Você está na página 1de 2

Carta para Andrmeda Ceclia Meireles Acabo de ouvir que na via-lctea, prximo a Andrmeda, ou nessa mesma nebulosa, existe

e um povo sobrenatural que deseja ardentemente entrar em comunicao com os habitantes da terra. Esse povo dotado de uma civilizao adiantadssima, e v (e compreende e perdoa, naturalmente) o que estamos fazendo, neste triste cho, ns, subdesenvolvidos mortais. No preciso, pois, mandar contar para Andrmeda o que vamos curtindo neste mundo, no s por sermos os pobres mortais que somos, mas sobretudo por nos estarmos tornando muito piores do que devamos ser. Tudo isso de Andrmeda limpidamente visvel: de l, somos vistos como uns pequenos monstros, por essas gaiolas de vidros dos arranha-cus. Desconfio mesmo de que sejamos vistos tambm por dentro, malgrado as vidraas opacas dos nossos corpos. E os habitantes da via-lctea, magnnimos como certamente so, devem sentir tanta pena de ns, como ns devamos sentir vergonha, ante os seus olhos, ou a sua sensibilidade, ou os meios de que dispem para nos perceberem de to longe. (Creio que muitos sculos-luz). Ora, eu queria escrever esta carta para Andrmeda, embora, na sua sabedoria, esse povo seja capaz de surpreender todas as intenes nossas, por que a terra to grande, e eu sou to pequena que natural que os de Andrmeda estejam mais interessados nos condutores do mundo, nos chefes, nos poderosos, e no nos cronistas como ns... O que eu queria dizer aos de Andrmeda que passo a dirigir toda a minha ateno aos seus apelos, que acredito na possibilidade do sobrenatural, que no me resigno a esta presente condio humana, que peo todo o auxlio desses anjos da via-lctea para que nos venham salvar, como Perseu, um dia, salvou aquela que, exposta a um monstro marinho, teve afinal seu nome escrito nesses caminhos brancos do cu. Por serem mais perfeitos que ns, os de Andrmeda devem estar mais prximo de Deus. E estamos com tamanha falta de Deus, e tanta dificuldade de encontr-lo que os de Andrmeda devem procurar chegar imediatamente a todos ns, se no em veculos espaciais, em veculos espirituais e invisveis, que cheguem a cada um em particular e acordem o que ainda existe de divino neste caos em que a humanidade foi precipitada. Entre a beleza de sua me, Cassiopia, e a coragem de seu esposo, Perseu, Andrmeda um smbolo de salvao do martrio. vs, os de Andrmeda, vedes como estamos sendo martirizados por estes sculos duros, por estes sculos impiedosos, em que a cincia e a riqueza no podem lutar

contra a ferocidade! Apressai-vos, que vos necessitamos muito! Trazei-nos o vosso exemplo, a vossa inspirao. Dai um estmulo para os que se inclinam para a decadncia, e redobrai as foras dos que no se querem abandonar a um destino inferior ao do homem! Povos da via-lctea, tende pena dos que ficaram neste mundo perpetuando as atrocidades dos velhos mitos.

Você também pode gostar