Você está na página 1de 2

DOMINGO A DOMINGO

ACÇÃO PASTORAL de 23 de Fevereiro a 1 de Março 2009 DIA DA COMUNHÃO


Paróquia/ Dia CALHETA SÃO FRANCISCO ATOUGUIA
Boletim das Paróquias da Freguesia da Calheta
Segunda-feira Calheta Orago Espírito Santo paroquiaes@hotmail.com
23 – 2- 2009 S. Francisco Orago S. Francisco Xavier paroquiasfx1@hotmail.com
Terça-feira Missa 8h Atouguia Orago S. João Baptista paroquiaatouguia@hotmail.com
24 - 2- 2009 Ficha Técnica: Director: O Pároco e Equipa Executiva: Profs Lina Sousa e Irene Sequeira
Quarta-feira CINZAS CINZAS CINZAS Telefone: 291822926/Fax 291824896 Tlm do Pároco: 965250355
25 – 2 -2009 18h 19:30 8h ANO PAULINO “Ai de mim se não evangelizar”
Quinta-feira Missa na SCM – 16:30
26 – 2 – 2009 ENCONTRO DE COROS
Nº 18 – Série III - 22 de Fev 2009 – Domingo VII Tempo Comum
Sexta-feira Missa e Via Missa e Via Sacra às Missa e Via Sacra QUARESMA: A OPORTUNIDADE
27 – 2 – 2009
Sacra – 19:30 8h às 18h
Sábado Missa às 16:30 Missa às 17:30 Missa às 19h Começamos esta semana a Quaresma. É um tempo único na vida de um
28 – 2 – 2009 cristão porque é a preparação para a grande festa cristã: a Páscoa.
A Quaresma é um caminho com muitos símbolos que nos ajudam a
1 – 3 – 2009 11h 9:30 8h
Dom. I avançar, a fazer caminho:
QUARESMA Adoração 17h Adoração 17h Adoração 17h
Orienta: Mães Cristãs Orienta: Mães Cristãs Orienta: Mães Cristãs

Palavra do Pároco
• são 40 dias, ou seja, o tempo justo, o tempo simbólico para
PUBLICAÇÕES GERAIS poder viver uma boa experiência; é um tempo de oportunidade
Tema das Catequeses Quaresmais: que devo agarrar;
«Viver a Quaresma com São Paulo»
Haverá exposição do Santíssimo todos os Domingos da Quaresma • é tempo de dar “esmola”: é tempo de dar algo de mim próprio
a quem me necessita;é tempo de dar a minha atenção, uma
pelas 17h orientado pelos diversos grupos da paróquia.
resposta animadora, a minha confiança; é tempo de estar
Na próxima 5ª Feira, dia 26, encontro de coros em São Francisco: 19:30
generosamente com os que me rodeiam porque é tempo de
Já recebi os Jornais de Fátima, só devem levar os assinantes
acreditar que o meu próximo é mesmo meu irmão;
Paróquia do Atouguia
 • é tempo de jejum: privar-me do que não é essencial para
 mim, deixar cair as capas que tapam quem eu sou, que
escondem a minha fragilidade; é tempo de jejum alegre porque
Paróquia da Calheta vivo convencido da bondade de que ser o que sou, sem
necessidades supérfluas, é razão de alegria;
 Já temos garantido o restauro de 8 Apóstolos
 Recebi oferta de duas túnicas para a igreja • é tempo de oração: é tempo de deixar que Deus tenha uma Palavra na
minha vida, confiar em Alguém a quem chamo Pai porque acredito que
Paróquia de São Francisco
me conhece e me ama; confiar é o maior desafio da oração.
 Recebi 50€ para o tecto e 10€ hóstias
Assim, a Quaresma é o caminho que “encaminha” :
Pensamento da Semana: « Quando falamos de oração, a minha relação com Deus, através da oração;
entendemos um relacionamento afetuoso a sós com o a minha relação com o Irmão, através da “esmola”;
Deus que sabemos que nos ama» a minha relação comigo, através do “jejum”. In: aci portugal
Evangelho do próximo Domingo: dia 1 de Março MENSAGEM DE SUA SANTIDADE
Domingo I da Quaresma - B O PAPA BENTO XVI
PARA A QUARESMA DE 2009
EVANGELHO – Mc 1,12-15 "Jejuou durante quarenta dias e quarenta
noites e, por fim, teve fome" (Mt 4, 1-2)
Naquele tempo, o Espírito Santo impeliu Jesus para o deserto. Jesus esteve no
Queridos irmãos e irmãs!
deserto quarenta dias e era tentado por Satanás. Vivia com os animais selvagens e
No início da Quaresma, que constitui um caminho de treino espiritual mais
os Anjos serviam-n’O. Depois de João ter sido preso, Jesus partiu para a Galileia e
intenso, a Liturgia propõe-nos três práticas penitenciais muito queridas à
começou a pregar o Evangelho, dizendo: «Cumpriu-se o tempo e está próximo o
tradição bíblica e cristã – a oração, a esmola, o jejum – a fim de nos
reino de Deus. Arrependei-vos e acreditai no Evangelho».
predispormos para celebrar melhor a Páscoa e deste modo fazer experiência do
Palavra da Salvação
poder de Deus que, como ouviremos na Vigília pascal, «derrota o mal, lava as
culpas, restitui a inocência aos pecadores, a alegria aos aflitos. Dissipa o ódio,
OUVISTE AQUELE PÁSSARO CANTAR?
domina a insensibilidade dos poderosos, promove a concórdia e a paz» (Hino
O hinduismo, na Índia, desenvolveu uma bela imagem para descrever o pascal). Na habitual Mensagem quaresmal, gostaria de reflectir este ano em
relacionamento entre Deus e a criação: Deus «dança» a Sua Criação. Ele é o particular sobre o valor e o sentido do jejum. De facto a Quaresma traz à
Bailarino e a Criação é a Dança. A dança é diferente do bailarino e, no entanto, mente os quarenta dias de jejum vividos pelo Senhor no deserto antes de
não pode existir sem ele. Tu não podes levá-la para casa, numa caixa, se ela te empreender a sua missão pública. Lemos no Evangelho: «O Espírito conduziu
agradar. No momento em que pára o bailarino, a dança deixa de existir. Jesus ao deserto a fim de ser tentado pelo demónio. Jejuou durante quarenta
Na sua busca de Deus, o homem pensa demais, reflecte demais e fala demais. dias e quarenta noites e, por fim, teve fome» (Mt 4, 1-2). Como Moisés antes de
Mesmo ao olhar para esta dança a que chamamos criação, ele está sempre a receber as Tábuas da Lei (cf. Êx 34, 28), como Elias antes de encontrar o
pensar, a falar (consigo mesmo e com os outros), reflectindo, analisando, Senhor no monte Oreb (cf. 1 Rs 19, 8), assim Jesus rezando e jejuando se prepa-
filosofando...? Palavras, palavras, só palavras... Barulho, barulho, só barulho! rou para a sua missão, cujo início foi um duro confronto com o tentador.
Fica em silêncio e olha para a Dança. Olha simplesmente: uma estrela, uma flor, Podemos perguntar que valor e que sentido tem para nós, cristãos, privar-nos
uma folha que envelhece, um pássaro, uma pedra. Qualquer parte dessa dança de algo que seria em si bom e útil para o nosso sustento. As Sagradas
pode ser útil. Olha. Escuta. Cheira. Toca. Prova! Assim fazendo, é de esperar que Escrituras e toda a tradição cristã ensinam que o jejum é de grande ajuda para
não demore muito até que vejas o próprio Bailarino! evitar o pecado e tudo o que a ele induz. Por isto, na história da salvação é
Queixava-se o discípulo ao seu Mestre, ao Mestre Zen, frequente o convite a jejuar. Já nas primeiras páginas da Sagrada Escritura o
constantemente: «Porque me escondeis o segredo final, o Senhor comanda que o homem se abstenha de comer o fruto proibido: «Podes
segredo de Zen?» e, recusava aceitar as evasivas do comer o fruto de todas as árvores do jardim; mas não comas o da árvore da
Mestre. Até que um dia saíram ambos em passeio e, ciência do bem e do mal, porque, no dia em que o comeres, certamente
enquanto percorriam as colinas, ouviram num silvado, morrerás» (Gn 2, 16-17). Comentando a ordem divina, São Basílio observa que
um pássaro cantar. E, logo, o mestre lhe pergunta: «o jejum foi ordenado no Paraíso», e «o primeiro mandamento neste sentido
«ouviste o pássaro cantar?». O discípulo medita e foi dado a Adão». Portanto, ele conclui: «O “não comas” e, portanto, a lei do
responde: «Sim, Mestre». «Pois bem, agora já sabes». jejum e da abstinência» (cf. Sermo de jejunio: PG 31, 163, 98). Dado que todos
Se ouviste, realmente, o pássaro cantar; se, realmente, viste a árvore... já não há estamos estorpecidos pelo pecado e pelas suas consequências, o jejum é-nos oferecido
segredos; já não precisas de palavras nem conceitos. como um meio para restabelecer a amizade com o Senhor. Assim fez Esdras antes da
Que foi que disseste? Que já ouviste centenas de pássaros e já viste milhares de viagem de regresso do exílio à Terra Prometida, convidando o povo reunido a jejuar
«para nos humilhar – diz – diante do nosso Deus» (8, 21). O Omnipotente ouviu a sua
árvores? Mas será que viste, de facto, as árvores ou rótulos somente? Quando
prece e garantiu os seus favores e a sua protecção. O mesmo fizeram os habitantes de
olhas para uma árvore, na verdade não vês a árvore. Quando tu olhas para uma Ninive que, sensíveis ao apelo de Jonas ao arrependimento, proclamaram, como
árvore e vês um milagre – então, finalmente tu vês uma árvore. Será que o teu testemunho da sua sinceridade, um jejum dizendo: «Quem sabe se Deus não Se
coração já se encheu, alguma vez, dessa maravilha sem palavras que é escutar o arrependerá, e acalmará o ardor da Sua ira, de modo que não pereçamos?» (3, 9).
canto mavioso de um pássaro? Também então Deus viu as suas obras e os poupou. (comtinua no próximo nº).
Anthony de Mello