Você está na página 1de 38

MEDIDA PROVISÓRIA 2186-16

SOBRETUDO É IMPORTANTE SABER:

- Por que essa Medida Provisória não foi convertida em lei

- Que ela não trata do Patrimônio Genético do ser Humano

- A diferença entre Patrimônio Público, Patrimônio Histórico, Patrimônio Genético Patrimônio Cultural , Patrimônio Nacional e Meio Ambiente

As definições do artigo 7º e as diferenças entre essas definições

Que o Conhecimento Tradicional Associado é Considerado Patrimônio Cultural

As competências e Atribuições Institucionais do Conselho Nacional do Patrimônio Genético

POR QUE A MP 2186-16 AINDA NÃO FOI CONVERTIDA EM LEI ?

Em 2001, quando a Medida Provisória 2186-16 já tinha sido editada pelo Presidente da República, a Constituição foi Emendada (recebeu alteração em seu texto) pela Emenda Constitucional de número 32. O artigo 62 da Constituição, que trata das Medidas Provisórias assim prescreve em seus parágrafos 3 e 11:

§ 3º As medidas provisórias, ressalvado o disposto nos §§ 11 e 12 perderão eficácia, desde a edição, se não forem convertidas em lei no prazo de sessenta dias, prorrogável, nos termos do § 7º, uma vez por igual período, devendo o Congresso Nacional disciplinar, por decreto legislativo, as relações jurídicas delas decorrentes. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 32, de 2001)

§ 11. Não editado o decreto legislativo a que se refere o § 3º até sessenta dias após a rejeição ou perda de eficácia de medida provisória, as relações jurídicas constituídas e decorrentes de atos praticados durante sua vigência conservar- se-ão por ela regidas. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 32, de 2001)

PATRIMÔNIO PÚBLICO(Os Bens Públicos são do Patrimônio das Pessoas Jurídicas de Direito Público)

As pessoas Jurídicas de Direito Público são as criadas pela Lei (União, Estados, Municípios, autarquias como a UFMG, por exemplo)

Na Constituição há uma lista de exemplos de Bens Públicos nos Arts. 20 e 26 da CF/88

Os Bens Públicos se dividem em Bens de uso comum (não estão destinados a nenhum uso específico), Bens de uso Especial (estão destinados a um uso específico) e Bens dominicais (são os bens públicos que podem ser alienados)

Patrimônio Histórico

Para algo ser Patrimônio Histórico depende de um ato chamado TOMBAMENTO, ou seja, todo bem que é tombado faz parte do Patrimônio Histórico.

Art. 1º Constitui o patrimônio histórico e artístico nacional o conjunto dos bens móveis e imóveis existentes no país e cuja conservação seja de interêsse público, quer por sua vinculação a fatos memoráveis da história do Brasil, quer por seu excepcional valor arqueológico ou etnográfico, bibliográfico ou artístico.

§ 1º Os bens a que se refere o presente artigo só serão considerados parte integrante do patrimônio histórico o artístico nacional, depois de inscritos separada ou agrupadamente num dos quatro Livros do Tombo, de que trata o art. 4º desta lei.

Patrimônio Cultural

Diz respeito a bens Materiais e IMAteriais. Tudo que é Patrimônio Histórico é Patrimônio Cultural, mas o contrário não é verdade.

CF/88Art. 216. Constituem patrimônio cultural brasileiro os bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira, nos quais se incluem:

I - as formas de expressão; II - os modos de criar, fazer e viver; III - as criações científicas, artísticas e tecnológicas;

IV - as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados às

manifestações artístico-culturais;

V - os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico,

arqueológico, paleontológico, ecológico e científico. § 1º - O Poder Público, com a colaboração da comunidade, promoverá e protegerá o patrimônio cultural brasileiro, por meio de inventários, registros, vigilância, tombamento e desapropriação, e de outras formas de acautelamento e preservação.

PATRIMÔNIO NACIONAL (O Cerrado e a Caatinga não são)

CF/88. ART. 225

§ 4º - A Floresta Amazônica brasileira, a Mata Atlântica, a Serra do Mar, o Pantanal Mato-Grossense e a Zona Costeira são patrimônio nacional, e sua utilização far-se-á, na forma da lei, dentro de condições que assegurem a preservação do meio ambiente, inclusive quanto ao uso dos recursos naturais.

LEMBRE-SE DA DICA MNEMÔNICA

FA MA PM Zona Costeira Serra do Mar

CONHECIMENTO TRADICIONAL ASSOCIADO É CONSIDERADO PATRIMÔNIO CULTURAL

Art. 8 o Fica protegido por esta Medida Provisória o conhecimento tradicional das comunidades indígenas e das comunidades locais, associado ao patrimônio genético, contra a utilização e exploração ilícita e outras ações lesivas ou não autorizadas pelo Conselho de Gestão de que trata o art. 10, ou por instituição credenciada. § 1 o O Estado reconhece o direito das comunidades indígenas e das comunidades locais para decidir sobre o uso de seus conhecimentos tradicionais associados ao patrimônio genético do País, nos termos desta Medida Provisória e do seu regulamento. § 2 o O conhecimento tradicional associado ao patrimônio genético de que trata esta Medida Provisória integra o patrimônio cultural brasileiro e poderá ser objeto de cadastro, conforme dispuser o Conselho de Gestão ou legislação específica.

MEIO AMBIENTE

O MEIO AMBIENTE ENVOLVE OS CONCEITOS DE PATRIMÔNIO CULTURAL, QUE

POR SUA VEZ ENVOLVE O CONCEITO DE PATRIMÔNIO HISTÓRICO.

SE É PATRIMÔNIO CULTURAL, O CONHECIMENTO TRADICIONAL ASSOCIADO FAZ PARTE DA EXTENSÃO DO CONCEITO DE MEIO AMBIENTE.

O MEIO AMBIENTE NÃO É UM BEM PÚBLICO, OU SEJA, NÃO É DE

PROPRIEDADE DE NENHUMA PESSOA JURÍDICA DE DIREITO PÚBLICO

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações.

§ 1º - Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público:

II - preservar a diversidade e a integridade do patrimônio genético do País e fiscalizar as entidades dedicadas à pesquisa e manipulação de material genético;

SIMULADO SOBRE A MP 2186-16

1. O acesso ao patrimônio genético existente no País, inclusive o ao patrimônio

genético humano, somente será feito mediante autorização da União e terá o seu uso, comercialização e aproveitamento para quaisquer fins submetidos à fiscalização, restrições e repartição de benefícios nos termos e nas condições estabelecidos nesta Medida Provisória e no seu regulamento.

2. É preservado o intercâmbio e a difusão de componente do patrimônio genético e do

conhecimento tradicional associado praticado entre si por comunidades indígenas e comunidades locais para seu próprio benefício e baseados em prática costumeira.

3. A qualquer tempo, apenas se comprovada a existência de dano grave e irreversível à

diversidade biológica, decorrente de atividades praticadas na forma desta Medida Provisória, o Poder Público, por intermédio do Conselho de Gestão do Patrimônio Genético com base em critérios e parecer técnico, determinará medidas destinadas a impedir o dano, podendo, inclusive, sustar a atividade, respeitada a competência do

órgão responsável pela biossegurança de organismos geneticamente modificados.

SIMULADO SOBRE A MP 2186-16

4. Considera-se Patrimônio Genético a informação de origem genética, contida em

amostras do todo ou de parte de espécime vegetal, fúngico, microbiano ou animal, na forma de moléculas e substâncias provenientes do metabolismo destes seres vivos e de extratos obtidos destes organismos vivos ou mortos, encontrados em condições in situ, inclusive domesticados, ou mantidos em coleções ex situ, desde que coletados em condições in situ no território nacional, na plataforma continental ou na zona econômica exclusiva;

5. Bioprospecção é a obtenção de amostra de componente do patrimônio genético

para fins de pesquisa científica, desenvolvimento tecnológico, visando a sua aplicação

industrial ou de outra natureza;

6. Autorização de Acesso e de Remessa é o documento que permite, sob condições

específicas, o acesso a amostra de componente do patrimônio genético e sua remessa

à instituição destinatária e o acesso a conhecimento tradicional associado

SIMULADO SOBRE A MP 2186-16

7. Autorização Especial de Acesso e de Remessa: documento que permite, sob

condições específicas, o acesso a amostra de componente do patrimônio genético e sua remessa à instituição destinatária e o acesso a conhecimento tradicional associado, com prazo de duração de até dois anos, renovável por iguais períodos;

8. Contrato de Utilização do Patrimônio Genético e de Repartição de Benefícios é

instrumento jurídico unilateral, que classifica as partes, os objetos e as condições de acesso e de remessa dos componentes do patrimônio genético e de conhecimento tradicional associado, bem como as condições para repartição de benefícios;

9. Fica protegido por esta Medida Provisória o conhecimento tradicional das

comunidades indígenas e das comunidades locais, associado ao patrimônio genético, contra a utilização e exploração ilícita e outras ações lesivas ou não autorizadas pelo Conselho de Gestão, ou por instituição credenciada.

SIMULADO SOBRE A MP 2186-16

10. As comunidades indígenas e das comunidades locais não possuem nenhum

direito para decidir sobre o uso de seus conhecimentos tradicionais associados

ao patrimônio genético do País

11. O conhecimento tradicional associado ao patrimônio genético de que trata

esta Medida Provisória integra o patrimônio cultural brasileiro e poderá ser

objeto de cadastro, conforme dispuser o Conselho de Gestão ou legislação específica.

12. À comunidade indígena e à comunidade local que criam, desenvolvem,

detêm ou conservam conhecimento tradicional associado ao patrimônio genético, dentre outros direitos, é garantido o direito de ter indicada a origem do acesso ao conhecimento tradicional em todas as publicações, utilizações, explorações e divulgações; bem como de perceber benefícios pela exploração econômica por terceiros, direta ou indiretamente, de conhecimento tradicional associado, cujos direitos são de sua titularidade, nos termos desta Medida Provisória

SIMULADO SOBRE A MP 2186-16

13. Para efeito desta Medida Provisória, qualquer conhecimento tradicional

associado ao patrimônio genético deverá ser de titularidade da comunidade,

salvo se apenas um indivíduo, membro dessa comunidade, detenha esse conhecimento.

14. Fica criado, no âmbito do Ministério do Meio Ambiente, o Conselho de

Gestão do Patrimônio Genético, de caráter deliberativo e normativo, composto de representantes de órgãos e de entidades da Administração Pública Federal que detêm competência sobre as diversas ações de que trata esta Medida Provisória

15. O Conselho de Gestão será presidido pelo representante do Ministério da

Agricultura

16. Compete ao Conselho de Gestão deliberar sobre o credenciamento de

instituição pública nacional de pesquisa e desenvolvimento ou de instituição pública federal de gestão para autorizar outra instituição nacional, pública ou privada, que exerça atividade de pesquisa e desenvolvimento nas áreas biológicas

SIMULADO SOBRE A MP 2186-16

17. Compete ao Conselho de Gestão dar anuência aos Contratos de Utilização do

Patrimônio Genético e de Repartição de Benefícios quanto ao atendimento dos requisitos previstos nesta Medida Provisória e no seu regulamento e funcionar como instância superior de recurso em relação a decisão de instituição credenciada e dos

atos decorrentes da aplicação desta Medida Provisória

18. Não caberá recurso das decisões do Conselho de Gestão

19. É vedada a atividade de coleta de componente do patrimônio genético e de acesso

a conhecimento tradicional associado, que contribua para o avanço do conhecimento e que não esteja associada à bioprospecção, quando envolver a participação de pessoa

jurídica estrangeira.

20. Compete ao Presidente da República firmar, em nome da União, Contrato de

Utilização do Patrimônio Genético e de Repartição de Benefícios. Tal competência

poderá ser subdelegada ao titular de instituição pública federal de pesquisa e desenvolvimento ou instituição pública federal de gestão a competência

SIMULADO SOBRE A MP 2186-16

21. As instituições credenciadas de que devem divulgar, periodicamente, lista

das Autorizações de Acesso e de Remessa, dos Termos de Transferência de Material e dos Contratos de Utilização do Patrimônio Genético e de Repartição de Benefícios, e ainda, acompanhar a implementação dos Termos de Transferência de Material e dos Contratos de Utilização do Patrimônio Genético e de Repartição de Benefícios referente aos processos por ela autorizados

22. A instituição credenciada poderá, anualmente, mediante relatório, dar

conhecimento pleno ao Conselho de Gestão sobre a atividade realizada e repassar cópia das bases de dados à unidade executora que exercerá a função de secretaria executiva do Conselho de Gestão no âmbito do Ministério do Meio Ambiente

23. Compete, no âmbito do Ministério do Meio Ambiente, de unidade

executora que exercerá a função de secretaria executiva do Conselho de Gestão, divulgar, periodicamente, lista das Autorizações de Acesso e de Remessa, dos Termos de Transferência de Material e dos Contratos de Utilização do Patrimônio Genético e de Repartição de Benefícios

SIMULADO SOBRE A MP 2186-16

24. O acesso a componente do patrimônio genético existente em condições in

situ no território nacional, na plataforma continental e na zona econômica exclusiva, e ao conhecimento tradicional associado far-se-á mediante a coleta de amostra e de informação, respectivamente, e somente será autorizado a instituição nacional, pública ou privada, que exerça atividades de pesquisa e desenvolvimento nas áreas biológicas e afins, mediante prévia autorização, na forma desta Medida Provisória

25. O responsável pela expedição de coleta poderá, ao término de suas

atividades em cada área acessada, assinar com o seu titular ou representante declaração contendo listagem do material acessado, na forma do regulamento

26. O responsável e todos integrantes da expedição de coleta deverão, ao

término de suas atividades em cada área acessada, assinar declaração contendo listagem do material acessado e encaminhar ao Conselho de Gestão

27. Sub-amostra representativa de cada população componente do

patrimônio genético acessada deve ser depositada em condição ex situ em instituição credenciada como fiel depositária.

SIMULADO SOBRE A MP 2186-16

28. Quando houver perspectiva de uso comercial, o acesso a amostra de

componente do patrimônio genético, em condições in situ, e ao conhecimento tradicional associado deverá ocorrer somente após assinatura de Contrato de Utilização do Patrimônio Genético e de Repartição de Benefícios

29. Caso seja identificado potencial de uso econômico, de produto ou

processo, passível ou não de proteção intelectual, originado de amostra de componente do patrimônio genético e de informação oriunda de conhecimento tradicional associado, acessado com base em autorização que não foi prevista, a instituição beneficiária obriga-se a comunicar ao Conselho de Gestão ou a instituição onde se originou o processo de acesso e de remessa, para a formalização de Contrato de Utilização do Patrimônio Genético e de Repartição de Benefícios

30. É vedada participação de pessoa jurídica estrangeira em expedição para

coleta de amostra de componente do patrimônio genético in situ e para acesso de conhecimento tradicional associado.

31. A pesquisa sobre componentes do patrimônio genético deve ser realizada

somente no território nacional

SIMULADO SOBRE A MP 2186-16

32. A Autorização de Acesso e de Remessa de amostra de componente do

patrimônio genético de espécie de endemismo estrito ou ameaçada de extinção prescinde de anuência prévia do órgão competente.

33. O detentor de Autorização de Acesso e de Remessa fica dispensado de

ressarcir o titular da área por eventuais danos ou prejuízos, pois possuía

anuência prévia destes para o acesso.

34. A instituição detentora de Autorização Especial de Acesso e de Remessa

deverá encaminhar sempre ao Conselho de Gestão as anuências dos titulares das áreas acessadas, antes ou por ocasião das expedições de coleta a serem efetuadas durante o período de vigência da Autorização, cujo descumprimento acarretará o Autorização Especial de Acesso e de Remessa

35. A conservação ex situ de amostra de componente do patrimônio genético

deve ser realizada no território nacional, podendo, suplementarmente, a critério do Conselho de Gestão, ser realizada no exterior.

SIMULADO SOBRE A MP 2186-16

36. Sempre que houver perspectiva de uso comercial de produto ou processo

resultante da utilização de componente do patrimônio genético será necessária a prévia assinatura de Contrato de Utilização do Patrimônio Genético e de Repartição de Benefícios.

37. A remessa de amostra de componente do patrimônio genético de espécies

consideradas de intercâmbio facilitado em acordos internacionais, inclusive sobre segurança alimentar, dos quais o País seja signatário, poderá ser efetuada em conformidade com as condições neles definidas, mantidas as exigências deles constantes

38. A remessa de qualquer amostra de componente do patrimônio genético de

instituição nacional, pública ou privada, para instituição sediada no exterior,

será efetuada a partir de material em condições ex situ, mediante a informação do uso pretendido e a prévia autorização do Conselho de Gestão ou de instituição credenciada, observado o cumprimento cumulativo das condições estabelecidas nesta Medida Provisória

SIMULADO SOBRE A MP 2186-16

39. A empresa que, no processo de garantir o acesso à tecnologia e transferência de

tecnologia à instituição nacional, pública ou privada, responsável pelo acesso e remessa de amostra de componente do patrimônio genético e pelo acesso à informação sobre conhecimento tradicional associado, investir em atividade de pesquisa e

desenvolvimento no País, fará jus a incentivo fiscal para a capacitação tecnológica da indústria e da agropecuária, e a outros instrumentos de estímulo, na forma da legislação pertinente

40. Os benefícios resultantes da exploração econômica de produto ou processo

desenvolvido a partir de amostra de componente do patrimônio genético e de conhecimento tradicional associado, obtidos por instituição nacional ou instituição sediada no exterior, serão repartidos, de forma justa e eqüitativa, entre as partes contratantes, conforme dispuser o regulamento e a legislação pertinente. À União, quando não for parte no Contrato de Utilização do Patrimônio Genético e de Repartição de Benefícios, não terá direito na participação nos benefícios resultantes da exploração econômica.

41. s benefícios decorrentes da exploração econômica de produto ou processo,

desenvolvido a partir de amostra do patrimônio genético ou de conhecimento tradicional associado, poderão constituir-se, dentre outros, de licenciamento, livre de ônus, de produtos e processo ou capacitação de recursos humanos

SIMULADO SOBRE A MP 2186-16

42. A exploração econômica de produto ou processo desenvolvido a partir de

amostra de componente do patrimônio genético ou de conhecimento tradicional associado, acessada em desacordo com as disposições desta Medida Provisória, sujeitará o infrator ao pagamento de indenização correspondente a vinte por cento do faturamento bruto obtido na comercialização de produto ou de royalties obtidos de terceiros pelo infrator, em decorrência de licenciamento de produto ou processo ou do uso da tecnologia, protegidos ou não por propriedade intelectual, sem prejuízo das sanções administrativas e penais cabíveis

43. Os Contratos de Utilização do Patrimônio Genético e de Repartição de

Benefícios serão regidos sempre pelo regime jurídico de direito público

44. Os Contratos de Utilização do Patrimônio Genético e de Repartição de

Benefícios serão submetidos para registro no Conselho de Gestão e só terão eficácia após sua anuência

SIMULADO SOBRE A MP 2186-16

45. A infração administrativa contra o patrimônio genético ou ao

conhecimento tradicional associado toda ação ou omissão que viole as normas desta Medida Provisória e demais disposições legais pertinentes poderá ser aplicada como sanção à proibição de contratar com a Administração Pública, por período de até dois anos

46. A infração administrativa contra o patrimônio genético ou ao

conhecimento tradicional associado toda ação ou omissão que viole as normas desta Medida Provisória e demais disposições legais pertinentes poderá ser aplicada como sanção o cancelamento de registro, patente, licença ou autorização.

47. De acordo com a gravidade da infração e na forma do regulamento, o valor

da multa pode variar de R$ 200,00 (duzentos reais) a R$ 100.000,00 (cem mil reais), quando se tratar de pessoa jurídica

48. Nos casos de reincidência a multa será aplicada em dobro

SIMULADO SOBRE A MP 2186-16

49. A concessão de direito de propriedade industrial pelos órgãos

competentes, sobre processo ou produto obtido a partir de amostra de componente do patrimônio genético, fica condicionada à observância desta Medida Provisória, devendo o requerente informar a origem do material genético e do conhecimento tradicional associado, quando for o caso

50. A parcela dos lucros e dos royalties devidos à União, resultantes da

exploração econômica de processo ou produto desenvolvido a partir de amostra de componente do patrimônio genético, bem como o valor das multas e indenizações de que trata esta Medida Provisória serão destinados ao Fundo Nacional do Meio Ambiente, ao Fundo Naval, ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e ao Fundo de Preservação da Amazônia

GABARITO COM ALGUNS COMENTÁRIOS

1. ERRADO - Esta Medida Provisória não se aplica ao patrimônio genético

humano

2. CERTO

3. ERRADO - Existindo evidência científica consistente de perigo de dano grave

4. CERTO

5. ERRADO - atividade exploratória que visa identificar componente do

patrimônio genético e informação sobre conhecimento tradicional associado, com potencial de uso comercial;

6. CORRETO

GABARITO COM ALGUNS COMENTÁRIOS

7. CORRETO

8. ERRADO

9. CORRETO

10. ERRADO - O Estado reconhece o direito das

11. CERTO

12. CERTO

13. ERRADO - Para efeito desta Medida Provisória, qualquer conhecimento

tradicional associado ao patrimônio genético poderá ser de titularidade da comunidade, ainda que apenas um indivíduo, membro dessa comunidade, detenha esse conhecimento

14. CORRETO

15. ERRADO - representante do Ministério do Meio Ambiente

16. CORRETO

17. CORRETO

18. ERRADO - Das decisões do Conselho de Gestão caberá recurso ao plenário, na

forma do regulamento

GABARITO COM ALGUNS COMENTÁRIOS

19. ERRADO - Quando envolver a participação de pessoa jurídica estrangeira, será

autorizada pelo órgão responsável pela política nacional de pesquisa científica e tecnológica, observadas as determinações desta Medida Provisória e a legislação vigente

20. ERRADO - Compete ao Presidente do Conselho de Gestão firmar, em nome da

União, Contrato de Utilização do Patrimônio Genético e de Repartição de Benefícios

21. CORRETO

22. ERRADO - A instituição credenciada deverá

23. CORRETO

24. CORRETO

25. ERRADO – deverá

26. ERRADO - O responsável pela expedição de coleta deverá, ao término de suas

atividades em cada área acessada, assinar com o seu titular ou representante declaração contendo listagem do material acessado, na forma do regulamento; Excepcionalmente, nos casos em que o titular da área ou seu representante não for identificado ou localizado por ocasião da expedição de coleta, a declaração contendo listagem do material acessado deverá ser assinada pelo responsável pela expedição e encaminhada ao Conselho de Gestão

GABARITO COM ALGUNS COMENTÁRIOS

27. CORRETO

28. CORRETO

29. CORRETO

30. ERRADO - A participação de pessoa jurídica estrangeira em expedição para coleta

de amostra de componente do patrimônio genético in situ e para acesso de conhecimento tradicional associado somente será autorizada quando em conjunto com instituição pública nacional, ficando a coordenação das atividades obrigatoriamente a cargo desta última e desde que todas as instituições envolvidas exerçam atividades de pesquisa e desenvolvimento nas áreas biológicas e afins.

31. ERRADO - A pesquisa sobre componentes do patrimônio genético deve ser

realizada preferencialmente no território nacional

32. ERRADO - dependerá da anuência prévia do órgão competente

33. ERRADO - fica responsável a ressarcir o titular da área por eventuais danos ou

prejuízos, desde que devidamente comprovados

GABARITO COM ALGUNS COMENTÁRIOS

34. ERRADO - Em caso de relevante interesse público, assim caracterizado pelo

Conselho de Gestão, o ingresso em área pública ou privada para acesso a amostra de componente do patrimônio genético dispensará anuência prévia dos seus titulares,

garantido a estes o disposto nos arts. 24 e 25 desta Medida Provisória

35. CORRETO

36. CORRETO

37. ERRADO - deverá ser efetuada em conformidade com as condições neles definidas

38. CORRETO

39. CORRETO

40. ERRADO - À União, quando não for parte no Contrato de Utilização do Patrimônio

Genético e de Repartição de Benefícios, será assegurada, no que couber, a participação nos benefícios

41. CORRETO

42. ERRADO – No mínimo 20%

43. ERRADO – Só os que a União for parte

44. CORRETO

EXERCICIOS DO ULTIMO CONCURSO DE OFICIAL DE INTELIGÊNCIA

Com base na medida provisória que regulamenta o acesso ao patrimônio genético, julgue os itens subseqüentes.

88 No conceito da atividade exploratória de bioprospecção não se inclui a necessidade do potencial de uso comercial do componente do patrimônio genético.

89 Em caso de relevante interesse público, assim caracterizado pelo Conselho de Gestão, o ingresso em área pública ou privada para acesso a amostra de componente do patrimônio genético dispensará a anuência prévia dos seus titulares.

EXERCICIOS DO ULTIMO CONCURSO DE AGENTE DE INTELIGÊNCIA

Com base na medida provisória que regulamenta o acesso ao patrimônio genético, julgue os próximos itens.

81 Considera-se bioprospecção a atividade exploratória por meio da qual se visa identificar componente do patrimônio genético e informação sobre conhecimento tradicional associado, com potencial de uso comercial.

82 Em caso de relevante interesse público, assim caracterizado pelo Conselho de Gestão, o ingresso em área pública ou privada, para acesso a amostra de componente do patrimônio genético, depende da anuência prévia dos seus titulares.

GABARITO EXERCICIOS DO ULTIMO CONCURSO DE OFICIAL E AGENTE DE INTELIGÊNCIA

88

- E

89

- C

81

- X

82. –X

X – QUESTOES ANULADAS

JUSTIFICATIVAS DE ANULAÇÃO DO GABARITO

CARGO 2: AGENTE DE INTELIGÊNCIA – CADERNO 2.1

• ITEM 62 – anulado em decorrência de ambigüidade irreversível da

expressão "tensões sociais interregionais", empregada na assertiva, o que prejudicou o seu julgamento objetivo.

• ITEM 81 – anulado. O assunto abordado na assertiva está fora da delimitação estabelecida no edital.

• ITEM 82 – anulado. O assunto abordado na assertiva está fora da

delimitação estabelecida no edital. • ITEM 99 – anulado em decorrência de divergência doutrinária acerca da situação demonstrada na afirmativa, quanto a ser caso de perda ou de suspensão de direitos políticos.

CESPE - 2009 - TRF - 1ª REGIÃO - Juiz (adaptada).

No que concerne à proteção jurídica dada ao conhecimento tradicional associado à biodiversidade, julgue os itens seguintes. (Certo ou errado)

II Entende-se conhecimento tradicional como o conjunto de

informações geradas em contexto associado com a cultura do grupo, transmitidas de geração para geração de forma tipicamente oral e detidas apenas por seus líderes, que as transmitem, exclusivamente, aos seus descendentes patrilineares

e matrilocais.

CESPE - 2009 - TRF - 1ª REGIÃO - Juiz (adaptada).

No que concerne à proteção jurídica dada ao conhecimento tradicional associado à biodiversidade, julgue os itens seguintes. (Certo ou errado)

II Entende-se conhecimento tradicional como o conjunto de

informações geradas em contexto associado com a cultura do

grupo, transmitidas de geração para geração de forma

tipicamente oral e detidas apenas por seus líderes, que as transmitem, exclusivamente, aos seus descendentes patrilineares

e matrilocais.

ERRADO: NÃO É TRANSMITIDO APENAS DE FORMA ORAL E TAMBÉM NÃO É DETIDO APENAS PELOS LÍDERES

(CESPE/ANALISTA AMBIENTAL/MMA/2008)

MARQUE CERTO OU ERRADO

No contexto da repartição justa e eqüitativa dos benefícios derivados da utilização dos recursos genéticos, de componentes do patrimônio genético e dos conhecimentos tradicionais associados a esses recursos, somente as informações prestadas coletivamente por comunidade indígena ou local são consideradas conhecimento tradicional associado excluindo-se, portanto, aquelas informações ou práticas de caráter individual.

( CESPE/ANALISTA AMBIENTAL/MMA/2008)

MARQUE CERTO OU ERRADO

No contexto da repartição justa e eqüitativa dos benefícios derivados da utilização dos recursos genéticos, de componentes do patrimônio genético e dos conhecimentos tradicionais associados a esses recursos, somente as informações prestadas coletivamente por comunidade indígena ou local são consideradas conhecimento tradicional associado excluindo-se, portanto, aquelas informações ou práticas de caráter individual.

ERRADO/O INDIVIDUAL TAMBÉM É

(CESPE/IBAMA/ANALISTA AMBIENTAL/2009)

O complexo recifal do banco de Abrolhos é o maior e mais rico sistema coralíneo do Atlântico Sul. A plataforma continental, na região, alcança 200 km à frente de Caravelas e tem profundidades inferiores a 30 m. Em janeiro de 2002, foi iniciado um projeto de dragagem do delta de maré vazante Defronte ao canal do Tomba, para a construção de uma via de acesso ao terminal de barcaças de uma empresa de celulose. Internet:

<www.ocecept.googlepages.com> (com adaptações).

A partir das informações do texto acima, julgue os itens Seguintes. (CERTO OU ERRADO)

100 A plataforma continental é a região geográfica constituída de uma faixa contínua e de largura constante limitada pela distância de 12 milhas marítimas da linha da costa, independentemente da profundidade ou da morfologia do terreno.

(CESPE/IBAMA/ANALISTA AMBIENTAL/2009)

O complexo recifal do banco de Abrolhos é o maior e mais rico sistema coralíneo do Atlântico Sul. A plataforma continental, na região, alcança 200 km à frente de Caravelas e tem profundidades inferiores a 30 m. Em janeiro de 2002, foi iniciado um projeto de dragagem do delta de maré vazante Defronte ao canal do Tomba, para a construção de uma via de acesso ao terminal de barcaças de uma empresa de celulose. Internet:

<www.ocecept.googlepages.com> (com adaptações).

A partir das informações do texto acima, julgue os itens Seguintes.

100 A plataforma continental é a região geográfica constituída de uma faixa contínua e de largura constante limitada pela distância de 12 milhas marítimas da linha da costa, independentemente da profundidade ou da morfologia do terreno.

ERRADO/PLATAFORMA CONTIENTAL TEM EXTENSÃO DE 200 MILHAS