, um vale ou o topo de uma montanha?

Agora veja à sua frente uma trilha com flores de ambos os lados. Intrigado, você começa a segui-la. O chão parece macio sob os pés e você continua respirando o ar fresco e puro, sentindo-se cada vez mais leve, energizado e livre.

Você percebe que está usando uma longa túnica esvoaçante. Os pés estão descalços e você se sente como se estivesse deslizando por uma floresta.

Você chega a uma clareira, uma bela clareira com o chão coberto de folhas e, no centro, há uma piscina grande, de água fresca e cintilante aninhada numa rocha imensa e alimentada por uma cachoeira situada no outro lado.

A luz do sol dança na superfície da água cristalina.

O ar parece regenerador, vivo, energizado com oxigênio e prana.

Pegue água da piscina com as mãos em concha e leve-a aos lábios para “prová-la” e matar a sede.

Uma grande variedade de plantas tropicais exuberantes rodeiam a piscina, acompanhando sua forma.

Você nota que há uma grande rocha achatada projetando-se sobre a água; você se senta calmamente nela.

Respirar aqui é fácil - o oxigênio e o prana fluem naturalmente para dentro de seu corpo, enchendo seus pulmões com seu poder curativo e, à medida que expira, você se dá permissão para soltar junto com o ar todas as preocupações e problemas de seu mundo.

Você se senta sob um feixe glorioso de energia luminosa e curativa que jorra sobre você vindo do céu azul e limpo sobre a sua cabeça. Ele envolve você e parece penetrar em todos os poros de sua pele.

Você sente como se quisesse se entregar a seu poder curativo, a permitir que o transforme, reenergize e realinhe você com sua pureza.

À medida que você inspira essa energia luminosa branca e dourada, sente que ela enche seus pulmões e depois flui para as células e órgãos. Você tem a sensação de que todos os poros de sua pele também estão absorvendo essa luz - ao expirar, você solta o ar pela boca, suspirando suavemente à medida que começa a eliminar o lixo emocional que estava retido em suas células e órgãos durante muitas eras.

Inspire a luz.

Expire e diga, “AGORA me liberto de todo (deixe seu ser se libertar do que quiser -- o primeiro pensamento que lhe vier à cabeça é o que você deve liberar - seja raiva, medo, ciúme, mágoa etc.)

Deixe sua liberação vocal ficar mais alta, suspirando ou gemendo.

Sinta todas as vibrações negativas abandonarem o seu ser e se dissolverem na luz à sua volta.

Inspire a luz e diga, “SOU saudável, SOU vibrante.”

Expire profundamente e diga, “AGORA me liberto de todo ”.

Continue com esse procedimento até sentir que se libertou de toda a energia daquela emoção negativa de seu ser; depois pergunte-se de que mais você precisa se libertar. Ou então, simplesmente se liberte de todas as vibrações nocivas com a afirmação, “AGORA me liberto de todo lixo, de toda toxicidade, de todos os poluentes, de todo estresse e de todas as emoções negativas retidas em minha memória celular e de tudo o que não me serve mais a essa altura de minha vida!”

À

medida que você elimina tudo isso de suas células, visualize um feixe

de luz intensa entrando pelo alto de sua cabeça e limpando todos os canais de energia, todas as células e órgãos, dissolvendo todo o lixo e enchendo seu ser de energia luminosa curativa. E como um gigantesco aspirador de pó interior!

Continue afirmando, à medida que inspira a energia luminosa do feixe que

o

cerca: “SOU luz, SOU amor, SOU livre, SOU um ser radiante e

glorioso!” Afirme tudo o que parecer bom para você.

Ou então se visualize segurando uma mochila ou um recipiente qualquer no colo. Visualize suas mãos se enchendo com todas as emoções eliminadas e depois entrando todas na mochila com um movimento vigoroso. Quando a mochila estiver cheia, feche-a bem e depois “veja-se”

oferecendo-a para a luz; veja-a dissolver-se no amor e na luz. Sinta como

se

tivesse feito uma limpeza profunda em todo o seu ser.

À medida que inspira luz e prana, você se sente cada vez mais forte, mais saudável, livre de toda doença, de todo desconforto. Sinta que está passando por uma transformação e está disposto a aceitar somente amor, alegria e risos em sua vida a partir desse momento.

Faça sua memória voltar à melhor época de sua vida (associação de lembranças positivas) e tome a decisão de só aceitar o que lhe faz bem emocionalmente a partir de agora.

Afirme: “Com alegria, segurança e harmonia, dou um passo em direção ao desconhecido. Aceito de boa vontade tudo o que é para o meu bem.”

A técnica que acabo de descrever pode ser usada para eliminar raiva, frustração ou estresse que você pode ter acumulado durante o dia ou a semana.

Quando tiver terminado, ou sentir que já fez o bastante por hoje, visualize o alto de sua cabeça abrindo-se como a tampa de um pote de mel e que uma luz líquida, curativa e amorosa está entrando e enchendo todo o seu ser com sua bela energia.

Depois feche a tampa e continue respirando profundamente. Sinta-se calmo, refeito e energizado.

Agradeça pelo uso desse instrumento. Peça a seu Eu Superior que o ajude a lidar positivamente como todas as emoções e situações futuras e reconheça que tudo o que nos acontece é uma lição e uma inspiração para nós.

Agora visualize-se deslizando para dentro dessa bela piscina cavada na rocha. Sinta suas águas energizando, acalmando e restaurando você enquanto você nada graciosa e alegremente.

Nade até a cachoeira. Fique embaixo dela e deixe que a água caia suavemente em cima de você. Ela recarrega suas baterias e energiza você. Depois deixe que a brisa sussurrante e os raios do sol sequem seu corpo e acariciem delicadamente a sua pele.

Quando se sentir centrado e relaxado, sinta os braços, as pernas e as almofadas ou a cadeira onde está sentado.

Evoque novamente os sentimentos de paz e tranquilidade dos momentos que passou em seu lugar sagrado, à beira da piscina cavada na rocha. Você sabe que pode voltar lá a qualquer momento. Saboreie seus sentimentos.

Faça cinco respirações profundas

Traga a atenção de volta ao quarto e abra os olhos.

Capítulo 11

O PODER DA AFIRMAÇÃO

A afirmação é definida pelo Aurélio como “ato pelo qual se declara verdadeiro um juízo ou uma proposição.” Portanto, afirmar é declarar como verdade, como um fato, é fazer uma declaração formal. Antes de começar, tenho de dizer que as afirmações - sozinhas - não funcionam! Precisamos exercitar o controle mental através do domínio dos pensamentos e reforçar isso com toda e qualquer ação relevante que você considerar necessária, como meditação, por exemplo, se quiser que

o evento desejado se concretize. Fazer uma afirmação e depois deixar que se manifestem pensamentos de dúvida ou descrença é uma atitude contraproducente que não vai levar a nada. Os bons resultados das afirmações derivam de:

Intensidade do desejo.

Continuidade e repetição.

Fé e devoção.

Ausência de dúvida.

Confiança de que os resultados se concretizarão.

Sabemos que o diálogo interior e o controle dos pensamentos afetam as emoções e que as emoções negativas mal resolvidas e retidas em seu íntimo criam desconforto e doenças. Inversamente, podemos reprogramar

o diálogo interior através de afirmações e criar conforto e saúde. No livrinho de Yogananda intitulado Healing with Affirmations (Cura Através das Afirmações), ele diz que afirmações conscientes marcantes atuam sobre a mente e o corpo através do subconsciente. Ele explica que “embora esteja procurando curar-se, muitas vezes a pessoa se concentra

mais no poder da doença avançar do que na possibilidade de cura,

permitindo assim que a doença seja um hábito mental, bem com um hábito

“A idéia/hábito subconsciente de doença ou saúde exerce uma

influência poderosa. Doenças mentais ou físicas persistentes sempre têm raízes profundas no subconsciente. A doença pode ser curada se arrancarmos suas raízes ocultas. É por isso que todas as afirmações da mente consciente devem ser marcantes o bastante para impregnar o subconsciente que, por sua vez, influencia automaticamente a mente consciente. Afirmações conscientes marcantes afetam a mente e o corpo através do subconsciente. Afirmações muito marcantes afetam não só o subconsciente, mas também a mente supraconsciente -- o celeiro mágico de faculdades miraculosas”. Ele afirma também que as pessoas “que usam afirmações sem compreender a verdade na qual se baseiam - a unidade indestrutível entre o homem e Deus - não têm bons resultados e queixam-se de que os pensamentos não têm o poder de curar”. Portanto, temos de entender o poder da mente e dos pensamentos como energia, assim como as leis que governam a energia. Aí então não teremos mais dúvidas sobre o poder do pensamento e a capacidade das afirmações nos curarem e transformarem nossa vida. Somos criadores e a única limitação que existe é aquela que queremos impor a nós mesmos.

físico.”

Se quisermos compartimentalizar nossa vida e ver a explicação e as afirmações apresentadas acima como meios para criar mudanças positivas, podemos fazer isso. As afirmações podem ser usadas para criar saúde, riqueza, felicidade e até imortalidade (para ser um imortal, é preciso abrir mão da crença de que precisamos morrer, ou que a morte é inevitável!). As afirmações também podem ser usadas para criar relações afetivas maravilhosas. Mas é importante sermos completamente puros em

relação ao que queremos criar para que sua formulação seja precisa e poderosa. Pessoalmente, prefiro afirmações que compreendam todos os aspectos de uma vez só! Uma frase que mate todos os coelhos com uma só cajadada. Por exemplo: “SOU saudável. SOU feliz. SOU bem sucedido em tudo quanto faço. Minha vida é cheia de alegria e prosperidade e ESTOU em perfeita harmonia e alinhamento sincrônico com a Vontade Divina, realizando minha verdadeira missão e destino.” As afirmações relevantes precisam ser feitas sob medida para seus desejos; eu poderia encher um livro inteiro só com afirmações. Há muitos livros maravilhosos sobre afirmações que tratam de todos os aspectos da

vida, desde “Vivendo na Luz”, de Shakti Gawain, até o livro de Stuart Wilde sobre abundância. Nota: ao criar afirmações, evite usar frases negativas, pois a mente subconsciente seleciona certas palavras. Quando você diz, “Nunca fico doente”, a mente ainda seleciona a palavra “doente”. Além disso, você sempre deve usar o tempo presente: “SOU/ESTOU” e não “serei/estarei”;

o futuro é um estado de eventualidade. Precisamos que as coisas aconteçam AGORA, não amanhã. “SOU/ESTOU” é uma afirmação marcante e presta homenagens diretas ao Deus interior.

Há uma lei universal chamada a Lei Criadora da Afirmação Divina, segundo a qual os pensamentos, as palavras e os atos afirmam aquilo que você acredita ser, ou aquilo que você acredita que seja a sua realidade. Aquilo que você pensa, é aquilo que você é. A afirmação é abrangida pela Lei da Mente. Jesus disse: “Acredite, que

você receberá.” A lei mental opera no reino da consciência, que é o reino

da fé. A fé ativa o pensamento.

A lei espiritual atua por meio da Lei da Mente. Essa lei é perfeição em

todo lugar agora e afirma que a bondade total e absoluta de Deus está à disposição de todos, em todos os lugares, em todos os momentos. Também é chamada de Causa Primeira, pois é a única causa real e a única verdade. O corpo é o servo da mente; a mente é o servo do espírito. Ambos esses fatos foram esquecidos pela humanidade e, por isso, muitos vivem num estado de medo e doença, limitação e morte.

A harmonia interior é obtida através do equilíbrio e do exercício diário

da contemplação (oração, sintonia), da meditação (voltada para o autoconhecimento) e da afirmação. Como dizem Ann e Peter Meyer em Being a Christ (Seja um Cristo), “A meditação é um estado subjetivo de receptividade ao Espírito. O tratamento (afirmação) é a atividade objetiva de dirigir a lei espiritual.”

No final do capítulo sobre frequências vibratórias, examino mais detidamente o poder da palavra falada e do som - como ao tocar um instrumento ou cantar mantras - sobre os campos energéticos de nosso ser.

Afirmações Acho interessantes as seguintes afirmações:

“Sou extremamente cordial na presença de meus pais, de meu/minha amante, de meus filhos, de meus amigos e de todas as outras pessoas. Todos são extremamente cordiais na minha presença.”

“Sou amor, sou livre, estou perdoado. Sou o que sou.”

“Com alegria, com segurança e com harmonia, dou um passo em direção ao desconhecido.”

“É minha intenção ser bem sucedido. E minha intenção eu me sentir seguro em todas as coisas que faço. É minha intenção que eu receba amor e coloque amor em tudo quanto faço. E minha intenção ter momentos maravilhosos e ter a prosperidade de que preciso para satisfazer todas as minhas necessidades e desejos.”

“Tanto quanto tenho condições hoje, mergulho em meu interior, pergunto e ouço a resposta. Desse modo, sigo a orientação interior, e não os hábitos adquiridos.” (S. Wilde)

“O dinheiro vem para mim rápida e facilmente e tenho mais do que o suficiente para satisfazer todas as minhas necessidades e desejos. ”

“Tenho o direito de ser feliz, de ser livre, de ter tudo o que desejo, de sentir alegria, êxtase e amor incondicional durante toda a minha vida.”

“Estou livre de limitações passadas. Crio minha própria realidade.”

“Uma sabedoria infinita me guia. O Amor Divino faz com que eu prospere, o sucesso anda a meu lado.”

“Amor e luz é o que sou. Aceitação é a chave de minha felicidade.”

“Sou um ser radiante e divino.”

E muitas mais!

Programação x Afirmações No capítulo 9, começamos a discussão sobre a necessidade de ter controle mental, pois tudo é criado pelo pensamento. Trabalhar com afirmações é muito diferente de uma programação consciente, como mostra a próxima seção sobre o poder da mente.

A principal diferença é que podemos utilizar afirmações poderosas e, mesmo assim, seu poder pode se dispersar pelo que chamamos de “sabotador interno”. Esse sabotador é a memória celular de outros tempos

e baseia-se numa experiência que pode não ter estado em harmonia com

a realização de nossas afirmações atuais. Por exemplo: podemos programar uma afirmação que diz, “Aceito e agradeço toda a abundância de riqueza financeira que é minha” e, mesmo assim, estar sempre “na lona” financeiramente. Isso pode ser por causa de uma crença profundamente arraigada, gravada no plano celular, de que não podemos ser espirituais e também desfrutar de abundância financeira. Essa crença pode derivar de vidas passadas de monges ou monjas, onde

a pobreza e a castidade eram os votos mais comuns. Pode derivar de

programas subliminares da infância, que nos dizem que “você só pode ganhar dinheiro se estiver preparado para trabalhar duro” e agora gostamos tanto de nosso trabalho que ele não parece trabalho “duro”; aliás, nem parece trabalho. Portanto, temos duas estruturas conflitantes que se manifestam ao mesmo tempo: uma de querer abundância financeira no momento presente, e a outra, retida na memória celular, que diz que não é bom ou que não é possível ter abundância. Desse modo, a força da energia positiva e a força da energia negativa anulam-se mutuamente e nada acontece. Programar significa dar ordens específicas no lugar certo: vem da mente superior para a mente inferior, do corpo mental superior para o corpo emocional e do corpo mental para o corpo físico, a fim de podermos ter tudo o que quisermos.

Ter tudo o que quisermos é líquido e certo, desde que:

Estejamos alinhados com a Vontade Divina e a Matriz Divina.

Estejamos em sintonia com o momento certo de manifestação desse Projeto Divino.

Tenhamos eliminado os elementos internos de sabotagem.

Parece simples? E, na verdade. E a próxima seção vai lhe oferecer programas muito eficientes exatamente para isso!

O poder da mente - além da psicologia motivacional Depois de terminar o primeiro rascunho deste livro, recebi instruções para parar de ler. Talvez pelo fato de o projeto ter sido tão intensamente concentrado. Durante mais de seis meses escrevi e alinhavei o material de pesquisa retirado de bem mais de 40 textos. Minha intenção era apresentar um manual de ferramentas de autoajuda fáceis de manejar e que fizessem jus ao coração e à inteligência, fornecendo dados bem fundamentados provenientes de muitas fontes. Mais importante que a necessidade de “fazer uma pausa” na pesquisa e na leitura foi compreender a relevância de permitir que aquilo que havia sido assimilado intelectualmente se acomodasse num saber celular. Isso só pode ser conseguido quando se põe o que se aprendeu em prática - vivendo. Eu também sabia intuitivamente que tinha dentro de mim todo o conhecimento necessário para ser a criatura ilimitada que estava procurando se manifestar. À medida que vejo outros fazendo essa viagem, tenho a impressão de ver um modelo que parece útil para empregar em toda busca de conhecimento interior. A alma agita-se, começamos a despertar. Temos sede de saber. Respeitamos o intelecto quando pesquisamos e descobrimos os fios comuns da verdade que vêm à tona com os ensinamentos das escolas e religiões antigas do planeta inteiro.

Combinamos o conhecimento da física quântica. Descobrimos as leis universais e reconhecemos que elas governam toda a energia e toda a matéria e que são, na verdade, o fundamento de toda ciência e de toda religião. Compreendemos que essas leis são as leis da criação e, quando trabalhamos com elas, os resultados são mágicos. Praticamos, brincamos, criamos conscientemente. Sabendo que criamos a realidade por meio de nossa visão, controlamos diligentemente nossos processos mentais e apagamos tudo, exceto o pensamento ilimitado. Refinamos e reprogramamos nosso ser. Vemos as leis da energia responderem e manifestarem nosso novo paradigma em nossa realidade cotidiana. A meditação traz a dádiva do distanciamento. Tornamo-nos tanto a testemunha quanto o criador, experimentando e vivendo no interior de nossa criação. Entendemos que o impacto de SER e viver o que compreendemos intelectualmente aumenta ainda mais o poder de nossa realidade. Pois um feixe de energia mental tem menos poder que o saber celular profundamente arraigado que emana de cada célula, de cada fibra, de nosso ser, alterando as estruturas energéticas à nossa volta. O corpo todo emite uma frequência que é declaração a um universo receptivo, fluido. Dizem que o universo reorgani- za-se literalmente para acomodar nosso modelo de realidade. E a Lei da Sintonia em ação. Por meio da criação consciente obtida através da sintonização e programação, encontramos a Mente Universal que fala conosco. Ficamos livres do sofrimento por causa de nossa condição divina à medida que nos programamos conscientemente para ter alegria, graça, desembaraço e mais. Despertos e com mais poder devido à intenção e à programação, assim como por observar as regras do jogo divino, criamos uma ponte entre os mundos, entre os paradigmas, e vivenciamos a Unidade em tudo. Observamos a pulsação dos trabalhadores da luz e da sociedade do status quo. Muitos procuram divertir-se, ganhar dinheiro e também “fazer o

bem”. Muitos simplesmente desejam criar um modelo que lhes permita viver sua vida no máximo de seu potencial físico, emocional, mental e espiritual, de uma forma que respeite todos. Esses são os paradigmas positivos para uma nova era. Os paradigmas positivos podem ser criados com uma programação específica e intencional. Programação é instrução repetitiva. Como o corpo físico e o corpo emocional são governados pelos corpos mentais - a mente superior e a mente inferior - em cada “novo” momento uma programação efetiva nos libera e também nos dirige pela vida afora. Permite que a viagem da sobrevivência seja simplificada, para podermos florescer harmoniosamente. A frase que se segue é um programa que muitos consideram extremamente eficaz: “Querida Mãe/Pai Divindade Criadora, peço que todos os momentos de todos os dias se desdobrem em completo e perfeito alinhamento sincrônico com a Vontade Divina.” Essa programação garante a realização bem sucedida de todos os sonhos e visões alinhados e nos faz parar de perguntar constantemente se é “nosso destino” fazer uma certa coisa. Também nos permite saber que, se algo não se manifesta, é porque não está em alinhamento com o Momento Divino. E, desse modo, podemos nos soltar, deixar o barco correr. “Peço que tudo quanto tenho a partilhar em cada momento seja para o bem supremo de todos e para o meu próprio bem supremo.” Por quê não haveríamos de querer que o que temos a partilhar seja menos que o máximo? Essa programação também dá a nossas relações afetivas a permissão de ser tudo o que podem ser, sem expectativas. “Peço que os campos de energia de meus corpos físico, emocional, mental e espiritual entrem em alinhamento perfeito, de modo que meu Eu Divino possa manifestar-se plena e conscientemente no plano físico, e em todos os planos da existência, de uma forma que me traga grande alegria, desembaraço, graça, prazer e abundância.” A forma criativa e transformadora mais poderosa do universo é a força de nosso Eu Divino (o

EU SOU ou mônada). Pedir-lhe para se alinhar conosco significa que o alinhamento será feito com perfeição e de uma maneira que também é alegre, porque não precisamos sofrer mais por causa de nossa condição divina, nem continuar amarrados a um ciclo de processamento constante. Esse programa também elimina o sabotador interno. Muitos de nós levam uma vida menos que perfeita por causa da memória celular e por causa daquilo que escolhemos enfocar em cada “momento presente”. Como as células, para usar a metáfora do dr. Deepak Chopra, são apenas lembranças revestidas de matéria, se tivemos mil encarnações com uma duração média de 30 anos cada, teríamos 30 mil anos de informações celulares baseadas na memória. Portanto, mergulhar na memória celular sem uma programação específica pode nos manter ocupados durante eras inteiras. Tudo aquilo que enfocamos cresce e se torna a nossa realidade. Por conseguinte, se desejamos conhecer nosso verdadeiro eu - vivenciar o ilimitado - a abordagem mais lógica seria enfocar nosso Eu Divino ilimitado. Chamo as definições acima de programa “básico”, projetado para conseguirmos aquilo que desejamos criar. Os programas podem ser de longo ou de curto prazo. Estes últimos são usados para obter um resultado específico. Mas, depois da reprogramação, também precisamos ficar vigilantes em relação a nossos pensamentos - optando por só aceitar os pensamentos que estão alinhados com o ilimitado. Um programa específico de manutenção para os que já estão sintonizados e cujo objetivo é nos manter em plena forma durante épocas turbulentas, em que nem sempre implementamos nossa rotina “normal” ou desejada é o seguinte (nós o chamamos de programação do ilimitado):

“Todos os meus corpos estão sintonizados, tonificados, em boa forma e saudáveis. Vibram e também se expressam, em harmonia perfeita e sincrônica com a pulsação da Divindade Criadora Mãe/Pai. Que assim seja, quer eu esteja comendo, dormindo, fazendo ginástica ou meditando."

Esse programa apaga á “fita do diálogo interior” que tocamos cons- tantemente a respeito dos hábitos supra citados e de qualquer culpa ou pensamentos limitadores que possamos ter a respeito, por exemplo, de nossa alimentação, sono, ginástica meditação e outros hábitos. Se já estiver programado, introduza suas propostas pessoais. O programa acima simplesmente elimina as crenças de que só temos poder se fizermos certas coisas como “comer certo” ou meditar. Um dos desafios da manifestação - depois que você já alinhou sua vontade com o “quadro maior” (Vontade Divina) - é o momento da ocorrência. Não há dúvida de que muitos também descobriram que só pelo fato de você estar em alinhamento não significa que as coisas vão acontecer quando você quer. Em geral, há outras peças (e pessoas) do quebra-cabeças que ainda não foram reveladas, criadas, postas no devido lugar etc. Tenho usado com muito sucesso o programa que se segue, pois ele permite um processo perfeito, gradual e alinhado. Também permite que tudo se desdobre fluentemente, no Tempo Divino: “Peço que meu próximo passo/peça perfeita da Matriz Divina revele-se a mim claramente e traga para mim tanto os recursos quanto as pessoas certas que fazem parte da criação e implementação desse projeto, de tal modo que possa manifestar- se positivamente AGORA.” Como muitos sabem, agora estamos passando por uma “iniciação coletiva”, na qual estamos aprendendo a trabalhar juntos em harmonia nesse plano físico. Esse programa também atrai as pessoas certas (aquelas que fazem parte da manifestação de nossa peça no grande quebra-cabeças) com as quais iremos trabalhar a fim de tornar nossas visões realidade agora. Para aqueles que compreendem ou que trabalham com estruturas temporais simultâneas, o programa que se segue permite reacessar nossos dons passados e futuros a fim de aumentar nosso poder para realizar nosso papel e ser a peça pré-combinada do “grande projeto”:

“Instruo meu EU SOU Presença para que me dê consciência de todos os

talentos, dons e informações de todas as vidas passadas, presente e futuras que são relevantes e que aumentarão meu poder para realizar meu papel e ser a peça do Projeto Divino nesse plano físico AGORA. ” Os que estiverem interessados em acabar vivendo exclusivamente de luz podem começar o processo de conversão que vai permitir que o corpo seja alimentado pelos reinos etéricos (prana) e não pelos reinos atmosféricos (comida): “Peço toda a atenção e presença de minha consciência corporal. Peço que, a partir desse momento, você absorva todas as vitaminas, nutrientes e alimento necessários para manter minha saúde física em seu ponto máximo - a partir das forças prânicas!”

Expansão da consciência com programação

por Eltrayan

O cérebro humano consiste em 100 bilhões de neurônios, e todos

eles fazem parte de redes com grupos de até 50 mil outros neurônios. A consciência humana envolve o funcionamento de um sistema de redes de neurônios. Nem todos os neurônios da rede funcionam de cada vez que a consciência está em atividade mas, quando isso acontece, vibram exatamente 40 ciclos por segundo.

As redes nervosas são criadas pelas experiências de vida. Portanto,

o ambiente influencia o cérebro. Mapas nervosos - como a visão, a fala etc. - são gravados na infância. Os mapas básicos precisam ser criados em certos estágios do desenvolvimento, senão não se formam mais. Os cérebros jovens são muito elásticos, mas, aos dez anos de idade, a maior

parte dos processos básicos do cérebro já está pronta.

O processo de refinamento das conexões nervosas de nosso

cérebro é constante, e as mudanças tanto podem ser construtivas quanto destrutivas. Um procedimento muito eficaz para dar forma deliberamente a

esses mapas nervosos, para criar o modelo de vida que você deseja, chama-se “programação”. Fazer uma programação é repetir um determinado pedido até que se forme um mapa neural que, a seguir, promove a construção da realidade daquilo que foi desejado. O período de tempo necessário para conseguir isso varia, mas não se deve esperar resultados instantâneos. A prática deve ser constante até a intuição lhe dizer que ela deixou de ser necessária. E preciso tomar o maior cuidado tanto com o conteúdo do pedido quanto com a escolha das palavras, uma vez que o resultado vai refletir literalmente a frase que você construiu. A forma das palavras usadas deve ser um pedido feito com humildade, ou uma ordem ou instrução dada. O pedido deve ser feito a qualquer poder superior que você reconheça. Se ficar em dúvida, é aconselhável dirigir-se à Hierarquia Espiritual. Para ajudá-lo a lembrar o programa todos os dias, a repetição pode ser feita no momento em que as tarefas cotidianas regulares forem realizadas como, por exemplo, durante o banho. A programação é um recurso extremamente poderoso. Já foi usado com sucesso no passado sob vários nomes diferentes, mas raramente foi tentada com o vigor e a concentração necessárias para se efetivar. Um programa interessante é aquele voltado para a liberação e eliminação de lembranças negativas e perniciosas de seus corpos físico, emocional, mental e espiritual. Tradicionalmente, ele só deveria ser aplicado a suas vidas passadas e à presente. Uma informação recente muito importante foi incluir as vidas futuras. Como você é um ser multidimensional, os eventos futuros alimentam-se de sua situação atual. Esse acréscimo simples à programação tem dado resultados notáveis e é enfaticamente recomendado. Para entender porque as vidas futuras devem ser incorporadas à sua programação, lembre-se de que os feiticeiros ou videntes vivem o tempo em retrospectiva. Esse é um conceito difícil de compreender e requer uma

explicação de como um aumento de consciência implica em uma alteração da percepção do tempo.

O tempo é apenas mais um aspecto da atividade, do movimento ou

da dinâmica sob a forma de um símbolo. Indica o volume de atividade de uma certa unidade, usando o espaço como pano de fundo. Isso possibilita a correlação dos eventos e a introdução da ordem do universo. Não pode haver tempo sem movimento, nem movimento sem tempo, nem sem pensamento. Se a existência humana for vista como algo constituído por sete dimensões, então o tempo sequencial, tal como o entendemos nor- malmente, existe apenas até o terceiro plano da quarta dimensão. Em consequência de novos alinhamentos planetários em nossa galáxia, que ocorreram em 1987 - chamados de Convergência Harmônica - o ancoramento de raios superiores passou a ser possível pelo acesso de nosso planeta, e da humanidade, ao sol central da galáxia, em vez de se limitar à estrela que é o centro de nosso sistema solar. No começo de 1991, o circuito da quarta dimensão da Terra e da humanidade completou- se. Portanto, a humanidade está no nível mais baixo da quarta dimensão, que é a última dimensão do plano físico. Além do terceiro nível da quarta dimensão, a velocidade da consciência torna compreensível o conceito do “agora eterno”. Depois que

ele é compreendido, a explicação dos problemas de vidas futuras torna-se evidente e ajuda a acelerar nosso progresso.

A dificuldade de liberar as lembranças negativas e perniciosas de

vidas futuras é uma das principais razões pelas quais certas situações indesejáveis resistem à ação que seria razoável esperar que as resolvesse. Toda alteração de hábitos que se procura - do hábito de comer demais, de fumar ou qualquer um do leque variado de vícios atuais - deve incluir essa programação para ajudar em sua resolução.

Frase de programação sugerida: “Com o poder da intenção de meu Eu, peço humildemente à Hierarquia Espiritual* para liberar e eliminar todas as lembranças negativas e perniciosas de vidas passadas, presente e futuras de meus corpos físico, emocional, mental e espiritual”. Lembre-se que, depois que você estiver alinhado com o Tempo Divino e a Vontade Divina e não tiver energias conflitantes dentro de si, tudo quanto você imaginar pode se tomar manifesto. A manifestação é fácil, ter uma visão clara do que você deseja que se manifeste é que requer um pouco mais de habilidade e previsão!

* Você talvez queira introduzir aqui sua conexão espiritual particular.

Capítulo 12

ESTRESSE E FATORES ESTRESSANTES

O estresse é um processo interativo de forças que lhe são aplicadas e o efeito dessas forças. O resultado de desconforto é sentido muitas vezes como fadiga, ansiedade, tensão e sentimentos desagradáveis provocados por uma situação constante de excesso ou insuficiência de estimulação e, se continuar durante muito tempo, pode resultar até em morte. Na sociedade ocidental, os sinais de dificuldade costumam ser comer demais, beber demais, fumar e abusar de drogas ilegais ou permitidas com receita médica. Eustresse gera emoções positivas, excitação e até prazer. Eustresse é estresse num grau administrável durante curtos períodos de tempo e que lhe dá vitalidade e motivação. Para lidar efetivamente com situações difíceis, precisamos identificar as principais áreas problemáticas e estressantes de nossa vida e depois utilizar técnicas de autoajuda que lidem efetivamente com o estresse atual e também ajudem na prevenção de um estresse futuro. Em seu livro Stress and You (O Estresse e Você), o dr. Bob Montgomery e Lynette Evans discutem um modelo de estresse composto por cinco fatores que abrangem as principais causas do estresse na sociedade moderna. Os cinco componentes desse modelo de estresse são:

1. Fatores estressantes (a fonte do estresse). O maior estresse

que sentimos vem de sentimentos de incerteza ou falta de controle (segundo uma pesquisa europeia) e os diferentes graus desses sentimentos provocam eustresse ou esgotamento. Exemplo: incerteza sobre o futuro de nosso emprego, relações afetivas ou finanças pode deixar-nos esgotados. Certeza demais a respeito do emprego, das

relações afetivas etc. pode causar tédio e falta de estimulação, e também pode resultar em esgotamento. Os indivíduos que se encontram nessa situação procuram compensar a falta de estimulação (tédio) com esportes arriscados, por exemplo, que são demasiado estimulantes e também podem levar ao esgotamento e à exaustão. Muitas vezes, as pessoas aumentam sua sensação de esgotamento com a imaginação, isto é, reagindo de forma exagerada a uma situação, imaginando o pior, ali- mentado pensamentos negativos, imaginando problemas futuros (ansiedade), remoendo “erros” passados (autoacusação e/ou culpa). Isso leva ao componente número dois.

2. Pensamentos - o efeito de pensar e do diálogo interior. Tem

uma influência enorme no nível de eustresse ou esgotamento em nossa vida. Esse tema já foi discutido em detalhe antes. Repetindo: somos governados por leis universais relacionadas à natureza da energia. A matéria é energia e somos compostos de matéria - moléculas intimamente ligadas pela energia e que dão a aparência de solidez. Os pensamentos

são energia de um tipo muito sutil e invisível, mas poderosa. Não podemos ver a energia do pensamento, mas podemos ver seus resultados. Nenhuma ação ou evento se concretiza sem o pensamento de uma mente humana ou da Inteligência Divina. Nosso diálogo interior e o pensamento criam nossas ideias, expectativas e atitudes. Os fatores estressantes derivados do pensamento surgem frequentemente porque:

a. Vemos ou interpretamos uma situação como negativa, desagradável ou perniciosa.

b. Pensamos que temos ou não temos condições de enfrentar a situação.

c. Esperamos que nossa incapacidade de resolver a situação tenha sérias consequências negativas.

O pensamento pouco realista ou exagerado desempenha um papel importante na maneira pela qual uma pessoa enfrenta o estresse. Em relação à capacidade de lidar com as situações, eu gostaria de observar a essa altura que nunca somos colocados numa situação que não temos condições de enfrentar. Segundo os ensinamentos esotéricos, a vida na Terra pode ser comparada a uma escola: é um local de aprendizado. Somos instruídos pelas nossas experiências de vida, aprendemos uma lição e depois somos testados para ver se estamos em condições de passar para a lição seguinte e se aprendemos bem a lição anterior. Em geral, essas lições estão relacionadas a coisas intangíveis como confi- ança, fé, empatia, compaixão, humildade, tolerância etc. que, depois de assimiladas, permite-nos um alinhamento melhor com nossa natureza perfeita. Quando passamos por uma tensão muito grande ao perder um emprego ou um ente querido, essa é uma lição escolhida de antemão e destinada a nos fazer compreender algo importante, combinada à prova que vem em seguida, para saber se essa lição foi realmente bem aprendida. E por isso que, quando optamos por evitar uma situação - ter quatro filhos, por exemplo, e achar o estresse da maternidade/paternidade e a responsabilidade grandes demais e ir embora - atraímos circunstâncias semelhantes nesta ou em outra vida, pois a lição tem de ser aprendida, temos de passar no teste; depois, então, podemos seguir em frente. O redirecionamento da energia na totalidade cósmica (karma) também desempenha um papel e, por isso, uma situação nem sempre é tão simples quanto parece. O x da questão é que, pelo fato de acreditarmos na limitação de nossas capacidades inatas, pelo fato de as subestimarmos, muitas vezes nos sentimos esmagados em épocas de provação. Mas saber que nenhuma prova nos é apresentada sem que estejamos bem preparados pode ser muito reconfortante. Os índices de suicídio passariam por uma redução visível se isso fosse mais bem

compreendido. Em termos simples, se não estivéssemos prontos, não estaríamos ali passando por aquele teste! Só porque nos falta confiança em nossa capacidade de nos sair bem e passar na prova não significa que não tenhamos os conhecimentos ou a instrução necessários! Voltando ao modelo de estresse de cinco fatores

3. Resposta e alteração fisiológica: chamadas muitas vezes de

síndrome de adaptação geral (SAG) - essa resposta do corpo ao estresse pode ser explicada da seguinte forma: primeiro, a reação de alarme - aumento da pressão sanguínea, dos batimentos cardíacos e do fluxo de sangue - e tensão - nos músculos voluntários, resultando na síndrome de lugar ou fugir como, por exemplo, no caso de um chefe exigente demais ou de um trabalho que exige demais e que achamos que não podemos deixar por causa de compromissos financeiros etc. Quando não podemos nos comportar de forma agressiva para liberar o sentimento de frustração,

precisamos de uma resposta mental construtiva, bem pensada, para aliviar os sintomas físicos e emocionais de esgotamento. Quando o problema não

é

resolvido, leva à segunda fase, chamada de estágio de resistência, onde

o

corpo procura manter a aceleração de sua atividade criada no estágio da

reação de alarme e consome sua energia na tentativa. A exposição repetida ou prolongada a tal situação libera substâncias químicas como cortisol e adrenalina, que enfraquecem o sistema imunológico e aumentam

o risco de coágulos sanguíneos e endurecimento das artérias. O colesterol

é um hormônio liberado quando a pessoa está sob estresse. Os estressantes modernos criam alterações fisiológicas e, quando prolongados e repetidos, dano físico. Na luta pela sobrevivência, a tensão

era usada para desencadear a reação de alarme e era rapidamente desfeita assim que o perigo passava. Com a industrialização, a urbanização, a automação e a inovação tecnológica, os fatores estressantes agora costumam ter uma duração maior, com as pessoas

tendo sentimentos de incerteza e falta de controle. A doença física é desencadeada como consequência do estresse (estresse mental, estresse no corpo com alimentação inadequada, falta - ou excesso - de exercício, estresse emocional proveniente de emoções negativas mal resolvidas etc.). As doenças psicossomáticas deixaram de estar separadas das outras doenças, pois os efeitos negativos sobre o corpo são idênticos. O próximo estágio SAG é o estágio da exaustão, quando os recursos do corpo estão tão esgotados que o colapso - isto é, um desmoronamento nervoso - é iminente.

4. Sentimentos e reação emocional a um fator estressante: inclui

estresse - felicidade, excitação, alegria, entusiasmo - e esgotamento - infelicidade, depressão, medo, ansiedade etc. Como disse na discussão sobre o poder da emoção, a maioria das pessoas acredita que os sentimentos são despertados por eventos que estão fora de seu controle. Mas não é o evento que produz uma resposta emocional, e sim o que pensamos a seu respeito. Não somos as vítimas de respostas emocionais automáticas. Os sentimentos são uma resposta aprendida a uma determinada situação. Experiências anteriores e exposição repetida modelam respostas “automáticas”. Mudanças no número de batimentos cardíacos, na pressão sanguínea etc., são controladas pelo sistema nervoso, que funciona autonomamente e, por isso, essas respostas são classificadas como automáticas. Mas nós fomos feitos para pensar antes de sentir. Lançamos mão de soluções de curto prazo, como o excesso de comida e bebida, para reprimir sentimentos desagradáveis. Mas, a longo

prazo, essas “soluções” são perniciosas à nossa saúde e não resolvem o problema básico - nossas respostas condicionadas e aprendidas a uma determinada situação. Essas respostas condicionadas, por sua vez, vêm

de vidas passadas, da infância e de experiências anteriores, e ficam guardadas na memória celular.

5. Opções comportamentais: basicamente, os indivíduos optam

por lutar ou fugir, pela agressão ou pela fuga. A agressão ativa não oferece uma solução de longo prazo e, em geral, é ineficiente. Uma estratégia construtiva é aquela que leva a uma situação onde não há derrotados, onde as necessidades de todas as partes são consideradas e satisfeitas. A situação onde todos ganham é boa porque cria tanto uma solução de curto quanto de longo prazo, e evita enfrentamentos repetidos do mesmo problema. A agressão passiva - mau humor, recolhimento, silêncio - é igualmente ineficaz em termos de solução de longo prazo para tensões comportamentais. “A Profecia Celestina”, de James Redfield, discute os papéis que desempenhamos frequentemente como resposta ao caráter de nossos pais (de vítima, de pessoa que interroga sem parar, intimida, é distante, ou uma combinação dessas características) com detalhes interessantes e analisa a necessidade que temos de nos livrar das limitações das respostas comportamentais condicionadas e habituais. Para sermos livres, temos de estar dispostos a compreender e, depois, a mudar. Às vezes temos de enfrentar sentimentos desagradáveis a curto prazo em nome da busca de soluções genuínas de longo prazo. Os cinco fatores apresentados acima interagem e influenciam uns aos outros. A vida não é estática, pois somos sistemas de energia e em constante fluxo dinâmico. A única coisa constante na vida é a mudança! Para crescer e evoluir, temos de aprender a ser flexíveis, principalmente se quisermos melhorar a qualidade de vida.

Capítulo 10

TÉCNICAS PRÁTICAS PARA ACABAR COM O ESTRESSE

Este capítulo vai apresentar ferramentas práticas que possibilitam mudanças positivas e que, quando usadas regularmente, vão:

a) Melhorar sua saúde, vitalidade e sentimentos de bem-estar geral.

b) Melhorar a capacidade de enfrentar situações estressantes.

c) Promover a paz e a tranquilidade em sua vida.

d) Promover a capacidade de resolver melhor os problemas.

e) Liberar e lidar eficientemente com as emoções negativas de uma forma mais construtiva.

f) Abri-lo mais para a orientação interior.

g) Evitar reações negativas e os efeitos do estresse futuro.

A ioga relaxa a mente e o corpo, assim como a meditação e a visualização criativa, mas precisamos tomar consciência de nossos pensamentos e respostas emocionais condicionadas. Temos, como eu já disse antes, quatro corpos inferiores - o físico, o emocional, o mental e o espiritual. Também temos uma reserva de energia pura que nos sustenta e que se expressa através dos campos energéticos desses corpos. Sentir- nos completos, realizados e integrados como seres humanos é algo que acontece quando os campos energéticos desses corpos estão equilibrados e atuando em harmonia uns com os outros em seu pleno potencial. Antes de nos compartimentalizar e procurar soluções não só para ganhar pontos relativos a todos os itens citados acima, mas também para unificar os campos energéticos de nossos corpos, sugiro o seguinte exercício: examine e rompa todos os seus hábitos. Faça isso durante um dia, uma semana ou pelo tempo que precisar.

Pare com todos os seus comportamentos habituais, bons ou ruins. Depois de descobrir e examinar honestamente cada um de seus hábitos, pergunte-se por quê os tem. E porque seus pais, a sociedade, seus pares esperam esses comportamentos de você ou o ensinaram a agir e sentir dessa forma? Quantos padrões de comportamento você adotou porque seus pais os tinham e os seus avós os cultivaram antes deles? Você parou para pensar se essas opções (dado o estado de coisas atual num nível pessoal e social, e levando em conta o saber acumulado individualmente) ainda são válidas para você? Depois resolva se vai se descartar desse hábito ou mantê-lo em sua vida por alguma outra razão além de ser uma opção sua e de ser bom para você. Vou usar o consumo de carne como um exemplo, porque é esta é uma das substâncias mais densificantes que você pode introduzir em sua frequência vibratória (segundo minha experiência pessoal, quanto mais refinada sua frequência vibratória, tanto mais sofisticadas e melhores suas experiências de vida). Muitos de nós comem carne só porque ela nos foi dada desde que nascemos. Se tivéssemos de sair e matar, tirar a pele e as vísceras de um animal e prepará-lo para comer, muitos de nós considerariam seriamente outras alternativas conhecidas como fonte de proteína. Esses comentários não são feitos com a intenção de julgar, mas como uma referência sobre o quanto mantemos opções que talvez não sejam de nosso interesse só porque não paramos para questionar e descobrir alternativas. Muitas opções são simples hábitos. Se quisermos melhorar nossa qualidade de vida, devemos suspender todos os nossos hábitos e, depois de uma análise profunda, aceitar somente aqueles que consideramos positivos para nós. Já é um excelente ponto de partida. Já discutimos o efeito das emoções, dos pensamentos e das palavras, e os capítulos 14 e 15 vão tratar em profundidade dos benefícios

da meditação e da forma de purificar os campos energéticos de nossos corpos para uma experiência mais plena de meditação. Esses capítulos e o capítulo sobre as frequências vibratórias, mais as visualizações criativas recomendadas, também vão ajudá-lo a ganhar pontos em relação a todos os itens citados acima, de a) a g). A técnica da respiração e da visualização da luz branca (Visualização Criativa 1) do final do capítulo 7 também dão resultados positivos a longo prazo em relação aos itens a), b) e c), mas precisam ser praticados diariamente para poderem ser usados como medida preventiva de um esgotamento futuro. Segundo minha experiência, a falta de autoconhecimento, a falta de solidão e contemplação, bem como sentimentos de pouca auto-estima, são os principais fatores estressantes na sociedade de hoje. Muita gente - principalmente as mulheres de nossa sociedade - são bem condicionadas para satisfazer as necessidades de amantes, dos filhos, dos familiares e dos amigos, mas a passar muito pouco tempo de qualidade em sua própria companhia, sem distrações externas. Eu gostaria de recomendar que, toda noite, antes de ir para a cama, você se “sintonizasse” por meio do trabalho de respiração e depois tivesse uma boa conversa consigo mesmo. Isso significa reservar algum tempo para nós mesmos, para ouvir-nos e dar total atenção a nós mesmos, como damos a nosso par amoroso, a nossos filhos, a qualquer ente querido. Quando reservamos regularmente algum tempo para ouvir os outros, principalmente se parecem estar mal, isso nos permite manter a comunicação desobstruída e fluida. Essa técnica de auto reconhecimento, de diálogo interior e de ouvir a nós mesmos promove tanto um sono melhor quanto uma saúde melhor à medida que estabelecemos um contato mais íntimo com o que realmente pensamos e sentimos, o que também ajuda a promover a orientação interior. Em termos de nossa sociedade, estamos condicionados a pensar que falar conosco mesmos é

um sinal de demência e deve ser desestimulado; mas se parássemos realmente de falar, ouvir e dar nossa atenção plena a nossos entes queridos, o que aconteceria a nossas relações afetivas? E evidente que nossa relação conosco é igualmente importante. Devemos seguir o conselho de Sócrates e lutar para nos conhecer - não apenas os gostos e desgostos superficiais da mente inferior, mas o verdadeiro ser que reside lá no fundo, além da persona, além da máscara. Para aprofundar um pouco mais a ideia de como aquilo que pensamos ou percebemos determina o que sentimos, fiz uma lista de sete passos para você se sentir melhor por estar pensando com mais clareza (acho que todas as situações da vida acontecem para nos servir, ensinar e inspirar. O termo “negativos” refere-se a sentimentos que estamos tendo e preferíamos não ter, e uso esse termo sem fazer juízo de valor).

1. Quando você tiver sentimentos negativos intensos ou prolongados, não os negue: aceite que esses sentimentos são naturais, mas lembre-se de que, se não forem bem resolvidos, acabarão criando desconforto e até doença. Essas emoções precisam ser enfrentadas rápida e eficientemente para que não se formem bloqueios energéticos dos corpos eletromagnéticos no corpo físico. Depois de aprender a identificar a natureza e intensidade do sentimento, podemos descobrir a melhor maneira de resolvê-lo.

2. Aceite que você pode enfrentar os sentimentos negativos:

tivemos sentimentos negativos no passado. Agora são passado, assim como os atuais um dia serão. Os sentimentos passam. Às vezes não temos condições de mudar a situação que está desencadeando o sentimento, mas sempre podemos mudar nossa atitude em relação a ele. Por exemplo: uma pessoa que sofreu um acidente pode reagir mais ou menos assim: “Coitado de mim. Por que isso foi acontecer comigo? O que

fiz para merecer uma coisa dessas? Não é justo” etc. e ter sentimentos de autopiedade, depressão, negatividade geral, tristeza, raiva, frustração e assim por diante. Ou então o indivíduo pode pensar: “Graças a Deus que estou vivo. A vida é maravilhosa. Estou tão feliz de não ter morrido. Meus ferimentos vão sarar. Estou ficando cada dia mais forte” e ter sentimentos de alívio, gratidão, alegria por estar vivo, alegria por ter tido mais uma chance, paciência, determinação de melhorar etc. Pensamentos são energia. Assim como a negatividade perpetua a si mesma e perpetua a doença, quando a mente espera que o corpo sare, ele sara. Negar ou ignorar os sentimentos negativos é uma atitude que os perpetua. Aceitar sua validade e depois optar por enfrentar esses sentimentos - e os pensamentos que produziram esses sentimentos - de uma forma construtiva melhora a situação e permite que os sentimentos negativos se dissipem naturalmente. Quando optamos por pensamentos positivos, o relaxamento mental acontece automaticamente e, à medida que mudamos nosso diálogo interior, nossos sentimentos alinham-se automaticamente com o que pensamos, e em reação ao que pensamos.

3. Recompense-se com elogios e cumprimentos: devemos nos

permitir um diálogo interior positivo, elogiando-nos a respeito da maneira como enfrentamos ou resolvemos uma situação. Quando fracassamos, devemos simplesmente aceitar o fato e tomar a decisão de nos sair melhor da próxima vez. Somos aprendizes do domínio mental e erros e equívocos ocasionais são aceitáveis para qualquer um que esteja aprendendo. Os eventos só são erros quando nos recusamos a aprender com eles. Aprendemos e depois passamos para a lição seguinte e, quando não aprendemos direito, continuamos cometendo “o mesmo erro”. Recompensar a nós mesmos aumenta a autoestima e reforça a convicção de que podemos enfrentar situações e nos sair bem. Busque sua aprovação, não a dos outros - romper hábitos e praticar a

contemplação silenciosa permite-nos estabelecer padrões que são bons para nós, e não aqueles que são os que os outros esperam. Se dermos pequenos passos, se estabelecermos objetivos realistas e nos dermos um bocado de incentivo e elogios, um dia descobrimos o ilimitado de nosso ser, descobrimos que podemos fazer qualquer coisa quando nossa intenção é o bem supremo - não só dos outros, mas nosso também.

4. Identifique o diálogo interior: quando estamos mal, devemos

tomar consciência daquilo que estamos pensando - muitos pensamentos são hábitos sem fundamento e podem ser uma resposta predeterminada que nos faz sentir que não estamos pensando nada. Lembre-se: todos os

sentimentos se baseiam num pensamento ou percepção. Ao escrever o que estamos pensando quando estamos “mal”, tomamos consciência de como os pensamentos influenciam a intensidade do sentimento.

5. Teste o diálogo interior: muitos pensamentos habituais são

derrotistas (assim como muitas palavras e atos) e o hábito precisa ser quebrado. Resmungar e censurar é como um disco quebrado tocando sem parar. Autoflagelação e diálogo interior negativo são a mesma coisa e reforçam a limitação, os medos e a insegurança. O remorso e frases como ”

“Se ao menos

improdutivos. Fazer juízo de valor por meio da reflexão retrospectiva acaba com a gente. Quando somos absolutamente honestos conosco, em geral descobrimos que, dado quem éramos na época, ou dada a informação ou conhecimento de que dispúnhamos, fizemos o melhor possível, ou que considerávamos o melhor possível. Muito raramente as pessoas se propõem infligir sofrimento ou criar discórdia umas com as outras, a menos que elas próprias estejam sofrendo em algum plano. Desenvolver uma ligação forte com nosso guia interior mantém-nos no caminho “certo” e minimiza aquilo que vai voltar para nós, pois nos

etc. são

”,

“eu devia

“eu podia

”,

“Por que eu não

?”

sintonizamos com o fluxo do quadro maior e conseguimos estar no lugar certo na hora certa. Na verdade, trata-se apenas de nos ligarmos à Lei da Graça universal (sincronicidade). Podemos aprender a estar exatamente no nosso centro, a ter clareza, a fazer o melhor possível dadas todas as facetas de uma situação. Isso nos livra da auto recriminação. Quantos de nossos pensamentos e diálogos interiores não foram trazidos da infância? Quantos ainda são válidos para a pessoa que somos hoje? Podemos criar novos hábitos, novas formas de pensar, com base na pessoa que somos agora e no que realmente funciona e é relevante para nossa vida agora. Por isso precisamos:

6. Ensinar a nós mesmos a pensar racionalmente: quem

determina se um pensamento é razoável - a sociedade ou nós? Vivemos para agradar a sociedade ou nós? Ou será que podemos agradar a ambos respeitando ambos? Se temos abundância em todos os planos de nossa vida, é porque adquirimos o controle da mente e recebemos um diploma de nosso curso. Quando sentimos alguma falta ou desarmonia, talvez seja preciso examinar nossos processos mentais e a forma como nos servem ou nos tiram o poder. Colhemos o que plantamos. Por fim, para realizar os itens de a) a g) citados no início deste capítulo, precisamos assumir total responsabilidade por todos os nossos pensamentos, palavras e atos.

7. Aprender a pensar de maneira ilimitada: dê asas à sua imagi-

nação! A energia segue o pensamento e o pensamento cria. Que tipo de realidade desejamos realmente criar? Se não dermos rédea solta à nossa imaginação e pensamentos, não teremos visão. Sem visão, não saberemos o que mudar ou em que direção evoluir. Os sonhos e a visão permitem que a humanidade continue evoluindo com a lembrança da perfeição.

No livro Creating Money - Keys to Abundance (Como Produzir Dinheiro - As Chaves da Abundância), os autores Sanaya Roman e Duane Packer explicam: “Como seus pensamentos criam sua realidade, você pode criar uma vida ainda melhor para si aprendendo a pensar de forma grande, ilimitada. O pensamento ilimitado aumenta a criatividade, expande suas possibilidades, cria oportunidades para você e lhe permite ter mais. O pensamento ilimitado permite que você saboreie de antemão os sentimentos que vai ter quando receber a abundância que deseja, e esses sentimentos são os veículos que lhe trazem abundância. Use essas visões para abrir sua mente para possibilidades maiores.” Os autores dizem ainda no mesmo livro: “Para desenvolver seu potencial, você vai imaginar que seus sonhos se tornaram realidade, pois seus sonhos e fantasias estão lhe mostrando seu potencial. Seus sonhos existem por algum motivo: estão guiando você para um caminho superior aqui na Terra. Amplie sua visão do que é possível para você fazer. Ouse sonhar e pensar grande.” Um outro trecho de interesse no mesmo livro diz o seguinte: “Sua imaginação tem um alcance maior do que você pensa. E o vínculo mais íntimo com sua alma. Não é limitada por programas, crenças e medos do passado. A imaginação foi-lhe dada para você poder transcender o mundo físico. Ela lhe dá a capacidade de superar seus limites pessoais e descobrir seu maior potencial. Sua imaginação pode viajar para qualquer dimensão ou mundo. Pode criar caminhos futuros inimaginados para você e ajudá-lo a ver os possíveis resultados de várias opções.” Portanto, precisamos aprender a pensar em termos de possi- bilidades, não de impossibilidades, para ir além dos limites do que pensamos que podemos ter. Se você não conseguir acreditar numa coisa, ela não será possível. Você não pode criar uma coisa que não consegue imaginar. Portanto, dê a si mesmo permissão para sonhar, para fantasiar, para imaginar como você gostaria que fosse sua vida e o que você pode

fazer para criá-la. Mantenha essa visão em sua mente, alimente-a com o desejo de que você vai conseguir reconhecer as oportunidades à medida que se apresentarem. Se não tiver visão, você não vai reconhecer as oportunidades. Com muita energia, trata-se apenas de lançar suas antenas no espaço para receber os sinais transmitidos por outras estações.

Visualização Criativa 3

A criação do santuário interior

Esse exercício de visualização foi concebido para criar paz e tranquilidade interior, a fim de nos desestressarmos de forma positiva e natural. Trabalha com a respiração, a luz branca e também com nossa capacidade de visualização. Criar esse santuário especial e passar algum tempo nele diariamente minimiza a necessidade de descansar de nossa vida agitada e é uma técnica rápida e poderosa para acabar com o estresse. Passar dez minutos todos os dias nesse santuário funciona como medida preventiva contra o acúmulo de tensão e seus efeitos negativos. Quando praticamos regularmente e temos acesso fácil a esse lugar e a suas sensações inerentes de paz e calma, podemos simplesmente nos instruir para estar lá a qualquer momento. No trânsito, no local de trabalho, sempre que começarmos a sentir o corpo tensionar, podemos simplesmente fechar os olhos, imaginar que estamos lá e dar um mergulho na “piscina curativa” ou tomar um banho na cachoeira mágica e curativa, e sentir o estresse saindo de nós. A medida que aperfeiçoamos essa técnica, ela pode ter um efeito estimulante e é muito potente quando usada de forma regular. Lembre-se, a mente não sabe distinguir entre um evento real e uma visualização vivida! Portanto, os benefícios de estar nesse santuário interior imaginário podem ser tão grandes quanto se estivéssemos realmente lá. Todo dia que entramos nesse santuário, nós o aperfeiçoamos, deixando-o mais belo, mais potente. Talvez queiramos adicionar salas de aula e conhecimento para termos acesso ao ensino superior, conhecer

guias etc. Lembre-se, a imaginação é vasta e ilimitada e, se for utilizada corretamente todos os dias, cria um amanhã com muito poder. Respirar profundamente e contar bem devagar em ordem decrescente é uma forma de auto-hipnose que nos permite sintonizar as ondas cerebrais, passando-as de beta a alfa e depois a teta -- o estado de relaxamento profundo imediatamente anterior ao sono.

Quando começar a criar este lugar, reserve para si mesmo algum tempo para praticar e ficar à vontade num lugar em que ninguém o incomode.

Sintonize-se com o trabalho de respiração e luz.

Depois de relaxar, imagine que está de pé numa montanha e agora, à sua frente, você vê uma escada cujos degraus levam para baixo.

À medida que os desce, comece também a contar em ordem decrescente (de dez a zero) e, entre os números, faça uma inspiração profunda e a expiração conectada a ela.

Deixe-se relaxar cada vez mais à medida que vai contando, sentindo- se cada vez mais leve e mais livre a cada degrau, sabendo que está prestes a entrar num lugar especial, seguro.

inspire e expire

10

 

9

inspire e expire

8

inspire e expire

7

6

5

4

3

2

1

0

Ao chegar ao fundo, você está se sentindo profundamente relaxado. Faça algumas respirações profundas, suaves, conectadas.

Olhe à sua volta, abra-se e utilize todos os seus sentidos internos.

Você percebe que está num santuário belíssimo, um lugar que é só seu, onde você se sente completamente seguro, em paz, alimentado, amado. E o seu “cantinho” interior, como aquele que as crianças têm para fazer suas brincadeiras e realizar suas “fantasias”.

Deixe a mente divagar: “veja” as árvores e os canteiros de flores. “Veja” a si mesmo colhendo uma flor e levando-a até o nariz. “Sinta” seu perfume (deixe o sentido do olfato ser ativado).

Ouça os pássaros cantando ou o vento farfalhando nas árvores.

Você pega água com as mãos de uma nascente e leva-a aos lábios para “prová-la” e matar a sede

Você “sente” o sol em sua pele, o vento nos cabelos.

Pare por um momento, deixe que a mente superior crie esse santuário íntimo. Lembre-se que esse lugar é seu. Você pode criá-lo da maneira que quiser - não há limites para sua visão aqui.

Faça algumas respirações profundas, suaves, conectadas. Deixe- se banhar pela beleza do lugar. Se pudesse ter um lugar de perfeição física, como seria? Uma praia, uma floresta tropical, vales e rios ou o topo de uma montanha? Lembre-se de uma época em que se sentia livre, em paz, em segurança em algum lugar junto à natureza - faça com que essa lembrança fique mais nítida.

Você talvez queira criar uma abóbada maravilhosa, ou uma pirâmide de luz sobre seu santuário - ou um muro alto de cristal, ou um muro coberto de hera, para se sentir mais seguro.

Talvez o céu desse mundo interior esteja sempre tingido pelas cores do lusco-fusco, do crepúsculo.

Repito, esse lugar é seu. Crie-o de acordo com os desejos e ditames de seu coração e de sua visão interior.

Mantenha a respiração suave, profunda e conectada enquanto usa sua imaginação para criar. Crie de modo a sentir alegria intensa, beleza, segurança, paz, crie de modo a sentir que esse lugar é só para você, onde pode esquecer todas as preocupações de sua vida cotidiana. Aqui não há responsabilidade para você, exceto sentir-se maravilhosamente bem - nada de filhos, nada de hipotecas, nada de

contas, nenhuma pressão - só liberdade, amor e aceitação. Esse é um lugar onde você pode ir para avaliar sua vida e aprender a recriá-la da forma como você gostaria que fosse.

Muita gente que cria esse santuário interior diz que, com a prática, conseguem entrar nele imediatamente com o pensamento “meu cantinho”. Esse pensamento desencadeia nessas pessoas a sensação de estar lá e, quando se sentem estressadas, conseguem liberar de imediato praticamente qualquer tensão, realinhando-se no campo energético desse santuário interior - como um banho de chuveiro num dia quente, sentem-se instantaneamente refrescadas. Sabem que estão seguras lá e respondem imediatamente à associação de ideias.

Capítulo 14

MEDITAÇÃO - APLICAÇÕES INTEGRAIS

Em seu livro The Jewel in the Lotus (A Joia no Lótus), Grace Cooke diz o seguinte: “Aquilo pelo que estamos trabalhando e que conseguimos com a meditação é mais a espiritualização da matéria do que a materialização do espírito. Com a meditação, toda alma individual pode atingir a fonte da Verdade e vivenciar ela própria a realidade do espírito. Com o desenvolvimento do intelecto humano nessa Era de Aquário, toda prova material pode ser facilmente destruída pela mente crítica; mas uma convicção baseada numa experiência profunda do coração nunca será abalada”. A meditação é uma prática antiga usada há milhares de anos para relaxar o corpo físico, acalmar as emoções, tranquilizar a mente e abrir- nos para os reinos espirituais e uma compreensão maior. Nesse momento, muitos têm consciência da necessidade de algo mais na vida além do conforto material ou do sucesso financeiro. Depois de satisfazer as necessidades de sobrevivência da “mente inferior”, começamos a responder ao apelo interno da mente superior, procurando respostas às perguntas relativas ao significado da existência. Meditar e passar diariamente algum tempo no Grande Silêncio é a forma mais eficiente que existe para nos sintonizar com o Deus interior, e também de ter acesso à nossa Matriz Divina. Como já disse, essa matriz não contém somente o verdadeiro sentido da vida e as informações relativas a nosso destino, mas também o Grande Plano para toda a humanidade dessa época - o “roteiro” do filme, por assim dizer. Como seres humanos, temos consciência dos cinco sentidos físicos que usamos para explorar o mundo externo: os sentidos da visão, olfato,

gosto, tato e audição. Por meio desses sentidos, temos experiências marcantes e reais porque os utilizamos durante longos períodos todos os dias. Da mesma forma, podemos ativar nossos sentidos “interiores”, que são os congêneres sutis dos cinco sentidos mais nosso sexto sentido da intuição e nosso sétimo sentido do saber. A meditação ou contemplação com esses sentidos interiores permite-nos sintonizar-nos perfeitamente com os reinos interiores, mas requerem prática. Muita gente espera ter imediatamente a mesma profundidade de experiência dos planos internos que têm dos externos, esquecendo-se de que tiveram anos de prática desenvolvendo seus sentidos externos para usá-los. Os sentidos interiores também são chamados de “supersentidos” e entram em cena quando temos as seguintes experiências:

Clariaudiência - comunicação telepática superior e inferior*.

Clarividência - percepção e visão divina superior e inferior.

Imaginação, intuição, discernimento, discriminação.

Resposta a vibrações como a psicometria ou sintonização com os campos energéticos de outras pessoas.

Capacidade de manipular ou purificar e realinhar campos energéticos.

Capacidade de curar usando os campos energéticos.

Em termos simplistas, nossa vida pode ser comparada a um canal de televisão. Todos sabemos que estarmos sintonizados para receber um determinado canal não significa que não existem outros canais. A medi-

* Aqui “superior” e “inferior” referem-se a frequências vibratórias. Quanto mais puro o canal, mais perfeita a comunicação, pois os semelhantes se atraem. Muita gente traz mensagens do plano astral da quarta dimensão (inferior); outras pessoas concentram- se em informações das frequências da quinta dimensão e das dimensões acima (superiores).

tação e o acesso aos reinos interiores é simplesmente aprender a sintonizar outros canais. Permite-nos ir além de nosso pensamento limitado. E como se uma comunidade inteira só assistisse um canal por achar que é tudo quanto existe. Aí alguns descobrem outros canais, tanto acidentalmente (como, por exemplo, com experiências fora do corpo ou de quase morte), ou mudando conscientemente sua frequência. Nas primeiras vezes que sintonizamos o aparelho de televisão para pegar outras estações, no começo costuma haver estática ou as imagens adquirem e perdem a nitidez. Com persistência e perseverança, esse canal ou seleção alternativa “interior” torna-se claro e fácil de sintonizar ou acessar. A chave para passar para outros canais é um coração sincero e o desejo de saber. Um quadro nítido vem com disciplina e dedicação. O maravilhoso da mudança de canais é que, depois que consegue ter acesso fácil a eles, você percebe que pode não só escolher o que deseja ver, como também pode criar você mesmo os programas e assim por diante. Mas o melhor de tudo é que você pode mudar de canal à vontade, indo para a frente e para trás e, quando um programa que você criou num canal pode ser útil para todos os espectadores de outro, você pode criar uma ponte entre as estações e permitir que todos se beneficiem (supondo que certas regras predeterminadas sejam obedecidas, pois são leis universais). Quanto mais você cria programas de acordo com a Matriz Divina, tanto mais os espectadores de outros canais podem se beneficiar, se quiserem. Ligar o canal da Matriz Divina também é como ligar uma biblioteca de programas de vídeo, onde cada vídeo tem o nome do indivíduo que o está assistindo. Quando tiver vontade, vai até a biblioteca, escolhe seu vídeo e o-assiste. Isso se chama descobrir o papel que nos foi destinado na vida. Está dentro de sua memória celular. Esse “vídeo” inspira, instrui e permite que você “aprenda suas falas”, recupere aquele conhecimento e o

traga de volta para a vida cotidiana, inspirando os outros a sair em busca de seus próprios vídeos. Quando seus sentidos estão bem sintonizados, você consegue ter acesso aos arquivos universais e à sabedoria superior com bastante facilidade. A comunicação telepática, a capacidade de curar, a bilocação etc. são, então, experiências perfeitamente naturais. Há muitas técnicas valiosas de meditação que, quando praticadas regularmente, levam a mudanças profundas e duradouras. Em essência, a meditação é concentração pura e perfeita num ponto puro e perfeito. E a fusão de todo o nosso ser com o Deus interior - um estado de SER e perfeição. O dr. Deepak Chopra diz que “a única forma consistente e segura de quebrar o encantamento de maia (ilusão mundana) é transcender para aquele plano de consciência de onde surgem os pensamentos”. Depois ele diz que confia na “meditação como o meio eficiente e seguro de ir sempre até aquele plano de onde brota toda a realidade, e transcendê-lo - ir até o fundo, onde não há mudanças, e de onde toda mudança surge”. Ele define a meditação como a arte de sintonizar a mente com sua fonte, o campo do silêncio. Quando deixamos a mente por conta própria, ela quer ir lá espontaneamente. Ele explica em seguida que nossa mente tem muitas camadas, indo das mais conscientes e subconscientes até as camadas mais abstratas que ficam atrás dos pensamentos, desejos e conceitos inteiramente verbalizados. Além delas está a percepção ou consciência pura - a energia que nos sustenta. A meditação diária mantêm-nos puros, livres de apegos e negatividade, sintonizados com uma frequência diferente daquela de nossas crenças limitadas. Permite-nos acessar nossa natureza multidimensional e refinar e controlar os sinais que emitimos e, em consequência, controlar nossas experiências de vida, criando a realidade como desejamos que ela seja.

A meditação é essencial para construir uma ponte entre o mundo físico e os reinos espirituais a fim de conseguirmos o acesso à mais elevada sabedoria e ao verdadeiro saber. E importante para nós permitir que essa sabedoria e esse conhecimento se manifestem em nossa vida cotidiana. Essa ponte já foi chamada de “ponte do arco-íris”, ou “antakarana”. “Antakarana” é o filamento de luz criado vida após vida e energizado e fortalecido por vibrações espirituais. Essa ponte é construída através da meditação, do trabalho espiritual e da dedicação, motivados exclusivamente pelo nosso desejo de chegar ao saber superior. Permite- nos trazer as energias mais sutis dos reinos espirituais de volta ao plano físico, transformando assim a realidade tal como a conhecemos. Se recebêssemos um convite para conhecer o criador do universo, e soubéssemos que é de verdade, com que grau de reverência iríamos a esse encontro? Gosto de pensar na meditação com o mesmo respeito e reverência. Para mim, cada vez que mergulho em meu íntimo, estou procurando entrar em contato e me fundir com a essência de Deus. Por isso recomendo que você se prepare para essa ocasião da seguinte maneira:

Crie um cantinho especial onde ninguém o incomode. Você talvez goste de ter almofadas especiais, ou uma colcha ou tapete de meditação usado somente com esse objetivo. Torne o ambiente especial, talvez com incenso e velas, pois ambos ajudam a mudar a frequência vibratória do cômodo. Você talvez queira ouvir uma música bem suave, adequada à meditação ou relaxamento. Use roupas confortáveis. Verifique se a temperatura do ambiente está agradável.

Medite regularmente todos os dias e, se possível, no mesmo horário de manhã e à noite, durante meia hora no mínimo para obter benefícios duradouros. Uma aula de piano por semana ou cinco minutos de exercícios por dia não faz de ninguém um concertista, nem mestre de

coisa alguma. Como com qualquer outra coisa, quanto mais esforço ou atenção for aplicado, tanto melhor o resultado.

Use técnicas de respiração e luz branca como base de todo trabalho de meditação/contemplação.

Use uma posição específica da mão (mudra) para simbolizar sua intenção de meditar. Sente-se numa posição confortável que permita que sua atenção se mantenha concentrada, em vez de se distrair com o desconforto físico. Ao se acomodar em seu cantinho especial, preparar o ambiente, usar mudras etc., você envia sinais a seu ser interior dizendo que você está prestes a começar a meditação, assim como tomar banho, escovar os dentes, vestir seu pijama etc. envia sinais a seu corpo de que você está indo para a cama.

Tire o telefone do gancho. Ligue a secretária eletrônica. Coloque na porta um aviso de “Não perturbe”. Eduque os outros membros da casa no sentido de respeitar seu horário de meditação e seu desejo de quietude e silêncio externo. Compre fones de ouvido para todos que assistem televisão e peça-lhes para usá-los durante o tempo que você quiser meditar, para poder ficar livre da distração do barulho. O Buda dizia que você deve estar tão conectado aos reinos internos que poderia se sentar ao lado de uma estrada com milhares de novilhos passando que nem sequer os notaria ou seria perturbado. Mas, nos es- tágios iniciais, menos distração é melhor.

Deixe lápis e papel à mão para o caso de ter uma grande inspiração e querer lembrar-se dela mais tarde: pôr as coisas no papel permite-se seguir em frente sem medo de se esquecer de nada. Isso é especialmente importante nos momentos de contemplação/programação.

Medite quando estiver inteiramente acordado, nunca quando estiver sonolento. Em geral, meditar de manhã é preferível, pois à noite podemos ficar com sono. Se possível, faça meditação sem limitações

de tempo uma manhã por semana, quando não tiver pressa para ir a parte alguma. Isso permite que a viagem seja muito mais profunda e/ou oferece tempo para reprogramações ou para acessar a visão interior. Imagine finalmente que você teve acesso a seu verdadeiro propósito de vida, com a visão se desdobrando à sua frente em toda a sua glória, a orientação fluindo e, de repente, o despertador toca! Seus 15 ou 30 minutos acabaram e você tem de ir trabalhar!

As sete aplicações básicas O que classificamos como meditação pode ser compartimentalizado em sete aplicações básicas; todas elas aumentarão e promoverão a

tranquilidade e a paz interior. São de igual importância e podemos apresentá-las na seguinte ordem:

1. Sintonização.

2. Intensificação ou abertura para a orientação ou guia interior.

3. Desprogramação e reprogramação.

4. Acesso à nossa visão interior e à Matriz Divina.

5. Controle e orientação do sonho.

6. Acesso à memória celular.

7. Experiência de amor incondicional, alegria e felicidade.

1.

O

sintonização:

primeiro

aspecto

ou

“uso”

da

meditação

pode

ser

para

a

Ao realinhar nossa frequência e controlar os sinais, nós, em nossa condição de sistemas energéticos, transmitimos. Ao trabalhar com as técnicas de respiração, as ondas sonoras e a energia da luz branca, temos possibilidade de:

a) desestressar-nos natural e facilmente;

b) intensificar ou criar sentimentos de profunda tranqüilidade e paz interior;

c) aumentar o quociente de luz de nossos campos energéticos;

d) limpar toda a estrutura celular de lixo, poluentes, emoções ou lembranças negativas;

e) recuperar a estrutura celular, deixando-a sadia (o acréscimo de técnicas de visualização criativa permite-nos realinhar e limpar nosso corpo emocional e eliminar toda a bagagem emocional negativa);

f) regenerar as células, criando uma saúde vibrante e radiosa;

g) criar um campo eletromagnético de proteção em volta de nosso ser;

h) trabalhar com nossos chakras, pois assim podemos conseguir a bilocação e a comunicação telepática.

A técnica de sintonização mais enfaticamente recomendada é aquela discutida acima, onde são combinados métodos específicos de respiração

e a energia da luz branca. Se você tiver tempo ilimitado todos os dias para

a meditação, então todas as aplicações da primeira à sétima - podem ser

praticadas à vontade. Mas se você só dispuser de 15 ou 30 minutos de manhã, as técnicas de sintonização e talvez uma visualização criativa diferente para praticar os itens de a) a e) todos os dias é, provavelmente, a melhor estratégia. Deixe a bilocação para quando você não tiver restrições de tempo.

2. O segundo uso da meditação é para nos abrir, para nossa orientação

ou guia interior:

A melhor maneira de nos abrir para a orientação ou guia interior é ficar em silêncio, sintonizar-nos através da respiração, de mantras e da luz branca, e pedindo. Como temos livre-arbítrio, nenhuma orientação será dada a não ser que seja pedida. Trata-se de uma lei universal. Como disse

Jesus: “Peça, que lhe será dado”! Depois de acalmar a mente com a sintonização, podemos então pedir orientação; e precisamos aprender a ouvir. Um aspecto da sociedade ocidental é que as pessoas sempre procuram respostas fora de si mesmas - procuram seus pais, seus pares, igrejas ou governos que ditem a maneira pela qual devem viver. Mas se aceitarmos a premissa de que ninguém nos conhece como nós mesmos, e que temos guardadas na memória celular todas as respostas a todas as nossas perguntas, talvez devamos mergulhar em nosso íntimo e nos abrir para essas respostas. Quando a vida não está realizando todas as nossas expectativas num certo momento, a exploração dos reinos interiores pode ser extremamente benéfica! Sempre tive a visão de uma criança perdida (o ego/personalidade em forma física) presa pelo deslumbramento diante do mundo (a vida na Terra) que, certo dia, deseja voltar para casa (reunificação com o ser divino interior), mas não consegue lembrar o caminho. O pai ou mãe (Eu Sou Presença ou mônada) estava assistindo tudo, sabendo que a criança precisava explorar e sabendo que não poderia oferecer ajuda enquanto a criança não percebesse que estava perdida e pedisse ajuda. Quando a criança faz isso, o pai ou mãe sente uma grande alegria e, com outros entes queridos (guias e/ou anjos da guarda etc.) prepara uma espetacular festa de boas vindas e dá tanta atenção e ajuda quanto a que a criança aceita até estar novamente em casa, sã e salva (inteiramente desperta para a Unidade da criação). Sob o título de orientação ou guia interior vem também oração e/ou pedir, como parece que fazemos muitas vezes em nossos momentos de maior desespero! Buscar orientação interior é aprender a pedir, a ficar quieto e ouvir as instruções de nosso Eu Superior, Eu Sou Presença ou mônada. A orientação dos guias e a comunicação telepática empregam as mesmas técnicas e são discutidas em detalhe no capítulo sobre esta última.

3. O terceiro aspecto da meditação é a capacidade de desprogramar e reprogramar:

Esta é uma parte valiosíssima do tempo que temos para meditar contemplar, pois nos permite tocar e apagar as fitas-cassete internas e possibilita-nos criar a realidade que desejamos. É um tempo para usar afirmações, exercer o controle mental, desprogramar-nos e liberar-nos de sistemas de crenças negativas ou limitadas e reprogramar a nova realidade que desejamos criar ao obter acesso à nossa visão interior e ao conhecimento de nosso destino. Tendo compreendido o poder de nossos pensamentos e dispondo de algum tempo para a contemplação, onde avaliamos todas as nossas formas habituais de pensar e agir, podemos usar parte dele para reescrever e implantar novos programas nos bancos de dados da memória consciente e subconsciente. Tudo quanto precisamos para fazer isso é encontrar um lugar sossegado onde ninguém nos interrompa, tirar o telefone do gancho, sintonizar-nos, sentar- nos e pensar - e examinar todos os aspectos da vida, avaliando um por um. Deixe papel e lápis à mão, faça uma lista. Podemos começar com o corpo físico. Vamos, da forma mais imparcial que conseguirmos, examinar honestamente nosso ser físico. O que podemos mudar? Como gostaríamos que fosse? Nossos hábitos alimentares são positivos e revigorantes? Nosso consumo de alimentos é um simples hábito? Há opções melhores que podemos fazer que são menos prejudiciais para nós, para o planeta, para a vida animal? Lembre- se de que enquanto não formos mestres da transmutação, a carne mantém nossa vibração muito densa e é possível para a humanidade viver somente de luz e prana, como discuto em detalhe em meu livro Pranic Nourishment. Para aqueles que desejam mudar os hábitos alimentares, deixem que a mudança seja gradual e amorosa, sem negação. Elimine primeiro a carne vermelha. Depois, segundo as orientações que receber, pare de comer

carne branca e depois coloque como objetivo comer somente alimentos leves, vivos. Com o passar do tempo, você pode descobrir que está

recebendo orientação interior no sentido de permitir que somente a luz ou

o prana nutram seu corpo físico. Mas isso só será possível se você

acreditar que é possível. Procure orientação interior para saber o que você pode fazer para liberar o fluxo de energia interna. Dizem que a doença, a morte e a deterioração são causados pela interrupção do fluxo de luz em um ponto qualquer dos quatro corpos inferiores do homem. Em seguida, vamos examinar o corpo emocional - a qualidade de nossas relações humanas. São um hábito? São positivas ou negativas? Podem melhorar? Que lições aprendemos ou ainda precisamos aprender?

Precisamos ou queremos curar alguma ferida e esquecer? Quando

começar esse exercício, seu pai ou mãe (EU SOU Presença) vai se apresentar alegremente como voluntário para transmitir todo conhecimento

e inspiração necessários, pois a reavaliação e purificação desses níveis

facilita a viagem de volta ao lar. Existem muitas técnicas para purificar o corpo emocional e permitir a cura de nossas feridas e regeneração de nossas relações afetivas com os outros. Consulte o capítulo sobre o poder de nossas emoções, e também a visualização criativa prática para melhorar suas relações afetivas. Depois disso podemos examinar honestamente nossos diálogos interiores e nossos sistemas de crenças. Por exemplo: politicamente, votamos com pleno conhecimento de causa, ou votamos como nossos pais e os pais deles antes? Estamos satisfeitos com a vida tal como a percebemos? Podemos mudar nossa percepção e nossa atitude e, desse modo, a realidade. Esse horário de programação/contemplação pode ser à noite, antes de dormir. Nesse caso, podemos nos programar para que nossos sonhos sejam claros e nos guiem de acordo com aquilo que desejamos conseguir com essa contemplação e tempo de autoanálise. Como nos conhecer

genuinamente se nunca temos tempo para ficar quietos e nos comunicar com o verdadeiro eu interior? Somos chamados de seres humanos, não de feitos humanos, mas a maior parte da humanidade está ocupada demais fazendo coisas para SER e saber. Foi isso que inspirou John Lennon a dizer que a vida é aquilo que lhe acontece enquanto você está ocupado fazendo outros planos. SER permite grande SABER.

4. O quarto aspecto é a capacidade de obter acesso à nossa visão

interior e Matriz Divina:

De acordo com minha pesquisa, minha experiência de meditação e a comunicação com os Mestres Ascensos, consegui entender que conservamos dentro de nós nossa Matriz Divina única e intransferível. Essa matriz não contém somente o sentido de nossa vida e o papel que temos a desempenhar dessa vez, mas também o Grande Plano ou Plano Celestial - o destino pré- traçado da coletividade humana. Consequentemente, somos atraídos uns para os outros como radares (de acordo com as vibrações e sinais que emitimos) para podermos desempenhar nossos papéis em uníssono e harmonia. Descobrir a “chave” e desempenhar nossos papéis só é conseguido através da viagem interior do autoconhecimento. Tudo aquilo por que nos sentimos atraídos e tudo quanto empreendemos na vida faz parte de nosso treinamento e preparação para esse papel. Nossa sinalização rodoviária é a alegria. Quando sentimos alegria, estamos no caminho certo. Quando perdemos a alegria, ou ela acaba, está na hora de começar um novo estágio de nosso treinamento e talvez aplicar nossas energias em outra parte do mundo físico. A alegria é o único sinal verdadeiro de que estamos em nosso caminho, pois a alegria é o Espírito expressando-se em nossa vida. Depois que temos uma orientação interior clara, nossa vida floresce e manifesta toda a glória de quem somos e do

seu propósito. Quando refinamos ainda mais nosso eu e nos desapegamos do corpo emocional, nossa intenção e motivação é apenas servir trabalhar para o bem do todo e não somente do indivíduo. Essa é uma parte natural de nossa viagem rumo à Unidade e é discutida em detalhe no capítulo sobre serviço.

5. O quinto uso da meditação é apagar a lousa para os sonhos:

No capítulo sobre o poder da emoção, mencionei sucintamente o estado onírico e como podemos limpar nosso corpo emocional enquanto dormimos. Se reservarmos algum tempo para a contemplação antes de dormir, conversando conosco mesmo sobre o dia e a nossa vida em geral, a mente subconsciente não terá necessidade de chamar nossa atenção - através de sonhos - para todas as questões pendentes que precisamos enfrentar. Elas já terão sido ponderadas antes, o que deixa a mente como uma lousa ou quadro-negro limpo, permitindo a nossos sonhos tomar uma forma diferente. Embora para muitos nossa mente consciente limite-se à nossa realidade cotidiana nesse plano da existência, para outros há pouca separação entre o estado de vigília e o estado onírico, quando o corpo físico está em sono profundo. Quando dormimos, a mente consciente está fora de cena. Podemos nos sintonizar automaticamente com outros canais superiores com a maior facilidade. Há dimensões dentro das dimensões, e muitas outras esferas de existência a serem exploradas durante nossas horas de sono. Em seu livro “Manual Completo de Ascensão”, o dr. Joshua David Stone diz que há três estágios principais no caminho espiritual. O primeiro ele chama de

Sala da Ignorância: é onde as pessoas se identificam somente com o mundo material e onde os cinco sentidos estão sempre voltados para fora. O segundo é a Sala do Aprendizado, e é para onde as pessoas vão quando se sentem mais inquietas e dão início à busca do eu superior. O

terceiro é a Sala da Sabedoria, onde passamos a nos identificar com o eu espiritual, onde obtemos expansão da consciência e realização. Em geral, esse aprendizado ocorre durante o estado “onírico”, normalmente entre as 10:00 da noite e as 5:00 da manhã. Já tive inúmeras experiências, vividas e detalhadas, de receber treinamento em profundidade sobre várias disciplinas durante o estado onírico. A programação para se lembrar de tudo é vantajosa quando você quer uma confirmação desses ensinamentos. Mas disseram-me que todo aprendizado, conhecimento e instrução são guardados no nível celular e são revelados quando necessário. Muita gente agora está se lembrando dessas experiências e também está se descobrindo em situações onde abrem a boca e transmitem todas as informações que alguém está precisando justamente naquela hora, mas não sabiam que já as tinham!

6. Um sexto uso da meditação é para obter acesso à memória celular e

ao saber interior de conhecimentos adquiridos no passado:

Trata-se de uma sequencia natural das informações dadas até agora, pois tudo o que precisamos para desempenhar o papel que nos foi destinado está guardado em nosso mundo interior. Somos o professor, o instrutor, o guia, o mestre, e tudo quanto precisamos fazer é despertar novamente e lembrar! Sintonizar- nos, purificar nosso ser de bagagem indesejável (física, emocional, mental e até de crenças espirituais limitadas) e pedir para lembrar são como o polimento necessário para que um diamante bruto revele sua verdadeira beleza. Passar tempo de qualidade no grande silêncio de nosso ser interior permite que essas infor-

mações venham à tona quando pedimos e ouvimos. É por isso que muita gente só precisa de curtos períodos de aprendizado ou investigação antes de sentir que já sabe, como se tivesse feito um curso intensivo em outras

vidas ou em outros reinos, e só precisasse despertar sua consciência desse conhecimento. Também usei com grande sucesso a técnica de fazer programação antes de dormir para obter acesso à memória celular e antes do

treinamento. Em relação aos cristais, por exemplo

trabalhado um pouco com cristais usados por uma amiga minha. Ela recebera instruções de usar especificamente um cetro de cristal verde que achei interessantíssimo. Eu colecionava cristais e livros sobre cristais há anos, mas não lera os livros, nem utilizara conscientemente os cristais. Não há dúvida de que, até então, eu não estava pronta. Fiz perguntas à minha amiga a respeito do cetro de cristal verde, que ela pôs em minha

um dia eu tinha

mão. Enquanto ela segurava uma ponta e eu a outra, tive não só uma “visão” muito nítida e detalhada de uma vida passada que ela e eu tínhamos compartilhado, como também soube que tinha uma enorme quantidade de informações sobre os cristais e seu poder “armazenadas” dentro de mim.

Naquela noite, antes de dormir, sintonizei-me e pedi a meu EU SOU - o Eu Divino - para despertar novamente todo aquele conhecimento que eu tinha dentro de mim sobre cristais. Naquela noite acordei várias vezes - quatro, ao todo - e, de cada uma delas descobri que estava sendo instruída e também senti que as “informações” estavam fluindo pelo meu corpo. Era como se as informações estivessem sendo retiradas de um arquivo de computador ou banco de dados e colocadas na tela para serem vistas.

O tópico era cristais e, a certa altura, lembro-me de perguntar como eu me lembraria de tudo aquilo. De cada vez que acordei, procurei lembrar-me conscientemente do maior número de informações de que era capaz. Disseram-me, nessa noite e todas as vezes que usei essa técnica

para recuperação de informações, que tudo quanto fora novamente despertado estava guardado numa memória celular mais perto da recordação consciente e “fluiria” à medida que a situação exigisse. Disseram-me que tivesse confiança, pois sempre que fosse hora, tudo fluiria facilmente - e tem fluido realmente.

Muitos indivíduos me contam a experiência de ter sentido as informações fluindo para fora deles em certos momentos, informações essas que nunca souberam realmente que possuíam. Tive essa experiência tão regularmente com um leque variado de tópicos que ela se tornou uma forma simples de obter acesso aos dados guardados na memória celular ou subconsciente.

Às vezes é como se você tivesse de descobrir nesse plano o que vai desencadear deliberadamente um “saber”, que você deseja despertar naquele momento. Sem a experiência para funcionar como um gatilho de revólver, as informações podem continuar inacessíveis. Da mesma forma, na noite seguinte à minha iniciação na modalidade de cura do Reiki, passei a noite inteira (enquanto meu corpo físico dormia) em outro “reino”, usando energia da luz e regenerando as linhas de conexão eletromagnética do corpo de muita gente. Lembro-me que elas pareciam formar filas com quilômetros de comprimento e, de vez em quando, eu parava e fazia uma “pausa para o banho” do corpo físico (um “truque” que eu estava usando então para garantir que me lembraria era beber dois ou três copos de água depois da pausa, para que este acordasse por causa do desconforto. Aí então eu gravava a informação. À medida que aprendi a confiar e a programar melhor, lembrar-me de tudo tornou-se mais fácil). Meu corpo se levantava e saía da cama, minha

consciência metade ali, metade no “outro reino”. Eu sabia que estava em ambos os lugares e o trabalho de cura continuou a noite toda. Mais ou menos uma semana antes, eu terminara o primeiro estágio do treinamento de Reiki e tinha consciência de que este era diferente. Perguntei que tipo de cura nós (os outros seres de luz que estavam comigo e eu) estávamos fazendo e disseram-me que era diferente de Reiki, pois estávamos curando magneticamente. Duas semanas depois, enquanto estava recebendo treinamento no plano físico pelo método Kwan Yin da Cura Amplificada, percebi que eram exatamente as mesmas técnicas que eu usara durante o sono quando estava curando nos “outros reinos”. Então, onde começa uma realidade e a outra termina? Será que elas se sobrepõem? Mencionei essa segunda história porque muitas vezes recebemos treinamento nas escolas de aprendizado ou nas salas da sabedoria quando estamos dormindo. Esse treinamento é gravado na memória celular para ser utilizado em nosso estado de vigília no plano físico sempre que precisarmos dele. A prática da meditação nos torna consciente de nossa natureza multidimensional. Em outras palavras: não só temos o papel principal nas novelas ou nos noticiários do canal da realidade cotidiana, como também, simultaneamente, estrelamos no papel principal em canais superiores. Enquanto não nos sintonizamos com a possibilidade, e depois com a realidade, de que esses outros canais existem, não teremos consciência do ilimitado e da vastidão de nossa natureza multifacetada. Não ter conhecimento de algo não significa que esse algo não existe. Essas possibilidades são discutidas no capítulo sobre as fraternidades universais.

7.

Uma sétima forma de usar a meditação é sentir amor incondicional,

alegria e felicidade:

Um único momento em que a gente se sente inteiramente amado é poderoso o bastante para criar um vício permanente. Os Sidas chamam esse estado de samadi, um estado de puro SER. E um estado para o qual somos levados depois de chover amor incondicional e felicidade sobre nós. Também é um estado de fusão com Tudo Quanto Existe. Leva-nos além dos sentidos, além da meditação e também além da recordação mental. A única consciência que temos é a “síndrome do tempo perdido” - submergimos em um lugar qualquer em meditação profunda e depois nos lembramos de sentimentos intensos de amor e felicidade. Sentimo-nos realinhados, amplificados e profundamente pacificados. Um dos ensinamentos mais importantes que recebi durante a meditação foi compreensão profunda de EU SOU amor, de que EU SOU alegria e que meu estado puro e natural é de felicidade. E que todas as emoções estão dentro de mim e só são “desencadeadas” por eventos externos. Até aquele momento, eu achava que alguém, ou uma coisa qualquer, era responsável por eu me sentir de uma determinada forma. Parte da capacidade de aumentar o próprio poder pessoal é perceber que tudo está dentro de nós e que o que está à nossa volta só serve de gatilho, quando deixamos que nos afete. A meditação permite-nos agir em vez de reagir, pois a prática regular nos oferece a dádiva do desprendimento. Na primeira vez que temos a experiência de sentar em silêncio longe de distrações, com os olhos fechados e sem estímulos exteriores - e depois começamos a sentir ondas de amor liberadas de nosso ser interior, temos uma experiência que é avassaladora e, ao mesmo tempo, inspira respeito. E se sentir absolutamente seguro, amado, respeitado, aceito:

também é se sentir tão especial quanto se o mais benevolente e compassivo dos poderes tivesse pegado você no colo e o estivesse embalando como se fosse uma criancinha pequena. Essa experiência

vicia, pois lhe dá força e poder para estar no mundo, mas não ser do mundo, pois você entende que seu verdadeiro alimento, seu verdadeiro sustento emocional vem de dentro de você. Como dizem os sábios indianos, é um estado de Sat Chit Ananda - ser, consciência, felicidade. Este é um estado de reconhecimento da essência e inter-relação de todo ser.

Também sei por experiência que quanto mais nos banhamos nesse plano interior, tanto mais alinhadas ficam nossas energias com sua essência. Ela nos transforma - assim como acrescentar pigmento à água transforma sua cor. E uma experiência de estar realinhado, de estar novamente desperto para sua verdadeira natureza, rasgando os véus de ilusão que permitiam que nos sentíssemos separados, em primeiro lugar, de nossa própria divindade. Muitos indivíduos contam que, ao começar sua prática de meditação, sentem-se calmos, pacificados e mais desprendidos. Mas essas transformações acontecem aos poucos, mesmo com a prática regular. Quando param durante algum tempo, sentimentos e padrões de comportamento antigos voltam a se insinuar, mas são considerados inaceitáveis, pois já tivemos algo diferente. E, assim, mais uma vez, voltam conscientemente à jornada interior. Trata-se, na verdade, da formação de novos hábitos. Quando queremos algo com muita intensidade e conseguimos ver ou nos sentir seguros em relação a seus benefícios, fazemos um esforço grande. Que grau de sofrimento ou insatisfação temos de viver antes de procurar mudanças duradouras? Jesus e todos os mestres, novos e antigos, disseram a seus discípulos para procurar dentro de si, que o reino do Céu está dentro de cada um. Amor incondicional, alegria, harmonia, realização pessoal e felicidade duradoura são conseguidos quando nos alinhamos com a energia que criou esses aspectos - o Ser Divino dentro de cada um.

Além da meditação - o eterno no agora

Diz a sabedoria antiga que Deus é onipresente, onisciente e onipotente. Sua energia pura não tem forma, embora resida na forma, crie forma e flua através da forma. Somos Deus no plano físico. Está dentro, está fora. A meditação permite-nos perceber o Deus interior, conhecer-nos como seres vastos, ilimitados, multidimensionais. Independentemente de nossa atenção com ele, ele existe, ele simplesmente E. Embora não esteja separado de nós, nós nos permitimos - devido a nossas crenças na limita- ção - sentir-nos separados do Deus interior. Se compreendermos realmente, não estaremos mais separados, só SEREMOS em todos os momentos. SEREMOS Tudo Que Existe. O ego, o eu, o indivíduo desaparecem à medida que nossa mente consciente se funde com a força criadora e se transforma nela. SEREMOS a força criadora.

Depois de utilizar a arte da meditação de um a sete da maneira descrita aqui, podemos começar a nos treinar para simplesmente nos soltar e SER a cada momento, de modo que nossa vida seja uma meditação contínua - onde a meditação é realmente concentração pura e perfeita no ponto puro e perfeito. Esse estado de SER tem sido chamado de iluminação. E um estado que vai além do amor, além da alegria, além da felicidade. Pois sentir qualquer um desses aspectos significa que ainda estamos filtrando a experiência através dos sentidos físicos e, enquanto nossa consciência estiver sintonizada com esses sentidos físicos, ainda estamos separados e funcionando como unidades individuais de expressão.

O poder e a força que sentimos quando toda a nossa atenção está concentrada é literalmente fantástico. Em geral, funcionamos com muitos planos diferentes da consciência. Podemos estar sentados assistindo

televisão, lendo um livro durante os comerciais, conversando com alguém, pensando em nosso dia no trabalho. Muito raramente nossa atenção está 100% concentrada em SER, perfeitamente focada em cada momento de AGORA; e, quando isso acontece, nós literalmente vamos além da dimensão de tempo e espaço. Quando nosso SER está 100% concentrado num livro, entramos em outros mundos, o mundo da história, o mundo do livro. Nós os recebemos, as cenas e os personagens são reais. Sentimos suas dores, amor, vitórias etc. Imagine se dermos ao Deus interior 100% de nossa atenção durante 100% de nosso tempo! Devido à natureza daquilo com que estamos nos fundindo, o que aconteceria conosco?

O trecho que se segue foi extraído de “As Chaves de Enoch”, na parte de oração/meditação: “O uso de energia positiva em benefício da humanidade; a invocação da luz para promover o equilíbrio e a harmonia entre os mundos. Quando nos concentramos num pensamento ou ideia, eles tendem à ação e auto- realização. Mas quando uma pessoa deseja

conseguir algo, mas não acredita que vai conseguir, quanto mais ela tenta, tanto mais impossível se torna realizar esse desejo. Quando um pensa- mento ou ideia de um “nome santo revelado” tem vínculos com a emoção, superam e suplantam qualquer outra sugestão consciente.” Entre as miríades de formas de oração/meditação, há cinco práticas gerais que devem ser lembradas, segundo Enoch:

1. Aderir firmemente ao modo de vida santo.

2. Em seus atos, respeite tudo com a irradiação do amor.

3. Olhe para dentro e olhe para fora, e veja a si mesmo como sua própria ponte entre Céu e Terra.

4. Contemple o palácio do universo e as miríades de esferas do equilíbrio orgânico da natureza.

5. Saiba que você sempre pode se rejubilar na Divindade e nas miríades de irradiações da luz viva. Sinto que, o que foi dito atrás é

evidente por si mesmo e se presta facilmente à interpretação pessoal apropriada.

“Existe apenas Uma Fonte e Princípio de Vida ao qual devemos prestar toda a nossa atenção: é o Eu Divino dentro de cada indivíduo. O eu pessoal deve reconhecer conscientemente o tempo todo o Grande Eu Harmonioso, e manter-se em constante Comunicação Interior com Ele, seja qual for a atividade externa para a qual a mente está voltada. O Grande Eu Único é a energia vital fluindo através de todo corpo humano em todos os momentos, através da qual temos condições de nos mover no mundo da forma. E a Sabedoria fluindo através da mente, a Vontade dirigindo todas as atividades construtivas, a Coragem e a Força sustentando todas as pessoas, o Sentimento do Amor Divino com o qual toda força pode ser moderada, pois flui através do indivíduo. O Único Poder que tem condições de sempre realizar todo e qualquer ato de bondade. E o Vitorioso em Tudo, o Domínio Consciente sobre toda e qualquer condição da atividade humana quando liberado através do eu pessoal sem resistência ou interrupção. Esse Poderoso Eu Divino que existe dentro de você é o Senhor Supremo de toda Criação e a única Fonte segura, permanente e eterna de consolo da existência. E só através de Seu Amor, Sabedoria e Poder que alguém pode chegar a ser um Mestre Ascenso, alguém em comunhão consciente e constante com Ele. E a Liberdade e o Domínio sobre toda a criação humana. Quando digo criação humana, refiro-me a tudo quanto é dissonante e menos que perfeito.”

St. Germain

Visualização Criativa 4

Sintonização com a luz branca e a respiração

O exercício que se segue é praticamente o mesmo do final do capítulo 7 e pode ser usado para controlar as emoções, desestressar-se do trânsito ou simplesmente para acalmar e “sintonizar-se” antes de você começar a meditação do dia.

Fique à vontade, feche os olhos, estabeleça seu ritmo respiratório com respirações profundas, suaves e conectadas - inspirar lentamente contando até 7 e depois expire contando até 7. Respire através das narinas. Certifique-se de que não há pausas entre a inspiração e a expiração. Pratique primeiro uma respiração cíclica e rítmica. Durante cinco minutos, treine a respiração conectada, onde cada inspiração flui suavemente para a expiração, e cada expiração flui suavemente para a inspiração.

Depois, quando a estrutura circular da respiração já está fixada com um número par de inspirações e expirações, descubra uma profundidade de respiração que você consiga manter. Conte até 7 enquanto inspira e expira, depois conte até 10 enquanto inspira e expira - inspire e expire tão profundamente quanto puder, de uma forma que você consiga manter durante pelo menos cinco minutos. Se ficar tonto, sentir náusea ou falta de ar, ou a respiração começar a ficar irregular, volte sua contagem de dez para nove, por exemplo. Pratique até descobrir seu ritmo. Lembre-se, você precisa fazer exercícios e alongamento para aumentar sua capacidade pulmonar. Mas, no começo, você talvez só consiga manter uma contagem até sete; mas, com a prática, você vai chegar a 10 ou 15, até a 20. Quanto mais

profunda a respiração, tanto mais saudável você vai ficar. Respire Profundamente a partir do abdômen, não dos pulmões.

Em seguida, respire tão suave, lenta, profunda e conectada- mente que vai dar a impressão de ser um rio suave de energia fluindo através de seu ser. Pratique segurando a chama de uma vela ã sua frente - sua inspiração e expiração devem ser tão suaves que a chama nem treme.

Quando sua respiração estiver conectada, profunda e suave, você talvez sinta calor ou formigamento pelo corpo, pois está sendo ressintonizado magneticamente a um grau diferente de vibração.

Depois visualize um cilindro de energia luminosa pura, branca e dourada proveniente da mais pura fonte de energia e que envolve você. Imagine que não tem começo nem fim enquanto toca o chão à sua volta, enraizando-se e envolvendo você.

Veja esse cilindro cheio e vibrando com a mais intensa energia elétrica. Você sabe que é curativo e transformador - cheio de luz viva, líquida.

Respire essa luz, introduzindo-a no corpo. Sinta-a nos pulmões e imagine que está enchendo todas as suas células com sua força regeneradora.

Ao inspirar, sinta essa luz sendo absorvida pelos poros da pele. Sinta como se todas as partes de seu ser estivessem sugando essa luz para dentro como se seu corpo fosse um grande aspirador de pó. Sinta seus pulmões e todo o seu ser se expandindo enquanto inspira.

Ao expirar, imagine que está liberando de suas células, através dos poros da pele, a luz dos reinos interiores. Lembre-se que a Energia Suprema está dentro e fora, viva no espaço “vazio” de cada célula. Visualize a luz de cada célula acendendo-se como uma lâmpada, depois fluindo para os órgãos, através do corpo e para fora dele através dos poros da pele. Continue nesse ritmo até se sentir relaxado.

Visualização Criativa 5

Abrir-se para a orientação interior

Antes de começar essa meditação, recomendo-lhe a leitura do

capítulo sobre comunicação telepática, pois as técnicas usadas são as mesmas para todas as formas de comunicação, seja com seu próprio mestre interior, seus guias ou outros. A meditação e o programa de cinco passos no final daquele capítulo estimulam a intuição e nos abrem para a orientação interior quando praticadas regularmente.

A orientação interior assume muitas formas, da telepatia à

clariaudiência, passando por visão de imagens, sentimentos intensos ou saber intuitivo e, às vezes, pode se manifestar até pelo desconforto físico. Seu ser interior comunica-se com você de muitas formas diferentes e, repetindo, o autoconhecimento - conquistado com o tempo despendido no silêncio interior - vai lhe permitir averiguar qual é a maneira mais direta e eficiente de receber essas mensagens.

Em primeiro lugar, sintonize-se com a respiração e a luz, pois essa sintonia torna você mais receptivo.

Em seguida, crie o santuário interior e evoque a imagem do guia, de seu Mestre Interior ou do Eu Superior, ou do ser com quem você gostaria de se comunicar.

Depois simplesmente PERGUNTE e OUÇA. Deixe as imagens à deriva em sua mente e preste atenção em como o corpo se sente - você sente alegria no coração ou tensão na área do peito, ou enjoo

no estômago? Aprenda a ouvir seu corpo, pois ele vai responder

diretamente à mente e às emoções.

Uma segunda técnica a ser usada para esclarecimento de uma determinada questão é a seguinte:

Pense na questão ou problema.

Sintonize-se.

Visualize-se descendo um lance de escadas, contando em ordem decrescente e fazendo uma inspiração e uma expiração entre os degraus, relaxando profundamente à medida que vai descendo.

Embaixo da escada, você vê três portas (ou mais, dependendo de suas opções ou soluções potenciais a seu “problema”). A primeira tem um cartaz na porta dizendo - “Introduza aqui sua pergunta e a primeira opção de resposta”. Abra essa porta. Dê um passo para dentro e deixe que a visão se desdobre, ou que os sentimentos fluam, como se essa opção tivesse sido escolhida e você estivesse vendo os resultados dela. Como você se sente? Ouça seu corpo. Está alegre ou tenso?

Depois saía e olhe para a porta ao lado. Tem a segunda opção escrita nela. Você abre essa porta e entra. Aqui também a segunda opção já está em andamento, ela existe além da porta. Aqui também você “vê” e “sente” suas reações corporais e emocionais. Agora saia.

Na terceira porta há um cartaz onde está escrito “Sugestão do Espírito”. Você abre a porta e entra e, mais uma vez, deixa a visão fluir. Aqui também você deve se sintonizar em busca de pistas nas suas reações físicas, emocionais ou mentais. Tome consciência de suas respostas e confie no que “lhe vem à cabeça”. Uma orientação interior clara, positiva e benéfica sempre é reconhecível pelos resultados que tem em sua vida quando você a segue. Lembre-se de que muitos seres trabalham conosco em favor de nosso crescimento e ficam felicíssimos por dar a orientação que lhes é pedida.

Visualização Criativa 6

A cura das relações afetivas

O título fala por si. Muitos de nós têm problemas de relacionamento que precisam ser resolvidos, essas relações precisam ser transformadas. A meditação dirigida que se segue é uma das formas que nos permitem isso. O interessante é que muita gente que usou essa técnica, eu inclusive, dizem que, ao se encontrar de novo com a pessoa com que entraram em contato em sua visualização e trabalho de transformação, o relacionamento tinha mudado. Trata-se do resultado de uma alteração energética entre os dois indivíduos envolvidos. O surpreendente é que basta que uma das pessoas seja ativa nesse plano. Quando liberamos nossa raiva, tristeza, medo etc., essa liberação altera nosso campo energético e, consciente ou subconscientemente, a outra parte responde automaticamente à mudança em nossa vibração ou sintonia com ela.

Fique à vontade, não deixe que o incomodem e sintonize-se com a respiração e o trabalho com a luz.

Visualize seu santuário interior. Dê a si mesmo permissão para se livrar de todas as tensões e fique quieto.

Agora visualize à sua frente o indivíduo com o qual você tem uma relação que deseja transformar, quer você precise de seu perdão, quer você precise perdoá-lo, seja o que for.

Visualize ou imagine uma poderosa coluna ou cilindro de luz rosa e dourada descendendo e entrando pelo seu chakra da coroa, o alto de sua cabeça. Sinta-o descendo pelo tronco e fixando-se no seu coração. Sinta sua energia encher-lhe o coração e a área do peito, expandindo-o transformando toda tristeza, frustração ou emoções

negativas que você possa estar guardando nos pulmões, no coração ou no estômago.

Imagine que essa suave energia rosa do amor está fluindo para todas as células de seu corpo e dissolvendo tudo o que não tem mais serventia para você - emoções negativas, crenças limitadas, sentimentos de carência ou de que você não tem valor. Peça a seu EU SOU para ajudá-lo nessa limpeza e nesse realinhamento, para encher seu coração de perdão, compaixão e amor - por si mesmo e pelos outros.

Quando se sentir cheio de amor e perdão e cheio de desejo de resolver e remediar todo e qualquer problema, visualize o indivíduo à sua frente. Peça à EU SOU Presença dele permissão para resolver o “problema” entre vocês (essa permissão é dada quase sempre. Se receber um “não” muito claro, só libere suas próprias emoções, sem pedir para o outro fazer o mesmo). Você também pode se visualizar a si mesmo de pé à sua frente você pode precisar perdoar a si mesmo. Isso também funciona com aqueles que já partiram.

Mande um feixe de amor rosa de seu coração. Veja-o entrando no coração do outro. Veja vocês ligados por esse feixe de amor. Veja esse feixe de amor entrando no corpo dele, enchendo todas as células e fundindo seu coração com amor, dissolvendo todos os bloqueios de seu circuito elétrico, bloqueios criados por emoções negativas mal resolvidas que ele pode ter por você.

Veja você e o(s) outro(s) como a letra H - um grande H rosa com a energia do amor e do perdão fluindo sem obstáculos entre vocês. Abra seu coração. Diga o que sempre quis dizer. Ofereça seu perdão ou aceite o perdão do(s) outro(s), depois fique em silêncio e fique receptivo às palavras ou à energia que vem dele(s). Visualize e saiba que é desejo dele(s) transformar essa relação.

Quando esse processo terminar, veja a imagem do outro dissolver- se e desaparecer da sua vista. Com seu olho interior, evoque outra pessoa com que deseje entrar em contato.

Se houver muita gente, veja-se no meio de um círculo formado por todas as pessoas com quem você quer entrar em contato no perímetro e um feixe de amor rosa vindo do centro de seu coração como o feixe de luz de um farol, girando e girando, ou focando um de cada vez até todos estarem cheios de amor e todos os problemas resolvidos.

Influências esotéricas nas relações afetivas As relações humanas são formadas a partir de influências genéticas, culturais/ambientais, astrológicas e kármicas/vidas passadas. As relações pelo globo inteiro são tão variadas quanto nós. Por exemplo: nos planaltos da Nova Guiné, em uma tribo, homens e mulheres pouco têm a ver uns com os outros. Trabalham em seus próprios campos e vivem separados. Os meninos passam a acompanhar os homens a partir dos seis anos de idade. Os missionários dizem a eles que os casais devem dormir juntos, mas eles não querem. As mulheres encontram-se com os maridos nos campos durante o dia, que é o único momento em que podem desfrutar do sexo. Mas, como em muitas culturas indígenas, a civilização moderna está chegando e lançando confusão sobre esse tipo de relacionamento. Os Mestres Ascensos dizem que a unidade e harmonia global virá quando aprendermos a respeitar as contribuições de todas as culturas. Há formas maravilhosas de ser em todas as sociedades, bem como desequilíbrios evidentes. Estar com a mente e o coração abertos permite- nos conhecer a forma de viver dos “outros”; depois, utilizando o discernimento e o livre-arbítrio para integrar o melhor de tudo, pode surgir uma síntese do melhor para criar algo mais poderoso ainda. O melhor é o que está funcionando de forma visível e demonstrável em benefício de todos. Imagine a humanidade absorvendo e fundindo o melhor de todas as sociedades para criar uma nova forma de ser harmoniosa, em vez de agir motivado pela ganância e por emoções inferiores baseadas na sede de poder que prosperam no mundo “civilizado” de hoje. A sabedoria antiga diz que as pessoas partilham tanto a consciência individual quanto a consciência grupai e que, antes de encarnar, escolhemos nosso sexo, cultura e país, pais e até irmãos. Também escolhemos as lições que precisamos aprender para evoluir como alma:

lições que nos ensinem compaixão, paciência, compreensão - a lista é tão

longa quanto a profundidade e potencial dos planos emocional e mental da humanidade. A principal razão para grupos inteiros de pessoas continuarem encarnando juntos ao mesmo tempo é reequilibrar uma troca de energia do passado, chamada frequentemente de “karma”. O karma simplesmente assegura o reequilíbrio no reservatório cósmico de energia. Há três tipos principais de karma: aquele acumulado de vidas passadas, aquele criado em nossa vida presente e a porção do karma passado selecionada para ser resolvida nessa vida. A sabedoria antiga diz que costumam se passar 700 ou 1.200 anos entre as encarnações; a diferença de tempo depende da capacidade pessoal do indivíduo para lidar com uma felicidade mais concentrada. Quanto mais conscientemente sintonizadas as pessoas estão com a pulsação universal, tanto maior o volume de felicidade com que elas conseguem lidar. A felicidade ou bem- aventurança é um aspecto da consciência pura. Depois de certo grau de avanço espiritual, os Senhores do Karma selecionam o momento certo para associar aqueles com questões pendentes entre si. Algumas escolas filosóficas afirmam que, em geral não nascemos menos de três vezes, nem mais de sete, com o mesmo sexo antes de passar para o outro. Agir sem querer reconhecimento ou recompensa pessoal - servir de forma altruísta - com um comportamento desprendido não gera um novo karma. Quanto à questão do destino e livre-arbítrio, alguns perguntam por que tanta gente trabalha tanto e tenta durante tanto tempo e ainda continua frustrada. Para entender isso, precisamos refletir sobre a Vontade Divina, sobre o Tempo Divino e sobre o sabotador interno e como esses fatores influenciam as relações afetivas. São questões discutidas no capítulo sobre o poder da mente - além da psicologia motivacional, onde

examinaremos a programação específica que garante facilidade e graça ilimitada na jornada da vida, quando praticada regularmente. Outro ponto de debates interessantes é o fato de começarmos toda nova vida com exatamente o mesmo corpo mental inferior e um corpo emocional repleto como o que possuíamos no fim de nossa última vida. Se tivermos consciência de que somos sistemas de energia, a proposta de nos SINTONIZARMOS conscientemente através da jornada da vida significa que vamos entrar novamente na roda da vida e da morte com exatamente a mesma vibração que emitimos. Isso garante simplesmente que, depois de um “período” de descanso, podemos continuar nossa jornada com o mesmo nível de consciência que alcançamos na vida anterior. Como numa escola, quando aprendemos a matemática básica da segunda série, na terceira série chegamos com os conhecimentos básicos

e podemos aprender a matéria dessa série. As pessoas bem sintonizadas e despertas talvez estejam assumindo

agora a imortalidade física, já tendo realizado tudo quanto exige o karma e

a reencarnação das almas em processo evolutivo.

Quando começamos a nos sintonizar conscientemente, reco- nhecendo o Mestre Interior, muitos de nós podem descobrir que estão se desenvolvendo em velocidades diferentes das de seus companheiros. Podemos perguntar, “Quais são as alternativas para terminar uma relação afetiva com alguém com quem sentimos ter tão pouco em comum?” Repetindo mais uma vez: o uso da programação, tal como foi descrito na seção sobre o poder da mente é o melhor método que existe para melhorar a qualidade da interação de um casal. As pessoas reencarnam juntas para reequilibrar a energia trocada antes. Depois que isso foi feito, acontece muitas vezes elas se separarem, pois não estão mais ligadas eletromagneticamente uma à outra. No

entanto, depois que “o quadro-negro kármico está limpo”, elas podem, como pessoas que já despertaram, resolver começar juntas um novo capítulo e construir sobre os alicerces de sua histórica comum com os laços de amor que formaram.

Como já foi discutido antes, o pensamento é uma força e cria experiências benéficas ou negativas, quer seja ou não verbalmente expresso ou transformado em ação. Aquilo em que concentramos a atenção transforma-se em nossa realidade. Quando eliminamos aquele pensamento que faz juízos de valor e somos incondicionalmente amorosos e ilimitados em nossos pensamentos a respeito de todas as formas de vida, ficamos mais integrados. Está na hora de a humanidade aprender a coexistir harmoniosamente, desfrutando pura e simplesmente a singulari- dade de toda e qualquer expressão.

Vivemos num plano de dualidade. Isso se aplica a homens e mulheres. Esotericamente, essa dualidade é simbolizada pela Estrela de Davi - o triângulo com sua ponta virada para cima é o princípio masculino - ativo, Yang, dia, fogo, quente, eletricamente positivo. O triângulo com a ponta virada para baixo é o princípio feminino - passivo, Yin, noite, água, fresco, eletricamente negativo. O triângulo duplo ilustra a androginia, nosso passado e nosso futuro. Também representa um estado de equilíbrio. Uma forma de nos equilibrarmos, que depois se transfere a todas as relações afetivas de nossa vida, é a prática da meditação. Sonhar também pode ser um agente de ligação quando se adquire a capacidade de lembrar dos sonhos e podemos falar com os outros sobre as impressões causadas por um sonho.

Quando os seres humanos convivem, envolvem-se automaticamente no processo de partilhar átomos de vida. Viver em proximidade íntima, dormir juntos, partilhar a mesma comida e meio ambiente produz de fato uma fusão de campos energéticos que pode aumentar ou diminuir nosso poder pessoal. Como discutimos no capítulo sobre EU SOU Presença, nós, os seres humanos, temos 144 extensões monádicas. Portanto, sempre existe a possibilidade de que um casal, ou parentes, ou amigos, sejam da mesma mônada ou grupo de almas. Também é por isso que sentimos que algumas pessoas que conhecemos são almas gêmeas, ou temos a impressão de que sempre as conhecemos, mesmo quando as estamos vendo pela primeira vez na vida. Voltando ao que ocorre de fato na realidade cotidiana da humanidade, tanto em termos pessoais quanto globais, descobrimos que pesquisas e investigações recentes sobre as sociedades modernas industrializadas e “civilizadas” fornecem as seguintes informações e dados estatísticos:

Casais de renda dupla gastam uma média de 12 minutos por dia conversando um com o outro. Manter ou criar relações afetivas de qualidade com tão pouco tempo juntos torna-se uma arte ou ato de magia.

Muitos pais se sentem culpados por não passar tempo suficiente com os filhos e os jovens em fase de crescimento sentem- se muitas vezes desencantados com a vida.

O suicídio de jovens nos países industrializados é comprovadamente muito maior do que entre os povos indígenas. No entanto, a mortalidade infantil entre os indígenas, devido à falta de padrões de vida adequados, é muito maior que nos países industrializados.

Dizem que todas as classes de trabalhadores agora estão tra- balhando mais intensamente durante mais tempo. Tanto nos Estados

Unidos quanto na Austrália, muitas companhias pre servaram o mesmo nível de rendimentos com metade da equipe que tinham há quatro anos atrás. Isso está criando uma enorme pressão sobre as relações pessoais, pois é muito pouco o tempo disponível para curtir a família, os amigos, uma solidão básica e algum tempo só para si. Por isso nos desequilibramos.

Terapeutas alternativos descobriram que todas as doenças derivam do estresse e do desconforto emocional proveniente de vidas desequilibradas.

A propaganda, combinada ao impulso de ir em busca da felicidade, aumenta as pressões da sociedade moderna para que as pessoas sejam consumidores entusiasmados. Um em cada 100 norte- americanos entra em colapso todos os anos, não por causa da falência de seus negócios, mas por se estressarem com seus excessos nos gastos que fazem com o crédito que têm.

A tensão sobre as relações afetivas provocada por questões financeiras é grande. Considere a possibilidade de baixar seu padrão de vida material para aumentar sua alegria de viver.

Uma nova palavra, caroche, designa morte por excesso de trabalho no Japão. Sair de casa às 5:00 da manhã e voltar às 11:00 da noite não é incomum. Os japoneses estão repensando sua situação agora, pois a produtividade tem caído nos últimos anos e agora é menor que a dos Estados Unidos.

Nos tempos medievais, o dia de trabalho era de nove horas, mas era calmo e vagaroso, e havia 150 dias de folga todo ano. Na época da Renascença, quando o uso dos relógios se difundiu, o trabalho das pessoas pôde ser organizado com mais eficiência. Na era industrial, 14 horas por dia era a média trabalhada. As crianças trabalhavam a partir dos 10 anos - por lei, um máximo de 16 horas por dia. Em 1933, Kelloggs introduziu a semana de 30 horas, reduzindo a

semana de 40 horas em vigor, para aumentar a produtividade de seus empregados durante a depressão, e descobriu que a produtividade dobrou. A empresa manteve a semana de 30 horas até 1985, quando a cúpula administrativa reverteu ao dia de trabalho de 8 horas. Hoje, a hora extra está em alta e o desemprego também. Os eficientes operários alemães da BMW têm uma semana de 36 horas com 6 semanas de férias remuneradas anualmente; nos Estados Unidos, o período de férias é de 2 semanas.

Todos os seres têm o direito á satisfação de necessidades básicas como água limpa, comida, um teto e roupas. Depois que essas questões de sobrevivência já foram resolvidas, os indivíduos podem começar a se concentrar na obtenção de acesso a seus “aspectos superiores” em busca de uma expressão plena. Para manter relações afetivas de qualidade e vidas de qualidade, é necessário desenvolver e manter o contato com os quatro quintos do cérebro que abrigam a consciência superior e utilizam o poder tanto da imaginação criadora quanto do pensamento ilimitado. Repetindo mais uma vez: construir pontes entre as culturas e selecionar o melhor de todas as sociedades permitiria uma distribuição mais igualitária da riqueza das sociedades industrializadas para as nações que ainda estão lutando pela satisfação de necessidades básicas como comida e teto. O pensamento vigilante controla o pensamento “ilimitado”, o que, por sua vez, leva à compreensão de que o pensamento de qualidade produz uma vida de qualidade; isso, somado ao trabalho constante com o Mestre Interior, permitirá à humanidade sair da consciência da pobreza para a consciência da riqueza, à medida que começar a entender que vivemos num universo de abundância. A consciência da pobreza não diz respeito somente às finanças. Diz respeito à carência de modo geral. A consciência da abundância diz respeito à liberdade e plenitude no amor, na saúde, na criatividade e na riqueza - diz respeito ao trabalho em favor do todo e não apenas de um.

Capítulo 15

COMO MAXIMIZAR O FLUXO DA ENERGIA DA MEDITAÇÃO

DURANTE A MEDITAÇÃO

Embora se saiba que a intenção e o desejo são fatores poderosos na experiência dos reinos interiores, também é recomendável purificar os campos de energia dos corpos inferiores para intensificar essa experiência. Podemos comparar o processo a tomar uma sopa grossa numa mesma tigela dia após dia, sem nunca lavá-la, de modo que todo o tipo de resíduos se acumula e, um belo dia, resolvemos tomar água nessa mesma tigela. Se você lavar bem a tigela, a água terá um sabor muito melhor e será mais pura. Você vai matar a sede quer a tigela esteja limpa ou não e cabe a você concluir se quer limpar o recipiente - conscientemente ou não. Eu, pessoalmente, prefiro ter a experiência mais sutil, pura e intensa que puder e, por isso, a preparação do veículo é natural, e não um problema para mim. As energias que estão sendo ativadas neste planeta neste momento estão assegurando que todos os campos energéticos de todos os seres estão sendo alinhados, aconteça o que acontecer. Mas há muitos instrumentos e técnicas que podemos usar para ajudar essa limpeza se quisermos intensificar e acelerar o processo.

A limpeza do corpo físico Basicamente, o que comemos e o que pensamos manifestam- se no corpo físico. A cadeia de comando é a seguinte: corpo físico > corpo emocional > corpo mental (superior e inferior) > alma ou Eu Superior > mônada ou EU SOU Presença. O corpo físico é como o soldado raso do

exército ou o peão do jogo de xadrez e recebe ordens ou é manipulado pelo corpo emocional e pelo corpo mental. Como discutimos nos capítulos 8, 9, 10 e 11, o que se manifesta no corpo físico é um resultado direto da influência da mente e das emoções. É nossa mente, sustentada pela vontade e pela autodisciplina (ou falta de disciplina) que escolhe o alimento que vai manter o corpo. Existe uma literatura tão grande e pesquisas tão numerosas na sociedade ocidental sobre comida e dietas saudáveis para maximizar a saúde e a vitalidade que não vou explorar esse assunto aqui. Basta dizer que o campo energético do corpo físico é o primeiro a entrar em colapso, em resposta direta à toxicidade de nossos pensamentos, alimentação e opções de longo prazo. Muitas pesquisas mostraram que a maioria dos indivíduos considera a saúde perfeita um fator da maior importância para usufruir de uma vida de qualidade. Mas fazem opções, por falta de autodisciplina ou ignorância, que levam ao colapso desse veículo por meio de doenças, deterioração e morte prematura. O corpo físico é um sistema de energia complicado e fantástico, e seu funcionamento está muito além da compreensão de muitos cura a si mesmo, regenera células, produz nova vida e novos órgãos e tecidos a seu bel-prazer, tudo aparentemente de acordo com um código desconhecido, como um programa de computador construído para funcionar indefinidamente até ser invadido por um vírus. O equivalente desse vírus é nosso pensamento e nossas crenças limitadas. A crença na morte e na velhice como processos inevitáveis, combinada a opções de nutrição inadequadas, contribuem para o colapso do veículo físico.

É importante compreender que os campos energéticos dos corpos físico, emocional, mental e espiritual são inter-relacionados e, por isso mesmo, afetam uns aos outros. Quando as energias desses corpos fluem harmoniosamente, a experiência do mundo interior se intensifica. Quando

os bloqueios energéticos estão presentes, perdemos o alinhamento com nossa verdadeira natureza e isso se reflete em nossa qualidade de vida.

A forma mais simples que existe de purificar o corpo físico é a seguinte:

1. Beba muita água pura, fresca - de preferência, não da torneira, com suas substâncias químicas inerentes.

2. Faça exercícios regulares que não o estressem, como tai chi, natação, dança, ioga e caminhadas. Também recomendo que você respire conscientemente ao se exercitar para se sintonizar com a energia enquanto ela se move através de seu ser e intensifica a experiência.

3. Como alguém que respira conscientemente, faça respirações profundas, suaves e conectadas em todo lugar - no chuveiro, no trânsito, durante a ginástica, durante as refeições (entre as garfadas) - sempre tendo em mente a energia que impulsiona sua respiração. Isso mantém sua atenção no AGORA e ajuda a eliminar o envelhecimento com o não reconhecimento do tempo.

4. Coma alimentos leves e vivos. Lembre-se de que, a menos que você seja um especialista em transmutação, o álcool, o açúcar e a carne vermelha mantêm suas vibrações densas. Quanto mais leves e sutis suas vibrações, tanto melhor a qualidade e a quantidade de vida. A maioria das pessoas come de acordo com os ditames do corpo emocional, não do corpo físico. Comer porcaria e comer demais são hábitos que têm uma base emocional. O corpo requer pequenas quantidades de alimento puro e não tira nenhum proveito de alimentos processados e refinados.

5. Aprenda a ouvir seu corpo. Quanto mais limpo ele estiver, tanto mais claras as mensagens que transmite. O corpo físico tem a capacidade

de sustentar-se sozinho, sem qualquer tipo de alimento físico. Ele pode ser refinado e sintonizado para viver somente de prana. Ele é miraculoso realmente, e foi concebido com perfeição pelo Criador. Algumas religiões dizem que fomos feitos à imagem e semelhança do Criador; não somos, pois, inerentemente perfeitos?

6. Controle o corpo emocional controlando o corpo mental. Isso vai manter o veículo físico livre de doenças e perfeitamente sintonizado e capaz de se sustentar a si mesmo.

A limpeza do corpo emocional Enquanto estiver praticando os itens de 1 a 5 que acabei de citar,

você também pode limpar o corpo emocional usando a técnica específica de visualização mencionada nas últimas páginas do capítulo sobre o poder das emoções, além de algumas outras pelas quais você pode se sentir atraído para conseguir isso. Essa limpeza também pode ser feita enquanto você dorme, como mencionei no capítulo 10, um processo que pode ser combinado à utilização de modalidades específicas de cura também citadas naquele capítulo.

O armazenamento de emoções negativas no corpo físico cria

bloqueios energéticos que, se não forem desfeitos, levam à deterioração e à doença. Não é de nosso interesse guardar emoções negativas. Elas precisam ser enfrentadas de uma maneira eficaz leia novamente os capítulos 9, 10 e 11. Às vezes, quando você começa esse trabalho conscientemente, é como abrir uma “caixa de Pandora”, mas lembre-se de que o sofrimento de curto prazo dá lucros a longo prazo. “Jogar o lixo embaixo do tapete” não cura, não resolve, não limpa - ele continua ali e sua existência permite e promove â deterioração do veículo físico.

As duas formas mais eficientes de limpar o corpo emocional são a

meditação, pois ela altera a frequência vibratória e produz ou estimula um

realinhamento natural, e a regressão a vidas passadas. Embora o passado, o presente e o futuro existam simultaneamente, a maioria de nós vive num quadro temporal linear e sequencial de eventos, que é a nossa realidade cotidiana. Como discutimos no capítulo 9, nosso corpo emocional não sabe o que é tempo. Suas mágoas, raivas e dores foram se acumulando e sendo armazenadas na percepção que o corpo mental tem de um evento no momento em que ele acontece. Assim sendo, embora a gente cresça, aprenda e evolua em termos de consciência, o corpo emocional pode ter bloqueios emocionais provenientes de muitas eras antes e que são injustificáveis e muitas vezes irrelevantes para os eventos do presente - quando vistos de forma desapaixonada e objetiva. Isso explica nossa reação exagerada a pessoas, lugares e coisas quando lembranças antigas são ativadas. Uma sessão de regressão que tive explica o que eu disse acima de forma bem simples. Eu me “vi” de pé no alto de um penhasco, sentindo-me imensamente triste. Sabia que alguém que eu amava tinha sido mandado embora pelo mar. Era minha irmã (uma amiga querida nessa vida presente). Ela ficara grávida, e era socialmente inaceitável naquela época e naquele lugar ser mãe sem estar casada; ela foi mandada embora e nunca mais a vi. Nunca me disseram porque e eu guardava tanto a tristeza quanto a raiva de meu pai por seus atos. Na regressão, consegui ver o quadro maior: testemunhar o acontecimento, sentir minha tristeza de novo, mas depois recuar, sintonizar-me com meu pai e seu próprio sofrimento e também entender a situação dele. A partir da compreensão que tenho hoje de épocas passadas, percebi que a “culpa” está na ignorância da sociedade e consegui liberar a raiva que sentia de meu pai, e também o sofrimento. Senti meu coração se abrir e a energia sair. A energia de meu corpo realinhou-se em função dessa nova compreensão, pois o corpo emocional entendeu a partir dessa “nova” percepção e dissolveu os bloqueios

energéticos. Um tratamento simples, mas eficiente e extremamente medicinal. O karma é apenas uma nova oportunidade de resolver um desequilíbrio energético. Quando fazemos regressão e liberamos bloqueios energéticos que provocam desarmonias, o desequilíbrio kármico é neutralizado e o sofrimento adicional pelos outros envolvidos em geral é evitado. Esse reequilíbrio pode não ser possível quando ainda temos um aprendizado valioso pela frente. Naquela vida, meu pai criou inadvertidamente uma dívida kármica comigo, pois guardei muita raiva dele que precisava ser reequilibrada. Ao liberar o poder ou energia dessa raiva com minha “nova” compreensão, essa dívida foi perdoada e esquecida. Meu pai daquela época é meu pai agora. É interessante notar que a vida presente é, para muitos, uma vida onde temos à nossa volta, reencarnados, todos aqueles com quem temos desequilíbrios energéticos de vidas passadas - como nossa família ou grupo anímico - pois está na hora de regenerar, purificar, realinhar. Não podemos levar conosco nossa bagagem emocional e todos os bloqueios energéticos dos quais precisamos nos liberar para as oitavas e dimensões superiores da existência predeterminados para a humanidade nessa época.

A limpeza do corpo mental Só pode ser feita com o controle mental tal como descrito no capítulo 9. Uma coisa é entender intelectualmente, outra é viver o que entendemos. A ideia de que nossos “pensamentos criam a realidade” já foi compreendida, e muito bem. Depois de assimilada aos vários níveis de nosso ser, nossa vida se torna abundante e rica em todos os níveis - físico, emocional, mental e espiritual. Esse processo é governado pela Lei da Criação universal - o que você semeia, você colhe - também conhecida como a Lei da Realização. Quando nosso corpo está sintonizado e

ressoando em perfeita harmonia com todos os outros - todos vibram com sua frequência única - sentimo-nos completamente realizados e em comunhão com toda a criação. Se toda vez que mergulhamos em nosso mundo interior ou sintonizamos nossa consciência com o Deus interior formos com um copo que está cheio até a metade (com o ego, desejos, emoções negativas, bagagem emocional etc.), esse copo só pode ser enchido pela metade. A mistura dos conteúdos antigos com nossa nova consciência resulta numa mistura diluída, menos potente. Mas um pouco de dedicação - um pouco de cuidado para levar um recipiente limpo, vazio - significa que o recipiente será cheio por inteiro com a mais pura energia. Ser o Deus que somos é como retirar as camadas de uma cebola para revelar a essência pura do miolo. Cada camada representa um véu de separação, seja a crença na limitação, a crença na mortalidade ou simples lixo acumulado no decorrer das vidas em todos os planos. Só dizer “EU SOU Deus” não faz necessariamente com que a afirmação se torne uma realidade consciente pois, lá no fundo, num nível celular, pode haver vidas inteiras de negação, onde essa frase não designava sequer uma possibilidade. Por isso temos de retirar as camadas uma a uma até nossa realidade se manifestar - até só SER, ou até só SERMOS.

“Quando uma pessoa se individualiza no interior do Absoluto, da Vida Que Impregna Tudo, escolhe de livre e espontânea vontade tornar-se um foco individual intensificado de inteligência consciente. Dirige conscientemente suas atividades futuras. Depois de fazer essa opção, é o único que pode realizar esse destino, que não é circunstância inflexível, mas um Plano de Perfeição traçado definitivamente. E uma Matriz que ele elege para se expressar nos reinos da forma e da ação. Um ser humano

pode resolver a qualquer momento elevar-se acima de suas qualidades ou limitações humanas e, se dedicar toda a sua vida, toda a sua energia a essa resolução, terá êxito. Aqueles que nós que elevaram o corpo, realizaram a ‘Ascensão’ entregando tudo ao Eu Divino interior - e, desse modo, o Eu Divino expressa através de nós Suas Qualidades Perfeitas - ‘O Plano Divino da Vida.’”

St. Germain, Unveiled Mysteries (Os Mistérios Revelados), através de Godfre Ray King

Capítulo 16

Os CHAKRAS - Os CENTROS ENERGÉTICOS DO CORPO

Os chakras são portas através das quais a energia é atraída para o corpo e depois dispersada. Numa pessoa sadia, os sete principais centros de energia estão abertos e giram. Quando uma pessoa adoece, em geral há bloqueios nos chakras. Tudo no corpo está ligado a esses centros energéticos. Os chakras absorvem a força vital universal (prana ou chi) e a enviam através dos rios de energia do corpo (nadis ou meridianos) para o sistema nervoso, as glândulas endócrinas e o sangue para nutrir o corpo.

Trecho de Other Kingdoms (Outros Reinos), de Hilarion: “Os chakras são essenciais à vida no plano físico porque são as portas através das

quais a energia do Eu Superior tem permissão de passar para o inferior.

Na ausência desse centro de transferência de energia, a vida cessa

pessoa cujos chakras são fortes e abertos está em contato muito mais

Os chakras podem ser descritos como

rodas coruscantes (flamejantes) e cintilantes de belas cores, sempre se

movendo e dançando, cantando as canções gloriosas da vida

íntimo com seu verdadeiro ser

a

mas

somente na pessoa, espiritualmente desenvolvida eles têm essa aparência.”

Há sete chakras principais no corpo humano, além de numerosos outros chakras secundários. Acima da cabeça sabemos que há pelo menos cinco chakras transpessoais que nos ligam energeticamente à nossa mônada ou o EU SOU Presença. Os campos energéticos de todos os nossos corpos são ancorados pelos chakras: o corpo físico é ancorado

no chakra da base, o emocional no chakra sacral, o mental no plexo solar e o espiritual no chakra do coração.

A literatura sobre os chakras é abundante e, por isso, não vou me estender sobre o assunto aqui. Mas gostaria de deixar claro que, ao nos sintonizarmos, purificarmos e ativarmos completamente esses centros energéticos com cor e luz, podemos criar uma saúde radiante, energizar- nos e também aprender a movimentar nossa consciência nos confins de nossa forma física, isto é, bilocação etc. Também gostaria de dizer que os bloqueios desses campos energéticos acontecem pela falta de controle dos corpos mental e emocional. O resultado das técnicas para limpar, energizar e realinhar os chakras é como tomar um analgésico para uma dor de cabeça. São eficientes, mas nem sempre resolvem o problema, só fazem desaparecer os sintomas. Essas técnicas precisam ser usadas junto com o controle mental para produzir uma saúde ótima em termos de longo prazo. As técnicas para trabalhar com os chakras são discutidas no final deste capítulo e devem fazer parte de seu programa regular de manutenção, realizado semanal ou mensalmente. Nos estágios iniciais, os exercícios podem ser feitos diariamente, até esses centros estarem girando, com cores vivas e ativados em seu potencial máximo. Os chakras são afetados pela toxicidade dos pensamentos e emoções e a alteração de suas cores reflete esses desequilíbrios.

Vamos começar com os sete chakras principais localizados no corpo físico. Os três chakras da cabeça e o chakra da garganta governam a razão, os chakras da frente do corpo governam as emoções e os chakras das costas, a vontade. Os chakras têm a forma de um cone, como mostra o diagrama apresentado no final deste capítulo. À medida que giram,

atraem a energia para dentro pela frente e pelas costas, ou pela parte de cima e de baixo, no caso dos chakras da base e da coroa. Cada chakra tem pequenos vórtices giratórios que se movem a velocidades altíssimas; cada vórtice metaboliza uma vibração energética que corresponde a uma determinada frequência de rotação. O chakra pélvico tem quatro pequenos vórtices e quatro frequências de energia. A cor observada em cada chakra está relacionada à frequência da energia que está sendo metabolizada em sua velocidade correspondente. Por conseguinte, quando aumentamos o quociente de luz dentro de nosso ser, e também nossa frequência vibratória, esses centros energéticos unificam-se e tornam-se uma única coluna de luz. O chakra da sobrancelha tem 96 vorticezinhos e o chakra da coroa tem 972. Cada chakra tem um número diferente de vórtices e, por isso, sua própria velocidade e frequência de rotação.

1. O chakra da base, ou da raiz

Esse é o lugar onde a faceta crística do amor da humanidade se manifestará à medida que a espécie humana aprender a amar sem motivos egoístas ou românticos, amar apenas pela alegria de ver o ente querido feliz. Pureza, restauração, ressurreição, ascensão e esperança também estão associadas a esse chakra. Num plano mais “terrestre”, esse chakra está relacionado à quantidade de energia física que temos à nossa disposição e à “vontade de viver” na realidade física. E o local da primeira manifestação da força vital no mundo físico. Atua como uma bomba sobre o plano etérico, ajudando a dirigir o fluxo de energia para o alto da coluna vertebral. Sua cor é o vermelho e está em perfeita sintonia com a nota musical “dó”. Esse cone de energia forma espirais descendentes a partir do centro do púbis e nos conecta energeticamente com nossa “estrela terrestre”,

que fica no chão a cerca de 15 centímetros abaixo de nossos pés. Nosso senso de tato está associado a esse chakra. Esse primeiro chakra também está associado à primeira camada áurica que é o corpo etérico trabalhando com o funcionamento automático e autônomo do corpo. O corpo etérico é composto de minúsculas linhas de energia parecidas com os fios de uma teia de aranha e sua cor é azul/cinza: As cores dos chakras do corpo etérico também são azul e cinza: azul numa pessoa sensível e cinza num indivíduo mais atlético. As células do corpo físico crescem ao longo das linhas de energia da matriz etérica, que estão presentes antes de as células começarem a crescer. Esse “corpo” é feito de ondas luminosas pulsantes e, em geral, estende-se de 6 a 12 mm do corpo físico. Agora vários terapeutas/curandeiros trabalham com a energia no sentido de instruir o corpo a desenvolver um novo membro quando o original foi destruído, num acidente, por exemplo. Isso pode ser feito somente por causa da existência da matriz etérica. A matriz etérica pode ser vista como um campo energético que mantém as estruturas da quarta (astral), quinta e sexta dimensões. A maioria das impressões kármicas são gravadas nesse corpo etérico. Ele também mantém o DNA funcionando. Em geral, a estrutura de corpoluz da quinta dimensão está latente na matriz etérica e sustenta os cristais etéricos que bloqueiam os fluxos de energia para evitar que o corpoluz seja ativado prematuramente. Sua estrutura da sexta dimensão contém os moldes de formação da matéria, do corpoluz e dos códigos de DNA que determinam a forma física.

2.

O chakra sacral, ou do umbigo

Situado logo abaixo do umbigo, a energia deste chakra pode ser usada para revigorar e equilibrar os outros centros. Tende a emprestar sua superabundância de energia para os centros da cabeça a fim de aumentar a sabedoria e a clarividência, para o centro da garganta a fim de promover a verbalização da verdade, para o centro do coração a fim de encorajar a expressão do amor por toda a criação e para o plexo solar a fim de dar vigor e força física ao corpo. Também está ativo na experiência sexual da espécie e pode ser usado para aproximar tudo quanto há de belo em duas almas gêmeas. E a sede do perdão, misericórdia, compaixão, transmutação e liberdade. A frente desse chakra é chamada de centro púbico, que é o centro afetivo e está relacionado tanto à qualidade do amor pelo sexo oposto quanto ao dar e receber prazer físico, mental e espiritual. O vórtice de energia do centro sacral nas costas está relacionado à quantidade de energia sexual e é um centro da vontade. Sua cor é o laranja e sua nota musical é o “ré”. Esse segundo chakra está associado à segunda camada áurica e ancora o campo energético do corpo emocional inferior. A estrutura dessa camada áurica é mais fluida que a etérica e não se duplica no corpo físico. Tem a aparência de nuvens coloridas de substância fina em movimento fluido constante e, em geral, estende-se a cerca de 7,5 cm do corpo. Sua cor reflete os sentimentos do indivíduo. Sentimentos extremamente energizados - amor, alegria, excitação, raiva - dão cores claras, e sentimentos confusos refletem uma cor escura, sombria. Os chakras desse campo energético também seguem a ordem do arco-íris, como aqueles do corpo físico. O corpo emocional é composto de geometrias. Quando ficamos presos em nossas emoções e não permitimos que sua energia flua livremente,

fixamos as geometrias em formas que criam limitação de expressão e, por isso, desconforto.

3. O chakra do plexo solar

As energias físicas entram em torrentes no corpo vindas dos planos

superiores através desse centro. Sua principal função no presente é permitir que o corpo seja energizado mas, no futuro, será o centro que vai permitir que um objeto seja movido no espaço graças exclusivamente à força da concentração e da vontade. Combinar visualização, vontade e energia do plexo solar é um procedimento que vai criar muitos fenômenos quando usados em conformidade com as leis universais. E também a sede do poder de curar, do culto devocional e da ministração da graça.

O

plexo solar é o nome do centro da frente e está relacionado com a extroversão e a sabedoria espiritual. E a sede da vontade e da compreensão emocional de quem você é no universo. O das costas é

chamado de centro diafragmático e dizem que está relacionado à cura

às intenções relativas à própria saúde. Sua cor é o amarelo e sua nota musical é “mi”.

e

O

terceiro chakra está relacionado à terceira camada áurica da atividade mental inferior e, por conseguinte, com o pensamento linear. Esse chakra também ancora o campo energético do corpo mental inferior. Esse corpo parece uma luz amarelo-vivo, em geral 1,00 a 1,30 m do corpo e é composto da mais fina substância dos pensamentos e pro- cessos mentais.

O corpo mental também é composto de geometrias. A função desse corpo

é determinar nossa realidade e em geral acredita que está “dirigindo o espetáculo” e funciona melhor quando sabe sempre o que está acontecendo. O corpo mental, em sua condição de chefe, não gosta

de mudanças motivadas por “outras” forças. Por conseguinte, tende a descartar ou ignorar impulsos vindos do Espírito como “irreais”, pois estes são vastos e ilimitados e não podem ser compreendidos intelectualmente, nem controlados. Os três planos áuricos inferiores metabolizam a energia relacionando-se com o mundo físico e participando do jogo do karma. Podem ser vistos da quinta dimensão como tetraedros duplos. Os três superiores metabolizam a energia relativa ao espiritual. O chakra do coração é o recipiente transformador, através do qual toda energia tem de passar ao ir de um mundo para outro. A maioria dos seres humanos funciona com base nos campos energéticos dos três chakras inferiores, mas agora estão sendo inspirados por seu Espírito interior a ativar e utilizar seus chakras superiores.

4. O chakra do coração

A espécie humana trabalha com esse vórtice de energia desde os primórdios, E o chakra que conecta os corpos inferiores com os corpos superiores. Também é o canal através do qual o amor flui, vindo do Eu Superior. Quando bloqueado, em geral leva a doenças cardíacas. E a conexão da humanidade com o amor incondicional de Deus. Também metaboliza e expressa esse Amor Divino. Quando expressamos amor e devoção, nosso centro cardíaco é ativado. A cor do chakra do coração é o verde-esmeralda e tem uma sintonia melhor com a nota musical “fá”. Em seu livro “Mãos de Luz”, Barbara Brennan afirma também que o chakra do coração ancora o corpo astral. Todos os chakras dessa camada áurica - que em geral se estende de 15 a 30 cm do corpo - estão impregnados com a cor rosa do amor, embora suas cores de arco-íris predominem.

5.

O chakra da garganta

A função desse chakra é permitir que toda alma se dê aos outros em palavras que sua sabedoria absorveu ou que seu dom de clarividência lhe revelou. O centro estará em harmonia se for usado com pureza de palavras e se abrirá para receber grande inspiração dos planos superiores. Esse chakra está associado à Vontade Divina, poder, proteção e fé iluminada. Dá energia ou poder às palavras e “dá realidade às coisas chamando-as por seu verdadeiro nome”. A frente está associada a receber e assimilar, assim como à questão de assumir responsabilidade pela satisfação das próprias necessidades (aprender a falar alto e em bom som). O chakra das costas está associado ao senso de identidade da pessoa no ambiente social, sua profissão, seu desejo de ter êxito no plano material. Sua cor é o azul celeste e tem sintonia com a nota musical “sol”. Esse chakra também está relacionado com os sentidos de audição, olfato e gosto. O chakra da garganta ancora o molde etérico (aspecto físico) que corresponde à quinta camada áurica. O molde etérico é o molde que dá forma à camada etérica - que é o molde do corpo físico. E a matriz do corpo etérico e em geral se estende de 30 a 45 cm do corpo físico. É o nível em que o som cria a matéria. Pode haver cura nessa camada com o uso do som. Para os homens, uma voz mais grave em geral significa chakras e campos energéticos inferiores mais sau- dáveis.

6. O chakra da sobrancelha

Também chamado de ajna ou “terceiro olho”. É o órgão da visão num plano psíquico ou etérico e sua vibração pode ser elevada a um ponto

em que as auras, formas e seres etéricos podem ser vistos. Corresponde à capacidade mental de “ver” em contraposição à sabedoria. Esse chakra é a sede da clarividência. Conecta o corpo emocional superior com sua experiência de amor celestial e abarca toda a vida, sabe que todos os seres vivos são preciosas manifestações de Deus. Quando está completamente ativado, conseguimos “ver” com esse olho espiritual e não só com os olhos físicos.

Também está associado à verdade, consagração, dedicação, con- centração e visão interior. E o local da manifestação da luz divina, que

é visível ao olho espiritual. A capacidade de projetar pensamentos

e

ideias e criar a realidade entra em cena através do centro

“executivo” da nuca. A capacidade de criar ideias por meio da visão está na frente. A capacidade de transformar essas ideias em realidade está nas costas. A cor desse chakra é o anil e sua nota musical é “lá”.

A sexta camada áurica, ou corpo celestial, ancora-se nesse chakra. Esse é nosso corpo emocional superior ou nível emocional do plano espiritual

e, em geral, estende-se a cerca de 53 cm do corpo humano. É através

desse plano que sentimos o êxtase espiritual: um ponto de ser e de ligação com Tudo Quanto Existe. O amor incondicional flui quando o

chakra celestial e o chakra cardíaco trocam energia sem nenhum tipo de obstáculo, resultando num corpo de luz cintilante com cores pastéis e um fulgor opaco prateado/dourado. E composto de luz que

se irradia do corpo.

7. O chakra da coroa

Como o centro que governa a faculdade da sabedoria e da compreensão,

o chakra da coroa permite a apreensão da verdade espiritual num

nível geralmente inacessível ao homem enquanto este se encontra em sua encarnação física. Está ligado à sétima camada áurica, o corpo mental superior, o “saber” e a integração de nossa constituição espiritual e física. E a fonte da iluminação, da sabedoria universal, da compreensão e da iluminação. Quando ativado, permite-nos ir além do mundo físico e cria uma sensação de inteireza, paz e confiança, além da impressão de que a vida tem sentido. Sua cor é o violeta ou luz branca pura e sua nota musical é o “si”. O chakra da coroa introduz as energias superiores e conecta essa energia por meio dos outros chakras com a base e depois com a terra. Tem a forma de um cone, como todos os outros mas, como o chakra da base, é vertical. Está virado para cima, como um triângulo invertido de pé sobre a ponta. Os outros chakras são como triângulos horizontais que se conectam no centro com um “X”. A sétima camada áurica é o molde cetérico ou causai e, em geral, estende-se de 75 cm a 1 m do corpo. E onde sabemos que constituímos uma unidade com toda a criação. Tem a forma de um ovo e contém todos os corpos áuricos da encarnação corrente em que o indivíduo se encontra. E “visto” como fios minúsculos de lúz dourada, uma estrutura semelhante a uma rede que vibra com uma frequência muito alta. Esse molde dourado contém a principal cor- rente de energia que sobe e desce pela espinha vertebral. Também é a principal corrente de energia que alimenta o corpo e contém faixas de vidas passadas. A faixa que se encontra perto da área do pescoço/cabeça contém a vida passada que estamos tentando purificar nas circunstâncias da vida presente. Para mais informações sobre esse tópico, consulte o livro de Barbara Ann Brennan intitulado “Mãos de Luz”.

A espinha é a principal corrente de energia vertical. E nosso canal central de luz. Os nervos da espinha têm contato direto com diferentes partes do corpo e, por isso, os transtornos do corpo afetam a espinha. Purificados e completamente ativados, os chakras permitem a passagem de energia pura pela coluna e pelo corpo e, em consequência, há saúde e vitalidade no veículo físico.

Os chakras podem ser purificados e ativados de muitas formas. Embora haja discordância entre alguns textos, em geral eles dizem que, para limpá-los e ativá-los, as cores do arco-íris devem ser visualizadas e os chakras devem ser girados e ativados no sentido horário. Há diagramas dos chakras em numerosos textos sobre o assunto. Para outros trabalhos, como bilocação etc., os chakras podem ser girados em qualquer outra forma alternativa: chakra da coroa, sentido anti-horário, chakra da sobrancelha, sentido horário etc. A seqüência correta é AHAHAHA para as mulheres e HAHAHAH para os homens. As cores usadas também são diferentes, dependendo do exercício. Muitas pessoas estão trabalhando agora com o chakra do timo, situado entre o coração e a garganta. Quando ativado, permite que a expressão verbal feita com amor crie harmonia e equilíbrio. Sua cor é magenta. Também temos chakras superiores localizados em faixas energéticas mais refinadas dentro e em volta do corpo. Agora existe muita informação sobres os chakras superiores e inferiores, com mais informações relativas aos inferiores, pois os seres humanos conhecem e trabalham com esses centros energéticos há muito mais tempo. Também existem muitas fitas cassete com meditação dirigida (também da S.E.A.) sobre o trabalho com chakras. Mas, quando elevamos nossas vibrações até perto da velocidade da luz, todos os chakras se unificam numa única coluna de luz.

Dizem que o trabalho com os chakras pode ser comparado às modalidades terapêuticas da homeopatia, quiroprática e outras práticas alternativas: úteis e poderosas, mas logo substituídas pelo trabalho com a energia da luz e pelo trabalho com som e cor, que serão os novos métodos de cura utilizados no próximo milênio. Da mesma forma, o “novo” trabalho com os chakras será feito somente com a luz branca e dourada, pois esta é a energia mais pura de todos os universos. Em relação aos chakras superiores, a única informação detalhada que consegui encontrar está no “Manual Completo de Ascensão” e em Beyond Ascension (Além da Ascensão), do dr. Stone. Esses textos, que fazem parte, de sua série The Easy-to-Read Encyclopedia of the Spintual Path (Enciclopédia Fácil de Ler do Caminho Espiritual) foi doada à S.E.A. pelo dr. Stone. Nessas obras, o dr. Stone fala a respeito dos sistemas de conexão dos chakras, onde os chakras de um a sete estão relacionados à terceira dimensão; de oito a quinze, à quarta dimensão, de 16 a 22, à quinta dimensão; de 23 a 30, à sexta dimensão; de 30 a 36, à sétima dimensão e, depois de deixarmos os campos energéticos desse planeta e entrar em dimensões ainda mais elevadas de luz, ancoramos e ativamos os chakras 37 a 43 e 44 a 50, que estão ligados à oitava e à nona dimensões, respectivamente. As informações que me foram dadas por meu Mestre Interior, a minha EU SOU Presença, entram em detalhes, dizendo que essas conexões dizem respeito às iniciações e às dimensões superiores como matrizes energéticas de frequências mais refinadas que têm correspondência com a velocidade da luz e outras velocidades superiores. Encontros posteriores com os Mestres Ascensos fizeram-me entender que estamos conectados à Fonte, através de todos os planos vibratórios, por um vórtice de energia ou chakra. Cada um dos chakras tem uma frequência e uma velocidade de rotação própria. “Como é em cima, é embaixo” também se aplica ao sistema de conexão dos chakras, pois o

sistema manifesto em nossa forma física reflete os das outras dimensões.

A sobreposição é feita através de implosão da energia, por meio da qual

somos magnetizados e reabsorvidos na faixa seguinte de frequência. Repetindo: tudo isso acontece através de um estado de sintonia. Essas matrizes energéticas são como teias delicadas sobrepostas em camadas, uma em cima da outra. Nós nos fundimos nelas como uma flor que se abre ao sol. Por isso, à medida que elevamos literalmente nossa frequência vibratória quando aumentamos nosso quociente de luz,

essas conexões são sobrepostas, ancoradas e ativadas. A plena ativação

e utilização dessas conexões e campos energéticos traz consigo,

automaticamente, a capacidade de teletransporte, de desmaterialização

etc. Mas essas capacidades dependem do sistema de conexões estar no

seu devido lugar; para o teletransporte, por exemplo, é preciso que a faixa

de 30 a 36 esteja ancorada e ativada. O dr. Stone afirma que, quando o

chakra 36 está completamente ancorado, ativado e aberto, o DNA de 12 filamentos passa do veículo etérico para o veículo físico. Afirma também que a invocação dos códigos-chave, de letras de fogo e das geometrias sagradas abre todas as câmaras de todos os chakras. A ancoragem e ativação desses sistemas de conexão precisam ser

controladas por nossa mônada ou o EU SOU Presença para não sobrecarregarmos o circuito elétrico do veículo físico. O quociente de luz

de nosso ser é, na verdade, a quantidade de luz proveniente da mônada

que foi liberada através do veículo físico e ancorada nele. Portanto, antes de passar para a plena ativação dos sistemas de

conexão dos chakras, recomendo que você faça exercícios do chakra unificado. Mas todo trabalho com os chakras traz benefícios, pois chakras saudáveis e completamente ativados protegem o corpo do envelhecimento

e da deterioração. A meditação do chakra unificado é descrita na próxima página.

Os Chakras

Os Chakras 174

As Camadas Áuricas

As Camadas Áuricas 175

Visualização Criativa 7

Invocação ao chakra unificado

de Tony Stubbs, An Ascension Handbook (Um Manual da Ascensão)

Inspiro luz através do centro de meu coração abrindo meu coração como uma linda bola de luz, deixando-me expandir. Inspiro luz através do centro de meu coração deixando a luz se expandir, envolvendo o chakra da garganta e o chakra do plexo solar num campo unificado de luz dentro de meu corpo e à sua volta.

Inspiro luz através do centro de meu coração deixando a luz se expandir envolvendo o chakra da sobrancelha e o chakra do umbigo num campo unificado de luz dentro de meu corpo e à sua volta.

Inspiro luz através do centro de meu coração deixando a luz se expandir envolvendo o chakra da coroa e o chakra da base num campo unificado de luz dentro de meu corpo e à sua volta.

Inspiro luz através do centro de meu coração deixando a luz se expandir envolvendo o chakra alfa acima de minha cabeça e o chakra ômega embaixo de minha coluna vertebral num campo unificado de luz dentro de meu corpo e à sua volta. Deixo a luz de Metraton ressoar entre eles. Sou uma unidade de luz.

Inspiro luz através do centro de meu coração

deixando a luz se expandir

envolvendo o oitavo chakra acima de minha cabeça e minhas coxas

num campo unificado de luz dentro de meu corpo e à sua volta.

Deixo meu corpo emocional fundir-se com o físico.

Sou uma unidade de luz.

Inspiro luz através do centro de meu coração

deixando a luz se expandir

envolvendo o nono chakra acima de minha cabeça

e minhas pernas

num campo unificado de luz dentro de meu corpo e à sua volta.

Deixo meu corpo mental fundir-se com o físico.

Sou uma unidade de luz.

Inspiro luz através do centro de meu coração

deixando a luz se expandir

envolvendo o décimo chakra acima de minha cabeça

e o ponto abaixo de meus pés

num campo unificado de luz dentro de meu corpo e à sua volta.

Deixo meu corpo espiritual fundir-se com o físico.

Sou uma unidade de luz.

Inspiro luz através do centro de meu coração

deixando a luz se expandir

envolvendo o décimo primeiro chakra acima de minha cabeça

e o ponto abaixo de meus pés

num campo unificado de luz dentro de meu corpo e à sua volta.

Deixo minha alma superior fundir-se com o corpo físico.

Sou uma unidade de luz.

Inspiro luz através do centro de meu coração deixando a luz se expandir envolvendo o décimo segundo chakra acima de minha cabeça e o ponto abaixo de meus pés num campo unificado de luz dentro de meu corpo e à sua volta. Deixo minha alma superior crística fundir-se com o corpo físico. Sou uma unidade de luz.

Inspiro luz através do centro de meu coração peço ao plano mais elevado de meu espírito que se irradie do centro de meu coração, enchendo completamente esse campo unificado. Irradio ao longo de todo o dia. Sou uma unidade de Espírito.

Capítulo 17

O Eu Superior e o EU SOU Presença

A pesquisa dos textos de Alice Bailey revela que há 60 bilhões de centelhas espirituais individualizadas (mônadas ou EU SOU Presença) do Criador. Cada mônada tem 12 dedos de fogo (Eus Superiores) e cada um deles criou 12 almas individualizadas. Elas também podem ser chamadas de “extensões da alma” ou “personalidades”, que são nossa forma física. Nem todas as extensões da alma estão necessariamente encarnadas.

Há inúmeras explicações sobre a forma como as centelhas do Divino passaram a ser encarnação física e sobre as origens da humanidade. Acho que, se esse for um tópico que desperta seu interesse, você deve pesquisar, pois há modelos ou conclusões apropriados para cada um. Não desejo entrar em explicações ou análises aprofundadas nesse momento porque, para mim, a questão em pauta é por quê estamos aqui e não, como chegamos aqui, embora ambas sejam fascinantes. Descobrir porque estamos aqui melhora automaticamente a qualidade da vida individual. “O Prisma e a Lyra”, de Lyssa Royal e Keith Priest apresenta uma visão interessante do ponto de vista galáctico. Este livro sugere coisas como eus futuros, onde, como o passado, o presente e o futuro existem simultaneamente, um ser pode entrar em contato com partes de si mesmo em outros pontos do tempo. Os extraterrestres são apresentados como seres humanos do futuro que desejam entrar em contato com suas vidas passadas, como o tempo passado na Terra, por exemplo, para criar uma ligação que resgate seu próprio passado. E indicado para aqueles que compreendem a ilusão do tempo linear - confinado ao continuum de tempo/espaço da terceira e quarta dimensões que os extraterrestres não

são apenas seres humanos do futuro, mas também que o conceito de Eu Superior ou eu futuro é intercambiável, pois um eu futuro é uma versão evoluída do eu presente ou passado. Este livro explora também os sistemas planetários de onde se diz que veio toda a vida humana, isto é, nossa herança galáctica. Muitos livros da Nova Era e escritos mediúnicos falam sobre a história da criação em vários níveis. No final deste livro, incluí um trecho do The Aquarian Gospel of Jesus (O Evangelho Aquariano de Jesus), de Levi, que é uma versão da história da criação que pode interessar algumas pessoas. O consenso geral é que somos seres espirituais tentando ser humanos e que “involuímos” para uma vibração e expressão mais densas para podermos saber o que é a vida com uma forma, com sentidos, depois crescer, aprender e evoluir novamente para nossa forma mais pura quando for a hora certa e o “experimento” tiver acabado. Muitos concordam (inclusive a Bíblia, que chama esse período de “Queda”) que, num certo estágio, esquecemos que somos seres espirituais tentando ser humanos e passamos a acreditar que somos apenas nossa forma física, nossa mente, nossas emoções, e nada mais. Em algumas religiões, nossas crenças em nossa limitação criaram sentimentos de separação e de um Deus externo a nós.

Todas as escrituras, textos, profecias e ensinamentos sagrados falam de um período de despertar, embora usem palavras diferentes:

Armagedon seguido de mil anos de paz, a aurora da Idade do Ouro depois das dores de parto da Terra, a Era de Aquário etc. Muito foi previsto para esse período. E a hora do grande despertar, quando a humanidade se libera, primeiro individual e depois coletivamente de suas crenças na limitação e toma consciência de sua verdadeira natureza divina.

Essa natureza divina tem sido chamada de Eu Divino, nosso Eu Superior ou EU SOU Presença, o Cristo Interior etc., todas expressões que designam aquela força vital pura que nos sustenta. O Eu Superior designa aquele aspecto de nosso ser que está em sintonia com uma faixa de frequência mais pura ou mais limpa (isto é, em maior harmonia com nosso Eu Divino). Os teosofistas referem-se ao Eu Superior como nossa alma e elo de ligação com o EU SOU Deus interior. O EU SOU ou mônada é o aspecto mais puro de nosso ser, é a centelha do divino. Em consequência, nosso alinhamento consciente com essas energias superiores nos permite ficar “impregnados” ou embebidos com o Divino, e nossa vida pode se expressar com mais equilíbrio, alegria, amor e plenitude verdadeira. Pode ser comparada a uma criança perdida que está cansada, faminta e, em geral, infeliz com seu estado de ser. Voltar para casa, ser amada e cuidada pode ser comparado com a ligação feita quando “encontramos” nosso verdadeiro estado de ser - não perdidos, mas muito amados e recebidos alegremente em casa. Como já disse antes, conectar-nos à nossa essência divina, o EU SOU, é como retirar as camadas de uma cebola para revelar seu belo miolo. O miolo é o EU SOU e as camadas são os véus da ilusão que tecemos ao longo das eras despendidas na densidade deste planeta - nossos medos, cicatrizes emocionais, crença na morte, envelhecimento, doença, limitação e assim por diante. Por fim, TODOS evoluem ao ponto de compreender não só que deve haver algo mais, como existe algo mais. Dizem que o Eu Superior e o EU SOU - devido a sua natureza vasta e multidimensional e que existe em muitos outros planos do ser - não se preocupam com a extensão da alma ou personalidade até que a extensão da alma (nós numa encarnação) procura conhecê-los. Portanto, o primeiro passo é simplesmente o desejo sincero e profundo de saber mais. E como o pai ou mãe que toma conta do filho no parquinho de diversões, está consciente de sua movimentação, mas querendo ler o

jornal, vai ter que esperar até a criança dizer que está cansada e querer ir para casa. Então o pai ou mãe assume a responsabilidade, pegando gentilmente a mão da criança. Mas a criança ainda tem de caminhar. Ainda precisa optar por “fazer a viagem”. O livre-arbítrio permite à criança choramingar e arrastar os pés, ou caminhar tranquila e alegremente. O mesmo acontece com nossa evolução. Ninguém tem condições de trilhar o caminho que leva à nossa reunificação com o Deus Interior, a não ser nós mesmos. A viagem é interior e só nós podemos afinar-sintonizar nossa frequência para nos alinharmos com nossa essência pura, pois nossa frequência responde a nossos pensamentos. Ela é alterada por nossas palavras, nossas ações e toda escolha que fazemos, desde o plano da alimentação até o plano da percepção. O impacto de nossos pensamentos e negatividade mal resolvida já foi tratado nos capítulos anteriores e a forma pela qual podemos mudar conscientemente a frequência vibratória e os sinais energéticos que transmitimos é um assunto discutido no capítulo

23.

O EU SOU, o Eu Superior e a personalidade têm, cada um, três níveis, que são os seguintes:

O

EU SOU ou mônada tem:

Vontade ou poder - o princípio do Pai.

Amor e sabedoria - o princípio do Filho.