Você está na página 1de 30

to,rrestões

de

Vestibular

362

ouestõesdevestiburar

UNTDADE 1: ESTUDO

DAS

DTS.PERSÕES

E {FuvêstSP)Ouatrotuboscontêm20mL (mililiÍos) deéguacadaum.Côôcêsenessestubos dicromalode potássio(KrCrrOt nasseguinies quantidades;

A solubilldadedosa , a 20'C,é iguala 12,5 g por 100mLdeáqua.Apósagltáção,em quâis dos tuboscoexÌsÌem,nessatemDeratura,solucãosaturadaeíasesólidâ? d) ApenâsemB,C e D.

c) Apênásem C e D.

E (FuvesÌ-SP) l60gdeumasoluçãoaquosasaturãdãdesacarôseã30oCsãoresíriadosaOoC.Ouantô do acúcarcristalizã?

E

!l

E

a)

20 g.

Solulrilid.d.

c) 50 g.

d,

.âcoro

e) 90 g.

(Unicãmp SP)Umásouçáosâturâdadenitratodê potássio(KNO3)constiÌuída, alémdosal, poÌ

100 g de água,esláà temperaturâde 70oC.Essasoluçãoé resÍriadaa 40oC,ocotrendo precipi

têçãode parte dosaldissovido.Calcule;

â) ã môssado sôl queprecipitou.

b)

A seguir,o grálico dasolLbiidâdedo nÌÍato de

â mâssádo sâlque pêrmãnèóeu

emsôlúção.

potássio emfunçáodatémperatura,

Solubilidadê

do KNOsem ásua

lg KN03/100 9ll,O)

(UFRS) A aiálisede umaamostrade umcêrtorêrrigerãnteâprêsentouumaconcêntrâçáôde

ácidociÍicÒiguôã1,05g Lr.SâbêndoqLêâmâssâmôlardoácidôcítrÌcoéde21Og.mol r,á concenÍaçãodestasubstánciâ,êm mols/l,nêsiasoluÇãoé de aproxÌmadâmertei

dl

2

1a'.

(Unicamp sP) NumreÍrigerantedo tipo "cola",a análise q!imica .leterhinouumaconcen- trãçãode íonsfosíato (POl ) isuala 0,15 s/L. Qua a conceni'açãôdeÍosrato,en ôô s/1,nesÌe

E

E

(Unicáhp-SP) PÍêparouse uma sotúçãodissotvendo,se40 g de NarSOaem t0Og .le

temperãturadê 60oC,A seguira sotüçãoíoi resfriadaa 20oC,havendo Íormaçãode;m

águâ a uma

só ido

â) Oualô

b)

(Dãdos: âscurvasdê sotubitÌdade do Na,SO!.jOH,O e do Na,SO1,no gráÍico âbaixo;ã sotubiti .lãde está indicada,nôs dois casos,em "g de Na2SO4/100g de H,O,,.)

sólido que seÍormôu?

Oualâ concentrâçãoda sôirçãoÍÌnâ (2OoCì?

Solubilidadê

1gde Na:SO1/ 100 s dê ÈrO)

3!o,

{FuvestSP) A refiistâiizaçãocônsisÌeêm dissotvêrLha substânciâa umã dadâ

feror

Duas amôsÍas de écido benzóico,

procedrmento, nas se9uintes condiçóes:

temDerãtura.no

equi. ernia, d cotr(ao.obtendose, I srâi\da sub.ldn!rd.

voiuhe de sôlvpnrepossrvFt e a

cle25,0g cada, forãm recrisrâizadasem água segu.do esse

â)

b. Oud dd5d roslds p.'niiu

rDèdos: cu'vd oe solLbilidê.têdo d.ioo bêr/oi.o en

quê se dissolveem 100 g de ágLâ,em cadatempeÌarura.,

Calculea quantidade dê ág!a necessáriapâra â dissotuÇãôde cadâ âhosirâ.

obrêrrà

ôr ouanrioâdeoe ;ri,Ìàis dd sub

jn.:d?

L\o iaue.

aguã:Tassd êm gral dsdê ãL,.toben.oiLo

Solubllidâde

10dê à.'do

100q de H Oì

364

ouestôesdêvesribulâí

El

{uFRS) umamisturâé preparadaâdicionandòse80

umãtem pêratu rade 20 oC

pletâ.ìo sal.asegun,r;Íriô sea misÌúrâcuidâdosamente semâgitaçãoaté20oCApós'acrescen

ta-seum pequêno cristãldeacerátodesódloà nistura

g deacêtalo desódiÔem 100I deaguaâ

EsiamisÌLrâé,entãoaquecidaaté50'C,Ôbrendosea dissolÚçãocom

Estes procedimêntossãôesquemâtìzados abaixo:

lttl L]

I

l-Ì

l1**',1**'

t#l

Siiúôção 1

Í=20.c

sistemã

heterogêneo

t

t--

_l

Situação 2

T=50.C

sistema

homogênêo

tL-l1

I

l"::",#"I

t I

lphgl

Situação3

r - 20ac

T=20qc

Assoluçóêsobtidâsnassiìuâçóes 1,2' 3 e 4 são,respectLvâmenÌe:

a)

b)

c)

d)

e)

(Dãdo: o coeficìenÌe desolubilidadedÔacetatode sódiÔé de 46,5 g/100g dê H,o a 20'c )

insarurada, .ôncentradâ,saturãdae insâturada

supeÌsâturada, insaiurãdâ,saturâdae cÔncênÍâda

satursda,diluídâ,s!persâtuadâ e concentradã

supersãturadã, diluida,concenÍadae sLpefsaruráda

saturâdá,insaturada,sÚpersaturada e sâÌurãoa

I

E (EsappsP) OtèstereÍerêseaosêsuintesÍáfico:

i sorutt|io.au

ísÍámas desôlulo pâÈ saturâÍloo s deH,o)

{::

;

+I

I-i

i-f

)

',

:

1 nr,b -ï

';.Í

);1'l

|

:l

-

I-

I

--

r.r

--Ì-l---i

-.

f

I

r

i

l

r

i

!l

càlso,,

A menoÍ quantidãde.leáguâa 20oc paÍadÌssolver45 s deCelsoJ3é:

126 g.

b) 200 g.

al

dl

êì

225 g.

250 g.

lEl (FEl SP)um

químicopesou1oo s de Na2co.e dissoLveu osemáguââté200mLdesolução

Emseguida, mistúroucôm8OOmLde outrasolução0,5M do mesmosal A concentfâção da

a) 0,9rvl.

b) 1,81ì/1.

c) o'7M

d) 2,8M

e) 1,41ú

365

III

{MAcK5P) Preparousêumâsolução0,2mot/1,dissôtvendo-se j6,56 s de X{Cto3),êmásuã

suiiciente pãraque Íossemobtidos400mL desolucão.O cátionX é o:

 

d)

Sr

 

b)

Ms-

ê)

Ba.

IE

(MÁCK-SP) A partiÍ do diãsíamaabaixo, qoê rêtãcionaa sotubitidadedê doissaisA ê B coma temDerâturã,sãoÍeitasasafirmacóes:

Solübilidãd.

1s sãlr 100g dê HzO)

l) Existèuma única tèmperaÌura na qual a solubilidâdêde A é ìgual ô de B. ll) A 20oC,â sôlubilidadede A é menôr que a de B.

lli)

lV)

V)

Somente são corélas

A 100 oC, a solubilÌdadede B é maiorque a de A.

Asolubilidadê de B mantém-seconstantecôm o ôumento da remperâtura_

A quântidade de B que salurâ a soluçãoà temperaturâ dê 80 oC é iguat a 150g.

a)

l, le lll.

c)

l, llle V

IE (FISS RJ) 100mL de uma soluçãocontendo 9,8 g de H2SOatoram adiciônadosa 2OOmL de umâ soluçãocontendo 0,2 mol dê nirraìo de bário.Terminádâá rêãção,veriÍica se que:

a) há excessode ácido ê fôÍmôção de 0,1 mol dê súlÍâiô de báriÕ-

b) há excessode sal e íormação dê 0,1 môl de sulÍato de bário.

c) hé excessode ácido ê fôrmação de 0,2 mot dê sútfâto dê bário.

d) há excessode sal e lormação de 0,2 mol de suÌíato de bário.

e) não há excessode rèãsente.

IE

(Vunesp-SP) O eleÍólitô ehpregado em baterias de automóvel é uma sotuçãoaquosá dê ácido

sulÍúrico.Uha amosÍa de 7,50mL dâ sôluçãodã uma bateriarequêr40,0mL de hidróxidode sódÌo 0,75Ìú para sua neutrâlizâçáocompleta.

ã)

Cãlculea concentrâçãomolâr do ácido na solução dâ bateriâ.

b)

Escrevaâs êquãçóesbalanceadasdas rêáçoesde neuÍatização tôiât e parciât do ácìdo, íornêcendo os nomes dos produtos Íormados èm câdâ uma delas.

366

IE

(Vonesp SP) Alguns pfodutbs de limpezadoméstica consistem basicãmêntode so ução aquosa

Pârâreagircompletamentecom a amônia presente em 5,00mL de amosÍa de um determinâdo

prôduto de limpezaiÍofam necessários31,20mL de ácido clorídrico 1,00M,

 Ìeâção que ocotre é NH3rãqr+llcltãq)

>

NH4Cl1,q|

a) Calculêá côncênirãçãômo ar de ãmôniôna amosÍa.

b) Supondo a densidadeda soluçãode âmôniâ iguãl â 1 g/mL, câlculea porcentag de amônia presente na amosÍa.

(Dâdôs: hassasatômicas:N = 14 e H = 1.)

 

IE

(Fuvest SP) Vinâ9rèé uha soluçãoaquosacontendocercade 6% em mâssade ácidoacérico, Paradeterminarâ óônóêntraçãoeÍerivad6ss€ácido em um dado vinagre,pôdè se Íazer uma titulaçãocom soluçáo pâdÌãô de hidÍóxidô de sódio. Suponhâ que para tâ se use 10,0mL do vinagree se disponhade uma burelade 50 mL. Parãfazeressadeterhinaçãoco possivel, a so ução de NaOHde concentração (em mol/L) mais apropriãdâé:

a) 0,100.

(Dados: CH3COOH+ NâOH ---> CH3COONâ+ H,O;mãssãmô âÍ CH3COOH= 60g/mo ê densì. dadedovinagre = 1,0 q/mL.)

b) 0,150.

d) 4,00.

lE

(PUcFs) AfigurãabaixorepÌesentaumÍras6ocontendoduassoluçõesde s icosedeconcen

traçóesdiferentes,sêparâdãs por umâmembrânasemipêrmeávèl (m.s.p.):

 

H,O + g coso0,2 M

m.s.p.

H,O +€ tcose0,5 M

 

Pelaanáisedafigura, pode seaÍirmar que, âpósâlgumrêmpo,ôcore:

a)

aúmentodo níveldasoluçãoA.

b)

âúmêntodãconcentraçãoda soluçãoB.

c)

âumêntodâconcentraçãoda soluçãoA.

d)

diminuiçáodo níveldasoluçáoB.

ê)

diminuiçáodacôncentrâçãodôso uçãoA.

lE

(Fúvêst SP) Deseja-seobter BaSOa,sólido praticamente insoiúvelèm á9ua,misrurandoseA comB,cônÍôÍmea tabelaabãixo,Supondo que asúnicasoperaçóesa seréhÍeitassejammis turarê filirêí determinequal dascombinaçóes1,2 ou 3 permite obterBâSO1:

a) namaiorq0antidade possivel;

b) commaior purezapossível-

Expliquesuasrespostas,

2

200mLdêHrso{ ì.0mot/L

200mLdêHrso4j0,50môl/L

100mL de Na,SO.;1,0mo/L

IE

orËls"!qelq$r!!l!L

3!Z

(UFRS) Têm-seduâssóluçóesãquosasdituidas,ambascomconcenÍação de0,1mot.L-r,dâs

seguintessLbstênciâs: sacarosê {sotução1)ê

seesperar que

ô abâixâmentodo pônro decongeÌamenrô(.\T) do sôlvenrenasduâssouçoessêrá;

iodetodêcálcio (sotução 2).

pode

@ lvunespSP)A mãssâdectoretôde crômio (lt) hexaÌdrátãdo, necessáriapara se preparar 1L de umasoluçãoque contém20m9deCÉ. pôr mL,é igüãta:

E[

@

E

a) 0,02g.

{Dados:massâsmolares,eú g/mol: Cr = 52 e ctofeÌo de crómio hexaidrâtado= 266,5.)

b) 20 g.

c) 52 g.

d) 142,5g,

e) 266,5g

UN IDADE 2: TERMOAU iM ICA

(UFRs) Considereastransíormaçôêsâ que é suDmeÌ,oãumââmôsÍradeásuá,sem que ocora variêção da prêssão externâ.

-.- a

€)

b)

c)

d)

e)

as hânsÍo.mêçóês 3 e 4 sáô exotérmicas_

as Íãnsformaçóês I e 3 são endorérmicás.

a quantidadê de ênergia absôrvidaem 3 é iguat à quâ.ridade tiberadaem 4.

a quâ.tidade dê energiatibêradaem I é iguãtà quânridade tiberâdãem 3.

ã quantidade de energiô tibêrãdaem j

é iguat à quantidâde absorvi.lâ em 2.

(PUC SP) Na entálpiômolardé

â)

b)

c)

d)

ê)

Íormaçãode uma substáncianâo inftui:

a quantidade emprêSada.le reâgentes.

a temperaturana qual é reatizadôa medidâ.

o estâdo Íisico da substánciacônsiderada.

a di uição das sol!çoes empregadas.

o tipo de cristatizáçãô dos reageôresemprêqados,

F5' a equaçàôH ,

a) calorde formêçãoda ágLa.

'rul

2us

-

F)o,'

ÁH

68 t.ãtreprêsenta o:

b) câlor de cohbustão do hidrogênio gâsoso.

c) calor de cohbustáo do oÌigênio gâsôso.

364

EE

EE

(Cesesp-PE) aH para o processoc6Hr2oôrs)+ 60z!) --> 6co,iqr+6H2o12réchãmãdode

a) cãlordecombustão.

b) calordeíormação,

c) câlordesublimãção-

d) calor de vaporizãção.

{FMU-SP)Considerandoo diasramaãbãixo, podemôsâíirmâf que a entãlpiadeiormaçãodô CIF gâsoso é de:

+d""t.+F""'

EEI (Fuvest-sP) oualdosdiâgrâmasabâixo,nosentidoreagentes produtos, rêpresentaa reaçãômâis

a)

r +

ì

b)

I

,:.1

^"

c)

/\

.l)

e)

câmìíhodârcieto

EE (UNEB BA) O acetileno Íoi muìtousâdo parâ iìuminaçãode acampamentos,devidoà íorma tácilde obtè lo a padir do carbureto.A qüântidadè de gás eracontrolada pelã adiçãode água, Hoje,ouÍas reaçóes químicãs substit!êmêssailuminaç3onaslanternasa pilha, O acetiÌeno, porém, nãodeixoudeserimpo.tanrê, pois continuasendousado para aceleraro amadureci- mentodê frutase aindacomocombustivelnosmaçaricosdeoxi-aceÌileno, iá que suatempera- turade chamachegaa 2 500oC,âlémde largaimportânciaìndusÍial- Asequãçóesa seguirsãôdêobtençáoe utilizaçãodo acêtilêno.

l) cãco3 ---4--->

câo

+ cor.

lL)

cao + 3c --l--->-

câc,

+ co.

lll)

CaC,+ H2o

>

CrH,+ Ca(OH)+ E.

V)

C,Hz + O, --------->- co,

+ Hro.

com relâçãoà energiaenvolvida,classiÍiqueêmverdadèlra (V)ou Íaisa (F)cada alirmaçãoabaixo:

a) ExotérmicanãequaçãoL

d)

Endotérmicanâequaçáolll.

b) Endotérmicana€quãçãôL

e)

@ (MACK SP) Considereás equaçóesidmoq!ímicas:

crHrls)

co,lq)

2c1s,,,è)+ Hrlsr+ 43,9kcal;

-

-

clo.,r€r+ orls) -942

kcal;

ou€stòésdeVestibuhÍ

369

Em rèlâçãoà combustão completa dô âcêti êno, assinâle a alternativâ que indicâ corretamente seu calor dê combustão, a eì tèrmoquímica ap icadae o Ìipo de reaçáo,respecÌivamentei

a)

216,5kcâlj lei de Hêss;exolérmica.

b)

310,7kcâlj lei de Hèss;exolérmÌca.

c)

310,7kcalj lei da energia livrej endotérmica.

d)

66,1kcal;leida enercia livre; endotérmica,

ê)

66,1kcal;lei de Hess;exotérmica.

@ {FuvestSP) Calculeo valor de

para ê reãçãode combusÌãocomp eta de 1 mol de metano

gâsôsô, sendo conhecidosos dados ^H da Íabela abâixo:

H,,",* +o], -

H-o",

Cij + Ozd

Colsl

-

Clsr+2H!e) -

CF]aisr

ÁH ikca/moldo pÍoduio)

-sg

EE

tOSeCSet são dadasas eneÍsiâsdê lisaçáo,em kcal/mo, a 25'C e 1 aÌm:

H

H=l04kcaymol;

F

F= 36 kcâl/môl;

H-F-135kcal/mol.

Na reaçâode síntesede 1 mol de Íluoridreto,a parlir dass!bslânciassimples respectivas:

â)

sãoliberadas130kcal/mol.

d) são liberadâs135kcâ/mol.

b)

sãoliberadâs65kcâl/mol.

e) são liberádas270 kca/mol.

c)

sãoabsorvidas135kcal/mol.

E[

EE

EE

IOSËCSP)As entâlpiasdeformâçãodo So,isre do SO31dsão,respectivâdente,de,71,0kcãl

e .ìe 94,0kcâ|.a varÌaçãode êntâlpiâda reâçãoSO,1")* +Or1") -

so.rs)é de:

c)

165,0kcâ|.

lUFES)Sabendo que asentalpiasdeÍormação,em kcal/mol,do

propanô sãô 94, 68 ê 34, ÍespêctivãmenÌe,â entâlpiadê combustãodo propáno, em

kcal/mol,é Ìguala:

â)

sés carbônico,dâág!â ê do

196.

b) -520.

c) -162.

d)

128.

ê)

102.

(UNEB BA) aÍormaçãodoNaCr pode ser consideradaem váriaserâpas,comooconea

ru",",--L-> r.tu,n,--JL> r.ru;n,

-ì-*

]cr,,., --u>

c,n,-1!>

ct",

'"'',",

Com reÌâçãoàs enerqiásenvôlvidãs, pode

se aÍirmâr que há âbsorçãode energiaem:

b) Ìll,lVeV.

c) l,I e lll.

37O

ouestõesdeVestibulaÌ

g (UNEB BA)Sobrea lormaçãodo NaCldo exercícioanterior, podemos dizêrque nasdiversas

a) enerciadefusãoem .

b) enralpiade reaçáoemV

c) aÍinidadeeletrônicaemlll.

d) ênergiade ionizaçãoem ll.

e) energiâdècrÌstalizaçãoem l.

@ {UnicâmÈSP)Umbotijãodê gás dêcozinha,contendobutano,foi utitizadoemumfôgãodurãnÌeum

certotempo,apresêntandouha diminuiçáode massade 1,0kg.Sabendo qúê CaHlolc)+ 6,5o,1er=

= lCOrs - sH,o.q

â)

b)

(Dadosi volumemolârde ud 9ás ideala 25oCe 1,0atm = 24,5L;hassãsâtômicasretativas:

C=12eH-1.)

^H=-2900kJmol,dêlêmine

â quantidade decãlorquêfôiproduzidanoÍogãodevidoà combustãodo butãnoj

o volume,a 25oCe 1,0aìm,debutanoconsumido.

@ (UNEB-BA) Aenergialibêrãdanumacombustãoéutilizãda para reãlizarrrabâtho.

O motordeumautomóvelqueimaálcoolou gâsolina:

CH3CHTOH+ O, ---> CO,+ HrO+ enersia

CeHm+ o, --+

O homemnecessitade ênergiapara realkarsuasfunçóesvitaisê trabaìharusando,por exem

plo, a queimê dê glicosê:

c6H,2o6+ O, -- > CO,+ HrO+ enêrsia

CO,+ H,O+ enersia

Ouanridád

ênêrgia gâstâ por atividadê Eíêrgiâ íêc6ssári5 lkcât/h)

95

210

Ouaniidadè d. ênêrsi.

240

libêradâ pêlos âlinentor

 

474,5

Bife

19r3,8

358,8

Gasolina{composiçãomédia)CaH,o

-65,8

-300,4

68,3

Considerãndoas informáçóèsacima e a combustãototal, quanto à ênergiados combusríveis,

â)

o cálor liberado na queima de 1 q de CaH,oé maior que em 1 s de CH3CH2OH.

b)

á quêima de 1 g de etânol libêra 6,0 kcal.

c)

os açúcaressão os principâis combustÍveìsdo homem.

d)

a queima de 1 g de glicose corr€spondea, aproximadamentè,0,53g de etânot.

e)

todasàsquê mas apresenradassaoe\o!érm càs.

371

EE {UNEBBÂ) Comparandoo poder câlóricodosãlimentosdo exêrcicioanterior.ctassiíicamos

emverdadêirãs {V)ouíalsas (F)âs seguintesafjrmáAões:

Em 2 h de ciclÌsmo,consomê se, âp.ôximadamente,o corespondênre a j kg de maçãs.

Parasêrâr

madeira durante I h, consomê se, ãproximadamente,a eneÍgia corespondenre a

Para3 h dê cãminhada,gasta se, aproximadâmênre,a ene.gia produzidâ por 1 g de teite.

d) Um copo de cerveja (200g)fornecê, aproximadamente,energia pêra I h de sono.

e) 1 g de maçãfornecê ênergia para2 h de trabalho, seirando mâdeirâ.

EE

(F!vest-SP) 03 + c

CIO+O

o3+o

--+

O, + CIO >C+O,

20'

>

(l)

(l)

(nt)

.\H = 120kJ/hôt de O, ^H= 270kJlmo deo,

A seqüènciã das reações

Os átohos de Cl se lormâm pela âçãô de radiaçáo de alta energiâ sôbÌe os ctôrôÍtuorcaF

e I é propostá pârâ êxplicaf a desrruição do ozônio da estrâtosÍera.

a) Podê se dizer que os átomos de cioro ãìuêh como caialisadoresrâ desÍuição dô ozônio. Expliqueo porquê,

b) A destruiçãodo ôzôniorepresentadapeia eqLaçãolll é ÍâvôÍecidapor batxasou attastem pê à u'ãi JLstiÍique.om basê.o Àl dã 'eãçào.

EE turns)oaausasene'siasdelisaçãoêmkcal.môl r:

!E

c:

C-

143

Br

Br->

46

C-H

+

99

c-c

>

80

C

Br --->

66

A varlâçãôde êntalpiãda reaçãodê adiçãode broho

F,C :

CN"+ Br.

>

H.C

CH,, e ioLãla:

 

tl

Br

Br

a)

23 kcal,

b) +23 kcal.

c)

43 kcal.

ao alceno,represenÌadapela eqLâçãô

(UNEB BA) O enxoÍreaprêsentãseemduasesrruturascrisÌallnasdiieÍentes,o rômbicoe o

Comrelaçãoao gráíico

enxofremonoclínicôS(m),éÍalsoaÍirmaÌ que:

de onlalpia,de obÌençãodo SO"a pártir do enxofrerómbicoS(r)e do

â)

o enxolrèrômbicôéte.hodinamicamentemaisestávelqueo mônoclínico.

b)

o SO,obtidôtêmâsmesmaspropriedades, indepêndenredo enxoÍe de pâÍtidô.

c)

pará seobter1 molde S(m),a pârtir dô S(r), precisã-se tornecer100cal.

d)

S(m)e S{r)sãorormãsâlotrópicasdo enxofre.

eì a reaçãocomo S(r)liberãmaisenelgla que como S{m).

372

![

o,êstó."d.v."Ìibur".

(UFRS) Considerândoa reaçãorepresentadapela equaçãotermoquímicaNrlol+3Hr1!)

>

-

2NH3sr

= 22 kcâ|,são feiìâs ãs seguintesafirmaçoes:

l) A quantidade ^H de energialiberadaserá maior se o produto obtidô Íor dois mols de NH3no esrãdô liquido.

llì A decomposiçáode 6,8 q dê NH31s)âbsôrve 4,4 kcâ .

lll) A entalpiade íormaçáoda amôniaé de

1l kca. mol-r.

UNIDADE 3: CINÊNCA AUíM'CA

@ iEËÍVSP) Num rècìpientefêchãdosão introduzidos2 mo s de COíe)e 1 mol de O,rq).No início

da t.ansÍormaçáo 2COl!)+ Ols)

intervalo de tempo, passa a existÌ no recipienteapenas1 mol de COtd.Oua é, enrão,em funçãô

de vo, ã velôcidâdeda .eação?

2COls) a velocidâdè da rêação é vo. Dêcorrido um ôerto

-

@ (UFPA) Obseryeos fatorcs ãbaixô mencionãdôs:

1)

concentraçãodos reagentes;

2)

cor dos reagentes;

3)

tempêratura dos reâqêntes;

4)

presença de cata isador.

Assinãle a a ternativa que contém aqueles que aÍeÌam a velocidadedê rêêção;

ììl

(OSEC SP) Em

a) possuÌ mais energia que os reagentesou os produios.

b) age comô catalisador

c) semprèíôrmâ prôdutos.

d) é um cômposto êstável.

e) possuÌ menos energiâ quê os reãgêntêsôu os produtos.

umâ réáçãô,o complexo ativado:

E IPUCC5P) A combus'aodo propano obedeced pquaçáo:

CaHsisj+ 5o,rer > 3CO,is)+4H2olsr

Hâvendcconsumode 0,5 môlde môléculâsdo p.ôpânôem mols de CO, por minuto,é:

a) 0,033.

b) 0,3.

dl 0,2.

15 min a ve ocidadeda reação,em

!E

(FËSP_SP) Dadaâ rêâçãoa + B ---> C + D, que se processa cômvelocidadèx, sêãscôncen ÍaçóesdeA e Bioremreduuìdasà metade,a novâvelocidadeda reaAãoserá:

â)x.

ili"

ol".

ot ]-.

t

*1'

@ (Fuvest-SP) Fero na Íoma

de palha de aço (por èxemplo, Bom BrÌl)êníeÍuja maìs rapidamênìê

do q0e nã lôrmã dê um prego. Por quê?

@ (UFSC) A reação genérica A + 28 > produtos se processâ em uma únicaêtapâ.SLâ cons

Ìânte de velocidadeva e 0,3 Umol min.OuaÌavelocidadedareaçãoêmmol/L.minquãndoas concenÍaçoes de A e B íorem respectivãmente2,0 e 3,0 mo s/L7

373

@

(Vunesp SP) Umâ misturadê 2 volumesde H, gãsôso e 1 volumedê 02 gasoso,quando submetidaô

uma laiscaelétricâ,reageexplosivamentesegundoa equação:2Hr{gr+O,rer grande quanÌidãde de enersia.

>

2H,Oisrtiberando

No entãnto, se essa mÌstura for âdêquadamento isolada de inÍluências êxternas ipor exempto,

Íaíscaèlétrica,luz, ),pode

ser mantida por longo tempo, sem que ocoÍa reação.

Se, âô sistema isolado contendo a mistufa gasosa, Íorêm âdicionadas raspasdê ptatina me1áti câ, a reaçãotambém se processará explosivamenteë, nofinô1,a plarina adiciônãdapeÌmanecerá quihicamente inallerâda.

â)

Explique por que no sistema Ìsolado,antes da adiçáo dã plâtÌnã, não ocorê â reaçáode Íor

b)

Explique por que a platinâ adicionâdâ áo sistema isolado Íaz com que a reaçáose processe

@

(Vunesp SP) KCI03 precisá sêr aquecido até cercade 400oC para que sê decomponhâ, íormân

do O, ê KCì.Quândouma pequenaquantidade de Mn02 é adicionadâ,o

KCt03decompõe-se

facilmênte â 270 oC, e no Íinald6 reaçãoo MnO, permanecêquimicámenre ìnatrêrâdo.

â)

Escrevaa equaçãobãlanceâdâdã decomposição por aquecimentodo KC|O3,

b)

Explique por qoê a presença de lúno2 reduzã temperatura de decomposiçáodo KC|O3.

m

{UFBS) Umâ Íêaçãoé de pÍimeirã ordem em relaçãoao reasènteA ê de primeirá ôÍdem em relaçãoao reagenteB, sendo rêpresentada pela equâção2Arej+ Brer ---> 2cÌsr+ D1s). Mântendo a lemperatura e a mâssâcônstântêse reduzindo à metade os voluhes de As)e B1er,â velocidadedã reação:

b)

Íicã reduzidaà metade.

d)

fica oito vezesmãior

o)

Íicã quatro vezesmênor

EA

(UFRS) Aumentando a iemperaturâ dê .êâlizáçãôde uma reãçáo química êndorérmicâobservâ

l)

diminuiçáona sua velôcidãde,pois diminuia energiade ativaçâo.

ll)

aumento de sua vêlocidâde,pois diminui a sua energiade ativãção,

lll)

aumènto de suâ velocidâde,pois ãumenta o número de molécu as com energiâ máior que ô energia de ativâção.

Eg (Êuvêst sP) En sôluçãoaquosaocore atransÍormaçãoHrO,+ 2t' + 2H' +

2H2o+ t2.

Em quatro experimêntos,mediu-seotenpo decoirido paÌa a formaçãode

2, tendosenamisturade re8çãoasseguintesconcentrâçóêsiniciaìsde reagênrês:

mesmaconcent.âção

conc.nlraçõêr

I

inicirb

(mol/L)

 

o,25

4,25

o,2a

0,11

4,25

o,25

s7

l

o,2a

4,25

o,17

o,2a

o,25

65

Essesdadosindicâm que â vêlôcidadeda reaçáoconsideradadependeapenásda concenÍaçãôde:

d)

H'

374

E4 (FEl'SP) Expliqúêporqueavelocidadedareaçáog,,Hzo1,+H,o ->

c6H,,06+CôHfO6

ì

quêndo eÍeÌuadaem soÌuçáoaquosâdiluídãnãodependedaconcentrâçãoda água.

UNIDADE

*

EAUILIBR'O

AU'MICO

EEt traee Spt Escrevaa éxpressáodã constanrede equìrÍbrio pará a reaçãorepresenradapêta

equâçãoCíd+ HrOlE) =

COk)ê H,lsr.

@

{FAAP-SP)Escrêvaa expressãoda constaniedeequilíbrio,emtêrmosde pressão,para a reação

representadapela equaçáo2NâHco3Ìe =

Na,COq,+ Hrols)+COr{s).

E

{FAAPSP)Emuh recipientede 500mLencontâmse,emcondiçôesdê equitíbrio,O,48 g dê NO,e 2 g deNrOa.Câicúleâ cônstantede equilíbriodo sistèma,êmtêrmosde concentração,

@ {FAAP'SP)Câlculea cômposição {porcentagemem mols)da mistoragasosa êxistenteem um

'ecipientêoadeocored

Sáb€-seque, inÍcialmente,sãointrodúzidosno recipienre3 molsde SO,e 1 moldê 02e que,

quando seestabeleceo equilíbrìo,nosistêmãe;iste1 moldeSO3,

rêácão 'ep,eseltãda pelã equ"""oSO,

I

O

.--:

so,.

@ (UFSC) Paraa reaçãoA+B =

C +2DÍoramobtidss,no equilibrio,asseguintêscôncen-

Íaçóes molâres: IAI = 4,0,tBJ = 3,0,tcl = 1,5e IDI = 2,0.côm bãsenessesdâdos,cêtcuteâ con centraçãomolardeA quando IBI = 8,0,ICI = 4,0e IDì = 2,0.

@ (UFRS) Súponhââ reaçãogenéricãA + B =

AB, que é inicÌadâcom2 môtsdeA e 2 mots

de B,Calculea conslâ.têde equilibrio,sãbendo que, apósãtingidoo equÌiíbrio,a quantidade deA existenteno sistèmaé dê 0,5mol.

EI (UFoP MG) A reâçãoH,Oírl+ COrs) +

Frlo)+cols), em èquilíbrio,âprêsêntaasconstantes

cinéticasnâsdireçóês1s2iqlaisakr=21oaL'z.molj.hIek28.104L,.mot 1-h1,respec

tÌvamente.sâbendoquevl = krlHrOllCOIe v, = klHrìtcorl, catcute:

a) a constantede èquilÍbrìono sentidol.

b) aconc€ntraçãodeCO?s),no equiibrio,sabendo que asconcenÍaçõesiniciêisde HroloreCO{gr

sãoiguâisa'1,0mol/L.

@r

(Fuvest SP) N,O.e NOr, gasespoluentes do âr,encontrâmseem equitíbriô,comoindicado:

NrO4 =

2NO,.

Em umãexperjência,nascondiçôesambie.tes,introduziu-se1,50molde N2Oaem um reatoÍde 2,0L.Estãbelecidoo equilíbrio,a concenÍaçãodê NO2fôidê0,060mot/1.Ouato vãtorda cons tanteKc,emÌ€rmosde concentração,desseequÌlíbrio?

al 2,4 1oa.

c)

d) 5,2.1Or.

5,0 - 10".

e) a,3 ]r'z.

EE {EEM-SP)Num recÌpientêvazio,cujacapâcidadeé de 4,OOL,sãointrodúzidos2o,ss

s de pct5.

PCl3+Ct,,a pressão aringi

da pelo sistêmaresultaiguala 1,23atrÍ,Admitindo que o comportamentodo sistemásejao de um gásperfeito, calculeo gÌau dedissôciâçáotém icado PClsnoequilíbrioreferido,

Aquecidoâ 120 ôC, v€riÍica-seque, estabelecidooequilíbrioPCl5 =

(UEL PÊ) Pararesponderâsquestões de números64e 65considerea reação:

X"!r+ Y,rrr =

lYrl=0,22mol/L,lXYÌ=1,56mol/1. ^H

2XY1s)

>0, qúecôntém, emequilíbrio químico, tx,t=A,22ndtL,

375

EE A coisrãrrêdêÊqri,b'o rc e ,al.ülêoa pêta erp'esqáô:

t1,56F

"'tl2uIr2n ^,

,.

Il,56l

210,221

"'Ic-2zllttrrr2l ^,

t0,22f

"'-Í-86É

-,

"'I1's6P

210,22)

t1,56F

@ Oequilibrio pod6 serdeslocadono sêntidôdâíôrmaçãodeXYlgr pe a:

a) iniroduçãode um cãtalÌsador

b) elevaçãodâtêmpêÍatura.

c) diminuiçãodapressáo,

d) elèvaçaoda pressão.

@ {Vu nesp-SP)Consldereo êqüilibioFe3oas)+ 4H1,) =

3Fe1s)+ H,Ors)a 1bO oC êmrecipienteiechado.

Fsc'evd a

PÌeveja, j!sÌiÍicando,

"\p.ê.sâô

dè coisldlle

dê eqJHorio

êàçáô.

qual será o efêito da âdição ao sistema em equitíbrio

de

@ (UFSM-8S) A constariêdê equilíbrio para a reaçãoN,tqr+ 3H,rs) = aumentodâtêmpê.â1ura.Combasenessedâdo, pôde seaíirmar q!e:

2NH3hrdiminuicomo

a) a formaçãode NH:é umaÌêaçáoèxotérmióâ.

b) o equilíbrioda reaçãodeslocase para â direita,como aumenrodâtemperarurê.

c) hádiminuiçãoda velocidadedã reaçãoendotérmica pê o aumentodarèmperaiura.

d) a iormáçãodê NH3ocorrecoma absorçãôdêcalor,

e) o aumentodaiempêrát!râfavoreceok) prod uto{s)formado (s)pelâfeaçãoêxotérmica.

@ {lTASP) Dentrode um forno,mantidonumâremperatursconsrante,rêmosum Íecipientecon-

iêndô0,50molde Ag1,),0,20molde Ag2orsÌe oxigênio gasoso exercèndoumapressão de O,2O

âtm.Astrêssubstânciâsêstãoemequilíbrlo químÌcô. Câsôâ quantidade deAgrO1")dênÍodo

reoplente,nã hesmatemperaiurâ,íosse0,40mol,a pressão, emãlm,do oxigêniôno equi-

EE

â)

0,10.

b) 0,20.

c) 0,40.

d)

r 0,20.

e) 0,80.

tret sp) U- Uos processos indusrr'aisdêobteoçãodo sás hidrosênioé representêdo abaixo:

3Fêre+ 4Hzore) = A 300'C,colocame

sêa presença de6 môlsdevapordêáguâ,AconstântedeequilíbrioK.,parâ âtemperaturádádâ,

5 môlsdeFe€ 10molsdevaporde águã.Aô âtingiro êquitíbrio,obsêrva

Fe3o41"r+4H2hr

OH > 0)

valeaproximádam€nte:

a) 0,20.

b) 1,00.

d) 6,50.

e) 3,05

376

ouestóesdeVestiburaÍ

@ {FEl'SP) No exercícioanterior, para auhentar a produçãode hidrôgênio devèmos:

a) a!mentêr a pressão do sistemê.

b) diminuira pressão do sistema.

c) ãumentãr â têmpêraturâdô s siemâ.

d) diminuir a concentÌaçãode Íero.

e) Íodôs estãocoÍetas.

E (FEl SPì Uma das etapasdô produçãoindustriêl dè écidÒ*lÍúÍico (H,SOa) é a conversãode SO2

.E

em

Ouando30 mols de SO, e 15 mols de O, são co ocadosem um ^H reâÌôrde 20 L, â 1000 oC, obtèm se,

nô èqLilíbrìô,18 mols de SO,.

A côncentráçãôde SO3obtìdâ no eqoÌlíbriosêrá:

SO3,sêgundo a equaçáo2SO,1sr+ Ozs) =

2SO31s)

= -45 kca .

a)

0,6 Í\4.

b)

0,3 M.

cl

1,2M.

d)

12,0M.

e)

6,0 M.

(FEl SP) Com relaçâoà questão anterior,assinaleos Íalores do processo de queimá dô so, que pôdem melhôÍár ô rendimêntô nã prodúção de H,SO4.

a)

Aquecimento do reator e diminuição do O,.

b)

Aumênto da têmperâtorae da pressão.

c)

A!mento

da pressãoe diminuiçãodâ Ìemperãtura.

d)

Besfriâmentodo reator e diminuição do SO.

ê)

Aumento do SO2è ãunento dâ têmpêráturâ.

E (Vunesp-SP) Há dois sistemas gasosos em equilibÌio,cLlâscônsrantesde equilíbriosão dadas pelâs êxpressóês (l) e (l)a sêsúÍ:

IH"OF.ICI,F

tHcrr.to,l

Nessas.ondiçoes:

(ti)

tcH,l . ÍH.sf -- ICS,t . tH,r

â)

esôrêvãa êq!âção quimÌcapâra cadaum dossistemasem equilíbrio.

b)

dêtêrmineo efeitodo aumentode pressão sobrêcadaum dossisiêmãs.Justilique.

lE

ivunesp-SP)A reaçãodecombustãodemonóxidodecarbônoâdióxidoclecârbonoé !m procês sodeequiíbrio quÍmicohomogêneogasoso.

a) Escrevâa equação química balanceadado equilíbrio químico.

b) Paraaumentara produção dedióxidodecarbono,a prêssão dô s stemadêveseraumenft da-Justiique porquê.

E tOSeCSpt Considerea reação2X + Y =

X,Y nÌciândocom2 môls/Lde X e 1 mol/Lde Y o

equilíbrioé obtidoapósa reaçãode75%deY Asconceniraçóêsde X,Y e X2Yno equilibrio,são respecÌivamente:

a) 0,25;0,75;0,50.

b) 0,50;0,75;0,25,

c) 0,5OiO,25ì0,75.

d) 0,75;0,50;0,25.

E

ÍE

E

@

ou€sÌóêsdeV€dibútâf

377

(Fuvest-SP) A reaçãoreversivêlco valoresdaconstântedeequÌlíbrio:

+ H,o

=

cO, + H,,em íase sasosa, âdmiteossèsuinres

T (ec)

225

425

625

425

995

0,007

0,109

0,455

1,08

1,75

Pârtìndode umamisturaequimolardeCOe HrO,responda:

a) quais os

b) em qual dâstemperâturâsãcimarelacionadas/asconcenÍaçôesdosreagentese produtos, no êquilibriô,sãôãproximadamenteiguais?JustiÍique-

compostos quepredôminãm, noequilíbrio,a 225oC?

(PUc sP) considereo processo em equilÍbrio2x1or =

Sea concentrâçãoinicìalde X é 0,2N4e passa a 0,04fvlapóso estabelecihentodo equÌtíbrÌo,é porqLe â cônstântêdê êquilibriovale:

aì 50.

x,lsr.

b)

100.

c)

200.

e)

800.

(OMEC SP) Numrecipientevãziosãocolocados2,5molsde Hrolr)e2 tuolsdeCOls),â umâ temperaruÍâde 1273K-EsÌabelecidoo equilíbrio,nota-sea presença de t holde corl,)nosis lêmá.o vãlô,nrré' code Kp,les\d temperatu'd. pa.d ê redrao

COls)+H,O1sr =

a) 5,

Corls)+ Fzl,),é:

c) a.

5

d\ 2-

e) 3,

(UFOP-Í\,lG) Na questão abaixo,respondâ:

â)

seãpenasa aÍirmativã| Íor coneta.

b)

seâpenasa lÍor coreta,

c)

seapenasasaÍirmativasI e ll Íoremcotretas.

d)

setodasasaÍirmativasÍoremcoÌretas.

e)

setodasasafirmativasforêmincorrètas.

l) A energiadeaÌlvaçãodeumâreação quimica é â ênergianecessáriapara transformâros reagentesnumcomplexoativado quepoderá originaros produios.

ll) A misturãde v1 L de soluçãoMi molãrcomv2 L de outrasoluçáoM2 molãr,clemesmo

/m", u-", I

ll ) O vã or nrmérico dâ constântede êquilibriôdê Lma reaçãosê modificaquandô âs concên- lrações de quálqoêr rêâgentéou prodúto são âkerãdásé quândô ã pressão sobre ô sisrema

378 ô'."róesd" v."ribua'

EE

(Vünesp sP) Dêfinâ,ôu conceitue,ê disóLtã,usandoexemplos quandojulsâr ôonveniente:

a) a ertálpiâmôâr padrãô deíoÍmãeãôdêumâsubstânciã;

b' d ê dêHeçse srè aplicãçào

c) â cônstantedo produto de solubiidadede um sal pouco solúve

d) o

èm Te'rôqumicaj

;

eíeiÌodo íoncomumnoeq!ilíbriode!m sal pouco soÌúvelcomseusionsemsolLcãoaquosâ.

UNIDADE 5: OS 'ONS NO EAU'LíBRIO AUíMICO

Iu

EA

riuvesÌ sr)

rnlre ôs ralrõoç dã Ìãberã:

temcaráterácidoapenas:

IHï

0.10,

0.10.

IOH ]

á)

o eitee a áSrima,

b)

a ésuade lavadeira.

c)

o caíé preparado e a CocaCola.

d)

â éguado mõre a águade avadeira,

(FEI-SP) A anárisede umadeterminádaamostrâde rêrrige.ãntedêrectou pH= 2.A concenÍação de íonsH" ressereÍigerântêé:

d)

r0' M.

E

(FEl SP) A

indústria de reÍrigerantesutjlizãácido carbôrico {l-l,CO3) como conservánÌê,ô quat é

âdicionadoaté que sejaatingido pH - 2 em sêLs prodotos. Neste pF a quantidâdé dê íônsHì, Po.litro de so ução,é:

(Dãdos: massasatômicâs:H = 1;C = 12e O = 16.)

 

@

(Vunesp SP) Um sucô dê tômate teh

pF = 4. lsto signiÍica que:

a) suco apresenta propriedades âlcâlinas.

o

 

b) concentraçãode

a

ions

HjO' presèntes .o

suco é 104mol/1.

c) a concêntraçãode íôns H3O'preseniesno suco é 10 a mol/1.

d) a concêntrâçãode íôns OH p.esentesno suco é loa mol/1,

e) a concênÍâção de íons OH presentesno suco é 1Oamol/L.

E

(Vunesp SP) O pH de um vinagre é igual â 3. A concenÍâção dê íôns H+ nestêvìnâgre é igual a:

cì

3 g/L.

e)

3 6 1023mol/L.

ouêstõesdevestiburar

379

@ (EEP-SP) Em 1 L de soluçãôde ácidocloridrico{HCi)com pH = 3,0ioÌ adicionâdômãis 1 L de

áquâ pura. O pH da nova soluçãoserá:

a) 1,5.

b) 6,0.

c) 6,6.

d) 3,3.

el 3,-1.

@ (UFOP-N4G) Considerea reaçáode dissociaçãoda báse pouco solúvel Ítl(OH)r,em 2,0 L de

soluçãoaquosâ, de acordo com a equaçãó M(oH)rlaqr = [4i]qr+ 2oHãqr'ouando se atingiu o

êquilibrio,tinha-se2,00mols de M(OH),e 0,002mol de OH .

a) Calculea constsnte de equilibrìô, K".

b) Calculeo pH da so ução.

@ {USJTSP) VeriÍica-sealteração na cor do chá mate âo se âdicionarem gotas de suco de limão.

lslo acontêce, pois o chá mate devecontêralgumasubstância que âtuâcômô indicadorde pH. Para retornar à co. o.iginâ! do chá mãte, qual das subsiânciasabaixo você adicionarla?

a) salde cozinha:NãCLj

b) vinagrè: CH3COOH;

c) açúcar:C,H2,o,1;

dì amido: (C6H,oOs)r;

e) fêrmento êm pó químico {tipo Pó Royal}, que contém Nâ2CO3+ NaHCO}

@ (Unicãmp SP) Do repolho roxo pode se extraÌt por ÍeÌvu.â com água, uma subslância que é

de um ácido Íraco cuja

responsável pelê s!a côlôraçãocarâcÌerística-Estásubstãnciâé uh ânion

dissôciâçáo pode ser escritacomo HB

=_

H'+

F .

Utilizandoesteequìlibrio,explique por qLêã adiçáode vinagreôu lìmão (ácjdos) ã êsteexÍato fêzcom que elemudede cor

EE {unÌcâmp SP) As propriedâdêsde um indicadorácidobaseestãoesquêhãtizadasnaequâçáô e nâfigurâa sêguìr:

lverdê)

Oue cor aprêsêntaráeste indicador quândo adìcionadoen câda umâ das soluçóesaquosas das

seguintessubstáncias:

d) cloreto de hidrogénio.

I'

380

E[

(FuvestsP) NâtâbêlêôbaixoestáoindicadasasconcenÍaçóese os respectivospH desotuções ãquosasdetrêsácidos:

 

PH

0,10

t,0

0,'Ì0

0,t0

5,1

a) Sabendo que ôsácidossãomonopróticos,comovôcèexplicaosvatoresdiÍerentesdè pF?

b) Parareagirtotaimentecomvoluhesiguaisdassoluçõesdecadâum dêssêsácidos,a quanti dadenecessáiade umadadabâseseé a mesma?Exolioue.

EE (Foc-sPì considerandoássol!çõesa

pH=4

pH=a

A afirmaçãôôorretaé:

a) a soluçáôlé ácidae IH+l<IOHI.

b) ã soruçãolé básicáê iH'l < IOHI.

c) a sôiuçãolé ácidae IH'l> toHÌ.

d) a soluçãoll é básicae tHtl > ÌOH-ì.

e) a soluçáoll é ácidaê tH'Ì>IOHL

EE (Fuvest sP)

146

134

3.10r

Acidosádípicoe málicosãousádos pârá conrrotaro pH de refrigèrântes,MosÍè quat dosdois ácidos,ao serâdicionadoatéâ concentraçãode 0,5g/L de reírigerante, acarerará pF resuttante mâisbaixo.A respostâ pode serjustiÍicadãsemcélcrlos.

EE (FEr sP) OssulÍetosmêtálicossáoenconÍãdosem

sfande quántidade nanatureza.Sabendô

que a 25 oC o produto de solubilidadedo srtfêrodeZn {ZnS)vate1,3.1fr3, dererminesuãsotu-

bilidade,em mol/L, nessatehperãtura.

a) 3,6.10 rz

b) 3,6,10-3.

d) 3@.10

ê) 3,49 105,

EE (EEp Sp) Oituinaou.a soloçáodê um ácidofÉco, â constantede ionizaçãô, o srau de ioniza ção e a concenÍaçãohidrogeniónica,respectivamente:

a)

diminui,diminui,dÌminui.

D)

aumenla,ãumenta,aumenta.

c)

ãumenta,diminúi,aumenta.

d)

diminui,diminui,âum6.ta.

ê)

nãosêdlrerd,ãumenra,dihinui.

E

@

@

E

ouêslõôsdevestibuÌáÍ

381

(FEl SP) L.lmasolLção0,01M de úm honoácido está4,0%ionizada.A constãntede ionização

a) 16,66 10 J.

b) 1,66.10 5.

c) 3,32 .1O_5.

(lTA SP) A 60oCo prodLto iônicoda águá tHrl . IOH ì,

âquosas nesÈ temperaturâ são íeirasas seguintesôÍirmaçóes:

é igúêtâ 1,O.tO-r3.Em re âçãoa sotuçóes

l) Soluçõesácidãssão aquetês que têm pH < 6,5.

| ) SoluçõesneúÍãstêm pH = 6,b.

ll ) SÒluçoesbásicãsÌêm pH > 6,5.

V)

pH + pOHlem quesêr iguala 13,0.

V)

Soluçáoôom pH 14é impôssívecleser obtidã.

Das âfirmaçóesanieriô.es esrãocoÍerãs:

d) ãpenas , l,

lle lV

lPUCSP) O qás âmoniacoe â ág!a estabetecêmum equitibrio quimico qLe podé seÍ réprê

sentádopera eqoaçãoNHsor+

Com rêlâçãoao sistêmãreÍerido:

r)

b)

H,o

=

NHi + ot-l .

indique qua a Íalxa de pH dôs sotuçôêsãquosasde amôriácô;

ôomente â pôssibilÌdade de soluçóesáci.lasexâtaremodor dè êmoníacô.

lUnicamp SP) O íetro é om dos elemênios hais

abundântès na *osra

rerresïre O ion

tero

Fer3"'qÌ+ 3H,oÌ4 = Fê(oFt)3.)+ 3Fiôqr.

a) coh

llen

solLçãoãquosa é hidrôtisadode acordô com a equaçãô

basê nestâequação,eÌpliqle

por qLe na ásua do mâr (pH - s) náo há íons Fe;'ql

b) O que sê pode dizer sobrê as ásuâs de derermÌnadosrios que são ricâsem íôns Feiô,q,?

IIE

lE[

lvunesp sP) DenÍê âs ãtrernartvasâ ses!,r, assrnâe a que conÌem a arirhação inôôrreÍa.

a) Segundoa definiçãode Arrhenius,ácidoé rôda subsrâncta qúê em sotuçãoâqLosaproduz

b) Um óÌido anÍótero reageÌanto côm ácido como coh base,lormando sat è

c) Segundo a deÍiniçãode Lewis, bâse é roda substânciãcapazde doâr um pâÌ de etéÍons.

d) As soluçóesaq!osês de sais são sempÍê neltras.

e) A acidezou ã baslcidádede uma so uçãôaquosaé exprêssapor mêio de úma escaa qLe vâr a de0 a 14.

água.

tret sp) Nacoreçãodo pH dâ ásuade umárepresa,utrtrzouse booL de

Ca(OH),comconcenÍáção2 M. Cônsideran.loa dissociaçãoda bâseiguál a gO%, o número

de molsde H'neutrãlizádosÍoÌ:

ê) 1000. b) 500.

umâsotuçãode

cl 250.

d) 1oo.

e) 50.

342

ItrA

(PUCC-SP) A hidroxiapatira,fosfato naturarmenteèncontradono soro, apresenraem meio

ácido a reação cas(oHxPol)3{s)+ 4Hiâqr

A adição de hidroxiapatita em determinãdos locais modificâ o solo, pois:

scaâ.qr+ 3HPq;q)

+ H,o{r.

-

a) aumenÍa o pH, devido à Íormação de ácidos.

bì dimìnui o pq, dêvido à Ío'hàçao dê ác dos.

c) aumenta o pH, porque consome Hiaq).

d) dimìnoì o pH, porque produz sãis ácidos.

e) aumenra o pH, pôrque produ,fuuâ.

I@ iFEl-SP)Temse umasoluçáo2,0M dê NHaOH2,0%dissociado;sedobrarmoso volumeda solução pela adiçãode águâè considerarmoso mesmo grâu de dissociação,o pH. apósê

IE

l@

I@

al 1,7,

b) 3,4,

c) 6,3.

dl 12,3.

el 12,6.

(FEl SP)A chuvaácidaocore em regiôesde altaconcentraçãode po!uènresprovenientes dâ queima de combustíveisíósseis,Numachuvanormal,o pH estáemtornode 5,0e,em LosAnseles, já ocoÍeu chuvacom pH emtornode 2,0.A concsrtrãçáode íonsH'dessa chuvaocoÍidã em LosAngelesem relaçãoà chuvanormslé:

bì 1000vezesmenoi

{Vunesp-SP) Mediu'se o pH de soluçóesãquosasde NaCl,C6H5COONa {benzoatode sódio)

ê NHaCl.Os resultadosobtidos indicaram que a soluçáo NaCl é neuÍâ, a de C6HsCOONaé básicãea de NHaCIéácida.

ã) Expliquepor que as soluçoêsapresentãmêssascâractêÍísticãs.

br LsL.êvda èouaçáoou mica correspondentêa oissolitáo de cadâsubslán.iaem agLa.nos

cãsos onde ocore

hidrólise. Escrevâa expressão dã constante de equilíbrio em cada um

{Fuvest SP) Em umâ sôluçãoobtidá pelâ dissoluçãode cloretode cobalto (ll) em ácidoclôrí

Ico(H,o)6tâï)+ acrl,q) = Icocr4tã;r+ 6H,o{r

ObsêB.çâo: O compostoCo(HrO)e',em soluçãoaquosa,assumecolôraçãorosadae o com posto Cocli, tambémem soluçáoaquosa,assumecoloraçãoazulada. Essasoluçãofoi divididaemtrês partes, câdaumacolocadáêm um tubode ensaio.Câdâtubo dêensaiofoi subhetidoa umatemperatu.adifeÍente,sob pressão ambiente,comoilLstradoa

a) Émquesêntidoâ rêâçãorepresentâdaabsôrvecalor?Justifique.

b) Êm qualdessestrês experÌmentosa constantedo equilíbrioapresèntadotemo menorvalor?

383

llE

tVrn""pspt A aspirjnâe o ácidoácéri.osãoácidosmÒnopÌóticosiÍãcos,cujasconsrantês

de dissociãçãosãoiguãisa 3,4.10

a) Considêresoluções0,1mol/Ldeca.la!m dessesácidos.OLâ sot!çãôapresentãréo menor pH? Justifiquesuêrespôsra.

b) Seossaisdêsódiodestesdôisécidoslorem dissotvictosem ágLâ,ÍoÌmándo

a e '1,8. 1o 5,

respectivãmenre.

duassôtuçoes

dê concenlraçãô

0,1mo/1, quã dentreas sôluçõesresuttantesãpresenrará

mâiôrpH?

Justifiquesuarespôsra.

UNIDADE 6: ELETROAUÍMICA

[ll!l

(OSEC'SP) Ouãl das

sâ de sLlfatode sódio?

ar tré rbè.d. oo dê I.

b) A soluçãovai ficândô mais concênÍâda.

c) O vo une de um dos Sãses liberadosé o dobro do votLmèdô outro gás.

d) Há lormâçãô de sódio mêÌáticono cátodo.

e) Ocorem .eduções no cátodô.

alirmáçóes abaÌxo é fãlsã com retaçãoà etêÍólise dê uma sotução aqLo

no .d.ooo ê oc o- | o dnoo

@ (UFCE) A depôsiçãô,por eleiÌólisê,de uma dêterminadasubstânciâX ocotre de acordocom a sèguinÌereaçãôX3-+ 3e > X.

o,o1 g. oLânÌos

usândo uma corrêntee

étrÌcaconstânrede .t,93 a, â mãssade x obtidafoi de

segundôsroram gâstôs na deposiçãodê X? (Dados:pêsô arômicode X= 30; 1 F = 965OOC.)

[E

(FAAP-SP) Cálculeos volrmês (em mL) cteO, è Fl,,nas CNÌp, tiberâdosquãndo dâ pãssagem dê umaconentê êlét.icade5Ade inlensida.tê,de 3 min t3 s, por Lma sotuçãoditu'dâde F2SOa.

IE

(tVlACK SP) ldenllilque ã a ternativâ que representaâ Íèãçãoq!e ocoirê no cárodo:

llZJ

a)

b)

c)

d)

e)

Al? + 2e

6H'+ 6e -->

a3'+ 3e

Alo

Ho --->

-

aÉ'+

-

H'+e.

-

AÌ0.

3Hrt.

ato.

3e .

lMACK-SP) cÒh re ação áo

se vêÍifica no dêcôrer da feaçãô.

ã)

b)

c)

d) Um aumênrode pH,

e)

eÌèrcicio aniêr ôÍ, identiÍique a âhernativa côreta quãnro ao quê

Um acÍéscimode mâssãna batrâde atuhi'ro.

Uma migrâçãode cárionsâ umínio para o ânodo.

Uma diminuiçãode pH.

Uma dimÌnuiçãôda concênÌrâçãode cáriors âtuhínio.

384

lIE

tOSeCspt cônsiderandoo esquemaabáixoe os potenc'ais de oxirêduçãocorèspondêntes, podemos dizer que como decoreÌ dotêmpô:

a) o

b) â lâminadecobreaumenta.

c) oselétronsvãociÌculandopeiaponte salina.

d) ôs cátions Hr passam do rêcipientê (1) para o recipiente (2).

e) a diferençâde potencialvai aumentando.

pH âumenrâno recipiente (1),

(Dados: H, --->

2H'+ 2d

E0 = o,ooV; Cuo --->

cu2 + 2e-

E0 =-0,34V)

IIE

{UFES)Sabendo que os potenciêis noÍmáisdeôxidãção,emvoits,dosmetôisouro, prata, côbre

e

zincosãô 1,42, -0,80,-0,34 e+0,76,respectivámenre,podemos afirmârque, dentrêasreáçóes abãixo,a única que ocoÍe é:

a) Auo+ 3ag' > aú3' + aso.

b) 2aqo+ Cu" > 2ag' + cuo.

c) cuo+ zna --+

cut + Zno.

d) zno+ cul

-,>

zna + cuo.

e) 2Ag,+Zna,

2Agr+Znz, ->

IIE

(CesgranrÌo'BJ) O esquemâabaixorepresentao Íuncionamentcde umacétutâetêÍoquímica

no estado padrão, utilizândoeletrodosdeAg0e Zni. Indique qual dâsinÍormaçóesassinaiadãs

e emolduÍadascomlinhatracejadaestéerada:

a) A.

d) D.

b) B.

e) E.

c) C.

(Dados: As'/Aso+ 0,80 ú znL/zno

0,76V q:

senridodo movimentodôsetétrons.)

IIE

IE

ouesrõêsdêVéstibubÍ

385

{Cesgranrio-BJ) as manchâs èscuras que aparecem na superÍície de objetos de "prala" resoltâm, èm geral, da Íormação dê sulfelo de prata. Côlocando èsses obietos numã pâ nela de alumínio contendo soluçãodiluidã de hidróxido de sódio, de modo que os objetos

Íiquêm totalmenteimersos,em côntâto com o Íundo da pânela,lormâ sê uhâ célulâeletro química em quë o íôn prâtâ se reduz a p.ata metálica.A supeÍície do objêto fica, enlão,

limpa, sem que nenhuma quântidadede prata seja remôvidâ,como

líquidos e panos para limpeza. Essê processo de limpezâ pode ser representado pelã

ocôíê quãndô se usâm

a) AgS + NaOH

>

AgOH + NâS.

AgrS + 2NaOH

b) >

2A9OH+ Nâ2S.

c) 3AgrS + 2Al + 2NaOH+ 2H2O --->

d) 4Ag2S+ 2Al

e) As,s + HrO + 2NaOH+ Âl --->

6A9 + 3H2S+ 2NãA|O,.

>

35 + AL,S+ 8Ag.

Al(oH)3+ NarHS+ 2Ag.

(Cesgranrio-8J) O êsquema âbaixo representâuma pilha de Leclanché,também denominada "pilha secâ", Considerãndoa chave S Íechada (pilha em funcionãmento),âssinalea opção

O NH4CIé um dosconstitúintesdo eletrólito.

b)

O Mn02atuacomodespôlãrizante.

c)

OselétronsÍluemdo êleÍôdode zinco para o de cãrbono.

d)

o

zincoé o pólo negãtivodâ pilhâ.

ê)

A ôoirenteeÌéÍicano intêriordã pilhâ é de naÌurezaelêtrônicâ.

IlIl

(Cessranrio-RJ) uma indústria que nêcêssitáestocârsoluçóesdê nitratode níquelde hôla ridadeiguãla 1,a 25'C{Ni"/NP-0,25 V),dispóedostanquesl, ll,lllê 14relacionadosâbãixo

Ìanquel:consÍuído de ferro (Fe"/Feo -0,44 v);

rânquêll:cônsÍuidodechumbo{Pb'z+/Pbo 0,13v);

tanquelll:revestidodezincô lzn"lznD 4,Ì6v):

tãnquêLV:revestidode estanho (Sn1Sn! {,14 V).

Ouaistanques podêrão serusados paraque â soluçãoa serestocâdânãosecontamin€?

a) Somêntee V,

b) Somèôtèle ll.

c) Somentell e lv.