Você está na página 1de 6

DEPARTAMENTO DE IMPLANTAÇÃO

E CONTROLE DE PROJETOS
S&L

Título: N.º : PRO-XXXX-S&L Pág.: 1/6
AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE
Cód. Trein.: XXXXXXX Rev. : 00-22/10/05

Responsável Técnico:

Sinesio Inácio de Lima

1. OBJETIVO

Avaliar a produtividade em um setor de montagem de empreendimentos.

2. CAMPO DE APLICAÇÃO

Implantação de Projetos e Manutenção.

3. RECURSOS NECESSÁRIOS

• Planilha de Controle Manual das Amostragens
• Microcomputador com o software Excel
• Relógio
• Câmara fotográfica

4. CUIDADOS DE SSO

4.1. Ao utilizar computador ou leitura, realizar com as luzes acessas.
4.2. Sentar corretamente na cadeira; evitar gangorra na cadeira.
4.3. Evitar ficar sentado muito tempo na mesma posição.
4.4. Realizar análise prévia do trabalho.

5. RESPONSABILIDADES

• Fiscal: Aqui na função de Analista, é o responsável pelo acompanhamento e medição dos serviços
contratados.

6. DEFINIÇÕES

• Amostra: Visão estatística pelo analista da totalidade de colaboradores que estão programados
para executar uma determinada atividade constatando as perdas de produção/ montagem e o
motivo.
• Amostragem discreta: A circunstância da frente de trabalho na chegada do analista, ou seja, a
fotografia do que está acontecendo naquele exato instante.
• Estatística: Parte da matemática em que se investigam os processos de obtenção, organização e
análise de dados sobre uma população ou sobre uma coleção de seres quaisquer, e os métodos de
tirar conclusões e fazer ilações ou predições com base nesses dados.
• Recursos: Mão-de-obra, Equipamentos e ferramentas auxiliares.
• Produtividade: É o grau de ocupação da mão-de-obra. Figura o comportamento intensivo da
equipe de montagem na circunstância propiciada pelo planejamento estratégico e liderança direta.
DEPARTAMENTO DE IMPLANTAÇÃO
E CONTROLE DE PROJETOS
S&L

Título: N.º : PRO-XXXX-S&L Pág.: 2/6
AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE
Cód. Trein.: XXXXXXX Rev. : 00-22/10/05

• Planilha de Controle Manual de Amostragens: É o documento que o Analista leva para a frente
se serviço a fim de anotar as amostras. Campos a preencher:
 Data: O dia da Amostragem
 Hora: A hora exata da Amostragem
 Equipamento/Descrição: O equipamento ou área em que está ocorrendo a atividade
produtiva. Exemplo: BR-121A-0101 (Britador Giratório 54”X74”), Área 132A (Peneiramento
Secundário),...
 Turma: O nome da Equipe (Turno A,B,C...), ou a disciplina (mecânica 1, elétrica 1,....), ou até
mesmo o nome do encarregado ou supervisor.
 Total da equipe (efetivo): A equipe programada para executar o serviço, inclui-se também o
encarregado/ supervisor.
 Falta: A quantidade de mão-de-obra que haviam sido programados para a frente de serviço e
faltaram sem tempo hábil para serem substituídos.
 Não encontrado/deslocamento: A quantidade de mão-de-obra que o Analista não visualizou
na frente de serviço no momento exato da amostragem. Os motivos da ausência são diversos:
idas ao sanitário, ferramentaria, almoxarifado, ou outros motivos. Porém são identificados para
que haja um melhor planejamento e liderança da frente de serviço.
 Parado/excesso Mão-de-obra na frente de serviço: Constata-se o número de mão-de-obra
parado por motivo desconhecido, aparente falta de comprometimento; também a quantidade de
mão-de-obra alocada desnecessariamente para uma tarefa ou atividade em que apenas uma
parcela destes está efetivamente trabalhando.
 Falta de material: A quantidade de mão-de-obra parada por não ter o material na frente de
serviço. Importante observar se realmente a falta deste material interfere na seqüência de
montagem, e também se a liderança poderia ou não abrir outra frente de serviço, ou executar
atividade paralela, evitando assim que seus colaboradores ficassem parados.
 Falta de equipamentos/ recursos/ ferramentas: A quantidade de mão-de-obra que está
parada aguardando a chegada de equipamentos, ferramentas, etc... Por exemplo, um guindaste
que está executando uma atividade em paralelo. Também se registra aqui os que estão
aguardando a chegada das ferramentas que não haviam sido providenciadas com
antecedência.
 Aguardando Instrução (ou outras disciplinas): A quantidade de mão-de-obra que está
parada aguardando um parecer técnico, uma instrução da liderança, a execução de uma
medição topográfica, a instalação de um ponto elétrico, ou qualquer interferência que não
permita a continuidade da atividade.
 Retrabalho/ Falta de procedimento: A quantidade de mão-de-obra que está parada
aguardando a correção de um serviço executado diferente do projeto ou conforme projeto,
porém errado. Esta constatação demonstra a interferência do retrabalho no prazo final do
serviço ou obra, a falta de um planejamento das atividades diárias e também a impossibilidade
de reprogramação da equipe para outra frente de serviço ou atividade em paralelo.
 Demora do Início/Fim da Jornada de Trabalho: Constata a quantidade de mão-de-obra que
continua parada mesmo após os períodos considerados aceitáveis conforme o Item 10.2
(Eliminando os extremos).
DEPARTAMENTO DE IMPLANTAÇÃO
E CONTROLE DE PROJETOS
S&L

Título: N.º : PRO-XXXX-S&L Pág.: 3/6
AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE
Cód. Trein.: XXXXXXX Rev. : 00-22/10/05

7. DESCRIÇÃO DO PADRÃO

Método de avaliação de produtividade, através de um modelo estatístico por amostragem discreta das
quantidades de Mão-de-obra na frente de serviço.

8. FLUXOGRAMA

8.1. AMOSTRAGEM DISCRETA

INÍCI
O

Consultar o dimensionamento da equipe
e lançar na Planilha Manual PLANILHA DE LEVANTAMENTO DA
PRODUTIVIDADE:
Data, Hora
Equipamento/Descrição, Turma
Total da Equipe, Falta
N Não encontrado/deslocamento
Inform
ação Excesso Mão-de-obra na Frente de
serviço
Falta de material
S
Falta de equipamento/ recursos/ ferramenta
Aguardando instrução ou outras disciplinas
Constatar a disponibilidade dos demais Retrabalho / Falta de procedimento
recursos e condições interferentes

Realizar a Observação de 100% da
Equipe e Lançar na Planilha Manual

N
Amostr
agem

S

Fazer amostragens aleatórias ao longo
do dia e Lançar na Planilha Manual

N
Amostr
agem

S

Lançar na Planilha Eletrônica

FIM
DEPARTAMENTO DE IMPLANTAÇÃO
E CONTROLE DE PROJETOS
S&L

Título: N.º : PRO-XXXX-S&L Pág.: 4/6
AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE
Cód. Trein.: XXXXXXX Rev. : 00-22/10/05

9. EMISSÃO DE GRÁFICO PARA ANÁLISE GERENCIAL E TOMADA DE DECISÃO

INÍCI
O

Realizar um mínimo de 250
amostragens e lançar na planilha
eletrônica (vide Anexa)

N
Amostra
gens
OK?

S

Gerar gráfico de pizza para análise
gerencial (vide Anexa)

FIM

10. CONSIDERAÇÕES

10.1.NUMERO DE AMOSTRAGENS NECESSÁRIAS
A precisão do índice de produtividade aumenta na mesma proporção do número de amostras. Sendo
assim, conforme estudo preliminar, serão necessárias no mínimo 250 amostras totais válidas para que
se inicie a análise dos motivos de perda de produtividade, com um intervalo de precisão de 5%, e
tomada de ação corretiva.
DEPARTAMENTO DE IMPLANTAÇÃO
E CONTROLE DE PROJETOS
S&L

Título: N.º : PRO-XXXX-S&L Pág.: 5/6
AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE
Cód. Trein.: XXXXXXX Rev. : 00-22/10/05

10.2.ELIMINANDO OS EXTREMOS
Considera-se o gráfico abaixo como exemplo dos horários em que não serão realizadas amostragens
por se tratarem de períodos considerados aceitáveis:

07:30 11:50 13:00 17:15
ÁS ÁS ALMO ÁS ÁS
08:00 MANHÃ 12:00 ÇO 13:10 TARDE 17:30

 07:30 ás 08:00 hs: período em que ocorrem os deslocamentos do Início da Jornada de
Trabalho: a marcação do cartão do ponto, o DSS, as preparações para a frente de serviço.
 11:50 ás 12:00 hs: desmobilização da frente de serviço e deslocamento para o restaurante.
 13:00 ás 13:10 hs: deslocamento da mão-de-obra do restaurante e mobilização para a
frente de serviço.
 17:15 ás 17:30 hs: desmobilização da frente de serviço no Final da Jornada de Trabalho e
deslocamento para o vestiário, chapeira ou ônibus.

Obs: Conforme estudo preliminar, este total de 01:05 hs é subtraído proporcionalmente á
quantidade de mão-de-obra da equipe na planilha “Amostragens”. O cálculo é automático na coluna
“INICIO/FIM JORNADA DE TRABALHO”. Baseia-se na fórmula: I = ( T1 / T ) X N onde:
I = indicador decimal da proporção de mão-de-obra que se perde devido a este período
Início/Fim Jornada de Trabalho
T1= nesse caso específico são as 01:05 hs totais desse período Início/Fim Jornada de
Trabalho, contudo cada situação pode adequar este período á sua realidade
T= Horas remuneradas (excetua-se o horário de almoço) que nesse caso são 09:00 hs (07:30
hs ás 17:30 hs menos almoço no horário de 12:00 hs ás 13:00 hs)
N= Total da Equipe (efetivo)

Dica: Observe então que neste caso, este período “Início/Fim Jornada de Trabalho” irá
sempre constar como 12% de perda da produtividade.

10.3.EVITANDO AMOSTRAGENS LOCALIZADAS E TENDENCIOSAS

Para que não haja a tendência de efetuar amostragens repetitivas e no mesmo horário, utilize-se de
uma tabela ou faça sorteios. É importante que as amostragens cubram todo o universo do expediente
de trabalho (exceto os Extremos do Item 10.2) e com uma distribuição eqüitativa.
Caso hajam 05 (cinco) equipes de trabalho ou mais, evite ancorar suas amostragens na equipe menos
produtiva (tendência) ou da mais produtiva.
DEPARTAMENTO DE IMPLANTAÇÃO
E CONTROLE DE PROJETOS
S&L

Título: N.º : PRO-XXXX-S&L Pág.: 6/6
AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE
Cód. Trein.: XXXXXXX Rev. : 00-22/10/05

11. ANEXOS (CLIQUE DUAS VEZES PARA EDITAR A PLANILHA)

PLANILHA DE CONTROLE MANUAL DAS AMOSTRAGENS DO DIA : ___/___/______

HOR A EQUIPA M ENTO/ DESC R IÇÃ O

___:___

___:___

___:___

___:___

___:___

___:___

___:___

___:___