Você está na página 1de 226

Polícia Militar do Estado do Acre

Proerd Acre: Primeiro Levantamento sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco
Coleção: Proerd Acre
© Polícia Militar do Estado do Acre
Idéia Original/Produção/Execução: Diretoria de Ensino e Instrução da PMAC

Governador: Arnóbio Marques de Almeida Júnior


Secretário de Segurança Pública: Antônio Monteiro Neto
Comandante Geral da PMAC: Cel. Romário Célio Barbosa Gonçalves
Chefe da Diretoria de Ensino e Instrução da PMAC: Maj Maria do Perpétuo Socorro F. de Souza
Coordenação Administrativa do Proerd: St Sheila Maria de Araújo Leite
Coordenação Pedagógica do Proerd: St José Adriano da Silva Souza

Pesquisadores Responsáveis:
Sd PM Reginâmio Bonifácio de Lima – Historiador e Mestre em Linguagem e Identidade
Sd PM Antônio Rodrigues de Souza – Letras Português/Espanhol e Especialista em Psicopedagogia
Gestor José Luciano Sousa de Araújo – Sociólogo e Pós-Graduando em Segurança Pública

Auxiliar Técnico:
José Leandro Lima Silva Filho – Pedagogo

Colaboradores:
Irenilza Gomes Cavalcante
Lenilde Oliveira Silva
Regiglenis de Lima Carneiro
Thaylinne Cavalcante de Andrade

Supervisão:
Cel. José Anastácio dos Reis (primeira fase – 2007)
Maj Maria do Perpétuo Socorro F. de Souza (segunda fase – 2008)

Parceria:
Secretaria de Estado de Educação
Secretaria Municipal de Educação
Secretaria de Segurança Pública
1ª Promotoria de Justiça Cível - MPE
Juizado da Infância e da Juventude
Câmara Municipal de Rio Branco
Conselho Tutelar de Rio Branco
Escolas Pesquisadas

Rio Branco – Acre


Novembro de 2008

2
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

“A educação é para a criança o que o cultivo é para o solo.


Como é necessário limpar o terreno das ervas daninhas,
dos espinheiros, das pedras, para dar-lhes condições de
receber a semente e produzir frutos, da mesma forma é
indispensável a educação para corrigir os defeitos, endireitar
as tendências, preparar o espírito para produzir bons frutos e
atos virtuosos. Se no coração virgem dos jovens for semeada
boa semente, com toda certeza a colheita será boa”.
(Autor desconhecido)

3
Polícia Militar do Estado do Acre

PREFÁCIO

O Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência – Proerd – é um


programa de caráter social preventivo que tem como objetivo prevenir o uso e abuso de drogas e a
prática de violência, desenvolvendo em nossas crianças e adolescentes a consciência da necessidade
de desenvolver as suas potencialidades para se tornarem cidadãos conscientes e capazes de
contribuir para que alcancemos, de maneira concreta e plena, o sonho de uma sociedade mais justa e
segura, sem drogas e sem violência.
O Proerd é o cumprimento do papel constitucional da Polícia Militar – que é a preservação
da ordem pública (Art. 144, CF), através do policiamento ostensivo e da prevenção às práticas que
venham a ferir os direitos constitucionais dos cidadãos. Trata-se de um programa que tem por
objetivo cultivar nas crianças, nos adolescentes e nos pais a conscientização dos efeitos e
conseqüências do uso e abuso indevido das drogas e também das práticas de violência, além de
estimular seus alunos a buscarem alternativas positivas que os levem a ficar de bem com a vida.
Através de uma parceria que envolve Polícia, Escola e Família, o programa é desenvolvido
neste tripé, em que os parceiros buscam atuar juntos para alcançar seus objetivos.
Atualmente, o Proerd atua com os currículos de 4ª e 6ª séries, “Curso de Pais” e a disciplina
“Noções de Prevenção às Drogas e Relacionamentos Interpessoais Proerd”, aplicada aos cursos de
formação de praças da Polícia Militar do Acre.
A ênfase desse programa está em auxiliar os alunos a reconhecerem e resistirem às
pressões diretas ou indiretas que possam influenciá-los a se engajarem em atividades violentas ou a
experimentar álcool, cigarro, maconha, inalantes ou outras drogas lícitas ou ilícitas.
O programa tem atingido resultados jamais alcançados por organismos governamentais e
não governamentais brasileiros na prevenção ao uso e ao abuso de drogas.
Com a aplicação desse programa, a Polícia Militar do Acre – PMAC – busca também
contribuir, efetivamente, para a formação de jovens, mais seguros, firmes e decididos em relação

4
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

aos malefícios causados pelas drogas. Esperando que esses jovens formados sejam multiplicadores
de valores, noções de cidadania, técnicas e conhecimentos capazes de conscientizar outros jovens.
Atualmente, o Proerd é desenvolvido em mais de 56 países e cerca de 35 milhões de
crianças, por ano, têm instrução com policiais proerdianos. O Programa foi incorporado às
atividades da PMAC em 1999. Desde então, nossos valorosos proerdianos já formaram mais de
53.600 alunos. Hoje, o Proerd é, certamente, o principal programa preventivo de que temos notícia
em nosso Estado.
Diante dos fatos, a Coordenação do programa Proerd, através de seu quadro de policiais,
percebendo a necessidade de verificação da eficiência e eficácia do programa, que já existe há quase
10 anos no Acre, resolveu indicar o Policial e Mentor Proerd Reginâmio Bonifácio de Lima e o
policial e Instrutor Proerd Antônio Rodrigues de Sousa para efetuar uma pesquisa sobre os a
importância do Proerd para a sociedade acreana, sua eficiência, eficácia e influência na vida dos
adolescentes.
O resultado da mesma foi satisfatório para esta instituição, não havendo interferência direta
ou indireta nos resultados. Percebemos, para nossa altivez, que o programa é eficiente e estamos, a
partir dos resultados da pesquisa, buscando a nossa eficácia. Descobrimos muitos pontos positivos
em nossa atuação e alguns pontos a crescer.
Queremos convidar a todos vocês para continuarem em nossas páginas e serem bem
vindos em nosso programa, contribuindo, assim, efetivamente para que nossas crianças e
adolescentes estejam realmente de bem com a vida.

Tenente Eliana Maia de Andrade Coronel José dos Reis Anastácio


Oficial Adjunto ao Proerd Corregedor da PMAC e Ex-Coordenador do Proerd

5
Polícia Militar do Estado do Acre

SUMÁRIO

APRESENTAÇÃO 08

PRIMEIRA PARTE
Capítulo I
CONHECENDO O PROGRAMA PROERD DA 4ª SÉRIE ............................... 18
BASES TEÓRICO-METODOLÓGICAS E FORMAÇÃO POLICIAL ................................... 18
As lições do Proerd .......................................................................................................................... 20
Objetivo do Proerd da 4ª série ....................................................................................................... 22
CRITÉRIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO CURSO PROERD ................................. 24
Metas e Objetivos ............................................................................................................................ 25

Capítulo II
OS ADOLESCENTES E AS DROGAS ................................................................ 27
ADOLESCÊNCIA E COMPLEXIDADES .................................................................................. 27
A adolescência: uma breve analise bio-sociológica ...................................................................... 27
A Educação e o Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA ................................................... 30
Adolescentes, Pais, Educadores e Prevenção às Drogas .............................................................. 33
Noções preliminares sobre drogas ................................................................................................. 38
As drogas mais comumente utilizadas no Brasil .......................................................................... 42

Capítulo III
LITERATURA ESPECIALIZADA SOBRE DROGAS E ADOLESCÊNCIA . 47
ARTIGOS ........................................................................................................................................ 47

SEGUNDA PARTE
Capítulo IV
PROGRAMAS DE PREVENÇÃO DA PMAC .................................................... 76
POLICIAMENTO ESCOLAR ...................................................................................................... 76
POLÍCIA DA FAMÍLIA ................................................................................................................ 78
PROERD .......................................................................................................................................... 82

Capítulo V
PANORAMAS DO PROERD EM ALGUNS ESTADOS DO BRASIL ............ 83
ESTUDOS SOBRE A EFICIÊNCIA DO PROERD EM ALGUNS ESTADOS ....................... 83

Capítulo VI
O PROERD NO ESTADO DO ACRE .................................................................. 92
FATOS E FEITOS DO PROERD NO ACRE .............................................................................. 92

6
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Teoria do programa e relações de causalidade ............................................................................ 95


Fortalecendo as ações do Proerd ................................................................................................... 96
Proerd e estratégias Preventivas .................................................................................................... 99
O PROERD EM RIO BRANCO ................................................................................................... 102
Quadro operacional do Proerd: Rio Branco em destaque .......................................................... 103
Visão da Polícia Militar do Acre sobre o Proerd e seus Policiais Instrutores ........................... 104
Visão das escolas sobre o Proerd e seus Policiais Instrutores ..................................................... 107
Avaliando o Programa Proerd ....................................................................................................... 111
Processo auto-avaliativo do Proerd 114
DEPOIMENTOS SOBRE PREVENÇÃO ÀS DROGAS
E ATUAÇÃO DO PROERD EM RIO BRANCO ....................................................................... 121
Sessão Câmara nos Bairros ............................................................................................................ 121
CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROERD ................................................................................... 129
Sugestões .......................................................................................................................................... 133

TERCEIRA PARTE
CAPÍTULO VII
ADOLESCENTES E O INFOPOL ....................................................................... 137
ADOLESCENTES E O SISTEMA DE INFORMAÇÕES POLICIAIS – 8ª SÉRIE .............. 138
ADOLESCENTES E O SISTEMA DE INFORMAÇÕES POLICIAIS – ENSINO MÉDIO. 145

CAPÍTULO VIII
ADOLESCENTES E O JUIZADO DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE ........ 160

CAPÍTULO IX
REPENSANDO AS PRÁTICAS DE PREVENÇÃO À VIOLÊNCIA .............. 176
CONSELHO TUTELAR E O ATENDIMENTO A ADOLESCENTES ................................... 176
A INFLUÊNCIA DE FILMES VIOLENTOS
EM COMPORTAMENTOS AGRESSIVOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES ............. 181
PERFIL DA VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS DE RIO BRANCO ............................................... 188
COMPARATIVO ENTRE O II LEVANTAMENTO DOMICILIAR SOBRE
O USO DE DROGAS 2005 E O I LEVANTAMENTO EM RIO BRANCO 2008 ................... 209

CAPÍTULO X
PERFIL DOS ALUNOS DE 4ª SÉRIE, 8ª SÉRIE E ENSINO MÉDIO ............ 216

CAPÍTULO XI
SITES COM INFORMAÇÕES ÚTEIS ................................................................ 218

REFERÊNCIAS 220
Anexos: 225

7
Polícia Militar do Estado do Acre

APRESENTAÇÃO

A Polícia Militar verificou, nos últimos anos, um grande aumento na violência urbana da
Capital acreana, bem como, a prática do consumo de drogas por parte de crianças e adolescentes.
Essa triste realidade se repete em diversos estados do País, causando e acentuando problemas no
âmbito da sociedade.
Alguns estudos apontam que a eliminação do problema das drogas seria uma missão dada
como impossível. Sabemos que é bem certa a possibilidade de nossos jovens e adolescentes terem
algum tipo de contato com drogas. Por isso, faz-se necessário que desenvolvamos meios, formas e
estratégias para como lidar com essa situação extremamente propícia para a entrada dos jovens no
mundo das drogas e da criminalidade.
Dentre algumas estratégias adotadas pela política de combate às drogas, notamos que as
principais medidas sempre estiveram centradas na repressão. Porém, temos constatado que tais
medidas não têm alcançado tanta eficácia e que são bem mais dispendiosas do que as ações
centradas na prevenção.
Portanto, se faz necessário, mais do que nunca, adotarmos a política da prevenção, atacar
as causas ao invés das conseqüências. Para isso, acreditamos que agir na formação do jovem através
da educação, no momento mais propício e de forma eficaz, é uma das possíveis saídas para esse
problema tão grave e que atinge todas as camadas sociais. Equipar os jovens e adolescentes com os
conhecimentos necessários para que compreendam quais os malefícios que o uso de drogas pode
lhes trazer, e, portanto, tenham uma maior consciência acerca do assunto e de suas escolhas, pode
ser um caminho promissor a ser seguido.
A pesquisa foi realizada tendo como pressuposto inicial a atuação dos policiais Proerd nas
salas de 4ª séries do Ensino Fundamental, ensinando sobre prevenção ao uso de drogas1 e a prática

1
Droga é qualquer substância que não seja alimento e que altera o funcionamento do corpo e da mente (Conceito
utilizado pelo Proerd).

8
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

de violência2; a pretensa assimilação desses alunos com relação ao conteúdo e a ideologia do


programa; e a interação escola-polícia-família, no ambiente escolar.
A partir dessas relações presumivelmente estabelecidas, fomos a campo pesquisar como se
configurou o tripé escola-polícia-família na vida das crianças que cursaram o Proerd e atualmente
estão na adolescência.
Procuramos os órgãos parceiros que atuam com crianças e adolescentes: o Ministério
Público Estadual foi consultado através da 1ª Promotoria de Justiça Cível; o Juizado da infância e
da Juventude; a Secretaria de Estado de Educação; a Secretaria Municipal de Educação, Secretaria
de Segurança Pública, Conselho Tutelar de Rio Branco, Câmara Municipal e escolas pesquisadas.
Vários outros parceiros foram consultados, mas sem registro de atividades oficiais que nos
auxiliassem em nosso intento.
A pesquisa, inicialmente, seria desenvolvida em apenas uma etapa, o que aqui chamamos
de primeira fase, visando identificar as relações sociais dos ex-alunos Proerd, bem como o tripé
Polícia/Escola/Família que envolve o programa – sempre com o objetivo de verificar a eficiência e
a eficácia do Proerd. Contudo, verificamos a necessidade de colocar em prática um estudo sobre
como estão atualmente os não alunos Proerd, por isso, num segundo momento iremos investigar as
relações sociais desses discentes.
Existem atualmente dezenas de milhares de alunos nas instituições de ensino em toda a
cidade de Rio Branco, por isso, há a necessidade de a pesquisa ser realizada por amostragem. Ao
mesmo tempo, a amostragem não poderia ser pequena demais para não interferir na relação direta
com o resultado final. Em todas as instâncias estudamos no mínimo 10% dos alunos de cada
instituição, o que pressupostamente garantiria algum grau de tecnicidade à pesquisa.
Na construção do conhecimento, seguimos algumas etapas que podem ser descritas nas
fases que se seguem.
Em primeiro lugar, fizemos uma revisão bibliográfica sobre a temática, com o intuito de
precisar o recorte teórico que orientaria a análise. Ao final dessas leituras, produzimos um texto que
serviu de base para elaboração do primeiro estudo, denominado “Proerd Rio Branco: crianças e
adolescentes de bem com a vida”. Posteriormente, iniciamos uma pesquisa de campo buscando
fontes documentais, autorizações e entrevistas com autoridades, representantes e dirigentes da área
de segurança publica, educação e Juizado da Infância e da Juventude, para posterior sistematização
dos dados enfocando a temática e o seu referido grau de desenvolvimento no Estado do Acre e em
particular na sua Capital Rio Branco.
Com a base teórica construída foi elaborado um questionário contendo perguntas fechadas
de múltipla escolha direcionado a alunos da das 4ª série e 8ª série do Ensino Fundamental, além das
2
Ação Destrutiva direcionada a uma pessoa, animal ou coisa (Conceito Proerd).

9
Polícia Militar do Estado do Acre

1ª, 2ª e 3 ª séries do Ensino Médio na cidade de Rio Branco. Foi colhida uma amostragem de
aproximadamente 5.511 questionários aplicados em sala de aula com as crianças e adolescentes,
além de 224 entrevistas. O critério de seleção seguiu os seguintes parâmetros: a divisão das escolas
escolhidas para participar do levantamento teve como base a divisão por “regional” adotada pelo
sistema de segurança pública estadual; dentro das regionais foram selecionadas no mínimo duas
escolas que geograficamente se localizassem em pontos estratégicos para o atendimento de alunos
do maior numero de bairros possíveis na circunscrição da regional; a aplicação dos questionários foi
feita em todas as 4ª séries e 8ª séries das escolas selecionadas, sem prévio aviso à direção das
escolas, para que não houvesse por eles qualquer influência e direcionamento tendenciosos nas
respostas dos questionários; quanto às escolas de Ensino Médio, sorteamos as salas a serem
pesquisadas, sem interferência da gestão escolar. Foi mantido o anonimato aos alunos, com a
finalidade de evitar constrangimentos posteriores, criando assim um ambiente seguro o suficiente à
coleta de dados mais confiáveis e precisos.
Após a aplicação dos questionários procedemos com a tabulação dos dados obtidos, de
forma a destacar as relações interpessoais dos alunos, verificando as relações estabelecidas por
alunos que estudaram o Proerd e que não estudaram. Além de uma análise excepcional dos alunos
que fizeram o curso PROERD currículo 4ª e 6ª séries.
Ao estudarmos os alunos das escolas de Ensino Médio, fomos em 16 instituições de
Ensino em Rio Branco, e aplicamos questionários a, no mínimo, 10% dos estudantes daquelas
instituições. Em todas as escolas, os questionários, as entrevistas, as análises, as relações sociais, as
idéias e as conjunturas, sempre levaram em consideração prioritariamente os alunos do turno
Vespertino, por acreditarmos que estão na média escolar em relação ao dos turnos matutino e
noturno no que se refere à independência financeira. Eles não são tão independentes quanto os do
turno da noite, nem tão dependentes dos pais quanto os da manhã; suas vivências intra-familiares
são tão complexas quanto as dos outros turnos, todavia, os alunos do vespertino têm mais
“relacionamentos amorosos” de caráter lascivo que os da manhã e menos que os da noite; bem
como sua independência para tomar decisões e assumir riscos pode estar diretamente associada a
sua idade, nem tão jovens e nem tão maduros.
Quanto a verificação de onde estão os ex-alunos Proerd, uma coisa é certa. Não é fácil
encontrar ex-alunos Proerd. Não porque não existam, mas porque muitos dos arquivos do programa
foram perdidos por causa de uma chuva que rompeu o telhado da sala em que estavam, outros não
puderam ser encontrados pelo fato de a Sede da Coordenação do Programa já ter mudado mais de
quatro vezes em menos de dez anos. Por isso, muito do que temos aqui teve que ser “garimpado”
nas diversas instituições parceiras do Proerd, em especial, nas escolas das redes estadual e
municipal de ensino.

10
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Para termos idéia de quem são e onde estão os ex-alunos do Proerd, precisamos ir às
escolas que foram atendidas pelo programa nos anos de 1999, 2000 e 2001. Os alunos atendidos
pelo Proerd nesses anos deveriam estar na Universidade, no terceiro ano do Ensino Médio e no
segundo ano do Ensino Médio, respectivamente3.
Temos consciência de que nem todos os alunos concluíram o Ensino Médio, aliás, pelo
histórico brasileiro, é possível que um quinto dos alunos atendidos pelo Proerd na quarta série não
tenha sequer concluído o Ensino Fundamental. E que, vários tenham deixado o ensino regular para
fazer parte de algum tipo de programa de aceleração do aprendizado.

Relação entre o número previsto de alunos a serem pesquisados/entrevistados e o número Real.


Atendimento Turno Número de Previsão de Questionários Entrevistas
Escolas Questionários Aplicados Realizadas
4ª série nos anos Matutino e 14 200 1.297 24
de 2000 e 2001 Vespertino
4ª série atual Matutino e 15 1.200 1.234 24
vespertino
8ª série Matutino e 17 1.300 1.420 50
vespertino
Ensino Médio vespertino 16 1.600 1.560 120
Total Geral Matutino e 62 4.300 5.511 224
Vespertino

A pesquisa foi feita por amostragem. Buscamos conhecer melhor a clientela atendida para
uma pretensa busca no sistema de informação da Secretaria de Estado de Educação, com fins a
verificar a possibilidade de esses alunos estarem cursando alguma das séries da rede pública de
ensino. Além da rede pública, a rede privada foi representada pela Fundação Bradesco que foi a
única instituição privada a ser atendida pelo Proerd nos três primeiros anos de implantação do
programa.
Dentre as escolas atendidas, selecionamos duas das três que foram atendidas pelo
programa Proerd no ano de 1999, sendo elas: Ilka Maria de Lima e Raimundo Gomes de Oliveira,
totalizando três turmas com 78 alunos.

3
Para essa pesquisa foram considerados apenas os alunos aprovados, haja vista que a possibilidade de análise de
reprovações em quaisquer séries que sejam poderia nos fornecer dados ainda mais complexos e de ampliações de
conjecturas com abrangência de dificuldades que poderiam desviar o foco da pesquisa. Com isso, não estamos dizendo
que esses alunos sejam menos importantes que os outros, antes, estamos afirmando que nesta pesquisa em particular as
conjecturas traçadas, pelo pouco tempo disponível para estudos e reduzido número de pessoal, nos levam a observar as
possibilidades dentro do que seria o padrão nos estudos, embora estejamos conscientes das reais possibilidades de
desvios.

11
Polícia Militar do Estado do Acre

Das escolas atendidas pelo Proerd no ano de 2000, selecionamos nove escolas para
realizar a pesquisa, sendo elas: Ilka Maria de Lima, Raimundo Gomes de Oliveira, Áurea Pires,
Maria Raimunda Balbino, Flaviano Batista, Raimundo Hermínio de Melo, Mozart Donizeti, Luíza
Batista de Souza, Mário de Oliveira. Juntas, totalizaram 23 turmas com 652 alunos.
Das escolas atendidas no ano de 2001, pelo Proerd, selecionamos sete escolas para realizar
a pesquisa, sendo elas: Mário de Oliveira, Salgado Filho, Antônia Fernandes de Freitas, Clínio
Brandão, Frei Thiago Maria Matiolli, Fundação Bradesco, Georgete Eluan Kalume. Juntas,
totalizaram 19 turmas com 567 alunos.
Além das escolas atendidas pelo Proerd, pesquisamos outras que também atuam no ensino
para comparar as relações estabelecidas pelos alunos.
As escolas que atendem clientela de 4ª série e participaram da pesquisa foram: A. M. E.,
Alberto Sanches Mubárac, Antônia Fernandes de Freitas, Áurea Pires, Clarice Fecury, Clínio
Brandão, Colégio Alternativo, Colégio Vitória, Djalma Teles Galdino, Francisco de Paula Leite
Oiticica Filho, Francisco Salgado Filho, Frei Thiago Maria Matiolli, Flaviano Flávio Batista,
Georgete Eluan Kalume, Ilka Maria de Lima, Ione Portela, Irmã Maria Gabriela, João Mariano da
Silva, Luiza Batista de Souza, Maria Raimunda Balbino, Mário de Oliveira, Mozart Donizeti,
Neutel Maia, Raimunda Balbino, Raimundo Hermínio de Melo, Raimundo Gomes de Oliveira,
Ramona Mula de Castro, São Francisco de Assis e Theodolina Falcão Macedo.
As escolas que atendem clientela de 8ª série e participaram da pesquisa foram: Alcimar
Nunes Leitão, Antônia Fernandes de Freitas, Áurea Pires, Berta Vieira de Andrade, Humberto
Soares da Costa, Instituto de Educação Lourenço Filho, João Mariano da Silva, Lourival Sombra
Pereira Lima, Luiza Carneiro Dantas, Maria Chalub Leite, Neutel Maia, Raimundo Gomes de
Oliveira, Raimundo Hermínio de Melo, Reinaldo Pereira da Silva, Tancredo de Almeida Neves,
Theodolina Falcão Macedo e Zuleide Pereira de Souza.
As escolas que atendem clientela de Ensino Médio e participaram da pesquisa foram:
Alcimar Nunes Leitão, Armando Nogueira, Berta Vieira de Andrade, Colégio Estadual Barão do
Rio Branco, Escola José Ribamar Batista, Glória Perez, Heloisa Mourão Marques, Henrique Lima,
Humberto Soares da Costa, Instituto de Educação Lourenço Filho, João Aguiar, José Rodrigues
Leite, Leôncio de Carvalho, Lourival Pinho, Lourival Sombra e Luiza Carneiro Dantas.
Para verificar os relacionamentos sociais dos alunos, precisamos traçar uma estratégia que
englobasse o maior número possível de alunos, ao mesmo tempo em que pudesse servir de
referência para outros estudos e análises, por isso optamos por entrevistar os alunos das 4ª séries,
das 8ª séries e do Ensino Médio das escolas da rede pública de ensino. Sabemos que esse método
exclui os alunos que não estão estudando no momento, contudo, seria inviável tentar encontrar um
por um nas diversas residências dos 50 bairros riobranquenses, por isso, nos dispusemos a estudar

12
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

os alunos que ainda permanecem na escola ou que seus registros constem de sua passagem por ela
em anos anteriores4. É certo que isso vai influenciar diretamente o resultado da pesquisa, tendo em
vista que a clientela não atendida estará sendo momentaneamente deixada de lado, contudo, havia
necessidade de delimitar o “corpus” da pesquisa.
Alguém pode se perguntar o porquê de estarmos atendendo prioritariamente os alunos das
instituições públicas. A resposta é simples, porém, não muito agradável. Dentre as diversas
instituições consultadas, tanto públicas quanto particulares, um policial “a paisana”, devidamente
identificado por sua carteira de militar se apresentava, mostrava cartas de permissão para produção
da pesquisa, e falava da possibilidade de estudar “os relacionamentos sociais dos alunos” da
instituição. Nas escolas públicas bastava conversar com a equipe gestora para logo poder marcar
uma, duas, três ou várias entrevistas com os alunos, e após a pesquisa, “sem interferência direta da
escola”, mostrávamos os resultados parciais. Na maioria das escolas particulares foi um pouco
diferente. Não bastava uma “conversa” com a equipe gestora e apresentação de ofícios, portarias,
recomendações e currículo comprovado dos pesquisadores, queriam ter acesso antecipado a tudo
que seria feito para aprovar ou reprovar previamente itens, o que comprometeria gravemente a
pesquisa e maquiaria os resultados naquelas instituições. Por isso, apenas algumas instituições
particulares participaram da pesquisa.
No presente trabalho, temos como objetivo contribuir para conscientização dos jovens e
adolescentes sobre os malefícios causados pelo consumo de drogas, além de demonstrar
estatisticamente a relação entre o PROERD e os seus ex-alunos, para saber um pouco mais sobre a
influência do programa na vida destes. Sabemos que é na escola que nossas crianças e adolescentes
adquirem uma formação e preparação para o convívio social, sendo que é nos ambientes escolar e
familiar que suas personalidades são formadas. Para tanto, acreditamos ser fundamental uma
atuação junto às instituições escolares como também no âmbito familiar. Nossa ação ocorre,
especialmente, nas escolas e na família, e tal ação requer um conjunto de elementos necessários ao
bom desenvolvimento das atividades no interior das escolas.
Pimenta, Ribeiro e Silva (2005) resumem bem quais as metas do Proerd a longo Prazo:

Para além do papel ostensivo e repressivo da Polícia, o programa está voltado para o papel educativo e
preventivo da mesma Polícia.
As metas principais do Proerd, em longo prazo, são a redução do uso de drogas, da violência e dos atos de
vandalismo. De modo secundário e não explícito, enquanto necessidade peculiar à Polícia Militar do Brasil,

4
Quando citamos alunos do Ensino Médio e pesquisa sobre drogas, nos referimos a pesquisa elaborada com os alunos
em sala de aula nos anos de 2007 e 2008. Quando citamos as relações de alunos do Ensino Médio com o Infopol e com
o Juizado da Infância e da Juventude, nos referimos a alunos com quem não tivemos contato, mas tivemos acesso a suas
fichas escolares, o que não inviabiliza a pesquisa, mas mostra as relações estabelecidas por alunos que estiveram na
Escola nos anos de 2000 e 2001, e que, pretensamente dois terços deles ainda permanece estudando.

13
Polícia Militar do Estado do Acre

objetiva-se reconstruir positivamente a imagem do policial, resgatando assim a imagem da instituição PM.
Logo, o programa visa angariar a confiança e a credibilidade da comunidade em relação à Polícia.
A PM tem entendimento da exploração pela mídia dos atos negativos praticados por alguns de seus policiais,
mas acredita que a criança na faixa etária atingida pelo programa tem, via de regra, um grande fascínio e
respeito pelo cidadão fardado. O policial PROERD, uma vez em sala de aula, apresenta-se como um
orientador, um amigo próximo. Cria-se, portanto, a possibilidade de redução de outros problemas locais
afetos à segurança, uma vez que ao interagir com a comunidade local, o policial pode conhecer melhor seus
problemas e suas possíveis soluções.

Assim, com o apoio das instituições responsáveis, através do estabelecimento de parcerias,


buscamos oferecer à comunidade um trabalho que contribua para a construção de uma convivência
social mais sadia, demonstrando através de dados as relações estabelecidas nas diversas conjunturas
que envolvem o programa Proerd. As ações suscitadas nessa pesquisa visam a uma reflexão acerca
do programa, começando por sua metodologia, percebendo o Proerd enquanto parte da Polícia
Militar do Acre; e verificar as relações sociais estabelecidas pelos alunos das diversas instituições
de ensino.
Na primeira fase desta pesquisa, primamos por verificar o programa Proerd, sua
constituição, metodologia e relação direta com os ex-alunos do programa. Na segunda fase, a
partir das práticas sociais e possibilidades de interpretação dos questionários e da base de dados,
pretendemos verificar a eficiência do Proerd na prevenção às drogas e à violência entre seus ex-
alunos e como isso os difere dos que não estudaram o referido programa. Assim sendo, não
pretendemos fazer as análises de conjunturas partindo das vigências de outras formas muito
influentes como religião, agregação da família nuclear ou classe social, antes, a única divisão
comparativa neste primeiro momento será se foram ou não alunos do programa Proerd.
Vale ressaltar que o objetivo primeiro desta pesquisa não é verificar o Proerd ou suas
práticas, mas as relações estabelecidas pelos adolescentes. A partir deles fluem todas as
perspectivas e postulações evidenciadas com uma margem de possibilidade de apreciação de 97%
de acerto e uma margem de erro de 3% para mais ou para menos.
Preliminarmente podemos apresentar algumas considerações sobre os resultados do estudo
sobre as relações sociais estabelecidas por estudantes das redes pública e particular de Ensino.
Foram pesquisados alunos de escolas públicas e particulares, sendo 1.297 alunos de 4ª série das
turmas de 1999, 2000 e 2001; 1.234 alunos de 4ª séries no ano de 2008; 1.420 alunos de 8ª série; e,
1.560 alunos de Ensino Médio; totalizando 5.511 alunos.
A pesquisa foi realizada em 46 escolas de Ensino Fundamental e em 16 escolas do Ensino
Médio de Rio Branco. Discussões a respeito da variedade do uso de drogas estão presentes no
relatório. Na pesquisa, examinamos as particularidades do uso de drogas e como os diferentes tipos

14
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

de substâncias são vistos, incluindo as drogas legais e ilegais. Investigamos também os fatores
sociais que servem para inibir ou estimular o uso de drogas entre os jovens, embora não tenha se
aprofundado nesse item.

Metodologia

O foco nesta pesquisa é analisar as percepções/representações e as experiências de alunos


sobre as drogas, bem como, a influência desta na prática de atos infracionais.
As representações englobam as experiências e os sentidos que os alunos adolescentes
expressaram sobre si. Portanto, a relação entre a experiência vivida e a construção social significa
a re-interpretação discursiva dos diferentes atores sociais sobre a realidade.
No estudo de fenômenos sociais, não existe uma única abordagem possível e nem uma só
possibilidade técnica, mas sim, técnicas complementares, que possibilitam apreender a
multiplicidade de pontos de vista acerca dos temas do objeto de investigação. Assim, a
combinação de técnicas diferenciadas permite recolher os discursos dos atores e possibilitam um
estudo em profundidade do fenômeno.
Nesta pesquisa foram aplicados questionários fechados aos alunos; foram realizadas
entrevistas coletivas abertas com os alunos, e individuais com os gestores e professores das escolas
pesquisadas.

Desenho Amostral

Utilizamos para a amostra, a base de dados da Secretaria de Estado de Educação (SEE) e


da Secretaria Municipal de Educação (SEME) em correlação direta com as bases de dados da
Polícia Militar do Estado do Acre (PMAC), da Secretaria de Segurança Pública (SEJUSP), do
Conselho Tutelar de Rio Branco e do Juizado da Infância e da Juventude. Os dados da SEE e da
SEME foram disponibilizados mediante levantamento produzido nas escolas das Redes pública e
particular de Ensino, nos vários ciclos de educação envolvidos na amostragem. Partindo de uma
análise das informações obtidas na SEE foi feita uma relação direta com os bancos de dados da
PMAC, através de seu Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência – Proerd, para
saber se os alunos já haviam passado por algum programa de prevenção às drogas e à prática de
violência e se haviam passado por um segundo curso de prevenção nesse sentido. Quanto à
SEJUSP, coube verificar a possível passagem dos adolescentes pesquisados por suas delegacias,
seja como agentes ou como vítimas. Ao Conselho Tutelar, coube verificar as passagens dos alunos

15
Polícia Militar do Estado do Acre

por sua instituição. Ao Juizado da Infância coube diagnosticar sobre as práticas delituosas
articuladas ou sofridas pelos adolescentes.
A amostra é um subconjunto das escolas de ensino regular (fundamental e médio),
públicas (municipais e estaduais) e privadas, existentes na cidade de Rio Branco.
Na primeira etapa, foram selecionadas as escolas em cada estrato. Na segunda, foram
selecionadas as séries/turmas, onde foram investigados todos os alunos. Para garantir que os
resultados tivessem tanto abrangência quanto capacidade de captar especificidades. A amostra foi
dividida proporcionalmente entre os diversos estratos.
Os estratos foram definidos pela combinação nível de ensino x dependência
administrativa (municipal, estadual ou particular). Desta forma, dentro de cada estrato foram
selecionadas aleatoriamente as escolas que pertenceriam à amostra.
Cada escola não foi tomada como um todo, ou seja, foram selecionados níveis de ensino,
abrangendo todas as 4ª séries do Ensino Fundamental, todas as 8ª séries do Ensino Fundamental e
100% das escolas de Ensino Médio, com atendimento de cerca de 11% dos alunos dessas
instituições, para, por fim, dividirmos a estratificação por turmas.
Em cada escola foram estudadas turmas fechadas de alunos, ou seja, todos os alunos que
estudassem naquela sala eram convidados a responder ao questionário aplicado. Nenhum aluno de
qualquer série foi pressionado ou coagido a participar da pesquisa. Todos os alunos participantes
foram verbalmente informados da parceria entre os órgãos supracitados, bem como de nosso
intuito em verificar suas relações e interações sociais. Foi mantido o anonimato e afirmado aos
alunos que: “a direção da escola não terá acesso a seu questionário individual, nem a coordenação
da escola ou seus pais”. A análise que se segue não está baseada em verdade ou similitudes, mas
nas respostas produzidas pelos alunos que foram reiteradamente orientados a responder com a
verdade ou deixar as questões, quaisquer que fossem, em branco. Assim sendo não temos o sonho
utópico de verificar as projeções do social enquanto verdade absoluta, mas enquanto reflexo
possível do verdadeiro proposto.

16
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

PRIMEIRA
PARTE

17
Polícia Militar do Estado do Acre

CAPÍTULO I

CONHECENDO O PROGRAMA PROERD


DA 4ª SÉRIE

BASES TEÓRICO-METODOLÓGICAS E FORMAÇÃO POLICIAL

O problema das drogas nunca foi tão alarmante para nossa sociedade como tem sido nos
dias de hoje. Diante desse problema, surgiu o Programa Educacional de Resistência às Drogas e à
Violência (PROERD), desenvolvido pela Policia Militar, a fim de prevenir5 o uso e abuso de drogas
entre crianças e adolescentes no Ensino Fundamental.
Nesse programa educativo, através de 17 lições aplicadas uma vez por semana por um
Policial Militar devidamente credenciado e fardado, são abordados aspectos tais como o reforço da
auto-estima, pressão dos colegas e da mídia para o uso de drogas, as gangues e resolução de
conflitos sem recorrer à violência. A 17ª lição é uma formatura com a participação dos pais e
professores, onde as crianças recebem um certificado de participação. O curso é desenvolvido com
crianças e adolescentes de 4ª série do Ensino Fundamental.
O Proerd também atua na 6ª série do Ensino Fundamental e com um curso de capacitação
com os pais, chamado de “Curso de Pais”. Em ambos se busca atuar para a melhor convivência
familiar, informando sobre atuações consideradas violentas e como o relacionamento com as drogas
pode ser prejudicial não só ao usuário, mas também a todos que estão a seu redor. O Proerd procura
mostrar possibilidades de uma vida saudável sem a necessidade do uso de drogas ou substâncias

5
Este sub-capítulo foi copiado em sua quase totalidade do livro do Instrutor Proerd e dos sites das várias Polícias
Militares espalhadas pelo Brasil. As informações aqui contidas são de direito do Proerd Brasil e podem ser acessadas
pelo público a qualquer tempo.

18
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

psicotrópicas. De mesma forma, o foco de combate são as drogas e não os usuários delas. Estes são
tidos como pessoas que almejamos informar sobre os malefícios que uma vida de dependência pode
trazer, bem como, as possibilidades de se manter longe das drogas e da possível conseqüente
violência.
O programa possui como material didático o “Livro do Estudante” “Livro dos Pais” e o
“Manual do Instrutor” auxiliando os respectivos cursandos e os Policiais Proerd no
desenvolvimento das lições. O Proerd consiste em uma ação conjunta entre o Policial Militar
devidamente capacitado, chamado Policial Proerd, professores, especialistas, estudantes, pais e
comunidade, no sentido de prevenir e reduzir o uso indevido de drogas e a violência entre
estudantes, bem como ajudar os estudantes a reconhecerem as pressões e a influência diária para
usarem drogas e praticarem a violência, e a resistirem a elas.
O Proerd é mais um fator de proteção desenvolvido pela Polícia Militar para a valorização
da vida, contribuindo, assim, para o fortalecimento da cultura da Paz e a construção de uma
sociedade mais saudável, feliz e principalmente, mais segura.
Os Instrutores são Policiais Militares especialmente treinados para tal atividade, diante de
sua conduta profissional, ética e moral que, além de estimular as habilidades das crianças para
resistirem às pressões ao uso de drogas, estreitam o relacionamento policial-comunidade, dentro da
filosofia da Polícia Comunitária, a qual visa a defesa da vida, a integridade física e a dignidade da
pessoa humana. Todos os policiais do Proerd passam por um curso de qualificação rigoroso com a
orientação/supervisão/instrução de policiais militares na função de Masters6, de policiais militares
na função de Mentores, de pedagogos, psicólogos, membros de conselhos anti-drogas, membros da
secretaria de educação, além de palestrantes convidados.
Os Instrutores Proerd são voluntários, cuidadosamente selecionados e exaustivamente
treinados. Cada Instrutor prepara reuniões com professores e pais para orientar sobre os objetivos e
conteúdo do currículo, incluindo como reconhecer sinais de uso de drogas e como melhorar a
comunicação familiar.
O corpo de Instrutores Proerd é composto por policiais fardados, formados pelos Cursos
Especiais de formação de Instrutores Proerd, D.O.T. (DARE Officer Trainning), ministrados pela
Diretoria de Ensino e Instrução da PMAC – através do Proerd Acre – em parceria com os Centros
de Capacitação das Polícias Militares do Brasil.

6
O Proerd Brasil tem três níveis de acesso: o primeiro é o de Instrutor, que lida diretamente com as crianças, os
adolescentes e os pais, em sala de aula; após o período mínimo de um ano os Instrutores podem participar do curso de
Mentores, que além de participar em sala de aula, atuam na supervisão e orientação dos Instrutores, os Mentores
formam os Instrutores; os Masters são policiais que organizam e auxiliam na formação de cursos de Instrutores e de
Mentores. Todos os policiais Proerd, independentemente de sua titulação, atuam em sala de aula incentivando as
crianças a ficarem longe das drogas e fazerem escolhas que sejam boas para elas e para os seus semelhantes.

19
Polícia Militar do Estado do Acre

Após o período mínimo de um ano de aplicação de lições do currículo Proerd nas escolas,
os Instrutores Proerd possuidores do D.O.T., poderão freqüentar o Curso Especial para Mentores
("Mentor Officer Trainning" - M.O.T.), que habilita esses profissionais a ministrarem aulas nos
Cursos Especiais de formação de Instrutores PROERD (D.O.T.).
A Polícia Militar do Estado de São Paulo7 em acordo firmado com o D.A.R.E.
lnternational, órgão oficial que coordena o programa em nível internacional, recebeu a incumbência
de instalar e operacionalizar o Centro Nacional de Treinamento PROERD do Brasil, dessa forma,
podendo ampliar o programa para todo o território nacional.
Os ensinamentos proporcionados pelo Proerd fortalecem a atitude positiva das crianças em
relação às autoridades e o respeito às leis para um melhor convívio comunitário; desmistificando a
idéia, comumente veiculada pela propaganda, de que para obter sucesso deve-se experimentar
drogas e “vencer” a qualquer custo.
O programa estimula a parceria entre Polícia, comunidade e escolas, sendo a participação
de todos essencial para o bom andamento das atividades desenvolvidas. Estas parcerias são muito
importantes, e somam-se a outros programas de prevenção existentes que objetivam trazer à nossa
gente uma vida útil e saudável.

As lições do Proerd

Os assuntos abordados8 em sala de aula e seus respectivos objetivos nas 17 lições que
compõem o currículo do Proerd na 4ª série do Ensino Fundamental são os seguintes:

• Lição 1 – Introdução ao Programa: conscientizar os estudantes quanto à importância


dos encontros;
• Lição 2 – Compreendendo os efeitos das drogas que alteram o funcionamento do
corpo e da mente: Compreender os efeitos básicos das drogas que alteram a mente e o
corpo assim como os nocivos que podem resultar do mau uso da drogas;
• Lição 3 – Considerando as Conseqüências: Identificar as conseqüências do uso de
drogas e sensibilizar para os benefícios para uma vida sadia;
• Lição 4 – Mudando as idéias sobre o uso de drogas: Identificar as quatro fontes e
tipos pressão dos companheiros e comparar as estimativas da extensão do uso de drogas

7
Informações obtidas no site do Proerd de São Paulo.
8
Retirado do site da PMPE.

20
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

entre os adolescentes com os relatórios de pesquisas nacionais, fazendo-os refletir sobre


uma atitude que pensam ser a correta;
• Lição 05 – Maneiras de dizer não: Sensibilizar os estudantes para recusa de ofertas
indesejáveis;
• Lição 06 – Fortalecendo a auto-estima: Sensibilizar para as qualidades e sentimentos
próprios e de seus companheiros:
• Lição 07 – Ser seguro: um estilo de resposta: Conscientizar para a possibilidade de
não se influenciar pelo ambiente social, principalmente quando o assunto é drogas;
• Lição 08 – Lidando com as tensões sem usar drogas: Sensibilizar para os sentimentos
positivos e negativos do ser humano e maneiras para podermos gerenciá-los;
• Lição 09 – Reduzindo a violência: Identificar formas de lidar com sentimentos
negativos para solucionar uma solução problema.
• Lição 10 – Combatendo a influência dos meios de comunicação na violência e no
uso de drogas: Reconhecer a influência dos meios de comunicação quando mostram o
cigarro, álcool e outras drogas, e ainda, as demonstrações de violência;
• Lição 11 – Tomando decisões e assumindo riscos: Avaliar os riscos em situações
envolvendo o uso de drogas, gangues e uso de armas;
• Lição 12 – Dizendo sim para as alternativas positivas: Identificar e vivenciar
alternativas positivas para que possam desenvolver novas habilidades, fazer novas
amizades e manter-se afastado das drogas e da violência;
• Lição 13 – Modelos positivos: Identificar as maneiras utilizadas por alunos mais
experientes para ficar longe das drogas e participar de uma variedade de atividades
positivas, além de socializar o conhecimento;
• Lição 14 – Resistindo à violência e à pressão das gangues: Identificar as
conseqüências negativas das gangues e da violência dos grupos e propiciar uma reflexão
sobre as formas de evitar o envolvimento;
• Lição 15 – Resumindo as lições Proerd: Avaliar os conhecimentos adquiridos pelos
estudantes do PROERD de maneira lúdica e descontraída;
• Lição 16 – Tomando uma decisão: Os estudantes irão tomar uma decisão positiva
para ficar livres das pressões do uso de drogas e evitarem a violência, colocando seu
compromisso no livro do estudante e lendo-o em voz alta;
• Lição 17 – Formatura Proerd: Oferecer uma celebração que visa socializar com
outros alunos e familiares os conhecimentos adquiridos.

21
Polícia Militar do Estado do Acre

Objetivo do Proerd da 4ª série

O objetivo9 deste documento é estabelecer, em termos amplos, os princípios centrais,


como conteúdo, principais atividades e materiais, do curso Proerd para a 4a série. Ele também tem a
intenção de permitir que o Policial-Instrutor Proerd compreenda:

1. quais idéias, valores e habilidades são mais importantes para os alunos da 4a série
aprenderem;
2. os pressupostos e princípios sobre como eles melhor aprenderão o conteúdo
selecionado;
3. os pressupostos e princípios sobre as práticas que mais provavelmente irão promover
o aprendizado desejado;
4. as razões para usar o “Proerd: Uma Visão de Suas Decisões” como um manual que
contém todo o currículo; e como todo o conteúdo, objetivo e atividades estão “colados”
por este organizador;
5. que este curso tem continuidade no curso para adolescentes, sob o título “Investindo
em Sua Própria Vida”.

O Policial-Instrutor deve ter a compreensão de como essas idéias, habilidades e atividades


de aprendizagem se inter-relacionam ao longo das lições para formar um fluxo contínuo de
aprendizado.

Princípios-chave

1. Programas de prevenção bem sucedidos enfatizam o seguinte conteúdo:

• os riscos sociais, legais e físicos, bem como as conseqüências de curto prazo


decorrentes do uso de cigarro, álcool, maconha, inalantes e outras drogas ilícitas;
• as crenças comuns dos alunos sobre a extensão do uso de substâncias pelo seu grupo
são geralmente distorcidas, porém, podem ser examinadas reflexivamente e mudadas
através da compreensão da real extensão desse uso por seu grupo;

9
Retirado do Manual do Instrutor Proerd da 4ª série.

22
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

• diálogo, afirmação, estratégias de negação e outras práticas de resistência são


centrais para se poder lidar com o desejo e as pressões para fazer uso de drogas;
• estratégias de prevenção ao uso de drogas bem sucedidas necessitam de:

 envolvimento dos pais e líderes comunitários;


 intervenções dos agentes ao longo dos anos;
 atividades que os alunos vejam como realistas e envolventes;
 tempo suficiente para discussões e aprofundamento na sala de aula que ampliem sua
prática cotidiana.

2. Perspectivas e modos de aprendizado dos alunos do Ensino Fundamental:

• Alunos da 4a série querem assumir mais responsabilidades nas tomadas de decisões


pessoais tendo como parâmetro adultos que eles valorizam;
• Eles querem falar e examinar situações realistas e problemáticas;
• Estes estudantes são pré-adolescentes que querem ser tratados com respeito;
• Eles querem relações seguras e o apoio dos adultos;
• Por terem históricos pessoais, sociais e culturais distintos, eles aprendem de modos
diversos. Por isso, as atividades educacionais precisam fornecer pontos de diversidade e
múltiplas oportunidades de aprendizado;
• Alunos de 4a série podem desenvolver habilidades comunicativas, sociais, assertivas
e de resolução de problemas que lhes possibilitem resistir às pressões para fazer uso de
drogas ou se envolver em atividades de intimidação ou brigas.

3. Teorias e pesquisas sobre o desenvolvimento infantil mostram que alunos da 4a série:

• são capazes de compreender as perspectivas dos outros, pois são menos egocêntricos;
• são capazes de integrar diversas variáveis em relações causais;
• são capazes de compreender e usar as regras da lógica;
• são entusiastas, curiosos e têm um desejo de explorar;
• estão começando a aceitar responsabilidades pelo comportamento;
• aprendem a cooperar e gostar de Tomadas de Decisão em grupo;
• gostam de falar e expressar idéias;
• buscam orientação e reforço tanto do seu grupo quanto de adultos importantes.

23
Polícia Militar do Estado do Acre

4. Teorias e pesquisas sobre aprendizado ativo e estratégias de ensino que apóiam tal aprendizado
demonstram que:

• a experiência de vida dos alunos e o contexto cultural no qual estão inseridos formam
seu conhecimento e definem a maneira que vêem seu mundo e o sentido que dele fazem;
• novos conhecimentos científicos e habilidades devem estar articulados com o
contexto cultural dos alunos possibilitando o avanço da aprendizagem;
• experiências práticas, tanto concretas quanto abstratas, estimulam o
desenvolvimento e a aprendizagem de novos conceitos;
• mediações com o seu grupo e com adultos importantes estimulam o conhecimento
de novas idéias e a reflexão sobre elas;
• os alunos especiais devem ter acesso às atividades e aos conteúdos de maneira a
garantir que todos sejam respeitados e incluídos;
• a diversidade social e cultural, econômica e política deve ser respeitada, apoiada e
valorizada.

CRITÉRIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO CURSO PROERD

Com base nas pesquisas e teorias resumidas acima, um conjunto de critérios foi formado
para orientar o desenvolvimento e a organização dos aspectos-chave deste programa educacional.
Enquanto o currículo do curso tem a intenção de ser essencialmente o mesmo para todo o país, as
estratégias e os materiais podem ser adaptados para o contexto cultural e social de cada escola
conforme as necessidades específicas. Isto significa que os Instrutores podem precisar, em certas
ocasiões, selecionar material e atividades alternativas, assim como métodos que acreditem ser mais
apropriados para seus alunos, desde que permaneçam coerentes com os propósitos e critérios
deste projeto.
Uma característica central e peculiar deste plano de curso é o Livro do Estudante “Proerd:
uma Visão de Suas Decisões”. As informações, os conhecimentos científicos e as atividades
contidas em suas lições são todas projetadas para construir coletivamente capacidades de resolução
de problemas sociais e pessoais relacionados com o uso e abuso de substâncias, bem como para
garantir que possam agir em nome de seus melhores interesses diante das situações expostas.
Tentamos possibilitar aos alunos acesso a essas capacidades de maneira atraente, usando situações
problemáticas que pareçam reais aos seus olhos. A intenção é que os alunos analisem essas
24
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

situações, busquem e usem as informações disponíveis, discutam com profundidade, uns com os
outros, as alternativas dessas situações e ações que podem escolher com responsabilidade. Além de
extensas discussões, existem amplas oportunidades de “experimentar” maneiras de lidar com as
pressões de amigos e com os sentimentos internos de querer ser aceito como uma pessoa “maneira”.

Coerente com os objetivos deste programa, os seguintes critérios foram estabelecidos para
possibilitar o desenvolvimento das lições, de maneira a permitir o entendimento delas pelos alunos:

• Informações baseadas em pesquisas: As informações sobre tabaco, álcool, maconha e


inalantes devem ser obtidas através dos resultados das mais recentes pesquisas quando
os grupos ou classes estiverem resolvendo problemas.
• Guiado por problemas: O eixo norteador dos conteúdos e das atividades dos alunos é
uma situação problemática, tipicamente uma na qual a pressão para o uso de drogas
esteja sendo exercida.
• Interativo: Os alunos se envolvem ativamente na solução de problemas, através de
discussões profundas, do pensamento crítico e da encenação de papéis com outros
alunos.
• Estrutura em espiral: Os conhecimentos científicos e as habilidades devem ser
revisados ao longo das 10 lições, de modo que as habilidades sejam introduzidas,
revistas e praticadas em situações problemáticas cada vez mais complexas.
• Aprendizado ativo: As atividades devem refletir o envolvimento constante dos alunos,
através de profundas discussões com toda a classe, mediadas pelo Instrutor, encenação
das habilidades e dos conhecimentos científicos, e da solução de problemas – Tomada
de Decisão – em pequenos grupos de aprendizado cooperativo.
• Professor(a) como parceiro(a): Por haver uma grande quantidade de aulas que
envolvem os alunos em atividades de aprendizado ativo em pequenos grupos, o
envolvimento direto do(a) professor(a) da turma é um aspecto essencial para o efetivo
aproveitamento das lições.

Metas e Objetivos

A meta que engloba todo o Proerd é de reduzir/eliminar o uso de álcool, cigarro e outras
drogas pelos jovens, bem como, o seu comportamento violento. O Proerd de 4a série é o primeiro

25
Polícia Militar do Estado do Acre

do currículo Proerd no Brasil; os cursos restantes são o de 6a série e o de pais. O curso da 6a série é
integralmente relacionado com o curso da 4a série. Os objetivos gerais dos programas de 4a e 6a séries
estão voltados ao desenvolvimento das capacidades necessárias aos alunos para que tomem as
rédeas de suas vidas (autonomia), com ênfase especial à resistência ao uso e abuso de substâncias.

Os objetivos gerais são os seguintes:

1. Os alunos compreenderão os riscos e efeitos físicos e emocionais do uso de álcool,


cigarro, maconha e inalantes sobre seus cérebros e corpos em desenvolvimento, e os
riscos de ordem legal desse uso.
2. Os alunos irão comparar e contrastar as crenças comuns de seu grupo na sala de aula
com os dados recentes sobre o uso de álcool, tabaco e outras drogas (ATOD), e, onde
surgir dissonância, revisar suas compreensões e crenças sobre quantos de seu grupo não
usam álcool, tabaco e outras drogas.
3. Os alunos irão expandir seus conhecimentos sobre a variedade de ações positivas que
podem praticar em suas escolas e comunidades (comportamento pró-social) para que
não se envolvam com o uso de álcool, tabaco e outras drogas.
4. Os alunos irão compreender o que são estratégias de negação, habilidades de
comunicação saudável, afirmação e resistência, e poderão aplicar essas habilidades de
maneira adequada no desenvolvimento das várias situações da vida real.

26
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

CAPÍTULO II

OS ADOLESCENTES E AS DROGAS

ADOLESCÊNCIA E COMPLEXIDADES

A adolescência: uma breve analise bio-sociológica

Para a melhor compreensão dos fatores que levam a juventude ao uso e abuso de drogas e
à pratica de atos violentos, como também, desenvolver programas preventivos mais eficientes, é
necessário compreender inicialmente o termo “adolescência” em todos os seus aspectos (físico e
social). Segundo o dicionário Aurélio, o termo se refere ao período da vida humana que sucede à
infância, começa com a puberdade, e se caracteriza por uma série de mudanças corporais e
psicológicas. Há um consenso entre estudiosos em afirmar que o período da adolescência10 é o mais
tumultuado. Schiezaro (2008) expressa bem esse período em seus artigos ao afirmar que:

a criança adaptada à vida familiar é surpreendida por uma seqüência de modificações em seu corpo,
acompanhadas de instabilidade psicológica. Isso tudo vai provocar um desequilíbrio e uma transformação de
todo o seu ser. Percebe-se deixando a cômoda condição infantil e ingressando no mundo adulto, sem ainda
se sentir preparada para isso.

No período denominado puberdade, iniciado aproximadamente entre 9 e 10 anos nas


meninas e 10 a 11 anos nos meninos, observa-se o desenvolvimento acentuado e desproporcional na

10
Segundo o dicionário etimológico Larousse (Pechon, 1964), o termo adolescência vem do latim adulescens ou
adolescens, particípio passado do verbo adolescere, que significa crescer. Entretanto, nas línguas derivadas do Latim, o
termo apresentou durante um longo tempo um sentido sobretudo depreciativo e satírico, sendo somente por volta de
1850 que a palavra adolescência entrou para os dicionários e adquiriu um sentido mais próximo ao que tem atualmente.
Assim, a adolescência é um conceito construído historicamente na Modernidade, que adquire vários desdobramentos até
o momento atual. (COUTINHO, 2005, p. 17).

27
Polícia Militar do Estado do Acre

forma corporal dos mesmos, além da mudança de voz, crescimento de pêlos pubianos, aparecimento
do ciclo menstrual nas meninas e ereções espontâneas nos meninos. Essas mudanças fazem com
que eles se sintam diferentes, estranhos a si mesmos, desengonçados, e a maneira com que vão
sentir ou aceitar as mudanças em seus corpos dependerá da sua subjetividade. Além disso,
normalmente ficam vulneráveis às questões da aparência e qualquer reação das pessoas próximas
pode ser suficiente para desencadear fortes sentimentos de insegurança.
A modificação do aparente sistema corporal conhecido desde a infância faz com que, às
vezes, tornem-se tímidos ou procurem o isolamento como proteção. Os sentimentos, emoções e
brincadeiras infantis se confundem e se misturam com os desse novo período, que mostra um
mundo mais amplo à sua frente. A inquietação, a rebeldia, a desobediência são elementos de
reafirmação de sua personalidade. O interesse por esportes, rádios, TV, fica latente, como também a
dificuldade de organizar suas coisas. As emoções chegam ao extremo facilmente, passam da euforia
para a melancolia rapidamente. A relação com os pais fica extremamente complicada e frágil:

O amor que o adulto tem pelos pais não é igual ao da criança. O do adolescente, então, está na fase de
transformar o amor infantil que tem por seus pais, em um amor mais consciente e adulto. Por isso a relação
que têm com eles se modifica. Ele oscila entre um apego intenso, acompanhado de beijinhos e abraços, à
rejeição brusca e às vezes até agressiva. Para perder a dependência, ele deprecia os pais. Acontece de se
envergonhar deles, de os achar muito velhos ou mal vestidos, caretas, etc.. É a conhecida fase do “mico”
(Schiezaro, 2008).

Com um “aparente” rompimento com os pais na infância, eles procuram identificar-se com
outros adultos e com outros adolescentes, como: professores, ídolos da música, TV, esportes, entre
outros. Na turma, conseguem o acolhimento necessário que antes era propiciado pela família. Na
turma (ou no grupo) todos têm a mesma idade, as mesmas necessidades, as mesmas dificuldades,
eles vivem num nível de igualdade que gera um aparente estado de segurança.
Atitudes bruscas e gesticulações corporais são comuns entre eles, neste contexto o que de
outra forma classificaríamos como pura agressão à autoridade dos pais e de outros adultos,
simplesmente expressa a necessidade de se comunicar em confronto com a dificuldade de falar. As
regras se apresentam como obstáculos a serem testadas, contudo, sentem a necessidade de encontrá-
las sempre lá firmes, para sentir-se seguros. Eles se preocupam com a justiça, apesar de, ao mesmo
tempo, se divertirem enganando os adultos.
A adolescência, nesses termos, se caracteriza como uma fase do crescimento do indivíduo,
na qual há muitas transformações tanto físicas como psicológicas, possibilita nela o surgimento de
comportamentos irreverentes, desafiantes e o questionamento dos modelos e padrões infantis. Ela é

28
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

um período da vida que merece atenção, pois a transição pode resultar, ou não, em problemas
futuros para o desenvolvimento do indivíduo.
A passagem pela adolescência pode ser compreendida também por fatores externos ao
individuo, isto é, por fatores sociais. Ao longo da história da humanidade, a adolescência se
apresenta como um processo proveniente de transformações socioculturais. Na Idade Média, por
exemplo, o trabalho estava associado à produção artesanal e ao comércio; não havia separação entre
vida e trabalho, entre socialização familiar e profissional. Nesse período, tão logo as crianças
alcançassem autonomia motora, as brincadeiras se misturavam aos afazeres das oficinas, se
procedendo a transmissão dos ofícios para os mais jovens. Nessa época, o período de transição
social é muito precoce, impossibilitando a verificação da passagem da infância para a vida adulta,
tão pouca a sua transição.
Como o advento da modernidade, caracterizado pela aceleração do desenvolvimento
econômico, social, cientifico e financeiro em todo o mundo, aumentou rapidamente a necessidade
de mão-de-obra especializada, principalmente na área técnico - científica, forçando o aumento das
exigências de preparação de pessoas para a entrada no mundo do trabalho. Neste período é mais
evidente a separação entre o fim da infância e o início da vida adulta, embora ainda não haja uma
definição social precisa para a denominação do intervalo entre esses dois momentos.
Segundo estudos antropológicos realizados no inicio do séc. XX, a puberdade é um
fenômeno natural da espécie humana, de significado que varia culturalmente segundo as práticas
observadas em cada povo. Grande parte de grupos sociais distintos registram a passagem da
infância para a vida adulta por meio de cerimônias que interpretam o amadurecimento físico como
sendo a morte “simbólica” da criança e o nascimento de um novo adulto. Nas sociedades ocidentais
modernas, os ritos foram suprimidos e substituídos pela longa fase intermediária entre a infância e a
vida adulta. Diretamente, Coutinho (2005) expressa bem a fase da adolescência nas sociedades
modernas, contudo, indiretamente evidencia a dificuldade que o adolescente tem quando se depara
com a necessidade de encontrar seu lugar na sociedade.

Os adolescentes são obrigados a suportar um tempo de espera, de adiamento da entrada no mundo público,
justamente porque não há um lugar predeterminado a ser ocupado por cada indivíduo na sociedade, tendo em
vista a complexificação do processo de formação profissional, o declínio da ética do trabalho e da produção,
bem como dos ideais ligados ao casamento e à família. Portanto, o que ocorre com a adolescência é
justamente o oposto daquilo que outras culturas ritualizam coletivamente através dos rituais iniciáticos
(Coutinho apud Calligaris, 2000, p. 17).

Podemos definir os fatores sócio-culturais como propensos geradores de insegurança e


incertezas, como também, comportamentos e atitudes conflituosos, e até prejudiciais ao adolescente

29
Polícia Militar do Estado do Acre

– como o abuso de drogas e da violência no intuito de solucionar problemas cotidianos. Tais


acontecimentos, até então impostos às modificações biológicas do individuo, se apresentam agora
como originados de fatores sociais e culturais.
O consenso existente em relação ao início da adolescência não ocorre quanto ao seu
término, devido às marcas que definem este estágio sofrerem profundas modificações em cada
cultura11.

A Educação e o Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA

Pode-se dizer que a origem da educação12 se confunde com as origens do próprio homem,
quando os processos educativos coincidiam com o próprio ato de viver e sobreviver.
As necessidades surgidas na vida das pessoas, suas experiências e reflexões, ocasionaram
o processo do conhecimento, construído individual ou coletivamente ao longo da história da
humanidade. O processo educacional tem a função de transmitir a cultura e o conhecimento
acumulado, como também de despertar potencialidades, reflexão e criticas acerca da realidade e das
possibilidades de sua modificação. A educação acaba influenciando a constituição de vários
aspectos da subjetividade das pessoas, como valores, crenças, orientações religiosas, sexuais,
morais, sentimentos, escolhas e outros.
Apesar de escola e educação fazerem parte de um processo social amplo, em meio a
relações sociais complexas e, na vida particular das pessoas, há uma grande distinção entre a
educação escolar e aquela que ocorre fora da escola. A diferença está no caráter deliberativo e
intencional da ação da escola. Enquanto a escola cumpre um programa formal de ensino, outras
instituições cumprem seu papel educacional de maneira informal ou não formal.
As características estruturais da escola (horários, organização, conteúdos, diferenciação de
papeis, prêmios e castigos, complexidade de atividades) podem levar ao aprendizado de normas e
de atitudes de independência ou dependência, realização ou adequação, universalismo e outras
especificidades próprias da vida em organização. O processo educativo que circula no interior da
escola deve ser entendido não apenas na dimensão do ensino e das aprendizagens de
conhecimentos, mas também a partir das dimensões política, econômica e cultural.

11
Nas sociedades ocidentais contemporâneas, a assunção de um projeto de vida, a realização de escolhas amorosas e a
conquista da autonomia financeira encontram-se entre os indicadores do fim da adolescência. Entretanto, o maior tempo
necessário à realização dessas conquistas tem contribuído para o alongamento da adolescência.
12
A palavra educar origina-se do latim "educatio" que, além de instrução, também significa ação de criar, de alimentar.
Educação e, portanto, um fenômeno bastante complexo, que se relaciona com todo o processo de formação do sujeito.
Nesse processo, há muitas influências: a família, o trabalho, o clube, os grupos sociais e culturais, e diversas outras
instituições.

30
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Na sociedade, existem diversas tensões, oriundas de interesses divergentes: uns lutam pela
estabilidade ou conservação, outros brigam por evolução e mudança. Na escola não é diferente, é
importante conhecer as formas pelas quais essas dimensões se apresentam para saber como
trabalhá-Ias, pois também a educação é, ao mesmo tempo, um processo de manutenção e
transformação da cultura. São necessárias mediações técnicas, culturais e sociopolíticas que, em vez
de negarem, recriem os ideais em bases mais justas, sustentados por escolhas conscientes.
Na escola, há exemplos de muitas relações sociais: relações amistosas, relações
complementares, relações intimas, relações de dominação, relações de conflito, etc. Em meio a
várias características importantes das relações sociais na escola, em especial na professor-aluno,
chamou atenção a existência ou não de uma “relação de confiança”. Essa relação deve ser entendida
como uma qualidade do relacionamento entre as pessoas, que vai sendo trabalhada e construída para
que elas conquistem um objetivo comum.
Existem inúmeras oportunidades, mediante situações pedagógicas diversas, em que o
professor pode desencadear uma relação de confiança: expressando seu interesse pelas iniciativas e
comportamentos do aluno, atendendo-o de forma atenciosa, reconhecendo e validando seu esforço,
sem desqualificar suas dúvidas, mostrando-se disponível para acolher suas inquietações. Inúmeras
outras ações também podem iniciar esse processo, muitas estão presentes nas ações dos professores.
Mas, geralmente, são de modo intuitivo, sem a devida atenção a forma como torná-las ações
preventivas, planejadas com intencionalidade e reflexão.
A Lei Complementar 8.069, de 13 de julho de 1990, o ECA (Estatuto da Criança e do
Adolescente) foi considerado um dos dispositivos legais mais avançados do mundo no tocante ao
atendimento da infância e da juventude. Trata-se de um documento legal que dispõe sobre os
direitos e os deveres de brasileiros com idade entre zero e dezoito anos. Ele acolhe o “principio
da proteção integral”, pois além de assegurar os direitos à vida, à saúde, à alimentação, ao esporte,
ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência
familiar e comunitária as crianças e adolescentes, ele proíbe práticas prejudiciais ao pleno
desenvolvimento desses “seres em formação”.
Ao considerar as crianças e os adolescentes como seres em formação, o novo estatuto
não tem o enfoque de proteger a sociedade dos “menores infratores” e impor o cumprimento de
deveres, como fazia a legislação anterior - Código do Menor -. Ele ressalta a condição peculiar de
“pessoas em desenvolvimento” à criança e ao adolescente, reconhecendo seus direitos de proteção
especial pela família, sociedade e Estado.
Entre os seus objetivos, destaca-se também, o fim do trabalho infantil, a extinção da
violência e a execução de melhores políticas de saúde e educação. Desta forma o estatuto exige
políticas sociais que tenham por pressupostos a garantia dos direitos a cidadania, a

31
Polícia Militar do Estado do Acre

descentralização do atendimento, a instauração de relações entre o Estado e a sociedade por meio


de Conselhos de Direito Tutelar, onde a participação da sociedade deixa de ser apenas voluntária
e filantrópica, para ativa e comunitária.
O estatuto provocou o aumento da conscientização da sociedade sobre o caráter
prioritário que deve ser concedido à causa da infância e da juventude. Ao postular a condição de
cidadania para crianças e adolescentes, carentes ou não, infratores ou não, portadores de
deficiência13 ou não, o estatuto tem funcionado como importante instrumento de pedagogia social.
A tônica da educação foi também levada ao campo da infração infanto-juvenil. Hoje,
diversos programas socioeducativos, em diferentes regiões do Brasil, estão em ação. Em relação às
drogas, o ECA representou, antes de tudo, uma mudança de enfoque: em vez de um problema de
polícia, passou-se a ser uma questão de saúde pública.
Onze anos após implementação do ECA, Cleide de Oliveira Lemos destacou de forma
sintética um quadro comparativo publicado no Jornal O Estado de S. Paulo no ano de 2000, acerca
dos avanços e das dificuldades encontrados no Brasil.

AVANÇOS DIFICULDADES
1. Os indicadores de saúde e educação, apesar 1. Parte considerável dos conselhos tutelares
das dificuldades econômicas, tiveram uma e de direitos ainda não consegue funcionar
constante melhoria. dentro do que dispõe a legislação.
2. Questões antigas, como o trabalho infantil, 2. Velhas instituições, como as “Febens”,
foram objeto de mobilização social e de heranças do modelo correcional-
novas ações, tanto do Estado, quanto da repressivo do Código do Menor e da
sociedade civil. Política Nacional de Bem-Estar do Menor,
ainda persistem no País, sob novas
roupagens.
3. Ao lado da escola, a família começou a 3. As Defensorias Públicas continuam
emergir nas políticas sociais. Programas de desaparelhadas, sem recursos humanos,
saúde familiar, valorização da participação financeiros e de infra-estrutura.
de pais nos colégios e renda mínima são
exemplos que ilustram essa tendência.
4. Nunca se escreveu, publicou, discutiu e 4. Faltam, em muitos conselhos tutelares e de
capacitou tanta gente para atuar no campo direitos, estrutura e capacidade técnica.

13
Os educadores relatam que hoje t a m b é m vigora o princípio da inclusão das crianças e aos adolescentes
portadores de deficiência. Antes do ECA, esses jovens eram pessoas diferentes que deveriam ser preparadas para
conviver com os iguais. A lei veio mostrar que, na sociedade, todos são diferentes e é essa diversidade que enriquece,
sobretudo o processo educacional.

32
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

do atendimento e da defesa dos direitos


infanto-juvenis.
5. As ameaças de retrocesso na legislação, 5. Falta cultura participativa por parte da
embora persistam, não foram capazes de população.
trazer resultados práticos.
6. O ECA influenciou a elaboração de leis 6. Os municípios, principalmente os pequenos,
semelhantes em pelo menos 15 países da ainda têm sérias dificuldades em fazer
região. pensar e executar políticas para a infância e
a juventude.
7. Muitos municípios assumiram programas 7. Por causa de problemas econômicos,
para a população infanto-juvenil, incluindo programas e ações interessantes ficam
ações em favor de grupos mais vulneráveis restritos à realização em pequena escala, em
socialmente. razão da dificuldade de promover sua
expansão.
8. O terceiro setor, ligado ao empresariado, 8. Os programas e ações desenvolvidos nas
aumentou sua presença no campo da áreas de educação e saúde para a população
solidariedade social em favor da população infanto-juvenil ainda não levam em conta de
infanto-juvenil. maneira devida a respectiva do ECA.
9. A mídia, a partir da segunda metade da 9. A cultura de organizações do passado ainda
década se reposicionou perante o ECA, persiste em algumas áreas, fazendo com que
passando à opinião pública uma visão mais modelos assistencialistas sigam existindo no
madura e equilibrada do novo direito. atendimento a crianças e adolescentes.
Fonte: O Estado de S. Paulo, Caderno Cidades, 9 jul. 2000, p. C5.

Adolescentes, Pais, Educadores e Prevenção às Drogas

O termo “droga” teve origem na palavra droog (holândes antigo) que significa folha seca;
isso porque antigamente quase todos os medicamentos eram feitos à base de vegetais. A
Organização Mundial da Saúde define droga como toda substância que, introduzida em um
organismo vivo, pode modificar uma ou mais de suas funções. É entendida também como o nome
genérico de substâncias químicas, naturais ou sintéticas, que dependendo do seu uso podem
amenizar ou curar enfermos como também causar danos físicos e psicológicos a seu consumidor.
Seu uso constante pode levar à mudança de comportamento e à criação de uma dependência, um

33
Polícia Militar do Estado do Acre

desejo compulsivo de uso regular da substância, ao mesmo tempo em que o usuário passa a
apresentar problemas orgânicos decorrentes de sua falta.
À procura de sua identidade e apresentando várias outras fragilidades já citadas
anteriormente, o adolescente torna-se uma presa de fácil manipulação, tanto pela influência dos
companheiros do seu grupo, como pelos meios de comunicação, aos quais sofrem vários estímulos
através de comerciais, programas televisivos, de rádios ou pela ação e opinião de ídolos da música
do esporte e etc. Nestes meios mais comumente a influência é em relação ao uso do álcool e do
tabaco, apresentando-os como sinônimos de status e sucesso.
Os espaços escolares de nossa sociedade são alvos fáceis para os traficantes introduzirem
as drogas. Pesquisas recentes com alunos, pais e integrantes do corpo técnico-pédagógico de
diversas capitais brasileiras apontam a presença nociva destes indivíduos nas imediações dos
recintos. A própria família também influencia o uso de drogas, seja indiretamente, como é o caso do
uso compulsivo de medicamentos, mostrando que existem substâncias que aliviam a dor ou o mal
estar, como também o uso indiscriminado através da automedicação, ensinando inconscientemente
que qualquer um pode administrar seu próprio remédio sem a necessidade de consulta a um
especialista da área da medicina; ou diretamente de forma irresponsável, ao oferecer cigarro,
cerveja ou outro tipo droga aos filhos, como também, fazer uso dessas substâncias na presença dos
mesmos.
Como nesta fase o sentimento de solidão é comum, normalmente o adolescente sai em
busca de algo que preencha o vazio. Este sentimento pode ser originado por vários fatores como
carência afetiva de sua infância, de sua relação com os pais ou de suas próprias vivências.
Sabemos que no grupo é mais fácil de esconder os perigos. O adolescente entra num
território desconhecido, onde naturalmente busca novas experiências em meio aos “seus iguais”. Na
ânsia de ampliar tais experiências, na descoberta de suas forças e possibilidades de atuação, eles
negam a “consideração de risco”, antes desempenhado pelo controle dos pais, presente em toda sua
infância. Considera-se esta postura como mais um sinal da busca pela independência, “o sentir-se
dono de si mesmo”. Ele se expõem a situações de risco da própria vida e de outros, como consumir
bebidas alcoólicas antes de dirigir, fumar cigarro, usar drogas ilegais, pensando que não vai ficar
dependente, fazer sexo indiscriminadamente sem proteção e com vários parceiros, com risco de
contrair doenças sexuais ou gravidez indesejadas, pois ainda existe inconscientemente a idéia
infantil que nada como ele pode acontecer. Fatos como estes podem deixá-lo preso a fatos ou
processos, muitas vezes, autodestrutivos.
Numa sociedade permeada por crises financeiras, estresse, onde o "ter" é mais valorizado
do que o "ser", é fácil encontrarmos uma estrutura familiar totalmente fragilizada, onde os pais,
tentando compensar sua ausência, acabam confundindo liberdade com permissividade.

34
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Mônica Griesi chama atenção à quantidade de tempo que os pais devem dispor aos seus
filhos, deixando claro que não importa a quantidade, mas sim a qualidade desta relação, observando
que os pais procurem equilibrar na medida do possível o tempo dos seus diversos afazeres
cotidianos aos reservados à família. Devido ao atual sistema sociocultural, observa-se que o jovem
adquire sua liberdade precocemente, ficando cada vez mais sozinho grande parte do dia, tendo que
agir sozinho, e muitas vezes, sem limites e parâmetros, tenta atrair a atenção dos pais das mais
diversas maneiras, por se sentir solitário e sem reconhecimento.
Vale ressaltar alguns cuidados que os pais precisam ter em relação a seus filhos neste
frágil mudança na vida que estão passando:

Estar atento a alguns sinais é primordial, antes que seja tarde. Apesar das mudanças de comportamento
serem comuns nesta idade, mudanças radicais de personalidade não o são. É necessário que os pais assumam
sua responsabilidade perante a educação dos filhos, ao invés de apenas delegá-la à escola, à igreja ou outras
instituições sociais. Conferir o ambiente e as amizades sem despertar a desconfiança, valorizar o jovem
conversando sobre diversos assuntos pedindo sua opinião, dar responsabilidades, estipular horários e
ressaltar suas qualidades são atitudes importantes a serem consideradas.

Deve ficar claro que mesmo com esses cuidados, muitos adolescentes ainda procurarão as
drogas como um meio de fuga para seus problemas afetivos, para saciar a curiosidade ou
necessidade de entrar em um grupo. Em todos os casos é necessário reforçar que o maior
prejudicado é sempre ele. Apesar dos fatores constitucionais terem grande influência sobre uma
maior ou menor impulsividade e/ou sensibilidade afetiva, a presença da família é indispensável no
combate e prevenção às drogas.
Normalmente quando pais e educadores descobrem que seus filhos ou alunos estão
envolvidos com drogas, não sabem como agir. Antes de qualquer atitude impensada, é necessário
tomar por base alguns procedimentos, como verificar qual o tipo de droga e qual o nível de
envolvimento que a criança ou adolescente se encontra.
No mundo da prevenção, denominam-se “abstinentes” todos os que nunca usaram drogas.
Muitos educadores, em seus planejamentos, buscam que crianças e adolescentes não usem drogas,
contudo, não deixam claras as situações específicas. Considerarrmos a fase de desenvolvimento
física e emocional dos adolescentes, deve-se esclarecer que algumas drogas quando usadas
moderadamente ou sobre prescrição médica, como o café e medicamentos vem beneficiar a saúde
humana.
Estudos mostram que quanto mais cedo se faz uso de drogas, maiores são as
possibilidades do usuário ter problemas relacionados. Desta forma, retardar a experimentação é um
ganho significativo para evitar um possível consumo abusivo ou até dependência. Mesmo os

35
Polícia Militar do Estado do Acre

adolescentes que afirmam que já experimentaram ou usam recreativamente drogas, precisam


receber orientações para que reflitam sobre suas ações e procurem reduzir os riscos e danos a ele
associados.
Para que um jovem se torne usuário de drogas, deve haver o momento da experimentação,
que pode ou não resultar em consumo sistemático. Se houver posturas inadequadas (apavoradas ou
punitivas) por parte dos pais ou educadores em relação ao adolescente, poderá haver reações de
oposição, rebeldia ou agressividade que dificultam o relacionamento com os adultos e o diálogo
educativo.
Os fatores de risco e de proteção ao uso indevido de drogas estão presentes em todos os
domínios da vida - família, escola, trabalho e na comunidade -, por isso, o dependente de drogas
deve ser visto na sua interação com eles, e o seu tratamento deve buscar a formação de uma rede de
apoio que coloque diferentes profissionais em conexão. Neste contexto, fatores de risco são aquelas
circunstâncias sociais ou características da pessoa que a tomam mais vulnerável a assumir
comportamentos arriscados como usar drogas. E fatores de proteção são os que contrabalançam as
vulnerabilidades, tornando a pessoa com menos chance de assumir esses comportamentos.
Aqueles que têm a intenção de interferir no uso de drogas por adolescentes, seja
prevenindo que o uso se instale, seja diminuindo-o ou eliminando-o, precisam ter uma visão ampla
da situação.
Além dos fatores sociais amplos, as decisões individuais também são influenciadas por
fatores internos e experiências relacionais com a família, com os pares, com a escola e com a
comunidade mais próxima. As condições sociais como desemprego, a discriminação,
empobrecimento, a violência, assim como a disponibilidade de acesso as drogas são fatores
importantes na configuração do abuso de drogas.
Um mesmo fator pode ser de risco para uma pessoa e de proteção para outra.

Um individuo tímido, por exemplo, pode reagir com medo diante do oferecimento de uma droga e decidir
não usá-la, ao passo que outro, com base na sua timidez, receoso de ser rejeitado pelo grupo, pode aderir ao
uso.
Um adolescente que tem alguém na família que bebe exageradamente pode se espelhar nesse modelo e
começar "naturalmente" a beber muito. Já outro pode ver os problemas que a bebida esta causando e decidir
que não e isso que ele quer para si e para sua família.

Ao realizar um trabalho de prevenção, é necessário conhecer a realidade daquele grupo


específico, identificando para o público alvo, o que é fator de risco e o que poderia ser fator de
proteção, a fim de atuar minimizando os primeiros e fortalecendo os segundos.
Na passagem da experimentação para o uso regular e na manutenção do uso de drogas, os

36
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

fatores mais relacionados são os de características internas do adolescente, tais como a insegurança,
a insatisfação e a não-realização em suas atividades. Os jovens precisam sentir que são bons em
alguma atividade, pois esse destaque representará sua identidade e sua função dentro do grupo. O
adolescente que não consegue se destacar nos esportes, estudos, relacionamentos sociais, entre
outras ações, busca nas drogas a sua identificação.
Os sintomas depressivos e as crises de angústia que, em muitos casos, fazem parte da
adolescência normal, são também fatores de risco. O jovem que está triste, desanimado ou mesmo
ansioso e angustiado tende a buscar atividades ou coisas que o ajudem a sentir-se melhor. Os efeitos
das drogas, usadas como tentativa de "automedicação", podem proporcionar, de forma imediata,
uma melhora desses sintomas. Quanto mais impulsivo e menos tolerante a frustração for o
adolescente, maior será o risco de usar drogas.
O uso indevido de drogas entre adolescentes de baixa renda envolve um processo
complexo denominado “dupla exclusão”. A demanda de drogas por esses jovens pode representar
uma busca de solução para as dificuldades vividas em sua condição de excluídos. As diversas
carências agravam as angústias naturais em relação ao futuro, as tarefas sociais e as suas
responsabilidades como membros de uma comunidade. Desse modo, e muito difícil para esses
jovens imaginar a construção de um projeto de vida. Nesse sentido, a droga é uma estratégia de
sobrevivência; além de reduzir as sensações de frio e de fome, provoca estados de sonolência que
permitem ficar indiferente a uma realidade deprimente e lhe dá preenchimento de um tempo que é
interminável em razão da falta de atividades. A droga proporciona, assim, uma falta de consciência
da própria condição de vida.
O conflito entre os pais é um dos fatores de risco mais relevantes, pois expõem as crianças
e os adolescentes a hostilidade, a crítica destrutiva e a raiva. Freqüentemente, esses conflitos estão
relacionados a alterações no comportamento, tais como agressão, sentimento de bem-estar
prejudicado e funcionamento social inadequado. Em especial nos adolescentes, isso pode precipitar
sintomas depressivos, delinqüência e problemas com álcool.
De maneira bastante simples, quanto mais rápido for o inicio dos efeitos de uma droga e
quanto menor a duração do efeito dela, maior o seu potencial para causar dependência. Isso se
explica porque o organismo teria pouco tempo para se reequilibrar, no caso do fim dos efeitos, com
sintomas de abstinência que aparecem de forma intensa e rápida. Assim, com o mal-estar físico
causado pela ausência da droga, a pessoa teria "mais vontade" (ou necessidade) de voltar a usá-la.
Como são muitos e variados os fatores que causam os problemas com o abuso de drogas,
uma ação isolada não é suficiente. São necessárias ações conjuntas, em diferentes níveis, realizadas
e dirigidas para os diversos grupos que compõem a comunidade.
Na infância, as intervenções preventivas abordam a promoção de saúde em uma

37
Polícia Militar do Estado do Acre

perspectiva ampla e podem ser feitas com orientação adequada a pais e professores, usando a
criatividade e diversas atividades para propiciar a aquisição de habilidades e experiências que
tenham efeito protetor.
A prevenção voltada para os adolescentes ocorre principalmente nas escolas por ser esse o
local que, idealmente, todos os jovens deveriam freqüentar. É mais fácil iniciar um trabalho de
prevenção nas escolas, que têm uma estrutura organizada, voltada para passar informações e dar
orientações aos alunos e que mantêm contato com os pais. Entretanto, não é na escola que a
prevenção atingirá os jovens de maior risco. O jovem com problema de conduta, geralmente,
abandonam a escola e não se envolve com regularidade em atividades nas quais também podem ser
alvo de ações preventivas. Nesse caso, ações desenvolvidas na comunidade seriam mais indicadas.
Para mobilizar um grupo dentro da comunidade, muitas vezes, é preciso iniciar algum trabalho em
uma instituição da região, a partir da qual, com o envolvimento dos alunos, pais, professores e
funcionários, é possivel expandir as ações para a comunidade ao seu redor, envolvendo lideres
comunitários, religiosos e grupos de jovens.
Sendo a família a célula formadora da comunidade, não é possível desenvolver ações
preventivas na comunidade sem que ela participe. Cada comunidade, como cada família ou cada
escola, têm sua história, sua localização, seus valores, seus projetos e seus problemas. Conhecer
todas essas dimensões ajuda a fazer planejamentos realistas e a realizar ações mais eficazes.

Noções preliminares sobre drogas

Preliminarmente, podemos apresentar o conceito clássico do Proerd acerca de droga,


afirmando que é “Qualquer substância que não seja alimento e que afeta o funcionamento do nosso
corpo e da nossa mente”. Para a Organização Mundial de Saúde, droga é “Qualquer substância
química ou a mistura delas (a exceção daquelas necessárias para a manutenção da nossa saúde,
como por exemplo, a água e o oxigênio), que altera a função biológica e possivelmente sua
estrutura”.
É certo o fato de as drogas terem sua utilidade médica, contudo, aqui iremos tratar de
maneira pontual as formas não medicamentosas de aplicação e consumo. Muitas crianças e
adolescentes têm um envolvimento inicial com as drogas, fazendo uso e abuso das mesmas por
curiosidade, auto-estima fragilizada, insegurança, pouca resistência às frustrações, falta de
identidade, pressão do grupo, conflitos familiares, falta de carinho e diálogo, dentre tantos outros
motivos.

38
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Desde a antigüidade se faz uso de drogas, livros como a Bíblia, o Código de Hamurábi, a
Ilíada, a Odisséia, já mencionavam alguns dos tipos de substâncias que causam ações psicotrópicas,
entorpecente e/ou de dependência.
Os sumérios, na região onde atualmente estão situados o Irã e Iraque, há mais de 4.000
anos a.C., faziam uso da “planta da alegria”, como chamavam a papoula e o ópio, para terem uma
tradução do contato com os deuses. Também o povo Cita (habitantes da Europa Oriental, aqueciam
pedras para queimar o cânhamo (maconha) e inalar os vapores produzidos dentro de suas tendas. Na
Grécia, as festas a Dionísio, no Nilo, as festas a Baco, ambos deuses do vinho, eram homenagens a
esses deuses que tinham concedido aos humanos essa bebida que era considerada uma dádiva dos
deuses.
A utilização ou ingestão dessas drogas há muito conhecidas pela humanidade, podem ser
feitas de diversas formas, dentre as quais podemos destacar: a forma oral, nasal, inalável, injetável,
colírio e supositório.
De acordo com as leis brasileiras, as drogas são tipificadas como lícitas ou permitidas,
como é o caso da cafeína, tabaco, álcool, dentre outros; e, ilícitas ou não permitidas, como é o caso
da maconha, cocaína, crack, dentre outros.
As drogas têm origens distintas. Muitas são colhidas diretamente da natureza, outras são
semi-sintéticas e outras, sintéticas. Nos três casos citados, as drogas afetam nosso organismo,
causando alterações. Essas alterações podem ser psicotrópicas, produzidas por: estimulantes
(anorexígenos, cocaína), calmantes (ansiolíticos, opiáceos, inalantes), e perturbadores (mescalina,
THC, psicocibina, lírio, “LSD25-êxtase”, anticolinérgicos). Também existem alterações biológicas
ocasionadas pelos danos à saúde física, afetando os aparelhos cardiovascular, respiratório,
digestivo, sexual, além de afetarem diretamente o sistema nervoso central, o que pode causar sérias
lesões ao corpo, podendo até levar à morte. As alterações psicológicas vão desde a diminuição da
atenção, memória e concentração, passando por alterações bruscas de humor, bem como, perda da
noção do tempo e do espaço, produzindo uma progressiva diminuição da auto-estima pela
insegurança e depressão ocasionadas pela ausência ou abstinência. As alterações sociais são
perceptivas não apenas pelo prejudicado desempenho afetivo, profissional e social, mas também
pelo rompimento dos vínculos sociais com as pessoas que não usam drogas e que para o
dependente, são pessoas que não o compreendem, não conhecem a situação que ele está passando e
que, por isso, não podem ajudá-lo (SENAD, 2006).
As alterações produzidas nos usuários podem ser físicas e psíquicas, causando síndrome
da abstinência, tolerância e sinergismo.

39
Polícia Militar do Estado do Acre

Existem milhares de tipos de drogas, o que impossibilita a sua nominação. No Acre, as


drogas mais utilizadas por crianças e adolescentes são: álcool, tabaco, cafeína (dentre as lícitas); e,
maconha, cocaína e cola de sapateiro (dentre as ilícitas).
Quanto aos usuários, podemos dizer que há quatro tipos distintos, sendo eles: os
experimentadores ou usuários ocasionais, os usuários moderados, os usuários habituais, e os
usuários dependentes.
Quanto ao uso das drogas em geral, de acordo com o I Levantamento Domiciliar Sobre o
Uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil (CEBRID, 2001), percebemos dados preocupantes, obtidos
a partir da pesquisa que foi realizada nas 107 cidades do Brasil com mais de 200.000 habitantes:

• Estima-se que 11,2% da população brasileira seja dependente de álcool e que 9,0% seja
dependente de tabaco;
• 19,4% da população fizeram uso na vida de drogas, diferentes de álcool e tabaco;
• A maconha é a droga ilícita mais utilizada, apontando o fato de 6,9% dos entrevistados já
terem utilizado maconha alguma vez na vida e 1,0% se considerar dependente dela;
• O solvente é a segunda droga ilícita mais utilizada, representando um total de 5,8% dos
entrevistados já terem utilizado maconha alguma vez na vida;
• Os benzodiazepínicos (ansiolíticos) tiveram o uso de 3,3%, ao menos uma vez na vida,
chegando o número de dependentes a 1,1% dos entrevistados;

Ao compararmos esses dados obtidos pelo CEBRID, quanto à relação uso/dependência


com as faixas etárias especificadas, enfatizando o chamado período da adolescência, que vai dos 12
aos 17 anos, percebemos uma amostra do problema enfrentado por nossos adolescentes:

• 52,2% dos adolescentes do sexo masculino e 44,7% do sexo feminino já utilizaram álcool
alguma vez na vida, sendo que, o número de dependentes é de 6,9% entre os usuários do
sexo masculino e 3,5% do sexo feminino;
• 15,7% dos adolescentes do sexo masculino e 16,2% do sexo feminino já utilizaram tabaco
alguma vez na vida, sendo que, o número de dependentes é de 2,2% entre os usuários de
ambos os sexos;
• 3,4% dos adolescentes do sexo masculino e 3,6% do sexo feminino já utilizaram maconha
alguma vez na vida, sendo que, o número de dependentes é de 0,9% entre os usuários do
sexo masculino e 0,4% do sexo feminino;

40
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

• 0,4% dos adolescentes do sexo masculino e 2,2% do sexo feminino já utilizaram


benzodiazepínicos alguma vez na vida, sendo que, o número de dependentes é de 0,2%
entre os usuários de ambos os sexos;
• 3,3% dos adolescentes do sexo masculino e 3,7% do sexo feminino já utilizaram
orexígenos alguma vez na vida;
• 3,0% dos adolescentes do sexo masculino e 3,8% do sexo feminino já utilizaram solvente
alguma vez na vida;
• 1,2% dos adolescentes já utilizaram anticolinérgicos alguma vez na vida;
• 1,1% dos adolescentes já utilizaram opiáceos alguma vez na vida;
• 0,5% dos adolescentes já utilizaram cocaína alguma vez na vida;
• 0,3% dos adolescentes já utilizaram crack alguma vez na vida;
• 0,1% dos adolescentes já utilizaram merla, barbitúricos ou heroína alguma vez na vida;
• 6,2% dos adolescentes da Região Norte afirmaram já haver caído em decorrência do uso
de bebidas alcoólicas;
• 3,0% dos adolescentes da Região Norte afirmaram já haver discutido, agredido alguém ou
se machucado em decorrência do uso de bebidas alcoólicas.

Percebemos, ainda que a produção, distribuição e a comercialização das drogas existem


para servir a uma necessidade de mercado: medicamentos, solventes e bebidas. Mas também existe
a produção das drogas chamadas ilícitas. Em termos de saúde pública, existem alguns dados
importantes a serem analisados:

- No BRASIL, em 1996, 7,9% do PIB, ou seja, cerca de 28 bilhões de dólares (Sec.


Saúde/SP, 1996);
- Custo no SUS das patologias relacionadas ao uso de tabaco é de 01 bilhão de reais (Chuitt.
In Bucher, 1992);
- São gastos 100 milhões de reais por ano com internações decorrentes do uso de álcool;
- No Acre, 27% das brigas domésticas se dão por causa de drogas (bebida, maconha);
- Nos casos de violência, 37,36% dos adolescentes infratores estavam drogados no ato da
infração (CDHEP, 2000).

A legislação brasileira também traz identificação, determinação, exposição de parecer e


comentário acerca de substâncias consideradas drogas e psicotrópicos, bem como, sua

41
Polícia Militar do Estado do Acre

comercialização, uso, abuso e a relação das drogas com crianças e adolescentes. Dentre as muitas
leis, podemos destacar as seguintes:

• Constituição Federal
Art. 5 XLIII e LI Art. 144 *1 II entorpecentes e
Art. 227 *3 VII Art. 243 drogas afins
• Código Penal
Art. 28 II (embriaguez)
• Estatuto da Criança e do adolescente
Art. 10
• Lei 6.815/80 (Estatuto do Estrangeiro)
Art. 77
• Decreto 98.961/90 (Expulsão de est. Cond. por Tráfico de Drogas)
• Lei 8.257/91 (Culturas Ilegais de Psicotrópicos)
• Lei 11.343/06 (institui o SISNAD, prescreve medidas para prevenção às drogas,
reinserção social e repressão ao tráfico)

As drogas mais comumente utilizadas no Brasil

Gostaríamos de apresentar aqui algumas das drogas mais utilizadas14. Para tanto, em sendo
grande o número de “nomes fantasia”, resolvemos fazer a apresentação a partir das nomenclaturas
produzidas pelas várias instituições que tratam do assunto, tais quais, CEBRID, SENAD, MS,
CONAD, dentre outros.

Álcool

Nome: cerveja, destilados e vinhos; Origem: grão e frutas; Quantidade média ingerida:
350 ml, 45 ml, 90 ml; Forma ingestão: oral; Efeitos a curto prazo (quantidade média):
relaxamento, quebra das inibições, euforia, depressão, diminuição da consciência; Duração: 2-4
horas; Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): estupor, náusea, inconsciência, ressaca,
morte; Risco de dependência psicológica: alto; Risco de dependência física: moderado;

14
Informações em domínio público obtidas do Site Antridrogas.

42
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Tolerância: sim; Efeitos a longo prazo: obesidade, impotência, psicose, úlceras, subnutrição,
danos cerebrais e hepáticos, morte; Utilização médica: nenhuma.

Alucinógenos

Nome: DMT, escopolamina, LSD, mescalina, noz-moscada, psilocybina, STP; Origem:


sintética, mimendro (planta), cactus, moscadeira, cogumelo; Quantidade média ingerida: variável,
5mg, 150-200mg, 350mg, 400 mg, 25mg; Forma ingestão: oral, inalável, injetável, nasal; Efeitos
a curto prazo (quantidade média): alteração da percepção, especialmente visual, aumento da
energia, alucinações, pânico; Duração: variável; Efeitos a curto prazo (grandes quantidades):
ansiedade, alucinações, exaustão, psicose, tremores, vômito, pânico; Risco de dependência
psicológica: baixo; Risco de dependência física: nenhum; Tolerância: sim; Efeitos a longo
prazo: aumento de ilusões e de pânico, psicose; Utilização médica: o LSD e a psilocybina foram
testados no tratamento do alcoolismo, drogas, doenças mentais e enxaquecas.

Anfetaminas

Nome: benzedrina, dexedrina, methedrina, preludin; Origem: sintética; Quantidade


média ingerida: 2,5-5mg; Forma ingestão: oral, injetável; Efeitos a curto prazo (quantidade
média): aumento da atenção, excitação, euforia, diminuição do apetite; Duração: 1-8 horas;
Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): inquietação, discurso apressado, irritabilidade,
insônia, desarranjos estomacais, convulsões; Risco de dependência psicológica: alto; Risco de
dependência física: nenhum; Tolerância: sim; Efeitos a longo prazo: insônia, excitação,
problemas dermatológicos, subnutrição, ilusões, alucinações, psicose; Utilização médica: na
obesidade, depressão, fadiga excessiva, distúrbios do comportamento infantil.

Antidepressivos

Nome: tofranil, ritalina, tryptanol; Origem: sintética; Quantidade média ingerida: 10-
25mg; Forma ingestão: oral, injetável; Efeitos a curto prazo (quantidade média): alívio da
ansiedade e da depressão, impotência temporária; Duração: 12-14 horas; Efeitos a curto prazo
(grandes quantidades): náusea, hipertensão, perda de peso, insônia; Risco de dependência
psicológica: baixo; Risco de dependência física: nenhum; Tolerância: sim; Efeitos a longo
prazo: estupor, coma, convulsões, insuficiência cardíaca congestiva, danos ao fígado e aos glóbulos

43
Polícia Militar do Estado do Acre

brancos, morte; Utilização médica: na ansiedade ou supersedação, distúrbios do comportamento


infantil.

Barbitúricos

Nome: doriden, hidrato de cloral, fenobarbital, nembutal, saconal; Origem: sintética;


Quantidade média ingerida: 400mg, 500mg, 50-100mg; Forma ingestão: oral; Efeitos a curto
prazo (quantidade média): relaxamento, euforia, diminuição da consciência, tontura, coordenação
prejudicada, sono; Duração: 4-8 horas; Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): discurso
"borrado", mal articulado, estupor, ressaca, morte; Risco de dependência psicológica: alto; Risco
de dependência física: alto; Tolerância: sim; Efeitos a longo prazo: sonolência excessiva,
confusão, irritabilidade, graves enjôos pela privação; Utilização médica: na insônia, tensão e
ataque epilético.

Cafeína

Nome: café, chá, refrigerantes; Origem: grão de café, folhas de chá, castanha;
Quantidade média ingerida: 1-2 xícaras, 300ml; Forma ingestão: oral; Efeitos a curto prazo
(quantidade média): agitação, irritabilidade, insônia, perturbações estomacais; Duração: 2-4
horas; Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): agitação, insônia, enjôo; Risco de
dependência psicológica: alto; Risco de dependência física: alto; Tolerância: não; Efeitos a
longo prazo: agitação, irritabilidade, insônia, perturbações estomacais; Utilização médica: na
supersedação e dor de cabeça.

Cocaína

Nome: cocaína; Origem: folhas de coca; Quantidade média ingerida: variável; Forma
ingestão: nasal, injetável; Efeitos a curto prazo (quantidade média): sensação de auto-confiança,
vigor intenso; Duração: 4 horas; Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): irritabilidade,
depressão, psicose; Risco de dependência psicológica: alto; Risco de dependência física: alto;
Tolerância: não; Efeitos a longo prazo: danos ao septo nasal e vasos sanguíneos, psicose;
Utilização médica: anestésico local.

44
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Inalantes

Nome: aerossóis (éter), colas, nitrato de amido, óxido nitroso; Origem: sintética;
Quantidade média ingerida: variável; Forma ingestão: inalável; Efeitos a curto prazo
(quantidade média): relaxamento, euforia, coordenação prejudicada; Duração: 1-3 horas; Efeitos
a curto prazo (grandes quantidades): estupor, morte; Risco de dependência psicológica: alto;
Risco de dependência física: nenhum; Tolerância: possível; Efeitos a longo prazo: alucinações,
danos ao cérebro, aos ossos, rins e fígado, morte; Utilização médica: dilatação dos vasos
sanguíneos, anestésico leve.

Cannabis Sativa

Nome: haxixe, maconha, thc; Origem: cannabis, sintética; Quantidade média ingerida:
variável; Forma ingestão: inalável, oral, injetável; Efeitos a curto prazo (quantidade média):
relaxamento, quebra das inibições, alteração da percepção, euforia, aumento do apetite; Duração:
2-4 horas; Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): pânico, estupor; Risco de dependência
psicológica: moderado; Risco de dependência física: moderado; Tolerância: não; Efeitos a longo
prazo: fadiga, psicose; Utilização médica: na tensão, depressão, dor de cabeça, falta de apetite.

Narcóticos

Nome: codeína, demerol, metadona, morfina, ópio, percodan; Origem: papoula de ópio,
papoula de ópio sintética; Quantidade média ingerida: 15-50mg, 50-150mg, 05-15mg, 10mg;
Forma ingestão: oral, injetável, nasal; Efeitos a curto prazo (quantidade média): relaxamento,
alívio da dor e da ansiedade, diminuição da consciência, euforia, alucinações; Duração: 4 horas.
Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): estupor, morte; Risco de dependência psicológica:
alto; Risco de dependência física: alto; Tolerância: sim; Efeitos a longo prazo: letargia, prisão de
ventre, perda de peso, esterilidade e impotência temporária, enjôos pela privação; Utilização
médica: na tosse, na diarréia, analgésico, combate à heroína.

Nicotina

Nome: cachimbos, charutos, cigarro, rapé; Origem: folhas de tabaco; Quantidade média
ingerida: variável; Forma ingestão: inalável, oral; Efeitos a curto prazo (quantidade média):

45
Polícia Militar do Estado do Acre

relaxamento, contração dos vasos sanguíneos; Duração: 1/2-4 horas; Efeitos a curto prazo
(grandes quantidades): dor de cabeça, perda de apetite, náusea; Risco de dependência
psicológica: alto; Risco de dependência física: alto; Tolerância: sim; Efeitos a longo prazo:
respiração prejudicada, doença pulmonar e cardiológica, câncer, morte; Utilização médica:
nenhuma (usado em inseticida).

Tranqüilizantes

Nome: dienpax, librium, valium; Origem: sintética; Quantidade média ingerida: 5-30
mg, 5-25 mg, 10-40 mg; Forma ingestão: oral; Efeitos a curto prazo (quantidade média): alívio
da ansiedade e da tensão, supressão das alucinações e da agressão, sono; Duração: 12-24 horas;
Efeitos a curto prazo (grandes quantidades): sonolência, visão perturbada, discurso "borrado",
reação alérgica, estupor; Risco de dependência psicológica: moderado; Risco de dependência
física: moderado; Tolerância: não; Efeitos a longo prazo: destruição de células sanguíneas,
icterícia, coma, morte; Utilização médica: na tensão, ansiedade, psicose, no alcoolismo.

46
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

CAPÍTULO III

LITERATURA ESPECIALIZADA
SOBRE DROGAS E ADOLESCÊNCIA

O adolescente, a família e as drogas

Autor: PENSO, Maria Aparecida; SUDBRACK, Maria Fátima.

Fonte: OBID15

Durante a adolescência, o jovem busca construir sua identidade tendo a “necessidade” de


separar-se da família para pertencer a algum outro meio social. Esse processo de expansão das
relações do adolescente gera mudanças em todos os membros da família, podendo até levar todos a
uma crise, uma vez que o crescimento dos filhos está ligado diretamente a evolução dos pais, que
têm que aprender a lidar com essa nova situação, aprendendo, inclusive, a serem mais flexíveis. A
chegada da adolescência e as dificuldades familiares geradas, podem ser uma das situações
propícias para que o uso de drogas surja como um dos sintomas que irá denunciar essa complexa
situação. Isso porque esse momento implica crescimento e individuação, movimentos essenciais na
busca do jovem pela sua autonomia e independência do grupo familiar.

Em um artigo publicado pela Revista de Psicologia, foram observadas as dificuldades


encontradas durante esse processo pelas famílias de dez adolescentes de 17 e 18 anos, do sexo
masculino, da 3ª série do Ensino Fundamental ao 1º ano do Ensino Médio. Os sintomas que
15
Texto resumido pelo OBID, a partir do original publicado pela Revista de Psicologia, 2004, 15(3), 29-54. Revista
publicada pelo o Instituto de Psicologia.

47
Polícia Militar do Estado do Acre

aparecem, nesta pesquisa, são o uso de drogas e o envolvimento com o crime, analisados como um
sintoma de toda a família e encarado como uma forma de lidar com os conflitos - mais do que um
problema em si mesmo. A função desses sintomas é conduzir uma mensagem que denuncia falhas
do sistema familiar e social, ao mesmo tempo que indica a necessidade de mudança no seu
funcionamento.

Para os pais, a idéia de que estão perdendo o seu filho, quando este demonstra movimentos
de saída do sistema familiar, gera um estado nomeado de "pânico parental". A possibilidade de
crescimento e independência do filho são vistas como uma ameaça à continuidade familiar, como
ruptura e abandono, pois nessas famílias há a percepção de que os vínculos não evoluem. O uso de
drogas acaba por oferecer uma solução ao dilema, pois a independência do filho é uma ameaça mais
destrutiva para a família do que a dependência química.

Ao invés de favorecer um movimento de autonomia, o uso de drogas reforça as


dependências relacionais, levando-nos a concluir que o sujeito é um dependente da sua família. São
também famílias nas quais se observa a presença de segredos e mentiras como um mecanismo de
proteção, acobertamento e negação do comportamento do dependente. Nessas famílias regidas pela
"lei do silêncio", em que os conflitos com relação às regras de convívio não podem ser explicitados
pela via da linguagem, uma saída possível é o ato infracional, sendo uma forma de "agir fora o que
não se pode falar dentro" (Sudbrack, 1992b, p. 33).

Para Segond (1992), o aparecimento da delinqüência na adolescência está vinculado às


dificuldades específicas de comunicação e às características relacionais dentro da família, mais do
que a aspectos individuais de personalidade ou a fatores estruturais como divórcio, situações de
famílias não casadas ou número de filhos.

Esse adolescente desempenha diferentes papéis ao lado da mãe, no decorrer do Ciclo de


Vida Familiar, ocupando espaços vazios da relação conjugal, mantendo-se numa relação de
rivalidade e/ou de afastamento do pai. Para lidar com a angústia vivida e criar possibilidades de
separação e liberação, o jovem busca outros contextos de construção de sua identidade, dentre
esses, o uso de drogas que o leva, quase que simultaneamente, ao envolvimento com atos
infracionais.

Ou seja, os pais, não podendo assumir seu papel e seu lugar de orientação, controle e
tomada de decisões, confiam essa posição ao filho que assume prematuramente uma
responsabilidade emocional considerável. O ambiente social no qual está inserido não lhe oferece
muitas oportunidades diferentes, pois o meio em que vive não o ajuda a produzir os modos de
inclusão dentro de projetos mais integradores na sociedade.

48
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

As autoras concluem que essa dinâmica familiar não é a única que pode estar presente em
famílias de adolescentes que se envolvem em atos infracionais e com drogas. Outras formas de
organização familiar também podem dificultar o processo de construção da identidade de
adolescentes, levando-os ao envolvimento com as drogas e ao crime. Além disso, o fato da pesquisa
centrar-se nas relações familiares, não significa desconsiderar os aspectos sociais, individuais e
políticos que envolvem a relação do homem com as drogas e atos ilícitos.

49
Polícia Militar do Estado do Acre

Drogas na adolescência: Temores e reações dos pais

Autor: SILVA, E.A.; MICHILE, D.; CAMARGO, B.M.V;

BUSCATTI, D.; ALENCAR, M.A.P.; FORMIGONI, M.L.O.S.

Fonte: OBID16

O uso de drogas na adolescência é um tema que preocupa famílias, educadores e


profissionais da saúde. O interesse dos pesquisadores por esse assunto tem aumentado muito nas
ultimas décadas. Os estudos investigam desde a idade em que ocorreu o primeiro uso até as
principais influências ou fatores de risco para o estabelecimento do comportamento de consumo de
substâncias, e os aspectos familiares envolvidos no processo.

A precocidade do início do uso de álcool e outras drogas também tem sido alvo de
preocupação. Vários estudos indicam que crianças e adolescentes estão iniciando cada vez mais
cedo o uso destas substâncias.

Alguns dos fatores fortemente associados ao uso de drogas por adolescentes são: a
facilidade de obtenção e o consumo de drogas pelos amigos. Na adolescência, a necessidade de
fazer parte de um grupo assume grande importância, pois ajuda na afirmação da própria identidade,
aumenta as opções de lazer e reduz a solidão. As atitudes assumidas pelo grupo passam a ser tão ou
mais importantes do que alguns valores familiares, pois dele vem parte do suporte emocional e a
aceitação pelos outros componentes reforça a auto-estima.

Existem inúmeros fatores relacionados ao início do uso de álcool e outras drogas, mas o
aspecto familiar e o relacionamento com amigos têm recebido maior atenção. A presença de
conflitos familiares e a influência dos amigos estão associadas ao aumento do risco para o uso de
drogas.

O presente artigo publicado pela Revista Psicologia: Teoria e Prática investigou quais são
os principais temores de pais de adolescentes e o que eles sentem em relação ao uso de drogas e ao
futuro dos filhos. Avaliou também as reações frente ao problema, de forma que estes resultados
pudessem contribuir para a elaboração de programas preventivos. Para isso foram entrevistados 87

16
Texto resumido pelo OBID, a partir do original publicado pela Revista Psicologia: Teoria e Prática, 2006, vol.8
(Supl. 1): pág. 41-54. Editado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. ISSN 1516-3687.

http://scielo.bvs-psi.org.br/pdf/ptp/v8n1/v8n1a04.pdf

50
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

pais de adolescentes, todos moradores da cidade de São Paulo, com filhos adolescentes estudantes
com idade entre 12 e 19 anos.

Os resultados mostram que a média de idade dos pais foi 42 anos, sendo que, 73% eram do
sexo feminino; 71% estavam casados e 26% separados; 64% moravam em casa própria. Quanto à
religião, 64% eram católicos. Em relação à escolaridade, 73% tinham curso superior; 88% estavam
empregados e 72% tinham renda familiar acima de 8 salários mínimos.

Dos pais entrevistados, 91% afirmaram conversar com os filhos sobre álcool, 78% sobre
cigarro e 61% sobre inalantes. Sobre as drogas ilícitas, 80% dos pais afirmaram conversar sobre
maconha e 68% sobre cocaína. O conteúdo das conversas é meramente informativo ou restringe-se
ao compartilhamento dos temores pelas possíveis conseqüências do uso de drogas. Esse tipo de
comunicação pode não ser uma forma efetiva de prevenção e, ao contrário, pode gerar sobre os
filhos uma certa ansiedade e medo dos pais.

Os pais relataram bastante preocupação com o futuro de seus filhos, no que diz respeito às
drogas. Foram observados dois tipos principais de temor: os relacionados ao mundo externo
(influências de amigos e marginalidade) e os relacionados às conseqüências pessoais do uso
(dependência, overdose, internações).

Diante do uso de drogas lícitas, os pais afirmam que conversariam com os filhos e
encarariam o consumo com maior naturalidade. Já no caso de uso de drogas ilícitas, a maioria
confessou que brigariam verbalmente.

Embora seja senso comum a percepção do temor e da preocupação dos pais em relação à
presença da droga na vida dos filhos, na literatura especializada são escassos os estudos que
abordam esses aspectos. Os trabalhos recentes sobre prevenção ao uso de drogas têm demonstrado a
pouca efetividade dos modelos baseados apenas na divulgação de informações ou no
amedrontamento. É importante que programas de prevenção tenham como meta a promoção do bem
estar e da competência dos adolescentes para lidar com situações de risco, incluir a participação de
pais e educadores no processo.

51
Polícia Militar do Estado do Acre

Drogas entre adolescentes

Autor: PAULILO, Maria Angela Silveira; JEOLÁS, Leila Sollberger


Fonte: OBID17

Fatores de risco ao uso de drogas têm sido muito descritos na literatura, os principais
motivos mencionados são o uso de drogas pelos pais, a falta de integração às atividades escolares,
desestrutura familiar, violência doméstica e a pressão de colegas. Alguns desses fatores são muito
semelhantes àqueles que já fazem parte da própria adolescência como os conflitos psicosociais, a
necessidade de integração social, a busca da auto-estima e de independência familiar.

Essa verificação coloca o adolescente numa posição suscetível ao uso de drogas. Vários
autores compartilham dessa afirmação, quando identificam a faixa etária do início do uso de drogas
dentro da adolescência, ou seja, entre 10 e 19 anos - de acordo com a Organização Mundial de
Saúde - OMS. Entre estudantes brasileiros, o início de consumo ocorre principalmente entre 10 e 12
anos.

O artigo “Razões para o não-uso de drogas ilícitas entre jovens em situação de risco”
publicado pela Revista de Saúde Pública identificou entre adolescentes de baixo poder aquisitivo,
quais os motivos que os impem de experimentar e de fazer uso de drogas psicotrópicas, mesmo
quando submetidos a constante oferta. Responderam ao estudo adolescentes e jovens adultos entre
16 e 24 anos, de ambos os sexos, de classe social baixa, que nunca experimentaram drogas
psicotrópicas e/ou que fizeram apenas uso experimental de cigarro e uso leve de álcool.

Verificou-se que 35% dos estudantes que não fazem uso de drogas largaram os estudos,
contra 70% dos usuários, onde a grande maioria ainda não completou o segundo grau. Os não
usuários desistem do estudo em função de trabalho, tarefas domésticas ou de quaisquer outras
dificuldades inerentes a sua condição financeira. Já os usuários param de estudar, principalmente,
pelo consumo da droga.

A disponibilidade de informações acerca das drogas psicotrópicas foi citada pela maior
parte dos não usuários como motivo relevante no afastamento das drogas e destacam a família, por
meio do estabelecimento de diálogos sobre o tema, como a principal divulgadora. A experiência

17
Texto elaborado pelo OBID, a partir do original publicado pela Revista de Saúde Publica, 2005, n.º 39 (4), pág. 599-
605. Editado pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo – FSP-USP. ISSN 1516-9332.

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102005000400013&lng=pt&nrm=iso

52
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

pessoal do entrevistado, resultante da observação direta dos efeitos negativos em amigos e


familiares usuários de drogas, foi relatada como a segunda fonte mais importante para
conhecimento do tema.

Segundo os não usuários, o afastamento da droga deve-se a fatores como: alerta precoce
dos pais associado à observação direta e clara dos danos físicos e morais resultantes da dependência
na comunidade; impossibilidade da concretização de suas metas de vida; respeito aos pais, em
especial à mãe e medo da morte - decorrente do crime e associado ao tráfico.

O afastamento de jovens das drogas e de suas complicações deve-se aos valores morais e
afetuoso que recebem de seus pais, em especial das mães. Da convivência em um lar harmônico,
esses jovens extraem influências positivas ao não-uso, tomando os pais não-usuários como modelo,
aprendendo com os sofrimentos decorrentes do abuso de drogas por pessoas próximas. Já a
predisposição à droga poderia ser atribuída ao ambiente desarmônico em que vivem, onde a relação
entre pais e filhos é caracterizada pela pouca afetividade. Além de não participarem do
desenvolvimento de seus filhos, acabam prejudicando, despertando o interesse pelo consumo de
drogas lícitas e ilícitas.

Conhecidas as razões do não-uso de drogas entre adolescentes de baixo poder aquisitivo,


por meio da fonte mais relevante, a opinião deles, torna-se de grande valia a elaboração de
programas de prevenção que enfatizem o sucesso por eles alcançado na tentativa de não usar drogas
em comunidade submetida às leis impostas pelo tráfico de drogas.

53
Polícia Militar do Estado do Acre

Adolescência, uso de drogas e comportamento de risco

Autor: ROCHA, S. M.
Fonte: OBID18

A adolescência é um processo de transição que inclui conflitos que freqüentemente


deixam o jovem confuso, com sentimentos opostos, que acabam influenciando seu comportamento.
Assim, alguns comportamentos de risco, como a violência, a formação de grupos e gangues e o uso
de drogas estão relacionados a esses sentimentos.

Vários fatores estão associados ao uso, abuso ou dependência de drogas, alguns deles
parecem exercer uma influência mais importante, dentre os quais a influência do grupo social
(amigos e família), aprovação social, ansiedade, depressão, conflitos e problemas familiares e a
atração por correr riscos.

O presente artigo publicado pela revista Interação em Psicologia relatou alguns achados de
um levantamento sobre o uso de drogas feito com 196 adolescentes que cometeram atos infracionais
e registraram ingresso no Centro Integrado de Atendimento ao Adolescente Infrator, Projeto Justiça
Instantânea.

No estudo constatou-se que há prevalência do uso de drogas entre os adolescentes


infratores, sendo que 61% dos jovens já fez uso de algum tipo de droga. Desses, 57% relataram ter
usado drogas ilícitas. A maconha foi a mais mencionada. Em 30% dos casos, os adolescentes
referiram usar mais de um tipo de droga, sendo que 17% desses disseram ter utilizado também
álcool e tabaco.

Os dados mostram que o uso de drogas, sobretudo as ilícitas, estava associado a atos
infracionais. É importante ressaltar que a maioria dos adolescentes infratores usuários de drogas que
foram pesquisados não freqüentava a escola, 42%. Este é um fator de risco e contribui no processo
de exclusão social dos adolescentes, levando-os a situações de indigência e a outras estratégias
próprias de sobrevivência.

As ocorrências infracionais mais praticadas foram o porte e tráfico de drogas, seguidas dos
delitos contra o patrimônio, geralmente praticados com maior freqüência no turno da tarde e na
18
Texto resumido pelo OBID, a partir do original publicado pela Revista Interação em Psicologia, 2004, vol.8 (2): pág.
191-198. Editado pela Universidade Federal do Paraná Pró-reitoria de pesquisa e pós-graduação. ISSN: 1516-1854.

http://www.mp.rn.gov.br/caops/caopij/doutrina/doutrina_ato_infracional_drogas.pdf

54
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

companhia de outros adolescentes. O estudo também revelou que entre os 120 adolescentes usuários
de drogas apenas 22% havia freqüentado algum programa de tratamento relativo ao consumo de
drogas; outros 22% nunca haviam se submetido e para 56% não constava qualquer informação
registrada. Ainda, 52% deles já contavam com registro de outras práticas infracionais.

É importante que os profissionais de saúde e justiça lembrem que o uso de drogas é


associado a situações prazerosas e, portanto, uma abordagem moralista ou somente repressiva não
resolverá a questão. É necessário programas de tratamento e orientação para o adolescente com a
participação da família, da escola e da comunidade.

55
Polícia Militar do Estado do Acre

O crescente e preocupante consumo excessivo de álcool pelas novas gerações

Autor: CABRAL, L. R.
Fonte: OBID19

Atualmente, o abuso do álcool tem alcançado grandes proporções, e está associado a uma
série de conseqüências adversas, onde o alcoolismo é apenas uma parte, mesmo que seja a de maior
relevância do ponto de vista clínico. O problema do alcoolismo - entendido como a necessidade de
ingestão excessiva de bebidas alcoólicas, e todas as conseqüências decorrentes - transformou-se
num dos fenômenos sociais mais generalizados nas últimas décadas.

Sendo a adolescência, o período de transição da infância para a idade adulta, caracteriza-se


essencialmente pela necessidade de conquistar maior autonomia. Isso pode criar e/ou acentuar
conflitos com os pais, e influenciar o jovem a ter comportamentos menos saudáveis. É o período da
alteração das relações sociais, que passa a ser mais acentuada. Caracteriza-se por uma
multiplicidade de condutas, de tentativas e erros, que determinam a socialização e individualização
do adolescente. As incertezas quanto aos limites de si mesmo e dos seus atos poderão evoluir num
sentido bom ou ruim.

O alcoolismo é duas a três vezes mais freqüente no sexo masculino e em pessoas de pele
branca e atinge todas as classes sociais. Estudos sobre o consumo e atitudes em relação ao álcool
foram, durante muitos anos, efetuados apenas com homens adultos, menosprezando-se o consumo
por jovens. Nas últimas duas décadas este objeto de estudo acabou por se impor, frente ao
reconhecimento de uma preocupante evolução de consumos e de comportamentos de consumo
excessivo de álcool nas novas gerações.

Estudos não combinam com bebida. Um estudante que consome acha que no dia seguinte
estará bem. Está enganado. O cérebro leva mais de uma semana para se recuperar do efeito do
álcool. Isso quer dizer que nos dias seguintes a pessoa vai ter dificuldades de memorizar e
compreender conceitos. O Estatuto da Criança e do Adolescente proíbe a venda de bebidas para
menores de 18 anos, mas são poucos os bares que respeitam a Lei.

Os jovens que bebem em excesso correm riscos que variam desde ferimentos acidentais
até a morte, sendo os que mais sofrem com conseqüências permanentes para o resto da vida, como

19
Texto resumido pelo OBID, a partir do original publicado pela Revista Millenium - Revista do ISPV - n.º 30 -
Fevereiro de 2006. Editado pelo Instituto Politécnico de Viseu.
http://www.ipv.pt/millenium/Millenium30/14.pdf

56
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

por exemplo, danos cerebrais - isto porque o cérebro do adolescente, ainda em processo de
desenvolvimento, sofre destruição de células que ajudam a controlar a aprendizagem e a memória.

Assim, os jovens que consumiram álcool apresentaram problemas em testes de memória, e


em exames feitos com adolescentes que consumiam álcool excessivamente, os jovens apresentaram
danos no hipocampo (zona responsável pela aprendizagem, pela memória e raciocínio), sendo estes
10% menores do que naqueles que não fizeram uso de álcool.

57
Polícia Militar do Estado do Acre

O uso de energéticos e álcool misturados na bebida

Autor: Sionaldo Eduardo Ferreira, Marco Túlio de Mello,

Sabine Pompéia e Maria Lúcia de Souza-Formigoni

Fonte: OBID20

A ingestão combinada de álcool e bebidas energéticas é recente e está se tornando popular


por reduzir a sonolência e aumentar a sensação de prazer, segundo contam os consumidores desses
drinques.

Estudo realizado em São Paulo e publicado pela revista americana Alcoholism: Clinical
and Experimental Research em abril de 2006, teve como objetivo avaliar os efeitos da ingestão
concomitante de uma bebida alcoólica, a vodka (37.5% de álcool), e uma bebida energética, Red
Bull (3.57ml/kg), sugerindo que os efeitos do energético potencializam os efeitos excitatórios e/ ou
reduzem os efeitos depressivos do álcool.

Artigos anteriores demonstraram interações farmacológicas entre o álcool e os


componentes das bebidas energéticas, tais como a cafeína e a taurina (aminoácido), influenciando
no metabolismo alcoólico e nos sintomas de intoxicação pelo mesmo. No experimento foi utilizada
uma amostra de 26 voluntários com idades entre 20 e 29 anos, do sexo masculino, que não
apresentaram alterações nos exames laboratoriais e clínicos e que não possuíam histórico de
doenças psiquiátricas.

Os voluntários foram distribuídos aleatoriamente em dois grupos que receberam 0.6 e 1.0
g/kg de álcool, respectivamente. Completaram três sessões experimentais – ao acaso – em sete dias
e com combinações diferentes das bebidas: álcool sozinho, bebida energética sozinha, ou álcool e
bebida energética. Foram avaliados a concentração de álcool no hálito dos voluntários, as sensações
subjetivas da intoxicação, os efeitos na coordenação motora objetiva e o tempo de reação visual.
Antes das sessões, que ocorriam no começo da tarde, os voluntários faziam uma refeição de 1.000
calorias e no final faziam um lanche e voltavam para casa de táxi.

A pesquisa concluiu que a ingestão de álcool combinada com o energético reduziu


significativamente as sensações subjetivas da intoxicação alcoólica – dor de cabeça, fraqueza, boca

20
Texto elaborado pelo OBID a partir do original publicado pela revista Alcoholism: Clinical and Experimental
Research, abr. 2006, vol. 30, n.º 4, p. 598 – 605. ISSN 0145-6008.

58
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

seca e comprometimento da coordenação motora – quando comparada com a ingestão de álcool


sozinho. Entretanto, a ingestão da bebida energética não reduziu significativamente os déficits
causados pelo álcool sobre a coordenação motora objetiva e sobre o tempo de reação visual.
Também não alterou a concentração do álcool no hálito dos voluntários nos dois grupos.

59
Polícia Militar do Estado do Acre

Fumantes adquirem o hábito de fumar na adolescência

Autor: SILVA, M. A.M.; RIVERA, I. R.; CARVALHO A.C.C.;

GUERRA JÚNIOR, A. de H.; MOREIRA, T. C. A.


Fonte: OBID21

O tabagismo é considerado o mais importante problema de saúde pública e a principal


causa evitável de morte em nossos dias. Ações de prevenção e controle encontram-se entre as
prioridades da Organização Mundial da Saúde - OMS e do Ministério da Saúde do Brasil. A maior
parte dos fumantes adquire o hábito de fumar e a dependência da nicotina na adolescência. Em
inúmeros estudos com jovens o tabagismo aumenta com a idade.

Algumas variáveis têm sido mencionadas como possíveis causas do início precoce do
tabagismo: o hábito de fumar dos pais, irmãos, professores ou colegas mais próximos, ser do sexo
masculino, defasagem nos estudos, pais separados e trabalhar.

O presente artigo publicado pelo Jornal de Pediatria identificou a prevalência do hábito de


fumar e as variáveis associadas a esse hábito em crianças e adolescentes de 7 a 17 anos, estudantes
da rede de ensino pública e privada de Maceió em Alagoas. A finalidade foi identificar a
prevalência de fatores de risco cardiovascular, como sobrepeso, obesidade e sedentarismo.

Dos 1.253 estudantes entrevistados, apenas 30 admitiram manter o hábito de fumar


cigarros, determinando uma prevalência de tabagismo de 2,4% em indivíduos da faixa etária de 7 a
17 anos na cidade de Maceió. A análise dos dados demonstrou que existe uma associação entre o
hábito de fumar e a faixa etária de adolescentes, como estudar no período noturno e ter histórico de
repetência.

No Brasil, o tabagismo está diretamente relacionado a 30% dos infartos do miocárdio,


25% dos acidentes vasculares cerebrais, 85% das mortes por doença pulmonar e 90% das mortes
por câncer de pulmão. Em crianças e adolescentes, os danos imediatos do tabaco estão relacionados
ao aumento do número de crises de asma, bronquite e rinite alérgica e sinusite. Além disso, como
90% dos fumantes iniciam o hábito antes dos 19 anos, o tabagismo é considerado uma doença
pediátrica, que necessita de diagnóstico, tratamento e prevenção.

21
Texto resumido pelo OBID, a partir do original publicado pelo Jornal de Pediatria, 2006, vol.82 (nº 5). Editado pelo
Instituto Materno Infantil de Pernambuco. ISSN 0021-7557.
http://www.scielo.br/pdf/jped/v82n5/v82n5a10.pdf

60
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

O presente trabalho permitiu estabelecer que a prevalência do tabagismo em crianças e


adolescentes na idade escolar de Maceió é de 2,4% e que a mesma aumenta com a idade, com o
turno noturno e o histórico de repetência, bem como com a experimentação prévia de cigarros. Os
baixos resultados encontrados nesse estudo podem ser explicados por terem participado crianças de
7 a 9 anos, um grupo ausente na maioria das pesquisas anteriores.

Sabendo-se que 90% dos fumantes adultos se tornaram dependentes da nicotina até os 19
anos e que 50% dos experimentadores jovens se tornarão fumantes na idade adulta, qualquer
experimentação é indesejável. Em conjunto, tais dados demonstram que, apesar da implementação
no Brasil de inúmeras ações educativas, legislativas e econômicas, no plano nacional e pelas
Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde e de Educação, os jovens ainda se encontram muito
vulneráveis à experimentação de cigarros e aos agravos decorrentes do hábito de fumar.

61
Polícia Militar do Estado do Acre

VIGESCOLA - Vigilância de Tabagismo em Escolares

Fonte: INCA

Introdução

Vários estudos têm mostrado que a adolescência é a fase da vida de maior risco para o
início do consumo de cigarros. A iniciação do tabagismo nos jovens é imensamente influenciada
pela promoção e publicidade da indústria do tabaco. Outros fatores de influência são a pressão do
grupo de colegas e a atitude que os modelos de comportamento incentivam. Além disso, a iniciação
diminui significantemente após os 18 anos, levando à conclusão de que se os adolescentes se
mantiverem longe do tabaco durante esse período a maioria não se tornará fumante. Isto traz vários
desafios e oportunidades para intervenções ao controle do tabaco.

O Sistema de Vigilância de Tabagismo em Escolares (VIGESCOLA) utiliza como uma de


suas estratégias um levantamento de base escolar, com estudantes de 13 - 15 anos, que coleta e
dissemina informações sobre a prevalência e o consumo de tabaco, mídia e exibição de propaganda,
níveis de exposição do fumante passivo, acesso e disponibilidade de produtos de tabaco e abandono
do hábito de fumar.

O VIGESCOLA foi desenvolvido no final de 1998 e iniciado em 1999 para auxiliar países
no planejamento, desenvolvimento, implementação e avaliação de amplos programas de controle de
tabaco para proteger os jovens, e funciona com parceiros globais, regionais e nacionais. Os
resultados obtidos nos inquéritos têm o propósito de auxiliar os gestores no planejamento e avaliação
de ações coordenadas para o controle do tabagismo no país.

Metodologia

A metodologia utilizada no VIGESCOLA envolve a realização de inquéritos de base


populacional com escolares matriculados na 7ª e 8ª séries do Ensino Fundamental e 1ª série do
Ensino Médio, no ano de 2002 e 2003, em capitais brasileiras, que deverão ser repetidos a cada três
anos, para fins de vigilância epidemiológica.

O instrumento utilizado foi um questionário padronizado, autopreenchível e anônimo, com


70 questões referentes ao uso do tabaco, bem como variáveis sócio-demográficas como sexo, idade e
série escolar.

62
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Em cada capital onde o estudo foi realizado, vinte e cinco escolas, públicas e privadas,
foram selecionadas de forma aleatória. Em cada uma dessas escolas foram selecionadas entre uma e
cinco turmas, dependendo do tamanho da população escolar. A todos os estudantes dessas turmas
que compareceram no dia da pesquisa foram aplicados os questionários.

Resultados

Na grande maioria das capitais, a participação das escolas selecionadas ficou acima de
90%. Em relação à participação dos estudantes, houve uma menor proporção em Fortaleza (70,8%).

Quanto à distribuição da amostra por série, para as capitais de Boa Vista, Fortaleza, João
Pessoa, Natal e São Luis houve predomínio dos estudantes de Ensino Médio. Já para as capitais de
Aracaju, Palmas, Porto Alegre e Vitória foi maior a proporção de escolares da 7ª série do Ensino
Fundamental.

Quanto à distribuição de estudantes por idade, em Aracaju, Fortaleza, João Pessoa, Natal e
Palmas observaram-se maiores proporções de escolares com idade igual ou superior a 17 anos. O
fato pode ser atribuído à inclusão de turmas do período noturno na pesquisa, o que aconteceu nessas
cinco capitais.

Prevalência de Tabagismo

A percentagem de estudantes que experimentaram cigarros variou no sexo masculino, de


58% em Fortaleza a 36% em Vitória. No sexo feminino, a maior percentagem foi observada em
Porto Alegre (55%) e a menor em Curitiba (31%). A prevalência de experimentação de cigarros foi
maior no sexo masculino do que no feminino em quase todas as capitais. Nas capitais de Curitiba e
Porto Alegre, porém, houve uma inversão desta relação e as meninas experimentaram cigarros em
proporções mais elevadas.

Foram considerados como fumantes atuais de cigarros aqueles que fumaram em um ou


mais dias nos últimos trinta dias. As diferenças nas prevalências de tabagismo atual apresentaram
padrão semelhante ao de experimentação. Fortaleza apresentou a prevalência mais alta para o sexo
masculino (27%) e Porto Alegre (24%) para o sexo feminino. Consistentemente com os achados
para prevalência de experimentação, os meninos apresentaram prevalências mais elevadas do que as
meninas, exceto em Porto Alegre e Curitiba, onde que a situação se inverteu.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), para a população adulta, são fumantes
regulares aquelas pessoas que fumaram 100 ou mais cigarros na vida e que fumam atualmente.

63
Polícia Militar do Estado do Acre

Observou-se que entre escolares fumantes atuais, as capitais com maior proporção de fumantes
regulares foram Porto Alegre (35,3%), Goiânia (31,2%), Campo Grande (26,7%) e Palmas (26,5%).

Curitiba (79%) e João Pessoa (45,2%) apresentaram, respectivamente, a maior e a menor


percentagem de experimentação até os 13 anos de idade. Dentro desse grupo, vale ressaltar que em
Vitória, 39,1% experimentou até os 11 anos.

Acesso e disponibilidade - fumantes atuais

As proporções de escolares, com idade entre 12 e 16 anos, que não foram impedidos de
comprar cigarros em lojas foram muito mais elevadas, ultrapassando 70% dos casos em todas as
capitais, com exceção de Vitória que, mesmo assim, apresentou uma percentagem alta (60,2%).

Mídia e propaganda

A percentagem de escolares que viram anúncios pró-tabaco nos últimos 30 dias foi
acentuadamente elevada, variando de 70,5% em Palmas a 87,3% em Porto Alegre.

A distribuição gratuita de cigarros alcançou 13,9% dos jovens em Fortaleza, seguida de


12,9% em Boa Vista. Mesmo em Natal, capital com menor proporção, cerca de 7% dos jovens teve
acesso gratuito ao produto.

O uso de produtos com logomarca das indústrias de tabaco, segundo relato dos estudantes
foi baixo, variando de 4,4% a 11,9% em Fortaleza e Boa Vista, respectivamente.

Exposição ao tabagismo ambiental

Em todas as capitais, a percentagem de escolares fumantes que têm pelo menos um dos
pais fumantes excedeu a percentagem de escolares não fumantes na mesma condição, com destaque
para a capital de Porto Alegre (66,4 x 44,7).

Discussão

Foi observado que o fator preponderante para que o jovem se tornasse fumante foi a
experimentação, tanto do ponto de vista de sua magnitude quanto da precocidade. Nesta faixa etária
os indivíduos são o principal alvo de intervenções que visam interromper um processo de
experimentação de cigarros para a instalação do tabagismo regular. Nesta linha de ação, a escola
representa um espaço privilegiado para a prevenção.

64
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Outro dado discutido foi a alta proporção encontrada de fumantes de 100 cigarros ou mais
na vida entre os fumantes atuais. Este é o grupo de jovens que passou da fase de experimentação e já
fuma regularmente. Os jovens fumantes regulares, como possíveis dependentes, devem ser objetos
de medidas direcionadas à cessação.

A idade de experimentação foi muito precoce em quase todas as capitais. Tem-se apontado
que a experimentação ao tabagismo está associada à busca de identidade e de espaço no mundo
adulto, o que ocorre entre jovens na pré-puberdade. Ciente disso, a indústria promove propagandas e
outras estratégias de marketing que associam o fumar ao rito de passagem para o mundo adulto e o
cigarro como um ícone de amadurecimento e ideal de auto-imagem, incentivando a experimentação.
No sentido ainda de estimular a iniciação precoce, a indústria associa estratégias de massa voltadas a
facilitar o acesso através da manutenção de baixos preços dos cigarros, promovendo a venda de
maços com menos cigarros (kid packs), a venda de cigarros em auto-serviços ou em máquinas
automáticas.

Ainda quanto à questão do acesso ao produto no Brasil, além das estratégias da indústria,
coexistem outros fatores de grande impacto na facilitação ao acesso e à iniciação. Este cenário
aponta para a necessidade de implementação de um leque de medidas que visem reverter estas
tendências, tais como: ampliação da restrição à propaganda de cigarros, aumento dos preços dos
produtos do tabaco, proibição da venda em auto-serviços e máquinas automáticas, controle de venda
a menores, e controle do mercado ilegal.

Entre os fatores investigados na pesquisa foi ressaltado ainda o tabagismo entre os pais. O
relato de tabagismo entre os pais foi maior entre jovens fumantes do que entre os não fumantes. Este
achado, observado em outros estudos, mostra a importância dos pais, seja por expor as crianças e
jovens à poluição tabagística ambiental, seja pela maior influência na iniciação ao tabagismo no
grupo de estudo.

Apesar do ainda grave quadro do tabagismo no Brasil, alguns dados vêm mostrando uma
melhora em alguns aspectos. Dados da Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição realizada em 1989
(PNSN) comparados ao Inquérito Domiciliar Sobre Comportamentos de Risco e Morbidade Referida
de Doenças e Agravos Não Transmissíveis, realizado em 2002 e 2003 pelo Instituto Nacional de
Câncer (dados não publicados), mostraram que em 16 capitais do Brasil, a prevalência de tabagismo
diminuiu. Esta queda é entre outros aspectos, resultado de várias medidas que vêm sendo adotadas
para reduzir a iniciação e promover a cessação de uso de cigarros. Entre as medidas para reduzir a
iniciação incluem-se as leis de amplo espectro comparadas a outros países, de proibição das
propagandas de tabaco na maior parte dos veículos de mídia, a promoção da propaganda contra o

65
Polícia Militar do Estado do Acre

tabaco, entre as quais se destacam as advertências e fotos dos maços de cigarros. Estas últimas
atingem os jovens, indiretamente, e desestimulam a iniciação.

Outras medidas vêm sendo desenvolvidas, como o Programa Saber Saúde de promoção à
saúde nas escolas, realizado pelas Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde em parceria com as
Secretarias Estaduais e Municipais de Educação com orientação do INCA; as inserções de
procedimentos específicos para tratamento do fumante na rede SUS, e a articulação com a Secretaria
da Fazenda para aumento do preço dos cigarros, medida de especial impacto no grupo de jovens e de
pessoas de menor poder aquisitivo.

No entanto, é necessário que se estimule a adoção de outras medidas no país que


complementem o escopo de ações de controle, com destaque para a proibição ainda mais ampla da
publicidade pró-tabagismo.

66
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Uso de cocaína e crack na infância e adolescência

Autor: SILVA, V. A.; SANTOS, M. C.; BESSA, M.


Fonte: OBID22

Infância e adolescência são períodos da vida caracterizados pela maior vulnerabilidade.


Dessa forma, um ambiente aversivo pode influenciar de forma negativa o desenvolvimento
psicológico e social. Fatores biológicos, como as mudanças em seu corpo, aliados à necessidade de
inserção social, formação da personalidade, preparação para a vida adulta e o aprendizado da
convivência social que ocorrem criticamente neste período, aumentam essa vulnerabilidade.

Das várias substâncias que podem ser experimentadas durante este período da vida, a
cocaína é uma das que gera maiores preocupações dada a rapidez com que pode causar
dependência. A cocaína, estimula o sistema nervoso central, produz euforia e provoca, aumentando
a energia, a excitação sexual, levando a comportamentos sexuais de risco. Causa também
desequilíbrio emocional. Acabando o estoque de cocaína, o paciente fica deprimido e irritável.

Outro fenômeno que chama atenção é o “craving” que é difícil de definir, mas é uma
força que deixa o usuário com muita vontade de usar a droga. Este fenômeno integra o próprio
conceito de dependência. Das pesquisas sobre o assunto, sabe-se que o estresse contribui para o
aparecimento do craving. Tais fenômenos influem sobre a criança e o adolescente por desviar o
aprendizado de comportamentos necessários para o crescimento, direcionando-o para o consumo da
droga.

Estudo realizado com jovens de classe média americana assistidos em clínicas


ambulatoriais documentou a evolução do consumo: de 464 adolescentes que faziam uso abusivo de
drogas, 28% fumaram crack. Destes, 67% fizeram uso experimental, 18% fumaram mais de 50
vezes (usuários intensos). Destes últimos, 60% progrediram da iniciação para o uso semanal em
menos de 3 meses.

No adolescente, a história de uso de droga é mais curta do que no adulto, pois a procura
por serviços de saúde é mais relacionada com traumas ou overdoses, mais freqüente neste grupo por
serem mais inexperientes. O tratamento do adolescente deve englobar a situação familiar, escolar,
saúde geral, comportamento sexual de risco, envolvimento em comportamento delinqüente, saúde
22
Texto resumido pelo OBID, a partir do original apresentado pela Associação Brasileira de Psiquiatria, no Simpósio
do Departamento de Dependência Química apresentado no XXIV Congresso Brasileiro de Psiquiatria, em outubro de
2006. Editado pelo Departamento da Associação Brasileira de Psiquiatria.
http://www.abpbrasil.org.br/departamentos/coordenadores/coordenador/noticias/?not=145&dep=62

67
Polícia Militar do Estado do Acre

psiquiátrica e ocupação. Uma avaliação compreensiva no início do tratamento deverá abranger


todos estes aspectos, além de focar o histórico do envolvimento com a droga e o quanto o paciente
está inconscientemente envolvido pela droga.

Em uma área onde o tratamento do adulto ainda não atingiu, nas pesquisas realizadas, um
nível de consenso, torna-se difícil traçar diretrizes para o tratamento do adolescente. De qualquer
forma, não há discordância quanto ao fato de que a exposição à cocaína na forma de crack durante a
adolescência pode levar a padrões de uso intenso em curto período de tempo, que este uso
interrompe uma etapa importantíssima do desenvolvimento humano e que o tratamento deve ser
compreensivo.

68
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Artigo publicado pela Unesco resume o livro “Drogas nas escolas”

Autor: ABRAMOVAY, M.; CASTRO, M. G.


Fonte: OBID23

O artigo publicado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a
Cultura - Unesco é uma versão resumida do livro “Drogas na escola”, organizado por Mary Castro e
Miriam Abramovay (2002). A edição foi especialmente preparada para atender às escolas
brasileiras. A pesquisa que deu origem ao livro procurou privilegiar a visão de mundo dos alunos. O
estudo envolveu crianças e jovens do ensino fundamental e médio de 14 capitais brasileiras.

Drogas e violências são temas em foco, sobretudo no que diz respeito à relação que
possuem com os processos sociais, mas ainda prevalece uma perspectiva que colabora para reforçar
preconceitos, o que pode, inclusive, comprometer uma postura preventiva e fortalecer, uma conduta
de repressão. Daí a importância da escola e dos educadores conhecerem cada vez mais a
complexidade da questão das drogas, para que possam tomar medidas de ajuda ao jovem, como
apoio e educação.

A freqüência com que os jovens bebem está crescendo em várias sociedades. A


prevalência do uso de bebidas alcoólicas entre estudantes, não aponta para a existência de um surto
de consumo, mas os dados indicam, ao mesmo tempo, a necessidade de mais discussões sobre o que
seria consumir álcool socialmente (em festas com os amigos e eventos sociais). Os adultos de
referência primária dos jovens (professores e membros da comunidade escolar e os pais) tendem a
enfatizar a amplitude do consumo de álcool, sugerindo que o “beber socialmente” sinaliza a
ocorrência de excessos.

Além do álcool e do tabaco, outras drogas lícitas, tais como os medicamentos – calmantes,
anfetaminas, anticolinérgicos e anabolizantes - e os solventes/inalantes têm sido utilizadas de forma
ilegal, e cujo abuso por parte dos jovens parece ser bastante preocupante. São fáceis de serem
adquiridas e com baixo custo.

Quanto ao uso passado (experimentou ou usou e não usa mais), a maconha lidera, com
uma média de quase 3%, e um total de mais de 135,6 mil jovens. Os inalantes e a cocaína em pó
aparecem em seguida, com percentuais semelhantes – de 1,1% e 1% em cada caso. Seguem-se o

23
Texto resumido pelo OBID, a partir do original publicado pela UNESCO 2005, Edição publicada pelo Escritório da
UNESCO no Brasil.
http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001393/139387por.pdf

69
Polícia Militar do Estado do Acre

crack e a merla, com proporções de 0,5% e, em último lugar, as drogas injetáveis, com um
percentual de 0,3% e quase 12 mil usuários.

Os dados de uso regular (todos/ou quase todos os dias e finais de semana), indicam que em
todas as capitais a proporção desse uso é sempre igual ou menor que no passado, para todos os tipos
de drogas ilícitas, o que leva a pensar que muitos alunos experimentaram álcool ano passado, mas
não continuaram o uso no ano seguinte. Apesar deste uso presente ser igual ou menor, não deixa de
ser significativo, pois é um uso regular e contínuo.

Para as 14 capitais pesquisadas, os estudantes informam que, dentre as drogas que mais
viram ser consumidas destaca-se, em primeiro lugar, a maconha, com um percentual médio de
80,5%, seguida de longe pela cocaína em pó e pelos inalantes. A merla, o crack e as drogas
injetáveis parecem ter um uso bem menor e são mais restritas a determinadas capitais.

As drogas fazem parte do universo de quase todos os entrevistados, sendo comentadas em


casa, com amigos e na escola. Por outro lado, é interessante chamar a atenção para a ênfase em cada
abordagem. Os pais, na maioria das vezes, falam com o objetivo de alertar para os perigos; a escola,
por sua vez, prioriza a informação; já no grupo de amigos conversa-se sobre os efeitos das
substâncias e o comportamento dos usuários.

A escola é vista, pelos alunos, como um meio para a obtenção de um maior capital social e
cultural. Entretanto, para que a escola continue exercendo sua função e seja capaz de propor ações
concretas na resolução dos conflitos que se dão no seu ambiente – os quais refletem problemas
internos e externos a ela, tais como a presença, a venda e o consumo de drogas – é necessário que
ela seja capaz de lidar com novos valores e novas idéias que surgem com as constantes
transformações sociais.

Com esses dados os autores do presente artigo sugerem algumas medidas para auxiliar na
prevenção do uso de drogas, como investir em uma cultura de paz, estimulando a cooperação e a
solidariedade, bem como desenvolvimento de trabalhos integrais nas escolas, como atividades
externas, extracurriculares e esportes.

70
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

A escola como fator de prevenção às drogas

Autor: Flávia Rocha Campos BAHLS, F.R. C.; INGBERMANN, Y.K.


Fonte: OBID24

Muitos fatores de risco já são conhecidos como possíveis causas do envolvimento do


jovem com as drogas. Dentre esses fatores, associados ao abuso de drogas e sintetizados pelo
National Institute on Drug Abuse (Instituto Nacional para o Abuso de Drogas) dos Estados Unidos,
encontram-se os ligados à socialização fora da família, especificamente a escola e os amigos fora da
escola. O comportamento agressivo e inapropriado em sala de aula, o fracasso no desempenho
escolar, habilidades sociais empobrecidas, o envolvimento com colegas que apresentam
comportamentos desviantes e a aprovação do uso de drogas entre os colegas são fatores de risco
ligados à socialização.

Os fatores protetores não são sempre opostos aos fatores de risco, e dentre esses, incluem-
se o sucesso no desempenho escolar e os vínculos fortes com instituições pró-sociais, como a
escola.

O uso de substâncias estabelecido entre os 14 e 15 anos de idade pode ser prenunciado


pelo comportamento social e escolar demonstrado entre os 7 e os 9 anos de idade. O baixo
desempenho escolar em estudantes pode excluí-los do grupo na escola que tem mais sucesso,
levando-os ao envolvimento com jovens que apresentem problemas escolares. O grupo de amigos é
um fator que interfere no uso de substâncias; quanto maior a associação com jovens desviantes
maior é a probabilidade de desvio e uso de drogas.

Quando o adolescente começa a mudar seu comportamento os pais e professores devem


estar atentos a essas mudanças. Pais de jovens usuários descrevem que os anos pré-escolares do
filho foram difíceis e mencionam a sensível diferença dos irmãos e irmãs. A criança acha que
choramingar, chorar, gritar, bater ou ter acessos de raiva são eficazes, pois através disso consegue
eliminar o comportamento aversivo de seus pais.

O segundo estágio é estabelecido diante da evidência de que a criança não está adquirindo
as habilidades escolares. A hipótese é de que o comportamento rude da criança conduz à rejeição
pelo grupo e aos prejuízos escolares. Os fracassos nesta fase limitam as experiências sociais,
24
Texto resumido pelo OBID, a partir do original publicado pela revista Estudos de Psicologia, outubro – dezembro de
2005, Campinas – SP, vol. 22 (4), pág. 395 a 402. Editado pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. ISSN
0103-166X.
http://scielo.bvs-psi.org.br/pdf/epc/v22n4/v22n4a07.pdf

71
Polícia Militar do Estado do Acre

fazendo-a procurar um ambiente receptivo, o que pode coloca-la em risco de envolvimento com um
grupo desviante e de aprimoramento de suas habilidades anti-sociais.

Uma pesquisa publicada pela revista Estudos de Psicologia preocupou-se com aspectos do
desenvolvimento escolar de adolescentes que adquiriram comportamento de abuso de substâncias
psicoativas. Para isso foram analisados prontuários de pacientes que foram internados em
instituição para tratamento de dependência de drogas em Curitiba - PR, com idades entre 11 e 21
anos. Detectou-se que 13 moças chegaram para tratamento contra 137 rapazes. Para a análise dos
dados foram utilizadas todas as treze autobiografias femininas; entre as masculinas foram sorteadas
quinze para melhor equilíbrio entre os dois grupos.

A adaptação da criança ao ambiente escolar e aos colegas é o primeiro desafio para o


ajustamento fora da família. No presente estudo constatou-se que os rapazes não apresentaram uma
adequada adaptação na escola. Ao contrário, as dificuldades escolares foram precoces. Nessa
perspectiva as crianças mal adaptadas estão em risco para experimentarem a discriminação e a
rejeição por parte dos professores e colegas, podendo definitivamente abandonar a escola.

Diferentemente dos meninos, as moças descreveram problemas dessa natureza na


puberdade, quando perceberam problemas de disciplina, desinteresse por estudar e queda nas notas.
Nesse período, descreveram, também, associação com colegas “do fundão da sala de aula”, com os
que faltavam ou com os que usavam alguma substância.

As crianças que são privadas de experiências positivas e consistentes no ambiente familiar


são as mais carentes de experiências consistentes ao chegarem na escola. Poderiam encontrar no
ambiente escolar uma chance para o exercício da assertividade e do autovalor, o que ajudaria na
prevenção ao uso de drogas. Para isso é necessário o investimento em qualificação de educadores e
uma política educativa que possa lidar com os “alunos difíceis”, que talvez sejam os que mais
precisem de uma escola que não rejeite ou expulse, mas que enfrente o desafio.

72
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

O papel da escola e do professor na prevenção das drogas

Autor: SUDBRACK, M. F. O.; CESTARI, D. M.


Fonte: OBID25

A dependência de drogas não é apenas uma relação de causa e efeito, está ligada a diversas
variáveis que interagem entre si tornando cada caso singular. Com os jovens, a dependência não
pode ser explicada como uma forma de delinqüência nem como um problema restrito a causas
físicas e orgânicas, deve-se considerar todo o contexto, incluindo a família, a escola e os amigos.

Parece difícil oferecer aos jovens uma sociedade sem drogas, mas é possível a construção
de uma família, uma escola e uma sociedade mais preparada para enfrentar os problemas
relacionados ao seu uso. Neste sentido, os educadores devem apostar na prevenção ao uso de drogas
e suas conseqüências e dar apoio aos estudantes.

No Simpósio Internacional do Adolescente, foi apresentado trabalho que propôs


programas de prevenção oferecidos a professores de escolas públicas, por meio de uma parceria
com o Ministério de Educação e Cultura, Secretaria Nacional Antidrogas e Universidade de
Brasília.

A proposta deste projeto foi um modelo de educação voltada para a saúde, baseada nas
relações do adolescente com os sistemas onde está inserido como a família e a escola, em três
conceitos fundamentais: saúde integral do adolescente; prevenção e promoção de saúde, e saúde
mental. A proposta pedagógica quer disponibilizar informações fundamentais à comunidade escolar
para diminuir os fatores de risco e reforçar os fatores de proteção relacionados ao uso de drogas.

A proposta da Organização Mundial de Saúde é de a saúde na adolescência ser abordada


como um todo, pois falar em saúde do adolescente é considerar a interação com o ambiente onde
está inserido e que o influencia. Isso porque a adolescência é uma fase em que são adquiridos novos
hábitos que poderão ser saudáveis ou não, sendo um momento fundamental para falar sobre
prevenção, visando à promoção da saúde.

As várias emoções que invadem o adolescente podem deixá-lo sem condições de lidar com
seus sentimentos e conflitos que mudam constantemente, como o humor instável, ora eufórico, ora
deprimido sem motivo, ora surpreendentemente impulsivo ou agitado, e assim por diante. Devido a

25
Texto resumido pelo OBID, a partir do original apresentado no Simpósio Internacional do Adolescente, 2005.
Editado pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.
http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?pid=MSC0000000082005000200083&script=sci_arttext

73
Polícia Militar do Estado do Acre

grande instabilidade, ele precisa de compreensão e apoio. É necessário então observá-lo de perto e
sempre, pois mesmo momentos passageiros de desequilíbrio podem resultar em conseqüências
desastrosas, como tentativa de suicídio, consumo de drogas e práticas de violência.

O comportamento dos jovens é, em grande parte, ocasionado pelas pressões psicológicas e


sociais pelas quais estão passando. Pesquisas mostram que os jovens não estão apenas iniciando
cada vez mais cedo o uso de drogas, como também estão apresentando um consumo maior e casos
de dependência precoce. Sabe-se que o abuso de álcool tem efeito na pessoa que o consome e em
todos que o cercam, como os acidentes de trânsito provocados por motoristas que beberam álcool
demais.

Para orientar e fornecer material para os educadores, o projeto – que contou com a equipe
do Programa de Estudos e Atenção às Dependências - Prodequi,– promoveu um programa de
prevenção, na forma de ensino à distância. O material pedagógico, que procura reproduzir situações
do cotidiano escolar construído a partir da experiência da equipe de professores autores do projeto,
foi apresentado em 16 vídeos transmitidos pela TV Escola e complementados por dois volumes
impressos contendo dois módulos cada um. Este mesmo material está sendo atualmente utilizado
em oficinas com atividades grupais e comunitárias de formação de multiplicadores envolvendo
outros educadores. Futuramente pretende-se explorá-lo também com os jovens e com os pais.

74
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

SEGUNDA
PARTE

75
Polícia Militar do Estado do Acre

CAPÍTULO IV

PROGRAMAS DE PREVENÇÃO DA PMAC

A Polícia Militar do Acre tem como estrutura principal o trabalho de prevenção. Embora
atualmente percebamos a real necessidade de atuar repressivamente, muitas das atuações da PMAC
são preventivas.
As Companhias de Patrulhamento Motorizado, Policiamento a Cavalo, Policiamento
Ostensivo a Pé, Policiamento de Bicicleta, Policiamento de Trânsito, Companhia de Policiamento
Escolar, Proerd, Polícia da Família, Diretoria de Ensino, Setor de Inteligência, são alguns dos vários
organismos da PMAC que atuam preventivamente, embora, também o façam em forma de
repressão.
Dentre os policiamentos preventivos executados pela Polícia Militar no Acre, três foram
mais citados pelos alunos, funcionários e professores das escolas existentes em nossa Capital. São
Eles: Proerd, Policiamento Escolar e Polícia da Família. Quanto ao Proerd, por ser objeto principal
dessa pesquisa e estar contido em todos os capítulos, não o citaremos nesse momento, nos ateremos
apenas ao Policiamento Escolar e à Polícia da Família.

POLICIAMENTO ESCOLAR

O Policiamento Escolar26 tem sido de fundamental importância para a segurança nas


escolas e faculdades de Rio Branco. Embora seu efetivo seja pequeno, os policiais da Companhia

26
As informações aqui expostas foram gentilmente cedidas pela Coordenação da Companhia Independente de
Policiamento Escolar, sendo essas informações de conhecimento público e direito autoral de seus idealizadores.
Portanto, as apresentamos com a ressalva de que o texto não foi construído pelo Proerd, e sim, pela CIPE.

76
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Escolar atuam não apenas no policiamento ostensivo, mas também efetuando palestras e atividades
lúdicas que atraiam a atenção dos estudantes para os preceitos de bom relacionamento interpessoal,
respeito ao próximo, cidadania e como estar longe das drogas e da violência. O Policiamento
Escolar atua principalmente com o público alvo de adolescentes jovens e adultos no ambiente
escolar.
Em outubro de 2003, devido ao crescimento de violência e do uso de drogas nas escolas,
sensibilizados pelo quadro apresentado, o atual governador, Binho Marques, na época Secretário de
Educação, em conjunto com o Comandante da Polícia Militar, Cel. PM Leandro Rodrigues, Maj.
PM Francimar e o Secretário de Segurança Fernando Melo, chegaram ao consenso em relação à
necessidade de implementação de uma Polícia voltada para atender às necessidades da comunidade
escolar, firmando, assim, a parceria. Criou-se, então, de fato, a Cia. Escolar com um efetivo de
apenas 12 homens, instalados na Polícia Comunitária. Somente no dia 25 de maio de 2005, foi
criada de direito a Companhia Independente de Policiamento Escolar – CIPE. A Companhia
Independente de Policiamento Escolar conta hoje com um efetivo de 37 homens, que foram
capacitados com curso específico para a área, e maioria do efetivo tem nível superior ou está
cursando. Hoje a CIPE tem sede na Secretaria de Estado de Educação.
Aproximar a Polícia Militar da Comunidade é a proposta do trabalho realizado pela
Companhia Independente de Policiamento Escolar (CIPE) nas escolas públicas e particulares de Rio
Branco - Acre. A Companhia escolar utiliza o diálogo e a valorização da harmonia nas relações
humanas, nos Direitos Humanos, bem como dentro de perspectivas da filosofia de Polícia
Comunitária, objetivando a interação entre Polícia – comunidade. A Companhia Independente de
Policiamento Escolar – CIPE conta com um Núcleo na Secretaria de Estado de Educação (SEE), no
qual, além de cumprir com a missão constitucional de realizar o policiamento ostensivo preventivo
e repressivo, também ministra palestras educativas nas escolas sobre prevenção às drogas,
violência, Polícia Comunitária e Civismo.
A Companhia Independente de Policiamento Escolar realiza atividades nos três turnos de
funcionamento das escolas (Manhã, Tarde e Noite), com o policiamento ostensivo e preventivo
visando a segurança da comunidade escolar. A CIPE atende as escolas da rede estadual (rural: 98;
urbana: 90), municipal (rural: 17; urbana: 35) e particular (41), totalizando 281 escolas, além das
unidades de ensino superior: UFAC, FIRB/FAAO, UNOPAR, IESACRE, UNINORTE,
FACINTER, SINAL, entre outras. Atende de acordo com os diagnósticos apresentados e as
demandas das escolas, como também palestras preventivas sobre o uso indevido e abusivo de
drogas, álcool, violência e cidadania, além de prestar apoio às outras companhias na condução de
cidadãos detidos.

77
Polícia Militar do Estado do Acre

Através da política de capacitação de recursos humanos adotada pelo Comando da CIPE,


os policiais militares absorvem conhecimentos técnicos profissionais, e por conseqüência, adquirem
a confiança dos alunos, passando a influenciar também na formação do futuro cidadão. A
Companhia Escolar utiliza o diálogo e a valorização da harmonia nas relações humanas, nos
Direitos Humanos, bem como dentro de perspectivas da filosofia de Polícia comunitária,
objetivando a interação entre polícia e comunidade.
Para que fosse possível a realização desse trabalho foi estabelecida uma parceria entre a
Polícia Militar e a Secretaria de Estado de Educação – SEE, através da celebração de um Convênio
firmado entre as partes, através do qual foram disponibilizados materiais e equipamentos
necessários para execução dessas atividades.

POLÍCIA DA FAMÍLIA

Grande parte da atuação da Polícia da Família27 aqui apresentada tem como base o
relatório anual de atividades referentes ao ano de 2006, entregue dia 31 de dezembro de 2006 à
Secretaria de Justiça e Segurança Pública, pela Coordenadora Geral, Delegada de Polícia Civil
Maria Lúcia Barbosa Jaccoud, e, pelo Coordenador, Capitão PM Eudinez Pinheiro Ferreira.
A Polícia da Família atende 41 bairros em suas 03 bases28. O contingente inicial era de
196 policiais, atualmente esse número não passa de 82. As bases foram assim divididas:
A Base do bairro Vitória atende às seguintes localidades: Conj. Edson Cadaxo, São
Francisco, Conj. Oscar Passos I, Conj. Oscar Passos II, Vitória, Jardim Eldorado, Chico Mendes,
Ouricuri, Loteamento Jaguar, Parque dos Sabiás, Loteamento São Jorge, Loteamento Panorama,
Invasão da Embratel, Placas, Residencial Santa Cruz e Apolônio Sales.
A Base do Jorge Lavocat atende às seguintes localidades: Wanderley Dantas, Raimundo
Melo, Xavier Maia, Vila Nova, Loteamento Novo Horizonte, Adalberto Sena, Defesa Civil,
Tancredo Neves, Alto Alegre, Montanhês, Jorge Lavocat, Irineu Serra e Santa Helena.
A Base do Santa Cecília atende os bairros: Albert Sampaio, Dom Moacir, Santa Cecília,
Vila Acre, Vila da Amizade, Belo Jardim I, Belo Jardim II, Mauri Sérgio, Areial, Santa Inês,
Loteamento Santo Afonso e Loteamento Rosa Linda.

27
As informações aqui expostas foram gentilmente cedidas pela Coordenação da Polícia da Família no Bairro Vitória,
sendo essas informações de conhecimento público e direito autoral de seus idealizadores. Portanto, as apresentamos
com a ressalva de que o texto não foi construído pelo Proerd, e sim, pela Polícia da Família.
28
No momento da revisão deste trabalho, dados oficiais apontam para o desativamento da Polícia da Família, bem
como o remanejamento de material e pessoal para outras localidades e estilos de policiamento.

78
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

De acordo com informações obtidas na Base do Vitória, o atual efetivo da Polícia da


Família pode ser assim descrito:

BASE BASE BASE


VITÓRIA JORGE SANTA TOTAL
LAVOCAT CECÍLIA
DELEGADOS 01 MESMO MESMO 01
ESCRIVÃOS 01 01 01 * 03
AGENTES 06 05 06 17
OFICIAIS 01 MESMO MESMO 01
PRAÇAS 19 13 18 50
VOLUNTÁRIOS 02 02 01 05
Total Por Base 30 21 26 77
* Agente de Polícia exercendo a função de Escrivã Ad Hoc.

Mesmo com um efetivo reduzido e, ano a ano, sendo cada vez minimizado, a Polícia da
Família mostra números de sua atuação e os atendimentos executados desde que foi implantada até
fins de 2006, haja vista o ano de 2007 ainda não ter se encerrado, não tivemos acesso aos dados do
referido ano.

BASE 2003* 2004 2005 2006 TOTAL


VITÓRIA 85 1200 1704 1277 4.266
JORGE 42 1541 1362 894
LAVOCAT 3.839
SANTA 66 127 74 247
CECÍLIA 514
TOTAL
GERAL 8.619

A Polícia da Família é um modelo de policiamento que segue a mesma filosofia da Polícia


Comunitária, tendo sido idealizada em setembro de 2003, seguindo diretrizes estabelecidas pela
Senasp – Secretária Nacional de Segurança Pública –, para desenvolver um trabalho integrado
envolvendo policiais civis e militares, com suas atividades voltadas prioritariamente para a
prevenção.

79
Polícia Militar do Estado do Acre

Inicialmente, o Projeto foi idealizado para funcionar em três bases localizadas nos bairros:
Vitória, Jorge Lavocat, Stª Cecília, estendendo suas atividades aos bairros circunvizinhos, no total
de 35 (trinta e cinco), com possibilidade real de expansão para outras localidades. Entretanto, sem
os investimentos necessários, o projeto parou no piloto das bases, estando, infelizmente, sem
previsão de novos postos de atuação.
A escolha das áreas contempladas para implantação deste projeto foi orientada pelos
índices de criminalidade, priorizando-se bairros considerados críticos na escolha da instalação das
bases.
A Polícia da Família é considerada de baixo custo, uma vez que o policiamento é realizado
a pé, através de visitas domiciliares, possibilitando assim uma parceria bastante frutífera, policial e
comunidade. Os primorosos resultados podem ser comprovados pelas estatísticas, que apontam para
a diminuição da violência nos pontos de sua atuação.

Apesar de aparentemente desenvolver serviço de cunho social, a Policia da Família


prestigia a participação da comunidade por entender ser a melhor forma de combate a qualquer ação
criminosa. Assim, é importante salientar que o policial da família, além de exercer a atividade

80
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

policial, também interage com a comunidade participando ativamente como agente de


transformação e inclusão social.
Insta ressaltar que, a Polícia da Família representa uma conquista da nova concepção de
Segurança Pública, aquela que tomou consciência de que seu papel é estar a serviço da sociedade,
com as autoridades tendo uma maior interação com a comunidade a que presta seus serviços, e
assim responderem satisfatoriamente ao público atendido.
A escolha do trabalho policial preventivo e integrado à comunidade tem mostrado efeitos
extremamente positivos. Nos três anos de trabalho desenvolvido pela Polícia da Família, os índices
estatísticos das áreas atendidas diminuíram drasticamente, especialmente os de crimes considerados
graves, como por exemplo, os de crimes contra a vida.
Contudo, notou-se uma leve regressão no trabalho desempenhando, em virtude da
descontinuidade e diminuição do efetivo. Por tratar-se de organismo apenas existente de fato, a
Polícia da Família sofre interferências diretas no efetivo que a compõe, sendo comuns serviços
extras ou estranhos às atividades desempenhas nas Bases, especialmente em relação aos Policiais
Militares. Verificou-se uma redução do efetivo desde a sua implantação até hoje em mais de
cinqüenta por cento.
Das atividades planejadas para este ano, parte foram prejudicadas pelo acima exposto,
ficando pendente a implementação dos Conselhos, compostos por membros da Comunidade.
Apesar de já existir um contato permanente entre presidentes de bairros e a Polícia da Família, é
imprescindível a criação destes Conselhos, especialmente para que existam reuniões regulares para
planejamento das atividades a serem efetuados mensalmente e para o aperfeiçoamento dos serviços
prestados, já que sempre se busca a excelência do que é feito.
Não foi possível a apresentação de palestras preventivas em todas as Escolas que se
encontram na região abrangida pela Polícia da Família, em virtude da saída de parte do efetivo que
compunha as equipes de apresentação, quer seja em decorrência de novos concursos, ou de
transferência para outras unidades.
Os projetos de música, desenvolvidos em parceria entre as Escolas e a Polícia da Família,
depois de uma breve interrupção por falta de recursos, está sendo retomado, em virtude de
convênios celebrados entre a Senasp, o estado do Acre e o município de Rio Branco, ficando a
execução a cargo da Polícia da Família.
Um grande obstáculo a ser superado nas áreas de atribuição da Polícia da Família é a falta
de atividades para crianças e adolescentes, atividades aqui entendidas lato sensu, tanto voltadas para
a cultura, desporto, recreação, preparação, formação e inclusão no mercado de trabalho.
Oportuno se torna dizer que o êxito do trabalho desenvolvido pela Polícia da Família dá-se
pelas parcerias com outros órgãos da administração pública em todas as esferas, de outros poderes,

81
Polícia Militar do Estado do Acre

e mesmo da iniciativa privada, que tem colaborando enormemente para que o trabalho aqui
desempenhado se tornasse referência de bom atendimento e melhor eficácia.
A manutenção deste programa e sua expansão devem se mostrar como preocupação
primeira de todos os seguimentos da Segurança Pública, em demonstração de que estamos
comprometidos com seus novos ideais, com ações voltadas para a prevenção e que temos
consciência desse desafio ético de servir à comunidade, tendo como foco principal o cidadão.
A responsabilidade pelo desempenho e ampliação da Polícia da Família é de todos nós, e,
por isso, precisamos estar dispostos e atentos, a fim de que essa iniciativa, hoje funcionado com
grande êxito, não venha a sofrer qualquer esmaecimento, mas seja aperfeiçoada e ampliada sua
competência, sempre objetivando a promoção da justiça e tornando a Segurança Pública,
efetivamente, direito e responsabilidade de todos conforme preceituado no artigo 144, caput, da
Constituição Federal do Brasil.
Por fim, é necessário informar a necessidade premente de institucionalização da Polícia da
Família, para que a mesma possa existir de direito, facilitando o planejamento e execução das ações.

PROERD

O Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência – PROERD – e sua


atuação nos diversos setores, com os mais variados parceiros, será explicitado nos dois próximos
capítulos.

82
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

CAPÍTULO V

PANORAMAS DO PROERD
EM ALGUNS ESTADOS DO BRASIL

ESTUDOS SOBRE A EFICIÊNCIA DO PROERD EM ALGUNS ESTADOS

O sucesso do programa Proerd depende de um perfeito entrosamento entre a escola, a


família e a polícia. Na falta de algum destes parceiros o programa se torna inviável. Há a
necessidade de aprimoramento tanto das ações desenvolvidas pela escola, quanto pela família e pela
Polícia Militar.
Dados apresentados pela Polícia Militar do Paraná29, que atesta pesquisa realizada em
parceria com a Universidade Federal do Paraná, indicam a necessidade de formação continuada
para os policiais instrutores daquele estado, que atuam como educadores sociais:

O curso de formação de Instrutores do PROERD (80 horas aula) já não fornece mais elementos suficientes
para o desempenho das atividades em sala de aula; [de mesma forma os policiais entrevistados] consideram
a informação teórica importante para a complementação de sua formação; julgam que é importante a
formação continuada; possuem a necessidade em conhecer com profundidade temas de prevenção,
psicologia infantil e do desenvolvimento, didática outros (Proerd Paraná, 2005).

O Proerd é um programa que se caracteriza pela atuação social preventiva, objetivando


prevenir o uso de drogas e a prática da violência por nossas crianças, conscientizando-as da
necessidade de desenvolver as suas potencialidades para se tornarem cidadãos conscientes e capazes
de contribuir, de maneira concreta e plena, para o sonho de uma sociedade sem drogas e sem
violência, que seja mais justa, sadia e feliz.
29
II Curso de Capacitação Sobre a Oferta e Demanda de Drogas. Brasília, 2005.

83
Polícia Militar do Estado do Acre

Pelo fato de ter como meta a anulação da prática do uso de drogas, ou pelo menos, a
diminuição substancial do número de usuários de drogas, que são os principais fomentadores da
relação venda/consumo, buscamos obter resultados que jamais foram alcançados por organismos
brasileiros de prevenção ao uso e ao tráfico de drogas. Com a aplicação desse programa, a Polícia
Militar busca também, no menor tempo possível, contribuir efetivamente para a formação de novos
jovens, mais seguros, firmes e decididos em relação aos malefícios causados pelas drogas e,
portanto, conscientes das suas escolhas quanto à utilização ou não de drogas. Em médio e em longo
prazo estimamos, tendo como base as experiências internacionais, que nossos jovens, e não apenas
nossos policiais, serão os multiplicadores de valores, noções de cidadania e de técnicas que
estimulem a não aceitação do convite formulado pelo agente do crime.
De acordo com o Proerd em São Paulo, várias pesquisas já foram elaboradas naquele
estado quanto à prevenção e também à eficiência do Proerd. Em seu site estão contidos alguns
dados que podem nos dar uma noção mais precisa quanto ao Proerd:

A eficiência deste programa é comprovada mundialmente através de pesquisas científicas e no Brasil não é
diferente. A USP – Universidade de São Paulo elaborou uma pesquisa científica em 2004, que foi
coordenada pela Dra. Sueli de Queiroz, pesquisadora do “Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e
outras Drogas” (GREA), e após todos os trabalhos, ficou evidenciado que o PROERD alcançou a média de
95% de aprovação aqui no Brasil. Tal pesquisa só veio confirmar a eficiência do programa aqui no Brasil
como nos diversos países em que é aplicado, mostrando com isto, que a Polícia Militar vem desenvolvendo o
PROERD com extrema seriedade e profissionalismo (Proerd São Paulo, 2007).

Pelo fato de ser um programa eminentemente preventivo e estratégico, o Proerd visa a


educar as crianças em seu meio natural de convívio social e aprendizado – a escola de sua
comunidade.
A atuação conjunta de policiais fardados e professores no ambiente da sala de aula
contribuem para o aumento da expectativa de alcançar as crianças na 4ª série do Ensino
Fundamental, mostrando-lhes os efeitos das drogas e ensinando-lhes as habilidades necessárias e
motivação para se manterem longe desse mal.
O programa também busca oferecer aos estudantes uma chance de ver os adultos como
amigos e pessoas em quem eles podem confiar, permitindo, assim, que as crianças desenvolvam
atitudes positivas em relação à família, à comunidade em que vivem e à sociedade em geral.
A revista interativa PedagoBrasil (2007) trouxe em uma de suas edições a publicação de
um artigo intitulado “Policiais vão às escolas e ensinam crianças a se manterem longe das
drogas”, fazendo menção ao trabalho executado pelo Programa Proerd no estado de Sergipe.

84
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Para a Secretária Municipal da Educação de Aracaju, Rosângela Santana, um dos


problemas que mais afetam e preocupam os professores são as drogas, que acabam gerando
violência no espaço escolar. Ela afirma que a utilização de drogas "É um problema muito sério que
afeta o próprio aluno em seu desenvolvimento escolar, a família, os professores e gera conflitos em
curto prazo para a sociedade" (PedagoBrasil, 2007).
Ainda, conforme a revista, já se tornou uma cena comum e muito pouco agradável a
inserção do comércio e consumo de drogas entre crianças e adolescentes. Essa ação criminosa acaba
gerando crimes entre os próprios alunos e desafia o trabalho dos órgãos que têm como
responsabilidade evitar este comércio paradoxal, ao mesmo tempo tão sutil e flagrante. A revista,
que enfatiza ações pedagógicas e psicológicas, a ação do Proerd é descrita como um programa
auxiliar na redução do consumo de drogas, atuando na perspectiva de mostrar que há coisas boas da
vida a serem escolhidas.

O Proerd (Programa Educacional de Resistência às drogas e a violência) chega para suprir necessidades onde
a ação ostensiva da Polícia Militar não consegue ser eficiente no combate imediato as drogas, em uma
sociedade onde a curiosidade de crianças e adolescentes impera. A PM sentiu a necessidade de inserir-se no
próprio universo do aluno, a sala de aula, e fazer valer uma frase bastante conhecida entre a garotada:
"Drogas? Estou fora".
(...) É uma filosofia pedagógica que se aproxima do objetivo principal da Polícia Comunitária: aproximar o
público alvo dos policiais a fim de trabalhar o policiamento preventivo. "Não se evita a violência e o
consumo de drogas apenas com o policiamento ostensivo nas ruas da cidade e nas portas dos colégios, com
viaturas modernas e armas potentes. Pode também ser realizado preventivamente, com um giz, uma cartilha
e bastante criatividade e senso de humor elevado", garante uma das coordenadoras do projeto, major Dielle
Viana. (...)
Estimativa do Proerd mostra que 80% dos crimes urbanos cometidos no Brasil possuem ligação com o
consumo exagerado de entorpecentes.Em virtude disso, o trabalho preventivo em Sergipe cresce
gradativamente. Em 2003, somente em Aracaju, 2755 alunos dos ensinos público e privado foram
contemplados com as aulas dos policiais militares. No segundo semestre, os Instrutores do Proerd chegaram
em municípios do interior do Estado (...).
Para o desenvolvimento do projeto são necessários apenas quatro pré-requisitos: interesse da rede de ensino,
material didático (cartilhas, crachás, caixinha de perguntas), autorização dos pais e agendamento das aulas.
No caso do Policial Monitor, não pode beber nem fumar, e a conduta moral têm que ser exemplar.
Para a garotada, o Proerd é muito mais que uma instrução em sala de aula, mas um exemplo de vida. "Os
policiais me ensinam a eu não deixar me influenciar pelas pessoas que querem que eu consuma drogas", diz
o estudante da Escola Carvalho Neto, localizada no Bairro América, Manoel Vítor, 14 anos.Quando
perguntado qual a sensação de receber aulas de um policial fardado ele é enfático. "No inicio foi difícil, mas,
hoje me sinto muito bem. Já vi meninos usando drogas, vou tentar passar o que eu aprendi aos meus
amigos", declara Manoel Vítor. Já para Marcela Renilda dos Santos, aluna do colégio Tancredo Neves, há

85
Polícia Militar do Estado do Acre

muito não se divertia tanto em sala de aula. Os policiais desenvolvem atividades como teatro, poesia,
música, dança, jogral, a fim de destacar o grau de envolvimento da criança com o aprendizado.
Os professores do ensino fundamental acreditam que as aulas são providenciais para a formação das
crianças. "O objetivo das escolas é dar continuidade ao trabalho desenvolvido pelos policiais militares",
disse a professora da 4ª série, Sandra Augusta de Oliveira Lobo, ressaltando que a metodologia usada pelo
monitor é muito eficiente, dinâmica e envolve os alunos de tal maneira que eles não se sentem constrangidos
com a presença do policial fardado. "O engraçado é que cai por terra o estereótipo que nós temos sobre a
atividade policial", garante a professora.

Como se pode notar, a atividade do Proerd está em todo o Brasil, com o intuito primordial
de manter as crianças de bem com a vida. Para isso, são necessárias parcerias como as efetuadas em
Aracaju e em outras cidades de Sergipe.
Uma peculiaridade do Proerd é o fato de sua implementação ser padronizada em todo o
território nacional. Isso não implica o engessamento do programa, haja vista, os regionalismos
serem respeitados. Contudo, percebemos uma interação entre os policiais dos vários estados
brasileiros com conduta ilibada e possibilidade real de aprimoramento para melhoria do serviço e
aperfeiçoamento para que possam chegar cada vez mais perto da meta de manter crianças e
adolescentes longe das drogas.
Estudos realizados por instituições de ensino superior em diversas localidades do Brasil
dão conta da importância do Proerd. Estados como São Paulo, Acre, Paraná, Santa Catarina, dentre
outros, têm estudos que comprovam a importância do programa em âmbitos específicos de
prevenção às drogas e à violência, além de elevar a auto-estima dos alunos.
Como forma de mostrar os estudos realizados sobre o Proerd pelo Brasil, resolvemos
expor, nas linhas abaixo, o resumo de três dissertações de mestrado que enfatizam a atividade do
programa. A primeira foi escrita por Jandicleide Evangelista Lopes30, a segunda por Deise Rateke31,
e a terceira por Dalton Gean Perovano32.
Em estudo realizado por Jandicleide Lopes foram analisadas as representações de
prevenção ao abuso de drogas e a produção dessas representações feitas pelas professoras das salas
de aulas referentes ao treinamento do PROERD, em 2003. Lopes estudou a concepção dos
Instrutores Proerd do Paraná sobre sua formação. No estudo de caso que realizou, ela constatou que
as policiais do Proerd envolvidas na ação de educar de forma social, estavam mais interessadas em
repassar o conteúdo do currículo que, mesmo, interagir e buscar melhorar o tipo de abordagem. Para

30
As representações sociais de prevenção ao abuso de drogas dos professores do ensino fundamental: um estudo de
caso. UFPR, 2003.
31
A Escola Pública e o Proerd: tramas do agir policial na prevenção às drogas e às violências. UFSC, 2006.
32
Concepção dos Instrutores do programa educacional de resistências às drogas e à violência sobre a sua formação.
UFPR, 2006.

86
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

a autora, no discurso do Proerd em Curitiba, as drogas sempre são vistas como algo negativo e a
possibilidade de seu uso é iminentemente estimulada a ser rechaçada.

(...) Como referencial teórico utilizou-se a teoria da Representação Social de MOSCOVICI em articulação
com a perspectiva Histórico-Social de VIGOTSKY sobre a produção de sentido, para poder se apreender o
movimento entre o concebido e o vivido e suas implicações nas práticas cotidianas. Por meio dessa
abordagem foi possível verificar como o professor pensa a prevenção (o conteúdo das representações) e situa
esse conhecimento no cotidiano escolar (a prática advinda das representações e que instituem, ao mesmo
tempo, estas representações) como, também, verificar o movimento de produção dessas representações na
dialética do individual/social. Embora diversos trabalhos abordem o tema da prevenção ao abuso de drogas,
não encontramos trabalhos que explicitassem as representações e sua produção, principalmente na
perspectiva de professores que participam de um programa como esse. A pesquisa desenvolveu-se em uma
escola pública estadual de um bairro da cidade de Curitiba, constituindo-se em um estudo de caso. A
metodologia, numa perspectiva de análise qualitativa, se constituiu de observação direta em sala de aula dos
treinamentos do PROERD, análise documental das apostilas do programa, do projeto político pedagógico da
escola pesquisada, além de entrevistas semi-estruturadas com as cinco professoras, onde se coletaram
informações acerca dos dados pessoais, referentes à formação profissional, experiências profissionais, sobre
a percepção das mesmas a respeito do PROERD, das drogas, e da prevenção na escola. O tratamento dos
dados se deu pela análise de conteúdo proposta por BARDIN. O resultado nos mostra que a prevenção ao
abuso de drogas não se apresenta como foco principal de intervenção dessas professoras [Policiais
Proerd], pois elas estão bastante envolvidas em repassar o conteúdo do currículo básico e não se
consideram competentes para lidar com esta temática [drogas]. No entanto, as imagens associadas às
drogas e a prevenção estão sempre ligadas à concepção sempre negativa. Elas possuem informações sobre a
questão do uso e do abuso de drogas, porém elas desconsideram o tripé sujeito-droga-contexto social.
Tudo isto faz parte da representação que elas possuem do indivíduo usuário de substâncias. A representação
de prevenção ao abuso de drogas das professoras orienta ações voltadas para o combate às drogas, realizadas
ou não por elas. Elas não estão sendo estimuladas a ultrapassarem este tipo de abordagem. Pelo contrário
encontram respaldo no próprio discurso e prática do PROERD. A ausência de um espaço para interlocução a
respeito da temática em questão na escola inviabiliza uma superação deste paradigma. (grifo nosso).

O resumo do trabalho de Lopes mostra a necessidade urgente de melhor qualificação dos


policiais Proerd. Não tentamos aqui julgar todo o Brasil pelo Paraná, tendo em vista a diversidade
de formação entre os policiais, sejam eles Instrutores, Mentores ou Masters. Contudo, convém
fazermos uma reflexão: “Se no Paraná, que tem um Centro de Formação atuando em parceria com
Santa Catarina, os policiais Proerd não se sentem seguros do que estão fazendo, não seria hora de
rever os conceitos e tentar corrigir as falhas?”.
Os estudos de Lopes estavam certos, havia a necessidade premente de melhor qualificação
tanto do conteúdo do programa quanto da formação dos policiais Instrutores do Proerd e essa
parceria entre a Universidade Federal do Paraná e Proerd deu certo.

87
Polícia Militar do Estado do Acre

Três anos depois, em 2006, Perovano fez um outro estudo sobre o Proerd Paraná. Ele
buscou explorar o olhar dos policiais Proerd sobre si mesmos, suas concepções de formação e a
necessidade de melhorar a prática pedagógica desse profissional.

A dissertação intitulada "Concepção dos Instrutores do programa Educacional de Resistência às Drogas e à


Violência - Proerd sobre a sua formação", caracteriza-se como uma pesquisa exploratória de cunho
qualitativo, que tem por fim estudar o policial militar do que atua no Proerd do Paraná, através do olhar
sobre si mesmo, suas concepções de formação e a necessidade de melhorar a prática pedagógica desse
profissional. O trabalho procurou demonstrar que os Instrutores do PROERD, a partir de sua formação
inicial, possuem necessidades e expectativas que poderão contribuir para o aumento de seu nível
profissional. Foi realizada a comparação de teorias e práticas da educação para a constituição desse
profissional, pois a formação desse educador exige um saber profissional específico, assim como procurou
demonstrar quais estratégias de ensino serão necessárias e poderão contribuir para a melhora na
compreensão e aperfeiçoamento do processo de ensino e aprendizagem do educador do Proerd e de seus
educandos (...). No trabalho foram enfocados aspectos acerca de educação preventiva, políticas públicas
sobre drogas, formação de educadores sociais e, assuntos que encontram comum ligação com os temas
principais, como adolescência, família, formação de professores, e outros. O trabalho teve como premissa
que o educador do PROERD percebe que a sua formação inicial não alcança as necessidades
cotidianas para a sua prática docente, pelas lacunas no seu conhecimento profissional, necessitando de
conhecimentos psicopedagógicos, do conteúdo didático e da leitura teórica do contexto social. (grifo
nosso).

O Proerd Paraná aperfeiçoou seus policiais e melhorou a qualidade de seu programa, tanto
que se tornou referência nacional. A partir dos estudos realizados, os Policiais Proerd foram
considerados educadores sociais, o que os qualifica não apenas como Policiais Militares
empenhados em suas funções, mas como cidadãos que atuam em busca de melhores condições
sociais de convívio para todos.
Também foram realizados, em Santa Catarina, estudos sobre o Proerd. Deise Rateke
investigou e buscou compreender o que torna a Polícia Militar responsável por implementar um
Programa de combate às drogas e às violências. Em seu trabalho ela não julgou o Proerd, antes,
achou necessário problematizar seu currículo.

(...) O objetivo que orientou minhas ações nesse período foi compreender o que torna a Polícia Militar
responsável por implementar, nas escolas públicas, um Programa de combate às drogas e às violências. E
ainda, nos espaços escolares, alinhavar os significados expressos nas formas como a comunidade escolar
tecia suas impressões sobre o cotidiano deste Programa. Como um Estudo de Caso, a abordagem se pauta
num recorte etnográfico e qualitativo, onde os meus olhares estiveram atentos ao rigor do trabalho de campo
e da construção dos referenciais que animaram os esforços para construir as sínteses explicativas. Tais
sínteses contemplam as observações implicadas no âmbito do empírico e as trocas dialógicas com os sujeitos

88
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

envolvidos nesse estudo. A partir dessa experiência, assumi como perspectiva para construir as reflexões
desta pesquisa considerar as drogas, e as violências, fenômenos plurais, cujas práticas e manifestações são
tecidas por uma multidimensionalidade de aspectos que são, a um só tempo, visíveis, ambíguos, dispersos,
escondidos, fluídos, de cores e sinuosidades que não permitem uma apreensão conceitual única e universal.
Nesse movimento fui tecendo a minha dimensão pesquisadora, curiosa e em parceria com os fios que
tramaram a pesquisa, mesclando os registros pela interlocução com a minha trajetória e pela convivência
com a comunidade observada: uma comunidade inserida em duas escolas públicas, de Ensino Fundamental,
localizadas no entorno da favela. Mergulhada nesse cenário, organizei as explicações em torno de como, e
porque, o PROERD se consolidou como um Programa de prevenção às drogas e à violência. Nessa trajetória
de ir a campo, estudar o conteúdo das fontes documentais, conversar com os profissionais da escola e da
instituição militar, observar, com olhos implicados, os sem-fins do cotidiano, fui conhecendo, aos poucos, o
enredamento provocado pela ambigüidade das tramas do agir policial. A pesquisa evidenciou, entre outros
aspectos, que há, na proposta do Programa, um interesse pastoral, disciplinador e racional, guiado
por uma crença na sua missão salvacionista para “tirar” os meninos e as meninas do mundo do mal.
Como um Programa preventivo, é atravessado por um agir de controle das crianças e jovens, ordenando
modelos adequados de conduta social. Paradoxalmente, nesse universo muitos policias militares, como
aqueles que foram partícipes dessa pesquisa, evidenciaram o desejo de criar alternativas educacionais para
provocar mudanças na realidade com a qual convivem, e a qual afirmam não tolerar. Mostram-se como
“pastores” ávidos por construir uma afetividade que os faça se sentirem especiais diante da comunidade onde
atuam. Ao invés de julgar o Programa, nessa dissertação assumi como responsabilidade ética
problematizar as dinâmicas entrelaçadas nos sentidos de prevenção que ele anuncia, enfatizando a
crítica aos fundamentos epistemológicos do currículo PROERD. (grifo nosso).

Rateke partiu de um estudo das escolas na favela, atuou diretamente buscando conhecer o
Proerd, e, por fim, tentou mostrar os pontos fortes do programa e os pontos a crescer.
Em vários estados brasileiros se pode ver a eficiência do Proerd e como esse programa tem
se destacado em meio a outras dezenas de programas de prevenção às drogas e à violência.
No vizinho estado de Rondônia, o Proerd também é destaque33. Na 8ª semana nacional
anti-drogas, realizada naquele estado, com o tema: Rondônia pela paz e pela Vida, o Proerd não
apenas se fez presente, mas também foi homenageado.

Na abertura da 8ª Semana Nacional anti-drogas, que teve início hoje, 19, às 8h30 no auditório da OAB em
Porto Velho, Rondônia e prossegue até o dia 26 deste mês, O Proerd – Programa de Combate e Resistência
às Drogas da Polícia Militar de Rondônia, recebeu o diploma “Mérito pela Valorização da Vida”, outorgado
pelo gabinete Institucional da Presidência da República, através da Secretaria Nacional anti-Drogas. A
entrega foi feita ao major PM Cleudemir Holanda de Castro, diretor do programa em Rondônia, pelo
secretário chefe da Casa Civil do governo do estado, major PM Antiógenes Borges Lessa (PMRO, 2007).

33
Informações obtidas do Site da Polícia Militar de Rondônia.

89
Polícia Militar do Estado do Acre

As Polícias Militares de Pernambuco e do Distrito Federal têm dados levantados sobre


suas atuações no que concerne ao Proerd. Em ambas as Polícias, assim como nas outras estudadas
até o presente momento, os altos índices de violência relacionados com o uso e o tráfico de drogas,
sempre constam como fatores que são preponderantes para as atividades consideradas de risco, e,
portanto, necessitam de ação política preventiva atuante de forma primária que seja eficaz. Com
isso, foram implementados alguns programas sociais de caráter preventivo, como o Proerd, no qual
o policial atua como um educador social.
A PMPE apresentou dados da Universidade de São Paulo, segundo os quais a implantação
do Proerd vem alcançando os resultados esperados no comportamento das crianças, fazendo com
que elas fiquem “menos briguentas; mais calmas e disciplinadas; mais participativas; mais
questionadoras e críticas; e ainda, voltadas para a cidadania e para ajudar o próximo” (PMPE,
2007).
Ao mesmo tempo, projeta-se que com a percepção mútua entre comunidade/Polícia,
resultante da implantação do Proerd “o policial será visto como referência ética pela comunidade; a
comunidade legitimará e confiará nos operadores de segurança” (PMPE, 2007).
De forma geral, podemos dizer que os eixos norteadores34 das atividades exercidas pelo
programa Proerd com os alunos das 4ª séries do Ensino Fundamental, são:

• Auto-revelação: construir confiança nos relacionamentos pessoais;


• Intuição: identificar reações emocionais (próprias e das outras pessoas);
• Auto-aceitação: reconhecer suas falhas e virtudes;
• Responsabilidade pessoal: assumir responsabilidade sobre suas ações;
• Assertividade: declarar sentimentos sem raiva ou passividade;
• Dinâmica de grupo: trabalhar de forma cooperativa;
• Solução de conflitos: saber solucionar conflitos interpessoais, “lutando” limpo com as
outras pessoas.
• Autoconsciência: observar-se e reconhecer os seus próprios sentimentos;
• Tomada de decisão pessoal: examinar e reconhecer as conseqüências de suas próprias
ações;
• Lidar com sentimentos: compreender o que existe por trás dos sentimentos e lidar com
situações que envolvam medo, ansiedade, raiva e tristeza;
• Lidar com tensão: aprender técnicas de relaxamento;
• Empatia: reconhecer as diferenças com que as pessoas enxergam cada situação e que
comportamentos adotam;

34
Dados obtidos junto à Polícia Militar de Pernambuco.

90
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

• Comunicação: tornar-se um bom comunicador: saber ouvir, falar de sentimentos,


questionar;

Dados como os anteriormente expostos mostram a atuação do Proerd em vários estados da


Federação. Muitas são as atividades meritórias e dignas de destaque, entretanto, para não perdermos
o foco dos estudos ao qual nos propusemos e corrermos o risco de apenas citar outros estados,
preferimos afirmar existirem atuações múltiplas do Proerd em todo o Brasil; contudo, aqui
mostramos apenas algumas das dezenas de performances do programa e estudos realizados sobre o
mesmo.
Diante dos dados apresentados pelos vários estudos realizados acerca do Proerd, chama a
atenção o fato de todos abordarem um ponto comum: o Proerd é um programa que tem seu valor,
todavia, há a necessidade social de aprimoramento tanto de seu conteúdo quanto de seus policiais
Instrutores.

91
Polícia Militar do Estado do Acre

CAPÍTULO VI

O PROERD NO ESTADO DO ACRE

FATOS E FEITOS DO PROERD NO ACRE

O Programa Educacional de Resistência às Drogas – PROERD – é a versão brasileira do


programa norte-americano DARE – Drug Abuse Resistance Education, surgido em 1983, numa
parceria entre o Departamento de Polícia de Los Angeles e o Distrito Escolar daquela cidade. Este
esforço cooperativo foi guiado por dados estatísticos que mostraram alta eficiência em programas
de prevenção baseados na tomada de decisões, estabelecimento de valores, resolução de problemas
e estilos de vida positivos.
Da Califórnia o programa D.A.R.E. se expandiu para todos os estados norte-americanos e
para mais de quarenta países. No Brasil, o programa foi implantado em 1992, pelo D.A.R.E. –
AMÉRICA e D.A.R.E. – BRASIL, contando, hoje, com 03 cursos: Proerd para 4ª e 6a séries do
Ensino Fundamental e Curso Proerd para Pais.
Atualmente, é um programa executado pelas Polícias Militares e Corpos de Bombeiros
Militares, estando subordinado ao Conselho Nacional dos Comandantes-Gerais das Polícias
Militares e dos Corpos de Bombeiros Militares do Brasil, conforme Regimento Interno da Câmara
Técnica de Estratégias de Prevenção às Drogas e à Violência, de 02 de novembro de 2004. No Acre
o Proerd é executado pela Polícia Militar, através de sua Diretoria de Ensino e Instrução, na Capital;
e, pelos Batalhões, Companhias, Pelotões e Grupamentos, no Interior do Estado, sendo que os
policiais do Proerd nessas localidades respondem legalmente a seus comandantes diretos e no que
se refere ao programa, respondem à Coordenação do Proerd na Capital.
No estado do Acre, o Proerd foi implantado no ano de 1999. Desde esse tempo, a PMAC
tem seu programa de prevenção reconhecido e prestigiado, seja através de premiações ou de

92
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

menções públicas. O Proerd-Acre foi regulamentado pela Diretriz nº 001/3ª EM/PM/01, conforme
Portaria nº 023/3ª EM/PM/01, tendo como referências legais a Constituição da República
Federativa do Brasil – 1988; a Constituição do Estado do Acre – 1989; o Decreto Lei Federal nº
6.368/76, regulamentado pelo Decreto n.º 78992/76.
No ano de 1998, o então comandante Geral, Coronel Gilvan de Oliveira Vasconcelos,
alinhado à filosofia da Polícia Comunitária, designou ST PM Maria Luiza Gomes da Silva para
participar do Curso de Formação de Policiais Instrutores Proerd, na Polícia Militar do Estado de São
Paulo.
Após aprovação no curso e conseqüente credenciamento a ST Luiza iniciou suas
atividades como instrutora Proerd no ano de 1999, atendendo 274 crianças naquele ano.
No ano de 2000, considerando a demanda por atendimento, (10) dez policiais militares
foram designados para o Curso de Formação de Instrutores Proerd no Estado de Rondônia, que
contou com a coordenação da Polícia Militar de São Paulo, participação de mentores de Brasília e
do Rio de Janeiro. Os alunos-instrutores eram de quatro Estados da Federação: Mato Grosso,
Roraima, Acre e Rondônia. Ao final, 08 dos 10 instrutores foram considerados aptos. Em 2001,
mais um instrutor foi capacitado no Estado de Minas Gerais, Totalizando 09 instrutores para atender
o Estado, sendo 08 em Rio Branco e 01 em Cruzeiro do Sul.
Apesar dos atendimentos realizados pelos instrutores a demanda continuou grande e foi
necessário pensar uma nova estratégia para capacitar novos instrutores. O novo Comandante Geral
Cel. Aberto Camelo de Oliveira, preocupado em dar continuidade e ampliação ao programa, decidiu
capacitar os policiais já formados para torná-los aptos a formar os instrutores em nosso próprio
Estado, foi o que aconteceu quando os nove instrutores foram capacitados no estado de Rondônia a
serem Mentores Proerd.
Após a formação dos mentores, no ano de 2002, em abril, aconteceu a primeira
capacitação no Estado, com vagas oferecidas para a quase totalidade dos municípios acreanos. Ao
todo iniciaram o curso 30 policiais militares, sendo considerados aptos 23 Instrutores.O curso foi
coordenado pela Polícia militar de Brasília que também disponibilizou 02 (dois) mentores para
auxiliar os mentores locais. Nesse mesmo ano o atendimento foi considerado satisfatório e quase
todos os municípios formaram crianças através do programa Proerd.
Em junho de 2002, a PMAC, através do CONEN, foi agraciada pela SENAD, com o
certificado “Valorização da Vida”, com o título de melhor programa, no Estado do Acre, aplicado
na prevenção do uso e abuso de drogas ilícitas – o Proerd.
Quatro meses depois, em outubro de 2002 a Exmª Srª Maria Eunice Abdanur, Secretária
da Embaixada Americana no Brasil, em visita oficial a Rio Branco-AC, agendou compromisso com
o Comandante-Geral da PMAC, Cel. PM Alberto Camelo, com a finalidade de enaltecer o brilhante

93
Polícia Militar do Estado do Acre

trabalho que vinha sendo realizado por profissionais da Polícia Militar no combate ao uso e abuso
de drogas.
Em dezembro de 2002, foi enviada à Polícia Militar, uma Carta de Recomendação pelo
Governador em exercício, Sérgio de Oliveira Cunha (Petecão), parabenizando e agradecendo o
empenho, a dedicação e o incansável trabalho desenvolvido pelos Proerdianos da Polícia Militar do
Estado do Acre.
Em 2003, foi realizada uma segunda capacitação em Rio Branco. Todos os municípios
disponibilizaram policiais para a formação, e, cumprindo determinação do Comando, seis Oficias
participaram do curso, com o objetivo de torná-los divulgadores junto à tropa e auxiliar os policiais
quando necessário. Iniciaram o curso 36 (trinta e seis) policiais, ao final foram formados mais 29
instrutores, esta segunda capacitação foi coordenada pela Polícia Militar de Santa Catarina e contou
com apoio de Mentores da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. Ainda em 2003, 04 (quatro)
Policiais Militares do Proerd participam no Estado do Amazonas de uma atualização do Currículo,
do de 17 lições para o de 10 lições, o que obtiveram sucesso e aplicaram um projeto piloto em Rio
Branco no ano de 2004, sendo considerado satisfatório pelas instrutoras e alunos, sendo este o
embrião que certamente irá tornar o currículo de 10 lições oficial no Estado do Acre.
Em 2006, houve necessidade de novamente se formar uma outra turma de instrutores,
considerando que muitos haviam deixado os programas ocasionados por pedido de licenciamento,
outros cursos, problema de saúde, etc. Mais uma vez, a demanda exigia medidas urgentes em
relação a substituir os instrutores que haviam deixado o programa.
Com o apoio do Cmt. Geral Cel. PM Leandro Rodrigues, foi realizado em junho de 2006 a
terceira capacitação Proerd em Rio Branco, que contou com a colaboração da Polícia Militar do Rio
de Janeiro, a qual coordenou o curso e forneceu 02 (dois) mentores para ajudá-lo. Foram formados
28 novos instrutores, número que simplesmente substituiu os que haviam saído do programa.
No mesmo ano, três policiais militares participaram de uma nova atualização do currículo
do Proerd de 17 para 10 lições para 4ª série e um novo currículo para adolescentes de 6ª série. Esta
atualização aconteceu no Estado do Paraná, em seguida foi aplicado um projeto piloto para alunos
de 6ª série e também foi considerado um sucesso. Ainda no ano de 2006, cinco Policiais Militares
do Proerd fizeram atualizações para os novos currículos e também currículo do Proerd pais e curso
de mentores, esta capacitação aconteceu no Estado de Pernambuco.
Em setembro de 2007, a Câmara de Vereadores de Rio Branco homenageou o Proerd com
o uma Moção de Louvor, “pela dedicação voltada a tornar nossas crianças e adolescentes menos
vulneráveis às drogas e à violência, e pela compreensão de que a prevenção através da formação é a
forma mais eficaz de proteger nossa sociedade”. Essa Moção foi apresentada pelo Vereador Pascal
Khalil e assinada por todos os vereadores presentes na Sessão.

94
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

O trabalho educativo realizado pelo Proerd/PMAC tem alcance social fenomenal. Como
resposta aos benefícios advindos desse trabalho, a sociedade acreana vem reconhecendo as ações do
programa e solicitado incessantemente a presença dos Policiais Proerd para proferirem palestras em
diversos locais da cidade. O aumento da demanda de procura pelo programa, muitas vezes, nos
impossibilita em atender aos pedidos, tendo em vista que temos somente 23 policiais Proerd na
Capital.
O reconhecimento de nossa comunidade é refletido através dos inúmeros elogios feitos
pelos pais dos alunos atendidos pelo Programa.
A Policia Militar, juntamente com as parcerias, já diplomou mais de 53.600 crianças e
adolescentes no Proerd no período de 1999 a 2007.
Anualmente, para o início das atividades letivas é realizada uma reunião com os gestores
das escolas das quatro redes de ensino (Federal, Estadual, Municipal e Particular), onde é exposta a
responsabilidade das parcerias. É realizada, ainda, uma reunião com professores/gestores sobre as
atividades desenvolvidas na sala de aula.
As escolas, sejam elas públicas e/ou particulares, podem participar das ações do Proerd,
procurando o Quartel do Comando Geral da Policia Militar, ou entrando em contato com o
Departamento de Ensino e Instrução, pelo telefone (68) 3227 - 1569.

Teoria do programa e relações de causalidade

Existem algumas teorias utilizadas pela Polícia Militar do Acre para a aplicação do
programa Proerd. Muitos jovens se envolvem cotidianamente com atos violentos e com o tráfico e
consumo de drogas. A Polícia Militar apresenta-se como principal instituto na punição do crime e
na prevenção, valendo-se das rondas ostensivas. Entretanto, é sabido que a sociedade não gosta da
repressão, tanto por sua ineficiência em grande parte dos casos quanto pela necessidade do uso da
força. Por isso, a saída encontrada pela PMAC foi adotar programas preventivos como o Proerd,
que educam para prevenir, e, como efeito posterior, e em um segundo momento não intencional,
promovem a reaproximação entre sociedade e Polícia.
O fluxograma a seguir, mostra de forma simplificada, a relação que direciona a teoria do
programa.

95
Polícia Militar do Estado do Acre

Fonte: Diretoria de Ensino da PMAC.

A escola é uma parceira fundamental na aplicação do Programa. Após a Diretoria de


Ensino e Instrução da PMAC divulgar o calendário anual de atividades aos diretores e gestores de
escolas, estes solicitam o atendimento de suas escolas pelo programa. Pelo fato de o número de
instrutores ser reduzido, a polícia faz um sorteio para saber que escolas serão atendidas no primeiro
ou no segundo semestre, de acordo com o efetivo de cada município. Assim, escola e Polícia põem
em prática o protocolo de intenções firmado pelo Comando da Polícia Militar com a Secretaria
Estadual ou Municipal de Educação. No caso das escolas particulares, o protocolo de intenções é
assinado com cada instituição. A partir de então, escola e Proerd organizam o cronograma de aulas
para receberem o policial Instrutor.

Fortalecendo as ações do Proerd

Os índices de violência em todo o Estado do Acre são preocupantes, se considerarmos o


número de habitantes e os tipos de ocorrência, essa situação se reflete no número de jovens menores
de 26 anos que se encontram detidos no sistema penitenciário estadual.
Diante do crescente poder de atração das drogas, que iludem e enganam nossas crianças e
adolescentes, as organizações governamentais relacionadas direta e indiretamente à Segurança

96
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Pública têm se empenhado de várias formas, a fim de coibir as ações criminosas, que de uma forma
assustadora destroem nossa sociedade.
Todas essas ações têm apresentado efeitos positivos, porém, não bastam, face à ousadia e
sofisticação do crime organizado em nível internacional e nacional. Além disso, os problemas que
envolvem a questão das drogas não podem ser tratados apenas através da repressão policial, pois
esta só consegue reduzir a oferta. É preciso também, através da prevenção, diminuir a demanda
pelas drogas, para aumentar as chances de sucesso no enfrentamento do problema.
O estado do Acre tem 71,90% de sua extensão territorial composta por áreas de fronteira
com a Bolívia e o Peru, países reconhecidamente exportadores de tóxicos. Essa situação o coloca na
rota do narcotráfico internacional, deixando a juventude acreana ainda mais propensa ao perigo das
drogas. O conhecimento dessa realidade conduz os órgãos responsáveis pela Segurança Pública do
Acre à adoção de medidas de repressão qualificada e metodologias diferenciadas, pautadas na
prevenção, capazes de atrair os jovens para a sociabilidade construtiva e solidária.
Segundo pesquisas realizadas pelo CEBRID (Centro Brasileiro de Informação sobre
Drogas) o contato inicial dos adolescentes com as drogas é cada vez mais precoce, entre 10 e 14
anos de idade, constituindo-se no ponto de partida para o envolvimento de jovens com a
criminalidade.
O Proerd (Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência) consiste em um
esforço cooperativo da Polícia Militar, Escola e Família, para oferecer atividades educacionais em
sala de aula, a fim de prevenir ou reduzir o uso de drogas e a violência entre crianças e
adolescentes. Visa, sobretudo, a difundir uma cultura de paz e de valorização da vida, capacitando
os alunos para promover tais valores em seu ambiente de convívio social.
O programa é pautado numa metodologia lúdico-educativa direcionada a crianças de 9 a
12 anos de idade, a fim de formar no jovem uma personalidade resistente à influência de traficantes,
no momento mais propício e de forma eficaz, antes do contato inicial com as drogas. A metodologia
do PROERD visa à formação de uma personalidade resistente à oferta de drogas e à prática da
violência entre as crianças e adolescentes, mediante um trabalho educativo em conjunto com a
escola, professores e familiares, estreitando a parceria entre a Polícia e a comunidade.
Ao final do semestre letivo, a equipe do Proerd, juntamente com a direção das escolas,
organiza a cerimônia de formatura das turmas concludentes em local definido em comum acordo. O
evento consiste na entrega do certificado de participação Proerd (modelo em anexo) e leitura das
melhores redações elaboradas pelos alunos sobre o que aprenderam com o PROERD e alguns
prêmios aos alunos destaques.
Através de atividades lúdico-educativas, os Instrutores promovem a interatividade entre o
grupo de alunos, fortalecendo a amizade e o companheirismo, além de estimular o bom

97
Polícia Militar do Estado do Acre

relacionamento com os professores e os familiares, com noções de ética e cidadania que orientam
sobre os malefícios do envolvimento com grupos de gangues e atividades ilícitas. Vale ressaltar que
a presença de policiais no estabelecimento escolar, em contato direto com os alunos, professores,
pais de alunos e a comunidade em geral já é um fator que inibe a aproximação de gangues e
traficantes, além de facilitar a resolução de pequenos conflitos no local.
Atualmente, o Proerd vem atuando não só com crianças que estejam matriculados na 4ª
série do Ensino Fundamental, mas também com um novo currículo para adolescentes de 6ª série,
com o intuito de solidificar os conhecimentos anteriormente adquiridos. Um outro foco de atuação
do programa, atualmente, é o currículo para os pais, objetivando fortalecer os laços familiares e
despertar os mesmos para a importância de construirmos uma sociedade mais justa e humana.
Atualmente, são 35 Instrutores (Policiais Militares rigorosamente selecionados e
capacitados para o trabalho), que ministram as lições que compõem o programa para alunos
regularmente matriculados na 4ª série do Ensino Fundamental de Escolas Públicas e particulares em
todo o Estado; e, dentre os 35 Instrutores, apenas 08 estão qualificados a trabalharem com o
currículo para 6ª série e dos pais, número insuficiente para atender a essa nova demanda de pais e
da 6ª série.
A Coordenação do Proerd funciona no Departamento de Ensino e Instrução da Polícia
Militar do Acre, apresentando carência de estrutura, tecnológica, logística e de transporte, para o
desenvolvimento de suas atividades. À medida que o Proerd amplia o número de escolas e alunos
atendidos, cresce a necessidade da formação de um banco de dados informatizado, que possibilite o
controle e acompanhamento das ações do Proerd – especialmente no interior do Estado.
No período de 1999 a 2007, o Proerd atendeu 53.600 alunos participantes no Estado do
Acre. A cada ano, além do interesse pela continuidade do programa, aumenta também o número de
diretores que solicitam a aplicação do Proerd em seus estabelecimentos de ensino, tanto do
currículo de 4ª série como do de 6ª série e dos pais, tendo em vista a melhoria no comportamento
dos alunos participantes do programa, e a melhoria no relacionamento entre pais e filhos, aspecto
observado por professores e familiares.
Esses registros, no entanto, ainda não estão disponíveis como fonte de informação
científica para um estudo oficial acerca da dinâmica da violência antes e após a intervenção do
Proerd nas escolas onde o programa é aplicado. Isso se deve à falta de estrutura apropriada e de
equipamentos de informática específicos para a equipe Proerd.
Desde sua implantação no Estado do Acre, em 1999, a equipe de Instrutores Proerd visita
as escolas da capital e dos municípios do interior do Estado, conscientizando a comunidade escolar
acerca da importância do trabalho preventivo ao consumo de drogas junto às crianças, levando
como alternativa a proposta de ministrar o programa para os alunos pertencentes à 4ª e à 6ª série do

98
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Ensino Fundamental e currículo dos pais. O programa atende especialmente a este grupo devido ao
fato da maioria dos alunos estarem na faixa etária de 9 a 12 anos de idade e no período de
adolescência, época em que muitos jovens usuários tiveram contato inicial com as drogas através de
ofertas de colegas ou traficantes. Esta é uma das estratégias adotadas pelo Proerd em âmbito
nacional no combate ao uso abusivo de entorpecentes.
No período de implantação do programa, apenas um número pequeno de escolas públicas
contavam com Instrutores Proerd. A partir de 2001, as escolas particulares também aderiram ao
programa, ampliando a demanda de escolas e o número de crianças atendidas e a partir de 2007
passamos atender alunos de 6ª série e também os pais com cursos especifico.
Até o ano de 2009, o Proerd espera atender 90% das escolas do Acre, com especial
atenção às escolas localizadas em municípios fronteiriços, apesar das dificuldades de locomoção em
determinadas épocas do ano. Com o objetivo de ampliar o atendimento em todo o estado, foi
realizado, em 2006, o 3º Curso de Formação de Instrutores Proerd. Apesar do acréscimo de novos
Instrutores, ainda necessitamos capacitar no mínimo mais 35 Instrutores e atualizar os demais nos
novos currículos. Vale salientar que um dos fatores que geram esta necessidade é a rotatividade dos
Policiais, que por motivos diversos deixam de atuar no programa Proerd.

Proerd e estratégias preventivas

Faz-se necessário adotarmos a política da prevenção, atacarmos as causas ao invés das


conseqüências. Para isso acreditamos que agir na formação do jovem, através da educação, no
momento mais propício e de forma eficaz, é uma das possíveis saídas para tentar eliminar ou, pelo
menos, diminuir as drogas e a violência que têm se tornado problemas graves a atingir todas as
camadas sociais. Equipar os jovens e adolescentes com os conhecimentos necessários para que
compreendam quais os malefícios que o uso de drogas pode lhes trazer, e, portanto, tenham uma
maior consciência acerca do assunto e de suas escolhas, pode ser um caminho promissor a ser
seguido.
Dentre algumas estratégias adotadas pela política de combate às drogas, notamos que as
principais medidas sempre estiveram centradas na repressão. Porém, temos constatado que tais
medidas não tem tido tanta eficácia e que, por sua vez, são bem mais dispendiosas do que as ações
centradas na prevenção.
Podemos apontar, também, a questão do tratamento que é oferecido aos dependentes das
drogas como uma das medidas que têm sido adotadas pelo modelo atual de combate. Porém, não é

99
Polícia Militar do Estado do Acre

interessante nos limitarmos a medidas paliativas ao lidarmos como um problema tão complexo
como este, do qual só temos uma certeza: É preciso haver informação e orientação.
Nessa linha de pensamento é que atua o Proerd da Polícia Militar do Estado do Acre,
tendo por finalidade trabalhar junto à comunidade escolar na prevenção ao uso e abuso de drogas,
bem como evitar o envolvimento dos alunos em situações de violência.
Dos 22 municípios que compõem o Estado do Acre, o Proerd já atendeu a dezenove deles,
não tendo chegado a apenas três municípios – Jordão, Santa Rosa e Marechal Thaumaturgo. O
programa possui em todo o Estado 71 policiais qualificados a trabalhar com crianças que estejam
regularmente matriculadas na 4ª e na 6ª série das escolas, estaduais, municipais, federal e
particulares. Atualmente, 35 Instrutores estão aplicando o currículo do Proerd nas escolas. Além
dos alunos, o Proerd também atua com o “Curso de Pais” e a disciplina “Noções de Prevenção às
Drogas e relacionamentos interpessoais/Proerd”, para Policiais Militares em curso de formação. A
atuação dos Policiais Instrutores ao desenvolverem esse trabalho visa a formar, nos alunos, defesas
para as possíveis abordagens de pessoas envolvidas com drogas e violência. Outro objetivo é
mostrar-lhes alternativas saudáveis que os façam se relacionarem melhor com seus pares e com a
sociedade em geral.
Durante a aplicação do Proerd, nota-se que há realmente dedicação das crianças e
adolescentes em aprender e em conseqüência disso ocorre o envolvimento da família. A
abrangência do programa vai muito além da sala de aula, ele forma valores e atinge a própria
família dos alunos, levando a mensagem esperança e construção de uma vida melhor e mais
saudável.
Todas as informações são levadas às crianças e adolescentes para que possam construir,
juntamente com o policial Instrutor, o conhecimento acerca das temáticas que visam mantê-los de
bem com a vida. E todo esse processo que envolve o programa Proerd é levado aos alunos sem ônus
para família.
O Proerd tem seus objetivos geral e específicos pré-definidos e padronizados em todo o
Brasil, concomitantemente a estes e, em muitos dos casos, indissociados desses, o Proerd do Acre
almeja:

a) Conscientizar as crianças e os adolescentes, passando-lhes orientações referentes às


drogas, suas conseqüências e seus males;
b) Auxiliar aos estudantes do Ensino Fundamental e Médio, mediante as explanações e
exposições sobre o uso e abuso de drogas, bem como a reconhecerem e resistirem às
pressões diretas ou indiretas que possam influenciá-los a experimentar o álcool, cigarro,
maconha, inalantes, outras drogas ou mesmo se engajarem em atividades violentas;

100
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

c) Oferecer estratégias preventivas que favoreçam o desenvolvimento da auto-estima e


da resistência em jovens que poderiam correr o risco de se envolverem com as drogas e
atividades ilícitas;
d) Gerar oportunidade de debates e discussões com a comunidade escolar e com os pais
visando a acentuar uma conscientização quanto à problemática das drogas;
e) Obter condições para qualificar o Instrutor Proerd, objetivando o enriquecimento do
trabalho de modo que ele possa não só oferecer palestras, mas também participar de
amplos debates e discussões abrangendo o tema;
f) Prover os Policiais Instrutores do Proerd de uma quantidade mínima de recursos e
materiais didáticos que lhes permitam realizar palestras educativas para os adolescentes;
g) Fornecer suporte técnico e didático para os Instrutores.
h) Assegurar a qualidade do programa mediante recursos lúdicos que promovam maior
interatividade com os alunos, bem como, tornar as atividades realizadas em sala de aula
mais atrativas e motivadoras para as crianças.
i) Promover a conscientização da sociedade em geral a respeito de sua
responsabilidade, como também, garantir seu apoio para o combate às drogas;
j) Divulgar o trabalho desenvolvido pela PMAC em parceria com as Secretarias de
Segurança e de Educação junto à comunidade.

De acordo com a Constituição Federal do Brasil, em seu artigo 227, “é dever do Estado,
juntamente com a família e a sociedade em geral, assegurar às crianças e adolescentes os direitos e
as garantias fundamentais do ser humano”. Também a Constituição Estadual, em seu artigo 210,
parágrafo único, prevê que “O direito à proteção especial, conforme a lei, abrangerá, dentre outros
aspectos, à criação de programas de prevenção e atendimento especializado à criança e ao
adolescente dependentes de entorpecentes e drogas”.
Em conformidade com tais dispositivos legais, como também com o objetivo de contribuir
para o alcance da superação do problema das “drogas”, a PMAC, juntamente com as Secretarias de
Educação Estadual e Municipal, e ainda a maioria das escolas particulares de Rio Branco, vêm
desenvolvendo o Proerd.
Esse programa veio em tempo oportuno, tendo em vista o uso abusivo de drogas por
crianças e adolescentes e a relação direta desses fatores com a violência e a criminalidade. Além da
gravidade, a questão das drogas também afeta, infelizmente, todos os setores sociais, raças, credos e
opções filosóficas.

101
Polícia Militar do Estado do Acre

Combater tal problema deve ser prioridade dentro dos planos de segurança pública. Dada a
complexidade e amplitude do problema, acreditamos ser necessária uma ação conjunta de todos os
setores responsáveis pela conjuntura do convívio social.
Várias são as ações que já vêm sendo efetivadas no sentido de atender às pessoas que já
tiveram algum contato com o mundo das drogas. Porém, essas pessoas, basicamente, só têm se
preocupado em realizar um atendimento pós-contato com drogas, esquecendo que evitar tal contato,
talvez, possa ser a atitude mais adequada. Dessa forma, assegurar o atendimento à criança e ao
adolescente bem antes de estabelecerem um contato inicial, pode ser um caminho promissor na luta
contra a dependência química.
Por possuir natureza lúdico-educativa, a execução plena do Proerd requer por parte dos
policiais militares instrutores a utilização de objetos de premiações para serem utilizados nas
diversas atividades e dinâmicas desenvolvidas com os alunos, a fim de que as lições sejam
ministradas de acordo com a metodologia aplicada no programa.
O Proerd-AC atende a todas as redes de ensino em que haja o atendimento a crianças e
adolescentes, e, quando solicitado, atende a outras instituições, sempre prevenindo os cidadãos
sobre envolvimento com as drogas e situações de violência.
Assim, com o apoio das instituições responsáveis, através de estabelecimento de parcerias,
buscamos oferecer à comunidade um trabalho que contribua para a construção de uma convivência
social mais sadia.

O PROERD EM RIO BRANCO

De todas as cidades acreanas onde o Proerd atua, Rio Branco é onde o programa tem sido
implementado com maior projeção. Um dos motivos para essa realidade é o fato de a Coordenação
Estadual ter sede na Capital do Acre. Outro fator é a vontade de agir desse pequeno, mas abnegado
grupamento de policiais que aplicam o programa em suas várias formulações. Ainda podemos
destacar o fato de os policiais atuarem exclusivamente no Proerd, não cumprindo escalas em outros
tipos de policiamento – exceto nos casos de atividades que reúnam grande aglomerado de pessoas e
necessite de reforço de efetivo policial, como Carnaval, Expoacre, shows, etc.

Quadro operacional do Proerd: Rio Branco em destaque


A Coordenação do Proerd em Rio Branco responde por toda a atividade do programa no
estado do Acre, servindo como base de apoio para os Policiais Proerd que atuam nos diversos
municípios acreanos.

102
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

O Proerd acreano conta atualmente com um Coordenador Estadual, que é o Chefe da


Diretoria de Ensino e Instrução, um Master (que atualmente está exercendo suas funções no
município de Tarauacá), 11 Mentores, sendo que, destes, 09 estão na Capital; e 59 Instrutores35,
sendo que 15 destes atuam a partir de Rio Branco. Dos 71 policiais Proerd, 26 atuam na Capital,
sendo 09 Mentores e 15 Instrutores.
Os policiais Proerd em Rio Branco dão suporte para o bom andamento do programa no
interior do Estado, sendo as localidades de Porto Acre, Bujari, Senador Guiomard, Humaitá,
Campinas, atendidas diretamente por policiais da Capital. Há, também, policiais que são escalados
para se deslocarem de Rio Branco e aplicarem o programa no interior.
Os policiais Proerd dos municípios, na medida do possível, se deslocam para aplicar o
programa em localidades vizinhas, onde, pela distância, seria inviável enviar alguém da Capital para
suprir as necessidades. Esses abnegados policiais saem de suas cidades no interior do Estado e se
deslocam para outros centros em municípios vizinhos para verificar a ação e a interação do
programa Proerd junto ao maior número de crianças possível.
O intento da Polícia Militar é ter ao menos um Instrutor Proerd em cada município
acreano. Mas enquanto isso não ocorre, os policiais da Capital dão suporte ao programa nas demais
localidades.
De acordo com demonstrativo de atividades do Proerd de 1999 até 2006, observamos um
aumento considerável no número de Instrutores, embora, muitos deles, depois de formados, tenham
se afastado do Proerd por falta de condições de trabalho, motivos de caráter particular ou
afastamento a pedido dos Instrutores. Além disso, mais de uma dezena de Instrutores nunca assumiu
a função de Policiais Proerd de fato, embora o tenham sido de direito.
Em 2007, o Acre contava com 71 Policiais Instrutores, sendo que, desses, 35 estão
atuando no programa e 36 não estão. Dos 35 policiais que atuam em todo o estado, 24 estão na
Capital e 12 no interior. Ainda não foram concluídos os trabalhos de relatórios referentes a esse ano,
por isso, não é possível mensurar especificamente turmas e escolas atendidas.

Tabela: Demonstrativo das atividades Proerd por exercício – 1999/2006.


Policiais Proerd na Policiais Proerd no Total de alunos Total de escolas

ANO Capital Interior atendidos atendidas*

1999 01 --- 230 03


2000 07** --- 743 10

35
O Proerd Acre tem em seus quadros 71 policiais aptos a atuar, contudo, apenas 35 estão atuando, enquanto 36 estão
executando outros serviços para a Polícia Militar. Dos 35 policiais Proerd em atividade, 24 atuam a partir da Capital.

103
Polícia Militar do Estado do Acre

2001 07 01 3.685 49
2002 13 16 6.804 105
2003 23 24 10.634 182
2004 23 22 9.533 157
2005 15 14 8.402 120
2006 18** 17 6.569 65
* Várias escolas têm duas ou menos turmas de 4ª série, o que dificulta o deslocamento do
policial para mais de uma escola por período do dia.
** Atuaram apenas no segundo Semestre.

Visão da Polícia Militar do Acre sobre o Proerd e seus Policiais Instrutores

O Proerd é o maior programa de prevenção às drogas desenvolvido pela Polícia Militar do


Acre. O programa está presente em quase todos os municípios acreanos, contudo, percebemos que
grande parte da corporação policial não conhece o programa, sua finalidade ou sua atuação.
Além de atuar com 4ª série, 6ª série e Escola de Pais, o Proerd inovou, criando o curso
“Vivendo Melhor no Trabalho e na Família – Proerd”, que foi aplicado no Curso de Formação de
Cabos (CFC) da PMAC, no ano de 2007. O curso foi produzido em forma de palestras, num total de
12 horas/aula com os alunos-cabos36 da Capital e do interior do estado. A aceitação foi tão boa que
o curso se tornou disciplina efetiva dos cursos de formação de praças na Corporação, a ser
implementado em todos os cursos em tempo oportuno.
O curso “Vivendo Melhor no Trabalho e na Família” foi direcionado ao efetivo da Polícia
Militar presente no CFC 2007, oferecendo meios sócio-educativos para a redução do uso e abuso de
drogas, buscando uma maior satisfação por parte do policial em realizar seu trabalho e melhorar seu
relacionamento funcional e familiar. Dessa forma, a Corporação Policial Militar foi beneficiada
com um efetivo mais satisfeito com sua profissão, sua família e, conseqüentemente, com sua vida,
melhorando a qualidade dos serviços prestados à sociedade.
Com a aplicação do programa, buscamos promover a conscientização dos policiais
militares quanto aos malefícios que as drogas causam na sociedade e no indivíduo. As atividades
foram conduzidas no sentido de trabalhar habilidades que permitissem aos policiais resistir às
ofertas e pressões ao uso de drogas e à prática de violência, no intuito de reduzir a demanda pela
utilização de drogas junto à classe Policial Militar. Dessa forma, procuramos despertar nos policiais
a consciência de sua participação na formação da personalidade de seus filhos e parentes próximos.
36
As afirmativas aqui produzidas têm como base um estudo realizado com Policiais Militares da Corporação Policial
Militar que cursaram o CFC 2007. Esses policiais são provenientes de várias Organizações Policiais Militares do Acre e
responderam a um questionário proposto que foi devidamente autorizado pelo Diretor de Ensino da PMAC.

104
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

O objetivo geral do curso foi de promover a valorização do Policial Militar no ambiente de


trabalho e na família, através de palestras, debates e dinâmicas de grupos, conteúdos relativos à
prevenção às drogas, ao tratamento do usuário e ao relacionamento familiar do policial.
Especificamente, intentamos identificar aspectos que fortalecessem a função Policial Militar e o
relacionamento familiar; refletir os danos físicos, econômicos e sociais do uso e abuso de drogas,
bem como demonstrar os benefícios de uma vida saudável. Outros pontos relevantes do curso
foram: analisar o comportamento dos juvenis e adolescentes para melhor ajudá-los a resistir às
pressões ao possível uso drogas; perceber os meios de obtenção de ajuda dentro e fora da
Corporação com fins ao eventual tratamento do uso e abuso de entorpecentes; e, identificar as
condições que promovem a violência intra-familiar, apresentando maneiras para evitá-la.
Alguém poderia se perguntar o porquê desse curso ser aplicado a Policiais Militares. É
certo que vários são os problemas que, de maneira direta, prejudicam a vida e a função do Policial
Militar em suas atividades diárias. Dentre eles, podemos destacar o envolvimento com processos
judiciais e criminais, doenças relacionadas ao estresse na função Policial, envolvimento com drogas
lícitas e ilícitas, dívidas cumulativas, fragmentação familiar, pensões alimentícias, homicídios e
suicídios. Dentre os diversos problemas que atingem os Policiais Militares, dois nos chamaram a
atenção por acreditarmos que podemos contribuir para a minoração dos mesmos. São eles: o uso
abusivo do álcool/psicotrópicos, e o número expressivo de suicídios cometidos por Policiais
Militares nos últimos anos. Essas temáticas, que atingem diretamente a Instituição Policial Militar
do Estado do Acre, nos levaram a refletir sobre a necessidade de atuação interna da Corporação
para minimizar, e, em última instância, erradicar, essas situações degradantes aos seres humanos
que exercitam a função Policial Militar.
Após o curso, fizemos um estudo com os policiais militares, onde eles deveriam responder
um questionário informando o que pensam e que conhecimentos tinham ou adquiriram antes e após
o contato com o Proerd.
A primeira pergunta dizia respeito ao pretenso contato anterior que alguém da família do
policial tivesse apresentado com o programa Proerd. O resultado a que se chegou foi que apenas
49% dos policiais do curso CFC têm conhecimento do fato de alguns de seus familiares haverem
sido alunos ou tido contato com o Proerd, enquanto 51% dos policiais afirmou não ter
conhecimento de seus familiares haverem cursado o Proerd.
A segunda pergunta dava conta de como esses policiais viam os policiais do Proerd antes
de conhecê-los no CFC. De acordo com as respostas obtidas, 63% dos policiais acreditavam que o
Proerd é um “projeto” (e não um “programa”) que atua fazendo palestras para crianças. 23% dos
policiais não conheciam as atividades de prevenção às drogas e à violência executadas pelo Proerd;
enquanto 14% dos policiais acreditavam que os policiais Proerd são policiais que atuavam em um

105
Polícia Militar do Estado do Acre

projeto que só existia no papel, e esses policiais continuavam no projeto porque queriam ficar longe
das ocorrências relacionadas ao serviço operacional executado nas ruas de Rio Branco.
Quando indagados sobre o que pensam do Proerd, atualmente, 73% desses mesmos
policiais afirmaram que o programa é muito importante, enquanto 22% afirmam ser muito bom e
dinâmico, e, 5% afirmam que o programa ajuda com informações sobre o tratamento de
dependentes químicos.
É interessante que os policiais do CFC afirmaram que o Proerd traz benefícios para a
Polícia Militar do Acre. Quando foi pedido para que elencassem quais os benefícios que o programa
traz, quase dois terços desses policiais afirmaram que após o envolvimento com o programa, eles
melhoraram o relacionamento familiar, enquanto um terço afirmou que o programa auxilia no
fortalecimento dos valores morais e éticos concernentes ao bom convívio no relacionamento entre
policiais, ajudando inclusive os policiais que necessitam de tratamento ou que pretendem se manter
longe das drogas.
Quando perguntamos aos policiais em que, especificamente, o programa Proerd lhes
ajudou, para constar nos relatórios com fins a esse conjunto de palestras se tornar uma disciplina do
CFAP, metade desses policiais afirmou que o Proerd é importante porque os ajudou a melhorar o
relacionamento no ambiente de trabalho, enquanto a outra metade afirmou ter melhorado o
relacionamento com a família e com a comunidade, mantendo-os de bem com a vida.
Com isso, podemos perceber que ainda há muito o que se fazer em termos de Proerd em
Rio Branco. Dentro da própria Corporação Policial Militar, muitos ainda são os policiais que não
conhecem o programa e não sabem sobre as atividades por ele realizadas.
Os alunos Cabos do CFC 2007 tiveram uma experiência com o Proerd e aprovaram,
contudo, outros policiais precisam conhecer o programa para aprender mais sobre prevenção às
drogas e à violência, bem como, a valorização da sociedade como um todo, a começar pela família.

Visão das escolas sobre o Proerd e seus Policiais Instrutores

No intuito de alcançar a eficácia, bem como medir sua eficiência, a equipe Proerd, através
de sua Coordenação, elaborou e executou uma pesquisa junto às escolas públicas37 das redes

37
As afirmativas aqui produzidas têm como base um estudo realizado com Diretores de escolas públicas estaduais e
municipais de Ensino Fundamental, além de Equipes Gestoras e Professores de 4ª séries que atuaram nas escolas
durante o período de aplicação do Programa Proerd. Esses servidores são provenientes de quinze instituições de ensino

106
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

municipal e estadual de Ensino Fundamental. A pesquisa ficou restrita à área pública por termos
encontrado dificuldades técnicas de atendimento a nossas necessidades em algumas instituições
particulares que não disponibilizaram seus dados ou “dificultaram o acesso”. Não estamos com isso
dizendo que a rede de ensino particular em nossa cidade não quis participar da pesquisa. Temos
excelentes parceiros que atuam conosco há anos e pretendemos continuar com eles por décadas,
todavia, não conseguiríamos o percentual necessário de informações para a pesquisa apenas com
nossos “parceiros incondicionais”. Por isso, optamos atuar apenas na rede pública.
Dito isto, entramos em contato com a Secretaria de Estado de Educação, com as Gerências
de Ensino Fundamental e Médio, com os diretores das escolas, equipes gestoras e professores,
informando o intuito de averiguar as ações do programa, buscando conhecer como as escolas vêem
o Proerd, bem como, sua eficiência e eficácia.
O grau de aceitabilidade da pesquisa superou nossas expectativas, com 100% das escolas
nos atendendo de bom grado. Assim sendo, nessa fase específica da pesquisa foi aplicado um
questionário com 32 perguntas, muitas delas propositadamente parecidas para percebermos as
informações com maior precisão. O universo de escolas pesquisadas representa pouco mais de um
terço das escolas públicas atendidas pelo Proerd em todas as regionais da Capital. O critério para a
escolha foi o fato de ter havido e ainda haver turmas de 4ª série do Ensino Fundamental; ter
recebido o programa pelo menos três vezes, o que mostraria uma continuidade dos trabalhos; e
vontade de colaborar para a melhoria do Proerd em Rio Branco.
Todos os que responderam o questionário semi-aberto atuam ou atuaram quando da
execução do programa Proerd de 4ª série em suas escolas, sendo que, cerca de um terço atuou
indiretamente e dois terços atuaram diretamente. Um terço dos entrevistados faz parte da equipe
gestora da escola e dois terços são professores.
Quando indagados sobre a necessidade de programas de prevenção na localidade e na
escola, quase totalidade dos entrevistados afirmou que seria bom, porque é preciso investir no
futuro dos jovens, embora 2% acreditem que a situação não vai mudar; 98% das escolas acreditam
que o Proerd é muito importante para a comunidade escolar. O Proerd é o único programa de
prevenção às drogas e à violência presente em 92% das escolas; 8% das escolas são atendidas pelo
Proerd e pelo DAE.
Em 70% das escolas, a aceitação do Programa é excelente, o que espelha o empenho de
seus policiais em manter o alto padrão do programa com a comunidade escolar, em 30% das escolas
a aceitação é boa e muito boa, não sendo constatado nenhum índice de desabono ao programa. De
mesma forma, a receptividade da maioria absoluta dos alunos é excelente com relação ao programa.

atendidas pelo Proerd e responderam a um questionário proposto que foi devidamente autorizado pela Secretaria de
Estado de Educação.

107
Polícia Militar do Estado do Acre

Com esses dados e resultados agora comprovados, a comunidade escolar anseia por expandir a ação
do Proerd em suas escolas.
O Proerd prima pelo ideal de uma vida saudável, longe das drogas e da violência. Um
percentual de 86% dos diretores, coordenadores e professores disseram ter notado a diminuição de
atos agressivos no comportamento dos alunos que estudaram o programa. De acordo com a maioria
absoluta dos entrevistados, seria ótimo se esse dado pudesse ser repetido através da aplicação do
programa também nas 6ª séries e com os pais dos alunos, a comunidade escolar e a comunidade em
geral ganhariam mais segurança e menos atos violentos.
Não estamos afirmando que o programa é a solução para os males e mazelas da sociedade,
mas é um alerta, uma conversa franca, uma possibilidade de esclarecimento sobre as diversas
práticas cotidianas que envolvem ou não a atividade de drogas e violência. A partir daí, o aluno
toma sua decisão cotidianamente por fazer ou não uso de drogas, agir ou não violentamente. Mas
esses atos agora serão conscientes de uma possível escolha contrária; o que não ocorre atualmente,
em muitos casos, com crianças e adolescentes que não foram esclarecidos sobre esses fatos.
Antes do Proerd em mais da metade das escolas de Ensino Fundamental havia utilização
esporádica de drogas, principalmente de cigarro, por professores, funcionários e alunos dentro das
escolas. E em dois terços delas havia a utilização constante ou esporádica de drogas, principalmente
cigarro e bebida, por professores, funcionários e alunos nas imediações das mesmas.
Após a implantação do Proerd nas escolas, 58% das escolas não apresentaram utilização
de drogas, principalmente cigarro, por professores, funcionários e alunos dentro das escolas.
Entretanto, em quase um terço delas, constatou-se que os funcionários, professores e alunos saem
da escola para fumar fora dos portões, e em casos extremos, para “tomar uma” antes ou após o
expediente.
Esses dados demonstram que não basta fazer um trabalho com as crianças, é necessário
que a Polícia Militar, através da Polícia da Família, da Companhia Escolar, do Proerd, e de outros
pelotões, atue com palestras, seminários e exposições sobre prevenção também com os funcionários
e professores, além da comunidade em geral. De igual forma, é preciso que a Secretaria de
Educação, a SECIAS e a Secretaria de Saúde atuem no sentido de promover um ambiente saudável
para as crianças. Não basta proibir. Não basta baixar portarias. Existem várias leis sobre o assunto.
É necessário tentar resolver o problema com propostas e discussões, auxiliando e não apenas
determinando.
É fato que o Proerd atua em mais 80% das escolas públicas da Capital, embora seu
objetivo seja atuar em 100%, não temos policiais suficientes para pôr em prática o programa em
todas as escolas, tampouco, o Proerd para a 6ª série e para pais. Temos policiais formados, prontos

108
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

para implementarem todos os programas, mas não adianta pôr em prática o que seria o
complemento e deixar a base, a 4ª série, sem ser atendida.
Percebemos que para os agentes que atuam nas escolas, o fato de ter um parceiro com
quem possam contar aumentou a expectativa quanto a seminários, oficinas, palestras e expressões
de combate ao uso de drogas e prática de violência. Várias escolas que não comemoravam a semana
anti-drogas, atualmente o fazem. É comum ver exposições e cartazes em murais alertando sobre a
problemática. Isso demonstra que as escolas estão despertando para o que é uma tendência nacional,
o fato de informar as crianças sobre os efeitos e as conseqüências de substâncias psicoativas.
A maioria absoluta dos entrevistados informou que o Proerd funciona em seus ideais de
manter as crianças longe das drogas e da violência, seu conteúdo é adequado para as crianças,
embora acreditem que há a necessidade de adequação da metodologia. 44% dos profissionais da
educação que foram entrevistados acreditam que há a necessidade de adequação da metodologia
aplicada. Vale ressaltar que a metodologia atualmente atualizada tem base no construtivismo e foi
formulada especificamente para esse programa no Brasil por volta de 1992, de mesma forma há
uma outra metodologia que está sendo testada em outros estados da nação, o chamado programa
Proerd par 4ª série em 10 lições, baseado na metodologia construtivista-interacionista, formulada
para o programa em 2005. Contudo, essa ainda está em fase de teste em nosso estado.
Por ser um programa padrão das Polícias Militares do Brasil e registrado
internacionalmente, não dá para mesclar o melhor de um com o melhor de outro programa Proerd.
São dois os programas de 4ª série: o de 17 lições, menos dinâmico, porém com um
acompanhamento maior por parte do policial que atua mais tempo nas escolas; e o de 10 lições,
mais interativo, mais dinâmico, porém aplicado em um bimestre letivo. A sociedade precisará
escolher entre ganhar em interação ou em atuação presencial do Policial Proerd nas escolas.
De acordo com as escolas, as aulas do Proerd têm duração média de uma hora e quinze
minutos, o que equivale a quase dois tempos letivos em algumas escolas, e são aplicadas por um
policial devidamente fardado com o “uniforme de passeio e instrução”. O policial, além de atuar nas
salas de aula, interage com os professores, funcionários e alunos das escolas, tanto que para os
entrevistados, 50% dos funcionários que “fumavam seu cigarrinho” dentro das escolas diminuíram
consideravelmente o uso do cigarro, bem como, os alunos ficaram menos violentos.
Para os entrevistados quase todos os policiais são assíduos, pontuais e estão bem
qualificados. Quanto aos que não se encontravam nessa situação, a Coordenação do programa
tomou providências para melhor qualificar seus profissionais e atender melhor a sociedade. Um fato
que vale ressaltar é que, normalmente, ao ler documentos de instituições militares, sempre que um
militar foge ao que foi estabelecido como regra ele é punido. Não é essa a metodologia utilizada
nacionalmente pelo Proerd. A necessidade de boa auto-estima e bem estar das crianças está

109
Polícia Militar do Estado do Acre

concomitantemente ligada à necessidade de boa auto-estima e bem estar do policial, assim sendo, o
policial responde por seus atos e busca voluntariamente melhorar para que todos fiquem bem com
isso. Caso ele persista na atitude de desacordo com o grupo, é convidado a sair, haja vista que o
objetivo primordial é manter “nossas crianças de bem com a vida”, dentro do lema “servir e
proteger”.
A maioria absoluta dos policiais, na opinião das escolas, tem um excelente domínio de
conteúdo ou domínio muito bom. Eles não repetem as instruções “como papagaios”, mas conhecem
o assunto que estão expondo. Isso reflete diretamente no domínio de classe, que não é função do
Policial Proerd, mas dos professores, e que, de acordo com as escolas, a maioria absoluta dos
policiais têm desenvolvido um trabalho muito bom, primando pela excelência.
Todos os Policiais Proerd atuam em várias escolas ao mesmo tempo, com a média de três
escolas para cada policial. De acordo com os entrevistados, a maioria absoluta dos policiais interage
em todos os âmbitos da escola, e quando perguntados sobre que nota dariam para os policiais que
passaram por suas instituições de ensino, 43% das instituições atribuíram nota máxima. Ficando em
9,5 a média da nota dos policiais Proerd. Esse fato é um dado que muito nos orgulha, uma vez que
buscamos a excelência e a cada dia tentamos atuar de forma mais eficiente.
O leitor deve estar se perguntado: “E os pontos negativos do Proerd, não têm?”. Sim, a
pesquisa realizada nas escolas apontou erros e distorções do tipo: atraso de policiais,
desalinhamento de uniforme, dificuldade em repassar a lição, e outros similares, que já foram
corrigidos. Algumas outras dificuldades como necessidade de formação continuada dos policiais e
maior preparo para atuar com novos currículos construtivistas-interacionistas já estão sendo
programadas para implementação em breve. O Comando da Polícia, a Coordenação do programa e
os Policiais Proerd buscam a cada dia melhorar sua eficiência em busca da eficácia. Algumas
escolas reclamaram da baixa qualidade dos livros dos estudantes – esses foram trocados; outras, do
domínio de classe por parte de alguns policiais – já os treinamos novamente e os acompanhamos
nas escolas. Ainda, algumas escolas pediram modificações na metodologia e expansão do currículo
para o 3º ciclo e para a comunidade – já está em fase de teste o currículo de 10 lições 4ª série, o
currículo da 6ª série e o “Currículo de pais”.
Algumas escolas pediram maior interação do policial com a comunidade escolar – esse
pedido já foi aceito e implementado com a readequando a escala e a carga horária diária para que o
policial possa ter mais tempo para atuar na escola. E, por fim, pediram que os resultados fossem
divulgados “sem maquiagem” ou “censura” – aqui os disponibilizamos para toda a sociedade, e por
ser um relatório escrito, logo, conciso, não apareceram as informações individuais38 dos mais de

38
As identidades dos entrevistados foram preservadas. Não há como identificar quem respondeu qual questionário.

110
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

três mil alunos e 100 professores, mas essas podem ser obtidas na base de dados da pesquisa que se
encontra na Diretoria de Ensino e Instrução da Polícia Militar, na Coordenação do Proerd.

Avaliando o programa Proerd

Policiais Proerd e suas redes sociais

Efetuamos uma pesquisa entre os Policiais Proerd que se fizeram voluntários para
conhecer um pouco mais suas redes sociais de atuação. A pesquisa foi realizada no mês de junho de
2007, na Coordenação do Proerd Acre. Após a aplicação de questionário em forma de gráfico,
tivemos a grata surpresa de 60% do efetivo total do Proerd ser voluntário. A porcentagem poderia
até ser maior se alguns policiais não estivessem viajando, em missão ou de férias.
O objetivo desse estudo foi verificar como os policiais constituem seus relacionamentos
nos diferentes aspectos de suas vidas. Para isso, os policiais deveriam pensar nas pessoas que são
importantes para si atualmente, pessoas que fazem parte de suas relações neste momento de suas
vidas.
Partindo dessa premissa, eles deveriam desenhar, no mapa que lhes foi entregue, quais as
pessoas que fazem parte da suas redes, sendo que cada pessoa do sexo feminino seria representada
por um círculo, e cada pessoa do sexo masculino, seria representada por um quadrado. Não era
necessário colocar nomes, só representá-los pelos círculos ou quadrados.
Esse trabalho com círculos e quadrados não foi aleatório. Antes de colocar as pessoas no
mapa, existiam algumas regras que deveriam ser seguidas, para nos ajudar no conhecimento de seus
relacionamentos: o policial deveria predispor seu título de Mentor ou Instrutor no centro do círculo,
conforme tabela anexa, e no primeiro círculo deveria colocar as pessoas que são de suas relações
mais íntimas, em quem ele confia mais, com quem realmente sabe que pode contar, pessoas que são
de sua confiança e de quem mais gosta. No segundo círculo, deveria colocar aquelas pessoas que
considera importantes, mas não sente tão próximas. De mesma forma, no terceiro círculo, deveria
colocar as pessoas que considera que fazem parte de suas relações, mas que não são tão importantes
ou que estão mais distantes neste momento de sua vida.
Os três círculos eram inter-secionados por duas transversais que planejavam os espaços na
horizontal e na vertical, de forma que cada um dos espaços fosse contemplado com parte dos três
círculos. Os espaços foram divididos em: família, amigos, comunidade e escola/trabalho.
Quando da análise dos questionários um dado ficou latente: houve uma diferença muito
grande entre as respostas dos Instrutores e dos Mentores. A análise inicial seria para verificar como
111
Polícia Militar do Estado do Acre

se comportavam os Policiais Proerd em suas redes sociais, mas pela relação díspar encontrada, esse
tema será dividido conforme as respostas, ou seja, analisaremos os Mentores, os Instrutores e, por
fim, uma análise geral, análise essa que havia sido a única planejada anteriormente.
Pelo mapa das redes sociais, percebemos que Instrutores e Mentores trabalhando a mesma
carga horária, nas mesmas atividades, na mesma cidade, diferenciam de forma geral o modo como
se relacionam com a sociedade. Não se intenta aqui afirmar que os Mentores agem de um jeito e os
Instrutores agem de outro, mas simplesmente nominar as atividades mais desenvolvidas por cada
grupo específico.
A relação familiar de Instrutores e Mentores se mostra firmada, com relacionamentos
contínuos, tanto nas relações mais íntimas quanto nas de menor grau de compromisso. A família,
como sendo a base da sociedade, está relativamente bem assistida em ambos os grupos. Mesmo
com uma carga alta de estresse proporcionada pela atividade Policial Militar no exercício de sua
função, esses policiais militares têm demonstrado uma boa interação familiar, tanto com sua família
nuclear (pai, mãe, irmãos, filhos) quanto com seus familiares de convívio mais próximo.
Percebemos, todavia, que as relações ocasionais dos Mentores se dão três vezes mais fortes que
entre os Instrutores, o que se poderia, em tese, representar como os Mentores interagindo mais com
seus parentes mais distantes; ou, pelo fato de os Mentores serem um pouco mais velhos que os
Instrutores e, em geral, estarem há mais tempo na Polícia, terem adquirido “certa estabilidade” e
poderem se relacionar mais com seus parentes distantes.
A relação com os amigos mostra-se díspar logo no início, nas relações mais íntimas e
prossegue por toda a rede social dos grupos. Os Mentores demonstraram relacionar-se mais com
seus amigos que os Instrutores, o que é um dado preocupante. Se produzirmos as somas das
relações entre ambos os grupos e dividirmos pelos graus, ainda assim, perceberemos que os
Mentores têm quase o dobro de convívio em seus relacionamentos com os amigos, o que não prova
que os Instrutores tenham menos amigos, mas sim, que eles estão muito preocupados com outras
atividades, a ponto de deixarem os amigos um pouco mais distantes de si. De forma específica, pela
jovialidade dos Instrutores, que são em média, cinco anos mais jovens que os Mentores, e têm em
seu círculo um número maior de solteiros que no círculo de Mentores, esperávamos que o número
de “amizades estáveis” demonstrada pelos Instrutores fosse maior que a demonstrada pelos
Mentores, fato que não ocorreu. Esse “espelho” produzido no mapa de redes sociais pode ser um
índice de alto nível de estresse vivenciado pelos Instrutores.
A relação com a comunidade demonstra equiparação no que concerne as relações mais
íntimas entre Instrutores/comunidade e Mentores/comunidade. Todavia, nas relações de menor grau
de compromisso e nas relações ocasionais, percebemos que os Mentores têm mais sólida relação
com seus vizinhos. Talvez isso se dê pela estabilidade adquirida no vínculo de vivência na

112
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

localidade e pela não necessidade de “correr tanto” dos Mentores em busca de relações sociais mais
estáveis.
As relações escola/trabalho demonstraram equiparação nas relações mais íntimas, com um
pequeno aumento do número de relações ocasionais por parte dos Mentores. Entretanto, um dado
que surpreende é o fato de nas relações de menor grau de compromisso, os Instrutores
demonstrarem maior interação nas escolas e no trabalho que os Mentores. Isso pode demonstrar um
alto grau de busca por melhor se relacionar, por parte dos Instrutores. O fato de a maioria dos
Instrutores estar há menos de dois anos no Proerd e a maioria dos Mentores estar há mais de cinco
anos deveria, em tese, demonstrar uma maior interação entre os Mentores, as escolas e a Polícia, o
que só ocorreu ligeiramente nas relações ocasionais.
O fato de os Mentores demonstrarem estar, de certa forma, afastados das relações com as
escolas e trabalho não transparece descaso por parte dos mesmos, já que suas relações, de forma
geral, são mais fixas nesse item que nos itens amigos e comunidade. Contudo, há a necessidade de
os Mentores interagirem mais com as escolas e com outros setores da Polícia Militar, haja vista que
eles devem ser o “espelho dos Instrutores”.
Em contrapartida, os Instrutores atuam mais do que deveriam na relação escola/trabalho, o
que é preocupante. As relações escola/trabalho dos Instrutores são maiores que as relações
familiares, de amizades e comunitárias. Esse pode ser o fator que faz os Instrutores não interagirem
tão firmemente nos demais grupos de suas redes sociais. O altíssimo índice de relações sociais na
escola/trabalho pode ser um ponto que culmine no fator de estresse entre os Instrutores Proerd. Fato
que, em se mantendo o quadro, a longo prazo, pode dificultar suas relações sociais de forma geral,
ocasionando “doenças sociais” como estresse, ansiedade e depressão.
Vale ressaltar que as respostas aqui obtidas são um “espelho” do momento vivenciado
pelos policiais. O fato de determinadas respostas serem produzidas em um momento não quer dizer
que será sempre assim, antes, com as interações sociais cotidianamente estabelecidas, essas relações
podem variar conforme as proposições de cada indivíduo para sua vida pessoal.

Processo auto-avaliativo do Proerd

O Proerd é um programa das Polícias Militares e dos Corpos de Bombeiros Militares, por
isso, faz parte dos quadros e funcionalidades dessas instituições. Como muitas instituições públicas
não têm o caráter auto-avaliativo, sua eficiência fica comprometida por uma funcionalidade que
nem sempre é a mais adequada – esse não é o caso do Proerd. Brena Pimenta, Bruno Ribeiro e
Talita Silva (2005), ao avaliar o Proerd do Distrito Federal fizeram algumas considerações válidas

113
Polícia Militar do Estado do Acre

que servem como alerta para as demais instituições e que, no caso do Proerd Rio Branco, veio a
somar e corroborar com nossos anseios de melhorar a eficiência do programa constantemente.
Brena, Bruno e Talita, afirmam que:

Diante das dificuldades de gestão da informação já constatadas e apresentadas anteriormente, é de se esperar


que o PROERD, por não contar com uma base de dados concluída e uma burocracia especializada para
produzir e armazenar estatísticas, também não pode gerar um processo auto-avaliativo que alcance o sucesso
necessário para a melhoria do programa (2005, p.47).

Diante da afirmativa dos autores, tomamos de empréstimo seu questionário de aplicação


do Proerd como um dos quatro modelos auto-avaliativos dos Policiais Proerd em Rio Branco.
Foram aplicados questionários sobre as redes sociais, o conhecimento dos objetivos geral e
específico de cada lição Proerd de 4ª série, as relações dos policiais no ambiente escolar e a que se
segue, que é sobre como esse policiais avaliam o próprio programa que conduzem no decorrer dos
semestres letivos com atividades periódicas de aulas, formaturas, encontros com a Coordenação
Administrativa e cursos de formação – o Proerd Rio Branco ainda não colocou em prática a
Coordenação Pedagógica, embora já existam planos e pessoas qualificadas para isso.
Foram aplicados questionários aos policiais que atuaram no segundo semestre de 2007
(45% do total). Percebemos que a idade dos Policiais Proerd varia bastante, embora a concentração
seja de policiais com idade entre 27 e 30 anos. Dentre todos os entrevistados, dois terços são do
sexo masculino e um terço do sexo feminino.
O perfil religioso do efetivo do Proerd é fortemente marcado por cristãos (evangélicos e
católicos). Esses Instrutores foram formados em 2000, 2003 e a maioria em 2006.

Policiais Proerd por Religião

Outras
8% Católica
31%

Evangélica
61%

No Proerd da cidade de Rio Branco não existe nenhum Master. A única Master acreana é a
Capitã Socorro, que atua na cidade de Tarauacá. Dois terços dos Policiais Proerd entrevistados em

114
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Rio Branco são Instrutores e atuam diretamente nas salas de aula das escolas executando o
Programa, enquanto os Mentores se dividem entre o trabalho em sala de aula, Coordenação do
programa na cidade, logística, palestras e atendimento de convites para preparar outros policiais.
Quando perguntados sobre as principais motivações que levam o Policial Militar a se
voluntariar ao Proerd, a partir de uma pré-observação de quais seriam as principais motivações,
foram estruturadas as seguintes alternativas:

• Acredita que o programa ajuda na melhoria da imagem da PM perante a comunidade;


• Acredita que a prevenção é mais importante que a repressão;
• Tem motivação de ordem religiosa;
• Já enfrentou problemas com drogas e violência na família;
• Gosta de trabalhar com crianças e jovens.

Somamos o maior número de apontamentos como sendo o de preferência apontado a partir


de todas as respostas dos Instrutores e verificamos que a maior parte dos Instrutores acredita que a
prevenção é mais importante que a repressão, em segundo lugar, o Instrutor acredita que o
programa ajuda na melhoria da imagem da PM perante a comunidade.
Os Policiais Proerd responderam sobre seus relacionamentos com as escolas, sendo elas
particulares ou públicas. Para eles o seu relacionamento com as escolas particulares é ótimo (64%),
embora apareçam alguns relacionamentos considerados regulares (18%). O relacionamento com as
escolas públicas é tido como ótimo (71%), e não aparecem relatos de relacionamentos regulares ou
ruins.

Relacionamento com as escolas da Relacionamento com as escolas


Rede Pública particulares
Ruim
Regular Ruim
Bom 0% Regular
18% 0%
29% 0%

Bom
Ótimo
Ótimo 18%
64%
71%

Fonte: Questionário com Policiais Proerd.

Mais da metade dos policiais afirmou que o envolvimento da família dos alunos com o
Proerd é insatisfatório. Esse é possivelmente um dos obstáculos ao alcance dos objetivos principais
do Proerd. Os policiais afirmaram que as famílias interagem no dia da formatura do Proerd, mas que

115
Polícia Militar do Estado do Acre

grande parte delas não faz o acompanhamento dos alunos durante o curso, nem participa das
reuniões de pais que são realizadas pelo programa na escola.
Os policiais afirmaram que apenas às vezes (43%) há uma correspondência entre o
conteúdo do livro do estudante Proerd e o conteúdo trabalhado pelos professores das escolas.
Raramente (36%) os professores dão continuidade na construção de um conhecimento a partir do
conteúdo trabalhado em sala de aula pelo Policial Proerd.
Dentre as dezessete lições (dezesseis em sala e uma formatura), três destacam-se na
opinião dos entrevistados como sendo as que eles consideram aquelas em que há maior apreensão
de conteúdo por parte das crianças.
A opinião dos entrevistados aponta as lições 3, 6, e 10, respectivamente, como as de
melhor absorção por parte dos alunos.
A lição 03 é aplicada buscando construir com os alunos o processo de aprendizagem
iniciado pelas duas lições anteriores. Nessa lição o Instrutor atua como um mediador em sala de
aula, articulando as formulações propostas e interagindo a partir das experiências dos alunos e das
aulas anteriores.
Com a lição 06, os alunos são estimulados a elogiarem seus colegas de sala, há uma
página específica para isso onde vários colegas podem elogiar uns aos outros. No final da aula o
aluno faz um elogio a si mesmo, onde valoriza suas qualidades que considera relevantes. Com isso,
as crianças fortalecem sua auto-estima por observarem que os colegas as vêem de modo elogioso,
havendo um fortalecimento dos laços de amizade na turma.
A lição 10 foi a terceira destacada pelos Policiais Proerd. Nela, os estudantes são
estimulados a desenvolver habilidades necessárias para analisar como os meios de comunicação
podem influenciar o modo como as pessoas pensam, sentem e agem com relação à violência e ao
uso de drogas. Com isso, o policial objetiva que os alunos sejam capazes de reconhecer a influência
dos meios de comunicação quando mostram o cigarro, o álcool e as outras drogas e ainda, as
atitudes de violência.
Os policiais foram convidados a discorrer sobre o que eles consideram ser os maiores
problemas do Proerd. Esse é um dado importante, por ser uma rica fonte de informação. A opinião
desses Instrutores em muito reflete o que já se percebeu em reuniões com a comunidade escolar e
com a sociedade. Foram excluídas as opiniões díspares e registradas as regularidades, os problemas
apontados são tanto de ordem interna (coordenação, estrutura física, carga de trabalho e assistência
aos alunos) quanto de ordem externa (financiamento, parcerias e família). Percebemos em seus
escritos que existem alguns obstáculos que impedem o pleno funcionamento do programa e
diminuem consideravelmente sua eficiência.

116
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Na opinião dos policiais entrevistados, os maiores problemas do Proerd são a falta de


valorização e de apoio por parte da PM, falta de material adequado para trabalhar os conteúdos e os
programas a serem desenvolvidos, além da falta de estrutura adequada para a Coordenação Estadual
do Programa. Isso não quer dizer que esses ítens não sejam contemplados, mas que, na opinião dos
instrutores, poderia ter uma maior valorização e melhoria de estrutura e logística.

Maiores Problemas do Proerd


Curos de
Logística aperfeiçoa
Falta de 10% mento
Valorização 7%
por parte da
PM Falta de
28% Efetivo
Falta de 10%
recursos
financeiros Falta de Falta de
7% material estrutura
24% adequada
14%

Fonte: Questionário com Policiais Proerd.

Seqüencialmente, os policiais foram inquiridos sobre a importância de alguns elementos


para o Proerd da PMAC. Eles deveriam atribuir nota de 1 a 10 para cada item. Os Instrutores foram
orientados a atribuir notas de acordo com o valor real do elemento ou da instituição para o
programa Proerd, e não o valor que esses deveriam ter. Pedimos que dessem notas referentes ao
grau de satisfação e importância que acreditavam merecer cada elemento ou instituição pelo apoio
que têm dispensado para execução das atividades do Proerd.
Todas as notas atribuídas pelos Instrutores a cada item da pesquisa foram somadas em
seus respectivos grupos e divididas pelo número de policiais atribuidores. Assim sendo, chegou-se à
conclusão de que para o Proerd PMAC funcionar adequadamente da forma que vem sendo
executado o trabalho, vários fatores contribuíram positiva e negativamente, sendo a soma deles
responsável por grande parte das interlocuções ou falta delas realizadas no Proerd.
Para os Policiais Proerd, três fatores merecem destaque por não estar havendo a devida
relação de cooperação mútua, o que dificulta o trabalho e faz com que a logística e a atuação do
programa fiquem aquém das necessidades: a Embaixada dos Estados Unidos, que atua auxiliando o
Proerd em vários Estados da Federação, quase nada tem feito para execução direta do programa no
Acre; de mesma forma, a pouca divulgação do programa e de suas realizações é apontada como
uma necessidade premente que não tem sido executada a contento; e, ainda, a atuação do Governo
Federal nas políticas públicas de prevenção foi apontada como abaixo das expectativas dos
117
Polícia Militar do Estado do Acre

policiais. Todos esses itens tiveram nota inferior à média 5,0 estabelecida como minimamente
regular.
Importância e apoio que têm dispensado para a atuação do Pontuação
programa Proerd no Acre (00 = mínimo // 10 = máximo)
Curso de formação de instrutores 8,78
Livro do estudante 8,00
Coordenação administrativa 7,78
Proerd no Acre 7,64
Comando Geral da Polícia Militar 6,42
Proerd no Brasil 5,99
Atuação do Governo do Estado do Acre 5,42
Atuação do Governo Federal 4,92
Divulgação do Programa 4,61
Embaixada dos Estados Unidos 3,14
Fonte: Questionário para Policiais Proerd.

Em contrapartida, os policiais afirmam que três itens se destacam para o bom desempenho
do programa na cidade de Rio Branco. Esses itens não alcançaram nota de excelência, contudo,
apontam para a possibilidade de melhorias e ajustamento de atividades para uma atuação mais
eficiente. Dentre os pontos citados pelos policiais, destacam-se o livro do estudante Proerd da
quarta série que mesmo necessitando de revisão, é apontado como um forte auxílio para que o
programa tenha uma boa receptividade; a Coordenação do Proerd que em sua forma administrativa
foi cotada como um ponto forte, embora tenha a crescer o fato de necessitar implantar na prática a
parte pedagógica da Coordenação; e o curso de formação de Instrutores, que tem auxiliado na
formação dos policiais que atuam no programa. Esses foram considerados os pontos fortes do
programa em Rio Branco.
Os relatos dos Policiais Proerd estão na mesma direção que o resultado das entrevistas
com alunos, comunidade escolar e sociedade em geral que foram demonstrados em outros capítulos,
pois apontam deficiência nas parcerias e no apoio institucional, bem como uma necessidade de
continuidade do programa para as séries posteriores.

Aprendizado dos objetivos Proerd

118
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Os policiais Proerd são constantemente instigados a palestrar sobre assuntos relacionados


a drogas e à violência. São tantos os pedidos para palestras, oficinas, estudos e exposições que não
conseguimos atender a todos.
O efetivo policial precisa ser ampliado para que possamos atender a todas as turmas de 4ª
séries, 6ª séries e Curso de Pais. Contudo, temos focalizado novas ações, principalmente, no
atendimento das turmas de 4ª séries, por entender que elas são a base do atendimento do Programa.
Não é difícil um Policial Proerd ser convidado para palestrar e precisar executar a palestra
em menos de 24 horas a contar do tempo em que foi comunicado. Isso nos aguçou o pensamento
quanto à real possibilidade de os policiais terem apreendido não apenas o conteúdo, mas os
objetivos do programa.
Por sugestão da Coordenação do Proerd Acre, fizemos um questionário a ser respondido
pelos Policiais Proerd que estivessem interessados em demonstrar o quanto tinham apreendido com
relação aos objetivos do Programa.
A tarefa consistia em, após uma manhã de trabalho, com o cansaço e a fadiga decorrentes
deste, dissertar sobre o objetivo geral do Programa e sobre o objetivo de cada uma das 17 lições do
Proerd, além de descrever de forma sucinta, mas com conteúdo substancial, os passos de uma das
lições do programa.
Para executar essa tarefa todos os policiais foram pegos de surpresa, não poderiam fazer
uso de suas fichas individuais, do Manual do Instrutor (livro que regulamenta e norteia todas as
lições Proerd), de lembretes, nem se comunicar com outros colegas. Os policiais só poderiam fazer
uso de uma caneta e do livro do estudante (o livro que é dado aos alunos da quarta série), e teriam o
tempo de 45 minutos para concluir todos os tópicos, ou seja, teriam 19 questões a serem
respondidas “de cor” em seus objetivos, com o tempo de pouco mais de dois minutos para cada uma
delas.
Queríamos saber se os policiais eram capazes de dizer sem muitas dificuldades quais os
objetivos de cada lição, e mais que isso, se estavam preparados para expor uma das lições sem ter
previamente se preparado.
Dos 23 policiais Proerd em Rio Branco, apenas 17 se encontravam na localidade, sendo
que 04 estavam em trânsito, não podendo permanecer muito tempo ou responder o questionário.
Sobraram 13 que voluntariamente responderam o questionário, sendo 09 Instrutores e 04 Mentores.
No cabeçalho do questionário constavam as seguintes informações:

Conceitos para comparação:


10 pontos (excepcional): Você deveria ser promovido no Proerd.
9,1 a 9,9 pontos (excelente): Você é um Policial Proerd padrão.

119
Polícia Militar do Estado do Acre

7,5 a 9,0 pontos (muito bom): Você é um policial acima da média – há alguns pontos a crescer.
5,0 a 7,4 pontos (bom): Você tem muitos pontos a crescer – continue firme.
Abaixo de 4,9 pontos (insuficiente): Sugiro rever seus conceitos e um pouco mais de atenção.

Essa foi uma forma de incentivar os policiais a participarem e, ao mesmo tempo, de fazer
com que tivessem um parâmetro de como estão com relação aos objetivos do programa.
Após terem respondido o questionário, este foi corrigido por dois professores que
analisaram os objetivos do programa de 4ª série contidos no Livro do Instrutor Proerd e chegaram
às seguintes conclusões:

• Com exceção de um dos entrevistados, todos os policiais alcançaram índices de acerto dos
objetivos do programa e das lições com média igual ou superior a 75%, o que demonstra
uma atuação muito boa em relação ao conhecimento “de cor” dos objetivos do programa.
• Todos os Mentores obtiveram índices de aprovação acima de 80%, o que na média geral
elevou o patamar dos Mentores para 85, 6% do total de questões ou nota média de 8,56, no
total de 10.
• As notas entre os Instrutores variaram de insuficiente a excepcional. Um dos Instrutores
conseguiu definir e processar todos os objetivos do programa e expor uma das lições com
eficiência de 100%, contudo, pela variação das notas, a média dos Instrutores ficou em
84,7% dos objetivos gerais.

Entre os Mentores, o que chama a atenção é o equilíbrio e a constância entre eles,


mantendo um padrão e uma estrutura, inclusive de acertos e pontos a crescer, haja vista terem se
equivocado quanto a alguns conceitos, mas os equívocos não se concentrarem nas mesmas
questões. Entre os Instrutores, o que chama a atenção é a variante, quase metade deles alcançou
média superior a 92,5%, enquanto outros variaram em muito as notas. Os pontos a crescer dos
Instrutores ficaram centralizados nas lições 06, 10, 13 e 17, o que pode configurar falta de atenção
ao responder o questionário ou falha na formação dos mesmos.
Quanto a essa fase da pesquisa com os policiais, podemos dizer que eles alcançaram a
meta. Uma educação continuada seria de grande valia para aperfeiçoá-los ainda mais, além de
corrigir alguns pontos a crescer existentes. A experiência foi válida e teve como balanço um saldo
positivo e de expectativas para as novas etapas da pesquisa. Os Policiais Proerd se demonstraram
muito capazes e de memorável aplicação no ensino e nas relações com o propósito do programa.

120
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

DEPOIMENTOS SOBRE PREVENÇÃO ÀS DROGAS E ATUAÇÃO DO


PROERD EM RIO BRANCO

Sessão Câmara nos Bairros

O Proerd/PMAC foi convidado para se pronunciar sobre as políticas de Prevenção às


Drogas e à Violência estabelecidas em âmbito municipal na 2ª Sessão da Câmara nos Bairros. Para
cumprir o convite estabelecido, enviou seu Pesquisador Sd PM Reginâmio Bonifácio de Lima, que
respondeu às questões estabelecidas na referida sessão. Momentos após, o Proerd foi agraciado com
uma Moção de Louvor e com vários pronunciamentos elogiosos sobre sua atuação.
Pronunciamentos esses, que gostaríamos de deixar explícitos à sociedade riobranquense para que
conheçam um pouco mais da atuação do Programa Proerd.
O texto que se segue é a transcrição literal dos discursos proferidos na 2ª Sessão da
Câmara nos Bairros, realizada em, 18.09.2007, nas dependências da escola de Ensino Fundamental
e Médio Lourival Pinho. Os discursos, as falas, as reticências estão apresentados de forma fidedigna
ao documento apresentado pela Secretaria da Câmara Municipal de Rio Branco39, e servem para se
ter a percepção, ainda que parcial, do que pensam algumas autoridades sobre os temas drogas,
prevenção e Proerd.

Vereador Pascal Khalil (líder do PC do B na Câmara Municipal de RBR)


O propósito da Câmara vir para a comunidade discutir a questão das drogas, é porque hoje
nós temos a compreensão de que não é possível enfrentar determinadas questões somente a partir da
ação do estado. Não é possível a gente imaginar que o enfrentamento das drogas vai ser feito só
pelo trabalho da polícia, só pelo trabalho do governo, das entidades que lidam com essa questão é
ilusão. Se não houver envolvimento comunitário, envolvimento de alunos, de jovens, das
associações, dos professores, das pessoas de modo geral, das igrejas na questão de elevar o nível de
consciência em respeito à questão das drogas, nós não vamos ter qualquer... nenhuma ação será
eficaz o suficiente, para que a gente enfrente esse problema que é um problema muito grave. E só
existe uma maneira de envolvermos as pessoas, é a gente abrir um canal de diálogo, é fazer com que
elas se sintam valorizadas, lembradas e sejam chamadas a participar dos debates, das discussões. Eu
39
Após resumir os pronunciamentos executados na 2ª sessão Câmara nos bairros, realizada no dia 18.09.2007, na escola
Lourival Pinho foi enviada uma “cópia resumida da sessão” mediante ofício nº 56/DEI/PROERD/2008, protocolado no
dia 02/07/08 às 10 h e 10 min, endereçado à Presidência da Câmara para tomar conhecimento e deliberar sobre a
utilização pública do referido resumo. A resposta obtida foi que “as alterações não prejudicaram o conteúdo dos
pronunciamentos. Podendo assim ser liberados com as dividas modificações”.

121
Polícia Militar do Estado do Acre

quero concluir aqui, eu conheci durante essa caminhada de estar conversando com muita gente um
trabalho muito interessante que é o trabalho feito pela PM, pelo PROERD – através de um
programa educacional de resistência às drogas e à violência.
Eu estava assistindo o jornal ontem, e vi que no Rio de Janeiro foram presos 52 policiais
militares de um mesmo batalhão por ter envolvimento, por estarem se associando, de alguma forma,
contribuindo com o tráfico de drogas no Rio de Janeiro. E aí, me veio à mente o fato de que o
tráfico, realmente ele entra nas instituições. Ele consegue ganhar aliados dentro das instituições que
têm por função proteger a sociedade, como é o caso da PM. Mas, a PM não é a única instituição que
é cooptada pelo tráfico, temos muitas outras. A própria Justiça, em alguns casos o Ministério
Público, enfim. Todo Poder Público do Estado acaba sendo a tentativa do tráfico de cooptar. É
claro, que a polícia no caso de Poder de Estado, muitas vezes, o elo é mais fraco. É muito mais fácil
a gente prender um policial militar, por estar envolvido em tráfico do que prender um Juiz, não
tenho nenhuma dúvida disso. É muito mais fácil, o que não quer dizer, que nós não tenhamos em
outro segmento do Poder Público a cooptação do tráfico. Mas a PM realiza um trabalho, a gente não
tem dúvida que isso é uma exceção. O tráfico faz isso, mas a PM é composta por homens – a PM do
Acre que é a que eu conheço um pouco – é composta por muitos homens seriamente
comprometidos. E nós temos aqui no Estado um trabalho muito bonito, que foi trazido pro Estado
na gestão do nosso Comandante Gilvan, quando era Comandante da PM aqui no Estado. Trouxe o
programa aqui para o Acre e, na época, o Governador Jorge Viana, em seu primeiro ano de
mandato, compreendeu a importância de a gente trazer esse trabalho de prevenção ao uso indevido
de drogas para dentro das escolas. É um trabalho magnífico, é o melhor trabalho de prevenção que
eu conheço dentro do Estado e a gente precisa fortalecer esse trabalho, universalizar essa ação de
prevenção, porque ela não está em todas as escolas, não está atingindo todos os nossos jovens. E a
gente tem o papel de universalizar. Eu queria aqui já fazer essa campanha de universalização do
PROERD pra dentro das escolas acreanas, porque nós não temos nenhuma experiência até hoje
melhor no sentido da prevenção. A prevenção hoje, sem dúvida nenhuma, é o melhor caminho.
Quem se trata de drogas, sabe o quanto é difícil enfrentar o problema a partir do momento em que
ela ingressou na vida da pessoa. O melhor trabalho, a melhor ação é a ação de prevenção, é fazer
com que as pessoas não tenham o contato com as drogas.
[...] Na verdade não é bem atribuição da Câmara Municipal criar um programa de
tratamento. Na verdade, os programas já existem. Existem entidades, são 05 que trabalham aqui em
nosso município com dependentes. O que falta para essas entidades é apoio. O Vereador Juracy
levantou a questão do financiamento, que é um problema real. Eu visitei todas as entidades, todas.
Conversei com os coordenadores, com os dependentes, eu conheço de perto isso. O que falta é
financiamento e o estado e município têm que participar mais. O estado colabora, o município tem

122
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

que dar sua parcela de contribuição. Mas não é só financiamento é apoio técnico, é disponibilizar
psicólogos, disponibilizar assistentes sociais para tratar essas famílias dos dependentes. Porque não
é só o dependente que está doente, a família está doente, já não consegue aceitar aquele dependente.
Para ele voltar para casa, a família não aceita, não sabe lidar com a situação. A questão do emprego,
da reinserção desse dependente, que está doente, a família está doente, já não consegue aceitar
aquele dependente. Para ele voltar para casa, a família não aceita, não sabe lidar com a situação. A
questão do emprego, da reinserção desse dependente no mercado de trabalho, você torna ele muito
mais vulnerável a retornar para as drogas. E é por isso, inclusive, que a reincidência de ex-
dependentes é enorme. É muito difícil você recuperar um dependente. Tem que ser herói mesmo,
porque a compulsão pelas drogas é muito forte. Ele tem que vencer todo dia aquela batalha,
sozinho. Como é que a Câmara pode dar sua contribuição? Cobrando do Poder Público esse apoio e
estar pensando em projetos, criando conselho, se está criado, fazer com que, realmente, o conselho,
realmente, assuma o seu papel de estar discutindo políticas públicas, exigindo que a Secretaria de
Educação implante programas de prevenção, discutindo políticas públicas, daí, universalizar o
PROERD. Nós precisamos universalizar o PROERD. Nem todos os alunos da nossa rede de ensino
têm acesso a um programa de prevenção. E nós temos um programa extraordinário montado, que
foi implantado lá nos Estados Unidos, já veio para o Brasil, está no Acre. O Acre é referência, um
dos estados que esse programa funciona muito bem. Agora, precisamos usar o programa, fazer com
que ele chegue nas escolas. E não chega em todas, esse é o problema. E, pensar, aí, num
financiamento através de projetos de incentivo fiscal, etc. Programas existem, precisamos fazê-los.

Eduardo Farias (Vice-Prefeito de Rio Branco)


Esse problema das drogas e da universal ele é um problema civilizatório. Nós precisamos
encará-lo de uma forma global. Acho que o Vereador Pascal está correto quando afirma que não dá
para um único segmento enfrentar um problema de tamanha complexidade. Se nós não tivermos o
envolvimento de todos e das instituições no aparato da repressão de inteligência, da educação e,
acima de tudo, a sociedade – compreendendo que a ela cabe o principal papel no núcleo da família
no sentido da preservação da vida e da saúde de seus filhos. Se a sociedade não encarar isso como
papel fundamental seu, na conformação de suas famílias nós não vamos vencer essa batalha.

Plínio Bossom (Agente da Polícia Federal no Acre)


Então, Senhores, é preciso levar uma nova ideologia, para os nossos jovens, uma nova
forma de vida, avivar aqueles valores tão desgastados e degradados com o passar dos dias. Os
valores morais, sociais, intelectuais, familiares, cívicos e religiosos. No ano passado, para minha
alegria, fui convidado pelo Dr. Élson Sabo para desenvolver um programa de prevenção aqui no
123
Polícia Militar do Estado do Acre

Estado. Algumas pessoas, acho que até já conhecem esse programa – temos feito nas escolas e
temos levado essa mensagem. Porque, como disse o Vice-Prefeito, a droga nada mais é, do que uma
doença, um câncer, uma AIDS social que tem destruído as pessoas, desagregado as famílias, e, com
a principal característica, que é se infiltrar nos órgãos públicos, nas instituições. E, infelizmente, a
coisa mais certa, em breve, que a droga patrocina para a pessoa é a morte. E não só a morte física,
ela patrocina principalmente a morte social. A pessoa, quando se torna um dependente, ele se torna
um mal social, ele passa a roubar, matar, se prostituir. Cada dependente atinge direta ou
indiretamente seis pessoas. Primeiro, a sua família, depois o colega de trabalho, de escola e a
comunidade de um modo geral. Senhores, essa violência gratuita, estúpida e real que nós temos
vivido ultimamente, a causa talvez única, são as drogas. Basta dizer, que oitenta por cento das
pessoas que estão presas nas penitenciárias, cerca de 330 mil no Brasil, lá estão porque, de alguma
forma, se envolveram com drogas. Às vezes, pelo fato de serem dependentes, cometem outros
delitos para manterem os seus vícios; outras vezes, pelo simples desejo de terem pela ganância, eles
se envolvem e passam a traficar.

Almir Fernandes Branco (Promotor da Infância e Juventude em RBR)


O que a sociedade mais precisa, é disso: de políticas públicas nas áreas sociais de
segurança pública, saneamento, educação, saúde e tantas outras. E essa reunião no 2° Distrito ainda
tem um tópico a mais, que é a preocupação de todos nós, que é a questão dos “drogadidos”. Eu
prestei muita atenção quando o colega da PF explanou suas palavras, eu também fui policial federal
11 anos. É muito difícil, quando você lida com esse braço forte do crime organizado que é o
narcotráfico. Raramente, lá na Promotoria da Infância, eu consigo alcançar... Em dez anos de
Promotoria tenhamos obtido êxito no alcance daquele que realmente corrompe, arregimenta o
jovem para a prática do crime. É triste isso... Essa questão da família, esses garotos que se
envolvem com o problema das drogas, é muito sério... Ele também falou uma coisa que nós
vivenciamos lá no juizado, as grandes vítimas são as famílias. É difícil alguém que não tinha um
envolvido com drogas. Quem tem família envolvida com drogas sente isso na pele. Esse jovem,
para conseguir dinheiro para o consumo, eles levam tudo de casa. Eu recebi há duas semanas atrás,
uma senhora de idade, uma avó que cuidava do neto desde pequeno, onde ele limpou a casa, levou
tudo. Levou a feira, levou a televisão etc. Ela foi lá dizer pra nós todas as suas angústias e pedir
ajuda. A gente se sente engessado, engessado, porque a comunidade se recente de políticas públicas
voltadas especificamente para o tratamento dos “drogadidos” notadamente com relação aos jovens.
Aqui em Rio Branco, para os Senhores terem uma idéia, eu separei contando nos dedos as parcerias,
nenhuma pública. A Peniel, Arco-íris, Desafio Jovem, a APADEQ – que faz um trabalho brilhante
desde a época que o Dr. Donald estava à frente – eu conheço desde Xapuri firmamos várias

124
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

parcerias. O Capes e a Casa Resgate, que é uma casa mais nova da Igreja Assembléia de Deus. Eu,
conversando com o Dr. Maia, de manhã, não conseguimos afunilar, verticalizar em cima de uma
especificamente mantida pelo Poder público. Isso é triste, é um alerta para os Vereadores, os
Senhores Deputados, porque ao mesmo tempo em que as famílias sofrem, a sociedade também
sofre, o tecido social é corroído. Porque a maioria dos processos envolvendo atos infracionais, todos
reclamam por internação, internação, internação. Temos três unidades de internação lotadas, é um
triste quadro e quase o conceitual máximo de reincidência é por causa do uso indiscriminado de
substâncias de entorpecentes. Temos que fazer alguma coisa, e este é o momento, é o fórum ideal
para discussão.

Naluh Gouveia (Deputada Estadual pelo PT e representante da ALEAC)


Já tinha muita gente fazendo muitas coisas boas, como a questão do PROERD, que eu
particularmente sou apaixonada por esse programa. Acho que esse deveria ser um programa, da
Polícia Federal, da Polícia Militar do Estado. Defendo isso, coloco no orçamento, brigo para isso.
Eu venho por outro ramo, o Donald vem por um ramo que é o ramo da recuperação. As minhas
denúncias, elas vão por outro lado. Nós temos um problema grave no nosso Estado e se nós não
chamarmos a atenção do Brasil... é, pro Brasil, nós não vamos conseguir resolver. Nós moramos ao
lado de dois lugares lindos que é o Peru e a Bolívia, são nossos irmãos. São nossos irmãos, nossos
parentes, mas tem uma coisa: tem uma planta que só dá naquela região, na região dos Andes, que é
uma planta que lá eles usam para uma outra coisa. Mas, infelizmente, outras pessoas muito más
usam para outro “epadu” que é a folha da coca. E lá, se produz e nós aqui – o Plínio sabe disso –
nós ainda temos a pior coisa que é a pasta-base. Aqui não tem nem cocaína, aqui tem a pasta-base,
que ainda é a pior das piores. Com um mês... Menos de um mês, um rapaz, a moça, a criança, o
menino, a menina, ele não sabe o que está fazendo, ele está completamente viciado. Então, se os
Senadores, os Deputados Federais, o Governo Federal não olhar para os estados de fronteiras nós
vamos ter uma hemorragia aberta, uma hemorragia que nós vamos ter que ficar tomando remédio.
Como aqui, o PROERD é um remédio, o Donald é um remédio, o Pascal é um remédio, a Câmara é
um remédio, mas nós não vamos fechar a hemorragia. A hemorragia se chama fronteira. Esta
fronteira aberta, que está ampla, as pessoas entrando e nós não vamos conseguir resolver se não
estancarmos esse problema.
O Governo Federal fez um plano Nacional de Segurança Pública que hoje, às 14h, nós
vamos estar debatendo na ALEAC. Eu aproveito e convido a todos e a todas, não há uma palavra
sobre fronteira somando três estados brasileiros, nós temos mais de três mil quilômetros de
fronteiras abertas. Sabe para quantos policiais federais? Trinta e poucos, eu não posso nem dizer os
números, mas é mais ou menos isso. É irreal, isso é um estado, um país, uma nação virtual. Não

125
Polícia Militar do Estado do Acre

existe uma situação dessas. Cruzeiro do Sul tem dois policiais federais. É brincar com o estado, é
brincar com a nação, é brincar de não querer resolver esse problema. E esse problema não será
resolvido se não estancarmos essa fronteira do nosso País. Então eu queria conclamar todos para
que peçamos aos nossos Deputados Federais, nossos Senadores, ao Presidente Lula que estará aqui
inaugurando e nós temos que ter uma Polícia Federal bem equipada, com helicóptero, que ela possa,
inclusive, ter equipamento melhor do que o crime organizado, organizadíssimos que eles são. Nós
precisamos que a Polícia Rodoviária Federal esteja aqui no nosso Estado, porque nós ainda somos
dependentes da Polícia Rodoviária de Rondônia. Para pedir papel higiênico tem que pedir, lê lá.
Isso é um absurdo, isso não é um Estado com autonomia. Então, eu quero dizer para vocês que o
que nós estamos fazendo são medidas paliativas, remédios, remédios bons.

Donald Fernandes (Deputado Estadual e representante da ALEAC)


Drogas é uma epidemia social importante, há muito tempo. Só agora o Brasil está
despertando para essa doença. Muitos anos ficou silenciosamente, e até com muito preconceito,
hoje já estamos convivendo com ele. Há 15 anos atrás, era quase impossível fazer um debate com
tantas pessoas. A droga tem várias facetas, a faceta da repressão é incontestável. Não há como você
combater agora – é como um paciente no CTI que tem que tomar um remédio, mas não tem que ser
pela boca e sim pela veia. Então agora tem que haver realmente um incremento muito grande da
repressão, embora não seja um remédio tão eficaz. Mas como é que pode com um efetivo desses aí?
Feijó, por exemplo, há 09 anos atrás, tinha 46 policiais; hoje tem 39. A população cresceu muito e a
droga também. O número de policiais diminuiu, é uma coisa importante que o governo precisa
saber. Nós estamos lá dentro de Feijó e como é que vão fazer essa repressão dessa forma, com as
nossas polícias todas contaminadas? Não adianta olhar para os policiais do Rio porque a daqui
também está, muitos dependentes! E dependência dentro da polícia é mais alto que a população em
geral, mais alto do que dentro da comunidade é a dependência dentro dos quartéis. Tanto assim, que
também mais alto dentro dos hospitais com os médicos e todo mundo se surpreende. Há mais
dependentes médicos do que a população em geral. Então são coisas que nós não sabemos. Mas
esse é o lado mais importante e que tem que ser colocado, tem que ser reprimido se não nós não
vamos caminhar com tranqüilidade. Há o lado também da recuperação do tratamento esse é
importante, é humano, é fraterno. Nós temos que trabalhar, não podemos deixar as pessoas
morrerem à míngua, sem um tratamento. Temos que fazer isso, não há como não fazer, tratar dos
nossos irmãos. E isso tem sido, realmente, uma grande arma, porque nós, recuperando as pessoas,
elas voltam para a comunidade muito boas, a mostrar que está bem e que existe uma doença. E aí
elas revelam nova doença, que é o preconceito social. Quando nós começamos a tratar e os doentes
voltaram bons para casa, começou a doença bem pior do que as drogas, que é o preconceito social.

126
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Não abre portas, não se dá um abraço, não se diz bom dia, não se dá emprego, a pessoa fica
perambulando pela cidade a custa de um apoio, de um emprego, procura comida para sua família e
não acha e fica numa depressão tão grande que finda tendo uma recaída. Às vezes, 70% dos que se
curam das drogas recaem por um preconceito social, pelo preconceito da própria sociedade que não
sabe amparar, não sabe receber e temos que trabalhar isso também. No entanto, acho que há algo
mais eficaz, realmente. É aquela que se faz a médio e longo prazo, que é a prevenção. E aqui, eu
louvo o PROERD, que é o único tratamento realmente de prevenção que se faz nas escolas. Eu já
atentei pra isso, fiz um projeto de repressão de drogas nas escolas pra crianças de 3 a 8 anos, mas
infelizmente não passou na Câmara, foi derrubado pelos Vereadores que não eram... – não estou
condenando, nem julgando ninguém aqui – estou apenas lamentando, mas faz parte do nível de
conscientização que tínhamos naquela época e que nós evoluímos a ponto de estarmos fazendo uma
sessão dessa natureza. É preciso invadir essas escolas, trabalhar essas crianças de 3 a 8 anos,
mostrar, mexer sua personalidade, fortalecê-las, para que aos 10, 12 anos ela possa dizer: “Não, não
quero drogas”. Coisa simples, inteligente, eficaz. Mas, aqui, quero chamar a atenção, porque nós
falamos muito no dependente, mas esquecemos dos usuários, que nós não sabemos o percentual. Eu
posso afirmar que hoje temos de 11 a 12% dos nossos acreanos são dependentes do álcool. Tenho
certeza absoluta, porque fiz pesquisa para isso. Quantas pessoas alcoólicas estão afastadas do
convívio social e familiar não trabalhando, prejudicando o produto interno do Estado. Então, nós
temos que ver também que estas pessoas são catalogadas como dependentes, já são catalogadas
como dependentes, são tratadas, rotuladas. Mas aqueles usuários – aqueles que começam a beber
em casa, com o pai, com a mãe, com o irmão mais velho, que começa a beber e vai até 10, 12 anos
bebendo em casa ou não, regular ou não – essas pessoas como também usam drogas com 9, 10, 11
anos já, são os verdadeiros criadores de violência urbana. Não é só o dependente que cria violência,
o usuário cria mais índice de violência na cidade do que realmente os dependentes. E nós aqui
achamos, se pegarmos os dependentes e matarmos, está resolvido o problema. E não está. Os
usuários de drogas são muito maiores e não há nenhum de nós aqui que saiba qual é o número de
usuários que há no País, nem no Acre, principalmente. Eu sei, por exemplo, que 80% usam álcool.
Claro, eu sei disso... E se pegar os jornais nos finais de semana, vão ver que 80% das pessoas que
cometem assassinatos, suicídios, estão relacionadas com o uso de drogas e álcool. Mas, será que é
esse índice mesmo? Nós não sabemos, os usuários, quantos são e o que é que nós fazemos para
minorar o usuário de drogas? Nada! Rigorosamente, nada; nem saber quantificá-lo, nós sabemos.
Talvez precisássemos examinar todos esses alunos, fazer um exame qualquer, para que pudéssemos
identificar quanto o percentual de usuários de drogas e não de dependentes, para que eu pudesse
colocar nessa escola uma atividade preventiva, uma atividade escolar que fosse compatível com o
número e um percentual de abusadores da droga e nós estamos cochilando, não fizemos ainda nada.

127
Polícia Militar do Estado do Acre

Mas, também, quero pedir muito, nós temos que atacar em várias frentes. É muito bom o debate, é
muito boa a preocupação da Câmara, é ótima. Tem que trazer para as comunidades, debater nas
escolas, tem que levar para as pessoas essa preocupação. Afinal, está acabando com nossas famílias,
levando os nossos jovens na sua fase mais importante, na fase do sonho, na fase do caminho da sua
profissão e nós temos que ver realmente isso.
Eu quero dar os parabéns mesmo, a todos, ao PROERD, sobretudo, pelo trabalho
preventivo que faz eficaz, e único, e, efetivamente, faz. Mas que acabe de ser PROERD e passe a
ser o Programa do Estado para prevenção de drogas nas escolas, e nós vamos nos encaixar a ele,
porque, realmente, sem esse projeto nós temos dificuldade de entrar nesse programa. Não sei, talvez
mudar um pouco, mas continuar com o programa. E esse programa aumentar, nós teremos daqui
alguns dias, se Deus quiser, temos as drogas sob controle. E a droga sob controle e a cidade sem
violência. Oitenta por cento das violências urbanas estão ligados às drogas, como já falei. Se tirar as
drogas, teremos uma cidade sem assalto, sem roubo, sem brigas, com famílias estruturadas, alegres.
A felicidade será nossa.

Estefânia Pontes (Secretária de Assistência Social)


Bom dia a todos. Queria cumprimentar o Vereador Pedrinho, o Vereador Pascal Kalhil,
por propor essa discussão desse tema, hoje, aqui. Agradecer a oportunidade de estar aqui com vocês
e dizer que nós, também, da Secretaria de Assistência Social, nós vivemos esse problema no dia-a-
dia porque é lá a área da Prefeitura onde nós convivemos e assistimos aqueles que são mais
vulneráveis. E, claro, que dentro de tantos os problemas, de repente, a droga é a causa. Mas, a gente
tratando a consequência... Mas, eu queria aproveitar e fazer uma pergunta para o nosso palestrante,
de acordo com o conhecimento que ele tem, porque, hoje, nós temos em Rio Branco 06 Centros de
referências sociais, de assistência social. E, nesses Centros – os Centros são, na realidade, o
escritório da Secretaria da Assistência Social nos bairros, onde existe maior concentração de
pobreza e de famílias em situação de vulnerabilidade, de concentração de violência. E onde nós
estamos aqui no Acre? Então nós fazemos um trabalho com jovens, com mulheres, com homens,
crianças, através de grupo de convivência, mas também de uma relação direta. Tem um segmento
social que está dentro desses bairros, mas, nós ainda não conseguimos chegar até eles. Aí, nós
temos que ter a humildade de dizer que a gente não conhece, não sabe que chegaram até eles. São
justamente os jovens que fazem parte de algum grupo, de algumas gangues e que são números
representativos que existem hoje dentro dos nossos bairros periféricos. Mas, a política pública não
chega até esses jovens, até porque, a gente não sabe como chegar. Eu queria perguntar, se o senhor
conhece, se tem alguma experiência, já tenha tido sucesso, tenha tido êxito de como o Poder
Público pode tentar se infiltrar no meio desses grupos organizados e tentar reverter a situação desses

128
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

jovens que consomem drogas, que se prostituem e que a tendência é continuar cada vez mais no
aperfeiçoamento do ilícito cometendo atos infracionais. A gente também está buscando conhecer
para poder aperfeiçoar esse trabalho que nós fazemos.

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROERD

Diante do exposto, percebemos que o Proerd é o maior programa de prevenção às drogas e


à violência nas escolas riobranquenses. É o segundo maior programa de prevenção às drogas de Rio
Branco, só perde para o programa preventivo encadeado pela própria Polícia Militar através de seus
vários setores e organizações policiais militares em conjunto. Ao perceber todos os programas
preventivos da PMAC: Polícia da família, policiamento escolar, rádio-patrulha, policiamento de
trânsito, policiamento ostensivo a pé, etc., a Polícia Militar desempenha muito bem seu papel
preventivo, ainda que com carência de efetivo, material e de estrutura logística mais apropriada.
Também percebemos que, muitas vezes, esses mesmos organismos da PMAC são utilizados mais
para a repressão que para a prevenção.
O Programa Proerd é o maior programa preventivo da PMAC em número de atendimentos
diretos nas escolas, o que não quer dizer que é melhor ou pior que os outros, apenas tem seu efetivo
empenhado em cumprir o papel designado pelo programa e, por atuar em sala de aula, atinge uma
maior quantidade de crianças e adolescentes que fazem parte de seu público-alvo.
Ao longo da pesquisa, constatamos a diversificação dos currículos do Proerd, a partir do
ano de 2006. Nosso intuito, neste trabalho, foi o de estudar toda a estrutura envolvida no programa
Proerd de 17 lições para a 4ª série, e de 10 lições para a 6ª série do Ensino Fundamental, bem como
suas inter-relações, para verificarmos a eficiência e a eficácia do programa.
Atualmente o Proerd preparou seus policiais para atuarem nos currículos de 17 lições da 4ª
série (que é o currículo básico aplicado pelo Proerd/Acre), de 10 lições da 4ª série (que substituirá o
de 17 lições até 2010, em todo o Brasil), de 6ª série (chamado de reforço do Proerd), “Curso de
Pais” (aplicado aos familiares dos alunos das 4ª e 6ª séries). O Proerd/Acre também criou o curso
“Vivendo Melhor no Trabalho e na Família – Proerd”, que visa a promover a valorização do
Policial Militar no ambiente de trabalho e na família, através de palestras, debates e dinâmicas de
grupos, conteúdos relativos à prevenção ao uso de drogas, ao tratamento dos usuários e ao
relacionamento familiar do policial. Esse curso foi aprovado pelos policiais e recomendado pela
Coordenação do Centro de Formação e Aprimoramento Policial – CFAP – para tornar-se disciplina
nos cursos de formação da PMAC.

129
Polícia Militar do Estado do Acre

Em se tratando de prevenção às drogas e à violência, atuando diretamente nas escolas de


Ensino Fundamental, de primeiro e segundo ciclos em Rio Branco, o Proerd é o maior programa da
Capital, atingindo anualmente cerca de dois terços das escolas que atendem à clientela de 4ª série.
Em segundo lugar está o Departamento de Apoio ao Estudante – DAE, que, de forma ainda muito
tímida, atende 8% das escolas pesquisadas.
Atualmente, o Proerd Rio Branco tem desempenhado um papel além do que lhe foi
outorgado pela 001/3ª EM/PM. Isso ocorre não pelo esnobismo dos policiais, mas pela real
necessidade de se investir em prevenção. Os policiais têm elaborado palestras, estudos, análises,
projetos, cursos e oficinas com o intuito de interagir com a sociedade e lhe proporcionar uma
melhor resposta aos seus anseios.
Mesmo com todas essas atividades, percebemos que há publicidade em torno da “marca
Proerd”, uma vez que muitas pessoas já ouviram falar em Proerd, mas há pouca informação sobre o
programa. A publicidade produzida até o momento não teve a capacidade de mostrar o real
funcionamento do programa, através de sua metodologia, formação policial, diálogo com as
crianças. As pessoas não têm conhecimento em profundidade sobre o que é o programa Proerd,
embora, seja notório o entusiasmo que elas passam ao falar do assunto: quase sempre de forma
sorridente, admirando o trabalho, mas discorrendo de forma superficial sobre a experiência exposta
por alguma criança.
É necessário dar maior visibilidade ao programa, mostrar os pontos positivos e os pontos a
crescer, expondo as coisas boas existentes sem esquecer reais necessidades que estão envoltas nas
atividades do programa.
A integração de conteúdos visando a forma mais coesa de aplicação dos mesmos tem sido
o foco do Proerd, sempre buscando alcançar melhoramentos com a meta de identificar a maneira
mais eficaz de agir no relacionamento Polícia/escola/família.
De forma geral, percebemos que os policiais Proerd estão bem preparados para agir, não
apenas por serem técnicos em segurança pública ou por terem passado por um curso de formação
com mais de 80 horas/aula. Esse preparo vem, principalmente, de suas escolhas de vida. Escolhas
essas que estão envoltas na busca por melhores condições para si, para os familiares e para a
sociedade em geral. Uma dessas escolhas de vida dos policiais é o anseio pelo aperfeiçoamento
pessoal, tanto que demonstram conhecimento técnico geral, e a grande parte dos Policiais em Rio
Branco tem conhecimento específico em outras áreas de formação.
Constatamos que a maioria absoluta dos Policiais Proerd de Rio Branco tem nível
superior, embora essa não seja a realidade do interior do Estado (que pouco é assistido pela UFAC).
Enquanto o Proerd Rio Branco conta com um efetivo formado por Doutor, Especialistas, Bacharéis,
Graduados, e apenas dois policiais com Ensino Médio.

130
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Uma observação que se pode fazer sobre o Proerd é sua concentração de titulações e
formação continuada apenas na Capital, o que gera uma relação preocupante de distorção ensino-
aprendizagem no ambiente de formação dos próprios Instrutores Proerd e, em última instância, dos
adolescentes alunos. Percebemos que há uma elite de “Super-Instrutores” formados pelo Proerd nos
currículos: 4ª série 17 lições, 4ª série 10 lições, 6ª série, Currículo de Pais, Mentoração de 4ª série,
Mentoração de 6ª série, Mentoração de Currículo de Pais e Instrução de “Disciplina Proerd” nos
Cursos de Formação de Praças da PMAC; enquanto isso, mais de dois terços dos Instrutores Proerd
participou apenas do Currículo de 4ª série 17 lições – que é considerado o Currículo básico do
Proerd.
Com a informação acima não estamos dizendo que o Proerd não deva qualificar seus
policiais. Estamos afirmando que o Proerd Acre conta com alguns policiais extremamente bem
qualificados, a ponto de auxiliarem outros Estados do Brasil a formarem seus próprios policiais
Proerd. Contudo, a grande maioria dos policiais Proerd precisa urgentemente de atualização e de
acompanhamento pedagógico. Se por um lado, o Proerd tem “Policiais de Elite da Prevenção”, por
outro, a grande maioria de seus policiais Instrutores, em se tratando de conhecimentos gerais, extra-
currículo de 17 lições, necessita de aperfeiçoamento e aprimoramento de conhecimentos
concernentes ao objeto de estudo do Proerd.
Muito foi feito pelos policiais do Proerd, mas ainda há muito que se fazer, não apenas por
esses policiais abnegados que atuam veementemente na prevenção ao uso de drogas e à prática de
violência, mas por toda a sociedade. Polícia, escola e família precisam caminhar juntas; precisam
unir as forças para que as crianças sejam mais bem atendidas.
Desde o início, tivemos o intuito de mostrar as principais relações sociais que envolvem o
Proerd e seus parceiros, objetivando verificar na prática o funcionamento do programa e como estão
os adolescentes que por ele passaram.
O Proerd é um programa importante, mas sem as parcerias, pouco ou quase nada pode
fazer. Os ideais de manter as crianças e os adolescentes longe das drogas e de bem com a vida
foram em parte cumpridos. É possível afirmar, veementemente, que vale a pena investir em
prevenção.
Mas ainda existem os que não foram alcançados, e o problema está justamente aí. Dentre
os alunos que fizeram o Proerd, vários têm problemas com as drogas. Para os ex-alunos Proerd
parece não ter ficado claro o que são drogas na prática, uma vez que ao se reportar ao assunto
drogas, quase sempre estão falando das consideradas ilícitas. Quase nunca falaram do cigarro ou da
bebida alcoólica como sendo droga, talvez por que os usem, ou talvez porque não acreditem na
prática que esses sejam drogas de fato. Grande parte dos ex-alunos Proerd se manteve distante das
drogas ilícitas, mas utilizam as lícitas, cigarro e bebida alcoólica, em quantidade superior a que

131
Polícia Militar do Estado do Acre

estimávamos encontrar. Isso demonstra, talvez, a necessidade de o programa Proerd ajustar o foco
para melhor atuar junto às crianças e aos adolescentes.
E aqui vamos relacionar as informações dadas pelos alunos com as coletadas nas escolas
de Ensino Fundamental. Para os gestores, diretores, coordenadores, educadores, professores ou
qualquer outro nome dado às pessoas que estão diretamente envolvidas com a relação aluno-ensino-
aprendizagem no ambiente escolar, que responderam o questionário Proerd, em quase um terço das
escolas havia a utilização constante ou esporádica de drogas, principalmente cigarro e bebida, por
professores, funcionários e alunos nas imediações das mesmas. E, após a implantação do Proerd nas
escolas, 58% das escolas não têm utilização de drogas, principalmente cigarro, por professores,
funcionários e alunos dentro das escolas. Sendo que, em quase um terço delas, constatou-se que os
funcionários, professores e alunos saem da escola para fumar fora dos portões.
Essas são informações coletadas nas escolas, e os dados referentes a elas podem ser
verificados na base de dados Proerd. Então fica uma dúvida: “Se a Polícia, a educação, os gestores,
os coordenadores sabem qual é e onde está o problema, por que não o resolvem? Os temas
transversais sobre cidadania, saúde, drogas, relações interpessoais têm sido postos em prática no
ambiente escolar? Até que ponto escola e família têm caminhado juntas? Ou, em última instância,
que providências têm sido tomadas quanto a esses assuntos?”.
Os Policiais Proerd têm tentado fazer isso. Contudo, pelas muitas adversidades e pelo
próprio percurso pelos quais passam os sujeitos que fazem parte da relação de vivência e
convivência com o Proerd, esses objetivos nem sempre são alcançados.
Verificamos o Programa Proerd, desde como se efetua um curso de formação, passando
pela “visita” às salas de aula, às escolas, às autoridades, à Coordenação do programa e aos policiais
que fazem parte do programa.
A conclusão a que chegamos nos faz perceber que o programa é eficiente, embora tenha
algumas deficiências a serem sanadas. Sua eficiência está principalmente na ideologia e na força de
vontade de seus policiais em contribuir para que as crianças e os adolescentes fortaleçam sua auto-
estima e obtenham conhecimentos básicos para resistir às pressões quando do convite para a
utilização de drogas e à prática de violência.
O programa Proerd em Rio Branco não é eficaz. Alguns pontos foram verificados e
achados em falta, muitas vezes não por ausência, mas por presença em pequena quantidade. A título
de exemplo, podemos citar o programa Proerd da 6ª série, que escolhemos não analisar a fundo, por
causa de sua descontinuidade: a Polícia Militar tem um efetivo de duas dúzias de policiais muito
bem qualificados, as escolas querem o programa, as experiências anteriores lograram êxito, mas
falta material logístico e didático para que o programa seja posto em prática.

132
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

A eficácia de um programa está em sua forma plena, não do que é, mas do que, dentro de
sua realidade, pode ser. O Proerd Rio Branco pode ser muito melhor que a forma atual em que se
apresenta. Para tanto, sugerimos algumas possibilidades que podem tornar o programa mais
eficiente e mais próximo da eficácia.

Sugestões:

Diante do exposto, dividimos nossas sugestões em assuntos pontuais que estão agrupados
nos seguintes tópicos: Serviço Policial Proerd, Curso de formação, Coordenação Proerd, Livro do
Estudante, Divulgação do Programa, Atuação do Governo do Estado e Comando da Polícia Militar.
Verificamos que o programa Proerd é eficiente, e, para ficar ainda mais próximo da tão
almejada eficácia, sugerimos:

Serviço Policial Proerd


• Que os policiais Proerd no exercício da função Policial Militar trabalhem
exclusivamente no programa, excetuando ocasiões de necessidade premente;
• Que cada policial atenda 10 turmas, totalizando 20 horas/aula na escola e 10
horas/aula de orientação à disposição do Proerd (reuniões, visitações, palestras, cursos, serviços
internos, Mentorações e congêneres);
• Que ajustem o foco para que as crianças e os adolescentes entendam cigarro e
bebidas alcoólicas como sendo drogas.

Curso de formação
• Que os policiais Proerd sejam qualificados em curso de capacitação e atualização de
currículos Proerd 4ª série, 6ª série e “Curso de Pais”, para atuarem como Educadores Sociais;
• Que seja feito um Curso de Instrutores para aumentar o efetivo do programa em, no
mínimo, 18 policiais para a Capital e, o dobro disso para o interior, para que o programa possa ser
aplicado em todos os municípios acreanos;
• Que o protocolo de intenções, assinado com a Secretaria de Educação, contemple a
formação em nível superior dos policiais Proerd, além de Curso de Especialização voltados
para o ensino/educação, para os policiais que já têm o nível superior.

133
Polícia Militar do Estado do Acre

Coordenação Proerd
• Que a Coordenação Administrativa, determine aos Mentores que auxiliem
diretamente na mentoração das lições que estiverem em andamento, bem como, que assistam aos
Instrutores em suas eventuais dificuldades e efetuem cursos de aperfeiçoamento;
• Que seja apontado um tempo padrão para a aplicação das lições Proerd em cada
currículo;
• Que se coloque em prática a Coordenação Pedagógica do Proerd, já criada, mas
nunca implantada na prática;
• Que a Coordenação planeje o Calendário Semestral de Atividades, seguindo os das
Secretarias Municipal e Estadual de Educação, a saber: atividades escolares do início de março até
julho, e, de agosto a novembro e que possa, no decorrer de todo o ano, agir com planejamentos e
outras atividades relacionadas ao programa.

Livro do estudante
• Que seja confeccionado o livro do estudante de todos os currículos (4ª série, 6ª série
e Curso de Pais), com a devida antecedência para que não prejudique o ano letivo;
• Que o livro do estudante da 4ª série seja reformulado e as “questões confusas”
sejam reelaboradas.

Divulgação do Programa
• Que se dê visibilidade às ações do Proerd;
• Que na página da PMAC, constante na internet, sejam postas as localidades, dias e
horários das formaturas do Proerd;
• Que haja uma formatura única por semestre;
• Que as parcerias sejam postas em prática e convidadas novas instituições para
serem parceiras do Proerd.

Governo do Estado
• Que apóie e destine recursos para que sejam providenciados os cursos de
qualificação/capacitação e atualização dos Instrutores para o novo currículo a ser implantado
até 2010 em todo o Brasil;
• Que providencie, juntamente com o Comando da PMAC, um espaço mais amplo e
adequado para o funcionamento da Coordenação do programa Proerd no Acre;

134
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

• Que aumente as parcerias firmadas com o Proerd/PMAC, auxiliando o programa em


seus erários e custos necessários ao bom andamento e à execução de forma plena.

Comando da Polícia Militar


• Que providencie cursos de qualificação/capacitação e atualização dos Instrutores
para o novo currículo a ser implantado até 2010 em todo o Brasil;
• Que promova o encontro de Instrutores de todo o estado, haja vista muitos
Instrutores não terem passado por nenhum curso de aperfeiçoamento desde sua formação;
• Que providencie, juntamente com o Governo do Estado, um espaço mais amplo e
adequado para o funcionamento da Coordenação do programa Proerd no Acre;
• Que ponha à disposição do Proerd, três viaturas moto, para serviço diário, e, uma
viatura carro (em que caibam, ao menos, seis policiais), para serviços de Coordenação, viagens e
atividades relativas ao Proerd na área metropolitana atendida.

O Proerd é um grupamento da PMAC. Não é nem deve ser visto como uma Polícia
diferente. Não existem várias Polícias Militares no Acre, antes, uma única que se desdobra nos
diversos contornos do serviço policial, sempre vislumbrando “Servir e Proteger”.

135
Polícia Militar do Estado do Acre

TERCEIRA
PARTE

136
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

CAPÍTULO VII

ADOLESCENTES E INFOPOL

O Infopol é o sistema de informações policiais da Polícia Civil no Estado do Acre. Foi


produzido para ser alimentado como base de dados de informações policiais de todas as delegacias
e órgãos ligados a Segurança Pública. Nele, constam as ocorrências policiais registradas por todas
as delegacias da Capital e do Interior do Estado.
Com a permissão da Gerência do Infopol, pesquisamos em sua base de dados informações
referentes a 1.415 alunos das 05 Regionais de Rio Branco, das escolas de Ensino Fundamental que
dispunham de 8ª séries e das escolas de Ensino Médio. A pesquisa foi registrada na Secretaria
Nacional Anti-drogas (SENAD), bem como na Diretoria de Ensino e Instrução (DEI/PMAC).
A pesquisa no sistema Infopol foi realizada a partir da listagem com os nomes dos alunos
voluntários para a realização dos estudos. A partir da parceria Polícia Militar, Secretaria de Estado
de Educação (SEE), Secretaria Municipal de Educação (SEMEC), Conselho Tutelar e Juizado da
Infância e da Juventude, pudemos realizar os estudos, sempre visando o conhecimento científico, a
interação inter-instituições e a privacidade dos adolescentes, conforme preceitua o Estatuto da
Criança e do Adolescente. Os policiais militares responsáveis pela pesquisa foram “a paisana” até
as escolas, onde expuseram a possibilidade de realização da pesquisa nas referidas instituições.
Algumas escolas não aceitaram participar, principalmente as particulares, contudo, mais de 90% das
escolas previamente selecionadas, através de seus diretores e coordenadores, aceitaram de bom
grado a participação – que já houvera sido aprovada pelas SEE e SEMEC.
A clientela atendida foi de 17 escolas de Ensino Fundamental que atua com 8ª séries e de
16 escolas de Ensino Médio. O que caracteriza mais de 50% das escolas de 3º e 4º ciclos do Ensino
Fundamental e do Ensino Médio de todas as redes de ensino em Rio Branco.

137
Polícia Militar do Estado do Acre

Em duas salas de aula, alguns alunos não aceitaram participar da pesquisa, o que nos
remeteu ao fato de respeitar sua privacidade e não pesquisá-los. Todos os outros alunos aceitaram
participar do estudo. Após realização de aplicação de questionário em sala de aula e consulta sobre
eventuais alunos que não aceitassem participar da pesquisa, com autorização da Coordenação de
Ensino e Instrução da PMAC, da SEE, da SEMEC, da Delegacia de Apoio à Infância e à Juventude
e da SEJUSP – através do Infopol – começamos a pesquisa no ambiente da rede de segurança.
Os resultados obtidos foram disponibilizados através de tabelas, para que cada interessado
trace seu próprio perfil. As tabelas serão minimamente comentadas, e estão divididas em dois tipos:
na primeira, referentes aos alunos das 8ª séries, contam nas tabelas as tipificações de ocorrências,
regional da escola, quantidade de alunos, idade dos mesmos, sexo, regional em que estudam e
regional onde o fato delituoso ocorreu. Na segunda tabela, nos ativemos a duas divisões distintas:
alunos Proerd e alunos não Proerd. Não mais tipificamos por regional ou localidades dos delitos.
Todos os resultados apresentados foram confirmados. Contudo, fica a perspectiva que esse
resultado seja maior, em âmbito geral, uma vez que o programa Infopol não lê a variante de nomes
ou acentos gráficos. Ao fazer uma análise por amostragem com 500 nomes de alunos, percebemos
que a leitura de variantes inexiste e, ainda, o erro humano de grafia impossibilitou a checagem de
alguns nomes, o que nos remete, em âmbito geral, a uma variável de 3% a 7% para maior do que a
aqui apresentada40.

ADOLESCENTES E O SISTEMA DE INFORMAÇÕES POLICIAIS – 8ª SÉRIE

As tabelas que se seguem dão conta das ocorrências dos alunos registradas no Infopol,
tanto por ocorrências quanto por práticas individuais de cada adolescente citado. Foram 703 alunos
pesquisados das 8ª séries do Ensino Fundamental. As subdivisões apontam as idades atuais dos
adolescentes, os delitos cometidos ou de que foram vítimas, a regional da escola e a regional onde o
fato ocorreu.

40
Os dados estatísticos da variante padrão foram conferidos e reconferidos por dois matemáticos da UFAC, não
cabendo colocá-los neste relatório. Contudo, os mesmos podem ser acessados na base de dados da DEI/Proerd.

138
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Escolas da Ocorrências do Infopol 8ª série do E. F. 074 alunos pesquisados


Regional 01
Idade Sexo Crime, Delito ou Infração Crime, Delito ou Infração Regional Local
Atual Cometido Vitimado da escola do fato
15 F - Lesão Corporal/Agressão Física ----- R 01 R 01
14 F - Lesão Corporal/Agressão Física ----- R 01 R 01
15 F - Lesão Corporal/Agressão Física ----- R 01 R 01
15 M - Lesão Corporal/Agressão Física ----- R 01 R 05
Crime, Delito ou Infração Cometido: Crime, Delito ou Infração Vitimado:
Média de 1 por 18,5 alunos 0,0
Porcentagem de infrações cometidas registradas Porcentagem de infrações vitimadas registradas
proporcional ao número de alunos: 05,4% proporcional ao número de alunos: 0,0%
Escolas da Regional 02 Ocorrências do Infopol 8ª série do E. F. 196 alunos pesquisados
Idade Sexo Crime, Delito ou Infração Crime, Delito ou Infração Regional Local
Atual Cometido Vitimado da escola do fato
17 F ----- - Calúnia, Injúria, Difamação R 02 R 02
17 F ----- - Lesão Corporal/Agressão R 02 R 02
Física
13 F ----- - Extravio R 02 R 01
14 F - Outras Ocorrências contra a Pessoa - Estupro R 02 R 02
R 02
15 M ----- - Lesão Corporal/Agressão R 02 R 04
Física
14 F ----- - Atentado Violento ao Pudor R 02 R 02
----- - Estupro R 02
----- - Ameaça de Morte R 02
14 F ----- - Lesão Corporal/Agressão R 02 R 02
Física
15 M ----- - Calúnia, Injúria, Difamação R 02 R 02
- Tentativa de Homicídio R 02
15 F ----- - Furto R 02 R 02
17 F - Roubo ----- R 02 R 01
- Outras Ocorrências contra a Pessoa ----- R 02
17 F - Outras Ocorrências contra a ----- R 02 R 02
Pessoa
16 M ----- - Maus Tratos R 02 R 02

139
Polícia Militar do Estado do Acre

16 F ----- - Calúnia, Injúria, Difamação R 02 R 05


16 F ----- - Ato Obsceno R 02 R 02

- Ameaça R 02
16 F ----- - Ato Obsceno R 02 R 02
- Lesão Corporal/Agressão R 02
Física
15 F ----- - Calúnia, Injúria, Difamação R 02 R 02
- Ameaça R 02
16 F ----- - Lesão Corporal/Agressão R 02 R 02
Física
Crime, Delito ou Infração Cometido: Crime, Delito ou Infração Vitimado:
Média de 1 por 49 alunos Media de 1 por 09,33 alunos
Porcentagem de infrações cometidas registradas Porcentagem de infrações vitimadas registradas
proporcional ao número de alunos: 02,04% proporcional ao número de alunos: 10,71%
Escolas da Regional 03 Ocorrências do Infopol 8ª série do E. F. 105 alunos pesquisados
Idade Sexo Crime, Delito ou Infração Crime, Delito ou Infração Regional Local
Atual Cometido Vitimado da escola do
fato
14 F ----- - Aliciação de Menor (sexo) R 03 R 03
14 M - Lesão Corporal/Agressão Física ----- R 03 R 03
15 M ----- - Ameaça de Morte R 03 R 03
15 M ----- - Roubo R 03 R 03
15 M ----- - Lesão Corporal/Agressão R 03 R 03
Física
Crime, Delito ou Infração Cometido: Crime, Delito ou Infração Vitimado:
Média de 1 por 105 alunos Media de 1 por 26,25 alunos
Porcentagem de infrações cometidas registradas Porcentagem de infrações vitimadas registradas
proporcional ao número de alunos: 0,95% proporcional ao número de alunos: 03,80%

Escolas da Regional 04 Ocorrências do Infopol 8ª série do E. F. 149 alunos pesquisados


Idade Sexo Crime, Delito ou Infração Crime, Delito ou Infração Regional Local
Atual Cometido Vitimado da escola do fato
15 F ----- - Aliciação de Menor (fotos R 04 R 04
----- eróticas) R 04
- Lesão Corporal/Agressão Física - Estupro R 04

140
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

----- - Dano/Depredação R 04
----- -Ameaça de Morte R 04
14 F ----- - Extravio R 04 R 01
13 F ----- - Lesão Corporal/Agressão R 04 R 04
Física
16 M ----- - Lesão Corporal/Agressão R 04 R 02
Física
15 F ----- - Aliciação de menor (sexo) R 04 R 01
15 M ----- - Extravio R 04 R 02
15 M ----- - Extravio R 04 R 04
15 F ----- - Extravio R 04 R 01
15 F ----- - Furto R 04 R 04
- Lesão Corporal/Agressão R 04
Física R 01
- Extravio
14 F ----- - Calúnia, Injúria, Difamação R 04 R 04
- Estupro R 04
- Extravio R 01
15 F ----- - Furto R 04 R 04
14 M ----- - Ameaça R 04 R 01
15 F ----- - Extravio R 04 R 05
14 F ----- - Lesão Corporal/Agressão R 04 R 04
Física
15 F ----- - Extravio R 04 R 04
14 M ----- - Furto R 04 R 04
Crime, Delito ou Infração Cometido: Crime, Delito ou Infração Vitimado:
Média de 1 por 149 alunos Média de 1 por 06,47 alunos
Porcentagem de infrações cometidas registradas Porcentagem de infrações vitimadas registradas
proporcional ao número de alunos: 0,67% proporcional ao número de alunos: 15,43%

Escolas da Regional 05 Ocorrências do Infopol 8ª série do E. F. 179 alunos pesquisados


Idade Sexo Crime, Delito ou Infração Crime, Delito ou Infração Regional Local
Atual Cometido Vitimado da escola do fato
17 M - Lesão Corporal/Agressão Física ----- R 05 R 05
- Atentado Violento ao Pudor ----- R 05
15 F ----- - Ameaça de Morte R 05 R 05
17 F - Perturbação da Ordem Pública - Ameaça de Morte R 05 R 04

141
Polícia Militar do Estado do Acre

----- - Ameaça de Morte R 04


15 F - Lesão Corporal/Agressão ----- R 05 R 05
16 M ----- - Roubo R 05 R5
15 F ----- - Lesão Corporal/Agressão R 05 R 05
----- - Furto R 05
17 M - Furto ----- R 05 R 05
16 M ----- - Furto R 05 R 05
14 M ----- - Estupro R 05 R 05
14 F ----- - Aliciação de menor (fotos R 05 R 05
----- eróticas) R 05
- Calúnia, Injúria, Difamação
16 M ----- - Extravio R 05 R 05
Crime, Delito ou Infração Cometido: Crime, Delito ou Infração Vitimado:
Média de 1 por 35,80 alunos Média de 1 por 16,27 alunos
Porcentagem de infrações cometidas registradas Porcentagem de infrações vitimadas registradas
proporcional ao número de alunos: 02,79% proporcional ao número de alunos: 06,14%

142
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

8ª séries Ocorrências do
de Rio Branco Infopol 8ª série do E. F. 703 alunos pesquisados
Sexo Crime, Delito ou Infração Crime, Delito ou Infração
Cometido Vitimado
F Lesão Corporal/Agressão Física Lesão Corporal/Agressão Física
(05 ocorrências) (08 ocorrências)
M Lesão Corporal/Agressão Física Lesão Corporal/Agressão Física
(03 ocorrências) (03 ocorrências)
F Ameaça de Morte Ameaça de Morte
(00 ocorrência) (08 ocorrências)
M Ameaça de Morte Ameaça de Morte
(00 ocorrência) (03 ocorrências)
F Extravio (de documentos e pertences Extravio (de documentos e pertences pessoais)
pessoais) (06 ocorrências)
(00 ocorrência)
M Extravio (de documentos e pertences Extravio (de documentos e pertences pessoais)
pessoais) (03 ocorrências)
(00 ocorrência)
F Calúnia, Injúria, Difamação Calúnia, Injúria, Difamação
(00 ocorrência) (05 ocorrências)
M Calúnia, Injúria, Difamação Calúnia, Injúria, Difamação
(00 ocorrência) (01 ocorrência)
F Roubo Roubo
(01 ocorrência) (00 ocorrência)
M Roubo Roubo
(00 ocorrência) (02 ocorrências)
F Furto Furto
(00 ocorrência) (04 ocorrência)
M Furto Furto
(01 ocorrência) (02 ocorrência)
F Atentado violento ao pudor Atentado violento ao pudor
(00 ocorrência) (01 ocorrência)
M Atentado violento ao pudor Atentado violento ao pudor
(01 ocorrência) (00 ocorrência)
F* Estupro Estupro
(00 ocorrência) (05 0corrências)
F* Aliciação de menor Aliciação de menor
(00 ocorrência) (04 ocorrências)

143
Polícia Militar do Estado do Acre

F* Ato obsceno Ato obsceno


(00 ocorrência) (02 ocorrências)
F* Dano/Depredação Dano/Depredação
(00 ocorrência) (01 ocorrência)
F* Perturbação da ordem pública Perturbação da ordem pública
(01 ocorrência) (00 ocorrência)
F* Ocorrências de outra natureza Ocorrências de outra natureza
(01 ocorrência) (01 ocorrência)
M* Tentativa de Homicídio Tentativa de Homicídio
(00 ocorrência) (01 ocorrência)
M* Maus tratos Maus tratos
(00 ocorrência) (01 ocorrência)
Crime, Delito ou Infração Cometido: Crime, Delito ou Infração Vitimado:
Média de 1 por 54,07 alunos Média de 1 por 11,52 alunos
Porcentagem de infrações cometidas registradas Porcentagem de infrações vitimadas registradas
proporcional ao número de alunos: 01,84% proporcional ao número de alunos: 08,67%
Das ocorrências registradas, 61,53% foram Das ocorrências registradas, 73,77% foram sofridas
praticadas por adolescentes do sexo feminino por adolescentes do sexo feminino
F* ou M* = não foram registradas ocorrências de Em mais da metade dos casos de Agressão Física e
mesma tipificação com adolescentes do sexo Ameaça de morte sofridos por mulheres o agressor é
oposto. o companheiro ou o ex-companheiro
A regional onde foi registrado maior número de A regional onde foi registrado maior número de
ocorrências cometidas proporcional ao número de ocorrências sofridas proporcional ao número de
adolescentes foi a Regional 01 da PMAC adolescentes foi a Regional 04 da PMAC
As localidades onde os alunos estudaram o Proerd As localidades onde os alunos estudaram o Proerd
na 4ª e na 6ª série não houve ocorrências na 4ª e na 6ª série o índice de ocorrências sofridas
registradas envolvendo alunos Proerd como foi de 1 por 8,36 alunos em média, ou seja, 11,95%
agentes. Esse fato pode ser associado a tabela sobre do número de alunos. Os alunos Proerd que fizeram
o uso de drogas, onde foi percebido o fato de entre o programa de 6ª série não tiveram registros como
os 92 alunos pesquisados 3,5% fazer uso freqüente agentes em atos delituosos, contudo foram vítimas. O
de cigarros, 2,5% fazer uso freqüente de bebidas que pode sustentar a necessidade de aumento da
alcoólicas e menos de 2% fazer uso de qualquer abrangência dos programas de prevenção às
substância ilícita considerada droga. drogas e à violência nas escolas.

144
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

ADOLESCENTES E O SISTEMA DE INFORMAÇÕES POLICIAIS –


ENSINO MÉDIO

As tabelas que se seguem dão conta das ocorrências dos alunos registradas no Infopol, tanto
por ocorrências quanto por práticas individuais de cada adolescente citado. Foram 353 alunos que
não estudaram o Proerd e 359 que estudaram, totalizando 712 alunos pretensamente no Ensino
Médio. As subdivisões apontam o sexo dos adolescentes e os crimes, delitos ou infrações cometidos
ou de que foram vítimas.

353 alunos pesquisados


Alunos que Ocorrências do Ensino Médio que nos anos de 2000 e 2001 não
não estudaram Infopol (pretenso) estudaram nenhum programa de
o PROERD por indivíduos prevenção às drogas e à violência
Sexo Crime, Delito ou Infração Crime, Delito ou Infração
Cometido Vitimado
M - Lesão Corporal/Agressão Física -----
- Ameaça -----
M - Lesão Corporal/Agressão Física (04) -----
- Porte de Entorpecentes -----
- Porte Ilegal de Armas -----
- Homicídio Tentado -----
M - Lesão Corporal/Agressão Física -----
M - Lesão Corporal/Agressão Física - Lesão Corporal/Agressão Física
- Calúnia, Injúria, Difamação (02) -----
F ----- - Furto (02)
F ----- - Extravio (03)
F ----- - Lesão Corporal/Agressão Física
M ----- - Extravio
M - Ameaça de Morte -----
M ----- - Calúnia, Injúria, Difamação
M ----- - Homicídio Tentado
F ----- - Extravio
F ----- - Estupro
M - Estelionato/Fraude -----
F - Furto (03) -----
- Porte de Entorpecentes -----

145
Polícia Militar do Estado do Acre

F ----- - Extravio
- Homicídio Tentado - Maus Tratos
F - Porte de Entorpecentes - Ameaça
- Dano/Depredação - Furto
- Outras Ocorrências contra a Pessoa -----
M ----- - Extravio
M ----- - Roubo
M ----- - Lesão Corporal/Agressão Física
F ----- - Extravio
M - Porte Ilegal de Armas -----
F - Calúnia, Injúria, Difamação (02) - Lesão Corporal/Agressão Física
- Lesão Corporal/Agressão Física -----
M - Tráfico de Entorpecentes -----
- Porte Ilegal de Armas -----
M ----- - Perturbação da Ordem Pública
M - Dano/Depredação -----
F ----- - Extravio
M - Furto (04) -----
- Ameaça de Morte -----
F ----- - Ameaça (02)
----- - Lesão Corporal/Agressão Física
F ----- - Calúnia, Injúria, Difamação
F ----- - Homicídio Tentado
M ----- - Furto
F ----- - Ameaça
M ----- - Homicídio Tentado
M - Ameaça de Morte -----
- Lesão Corporal -----
M ----- - Calúnia, Injúria, Difamação
F ----- - Roubo
M ----- - Extravio
M ----- - Lesão Corporal
M ----- - Extravio
- Furto
M ----- - Furto
M ----- - Extravio
F ----- - Estupro

146
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

F ----- - Furto
- Ameaça
- Extravio (03)
F ----- - Lesão Corporal/Agressão Física
M - Furto (03) - Lesão Corporal/Agressão Física
- Lesão Corporal/Agressão Física -----
F ----- - Extravio
M ----- - Lesão Corporal/Agressão Física
----- - Calúnia, Injúria, Difamação
M ----- - Homicídio
F - Pessoa Desaparecida - Roubo

F ----- - Estupro
F ----- - Lesão Corporal/Agressão Física
M - Porte Ilegal de Armas -----
- Pessoa Desaparecida -----
M - Roubo -----
M - Roubo -----
F ----- - Calúnia, Injúria, Difamação
M - Furto -----
- Lesão Corporal/Agressão Física (02) -----
- Roubo -----
M ----- - Lesão Corporal/Agressão Física
F ----- - Estupro
M - Ameaça de Morte -----
M - Furto -----
- Ameaça de Morte -----
F - Ameaça de Morte (02) - Lesão Corporal/Agressão Física
F ----- - Extravio
F ----- - Roubo
M - Ameaça de Morte (02) -----
- Violação de Domicílio -----
F ----- - Extravio
F ----- - Ameaça (02)
----- - Lesão Corporal/Agressão Física
----- - Calúnia, Injúria, Difamação
----- - Perturbação da Ordem Pública

147
Polícia Militar do Estado do Acre

----- - Furto (02)

M ----- - Furto (02)


- Extravio
M ----- - Roubo
M ----- - Extravio (02)
Crime, Delito ou Infração Cometido: Crime, Delito ou Infração Vitimado:
Média de 1 por 06,53 alunos Média de 1 por 04,64 alunos
Porcentagem de infrações cometidas registradas Porcentagem de infrações vitimadas registradas
proporcional ao número de alunos: 15,29% proporcional ao número de alunos: 21,52%

148
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

353 alunos pesquisados


Alunos que Ocorrências do Ensino Médio que nos anos de 2000 e 2001 não
não estudaram o Infopol (pretenso) estudaram nenhum programa de
PROERD por tipificações prevenção às drogas e à violência
Sexo Crime, Delito ou Infração Crime, Delito ou Infração
Cometido Vitimado
F Lesão Corporal/Agressão Física Lesão Corporal/Agressão Física
(01 ocorrência) (07 ocorrências)
M Lesão Corporal/Agressão Física Lesão Corporal/Agressão Física
(10 ocorrências) (06 ocorrências)
F Ameaça de Morte Ameaça de Morte
(02 ocorrências) (07 ocorrências)
M Ameaça de Morte Ameaça de Morte
(10 ocorrências) (00 ocorrências)
F Extravio (de documentos e pertences) Extravio (de documentos e pertences pessoais)
(00 ocorrências) (13corrências)
M Extravio (de documentos e pertences) Extravio (de documentos e pertences pessoais)
(00 ocorrências) (08 ocorrências)
F Calúnia, Injúria, Difamação Calúnia, Injúria, Difamação
(00 ocorrências) (03 ocorrências)
M Calúnia, Injúria, Difamação Calúnia, Injúria, Difamação
(02 ocorrências) (03 ocorrências)
F Roubo Roubo
(00 ocorrências) (03 ocorrências)
M Roubo Roubo
(03 ocorrências) (02 ocorrências)
F Furto Furto
(03 ocorrências) (06 ocorrências)
M Furto Furto
(09 ocorrências) (05 ocorrências)
F Porte de Entorpecentes Porte de Entorpecentes
(02 ocorrências) (01 ocorrência)
M Porte de Entorpecentes Porte de Entorpecentes
(01 ocorrência) (00 ocorrências)
F Pessoa Desaparecida Pessoa Desaparecida
(01 ocorrência) (00 ocorrências)
M Pessoa Desaparecida Pessoa Desaparecida

149
Polícia Militar do Estado do Acre

(01 ocorrência) (00 ocorrências)

F Homicídio Tentado Homicídio Tentado


(01 ocorrência) (02 ocorrências)
M Homicídio Tentado Homicídio Tentado
(01 ocorrência) (01 ocorrência)
F Perturbação da Ordem Pública Perturbação da Ordem Pública
(00 ocorrências) (01 ocorrência)
M Perturbação da Ordem Pública Perturbação da Ordem Pública
(00 ocorrências) (01 ocorrência)
F Dano/Depredação Dano/Depredação
(01 ocorrência) (00 ocorrências)
M Dano/Depredação Dano/Depredação
(01 ocorrência) (00 ocorrências)
F* Estupro Estupro
(00 ocorrências) (04 ocorrências)
Outras Ocorrências contra a Pessoa Outras Ocorrências contra a Pessoa
F* (01 ocorrência) (00 ocorrências)
F* Maus tratos Maus tratos
(00 ocorrências) (01 ocorrência)
M* Homicídio Homicídio
(00 ocorrências) (01 ocorrências)
M* Violação de Domicílio Violação de Domicílio
(01 ocorrência) (00 ocorrências)
M* Porte Ilegal de Armas Porte Ilegal de Armas
(04 ocorrências) (00 ocorrências)
M* Estelionato/Fraude Estelionato/Fraude
(01 ocorrência) (00 ocorrências)
Tráfico de Entorpecentes Tráfico de Entorpecentes
(01 ocorrência) (00 ocorrências)
F* ou M* = não foram registradas ocorrências de Em mais da metade dos casos de Agressão Física e
mesma tipificação com adolescentes do sexo Ameaça de morte sofridos por mulheres o agressor é o
oposto. companheiro ou o ex-companheiro

150
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Alunos que estudaram Ocorrências do 359 alunos pesquisados


o PROERD Infopol Ensino Médio que nos anos de 2000 e 2001
por indivíduos (pretenso) estudaram o programa PROERD
Sexo Crime, Delito ou Infração Crime, Delito ou Infração
Cometido Vitimado
M ----- - Extravio
M ----- - Apropriação Indébita
F ----- - Extravio
----- - Roubo
F ----- - Extravio
M - Lesão Corporal/Agressão Física - Extravio
M ----- - Lesão Corporal/Agressão Física
- Ameaça de Morte
F - Ameaça de Morte - Ameaça
- Lesão Corporal/Agressão Física -----
- Calúnia, Injúria, Difamação -----
M ----- - Extravio
M ----- - Lesão Corporal/Agressão Física
- Ameaça
M - Outras Ocorrências contra a Pessoa -----
F ----- - Extravio
M ----- - Lesão Corporal/Agressão Física
----- - Ameaça
M - Outras Ocorrências contra a Pessoa -----
F ----- - Extravio
F ----- - Furto
----- - Lesão Corporal/Agressão Física
----- - Apropriação Indébita
F ----- - Extravio
F ----- - Ameaça de Morte
----- - Roubo
----- - Furto
F ----- - Furto
- Lesão Corporal/Agressão Física
M - Lesão Corporal/Agressão Física -----
F ----- - Ameaça de Morte
M ----- - Roubo

151
Polícia Militar do Estado do Acre

M ----- - Violação de Domicílio


- Calúnia, Injúria, Difamação
F ----- - Lesão Corporal/Agressão Física
M ----- - Ameaça de Morte
- Extravio
F ----- - Extravio
M - Outras Ocorrências contra a Pessoa -----
M - Pessoa Desaparecida -----
F ----- - Extravio
F ----- - Calúnia, Injúria, Difamação
----- - Ameaça de Morte
----- - Extravio
M ----- - Extravio
M ----- - Extravio
F ----- - Lesão Corporal/Agressão Física
M - Furto -----
F ----- - Extravio
F - Porte de Entorpecentes -----
- Lesão Corporal/Agressão Física -----
- Outras Ocorrências contra a Pessoa -----
F - Lesão Corporal/Agressão Física -----
- Outras Ocorrências contra a Pessoa -----
F ----- - Extravio
M ----- - Ameaça de Morte
M ----- - Extravio
M - Porte de Entorpecentes -----
F ------ - Ameaça de Morte
M - Lesão Corporal/Agressão Física - Furto
----- - Ameaça de Morte
M - Lesão Corporal/Agressão Física (02) - Lesão Corporal/Agressão Física
- Ameaça de Morte (02) - Extravio
- Violação de Domicílio -----
- Perturbação da Ordem Pública -----
F ----- - Extravio
- Ameaça de Morte
M ----- - Extravio
M - Tráfico de Entorpecentes -----

152
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

M ------ - Furto
F ----- - Roubo
M ----- - Extravio
M ----- - Lesão Corporal/Agressão Física
F ----- - Calúnia, Injúria, Difamação
M - Lesão Corporal/Agressão Física - Apropriação Indébita
M ----- - Extravio
F ----- - Lesão Corporal/Agressão Física
- Calúnia, Injúria, Difamação
F ----- - Violação de Domicílio
- Calúnia, Injúria, Difamação
F ----- - Lesão Corporal/Agressão Física
M Outras Ocorrências contra a Pessoa -----
M ----- - Extravio
M - Furto (02) -----
M - Lesão Corporal/Agressão Física -----
M ----- - Lesão Corporal/Agressão Física
----- - Furto
M - Outras Ocorrência contra a Pessoa - Homicídio Tentado
- Ameaça de Morte -----
M ----- - Roubo
F - Lesão Corporal/Agressão Física - Ameaça de Morte
F ----- - Furto
F ----- - Extravio
F ----- - Extravio
F - Porte Ilegal de Arma -----
M ----- - Homicídio
F ----- - Furto
----- - Extravio
M ----- - Extravio
M ----- - Furto
F ----- - Acidente de Trânsito
M ----- - Acidente de Trânsito
M ----- - Extravio
F ----- - Lesão Corporal/Agressão Física
----- - Calúnia, Injúria, Difamação
----- - Furto

153
Polícia Militar do Estado do Acre

----- - Roubo
----- - Ameaça de Morte
F ----- - Lesão Corporal/Agressão Física

F ----- - Extravio
F ----- - Furto
M ----- - Roubo (02)
----- - Furto (03)
----- - Extravio
- Ameaça de Morte
Crime, Delito ou Infração Cometido: Crime, Delito ou Infração Vitimado:
Média de 1 por 11,21 alunos Média de 1 por 03,70 alunos
Porcentagem de infrações cometidas registradas Porcentagem de infrações vitimadas registradas
proporcional ao número de alunos: 08,91% proporcional ao número de alunos: 27,01%

154
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Alunos que estudaram Ocorrências do 359 alunos pesquisados


o PROERD Infopol Ensino Médio que nos anos de 2000 e 2001
por infrações (pretenso) estudaram o programa PROERD
Sexo Crime, Delito ou Infração Crime, Delito ou Infração
Cometido Vitimado
F Lesão Corporal/Agressão Física Lesão Corporal/Agressão Física
(04 ocorrências) (08 ocorrências)
M Lesão Corporal/Agressão Física Lesão Corporal/Agressão Física
(07 ocorrências) (06 ocorrências)
F Ameaça de Morte Ameaça de Morte
(01 ocorrência) (08 ocorrências)
M Ameaça de Morte Ameaça de Morte
(03 ocorrências) (07 ocorrências)
F Extravio (de documentos e pertences Extravio (de documentos e pertences pessoais)
pessoais) (15 ocorrências)
(00 ocorrências)
M Extravio (de documentos e pertences Extravio (de documentos e pertences pessoais)
pessoais) (15 ocorrências)
(00 ocorrências)
F Calúnia, Injúria, Difamação Calúnia, Injúria, Difamação
(01 ocorrência) (05 ocorrências)
M Calúnia, Injúria, Difamação Calúnia, Injúria, Difamação
(00 ocorrências) (01 ocorrência)
F Roubo Roubo
(00 ocorrências) (04 ocorrências)
M Roubo Roubo
(00 ocorrências) (04 ocorrências)
F Furto Furto
(00 ocorrências) (07 ocorrências)
M Furto Furto
(03 ocorrências) (07 ocorrências)
F Porte de Entorpecentes Porte de Entorpecentes
(01 ocorrência) (00 ocorrências)
M Porte de Entorpecentes Porte de Entorpecentes
(01 ocorrência) (00 ocorrências)
F Acidente de Trânsito Acidente de Trânsito
(00 ocorrências) (01 ocorrência)

155
Polícia Militar do Estado do Acre

M Acidente de Trânsito Acidente de Trânsito


(00 ocorrências) (01 ocorrência)
F Violação de Domicílio Violação de Domicílio
(00 ocorrências) (01 ocorrência)
M Violação de Domicílio Violação de Domicílio
(01 ocorrência) (01 ocorrência)
F Apropriação Indébita Apropriação Indébita
(00 ocorrências) (01 ocorrência)
M Apropriação Indébita Apropriação Indébita
(00 ocorrências) (02 ocorrências)
M* Homicídio Tentado Homicídio Tentado
(00 ocorrências) (01 ocorrência)
M* Perturbação da Ordem Pública Perturbação da Ordem Pública
(00 ocorrências) (01 ocorrência)
M* Homicídio Homicídio
(00 ocorrências) (01 ocorrências)
M* Porte Ilegal de Armas Porte Ilegal de Armas
(01 ocorrências) (00 ocorrências)
M* Tráfico de Entorpecentes Tráfico de Entorpecentes
(01 ocorrência) (00 ocorrências)
M* Pessoa Desaparecida Pessoa Desaparecida
(01 ocorrências) (00 ocorrências)
M* Outras Ocorrências contra a Pessoa Outras Ocorrências contra a Pessoa
(07 ocorrências) (00 ocorrências)
Das ocorrências registradas, 78,12% foram Das ocorrências registradas, 51,54% foram sofridas
praticadas por adolescentes do sexo masculino por adolescentes do sexo feminino.
M* = não foram registradas ocorrências de mesma Em mais da metade dos casos de Agressão Física e
tipificação com adolescentes do sexo oposto. Ameaça de morte sofridos por mulheres o agressor é
um conhecido ou vizinho.

156
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Ocorrências do 1.415 alunos pesquisados


Adolescentes Infopol Adolescentes em nas 05 Regionais de Rio Branco
da Cidade de por infrações idade escolar respeitada a geografia, estatística
Rio Branco (percentagens) (332 ocorrências) e a proporcionalidade de alunos
por escolas da Capital
Sexo Crime, Delito ou Infração Crime, Delito ou Infração
Cometido Vitimado
F Lesão Corporal/Agressão Física Lesão Corporal/Agressão Física
3,05% 6,98%
M Lesão Corporal/Agressão Física Lesão Corporal/Agressão Física
6,05% 4,53%
F Ameaça de Morte Ameaça de Morte
0,90% 6,93%
M Ameaça de Morte Ameaça de Morte
3,92% 3,02%
F Extravio (de documentos e pertences Extravio (de documentos e pertences pessoais)
pessoais) 10,39%
00%
M Extravio (de documentos e pertences Extravio (de documentos e pertences pessoais)
pessoais) 7,90%
00%
F Calúnia, Injúria, Difamação Calúnia, Injúria, Difamação
0,30% 3,92%
M Calúnia, Injúria, Difamação Calúnia, Injúria, Difamação
0,60% 1,50%
F Roubo Roubo
0,30% 2,10%
M Roubo Roubo
0,90% 2,40%
F Furto Furto
0,90% 5,13%
M Furto Furto
3,92% 4,22%
F Porte de Entorpecentes Porte de Entorpecentes
0,30% 00%
M Porte de Entorpecentes Porte de Entorpecentes
0,60% 00%
F Pessoa Desaparecida Pessoa Desaparecida
0,30% 00%

157
Polícia Militar do Estado do Acre

M Pessoa Desaparecida Pessoa Desaparecida


0,60% 00%
F Homicídio Tentado Homicídio Tentado
0,30% 0,60%
M Homicídio Tentado Homicídio Tentado
0,30% 0,90%
F Perturbação da Ordem Pública Perturbação da Ordem Pública
00% 0,30%
M Perturbação da Ordem Pública Perturbação da Ordem Pública
0,30% 0,60%
F Dano/Depredação Dano/Depredação
0,30% 0,30%
M Dano/Depredação Dano/Depredação
0,30% 00%
F Violação de Domicílio Violação de Domicílio
00% 0,30%
M Violação de Domicílio Violação de Domicílio
0,60% 0,30%
F Apropriação Indébita Apropriação Indébita
00% 0,30%
M Apropriação Indébita Apropriação Indébita
00% 0,60%
F Acidente de Trânsito Acidente de Trânsito
00% 0,30%
M Acidente de Trânsito Acidente de Trânsito
00% 0,30%
F Atentado Violento ao Pudor Atentado Violento ao Pudor
00% 0,30%
M Atentado Violento ao Pudor Atentado Violento ao Pudor
0,30% 00%
F Maus Tratos Maus Tratos
00% 0,30%
M Maus Tratos Maus Tratos
00% 0,30%
F Outras Ocorrências contra a Pessoa Outras Ocorrências contra a Pessoa
0,30% 00%
M Outras Ocorrências contra a Pessoa Outras Ocorrências contra a Pessoa

158
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

2,72% 00%
F* Aliciação de Menor Aliciação de Menor
00% 1,20%
F* Ato Obsceno Ato Obsceno
00% 0,60%
F* Estupro Estupro
00% 2,72%
M* Estelionato/Fraude Estelionato/Fraude
0,30% 00%
M* Homicídio Homicídio
00% 0,60%
M* Porte Ilegal de Armas Porte Ilegal de Armas
1,50% 00%
M* Tráfico de Entorpecentes Tráfico de Entorpecentes
0,60% 00%
Crime, Delito ou Infração Cometido: Crime, Delito ou Infração Vitimado:
Média de 1 por 14,00 alunos Média de 1 por 06,12 alunos
Das ocorrências registradas, 77,22% foram Das ocorrências registradas, 60,60% foram sofridas
praticadas por adolescentes do sexo masculino. por adolescentes do sexo feminino.
F* ou M* = não foram registradas ocorrências de Em mais da metade dos casos de Agressão Física e
mesma tipificação com adolescentes do sexo Ameaça de morte sofrido por mulheres o agressor é o
oposto. companheiro ou o ex-companheiro.

159
Polícia Militar do Estado do Acre

CAPÍTULO VIII

ADOLESCENTES E O
JUIZADO DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE

A pesquisa Proerd com os adolescentes foi além das atividades em sala de aula, nas escolas,
Conselho Tutelar e ocorrências relatadas no Infopol da Secretaria de Segurança Pública do Acre.
Durante alguns meses do ano de 2008, fizemos um mapa das fichas e dos processos referentes a
1.222 (mil duzentos e vinte e dois) adolescentes, de 38 turmas, de 17 escolas, das 05 Regionais de
Rio Branco, para verificar as passagens e as tipificações das mesmas. Essa amostragem é pequena
se comparada ao grande número de adolescentes que se encontram na sociedade riobranquense,
contudo, intentamos verificar a importância e a eficácia do Programa Proerd em seus
relacionamentos sociais, para saber se as práticas dos adolescentes condizem com a proposta do
programa da PMAC, que prima pela valorização da vida e por manter as crianças e os adolescentes
longe das drogas e da violência.
De igual forma, ao tentar verificar o funcionamento ou não de qualquer que seja o programa,
há a necessidade de estabelecimento de possibilidades e metodologias pertinentes. A escolha dos
alunos a serem pesquisados não foi aleatória. Seguindo a metodologia e os referenciais teóricos já
apresentados na introdução, pesquisamos turmas de alunos de 8ª séries atendidas em 2008 pelo
Proerd e relações com nomes de alunos que foram e que não foram atendidos pelo Proerd em 2000
e 20001. A título de exemplo, vale ressaltar que se uma escola teve alunos atendidos pelo Proerd
apenas em 2000 e não teve em 2001, analisamos as turmas de 2000 e 20001 dessas escolas, fazendo
as devidas considerações. Foram respeitados os aspectos geográficos, sócio-econômicos, religiosos,
dentre outros. A única separação feita foi se estudaram ou não o Proerd. É latente o fato de um
programa de prevenção não “salvar o mundo” ou criar um ambiente idealizador que insira os

160
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

adolescentes em uma “bolha livre dos males da sociedade”. Contudo, o que se pretendeu foi
verificar, ainda que com possibilidades de inferências e postulações múltiplas da dinâmica do
convívio em sociedade, se o programa Proerd de alguma maneira influenciou esses adolescentes.
A pesquisa foi realizava nas dependências da 6ª Vara Cível da Comarca de Rio Branco,
visando tão somente a verificação de passagens relativas ao Sistema do Juizado da Infância e da
Juventude.
A 6ª vara Cível do Juízo de Direito da Comarca de Rio Branco foi criada pela Lei
Complementar Estadual nº 13, de 08.12.1987, e instalada no dia 04.03.1988. A partir dessa
instalação, passou a funcionar a Vara Cível com atuação inerente ao atual Juizado da Infância e da
Adolescência no Estado do Acre. Dentre as atribuições do Juizado, citamos a de atuar na proteção
dos direitos da criança e do adolescente, bem como sua proteção41 e a aplicação de medidas sócio-
educativas em casos necessários.
A partir dos arquivos do juizado, iniciamos a pesquisa com a listagem de adolescentes a ser
verificada. Dividimos os resultados em dois grupos, 8ª série e Ensino Médio (pretenso), uma vez
que os alunos das 4ª séries em 2000 e 20001 pretensamente estão no Ensino Médio ou concluíram
em 2007 – ano do início do levantamento. Com esses dados em mãos, fizemos uma amostragem por
alunos e outra por infrações para comparações e tipificações.

8ª séries 554 alunos pesquisados


17% não estudaram o Proerd
de Rio Branco Ocorrências do
76% estudaram o Proerd 4ª série
Juizado da Infância e 8ª série do E. F. 07% estudaram o Proerd 4ª e 6ª
séries
da Juventude
Sexo Incidentes ou Ações Incidentais Execução de Sentença
M - Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Baixado
- Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Em andamento
- Infração de Estupro (CP Art. 213) - Em andamento
- **Modificação ou revogação de guarda de criança ou adolesc. - Baixado
- **Medida de Proteção - ECA - Baixado
M - Remissão Judicial (Suspensão) - Baixado
F - **Medida de Proteção – ECA - Cancelado
- **Medida de Proteção – ECA - Baixado
- Remissão Judicial (Suspensão) - Baixado
- Infração Pertubação de Sossego e Trabalho Alheio (CP - Baixado
Art.42)
M - Infração de Entorpecente para Consumo Pessoal - Em andamento

41
As classes grifadas com dois asteriscos (**), naõ correspondem a prática de atos infracionais (Art 103 ECA), são
referentes a procedimento Cível ou Administrativo.

161
Polícia Militar do Estado do Acre

- Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado


- **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
F - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
Apenas 04 adolescentes cometeram atos Nenhum dos alunos que estudaram o Proerd nas 4ª e 6ª
infracionais série cometeu ou sofreu alguma infração

Alunos que Ocorrências do Ensino Médio


347 alunos pesquisados
estudaram Juizado da Infância e por alunos
o PROERD da Juventude
Sexo Incidentes ou Ações Incidentais Execução de Sentença
F - **Autorização Judicial – Alvará - Baixado
M - Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Baixado
- Remissão Judicial (Suspensão) - Baixado
M - Infração de Entorpecente para Consumo Pessoal - Baixado
F - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
M - **Tutela - Baixado
F - **Apuração de Infração Administrativa -Baixado
- **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
F - **Autorização Judicial – Alvará - Baixado
M - Remissão Judicial (Suspensão) - Baixado
M - Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Baixado
- Remissão (AI) - Baixado
M - Medida Sócio-Educativa (Representação) - Baixado
F - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
F - **Autorização Judicial – Alvará - Baixado
M - Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Em andamento
F - **Medida de Proteção – ECA - Baixado
M - Remissão Judicial (Suspensão) - Baixado
F - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
M - Remissão Judicial (Suspensão) - Baixado
F - **Guarda de Criança ou Adolescente - Baixado
M - **Guarda de Criança ou Adolescente - Baixado
M - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
- **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
F - Remissão Judicial (Suspensão) - Baixado

162
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

M - Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Baixado


- Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Baixado
F - **Medida de Proteção – ECA - Baixado
- **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
- **Medida de Proteção – ECA - Baixado
F - **Apuração de Infração Administrativa - Em andamento
- **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
- **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
F - **Medida de Proteção – ECA - Baixado
- **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
F - Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Baixado
- Remissão Judicial (Suspensão) - Baixado
F - **Medida de Proteção – ECA - Baixado
F - Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Baixado
- Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Baixado
F - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
M - Infração de Tentativa de Homicídio - (Art.121 c/c 14, II) - Em andamento
M - Remissão Judicial (Suspensão) - Baixado
M - Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Baixado
- Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Baixado
- Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Baixado
- Remissão Judicial (Suspensão) - Baixado
- Infração de Porte de Arma - (Art. 14) - Baixado
- Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Baixado
M - Medida Sócio-Educativa (Representação) - Baixado
F - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
F - **Medida de Proteção – ECA - Baixado
M - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
- **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
F - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
F - **Autorização Judicial – Alvará - Baixado
- **Medida de Proteção – ECA - Baixado
- **Medida de Proteção – ECA - Baixado
F - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
F - **Medida de Proteção – ECA - Baixado
M - Arquivamento – Ministério Público - ECA - Baixado

163
Polícia Militar do Estado do Acre

Alunos que Ocorrências do


estudaram Juizado da Infância e Ensino Médio
347 alunos pesquisados
o PROERD da Juventude Por infrações
Ações Incidentais envolvendo Ações Incidentais envolvendo
adolescentes do sexo masculino adolescentes do sexo feminino
- Infração de Lesões Corporais - Infração de Lesões Corporais
03 ocorrências 03 ocorrências
- Infração de Entorpecente para Consumo Pessoal - Infração de Entorpecente para Consumo Pessoal
01 ocorrência
00 ocorrência
- Remissão Judicial (Suspensão) - Remissão Judicial (Suspensão)
06 ocorrências 02 ocorrências
- Remissão (AI) - Remissão (AI)
01 ocorrência 00 ocorrência
- Medida Sócio-Educativa (Representação) - Medida Sócio-Educativa (Representação)
02 ocorrências 00 ocorrência
- Infração de Roubo (Assalto) - Infração de Roubo (Assalto)
06 ocorrências
00 ocorrência
- Infração de Tentativa de Homicídio - Infração de Tentativa de Homicídio
01 ocorrência
00 ocorrência
- Infração de Furto - Infração de Furto
01 ocorrência 00 ocorrência
- Infração de Porte de Arma - Infração de Porte de Arma
01 ocorrência 00 ocorrência
- Arquivamento – Ministério Público – ECA - Arquivamento – Ministério Público – ECA
01 ocorrência 00 ocorrência

164
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Alunos que Ocorrências do


não estudaram Juizado da Infância e Ensino Médio 321 alunos pesquisados
o PROERD da Juventude por alunos
Sexo Incidentes ou Ações Incidentais Execução de Sentença
M - Infração de Dano (CP Art. 163) - Baixado
- Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Baixado
F - **Autorização Judicial – Alvará - Baixado
M - Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Remissão Judicial (Suspensão) - Baixado
M - Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Baixado
- Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Remissão Judicial - (AI) - Baixado
F - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
M - **Autorização Judicial – Alvará - Baixado
M - **Tutela - Baixado
M - Arquivamento – Ministério Público – ECA - Baixado
- Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Baixado
- Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Infração de Porte de Arma - (Art. 14) - Baixado
M - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
M - Infração de Furto (CP Art. 155) - Em andamento
- Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Infração de Entorpecente para Consumo Pessoal - Baixado
- Remissão Judicial (Suspensão) - Baixado

165
Polícia Militar do Estado do Acre

F - Arquivamento – Ministério Público – ECA - Baixado


M - Infração de Falsificação (CP Art. 296) - Baixado
- Infração de Falsidade Ideológica (CP Art. 299) - Baixado
- **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
M - Apuração de Infração Administrativa - Baixado
F - Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Em andamento
- Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Baixado
F - **Busca e Apreensão de Menores - Baixado
M - Infração de Furto (CP Art. 155) - Em andamento
M - Infração de Entorpecente para Consumo Pessoal - Baixado
- **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
M - Infração de Tentativa de Homicídio - (Art..121 c/c 14, II) - Em andamento
- Infração de Porte de Arma - (Art. 14) - Em andamento
- Infração de Porte de Arma - (Art. 14) - Baixado
- Infração de Tentativa de Homicídio - (Art.121 c/c 14, II) - Em andamento
- Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Baixado
- Infração de Tentativa de Homicídio - (Art.121 c/c 14, II) - Baixado
- Infração de Tentativa de Homicídio - (Art.121 c/c 14, II) - Baixado
- Infração de Tentativa de Homicídio - (Art.121 c/c 14, II) - Em andamento
- Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Em andamento
- Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Baixado
- Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Em andamento
- Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Em andamento
- Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Baixado
- Infração de Dano (CP Art. 163) - Baixado
- Infração de Tentativa de Homicídio - (Art.121 c/c 14, II) - Baixado
- Infração de Entorpecente para Consumo Pessoal - Baixado
- Infração de Tentativa de Homicídio - (Art.121 c/c 14, II) - Baixado
- Medida Sócio-Educativa (Representação) - Baixado
- Internação Provisória de Adolescente - Baixado
- Medida Sócio-Educativa (Representação) - Baixado
- Medida Sócio-Educativa (Representação) - Baixado
F - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
M - Infração de Tentativa de Homicídio - (Art.121 c/c 14, II) - Baixado
- Infração de Tentativa de Homicídio - (Art.121 c/c 14, II) - Baixado
- Medida Sócio-Educativa (Representação) - Baixado
- Medida Sócio-Educativa (Representação) - Baixado
- Internação Provisória de Adolescente - Baixado

166
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

F - Crime de Estupro (CP Art. 212) - Em andamento


- **Medida de Proteção – ECA - Baixado
F - Remissão Judicial (Suspensão) - Baixado
F - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
F - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
- Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Baixado
F - **Autorização Judicial – Alvará - Baixado
M - Infração de Atentado Violento ao Pudor (CP Art. 214) - Em andamento
- Infração de Atentado Violento ao Pudor (CP Art. 214) - Baixado
F - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
F - **Reclamação Cível – Juizado Especial - Em andamento
- **Regulamentação do Regime de Visitas - Baixado
- **Guarda de Criança ou Adolescente - Baixado
- **Homologação de Acordo - Baixado
- **Guarda e Educação dos Filhos - Em andamento
- **Carta Precatória (Família) - Baixado
F - **Guarda de Criança ou Adolescente - Baixado
M - Infração de Porte de Arma - (Art. 14) - Em andamento
- **Homologação de Acordo - Baixado
F - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
M - Arquivamento – Ministério Público – ECA - Baixado
F - **Pedido de Autorização para Desfilar - Baixado
- **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
M - Infração de Tráfico de Entorpecente - Em andamento
- Infração de Tráfico de Entorpecente - Baixado
F - **Autorização Judicial – Alvará - Baixado
F - **Medida de Proteção - ECA - Baixado
F - **Tutela - Baixado
M - Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Em andamento
- Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Baixado
M - Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Baixado
- Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Baixado
- Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Baixado
- Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Baixado
- Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Baixado
- Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Baixado
- Infração de Tentativa de Homicídio - (Art.121 c/c 14, II) - Baixado

167
Polícia Militar do Estado do Acre

- Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Baixado


- **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
M - Infração de Tentativa de Homicídio - (Art.121 c/c 14, II) - Em andamento
- Infração de Porte de Arma - (Art. 14) - Em andamento
- Infração de Porte de Arma - (Art. 14) - Baixado
- Infração de Tentativa de Homicídio - (Art.121 c/c 14, II) - Em andamento
- Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Baixado
- Infração de Tentativa de Homicídio - (Art.121 c/c 14, II) - Baixado
- Infração de Tentativa de Homicídio - (Art.121 c/c 14, II) - Baixado
- Infração de Tentativa de Homicídio - (Art.121 c/c 14, II) - Em andamento
- Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Em andamento
- Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Baixado
- Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Em andamento
- Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Em andamento
- Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Baixado
- Infração de Dano (CP Art. 163) - Baixado
- Infração de Tentativa de Homicídio - (Art.121 c/c 14, II) - Baixado
- Infração de Entorpecente para Consumo Pessoal - Baixado
- Infração de Entorpecente para Consumo Pessoal - Baixado
- Infração de Entorpecente para Consumo Pessoal - Baixado
- Infração de Tentativa de Homicídio - (Art.121 c/c 14, II) - Baixado
- Medida Sócio-Educativa (Representação) - Baixado
- Internação Provisória de Adolescente - Baixado
- Medida Sócio-Educativa (Representação) - Baixado
- Medida Sócio-Educativa (Representação) - Baixado
M - Infração de Furto (CP Art. 155) - Em andamento
- Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
M - Infração de Receptação (CP Art. 180) - Baixado
- Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Medida Sócio-Educativa (Representação) - Baixado
- Remissão (AI) - Baixado
F - **Autorização Judicial – Alvará - Baixado
- **Carta Precatória (Juizados Especiais) - Baixado
M - Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Baixado
- Remissão Judicial (Suspensão) - Baixado
F - **Medida de Proteção - ECA - Baixado
M - Infração de Tráfico de Entorpecente - Baixado
- Remissão (AI) - Baixado

168
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

F - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado


- **Medida de Proteção - ECA - Baixado
M - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
- Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Baixado
- Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Baixado
- Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Baixado
- Infração de Roubo (Assalto) - (Art.157) - Baixado
M - Infração de Furto (CP Art. 155) - Baixado
- Remissão Judicial (Suspensão) - Baixado
F - **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
F - **Autorização Judicial – Alvará - Baixado
- **Medida de Proteção – ECA - Baixado
- **Medida de Proteção - ECA - Baixado
F - Apuração de Infração Administrativa - Baixado
F - Remissão (AI) - Baixado
F - **Medida de Proteção - ECA - Baixado
F - Infração de Lesões Corporais (CP Art. 129) - Baixado
M - Infração de Ameaça (CP Art. 147) - Baixado
- **Apuração de Infração Administrativa - Baixado
- **Medida de Proteção – ECA - Baixado
M - Arquivamento – Ministério Público – ECA - Baixado

169
Polícia Militar do Estado do Acre

Alunos que Ocorrências do


não estudaram Juizado da Infância e Ensino Médio 321 alunos pesquisados
o PROERD da Juventude por infrações
Incidentes ou Ações Incidentais Execução de Sentença
- Infração de Lesões Corporais - Infração de Lesões Corporais
11 ocorrências 02 ocorrências
- Infração de Entorpecente para Consumo Pessoal - Infração de Entorpecente para Consumo Pessoal
06 ocorrência 00 ocorrência
- Infração de Furto - Infração de Furto
- 23 ocorrências - 00 ocorrência

- Infração de Roubo (Assalto) - Infração de Roubo (Assalto)


- 17 ocorrências - 00 ocorrências
- Remissão Judicial (Suspensão) - Remissão Judicial (Suspensão)
- 03 ocorrências - 01 ocorrência
- Arquivamento – Ministério Público – ECA - Arquivamento – Ministério Público – ECA
- 02 ocorrências - 01 ocorrências

- Infração de Tentativa de Homicídio - - Infração de Tentativa de Homicídio


- 16 ocorrências - 00 ocorrências
- Infração de Porte de Arma - Infração de Porte de Arma
- 05 ocorrências - 00 ocorrências
- Medida Sócio-Educativa (Representação) - Medida Sócio-Educativa (Representação)
- 08 ocorrências - 00 ocorrências
- Infração de Atentado Violento ao Pudor - Infração de Atentado Violento ao Pudor
- 03 ocorrências - 00 ocorrências
- Infração de Dano - Infração de Dano
- 03 ocorrências - 00 ocorrências
- Internação Provisória de Adolescente - Internação Provisória de Adolescente
- 02 ocorrências - 02 ocorrências
- Infração de Falsificação - Infração de Falsificação
- 01 ocorrências - 01 ocorrências
- Infração de Falsidade Ideológica - Infração de Falsidade Ideológica
01 ocorrência - 00 ocorrências
- Crime de Estupro - Crime de Estupro
00 ocorrência - 01 ocorrência
- Infração de Tráfico de Entorpecente - Infração de Tráfico de Entorpecente

170
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

03 ocorrências 00 ocorrência
- Infração de Receptação - Infração de Receptação
- 01 ocorrência - 00 ocorrência
- Remissão (AI) - Remissão (AI)
- 02 ocorrências - 01 ocorrências
- Infração de Ameaça - Infração de Ameaça
01 ocorrência 01 ocorrência
- Arquivamento – Ministério Público – ECA - Arquivamento – Ministério Público – ECA
- 02 ocorrências - 02 ocorrências

Após o levantamento inicial da lista de alunos nas escolas da rede pública de ensino,
constatamos que dos 1.222 alunos pesquisados, 54 passaram por algum tipo de processo por prática
de delito registrado no Juizado da Infância e da Juventude. Na relação direta entre a lista dos alunos
escolhidos para a amostragem e os resultados obtidos, percebemos que 4,41% das crianças e
adolescentes pesquisadas praticaram algum tipo de infração que levou a processos criminais.
Dentre os alunos de 8ª série, apenas 04 dos 554 alunos praticaram algum tipo de delito.

Infrações de Alunos de 8ª série - 07 ocorrências

Entorpecente
para Consumo
Pessoal
Estupro 14%
14%

Pertubação de Lesões
Sossego e corporais
Trabalho Alheio 44%
Remissão
14%
Judicial
(Suspensão)
14%

Fonte: Juizado da Infância e da Juventude.

Dentre os alunos que estão no Ensino Médio, percebemos uma grande diferença de
comportamento violento entre os que estudaram e os que não estudaram o Proerd. Pesquisamos 347
ex-alunos Proerd e percebemos que dentre eles, 17 estão envolvidos com atividades delituosas

171
Polícia Militar do Estado do Acre

como agressores. Enquanto que entre os que não estudaram o Proerd, dos 321 alunos pesquisados,
34 estão envolvidos em atividades delituosas, como agressores.

Infrações de Ex-alunos Proerd no Ensino Médio -


23 ocorrências - sexo masculino

Lesões
corporais
Outros
13%
26%

Remissão
Medida Sócio- Judicial
Educativa (Suspensão)
(Represent.) 26%
9% Roubo
(Assalto)
26%

Fonte: Juizado da Infância e da Juventude.


* A fatia descrita como “outros” refere-se a infrações que tiveram apenas uma ocorrência.

Infrações de Ex-alunos Proerd no Ensino Médio -


05 ocorrências - sexo feminino

Remissão
Judicial
(Suspensão)
40%
Lesões
Corporais
60%

Fonte: Juizado da Infância e da Juventude.

Sem o intuito de criminalizar alguma área da cidade ou tachar alguma escola, afirmamos
que as ações do Proerd surtiram efeito. Percebemos que 95,11% dos ex-alunos Proerd não tiveram
infrações relatadas ou tipificadas. Enquanto entre os alunos que não estudaram o Proerd 89,41% dos
adolescentes não tiveram infrações relatadas ou tipificadas.

172
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Infrações de Alunos Não-Proerd no Ensino Médio -


120 ocorrências - sexo masculino

Porte de Arma Lesões


Tentativa de 5% corporais Roubo (Assalto)
Homicídio 11% 7%
16%

Entorpecente Medida Sócio-


para uso Educativa
pessoal (Representação)
3% 8%

Outros
Furto
26%
24%

Fonte: Juizado da Infância e da Juventude.


* A fatia descrita como “outros” refere-se a infrações que tiveram apenas três ou menos ocorrências.

Infrações de Alunos não Proerd no Ensino Médio -


12 ocorrências - sexo feminino

Internação
Provisória Arquivamento –
Lesões 17% Ministério
corporais Público – ECA
17% 17%

Outros
49%

Fonte: Juizado da Infância e da Juventude.


* A fatia descrita como “outros” refere-se a infrações que tiveram apenas uma ocorrência.

Enquanto 17 ex-alunos do Proerd cometeram 28 ocorrências, os 34 alunos que não


estudaram o Proerd cometeram 132 ocorrências. Ambas as faixas de infratores somam 51 dos 668
alunos pesquisados no Ensino Médio, o que representa 7,63% dos alunos.
Neste sub-capítulo, iremos priorizar as ações produzidas pelos adolescentes, que
representam 7,63% do total pesquisado. Isso não quer dizer que as ações dos 92,37% não sejam
173
Polícia Militar do Estado do Acre

importantes, mas sim, que há a necessidade de tipificar o que foi produzido pelos alunos que agiram
como infratores. Em tempo oportuno, iremos enaltecer a atitude dos alunos que escolheram ficar
longe das drogas e da violência.
Em algumas localidades específicas, o índice de infrações e ocorrências registradas é
maior que em outras. Para não se fazer o reconhecimento das escolas ou das áreas, escolhemos não
citar aqui, nem colocar nos anexos para que preservemos as identidades dos adolescentes, contudo,
as tipificações por Regionais podem ser verificadas no capítulo que trata dos adolescentes e o
Infopol. Dados os fatos mencionados, quatro pontos se destacam e precisam ser mencionados para
que se tenha noção das conjunturas e necessidades percebidas:

• O primeiro ponto é o fato de os ex-alunos Proerd terem se mantido longe das drogas
e da violência, ficando apenas alguns deles a praticar atos infracionais. O número de
adolescentes infratores é quase o mesmo em todas as escolas pesquisadas.
• O segundo ponto destaca o fato de que onde o Poder Público tem menor índice de
atuação concreta, o poder paralelo tenta se estabelecer. Na localidade conhecida como
“Baixada da Sobral” foi constatada a maior necessidade de atuação do Poder Público
através de políticas inclusivas. Essa área em que vive cerca de um sétimo da população
riobranquense não dispõe de agências bancárias, correios. O mercado não funciona,
apenas uma praça está em condições reais de uso, o Centro da Juventude, conhecido
como “SEJA” está à beira da falência, com apenas 05 funcionários, as famílias têm
renda inferior a da média da cidade, e as condições de moradia estão aquém da
necessária. Nesse setor, moram e convivem um quarto dos adolescentes ex-alunos
Proerd que praticaram ocorrências de infração.
• O terceiro ponto tem a ver com quebra de paradigmas. As localidades onde se
encontram as escolas Clínio Brandão (bairro Floresta) e Ilka Maria (bairro Moçinha
Magalhães), conhecidas da imprensa policial não registraram nenhum ex-aluno Proerd
cometendo delito ou qualquer outro ato infracional.
• O quarto é que áreas consideradas nobre como a Regional IV da PM, que envolve
bairros de classe média, foram as que apresentaram um grande número de ocorrências.
Suas ocorrências são maiores que as de áreas como a Baixada, Taquari e Cidade Nova, o
que põe por terra o mito de que são os pobres que praticam a violência e a levam para
onde se deslocam. A grande maioria das ocorrências registradas na Regional VI foi
produzida pelos filhos da classe média riobranquense, e não de “marginais da periferia”
que para lá se deslocaram.

174
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Percebemos que não são apenas os rapazes que cometem infrações, mas também as
garotas. Das infrações, 88,81% foram produzidas por rapazes; e 11,19%, produzidas por garotas. A
diferença básica está na quantidade das infrações.

175
Polícia Militar do Estado do Acre

CAPÍTULO IX

REPENSANDO AS PRÁTICAS
DE PREVENÇÃO À VIOLÊNCIA

CONSELHO TUTELAR E O ATENDIMENTO A ADOLESCENTES

De acordo com o Ministério Público, o Conselho Tutelar “é um órgão permanente e


autônomo, não jurisdicional, encarregado pela sociedade de zelar pelo cumprimento dos direitos da
criança e do adolescente, definidos na Lei Federal 8.069 de 13 de julho de 1990, que entrou em
vigor no dia 14 de outubro de l.990, que dispõe sobre o Estatuto da Criança e do
Adolescente”.(MPPR, 2002). Vincula-se ao Poder Executivo, representado em sua esfera municipal
pela Prefeitura. No âmbito de suas decisões não se subordina a nenhum órgão. Se alguém se sentir
prejudicado por ação desse Conselho, recorre à Justiça da Infância e da Juventude que, quando
provocada, é competente para rever as decisões do Conselho Tutelar (ECA - art. 137).
O Conselho Tutelar de Rio Branco foi criado pela Lei Municipal 10.206, de 20 de
setembro de 1995. Sua competência é o limite funcional (conjunto das atribuições previstas no art.
136 do ECA) e territorial (locais onde pode atuar) do serviço público por ele prestado à população.
De acordo com a legislação brasileira, a fonte constitucional e legal dos poderes atribuídos
ao Conselho Tutelar está contida nos Artigos 24 – XV e parágrafos 1°, 3° II; 30, V e 204 da
Constituição Federal; Título V do Livro II da Lei Federal 8.069, que trata das normas gerais
federais a que se refere a Constituição Federal.
A natureza do serviço público prestado pelo conselho Tutelar trata-se de serviço público
relevante (art. 135 do ECA), cujo efetivo exercício estabelece presunção de idoneidade moral e

176
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

assegura prisão especial, em caso de crime comum, até julgamento definitivo, de seus membros (os
conselheiros).
Os conselheiros devem cumprir as atribuições do Conselho Tutelar. Depois de
devidamente escolhidos pela comunidade (nos termos da lei municipal que o cria), nomeados pelo
Prefeito e empossados em seus cargos em Comissão de Conselheiro com mandato de três anos:
a. Atender crianças e adolescentes quando ameaçadas e violadas em seus direitos e aplicar
medidas de proteção;
b. Atender e aconselhar os pais ou responsável, nos casos em que crianças e adolescentes
são ameaçados ou violados em seus direitos e aplicar aos pais medidas pertinentes
previstas no Estatuto;
c. Promover a execução de suas decisões, podendo requisitar serviços públicos e entrar na
justiça quando alguém, injustificadamente, descumprir suas decisões;
d. Levar ao conhecimento do Ministério Público fatos que o Estatuto tenha como infração
administrativa ou penal;
e. Encaminhar á justiça os casos a ela são pertinentes;
f. Tomar providências para que sejam cumpridas as medidas de proteção (excluídas as
sócio-educativas) aplicadas pela Justiça a adolescentes infratores;
g. Expedir notificações em casos de sua competência;
h. Requisitar certidões de nascimento e de óbito de crianças e adolescentes, quando
necessário;
i. Assessorar o Poder Executivo local na elaboração da proposta orçamentária para planos
e programas de atendimento dos direitos da criança e do adolescente;
j. Entrar na Justiça, em nome das pessoas e das fmílias, para que estas se defendam de
programas de rádio e televisão que contrariem princípios constitucionais, bem como de
propaganda de produtos, práticas e serviços que possam ser nocivos à saúde e ao meio
ambiente.
k. Levar ao Ministério Público casos que demandam ações judiciais de perda ou suspensão
de pátrio poder;
l. Fiscalizar as entidades governamentais e não-governamentais que executem programas
de proteção e sócio-educativos.

Baseado nos itens acima, principalmente nos contidos nas letras b, i e l, o Conselho
Tutelar da Cidade de Rio Branco, em parceria com a Polícia Militar do Acre realizaram um
levantamento sobre as relações sociais estabelecidas pelos adolescentes atendidos pelas redes de
ensino em Rio Branco.

177
Polícia Militar do Estado do Acre

A partir dos documentos que nos foram cedidos pelas diversas instituições de ensino,
enviamos uma relação de 15 escolas de Ensino Fundamental que atendem crianças e adolescentes
no município de Rio Branco. Nessa relação, constava as listas de nomes, data de nascimento e
filiação de 705 adolescentes das 05 Regionais riobranquenses. O intuito era o de verificar quantos
adolescentes haviam sido atendidos em algum momento pelo Conselho Tutelar.
Assim sendo, dentre as 33 escolas públicas que atendem às clientelas do 3º e 4º Ciclos da
Educação Básica (Ensino Fundamental) – especificamente a uma clientela de 8ª série com
aproximadamente 4.000 (quatro mil) alunos42 – fizemos o levantamento de 19 turmas dos turnos
matutino e vespertino de 15 escolas riobranquenses, sempre respeitando a proporcionalidade entre
as regionais e o número de alunos de 8ª série atendidos pelas escolas. Os 705 adolescentes das
escolas selecionadas representam pouco mais de 15% dos adolescentes que estudam nas 8ª séries do
Ensino Fundamental em Rio Branco. Partindo desses dados, enviamos a relação de alunos ao
Conselho Tutelar que, conforme documentação sistematizada, chegou a algumas conclusões sobre o
atendimento a esses adolescentes.

Ocorrências por Regional


Regional Nº de Alunos Percentagem Ocorrências Percentagem relativa
relativa de alunos de ocorrências
01 74 10,50% 02 7,14%
02 157 22,26% 12 42,86%
03 105 14,89% 04 14,28%
04 190 26,95% 02 7,15%
05 179 25,40% 08 28,57%
Rio Branco 705 100% 28 100%

A regional que registrou o maior número de ocorrências no Conselho Tutelar, segundo


base de dados pesquisada, foi a Regional 02 (Segundo Distrito), com 42,86% das ocorrências,
seguida da Regional 05 (São Francisco, Placas, Adalberto Sena, etc.) com 28,57%. Se tomarmos
como base os 705 alunos pesquisados divididos pelo número de ocorrências registradas,
perceberemos o número de 3,97% de ocorrências registradas. Sendo que, em termos proporcionais,
a regional que teve o menor índice de ocorrências registradas foi a Regional 04 – onde se situam os
bairros com melhor infra-estrutura (Universitário, Tucumã, Estação Experimental, etc.) e população
com maior poder aquisitivo – com 1,05% de ocorrências; e a regional que teve o maior índice de
42
Dados oficiais da Secretaria de Estado de Educação indicavam o número de 4.383 alunos nas 8ª séries das 33 escolas
públicas de Rio Branco, no início do ano letivo. Contudo, no segundo semestre letivo percebemos que o número real de
alunos em sala de aula tornou-se um pouco menor.

178
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

ocorrências registradas foi a Regional 02 – onde se situam os bairros com pior infra-estrutura
(Cidade Nova, Santa Inês, Taquari, 06 de Agosto, etc.) e população com baixo poder aquisitivo –
com 7,64% de ocorrências.

Ocorrências por sexo


Sexo Perfil geral das ocorrências Ocorrências praticadas Ocorrências
sofridas
Masculino 15,38% 16,66% 10%
Feminino 84,62% 83,34% 90%

Como podemos perceber na tabela acima, de todas as ocorrências atendidas pelo Conselho
Tutelar, conforme relação enviada pelas escolas e ratificada pela PMAC, pouco mais de 15% das
ocorrências envolvem adolescentes do sexo masculino e quase 85% envolve adolescentes do sexo
feminino. O que causa surpresa é a tamanha desigualdade entre o número de ocorrências
envolvendo rapazes e moças. São as adolescentes que mais praticam as ocorrências ao mesmo
tempo em que são elas próprias as maiores vítimas que deram entrada no Conselho Tutelar.

Tipos de Ocorrências Registrados


Tipos de Ocorrência Percentagem
Desvio de conduta 50%
Agressão física 21,44%
Exploração do trabalho infantil 7,14%
Recusa de vaga escolar 3,57%
Agressão psicológica 3,57%
Problemas familiares 3,57%
Gravidez 3,57%
Exploração sexual 3,57%
Solicitação de serviço de saúde 3,57%

Quanto às ocorrências citadas pelo Conselho Tutelar, algo que preocupa é o fato de já na
adolescência, das ocorrências envolvendo agressão física, em 80% são citadas adolescentes do sexo
feminino, enquanto a agressão envolvendo os rapazes representa 20%. Ao mesmo tempo que as
ocorrências envolvendo o desvio de conduta foi sofrida ou praticada por 85% das adolescentes e
15% dos adolescentes.

179
Polícia Militar do Estado do Acre

Dentre os 705 alunos, 323 são do sexo masculino e 392 do sexo feminino, ou seja, 45,81%
de rapazes e 54,19% de moças. Há um maior número de adolescentes do sexo feminino
freqüentando as 8ª séries das escolas pesquisadas.

Falta o nome do pai na Certidão de Nascimento


Regional Sexo masculino Sexo feminino Percentagem absoluta
de ocorrências
01 05% 7,95% 6,47%
02 8,59% 5,91% 7,25%
03 0,89% 14,40% 7,64%
04 8,92% 7,07% 7,99%
05 6,17% 12,77% 9,47%
Rio Branco 6,34% 9,31% 7,82%

Ao comparar esses dados do Conselho Tutelar com a Base de Dados da PMAC43,


verificamos que em muitos dos lares não existe a presença paterna – mais à frente explicitaremos de
forma mais detalhada esse assunto. Contudo, o que nos chamou a atenção foi o grande índice de
adolescentes que não têm o nome do pai constando em suas certidões de nascimento.
Aproximadamente 55 dos 705 adolescentes não têm o nome do pai na Certidão de
Nascimento, o que representa 7,82% do total geral. A Regional 05 é a que apresenta o maior
número de filhos sem a nomenclatura do pai em seus registros, cerca de 9,47%. Ao passo que,
olhando a tabela com maior atenção, percebemos a discriminação pela qual as adolescentes do sexo
feminino sofrem já durante o nascimento. Dentre os rapazes 6,34% não têm o nome do pai no
registro, dentre as moças, esse número sobe para 9,31%, no total geral. Se fizermos a análise por
regionais, perceberemos que, em muitos dos casos, há um abandono muito maior das meninas que
dos meninos. Não estamos falando aqui de abandono pós relacionamento estável, e sim, de
abandono na hora do registro.
Ainda há um machismo exacerbado na sociedade riobranquense. Alguns dos pais não
querem criar os filhos, nem mesmo querem ter trabalho com eles, contudo, por terem nascido
homem, são registrados pelos pais. Quanto às mulheres, a sorte não é a mesma, ao saber que
tiveram filhas, muitos dos pais não aceitam registrar as crianças. Os maiores casos de discriminação

43
O Proerd da PMAC tem o controle de atendimento de seus alunos e guarda esses relatórios para futuras utilizações
como esta que executamos. Todos os dados são produzidos a partir do “Protocolo de Intenções” firmado entre a PMAC
e as instituições de Ensino. Não se trata de um instrumento de Cerceamentos, como diria Michael Foucault em seu livro
“Vigiar e Punir” (2002), antes, um registro escolar para a Diretoria de Ensino da PMAC, assim como todas as
instituições de ensino o fazem, sendo aberto ao público e a quem interessar possa para estudos e análises.

180
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

contra as meninas recém-nascidas foram encontrados nas regionais 03 e 05, onde a diferença entre o
não registro de meninos e o não registro de meninas é muito grande.
Percebemos que vários desses adolescentes não convivem em uma família nuclear, ou
seja, com pai, mãe e filhos. Em grande medida, esses adolescentes são vítimas do sistema, da
sociedade e da desagregação familiar. Eles apenas refletem no ambiente em que estão inseridos as
práticas que costumeiramente presenciam ou sabem que são estabelecidas. Isso não lhes dá o direito
de praticarem delitos ou atos infracionais, como também não dá a membros da sociedade o direito
de os excluírem do sonho de “um mundo melhor”. Não tratamos aqui se são vítimas ou algozes –
esse trabalho sociológico, esperamos que seja executado por alguém competente para isso – apenas
citamos fatos relativos a adolescentes que em muitos casos são excluídos das práticas sociais de
convívio e reciprocidade, e, dentre eles, quase 10% que foi relegado o direito de “ter uma família”
já no ato do nascimento.

A INFLUÊNCIA DE FILMES VIOLENTOS EM COMPORTAMENTOS


AGRESSIVOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Durante muito tempo, pesquisadores como Bandura Iñesta (1973/1975), Bowlby


(1969,1973), Eibsfeld (1970,1989) Hinde (1974), Lorenz (1966), Montagu (1971,1978) e Skinner,
(1969) entre outros, se desdobraram sobre a questão da agressividade humana, se é inata ou
aprendida. Essa questão foi formulada no início do século XX, com intuito de orientar os estudos
sobre a agressão, e é pertinente até hoje. Alguns estudos revelam que – assim como as demais
espécies – os seres humanos são programados para viverem em harmonia com o meio ambiente.
Entretanto, pode-se alterar o comportamento humano modificando o seu habitat natural, privando-o
de alimento e espaço, retirando-lhe afeto ou cuidados familiares ou ainda provocando dor física ou
psicológica. Em tais condições, pode-se criar um indivíduo com altos níveis de agressividade,
quando comparado com outro que vive em condições favoráveis.
As pesquisas nessa área da agressividade têm demonstrado que tanto a espécie humana
como a de animais, desenvolve a agressividade quando submetido a estimulações aversivas com
alto grau de violência (BANDURA, 19973; IÑESTA, 1975), entre outros. Da mesma maneira, tem
se encontrado aumento da agressividade quando as pessoas foram vítimas de negligências, são
criados sem afeto, isolados socialmente, quando sofrem abuso, físico, sexual ou psicológico, na
infância (WINDOM,1989).
Segundo Rosenberg e Fenley (1991), as duas causas de mortalidade do mundo moderno
têm sido as doenças infecciosas e a violência. Nos adolescentes, das cinco principais causas de
181
Polícia Militar do Estado do Acre

mortalidade, três estão relacionadas à violência: ferimento, homicídio e suicídio, já nos adolescentes
negros, a principal causa de mortalidade é a violência.
Com o objetivo de alertar a sociedade sobre a influência de filmes violentos no
comportamento agressivo de crianças e adolescentes, a American Psychological Association (APA)
publicou um relatório com os principais trabalhos sobre este assunto. Segundo Gomide (2007), a
pesquisa psicológica aponta para três grandes efeitos dos filmes violentos, vejamos:

1) crianças e adolescentes podem torna-se menos sensíveis à dor e ao sofrimento dos


outros. Aqueles que assistem muitos programas violentos são menos sensíveis a cenas
violentas do que aqueles assistem pouco, a violência os importuna menos, ou
consideram, em menor grau, que o comportamento agressivo está errado;
2) crianças e adolescentes podem se sentir mais amedrontadas em relação ao mundo ao
seu redor. A APA relata que programas infantis têm vinte cenas violentas a cada hora,
permitindo que crianças que vêm muita TV pensem que o mundo é lugar perigoso;
3) crianças e adolescentes podem, provavelmente, se comportar de maneira agressiva ou
nociva em relação aos outros, ou seja, comportam-se de maneira diferente após
assistirem a programa violentos em TV.” (GOMIDE).

Muitos estudiosos têm examinado diferentes fatores associados com o comportamento


violento: há uns examinaram a influência dos fatores genéticos e aspectos fisiológicos; alguns têm
examinado o baixo desempenho escolar, a baixa auto-estima e a baixa expectativa, ou ainda, o uso
de substâncias tóxicas. Há outros que analisaram a influência do ambiente na gênese da violência,
dando foco ao abuso sexual na infância na relação de família e comunidade violentas. Roper (1991),
aponta que adolescentes homicidas são mais comumente provenientes de famílias criminalmente
violentas e que sofreram abuso sexual na infância. Nesse sentido, Mason (1991) indica que dois
terços dos assassinos tiveram experiência brutal, contínua e implacável na infância. Além dos
comportamentos anti-sociais ou comportamentos de risco, um dado chamou bastante atenção dos
pesquisadores, trata-se dos efeitos de filmes violentos no desenvolvimento de comportamentos
agressivos.
De acordo com Sutherland e Cressey, o comportamento delinqüente é aprendido com
outras pessoas em um processo de comunicação e ocorre dentro de um grupo íntimo. A indústria
cinematográfica retrata a delinqüência juvenil desde 1930, continua até os dias de hoje e os jovens
de doze a dezoito anos compõem 40% dos freqüentadores de cinemas americanos representando
19% da população. Portanto, temos aí um modelo perfeito para os jovens desenvolverem a
agressividade, pois nesse caso, se um filme que representa a delinqüência está em consonância com

182
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

as próprias experiências dos jovens, poderá ocorrer um alto processo de interação com o
delinqüente ou o jovem se tornará mais vulnerável à prática de delitos. Com isso, dois processos
podem ser desencadeados: o da desinibição e o da dessensibilização. A desinibição é um fenômeno
que ocorre quando atos violentos em filmes são justificáveis, aumentando comportamento agressivo
de quem os assiste em situação posterior; e a dessensibilização é quando jovens predispostos a
aceitar comportamento delinqüente em outras pessoas, podem aumentar o seu próprio índice de
agressividade até mesmo maior que a de jovens de comportamento agressivo.
Pessoas aprendem a se comportar agressivamente a partir de modelo que é reforçado pelo
seu potencial agressivo. De acordo com os estudiosos, as pessoas depois de assistirem a muitas
horas de programas violentos deixam de considerar aqueles comportamentos agressivos como fora
do padrão e passam aceitá-los como forma apropriada de resolução de problemas. Esse pensamento
é reforçado pelas ações de protagonistas de filmes violentos (Stallone, Van Dame, Bruce Lee, etc.)
que sempre usam a violência e justificam seus comportamentos violentos por estarem em defesa de
valores sociais ligados à família, território, ao governo, etc. Consistentemente, a literatura acerca
desse assunto assevera que os homens imitam mais o comportamento agressivo que mulheres, já
que desde pequenos há uma socialização diferente entre homens e as mulheres. Muito cedo, as
meninas aprendem que a agressão física é um comportamento indesejável para elas, então,
adquirem hábitos mais compatíveis e esperados para seu sexo. Porém, quando garotas são
reforçadas positivamente por imitar comportamentos agressivos elas passam a responder
similarmente aos padrões masculinos. Por outro lado, há uma taxa muito baixa de violência
cometida por mulheres em programas de TV de maneira que as meninas têm encontrado poucos
modelos a imitar. Outra hipótese dessas diferenças entre meninos e meninas, é que meninos desde
cedo tendem a desenvolver um comportamento competitivo, o que facilitaria a conduta agressiva,
enquanto as meninas desenvolvem um comportamento cooperativo mais precocemente.
Reforçando essa tese de aprendizagem por imitação, Windom (1989) analisou os efeitos
do comportamento violento em testemunhas de agressões. Suas conclusões salientam que ser
testemunha de violência dos pais ou assistir à extrema violência na TV pode causar graves
conseqüências às crianças. Na mesma linha de pensamento Straus, Gelles e Steinmetz (1975)
afirmam que a quantidade de violência experenciada na infância por membros da sociedade é um
dos fatores que contribuem para o desenvolvimento e manutenção das normas que suportam o uso
da violência do dia-a-dia. Estes autores afirmam que crianças que são testemunhas de violência no
lar (mães que são espancadas pelos maridos) além de sofrer em conseqüência dessa experiência,
também convivem com o estresse da mãe.
Desde os anos 60 que Bandura e Iñesta (1973/1975) vêm demonstrando em seus estudos
que a aprendizagem se dá em razão dos modelos observados diretamente ou através de filmes. Se

183
Polícia Militar do Estado do Acre

estes modelos se comportam apresentando valores positivos, o aprendiz os copia comportando-se


adequadamente no futuro. No entanto, se o modelo resolve conflitos através da agressão e da
violência, o aprendiz da mesma maneira, copia o modelo e o reproduzirá negativamente.
Relacionado à problemática do consumo de drogas por crianças e adolescentes com os
estudos até aqui comentados, e principalmente, a forma de assimilação de comportamentos por
observações de maus exemplos na família, na TV ou qualquer outro lugar da sociedade, podemos
estabelecer uma tênue linha entre o comportamento agressivo ao hábito do uso de drogas, onde um
seria facilitador para que o outro se realizasse, formando um espécie de “simbiose”.
Com base na teoria de Iñesta e Bandura, o que não faltam são modelos para as crianças e
adolescentes, na mídia são apresentados vários comerciais de bebidas alcoólicas e de cigarro. Tudo
isso leva a assinatura de pessoas bonitas e famosas aumentando, assim, o poder de persuasão. Além
disso, há os maus hábitos dos familiares que também reforçam esse aprendizado por imitação. Uma
das mais costumeiras associações da violência com o consumo de drogas, no contexto de mercado,
é a motivação econômica de usuários dependentes. Aqui o crime é visto como forma de conseguir a
droga. A mais consistente ligação entre drogas e violência se viabiliza no tráfico ilegal de drogas.
Esse tipo de “relação comercial” gera ações violentas entre vendedores, compradores e moradores
do local sob uma variedade enorme de pretextos: roubo da droga ou do dinheiro, disputa em relação
à quantidade e à qualidade, desacordo do preço, disputa do território, desconfiança de alguns
membros da comunidade, bem como os confrontos com a polícia. O narcotráfico potencializa e
torna mais complexo toda ação violenta.
Gomide conclui em sua obra A influência de filmes violentos em comportamentos
agressivos de crianças e adolescentes, que o ambiente urbano, onde a agressividade humana se
realiza com maior freqüência, é um local propício para produção e reprodução desse
comportamento agressivo entre os seres da mesma espécie. Gomide analisa, ainda, que as
estratégias para conter a agressividade – prisões, pena de morte, penalizações legais –, não têm
surtido efeito para coibir, apaziguar ou amenizar tantos conflitos. A convivência em grandes centros
populacionais com a carência alimentar crônica, inviabiliza as tentativas de contenção da
agressividade humana, já que ela é uma forma destes seres externarem a sua inconformidade com
o destino da humanidade.
Outro estudo pertinente enfocando a violência da criança aponta para dois fatores na
gênese do comportamento agressivo: a pessoa e o meio (SHELTOM; BARKLEY; CROSSWAIT,
1998). No tocante à pessoa, hoje se acredita que a agressividade já pode ser detectada desde a idade
pré-escolar e, quando se manifesta, tende a continuar. Além disso, o desenvolvimento dessa
agressividade se agrava quando associada com outras condutas problemáticas e desadaptadas. Para
Ballone (2001), a criança possui aspectos próprios que a diferencia das outras como caráter

184
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

(temperamento), sexo e as condições neorológico-cognitivas. Objetivando melhor compreensão,


será classificado o temperamento como sendo simplesmente ativo, variável e tímido. Vale ressaltar
que os temperamentos do tipo ativo e variável se correlacionam mais positivamente com
agressividade em meninas, enquanto que o tipo ativo é mais correlacionado ao comportamento
agressivo em meninos (HINDE; TAMPLIM; BARRETT, 1993). Mas, o que seria uma criança
agressiva? Para responder essa pergunta precisamos entender, conceituarmos. A criança agressiva
seria aquela que apresenta reações vivenciais hostis em situações desproporcionais aos estímulos,
recorrentes para soluções de problemas ou consecução de objetos.
Entretanto, a agressividade por si só não constitui um transtorno psiquiátrico específico,
ela pode ser um sintoma que reflete uma conduta desadaptada. Pode ainda ser evidência de
determinados transtornos. Podemos até dizer que agressividade está relacionada a um período da
vida da criança e cumpre a função adaptativa, que é conhecida como agressividade manipuladora.
Porém, em qualquer dos casos, a criança com comportamento agressivo deve ser tratada, a ela deve-
se impor limites, desenvolver a afetividade e ensinar exemplos claros de solidariedade e respeito às
outras crianças.
As pessoas que trabalham em berçários podem observar o temperamento dos bebês. Há
aqueles que gritam, choram mais, resmungam, dormem mais, ficam quietos ou agitados. Tais
diferenças podem ser indicadores do tipo de temperamento e na forma como se desenvolverá o
relacionamento com o mundo. Assim, uma criança com um temperamento mais ativo, intenso,
irritável, tem maior probabilidade de reagir de maneira inadequada ou exagerada diante de pequenas
dificuldades. Segundo Pattersom (1992), essas crianças tendem a criar uma relação de estresse com
a mãe, e isso pode levar a dificuldades no contato da mãe com o filho, gerando uma interação mãe-
filho deficiente, o que poderia ser o início do desenvolvimento de condutas agressivas.
Outro fator referente à pessoa é a condição neurobiológica, nessa área alguns
pesquisadores tentam relacionar a atividade da enzima MonoAminaOxidase (MAO) como sendo
responsável pela baixa capacidade de controle dos impulsos e ainda dos baixos níveis do
neurotransmissor serotonina a alguns comportamentos complicados, como por exemplo, o suicida,
piromaníaco, agressivo e cruel. Nos transtornos explosivos e agressivos também são relacionados
em estudos recentes com o baixo nível de serotonina, e que o aumento dessa substância pode
moderar otimamente o caráter impulsivo e irritável nas pessoas agressivas. Porém, enquanto pode
haver deficiência de serotonina nas pessoas agressivas, outros neurotransmissores, como a
dopamina e a noradrenalina, podem estar aumentando, sendo responsáveis pelo Transtorno de
Déficit de Atenção por Hiperatividade. Enquanto que a dopamina se associa com a conduta
agressiva. Complementando essa linha de observação DeLacoste,Horvath e Woodwarde (1991),
sugerem que testosterona no útero promove o crescimento do hemisfério direito nos meninos, e

185
Polícia Militar do Estado do Acre

quando ocorre o estresse pré-natal materno poderia interferir neste padrão causando o
desenvolvimento do hemisfério esquerdo, sendo, possivelmente, o favorecedor de condutas
agressivas.
Os problemas de condutas também podem levar a criança a ter déficits nas habilidades
verbais e na leitura. Moffit (1993) apontou como causa dessas deficiências a vínculo desorganizado
por volta dos 18 meses entre mãe e criança, e por falta de cuidados ou até mesmo por falta de
afetividade.
Muitos autores destacam que o meio ambiente – condições socioeconômicas das famílias
– em quais essas crianças estão inseridas podem ser fatores predominantes para se desenvolver
conduta agressiva, assim revelam vários estudos realizados na Europa e nos Estados Unidos como
sendo a principal causa da delinqüência infanto-juvenil. Entretanto, se for analisado quase
exclusivamente as condições socioeconômicas, estaríamos tirando do cenário exatamente o
principal objeto de estudo: a personalidade do ser humano delinqüente.
A psicóloga Maria Delfina elaborou um trabalho com jovens de Santos e São Paulo –
dentro dessa linha sócio-político da delinqüência – mostrando alguns fatores de risco que podem
levar o jovem à delinqüência. Segundo a psicóloga, os principais fatores de risco estão nas
interações com a família e com os ambientes sociais mais próximos, como a escola. A pesquisadora
destaca as discórdias conjugais, a existência de psicopatologias (doenças mentais) na família e a
rejeição pelos pares (colegas de escola). Em sua pesquisa, Maria Delfina analisou 40 menores entre
12 e 18 anos das cidades de Santos e São Paulo, sendo que entre os infratores entrevistados, quatro
estavam na faixa de 2 salários mínimos; três tinham renda de 3 a 6 salários e três estavam situados
na faixa de 11 a 13 salários. Isso contraria a tese de que a delinqüência seria proporcional à pobreza.
Ela verificou ainda que dentro os menores não-infratores o rendimento familiar mais alto foi de 20
salários, enquanto que entre os infratores, o maior rendimento foi de 40 salários.
A escolaridade foi o outro fator de risco a ser analisado por Maria Delfina. Dentre os
infratores, dos que tinham idade para concluir o ensino fundamental, 15 não concluíram. Este dado
foi ratificado por outra pesquisa realizada com 4.245 menores infratores em 1997, evidenciando que
96,6% desses jovens não haviam concluído o Ensino Fundamental, o restante (15,4%) eram
analfabetos. Vale ressaltar que cerca de 10% a 20% podem apresentar algum tipo de problema
psicológico passível de intervenção clínica. Somado a todos esses fatores, Paulo Ceccarelli
considera a delinqüência infanto-juvenil relacionada ao aumento do sentimento de desamparo, bem
típico da modernidade cultural, onde prevalece a descrença generalizada nos valores tradicionais,
como a família, igreja, escola, etc.Tal desatino leva à busca do prazer pessoal e do individualismo,
em detrimento dos ideais coletivos.
Em comum acordo com Ceccarelli, Ballone faz a seguinte afirmação:

186
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Os elementos contemporâneos cogitados no estudo do aumento da violência e agressividade dos


adolescentes passa também pelo declínio do papel do pai (e da mãe), subtraído que foi por vários
elementos da atualidade. Primeiro vem a dissolução das famílias. Na falência da função paterna ou
materna, a busca pelo prazer consumista desembesta a rédeas soltas, para grande número de jovens. Em
segundo lugar vem a tirania da liberdade incondicional, exigência que se dá sob o falso rótulo do
progressismo e do politicamente correto. Liberdade é um termo que deveria ser usado no plural,
liberdades. Liberdade para isso, liberdade para aquilo... e não para tudo, como exigem os adolescentes.
Liberdade incondicional interessa fortemente para aqueles que sobrevivem, e muito bem, do afã juvenil
em ir, comprar, beber, beber, comprar e ir. E esses mercenários da juventude não são exatamente, donos
de escolas, são empresários da noite, traficantes, os propagandistas de drogas e costumes... Em terceiro,
vem à propaganda do orgasmo proporcionado pelo prazer como um fim em si mesmo, prazer do
consumo, do poder, do não-perder-um-minuto, do fazer porque “todos fazem”... Convencem os jovens,
por má fé, que em não se tendo..., não se é feliz. A transformação de pessoas reconhecidamente
contraventoras em espécie de ídolos e modelos de vir-a-ser, cujas atitudes criminosas são públicas e
impunes, é um dos mais fortes estímulos à delinqüência (BALLONE, 2001).

Além dessa rica opinião de Ballone, ele complementa que em quarto lugar temos o
enfraquecimento do poder do pai sobre o filho, pois seguindo as afirmações de Paulo Ceccarelli
veremos que as mudanças no Código Civil referentes ao Direito Paterno, desde o Direito Romano
até hoje, são mais intensas no final do Séc. XIX e início do XX, advindas com novas leis de
mercado. Cada vez mais em nome do interesse da criança, instituições sociais passaram a substituir
o pai. Assim, sempre que o bem-estar da criança esta em jogo, o pai pode ter seu pátrio poder
limitado ou anulado. Contudo, não se deve tomar sempre por falência da função da autoridade
paterna a omissão voluntária ou por descaso por parte dos pais. Segundo Ceccarelli, não é isso que
ocorre, antes, a perda da batalha travada com um exército muito numeroso que participam boa parte
da mídia que incentiva o consumo e mostra a glória e o sucesso, fama, mas não mostra os meios
lícitos de se atingir essas metas, nem demonstra o que é desnecessário, facultativo. Só exibe o que
interessa aos ditadores do consumo e dos costumes.
Como se isso não fosse suficiente, temos ainda pais com traços anti-sociais da
personalidade, além de não transmitirem uma boa imagem aos seus filhos, não respeitam sua
autonomia e espaço social, além de cometerem excessos de disciplina, ou excesso de
permissividade quando devem ser mais fortes e exageradamente agressivos quando não precisam.
Para Balone, nesse marasmo, entre as relações familiares temos as mães, que em alguns casos são
as principais responsáveis pela falta de dever, responsabilidade e limites de seus filhos, com atitudes
superprotetoras, tão ou mais graves que seu oposto. A negligência materna acaba resultando em
pessoas sem nenhuma tolerância à frustração; e pessoas sem tolerância à frustração acabam em
tomar a força o querem. Talvez essas mães confundam o papel materno com a permissividade em
busca da simpatia dos seus filhos, ou pretendem com absoluta falta de limites serem tidas como
moderninhas e joviais. Segundo Ballone (2001), provavelmente seja por isso que mocinhas
adolescentes grávidas contem prontamente para suas mães seu estado de gestante, porque

187
Polícia Militar do Estado do Acre

normalmente são compreendidas e aceitas prontamente. Como já foi constatado, esse


comportamento benevolente serve muito bem para uma segunda e terceira gravidez indesejada.

PERFIL DA VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS DE RIO BRANCO

Durante toda a pesquisa citamos dados sobre drogas utilizadas e violência cometida por
adolescentes estudantes em ambiente extra-escolar. Ao fazer um estudo sobre a violência intra-
escolar, nos deparamos com alguns trabalhos que apontam para esse sentido, contudo, um deles nos
chamou muito a atenção por fazer um levantamento sistematizado sobre a problemática nas escolas
de Rio Branco, partindo do ambiente escolar, com o envolvimento de alunos e a atuação da polícia,
ou seja, o mesmo tripé no qual se norteiam as ações preventivas do Proerd. Assim sendo,
resolvemos utilizar na íntegra, e sem cortes, o capítulo II da monografia produzida por Fabrício
Costa da Cunha (2008). Uma vez que esta é fruto de dados produzidos mediante a execução de
trabalhos da Companhia Independente de Policiamento Escolar, através de seus Boletins de
Ocorrência nos anos de 2005, 2006 e 2007. Os referidos dados sistematizados por Cunha (2008),
foram apresentados como requisito parcial para a obtenção do título de Licenciado em Pedagogia
pela UFAC44.
Neste capítulo destaca-se o tratamento analítico que foi realizado a partir dos boletins de
ocorrência - os chamados B.Os - da Ronda Escolar de Rio Branco referentes aos anos de 2005,
2006 e 2007.
Esses B.Os foram solicitados a C.I.P.E (Companhia de Independente de Policiamento
Escolar) que fica sediada na Secretaria Estadual de Educação e se vincula diretamente ao Comando
da Companhia. Assim sendo, é importante destacar a estrutura operacional de atuação da Ronda
Escolar nas escolas de Rio Branco para uma melhor compreensão de como as análises foram feitas
e como foi possível faze-las por zoneamento.
A Ronda Escolar apresenta sua estrutura operacional baseada na distribuição das escolas
por zoneamento e, de acordo, com os horários de funcionamento. São, atualmente, dois policiais
para cada zoneamento e turno, excetos nas atividades excepcionais realizadas fora das escolas (mas
que envolva a participação da comunidade escolar) ou eventos de caráter cultural ou cívico. Ao
atender uma solicitação de uma determinada escola o policial, dependendo do tipo de ocorrência,
deve preencher ou um relatório de atendimento ou um boletim.

44
CUNHA, Fabrício Costa da. Perfil da Violência nas Escolas de Rio Branco. Rio Branco: UFAC, 2008. Monografia
(Graduação em Pedagogia) – Centro de Educação, Letras e Artes, Rio Branco.

188
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Mas o que é o boletim de ocorrência? Segundo as pesquisas feitas sobre o B.O, pois é um
campo pouco explorado na área do direito processual penal, a que me pareceu mais convincente é
afirmação de que, o boletim é o documento lavrado pela autoridade policial que registra a
ocorrência de uma possível infração penal; Devem constar no boletim, a data, a hora e o local em
que foi prestada a informação, a narração do fato e das circunstâncias que indiquem o cometimento
de crime e a tipificação da conduta, com indicação expressa do dispositivo legal penal. O Boletim
de Ocorrência é o instrumento que documenta ou materializa um fato que pode ter conseqüência
jurídica.

Da mesma forma, importa destacar que a Informação é a matéria prima da atividade


policial moderna, quer para a condução das investigações, quer para o planejamento operacional das
atividades de prevenção e repressão ou ainda para o planejamento estratégico das ações de
segurança pública.

No caso específico da Policia Militar, o boletim de ocorrência é a publicação das


ocorrências registradas por determinada guarnição durante o expediente em que estiveram em
campo. É importante fonte de informação, porquanto constam os dados sumários da ocorrência
policial. O Boletim de Ocorrência é a fonte primária destas informações e estatísticas, que
posteriormente são analisadas para fornecer um panorama macro das tendências criminais, conectar
crimes a um mesmo autor, elaborar o Plano de Policiamento Inteligente para cada área e o Cartão de
Prioridade de Policiamento para cada viatura, identificar onde estão as áreas com mais chamadas
em espera e redistribuir as rádio-patrulhas, uniformizando e ajustando as guarnições.

Destaca-se ainda que nos permite analisar a incidência criminal determinando o emprego
do policiamento escolar, comunitário, tático ou de motocicletas, dependendo do tipo e magnitude do
crime e mensurar a eficácia das operações realizadas, sob o aspecto da redução da criminalidade.
Justamente por reconhecer a importância deste documento para as ações da policia, a Secretaria
Estadual de Segurança Pública disponibilizou no seu site, o plantão eletrônico onde é possível
registrar o boletim eletrônico. Assim, os cidadãos podem registrar furto de veículos e documentos,
desaparecimento e encontro de pessoas, furto de celular e de placas.

No caso específico da Policia Militar, o boletim de ocorrência é a publicação das


ocorrências registradas por determinada guarnição durante o expediente em que estiveram em
campo. É importante fonte de informação, porquanto constam os dados sumários da ocorrência
policial.

189
Polícia Militar do Estado do Acre

Neste trabalho, foram analisados um total de trezentos e dezoito boletins entre os anos de
2005 e 2007. No ano de 2005 o número de boletins corresponde a um total de noventa boletins, em
2006 esse número aumentou para cento e dezessete e, por fim, em 2007 o número de boletins
totalizou cento e onze.

Ao fazer o levantamento do número de boletins, percebe-se uma alta em 2006 em relação


a 2005 e em 2007 uma pequena diferença em relação ao ano anterior. Vale ressaltar que foram
selecionados os boletins de ocorrência preenchidos pela Ronda Escolar. Ou seja, aqueles que
relatam um fato ou um delito ocorrido dentro da escola, ou em frente dela e onde como parte
envolvida (vítima ou agente) tenha a participação de alguém que possa ser classificado como um
dos setores pertencentes à comunidade escolar, sejam professores, funcionários de apoio, alunos,
pais e moradores do bairro.

A análise daquelas ocorrências que foram atendidas pela Ronda Escolar fora de ambientes
escolares, sejam praças, terminais urbanos, ginásios esportivos e etc., com a participação direta
(agentes ou vítimas) de alunos ficarão como sugestão para um trabalho futuro. Pois, neste caso,
estão implicadas algumas questões relevantes e que tomarão uma dimensão maior para o aspecto
social, econômico e cultural do lugar onde cada aluno é proveniente e uma análise do espaço de
encontro (praças, parques, ginásios e etc.) “das tribos” nas palavras de Maffesoli (1987).

Destaca-se ainda que outras ocorrências que são atendidas pela Ronda Escolar, fora da
precedência de atuação, ou seja, o policiamento em escolas, faz parte da rotina dos mesmos tendo
em vista sua formação e missão primeira que é a de enquanto policiais militares serem responsáveis
pelo policiamento ostensivo e preventivo.

No primeiro momento da análise dos dados, o objetivo era o identificar: tipo ou natureza
dos delitos que ocorrem com maior freqüência nos estabelecimentos educacionais de Rio Branco no
período de 2005 a 2007. Eis o gráfico com os seguintes dados:

190
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Gráfico 01 : Delitos mais cometidos nas escolas

Ano 2005

10

6
Zon.I
4

0
Furto Vias de Fato Desacato Ameaça

2 Zon.II

0
Vadiagem Vias de Fato 65 Porte de Arm a

14
12
10
8
6 Zon.III

4
2
0
Vias de Fato Ameaça 65 Tentativa

191
Polícia Militar do Estado do Acre

5
4

3
Zon.IV
2

0
Desobediência Vias de Fato Desacato Porte de Arma

10

6
Zon.V
4

0
Vias de Fato Ameaça 65 Desacato

Ano 2006

10

4 Zon.I

0
Vias de Fato Ameaça Desobediência Tentativa

10

6
Zon.II
4

0
Desacato Ameaça Lesão Corporal Vias de Fato

192
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

14
12
10
8
6 Zon.III

4
2
0
Vias de Fato Furto Ameaça 62

15

10

Zon.IV
5

0
Vias de Fato Am eaça Desacato Lesão Corporal

10
8
6
4 Zon.V

2
0
Vias de Fato Desacato Am eaça Furto

ano 2007

20

15

10
Zon I
5

0
Vias de Fato Ameaça Porte de Arma Dano ao
Patrimonio

193
Polícia Militar do Estado do Acre

10

4 Zon.II

0
Vias de Fato Am eaça Furto Tentativa

10
8

6
4 Zon. III

2
0
Vias de Fato Lesão Corporal Porte de Arma Ameaça

10

6
Zon.IV
4

0
Ameaça Usuario Furto Desacato

10

4 Zon.V

0
Vias de Fato Am eaça Porte de Arm a 65

Fonte: O autor, 2007.

Para uma melhor compreensão e leitura dos gráficos, apresento os dados da seguinte
forma: Os números foram distribuídos para substituir os artigos do código penal vigente na ordem
da quantidade que ocorreram nos zoneamentos. Quanto menor o número menor a freqüência, maior
o número maior a freqüência. Neste primeiro objetivo não procuro destacar a quantidade de vezes

194
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

que determinados delitos ocorrem, mas os que mais ocorrem em um ano num determinado
zoneamento.

O número cinco (5) foi escolhido como referente ao artigo 330/331 do Código Penal
vigente, no que se refere aos delitos de Desobediência e Desacato a funcionário público no
exercício da sua função. No ano de 2005, esse delito ocorreu com maior freqüência (seis vezes) no
zoneamento IV, e também no de 2006 ocorreu com maior freqüência no zoneamento II num total de
cinco vezes. As vitimas deste delito na maioria são os próprios gestores, ou diretor, em segundo os
policiais da Ronda Escolar, e em ultimo lugar os funcionários de apoio (ou porteiros).

No caso específico deste estudo quero destacar o desacato ao gestor da escola, que é
chamado para resolver (dar a ultima sentença) os casos de alunos ditos “problemáticos”. Em
conversas realizadas nas escolas junto a grupos de professores durante a realização das rondas
preventivas em seus relatos, é possível observar que à maioria dos professores decido por relevar os
casos de desacato. Por isso não temos um registro alto de desacato a pessoa do professor.

Já no caso do gestor escolar, que é a “ultima instância” para o aluno dentro da escola, ao
lidar com a violência e percebendo que já não é mais possível negociar com o autor, aciona os
“peritos” da lei que se utilizam da força para conter o movimento da violência. Nas palavras de
Guimarães (1996, p. 97) “há momentos em que o diretor se vê obrigado a chamar reforço policial
para atuar dentro das escolas, mas é preciso ficar atento porque esta atitude provocará um retorno
ainda mais violento daquilo que estava para explodir.”

O número dez (10) faz referência ao artigo 59 descrito como Vadiagem, ou pessoas em
ócio. Em sua grande maioria essas pessoas foram detidas na frente das instituições de ensino em
horários de aula. Anteriormente as escolas eram conhecidas pelas brigas que ocorriam na frente, no
horário da saída, em sua maioria essas pessoas eram oriundas dos bairros próximos à escola e que,
segundo as mesmas, estavam no local esperando um vizinho, ou parente que estuda na escola.

Esses termos são frequentemente utilizados por infratores com a intenção de justificar de
algum modo a sua permanência naquele local. Ora, ao final do turno, essa pessoa se apresentava
não como parente ou vizinho, mas como protetor de um determinado aluno no caso de uma eventual
briga ou rixa marcada anteriormente dentro da escola entre alunos. Identificadas essas práticas, para
realizar a prevenção de que fatos deste tipo não ocorressem (rixa, brigas, gangues), os policiais da
Ronda Escolar detiam essas pessoas em atitudes suspeitas na frente da escola, sendo encaminhados
à delegacia especializada.

O exposto, nos remete a perceber que ocorre é que a escola no bairro se torna:

195
Polícia Militar do Estado do Acre

O que eles querem dessa nossa escola pública não cabe nas exíguas tetas dela, da escola, que, em suas
inusitadas metamorfoses, transformou-se já em refeitório, em creche, em posto de vacinação de gente e de
cães e gatos, local de abrigo às vítimas das enchentes, em centro de lazer nos finais de semana e, agora,
segundo alguns, em posto de distribuição de drogas. (Belintane, 1998, p. 7)

Essas ações dentro da escola justificam, porque muitos se dirigem, a mesma, nos
momentos de ociosidade.

Outro número atribuído é o Quinze (15) para substituir o artigo 155 do Código Penal que
tem em significado o furto simples, pegar algo ou alguma coisa de alheios. Esse tipo de delito
ocorreu com maior freqüência no ano de 2005 no zoneamento I, nas escolas do centro da cidade de
Rio Branco, onde suas maiores vítimas são alunos e o objeto de desejo são os aparelhos celulares e
objetos pessoais (maquiagem, jóias, relógios e bonés). Isso porque nas escolas do centro estão as
pessoas que economicamente vivem melhores. Como nos diz Campbell (2007) a violência dos
alunos é vistas pelos educadores como forma de manifestação de força, como estratégia de
autodefesa pela sobrevivência ou determinismo causado pela pobreza.

O número Vinte (20) é atribuído ao artigo 147 do Código Penal (2007) que trata sobre a
Ameaça. O Art. 147 diz: Ameaçar alguém, por palavra, escrito ou gesto, ou qualquer outro meio
simbólico, de causar-lhe mal injusto e grave.

Este tipo de delito ocorreu com maior freqüência no zoneamento IV nos anos de 2006 e
2007, sendo que neste ultimo ano houve redução na quantidade de vezes que este delito foi
cometido dentro dos estabelecimentos de ensino. A ameaça pode ser entendida com uma violência
verbal que atinge os aspectos psicológicos da vida das pessoas; Neste século, de modo geral, a
Ameaça se banalizou num intuito de humilhar o outro fazendo refém das palavras, a violência
verbal deixou mesmo de ter grande significado interindividual, ou seja, tornou-se sem finalidade ou
sentido, uma violência impulsiva e nervosa, dessocializada.

Para tratar da violência física, inicialmente trataremos, para efeito de análise dos dados,
lesão corporal leve ou grave, juntamente com vias de fato, entendendo que a lesão corporal é
resultado de vias de fato diferenciando-se só quando ocorrem fatos como rupturas da epiderme,
corrimento de sangue, hematomas, casos que, sendo configurados, tipificariam o delito de lesões.

Assim sendo, pode-se dizer que vias de Fato é uma contravenção penal que consistente em
infligir ofensas físicas ao adversário. Para a caracterização das vias de fato, é preciso que haja o
ânimo de ofender fisicamente; Constituem vias de fato:

196
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Os empurrões com ânimo agressivo, o arrancamento ou rasgamento de vestes, gravatas, os puxões de cabelo,
os socos, pontapés, golpes de luta (judô, capoeiragem etc.), o arremessamento de objetos, de corpos sólidos
ou líquidos e mesmo o assopramento afrontoso de fumaça na face da vítima. (GONÇALVES, 2007, p.30)

Este tipo de delito é caracterizado pelo número quarenta (40) onde nos anos de 2005
esteve presente com maior freqüência nos zoneamentos III e V; Neste período foram registradas
duas lesões corporais e nenhuma tentativa de homicídio. No ano de 2006 a violência física esteve
presente com maior freqüência, desta vez esteve presente em três zoneamentos I, III e o V, além de
ser registrada a ocorrência de vias de fatos, vale destacar que foram registradas cinco tentativas de
homicídio e dez lesões corporais, mostrando assim um aumento da violência física nas escolas. Já
no ano de 2007 a violência física foi destaque em quase todos os zoneamentos, destaca-se neste ano
que em todos os zoneamentos teve no mínimo um registro de lesão corporal, ao total foram
registradas doze lesões corporais e uma tentativa de homicídio.

A agressividade que se presencia na escola não é problema exclusivo dela, e sim um


reflexo do que acontece na sociedade. Certos fatores são associados à violência urbana, dentre eles,
podemos citar em primeiro lugar a desigualdade social, argumento geralmente aceito para justificar
a violência, uma vez que constitui como fator desagregador que também tem reflexos no ambiente
familiar.

Em segundo lugar a desestruturação das famílias, o que ocasiona maior probabilidade de


abandono, maus-tratos e espancamento doméstico, o que pode gerar maior vulnerabilidade das
crianças para desenvolverem comportamentos agressivos e tornarem-se emocionalmente reativas e
impulsivas, aumentando as condições de risco de violência.

Em caráter especial, vale destacar, os adolescentes que se tornam pais e mães na maioria
das vezes ainda não estão com sua formação psicológica e de caráter concluídas, vêem-se obrigados
a cuidar de uma criança oferecendo-lhe uma educação que ainda não dispõe completamente para si.

Outro fator associado à violência que contribui na formação de personalidades com


inclinação ao comportamento agressivo são: experiências de abuso sexual, espancamento,
humilhação e desprezo nos primeiros anos de vida, distanciamento de valores sociais éticos, de
formação moral ou limites de disciplina.

Ainda, outro aspecto é o modelo que a sociedade brasileira oferece, onde para se dar bem
no Brasil é preciso ser, no mínimo “esperto” isso tudo devido à crise institucional marcada por
escândalos, falta de escrúpulos e impunidade. A certeza da impunidade torna os indivíduos mais

197
Polícia Militar do Estado do Acre

agressivos, pois se sentem à vontade para transgredir normas e leis. Essa inversão de valores atinge
diretamente as famílias.

Por fim, não se pode esquecer o papel da mídia na divulgação de comportamentos


violentos que podem estar influenciando a mente das crianças e levando-as a agir agressiva e
violentamente.

Outra questão de estudo desta pesquisa referia-se às características daqueles que


cometeram/cometem algum tipo de delito dentro do ambiente escolar. Nota-se no gráfico 02, que
posterior à análise dos boletins, buscamos identificar primeiramente a média de idade dos infratores
e, para tanto,, pareceu-nos melhor fazer a seguinte distribuição:

(a) De idade mínima escolar aos dez anos de idade; (b) De onze aos treze anos de idade;
(c) Dos quatorze aos dezesseis anos de idade; (d) Dos dezessete aos vinte anos de idade e (e) dos
vinte e um aos cinqüenta e quatro anos de idade (idade máxima encontrada atribuída a um infrator).

Gráfico 02: Características dos Infratores: Idade

Ano 2005

20

15
14-16
10
17-20

5 21-45

0
Zon.I Zon.II Zon.III Zon.IV Zon.V

Ano 2006

20
18
16
14
12 11-13a
10
14-16a
8
6 17-20a
4
2
0
Zon.I Zon.II Zon.III Zon.IV Zon.V

198
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Ano 2007

20
18
16
14
12 11-13a
10
8 14-16a
6
4 17-20a
2
0
Zon.I Zon.II Zon.III Zon.IV Zon.V

Fonte: O autor, 2007.

A análise nos revelou algo comum para aqueles que continuamente, trabalham na Ronda
Escolar, os adolescentes na faixa de quatorze aos dezesseis anos são os que mais
cometem/cometeram algum tipo de delito dentro do ambiente escolar. A surpresa surgiu quando da
análise dos dados referentes ao zoneamento II, que nos revelaram que aqueles que cometeram um
delito são maiores de vinte e um anos de idade e que geralmente pela idade estão matriculados no
turno da noite.

Por se tratar da caracterização de infratores reflexões mais profundas serão apresentadas


após o último gráfico que caracteriza os infratores. No decorrer da pesquisa achei pertinente fazer a
distribuição dos dados, sobre os infratores para estabelecer uma significativa comparação entre
homens e mulheres, no que se referem ao número ocorrências enquanto agentes de um determinado
delito. O gráfico a seguir demonstra em números reais a quantidade de ocorrências com homens por
zoneamento, vejamos:

Abaixo, apresentamos informações sobre o turno de estudo dos pesquisados, baseado


sempre pela questão posta nesta pesquisa, onde procuro destacar as características de infratores.
Destaca-se ainda que os turnos forma organizados de forma a serem compatíveis com os horários
em que são realizadas as rondas nas escolas, que são: de seis horas e trinta minutos da manhã ao
meio-dia e quinze minutos (turno da manhã); De meio-dia e 30 minutos às dezoito horas e quinze
minutos (turno da tarde); Das dezoito horas e trinta minutos as vinte duas e trinta minutos (turno da
noite). Vejamos abaixo como se caracteriza a distribuição de infratores homens de acordo com o
turno de estudo:

199
Polícia Militar do Estado do Acre

Gráfico 05: Característica dos infratores: horário de estudo dos homens

Ano 2005

25

20

15 Manhã
Tarde
10
Noite
5

0
Zon.I Zon.II Zon.III Zon.IV Zon.V

Ano 2006

30

25

20
Manhã
15
Tarde
10 Noite
5

0
Zon.I Zon.II Zon.III Zon.IV Zon.V

Ano 2007

20
18
16
14
12
Manhã
10
8 Tarde
6 Noite
4
2
0
Zon.I Zon.II Zon.III Zon.IV Zon.V

Fonte: O autor, 2007.

Em seguida, o turno de estudo das mulheres que cometem/cometeram algum tipo de


delito. Cabe destacar que, nos casos em que as barras atingiram um horário pontual como, dezoito
200
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

horas, é porque houve um empate em números reais da quantidade de ocorrências tanto no turno da
tarde como no turno da noite.

Gráfico 06: Características dos infratores: horário de estudo das mulheres

Ano 2005

10

6 Manhã

4 Tarde
Noite
2

0
Zon.I Zon.II Zon.III Zon.IV Zon.V

Ano 2006

20

15

Manhã
10
Tarde
Noite
5

0
Zon.I Zon.II Zon.III Zon.IV Zon.V

Ano 2007

10
9
8
7
6 Manhã
5
Tarde
4
3 Noite
2
1
0
Zon.I Zon.II Zon.III Zon.IV Zon.V

Fonte: O autor, 2007.

201
Polícia Militar do Estado do Acre

As análises dos dados coletados dos boletins de ocorrência mostram que os infratores em
sua grande maioria têm entre quatorze e dezesseis anos (ver gráfico 02), e isso é notável em todos
os zoneamentos, neste gráfico estão incluídos homens e mulheres. No caso especifico do
zoneamento II, a idade se apresentou superior aos vinte e um anos, porque houve um número maior
de ocorrência com homens e mulheres que estudam no turno da noite.
A delinqüência juvenil vem se desenvolvendo muito em volume e se tornando cada vez
mais violenta. O processo de construção da personalidade que generaliza o culto à juventude
pacifica os adultos, ma endurece os mais jovens que, são inclinados a afirmar cada vez mais cedo e
cada vez mais depressa a sua autonomia, quer seja material ou psicológica, nem que seja pelo uso
da violência.
Dessa forma, várias são as esferas onde são identificados como estilos de vida juvenil na
sociedade e que o contato mais cedo leva à dissolução suave das referências maiores e ao vazio do
individualismo responde um radicalismo sem conteúdo de comportamentos. O contato cada vez
mais cedo com o sexo, à informação que está presente mais facilmente no cotidiano, o contato, mais
cedo, com as drogas (licitas e ilícitas), os sons (a corrida pelos decibéis), a moda que exibe o poder
econômico dos jovens, o ritmo (o Funk), o esporte (febre por músculos).
Tempos difíceis esses em que os adultos se tornam reféns de seus jovens e crianças e, por
conseqüência, precisam ser protegidos pela autoridade judiciária, já que o exercício da sua
autoridade está descomprometido, despotencializado e desacreditado.
Nota-se que vivemos num momento sócio-histórico de banalização da vida, do ser humano
e do outro. As pessoas de hoje viveram e se desgastaram, surgiu um numero tão grande de
mudanças na área da tecnologia e do conhecimento, que repercutiu fortemente, de forma negativa,
nos costumes e no comportamento de forma decisiva.
Como resultado, desse desencontro, nascem pessoas, sem norte, sem objetivos na vida.
Adultos perdidos em seu modo de viver e de educar e, como decorrência, crianças e jovens
perdidos, sem saber as regras do bem viver.
Nossas crianças e jovens quer tenham poder aquisitivo ou não, vivem o que querem e da
forma que querem, denunciando que seus adultos são frágeis e impotentes. Precisamos educar,
organizar nossos jovens e crianças com as normas do bem viver; Indicar os caminhos e caminhar
com eles. Nas palavras de Guimarães (2000, p.3):

Nesse mundo velho, o passado se faz presente e o adulto assume a responsabilidade pelo rumo dos
acontecimentos mesmo querendo que as coisas pudessem ocorrer de forma diferente. Ter autoridade é
assumir essa responsabilidade por esse mundo velho. Porém, como assumi-la se o mundo em que vivemos
não é mantido nem pela autoridade e nem pela tradição?

202
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

No próximo gráfico procuro responde a segunda questão posta nesta pesquisa que é a que
busca caracterizar as escolas em seus níveis de ensino e turno de funcionamento. Assim, temos o
seguinte gráfico sobre o nível de ensino das escolas que mais ocorrem delitos.

Gráfico 07: Caracterização da escola: níveis de ensino


Ano 2005

25

20

15 Ed.Infantil
Ens.Fund.
10
Ens.Medio
5

0
Zon.I Zon.II Zon.III Zon.IV Zon.V

Ano 2006

40
35
30
25
Ed.Infantil
20
En.Fund.
15
Es.Médio
10
5
0
Zon.I Zon.II Zon.III Zon.IV Zon.V

Ano 2007

25

20

15 Ed.Infantil
En.Fund.
10
Es.Médio
5

0
Zon.I Zon.II Zon.III Zon.IV Zon.V

Fonte: O autor, 2007.

203
Polícia Militar do Estado do Acre

Para uma melhor compreensão do gráfico o estruturamos considerando uma escala de 0 a


30, onde o número dez (10) representa as escolas de Educação Infantil, o número vinte (20)
representa as escolas de Ensino Fundamental e por fim, o número trinta (30) representa as escolas
de Ensino Médio.
Ao analisar os dados, no primeiro momento torna-se notório que as escolas que
apresentam um maior número de ocorrências são as escolas de Ensino Fundamental, isso porque na
cidade de Rio Branco elas representam um maior número e, por conseqüência, atendem uma maior
população. Em todos os zoneamentos, esse nível de ensino aparece em destaque no gráfico. Outro
fator de caracterização das escolas em resposta a questão de estudo é o turno de funcionamento das
escolas, ou seja, em que turno ocorre o maior número de delitos em ambientes escolares? Vejamos:

Gráfico 08: Caracterização das escolas: turno de funcionamento


Ano 2005

20

15

Manhã
10
Tarde
Noite
5

0
Zon.I Zon.II Zon.III Zon.IV Zon.V

Ano 2006

30
28
26
24
22
20
18 Manhã
16
14 Tarde
12
10 Noite
8
6
4
2
0
Zon.I Zon.II Zon.III Zon.IV Zon.V

204
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Ano 2007

20
18
16
14
12 Manhã
10
Tarde
8
6 Noite
4
2
0
Zon.I Zon.II Zon.III Zon.IV Zon.V

FONTE: O autor, 2007.

O gráfico foi elaborado, também, na perspectiva de abordar os horários em que são


realizadas as rondas nas escolas. Horários esses já discriminados quando da análise do gráfico 05.

Assim, ao procedermos à análise dos dados pudemos perceber que o turno da tarde é o que
apresenta um maior número de ocorrências registradas pela Ronda Escolar. É importante ressaltar
que é no turno da tarde que estudam a maioria dos alunos entre a faixa etária de quatorze e
dezesseis anos de idade e que freqüentam o nível de Ensino Fundamental.

Por fim, como resposta a última questão posta nesta pesquisa é de onde vêm as
solicitações quando ocorre um delito na escola? E, para tanto, o que pudemos constatar é que na
maioria das ocorrências, a Ronda Escolar é solicitada pela escola para realizar a detenção de um
determinado infrator. Neste caso, sugiro refletirmos sobre a distinção que Charlot (2005) apresenta
para os termos violência, transgressão e incivilidade.
O autor destaca que o termo violência deve ser reservado ao que ataca a lei com o uso da
força ou que ameaça usá-la, como por exemplo: lesões, extorsão, tráfico de drogas na escola,
insultos grave. Ora esses fenômenos não dependem do conselho escolar da escola mais sim da
Polícia e da Justiça. Para o autor transgressão é o comportamento contrário ao regulamento interno
da instituição de ensino, exemplo a não-realização de trabalhos escolares. Esse fato, como qualquer
outro que se caracterize como transgressão, deve ser tratada pelas instâncias do estabelecimento de
ensino.
Enfim, a incivilidade segundo o autor não contradiz nem a lei, nem ao regimento interno
da escola, mas as regras da boa convivência: desordens, empurrões, grosserias, palavras ofensivas.
Essa deve ser tratada com uma intervenção educativa.

205
Polícia Militar do Estado do Acre

O gráfico a seguir foi trabalhado na seguinte perspectiva, o primeiro solicitante foi


estabelecido o número dez (10) que é a própria escola, representada por seu corpo de funcionários e
docentes; O número vinte (20) foi atribuído às vítimas de algum tipo de delito, e o número trinta
(30) foi atribuído a outros solicitantes, como parente, amigo, colega, desconhecido, anônimo e/ou
em atuação livre dos policiais que estavam passando no local do ocorrido e, nesse caso específico
ratifica a reflexão relatada acima:

Gráfico 09: Origem das ocorrências

Ano 2005

25

20

15 Escola
Vitimas
10
Outros
5

0
Zon.I Zon.II Zon.III Zon.IV Zon.V

Ano 2006

28
24
20
16 Escola
12 Vitima
Outros
8
4
0
Zon.I Zon.II Zon.III Zon.IV Zon.V

206
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Ano 2007

24

20

16
Escola
12
Vitima
8 Outros

0
Zon.I Zon.II Zon.III Zon.IV Zon.V

Fonte: O autor, 2007.

Segundo a opinião geral da comunidade escolar, um problema de difícil solução, é a


questão da insegurança, decorrente dos níveis de violência presentes dentro e fora da escola.
Professores, pais e alunos de escolas de ensino básico estão cada vez mais atônitos com o
nível de violência extra e intramuros. Nem muros, nem grades, nem vigias ou policiais parecem
deter a violência externa; medidas disciplinares, igualmente, são inócuas para resolver atos cada vez
mais violentos de indisciplina que eclodem em seu interior.
Maffesoli (1981) trata a violência do ponto de vista do seu dinamismo interno, como
herança comum a todo e qualquer conjunto civilizacional, estruturando constantemente a vida em
sociedade. O autor lembra que, embora todas as coletividades históricas sempre tenham a
preocupação de controlar a violência, nas sociedades modernas esse controle pretende-se absoluto.
O uso da força física tem sido monopolizado pela organização política e pelos poderes instituídos,
que, sob a aparência de neutralidade, exercem, legalmente, uma violência abstrata: centralizando
tudo o que é da ordem do policial, do militar e do fiscal, tentam estabelecer uma normalidade
asséptica, domesticando a paixão e a agressividade.
No entanto, dada sua potencialidade, a violência pede certo grau de socialização e de
acordo, que nas sociedades primitivas se dava, sabiamente, por mecanismos de ritualização,
permitindo que, de algum modo, ela fosse exteriorizada. A consciência de que a violência não pode
ser eliminada deveria provocar uma atitude de astuta negociação, com o intuito de “amansá-la”,
socializá-la.
Assim, Guimarães (1996) mostra que domesticar a violência por meio de regras e códigos
de conduta rígidos parece não ser a solução. O desafio é canalizá-la, organizá-la, integrá-la e

207
Polícia Militar do Estado do Acre

combiná-la com outras práticas sociais e simbólicas da escola. Trata-se, em outras palavras, de
procurar formas de geri-la enquanto figura da desordem, já que nenhuma sociedade pode ser
purgada de toda desordem. É preciso, então, saber lidar com ela, em vez de tentar eliminá-la.
As soluções devem ser encontradas em cada escola ou em cada sala de aula, para cada
caso. Entretanto, é possível apontar algumas, tendo em vista as questões trabalhadas neste texto e
relatos de experiências que vêm tendo êxito em várias instituições escolares.

O cotidiano das escolas tem gerado, mantido a violência de vários tipos. E os professores
será que estão preparados para lidar com essa situação? Afinal, o trabalho docente exige cada dia
mais dos profissionais, atitudes, valores e habilidades necessários para a criação, no cenário escolar,
de uma nova ordem pautada no prazer de ensinar e de aprender.

Esse é o fator que merece atenção, o ato de ensino/aprendizagem, quando se trabalha a


questão da violência na escola, essa é uma questão que é encontra-se ligada às práticas de ensino
cotidianas, que se constituem como o coração do reator escolar, isso implica numa maior
responsabilidade para o professor, como nos diz Charlot (2005) é bem raro encontrar alunos
violentos entre os que acham sentido e prazer na escola.

Uma medida que parece surtir efeito é a aproximação gradativa da escola com a
comunidade, uma vez que as questões–chave parecem ser as que dizem respeito a um novo modo
de articulação entre a escola e a sociedade e a do sentido da escola induzindo por esse modo, por
intermédio de várias atividades de integração, num sistema de parceria em que a instituição supre de
alguma forma, as carências de espaço e de equipamentos sociais. Assim, a população “cuida” da
escola, desde a vigilância até a realização de pequenos consertos; integram voluntariamente órgãos
colegiados, como o Conselho de Escola e a Associação de Pais e Mestres; provê assistência de toda
ordem às crianças carentes; enfim, passam a participar ativamente da instituição escolar.

Além disso, há outras medidas que podem “reencantar” a escola, tais como: desenvolver
atividades de lazer e de cultura, tais como excursões a museus, parques florestais e zoológicos;
levar os alunos para assistir a espetáculos teatrais, filmes etc.; promover e dar espaço a grupos de
alunos e professores interessados em trabalhar com teatro, música, jornal; realizar exposições de
arte, oficinas de criação, feiras de ciência; “enfeitar” a escola com produções de alunos (pinturas,
redações, trabalhos escolares diversos); encontrar espaços para os alunos trabalharem a terra
(jardim, horta); abrir possibilidades de tempo e espaço para que os alunos possam “jogar conversa
fora”, brincar, “paquerar”, enfim “estar juntos” etc.

Sendo assim, não se pode desprezar, porque desconhecidas (ou não reconhecidas) pelas
instâncias dominantes as pequenas ações de todos os dias, desenvolvidas pelos membros dos
208
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

diversos grupos da escola, dentro ou fora da sala de aula, que, pela carga simbólica e, portanto,
educativa que carregam, contribuem para o desenvolvimento de uma ética grupal, ou seja,
contribuem com o reconhecimento da instituição, quanto a sua cultura e seu imaginário.
Em suma, na modernidade, a violência tem sido considerada como uma das figuras que
pode tomar a forma de uma desordem contagiosa, dificilmente controlável, de uma doença da
sociedade que aprisiona o indivíduo e, por extensão, a coletividade num estado de insegurança que
gera o medo.
Assim sendo, aos docentes, em especial, cabe a decisão de confrontar a realidade com as
exigências e as tarefas, que se impõem ao educador, onde a sociedade espera que ele preencha as
lacunas deixadas pelas famílias, na construção de valores sólidos para a formação de cidadãos
conscientes com objetivo de estabelecer uma sociedade não violenta.

COMPARATIVO ENTRE O II LEVANTAMENTO DOMICILIAR SOBRE O


USO DE DROGAS 2005 E O I LEVANTAMENTO EM RIO BRANCO 2008

A problemática da utilização de drogas lícitas e ilícitas tem preocupado diversas pessoas e


instituições. Vários trabalhos têm sido executado para verificar o uso e abuso de drogas entre a
população. No ano de 2005, A Secretaria Nacional Antidrogas, em parceria com outras instituições
de estudo e pesquisa produziu o II Levantamento Domiciliar sobre o Uso de Drogas Psicotrópicas
no Brasil. Esse estudo envolveu as 108 maiores cidades do país, entre elas Rio Branco. Com os
dados da pesquisa nacional em mãos, e, após ter concluído a pesquisa em Rio Branco, pensamos em
comparar dados. O questionário do II Levantamento Domiciliar é composto de mais de 100
perguntas, enquanto o acreano contém apenas 38. Algumas perguntas dos dois questionários têm
ênfase muito parecidas, por isso, resolvemos fazer um comparativo.
Pelo fato de o II Levantamento Domiciliar ter uma clientela muito reduzida, se comparado
o número de entrevistados em relação direta à proporcionalidade da população brasileira, os
números variam muito em seu intervalo de confiança, enquanto o Levantamento nas escolas de Rio
Branco tem proporcionalidade bem maior, como mostra a tabela seguinte:

209
Polícia Militar do Estado do Acre

Comparativo entre o Levantamento Nacional e em Rio Branco – Dados Gerais.

Quadro Segundo Levantamento Proerd Acre: Primeiro Levantamento


Comparativ Domiciliar sobre o uso de Drogas sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-
o Psicotrópicas no Brasil - 2005 Juvenil de Rio Branco - 2008
Atividades Região Norte Brasil 4ª série 8ª série Ensino Médio
Número de 68 788 1.234 1.259 881
entrevistas 11.3% 9,9% 36.57% 37.31% 26.12%
Idade Média 12-17 12-17 09-12 13-16 15-18
e Amostra 100% 100% 88% 98% 92%
Sexo
Masculino 47% 47.5% 47.5% 42% 42%
Sexo
Feminino 53% 52.5% 52.5% 58% 58%

Percebemos que há a prevalência do sexo feminino em ambos os ambientes de pesquisa.


No caso específico de Rio Branco, o número de estudantes do sexo feminino é pouco maior que o de
estudantes do sexo masculino, com diferença de pouco mais de 05%. Ao passar para as séries
seguintes, percebemos aumentar a ausência de estudantes do sexo masculino. A diferença entre os
sexos chega a ser de 16% a mais de estudantes do sexo feminino.

Comparativo entre o Levantamento Nacional e em Rio Branco – Religiões Professadas.

Quadro Segundo Levantamento Proerd Acre: Primeiro Levantamento


Comparativo Domiciliar sobre o uso de Drogas sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-
(12-17 anos) Psicotrópicas no Brasil - 2005 Juvenil de Rio Branco - 2008
Religiões Região Norte Brasil 4ª série 8ª série Ensino Médio
Católica 57.4% 54% 24.5% 25% 30%
Protestante 35.5% 25% 53.5% 55.5% 43.5%
Espírita 00% 03% 03.5% 01% 06%
Outras 00% 01% 4.5% 03% 05%
Nenhuma 7.4% 16% 14% 15.5% 15.5%

210
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Quanto à religião. Percebemos que enquanto no Brasil e na Região Norte destaca-se a


religião Católica, entre os alunos pesquisados as religiões Protestantes têm ganhado maior espaço. O
que pode configura um fenômeno religioso ocorrendo na Capital acreana.
Vários dos adolescentes, inclusive os que se dizem protestantes, fazem uso de bebidas
alcoólicas ou já experimentaram algum tipo de bebida alcoólica na vida.

Comparativo entre o Levantamento Nacional e em Rio Branco – Uso de Bebidas Alcoólicas.

Quadro Segundo Levantamento Proerd Acre: Primeiro Levantamento


Comparativo Domiciliar sobre o uso de Drogas sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-
(12-17 anos) Psicotrópicas no Brasil - 2005 Juvenil de Rio Branco - 2008
Álcool Região Norte Brasil 4ª série 8ª série Ensino Médio
Experimento 25.5% 54.3% 34.5% 61.5% 59.5%
na vida e uso Intervalo de confiança Intervalo de confiança Intervalo de Intervalo de Intervalo de
(9.1% a 42%) (49.3% a 59.2%) confiança confiança confiança
esporádico
(32.5% a 35.5%) (59.5% a 63.5%) (57.5% a 61.5%)

Dependência 02.9% 07% 01.5% 2.5% 04%


(Uso quase Intervalo de confiança Intervalo de confiança Intervalo de Intervalo de Intervalo de
(baixa precisão) (4.4% a 9.5%) confiança confiança confiança
diário)
(00.2% a 03.5%) (00.3% a 4.5%) (01% a 06%)

A partir da tabela anterior, percebemos que em rio Branco, o número de adolescentes que
afirma ter experimentado bebida alcoólica pelo menos uma vez na vida, ou que tenha feito uso
esporádico é maior que a média nacional, embora os alunos de 4ª série seja a exceção. Contudo,
quando o critério é dependência, percebemos que os alunos de Rio Branco estão abaixo da média da
Região Norte e bem abaixo da média brasileira. Esse dado pode ter sido influenciado pelo grande
número de adolescentes que dizem já ter feito uso na vida, mas ter parado a utilização de bebidas,
cigarros e outras drogas após terem se convertido a uma religião Protestante, conforme pode ser
visto nas tabelas específicas do sub-capítulo anterior.

211
Polícia Militar do Estado do Acre

Comparativo entre o Levantamento Nacional e em Rio Branco – Uso de Cigarros.

Quadro Segundo Levantamento Proerd Acre: Primeiro Levantamento


Comparativo Domiciliar sobre o uso de Drogas sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-
(12-17 anos) Psicotrópicas no Brasil - 2005 Juvenil de Rio Branco - 2008
Álcool Região Norte Brasil 4ª série 8ª série Ensino Médio
Experimento 17.9% 15.2% 09% 32% 32.5%
na vida e uso Intervalo de confiança Intervalo de confiança Intervalo de Intervalo de Intervalo de
(03.4% a 32.3%) (11.6% a 18.8%) confiança confiança confiança
esporádico
(07% a 11%) (30% a 34%) (30.5% a 34.5%)

Dependência 5.5% 02.9% 01% 2.5% 03%


(Uso quase Intervalo de confiança Intervalo de confiança Intervalo de Intervalo de Intervalo de
(baixa precisão) (01.2% a 04.5%) confiança confiança confiança
diário)
(00.2% a 03%) (00.3% a 04.5%) (01% a 05%)

Quanto ao uso de cigarros, percebemos que em Rio Branco, os adolescentes


experimentaram mais cigarros que a média da Região Norte e a média nacional. Quanto à
dependência os estudantes de Rio Branco estão abaixo das médias regional e nacional.
Quando passamos a analisar o oferecimento de drogas ilícitas para os adolescentes,
percebemos que em Rio Branco chega a ser seis vezes maior que a média da Região Norte, talvez
por o Estado do Acre ser fronteiriço e, de acordo com dados da ONU, rota de tráfico de
entorpecentes. Parte desses entorpecentes ficam na Capital acreana e abastecem o comércio de
ilícitos local.

Comparativo entre o Levantamento Nacional e em Rio Branco – Oferecimento de Drogas.

Quadro Segundo Levantamento Proerd Acre: Primeiro Levantamento


Comparativo Domiciliar sobre o uso de Drogas sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-
(12-17 anos) Psicotrópicas no Brasil - 2005 Juvenil de Rio Branco - 2008
Uso na Vida Região Norte Brasil 4ª série 8ª série Ensino Médio
Já receberam 06.7% 07.8% 10% 45.5% 41.5%
oferta para Intervalo de confiança Intervalo de confiança Intervalo de Intervalo de Intervalo de confiança
(baixa precisão) (05.2% a 10.5%) confiança confiança (38.5% a 44.5%)
usar drogas
(08% a 12%) (42.5% a 48.5%)

212
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Com relação à utilização de maconha e cocaína, a comparação ficou prejudicada pela baixa
precisão dos dados regional e nacional. Contudo, percebemos que o índice de experimentação ao
menos uma vez na vida é grande.

Comparativo entre o Levantamento Nacional e em Rio Branco – Drogas Ilícitas.

Quadro Segundo Levantamento Proerd Acre: Primeiro Levantamento


Comparativo Domiciliar sobre o uso de Drogas sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-
(12-17 anos) Psicotrópicas no Brasil - 2005 Juvenil de Rio Branco - 2008
Uso na Vida Região Norte Brasil 4ª série 8ª série Ensino Médio
00%* 04.1% 01.5% 05.5% 05%
Maconha * baixa precisão Intervalo de confiança Intervalo de Intervalo de Intervalo de
(02.2% a 06.1%) confiança confiança confiança
(00.2% a 3.5%) (3.5% a 07.5%) (03% a 07%)

Cocaína 00%* 00.5% 01% 3.5% 04%


* baixa precisão Intervalo de confiança Intervalo de Intervalo de Intervalo de
(baixa precisão) confiança confiança confiança
(00.2% a 03%) (01.5% a 5.5%) (02% a 06%)

Na relação produzida entre o uso experimental e o uso regular, percebemos que são os
alunos do Ensino Médio os que mais experimentaram drogas e os que fazem maior uso regular.
Destacando-se o uso de maconha e cocaína, como os mais utilizados pelos adolescentes.

Práticas de utilização de drogas ilícitas por parte dos alunos

Utilização Alunos de Alunos de Alunos de


de 4ª série 8ª série Ensino Médio
Drogas
Maconha Experimentou Uso regular Experimentou Uso regular Experimentou Uso regular
1,5% 1% 5,5% 2% 5% 3%
Cocaína Experimentou Uso regular Experimentou Uso regular Experimentou Uso regular
1% 1% 3,5% 2% 4% 2%
Crack Experimentou Uso regular Experimentou Uso regular Experimentou Uso regular
0,5% 0,5% 0,5% 0,5% 0,5% 0,5%
Merla Experimentou Uso regular Experimentou Uso regular Experimentou Uso regular
0,5% 0,5% 1% 0,5% 1,5% 1,5%
Cola de Experimentou Uso regular Experimentou Uso regular Experimentou Uso regular
sapateiro 0,5% 0,5% 1% 0,5% 1% 0,5%

213
Polícia Militar do Estado do Acre

Os adolescentes não são seduzidos apenas pelas drogas ilícitas. Foram constatadas ações
de utilização de drogas lícitas e ilícitas desde os entrevistados da 4ª série até o Ensino Médio. Eles
fazem uso de cigarros e bebida alcoólica que servem como porta de entrada para outras drogas em
suas vidas.

Práticas de uso de drogas lícitas por parte dos alunos


Utilização de 4ª série 8ª série Ensino Médio
Cigarros Todo dia Em festas Fumei, Todo dia Em festas Fumei, Todo dia Em festas Fumei,
mas parei mas parei mas parei
1% 1% 7% 2,5% 4,5% 25% 3% 9% 20,5%
Bebidas Todo dia Em festas Bebi, mas Todo dia Em festas Bebi, mas Todo dia Em festas Bebi, mas
Alcoólicas parei parei parei
1,5% 7% 26% 2,5% 29,5% 29,5% 4% 39,5% 16%

Os adolescentes da 8ª série parecem estar se envolvendo com cigarros e bebidas alcoólicas


tanto quanto os do Ensino Médio. A diferença entre a utilização de bebidas e cigarros entre os
alunos de 4ª série e 8ª série em muito maior que a diferença entre os da 8ª série e do Ensino Médio.
O aumento de consumo de drogas pode estar relacionado a desagregação da família nuclear e aos
relacionamentos estabelecidos pelos adolescentes.

Dados gerais de relacionamentos por parte dos alunos


Questionamentos 4ª série 8ª série Ensino Médio
Mora com quem Pai e Mãe Mãe ou Mãe Pai e Mãe Mãe ou Mãe Pai e Mãe Mãe ou Mãe
e Padrasto e Padrasto e Padrasto
56,5% 23,5% 44,5% 34,5% 47,5% 30,5%
Considera os pais Camaradas Mandões Camaradas Mandões Camaradas Liberais
83,5% 8,5% 84% 10% 83,5% 8,5%
Foi aluno Proerd Sim Não Sim Não Sim Não
100% 00% 86% 14% 48,5% 51,5%
na 4ª série
Considera-se com Boa Uma pessoa Boa Uma pessoa Boa Uma pessoa
Auto-estima Feliz Auto-estima Feliz Auto-estima Feliz
boa auto-estima
81% 66,5% 85% 58,5% 81% 57,5%
e feliz
Na sua escola Estranho Aluno Estranho Aluno Estranho Aluno
3,5% 2% 4% 12% 3,5% 9,5%
Alguém vende
drogas?

214
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Os adolescentes da 4ª série moram com os pais e têm boa auto-estima, além de se


considerarem pessoas felizes. Sendo que, em suas escolas poucos sabem dizer da existência da
oferta de drogas, o que pode configurar uns poucos usuários e/ou vendedores na localidade.
Menos da metade dos adolescentes da 8ª série mora com os pais, sua auto-estima e a
sensação de ser feliz são menores que as dos alunos anteriormente citados. Um diferencial é o fato
de 16% dos alunos saber da existência de vendedores de drogas no ambiente da escola, o que pode
ser um atrativo para a fuga da realidade.
No Ensino Médio há uma menor dependência dos pais que nas séries anteriores, mesmo
assim, quase metade mora com a família nuclear. A auto-estima e a sensação de ser feliz diminuiu
em relação aos adolescentes de 4ª série e 8ª série. Dentre os entrevistados, 13% disse saber da
existência de drogas sendo vendidas na escola.
Vale ressaltar que os dados computados nessa última tabela equivalem apenas às duas
respostas destaque dos alunos. O número de ocorrências será maior se analisada a tabela inteira.
Sugerimos que se faça isso, para ter acesso aos dados completos.

215
Polícia Militar do Estado do Acre

CAPÍTULO X

PERFIL DOS ALUNOS

DE 4ª SÉRIE, 8ª SÉRIE E ENSINO MÉDIO

Durante alguns meses realizamos a aplicação de questionários nas escolas públicas de Rio
Branco. Antes de aplicar o questionário, conversamos com os diretores e/ou coordenadores das
escolas explicando os objetivos da pesquisa e as especificações da amostragem a ser colhida.
Os diretores e coordenadores marcavam o dia da aplicação do questionário e só tomavam
pleno conhecimento de todas as questões e assuntos, alguns minutos antes da aplicação dos
questionários, para que não interferissem no resultado. Para nossa grata surpresa, todos os gestores,
coordenadores e professores acolheram muito bem a iniciativa da Polícia Militar e trataram muito
bem os policiais/professores que estavam na pesquisa.
Um dado interessante que vale ressaltar antes de irmos aos resultados da pesquisa, é o fato
de os pesquisadores sempre se apresentarem como professores45 a serviço de uma parceria entre a
Polícia Militar do Acre e a Secretaria de Estado de Educação. Os adolescentes foram bem
receptivos e responderam os questionários em um tempo médio de 25 minutos. Enquanto nos
apresentávamos, percebemos que os alunos respeitam a Polícia, embora façam chacota de situações
onde os policiais “se dão mal” em ocorrências. Demonstraram respeitar principalmente os policiais
da COE (embora tenham comentado insatisfação em algumas atuações), a Polícia da Família (por
atuar perto da casa de alguns deles), o Proerd (os alunos falaram dos policiais como se fossem

45
Os referidos policiais são professores, devidamente reconhecidos pelo Ministério da Educação, além de atuarem
como Instrutores na PMAC.

216
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

amigos deles) e a Companhia Escolar (as moças, entre suspiros, se reportavam aos policiais como
“caras legais” e os rapazes, como a concorrentes desleais).
Após vários comentários sobre os professores – e seu descaso com a educação – e sobre a
Polícia - a maioria deles sobre a pretensa falta de honestidade dos policiais –, os alunos
responderam um questionário contendo 38 questões de múltiplas escolhas, onde foram convidados a
responder as questões sem se identificar e tendo liberdade de não responder as questões que não
achassem conveniente, embora todos fossem convidados a responder a todas as questões. No
cabeçalho do questionário estava escrito:

Este questionário destina-se a fornecer dados sobre a importância do Proerd para a sociedade
riobranquense, servindo de base para a elaboração de um programa de esclarecimento aos jovens, portanto,
sua sinceridade é muito importante. Não se preocupe pois você não poderá ser identificado, uma vez que
responderá colocando "X" nos parênteses, sem escrever nenhuma palavra.
Sua contribuição será muito importante.

Os questionários foram aplicados a alunos das 4ª séries que estavam sendo atendidas pelo
Proerd em 2008, a alunos das 8ª séries e do Ensino Médio.
O modelo de cálculo e tabulação foi pensado pelo historiador Reginâmio Bonifácio de
Lima em parceria com o professor de matemática Cleverson Redi do Lago – que, por vários anos,
foi policial do Proerd. Resolvemos pôr em destaque apenas as possibilidades e as projeções que se
apresentassem em maior destaque.
Neste momento, vamos demonstrar os dados referentes aos alunos do Ensino Médio.
Neste trabalho, apresentaremos os dados com algumas considerações. De antemão, informamos aos
críticos de plantão, que estamos afeitos à possibilidade de conjecturas e postulações sobre o que são
ou o que representam esses dados, mas não trataremos sobre o que poderia ter sido ou o que os
alunos que não responderam o questionário poderiam ter dito.
Para concluir este prelúdio, ratificamos que este trabalho é uma amostragem, conforme
exposto na introdução. Os assuntos aqui abordados foram propositadamente postos em forma de
dados tabulados. Não é nosso intuito, neste momento, fazer as análises, uma vez que no
estabelecimento das parcerias foi posto o fato de o tratamento das informações ser realizado “com
muito tato”. Assim sendo, cada instituição fará uso das tabelas que se seguem em anexo e tratará os
dados expostos na pesquisa.

217
Polícia Militar do Estado do Acre

CAPÍTULO XI

SITES COM INFORMAÇÕES ÚTEIS

• ABRAFAM – Associação Brasileira de Apoio às Famílias de Drogadependentes

www.impacto.org/abrafam

• Amor-Exigente – (para pais e familiares de usuários de drogas)

www.amorexigente.org.br

• Anti-drogas

www.antidrogas.org.br

• Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS – Links Nacionais

www.abaids.org.br

• Alcoólicos Anônimos

www.alcoolicosanonimos.org.br

• ABRATECOM – Associação Brasileira de Terapia Comunitária

www.abratecom.org.br

• CAPSad – Centro de Atenção Psicossocial

www.saude.gov.br

• CONEN’s - Conselhos Estaduais de Entorpecentes

www.obid.senad.gov.br

• Corpo Humano. Canal Kids

www.canalkids.com.br

218
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

• CUIDA – Centro Utilitário de Intervenção e Apoio aos Filhos de Dependentes Químicos

www.uniad.org.br/cuida

• Fumantes Anônimos

http://www.nicotine-anonymous.org/publications_portuguese.asp

• Grupo de Estudo e Pesquisa Sobre Terras e Gentes: Amazônia em foco

www.terrasegentes.net84.net

• Hospital Israelita Albert Einstein

www.einstein.br/alcooledrogas

• INCA – Instituto Nacional do Câncer

www.inca.org.br

• Narcóticos Anônimos Central

www.na.org.br

• OBID – Observatório Brasileiro de Informações sobre Drogas

www.obid.senad.gov.br

• Saúde do Adolescente – Canal do Ministério da Saúde

http://www.saude.gov.br/saude/área.cfm?id_area=241

• SENAD – Secretaria Nacional Antidrogas

www.senad.gov.br

• UNIAD – Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas

www.uniad.org.br

219
Polícia Militar do Estado do Acre

REFERÊNCIAS

2º Curso de Capacitação sobre a redução da oferta e da demanda de drogas. Brasília: Secretaria


Nacional de Segurança Pública, 2005.
às drogas e à violência sobre a sua formação. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2006.
Dissertação de Mestrado – Educação, Universidade Federal do Paraná.
Ballone GJ - Violência e Agressão; da criança, do adolescente e do jovem - in. PsiqWeb. Psiquiatria
Geral, Internet, 2001. Disponível em <http://sites.uol.com.br/gballone/infantil/conduta2.html>.
Acesso em 06 de outubro de 2007.
BALLONE, G.J. Abuso Sexual Infantil, in. PsiqWeb. Internet. Disponível em
<http://www.virtualpsy.org/infantil/abuso.html>. Acesso em 10 de junho de 2006.
BARROS, Nivia Valença. Violência intrafamiliar contra criança e adolescente: Trajetória
histórica, políticas sociais, práticas e proteção social. Rio de Janeiro : PUC-Rio, 2005. Tese de
Doutorado apresentada ao Departamento de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio
de Janeiro, Rio de Janeiro.
BRAMOVAY, Miriam. Escola e violência. Brasília, DF: Unesco, 2002.
BRUNETA, A. A.. B. O. da Educação: a visão dos policiais militares sobre a autoridade e a
educação. São Paulo: UFSCar, 2003. Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-Graduação em
Ciências da Educação, UFSCar.
BUENO, Gláucia da Mota. Adolescência, sexualidade e gravidez. Disponível em
<www.psikeweb.com.br>. Acesso em 20 de maio de 2006.
CARLINI, Elisaldo de Araújo. II Levantamento Domiciliar Sobre Uso de Drogas Psicotrópicas
no Brasil (2005). Disponível em www.obid.senad.org.br. Acesso em 06 de junho de 2008.
CARVALHO. Denise B. B.. Mapeamento das instituições governamentais e não-governamentais
de atenção às questões relacionadas ao consumo de álcool e outras drogas no Brasil - 2006/2007:
Relatório. Universidade de Brasília. Senad. Brasília: Secretaria Nacional Antidrogas, 2007.

220
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

CHARLOT, Bernard. Relação com o saber, formação dos professores e globalização: questões
para educação hoje. Porto Alegre: Artmed, 2005.
CONEP. Cadernos de Ética na Pesquisa. Ano V. Nº 9. 2002.
CONEP. Cadernos de Ética na Pesquisa. Ano VI. Nº 16. 2005.
COUTINHO, Luciana Gageiro, PULSIONAL - REVISTA DE PSICANÁLISE – ARTIGOS P 13-19,
ANO XVII, Nº 181, março/2005. http://www.editoraescuta.com.br/pulsional/181_02.pdf, acesso em
01 de março de 2008.
CRUZ, Bianca Sales; SILVA, Luana Carla Torres da. A contribuição do Proerd no combate a
violência no cotidiano da escola de Ensino Fundamental Clínio Brandão. Rio Branco: UFAC,
2004. Monografia submetida ao Departamento de Educação, UFAC, Rio Branco.
CUNHA, Fabrício Costa da. Perfil da Violência nas Escolas de Rio Branco. Rio Branco: UFAC,
2008. Monografia (Graduação em Pedagogia) – Centro de Educação, Letras e Artes, Rio Branco.
FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 2002.
GOMIDE, Paula Inez Cunha. The influence of violent films on children’s and adolescents’
aggressive behavior. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 13, n. 1, 2000. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010279722000000100014&lng=es&nrm
=iso>. Acesso em: 23 Jul 2007. Pré-publicação.
GONÇALVES, Victor Eduardo Rios. Dos crimes contra a pessoa - sinopses jurídicas. 3°ed. São
Paulo: Saraiva 2007.
Governo do Estado do Acre. Ocorrências registradas pelo CIOSP – por bairros. Rio Branco:
PMAC (mimeo), 2007.
Governo do Estado do Acre. Companhia Independente de Policiamento Escolar. Rio Branco:
PMAC (mimeo), 2006.
Governo do Estado do Acre. Conflitos interpessoais e as formas de intervenção. Rio Branco:
Polícia da Família (mimeo), 2006.
Governo do Estado do Acre. DIRETRIZ Nº 001/3ª EM/PM/01: Programa Educacional de
Resistência às Drogas e à Violência. Rio Branco: PMAC (mimeo), 2001.
Governo do Estado do Acre. Projeto Polícia da Família. Rio Branco: Polícia da Família (mimeo),
2006.
Governo do Estado do Acre. Relatório Anual das ações desenvolvidas pela Polícia da Família. Rio
Branco: Polícia da Família (mimeo), 2006.
GRIESI, Mônica. Drogas. Disponível em: <www.mgriesi.com.br/mgriesi/art_drogas.html>.
Aartigo, acesso em 04-05-2008.
GUIMARÃES, Áurea Maria. A dinâmica da violência escolar: conflito e ambigüidade. Campinas:
Autores associados, 1996.

221
Polícia Militar do Estado do Acre

I Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as


197 maiores cidades do país: 2001 / E.A Carlini ... [et al.]. – São Paulo: CEBRID – Centro
Brasileiro de Informações Sobre Drogas Psicotrópicas: UNIFESP – Universidade Federal de São
Paulo, 2002.
IBGE. Alunos no Ensino Médio em Rio Branco. Disponível em <http://www.ibge.gov.br>. Acesso
em 29 de junho de 2008.
II Curso de Capacitação sobre demanda e oferta de drogas. Resultado preliminar de pesquisa:
educador social Proerd. Brasília, Proerd Paraná, 2005.
LARANJEIRA, R.; et all.. 1º Levantamento Nacional sobre Padrões de Consumo de Álcool na
População Brasileira. São Paulo: UNIFESP/Universidade do Texas, 2008.
LEMOS, Cleide de Oliveira. Mudanças Geradas pelo Estatuto da Criança e do Adolescente Onze
Anos Depois de sua Aprovação. Consultoria Legislativa, 05 de Novembro de 2001. Disponível em
<www.senado.gov.br/conleg/artigos/politicasocial/mudancasgeradaspeloEstatuto.pdf>. Acesso em
18-06-2008.
LIMA, Reginâmio B.; REIS, José A.. Proerd Rio Branco: crianças e adolescents de bem com a
vida. Rio Branco: Boni, 2007.
LOPES, Jandicleide Evangelista. As representações sociais de prevenção ao abuso de drogas dos
professores do ensino fundamental: um estudo de caso. Disponível em
<http://servicos.capes.gov.br/capesdw/resumo.html?idtese=200326540001016001P0>. Acesso em
15 de junho de 2007.
MAFFESOLI, Michel. A dinâmica da violência. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1987.
MAFFESOLI, Michel. A violência totalitária: ensaio de antropologia política. Rio de Janeiro:
Zahar, 1981.
Mérito pela Valorização da Vida. Disponível em <http://www.pm.ro.gov.br/modules.
php?name=News&file=article&sid=1935>. Acesso em 19 de junho de 2007.
Ministério Público do Estado do Paraná. ABC do Conselho Tutelar. 2002. Disponível em
<www.mp.am.br>, Acesso em 02 de outubro de 2008.
ONU. O Brasil no relatório anual da JIFE. Brasília: Junta Internacional de Fiscalização de
Entorpecentes, 2007.
ONU. Perfil do País: Brasil – 2005. Brasil: UNODC, 2005.
ONU. Word Drug Report. V. 1. United Nations: office on drugs on crime. United Nations
Publications. 2006.
ONU. Word Drug Report. V. 2. United Nations: office on drugs on crime. United Nations
Publications. 2006.

222
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

PedagoBrasil. Disponível em <http://www.pedagobrasil.com.br/pedagogia/ policiais.htm>. Acesso


em 11 de junho de 2007.
PEROVANO, Dalton Gean. Concepção dos Instrutores do programa educacional de resistências
às drogas e à violência sobre a sua formação. Disponível em <http://servicos.capes.gov.br
/capesdw/resumo.html?idtese=20064340001016001P0>. Acesso em 15 de junho de 2007.
PIMENTA, B. D.; RIBEIRO, P. R.; SILVA, T. V.. Avaliação do PROERD – Programa
Educacional de Resistência às Drogas e à Violência. Brasília: UNB, 2005. Trabalho referente à
disciplina Avaliação de Programas Governamentais no Brasil - Curso de Ciência Política da
Universidade de Brasília, Brasília.
Polícia Militar de Pernambuco; Secretaria de Defesa Social; Gerência Geral de Articulação
Institucional e Integração Comunitária. Nossos jovens de bem com a vida. Recife: PMPE, 2007.
Policlínica. Disponível em <www.3apoliclinica.cbmerj.rj.gov.br/modules.php?name=News&file
=print&sId=278>. Acesso em 29 de abril de 2008.
Proerd. Manual do Instrutor Proerd. Tradução: Ademir Roberto Sander Alves da Silva e Tânia
Regina Candemil. DF: mimeo, 2006.
RATEKE, Deise. A escola pública e o Proerd: tramas do agir policial na prevenção às drogas e as
violências. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2006. Dissertação de Mestrado –
Educação, Florianópolis. Disponível em<http://servicos.capes.gov.br/capesdw/resumo.html?
idtese=200694100 1010015P7>. Acesso em 15 de junho de 2007.
Sapiensvita. Disponível em <www.sapiensvita.com.br/Default_Fixo.asp?a=ART&b=13&page=1>.
Acesso em 29 de abril de 2008.
SCHIEZARO, Maria do Carmo Maion; et all.. Adolescência e Sociedade: Construindo vivências.
Brasília: UNB, 2003.
Secretaria de Defesa Social. Resultados esperados no comportamento das crianças, com a
implantação do Proerd. Recife: PMPB, 2007.
Secretaria Nacional Antidrogas. I Levantamento Domiciliar sobre Uso de Drogas Psicotrópicas no
Brasil – 2001. São Paulo: CEBRID/UNIFESP, 2001.
Secretaria Nacional Antidrogas. II Levantamento Domiciliar sobre Uso de Drogas Psicotrópicas no
Brasil – 2005. São Paulo: CEBRID/UNIFESP, 2005.
Secretaria Nacional Antidrogas. Obid. Disponível em <http://www.obid.senad.gov.br/OBID/Portal/
index.jsp?iIdPessoaJuridica=1>. Acesso em 16 de Junho de 2008
Secretaria Nacional de Segurança Pública. Termo de referência para o Programa Educacional de
Resistência às Drogas – Proerd. Brasília: Departamento de Políticas Programas e Projetos/
Ordenação-Geral de Ações de Prevenção em Segurança Pública, 2007.

223
Polícia Militar do Estado do Acre

SHILLING, Flávia. A sociedade da insegurança e a violência na escola. São Paulo: Moderna,


2004.
Site Antridrogas. Disponível em <javascript:history.go(-1)javascript:history.go(-1)>. Acesso em 15
de junho de 2006.

Parcerias durante a Pesquisa

Ação Social da PMAC


Biblioteca Pública Estadual
Biblioteca Pública Ministra Marina Silva
CIOSP
Companhia de Policiamento Escolar
Conselho Tutelar de Rio Branco
Escolas das redes públicas e Privadas
Graf-set
Grupo de Pesquisa Sobre Terras e Gentes
Juizado da Infância e da Juventude
Karinas Cópias
Ministério Público Estadual
PMAC
Polícia da Família
Secretaria Estadual de Educação
Secretaria Estadual de Segurança Pública
Secretaria Municipal de Educação
Universidade Federal do Acre

224
Primeiro Levantamento Sobre Psicotrópicos e Violência Infanto-Juvenil de Rio Branco

Anexos

225
Polícia Militar do Estado do Acre

226