Você está na página 1de 12

Aquisição e Aprendizado: dois processos no Ensino de uma Segunda Língua Acquisition and Learning: two processes in Second Language Teaching

Michele Kovacs de Lima Sapucaia

Centro de Comunicação e Letras – Universidade Presbiteriana Mackenzie Rua Piauí, 143 – 01241-001 – São Paulo – SP

kovacsbebes@yahoo.com.br

RESUMO

O presente trabalho versa sobre dois métodos de interiorização de conhecimento em uma Segunda Língua: Aquisição e Aprendizado. Serão exploradas questões importantes em cada um deles tais como os mecanismos psicológicos relacionados ao processo de aquisição de Segunda Língua; a correlação e influências da língua materna nesse processo e a aplicação dos conceitos de técnicas de ensino de Segunda Língua para adultos. O objetivo central é levar o profissional de ensino a uma reflexão sobre as metodologias abordadas, a fim de que se possa proporcionar ao aprendiz meios para que ele atinja o nível de proficiência desejado.

Palavras-chave: Aquisição. Aprendizagem. Segunda Língua.

ABSTRACT

The present essay is about two methods of knowledge internalization in a Second Language: Acquisition and Learning. Some important issues will be explored in each one such as the psychological mechanisms related to the process of Second Language acquisition; the correlation and influences of the mother tongue in this process and the application of teaching technique concepts of a Second Language to adults. The ultimate aim is to lead the teacher to a reflection of the teaching methodology approaches so that the learner can be provided with means to achieve the desired proficiency level.

Key Words: Acquisition. Learning. Second Language.

1.

Introdução

As pesquisas mais recentes sobre o estudo de uma segunda língua confirmam a

hipótese de que os processos de aquisição (processo subconsciente/intuitivo de princípios gramaticais) e a aprendizagem (estudo consciente da gramática) representam dois sistemas

de interiorização do conhecimento da língua.

No entanto, fala-se muito na influência que a língua materna exerce sobre a segunda

língua, no processo de aquisição da mesma. Há, porém, os que defendem a hipótese de que

o processo de aquisição de uma segunda língua não sofre nenhuma influência da Língua Materna e nem segue o mesmo processo.

O presente trabalho será iniciado com uma breve introdução à questão de

aprendizado/ensino de segunda língua e um rápido recuo histórico, onde serão destacados os progressos de ensino de línguas ao longo do tempo, no campo da lingüística aplicada.

No Capítulo I serão analisados os processos de “acquisition” (aquisição) e “learning” (aprendizado formal) de uma Segunda Língua; suas interrelações, implicações e outros fatores relevantes, segundo análises de alguns pressupostos levantados por teóricos como: Nunan, Schutz e S. Krashen, entre outros.

O Capítulo II reserva espaço para a questão do papel da Língua Materna no

processo de aquisição de Segunda Língua e sua influência. Os mecanismos psicológicos relacionados ao processo da aquisição de Segunda Língua e sua correlação com a aquisição da Língua Materna também são outros pontos destacados. Observam-se ainda fatores importantes com relação à idade cronológica na aquisição de Segunda Língua. Alguns teóricos analisados e que são relevantes para essa fase do trabalho são: Duskova, Dulay e Burt, Newmark, Krashen, entre outros.

O Capítulo seguinte abordará as questões relativas à aquisição e aprendizado de Segunda Língua por adultos, fator que não é usualmente considerado em muitas teorias e pesquisas da área. A reflexão em torno da hipótese de “Intakes Compreensíveis”, proposta por Krashen, constituirá o corpo principal desta fase do trabalho. Os pressupostos da “Andragogia” serão também apresentados.

uma

reflexão/síntese sobre as questões e pressupostos abordados.

A conclusão,

como

parte

final

do

presente

trabalho,

constituirá

de

2. Assimilação X Estudo formal da língua

2.1 Language acquisition (assimilação / aquisição)

Schütz (2006), define Language Acquisition como processo de assimilação natural, intuitivo, subconsciente, fruto de interação em situações reais de convívio humano, em que o aprendiz participa como sujeito ativo. Esse processo tem semelhanças com o processo de assimilação da língua materna pelas crianças. Essas semelhanças existem no sentido de que

a criança, para comunicar-se, adquire um conhecimento prático-funcional sobre a língua

falada, através da interação com as pessoas que a cercam, e não um conhecimento rico, pois

este ocorre anos mais tarde, quando a criança vai à escola em busca do conhecimento

teórico da sua língua materna. Pela interação com a família e comunidade, a criança desenvolve familiaridade com a fonética da língua e sua estrutura. Adquire também vocabulário e capacidade de entendimento oral, a fim de compreender e ser compreendida em diversas situações, possibilitando assim uma comunicação criativa. Como pôde ser visto, uma abordagem que tem como base a Acquisition reforça e incentiva o ato comunicativo, levando o aprendiz a ter um melhor desenvolvimento na língua e a adquirir autoconfiança.

Um bom exemplo de Language Acquisition é o caso de jovens e adultos que participam de programas de intercâmbio. Residem durante um ano (ou mais) no exterior e adquirem alto nível de fluência na língua estrangeira, que em muitos casos assemelha-se à fluência na língua materna. No entanto, eles adquiriram a fluência intuitivamente, pois geralmente não tem conhecimentos teóricos sobre idioma (não têm noção de fonologia, sintaxe, verbos, etc

2.2 Language Learning (ensino formal/ aprendizado)

Language Learning tem relação com a abordagem de ensino tradicional aplicado

nas escolas (ensino médio, muitos cursos de línguas, etc

aluno entenda, através da língua na forma escrita, a estrutura e regras do idioma, através de esforços intelectuais e capacidade dedutiva - lógica.

Nesse processo de aprendizagem são transmitidos conhecimentos ao aluno a respeito da L.E., como se dá o funcionamento da estrutura gramatical dessa língua, tudo delimitado por um plano didático que inclui memorização de vocabulário, a fim de que o aluno acumule conhecimento e tenha progresso na aprendizagem. Ressaltamos aqui o papel do professor nessa didática pré-determinada, que assume a função de autoridade em sala de aula fazendo do aluno um aprendiz “passivo”.

Tem como premissa que o

).

Por tratar-se de dados teóricos, a valorização do aprendizado dá-se na quantidade de acertos do aluno, ou seja, no estudo formal valoriza-se o correto enquanto que o incorreto é totalmente rejeitado. O ambiente de ensino não é propício para a espontaneidade tendo em vista o ambiente artificial totalmente ausente de práticas, que tornariam o aprendizado mais natural.

Sabemos que há diversas implicações na utilização desse processo, mas há sem dúvida uma questão fundamental a ser analisada, que refere-se a “frustração” de alunos que, ao esforçarem-se para acumular conhecimento deparam-se com a falta de familiaridade com a língua, que, em muitos casos, impossibilita a fluência desejável na língua estrangeira.

Se atentarmos para a colocação acima, podemos considerar como exemplo claro da Language Learning o caso de inúmeros graduados em Letras que “especializaram-se” em uma determinada língua estrangeira e, de acordo com sua formação, estão habilitados para ensinar esse idioma. No entanto, na maioria dos casos, eles detêm sérias dificuldades com a língua, não apenas na área teórica, mas principalmente no uso da mesma para a comunicação oral.

2.3 Conscious learning X subconscious acquisition 1

Krashen formulou outra hipótese; de que haveria dois processos mentais operando na aquisição de uma segunda língua. Conscious learning e subconscious acquisition.

O Conscious Learning é focado nas regras gramaticais, na memorização das

mesmas e em exercícios onde o aluno reconhece situações nas quais as regras estão sendo violadas.

O Subconscious Acquisition é uma ferramenta facilitadora para a aquisição das

regras num nível inconsciente.

Quanto às descobertas de Krashen sobre o consciente e subconsciente no desenvolvimento das funções de uma língua, podemos dizer que não há nenhuma informação nova. A novidade está no fato de Krashen afirmar que os processos acima expostos são independentes entre si; ou seja, que a assimilação não existe como resultado do estudo formal ou o contrário (o estudo formal não se transforma em assimilação).

Um ponto muito importante que também precisa ser estabelecido é que estudo formal não se transformará em assimilação. A idéia de que nós primeiro aprendemos uma regra e em seqüência, através da prática a adquiriremos, é comum e parece para muitos intuitivamente óbvia. Krashen, 1982:83

3. O papel da Primeira Língua na aquisição de uma Segunda Língua.

O tema da “interferência da primeira língua” na aquisição de segunda língua tem

sido visto atualmente por um outro prisma, o qual difere das pesquisas anteriores. Estas

indicavam que a fonte de maior problema no erro sintático de alunos adultos, no desempenho de uma segunda língua era o desempenho “deficiente” da primeira língua. (Lado, 1957). Com base nessa descoberta inicial, uma gama de materiais sobre o assunto fora desenvolvida, mas após um período, novas pesquisas demonstraram que a maioria dos erros, indicados nas primeiras pesquisas, não pertenciam à estrutura de uma primeira língua, mas eram comuns no processo de desenvolvimento de uma segunda língua, em diferentes ambientes lingüísticos. (Richards, 1971)

Isso levantou diversos questionamentos, principalmente na maneira pela qual o ensino de L2 era abordado. Apesar da L1 exercer influências na aquisição da L2, ela não era a fonte principal; assim a fonte a ser estudada seria outra, não o processo de aquisição da L1. A questão a ser discutida passou a ser entender onde a influência da L1 ajusta-se no modelo teórico do desempenho de L2.

Estudos mostraram que a influência da L1 está presente, principalmente no caso de estudantes de Língua Estrangeira e não de estudantes de Segunda Língua. Sabemos que na primeira situação as informações recebidas de maneira natural são escassas e os exercícios de tradução são usados freqüentemente. Com base nas informações anteriores, podemos notar mais sinais da influência da Primeira Língua nos programas de imersão, onde os

1 Pode ser traduzido com “Aprendizado Consciente x Aquisição Inconsciente”.

“inputs” são geralmente do professor e não do aluno. Os erros da influência da Primeira Língua neste caso dizem respeito à ordem das palavras.

Uma questão importante sobre o assunto é saber se a segunda língua deve ou não ser aprendida, seguindo-se o modelo de assimilação da primeira língua.

Vejamos a citação de Slama (1979:85 e 87)

Convém, certamente, que a resposta a esta questão seja diversificada. Ela

depende, em primeiro lugar, da idade na qual se aprende a Língua Estrangeira

] [

ser humano aprende sua primeira língua é útil, em primeiro lugar, quando se ensina uma segunda língua a crianças menores. Em segundo lugar, tal conhecimento pode fornecer sugestões que darão lugar a uma melhoria do processo geral de ensino de LE [

Faz-se necessário, porém sublinhar que o conhecimento da maneira como o

Assim, se for tomado como base o processo de aquisição/aprendizagem de LM e reproduzido no ensino de LE sem levar em consideração os fatos acima expostos, corre-se

o risco de não serem alcançados nossos objetivos com relação ao ensino de LE. No entanto,

sabe-se que os estudos e descobertas sobre o processo de aquisição de LM. podem auxiliar

de maneira significante as diversas abordagens e métodos de ensino de LE.

3.1 Mecanismo psicológico

A questão que mais preocupou os pesquisadores na área de aquisição de L2, no

início da década de setenta, era saber qual a relação entre os processos de aquisição de L1 e L2. Quais as possibilidades do processo psicolingüístico ser semelhante na aquisição da L1

e L2.

Inicialmente, muitos pesquisadores acreditavam que os processos psicolingüísticos eram semelhantes, tanto na aquisição da L1 quanto na aquisição da L2, como ocorreu com Durlay e Burt (1974), que criam na premissa de que o processo de aquisição dos morfemas gramaticais era semelhante no processo de aquisição das duas línguas e que os erros cometidos por um aprendiz de L2 seriam os mesmos cometidos pelo aprendiz de L1. Entretanto, após pesquisas, Durlay e Burt concluíram que ainda que existam muitas

similaridades entre aquisição de L1 e L2, elas são reconstruídas pelo aprendiz de maneiras

diferentes:

 

“Nós não podemos hipotetizar similaridades entre aquisição de L2 e L1 como nós dissemos no início de nossa investigação. No entanto, tanto o aprendiz de L2 quanto aprendiz de L1 reconstrói a língua que eles estão aprendendo, e é natural que se espere que eles a reconstruam de forma diferentes. Crianças que estão aprendendo L2 geralmente têm mais idade do que aquelas que estão aprendendo a L1; elas estão mais à frente em seu desenvolvimento cognitivo, e elas já experimentaram antes o processo de aquisição de uma língua (neste caso a L1). Esses fatores deveriam combinar-se a fim de formular uma estratégia para uma construção criativa no processo de aquisição de L2, diferente das estratégias da construção criativa do processo de aquisição de L1.” (Dulay and Burt,

1974:225.)

A

aquisição de L2 ocorre geralmente em idade mais avançada do que na Língua

Materna. E são as interações com o mundo que fazem com que uma criança normal

assimile a L1. Por esse processo, na maioria das vezes lento, a criança integra-se em seu meio e aprende a manusear os elementos lingüísticos de modo a promover comunicação.

De modo geral, a criança está todo o tempo motivada a produzir a fala, por causa do ambiente em que está inserida, principalmente porque é por esse meio lingüístico que a criança expressa-se e é compreendida. Além disso, a fala é um processo de descobrimento natural da criança.

No entanto, o mesmo não ocorre com o aprendiz de L2, seja ele adulto ou jovem. Inicialmente, o aprendiz geralmente busca aprender uma L2 depois de uma certa idade, o que gera uma implicação psicolingüística de que quem aprende uma L2 trás consigo um outro sistema lingüístico, que é o da L1. Por esse fato, o aprendiz que já possui um sistema de hábitos musculares e neuromusculares, terá que substituir esse sistema gradativamente pelo da L2.

Além das dificuldades decorrentes da L1, o aprendiz de L2 não terá os mesmos motivos para adquirir uma L2 e em muitos casos o fará para suprir alguma necessidade, principalmente profissional; muito diferente dos motivos e incentivos que a criança recebe na aquisição de L1. Outro fator a ser considerado é que o aprendiz de L2 geralmente não está inserido num ambiente que promova a aquisição, pois não terá contato integral, ou talvez pelo menos parcial, com outros falantes da L2.

3.2 A idade cronológica na aquisição de Segunda Língua.

A questão da idade na aquisição de L2 tem sido muito discutida. O que é aceito de forma geral, com base nos estudos da ciência da neurolinguística, da psicologia e da lingüística é na realidade, uma série de hipóteses que buscam explicar não só o desempenho cognitivo do ser humano, mas também as diferenças entre adultos e crianças.

Muitos acreditam que quanto mais novo for o aprendiz, mais eficiência terá na aquisição de L2. No entanto a influência da idade na aquisição não tem uma conclusão tão definida; pesquisas recentes mostram que os elementos a serem analisados a fim de provar a verdadeira influência da idade são mais complexos do que se imaginava. De acordo com Ellis (1985), é necessário investigar e fazer distinções entre o efeito da idade, no caminho da aquisição, (onde os itens da língua alvo são adquiridos na mesma ordem por diferentes alunos), a agilidade (quão rápido o aluno adquire a língua) e o desenvolvimento final/ conclusivo (quão proficiente na língua o aluno estará no final do processo). Ellis conclui que apesar da idade não alterar a rotina da aquisição, essa questão tem um efeito marcante na agilidade e resultado final do processo. Ele conclui que:

“1 - A idade inicial não afeta o processo de aquisição da L2, no entanto há uma diferença na ordem do processo de aquisição que deve ser observada de acordo com a idade.

2 – A idade inicial afeta a razão da aprendizagem. Quando o foco está sobre a gramática e o vocabulário, alunos adolescentes assimilam melhor que crianças e adultos, quando a exposição da matéria em questão for constante. Quando o foco é a pronúncia, não há nenhuma diferença relevante entre as idades.

3- Tanto a quantidade de anos de exposição quanto a idade inicial afetam o nível de proficiência na L2. A quantidade de anos de exposição contribui grandemente para uma total fluência comunicativa do aluno, mas a questão da idade inicial determina o nível de exatidão alcançada, particularmente na pronúncia.”; (Ellis, 1985:106)

4. Aquisição e aprendizagem de Segunda Língua por adultos

Teoria e prática na assimilação de L2 por adultos

Os programas de ensino de L2 são, na sua maioria, divididos e baseados em quatro habilidades 2 conhecidas como: falar, ouvir, ler e escrever, no entanto, muitas pesquisas indicam que esta não é a maneira ideal de divisão. Oller (1976b), em uma série de estudos, conclui que é difícil encontrar uma única variação significativa em todos os materiais sobre ensino de língua, que seja atribuída unicamente a uma das quatro habilidades tradicionais, ou seja, não há evidências claras para que cada elemento seja considerado individualmente, como fator da “fala” ou fator da “escrita”. O que ocorre, geralmente, em programas de ensino de L2, é o caso de professores que focalizam seu “método” em uma ou no máximo duas das quatro habilidades, ignorando as outras; o que torna essas quatro divisões totalmente artificiais.

Krashen (1981), é outro pesquisador que também não concorda com a idéia de que as quatro habilidades sejam a divisão ideal nos programas de ensino de L2. Em sua teoria chamada “Monitor Theory” ele confirma essa posição, como observado por Oller (1976a), que notou que os erros de análise revelam um alto grau de correspondência entre as estruturas geradas em tarefas extremamente diferentes como: tradução, imitação oral e fala espontânea. Enquanto essas observações foram baseadas em dados anteriores à hipótese do monitor, os resultados da hipótese de Krashen (1981) foram tão similares e consistentes quanto às pesquisas de Oller. Nessas pesquisas ele afirma que encontrou dificuldades na ordem dos morfemas gramaticais produzidos por alunos adultos de L2 em tarefas muito diferentes, tarefas que geralmente são utilizadas tanto no sistema de acquisition quanto no learning. Ele propõe um programa de ensino de L2, o qual é considerado por ele como o “ideal”, composto por dois elementos principais: acquisition e learning. O modelo teórico desse programa contém diversos componentes, alguns são de uso obrigatório enquanto outros são de uso opcional.

2 Conhecidas em inglês como “Four Skills”.

4.1 Programa De Ensino De L2 – Aquisição

Tabela

No modelo teórico de Krashen vê-se claramente que a parte mais importante de seu programa de ensino é o intake 3 sob a acquisition. Krashen conclui que aquisição de uma língua sobrepõe-se ao aprendizado formal no desempenho de L2. Intake é simplesmente onde origina-se a assimilação da língua; é o input lingüístico que ajuda o aluno a assimilar a língua. Krashen chega a dizer que “a maior função das aulas de L2 é a de providenciar intakes para uma assimilação da língua mais efetiva. (Krashen, 1982). E, aprofunda-se ainda mais dizendo que a maior tarefa no campo da lingüística aplicada pode ser considerada a de criar materias e contextos que promovam os intakes.

Krashen levanta a hipótese de que intake é o primeiro de todos os inputs entendidos. Nesse sentido a compreensão pode ser considerada como o centro do processo de aquisição, pois adquire-se a língua compreendendo-a.

Por outro lado, a fim de beneficiar o aluno, os inputs precisam necessariamente estar

um pouco além do estágio atual de seu desenvolvimento. Em outras palavras podemos dizer que a teoria formula a hipótese de que há só um meio de aquisição da língua, - o da compreensão de mensagens na L2 que utiliza estruturas que ainda não tenham sido adquiridas, através dos inputs, ou seja, se um estudante teve progresso no processo de

aquisição de estruturas representadas aqui por 1,2,3,4 i,

atual de desenvolvimento, esse aluno poderá

condições de compreender um input que contém i+1.

avançar para a estrutura seguinte i+1, tendo

representando i o seu estágio

Pode-se concluir, portanto, que a L2 é adquirida por um input compreensível, ouvindo ou lendo. Não se adquire uma L2 praticando a oralidade, pois a fala é considerada como um resultado da aquisição, e não a sua causa. Segundo a hipótese do input, a produção da L2 só ocorre após ser construída uma competência via input, que inicia-se pela audição de L2 durante períodos de tempo variáveis, definidos por Krashen como “silent period”.

O autor sublinha, no entanto, que a aquisição não depende apenas do acesso a um input compreensível. Como diz Oller (1963): “todos os professores de língua estrangeira

3 Pode ser definido como “os elementos compreendidos da língua alvo”.

sabem que uma simples “exposição” não é o suficiente

que a língua se torne parte integrante da experiência do estudante, a menos que ele consiga reagir às interações automática e naturalmente, ele não conseguirá se comunicar efetivamente na língua”.

Se os intakes constituem a parte essencial do programa de ensino proposto, a sala de aula pode ser considerada o melhor lugar para adultos adquirirem a língua alvo, pelo menos até o nível intermediário. Como Wagner-Gough e Hatch (1975) afirmaram: o mundo externo”não é geralmente, favorável para proporcionar intakes para adultos. As crianças que adquirem L1 geralmente têm a vantagem de receber intakes reais, tendo em vista a extrema necessidade de comunicação, mas o mesmo não ocorre com os adultos, pois os motivos de adquirir uma L2 são totalmente diferentes das crianças que adquirem L1, o que ocorre é que muitos buscam a aquisição de L2 por diversos outros motivos, principalmente o profissional.

todos nós sabemos que a menos

Alguns exemplos de atividades que promovem intakes são: extensas leituras, como as recomendadas por Newmark (1971), que certamente promoverão mais intakes do que parágrafos que requerem análises a fim de serem compreendidos pelo aluno e também a técnica desenvolvida por Asher, (1966, 1969), chamada de “Total Physical Response” 4 , onde é pedido ao aluno que “obedeça”, de forma física, aos comandos dado pelo professor na língua alvo. Há evidências de que a referida técnica traz mais benefícios com relação a aquisição de L2 do que os métodos tradicionais, pois promove intakes: os comandos são compreendidos, são aplicados em níveis apropriados e são naturais, além de serem comunicativos.

4.2 Princípio do aprendizado por adultos aplicado à aprendizagem de L2.

Malcon Knowles (1973) desenvolveu um princípio chamado “Androgogy 5 ”, que pode ser interpretado como a arte / ciência que visa facilitar o aprendizado do adulto, o qual ainda hoje é considerado como um dos mais importantes princípios sobre ensino e instrução para adultos. Eis alguns pressupostos da teoria utilizados no processo de aprendizagem de adultos e que podem ser aplicados no ensino de L2 de alunos adultos:

Papel da Experiência

Os adultos são portadores de uma experiência que os distingue das crianças e dos jovens. Em numerosas situações de formação, são os próprios adultos, com a sua experiência, que constituem o recurso mais rico para as suas próprias aprendizagens.

Vontade de Aprender

Os adultos estão dispostos a iniciar um processo de aprendizagem desde que compreendam a sua utilidade para melhor afrontar problemas reais da sua vida pessoal e profissional.

4 Pode ser traduzido como “Resposta Física Total” 5 Que no Brasil é conhecido como Andragogia.

Orientação da Aprendizagem

Nos adultos a aprendizagem é orientada para a resolução de problemas e tarefas com que se confrontam na sua vida cotidiana (o que desaconselha uma lógica centrada nos conteúdos).

Motivação

Os adultos são sensíveis a estímulos de natureza externa (notas, etc), mas são os fatores de ordem interna que motivam o adulto para a aprendizagem (satisfação, auto- estima, qualidade de vida, etc).

Algumas pesquisas afirmam que estudantes adultos aprendem apenas 10% do que ouvem, após 72 horas. Entretanto são capazes de lembrar 85% do que ouvem, vêm e fazem, após as mesmas 72 horas.

5. Conclusão

O processo de aprender é muito complexo, pois envolve diversos fatores tais como sociais, econômicos, políticos, entre outros. Embora seja possível teorizar sobre a existência de alguns padrões gerais de aquisição, cada pessoa tem suas próprias características individuais, sendo impossível descrever todas as possibilidades desse fenômeno. Há variações, biológicas, de aptidão, atitude, idade, fatores afetivos/motivação, além das variações de contexto onde ocorrem os processos de aprendizagem: quantidade e qualidade de input disponível, cultura, etc

Uma das questões mais relevantes nesse trabalho é a importância do processo de aquisição de uma L2. Há diversas teorias sobre o assunto, mas a questão da importância da aquisição é um fator comum entre todas elas. (Ver Hatch, 1978; Krashen, 1985; Ellis, 1985.) De acordo com Krashen, a aquisição é responsável pela fluência na L2 e a aprendizagem (conhecimento formal) pode ser utilizado para corrigir construções feitas pelo aprendiz; com isso ele pontua em suas pesquisas a superioridade da aquisição sobre o aprendizado, no processo de ensino de L2. O processo de aprendizagem, como visto, tem um papel importante à medida que pode ser usado pelo aprendiz como uma ferramenta que o possibilita a ter conhecimento das estruturas lingüísticas e saber como utilizá-las corretamente.

Saber uma língua não é apenas acumular informações sobre a estrutura lingüística e o vocabulário, inclui também ter a capacidade de interação com o interlocutor, tanto escrita quanto oral, de maneira que o aprendiz de L2 compreenda e seja compreendido.b

Como afirma Krashen, citado por Schütz (2006) “Aquisição requer interação significativa, na língua alvo – comunicação natural – onde os falantes estão cientes não apenas da forma de suas interações, mas também da mensagem que eles estão transmitindo e entendendo”.

Pensar a aquisição de L2 sob o prisma da importância do processo leva à conclusão de que os professores devem adotar uma didática que valorize não apenas o processo de aprendizagem, rotineiramente trabalhado pelos profissionais da área, mas também o

processo de aquisição, que como já visto, é de suma importância para que se atinja proficiência de L2.

É visto claramente que todo aprendiz de uma L2, não a assimila da mesma maneira que adquiriu sua Língua Materna, mas sabe-se que o processo de aquisição de L2, se inserido na didática do professor, pode ser de grande beneficio para o aluno, pois auxilia de maneira natural o desenvolvimento da L2.

Como visto, muitas são as maneiras de promover a aquisição de uma Segunda Língua em sala de aula. O mais importante, no entanto, é que professores tornem-se conscientes da necessidade de adotar essa nova metodologia, pois encontrarão nos diversos materiais sobre o assunto, ferramentas necessárias para promover, em favor de seus alunos, a possibilidade de alcançar um nível superior de proficiência em L2.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

ASHER, J. The learning strategy of the total physical response: a review. Modern Language Journal, 1966.

ASHER, J. The total physical response approach to second language learning. Modern Language Journal, 1969.

DULAY , H. and M. Burt. Natural sequence in child second language acquisition. Language learning, 1974a.

DULAY, H. and M. Burt. Errors and strategies in child second language acquisition. TESOL Quarterly, 1974b.

ELLIS, R. Understanding second language acquisition. Oxford: Oxford University Press,

1985.

HATCH, E. Discourse analysis and second language acquisition. In E. Hatch (Ed.), Second Language Acquisition. Rowley, Ma.: Newbury House, 1978.

KNOWLES, M. S. The Adult Learner: A neglected species. 4e. Houston: Gulf Publishing,

1973.

KRASHEN, S. D. The input hypothesis: Issues and implications. London : Longman, 1985.

Principles and practices in second language acquisition. New York:

Pergamon Press, 1982.

LADO, R. Linguistics Across Cultures. Ann Arbor, Mich.: University of Michigan Press,

1957.

MONTGOMERY, C., and M. Eisenstein. Real reality revisited: An experimental communicative course in ESL. Tesol Quartely, 1985.

NEWMARK, L. "A minimal language teaching program." In P. Pimsleur and T. Quinn (Eds.), The Psychology of Second Language Learning. Cambridge: University Press, 1971.

OLLER, J. "A program for language testing research." Language Learning, Special Issue no. 4, 1976a

OLLER, J. "Evidence for a general language proficiency factor." Die Neuren Sprachen,

1976b.

OLLER, J.W. Teacher’s manual: El Espanõl por el mundo/primer nivel /segundo nivel:

Emilio en España. Chicago: Encyclopedia Films. In Oller, J. W. Jr., and Patricia A. Richard-Amato (eds.) Methods that work – a smorgasbord of ideas for language teachers. Rowley, Massachusetts: Newbury House, 1963.

RICHARDS, J. "Error Teaching, 1971.

analysis and second language strategies." English Language

SCHIMIDT, R., and S. Frota. Developing basic conversational ability in a second language: A case study of an adult learner of Portuguese. In R. Day (ed.), Talking to learn:

conversation in second language acquisition. Rowley, Mass: Newbury House, 1986.

SCHÜTZ, Ricardo. “Assimilação natural x ensino formal” English Made in Brasil. http://www.sk.com.br/sk-laxll.html. Online. 15 novembro 2006.

SLAMA-CAZACU, Tatiana; CABRAL, Leonor Scliar, Trad. Psicolingüística aplicada ao ensino de línguas. São Paulo: Pioneira, 1979.

SWAIN, M. Communicative competence: Some roles of comprehensible input and comprehensible output in its development. In S. Gass and C. Madden (eds.), Input in second language acquisition. Rowley, Mass: Newbury House, 1985.

TERRELL, T. A natural approach to the acquisition and learning of a language. Modern. Language Journal, 1977.

WAGNER-GOUGH, J. and E. Hatch (1975) "The importance of input data in second language acquisition studies." Language Learning , 1975.