Você está na página 1de 47
!
!

!

!
!

!

Gestão de Recursos

e Materiais

Rafael Ravazolo!

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

!"#$%&'#()*+$'+,'*(- )+$'+.'/".*)*+&%('.0 %0* +

!" + #$%& '"""""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """""""" '( + (" + )$*+)&,&'-./)01,%0.0 & ' """""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """"""" '2 + 1232 + 4 0$%+ 5 (06+'+ 4 0$%+ ' /)#7&0/% +22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 22222 +8 + 1212 + $ '9.'/0%:-) + 22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 222222222222222222222222222 +; + !"!"#" + $%&'%()*+,-.&%/-.012-3-.4)5%*' ."""""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """"""""""" .6 + !"!"!" + $%&'%()*+,-.&%/-.012-3-.3%.78-2*9.:*');<%)9 ."""""""""""""""""""""""""""""""" """"""""""""""""""" .## + !"!"=" + $%&'%()*+,-.>%/-.012-3-.3*.?-@*.3-9.$AB)2-9 ."""""""""""""""""""""""""""""""" """"""""""""""""""" .## + 12<2 + = "'*(>'*+$'+ / )#/".*)* +22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 22222222 +31 + 3" + .410%0&/).56,'4$')$* +)&,&'1./$)0.0& '"""""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """"""""""" '!3 + <232 + # ?4'6+$'+ * '.40:) +22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 22222222222222222222 +3@ + <212 + $ '&%#$% +22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 222222222222222222222222222222 +3A + ="!"#" + 012-3-.3-. C-598@-.3-.D/2)@-.>%'A-3- ."""""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""" .#E + ="!"!" + 012-3-.3*.013)*.0F<%/ ."""""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""" .#E + ="!"=" + 012-3-.3*.013)*.0F<%/.>-53%'*3* ."""""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """ .#6 + <2<2 + ' *()="'* +22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 222222222222222222222222222222 +3B + ="="#" + G%'@-9.82)/)H*3-9.5-.C-52'-/%.3%.I92-J8%9 ."""""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""" .!K + ="="!" + C/*99)L)(*+,-.3-9.I92-J8%9 ."""""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """"""""""""""""""" .!K + ="="=" + MA<%)9.3%.I92-J8%.%.N%&-9)+,- ."""""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """"""""""""" .!# + <2C2 + = "'*(>'*+$'+ / )#/".*)* +22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 22222222 +18 + <2@2 + % .&%D'#%,'& + 22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 2222222222222222222222 +1B + ="O"#" + P85+Q%9.3*.*'@*H%5*B%@ ."""""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """"""""""""""""""" .=K + ="O"!" + N%(%R)@%52- ."""""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """""""" .=K + ="O"=" + C/* 99)L)(*+,- ."""""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """"""""" .=# + ="O"S" + C/*99)L)(*+,-.TUC ."""""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" " .=S + ="O"O" + 4-(*/)H*+,- ."""""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """"""""""" .=E + ="O"V" + 0-<)@%52*+,- ."""""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """"" .SK + ="O"W" + I@R*/*B%59 ."""""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """""""""" .S# + <2A2 + 0 #4'#(E.0)+ ! ?*0/) +22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 222222222222222222 +C3 + ="V"#" + T(8';()*.3-9.C-52'-/%9 ."""""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """"""""""""""""""""""""" .S! + ="V"!" + C892-9.3%.*'@*H%5*B%@ ."""""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""" .S= + <282 + = "'*(>'*+$'+ / )#/".*)* +22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 22222222222222222222222222222222 22222222 +C< + 7" + #0#80,9).:0. '"""""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""""""""""" """""""""""""""""""""""" '7; +

'7; +
'7; +

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

067,(#/ 8

/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' 1. BENS

!

"#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

1. BENS

' 1. BENS Juridicamente , bem é tudo aquilo que pode ser objeto de
' 1. BENS Juridicamente , bem é tudo aquilo que pode ser objeto de
' 1. BENS Juridicamente , bem é tudo aquilo que pode ser objeto de

Juridicamente, bem é tudo aquilo que pode ser objeto de direito, sendo suscetível de utilização ou de apropriação. O Código Civil, nos artigos 79 a 103, define as diferentes classes de bens:

CAPÍTULO I Dos Bens Considerados em Si Mesmos

Seção I Dos Bens Imóveis

Art. 79. São bens imóveis o solo e tudo quanto se lhe incorporar natural ou artificialmente.

Art. 80. Consideram-se imóveis para os efeitos legais:

I - os direitos reais sobre imóveis e as ações que os asseguram;

II - o direito à sucessão aberta.

Art. 81. Não perdem o caráter de imóveis:

I - as edificações que, separadas do solo, mas conservando a sua unidade, forem removidas para outro local;

II - os materiais provisoriamente separados de um prédio, para nele se reempregarem.

Seção II Dos Bens Móveis

Art. 82. São móveis os bens suscetíveis de movimento próprio, ou de remoção por força alheia, sem alteração da substância ou da destinação econômico-social.

Art. 83. Consideram-se móveis para os efeitos legais:

I - as energias que tenham valor econômico;

II - os direitos reais sobre objetos móveis e as ações correspondentes;

III - os direitos pessoais de caráter patrimonial e respectivas ações.

Art. 84. Os materiais destinados a alguma construção, enquanto não forem empregados, conservam sua qualidade de móveis; readquirem essa qualidade os provenientes da demolição de algum prédio.

Seção III Dos Bens Fungíveis e Consumíveis

Art. 85. São fungíveis os móveis que podem substituir-se por outros da mesma espécie, qualidade e quantidade.

Art. 86. São consumíveis os bens móveis cujo uso importa destruição imediata da própria substância, sendo também considerados tais os destinados à alienação.

Seção IV Dos Bens Divisíveis

Art. 87. Bens divisíveis são os que se podem fracionar sem alteração na sua substância, diminuição considerável de valor, ou prejuízo do uso a que se destinam.

Art. 88. Os bens naturalmente divisíveis podem tornar-se indivisíveis por determinação da lei ou por vontade das partes.

Seção V Dos Bens Singulares e Coletivos

Art. 89. São singulares os bens que, embora reunidos, se consideram de per si, independentemente dos demais.

se consideram de per si , independentemente dos demais.
se consideram de per si , independentemente dos demais.
! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' Art. 90. Constitui universalidade de

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' Art. 90. Constitui universalidade de fato a pluralidade de

Art. 90. Constitui universalidade de fato a pluralidade de bens singulares que, pertinentes à mesma pessoa, tenham destinação unitária.

Parágrafo único. Os bens que formam essa universalidade podem ser objeto de relações jurídicas próprias.

Art. 91. Constitui universalidade de direito o complexo de relações jurídicas, de uma pessoa, dotadas de valor econômico.

CAPÍTULO II Dos Bens Reciprocamente Considerados

Art. 92. Principal é o bem que existe sobre si, abstrata ou concretamente; acessório, aquele cuja existência supõe a do principal.

Art. 93. São pertenças os bens que, não constituindo partes integrantes, se destinam, de modo duradouro, ao uso, ao serviço ou ao aformoseamento de outro.

Art. 94. Os negócios jurídicos que dizem respeito ao bem principal não abrangem as pertenças, salvo se

o contrário resultar da lei, da manifestação de vontade, ou das circunstâncias do caso.

Art. 95. Apesar de ainda não separados do bem principal, os frutos e produtos podem ser objeto de negócio jurídico.

Art. 96. As benfeitorias podem ser voluptuárias, úteis ou necessárias.

1 o São voluptuárias as de mero deleite ou recreio, que não aumentam o uso habitual do bem, ainda que o tornem mais agradável ou sejam de elevado valor.

§ 2 o São úteis as que aumentam ou facilitam o uso do bem.

§ 3 o São necessárias as que têm por fim conservar o bem ou evitar que se deteriore.

§

Art. 97. Não se consideram benfeitorias os melhoramentos ou acréscimos sobrevindos ao bem sem a intervenção do proprietário, possuidor ou detentor.

CAPÍTULO III Dos Bens Públicos

Art. 98. São públicos os bens do domínio nacional pertencentes às pessoas jurídicas de direito público interno; todos os outros são particulares, seja qual for a pessoa a que pertencerem.

Art. 99. São bens públicos:

I - os de uso comum do povo, tais como rios, mares, estradas, ruas e praças;

II - os de uso especial, tais como edifícios ou terrenos destinados a serviço ou estabelecimento da administração federal, estadual, territorial ou municipal, inclusive os de suas autarquias;

III - os dominicais, que constituem o patrimônio das pessoas jurídicas de direito público, como objeto de direito pessoal, ou real, de cada uma dessas entidades.

Parágrafo único. Não dispondo a lei em contrário, consideram-se dominicais os bens pertencentes às pessoas jurídicas de direito público a que se tenha dado estrutura de direito privado.

Art. 100. Os bens públicos de uso comum do povo e os de uso especial são inalienáveis, enquanto conservarem a sua qualificação, na forma que a lei determinar.

Art. 101. Os bens públicos dominicais podem ser alienados, observadas as exigências da lei.

Art. 102. Os bens públicos não estão sujeitos a usucapião.

Art. 103. O uso comum dos bens públicos pode ser gratuito ou retribuído, conforme for estabelecido legalmente pela entidade a cuja administração pertencerem.

Contabilmente, um bem é algo - material ou imaterial - que pode ser avaliado economicamente e que, quando utilizado ou consumido, satisfaz uma necessidade das pessoas e das empresas.

satisfaz uma necessidade das pessoas e das empresas.
satisfaz uma necessidade das pessoas e das empresas.

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ :/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' • Bens de Consumo : são bens não

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' • Bens de Consumo : são bens não duráveis, ou que

Bens de Consumo: são bens não duráveis, ou que são gastos ou consumidos no processo produtivo - depois de consumidos, representam despesas, tais como: combustíveis, material de escritório, material de limpeza, etc.

Bens Fixos ou Imobilizados: bens duráveis, destinados à manutenção das atividades econômicas da organização, como imóveis, veículos, máquinas, instalações, equipamentos, móveis e utensílios.

Bens de Renda: não destinados aos objetivos da empresa (ex: imóveis destinados a renda ou aluguel).

Bens Intangíveis: não possuem existência física, porém, representam uma aplicação de capital indispensável aos objetivos sociais, como marcas e patentes, fórmulas ou processos de fabricação, direitos autorais, autorizações ou concessões, ponto comercial etc. Outra classificação possível para os bens é quanto à sua utilização:

Ativos - aqueles requisitados regularmente em um dado período estipulado pelo órgão ou entidade.

Inativos - aqueles não movimentados em certo período estipulado pelo órgão ou entidade e comprovadamente desnecessários para utilização nestes.

o

ocioso - quando, embora em perfeitas condições de uso, não estiver sendo aproveitado;

o

recuperável - quando sua recuperação for possível e orçar, no âmbito, a cinquenta por cento de seu valor de mercado;

o

antieconômico - quando sua manutenção for onerosa, ou seu rendimento precário, em virtude de uso prolongado, desgaste prematuro ou obsoletismo;

o irrecuperável - quando não mais puder ser utilizado para o fim a que se destina devido a perda de suas características ou em razão da inviabilidade econômica de sua recuperação. Em suma, um bem é algo material ou imaterial, que pode ser avaliado em dinheiro, que satisfaz necessidades e que é suscetível de apropriação, utilização, direitos e obrigações.

de apropriação, utilização, direitos e obrigações.
de apropriação, utilização, direitos e obrigações.

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ ;/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' 2. RECURSOS PATRIMONIAIS

!

"#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

2. RECURSOS PATRIMONIAIS

' 2. RECURSOS PATRIMONIAIS Os Recursos Patrimoniais (ou bens patrimoniais) representam
' 2. RECURSOS PATRIMONIAIS Os Recursos Patrimoniais (ou bens patrimoniais) representam
' 2. RECURSOS PATRIMONIAIS Os Recursos Patrimoniais (ou bens patrimoniais) representam

Os Recursos Patrimoniais (ou bens patrimoniais) representam o conjunto de

bens imóveis e móveis e diferem dos demais recursos materiais pelos seguintes

motivos:

Possuem natureza relativamente permanente;

São utilizados na operacionalização da produção;

São adquiridos esporadicamente;

Sofrem desgaste de uso e obsolescência;

Necessitam de manutenção.

Não são destinados a venda/comercialização*.

* Obviamente, as organizações transacionam seus recursos patrimoniais - adquirindo, vendendo, ou trocando-os - quando necessitam melhorar a produção, mas este não é o objetivo final de um bem patrimonial. Os três tipos de alterações mais frequentes nos recursos patrimoniais são:

- Adição: aquisição de unidade/equipamento novo, ou ampliação de um ativo já

existente. Ex: construção de um prédio novo.

- Benfeitoria: melhoria de um item para melhorar a produção. Ex: reforma de

uma fábrica. - Substituição: troca de um

mesmo tipo por motivo de

modernização. Ex: maquinário mais moderno no lugar de outro obsoleto.

item

por outro de

Em comum com os recursos materiais, os recursos patrimoniais:

precisam de registro e codificação, segundo os padrões da empresa;

também participam do inventário;

sofrem obsolescência.

Exemplos de Recursos Patrimoniais:

! Máquinas e equipamentos: ferramentas, maquinário, veículos, computadores, móveis etc.

! Edificações: prédios, depósitos, escritórios, garagens etc.

! Terrenos: locais onde estão as instalações e demais áreas, mesmo vazias.

onde estão as instalações e demais áreas, mesmo vazias.
onde estão as instalações e demais áreas, mesmo vazias.

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ </

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' ! Jazidas : locais em que se possui

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' ! Jazidas : locais em que se possui direito/autorização

! Jazidas: locais em que se possui direito/autorização de extração.

! Intangíveis: recursos que não se pode tocar, pois não tem corpo ou forma física - marcas, direitos autorais, patentes, projetos etc.

Patrimônio Imobiliário: Constitui-se de bens imóveis (Art. 79 a 81 do Código

Civil Brasileiro), isto é, aqueles que se forem movidos perdem sua forma física, ou que

não podem ser deslocados.

Patrimônio Mobiliário: Constitui-se dos bens móveis (aqueles que podem ser

movimentados, deslocados de posição sem que percam sua constituição física) e

semoventes* e são definidos nos Artigo 82 a 86 do CCB. São também chamados de

inventariáveis, imobilizados no ativo não circulante, depreciados ou amortizados em

função de sua vida útil.

por si próprio.

Juridicamente o animal (o elemento a ser transformado em produtos finais para o mercado ) é considerado um bem semovente.

* Semoventes – no

sentido

geral, é

o

ser que

se move

Na análise contábil da empresa, os recursos patrimoniais fazem parte do ativo

não circulante imobilizado.

Conforme exposto, os Recursos Patrimoniais são aqueles com características

de material permanente. Para o correto enquadramento, a Portaria n° 448, de

13/09/2002, da Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda define como

material permanente aquele que, em razão de seu uso corrente, não perde a sua

identidade física, e/ou tem uma durabilidade superior a dois anos.

A mesma Portaria n° 448 define a adoção de cinco condições excludentes para

a identificação do material permanente, sendo classificado como material de consumo

aquele que se enquadrar em um ou mais itens dos que se seguem:

I - Durabilidade - quando o material em uso normal perde ou tem reduzidas as

suas condições de funcionamento, no prazo máximo de dois anos;

II - Fragilidade – material cuja estrutura esteja sujeita a modificação, por ser

quebradiço ou deformável, caracterizando-se pela irrecuperabilidade e/ou perda de sua

identidade;

III - Perecibilidade – material sujeito a modificações (químicas ou físicas) ou

que se deteriora ou perde sua característica normal de uso;

que se deteriora ou perde sua característica normal de uso;
que se deteriora ou perde sua característica normal de uso;

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ =/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' IV - Incorporabilidade - quando

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' IV - Incorporabilidade - quando destinado à incorporação

IV - Incorporabilidade - quando destinado à incorporação a outro bem, não podendo ser retirado sem prejuízo das características do principal;

V - Transformabilidade - quando adquirido para fim de transformação.

Verificadas as condições acima citadas, devem ser analisados, por fim, mais dois parâmetros que complementam a definição final da classificação:

a) A relação custo de aquisição/custo de controle do material, como previsto no item 3.1 da IN N° 142 DASP (Departamento Administrativo do Serviço Público), que determina, nos casos dos materiais com custo de controle maior que o risco da perda do mesmo, que o controle desses bens seja feito através do relacionamento do material (relação-carga) e verificação periódica das quantidades. De um modo geral, o material de pequeno custo que, em função de sua finalidade, exige uma quantidade maior de itens, redunda em custo alto de controle, devendo ser, portanto, classificado como de consumo; b) Se o bem está sendo adquirido especificamente para compor o acervo patrimonial da Instituição. Nestas circunstâncias, este material deve ser classificado sempre como um bem permanente.

2.1. Vida Útil e Vida Econômica

Vida útil é o período de tempo em que o bem consegue exercer as funções que dele se espera e depende de como o bem foi utilizado e mantido. A vida útil diz respeito à capacidade física de produção de certo equipamento. Vida econômica refere-se aos custos globais em que a empresa incorre para manter em operação certo equipamento. Corresponde ao tempo de utilização em que o bem é capaz de produzir com menor custo para a empresa e que, certamente, é menor ou igual à sua vida útil, cujo conceito encontra-se associado ao limite possível de uso do bem.

A vida econômica de um bem parte de dois pressupostos simples:

1. Os equipamentos e as instalações desgastam-se com o uso, necessitando cada vez mais de manutenção e aumentando os custos operacionais.

mais de manutenção e aumentando os custos operacionais.
mais de manutenção e aumentando os custos operacionais.

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ >/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' 2. Paralelamente, seu valor de venda

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' 2. Paralelamente, seu valor de venda ou de mercado vai

2. Paralelamente, seu valor de venda ou de mercado vai diminuindo.

Para saber qual a vida econômica dos bens, ou seja, qual o período de tempo em que o bem opera até atingir seu menor custo de operação, utiliza-se uma fórmula que considera a somatória do custo de aquisição do bem e do custo operacional acumulado, divido pelo período desejado:

CAE = COA + CK

P

/

@A B / C/@)%D'/A()#3/ BE),4#3+(D+ / @FA/C/@)%D'/FG+*#$,'(#3/A$)-)3#&' /

@ H / C/@)%D'/&+/ @#G,D#3 / &'/I+- /

0/C/0+*J'&'/('/E)#3/%+/ 4+*,1,$#/%+)/$)%D' /

/

A seguir, um exemplo gráfico do cálculo da vida econômica:

+.F+31H2HHHIHH++

+.F+3HH2HHHIHH++

+.F+;H2HHHIHH++

+.F+AH2HHHIHH++

+.F+CH2HHHIHH++

+.F+1H2HHHIHH++

+.F+G++++

%JK+3+ %JK+1+ %JK+<+ %JK+C+ %JK+@+ %JK+A+
%JK+3+ %JK+1+
%JK+<+ %JK+C+
%JK+@+ %JK+A+

/LMNK+OP+/QRSNQT++.F+1H2HHHIHH++ +.F+G++++ %JK+3+ %JK+1+ %JK+<+ %JK+C+ %JK+@+ %JK+A+ /LMNK+)RPUQVSKJQT+ /LMNK+%JLQT+'WLSXQTPJNP+

/LMNK+)RPUQVSKJQT++.F+1H2HHHIHH++ +.F+G++++ %JK+3+ %JK+1+ %JK+<+ %JK+C+ %JK+@+ %JK+A+ /LMNK+OP+/QRSNQT+ /LMNK+%JLQT+'WLSXQTPJNP+

/LMNK+%JLQT+'WLSXQTPJNP++.F+1H2HHHIHH++ +.F+G++++ %JK+3+ %JK+1+ %JK+<+ %JK+C+ %JK+@+ %JK+A+ /LMNK+OP+/QRSNQT+ /LMNK+)RPUQVSKJQT+

A definição correta da vida econômica de um bem é o período de tempo

(geralmente em anos) em que o custo anual uniforme equivalente de possuir e de operar o bem é mínimo. Percebe-se, pelo gráfico, que no ano 4 o Custo Anual Equivalente (CAE) é mínimo (após este ano, o custo aumenta), sendo assim, a vida econômica deste bem é de 4 anos.

2.2.

Depreciação

A depreciação de bens corresponde à diminuição do valor, resultante do

desgaste pelo uso, ação da natureza ou obsolescência normal.

pelo uso, ação da natureza ou obsolescência normal.
pelo uso, ação da natureza ou obsolescência normal.

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ ?/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' Esta depreciação é controlada e

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' Esta depreciação é controlada e regulada pela Receita

Esta depreciação é controlada e regulada pela Receita Federal, mediante

instruções normativas em função do bem e do seu uso diário. O sistema utilizado pela

Receita Federal é linear, ou seja, aquele em que o bem é depreciado em partes iguais

durante sua vida útil.

O bem poderá ser depreciado a partir da data em que for instalado, colocado

em serviço ou esteja em condições de produzir, independentemente do dia do mês, ou

seja, conta-se o primeiro mês integralmente.

A depreciação, ainda, pode ser normal ou acelerada:

Normal: é empregada quando o bem for utilizado em apenas um turno

de 8 horas diárias, sendo o cálculo realizado com base na taxa normal

de depreciação;

Acelerada: empregada quando o bem for utilizado em mais de um turno

de 8 horas diárias, devendo a taxa normal de depreciação do bem ser

multiplicada por um coeficiente de 1,5 no caso de trabalho em dois

turnos (16h), ou por um coeficiente de 2 no caso de um trabalho em 3

turnos (24h).

Exemplos de taxas anuais de depreciação admitidas pela Legislação Fiscal

para uso normal de bens em turno de 8 horas diárias:

Vida Útil de Alguns Grupos de Bens

 

Espécie do Bem

Vida útil (anos)

Taxa anual (1/vida útil do bem)

Caminhão fora de estrada

4

25%

Edifícios

25

4%

Escavadeiras

4

25%

Instalações elétricas

5

20%

Móveis e utensílios em geral

10

10%

Veículos em geral

5

20%

2.2.1. Depreciação pelo Método Linear

Consiste em dividir o valor total do bem em partes iguais, contabilizando uma

parte por período (geralmente anual,) até a total desvalorização do mesmo.

anual ,) até a total desvalorização do mesmo.
anual ,) até a total desvalorização do mesmo.

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ K/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' Para calcular a depreciação de um

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' Para calcular a depreciação de um bem, utiliza-se a

Para calcular a depreciação de um bem, utiliza-se a seguinte fórmula:

D =

(Vi – Vr)

N /

D

= Depreciação

Vi

= Valor Inicial do Bem ou Preço de Aquisição

Vr

= Valor Residual do Bem

N

= Período útil de vida do bem

O

Valor Contábil do bem em determinada data será o valor inicial do bem,

deduzido da parcela de depreciação multiplicada pelos períodos de tempo.

Vc = Valor Contábil

Vc = Vi – D * T

Vi

= Valor inicial do bem

D

= Depreciação por período

T

= Período de tempo da análise

Exemplo:

O valor de um equipamento hoje é $2.000,00 e, daqui a 9 anos, será $200,00.

Admitindo depreciação linear, calcular:

1) A depreciação por ano.

D

= (Vi – Vr) / N

Vi

= $2.000,00;

Vr = $200,00;

N = 9 anos

Então : D = (2000 – 200) / 9

2) A taxa de depreciação do bem. Taxa = D / Vi = $200,00 / $2.000,00 = 0,1 = 10% ao ano

3) O valor da máquina daqui a 3 anos.

Vc = Vi – D.T

Então: Vc = 2.000,00 – 200.3 = 2.000,00 600,00 = $1.400,00

=

1800 / 9

= $200,00 ao ano.

Vi = $2.000,00

D = $200,00

T = 3 anos

4) O valor da máquina em 15 anos. Se a máquina foi comprada por $2.000,00 e deprecia a uma taxa de 10% ao ano, em 10 anos seu valor será zero. Sendo assim, do décimo ano em diante seu valor residual será sempre zero.

5) Se o mesmo equipamento for utilizado em 2 turnos diários, qual a nova taxa de depreciação? Taxa = 10% ao ano Coeficiente para 2 turnos = 1,5 Nova taxa = 10% . 1,5 = 15% ao ano

para 2 turnos = 1,5 Nova taxa = 10% . 1,5 = 15% ao ano
para 2 turnos = 1,5 Nova taxa = 10% . 1,5 = 15% ao ano
! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' 2.2.2. Depreciação pelo Método de

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' 2.2.2. Depreciação pelo Método de Q uot as Variáveis

2.2.2. Depreciação pelo Método de Quotas Variáveis

Diferentemente do método linear, esse tem como premissa o desgaste pelo

uso e não pelo tempo. Para a utilização desse método, torna-se necessário fazer uma

previsão da capacidade de produção total do bem.

D = P . (Vi – Vr) PT /

D

= Depreciação

P

= Produção no período

Vi

= Valor Inicial do Bem ou Preço de Aquisição

Vr

= Valor Residual do Bem

PT = Produção Total prevista

Um exemplo simples é estimar o total de quilômetros que um veículo pode

percorrer e, posteriormente, apurar o total de quilômetros que o bem percorreu no

período.

Por meio desse método, além de não ser possível prever o valor das quotas

durante a vida útil total do bem, a depreciação torna-se um custo variável, já que, desta

forma, o valor da quota permanece atrelada à quantidade produzida.

2.2.3. Depreciação Pelo Método da Soma dos Dígitos

Podem ocorrer situações em que o desgaste do bem ocorre mais rapidamente

nos primeiros meses/anos de utilização. Para estes casos, existe o método da soma

dos dígitos decrescentes.

O valor da depreciação anual pelo método da soma dos dígitos decrescentes é

obtido da seguinte forma:

a) Somam-se os algarismos que compõem o número de anos de vida útil do

bem;

b) A depreciação de cada ano é uma fração em que o denominador é a soma

dos algarismos, conforme obtido em (a), e o numerador é, para o primeiro ano, (n),

para o segundo, (n-1), para o terceiro, (n-2) e assim por diante, onde n = número de

anos de vida útil.

e assim por diante, onde n = número de anos de vida útil.
e assim por diante, onde n = número de anos de vida útil.

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ 88/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' Exemplo: Depreciação de um veículo

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' Exemplo: Depreciação de um veículo adquirido por R$

Exemplo:

Depreciação de um veículo adquirido por R$ 30.000,00, sem valor residual, com vida útil de 4 anos. N = 4 Valor = 30.000,00 Soma dos dígitos da vida útil = 1 + 2 + 3 + 4 = 10

- Primeiro Ano: Depreciação = N / S . V = (4/10) x 30.000 = 12.000

- Segundo Ano: Depreciação = N-1 / S . V = (3/10) x 30.000 = 9.000

- Terceiro Ano: Depreciação = N-2 / S . V = (2/10) x 30.000 = 6.000

- Quarto Ano: Depreciação = N-3 / S . V = (1/10) x 30.000 = 3.000.

2.3. Questões de Concursos

1) (CESPE - 2011 - EBC - Analista – Contabilidade) Julgue o seguinte item, que trata de materiais

permanentes e de consumo. O critério de durabilidade deve ser o único parâmetro para a classificação

orçamentária de um material em consumo ou permanente.

(

) Certo

(

) Errado

2) (Bacen/2010, Cesgranrio)

Valor de compra

R$ 500.000,00

Considerando o método de depreciação linear e as características do bem patrimonial apresentados na tabela, qual é a depreciação

Vida útil

25 anos

Valor Residual

R$ 50.000,00

acumulada e o valor residual do bem patrimonial ao final do seu quarto ano de utilização?

 

Depreciação Acumulada (R$)

Valor Residual (R$)

(A)

30.000,00

420.000,00

(B)

36.000,00

464.000,00

(C)

48.000,00

402.000,00

(D)

72.000,00

428.000,00

(E)

80.000,00

420.000,00

3) (Bacen/2010, Cesgranrio) Com relação ao conceito de bem na gestão de recursos e patrimonial da

administração pública, afirma-se que :

I – O conceito de bem está relacionado à utilidade, à quantidade e a um valor econômico ou riqueza;

II – Os bens são susceptíveis de apropriação, direitos e obrigações podendo ser designados como patrimônio.

III – A gestão do patrimônio imobiliário inclui os bens imóveis e os bens não consumíveis;

IV – A gestão do patrimônio mobiliário permanente inclui os bens móveis e os bens consumíveis.

permanente inclui os bens móveis e os bens consumíveis.
permanente inclui os bens móveis e os bens consumíveis.

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ 89/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' Estão corretas as afirmações: (A)

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' Estão corretas as afirmações: (A) I e II apenas.

Estão corretas as afirmações:

(A)

I e II apenas.

(B)

I,III e IV, apenas.

(C)

I, II, III e IV.

(D)

II e III apenas.

(E)

III e IV apenas.

4) (Bacen/2010, Cesgranrio) Todo bem patrimonial sofre desgaste com a sua utilização, sendo

necessárias ações para que ele se mantenha operacional até o fim de sua vida útil. A vida econômica de

um bem é o período de tempo em

que o bem consegue exercer suas funções até o momento em que o

a)

valor contábil é menor que a soma do custo operacional com o de manutenção.

b)

valor de revenda do bem menos o valor residual da depreciação é mínimo.

c)

valor de revenda ultrapassa o valor depreciado.

d)

custo operacional é menor que o custo residual.

e)

Custo Anual Equivalente (CAE) é mínimo.

5)

(IADES - 2010 - CFA - Assistente Administrativo) Quanto à situação patrimonial, quando um bem pode

ser classificado como recuperável?

a) Quando estiver em perfeitas condições e em uso normal.

b) Quando estiver avariado e sua recuperação orçar mais do que 50% do seu valor de mercado ou seu

rendimento for precário.

c) Quando não mais puder ser utilizado para o fim a que se destina.

d) Quando, mesmo avariado, sua recuperação for possível e orçar, no máximo, até 50% do seu valor de

mercado.

Gabarito: 1)E

2)D

3)A

4)E

5)D

3. ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS

A Instrução Normativa 205/88 da Secretaria de Administração Pública da

genérica de equipamentos,

componentes, sobressalentes, acessórios, veículos em geral, matérias-primas e outros itens empregados ou passíveis de emprego nas atividades das organizações públicas

federais[

Presidência define material como “[

]designação

]”.

Presidência define material como “[ ]designação ]”.
Presidência define material como “[ ]designação ]”.
! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' Material é, em suma, todo bem que pode

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' Material é, em suma, todo bem que pode ser contado,

Material é, em suma, todo bem que pode ser contado, registrado e que tem por função atender às necessidades de produção ou de prestação de serviço de uma organização pública ou privada. A Administração de Materiais é o conjunto de atividades que tem por objetivo planejar, executar e controlar os materiais adquiridos e usados por uma organização com base nas especificações dos produtos necessários. Todo esse processo deve ser feito da forma mais eficiente e econômica possível. Em resumo, pode-se dizer que a Administração de Materiais é um conjunto de atividades que tem por finalidade o abastecimento de materiais para a organização no tempo certo, na quantidade certa, na qualidade solicitada, sendo tudo isso conseguido ao menor custo possível. Cabe à Administração de Materiais todas as atividades para a aquisição de materiais, o controle de estoque e a decisão de repô-lo, a escolha de fornecedores, os processos de compra, a armazenagem e a entrega para produção. As principais atividades inerentes à Administração de Materiais são:

Manutenção de Estoques, Processamento do Pedido, Compras, Programação do Produto, Embalagem de Proteção, Armazenagem, Manuseio de Materiais, Manutenção da Informação e Transportes. Os objetivos principais da administração de recursos materiais são:

Preço Baixo: reduzir o preço de compra implica aumentar os lucros, se mantida a mesma qualidade.

Alto Giro de Estoque: implica melhor utilização do capital, aumentando o retorno sobre os investimentos e reduzindo o valor do capital de giro.

Baixo Custo de Aquisição e Posse: dependem fundamentalmente da eficácia das áreas de controle de estoques, armazenamento e compras.

Continuidade de Fornecimento: é resultado de uma análise criteriosa quando da escolha dos fornecedores. Os custos de produção, expedição e transportes são afetados diretamente por este item.

Consistência de Qualidade: a área de materiais é responsável apenas pela qualidade de materiais e serviços provenientes de fornecedores externos. Em algumas empresas, a qualidade dos produtos e/ou serviços constitui-se no único objetivo da gerência de materiais.

constitui-se no único objetivo da gerência de materiais.
constitui-se no único objetivo da gerência de materiais.
! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' • Qualificação de Despesas com

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' • Qualificação de Despesas com Pessoal: obtenção de

Qualificação de Despesas com Pessoal: obtenção de melhores resultados com a mesma despesa ou mesmo resultado com menor despesa – em ambos os casos o objetivo é obter maior lucro final. Às vezes compensa investir mais em pessoal porque se pode alcançar com isso outros objetivos, propiciando maior benefício com relação aos custos.

Relações Favoráveis com Fornecedores: a posição de uma empresa no mundo dos negócios é, em alto grau, determinada pela maneira como negocia com seus fornecedores.

Aperfeiçoamento de Pessoal: toda unidade deve estar interessada em aumentar

a aptidão de seu pessoal.

Bons registros: são considerados como o objetivo primário, pois contribuem para

o papel da administração de material, na sobrevivência e nos lucros da empresa, de forma indireta.

3.1. Nível de Serviço

O Nível de Serviço pode ser definido como a soma dos parâmetros de

qualidade de um produto (prazo combinado/atendido, confiabilidade, integridade da

carga, atendimento etc.) oferecidos por uma organização. Esse nível de serviço gera uma expectativa de qualidade no cliente em relação a um serviço. O atendimento dessa expectativa vai gerar uma imagem positiva ou negativa da organização.

A importância do nível de serviço se deve ao fato dele influenciar diretamente a escolha do cliente. As vendas tendem a aumentar se o serviço for melhorado além daquele já oferecido por fornecedores concorrentes. Logo, níveis baixos e ruins de serviço geram diminuição nas vendas.

O nível de serviço deve ser combinado com o cliente antes de se iniciar

qualquer atividade. Ele deve ser mensurável, não deixando margens à discussão e, além disso, devem ser estabelecidos os parâmetros máximo e mínimo que cada item de controle pode atingir para estar dentro da qualidade contratada.

pode atingir para estar dentro da qualidade contratada.
pode atingir para estar dentro da qualidade contratada.
! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' Muitas organizações enxergam o nível

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' Muitas organizações enxergam o nível de serviço apenas

Muitas organizações enxergam o nível de serviço apenas como uma variável quantitativa, calculada como o simples quociente entre o volume não atendido e o volume total negociado. Esta é apenas uma das formas de medir o nível de serviço, dentre outras como:

Lead Time - Tempo despendido entre a colocação de um pedido pelo cliente e a entrega dos bens solicitados;

Porcentagem de itens em falta no depósito a qualquer instante;

Proporção dos pedidos de clientes atendidos ou volume de ordens entregue dentro de um intervalo de tempo desde a recepção do pedido;

Proporção de bens que chegam ao cliente em condições adequadas;

Facilidade e flexibilidade com que o cliente pode gerar um pedido;

Sistema de tratamento de falhas (atendimento a reclamações);

Sistemas de pós-venda etc.

3.2.

Demanda

Cada aspecto do gerenciamento de materiais está voltado para fornecer ao consumidor o produto certo, na hora certa, no local certo, nas condições certas e ao preço certo. A oferta será sempre influenciada pela demanda. Demanda é a quantidade de um bem ou serviço que as pessoas estariam dispostas a adquirir sob determinadas condições. Não se confunde com vendas ou com consumo real, que são demandas efetivas e que podem estar aquém ou além da demanda real, caso haja algum tipo de restrição na oferta ou no provimento dos bens demandados. Por isso, as empresas precisam descobrir qual é a demanda para um determinado produto ou serviço, pois é ela que vai dizer o quanto se deve produzir e dispor no mercado. É muito importante saber quem e quantos são os consumidores que irão adquirir o produto ou serviço.

os consumidores que irão adquirir o produto ou serviço.
os consumidores que irão adquirir o produto ou serviço.
! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' As demandas do consumidor, portanto,

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' As demandas do consumidor, portanto, dirigem todo o processo

As demandas do consumidor, portanto, dirigem todo o processo e, por isso, é importante para as organizações realizarem uma correta previsão. Para isso, se valem de métodos qualitativos (pesquisas) e quantitativos (ferramentas estatísticas). Existem dois tipos básicos de demanda:

Independente: relacionada às condições e necessidades do mercado e, portanto, fora do controle da empresa.

Dependente: cujo consumo depende de itens ligados à empresa e, portanto, sob seu controle.

Esses dois tipos de demanda podem ser classificados quanto ao comportamento ao longo do tempo:

Demanda constante: a quantidade consumida não varia muito ao longo do tempo, sendo de fácil previsão.

Demanda variável: a quantidade consumida altera-se ao longo do tempo, sendo explicada por 3 fatores:

o

Tendência: mostra a direção do consumo, podendo aumentar, diminuir ou estacionar.

o

Sazonalidade: comportamento em um espaço curto de tempo, geralmente um ano.

o

Ciclicidade: comportamento em um espaço longo de tempo, muitas vezes décadas.

Qualquer previsão de materiais, ao ser elaborada, pode levar em consideração:

Projeção: os históricos de consumo, conforme o período a ser analisado (mês a mês, ano a ano etc.), acreditando que o passado se repete.

Explicação: entendimento das variáveis que afetam o comportamento do consumo ou das vendas (promoções, período de retração da demanda, conjuntura econômica da empresa e do país, períodos de tradicional aumento da demanda);

Predileção: opiniões de compradores, almoxarifes, vendedores, gerentes, consumidores e usuários diretos dos materiais, pesquisas de mercado.

e usuários diretos dos materiais, pesquisas de mercado.
e usuários diretos dos materiais, pesquisas de mercado.
! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' As técnicas de previsão de demanda

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' As técnicas de previsão de demanda são divididas em

As técnicas de previsão de demanda são divididas em Qualitativas e

Quantitativas (intrínsecas e extrínsecas).

Os métodos qualitativos são baseados em opiniões e experiências de

especialistas, vendedores, gerentes, consumidores e pesquisas de

mercado.

Os métodos quantitativos extrínsecos são baseados em indicadores

externos que influenciam as demandas, como por exemplo aumento do

PIB, renda familiar etc.

Os métodos quantitativos intrínsecos são baseados em dados internos

da organização, geralmente séries históricas.

3.2.1. Método do Consumo do Último Período

Método mais simples e empírico. Baseia-se em prever o próximo período tendo

por base o consumo ou demanda do período anterior. Muitas vezes adiciona-se certa

quantidade, quando o consumo é relativamente crescente de um período para outro.

3.2.2. Método da Média Móvel

Semelhante ao anterior, mas melhorado: a previsão do período seguinte é

calculada a partir das médias de consumo dos períodos anteriores.

Dm = C1 + C2 + C3 + Cn

N

Dm = Demanda Média C1, 2, 3, n = Demanda dos períodos anteriores N = Número de períodos

A vantagem está na simplicidade e facilidade de cálculo. As desvantagens

residem no fato de que as médias móveis são influenciadas por valores extremos e que

os períodos mais antigos tem o mesmo peso que os atuais.

os períodos mais antigos tem o mesmo peso que os atuais.
os períodos mais antigos tem o mesmo peso que os atuais.
! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' 3.2.3. Método da Média Móvel

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' 3.2.3. Método da Média Móvel Ponderada Variação do

3.2.3. Método da Média Móvel Ponderada

Variação do método anterior, porém os valores mais recentes recebem um

peso maior que os valores dos períodos mais antigos.

Dm = P1.C1 + P2.C2 + P3.C3 + Pn.Cn

Dm = Demanda Média C1, 2, 3, n = Demanda dos períodos anteriores P1, 2, 3, n = Peso atribuído a cada período

Existem outros métodos, a saber, como por exemplo Mínimos Quadrados e

Regressões Lineares (correlações), Simulações, porém seus cálculos são complexos e

não cabe especificá-los aqui.

3.3.

Estoques

As principais funções do estoque são:

a) Garantir o abastecimento de materiais, neutralizando os efeitos de:

demora ou atraso no fornecimento de materiais;

sazonalidade no suprimento;

riscos de dificuldade no fornecimento.

b) Proporcionar economias de escala:

através da compra ou produção em lotes econômicos;

pela flexibilidade do processo produtivo;

pela rapidez e eficiência no atendimento às necessidades.

O objetivo básico do controle de estoques é evitar a falta de material e, ao

mesmo tempo, evitar estoques excessivos às reais necessidades da empresa. O

controle procura manter os níveis estabelecidos em equilíbrio com as necessidades de

consumo ou das vendas e os custos daí decorrentes.

de consumo ou das vendas e os custos daí decorrentes.
de consumo ou das vendas e os custos daí decorrentes.
! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' 3.3.1. Termos utilizados no Controle

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' 3.3.1. Termos utilizados no Controle de Estoques Estoque

3.3.1. Termos utilizados no Controle de Estoques

Estoque Mínimo (ou de segurança) - é a menor quantidade de material a ser mantida em estoque capaz de atender contingências não previstas (um consumo superior ao estimado para um certo período, ou em caso de não entrega da nova aquisição); Estoque Máximo - a maior quantidade de material admissível em estoque, suficiente para o consumo em certo período, devendo-se considerar a área de

armazenagem, disponibilidade financeira, imobilização de recursos, intervalo e tempo de aquisição, perecimento, obsoletismo etc. É a soma da quantidade necessária de um item para suprir a organização em um período estabelecido mais o Estoque de

Segurança;

Lead Time - Tempo de Reposição, Ressuprimento - tempo decorrido desde

a emissão do documento de compra (requisição) até o recebimento da mercadoria; Intervalo de Aquisição - período compreendido entre duas aquisições normais

e sucessivas; Ponto de Pedido - Nível de Estoque que, ao ser atingido, determina imediata emissão de um pedido de compra, visando a recompletar o Estoque Máximo. Quantidade a Ressuprir - número de unidades a adquirir para recompor o Estoque Máximo. Custo Fixo - é o custo que independe das quantidades estocadas ou compradas (mão-de-obra, aluguel de depósitos, despesas administrativas, de manutenção etc.); Custo Variável - existe em função das variações de quantidade e de despesas operacionais.

3.3.2. Classificação dos Estoques

3.3.2.1. Estoques de Matérias-Primas (MPs)

Os estoques de MPs constituem os insumos e materiais básicos que ingressam no processo produtivo da empresa. São ítens iniciais para a produção.

da empresa. São ítens iniciais para a produção.
da empresa. São ítens iniciais para a produção.
! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' 3.3.2.2. Estoques de Produtos em

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' 3.3.2.2. Estoques de Produtos em Elaboração ou

3.3.2.2. Estoques de Produtos em Elaboração ou Processamento

Os estoques de materiais em processamento - também denominados materiais em vias - são constituídos de materiais que estão sendo processados ao longo das diversas seções que compõem o processo produtivo da empresa. Não estão nem no almoxarifado - por não serem mais MPs iniciais - nem no depósito - por ainda não serem produtos acabados.

3.3.2.3. Estoques de Produtos Acabados

Referem-se aos produtos já prontos e acabados, cujo processamento foi completado inteiramente. Constituem o estágio final do processo produtivo e já passaram por todas as fases.

3.3.2.4. Estoque em Trânsito

São os estoques que estão em trânsito entre o ponto de estocagem ou de produção. Quanto maior a distância e menor a velocidade de deslocamento, maior será a quantidade de estoque em trânsito. Exemplo: produtos acabados sendo expedidos de uma fábrica para um centro de distribuição.

3.3.2.5. Estoques em Consignação

Estoque de produtos com um cliente externo que ainda é propriedade do fornecedor. O pagamento por estes produtos só é feito quando eles são utilizados pelo cliente.

3.3.3. Níveis de Estoque e Reposição

A reposição dos estoques deve responder duas questões: quando comprar e quanto comprar. Existem três métodos básicos para repor estoques:

Existem três métodos básicos para repor estoques:
Existem três métodos básicos para repor estoques:

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ 98/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' 1. Estoque para demanda; 2.

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' 1. Estoque para demanda; 2. Reposição periódica

1. Estoque para demanda;

2. Reposição periódica (quantidade variável, período fixo).

3. Ponto de reposição (quantidade fixa, período variável);

3.3.3.1. Estoque para Demanda

O estoque para demanda visa a manter os níveis de estoque no mesmo nível

de sua demanda. Para tanto, deve-se estimar a demanda por um período e calcular o

que foi efetivamente consumido. Assim, por exemplo, todo início de mês, faz-se um pedido igual a demanda calculada para o período menos o volume total em estoque.

O gráfico abaixo, que define a relação entre o consumo do estoque e sua

reposição, é chamado dente de serra.

do estoque e sua reposição, é chamado dente de serra. Esse é um método muito simples

Esse é um método muito simples de controle, e é justamente pela sua

simplicidade que ele consegue ser facilmente implantado e usado pelas organizações, sendo essa a sua grande e única vantagem.

O método de estoque para demanda é conhecido como método do estoque

mínimo e tem por função manter o custo de estoque dentro de uma faixa ótima. Isto é, se o estoque for muito grande, os custos de manutenção serão altos. Em contrapartida, se o estoque estiver muito pequeno, pode haver Perda de Venda ou ocasionar paradas de produção.

3.3.3.2. Reposição (ou Revisão) Periódica

Consiste em fazer pedidos para reposição de estoques em intervalos de tempo constantes, estabelecidos para cada item.

de tempo constantes, estabelecidos para cada item.
de tempo constantes, estabelecidos para cada item.

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ 99/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' Nessa técnica, conhecida como

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' Nessa técnica, conhecida como quantidade variável/período

Nessa técnica, conhecida como quantidade variável/período fixo, faz-se

apurações/revisões dos níveis de estoque para os produtos em ciclos de tempo fixos e compra-se de forma a alcançar o nível máximo de produto em estoque. Dessa forma, calcula-se o lote de pedido como sendo o nível máximo de estoque menos a quantidade apurada em estoque.

O método de reposição periódica também permite aproveitar a situação de se

fazer um pedido com mais de um produto a um mesmo fornecedor visando ganhos no transporte e descontos no valor total do pedido. A maior dificuldade dessa técnica é calcular o ciclo de tempo para as

apurações de estoque e o volume máximo de estoque admitido.

3.3.3.3. Ponto de Pedido (ou de Reposição)

O gráfico a seguir apresenta o comportamento do estoque ao longo do tempo,

levando em conta outros fatores além da simples reposição por consumo.

outros fatores além da simples reposição por consumo. Para saber quan d o comprar , primeiramente

Para saber quando comprar, primeiramente descobre-se a Taxa de Demanda, que representa quanto a organização consome do produto em um período de tempo (semana, mês etc.). Depois, deve-se saber o Lead Time (o tempo de ressuprimento, compreendido entre o pedido feito ao fornecedor e o recebimento - no gráfico, é o intervalo entre 1 e 2). Com esses dois dados, calcula-se o Ponto de Pedido ( ou Reposição), ou seja, o nível de estoque que uma vez atingido deve disparar um pedido de compra.

que uma vez atingido deve disparar um pedido de compra.
que uma vez atingido deve disparar um pedido de compra.
! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' Como existem incertezas tanto na taxa

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' Como existem incertezas tanto na taxa de demanda como no

Como existem incertezas tanto na taxa de demanda como no tempo de ressuprimento, deve-se acrescentar o valor do Estoque de Segurança, que representa um volume de estoque para proteger a organização (no gráfico, entre os pontos 3 e 4, percebe-se que não houve a entrega do pedido e, consequentemente, o estoque de segurança foi utilizado). Para calculá-lo, multiplica-se a Demanda Média (Diária, mensal etc.) por um fator de segurança arbitrado pela organização, geralmente uma fração do tempo de aquisição. Por fim, o Ponto de Reposição é calculado pela fórmula

PR = Demanda x Lead Time + Estoque de Segurança.

Para saber quanto comprar utiliza-se o que chamado Lote Econômico de Compra (LEC). O LEC é a quantidade a ser comprada que vai minimizar os custos de estocagem e de aquisição. Para calcular o LEC devemos calcular o Custo Total pela fórmula CT = CA + CP, em que CA é o custo de armazenagem e CP é o custo de fazer o pedido. A curva do custo total é representada pelo gráfico a seguir.

curva do custo total é representada pelo gráfico a seguir. O LEC necessita de alguns pressupos

O LEC necessita de alguns pressupostos:

a demanda considerada é conhecida e constante;

não há restrições quanto ao tamanho dos lotes;

os custos envolvidos são apenas de estocagem (por unidade) e de pedido (por ordem de compra);

o lead time é constante e conhecido;

ordem de compra); • o lead time é constante e conhecido;
ordem de compra); • o lead time é constante e conhecido;
! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' • não é possível agregar pedidos

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' • não é possível agregar pedidos de mais de um

não é possível agregar pedidos de mais de um produto do mesmo

fornecedor.

Para calcular o LEC, temos a seguinte fórmula:

fornecedor. Para calcular o LEC, temos a seguinte fórmula: D = Demanda CF = Custo Unitário

D = Demanda

CF = Custo Unitário Fixo por Pedido

CE = Custo Unitário de Estocagem

Com o LEC é possível calcular também os seguintes dados:

Tempo entre pedidos: TEP = LEC / D

Frequência de pedidos: FP = D / LEC

Exemplo:

O consumo de determinada peça é de 20.000 unidades por ano. O custo de

armazenagem por peça e de $ 1,90 por ano e o custo de pedido é de $ 500,00.

LEC =

de $ 1,90 por ano e o custo de pedido é de $ 500,00. LEC =

! ! ! ! ! ! !" !"

=

! ! ! ! ! !"""" ! ! ! ! !"" ! ! !"
! ! ! ! ! !"""" ! ! ! ! !""
! ! !"

= 3245 peças

Tempo entre pedidos = 3245 / 20000 = 0,16 anos = 58 dias

Frequência de pedidos: 20000 / 3245 = 6 pedidos por ano

3.3.3.4. Rotatividade do Estoque

Giros de Estoques ou Rotatividade é um indicador que aponta a quantidade de

vezes que uma empresa consegue girar seu estoque durante um certo período, ou

seja, quantas vezes que o estoque foi totalmente vendido e reposto.

Para obtenção dessa informação são confrontados os custos (ou a quantidade)

dos produtos vendidos com o estoque médio do período.

dos produtos vendidos com o estoque médio do período.
dos produtos vendidos com o estoque médio do período.
! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' Rotatividade = Número de renovações

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' Rotatividade = Número de renovações = Quantidade ou
Rotatividade = Número de renovações = Quantidade ou Custos dos produtos vendidos do estoque no
Rotatividade = Número de renovações = Quantidade ou Custos dos produtos vendidos
do estoque no período
Estoque Médio

Quanto maior o giro do estoque, desde que se mantenha o volume dos mesmos e a margem de lucros, maior a eficiência do setor de vendas e menor o tempo em que o dinheiro fica parado. Resultados acima de 1 (um) indicam o número de renovações do estoque, ou seja, o número de vezes que a produção foi vendida e completamente reconstituída. Resultados iguais ou abaixo de 1 (um) indicam que os estoques se renovaram só uma vez ou sua renovação não foi completa.

Exemplo1:

Uma empresa tem vendas anuais de 10.000 unidades e em seu estoque tem 5.000 peças, qual a rotatividade do seu estoque?

R

= V / E = 10.000 / 5.000

R

= 2, ou seja, o estoque da referida empresa gira 2 vezes por ano. Exemplo 2:

Uma empresa tem vendas anuais de R$ 5.000.00,00. O seu custo anual de

vendas foi de R$ 500.000,00 e o lucro foi de R$ 90.000,00. Seu estoque médio possui investimento de R$ 200.000,00. Qual a rotatividade do estoque?

R

= Custo materiais vendidos / Estoque = 500.000,00 / 200.000,00

R

= 2,5

Existe também o Antigiro, ou Índice de Cobertura dos Estoques, que é a indicação do período de tempo que o estoque consegue cobrir as vendas futuras, sem

Índice de cobertura dos estoques = Estoque em determinada data (quantidade ou valor) Previsão de
Índice de cobertura dos estoques = Estoque em determinada data (quantidade ou valor)
Previsão de vendas futuras (quantidade ou valor)
que haja suprimento.

Quanto menor for o estoque, em relação à projeção de vendas, menor será a cobertura em dias, semanas etc. Isto significa que, quando corre o risco de faltar mercadoria para atendimento ao cliente, a cobertura de estoque apresenta! se muito

ao cliente, a cobertura de estoque apresenta ! se muito
ao cliente, a cobertura de estoque apresenta ! se muito
! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' baixa, mas, no caso contrário, com o

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' baixa, mas, no caso contrário, com o índice de cobertura

baixa, mas, no caso contrário, com o índice de cobertura muito alto, se corre o risco de ter estoques obsoletos. Este indicador é bastante utilizado em períodos anteriores a grandes aumentos de demanda sazonais, como por exemplo na Páscoa.

3.4. Questões de Concursos

1) (TJ-SC - 2011 - Analista Administrativo) Os estoques constituem parcela considerável dos ativos das

empresas. São classificados, principalmente, para efeitos contábeis em cinco grandes categorias.

Assinale a afirmativa correta de acordo com a classificação usual dos estoques:

a) Estoques de matérias-primas, estoques de produtos pintados, estoque de produtos acabados,

estoques de produtos comprados e estoques em consignação.

b) Estoques de matérias-primas, estoques de produtos em elaboração (processo), estoque de produtos

pintados, estoques de produtos exportados e estoques em consignação.

c) Estoques de matérias-primas, estoques de produtos em elaboração (processo), estoque de produtos

acabados, estoques de produtos em trânsito e estoques em consignação.

d) Estoques de matérias-primas, estoques de produtos despachados, estoque de produtos acabados,

estoques de produtos pintados e estoques em consignação.

e) Estoques de matérias-primas, estoques de produtos comprados, estoque de produtos pintados,

estoques de produtos em trânsito e estoques em consignação.

2) (IADES - 2010 - CFA - Assistente Administrativo) Na gestão patrimonial, móveis, equipamentos,

componentes, sobressalentes, acessórios, utensílios, veículos em gera e outros bens utilizados ou passível de utilização são considerados

a)

materiais.

b)

suprimentos.

c)

bens de aquisição parcelada.

d)

materiais de consumo.

3)

(CESPE - 2011 - IFB - Professor – Logística) As técnicas de previsão da demanda podem ser

classificadas em qualitativas, extrínsecas e intrínsecas.

(

) Certo

(

) Errado

4)

(CESPE - 2011 - TJ-ES - Analista Judiciário - Área Administrativa) Considerando que determinada

peça seja consumida no montante de 30 unidades por mês, que seu tempo de reposição seja de 2 meses e que seu estoque mínimo equivalha a um mês de consumo, julgue os itens que se seguem.

a um mês de consumo, julgue os itens que se seguem.
a um mês de consumo, julgue os itens que se seguem.
! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' 4.1) Para representar os níveis de

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' 4.1) Para representar os níveis de estoque da referida

4.1) Para representar os níveis de estoque da referida peça ao longo do tempo, pode-se utilizar o

gráfico dente de serra mostrado a seguir.

(

) Certo

(

) Errado

dente de serra mostrado a seguir. ( ) Certo ( ) Errado 4.2) Para o seu

4.2) Para o seu funcionamento, o sistema de revisões periódicas depende diretamente do estabelecimento do ponto de pedido de cada item.

(

) Certo

(

) Errado

4.3) O estoque mínimo de 30 peças destina-se a absorver as alterações sazonais de demanda.

(

) Certo

(

) Errado

4.4) Com base na situação considerada, é correto afirmar que o ponto de pedido da referida

peça é igual a 90 unidades.

(

) Certo

(

) Errado

5) (Bacen/2010, Cesgranrio) O departamento de administração de Materiais de uma empresa recebeu

5.000 requisições no ano de 2009, sendo que cada requisição teve uma média de 1,8 itens. Sabendo que 7.650 itens foram entregues dentro do prazo, qual foi o nível de serviço de atendimento do

departamento, em percentual? (Obs.: Use arredondamento para uma casa decimal ).

a) 90,0%

b) 85,0%

c) 80,0%

d) 65,4%

e) 55,5%

6) (Bacen/2010, Cesgranrio) Uma empresa que usa o modelo de reposição contínua na gestão de estoques tem um consumo médio de um item em estoque de 1.000 unidades por mês e mantém um estoque de segurança de 100 unidades. Supondo que o prazo de entrega, após a colocação do pedido, é de 10 dias úteis, que as compras são feitas em lotes de 5.000, e considerando 20 dias úteis por mês, qual é a quantidade do ponto de pedido? Formulário: PP = (T lead time x D ) + ES

a) 50

b) 500

c) 600

d) 1.000

e) 5.000

7) (Bacen/2010, Cesgranrio) Na gestão de estoques, o modelo de reposição periódica, também conhecido como modelo de estoque máximo, tem como característica:

a)

Obter um estoque de segurança menor que o modelo do lote padrão.

b)

Ter um lote de compra padrão e igual ao lote econômico de compras (LEC).

c)

Ter um lote de compra variável e definido quando o nível do item atinge o ponto de pedido.

d)

Manter constantes os intervalos de emissão dos pedidos de compra.

e)

Definir o lote de compra com base em descontos por volume.

8)

(FCC - 2011 - TCE-PR - Analista de Controle - Administrativa) Dados, em R$, da Cia. Comercial ABC,

relativos ao exercício encerrado em 31-12-2010:

ABC, relativos ao exercício encerrado em 31-12-2010:
ABC, relativos ao exercício encerrado em 31-12-2010:
! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' O índice de rotação de estoques da

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' O índice de rotação de estoques da companhia foi, em
' O índice de rotação de estoques da companhia foi, em

O índice de rotação de estoques da companhia foi, em 2010, igual a

a) 5,0.

b) 4,5.

c) 5,5.

d) 5,2.

e) 4,0.

Gabarito: 1)C

2)A

3)C

4.1)E

4.2)E

4.3)E

4.4)C

5)B

6)C

7)D

8)E

3.5.

Armazenagem

É a atividade que compreende o planejamento, coordenação, controle e desenvolvimento das operações destinadas manter adequadamente estocados e em condições de uso, bem como expedir no momento oportuno, os materiais necessários. Os Objetivos Básicos da Armazenagem são:

Máximo uso do espaço.

Acesso fácil a todos os itens de material.

Máxima proteção dos itens de material.

Movimentação eficiente dos itens de material.

Utilização efetiva da mão de obra e equipamentos.

Boa qualidade de armazenagem.

Um bom sistema de armazenagem leva em conta as características físicas, químicas e biológicas dos produtos; a quantidade de material a ser movimentado; as especificações técnicas de exigência de acondicionamento físico dos materiais; o capital disponível na organização para manutenção e potencial ampliação futura do armazém; a relação custo x benefício; outras características interessantes para cada tipo de instituição.

interessantes para cada tipo de instituição.
interessantes para cada tipo de instituição.
! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' 3.5.1. Funções da armazenagem •

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' 3.5.1. Funções da armazenagem • Recebimento (descarga)

3.5.1. Funções da armazenagem

Recebimento (descarga)

Identificação e classificação

Conferência (qualitativa e quantitativa)

Endereçamento para o estoque

Estocagem

Remoção do estoque (separação de pedidos)

Acumulação de itens

Embalagem

Expedição

Registros das operações

3.5.2. Recebimento

A operação envolve desde a recepção do material na entrega pelo fornecedor até a entrada nos estoques, recebendo conferência quantitativa e/ou qualitativa. Descarga: atividade inicial do processo, ocorre quando o produto chega ao

local de armazenagem. Dependendo da natureza do material envolvido, é necessária a utilização de equipamentos, dentre os quais se destacam paleteiras, empilhadeiras etc. Conferência Quantitativa: verificação da quantidade de produtos entregues de acordo com a discriminação da documentação fiscal.

das

condições contratadas na autorização de fornecimento com as efetivamente recebidas, visando garantir o recebimento adequado do material contratado. Regularização: controle do processo de recebimento, pela confirmação das conferências qualitativa e quantitativa, por meio de laudos de inspeção técnica para a decisão de aceitar ou recusar e, finalmente, encerrar o processo. Existe uma interligação com as áreas de contabilidade, compras e transporte para que seja evitado o recebimento de produtos desconformes com o pedido.

Conferência

Qualitativa:

inspeção

técnica

por

meio

da

confrontação

Qualitativa: inspeção técnica por meio da confrontação
Qualitativa: inspeção técnica por meio da confrontação

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ :L/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' 3.5.3. Classificação É o processo de

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' 3.5.3. Classificação É o processo de aglutinação de

3.5.3.

Classificação

É o processo de aglutinação de materiais por características semelhantes. É importante distinguir-se bem a diferença entre identificação e classificação. A identificação busca uma identidade do material, ou seja, busca torná-lo único. Um item só pode estar associado a um único código de identificação, ao passo que pode estar associado a várias classes simultaneamente. Existem diversas formas de classificar os materiais, porém, uma boa classificação deve obedecer a alguns critérios.

Abrangência: deve tratar de uma gama de características em vez de reunir apenas materiais para serem classificados.

Flexibilidade: deve permitir diversos tipos de classificação.

Praticidade: deve ser direta e simples.

Tipos comuns de classificação:

Demanda: a classificação PQR é um critério de classificação de materiais que utiliza a popularidade dos itens (transações ou movimentações durante um período).

o

Classe P: muito populares, ou seja, apresentam elevada frequência de movimentação;

o

Classe Q: popularidade média;

o

Classe R: pouco populares.

Grau de imprescindibilidade para a produção (criticalidade): a classificação XYZ avalia esse grau

o

Itens Classe Z - são imprescindíveis, não podem ser substituídos por outros equivalentes, em tempo hábil para evitar transtornos. A falta desses materiais provoca a paralisação das atividades essenciais.

o

Itens Classe Y - grau intermediário. Podem ser substituídos por outros com relativa facilidade, embora sejam vitais para a realização das atividades.

embora sejam vitais para a realização das atividades.
embora sejam vitais para a realização das atividades.

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ :8/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' o Itens Classe X - sua falta não

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' o Itens Classe X - sua falta não acarreta em

o Itens Classe X - sua falta não acarreta em paralisações, nem riscos à segurança pessoal, ambiental e patrimonial. Possuem elevada possibilidade de serem substituídos por equivalentes.

Perecibilidade: tempo de estocagem, volatilidade, ação da luz, instabilidade química, magnetização/desmagnetização, corrosão etc.

Periculosidade: gases. líquidos, produtos químicos etc.

Tipos de estocagem: permanente, temporário etc.

Dificuldade de aquisição: fabricação especial, escassez no mercado, sazonalidade, monopólio, transporte especial, importações etc.

Mercado fornecedor: nacional, estrangeiro.

3.5.3.1. Especificação

É a descrição de um item através de suas características (atributos,

propriedades). O termo especificação é, em geral, empregado com o significado de

identificar precisamente o material, de modo a torná-lo inconfundível (ou seja,

específico), principalmente para fins de aquisição. O conjunto de descrições de materiais forma a nomenclatura de materiais da empresa.

É interessante também padronizar a nomenclatura. Uma nomenclatura

padronizada (estruturada) é formada por uma estrutura de nomes ou palavras-chave (nome básico e nomes modificadores), dimensões, características físicas em geral (tensão, cor, etc.), embalagem, aplicação, características químicas etc.

O nome básico é a denominação inicial da descrição (exemplo: arruela,

parafuso, etc.), enquanto o nome modificador é um complemento do nome básico (exemplo para arruela: pressão, lisa, cobre, etc.). Um nome básico pode estar associado a vários modificadores: arruela lisa de cobre, espessura 0,5 mm, diâmetro interno 6 mm, diâmetro externo 14 mm.

3.5.3.2. Codificação

A identificação por códigos pode ser feita por diversos tipos de códigos:

sequencial, em grupos, em faixas, mnemônicos, numéricos, alfanuméricos, etc.

em faixas, mnemônicos, numéricos, alfanuméricos, etc.
em faixas, mnemônicos, numéricos, alfanuméricos, etc.

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ :9/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' O que é fundamental é que para cada

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' O que é fundamental é que para cada item haja um só

O que é fundamental é que para cada item haja um só código, assim como que o código não produza confusões de comunicação, principalmente com o uso de caracteres que podem ser confundidos um com o outro (zero com a letra O, cinco com a letra S, dois com a letra Z, seis com a letra G, etc.).

Alguns tipos de códigos:

- representa os materiais por meio de letras. Foi muito utilizado na

codificação de livros ( Método Dewey), com a implementação da imprensa no mundo.

Após, agregou números a sua codificação (alfanumérico), conseguindo com isto codificar a grande variedade de edições em suas categorias e classificações de assuntos, autores e áreas especificas.

Alfabético

números e letras. As quantidades de letras e de

números são definidos pelo órgão ou empresa a qual adotou o sistema, não havendo uma regra específica. É o sistema utilizado na codificação de placas de automóveis.

Alfanumérico - agrupa

Sequencial - é, normalmente, um código composto por caracteres numéricos com a regra de sequencia “soma 1”. A cada novo item a ser identificado um novo código é dado, somando-se 1 ao último código dado. Para se definir um código sequencial basta determinar-se o primeiro código e a regra de sequencia.

Em grupos - quando o código é dividido em grupos e a cada grupo se associa um significado. Exemplo: os códigos 30-12-347 e 30-13-523, em que 30 = materiais elétricos; 30-12 = fios e cabos nus e 30-13 = fios e cabos isolados.

Em faixas - quando, numa codificação sequencial, certas faixas de códigos possuem um significado tal como o dos grupos do código em grupos. Exemplo: 101 a 299 = matérias primas; 301 a 599 = semiacabados; 601 a 999 = acabados.

Mnemônicos - quando possui caracteres que permitem associação fácil de idéia com o elemento a ser codificado. Exemplo: as siglas de estados do Brasil.

De barras - É a tecnologia de identificação automática aplicável aos objetos. Seu objetivo é a identificação e localização de produtos em nível industrial e comercial. O sistema é constituído por séries de linhas e espaços de diversas larguras, que armazenam informações com

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' / / ///
!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /
/
/// 067,(#/ ::/
! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' ordenamentos diferentes, denominados

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' ordenamentos diferentes, denominados simbologias.Para

ordenamentos diferentes, denominados simbologias.Para implementação do código de barras a indústria deverá filiar-se à EAN - Associação Internacional de Numeração de Artigos. O código EAN-13 é um padrão utilizado em mais de 100 países. É composto por 13 dígitos e inclui: País + Empresa + Produto + Dígito de Controle

Código QR - é como um código de barras em duas dimensões. Entretanto, a diferença entre este e os demais códigos de barras é que ele se comporta como um arquivo de dados portátil, sendo capaz de codificar nome, foto e o resumo de registros. Existem diversas padronizações abordando a codificação de códigos QR e seu uso é livre de qualquer licença, sendo definido e publicado como um padrão ISO.

licença, sendo definido e publicado como um padrão ISO. 3.5.4. Classificação ABC A classificação ABC é

3.5.4. Classificação ABC

A classificação ABC é um tipo muito importante de controle de estoque. Ela

permite identificar aqueles itens que merecem atenção e tratamento adequados, de acordo com sua importância relativa.

A curva usa como base o princípio de Pareto (80-20). Ele elaborava um estudo

de renda e riqueza da população italiana e descobriu que 80% da riqueza local estava concentrada com 20% da população. A aplicabilidade dos fundamentos do método de Pareto foi comprovada e posta em prática nos Estados Unidos, logo após a Segunda Guerra Mundial (1951), pela General Eletric. No controle de estoques, a curva ABC divide os materiais em 3 grupos:

Grupo A: poucos itens - maiores valores, peso ou volume. São os itens mais importantes e que devem receber toda a atenção. Geralmente 20% dos itens corresponderem, em média, a aproximadamente 75% do valor monetário do estoque. Grupo B: São os itens de importância intermediária e que devem receber atenção logo após as medidas tomadas sobre os itens da classe A. Representam em média 30% dos itens e corresponderem a aproximadamente 20% do valor monetário.

e corresponderem a aproximadamente 20% do valor monetário.
e corresponderem a aproximadamente 20% do valor monetário.

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ :;/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' em quantidades, possuem valor

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' em quantidades, possuem valor monetário bem reduzido,

em

quantidades, possuem valor monetário bem reduzido, permitindo maior período de tempo para a sua análise e estratégia de decisão. Representam geralmente 50% dos itens e correspondem, em média, a aproximadamente 5% do valor monetário total.

menor

Grupo

C:

São

os

itens

de

importância.

Embora

volumosos

Grupo C : São os itens de importância. Embora volumosos A curva ABC relaciona o consumo

A curva ABC relaciona o consumo do estoque, o investimento aplicado e a quantidade de itens que formam o estoque. Essa classificação facilita o planejamento e reduz os serviços burocráticos e a análise dos inventários. Como elaborar a curva ABC:

Passo 1: Definir a variável a ser analisada

- identificação do material (descrição ou código);

- quantidade (consumo, estoque, compra)

- preço unitário;

- peso/ volume unitário ou embalagem;

Passo 2: Coletar os dados

Passo 3: Ordenar os dados decrescentemente - por valor, peso ou volume.

Passo 4: Acumular os valores

Passo 5: Calcular os percentuais

Passo 6: Construir o diagrama

Passo 7: Analisar os resultados

Exemplo 1: Faça uma Curva ABC para verificar quais produtos devem ser submetidos a uma análise de giro de estoque.

ITEM

Toneladas / mês

a uma análise de giro de estoque. ITEM Toneladas / mês
a uma análise de giro de estoque. ITEM Toneladas / mês

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ :</

  ! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' A 30   B
 

!

"#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

A

30

 

B

10

C

310

D

100

E

20

F

60

G

25

H

6

I

600

J

2

L

900

M

15

N

1

O

4

P

7

Passo 1: Definir a variável a ser analisada - toneladas / mês. Passo 2: Coletar os dados - estão na tabela. Passo 3: Ordenar os dados decrescentemente.

ORDEM

ITEM

Toneladas / mês

L

900

I

600

C

310

D

100

F

60

A

30

G

25

E

20

M

15

10º

B

10

11º

P

7

12º

H

6

13º

O

4

14º

J

2

15º

N

1

Passo 4: Acumular os valores.

ORDEM

ITEM

Toneladas / mês

Ton / mês Acum.

L

900

900

I

600

1500

C

310

1810

D

100

1910

F

60

1970

A

30

2000

G

25

2025

E

20

2045

M

15

2060

10º

B

10

2070

2045 9º M 15 2060 10º B 10 2070
2045 9º M 15 2060 10º B 10 2070

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ :=/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' 11º P 7 2077 12º H

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' 11º P 7 2077 12º H 6 2083 13º

11º

P

7

2077

12º

H

6

2083

13º

O

4

2087

14º

J

2

2089

15º

N

1

2090

Passo 5: Calcular os percentuais do valor

ORDEM

ITEM

Toneladas / mês

Ton / mês Acum.

Percentuais %

L

900

900

43,06

I

600

1500

71,77

C

310

1810

86,60

D

100

1910

91,38

F

60

1970

94,26

A

30

2000

95,69

G

25

2025

96,89

E

20

2045

97,85

M

15

2060

98,56

10º

B

10

2070

99,04

11º

P

7

2077

99,38

12º

H

6

2083

99,67

13º

O

4

2087

99,86

14º

J

2

2089

99,95

15º

N

1

2090

100,00

Passo 6: Construir o diagrama

120

100

80

60

40

20

0

Percentuais %

L I C D F A G E M B P H O J N
L
I
C
D
F
A
G
E
M
B
P
H
O
J
N

Passo 7: Analisar os resultados

CLASSES

Nº ITEM

% ITENS

VALOR

ITENS EM

ACUMULADO

ESTOQUE

A

2

13,33

71,77 %

L,I

B

4

26,67

23,92 %

C,D,F,A

C

9

60,00

4,31 %

G,E,M,B,P,H,O,J,N

C,D,F,A C 9 60,00 4,31 % G,E,M,B,P,H,O,J,N
C,D,F,A C 9 60,00 4,31 % G,E,M,B,P,H,O,J,N

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ :>/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' A aplicação prática dessa

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' A aplicação prática dessa classificação ABC pode ser

A aplicação prática dessa classificação ABC pode ser vista, por exemplo,

reduzindo em 20% do valor em estoque dos itens A (apenas dois itens). Isso resulta em uma redução do valor total em 20% x 71,77% = 14,35%. Ao mesmo tempo, uma redução de 50% no valor em estoque dos itens C (9 itens), reduzirá o valor total em 50% x 4,31% = 2,16%.

3.5.5.

Localização

O objetivo de um sistema de localização de materiais é estabelecer os meios

necessários ao endereçamento e à perfeita identificação da localização dos materiais estocados. Geralmente utiliza uma codificação representativa de cada local de estocagem, facilitando as operações de movimentação, inventário etc. Normalmente são utilizados dois critérios de localização de material:

Estocagem Fixa: são determinadas áreas de estocagem para cada tipo de material, ou seja, materiais são colocados sempre no mesmo local a cada renovação do estoque. A grande vantagem é a facilidade de encontrar os materiais. Uma possível desvantagem é a ociosidade do local caso o estoque do material seja baixo. Estocagem Livre: não existem locais fixos de armazenagem, a não ser para materiais de estocagens especiais. Quando os produtos chegam ao armazém são designados a qualquer espaço livre disponível. A vantagem é a otimização da área de armazenamento. A desvantagem é o maior percurso para montagem dos pedidos, tendo em vista que um único item poderá ser localizado em diversos pontos.

3.5.5.1. Técnicas de Estocagem

Carga unitária: carga constituída de embalagens de transporte que arranjam ou acondicionam certa quantidade de material para possibilitar o seu manuseio, transporte e armazenamento como se fosse uma unidade. A formação de carga unitária se dá, geralmente, através de caixas e pallets (ou paletes), que são estrados de madeira padronizados, de diversas dimensões.

estrados de madeira padronizados, de diversas dimensões.
estrados de madeira padronizados, de diversas dimensões.

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ :?/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' Caixas ou Gavetas : ideal para

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' Caixas ou Gavetas : ideal para materiais de pequenas
' Caixas ou Gavetas : ideal para materiais de pequenas

Caixas ou Gavetas: ideal para materiais de pequenas dimensões, como parafusos, arruelas, materiais de escritório, peças semiacabadas etc.

materiais de escritório , peças semiacabadas etc. Prateleiras : destinadas a materiais de tamanhos diversos
materiais de escritório , peças semiacabadas etc. Prateleiras : destinadas a materiais de tamanhos diversos

Prateleiras: destinadas a materiais de tamanhos diversos e para o apoio de gavetas ou caixas padronizadas, constituem o meio de estocagem mais simples e econômico. São construídas de diversos materiais conforme a conveniência da atividade.

Raques: são construídos para acomodar peças longas e estreitas como tubos, barras, tiras, etc. Empilhamento: é uma variante da estocagem de caixas para aproveitamento do espaço vertical. As caixas ou pallets são empilhados uns sobre os outros, obedecendo a uma distribuição equitativa de cargas.

obedecendo a uma distribuição equitativa de cargas.
obedecendo a uma distribuição equitativa de cargas.
obedecendo a uma distribuição equitativa de cargas.

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ :K/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' Container Flexível : é uma das

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' Container Flexível : é uma das técnicas mais recentes
' Container Flexível : é uma das técnicas mais recentes

Container Flexível: é uma das técnicas mais recentes de estocagem. Consiste em uma espécie de saco feito com tecido resistente e borracha vulcanizada, com um revestimento interno conforme o uso.

3.5.6.

Movimentação

O manuseio ou a movimentação interna de produtos e materiais significa transportar pequenas quantidades de bens por distâncias relativamente pequenas, quando comparadas com as distâncias na movimentação de longo curso executadas pelas companhias transportadoras. É atividade executada em depósitos, fábricas, e lojas, assim como no transbordo entre tipos de transporte. Seu interesse concentra-se na movimentação rápida e de baixo custo das mercadorias. Sistemas de transportadores contínuos: consiste na movimentação constante entre dois pontos pré-determinados. São utilizados em mineração, indústrias, terminais de carga e descarga, terminais de recepção e expedição ou em armazéns.

Sistemas de Manuseio para Áreas Restritas: são feitos para locais onde a área é elemento crítico, por isso são bastante utilizados em almoxarifados. A ponte rolante é o equipamento mais utilizado entre todos.

A ponte rolante é o equipamento mais utilizado entre todos. Sistemas de Manuseio entre Pontos sem

Sistemas de Manuseio entre Pontos sem Limites Fixos: é o mais versátil dos sistemas, utiliza carrinhos, empilhadeiras, paleteiras etc.

utiliza carrinhos, empilhadeiras, p al eteiras etc.
utiliza carrinhos, empilhadeiras, p al eteiras etc.

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ ;L/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' 3.5.7. Embalagens Tem como objetivo

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' 3.5.7. Embalagens Tem como objetivo movimentar produtos com

3.5.7.

Embalagens

Tem como objetivo movimentar produtos com toda a proteção e sem danificá-

los além do economicamente razoável. Um bom projeto de embalagem do produto auxilia a perfeita e econômica movimentação sem desperdícios. Além disso, dimensões adequadas de empacotamento geram eficiência no manuseio e na armazenagem.

É corrente distinguir três níveis da embalagem: primária, secundária e terciária,

ou de transporte. A embalagem primária (por exemplo, a lata, a garrafa ou o saco) está em contato direto com o produto e é normalmente responsável pela conservação e contenção.

A embalagem secundária (como é o caso das caixas de cartão ou cartolina)

contém uma ou várias embalagens primárias e é normalmente responsável pela proteção físico-mecânica durante a distribuição.

A embalagem terciária agrupa diversas embalagens primárias ou secundárias

para o transporte, como a caixa de cartão canelado ou a grade plástica para garrafas

de bebidas. A escolha de embalagens deste tipo depende:

da natureza da embalagem individual (rígida, semirrígida ou flexível);

do esquema de paletização (dimensionamento da embalagem coletiva com vista a maximizar o aproveitamento da palete);

dos custos.

3.6. Inventário Físico

O inventário físico consiste na contagem física de todos os itens que constam

em estoque levando em consideração o período de referência para o inventário. Caso seja encontrada alguma diferença seja no que diz respeito à quantidade

ou ao valor do estoque, o departamento contábil da empresa deverá orientar as devidas correções.

O inventário físico pode ser realizado de acordo com os dois modos a seguir:

pode ser realizado de acordo com os dois modos a seguir:
pode ser realizado de acordo com os dois modos a seguir:

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ ;8/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' a) periódico : realizado em períodos

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' a) periódico : realizado em períodos determinados,

a) periódico: realizado em períodos determinados, geralmente no final de um

exercício. Abrangem todos os itens de estoque de uma só vez, resultando em uma operação relativamente longa, devido à possibilidade de muitos itens em estoque. Esse tipo de inventário impossibilita a resolução de problemas de imediato.

b) rotativo: também chamado de contagem cíclica, ocorre quando se contam

permanentemente os itens do estoque, de acordo com uma ordem ou técnica definida, geralmente uma vez dentro de cada período fiscal. Uma das formas mais comuns de contagem cíclica consiste na classificação dos itens de acordo com a Curva ABC. Então, cada classe de inventario é quantificada e, após, é definida a periodicidade de contagem de acordo com a importância dos itens.

Exemplo:

Classe A (mais importante) - 100 itens, que devem ser contados uma vez por

mês; o total de contagens no ano será 12 x 100 = 1200 contagens. Classe B (intermediária) - 200 itens, que devem ser contados semestralmente; o total de contagens no ano será de 200 x 2 = 400 contagens. Classe C (menos importante) - 700 itens, que devem ser contados uma vez por ano; 700 contagens no ano.

A soma dos totais de cada classe (1200+400+700) dividido pelo número de

dias úteis do ano dará a quantidade de contagem diária a ser executada.

Ex: supondo que um ano tenha 210 dias úteis, a quantidade diária de contagens será (1200+400+700) / 210 = 11 contagens.

3.6.1. Acurácia dos Controles

Uma vez realizado o inventário, calcula-se a acurácia dos controles, que nada mais é que o valor dos itens corretos expresso em porcentagem. Pode-se calcular a acurácia dos estoques tanto para as quantidades de itens quanto para o valor dos itens.

A acurácia é igual ao número de itens corretos dividido pelo número total de

itens do estoque, ou então o valor dos itens corretos dividido pelo valor total dos itens do estoque.

corretos dividido pelo valor total dos itens do estoque.
corretos dividido pelo valor total dos itens do estoque.

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ ;9/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' Exemplo : em um estoque com 1200

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' Exemplo : em um estoque com 1200 peças, verificou-se que

Exemplo: em um estoque com 1200 peças, verificou-se que 100 não estão corretas. Qual a acurácia deste estoque? Total de peças = 1200 Erros = 100 Corretos = 1200 - 100 = 1100 Acurácia = 1100 / 1200 = 0,92 = 92%

3.6.2. Custos de armazenagem

Para calcular o custo de armazenagem de determinado material, podemos utilizar a seguinte expressão:

Custo de armazenagem = Q/2 x T x P x I Onde: Q = Quantidade de material em estoque no tempo considerado

T

= Tempo considerado de armazenagem

P

= Preço unitário do material

I = Taxa de armazenamento, expressa geralmente em termos de porcentagem do custo unitário. A taxa de armazenamento é o somatório de diversas taxas, tais como: retorno de capital, de armazenamento físico, de seguro, de transporte, manuseio e distribuição, de obsolescência, de água, luz etc.

3.7. Questões de Concursos

1) (TJ-SC - 2011 - Analista Administrativo) A gestão de estoques constitui uma série de ações que

permitem ao administrador verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados em relação aos setores que deles se utilizam, bem manuseados e bem controlados. Analise as proposições

abaixo:

I - O inventário físico consiste na contagem física dos estoques.

II - O indicador “acurácia dos controles de estoque” mede a porcentagem de itens corretos, tanto em quantidade quanto em valor.

III - O indicador “giro de estoques” mede quantas vezes, por unidade de tempo, o estoque se renovou ou

girou.

IV - O indicador “cobertura de estoques” mede o número de unidades de tempo; por exemplo, dias que o estoque será suficiente para cobrir a demanda média.

V - A “localização dos estoques” é uma forma de endereçamento dos itens estocados para que eles

possam ser facilmente localizados. Assinale a alternativa correta.

a) Todas as proposições estão corretas.

b) As proposições I, II e V estão corretas.

c) As proposições I, III e IV estão corretas.

corretas. c) As proposições I, III e IV estão corretas.
corretas. c) As proposições I, III e IV estão corretas.

!!!"#$#%#&'$'($)*%+,*'"$'-".*/////// 0*'1"//2#1#+3/2#4#5'3' /

/

/// 067,(#/ ;:/

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# ' d) As proposições II, III e V estão

! "#$% &'("')"*+,#&#'"'-.$",/./# '

' d) As proposições II, III e V estão corretas. e) As

d) As proposições II, III e V estão corretas. e) As proposições II, III e IV estão corretas.

2) (TJ-SC - 2011 - Analista Administrativo) A “Análise ABC” é uma das formas mais usuais de se examinar estoques. Sobre a Análise ABC é correto afirmar:

a) Aos itens mais importantes de todos, segundo a ótica do valor ou quantidade, dá-se a denominação

itens classe A.

b) Não existe forma totalmente aceita de dizer qual o percentual do total dos itens que pertencem à

classe A, B, ou C.

c) Aos itens menos importantes de todos, segundo a ótica do valor ou quantidade, dá-se a denominação

itens classe C.

d) Consiste na verificação, em certo espaço de tempo, do consumo do estoque, em valor monetário ou

quantidade.

e)

Todas as afirmativas estão corretas.

3)

(CESPE - 2011 - IFB - Professor – Logística) O custo de estoque é composto por vários custos: do

item, de manutenção, de capital, de armazenamento, de riscos e de pedidos.

(

) Certo

(

) Errado

4)