Você está na página 1de 42

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS PARA O MPU- AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

Olá pessoal,

Bom encontrá-los aqui em mais um encontro.

Nessa aula vamos abordar os seguintes tópicos para a disciplina de ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS PARA O MPU:

e

Codificação de Materiais – 1ª Parte

=>

Classificação

de

Materiais

Parte.

Especificação

Todos prontos?

Então vamos nessa !

AULA 2

ROTEIRO DA AULA – TÓPICOS

1 – Classificação de Materiais – 2ª Parte.

2 - Especificação e Codificação de Materiais – 1ª Parte.

3 - Revisão por tópicos e palavras-chave.

4 – Questões desta Aula.

1 – Classificação de Materiais – 2ª Parte.

1.1 – METODOLOGIA DE CÁLCULO DA CURVA ABC

A

metodologia de Cálculo da Curva

ABC corresponde a um

fundamento que se aplica a quaisquer situações em que há a possibilidade de se definir prioridades.

Como exemplos, podemos citar o estabelecimento da tarefa mais importante a cumprir em relação a outra ou qual a obrigação mais representativa que outra.

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

1

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

Assim, neste caso, verifica-se que a soma de algumas partes dessas tarefas ou obrigações de alta relevância provavelmente representa uma grande parcela das obrigações totais.

Desta forma, depois de ordenados pela importância relativa, as classes da curva ABC podem ser definidas conforme quadro a seguir.

CURVA ABC – CLASSES DE IMPORTÂNCIA

GRUPO DE ITENS MAIS IMPORTANTE QUE DEVEM SER TRATADOS COM ATENÇÃO ESPECIAL

CLASSE A

CLASSE B

GRUPO DE ITENS EM SITUAÇÃO INTERMEDIÁRIA ENTRE AS CLASSES A E C

CLASSE C

GRUPO DE ITENS MENOS IMPORTANTES QUE JUSTIFICAM POUCA ATENÇÃO

A seguir, temos uma figura ilustrativa da CURVA ABC:

A seguir, temos uma figura ilustrativa da CURVA ABC : Disponível content/uploads/2010/03/grafico-ABC.jpg Acesso

Disponível

content/uploads/2010/03/grafico-ABC.jpg

Acesso em 0/08/2010.

Vamos passar a uma análise histórica deste método, a fim de auxiliar no melhor entendimento.

Pareto, economista, sociólogo e engenheiro italiano, bem antes do surgimento das pesquisas econométricas, quando estudou a distribuição de

http://amarildonogueira.com.br/site/wp-

em:

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

2

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

renda entre a população do sistema econômico no qual vivia, descobriu uma certa regularidade na distribuição da renda nos países capitalistas, assom como naqueles países onde imperavam relações feudais ou de capitalismo nascente.

Nestes estudo, estabeleceu-se um princípio, segundo o qual o maior segmento da renda nacional concentrava-se em uma pequena parte da mesma renda.

Fundamentado em estatísticas de diferentes países, Pareto anotou uma série de dados sobre o número de pessoas correspondentes a diferentes faixas de renda recebida.

Em seguida, com os dados obtidos, traçou um gráfico, marcando as diferentes faixas de renda no eixo das abcissas. Já, no eixo das ordenadas, o autour colocou o número de pessoas que recebiam rendas maiores ou iguais às de cada faixa.

Desta forma, Pareto observou que uma faixa de 80 a 90% da população pertencem a 2 ou 3 classes inferiores, chegando-se à conclusão de que qualquer meção que atingisse 2 ou 3 classes majoritárias estaria abrangendo a maior parte da população.

Nas últimas 3 décadas, após os esforços iniciais da General Electric americana, o princípio de Pareto foi se adaptando ao universo dos materiais, particularmente ao gerenciamento de estoques, com a denominação de CLASSIFICAÇÃO OU CURVA ABC.

Como dissemos, a CURVA ABC é um importante instrumento que permite identificar itens os quais justificam tratamento e atenção adequados em sua gestão.

Assim, a CLASSIFICAÇÃO ABC poderá ser implementada de várias maneiras, tais como, na verificação do tempo de reposição, valor de demanda/consumo, inventário, aquisições realizadas e outras.

No entanto, sua utilização mais comum corresponde à classificação por valor de consumo, da qual se obtêm, em conseqüência, as definições das Classes A, B e C, conforme colocados anteriormente.

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

3

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

Vejamos um exemplo de análise resultante da CLASSIFICAÇÃO

ABC:

CLASSE

%QUANTIDADE DE ITENS

% DE VALOR

A

5

75

B

20

20

C

75

5

Com essas informações obtidas, pode-se afirmar que:

CLASSE A: representa o grupo de MAIOR VALOR DE CONSUMO e menor quantidade de itens, que devem ser gerenciados com especial atenção

CLASSE B: representava o grupo de situação intermediária entre as classes A e B

CLASSE C: representa o grupo de menor valor de consumo e MAIOR QUANTIDADE DE ITENS, portanto financeiramente menos importantes, que ensejam menos atenção no gerenciamento.

A título de informação, destaca-se que a construção da CURVA ABC compreende 3 fases distintas, que são:

Elaboração de tabela mestra Construção do gráfico Interpretação do gráfico, com identificação plena de percentuais e quantidades de itens envolvidos em cada classe, bem como de sua respectiva faixa de valores

Por fim, registra-se que a CURVA ABC tem sido utilizada, entre outros casos, no gerenciamento de estoques, a fim de definir a política de vendas, bem como no estabelecimento de prioridades, em relação à programação da produção.

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

4

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

2 - Especificação e Codificação de Materiais – 1ª Parte.

2.1 - ESPECIFICAÇÃO - CONSIDERAÇÕES INICIAIS

A especificação possui grande importância, pois é com ela que se baseia o ressuprimento necessário às atividades de uma organização.

Quando se apresenta de forma detalhada e completa, evita a compra de materiais em desacordo com as necessidades.

Além disso, os compradores não precisam distribuir “amostras” para que os fornecedores realizem a cotação de determinado item.

Como subproduto do PROCESSO DE ESPECIFICAÇÃO, temos a catalogação dos materiais usados pela empresa, bem como a possibilidade de se efetuar alguma padronização.

O sucesso do PROCESSO DE ESPECIFICAÇÃO irá depender obrigatoriamente das seguintes condições básicas:

EXISTÊNCIA DE CATALOGAÇÃO DE NOMES PADRONIZADOS ESTABELECIMENTO DE PADRÕES DE DESCRIÇÃO EXISTÊNCIA DE PROGRAMA DE NORMALIZAÇÃO DE MATERIAIS

Erick, você pode definir melhor o que é a ESPECIFICAÇÃO ?

Ok, vamos esquematizar.

DEFINIÇÃO RESUMIDA DE ESPECIFICAÇÃO

DESCRIÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE UM MATERIAL

DESCRIÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE UM MATERIAL A FIM DE IDENTIFICÁ-LO + DISTINGUI-LO DE SEUS SIMILARES

A FIM DE

DESCRIÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE UM MATERIAL A FIM DE IDENTIFICÁ-LO + DISTINGUI-LO DE SEUS SIMILARES

IDENTIFICÁ-LO + DISTINGUI-LO DE SEUS SIMILARES

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

5

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

Essa definição é bem resumida, mas podemos colocar algumas definições mais abrangentes:

OUTRAS DEFINIÇÕES SOBRE A ESPECIFICAÇÃO

CORRESPONDE À REPRESENTAÇÃO SUCINTA DE UM CONJUNTO DE REQUISITOS A SEREM SATISFEITOS POR UM PRODUTO, UM MATERIAL OU UM PROCESSO, INDICANDO-SE, SEMPRE QUE FOR APROPRIADO, O PROCEDIMENTO POR MEIO DO QUAL SE POSSA DETERMINAR SE OS REQUISITOS ESTABELECIDOS SÃO ATENDIDOS

CORRESPONDEM AOS REQUISITOS GLOBAIS, TANTO GERAIS COMO MÍNIMOS, QUE DEVEM OBEDECER AOS MATERIAIS, TENDO EM VISTA A QUALIDADE E A SEGURANÇA DELES

É O TIPO DE NORMA QUE SE DESTINA A FIXAR CONDIÇÕES EXIGÍVEIS PARA ACEITAÇÃO E/OU RECEBIMENTO DE MATÉRIAS- PRIMAS, PRODUTOS SEMI-ACABADOS, PRODUTOS ACABADOS, ETC

2.2 – OBJETIVOS E VANTAGENS DA ESPECIFICAÇÃO

A

ESPECIFICAÇÃO

proporciona

facilidades

às

especialmente quanto à:

COLETA DE PREÇOS

NEGOCIAÇÃO FORNECEDOR

CUIDADOS NO TRANSPORTE

IDENTIFICAÇÃO

INSPEÇÃO

ARMAZENAGEM

PRESERVAÇÃO DOS MATERIAIS

EMPREENDIDA

PELO

COMPRADOR

tarefas,

COM

O

Assim, a ESPECIFICAÇÃO apresenta um conjunto de condições destinadas a fixar os requisitos e características exigíveis na fabricação e no fornecimento de materiais.

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

6

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

Além disso, destaca-se, entre as diversas vantagens da ESPECIFICAÇÃO, a eliminação de dúvidas que porventura se apresentem na identificação de um material, sendo que nunca podem-se confundir com um ou mais itens similares.

2.3 – CRITÉRIOS SOBRE A DESCRIÇÃO

A DESCRIÇÃO dever ser concisa, completa, assim como deverá possibilitar a individualização.

Importante destacarmos que se deve abolir o uso de vocábulos que se relacionam a marcas comerciais, gírias e regionalismos, que, de forma inadequada, consagram a nomenclatura dos materiais.

Desta forma, os requisitos para criarmos uma especificação devem ser os que colocamos no quadro a seguir.

REQUISITOS PARA CRIAÇÃO DE UMA ESPECIFICAÇÃO

DESCRIÇÃO SUMÁRIA E OBJETIVA

TERMOS TÉCNICOS ADEQUADOS E USUAIS

CRITÉRIO DE QUALIDADE PARA DETERMINADO USO

Assim, a DESCRIÇÃO PADRONIZADA de um material obedece a determinados critérios racionais, entre os quais merecem destaque:

A DENOMINAÇÃO DEVERÁ SER PREFERENCIALMENTE NO SINGULAR A DENOMINAÇÃO DEVERÁ PRENDER-SE AO MATERIAL ESPECIFICAMENTE E NÃO A SUA FORMA OU EMBALAGEM, APRESENTAÇÃO OU USO

EX.: BARRA DE AÇO – ERRADO; AÇO EM BARRA – CERTO

USAR PREFERENCIALMENTE DENOMINAÇÕES ÚNICAS PARA MATERIAIS DA MESMA NATUREZA USAR ABREVIATURAS PADRONIZADAS ADEQUADAMENTE

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

7

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

2.4 – ESTRUTURA E FORMAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO

Uma ESPECIFICAÇÃO de um determinado material estabelecida de forma adequada possui a estrutura que colocamos no esquema a seguir.

ESTRUTURA E FORMAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO

 

NOME BÁSICO

CORRESPONDE ESPECIFICAÇÃO

AO

PRIMEIRO

 

TERMO

DA

EX.: LÂMPADA, SABÃO

 
 

CORRESPONDE AO TERMO COMPLEMENTAR

 

NOME

EX.:

LÂMPADA

INCANDESCENTE,

 

LÂMPADA

MODIFICADOR

FLUORESCENTE,

SABÃO

EM

E

SABÃO

LÍQUIDO

 
 

CORRESPONDE

 

ÀS

INFORMAÇÕES

DETALHADAS REFERENTES ÀS PROPRIEDADES

FÍSICAS E QUÍMICAS DOS MATERIAIS

 

EX.:

DENSIDADE,

PESO ESPECÍFICO,

GRANULOMETRIA, VISCOSIDADE, DUREZA,

RESISTÊNCIA

 

DEVE-SE AINDA APONTAR:

 

TOLERÂNCIAS

DAS

PROPRIEDADES

CARACTERÍSTICAS

INDICADAS

FÍSICAS

MÉTODOS

DE

ANÁLISE

 

DESSAS

PROPRIEDADES

 

PADRÕES

OU

NORMAS

 

A

SEREM

OBSERVADAS (EX.: ABNT)

 
 
 
 

QUE PODEM SER OBTIDAS NOS MANUAIS E DESENHOS CONSTRUTIVOS DOS EQUIPAMENTOS E EM CATÁLOGOS TÉCNICOS DE FABRICANTES

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

8

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

Ressalta-se que quaisquer que sejam os componentes que integram a regra fundamental para a FORMAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO, ou seja, NOME BÁSICO, NOME MODIFICADOR e CARACTERÍSTICAS FÍSICAS, deverá conter, de acordo com cada caso, alguns ELEMENTOS AUXILIARES com informações destinadas a complementá-la.

Desta forma, busca-se evitar ou reduzir os denominados “esclarecimentos técnicos” (“como é que você quer este item ?”), que são responsáveis pela PERDA OCASIONAL DE TEMPO durante o processo de ressuprimento.

Além desses conceitos, em um horizonte ampliado, associa-se a especificação ao perfeito conhecimento do que seja a NORMALIZAÇÃO e a PADRONIZAÇÃO.

ELEMENTOS AUXILIARES PARA A FORMAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO

A BOA ESPECIFICAÇÃO DEVE CONTER EM SEU BOJO AS INFORMAÇÕES REFERENTES:

DE FORNECIMENTO DO

À

UNIDADE

MATERIAL

UNIDADE

METROLÓGICA

À UNIDADE DE CONTROLE ADOTADA PELA EMPRESAS

AO FATOR DE CONVERSÃO DA UNIDADE DE FORNECIMENTO PARA A UNIDADE DE CONTROLE, EM CASO DELAS SEREM DIFERENTES

SE FOR CABÍVEL, DEVEM SER FORNECIDOS

MEDIDAS

DESENHOS DIMENSIONAIS E TOLERÂNCIAS LIMITES DE QUALIDADE NOS QUAIS O MATERIAL PODE SER FABRICADO E ACEITO PELO CONSUMIDOR

OUTRAS MEDIDAS, COMO CAPACIDADE, POTÊNCIA (HP), FREQÜÊNCIA (HZ), CORRENTE (A), TENSÃO (V)

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

9

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

 

DEVEM-SE INDICAR, ENTRE OUTROS:

CARACTERÍSTICAS DE FABRICAÇÃO

OS PROCESSOS DE FABRICAÇÃO

DETALHES DE CONSTRUÇÃO OU EXECUÇÃO

 

ACABAMENTO DO MATERIAL

 

CORRESPONDEM, AO LONGO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO E DOS TESTES DE ACEITAÇÃO:

CARACTERÍSTICAS DE OPERAÇÃO

ÀSGARANTIAS EXIGIDAS

 

AOS TESTES A SEREM EXECUTADOS

 

COM

RELAÇÃO

À

PRESERVAÇÃO E

CUIDADOS COM RELAÇÃO AO MANUSEIO E ARMAZENAGEM

ARMAZENAGEM DE MATERIAIS DEVEM SER FORNECIDOS TODOS OS DETALHES SOBRE:

MANUSEIO

 

TRANSPORTE

 

PRECAUÇÕES

Colocaremos em separado os comentários esquematizados sobre a EMBALAGEM como ELEMENTO AUXILIAR PARA A FORMAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO, a fim de darmos mais ênfase ao assunto.

EMBALAGEM

DEVE LEVAR EM CONTA A FINALIDADE DO MATERIAL, COMO MEIOS DE TRANSPORTE, MANUSEIO E ARMAZENAGEM, VISANDO A SUA INTEGRIDADE E EVITANDO PERDAS ATÉ O CONSUMO FINAL

TIPOS DE EMBALAGEM MAIS COMUNS

BAIXO CUSTO

LEVE

VIOLAÇÃO FACILMENTE PERCEBIDA

CAIXAS DE PAPELÃO ONDULADO

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

10

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

 

FÁCIL MANIPULAÇÃO E ARMAZENAGEM

 

TAMBORES

RESISTÊNCIA

METÁLICOS

PROTEÇÃO ABSOLUTA

CAPACIDADE PARA REUTILIZAÇÃO

 
 

USADOS PARA GRANDES VOLUMES, NO

FARDOS

CASO EM QUE O CUSTO FINAL SE TORNA

PROIBITIVO PARA OUTROS EMBALAGEM

TIPOS

DE

 

USADOS PARA LÍQUIDOS E PÓS

INFLEXÍVEIS/INQUEBRANTÁVEIS

 

RECIPIENTES

 

PLÁSTICOS

RESISTENTE À CORROSÃO

MAIS LEVES QUE OS TAMBORES

PODEM SER REUTILIZADOS

 

RESISTENTES

CAIXAS DE MADEIRA

BAIXO CUSTO

BOA PROTEÇÃO

2.5 – TIPOS PADRONIZADOS DE ESPECIFICAÇÃO

Pessoal, cabe destacar que é fundamental que se estabeleça uma lógica para se disponibilizar adequadamente as informações técnicas, com o intuito de:

GARANTIR A HOMOGENEIDADE DA DESCRIÇÃO

QUE OS MATERIAIS DE UM MESMO GRUPO CONTENHAM AS MESMAS INFORMAÇÕES NA MESMA SEQUÊNCIA

Com base nessas informações, surgem os tipos que norteiam a padronização da especificação, que são os que estão no quadro a seguir.

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

11

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

 

PADRÕES DE ESPECIFICAÇÃO

 
 

Usada quando há dificuldades em detalhar convenientemente as características do material

CONFORME AMOSTRA

Deve ser evitada ao extremo

 

Exemplo: formulários, como notas fiscais, faturas, duplicatas

 

Usada quando se trata de materiais que possuam normas técnicas ou quando há condições de fornecer todos os dados conhecidos de um material

POR PADRÃO E CARACTERÍSTICAS FÍSICAS

Exemplo: parafuso métrico, cabeça sextavada, em aço classe de resistência 5.6 (ABNT-EB-168), cadmiado, diâmetro 6,00mm, passo 1,00mm, comprimento 16mm, corpo todo roscado, acabamento grosso, conforme norma ABNT PB-40

POR COMPOSIÇÃO QUÍMICA

Usada quando há exigências de teor pré- determinado para os componentes químicos do material

Exemplo:

sulfato,

amônia, para análise,

solução 10% H2S

 

Usada

quando

se

deseja

garantir

a

qualidade do material, aceitando-se a

POR MARCA DE FÁBRICA

marca como padrão

 

Pode ser ou não aceito item equivalente

 
 

Exemplo:

rolamento

SKF

3210,

ou

equivalente

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

12

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

 

Usada quando a forma e as características do material são complexas, não havendo possibilidade de especificação por nenhum dos tipos descritos

No

desenho,

estão contidas todas as

CONFORME DESENHO

dimensões e características, inclusive o tipo de matéria-prima para fabricação

Exemplo: engrenagem conforme desenho

 

(mencionar número e empresa

projetista da peça ou equipamento)

2.6 – NORMALIZAÇÃO

O homem, desde as formas mais primitivas de vida em grupo, sentiu necessidade de estabelecer normas, princípios, assim como das regras definidoras das relações dos membros do grupo.

Desde aquela época, nos mais diferentes ramos de suas atividades cotidianas, o homem sempre se condiciona às regras que estabelece e aos padrões que cria.

Observa-se então que a norma é fruto de consenso, de acordo firmado entre partes envolvidas.

Com as empresas se aplica o mesmo, pois também carece de normas, desde as de cunho absolutamente administrativo até as normas técnicas.

Ao inserirmos algumas considerações sobre a normalização neste tópico, viemos demonstrar uma correlação de conhecimentos técnicos, a fim de desenvolvermos o tema sobre a especificação.

2.7 – VANTAGENS DA NORMALIZAÇÃO

Em termos da organização, destacam-se, entre outras, as seguintes vantagens:

SIMPLIFICAÇÃO

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

13

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

INTERCAMBIALIDADE

COMUNICAÇÃO

ADOÇÃO RACIONAL DE SÍMBOLOS E CÓDIGOS

ECONOMIA GERAL

SEGURANÇA

DEFESA DO CONSUMIDOR

Além

disso,

podemos

destacar

algumas

vantagens

técnicas

oriundas de procedimentos de normalização:

Menor tempo utilizado no planejamento

Maior segurança e menor possibilidade de diferenciações pelo uso de produtos normalizados

Menor possibilidade de falhas técnicas na seleção

Economia de tempo para o processo técnico de produção

Simplificação de decisões pelos responsáveis

Simplificação nos entendimentos entre projetistas, montadores e engenheiros de produção

Menor tempo de preparação do pessoal técnico

Simplificação dos métodos de montagem em conformidade com as normas

Limitação de correções no decorrer da produção

Asseguramento da intercambialidade e reutilização de peças, desenhos, embalagens e gabaritos de verificação, processos e produtos melhorados

Eliminação de preconceitos que possam surgir pela programação mal elaborada

Possibilidade de cálculos mais econômicos

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

14

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

Erick, você pode afinal definir o que é a NORMALIZAÇÃO ?

A normalização tem recebido várias definições, cada uma de acordo com sua origem, algumas mais filosóficas ou econômicas e outras puramente técnicas.

Desta forma, vamos colocar um quadro para fixarmos a definição.

NORMALIZAÇÃO

É A CLASSE DE NORMA TÉCNICA QUE CONSTITUI UM CONJUNTO METÓDICO E PRECISO DE PRECEITOS DESTINADOS A

ESTABELECER REGRAS PARA EXECUÇÃO DE:

CÁLCULOS

PROJETOS

FABRICAÇÃO

OBRAS

SERVIÇOS

INSTALAÇÕES

PRESCREVER EXECUÇÃO DE:

CONDIÇÕES

OBRAS

MÁQUINAS

INSTALAÇÕES

MÍNIMAS

DE

SEGURANÇA

NA

RECOMENDAR REGRAS PARA ELABORAÇÃO DE OUTRAS NORMAS E DEMAIS DOCUMENTOS NORMATIVOS

Com relação às normas brasileiras, cabe registrar que elas são resultantes de um processo de consenso entre os diferentes integrantes do sistema composto por:

Governo

Setor produtivo

Comércio

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

15

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

Consumidores

Podemos considerar que as normas brasileiras em suas prescrições têm o objetivo de obter:

defesa dos interesses nacionais

racionalização na fabricação ou produção e na troca de bens e serviços, por meio de operações sistemáticas e repetitivas

proteção dos interesses dos consumidores

segurança de pessoas e bens

uniformidade dos meios de expressão e comunicação

As normas diferem quanto à forma e ao tipo, a depender dos aspectos particulares de um assunto a ser abordado.

Os tipos de normas são:

PROCEDIMENTO OU NORMA PROPRIAMENTE DITA

ESPECIFICAÇÃO

PADRONIZAÇÃO

MÉTODO DE ENSAIO

TERMINOLOGIA

SIMBOLOGIA

CLASSIFICAÇÃO

Já em relação aos níveis de elaboração ou aplicação das normas, elas podem ser:

NÍVEL INDIVIDUAL

NÍVEL DE EMPRESA

NÍVEL DE ASSOCIAÇÃO

NÍVEL NACIONAL

NÍVEL REGIONAL

NÍVEL INTERNACIONAL

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

16

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

Por fim, registramos os PRINCÍPIOS DA NORMALIZAÇÃO no quadro a seguir.

 

PRINCÍPIOS DA NORMALIZAÇÃO

 

A NORMALIZAÇÃO É ESSENCIALMENTE UM ATO DE SIMPLIFICAÇÃO

A

NORMALIZAÇÃO

É

UMA

ATIVIDADE

SOCIAL,

BEM

COMO

ECONÔMICA

 

A

PROMOÇÃO

DA

NORMALIZAÇÃO

DEVE

SER

FRUTO

DE

COOPERAÇÃO MÚTUA DE TODOS OS INTERESSADOS

 

A SIMPLES PUBLICAÇÃO DE UMA NORMA TEM POUCO VALOR, A MENOS QUE ELA POSSA SER APLICADA

A APLICAÇÃO DA NORMALIZAÇÃO PODE ACARRETAR SACRIFÍCIOS DE POUCOS PARA O BENEFÍCIO DE MUITOS

2.8 – PADRONIZAÇÃO

O termo PADRONIZAÇÃO está intrinsecamente relacionado com a ESPECIFICAÇÃO.

Desta forma, esse tema pode ser definido de algumas formas, como as que colocamos no esquema seguinte.

PADRONIZAÇÃO - SINÔNIMO DE SIMPLIFICAÇÃO

ANÁLISE DE MATERIAIS A FIM DE PERMITIR SEU INTERCÂMBIO, POSSIBILITANDO, ASSIM, REDUÇÃO DE VARIEDADES E CONSEQÜENTE ECONOMIA

UMA FORMA DE NORMALIZAÇÃO QUE CONSISTE NA REDUÇÃO DO NÚMERO DE TIPOS DE PRODUTOS OU COMPONENTES, DENTRO DE UMA FAIXA DEFINIDA, AO NÚMERO QUE SEJA ADEQUADO PARA O ATENDIMENTO DAS NECESSIDADES EM VIGOR EM UMA OCASIÃO

É A CLASSE DE NORMA TÉCNICA QUE CONSTITUI UM CONJUNTO METÓDICO E PRECISO DE CONDIÇÕES A SEREM SATISFEITAS, COM O OBJETIVO DE UNIFORMIZAR FORMATOS, DIMENSÕES, PESOS OU

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

17

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

OUTRAS DE ELEMENTOS DE CONSTRUÇÃO, MATERIAIS, APARELHOS, OBJETOS, PRODUTOS INDUSTRIAIS ACABADOS, OU, AINDA, DE DESENHOS E PROJETOS

2.9 – OBJETIVOS DA PADRONIZAÇÃO

A PADRONIZAÇÃO possui alguns objetivos, os quais iremos abordar

a seguir.

DIMINUIR O NÚMERO DE ITENS NO ESTOQUE

A padronização tem como objetivo evitar a variedade de materiais

de mesma classe, utilizados para o mesmo fim, diminuindo o número de itens em estoque, com reflexos técnicos e econômicos para a empresa

SIMPLIFICAÇÃO DOS MATERIAIS

Corresponde na escolha, entre as variedades existentes, de um material qualquer, de um ou vários tipos julgados satisfatórios, de modo que esse número reduzido de variedades satisfaça às necessidades da empresa.

Desta forma, consegue-se a eliminação dos tipos ineficientes, o que torna a padronização um fator decisivo contra o desperdício.

PERMITIR A COMPRA EM GRANDES LOTES

A padronização influencia na eficiência das compras, ou seja,

contribuiu para a redução do número de itens, assim como permite a aquisição

de quantidades maiores do item padronizado e possibilita a obtenção de melhores preços.

DIMINUIR O TRABALHO DE COMPRAS:

A padronização leva à redução do número de concorrências,

propiciando aos envolvidos nos procedimentos a concentração sobre menor quantidade de itens e, conseqüentemente, especialização e melhor nível de serviço.

DIMINUIR OS CUSTOS DE ESTOCAGEM

O programa de padronização que vem a reduz o número de

variedades permite:

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

18

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

simplificar a armazenagem, diminuindo seus encargos e controle de materiais

facilitar o arranjo físico do almoxarifado, reduzindo o espaço necessário para o armazenamento

facilitar a centralização dos estoques

reduzir o capital empatado na formação dos estoques

diminuir os trabalhos de inventário

REDUZIR A QUANTIDADE DE ITENS ESTOCADOS

Ao se reduzir a variedade de itens em compra, a padronização permite a diminuição da quantidade de itens a serem armazenados

ADQUIRIR MATERIAIS COM MAIOR RAPIDEZ

Com a diminuição do número de itens a se adquirir, reduz-se a quantidade de processos de compra, o que possibilita maior rapidez às aquisições

EVITAR

A

APLICAÇÃO

DIVERSIFICAÇÃO

DE

MATERIAIS

DE

MESMA

A padronização evita a diversificação dos materiais e possibilita sua aplicação padronizada em locais onde anteriormente se utilizavam materiais diversos.

OBTER MAIOR QUALIDADE E UNIFORMIDADE

A padronização permite adotar material de boa qualidade que substitui outros de qualidade diferente e que atendem a todas as necessidades da empresa, uniformizando o manuseio e a armazenagem.

2.10 – VANTAGENS DA PADRONIZAÇÃO

De acordo com os comentários que apresentamos em relação aos objetivos, a utilização de materiais padronizados pela empresa possibilita, entre outras, as seguintes vantagens:

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

19

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

VANTAGENS DA PADRONIZAÇÃO

VANTAGENS DA PADRONIZAÇÃO

REDUZIR O RISCO DE FALTA DE MATERIAIS NO ESTOQUE

PERMITIR COMPRA EM GRANDES LOTES

REDUZIR A QUANTIDADE DE ITENS NO ESTOQUE

Ao se reduzir variedades, gerenciam-se menores quantidades de itens com maiores quantidades, o que diminui o valor do imobilizado em estoque e os perigos de obsolescência

Ao se ampliar o poder de compra pela aquisição de maiores quantidades de menos itens, a padronização reduz o número de concorrências, as compras mais eficientes e possibilita, inclusive, a obtenção de preços mais convenientes

Ao se reduzir as variedades, consegue-se diminuir o custo de armazenamento, simplificar os meios de estocagem, melhorando o layout e diminuindo o espaço físico

2.11 – ANÁLISE DE VALOR

A ANÁLISE DE VALOR é um recurso sistemático que visa buscar a redução de custos, por meio da utilização de certas técnicas básicas e de um trabalho planejado, a fim de desenvolver novos meios de obtenção da mesma função por menores gastos.

Assim, tais conceitos são plenamente identificados com a Administração de Materiais, por meio de especificações de compra que, por motivos econômicos, devem ser submetidas, de modo contínuo, às técnicas explicitadas.

Esse tema consiste na análise preliminar da especificação e/ou desenho do material que se deseja comprar, ao se utilizar:

o conhecimento da tecnologia de fabricação e providenciando, quando procedente

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

20

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

a alteração da especificação ou revisão do projeto, com o objetivo de obter maior desempenho do material, menor custo de fabricação ou preço final da compra

a adequação ao mercado fornecedor

a nacionalização

2.12 – VANTAGENS DA ANÁLISE DE VALOR

Para implementação da Análise de Valor, é necessária uma infra- estrutura para garantir o sucesso da empreitada.

As vantagens que decorrem da ANÁLISE DE VALOR dividem-se em:

BENEFÍCIOS NÃO QUANTIFICÁVEIS

BENEFÍCIOS QUANTIFICÁVEIS

2.12.1 - BENEFÍCIOS NÃO QUANTIFICÁVEIS

Entre

outros,

relacionam-se

como

BENEFÍCIOS

NÃO

QUANTIFICÁVEIS:

ENGENHARIA DE PRODUTOS

 

ENGENHARIA INDUSTRIAL

ENGENHARIA DE FERRAMENTAS

MANUFATURA

PROGRAMAÇÃO

 

COMPRAS

ASSISTÊNCIA TÉCNICA

 

CONTROLE DE QUALIDADE

 
 

21

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

2.12.2 - BENEFÍCIOS QUANTIFICÁVEIS

Quanto

aos

BENEFÍCIOS

QUANTIFICÁVEIS,

relacionar, entre outros, os seguintes:

podemos

QUANTO AO MATERIAL

QUANTO AO PROCESSO

PEÇAS NORMALIZADAS PARA ITENS ESPECIAIS

NÚMERO DE COMPONENTES

PESO

CUSTO DE DOCUMENTAÇÃO

FERRAMENTAL

TEMPO

TOTAL

ENTRE

EMISSÃO

DA

COMPRA

MATERIAL

E

ENTREGA

DO

ECONOMIA FINAL

2.13 - CODIFICAÇÃO

De modo geral, as organizações sempre se preocuparam em identificar com facilidade a grande quantidade e diversidade de seus materiais.

A solução encontrada foi a representação por meio de um conjunto de símbolos alfanuméricos ou simplesmente numéricos que traduzem as características dos materiais, de maneira racional, metódica e clara, para se transformar em linguagem universal de materiais na organização.

características

principais estão no quadro a seguir.

Desta

forma,

nasceu

a

CODIFICAÇÃO,

cujas

CODIFICAÇÃO

É UMA VARIAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DE MATERIAIS

CONSISTE EM ORDENAR OS MATERIAIS DA EMPRESA SEGUNDO UM PLANO METÓDICO E SISTEMÁTICO, DANDO A CADA UM DELES DETERMINADO CONJUNTO DE CARACTERES

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

22

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

O CÓDIGO, POR CONSEGUINTE, É SECRETO, SOMENTE O ENTENDE QUEM POSSUIR O PLANO DE CODIFICAÇÃO, QUE SE CONSTITUI NA CHAVE PARA SUA INTERPRETAÇÃO

NÃO HÁ, AINDA, PADRONIZAÇÃO DEFINIDA PARA O ESTABELECIMENTO DO PLANO DE CODIFICAÇÃO, O QUAL PODE SER DESENVOLVIDO A CRITÉRIO DE CADA INTERESSADO, CONFORME AS PECULIARIDADES INERENTES AO RAMO E PORTE DA EMPRESA

2.14 – OBJETIVO DA CODIFICAÇÃO

A CODIFICAÇÃO alicerça-se em bases técnicas, a partir de uma análise dos materiais da empresa.

Ela possui como objetivo proporcionar aos envolvidos a solicitação de materiais por seu código, ao invés do nome habitual, bem como possibilitar a utilização de sistemas automatizados de controle.

Assim, a CODIFICAÇÃO, possui os seguintes objetivos:

FACILITAR A COMUNICAÇÃO INTERNA NA EMPRESA NO QUE SE REFERE A MATERIAIS E COMPRAS

EVITAR A DUPLICIDADE DE ITENS NO ESTOQUE

PERMITIR AS ATIVIDADES DE GESTÃO DE ESTOQUES E COMPRAS

FACILITAR A PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS

FACILITAR O CONTROLE CONTÁBIL DOS ESTOQUES

CODIFICAÇÃO

Podemos

concluir

que,

conseqüentemente,

a

permite o pleno controle do estoque, de compras em andamento e de recebimento.

2.15 – TIPOS DE CODIFICAÇÃO

Há diversos modos de se estabelecer um código para os materiais, desde a numeração arbitrária dos itens à medida que dão entrada no almoxarifado até aqueles que catalogam os materiais segundo uma seqüência lógica.

23

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

Uma boa codificação ocorre quando a simples visualização do código por aqueles que o manuseiam permite identificar, de modo geral, o material, faltando apenas os detalhes para a identificação total, o que somente será obtido consultando-se os catálogos de materiais.

Assim,

observa-se

que

da

combinação

CODIFICAÇÃO

+

ESPECIFICAÇÃO obtém-se o Catálogo de Materiais da empresa, ferramenta fundamental para o exercício das atividades dos funcionários envolvidos nos procedimentos de GESTÃO DE ESTOQUES, COMPRA E ARMAZENAGEM.

Em regra, os Planos de Codificação seguem o mesmo princípio, dividindo os materiais em grupos e classes, conforme esquematizados a seguir:

 

designa

a

família,

o

agrupamento

de

GRUPO

materiais, com numeração de 01 a 99

CLASSE

identifica os materiais pertencentes à família do grupo, numerando-os de 01 a 99

NÚMERO

qualquer que seja o sistema, há necessidade de individualizar o material, o que é feito a partir da faixa de 001 a 999, reservada para a numeração correspondente de identificação

IDENTIFICADOR

DÍGITO DE

para os sistemas mecanizados, é necessária a criação de um dígito de controle para assegurar confiabilidade de identificação pelo programa

CONTROLE

Desta forma, ao se selecionar um determinado sistema de codificação, ele deverá possuir as características de ser EXPANSIVO, PRECISO, CONCISO, CONVINCENTE e SIMPLES.

Vamos caracterizar esses conceitos no quadro seguinte.

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

24

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

SISTEMA DE CODIFICAÇÃO

POSSUIR ESPAÇO PARA A INSERÇÃO DE NOVOS ITENS E PARA A AMPLIAÇÃO DE DETERMINADA CLASSIFICAÇÃO

EXPANSIVO

PRECISO

PERMITIR MATERIAL

SOMENTE

UM

CÓDIGO

PARA

CADA

CONCISO

POSSUIR O MÍNIMO POSSÍVEL DE DÍGITOS PARA DEFINIÇÃO DOS CÓDIGOS

CONVENIENTE

SER

FACILMENTE

APLICAÇÃO

COMPREENDIDO

E

DE

FÁCIL

SIMPLES

SER DE FÁCIL UTILIZAÇÃO

 

Por

fim,

registramos

que

os

mais

conhecidos

sistemas

de

codificação são os seguintes:

 

CODIFICAÇÃO DECIMAL

 

CODIFICAÇÃO DO FSC (FEDERAL SUPPLY CLASSIFICATION)

 

CODIFICAÇÃO

DA

CSSF

(CHAMBRE

SYNDICALE

DE

LA

SIDÉRURGIE FRANÇAISE)

 

CAIU NA PROVA !

 

Acerca

da

gestão

de

material

e

patrimônio,

julgue

os

itens

subseqüentes.

11 - (CESPE/SEBRAE-AC/2007) A classificação e a codificação dos bens patrimoniais da empresa contribuem para facilitar seu registro e controle.

Comentários:

O gabarito da questão é CERTO.

Vamos rever os conceitos

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

25

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

DEFINIÇÕES SOBRE A ESPECIFICAÇÃO

CORRESPONDE À REPRESENTAÇÃO SUCINTA DE UM CONJUNTO DE REQUISITOS A SEREM SATISFEITOS POR UM PRODUTO, UM MATERIAL OU UM PROCESSO, INDICANDO- SE, SEMPRE QUE FOR APROPRIADO, O PROCEDIMENTO POR MEIO DO QUAL SE POSSA DETERMINAR SE OS REQUISITOS ESTABELECIDOS SÃO ATENDIDOS

CORRESPONDEM AOS REQUISITOS GLOBAIS, TANTO GERAIS COMO MÍNIMOS, QUE DEVEM OBEDECER AOS MATERIAIS, TENDO EM VISTA A QUALIDADE E A SEGURANÇA DELES

É O TIPO DE NORMA QUE SE DESTINA A FIXAR CONDIÇÕES EXIGÍVEIS PARA ACEITAÇÃO E/OU RECEBIMENTO DE MATÉRIAS-PRIMAS, PRODUTOS SEMI-ACABADOS, PRODUTOS ACABADOS, ETC

CODIFICAÇÃO

É UMA VARIAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DE MATERIAIS

CONSISTE EM ORDENAR OS MATERIAIS DA EMPRESA SEGUNDO UM PLANO METÓDICO E SISTEMÁTICO, DANDO A CADA UM DELES DETERMINADO CONJUNTO DE CARACTERES

O CÓDIGO, POR CONSEGUINTE, É SECRETO, SOMENTE O ENTENDE QUEM POSSUIR O PLANO DE CODIFICAÇÃO, QUE SE CONSTITUI NA CHAVE PARA SUA INTERPRETAÇÃO

NÃO HÁ, AINDA, PADRONIZAÇÃO DEFINIDA PARA O ESTABELECIMENTO DO PLANO DE CODIFICAÇÃO, O QUAL PODE SER DESENVOLVIDO A CRITÉRIO DE CADA INTERESSADO, CONFORME AS PECULIARIDADES INERENTES AO RAMO E PORTE DA EMPRESA

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

26

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

12 - (ERICK/MPU/2010) Na curva ABC, pode-se afirmar que os itens que se encontram na CLASSE “A” correspondem aos mais importantes para a organização, enquanto que os da CLASSE “B” se referem à situação intermediária entre as CLASSES “A” e “C”.

Comentários:

O gabarito da questão é ERRADO.

A assertiva se equivocou quando se substituíram as características dos

itens da CLASSE “C” pelas da CLASSE “A”.

Revisando

CURVA ABC – CLASSES DE IMPORTÂNCIA

GRUPO DE ITENS MAIS IMPORTANTE QUE DEVEM SER TRATADOS COM ATENÇÃO ESPECIAL

CLASSE A

CLASSE B

GRUPO DE ITENS EM SITUAÇÃO INTERMEDIÁRIA ENTRE AS CLASSES A E C

CLASSE C

GRUPO DE ITENS MENOS IMPORTANTES QUE JUSTIFICAM POUCA ATENÇÃO

13 - (ERICK/MPU/2010) Alguns dos principais requisitos para se criar uma especificação, correspondem a uma descrição sumária e objetiva, assim como termos técnicos adequados e usuais.

Comentários:

O gabarito da questão é CERTO.

A assertiva se coaduna com os conceitos trazidos a seguir.

REQUISITOS PARA CRIAÇÃO DE UMA ESPECIFICAÇÃO

DESCRIÇÃO SUMÁRIA E OBJETIVA

TERMOS TÉCNICOS ADEQUADOS E USUAIS

CRITÉRIO DE QUALIDADE PARA DETERMINADO USO

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

27

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

14 - (ERICK/MPU/2010) O nome modificador e as características técnicas são elementos auxiliares para a elaboração de determinada especificação.

Comentários:

O gabarito da questão é ERRADO.

A assertiva está equivocada, pois o nome modificador e as características técnicas são um dos principais elementos utilizados para a elaboração de determinada especificação.

Revisando

ESTRUTURA E FORMAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO

CORRESPONDE ESPECIFICAÇÃO

EX.: LÂMPADA, SABÃO

AO

PRIMEIRO

TERMO

DA

NOME BÁSICO

CORRESPONDE AO TERMO COMPLEMENTAR

NOME

MODIFICADOR

EX.: LÂMPADA INCANDESCENTE, LÂMPADA FLUORESCENTE, SABÃO EM PÓ E SABÃO LÍQUIDO

CORRESPONDE ÀS INFORMAÇÕES DETALHADAS REFERENTES ÀS PROPRIEDADES FÍSICAS E QUÍMICAS DOS MATERIAIS

EX.:

DUREZA,

ESPECÍFICO,

DENSIDADE,

PESO

VISCOSIDADE,

GRANULOMETRIA,

RESISTÊNCIA

DEVE-SE AINDA APONTAR:

CARACTERÍSTICAS

FÍSICAS

PROPRIEDADES

INDICADAS

MÉTODOS

PROPRIEDADES

PADRÕES OU NORMAS A SEREM OBSERVADAS (EX.: ABNT)

DESSAS

TOLERÂNCIAS

DAS

DE

ANÁLISE

OBSERVADAS (EX.: ABNT) DESSAS TOLERÂNCIAS DAS DE ANÁLISE QUE PODEM SER OBTIDAS NOS MANUAIS E Prof.

QUE PODEM SER OBTIDAS NOS MANUAIS E

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

28

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

DESENHOS CONSTRUTIVOS DOS EQUIPAMENTOS E EM CATÁLOGOS TÉCNICOS DE FABRICANTES

DESENHOS CONSTRUTIVOS DOS EQUIPAMENTOS E EM CATÁLOGOS TÉCNICOS DE FABRICANTES

ELEMENTOS AUXILIARES PARA A FORMAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO

A BOA ESPECIFICAÇÃO DEVE CONTER EM SEU BOJO AS INFORMAÇÕES REFERENTES:

DE FORNECIMENTO DO

À

UNIDADE

MATERIAL

UNIDADE

METROLÓGICA

À UNIDADE DE CONTROLE ADOTADA PELA EMPRESAS

AO FATOR DE CONVERSÃO DA UNIDADE DE FORNECIMENTO PARA A UNIDADE DE CONTROLE, EM CASO DELAS SEREM DIFERENTES

SE FOR CABÍVEL, DEVEM SER FORNECIDOS

MEDIDAS

DESENHOS DIMENSIONAIS E TOLERÂNCIAS LIMITES DE QUALIDADE NOS QUAIS O MATERIAL PODE SER FABRICADO E ACEITO PELO CONSUMIDOR

OUTRAS MEDIDAS, COMO CAPACIDADE, POTÊNCIA (HP), FREQÜÊNCIA (HZ), CORRENTE (A), TENSÃO (V)

DEVEM-SE INDICAR, ENTRE OUTROS:

CARACTERÍSTICAS DE FABRICAÇÃO

OS PROCESSOS DE FABRICAÇÃO

DETALHES DE CONSTRUÇÃO OU EXECUÇÃO

ACABAMENTO DO MATERIAL

CARACTERÍSTICAS DE OPERAÇÃO

CORRESPONDEM, AO LONGO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO E DOS TESTES DE ACEITAÇÃO:

ÀS GARANTIAS EXIGIDAS

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

29

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

 

AOS TESTES A SEREM EXECUTADOS

 

COM

RELAÇÃO

À

PRESERVAÇÃO E

CUIDADOS COM RELAÇÃO AO MANUSEIO E ARMAZENAGEM

ARMAZENAGEM DE MATERIAIS DEVEM SER FORNECIDOS TODOS OS DETALHES SOBRE:

MANUSEIO

 

TRANSPORTE

 

PRECAUÇÕES

15 - (ERICK/MPU/2010) Entre as vantagens da padronização de itens, encontram-se a redução da quantidade de itens no estoque.

Comentários:

O gabarito da questão é CERTO.

Além da redução da quantidade de itens no estoque, a redução do risco de falta de materiais no estoque e a possibilidade de permitir uma compra em grandes lotes são as principais vantagens da padronização.

Revisando

VANTAGENS DA PADRONIZAÇÃO

VANTAGENS DA PADRONIZAÇÃO

REDUZIR O RISCO DE FALTA DE MATERIAIS NO ESTOQUE

PERMITIR COMPRA EM GRANDES LOTES

Ao se reduzir variedades, gerenciam-se menores quantidades de itens com maiores quantidades, o que diminui o valor do imobilizado em estoque e os perigos de obsolescência

Ao se ampliar o poder de compra pela aquisição de maiores quantidades de menos itens, a padronização reduz o número de concorrências, as compras mais eficientes e possibilita, inclusive, a obtenção de preços mais convenientes

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

30

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

REDUZIR A QUANTIDADE DE ITENS NO ESTOQUE

Ao se reduzir as variedades, consegue-se diminuir o custo de armazenamento, simplificar os meios de estocagem, melhorando o layout e diminuindo o espaço físico

3 - Revisão por tópicos e palavras-chave.

CURVA ABC – CLASSES DE IMPORTÂNCIA

GRUPO DE ITENS MAIS IMPORTANTE QUE DEVEM SER TRATADOS COM ATENÇÃO ESPECIAL

CLASSE A

CLASSE B

GRUPO DE ITENS EM SITUAÇÃO INTERMEDIÁRIA ENTRE AS CLASSES A E C

CLASSE C

GRUPO DE ITENS MENOS IMPORTANTES QUE JUSTIFICAM POUCA ATENÇÃO

DEFINIÇÃO RESUMIDA DE ESPECIFICAÇÃO

DESCRIÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE UM MATERIAL

DESCRIÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE UM MATERIAL A FIM DE IDENTIFICÁ-LO + DISTINGUI-LO DE SEUS SIMILARES

A FIM DE

DESCRIÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE UM MATERIAL A FIM DE IDENTIFICÁ-LO + DISTINGUI-LO DE SEUS SIMILARES

IDENTIFICÁ-LO + DISTINGUI-LO DE SEUS SIMILARES

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

31

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

OUTRAS DEFINIÇÕES SOBRE A ESPECIFICAÇÃO

CORRESPONDE À REPRESENTAÇÃO SUCINTA DE UM CONJUNTO DE REQUISITOS A SEREM SATISFEITOS POR UM PRODUTO, UM MATERIAL OU UM PROCESSO, INDICANDO- SE, SEMPRE QUE FOR APROPRIADO, O PROCEDIMENTO POR MEIO DO QUAL SE POSSA DETERMINAR SE OS REQUISITOS ESTABELECIDOS SÃO ATENDIDOS

CORRESPONDEM AOS REQUISITOS GLOBAIS, TANTO GERAIS COMO MÍNIMOS, QUE DEVEM OBEDECER AOS MATERIAIS, TENDO EM VISTA A QUALIDADE E A SEGURANÇA DELES

É O TIPO DE NORMA QUE SE DESTINA A FIXAR CONDIÇÕES EXIGÍVEIS PARA ACEITAÇÃO E/OU RECEBIMENTO DE MATÉRIAS-PRIMAS, PRODUTOS SEMI-ACABADOS, PRODUTOS ACABADOS, ETC

REQUISITOS PARA CRIAÇÃO DE UMA ESPECIFICAÇÃO

DESCRIÇÃO SUMÁRIA E OBJETIVA

TERMOS TÉCNICOS ADEQUADOS E USUAIS

CRITÉRIO DE QUALIDADE PARA DETERMINADO USO

ESTRUTURA E FORMAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO

 

NOME BÁSICO

CORRESPONDE ESPECIFICAÇÃO

AO

PRIMEIRO

TERMO

DA

EX.: LÂMPADA, SABÃO

 
 

CORRESPONDE AO TERMO COMPLEMENTAR

 

NOME

EX.:

LÂMPADA

INCANDESCENTE,

LÂMPADA

MODIFICADOR

FLUORESCENTE,

SABÃO

EM

E

SABÃO

LÍQUIDO

 

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

32

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

 

CORRESPONDE

ÀS

INFORMAÇÕES

DETALHADAS REFERENTES ÀS PROPRIEDADES

FÍSICAS E QUÍMICAS DOS MATERIAIS

 

EX.:

DENSIDADE,

PESO ESPECÍFICO,

GRANULOMETRIA, VISCOSIDADE, DUREZA, RESISTÊNCIA

DEVE-SE AINDA APONTAR:

 

TOLERÂNCIAS

DAS

PROPRIEDADES

CARACTERÍSTICAS

INDICADAS

FÍSICAS

MÉTODOS

DE

ANÁLISE

DESSAS

PROPRIEDADES

PADRÕES

OU

NORMAS

A

SEREM

OBSERVADAS (EX.: ABNT)

 
 
 
 

QUE PODEM SER OBTIDAS NOS MANUAIS E DESENHOS CONSTRUTIVOS DOS EQUIPAMENTOS E EM CATÁLOGOS TÉCNICOS DE FABRICANTES

ELEMENTOS AUXILIARES PARA A FORMAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO

A BOA ESPECIFICAÇÃO DEVE CONTER EM SEU BOJO AS INFORMAÇÕES REFERENTES:

DE FORNECIMENTO DO

À

UNIDADE

MATERIAL

UNIDADE

METROLÓGICA

À UNIDADE DE CONTROLE ADOTADA PELA EMPRESAS

AO FATOR DE CONVERSÃO DA UNIDADE DE FORNECIMENTO PARA A UNIDADE DE

CONTROLE,

DIFERENTES

EM

CASO

DELAS

SEREM

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

33

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

 

SE FOR CABÍVEL, DEVEM SER FORNECIDOS

MEDIDAS

DESENHOS DIMENSIONAIS E TOLERÂNCIAS LIMITES DE QUALIDADE NOS QUAIS O MATERIAL PODE SER FABRICADO E ACEITO PELO CONSUMIDOR

OUTRAS MEDIDAS, COMO CAPACIDADE, POTÊNCIA (HP), FREQÜÊNCIA (HZ), CORRENTE (A), TENSÃO (V)

 

DEVEM-SE INDICAR, ENTRE OUTROS:

CARACTERÍSTICAS DE FABRICAÇÃO

OS PROCESSOS DE FABRICAÇÃO

DETALHES DE CONSTRUÇÃO OU EXECUÇÃO

 

ACABAMENTO DO MATERIAL

 

CORRESPONDEM, AO LONGO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO E DOS TESTES DE ACEITAÇÃO:

CARACTERÍSTICAS DE OPERAÇÃO

ÀSGARANTIAS EXIGIDAS

 

AOS TESTES A SEREM EXECUTADOS

 

COM

RELAÇÃO

À

PRESERVAÇÃO E

CUIDADOS COM RELAÇÃO AO MANUSEIO E ARMAZENAGEM

ARMAZENAGEM DE MATERIAIS DEVEM SER FORNECIDOS TODOS OS DETALHES SOBRE:

MANUSEIO

 

TRANSPORTE

 

PRECAUÇÕES

EMBALAGEM

DEVE LEVAR EM CONTA A FINALIDADE DO MATERIAL, COMO MEIOS DE TRANSPORTE, MANUSEIO E ARMAZENAGEM, VISANDO A SUA INTEGRIDADE E EVITANDO PERDAS ATÉ O CONSUMO FINAL

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

34

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

TIPOS DE EMBALAGEM MAIS COMUNS

 

BAIXO CUSTO

 

CAIXAS DE PAPELÃO ONDULADO

LEVE

VIOLAÇÃO FACILMENTE PERCEBIDA

 

FÁCIL MANIPULAÇÃO E ARMAZENAGEM

TAMBORES

RESISTÊNCIA

 

METÁLICOS

PROTEÇÃO ABSOLUTA

CAPACIDADE PARA REUTILIZAÇÃO

 

USADOS PARA GRANDES VOLUMES, NO

CASO

EM QUE

O CUSTO FINAL SE TORNA

FARDOS

PROIBITIVO PARA OUTROS TIPOS DE EMBALAGEM

 

USADOS PARA LÍQUIDOS E PÓS

INFLEXÍVEIS/INQUEBRANTÁVEIS

RECIPIENTES

PLÁSTICOS

RESISTENTE À CORROSÃO

MAIS LEVES QUE OS TAMBORES

PODEM SER REUTILIZADOS

 

RESISTENTES

 

CAIXAS DE MADEIRA

BAIXO CUSTO

BOA PROTEÇÃO

PADRÕES DE ESPECIFICAÇÃO

Usada quando há dificuldades em detalhar convenientemente as características do material

Deve ser evitada ao extremo

CONFORME AMOSTRA

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

35

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

 

Exemplo: formulários, como notas fiscais, faturas, duplicatas

 

Usada quando se trata de materiais que possuam normas técnicas ou quando há condições de fornecer todos os dados conhecidos de um material

POR PADRÃO E CARACTERÍSTICAS FÍSICAS

Exemplo: parafuso métrico, cabeça sextavada, em aço classe de resistência 5.6 (ABNT-EB-168), cadmiado, diâmetro 6,00mm, passo 1,00mm, comprimento 16mm, corpo todo roscado, acabamento grosso, conforme norma ABNT PB-40

POR COMPOSIÇÃO QUÍMICA

Usada quando há exigências de teor pré- determinado para os componentes químicos do material

Exemplo:

sulfato,

amônia, para análise,

 

solução 10% H2S

 

Usada

quando

se

deseja

garantir

a

 

qualidade do material, aceitando-se a

POR MARCA DE FÁBRICA

marca como padrão

 

Pode ser ou não aceito item equivalente

 
 

Exemplo:

rolamento

SKF

3210,

ou

 

equivalente

CONFORME DESENHO

Usada quando a forma e as características do material são complexas, não havendo possibilidade de especificação por nenhum dos tipos descritos

No

desenho,

estão contidas todas as

dimensões e características, inclusive o tipo de matéria-prima para fabricação

Exemplo: engrenagem conforme desenho

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

36

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

(mencionar número e empresa

projetista da peça ou equipamento)

NORMALIZAÇÃO

É A CLASSE DE NORMA TÉCNICA QUE CONSTITUI UM CONJUNTO METÓDICO E PRECISO DE PRECEITOS DESTINADOS A

ESTABELECER REGRAS PARA EXECUÇÃO DE:

CÁLCULOS

PROJETOS

FABRICAÇÃO

OBRAS

SERVIÇOS

INSTALAÇÕES

PRESCREVER EXECUÇÃO DE:

CONDIÇÕES

MÍNIMAS

DE

SEGURANÇA

NA

OBRAS

MÁQUINAS

INSTALAÇÕES

RECOMENDAR REGRAS PARA ELABORAÇÃO DE OUTRAS NORMAS E DEMAIS DOCUMENTOS NORMATIVOS

 

PRINCÍPIOS DA NORMALIZAÇÃO

 

A NORMALIZAÇÃO É ESSENCIALMENTE UM ATO DE SIMPLIFICAÇÃO

A

NORMALIZAÇÃO

É

UMA

ATIVIDADE

SOCIAL,

BEM

COMO

ECONÔMICA

 

A

PROMOÇÃO

DA

NORMALIZAÇÃO

DEVE

SER

FRUTO

DE

COOPERAÇÃO MÚTUA DE TODOS OS INTERESSADOS

 

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

37

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

A SIMPLES PUBLICAÇÃO DE UMA NORMA TEM POUCO VALOR, A MENOS QUE ELA POSSA SER APLICADA

A APLICAÇÃO DA NORMALIZAÇÃO PODE ACARRETAR SACRIFÍCIOS DE POUCOS PARA O BENEFÍCIO DE MUITOS

PADRONIZAÇÃO - SINÔNIMO DE SIMPLIFICAÇÃO

ANÁLISE DE MATERIAIS A FIM DE PERMITIR SEU INTERCÂMBIO, POSSIBILITANDO, ASSIM, REDUÇÃO DE VARIEDADES E CONSEQÜENTE ECONOMIA

UMA FORMA DE NORMALIZAÇÃO QUE CONSISTE NA REDUÇÃO DO NÚMERO DE TIPOS DE PRODUTOS OU COMPONENTES, DENTRO DE UMA FAIXA DEFINIDA, AO NÚMERO QUE SEJA ADEQUADO PARA O ATENDIMENTO DAS NECESSIDADES EM VIGOR EM UMA OCASIÃO

É A CLASSE DE NORMA TÉCNICA QUE CONSTITUI UM CONJUNTO METÓDICO E PRECISO DE CONDIÇÕES A SEREM SATISFEITAS, COM O OBJETIVO DE UNIFORMIZAR FORMATOS, DIMENSÕES, PESOS OU OUTRAS DE ELEMENTOS DE CONSTRUÇÃO, MATERIAIS, APARELHOS, OBJETOS, PRODUTOS INDUSTRIAIS ACABADOS, OU, AINDA, DE DESENHOS E PROJETOS

VANTAGENS DA PADRONIZAÇÃO

Ao se reduzir variedades, gerenciam-se menores quantidades de itens com maiores quantidades, o que diminui o valor do imobilizado em estoque e os perigos de obsolescência

REDUZIR O RISCO DE FALTA DE MATERIAIS NO ESTOQUE

PERMITIR COMPRA EM GRANDES LOTES

Ao se ampliar o poder de compra pela

aquisição

menos itens, a padronização reduz o

maiores quantidades de

de

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

38

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

 

número de concorrências, as compras mais eficientes e possibilita, inclusive, a obtenção de preços mais convenientes

REDUZIR A QUANTIDADE DE ITENS NO ESTOQUE

Ao se reduzir as variedades, consegue-se diminuir o custo de armazenamento, simplificar os meios de estocagem, melhorando o layout e diminuindo o espaço físico

VANTAGENS DA ANÁLISE DE VALOR

BENEFÍCIOS NÃO QUANTIFICÁVEIS:

ENGENHARIA DE PRODUTOS

ENGENHARIA INDUSTRIAL

ENGENHARIA DE FERRAMENTAS

MANUFATURA

PROGRAMAÇÃO

COMPRAS

ASSISTÊNCIA TÉCNICA

CONTROLE DE QUALIDADE

BENEFÍCIOS QUANTIFICÁVEIS

QUANTO AO MATERIAL

QUANTO AO PROCESSO

PEÇAS NORMALIZADAS PARA ITENS ESPECIAIS

NÚMERO DE COMPONENTES

PESO

CUSTO DE DOCUMENTAÇÃO

FERRAMENTAL

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

39

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

TEMPO

TOTAL

MATERIAL

ENTRE

ECONOMIA FINAL

EMISSÃO

DA

COMPRA

E

ENTREGA

DO

CODIFICAÇÃO

É UMA VARIAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DE MATERIAIS

CONSISTE EM ORDENAR OS MATERIAIS DA EMPRESA SEGUNDO UM PLANO METÓDICO E SISTEMÁTICO, DANDO A CADA UM DELES DETERMINADO CONJUNTO DE CARACTERES

O CÓDIGO, POR CONSEGUINTE, É SECRETO, SOMENTE O ENTENDE QUEM POSSUIR O PLANO DE CODIFICAÇÃO, QUE SE CONSTITUI NA CHAVE PARA SUA INTERPRETAÇÃO

NÃO HÁ, AINDA, PADRONIZAÇÃO DEFINIDA PARA O ESTABELECIMENTO DO PLANO DE CODIFICAÇÃO, O QUAL PODE SER DESENVOLVIDO A CRITÉRIO DE CADA INTERESSADO, CONFORME AS PECULIARIDADES INERENTES AO RAMO E PORTE DA EMPRESA

 

designa

a

família,

o

agrupamento

de

GRUPO

materiais, com numeração de 01 a 99

CLASSE

identifica os materiais pertencentes à família do grupo, numerando-os de 01 a 99

NÚMERO

qualquer que seja o sistema, há necessidade de individualizar o material, o que é feito a partir da faixa de 001 a 999, reservada para a numeração correspondente de identificação

IDENTIFICADOR

DÍGITO DE

para os sistemas mecanizados, é necessária a criação de um dígito de controle para assegurar confiabilidade de identificação pelo programa

CONTROLE

Prof. Erick Moura

www.pontodosconcursos.com.br

40

AnneJanuário,CPF:03168039446

CURSO ON-LINE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS – MPU ANALISTA E TÉCNICO - CARGOS 1 E 46 TEORIA E EXERCÍCIOS – AULA 2 PROFESSOR: ERICK MOURA

 

SISTEMA DE CODIFICAÇÃO

 

EXPANSIVO

 

POSSUIR ESPAÇO PARA A INSERÇÃO DE NOVOS ITENS E PARA A AMPLIAÇÃO DE DETERMINADA CLASSIFICAÇÃO

PRECISO

 

PERMITIR MATERIAL

SOMENTE

UM

CÓDIGO

PARA

CADA

CONCISO

 

POSSUIR O MÍNIMO POSSÍVEL DE DÍGITOS PARA DEFINIÇÃO DOS CÓDIGOS

 

SER

FACILMENTE

COMPREENDIDO

E

DE

FÁCIL

CONVENIENTE

APLICAÇÃO

 

SIMPLES

 

SER DE FÁCIL UTILIZAÇÃO

 

4 – Questões desta Aula

 

Acerca

da

gestão

de

material

e

patrimônio,

julgue

os

itens

subseqüentes.

11 - (CESPE/SEBRAE-AC/2007) A classificação e a codificação dos bens

patrimoniais da empresa contribuem para facilitar seu registro e controle.

12 - (ERICK/MPU/2010) Na curva ABC, pode-se afirmar que os itens que se encontram na CLASSE “A” correspondem aos mais importantes para a organização, enquanto que os da CLASSE “B” se referem à situação intermediária entre as CLASSES “A” e “C”.

13 - (ERICK/MPU/2010) Alguns dos principais requisitos para se criar uma

especificação, correspondem a uma descrição sumária e objetiva, assim como termos técnicos adequados e usuais.

14 - (ERICK/MPU/2010) O nome modificador e as características técnicas

são elementos auxiliares para a elaboração de determinada especificação.

15 - (ERICK/MPU/2010) Entre as vantagens da padronização de itens,