Você está na página 1de 5
Artigo

Artigo

Alterações Hematológicas em Amostras Armazenadas e Analisadas em Condições de Tempo e Temperatura Distintos

Gabriel Ferreira Bazé Neto¹, Miguel Machado de Araújo²

1 – Biomédico pela Unigran – Dourados, MS 2 – Especialista em Análises Clínicas pela Universidade Estadual de Londrina – UEL, Bacharel em Biomedicina pelo Centro Universitário da Grande Dourados-UNIGRAN, Dourados-MS

Resumo Summary Alterações hematológicas em amostras armazena- das e analisadas em condições de tempo e
Resumo
Summary
Alterações hematológicas em amostras armazena-
das e analisadas em condições de tempo e temperatura
distintos
As análises hematológicas provenientes de amostras estocadas
são passíveis de alterações pelo acondicionamento do sangue.
Na rotina laboratorial inexiste um consenso entre os profissionais
da área sobre as condições ideais para a estocagem de amostras
sanguíneas destinadas à análise hematológica. O presente trabalho
tem por objetivo evidenciar as alterações do eritrograma geradas
por estocagem das amostras de sangue e averiguar condições
ideais para a estocagem dessas amostras. Para realização do es-
tudo foi efetuado o hemograma automatizado das amostras recém-
colhidas e posteriormente estas foram submetidas à 4ºC por 48
horas e, no decorrer destas horas, as amostras foram avaliadas de
12 em 12 horas, através das análises do eritrograma. As amostras
mostraram alterações pouco significativas em alguns parâmetros,
porém os índices hematimétricos revelaram alterações significativas
principalmente no decorrer das 12 primeiras horas de estocagem.
Hematological changes in stored and examined
samples in terms of distinguished time and temperature
The hematological analysis from stored samples can change due
to the packaging of the blood. In the laboratory routine does not
exist a consensus among professionals about the ideal conditions
for the storage of blood samples for the hematological analysis.
This paper aims to highlight the changes of erythrocyte generated
by storage of blood samples and determine optimal conditions for
the storage of these samples. To conduct the study was made of the
automated blood samples freshly harvested and then subjected to
4°C for forty-eight hours and, during these hours the samples were
evaluated in twelve hours, by the erythrocyte analysis. The samples
showed minor changes in some parameters, but the erythrocyte
index showed significant changes especially during the first twelve
hours of storage.
Keywords: Erythrogram, blood sample storage, hemogram
Palavras-chave: Eritrograma, amostra de sangue, estoca-
gem, hemograma

IntroduçãoIntrodução

de sangue, estoca- gem, hemograma Introdução Introdução O hemograma completo é um dos exames mais solicitados
de sangue, estoca- gem, hemograma Introdução Introdução O hemograma completo é um dos exames mais solicitados
de sangue, estoca- gem, hemograma Introdução Introdução O hemograma completo é um dos exames mais solicitados
de sangue, estoca- gem, hemograma Introdução Introdução O hemograma completo é um dos exames mais solicitados

O hemograma completo é um dos exames mais solicitados dentro da rotina de um labo-

ratório de análises clínicas. É uma ava- liação dos componentes sanguíneos e sua realização se torna importante para a monitoração do funcionamento do sistema orgânico de cada indivíduo,

pois qualquer alteração patológica tende a refletir nas séries analisadas neste exame de sangue (1). Como componentes do sangue estão incluídos os eritrócitos ou cé- lulas vermelhas, leucócitos, também denominados de células brancas e as plaquetas. No exame de sangue a avaliação das células vermelhas é denominada de eritrograma e é enun-

ciada por três valores quantitativos: o hematócrito (Ht), a hemoglobina (Hb) e a contagem global das hemácias (He). Três índices adicionais elabo- ram as características qualitativas do eritrograma: volume corpuscular médio (VCM), hemoglobina corpus- cular média (HCM) e a concentração de hemoglobina corpuscular média (CHCM) (2, 3).

O hemograma surgiu quando, em 1929, Wintrobe idealizou o hematócri- to, e no ano de

O hemograma surgiu quando, em 1929, Wintrobe idealizou o hematócri- to, e no ano de 1932 edificou as fór- mulas matemáticas para o cálculo dos índices hematimétricos, que além de se basearem no hematócrito, depen- diam da dosagem de hemoglobina e da contagem global dos eritrócitos em hemocitômetro (aparelho outrora usa- do para a contagem dessas células). Dessa forma foi criado o eritrograma e, juntamente com ele, as classificações das anemias. Posteriormente aliaram- se ao eritrograma as determinações dos leucócitos, concretizando o he- mograma conhecido atualmente (4). No decorrer do século 20, houve um avanço do mercado tecnológico que possibilitou a inclusão de novos apara- tos eletrônicos e juntamente com este avanço foram criados os equipamentos eletrônicos capazes de contar células sanguíneas, que posteriormente che- garam à rotina dos laboratórios de análises clínicas, implantando a auto- mação hematológica aos laboratórios de diversos portes (5, 6). Além dos parâmetros comuns do hemograma manual, essa tecnologia adicionou ao exame de sangue outros parâmetros de análises como o PDW (Patelet Distribution Width), RDW (Red Cell Distribution Width) e histo- gramas de distribuição de volumes das células, e são capazes de realizar de 8 até 23 parâmetros no hemograma. Possuem no mínimo dois canais, sendo um com diluente para as hemácias e outro com lisante, para os leucócitos e determinação da concentração de he- moglobina. Outros canais são impre- teríveis para a contagem diferencial e utilizam princípios diversificados como impedância, absorbância ou desvio da luz polarizada (7). Mesmo contando com todo o aparato tecnológico e os benefícios oferecidos por este durante a fase

analítica do hemograma, é necessá- rio que se tenha conhecimento das alterações que ocorrem depois da coleta do sangue e durante toda a fase pré-analítica. Entre as altera- ções mais frequentes, encontramos após a coleta um aumento do volume celular e da fragilidade osmótica das hemácias. Os neutrófilos e monócitos mostram-se degenerados, com vacúo-

los no citoplasma e lobulação nuclear.

E os fatores de coagulação do sangue

diminuem suas atividades (3, 8). Depois da coleta, as amostras de sangue devem ser estocadas a baixas temperaturas para exames que não serão realizados imediatamente, pois no eritrograma, o VCM e o CHCM mos- traram importantes alterações quando as amostras de sangue foram estocadas em temperatura ambiente (25ºC) por 24 horas, indicando desta forma que ocorreu um aumento do valor médio dos volumes dos eritrócitos, sem haver alterações na quantidade interna de

hemoglobina. De acordo com o anticoa- gulante utilizado, o prazo para a análise do sangue pode variar (5, 9, 10). Pode ser realizado o acondicio- namento de amostras, para a deter- minação laboratorial do eritrograma, com a condição de que após a coleta as amostras devam ser estocadas a uma temperatura de 4 ºC e as de- terminações devem ser realizadas no prazo máximo de 24 horas, para que não ocorram alterações artefatuais significativas pela estocagem (11). Apesar de estudos já realizados, como o citado anteriormente, enfo- cando a estocagem de sangue para

o hemograma, ainda ocorre uma dis-

crepância dentro da rotina laboratorial quanto à estocagem das amostras destinadas à hematologia, e leva-se em consideração o número limitado de publicações sobre o assunto. Dessa forma, este estudo objetiva evidenciar

as alterações do eritrograma geradas por estocagem das amostras de san-

gue e averiguar condições ideais para

a estocagem dessas amostras.

Materiais e Métodos

Materiais e Métodos

dessas amostras. Materiais e Métodos Materiais e Métodos O trabalho foi conduzido no labo- ratório de
dessas amostras. Materiais e Métodos Materiais e Métodos O trabalho foi conduzido no labo- ratório de
dessas amostras. Materiais e Métodos Materiais e Métodos O trabalho foi conduzido no labo- ratório de
dessas amostras. Materiais e Métodos Materiais e Métodos O trabalho foi conduzido no labo- ratório de

O trabalho foi conduzido no labo- ratório de análises clínicas da Unigran na cidade de Dourados, MS. O projeto foi aprovado pelo Conselho de Ética e Pesquisa com Seres Humanos, e as análises só foram iniciadas posterior- mente à aprovação. A coleta dos dados ocorreu entre agosto a setembro de 2009. O número total de amostras analisadas foi de 102 tubos de sangue com anticoagulante EDTA K3, contendo 5 ml de sangue em cada tubo, provenientes de pacientes com idade variante entre 15 a 40 anos, de ambos os sexos. Utilizou-se como critério de exclusão da pesquisa, as amostras de pacientes especiais, como os deficientes mentais, indígenas, pacientes considerados anêmicos, e amostras com concentração de hemo- globina menor que 11 g/dl. As amostras foram analisadas com

a metodologia de automação hema-

tológica pelo aparelho KX-21N de 19 parâmetros da marca Sysmex. Dentre os 19 parâmetros, foram utilizados:

RBC (quantidade total de hemácias), HGB (concentração de hemoglobina), HCT (hematócrito), VCM (volume mé- dio dos eritrócitos da amostra), HCM (concentração média de hemoglobina por hemácia), CHCM (concentração média dos glóbulos vermelhos da amostra), RDW-CV (amplitude de distribuição dos eritrócitos, coeficiente padrão) (12). Logo após a coleta das amostras foi realizado o eritrograma em (0h), e em seguida as mesmas foram estocadas a 4ºC por 12 horas. E realizado o eritro-

grama, em seguida, foram realizadas quatro análises do eritrograma com intervalos de 0h/12h/24h/48h. Para a

grama, em seguida, foram realizadas quatro análises do eritrograma com intervalos de 0h/12h/24h/48h. Para a tabulação dos dados obtidos foram utilizados média e porcentagem e estes foram apresentados por gráfi- cos e tabelas.

Resultados e Discussão

Resultados e Discussão

e tabelas. Resultados e Discussão Resultados e Discussão Os resultados obtidos demonstra- ram alterações pouco
e tabelas. Resultados e Discussão Resultados e Discussão Os resultados obtidos demonstra- ram alterações pouco
e tabelas. Resultados e Discussão Resultados e Discussão Os resultados obtidos demonstra- ram alterações pouco
e tabelas. Resultados e Discussão Resultados e Discussão Os resultados obtidos demonstra- ram alterações pouco

Os resultados obtidos demonstra- ram alterações pouco significativas. Variando entre os parâmetros analisa-

dos, podemos verificar a percentagem de alterações encontradas durante o período de análise (figura 1). Das 102 amostras em relação à contagem de hemácias, não houve alteração significativa no decorrer das 48 horas de análise (Tabela 1). Quanto ao parâmetro Hemoglobi- na as alterações foram irrelevantes, portanto não significativas (Tabela 2). Os valores do Hematócrito sofre- ram poucas alterações no período das analises, observando-se que as alterações foram maiores no período

de 0h e essas alterações diminuíram com o decorrer do tempo (Tabela 3). Dentre os índices hematimé- tricos, o VCM sofreu alteração de quase cinco pontos percentuais en- tre as primeiras 12 horas, variando de 14,7% para 19,6%. O HCM não apresentou variação significativa. O CHCM demonstrou maior nível de alteração entre as análises, apresentando queda dos índices percentuais a partir da 12ª hora, mantendo os níveis baixos até o final da pesquisa (figura 2).

os níveis baixos até o final da pesquisa (figura 2). RDW He 6% 6% Hb 10%
RDW He 6% 6% Hb 10% Ht CHCM 9% 30% VCM 21% HCM 18% Figura
RDW
He
6%
6%
Hb
10%
Ht
CHCM
9%
30%
VCM
21%
HCM
18%
Figura 1. Percentual de alterações por parâmetro do eritrograma

Tabela 1. Valores percentuais de glóbulos vermelhos

30,00% 27,45% 25,00% 20,00% 15,00% 10,00% 3,92% 3,92% 5,00% 1,96% 0,00% 1 0h 12h 24h
30,00%
27,45%
25,00%
20,00%
15,00%
10,00%
3,92%
3,92%
5,00%
1,96%
0,00%
1
0h
12h
24h
48h

Figura 2. Valores percentuais alterados de CHCM

Horas

0h

12h

24h

48h

Normal (%)

94,12%

95,10%

97,06%

96,08%

Alterados (%)

5,88%

4,90%

2,94%

3,92%

Tabela 2. Valores percentuais de hemoglobina

 

Horas

0h

12h

24h

48h

Normal (%)

92,16%

92,16%

91,18%

92,16%

Alterados (%)

7,84%

7,84%

8,82%

7,84%

Tabela 3. Valores percentuais de hematócrito

 

Horas

0h

12h

24h

48h

Normal (%)

92,16%

94,12%

96,08%

95,10%

Alterados (%)

7,84%

5,88%

3,92%

4,90%

Pelo fato de ser um valor médio, o VCM é um parâmetro que estaria menos

Pelo fato de ser um valor médio, o VCM é um parâmetro que estaria menos propenso a alterações. Em estudos anteriores foram encontrados resultados de média de variação em torno de 1% quando as amostras foram esto- cadas a 4ºC por 48 horas. Quando as amostras foram submetidas à agitação mecânica e a tempera- turas distintas por mais de uma hora, o VCM mostrou alterações significativas (11, 13).

Conclusão

Conclusão

alterações significativas (11, 13). Conclusão Conclusão Concluímos com a pesquisa, que a estocagem de amostra para
alterações significativas (11, 13). Conclusão Conclusão Concluímos com a pesquisa, que a estocagem de amostra para
alterações significativas (11, 13). Conclusão Conclusão Concluímos com a pesquisa, que a estocagem de amostra para
alterações significativas (11, 13). Conclusão Conclusão Concluímos com a pesquisa, que a estocagem de amostra para

Concluímos com a pesquisa, que a estocagem de amostra para o hemo- grama completo deve ser realizada no menor prazo possível, até a execução do exame, pois aferimos que em alguns parâmetros houve pequenas alterações que subjetivam e indicam novas pesquisas acerca do assunto para a identificação de alterações mais significativas, comparando com um grupo ou tempo maior.

Observamos com os resultados alcançados, que os laboratórios e centros de pesquisas hematológicas devem se beneficiar com resultados nesta esfera da pesquisa, pois a mesma indica que existem alterações geradas nas amostras por motivos de estocagem e armazenamento.

nas amostras por motivos de estocagem e armazenamento. Correspondências para: Gabriel ferreira Bazé Neto
Correspondências para: Gabriel ferreira Bazé Neto gabriel_baze@yahoo.com.br
Correspondências para:
Gabriel ferreira Bazé Neto
gabriel_baze@yahoo.com.br

ReferênciasReferências BibliográficasBibliográficas

1. Hangai MM, Spada C,Treitinger A. Estudo dos parâmetros laboratoriais do hemograma de gestantes, através da comparação com o

hemograma de pacientes não-gestantes, no município de São José, na Grande Florianópolis. Laes & Haes, São Paulo, 24(143):116-

138. 2003

2. Silva CMF, Vilela RB, Almeida LS, Pedrosa GM, Campos ADP, Campos LES. Parâmetros Eritrocitários de Indivíduos Adultos de Grupo

Populacional da Cidade de Maceió-Alagoas. Laes & Haes, São Paulo, 25(145): 116-126, 2003.

3. Naoum FA, Naoum PC. Hematologia Laboratorial: Eritrócitos. São José do Rio Preto: Academia de Ciências e Tecnologia, 2005, 111 p.

4. Oliveira RAG, Oshiro M, Neto AP. O Eritrograma: de Wintrobe à Tecnologia do laser. NewsLab, São Paulo, 7(62): 102-118. 2004.

5. Wojcicki M, Smith M. Selecionando a Automação para o Laboratório. Laes e Haes. São Paulo, 27(162): 216-226. 2006.

6. Hoffmann LP, Clarissa P, Sganzeria RK, Aziz MM, Kuntz AK, Dall’cortivo G, Souza NMA, Silva SMC. Avaliação dos índices hematimétri-

cos emitidos pelos contadores hematológicos Pentra 120 Range e Sysmex XT-2000i. Revista Brasileira de Analises Clínicas. São Paulo,

39(1), 2007.

7. Oliveira MRAA. Hematologia Básica: fisiopatologia e estudo laboratorial. 3. ed. São Paulo: Luana, 2003, 358 p.

8. Almeida TA. Estudos dos elementos Figurados do Sangue, In : Moura RA,Wada CS, Purchio A.Técnicas de Laboratório. 3.ed. São Paulo:

Atheneu, 2002, 511 p.

9. Lima AO, Soares JB, Greco JB, Galizzi J, Cançado JR. Métodos de Laboratório Aplicados à Clínica:Técnicas de Interpretação. 8.ed. Rio de

Janeiro: Guanabara Koogan, 2001, 664 p.

10. Bain BJ. Células Sanguíneas: Um guia Prático. Porto Alegre: Artmed, 2004, 437 p.

11. Monteiro FG, Oliveira RAG, Oliveira MSG, Barretto OCO. Avaliação da Interferência de Estocagem das Amostras de Sangue Periférico

nas Determinações do Eritrograma Automatizado. NewsLab. São Paulo, 10(51): 136-146. 2002.

12. Sysmex, Manual de Instruções KX-21 N. Nov. 2002.

13. Fontana EA, Azevedo MRA. Interferência do Tempo e da Agitação Mecânica no resultado da análise hematológica. Jornal Brasileiro de

Medicina e Patologia Laboratorial. São Paulo, 44(2). 2008.