Você está na página 1de 5

Artigo

Artigo Estudo de Ovos de Meloidogyne spp em Fezes Humanas Geny Aparecida Cantos 1 , Rosilene
Artigo Estudo de Ovos de Meloidogyne spp em Fezes Humanas Geny Aparecida Cantos 1 , Rosilene
Artigo Estudo de Ovos de Meloidogyne spp em Fezes Humanas Geny Aparecida Cantos 1 , Rosilene
Artigo Estudo de Ovos de Meloidogyne spp em Fezes Humanas Geny Aparecida Cantos 1 , Rosilene
Artigo Estudo de Ovos de Meloidogyne spp em Fezes Humanas Geny Aparecida Cantos 1 , Rosilene
Artigo Estudo de Ovos de Meloidogyne spp em Fezes Humanas Geny Aparecida Cantos 1 , Rosilene

Estudo de Ovos de Meloidogyne spp em Fezes Humanas

Geny Aparecida Cantos 1 , Rosilene Linhares Dutra 2 , Nádia Salete Benedet 3

1- Prof(a) Dr(a) do Departamento de Análises Clínicas (ACL), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, Brasil 2 - Mestre e doutoranda, UFSC 3- Aluna da disciplina Estágio Supervisionado – ACL - UFSC

Resumo Summary Meloidogyne spp é um nematelminto de interesse agrí- cola, encontrado principalmente em nódulos
Resumo
Summary
Meloidogyne spp é um nematelminto de interesse agrí-
cola, encontrado principalmente em nódulos radiculares,
como batatinha, mandioca, beterraba, rabanete, nabo,
batata-doce, sendo inofensivo para o ser humano. Pela
ingestão de tais alimentos o homem pode apresentar em
suas fezes ovos deste helminto, os quais podem ser confun-
didos com ovos de Ancilostomideos e Trichostrongylus spp,
os quais são parasitas do homem. Esses três parasitas têm
a morfologia do ovo semelhante entre si. Para diferenciar
os ovos destes helmintos nas fezes humanas, deve-se levar
em conta o tamanho, a forma e a presença ou não de
estruturas internas, sendo que os ovos de Meloidogyne spp
apresentam entre outras características, como diferencia-
ção marcante, a ausência de um espaço claro entre a
mórula e a membrana. Assim, este trabalho teve como
objetivo considerar as principais características do nema-
toda Meloidogyne spp e também apresentar as principais
diferenças dos ovos desses três parasitas.
Meloidogyne spp is a nematode of agricultural
importance, mostly found in roots, such as: potato,
manioc, beat, radish, turnip or sweet potato. It is
harmless to human beings. By ingesting such food
people may present eggs of this nematode in their
feces. Yet, these may be mistaken for hookworms and
Trichostrongylus spp eggs, worms which parasite
men. All three of the parasites have similar egg mor-
phology. In order to differentiate the nematode eggs
in human feces the size, the shape and presence of
internal structures must be taken into account eggs
of Meloidogyne spp present the lack of a clear spa-
ce between the morula and the membrane as a dis-
tinctive feature. Thus this paper’s main objective was
to consider distinct features of the nematoda Meloi-
dogyne spp and the main differences in the eggs of
the three parasites.
Palavras-chaves: Meloidogyne spp, Trichostron-
gylus spp e Ancilostomídeos
Keywords:
Meloidogyne spp, Trichostrongylus
spp and Hookworms

IntroduçãoIntrodução

spp and Hookworms Introdução Introdução M eloidogyne spp é um nema- telminto pertencente à clas-
spp and Hookworms Introdução Introdução M eloidogyne spp é um nema- telminto pertencente à clas-
spp and Hookworms Introdução Introdução M eloidogyne spp é um nema- telminto pertencente à clas-
spp and Hookworms Introdução Introdução M eloidogyne spp é um nema- telminto pertencente à clas-
spp and Hookworms Introdução Introdução M eloidogyne spp é um nema- telminto pertencente à clas-

M eloidogyne spp é um nema- telminto pertencente à clas-

se Nematoda e como tal é vermi- forme (nema=fio; eidos= forma), apresentando aparelho digestivo

completo e ausência de epitélio no pseudoceloma (cavidade do corpo). Está inserido na subclasse Secer- nentea (com presença de flasmí- deos, que são depressões sensori- ais localizadas na porção posterior do helminto), na ordem Tylenchida

(de interesse agrícola), na super- família Tylenchoidea; na família He- teroderidae e no gênero Meloido- gyne (Fraga, 1984). As espécies desse gênero são as causadoras de uma afecção conhecida como “an- guilolose da raiz” ou “nematodos de

NewsLab - edição 65 - 2004 133
NewsLab - edição 65 - 2004 133
NewsLab - edição 65 - 2004 133
NewsLab - edição 65 - 2004 133
nódulos radiculares” , sendo encon- trados em mais de 1000 varieda- des de plantas, e
nódulos radiculares” , sendo encon- trados em mais de 1000 varieda- des de plantas, e
nódulos radiculares” , sendo encon- trados em mais de 1000 varieda- des de plantas, e
nódulos radiculares” , sendo encon- trados em mais de 1000 varieda- des de plantas, e
nódulos radiculares” , sendo encon- trados em mais de 1000 varieda- des de plantas, e
nódulos radiculares” , sendo encon- trados em mais de 1000 varieda- des de plantas, e

nódulos radiculares”, sendo encon- trados em mais de 1000 varieda- des de plantas, e mais comumente nas agalhas de raízes como toma- te, pimentão, beringela, tabaco, soja, erva-mate, olivas e algodão, tornando limitante a cultura dessas plantas (Barnes & Olive, 1995). Muitas são as espécies do gê- nero Meloidogyne descritas, sen- do que as mais importantes são:

Meloidogyne arenaria, Meloido- gyne javanica, Meloidogyne in- cognita e Meloidogyne artiellas. Embora essas espécies diferem em suas relações com os hóspe- des, morfologicamente as dife- renças observadas entre as mes- mas são vagas. Para a identifi- cação dessas espécies muitas técnicas têm sido utilizadas, des- tacando-se as análises de pro- teínas codificadas de estruturas cuticulares de tais nematodos (De Giorgi et.al.,1996; Jaubert et.al., 2002); os anticorpos mo- noclonais específicos contra an- tígenos de glândulas de fêmeas adultas de Meloidogyne e tam- bém contra proteínas essenciais envolvidas na patogênese deste nematodo (Rosso et.al., 1996); os marcadores genéticos, cujas seqüências de DNA são amplifi- cadas pela reação em cadeia de polimerase (Castagnone et.al., 1994; Chacon et.al., 1994) e a diversidade da estrutura mito- condrial do parasito, utilizando técnicas eletroforéticas de alta resolução (Huggal et.al.,1994).

Morfologia e Ciclo Biológico Tanto o macho como a fêmea apresentam cor branca leitosa e

têm aspecto vermiforme. Os ma- chos possuem a forma típica de fio

e podem medir 1,5 mm de compri-

mento com um ou dois testículos, com seus correspondentes espícu- los ou pênis, praticamente termi- nais em sua típica cauda arredon- dada que carecem totalmente de bursas. Quando adultos, vão à bus-

ca das fêmeas ou muitas vezes se dirigem diretamente ao solo. Assim,

é comum encontrar os machos de

Meloidogyne spp livres no solo ou mesmo encrustrados nas massas de ovos. Logo após a fecundação,

o macho morre, sendo um parasito

sedentário unicamente durante seu desenvolvimento larvar. As fêmeas têm mais aspecto glo- boso, piriforme, medindo aproxima- damente 0,8 mm de comprimento, contendo dois ovários e uma vulva subterminal. Vivem normalmente dentro das raízes de tubérculos su- culentos, sendo que após a fecun- dação (para alguns autores a re- produção pode ser do tipo pater- nogenética), ela secreta, através de sua vulva, uma substância gelati- nosa e, em seguida, deposita seus ovos (200 a 500 e até mais de 1000), que se mantêm unidos, pro- tegidos por uma capa protetora. Após a eclosão dos ovos as larvas vão rapidamente em busca de uma raiz, pois caso contrário, morrerão em poucas horas. Nessas raízes elas começam a alimentar-se imediata-

mente no primeiro ponto no qual entram em contacto, para recupe- rar-se do esforço realizado. Logo, com o seu estilete (estrutura oca, usada para penetrar nas raízes e alimentar-se das células das plan- tas), vão realizando um orifício com o qual conseguem finalmente intro- duzir-se. Após as larvas penetra- rem em seu sítio definitivo, elas continuam alimentando-se voraz- mente dos sucos vegetais e pas- sam logo por dois estádios, nos quais a alimentação passa a cum- prir um papel secundário. Em seu segundo estádio larvar, elas medem de 0.4 a 0.5 mm de comprimento. No fim do terceiro e no início do quarto estádio larvar, as fêmeas co- meçam a tomar sua forma de limão (Fraga, 1986). As fêmeas, alcançan- do seu estado adulto, logo após a fecundação, fazem a ovoposição. Normalmente permanecem no mes- mo sítio em que se desenvolveram. A fêmea é um parasito sedentário em todo seu desenvolvimento lar- vário e durante toda sua vida adul- ta. Em algumas ocasiões, tem-se encontrado os machos da mesma forma que as fêmeas, porém duran- te um período mais curto (Barnes & Olive, 1995). O período de incubação, desde a penetração da larva à deposição dos ovos pela fêmea, é de aproximada- mente 20 a 30 dias (Fraga, 1984). Os climas quentes e os solos leve- mente úmidos favorecem o desen- volvimento e a fusão destas espéci- es, porém o excesso de umidade as

prejudicam. O ciclo completo se cumpre em aproximadamente 30 a 45 dias. Em nosso meio,
prejudicam. O ciclo completo se cumpre em aproximadamente 30 a 45 dias. Em nosso meio,
prejudicam. O ciclo completo se cumpre em aproximadamente 30 a 45 dias. Em nosso meio,
prejudicam. O ciclo completo se cumpre em aproximadamente 30 a 45 dias. Em nosso meio,
prejudicam. O ciclo completo se cumpre em aproximadamente 30 a 45 dias. Em nosso meio,
prejudicam. O ciclo completo se cumpre em aproximadamente 30 a 45 dias. Em nosso meio,

prejudicam. O ciclo completo se

cumpre em aproximadamente 30 a

45 dias. Em nosso meio, e em con-

dições normais, pode-se calcular de

3 a 5 ciclos por ano (Fraga, 1986).

Patologia

O parasita é inofensivo para o

ser humano, porém causa danos

para a planta que estiver parasi-

tando. O mecanismo de destruição

do vegetal parasitado ocorre da

seguinte maneira: inicia-se na par-

te superior da planta com mudan-

ça de coloração, amarelamento e

ressecamento, começando pelos

bordos, ocasionando lentidão no

crescimento e decaimento geral da

planta. Em alguns casos a planta

morre, porém mesmo que isso não

aconteça, sua produção é pratica-

mente nula. Na raiz aparecem aga-

lhas provocadas pelos nematóides

que vivem em seu interior e debili-

tam a planta, dificultando a circu-

lação da seiva na mesma.

A planta gasta energia em su-

plantar as raízes atacadas e o de-

bilitamento geral se acentua. As

necroses, produzidas nos locais

onde houve penetração dos nema-

tóides, constituem um fator impor-

tante no decaimento dos vegetais

atacados (Fraga, 1986).

Diagnóstico diferencial de al-

guns nematóides parasitas do

homem e sua comparação com

Meloidogyne spp

Os ovos de Meloidogyne spp

podem ser encontrados nos vege-

Os ovos de Meloidogyne spp podem ser encontrados nos vege- Figura 1. Ovos de Meloidogyne spp

Figura 1. Ovos de Meloidogyne spp, mostrando formas ovóides, casca fina, hialina, corpúsculos refringentes de forma oval e arredondados, localizados entre a casca e a mórula, se assemelham a gotas de gordura (400x).

casca e a mórula, se assemelham a gotas de gordura (400x). Figura 2. Ovos de Ancilostomídeos

Figura 2. Ovos de Ancilostomídeos em fezes recentemente emitidas, podendo ser encontrados ovos com quatro, oito, ou mais blastômeros e depois uma massa germinativa (400x).

ou mais blastômeros e depois uma massa germinativa (400x). Figura 3. Ovos Trichostrongylus spp em fezes

Figura 3. Ovos Trichostrongylus spp em fezes recentemente emitidas (400x).

tais parasitados e encontram-se

pouco unidos ou formando massas

compactas, como se fossem ver-

dadeiros sacos, em forma de pêra

e, algumas vezes, em forma de

esfera. Podem aparecer em fezes

humanas pela ingestão de plantas

como batatinha, mandioca, beter-

raba, rabanete, nabo, batata-doce,

podendo ser confundidos com os

ovos de Trichostrongylus spp e An-

cilostomídeos. Esses três parasitas

têm a morfologia do ovo semelhan-

te entre si. Para diferenciar os ovos

destes helmintos nas fezes huma-

nas, deve-se levar em conta o ta-

manho, a forma e a presença ou

não de estruturas internas.

Os ovos de Meloidogyne spp são

brancos, têm o formato ovóide ou

elipsóide medindo de 82 a 120 µm

de comprimento por 24 a 43 µm de

largura. Possuem casca fina hialina,

com extremidades arredondadas,

podendo apresentar um dos lados

ligeiramente achatados ou cônca-

vos (Pessoa & Martins, 1988). Po-

dem apresentar corpúsculos refrin-

gentes em seu interior, localizados

entre a casca e a mórula (Pardini

et al., 1999-2000) (Figura 1), es-

trutura que quando presente é im-

portante na diferenciação dos ovos

de Trichostrongylus sp e dos anci-

lostomídeos. Muito característico, embora não seja encontrando em todos os ovos, é a presença em
lostomídeos. Muito característico, embora não seja encontrando em todos os ovos, é a presença em
lostomídeos. Muito característico, embora não seja encontrando em todos os ovos, é a presença em
lostomídeos. Muito característico, embora não seja encontrando em todos os ovos, é a presença em
lostomídeos. Muito característico, embora não seja encontrando em todos os ovos, é a presença em
lostomídeos. Muito característico, embora não seja encontrando em todos os ovos, é a presença em

lostomídeos. Muito característico, embora não seja encontrando em todos os ovos, é a presença em um

dos pólos, de corpúsculos (arredon- dados ou ovalados ou irregulares e refringentes), que se assemelham

a gotas de gorduras situados entre

a mórula e a casca (Pardine et al.,

1999-2000) (Figura 1). O ovo de Trichostrongylus sp é semelhante ao de Ancilostomídeo, diferenciando-se deste pelo seu maior tamanho, extremidade me- nos romba e aspecto mais alonga- do (Pardini et al.,1999-2000) (Fi- gura 3). Os ovos de ancilostomí- deo têm uma característica mar- cante: entre a casca e a célula-ovo há sempre um espaço claro, que diminui à medida que avança a seg- mentação (Figura 2). Em relação ao verme adulto, a maior diferença entre os parasitas

Trichostrongylus spp e Ancilosto- mídeos (tanto macho quanto fê- mea) está na cápsula bucal, que é rudimentar para este parasita e bem desenvolvida nos ancilostomí- deos e Meloidogyne spp. Esta di- ferença faz com que os Trichos- trongylus spp fiquem parcialmen- te enterrados na mucosa do duo- deno e jejuno (metade ou um ter- ço do helminto) e os ancilostomí- deos fiquem firmemente aderidos à mucosa intestinal através da cáp- sula bucal bem desenvolvida (for- madas de lâminas ou dentes cor- tantes) (Cantos & Lima, 1997). Por outro lado, o verme adulto de Meloidogyne spp é bem diferente dos outros dois já citados acima, principalmente a fêmea que mede 0,8mm de comprimento e tem for- mato de limão ou pêra. O macho tem forma de fio, com 1,5mm de

comprimento, com cauda arredon- dada, porém a larva tem cauda pontiaguda.

Conclusão Conclusão

porém a larva tem cauda pontiaguda. Conclusão Conclusão Embora a presença de ovos de Meloidogyne spp
porém a larva tem cauda pontiaguda. Conclusão Conclusão Embora a presença de ovos de Meloidogyne spp

Embora a presença de ovos de Meloidogyne spp em fezes huma- na seja rara, a diferenciação de diferentes nematóides que para- sitam o homem em estudo é de suma importância porque impede que os pacientes sejam submeti- dos a tratamentos inadequados, pois Meloidogyne spp não causa danos ao homem.

pois Meloidogyne spp não causa danos ao homem. Correspondência para: Departamento de Análises Clínicas

Correspondência para:

Departamento de Análises Clínicas (ACL) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Caixa Postal 476 CEP: 88040-900. Florianópolis, SC E-mail:geny@ccs.ufsc.br

ReferênciasReferências BibliográficasBibliográficas

1. Barnes RSK & Olive PJW. Os Invertebrados: uma nova síntese. Ed. Atheneu, São Paulo, 1995.

2. Cantos GA & Lima LM. Estudo Comparativo entre Trichostrongylus spp e Ancilostomídeos. NewsLab 24: 130-136, 1997.

3. Castagnone Sereno P et al. Genetic polynorphusm between and within Meloidogyne species detected with RAPD

markers. Genome 6(37): 904-909, 1994.

 

4.

Chacon MR et al.The differentiation of parasitic nematodes using tandom amplifica DNA. J. Helmintol 2(68): 109-

113, 1994.

 

5.

De-Giorgi C, Luca F, Lamberti F. A silent transplicing signal in the cuticlin-encinding gene of the plant parasitic

nematode Meloidogyne artiellia.Gene 2 (170): 261-65, 1996.

6. Fraga CP. Introduccion A La Nematologia Agricola. 2ed.Hemisferio Sul S.A.43 48, 1984.

7. Hugal A, Moritz C, Stanton J et al. Low, but strongly structured mitochondrial DNA diversity in root knot nematodes

(Meloidogyne). Genetics 3(136) 903-912, 1994.

 

8.

Pardini VC, Ferreira CJ, Mourão DM, Mendonça AR et al. Ocorrência de Ovos de Trichostrongylus spp. e Meloidogyne

spp. em exames coproparasitológicos de rotina. Revista Laes & Haes 122: 86 – 90, 1999 – 2000.

9.

Pessoa SB & Martins AV. Parasitologia Médica. 11ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 1988.

10. Rey L. Parasitologia, 2ed.São Paulo: Guanabara Koogan, 1991. 11. Rosso MN, Schiuten A, Roosien J et al. Expression and functional characterization of a single chain Fv antibody directed against secretions involved in plant nematode infection process. Biochem Biophys Res Commun 2 (220) 255-263, 1996.