Você está na página 1de 2

NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Por Mariana Branco

PREVENÇÃO CONTRA A INADIMPLÊNCIA

A

segurança jurídica é o principal fator de prevenção à inadimplência? De acordo com Célio Müller, advogado especializado em Direito Educacional, de São Paulo (SP), para a escola se prevenir dos atrasos de pagamento, um fator de grande importância é a antecipação do problema, com planejamento de procedimentos e o estudo jurídico das possibilidades para a instituição, tanto do ponto de vista preventivo como de recuperação/cobrança. A elaboração de um contrato educacional adequado a cada público-alvo e a montagem dos procedimentos de matrícula com análise prévia do alunado são itens essenciais para se atacar o problema antes que ocorra. Veja, a seguir, outras orientações do advogado: Documentação As escolas particulares sempre mantiveram sua atenção no cadastro dos dados pedagógicos. Nos tempos atuais, há também a necessidade de dados confiáveis dos responsáveis financeiros que reflitam a situação familiar e profissional. Assim, o cadastro do cliente deve conter a localização física, telefônica e digital para contatos, informações sobre o trabalho (local, empresa e cargo) e condições da família (como o estado civil e qual cônjuge detém a guarda do aluno no caso dos pais separados). Além disso, sempre que possível, a renda familiar constitui dado de alta importância para se entender a capacidade de pagamento dos contratantes e se é aplicável alguma política de descontos ou bolsas. Outra orientação é que todas as informações cadastrais devem ser complementadas por documentos pessoais, de forma a dificultar os erros propositais. RG, CPF e comprovantes de endereço não podem faltar em conjunto com os papéis de transferência do aluno. Mais ações preventivas • Consulta prévia em Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) ou Serasa: a busca pelos registros de débito é essencial para conhecer o histórico de pendências da família; • Análise de crédito: medida gerencial mais complexa. Inspirada na avaliação dos bancos e financeiras, tem por princípio medir o risco a partir do histórico do cliente e estatísticas feitas na própria instituição. • Averiguação de dados: telefone, endereço e dados profissionais podem ser checados com uso de meios digitais; • Declaração de Quitação: é perfeitamente válido exigir tal documento originado da escola anterior, até para saber se houve pagamento; • Desconto de pontualidade: quase simbólico, mas ainda assim um incentivo financeiro para quem paga em dia; • Satisfação do cliente: parece óbvio, mas sempre é bom lembrar que um aluno insatisfeito é um sério candidato a inadimplente.

QUANDO A
D
ando continuidade ao tema “segurança nas escolas”, a pedagoga Yara Regina Gonçalves Dias, consultora em segurança com MBA em Gestão Estratégica de Segurança Empresarial, analisa as principais falhas que ocorrem nos sistemas de segurança das instituições de ensino. Na entrevista a seguir, ela aponta a falta de um planejamento de segurança personalizado como um dos principais motivos dessas falhas, mas também traz detalhes sobre outros fatores determinantes; eles podem estar relacionados à falta de capacitação de colaboradores e à ausência de manutenção de equipamentos. Gestão Educacional: Quais são as principais falhas cometidas pelas escolas em relação à segurança? Yara Regina Gonçalves Dias: A falta de um planejamento de segurança personalizado à determinada instituição resumiria tudo, pois boa parte das instituições de ensino não tem planejamento de segurança. Mas os pontos que mais se destacam como falhas são: falta de controle de acesso de pessoas, objetos e veículos ou controle feito da maneira errada; falta de monitoramento eficiente por erro de projeto ou falta dele; falta de ações de acompanhamento e controle nos processos de atendimento a pais e alunos, em todos os níveis de ensino; falta de pessoas que farão ronda no estacionamento com o objetivo de organizar o trânsito e assim evitar acidentes; falta de cursos de reciclagem e atualização de toda a equipe da instituição (dos setores pedagógico e segurança) em cursos sobre segurança em instituições de ensino. Gestão Educacional: A maioria das falhas está relacionada aos processos de segurança e procedimentos que envolvem diversas pessoas, por exemplo? Yara Regina: Sim. Estão ligadas certa-

Segundo Célio Müller, no contrato de matrícula é amplamente recomendável a existência de dois contratantes

12

GESTÃO Educacional® junho de 2012

PARA ASSINAR: www.gestaoeducacional.com.br

SEGURANÇA É FALHA
mente aos colaboradores da escola, sejam eles do setor pedagógico, administrativo ou da segurança. A segurança é como uma engrenagem: para que tudo funcione da maneira correta, existe uma relação de “OS PROCEDIMENTOS interdeDE SEGURANÇA pendência PARA A INSTITUIÇÃO entre barDE ENSINO DEVEM reiras físiSER CONDIZENTES cas,recursos COM A REALIDADE tecnológiDAQUELA ESCOLA” cos e recursos humanos, um destes que falhe já coloca o sistema em perigo. Gestão Educacional: Quais são as principais causas das falhas de segurança? Yara Regina: As falhas ocorrem, muitas vezes, por falta de planejamento em segurança. Os procedimentos de segurança para a instituição de ensino devem ser condizentes com a realidade daquela escola, ou seja, personalizados. Seguir procedimentos padrões em segurança, mas com adaptação para o dia a dia daquela instituição específica, é determinante de sucesso do planejamento de segurança. Instalação de equipamentos que não são tecnicamente indicados à instituição de ensino, falta de elaboração de um projeto em que haja o Sistema Integrado de Segurança (SIS), no qual vários sistemas voltados para segurança trabalham juntos, e falta de manutenção preventiva nos equipamentos instalados também estão entre as principais causas das falhas. Gestão Educacional: Quais são os principais exemplos de falhas relacionadas aos equipamentos? É preciso capacitar a equipe para saber usá-los com segurança? Yara Regina: Sim, é preciso capacitar o operador do sistema para que ele possa usá-lo corretamente, mas vale ressaltar que o principal fator de falha, em grande parte das vezes, é a falta de manutenção preventiva do equipamento ou ainda a indicação de equipamento errado para o local ou função. Entre outros, posso listar alguns problemas do Circuito Fechado de Televisão (CFTV): • Instalação de câmeras que não são tecnicamente indicadas; • Instalação de câmeras em determinados locais que não estão integradas a outros sistemas de segurança; • Iluminação inadequada; • Cabeamento deteriorado ou instalado fora das normas, o que gera perda de sinal; • Resolução ruim da imagem da câmera. Gestão Educacional: A senhora observa que há “invasões que ocorrem mesmo com homens alocados em seus postos”. Onde está a falha nesse caso? Yara Regina: Na falta de planejamento de segurança, de atenção ou de cumprimento de procedimentos. Algumas vezes, o planejamento foi feito de maneira errada, facilitando assim uma intrusão; outras vezes, o vigilante está no seu posto, conversando e não prestando atenção ao movimento, como deveria, facilitando assim uma invasão. Ou seja, não está cumprindo o que foi determinado no manual de normas e procedimentos. Gestão Educacional: Qual sua principal recomendação para que as falhas não ocorram? Yara Regina: Primeiramente, a elaboração de um planejamento de segurança personalizado. Para procedimentos, [indico] normas impressas para que se mantenha a uniformidade de conduta, ressaltando que para isto o treinamento também é fundamental. Para o CFTV e outros sistemas instalados, [indico] manutenção preventiva nos equipamentos de segurança eletrônica para que, no caso de uma ocorrência, não tenhamos o equipamento inativo.

Para Yara Regina Gonçalves Dias, a segurança é como uma engrenagem: “para que tudo funcione da maneira correta, existe uma relação de interdependência entre barreiras físicas, recursos tecnológicos e recursos humanos” Outras dicas da consultora
• Um ponto muito importante

que as pessoas nem sempre dão valor é a gravação das imagens e o backup. Muitos acham que câmeras instaladas já são motivo de inibição, mas sabemos que pessoas cometem atos delituosos mesmo com câmeras instaladas; • É preciso que se mantenha um DRV (Digital Video Recorder) gravando estas imagens para que se possa apurar os fatos caso necessário; • As imagens gravadas devem ser salvas e armazenadas em local seguro, periodicamente, pois muitas vezes precisamos recuperar imagens de mais de 15 dias para apuração dos fatos; • Só assim, com os backups efetuados corretamente, teremos sempre um histórico das imagens armazenado para eventuais consultas.

PARA ASSINAR: www.gestaoeducacional.com.br

GESTÃO Educacional® junho 2012

13