Você está na página 1de 5

Yin-Yang: a busca pelo equilíbrio entre os opostos

F ERNANDA C HA VES , L UANA F ERREIRA E N A TÁLIA V

FERNANDA CHAVES, LUANA FERREIRA E NATÁLIA VOMMARO

F ERNANDA C HA VES , L UANA F ERREIRA E N A TÁLIA V OMMARO
C HA VES , L UANA F ERREIRA E N A TÁLIA V OMMARO ia e
C HA VES , L UANA F ERREIRA E N A TÁLIA V OMMARO ia e

ia e noite, preto e bran- co, positivo e negativo. Para muitos, esses são termos opostos, que se repelem ou se distanciam. No entanto, nas culturas orientais, os opostos são energias comple- mentares, que se equilibram, são dependentes entre si. Esse é o sig- nificado do Yin-Yang, símbolo representado nas cores preto e

branco pelo chamado diagrama

e

de sua polarização nasceu o

do Taiji Tu, que aparece na icono- grafia das mais diferentes for- mas, desde amuletos a tatuagens

Dois, o Yin e o Yang, que em constantes interações produz todos os fenômenos da natureza:

e

marcas de alimentos. Entender

o

dia e a noite, frio e calor, con-

o

sentido original do Yin-Yang é

tração e expansão, e, em último

compreender toda a base da religião, medicina e cultura ori-

nível, a vida e a morte. O Yang significa o princípio ativo, mas-

entais.

culino, diurno, luminoso, quente,

Segundo a cosmologia oriental,

e,

portanto o branco, enquanto o

o

princípio era o Um, o absoluto,

Yin o princípio passivo, feminino,

P & B

o branco, enquanto o o princípio era o Um, o absoluto, Yin o princípio passivo, feminino,
33
33
Para a professora Roberta, o iogue deve procurar estar acima das forças opostas É cerca

Para a professora Roberta, o iogue deve procurar estar acima das forças opostas

É

cerca de cinco mil anos, criados por Fu Shi. Algumas teorias atribuem esse nome a uma pes- soa física, enquanto outros o explicam como uma energia potencial presente em todos nós.

O professor de I Ching Oscar

Maron, da Sociedade Taoísta do Brasil, explica de forma simples como podemos entender a sim- bologia do I Ching: “Ao todo são 64 princípios, representados por diferentes combinações de linhas, onde cada linha representa Yin ou Yang. Os hexagramas associ- am a percepção do Yin e do Yang

aos ciclos de mutação da na- t u reza, discutindo como o ser humano pode se integrar a ela de uma forma melhor. No julga- mento de cada hexagrama e na análise das linhas são especifi- cadas as situações de interação entre os pólos que produzem os fenômenos mutáveis que vive- mos, indicando que todas as coisas quando chegam ao seu limite máximo transformam-se no oposto”.

noturno, escuro, frio, enfim, o preto.

interessante destacar aqui

na velha China por volta de 700 a.C., e seus conceitos básicos encontram-se registrados no
na velha China por volta de 700
a.C., e seus conceitos básicos
encontram-se registrados no
mais antigo livro originário do
Extremo Oriente, o I Ching (Yì
J¥ng), também chamado de O
livro das mutações. Ele oferece um
complexo e meticuloso manual
para a compreensão do cons-
tante fluxo energético que con-
tinuamente cria e altera o mun-
do. Oráculo e obra filosófica, foi
revelado como meio de apri-
moramento para o ser humano
viver de forma equilibrada, har-
mônica e em maior sintonia com
o seu próprio destino.
O I Ching é a referência que,
resumida e simploriamente, equi-
vale à Bíblia para os chineses. Há
duas correntes principais que
interpretam o livro: o Confu-
cionismo e o Taoísmo. Ambas
admitem o I Ching como o
primeiro e mais importante de
O
todos os estudos. Os primeiros
símbolos, compostos por trigra-
mas e hexagramas, surgiram há

que essas características não são definições, que implicam em juízo de valor. Ao contrário do que estamos familiarizados nas civilizações ocidentais, o Yin- Yang nega as oposições mani- queístas. Não existe bem e mal, mas um infinito ciclo onde ener- gias diferentes se equilibram vol- tando a ser uma coisa só. As pessoas, assim como a natureza, trazem manifestações dessas duas energias. Desse mo- do, sob condições normais do corpo humano, um relativo equi- líbrio fisiológico é mantido pela mútua oposição entre Yin e Yang. Se por alguma razão esta opo- sição resultar num excesso de Yin ou de Yang, o equilíbrio fisiológi-

livro é um texto clássico que

pode ser interpretado como orácu- lo ou como um livro de sabedoria. Seus ensinamentos nos falam, principalmente, da relação do homem com seu interior, e como esse diálogo se reflete em seus comportamentos diante do univer- so. Na própria China, o I Ching é alvo de estudos diferenciados, de origem religiosa, erudita, ou de adeptos do Taoísmo. No Brasil, o livro encontrou bastante espaço, porém, principalmente, como fer- ramenta esotérica ou quase como um “livro da sorte”, sendo deixada um pouco de lado sua função pri- mordial como filosofia.

co relativo do corpo é destruído e a doença aparece.

A

teoria Yin-Yang da polari-

dade universal, ou dos opostos complementares, teve sua origem

34
34
A teoria Yin-Yang da polari- dade universal, ou dos opostos complementares, teve sua origem 34 Julho/Dezembro

Julho/Dezembro 2006

Tratamentos como a acupuntura são feitos a partir da classificação dos meridianos do corpo A
Tratamentos como a acupuntura são feitos a partir da classificação dos meridianos do corpo A

Tratamentos como a acupuntura são feitos a partir da classificação dos meridianos do corpo

A filosofia iogue considera o dirigir-se para além desse carrossel, a superação de todos os
A filosofia iogue
considera o dirigir-se
para além desse
carrossel, a superação
de todos os opostos
concebíveis, essencial
para se chegar à
iluminação
opostos. Na verdade, o que im-
porta é conhecer a realidade inte-
rior, que está acima de todos estes
padrões opostos”.
Para atingir este objetivo, o
aspirante deve seguir as práticas
do Yoga, com o intuito de contro-
lar sua forma de atuação no
mundo externo, que ora se
mostra favorável (com o prazer, a
satisfação, etc.), ora desfavorável
(a dor, o sofrimento). Tais práti-
cas incluem a Hatha Yoga (pos-

O Yin-Yang na tradição do Yoga

turas que visam à introspecção e ao equilíbrio), a meditação e can- tos devocionais. No dia a dia, aplica-se isso a uma vida mode- rada: não comer demais, não beber, não fumar, etc. Segundo a professora Roberta, o mundo ocidental ainda tem muita dificuldade em aceitar a teoria de que o bom e o ruim são apenas lados da mesma moeda e que tudo que está em con- tradição contém o “germe” de seu oposto, assim como o símbo- lo do Yin-Yang: “Todos os opos- tos, tais como o bem e o mal, são relativos. Portanto, o ser humano não se deve esforçar simples- mente para alcançar o ‘bem’, mas sim procurar manter um equilíbrio dinâmico entre o ‘bem’ e o ‘mal’, entre estes opostos. O universo e seus padrões estão em constante mudança, e o que o

A filosofia do equilíbrio entre forças opostas e, simultanea- mente, complementares também encontra espaço entre os se- guidores do Yoga. A professora de Yoga Roberta Ferreira explica que a teoria do Yin-Yang não está documentada nos livros da tradição iogue da mesma forma que no I Ching, porém a simbolo- gia por trás do ícone está pre- sente em muitos dos ensinamen- tos que o praticante precisa co- nhecer: “O Yoga se propõe a superar a realidade externa tal como conhecemos, o chamado Maya. Tal realidade é composta de opostos: o claro e o escuro, o bom e o mau, o frio e o quente, etc. O verdadeiro iogue não se deixa abalar por essas modifi- cações, oscilações, de contrários,

P & B

etc. O verdadeiro iogue não se deixa abalar por essas modifi- cações, oscilações, de contrários, P
35
35
exclusivamente, com o intuito de transmitir paz, para que seja o se atingir a iluminação.
exclusivamente, com o intuito de
transmitir paz, para que seja o
se atingir a iluminação. Não é o
prazer o que o iogue busca, pois
ele sabe que o prazer e a dor ca-
minham juntos e constituem
faces da mesma coisa. A filosofia
iogue considera o dirigir-se para
além desse carrossel, a superação
de todos os opostos concebíveis,
essencial para se chegar à ilumi-
nação”, diz a professora.
Ou seja, a filosofia do Yoga é
seguir o caminho do meio, o que
não se confunde com ficar “em
cima do muro”. O caminho do
meio é, justamente, aquele que
Tai Chi Chuan
sublimou os opostos, que não se
abala por tais conceitos, sendo,
em última instância, o caminho
do equilíbrio.
Energias opostas e o Feng Shui
Dentre as muitas aplicações da
filosofia Yin-Yang nos hábitos
cotidianos, destaca-se o Feng
Shui, filosofia chinesa que busca
lugar ideal para se recarregar as
baterias espirituais e emocionais
gastas durante o dia”.
Além disso, são muito impor-
tantes para o Feng Shui a venti-
lação e a iluminação. Segundo a
decoradora, o ideal é que se
tenha uma ou duas grandes
janelas que permitam, ao mesmo
tempo, a entrada de luz e de ar
suficientes para a energia cósmi-
ca pessoal. Além disso, a vista do
quarto também é de crucial
importância para a energia do
ambiente. Caso não haja uma
bela vista, aconselha-se o uso de
plantas e flores que ajudem a
harmonizar o ambiente. É tam-
bém aconselhável que se pendure
um cristal na janela, o que traz
boas energias para o quarto.
“Outra questão importante se
refere aos objetos decorativos, e
as cores, que devem ser cuida-
dosamente escolhidos e posi-
a perfeita harmonia entre os
seres humanos e os ambientes
que freqüenta. O Feng Shui estu-
da como podemos organizar nos-
sas casas, quartos ou escritórios a
fim de alcançarmos sorte, felici-
dade e saúde.
A decoradora e designer Alice
cionados. Enfeites demais podem
afetar negativamente a fluência
de energia dentro do quarto.
Além disso, cores muito fortes,
muito fracas, ou que não combi-
nam tornam a atmosfera dese-
quilibrada. Assim, é muito im-
portante que os objetos utilizados
P e rez est uda o Feng Shui e a cul-
tura oriental há 13 anos e explica
que os princípios de equilíbrio
sejam de materiais apropriados
ao tipo de personalidade de cada
um e que as cores sejam plane-
e n e rgético do Yin-Yang se apli-

iogue quer é se libertar destes padrões, para que não seja atingido pelas mutações cons- tantes e encontre a iluminação, que se encontra desvinculada deste redemoinho” – explica Ro- berta. Uma das diferenças entre a filosofia taoísta e a iogue é justa- mente esta. A postura do taoísta é não interferir nas oscilações do mundo, não agir de forma con- trária à natureza das coisas, não exercendo força nenhuma sobre si mesmo ou sobre coisa alguma ao seu redor. Ele, simplesmente, adapta suas ações aos movimen- tos do Tao, o que significa deixar que tudo ocorra como deve natu- ralmente ocorrer. Roberta esclarece que o iogue também procura não interferir na natureza das coisas, mas sua preocupação, em última instân- cia, é nem mesmo se preocupar com tais interferências, pois seu caminho é não se deixar atingir por tais mudanças. “A obser- vação do mundo externo se dá,

cam também ao espaço em que vivemos: “O ambiente exerce muita influência sobre nosso comportamento, por isso, em primeiro lugar, é muito impor- tante que nossos lares sejam afas- tados de focos de barulho, como ruas com muito trânsito, ou locais com música alta. O quarto deve

jadas”, afirma Alice. Vale, ainda, ressaltar a im- portância da mobília na ener- gização de um quarto. Dentre os móveis, o de maior importância é, sem dúvida, a cama. Segundo Alice, existem três regras que não podem ser esquecidas: “Uma cama não pode, em hipótese nenhuma, estar virada para a

36
36
que não podem ser esquecidas: “Uma cama não pode, em hipótese nenhuma, estar virada para a

Julho/Dezembro 2006

Nos hexagramas do I Ching, as linhas partidas representam o Yin e as inteiras, o
Nos hexagramas do I Ching, as linhas partidas representam o Yin e as inteiras, o
Nos hexagramas do I Ching, as linhas partidas representam o Yin e as inteiras, o
Nos hexagramas do I Ching, as linhas partidas representam o Yin e as inteiras, o
Nos hexagramas do I Ching, as linhas partidas representam o Yin e as inteiras, o
Nos hexagramas do I Ching, as linhas partidas representam o Yin e as inteiras, o
Nos hexagramas do I Ching, as linhas partidas representam o Yin e as inteiras, o
Nos hexagramas do I Ching, as linhas partidas representam o Yin e as inteiras, o
Nos hexagramas do I Ching, as linhas partidas representam o Yin e as inteiras, o
Nos hexagramas do I Ching, as linhas partidas representam o Yin e as inteiras, o
Nos hexagramas do I Ching, as linhas partidas representam o Yin e as inteiras, o
Nos hexagramas do I Ching, as linhas partidas representam o Yin e as inteiras, o

Nos hexagramas do I Ching, as linhas partidas representam o Yin e as inteiras, o Yang

p o rta, pois isso simboliza a

morte. Além disso, a cabeceira deve estar encostada em uma parede sólida e a cama deve estar localizada na direção norte/sul axial da Terra, sendo assim ener- gizada por seu pólo magnético”.

nismo e, quando estão em mesmo nível energético, contro- lam-se mutuamente. Porém, quando uma se sobressai em relação à outra, ocorre o desequi- líbrio, ou seja, a doença.

mano, o que está acima, exter- no, do lado direito e posterior tem características Yang, en- quanto o que está abaixo, inter- no, do lado esquerdo e anterior

tem características Yin. Essa clas- sificação se estende também aos p rocessos fisiológicos normais e
tem características Yin. Essa clas-
sificação se estende também aos
p rocessos fisiológicos normais e
O equilíbrio como cura
A principal causa dos
desequilíbrios, e,
portanto, das doenças,
tem sido alterações emo-
cionais. Isso nos leva a
pensar sobre a influência
patológicos e a sinais físicos mais
Outra importante aplicação da
filosofia Yin-Yang no cotidiano é
na medicina. A primeira apa-
rição de tal conceito como agente
atuante nos processos de doença
d i s c retos, o que não exclui a
necessidade de se identificar os
fatores internos”.
A desarmonia Yin-Yang pode
e cura foi há quase 5 mil anos, no
da mente sobre o corpo, e
sobre a necessidade de se
investir alto no equilíbrio
emocional, espiritual e,
conseqüentemente, físico
ser causada por motivos en-
dógenos como raiva, preocu-
pação, pesar, medo e tristeza ou
exógenos como excesso de frio ou
calor, alimentação inadequada e
poluição. Além disso, existe uma
inter- relação entre os sentimentos
e
os órgãos do corpo, como, por
exemplo, o pulmão, que é afeta-
do pela tristeza, o coração, ligado
à ansiedade, o fígado, influencia-
do pela raiva e revolta, etc.
“Isso é muito importante, prin-
cipalmente nos dias atuais,
quando o ser humano é bom-
b a rdeado por estímulos que

livro Nei Ching – o livro do impe- rador amarelo – que estabeleceu as bases da chamada Medicina Tradicional Chinesa (MTC). Tal corrente se fundamenta numa estrutura teórica sistemática e abrangente, de natureza filosófi- ca, que inclui entre seus princí- pios, além do estudo da relação entre Yin e Yang, a Teoria dos Cinco Elementos da Natureza (metal, madeira, terra, água e fogo) e o sistema de circulação da energia vital (chi) pelos meridi- anos do corpo humano. Jaime Yamane, médico acu- punturista e membro da As- sociação Médica Brasileira de Acupuntura, explica que a saúde depende do bom equilíbrio entre as forças Yin e Yang, o que garante um bom fluxo da ener- gia vital. Tanto uma quanto a outra têm suas funções no orga-

Entre os principais métodos de tratamento da medicina tradi- cional chinesa estão a acupuntu- ra, a fitoterapia chinesa, a tera- pia alimentar chinesa e a prática de exercícios integrados à medi- tação, como o Tai Chi Chuan e outras artes marciais chinesas internas, que podem contribuir para o reequilíbrio do organismo. Segundo Yamane, a MTC clas- sifica os meridianos do corpo em suas propriedades Yin e Yang, d e s c revendo as d iver sas p art e s , pontos, regiões, órgãos e sis- temas do corpo onde os princí- pios do Yin-Yang são aplicados:

“Por exemplo, no corpo hu-

causam tensão, estresse, raiva. A principal causa dos desequi- líbrios, e, portanto, das doenças, tem sido alterações emocionais. Isso nos leva a pensar sobre a influência da mente sobre o corpo, e sobre a necessidade de se investir alto no equilíbrio emo- cional, espiritual e, conseqüente- mente, físico”, alerta Yamane.

de se investir alto no equilíbrio emo- cional, espiritual e, conseqüente- mente, físico”, alerta Yamane. P

P & B

de se investir alto no equilíbrio emo- cional, espiritual e, conseqüente- mente, físico”, alerta Yamane. P
37
37