Você está na página 1de 100

A comprovação de que o sucesso é plural

sta edição especial

E de EMBALAGEM-
MARCA, que sinali-
za o sexto aniversário de
lançamento da revista, che-
ga às mãos dos leitores com
número recorde de páginas,
exatamente o dobro da es-
trutura da número 1. Isso
sem contar a sobrecapa e a
cinta que envolve o exem-
plar. Costuma-se dizer que o
sucesso é plural. Por isso, ao
comemorarmos intimamen-
te a demonstração material
de êxito representada por
este alentado volume, en-
tendo ser fundamental ex- de de leitura contribui enor- o jargão mercadológico. As- apoio significar apenas uma
pressar agradecimentos a memente para avalizar a sim, jamais descuidamos de homenagem à revista em
diferentes públicos. afirmação sempre reiterada aprofundar e adensar a qua- seu aniversário, é também
Primeiramente, agradece- por nós a nossos anuncian- lidade de nosso trabalho. Ao um excelente motivo para
mos aos leitores, que de di- tes: a de que, nas páginas de mesmo tempo, temos por agradecer.
ferentes maneiras testemu- EMBALAGEMMARCA, suas norma empenhar-nos em Agradecemos a nossos
nham seu apreço pela quali- mensagens publicitárias têm oferecer o mais pronto aten- fornecedores, pela presteza
dade da informação que mais visibilidade e dão re- dimento a qualquer tipo de e pela qualidade de atendi-
lhes oferecemos todos os torno. Portanto, mais uma solicitação que chegue a mento. Por último, fica aqui
meses. Uma parte deles nos vez nosso muito obrigado nós. Se às vezes falhamos, registrado um agradecimen-
envia sugestões de reporta- aos leitores. fica registrado, nesta sessão to público aos membros de
gens; outra, críticas. Feliz- Agradecemos, claro, aos de agradecimentos, o pedi- nossa equipe, apresentados
mente esta parte é bem me- anunciantes, que proporcio- do de desculpas. na foto desta página, para os
nor, e quero acreditar que nam os meios para o cami- No tocante a publicidade, merecidos aplausos. O tra-
não seja por falta de senso nhar e o aperfeiçoamento ouso interpretar o volume balho desse conjunto, inte-
crítico dos leitores. Além constante da publicação. Na recorde de anúncios como grado com o apoio de leito-
dessa valiosa contribuição, condição de fonte exclusiva confirmação de que veicula- res, anunciantes e fornece-
eles nos prestam, possivel- de nossa receita, eles certa- ções anteriores deram bom dores, é a razão de nosso su-
mente sem atentar para isso, mente percebem que procu- retorno e, ainda, que mais e cesso.
a mais esperada das home- ramos dar o máximo de nos- mais empresas, estreantes Até julho.
nagens, que é ler aquilo que sos esforços para mantê-los, em nossas páginas, estão se
escrevemos. Essa efetivida- ou “fidelizá-los”, para usar dando conta disso. Se tal Wilson Palhares

3 1 – André Godoy
2 6 9
1 7 2 – Marcos Palhares
5 8
3 – José Hiroshi Taniguti
4 4 – Marlene Nogueira
5 – Wagner Ferreira
10 11 12 13 6 – Karin Trojan
7 – Guilherme Kamio
8 – Marcella Freitas
9 – Flávio Palhares
10 – Carlos Gustavo Curado
11 – Wilson Palhares
12 – Eunice Fruet
13 – Leandro Haberli
nº 70 • junho 2005
Diretor de Redação
Wilson Palhares

8 44
palhares@embalagemmarca.com.br
Entrevista: FCE Pharma e Cosmetique
Alexandre Loures Lançamentos e movimentação dos Reportagem
eventos conjuntos refletem bons
Gerente de comunicação Flávio Palhares
externa da AmBev analisa momentos de seus mercados-alvo
flavio@embalagemmarca.com.br
segmentação de tipos e de
Guilherme Kamio

52
embalagens de cervejas Conveniência guma@embalagemmarca.com.br

16
Bandeja com divisiórias removíveis Leandro Haberli Silva
Perfil facilita consumo de refeições
Yamá Cosméticos acentua leandro@embalagemmarca.com.br
oferecidas em serviços de entrega
verticalização produtiva de
suas linhas de embalagem Diretor de Arte
Carlos Gustavo Curado
arte@embalagemmarca.com.br

Assistente de Arte
José Hiroshi Taniguti

Administração
Marcos Palhares (Diretor de Marketing)

20 54
Reportagem de capa: Interpack Eunice Fruet (Diretora Financeira)
Transparência Pontuada pelas mais recentes
Produtoras de embalagens
inovações mundiais, edição de Departamento Comercial
2005 da feira alemã Interpack bate comercial@embalagemmarca.com.br
secundárias investem na
recordes de público e de tamanho
oferta de soluções com Karin Trojan
maiores efeitos diáfanos Wagner Ferreira

70
Label Summit
No encontro internacional da Circulação e Assinaturas
de rotulagem, interação, boas Marcella de Freitas Monteiro
idéias e público seleto assinaturas@embalagemmarca.com.br
Assinatura anual: R$ 90,00

76
Exportações
Cerâmica paulista quebra fronteiras Público-Alvo
internacionais com redesign das
EMBALAGEMMARCA é dirigida a profissionais que

28
Fechamentos caixas de seus filtros de terracota
ocupam cargos técnicos, de direção, gerência
Lançado o selo protetor que e supervisão em empresas fornecedoras, con-
combina lacre termoenco- vertedoras e usuárias de embalagens para ali-
lhível com topo auto-adesivo mentos, bebidas, cosméticos, medicamentos,
materiais de limpeza e home service, bem

32
Logística como prestadores de serviços relacionados
Novas soluções de emba- com a cadeia de embalagem.
lagem modernizam o setor
de hortifrutigranjeiros Filiada ao

36
Luxepack
Cadeia de embalagem
mostra novidades para
80 Fispal
Prejudicada por feriado e alagamen-
tos, edição 2005 da feira não
produtos de prestígio decepcionou no quesito novidades

A sobrecapa desta edição foi impressa em PVC pela Rigesa Impressão: Congraf Tel.: (11) 5563-3466

EMBALAGEMMARCA é uma publicação


FOTO DE CAPA: STUDIO AG - ANDRÉ GODOY

3 Editorial mensal da Bloco de Comunicação Ltda.


Rua Arcílio Martins, 53 • Chácara Santo
A essência da edição do mês, nas palavras do editor
Antonio - CEP 04718-040 • São Paulo, SP
42 Internacional Tel. (11) 5181-6533 • Fax (11) 5182-9463

Destaques e idéias de mercados estrangeiros Filiada à

90 Display
Lançamentos e novidades – e seus sistemas de embalagens
www.embalagemmarca.com.br
94 Panorama
Movimentação na indústria de embalagens e seus lançamentos O conteúdo editorial de EMBALAGEMMARCA é
resguardado por direitos autorais. Não é per-
96 Painel Gráfico mitida a reprodução de matérias editoriais pu-
Novidades do setor, da criação ao acabamento de embalagens blicadas nesta revista sem autorização da Blo-
co de Comunicação Ltda. Opiniões expressas
98 Almanaque em matérias assinadas não refletem necessa-
Fatos e curiosidades do mundo das marcas e das embalagens riamente a opinião da revista.
entrevista >>> Alexandre Loures

“Bem cobertas no mainstream,


oportunidades estão em valor”
pós ter visto sua participação no mercado meros podem ser interpretados como indicativo de que o

A brasileiro de cerveja cair para 62,9% em


2003, quando o Grupo Schincariol celebra-
va os bons resultados atrelados à campanha
publicitária que ficaria conhecida como “fe-
nômeno experimenta”, a AmBev volta a mostrar seu po-
setor, cuja produção e consumo per capta têm apresenta-
do crescimento quase vegetativo nos últimos dez anos, ini-
ciou um ciclo de expansão?
O mercado de cerveja obedece a basicamente dois fatores.
Primeiro, a renda disponível. Sempre que há crescimento
der de fogo. Enquanto a Kaiser sofre com sucessivas per- na economia, há crescimento da renda disponível, que por
das de mercado, que fizeram a canadense Molson Coors, sua vez traz impactos imediatos na venda de cerveja. O se-
dona da marca, rever seu plano de investimento no merca- gundo fator diz respeito ao clima. Se fizermos uma com-
do brasileiro, a gigante das bebidas fechou março de 2005 paração com o ano passado, quando o país estava inician-
com 67,6% das vendas de cerveja no país. do o atual ciclo de crescimento econômico, veremos que
Comparado a igual período do ano anterior, o volume de o verão de 2005 teve mais calor. Isso também repercutiu
cerveja vendido pela dona das marcas Antarctica, Brahma positivamente nas vendas do setor. O volume de cerveja
e Skol cresceu 23,1% nos primeiros três meses de 2005. O consumido no Brasil será capaz de continuar crescendo na
resultado serviu até para impulsionar o desempenho da mesma proporção em que esses dois fatores forem conju-
coligada Inbev, que no mesmo período teve vendas consi- gados de maneira favorável. Na verdade, portanto, os nú-
deradas fracas em mercados mais maduros, como o euro- meros desse primeiro trimestre nada mais são do que o re-
peu e o americano. Para decifrar o significado desses ba- flexo de um clima mais quente e do crescimento do país,
lanços, EMBALAGEMMARCA conversou com Alexandre da maior renda disponível. Além disso, a participação de
Loures, gerente de comunicação externa da AmBev. mercado da AmBev, na comparação entre os primeiros
Familiarizado também com o segmento de não-alcoólicas, três meses de 2004 e os primeiros três meses deste ano,
no qual, além de refrigerantes como Pepsi e Guaraná An- subiu dois pontos, o que também impactou no nosso au-
tarctica, a companhia distribui chás e isotônicos, Loures mento de vendas.
fala a seguir sobre as oportunidades que a segmentação do
mercado cervejeiro abriu para a cadeia de embalagens, e Na sua opinião, o que tem favorecido o bom desempenho
ainda explica os detalhes da estratégia de internacionaliza- da empresa no setor de cervejas?
ção da Brahma, hoje uma das três marcas globais da In- Um dos destaques é o esforço de desenvolvimento do
bev, ao lado das tradicionais Stella Artois e Beck’s. mercado premium no Brasil. Somos o quarto país em vo-
lume de cerveja produzido (atrás apenas da China, Esta-
Segundo dados da ACNielsen, no primeiro trimestre deste dos Unidos e Alemanha). Porém o país é apenas o 29º em
ano o mercado brasileiro de cerveja cresceu 7,3%. A Am- volume per capita, consumindo anualmente cerca de 50 li-
Bev também acaba de divulgar seu balanço trimestral, tros por habitante. Por outro lado, o mercado super-pre-
com expressivo aumento no volume de vendas. Esses nú- mium vem crescendo rapidamente. Embora hoje ele repre-

Alexandre Loures, gerente de comunicação externa da


AmBev, faz um balanço do mercado de cervejas e
comenta a segmentação do setor – e as oportunidades
abertas por ela para a indústria de embalagens

8 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


entrevista >>> Alexandre Loures

sente apenas 5% do setor, em 2000 não passava de 2,5%. de Janeiro. Devido ao bocal ampliado da garrafa, alguns
As grandes responsáveis por essa expansão foram as mar- consumidores fizeram essa associação com a boca grande
cas da AmBev, principalmente a Bohemia, que está à fren- da Daniella. Mas isso partiu dos consumidores e vendedo-
te do desenvolvimento do mercado premium no Brasil. res, não da AmBev. Nós nem teríamos direito de usar o
Trata-se de um segmento de alto valor agregado, com nome dela.
grande potencial de crescimento no país. A AmBev inves-
te na pavimentação e no crescimento desse segmento es- Opondo-se aos bons resultados da AmBev, foi divulgado
pecífico. Fugindo um pouco do as- que a Inbev começou o ano com
sunto cervejas, vale destacar que “A Skol hoje detém um vendas fracas em mercados mais
este ano a AmBev também passa a maduros, como o americano e o
investir mais em refrigerante. Pep- terço do mercado brasileiro europeu. Em termos de potencial
si e Guaraná Antarctica têm apre- de crescimento, o que essa diferen-
sentado resultados excelentes, ga- ça revela?
nhando importantes fatias do mer-
de cerveja. É a marca Não analisei os números da InBev
cado. Hoje temos 17% do mercado a fundo, mas posso dizer que ten-
de refrigerante, e pretendemos com mais preferência, dências de mercado não podem ser
passar a dar mais atenção ao setor traçadas com base nos balanços de
de não-alcoólicos em geral, que in- fidelidade e conhecimento um trimestre. Os executivos de lá
clui chás, bebidas isotônicas e têm conhecimento mais profundo
águas. entre os consumidores. sobre esses dois mercados. Dessa
forma, prefiro não fazer comentá-
Com diversas estratégias de dife- rios a esse respeito.
renciação, a Skol já há algum
Um dos grandes pilares
tempo está consolidada como líder Os resultados positivos da AmBev
do mercado nacional de cerveja. desse posicionamento chegaram a ter influência no de-
Assumidamente a AmBev sempre sempenho da Inbev?
utilizou a marca como plataforma privilegiado é a Na medida em que os resultados
de lançamento de novas embala- da AmBev são consolidados aos da
gens, como prova, para citar o estratégia de inovação InBev, eles impactam positiva ou
caso mais recente, a adoção das negativamente, conforme a sua
garrafas Big Neck, no ano passa- em embalagens” performance. Neste primeiro tri-
do. Em que medida essa estratégia mestre, como as vendas foram po-
contribuiu para a consolidação da marca? sitivas, o impacto foi positivo.
A Skol hoje tem um terço do mercado brasileiro. É a mar-
ca com mais preferência, fidelidade e conhecimento entre Como tem evoluído a operação da AmBev nas Américas?
os consumidores. Um dos grandes pilares desse posicio- Recentemente foram adquiridas novas marcas na região?
namento privilegiado é exatamente a inovação em emba- A empresa possui penetração em todos os países sul-ame-
lagens, como prova o lançamento das garrafas Big Neck, ricanos?
bem lembrado. Indo mais longe no tempo, percebe-se que Estamos presentes em todos os países do América do Sul,
a Skol foi a primeira cerveja em lata do Brasil, a primei- à exceção da Colômbia e das Guianas. Estamos também
ra em lata de alumínio, a primeira cerveja long neck, a em alguns países da América Central, mais especifica-
primeira cerveja com lata de boca redonda, a primeira mente Nicarágua, Guatemala, El Salvador e, brevemente,
Big Neck com tampa de rosca. Trata-se, enfim, de uma República Dominicana. A maneira como entramos nesses
marca que reúne características de inovação, que busca mercados pode ser resumida de três formas. Uma delas é
trazer coisas novas e lançar tendências. Por isso ela des- o green field, quando se instala ou se compra uma fábrica
fruta desse lugar especial no coração e na geladeira dos e se começa a vender do zero. Outra é por aquisição, como
brasileiros. aconteceu agora no Equador, onde compramos a marca
Biela, a mantivemos no mercado, mas começamos a ven-
Aliás, uma curiosidade é que a Big Neck foi apelidada de der Brahma, que já tem 20% de mercado, contra 7% da
“Cicarelli”, numa referência à modelo e apresentadora Biela. Nessa modalidade, compram-se os ativos de uma
de TV. Vocês tomaram conhecimento disso? fábrica e começa-se a vender as suas marcas. A última mo-
Sim, e ao que sabemos o apelido nasceu nas praias do Rio dalidade é por associação, como aconteceu recentemente

10 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


entrevista >>> Alexandre Loures

na Guatemala, onde nos associamos à engarrafadora de ciação com o varejo?


Pepsi local e passamos a atuar naquele mercado. Cada Desde o surgimento da AmBev, nossos maiores concor-
país tem sua história, e, antes de entrar em um novo mer- rentes, à exceção da Kaiser, ganharam mercado. Surgiram
cado internacional, temos muito clara a necessidade de treze novas marcas de mercado no país, as microcerveja-
respeitar a história e a cultura de cada um deles. A partir rias ganharam grande impulso, e nunca houve tanta con-
dessa premissa, várias combinações de negócio são possí- corrência no setor, como mostram diferentes balanços de
veis. Com a associação com a Quilmes, na Argentina, por mercado, em especial os da ACNielsen, onde a troca de
exemplo, os produtos do seu port- posições é freqüente. Atualmente,
fólio foram mantidos, mas em “Desde o surgimento da a própria AmBev é menor do que a
alguns casos investimos na conso- soma de mercado que as marcas
lidação da marca Brahma. AmBev, nossos maiores Brahma e Antarctica detinham an-
tes da fusão. Além disso, é preciso
Na AmBev acredita-se que a Quil- lembrar que a AmBev forma uma
mes tem potencial de crescimento
conc0rrentes, à exceção da série de know-how de venda e dis-
no mercado brasileiro? tribuição. Quem for a qualquer ou-
Trata-se de um cerveja pilsen Kaiser, ganharam mercado. tra cervejaria de médio porte do
mainstream. Modéstia à parte, es- país verá ex-funcionários da Am-
tamos muito bem servidos nessa Surgiram novas marcas, as Bev, formados aqui. Em vista de
categoria. Só na AmBev há Skol, tudo isso, acredito que na verdade
Brahma e Antarctica. A Quilmes é microcervejarias ganharam a AmBev seja muito salutar para o
um excelente produto, tem condi- mercado de cerveja, à medida que
ções de brigar por participação em permitiu que todos os demais pla-
qualquer país onde eventualmente
impulso, e nunca houve yers ganhassem participação, for-
entrar, mas nesse tipo de produto mou profissionais para trabalhar
estamos definitivamente muito tanta concorrência no setor. em outras cervejarias, e ainda fa-
bem servidos. voreceu a chegada de novas mar-
Acredito que a AmBev cas às gôndolas. Outro ponto ine-
A AmBev fechou março de 2005 gavelmente positivo é que a Am-
com 67,6% das vendas da bebida seja muito salutar para o Bev criou no Brasil algo que não
no país. Esse é o patamar ideal existia: a cultura das marcas seg-
que a empresa espera manter no mercado de cerveja” mentadas. Cervejas como a Bohe-
Brasil? Ou há espaço para novas mia de trigo e escura permitiram
expansões? que essa cultura se disseminasse a ponto de hoje haver um
É lógico que a missão de toda a empresa de bens de con- boom de pequenas cervejarias no Brasil.
sumo é ganhar mercado. Mas eu diria que estamos mais
preocupados em desenvolver o nicho de produtos de alto Como andam os investimentos que vêm sendo feitos na in-
valor agregado. Trata-se de um setor, como eu já disse, ternacionalização da marca Brahma?
que apresenta enorme potencial de crescimento. Enquanto Quando foi feita a aliança com a Interbrew, agora Inbev,
aqui o segmento premium responde por apenas 5% das foram eleitas três marcas globais para a companhia: Stel-
vendas, em outros países, como Estados Unidos, ele de- la Artois, Beck’s e Brahma. As duas primeiras já têm uma
tém 25%. Em muitos países da Europa, tem ainda mais do participação global mais consolidada. Nesse sentido, a
que isso. Acreditamos ser possível aumentar nossa partici- Brahma seria a terceira nessa lista a consolidar sua posi-
pação no montante desenvolvendo esse mercado, mas isso ção global, o que na verdade já foi feito.
não significa que vamos deixar de lutar por cada ponto de
mercado. O que ocorre é que quando se chega num certo Qual a importância da Brahma entre as marcas globais
patamar é necessário diversificar as formas de ampliar o da Inbev?
negócio. Não existe uma hierarquia. Mas a importância da Brahma
é muito grande porque globalmente ela veio preencher
Para alguns dos demais fabricantes de cerveja, a partici- uma lacuna, como uma cerveja que traz um posicionamen-
pação da AmBev traz embutido o risco de concorrência to de produto brasileiro. O Brasil, sob certos aspectos, é
desleal. O que a empresa tem a dizer sobre comentários um país muito bem-visto lá fora, e esses atributos positi-
sugerindo a imposição de condições unilaterais de nego- vos ligados a nós estão também muito ligados ao mercado

12 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


entrevista >>> Alexandre Loures

de cerveja. Além disso, o Brasil tem uma escola própria de embalagens retornáveis, isto é, garrafas de 600ml e bar-
cerveja, como há uma escola de cerveja norte-americana e ris de chope, que hoje respondem por cerca de 70% do
outra européia. A internacionalização da Brahma represen- mercado brasileiro. Esse paradigma pode ser mudado no
ta a oportunidade de o Brasil levar para outros países a cul- Brasil?
tura de cerveja brasileira, que existe há mais de 150 anos, As vantagens das garrafas retornáveis são inegáveis. A
desde o lançamento da Bohemia, em 1853. Temos a opor- primeira é a econômica. A segunda, a ambiental. Como
tunidade de internacionalizar essa escola, e os resultados podem ser reaproveitadas, as garrafas não são lançadas no
têm sido surpreendentes. Na Rús- meio-ambiente. Além disso, elas
sia, por exemplo, já vendemos o são de domínio público, o que ba-
dobro do que planejávamos. “Estamos preocupados rateia custos.

Em quais plantas a Brahma inter- em desenvolver o nicho A entrada do PET no setor cerve-
nacional está sendo produzida jeiro é algo muito aguardado pela
atualmente? Como é a embalagem cadeia de embalagem, e vem ocor-
do produto?
de cervejas de alto valor rendo de forma gradual lá fora.
No Brasil, em Jacareí (SP). Ela é Em curto prazo, existe a possibili-
produzida também na Rússia e na agregado. É um segmento dade de a AmBev vir a adotar esse
Bélgica. A fórmula, obviamente, material de embalagem no Brasil?
segue um controle de qualidade com alto potencial de Não existe nenhum plano. Acho
global. Quanto à embalagem, vale que a solução retornável é mais
dizer que a Brahma internacional é crescimento no Brasil. eficaz em função das vantagens já
uma cerveja premium. Ela é vendi- citadas. Além disso, o PET apre-
da em embalagem long neck, de senta uma deficiência no aspecto
consumo individual. Tradicional-
As microcervejarias têm de conservação da cerveja. Ade-
mente, nos países da Europa e nos mais, considero temerário o pro-
Estados Unidos, essas cervejas são mostrado importante papel blema de aumento da geração de
vendidas em embalagens transpa- resíduo sólido ligado a esse tipo de
rentes, incolores. Por isso resolve- no fortalecimento do embalagem.
mos colocar a Brahma também
numa garrafa assim. Acontece que mercado super premium” No caso do mercado de refrigeran-
esse tipo de embalagem é mais te, a adoção do PET pela Coca-
sensível à luz. Então foi necessário Cola já foi vista como um tiro-no-
fazer apenas uma pequena modificação no lúpulo para que pé. Existe a consciência de que a aposta nesse tipo de
a bebida fosse adequada a essa embalagem. Mas não hou- embalagem plástica pode prejudicar a liderança da Am-
ve mudança de fórmula, apenas uma adaptação para poder Bev em cervejas?
ser engarrafada e vendida nessa embalagem. Não. Na verdade não cogitamos o PET por não estarmos
convencidos de que ele seja uma solução benéfica para o
Por falar em embalagem, na sua opinião há espaço para mercado.
novos tipos de acondicionamento de cerveja no Brasil?
Ou a eterna pressão por custos ainda vetará por muito As cervejas especiais, feitas em fábricas de pequeno por-
tempo a disseminação de embalagens de cerveja realmen- te, de forma quase artesanal, são as preferidas em vários
te diferenciadas por aqui? países europeus, e começam a ganhar, ainda que de for-
Percebemos que nem sempre é vantajoso perseguir apenas ma tímida, participação no Brasil. Como a AmBev avalia
custo. É mais importante trazer benefícios para o consu- essa tendência?
midor, fazendo-o perceber que vale a pena incrementar Como eu já citei, muitas microcervejarias se beneficia-
determinado custo ao valor da sua cerveja. Pretendemos ram, de certa maneira, do poder de fogo da AmBev de lan-
ainda este ano trazer duas ou três inovações de embalagem çar e popularizar a cultura das cervejas diferenciadas no
para o mercado brasileiro. Mas por enquanto não é possí- mercado brasileiro. É um passo natural. Existe até uma
vel adiantar detalhes. simbiose nesse caso. Acho que qualquer concorrência,
desde que feita dentro da lei, com pagamento de impostos,
Parte do setor, inclusive o Sindicerv, defende, como forma é benéfica. As microcervejarias têm seu papel no desen-
de preservar as margens de ganho dos fabricantes, as volvimento do mercado super premium.

14 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


perfil >>> indústria usuária

Quase tudo feito em casa


Yamá Cosméticos opta por equipamentos próprios e agência de design interna
idéia de que as empresas devem se tipia e do layout dos rótulos e de todas as emba-

A concentrar em seu core business, ou


negócio principal, terceirizando as ati-
vidades que não fazem parte de seu
foco de atuação, parece estar em alta no mundo
lagens. Eles também são responsáveis pela cria-
ção do design estrutural das embalagens, e ainda
cuidam de materiais de comunicação visual, pro-
duzindo do site da empresa e ferramentas de
corporativo. Mas, quando o assunto é desen- apoio a estratégias promocionais, como ban-
volvimento de embalagem, essa diretriz- ners, folhetos e catálogos. Quanto a estes últi-
chave de alguns manuais de sobrevivência mos trabalhos, quase tudo é feito numa plot-
de mercado apresenta variadas exceções. ter própria.
Empunhando argumentos como a “Com uma agência interna, muitos dos
redução de custos e a agilização da projetos são aprovados na tela do compu-
aprovação de novos projetos, cada tador”, conta Milton Ferreira, gerente
vez mais empresas apostam em es- de criação da Yamá. “Em alguns ca-
truturas próprias de produção de sos, de manhã criamos e à tarde os
seus sistemas de acondicionamento. Não se arquivos são enviados para impres-
trata apenas das famosas plantas in-house, em são já com a aprovação dos direto-
que as máquinas de acondicionamento são insta- res e da área de marketing.” Outra
ladas junto à linha de produção da indústria usuá- vantagem é a economia de custos: a empresa
ria. Também ganham mais e mais força os depar- calcula que, com equipamentos próprios e a
tamentos internos de criação, que muitas vezes agência interna, gasta 10% do que lhe custa-
fazem todo o trabalho normalmente destinado riam projetos de embalagem terceirizados.
às agências de design externas. Entre os produtos recentemente desen-
No mercado de produtos de beleza e tra- volvidos na estrutura verticalizada da Yamá,
tamento capilar, caso exemplar desse tipo de um dos destaques é a linha de géis para ca-
estratégia vem da Yamá Cosméticos. Num com- ADAPTAÇÃO – belo Yamafix. Sopradas em PET e impres-
plexo fabril verticalizado de 20 000 metros qua- Molde dos sas em serigrafia com uma cor, as embala-
drados, localizado em Cotia (SP), a empresa, frascos da gens foram projetadas para se adaptar ao
linha Yamafix
fundada em 1967 com foco em produtos popula- foi projetado
molde de uma linha de tampas de rosca
res e atualmente com mais de 200 itens em linha, em função de também fabricada internamente, e usa-
produz boa parte de suas embalagens. Com inje- um modelo de da em outros itens da empresa. Não
tampa de ros-
toras, sopradoras e equipamentos de gravação se-
ca já existente
rigráfica próprios, a Yamá tem capacidade de
produzir 30 toneladas de embalagens plásticas
por mês. A produção mensal média é de 2 mi- A verticalização em números
lhões de frascos, saídos principalmente de uma • Capacidade produtiva:
injetora Bekum e de uma sopradora Battenfeld. 30 toneladas de embalagens
Como se isso não bastasse, a empresa também é plásticas por mês
auto-suficiente em caixas de papelão ondulado. • Produção mensal:
média de 2 milhões de frascos

House de criação
Afora o vigoroso parque fabril, a grande vedete
na tática de verticalização produtiva das embala- NEM TUDO É
gens da Yamá Cosmésticos é a agência interna de CASEIRO – Sachês e
berços cartonados
design criada há dois anos. Com estrutura enxu-
são de fornecedores
ta, ela conta com dois profissionais de artes grá- externos, mas design
ficas, cujas responsabilidades vão além da logo- estrutural é prata da casa

16 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


AGILIDADE –
Muitos projetos
são aprovados
na tela do
computador,
sem provas

obstante a simplicidade, os produtos têm apelo de


diferenciação no ponto-de-venda ao explorar
através da transparência dos frascos PET as cores
reluzentes das diferentes versões dos géis.
Apesar do esforço de verticalização, nem to-
das as embalagens são criadas 100% internamen-
te. A também recém-lançada família Pó Descolo-
rante Amônia Free é um exemplo. O produto é
vendido em sachês envoltos numa estrutura de
papel cartão. Todo o design foi feito pela house
de criação interna, inclusive a faca do berço de
papel cartão, que tem abas desenvolvidas para
dar suporte aos sachês. A impressão dos envoltó-
rios, porém, ficou a cargo da gráfica Aquarela,
enquanto os sachês são fornecidos pela Grampac.

Mudanças num ícone


“Somos abertos a fornecedores externos, pois
queremos estar atentos ao que acontece no mer-
cado de embalagem”, conta o gerente de criação
da Yamá. Outro caso que mostra essa flexibilida-
de é o do Kit Clareador, cujos cartuchos, produ-
zidos com papel cartão Hi-Bulky, da Suzano, são
impressos em off-set pela Lavezzo.
Uma evidência da agilidade que a agência
interna proporcionou à Yamá é o fato de a
empresa estar cogitando mudanças na emba-
lagem do tradicional Creme de Tratamento
Yamasterol, um dos seus carros-chefes nas úl-
timas duas décadas. “Planejamos outra roupa-
gem, e estamos estudando várias possibilida-
des, inclusive a adoção de rótulos termoencolhí-
veis”, revela Ferreira. Se concretizada, tal mu-
dança poderá vir a ser um marco na história da
empresa, que há anos mantém os equities de seu
líder de vendas, acondicionado em frascos plásti-
cos transparentes com impressão em serigrafia e
tampa de rosca dotada de bico aplicador.
reportagem de capa >>> transparência

Vale, como nunca, de


Favorecendo a comunicação
de atributos dos produtos
e a diferenciação nas
gôndolas, empresas
nacionais investem no
desenvolvimento e na
importação de tecnologias
para a fabricação de
cartuchos, luvas e outras
embalage ns secundárias
com plásticos de alta
transparência
Por Guilherme Kamio

uando aplicados nas embalagens,

Q efeitos de transparência costumam


preceder aquele estalo na mente do
consumidor que, segundos depois, o
faz aninhar os produtos portadores em seu car-
rinho de compras. Cabem especulações, não há
compêndios definitivos dos porquês, mas essa
qualidade, explorada numa série de embala-
gens, vende – e disso os longevos sucessos do
vidro e de outros materiais com propriedades
diáfanas passam recibo. Transparência sugere
segurança, enobrece. Por isso, nos últimos anos
essa qualidade tem motivado ruidosas movi-
mentações de um setor de embalagens a ela até
então pouco afeito em seu cabedal técnico: o de
cartucharia, produtor de cartuchos, estojos, lu-
vas e outras peças semi-rígidas usadas como
apresentações secundárias de um sem-número
de produtos.
Com fins de proporcionar algo mais numa
seara cativa da opacidade do papel cartão, exce-
ções aos trabalhos com janelas de acetato ou de
STUDIO AG – ANDRÉ GODOY

outros filmes e com lâminas plásticas fechadas


por sistemas de encaixe, novas embalagens de
chapas plásticas amigas da transparência – ba-
seadas em PVC, polipropileno (PP) e PET –
vêm sendo ofertadas por determinadas compa-

20 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


ixar ser visto
nhias. Conforme elas divulgam, suas capacida- desde meados de 2003, distribui no país cartu-
des de impressão e acabamento, de corte e vin- chos plásticos transparentes, de PVC e de PP,
co e de colagem estão avançadas como nunca, com expertise transferido da AGI Klearfold, di-
combinando policromia em off-set passível de visão de sua matriz americana, a MeadWestva-
registro nas duas faces do substrato, serigrafia, co.
hot stamping, reduzida memória (a tendência do A observação faz todo sentido. Ciosas de
material plástico retornar ao formato original lançar frascos, potes, garrafas e outros recipien-
após dobraduras) e adesivos incolores de alta tes utilizando formatos inusitados, decorações
performance, resistentes a variações de tempe- esmeradas, cores atraentes e filigranas mil, in-
ratura e umidade. “O mais interessante é permi- dústrias devem lembrar que, nos pontos-de-
tir interações de embalagens secundárias com venda, as embalagens secundárias, num para-
primárias como nunca se viu no mercado nacio- doxo do jargão, são os primeiros portos da vi-
nal”, aponta Caio Azeredo, da área de marke- são do consumidor. Com secundárias “sólidas”,
ting da Rigesa, verbete das áreas de caixas de o capricho nas primárias não aparece – em ou-
transporte e de soluções em papel cartão que, tras palavras, um meio de fisgar o consumidor

VISÃO PREMIUM – Gel


dental Protta, chás em
sticks da Dr. Oetker,
linha de esparadrapos
for export da Johnson
& Johnson br asileira e
auxiliar da coloração de
FOTOS: DIVULGAÇÃO

cabelos da Lowell aderi-


ram a cartuchos trans-
parentes desenvolvidos
pela Rigesa com tecnolo-
gia importada

junho 2005 <<< EmbalagemMarca <<< 21


pelo olhar é desperdiçado. Claudia Serra, diretora comercial da Protta.
Maior poder competitivo Num casamento com a inovação do lançamen-
Na Rigesa, esse lembrete já vem rendendo bons to de chás instantâneos em stick packs no país,
resultados. Comercializado diretamente a pro- em junho de 2004, a Dr. Oetker encomendou à
fissionais da beleza, o auxiliar para coloração Rigesa cartuchos transparentes de PVC capa-
de cabelos Protect Care, da paulistana Lowell, zes de ficar em pé nas prateleiras (caso repor-
adotou, em meados de 2003, um formato inusi- tado em EMBALAGEMMARCA nº 61, de setem-
tado de cartucho de PVC com alta transparên- bro de 2004). “Percebemos muitas experimen-
cia, só quebrada pela impressão em hot stam- tações do produto motivadas por eles”, informa
ping do logotipo da empresa e do nome do pro- Tatiana Turquete, gerente de produto da Dr.
duto. Para estrear na seara dos dentifrícios, a Oetker. “O consumidor visualiza não só a novi-
Protta Farmacêutica pediu um cartucho de dade dos sticks, mas também a quantidade do
PVC para o seu Gel Dental com Própolis, acon- produto, poupando-lhe o trabalho de procurar
dicionado numa bisnaga. “A transparência e a essa informação na embalagem”.
impressão sofisticada aumentaram o poder Recentemente, também com aporte tecno-
competitivo do produto nas gôndolas”, assina lógico da AGI Klearfold, a Rigesa lançou um

Novas resinas também apelam à maior visibilidade


O setor de cartuchos logia ISBM (Injection transparência para cer- pra do consumidor”,
não surfa sozinho a Stretch Blow Molding) tos mercados de emba- pontifica a companhia.
onda de boas novas em para a produção de gar- lagens plásticas foi a As aplicações da nova
embalagens transparen- rafas para bebidas sem Dow. Um novo poliestire- resina cobrem desde
tes. Mirando a chance gás (na foto). “Com alta no cristal, de alta resis- bandejas para iogurte
de indústrias evidencia- transparência, e conse- tência, acaba de ser lan- obtidas por form-fill-seal
rem ao consumidor co- qüente nobreza, embala- çado para suprir o mer- (FFS) até embalagens
res e ingredientes espe- gens baseadas nessa re- cado de embalagens ter- para sobremesas e co-
ciais de seus produtos, sina poderão até concor- moformadas para ali- pos descartáveis, entre
a Braskem acaba de lan- rer com o vidro”, projeta mentos, “no qual a outros recipientes. Ou-
çar o Prisma 2910, co- o vice-presidente de Po- transparência e a beleza tras petroquímicas com
polímero para a injeção liolefinas da Braskem, são fatores importantes atuação no Brasil, como
de embalagens transpa- Luiz de Mendonça. e influenciadores no a Voridian e a M&G, re-
rentes com alta resis- Quem também acenou à comportamento de com- ferências na área de re-
tência a baixas tempera- sinas PET, a Politeno,
turas. “Produtores de em polietileno, e a Poli-
sorvetes, que têm lança- brasil, em polipropileno,
do sabores com cores também acabam de lan-
apelativas e pedaços de çar novas resinas que
frutas, poderão mostrar contemplam maior
tais diferenciais ao con- transparência para uma
sumidor”, exemplifica série de aplicações em
Luis Felli, diretor comer- embalagens flexíveis e rí-
cial de Poliolefinas da gidas (algumas delas,
Braskem. Além de ali- aliás, recentemente
mentos, tintas e até abordadas por Embala-
cosméticos são outros gemMarca nº 68, de
alvos da 2910. Também abril de 2005). Sabe-se
apelando à transparên- ainda que esses mes-
cia, o polipropileno Pris- mos nomes possuem
ma 3400, clarificado mais novidades apelati-
com aditivo da Milliken, vas à transparência na
é aposta da Braskem boca do forno. É aguar-
para a difusão da tecno- dar para ver.

22 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


novo conceito de embalagem nessa área, o In-
sight. Nele, dois painéis transparentes, supor-
tando impressão em frente-e-verso, formam
um cartucho com perfil elíptico em sua profun-
didade, similar ao da Dr. Oetker, cuja tampa e
fundo rígidos podem ser customizados de
acordo com o design do produto acondiciona-
do. Mais: travas violáveis ou invioláveis po-
dem ser incluídas em seu projeto. “O Insight
pode até ser uma alternativa logisticamente
vantajosa a certas embalagens rígidas, pois são CARNAVAL – Com
chapas de PP, Confetti
entregues vazias, como luvas”, afirma Azere- já coleciona clientes
do. Até por serem novidades, sem massa críti- em várias áreas, como
ca consumidora, o Insight e demais cartuchos na de cosméticos e
até na de telefonia
transparentes high tech impõem custos maio- (no canto inferior)
res que os dos cartuchos convencionais. Não
são, porém, exclusividade de produtos de luxo
ou de alto apelo premium. A própria Rigesa
vem cavando espaços no chamado mercado de
mídia, com luvas para cases de CDs, e passou
a fornecer cartuchos de PVC, em meados do
ano passado, para as tintas de impressoras do-
mésticas da Helios e, meses atrás, para espara-
drapos especiais das chancelas Band-Aid e
First Aid, da Johnson & Johnson, importados
para os mercados americano, canadense e ja-
ponês. Outro trabalho, porém em PP, foi a
embalagem de um kit de branqueamento den-
tário da marca Kavo.

Reafirmação de imagem
De fato, tourear a busca caótica por reduções de
custo nas indústrias tem sido desafio para a ex-
pansão desse tipo de embalagem no Brasil. To-
davia, não é o único, lembra Marcos de Miran-
da, gerente industrial da Confetti, empresa pau-
listana atuante desde 1982 na transformação de
chapas plásticas, com freguesia cativa nos mer-
cados de papelaria e de produtos escolares, que
decidiu afinar sua vocação no escôo de emba-
lagens também há pouco mais de dois anos –
quando investiu na obtenção de um novo siste-
ma de colagem das chapas de PP obtidas por
extrusão por ela própria. “É preciso espalhar
aos designers e profissionais de marketing as
possibilidades de trabalho e a viabilidade in-
dustrial dessas embalagens, além de passar a
borracha num histórico que joga contra”, ele le-
vanta. Explica-se. Muitos cartuchos plásticos
ofertados no passado por certos fornecedores
não vincavam bem, apresentavam problemas
de ancoragem da impressão e suas colagens

24 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


eram qualquer nota. “Daí estarmos empenha- denador de marketing Léo Mussulini Machado,
dos numa reafirmação da imagem desse tipo de detalhando que os mais recentes trabalhos da
apresentação”, comenta Miranda. Igel nessa área contemplaram marcas como
O (re)trabalho tem recebido boas acolhidas Natura, Tramontina, Souza Cruz, Mundial e
por cosméticos, puxadas por vips dessa área, Grendene. Numa utilização inovadora, a Igel
como a Natura, em cartuchos e em estojos para forneceu luvas de PP transparente até para o
kits promocionais, e por laboratórios, em fár- atum em lata Pescador, da catarinense Femepe.
macos de maior valor agregado vendidos over “É um exemplo de como as embalagens trans-
the counter, ou seja, sem prescrição. Até a área parentes, com acabamentos especiais e garanti-
de telefonia, por meio da operadora Vivo, soli- ndo visualização imediata, valorizam todos os
citou à Confetti uma embalagem com efeitos de tipos de produto”, diz Machado.
transparência, para a comercialização de um Muito longe de gozar por aqui da populari-
aparelho celular da grife Motorola. De olho dade observada nos mercados americano e
numa tendência em maturação no mercado, a europeu, os cartuchos plásticos transparentes,
Confetti prepara terreno para o lançamento de justamente por causa desse crescimento de
cartuchos transparentes de rápida degradação, oferta, têm à frente um caminho florido no
mais amigáveis ao ambiente, sedimentados em ainda verde terreno brasileiro. “Cremos na sua
tecnologias licenciadas na praça local pela RES difusão num efeito cascata, através da adoção
Brasil (abordadas por EMBALAGEMMARCA nas por marcas formadoras de opinião em suas
edições 52, de dezembro de 2003, e 61, de se- áreas e pela tendência do ‘siga o líder’”, antevê
tembro de 2004). “Já existem projetos em fases Miranda, da Confetti. “Aí, pela progressiva
em avançadas, que deverão chegar logo ao va- competição pautada pelo bom nível, valer-se de
rejo”, antecipa o executivo da Confetti. um diferencial em apresentação desse tipo será
Quem igualmente visualiza oportunidades cada vez mais oportuno”. Certo é que, com os
no país para os cartuchos de polipropileno com consumidores mais e mais exigentes, é natural AGI Klearfold
efeitos diáfanos e também brande possuir um a valorização cada vez maior dos produtos www.agiklearfold.com
sistema especial de colagem é a gaúcha Igel. cujas embalagens, além de permitir a visualiza-
Braskem
“Para potencializar esse mercado, desenvolve- ção daquilo que se está vendendo, entreguem (11) 3443-9999
mos e patenteamos um sistema único, que per- diferenciais como o da transparência e das www.braskem.com.br
mite uma soldagem limpa, transparente e muito composições visuais garantidas por ela. Se sua
Dow
e muito resistente, proporcionando um exce- empresa quiser apostar nisso, bastará usar a (11) 5188-9000
lente acabamento no cartucho”, anuncia o coor- transparência em seu sentido figurado mais co- www.dow.com
nhecido, o de definir ações claras e diretas e,
Confetti
PORTFÓLIO – Trabalhos da Igel, (11) 5696-3600
baseados num sistema especial de www.confetti.com.br
colagem para PP. Entre eles, a luva
para latas de atum Pescador Igel
(51) 3041-8300
www.igel.com.br

Milliken
(11) 3043-7944
www.clearpp.com

Polibrasil
(11) 3445-5917
www.polibrasil.com.br

Politeno
0800 704 0110
www.politeno.com.br

RES Brasil
(19) 3871-5185
www.resbrasil.com.br

Rigesa
(19) 3707-4000
www.rigesa.com.br

26 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


fechamentos >>> proteção

Vale o quanto protege


Feito a partir de PVC, novo selo de proteção promete assepsia total
Por Livia Deorsola

onstatada a crescente preocupação polipropileno. Segundo o fabricante, a inova-

C do consumidor com o nível de hi-


giene não só no processo de pro-
dução, mas também de venda dos
produtos alimentícios e de bebidas, o merca-
ção apresenta vantagens sobre o similar de
alumínio: por ser mais rígido, o selo feito de
PVC não “trepida” e impede qualquer contato
direto das latinhas e outras embalagens com o
do prepara-se para se adequar e encontra no- conteúdo. Essa possibilidade, segundo Fran-
vas soluções. Neste cenário, para ocupar um cisco Amante, diretor comercial da Propack,
espaço que julga ainda pouco explorado, a existe quando se trata do selo de alumínio.
Propack Indústria e Comércio de Plásticos “Em contato com a água, o alumínio oxida e,
desenvolveu um selo de proteção, que bati- se a área de fora da lata for contaminada, o
zou como Top Seal. risco de o alimento também se contaminar
Na esteira do selo higiênico de alumínio existe”, afirma Amante.
que estreou em latas de cerveja, o produto da
Propack foi desenvolvido a partir de uma cáp- Versatilidade
sula de PVC termoencolhível, selada no topo O executivo afirma que o lacre e o selo po-
com um disco do mesmo material ou de dem ser aplicados a qualquer tipo de embala-

HIGIENE – Selos plásticos de


proteção podem adaptar-se a
embalagens com diferentes
formatos, e permitem a
inclusão de fitilho para
facilitar a abertura
FOTOS: STUDIO AG – ANDRÉ GODOY

28 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


bidas, fato confirmado por estudo feito pelo
FORA DE CONTROLE – Contaminação
em geral ocorre fora da indústria,
Cetea (Centro de Tecnologia de Embalagem)
e pode afetar o consumidor no do ITAL – Instituto de Tecnologia de Alimen-
momento do consumo tos. A expectativa é reforçada por um bom an-
tecedente: a cervejaria Petrópolis, fabricante
das marcas Crystal e Itaipava – as primeiras a
adotarem o selo protetor de alumínio – viu sua
participação no mercado nacional de cervejas
aumentar 20% depois do investimento em hi-
giene nos pontos-de-venda, segundo a asses-
soria de imprensa da empresa.
Vale lembrar que a proteção é válida não
apenas para produtos consumidos direta-
mente na embalagem, já que muitos produtos,
no ato de consumo, podem entrar em contato
com a parte externa dos recipientes que os
gem, de latas a potes de vidro e embalagens acondicionam.
assépticas. A aplicação é simples. Primeira- O segundo aspecto refere-se à certeza de
mente, o produto que será protegido passa por que se trata de uma inovação. De acordo com
um túnel de encolhimento do lacre. Ao enco- o departamento comercial da Propack, há no
lher, é formado um anel no centro, sobre o país oito requisições de patentes de selos pro-
qual será colocado o selo, na parte superior, tetores de embalagens, mas nenhuma é con-
vedando completamente o recipiente. O novo flitante com o top seal, cuja patente já foi re-
produto também possibilita a aplicação de fi- querida. “Agora temos um ano para que ela
tilho para abertura da cápsula. Como ferra- Propack seja confirmada nos outros países”, acrescen-
menta de marketing, o selo pode receber a im- (11) 4785-3700 ta Amante. A exportação do selo ainda não
www.propack.com.br
pressão do logotipo da empresa, do produto está programada, mas a empresa adianta que
ou de mensagens, serviço também prestado pretende nomear concessionárias para comer-
pela Propack. cializar o produto em outros países. “Antes,
A aplicação do lacre é feita na velocidade temos de sentir o mercado brasileiro”, ponde-
de 500 unidades por minuto, e a do selo, a mil ra o diretor.
unidades por minuto. Portanto, para maior agi- Embora o consumidor reconheça valor
lidade, o processo pode comportar duas má- nos produtos mais bem protegidos, resta saber
quinas para o lacre e uma para a colocação do quanto a inovação encarecerá o produto final,
selo. Segundo Amante, tanto o lacre quanto o pois a Propack não quis falar em custos.
selo são recicláveis e só aguardam o resultado
do laudo do IPT (Instituto de Pesquisas Tecno- MAIS VENDAS – Com a adoção
de selos de proteção de
lógicas) para poderem ser comercializados.
alumínio, Cervejaria Petrópolis
viu participação de suas marcas
Otimismo fundamentado Itaipava e Crystal aumentar em
As boas expectativas da Propack para que o 20% no mercado de cervejas

novo selo seja bem recebido pelos fabricantes


estão embasadas em dois aspectos. O primei-
ro diz respeito ao valor que é agregado ao pro-
duto, na medida em que embalagens mais
protegidas chamam mais a atenção do consu-
midor. “Geralmente, o problema das condi-
ções de higiene não se dão na fabricação, mas
sim na armazenagem nos locais de venda”,
acredita o diretor. O gelo usado por vendedo-
res ambulantes e quiosques para resfriar os
produtos, por exemplo, é o principal agente de
contaminação das diversas embalagens de be-
30 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005
logística >>> hortifrutigranjeiros

Protegidas,
paletizadas
e frescas
Caixa de papelão ondulado específica
para manga, nova aposta da Rigesa
om o desenvolvimento de uma nova caixa des-

C tinada ao acondicionamento e ao transporte de


frutas – mais especificamente, mangas – a Rige-
sa acaba de apresentar um caminho para a solu-
ção de um problema da área que remonta a uns vinte anos
COLUNAR –
Uma das vantagens da
embalagem é a resistên-
e, na época, constituiu um grande avanço. O fato se deu
cia ao empilhametno
quando a produção de manga começou a ganhar força no
pólo agroindustrial do Vale do São Francisco, hoje respon- falta de cadeia refrigerada”, observa o engenheiro agrôno-
sável por cerca de 60% das 845 mil toneladas do fruto pro- mo Lucas Gutierrez. Ao lado das condenadas caixas de
duzidas anualmente no Brasil. Surgiu então uma embala- madeira, que vão dos produtores aos centros de distribui-
gem que prometia solucionar as perdas causadas pelo ção e supermercados sem passar por processos adequados
transporte precário do alimento. de higienização, aquelas embalagens até hoje constituem o
Feita de papelão ondulado, com capacidade para 6 qui- sistema de acondicionamento mais disseminado no merca-
los, ela foi projetada em formato trapezoidal, de maneira a do brasileiro de manga.
compor, nos caminhões, dutos livres entre as caixas, per- O problema, lembra Gutierrez, também especialista de
mitindo circulação de ar. “Foi uma forma de tentar suprir a produto da Rigesa, é que elas não cumprem um princípio

Mercado de aves e suínos também está guarnecido


Saindo do mercado hortifruti - Entre as novidades havia as frango e suínas também foram
granjeiro e entrando nos seg - embalagens display, para exposi- apresentadas. “A AveSui 2005
mentos de carne de frango, ção nas gôndolas, e um sistema foi mais uma oportunidade de
ovos e carne suína, novas emba - bag-in-box em que uma caixa de demonstrar nosso comprometi-
lagens ganham espaço com a papelão ondulado é dotada de mento em oferecer produtos
promessa de dinamizar as ven- bolsa plástica interna, permitin- customizados, que unem inova -
das, agregando rentabilidade ao do o transporte e o acondiciona - ção, tecnologia e alta quali-
negócio. Essas são as propostas mento de produtos líquidos ou dade”, assinala o diretor comer-
da Klabin, que apresentou, entre pastosos. Soluções voltadas cial de embalagens da Klabin,
os dias 11 e 13 de maio último, para a exportação de carnes de Carlos Alberto Masili.
na AveSui 2005 – Feira da In -
dústria Latino-Americana de
Aves e Suínos, realizada em Flo-
rianópolis (SC), sua linha de cai -
xas de papelão ondulado destina-
da a atender às necessidades
específicas desses setores.

32 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


básico do empilhamento de hortifrutigranjeiros, que é ali-
nhar as paredes da embalagem uma exatamente sobre a ou-
tra. É o chamado “empilhamento colunar”, que protege os
produtos acondicionados ao impedir que o peso da merca-
doria disposta acima cause danos e machucados às que es-
tão mais abaixo.
Numa tentativa de resolver essa e outras deficiências
daquelas embalagens criadas na já distante década de 80 do
século passado, a Rigesa anunciou em maio último o Pro-
jeto Manga 12. Trata-se de uma embalagem específica para
essa fruta, com capacidade para 12 quilos. Segundo a em-
presa, ela apresenta uma série de vantagens em relação às
caixas de 6 quilos atualmente dominantes no setor.
A primeira delas é a resistência ao empilhamento, ga-
rantida por paredes providas de estruturas reforçadas, espe-
cialmente desenvolvidas para suportar o peso de pilhas
com alturas elevadas. Outro ponto positivo destacado é a
adequação à paletização, “mais uma deficiência das emba-
lagens de 6 quilos”, lembra Ailton de Salles Pupo, gerente
de desenvolvimento de produtos da Rigesa. “Além dessas
vantagens, nossa embalagem é aberta, pois foi desenvolvi-
da para ser exposta no ponto-de-venda”, ele completa. Ao
lado de visualização melhor dos frutos, tal detalhe favore-
ce a ventilação durante o transporte, essencial no caso de
frutos como mangas.

Estratégia de fornecimento
Desenvolvida para o mercado interno, a nova embalagem
leva a chancela Plaform, que a Rigesa utiliza sob licença
internacional em embalagens destinadas a diferentes horti-
frutigranjeiros. Para ostentar essa marca, o papelão ondu-
lado utilizado precisa, entre outras exigências, apresentar
gramaturas específicas e ser submetido a testes severos de
resistência a empilhamento e umidade.
A idéia é fornecer, em lojas de embalagem como a que
foi inaugurada em 2003 na região da Ceagesp, em São
Paulo, as caixas já montadas, ou, no caso de grandes pro-
dutores, instalar nas próprias fazendas os equipamentos ne-
cessários para a montagem. A impressão segue layout
padrão, que pode receber a marca do produtor.
Pode-se prever que o trabalho à frente será árduo, con-
siderando que, principalmente de novembro a janeiro, no
período de safra, muitos produtores transportam suas man-
gas diretamente nos caminhões, sem qualquer sistema de
embalagem ou proteção. As perdas nessas condições ultra-
passam 30% da produção. Por outro lado, é inegável o po-
tencial econômico do cultivo de manga, que em 2001 lide-
rou o ranking de faturamento entre as frutas frescas expor-
tadas pelo Brasil, rendendo aos produtores 50,8 milhões de
dólares, valor correspondente a 93 400 toneladas.
Klabin Rigesa
www.klabin.com.br www.rigesa.com.br
(11) 4588 7215 (19) 3869-9331
evento >>> luxe pack brasil

Formas de travessia
Feira de embalagens de prestígio mostra como viabilizar projetos de design
omo anunciado na edição para produtos sofisticados. Apesar mentado, ele considera que “aumen-

C anterior, de maio último,


EMBALAGEMMARCA apre-
senta a seguir a cobertura
da quarta edição da Luxe Pack
de se dirigirem a uma parcela reduzi-
da da população, estimada em 10%,
trata-se de um contingente compra-
dor de quase 20 milhões de pessoas,
tar demais esse número significaria
mudar a verdadeira identidade da
Luxe Pack, cuja proposta é explorar
o universo mais sofisticado da emba-
Brasil’2005 – Feira de Embalagem maior que o de vários países. Não é lagem dos produtos de luxo”.
dos Produtos de Luxo para América por menos que fornecedores interna- Isso foi feito de maneira concreta
Latina, realizada nos dias 13 e 14 de cionais marcam crescente presença com a apresentação de inúmeros
abril, no Centro de Eventos São no Brasil e na Luxe Pack. exemplos do que há de mais interes-
Luís, em São Paulo. Além de apre- Segundo Salvatore Privitera, da sante em termos de materiais e pro-
sentar uma exposição visualmente SPR International, empresa respon- dutos acabados para o segmento de
atraente e estimulante do ponto-de- sável pela realização do evento, os embalagens sofisticadas, respaldadas
vista de negócios e de uma série de 24 expositores da edição de 2005 da por tecnologia de ponta. Foi, tam-
palestras focadas em agregação de Luxe Pack foram unânimes em dizer bém, uma oportunidade de estudar
valor, o evento deu margem a algu- que “foi atingido alto nível de inter- formas de travessia da ponte que
mas reflexões sobre o mercado de nacionalização e é previsível que a leva do projeto criativo a sua viabili-
artigos de prestígio no Brasil. feira de 2006 poderá chegar a apro- dade – tema sempre presente na dis-
Foi possível concluir, por exem- ximadamente trinta expositores”. No cussão do que é bom design (ver o
plo, que o país se projeta cada vez entanto, levando em conta que se tra- texto lateral). Veja a seguir os desta-
mais como um poderoso mercado ta de um mercado seleto e muito seg- ques da feira.

Resina aromatizada
A Eastman lançou na feira sua cosul, a Tenite pode ser usada em
mais recente novidade: a resina diversos produtos, para aromatizar
Tenite aromatizada. Na verdade, escovas de dente, canetas, reló -
essa matéria-prima – Tenite celuló- gios, óculos, ou então a tampa de
sico – foi apresentada ao mercado um perfume, com o próprio aro-
pela empresa na década de 20, ma do produto. A aromatização é
mas só no início deste ano surgiu feita na matriz da resina e não
em diferentes versões aromatiza - superficialmente, garantindo du-
das. Segundo Gabriel Crosta, ge- ração de vários anos ao aroma.
rente da Área de Especialidades (11) 5506-9989
Plásticas da Eastman para o Mer - www.eastman.com.br

Válvula na medida
Melodie é o nome da válvula gração por ser fabricada em di-
pump lançada pela Saint-Gobain mensões pequenas. Possui veda-
Calmar na Luxe Pack Brasil. Se- ção total (evita vazamentos do lí-
gundo o fabricante, as caracterís- quido), e seu sistema de pulveriza-
ticas do produto respondem às ção é muito suave, permitindo fá-
FOTOS: DIVULGAÇÃO

necessidades, muito específicas, cil manuseio pelo usuário.


da indústria de perfumaria de (11) 3874-7933
luxo. A peça permite melhor inte- www.calmar.com
FOTO: DIVULGAÇÃO

36 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


Devaneios com Elemento que dá valor
os pés no chão A Rigesa desta - embalagem
cou, durante o Insight, criada pela
Não vai longe o tempo em que evento, a força da AGI Klearfold –
os departamentos de engenha- embalagem trans - abordada, aliás, na
ria das indústrias de embala- parente como ele- reportagem de
gem tinham todas as razões mento de adição capa desta edição
para queixar-se de vôos de ima- de valor aos pro - (ver pág. 22).
ginação de alguns designers. A dutos através do (19) 3707-4000
reclamação básica era de que lançamento da www.rigesa.com.br
esses profissionais, afora as ha-
bituais exceções, costumavam
devanear em seu trabalho,
criando projetos inviáveis. De
um lado, não havia máquinas ca-
pazes de executar certas fun-
ções, como uma dobra ou um
acabamento contidos no projeto
de um cartucho ou de um fras-
co. De outro, não havia mate-
riais com propriedades adequa-
das para fazer o objeto deseja-
do. Em resumo, haveria, se não
um confronto insolúvel de nefeli-
batas com a turma do pé-no-
chão, pelo menos um grande vá-
cuo de informação por parte
dos designers.
O problema parece continuar
existindo, agora de forma aves-
sa, como colocou recentemen-
te, num evento em São Paulo,
Gaylon White, diretor global de
Programas de Design da East-
man Chemical Company. Ele
participava como convidado es-
pecial da quarta edição sul-
american a da Luxe Pack
Brasil’2005 – Feira de Embala-
gem dos Produtos de Luxo
para a América Latina, que
aconteceu nos dias 13 e 14 de
abril, em São Paulo. Segundo
White, a tecnologia aplicada
aos equipamentos e novos ma-
teriais se desenvolve em tal ve-
locidade que fica difícil para os
designers acompanhar sua
evolução. A rigor, da palestra
daquele profissional seria possí-
vel deduzir que hoje praticamen-
te não há limites para a concre-
tização dos mais ousados proje-
tos de embalagem. Vital, como
O diamante de Britney
sempre foi, é a aproximação com O público pôde conhecer o fras-
os técnicos das empresas que co do perfume da cantora Brit-
fornecem insumos e equipamen- ney Spears, fabricado pela fran-
tos, bem como esforçar-se para cesa Verrerie Pochet, represen-
acompanhar a torrencial literatu- tada por um escritório comer-
ra técnica que se produz. cial no Brasil. O recipiente tem
Segundo White, da parte dos formato de diamante, evidencia-
fornecedores esse empenho já do por meio da cor azul. Lança-
ocorre. Ele observou que “nos úl- do no final de 2004, o perfume
timos anos a força do design já vendeu 10 milhões de unida-
causou uma grande mudança no des em várias partes do
processo de desenvolvimento de mundo. A mesma empresa idea-
produtos, o que constitui uma lizou o frasco para o perfume
oportunidade para os fornece- do navegador Amyr Klink. É
dores de materiais se tornarem uma peça em formato de vela
participantes-chaves no proces- na cor azul, que lembra os tons
so inovador”. No entanto, pensa da água do mar.
ele, “esses fornecedores devem (11) 4432-1350
fechar a distância de conheci- rodriguepochet@directnet.com.br
mento existente entre os mun-
dos de materiais e de design”. Ci-
tando o exemplo da própria Eas- Sacola oficial em estilo clean
tman, o executivo afirmou que a
Conhecida como idealizadora da sa - Foi aplicada na
empresa está se esforçando
uma das principais cola oficial da Luxe peça uma camada
para estreitar essa distância que
empresas que ofe - Pack Brasil. Este de verniz que, em
tem separado tradicionalmente
recem soluções in - ano, optou por ado - contato com a luz,
os designers dos engenheiros e
tegradas para tar um estilo clean, oferece tom peroli -
químicos, que são as fontes do
embalagens sofisti - que por sua vez zado.
conhecimento de materiais.
cadas, a Antilhas permitiu o uso de (11) 4152-1111
Importante nessa direção, fri-
mais uma vez foi a técnica especial. www.antilhas.com.br
sou, foi o lançamento do website
do Innovation Lab da Eastman
(www.eastmaninnovation-
lab.com), em 2004. Trata-se de Saiu, não tem volta
um recurso criativo para conec- A Alcan Packaging Cebal deu pele. O segredo do lançamento
tar aos materiais da Eastman destaque ao tubo Airless para resvala em uma engenhosa vál-
proprietários de marcas, desig- produtos que contenham formu- vula existente na cabeça do
ners e profissionais que decidem lações sensíveis, principalmente tubo. O mecanismo dispensa o
ou influenciam decisões. Na ten- voltados para cuidados com e produto e, automaticamente,
tativa de formar e redefinir o va- bloqueia o orifício, prote-
lor das capacidades da empresa gendo-o contra o risco de
para engajar novos mercados e degradação prolongada,
clientes procurou-se “olhar os já que não há retorno de
materiais a partir da perspectiva ar para o interior do
dos designers”. tubo. A novidade está dis-
Em resposta à queixa relativa- ponível no diâmetro
mente recorrente dos profissio- 25mm, e sua capacidade
nais de criação sobre a escassez de envase é de 15ml a
de materiais disponíveis para au- 50ml.
xiliá-los no processo de desenvol- (11) 4273-4700
vimento, o Innnovation Lab – “fá- www.alcan.com.br
cil de navegar e altamente visu- Liberdade de design
al”, nas palavras do palestrante
Funcionalidade versus pessoal. Uma das novidades ficou
– descreve, por exemplo, os atri-
estética foi a proposta por conta dos efeitos de decora-
butos dos materiais em lingua-
da DuPont no evento, ção obtidos por meio da tecnolo-
gem simples, não técnica. Apre-
com foco no desenvolvi- gia DuPont Thick Wall Bottle
senta 28 aplicações relevantes
mento de material cien- (TWB). Resultado de um progra-
com links de rede para informa-
tífico para embalagens ma de co-desenvolvimento entre
ções adicionais e vídeo clips de
de cosméticos e higiene a DuPont e a Cheun Kyung of
designers falando sobre produ-
South Korea, a tecnologia Thick
tos e embalagens inovadoras.
Wall Bottle permite empregar a
Em materiais, White fez dois
resina Surlyn em mono ou multi-
destaques. O primeiro foi para o
camadas e com outros materiais,
já conhecido Glass Polymer,
como polipropileno, polietileno ou
nome comercial de diversas resi-
EVOH. Esta técnica proporciona
nas plásticas de copoliésteres
mais liberdade de design, permi-
que resultam em material tão
tindo alcançar efeitos visuais dife-
transparente quanto o vidro. O
renciados nos recipientes.
outro foi para o Tenite aromati-
(11) 4166-8542
zado (ver pg 26), apresentado
www.dupont.com.br
na Luxepack. Na opinião do apre-
sentador, esses dois materiais
dão nova dimensão à embalagem
de luxo e sintetizam o espírito da Na esteira da onda verde-amarela
seção Inspiração do site, um
apelo aos designers: “Mudem Maior empresa de cartonagem a trajetória de valorização do
sua percepção hoje; façam dife- do Brasil, a Greco Prete exibiu conceito “o Brasil está na
rente amanhã”. Em outras pala- em seu estande estojos finos moda”, a embalagem interna
vras, uma recomendação para em papelão Paraná, ou pardo, foi fabricada em verde e no for -
que continuem a devanear – com caixas micro-onduladas, sacolas mato de berço, capaz de prote -
os pés no chão. e uma série de embalagens ger a embalagem de vidro tan -
personalizadas. O destaque fi - to na parte superior como na
cou por conta da embalagem inferior.

Papéis com apelo fabricada para o perfume Linda


Mulher (O Boticário). Seguindo
(11) 6239-1222
www.embalagensgreco.ind.br
A ArjoWiggins, do segmento de
papéis finos, apresentou como
novidades os papéis Cool Fire,
cujo apelo diferenciado é a alte-
Amostra interativa de acabamentos
ração da cor em função de um A Congraf Indústria Gráfica, que perfumes. Para isso, lançou na
toque por meio dos dedos ou vem dando firmes passos para feira seu Catálogo Especial.
pelo fato de estar acondiciona- fincar pé na indústria farmacêu - Além de apresentar o fluxo de
do em ambiente de temperatu- tica, utilizou sua participação na trabalho dentro da empresa e
ra mais alta. Os flocos verme- Luxe Pack Brasil como instru- os equipamentos de que está
lhos existentes no papel desa- mento de dotada, a peça é
parecem por alguns instantes. consolida - impressa com a
Mostrou também o Wet Artc, ção da ima- aplicação de varia-
que proporciona a sensação de gem de for- dos recursos espe-
estar molhado, não só pelo necedora ciais de acabamen -
visual, mas pela baixa rigidez. de cartu - to, constituindo-se
Já o Linear é caracterizado por chos de pa - numa amostra in -
linhas impressas muito finas. pel cartão terativa.
(11) 4028-9654 para cos- (11) 5563-3466
www.arjowiggins.com.br méticos e www.congraf.com.br

40 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


Termoencolhíveis na crista da onda
Não há quem não tenha ouvido falar No Brasil, o número de fornecedores nos Estados Unidos que alavanca-
das imensas oportunidades de negó- desses rótulos que se contraem sob ram suas vendas com adoção de ró-
cios com rótulos termoencolhíveis. calor pulou de dois para mais de uma tulos termoencolhíveis – ou shrink
Multiplicam-se nas prateleiras dos dezena em pouco mais de dois anos, sleeve labels, como se diz por lá.
supermercados os produtos que re- e espera-se, ainda para 2005, a en- Esses e outros cases – não apenas
correm a esse tipo de decoração trada de novos – e portentosos – pla- de rotulagem, vale frisar – poderão
para tentar atrair o consumidor. Con- yers nesse mercado para brigar por ser vistos na feira de negócios Pack
seqüentemente, é cada vez maior o projetos igualmente grandes em de- Expo Las Vegas, a ocorrer entre os
número de convertedores de rótulos senvolvimento nas pranchetas dos dias 26 e 28 de setembro próximo. O
auto-adesivos que estudam entrar end-users. evento é organizado pelo PMMI –
nesse barco, movimentando, assim, Por isso, EMBALAGEMMARCA resolveu Packaging Machinery Manufacturers
a indústria de insumos e equipamen- focar esta seção com cases interna- Institute, entidade que congrega os
tos (veja cobertura do Label Summit cionais de embalagens justamente fabricantes americanos de equipa-
Latin America 2005 na página 70). em dois produtos comercializados mentos para embalagens.

Linguagem fashion
A Synergy Body Care, empre- encolhimento necessário de-
sa fabricante de produtos de mandou também um trabalho
cuidados pessoais, optou por de compensação de tons e de
rótulos termoencolhíveis para distorção do desenho por par-
decorar a sua nova linha te da Ameri-Seal, fornecedora
Swanky Girl (Garota na Moda, dos rótulos.
numa tradução aproximada) A parceria entre cliente e for-
de hidratantes, gel de banhos necedor se estende para a
e cremes bronzeadores. A aplicação dos rótulos, feita on-
idéia era pegar carona no con- site pela própria Ameri-Seal.
ceito de vanguarda do produ- Segundo Brooke Hansen,
to. A impressão em rotogravu- CEO da Synergy, isso gerou
ra com oito cores foi feita so- grandes economias em tempo,
bre um substrato de PET-G equipamentos e estoque.
com coeficiente de encolhi- “Além disso, a embalagem fi-
mento entre 75% e 80%, apro- nal foi um grande sucesso, ge-
priado para amoldar-se perfei- rando uma impressionante ele-
tamente às garrafas quadra- vação de 50% nas vendas da
das com gargalo estreito que empresa”, ela informa.
compõem a linha. O drástico www.ameri-seal.com

Tecnologia garante magia negra


A Penzoil-Quaker State Oil preto e o prata. Além disso, uma estrutura de filme –
deu nova roupagem à sua os frascos dos produtos hoje patenteada pela Pen-
linha automotiva Black Ma- destinados à limpeza e à zoil-Quaker – foi desenvol-
gic, apostando no visual conservação de veículos vida exclusivamente para
premium criado pela com- contam com a praticidade garantir a perfeita acomo-
binação de cores de im- de um gatilho aplicador. dação do rótulo na emba-
pacto. As embalagens em Esse último detalhe levou lagem após o encolhimen-
PET, com capacidade para o fabricante a investir na to. Esse trabalho foi reali-
473ml e 680ml, foram reco- ergonomia do frasco, o zado pela SleeveCo, em-
FOTOS: DIVULGAÇÃO

bertas por um rótulo im- que resultou em grandes presa convertedora dos ró-
presso em rotogravura com desafios no projeto do ró- tulos, em conjunto com a
oito cores, onde predomi- tulo. Além da já tradicional agência de design WBK.
nam o vermelho vibrante, o compensação do desenho, www.sleeveco.com

42 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


evento >>> fce pharma e fce cosmetique

Aquecimento conjunto
Desempenhos das feiras FCE Pharma e FCE Cosmetique acompanham
as boas situações dos mercados de medicamentos e de cosméticos
Por Leandro Haberli
ompletando dez anos no ra da Indústria Farmacêutica. “O rea- Diante desse cenário, os eventos,

C Brasil em 2005, as feiras de


negócios FCE Pharma e
FCE Cosmetique, organiza-
das paralelamente desde o início, deixa-
quecimento da economia acabou im-
pulsionando as vendas de medicamen-
tos”, explica Ciro Mortella, presidente
da entidade.
organizados pela VNU Business Media
Brasil, bisaram neste ano um caráter já
exaltado em suas edições do ano passa-
do: a de acontecimentos especializados
ram evidente nas suas mais recentes e técnicos, que congregam os forma-
edições, ocorridas entre os dias 17 a dores de opinião dos elos dessas ca-
19 de maio no Transamérica Expo deias produtivas e efetivamente fun-
Center, em São Paulo, a boa situação cionam como plataformas para a in-
vivida por seus mercados-alvo. Na trodução de novas tendências e de
área de cosméticos, brindada por novidades tecnológicas. “São even-
consideráveis crescimentos do mer- tos ideais para lançar novos concei-
cado doméstico nos últimos anos, tos, familiarizar-se com as tendên-
discorrer sobre seu estado de euforia cias de mercado e marcar presença
soaria repetitivo. Entretanto, a edição entre clientes e amigos”, reforça
deste ano desses eventos conjuntos Ulisses Sabará, diretor da Beraca Sa-
ganhou força pelo momento do setor bará, fornecedora de embalagens na
farmacêutico, que após seis anos área de cosméticos. EMBALAGEM-
consecutivos de queda no consumo MARCA reporta, a seguir, novidades
de seus produtos no país, registrou em embalagens conferidas por sua
um bom 2004, com aumento de reportagem nessas duas feiras co-
10,3% em volume de vendas em re- merciais, que juntas reuniram mais
lação a 2003, de acordo com dados de 450 expositores e foram visitadas
da Febrafarma – Federação Brasilei- por mais de 17 000 pessoas.

União em prol da beleza destaca frascos roll-on e frasnagas


Dividindo o mesmo espaço de ex- novidades conjuntas resultantes grande variedade de aplicações:
posição e sob a chancela Alcan da incorporação de seus portfó- as frasnagas da família Tottle po-
Packaging Beauty, a TPI Molplas- lios ao da gigante canadense. dem ser usadas para acondicio-
tic e a Cebal Brasil, empresas re - Uma delas foi a linha de frascos nar diversos itens de higiene e
centemente adquiridas pela divi - transparentes com aplicadores beleza, e são indicadas para ser
são de embalagens da Alcan, roll-on indicada para lip-gloss e levadas em nécessaires e kits de
apresentaram ao mercado de sombra cremosa. Segundo a viagem.
cosméticos e produtos de beleza área de marketing da empresa, a (11) 5541-8990
embalagem tem paredes de es- www.alcan.com.br
pessura elevada, e pode ser usa-
da para acondicionar linha solar,
itens de skin care e maquiagem
em pó. Já a família Tottle, outro
lançamento da Alcan Packaging
Beauty na feira, é formada pelas
chamadas frasnagas, embala -
gens plásticas cujas pequenas
capacidades (30ml) se prestam à

44 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


Frascos miniaturizados, coqueluche em alta perfumaria?
A subsidiária brasileira da multina- difundidos no Brasil, na Europa os outros mercados além do cosmé-
cional ítalo-americana Emsar, es- frascos miniaturizados consti - tico, como o de produtos automo-
pecializada em atuadores, válvu- tuem uma clara tendência no mer- tivos e limpeza doméstica. “Em
las e dispensers em geral, apre- cado de perfumaria.” Também fo- vez de acionar o atuador, basta
sentou três novidades na feira. A cada em acondicionamentos com apertar a própria embalagem
primeira foi a válvula Elegance, menores capacidades, a Emsar para se obter uma espuma subs-
que, importada da Itália, destina- trouxe a seu estande amostras do tanciosa”, descreve Wagner
se ao segmento de alta perfuma- Mini Mist. Trata-se de uma emba- Saes.
ria. Segundo Wagner lagem completa voltada a amos- (11) 4195-5566
Saes, gerente comercial tragem de perfumaria. É feita de www.emsargroup.com
da Emsar Brasil, o produ- polietileno (PE), e comporta ape-
to é mais baixo que os con- nas 3ml. “O Mini Mist também é
correntes: tem altura de importado, mas pretendemos na-
11mm contra entre cionalizar sua produção”, revela o
14mm e 15mm de outras gerente da Emsar. O último lança-
válvulas com o mesmo po- mento da empresa foi o espuma-
sicionamento de mercado. dor por compressão EcoSqueeze.
“A idéia é direcioná-la a Projetada para acondicionamen-
projetos envolvendo fras- tos do tipo squeezable, essa válvu-
cos menores, de 30ml até la representa uma nova forma de
100ml”, ele explica. “Em- transformar líquidos em espuma,
bora ainda estejam poucos favorecendo sua aplicação em
Valor em tampas e estojos iridescentes
Dentro da sua linha de fecha- marketing da empresa. Ain-
mentos para perfumes e es- da na área de maquiagem,
tojos para maquiagem, a In- outra novidade levada pela
com Packing aproveitou a fei- Incom à feira foi o estojo Lu-
ra para mostrar alguns lan- mini, indicado para todos os
çamentos. O mais recente é tipos de compactação, inclu-
o estojo para maquiagem sive trio de sombras. Já na
Luna, disponível nas versões área de tampas para perfu-
de pó compacto, duo de me a Incom aproveitou o
sombras e blush e unitária. evento para reforçar a divul-
Espaços reduzidos
Com formas circulares, esta gação de duas novidades, com alta definição
última traz novidades em ter- ambas feitas com a resina Interessada em expandir o forneci-
mos de pigmentação. O esto- Surlyn, “matéria-prima de mento de impressoras de identifica-
jo é produzido com efeito iri- alta qualidade, que permite ção de produtos com a chamada sim-
descente, cujo brilho é mais grande variação de cores e bologia em espaço reduzido (RSS, na
aparente na tampa do produ- transparências”, lembra Ca- sigla em inglês), concebida para per-
to. “A idéia foi dar um toque çador. Foram as tampas So- mitir que a indústria farmacêutica
ainda maior de requinte ao phia e a Claire (no detalhe). possa fazer marcação individual de
produto”, define Daniella (11) 4173-9921 cada unidade de medicamento, a Ze-
Corrêa Caçador, da área de www.incom.com.br bra Technologies participou do evento
expondo a impressora térmica
TLP3842. Segundo a empresa, o
equipamento combina o suporte à
simbologia RSS com impressão em
alta resolução, “gerando códigos de
barra, logotipos, gráficos e textos de
forma clara e precisa”. A empresa
também destacou suas impressoras
portáteis com suporte à tecnologia
por rádio-freqüência. Tal linha com-
põe a série QL, criada com exclusivi-
dade para a indústria farmacêutica.
(11) 3857-1466
www.zebra.com

Tubos extrudados, nova aposta da Embale


Conhecida por fabricar define como mais ágeis jeção. “Elas podem ser
bisnagas plásticas pelo para atender clientes decoradas com aplica -
processo de sopro e in - que precisam de peque - ções de hot stamping, e
jeção, a Embale , de Join - nas tiragens, serão impressas em off-set
ville (SC), anunciou du - mantidos. Mas, segun - (até seis cores) ou silk-
rante a feira a compra do André Rossi, da área screen”, diz Rossi. As
de uma extrusora que comercial, além de au - tampas são de fabrica -
lhe permitiu ampliar a mentar a capacidade ção própria, e as bisna -
capacidade produtiva produtiva, o investimen - gas, que podem ser for -
desse tipo de embala - to na tecnologia de ex - necidas com fundo aber -
gem para 2 milhões de trusão permite obter to ou fechado, são mo -
unidades por mês. Os bisnagas com melhor nocamada.
processos de sopro e in - acabamento em relação (47) 439-5454
jeção, que a empresa às feitas por sopro e in - embale@terra.com.br

46 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


Contornos mais definidos, ângulos mais retos
A catarinense Inplavel apresentou duas peças. As possibilidades de
ao mercado de cosméticos uma efeitos visuais são variadas. “Po-
nova linha de frascos de polietileno demos fazê-las com efeito translú-
de alta densidade (PEAD) voltada cido, misturando pigmentos opa-
ao acondicionamento de produtos cos, ou ainda granulados que si-
como xampus, condicionadores, mulam o brilho da purpurina.” As
cremes de tratamento corporal e tampas também podem receber
hidratantes. Em relação a outros detalhes em hot-stamping, aplica-
frascos da empresa, a nova famí- da por uma parceira da Inplavel, a
lia de embalagens tem linhas de Daelco, de Joinville (SC). Tal deco-
contorno mais definidas, formando ração é 1mm acima da base da
paredes com ângulos mais retos. tampa. Essa peculiaridade é bra-
“Essa é uma tendência em frascos dada como um diferencial competi-
plásticos, pois permite ampliar a tivo. “A maior parte das empresas
área de decoração”, diz Carlos Ta- aplica o hot stamping exatamente
vares, da área de desenvolvimento na base da tampa, mas percebe-
de produto. De encaixe, formando mos que, quando colocado 1mm
o que o profissional descreve acima, o processo de decoração é
como sistema auto-lacrável, “que sensivelmente otimizado”, conclui
dificulta a abertura após o enva- Carlos Tavares.
se”, as tampas da nova linha são (47) 439-5454
feitas de polipropileno (PP) em www.inplavel.com.br
Para blisters com alta barreira
Com forte atuação no merca- Pentapharm, composta por
do global de laminados rígidos diferentes tipos de filmes la-
de PVC, a Klöckner Penta- minados (PVC, PVC/PVdC,
plast mostrou sua gama de fil- PVC/PE/PVdC e Aclar). Ou-
mes aplicáveis em blisters de tra marca voltada à área far-
embalagens farmacêuticas. macêutica é a Pentamed, de
Para medicamentos mais sen- filmes para embalagem de
síveis, que requerem barreira produtos para diagnóstico e
a umidade, raios ultra-violeta dispositivos médicos.
e gases, a empresa destacou (11) 4613-9999
as possibilidades da família www.kpfilms.com

Facilitando o transporte
e a estocagem nos
picos de demanda
Na área logística, a Rentank , fabri -
cante de contentores de aço utiliza -
dos no mercado de cosméticos duran - Válvulas versáteis em aplicação e tamanhos
te os processos de fabricação, trans- Produzindo 4 milhões de vál- das a cosméticos mais visco-
porte e armazenagem, apresentou vulas pump por mês, o Grupo sos, incluindo géis de fixação
duas novidades. Com formato cilíndri- Aerogas lançou na feira dois e silicones para cabelo”,
co e fundo estampado dotado de vál- novos modelos desse tipo de acrescenta Selma Morais, do
vula de escoamento, o MiniTank acessório de embalagem. O departamento comercial da
RGBD tem capacidade de 1000 litros primeiro é disponibilizado na empresa. Também forte em
e bag interno de polietileno ou nylon - medida de 15mm, e pode ser válvulas para aerossóis, o
poli que elimina a necessidade de la - aplicado às embalagens por Grupo Aerogas aproveitou o
vagem. O outro lançamento foi o Mi - recrave ou rosca. Com diâ- evento para divulgar suas no-
niTank Cind 40, que também tem ca - metro maior, de 20mm, o ou- vas instalações para prepara-
pacidade de 100 litros, porém foi de - tro lançamento em válvulas ção de cosméticos. Atuando
senvolvido com formato cúbico. Se- pump do Grupo Aerogas é fi- nesse setor há mais de trinta
gundo Kleber Ludovico, gerente co - xado apenas por recrave. Fei- anos, a empresa quer acen-
mercial da Rentank, os dois produ - tas de polipropileno (PP), as tuar a oferta de serviços de
tos, que podem ser comprados ou duas novidades podem ser terceirização de formulação e
alugados por períodos determinados, fornecidas em cores varia- manipulação de produtos de
eliminam perdas e otimizam o espaço das, e são voltadas principal- beleza.
disponível nos caminhões em proces - mente para perfumes. “Mas (11) 3601-1314
sos de transporte. “Além disso, esse também podem ser adapta- www.aerogas.com.br
tipo de embalagem permite estoca -
gem provisória, preparando as em -
presas do setor de cosmético para o
aumento da demanda que normal -
mente ocorre em datas especiais
como o Dia das Mães”, conclui Ludo -
vico. Entre os usuários dos contento -
res da Rentank há empresas como
Avon, O Boticário, Unilever e Natura.
(11) 4138-9268
www.rentank.com.br

48 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


Portáteis mono ou multicamadas Lista dos laureados
Sugerindo uma revolução no é dotado de frente ampla, Em sua 9ª edição, o Prêmio Excelência
mercado brasileiro de bisna- com laterais estreitas, de Farma 2005, promovido pela FCE em
gas plásticas, a C-Pack apre- modo a oferecer maior área conjunto com a Febrafarma – Federação
sentou na feira seu Slim Tube. de decoração e mais possibili- Brasileira da Indústria Farmacêutica,
Com formato compacto, por- dades de impressão. Extruda- teve sua cerimônia de entrega realizada
tátil e anatômico, o produto do em mono ou multicama- em 17 de maio, após o encerramento do
foi desenvolvido para ser leva- das, o produto pode ser ofere- primeiro dia da feira. Criado em 1997
do em bolsas femininas ou cido com recursos para emba- como forma de reconhecer os fornece-
outros compartimentos que lagens translúcidas ou pig- dores da indústria farmacêutica, o prê-
mio é dividido em quatro segmentos, e
não disponham de muito espa- mentadas, tampas alinhadas
ocorreu no restaurante do pavilhão Tran-
ço, como porta-luvas de veícu- à superfície frontal, hot stam-
samérica, onde foi feita a 10ª edição da
los. Segundo a empresa, tra- ping com posicionamento por
FCE Pharma. Abaixo, EMBALAGEMMARCA
ta-se da primeira embalagem câmera, entre outros deta-
destaca os vencedores das catorze cate-
posicionada nessa categoria lhes de acabamento.
gorias que compuseram o segmento Ma-
produzida no Brasil. Apesar (11) 5562-8671
teriais de Embalagem:
da compactação, o Slim Tube www.c-pack.com.br
• Ampolas/Frascos para parenterais:
Schott Brasil
• Cartuchos
Mácron Indústria Gráfica
• Bulas
Laramara Associação Brasileira
Assistência ao Deficiente Visual
• Rótulos
Prodesmaq
• Caixas de papelão
Fábrica de Papel e Papelão
Nossa Senhora da Penha
Encapsuladora fácil de operar
• Frascos plásticos
Na parte de equipamentos, a no estande da empresa. De Allplas Embalagens
unidade brasileira da alemã acordo com o diretor comer-
• Tampas plásticas
Bosch, focada no fornecimen- cial da Bosch, Kurt Stefan
Védat
to de encartuchadoras e en- Klaiber, a principal caracterís-
capsuladoras para toda a tica desses equipamentos é a • Frascos de vidro
América Latina, aproveitou o facilidade de operação. O novo Wheaton
evento para divulgar a aquisi- modelo de encapsuladora • Bisnagas de alumínio
ção da Sigpack, que marca traz, por exemplo, controle CBE Bandeirantes de Embalagens
sua estratégia de expansão com tela touchscreen conten- • Laminados de plástico
global no mercado de embala- do mensagens em português. (PVC, PVDC, etc)
gem. Entre os lançamentos, a “Como fabricante de máqui- Plastwal
empresa apresentou sua nova nas, observamos que o papel
• Laminados de alumínio
encapsuladora modelo GKF fiscalizador da Agência Nacio-
Alcan Embalagens do Brasil
700 BR. Montado no Brasil, o nal de Vigilância Sanitária (An-
equipamento tem entre seus visa) tem favorecido o cresci- • Laminados de papel/poliéster
destaques a velocidade de mento da demanda por equi- Bafema
produção, que atinge até pamentos mais modernos • Tampas de borracha/
42 000 cápsulas por hora. entre os laboratórios de medi- selos de alumínio
Uma balança para checagem camento”, observou o diretor Farmacap
dinâmica de peso dos cartu- comercial da empresa. • Melhor desenvolvimento
chos, fabricada pela Ishida, do (11) 4191-6800 de embalagem “Child-proof”
Japão, também foi destacada www.boschpackaging.com Védat

junho 2005 <<< EmbalagemMarca <<< 49


conveniência >>> alimentos

Separação na hora certa


Com divisórias removíveis, embalagem de refeições executivas facilita consumo
ncurtar as distâncias que sepa- pelo projeto criaram um berço de poliesti-

E ram empresários e agências


de design envolvidas, entre
outros projetos, na criação de
marcas e embalagens. Essa é uma das pro-
reno (PS). A grande novidade da embala-
gem, porém, fica por conta de um pecu-
liar sistema de divisória que, além de se-
parar os alimentos, faz as vezes de carrier.
postas do Centro de Design Paraná, entidade Funciona assim porque as divisórias, ao
com menos de dez anos de existência que tem contrário do que normalmente ocorre em
mostrado fôlego na organização de atividades embalagens de alimentos prontos e semi-
de apoio a empresas interessadas no desen- prontos, são independentes do berço plásti-
volvimento de novos produtos. co, formando peças separadas. Estão ligadas,
Uma das boas idéias desenvolvidas por porém, a uma alça de mão, também feita de
profissionais assistidos por tal iniciativa foi a PS, que entra numa fenda da tampa. Dessa
Executive Box, embalagem criada para faci- forma, quando a tampa é retirada pelo consu-
litar o transporte e o consumo de refeições midor, as divisórias, que já impediram a inde-
vendidas em serviços de entrega (“deli- sejável miscelânea da comida durante o saco-
very”). O projeto foi um dos destaques do lejar do transporte, saem junto, facilitando ta-
programa Criação Paraná, que recentemente SEM MISTURA – refas tão triviais quanto o corte de um bife.
promoveu em um shopping de Curitiba uma Durante o transporte, Lacres adesivos e dobras nas paredes laterais
exposição aberta ao público, com 41 novos divisórias fazem seu de papelão evitam a separação da tampa do
papel. Na hora do
desenvolvimentos em embalagem e design corpo da embalagem quando esta é carregada
consumo, saem junto
gráfico e estrutural. com a tampa pela alça plástica.
“A vantagem está na possibilidade de o
Divisórias com carrier acoplado consumidor fazer a refeição sem as inconve-
Criada pela empresa Ecofábrica Design Ver- Centro de Design Paraná nientes divisórias”, definem os profissionais
de, a Executive Box é feita de papelão ondu- (41) 3018-7332 da Ecofábrica Design Verde. A Executive Box
lado não impermeabilizado, e conta com es- www.centrodedesign.org.br está em fase de testes, e os fornecedores dos
paço próprio para disposição de talheres. A Ecofábrica Design Verde materiais de embalagem ainda não foram de-
fim de evitar infiltração de gordura e outros (41) 3029-3207 finidos. Em breve, porém, o sistema deverá
www.ecofabrica.com.br
líquidos provenientes dos alimentos estar em uso no mercado curitibano por um
no material celulósico não tra- dos clientes da empresa, a Lanchonetes Enge-
tado, os responsáveis nheiro dos Sanduíches.

O
ÇÃ
GA
UL
: DIV
S
EN
AG
IM

PASSO-A-PASSO –
Para abrir a embala-
gem, basta retirar os
lacres adesivos (fig.1),
levantar as duas abas
maiores da tampa
(fig.2) e retirar a
tampa puxando a alça
UNIDAS – Feitas de PS, para cima (fig.3)
alça e divisórias formam
única peça, que entra
numa fenda da tampa

52 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


evento >>> interpack 2005

Gigante conti
Alta dos negócios internacionais e crescime
para visitação e internacionalização recordes
Por Guilherme Kamio, enviado a Düsseldorf

olta e meia atribui-se ao negócio de embala-

V gens a condição de termômetro da atividade


econômica em geral, num enlace de fatores tão
reto e direto que, em algumas utilizações, soa
ao simplismo, ao açodamento ou à escora num lugar-co-
mum. Essa relação, contudo, esteou a maioria das análises
sobre o desempenho sem precedentes da edição de 2005
da Interpack, feira trienal de negócios em embalagens
aberta neste ano entre os dias 21 e 27 de abril em Düssel-
dorf, Alemanha. Para a organizadora do evento, a Messe
Düsseldorf, idem para diversos especialistas ouvidos, os
recordes de número de expositores – 2 668, de 57 nações,
espalhados numa área de 164 000 metros quadrados – e de
público, com 176 000 visitantes, 55% deles originários de
106 diferentes países, espelham o cenário atual, de rela-
ções comerciais globalizadas como nunca e de economias
emergentes com seus mercados internos em ebulição, ca-
sos da China, da Índia, dos atores do Leste Europeu e, em
escalas mais discretas, dos países sul-americanos também.
Como pedra de toque dessas interpretações, um recen-
te anúncio de instituições européias de estudos econômi-
cos era sempre lembrado: a indústria de embalagens gerou
no ano passado o maior valor em volume de produção glo-
bal já registrado, de cerca de 400 bilhões de euros – algo
próximo a 515 bilhões de dólares e a 1,2 trilhão de reais.
“O momento econômico positivo contribuiu para que
mais de dois terços dos visitantes do show fossem de efe-
tivos tomadores de decisão, e dos mais variados pontos do

54 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


nua a crescer
nto de economias emergentes contribuem
da edição de 2005 da feira alemã Interpack

globo”, comenta Wilhelm Niedergöker, diretor adminis-


trativo da Messe Düsseldorf. De fato, os dezoito pavilhões
da Interpack 2005 formavam uma babel, e o potencial do
evento não passou em brancas nuvens para empresas bra-
sileiras de embalagens. Cerca de vinte
delas, da área de plásticos, lotaram um
Os números da estande do programa setorial Export
Interpack 2005 Plastic. Outras empreenderam vôos
solo. A Abre – Associação Brasileira de
7 dias Embalagem também representou a
18 pavilhões cadeia nacional do packaging com um
estande no principal afluente da feira.
2 668 expositores Quanto a tendências e novas tecno-
logias em embalagem, a Interpack deste
164 000 m2 de área
ano reservou dois salões, os Innovation-
176 000 visitantes parcs, para soluções em identificação
por radiofreqüência (RFID) e para os
bioplásticos, base de produtos compostáveis ou de rápida
degradação. Em doses regulares, EMBALAGEMMARCA tra-
rá nas próximas edições as novidades apresentadas em
máquinas durante o evento – modelos capazes de, por
exemplo, encher mais de 70 000 garrafas numa hora, for-
mar 1 200 blisters por minuto e com mecanismos de setup
rápidos e amigáveis como nunca se viu. Nas páginas a se-
FERVURA – Entre os guir, mostramos novos conceitos em embalagem e siste-
destaques da feira, mas que atraíram a atenção da reportagem lá presente. Aos
96 800 visitantes
estrangeiros, máquinas leitores, bom apetite – ou melhor, guten apetit, como
velozes e bioplásticos dizem os alemães.
FOTOS: DIVULGAÇÃO
Um misto de tubo e de garrafa para bebidas
A suíça Aisapack apresentou em seu estande o resulta- consumo em movimento.” A Aisapack também apresen-
do de uma parceria fechada com a finlandesa Huhtama- tou sua nova linha Lamex de tubos laminados embarca-
ki: o Cyclero, um inovador recipiente para bebidas. Tra- dos com Bacomex – tecnologia que soluciona a permea-
ta-se de um tubo laminado de alta barreira, com estrutu- bilidade dos ombros, ponto fraco dos tubos quanto ao
ra de polietileno e foil de alumínio, afixado a um ombro, provimento de propriedades de barreira, por meio da
tampa e base de plástico rígido. Esse híbrido entre tubo construção dessas peças numa estrutura multicamadas,
e garrafa suporta envase asséptico e pode rodar em li- com o EVOH como agente isolante. “A novidade é volta -
nhas standard de enchi- da a cosméticos , cre -
mento de garrafas de mes farmacêuticos e
PET. “A idéia do desenvol- outros produtos visco -
vimento do Cyclero foi sos que valorizam a con-
combinar os principais veniência do tubo, mas
pontos fortes das outras precisam d e prote -
embalagens de bebidas çã o que , num mesmo
numa só”, comenta Jean- grau, somente o vidro e
Luc Luisier, da área de metais poderiam ofere-
marketing da Aisapack. cer até agora”, diz Lui-
“Cremos que o Cyclero sier, destacando ainda o
tem apelo para quaisquer fato de os tubos Lamex
tipos de bebidas, mas es- poderem ser decorados
pecialmente para as ‘new em toda a sua circunfe-
age’, como energéticos, rência, pois eles não
isotônicos e outras bebi- possuem a costura (sol-
das funcionais. É uma da) lateral típica dos tu-
embalagem adequada ao bos laminados.

Fitilho abre, adesivo fecha


Uma solução criativa para ( v e j a o i n f o g r á f i c o a b a i x o ). “É
embalagens plásticas flexí - o fim das facas e tesouras
veis, especificamente para para abrir e dos clipes e pre -
aquelas de alimentos consu - gadores para fechar as
midos em frações, foi mos - embalagens”, diz Claudio Rai -
trada na Interpack pela fabri - mondo, gerente de marke -
cante italiana de máquinas ting da Ilapak. O sistema
Ilapak. O Strip-it conjuga um Strip-it pode ser aplicado a
sistema de fácil abertura, na embalagens de diversos for -
forma de uma aba que acio - matos, como flow packs, pil -
na um fitilho, a um sistema low packs, pouches quatro
que permite tornar a fechar soldas e saquinhos block bot -
a embalagem. Logo abaixo da tom. Elas são produzidas já
tira de abertura há uma ou - com o acessório na máquina
tra que, retirada, revela uma form-fill-seal vertical Vega -
faixa adesiva. Enrolando-se o tronic 2000.
topo da embalagem para bai - www.ilapak.com
xo, a embalagem se fecha No Brasil: (11) 5103-0863
FOTO: ANDRÉ GODOY - STUDIO AG

56 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


Aerossol híbrido,
um sorriso ao design
Um novo conceito em quanto o núcleo de aço é
embalagem para aeros- responsável pelo meca-
sóis foi destacado pela nismo propelente. “A par-
Corus Packaging Group te externa plástica pro-
na feira. A novidade aten- porciona uma liberdade
de pelo nome The Buzz de design inimaginável e,
(algo como “O Zumbido” nesse sentido, uma am-
na tradução para o por- pla gama de perfis, mate-
tuguês) e separa as duas riais, cores e decorações
funções básicas de um está disponível para criar
aerossol, o armazena - visuais únicos, garantin-
mento do produto e o do diferenciação nas gôn-
mecanismo spray. Expli- dolas e uma experiência
ca-se. Um reservatório única para o consumi-
plástico na parte externa dor”, alardeia Roger
retém o conteúdo, sem Steens, gerente de mar-
pressurização, e possibili- keting da Corus Packa-
ta diversos trabalhos de ging Group.
design de formato, en- www.corusgroup.com

Lata inteligente
coordena a mistura
De olho no crescente estanques os ingredien-
mercado de bebidas sau- tes especiais. Quando o
dáveis e com proprieda- consumidor abre a lata, a
des funcionais, a Ball Pa- queda de pressão aciona
ckaging Europe apresen- o mecanismo de abertura
tou na Interpack 2005 a da caixinha plástica, o
Fresh Can, uma nova lata que promove a dissolução
inteligente. Ela é capaz de das substâncias tônicas
manter vitaminas, sais na bebida. “Produtos que
minerais e outros suple- até hoje o consumidor só
mentos nutricionais sem podia consumir nas for-
contato com o líquido mas de tabletes ou de
acondicionado até o mo- pós agora também po-
mento de sua abertura, dem ser vendidos como
uma vez que se sabe que bebidas”, ilustra Sylvia
substâncias nutritivas, Blömker, relações-públi-
como certas vitaminas, cas da Ball. O comparti-
perdem sua eficácia após mento plástico fica livre,
curto período em solu- flutuando entre a bebida,
ções aquosas. O pulo-do- e é fornecido separada-
gato da Fresh Can é a mente da lata, para não
presença, em seu inte- complicar a logística de
rior, de um compartimen- entrega.
to plástico que mantém www.ball-europe.com

58 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


“Bottle in the bottle”
e nova rolha sintética
O conceito “bottle in the bottle” de emba -
lagens para cosméticos e medicamen -
tos, desenvolvido pela transformadora
alemã Gaplast, foi vedete do estande da
DuPont. Consiste num exoesqueleto de
PET ou de outro termoplástico com uma
bolsa em seu interior fabricada com a re -
sina ionomérica Surlyn, da DuPont, para
armazenamento do produto. Uma válvula
especial operada sem ar garante o isola-
mento total do conteúdo, que, sem con-
tato com o ambiente, não se contamina
por germes – dispensando-se, assim, o
uso pesado de conservantes no produto.
Esse mecanismo foi patenteado pela Du-
Pont sob o nome AirLEssMOTION. Se-
gundo Horst Ulrich Reimer, relações-pú-
blicas da DuPont na Alemanha, “os pro-
d utores de embalagens beneficiam-se
com um alto grau de liberdade de design
do estojo externo e, se ele e a bolsa de
Surlyn forem transparentes, ganha-se
uma apresentação de alto apelo estético,
na qual o conteúdo parece flutuar”. A Du -
Pont também destacou uma rolha sinté-
tica desenvolvida pela cliente austríaca
Anton Volpini De Maestri Packaging. Lan-
çada com a marca Vinotop, o fechamen-
to possui núcleo expandido em Elvax, co-
polímero de etileno e acetato de vinila
(EVA) especial da DuPont, e uma ca -
mada externa em elastômero. “É um
produto certificado para
contato com bebidas
pelo FDA americano e
que não interfere no
buquê do vinho”, as-
segura Reimer.
www.dupont.com
No Brasil: 0800 1717 15
Multifoliadas cada vez mais versáteis
Com negócios focados no ramo de vedação de um modo suave e sem cker, gerente de vendas da Weide-
latas cartonadas multifoliadas, a deixar arestas afiadas como nunca nhammer. Outra menina dos olhos
alemã Weidenhammer comemorava se viu” (imagem 1). Entre itens re- da companhia é o barril cartonado
na Interpack 50 anos de atividades. cém-lançados no mercado europeu que acaba de estrear no mercado
Em sintonia com o jubileu, a compa- com suas embalagens, a Weide- europeu acondicionando o vinho Me-
nhia lançou uma nova linha de latas, nhammer destacou um novo café dinet, da vinícola alemã Langgut Er-
a EvoCan. Fruto de três anos de em almofadas da holandesa Ahold, ben (imagem 3). Ele visa brigar com
testes e um investimento de 2,5 mi- o Zingles, mirado no público single os bag-in-boxes de formato cúbico
lhões de euros, sua principal melho- (imagem 2). “O selo de vedação des- e, da mesma forma que eles, tam-
ria diz respeito ao mecanismo de sa lata possui uma válvula de senti- bém apresenta um bag de alta bar-
selagem, que, diz a companhia, do único, para permitir a ‘respira- reira em seu interior.
“proporciona a retirada do selo de ção’ do café”, ressalta Ulrike Be- www.weidenhammer.de

1 2 3

Alternativa às sport caps Carnes com MAP e sequinhas


Dentro da tendência de tras tampas esportivas, Multinacional finlandesa barreira garantidas por
lançamento de bebidas pois possui um septo in- com negócios em emba- uma laminação de polie-
para o consumo on-the- terno que controla a saí- lagens plásticas em di - tileno e EVOH, a Top
go (fora dos lares), a pro- da da água durante o versos países, a Huhta- Tray M+ também apre-
dutora de fechamentos consumo e um bocal hi- maki lançou na feira uma senta uma estrutura de
Seaquist Closures exibiu giênico, protegido por nova opção dentro de células abertas que faz
na Interpack o caso da uma sobretampa”, divul- sua linha Top Tray de todos os sucos da carne
nova água mineral Levis- ga Helena Sigler, do mar- bandejas de EPS (polies- e o sangue serem absor-
sima Issima, da Nestlé, keting da Seaquist na tireno expandido) para vidos pela própria bande-
que acaba de ser lançada França. “Aliada à garrafa carnes, aves e peixes ja, dispensando assim o
na Itália com sua tampa de PET, em forma de can- frescos, a Top Tray M+. uso adicional de absor-
SimpliDrink. Do tipo flip til e decorada com rótulo A nova bandeja foi dese- ventes.
top, e capaz de ser acio- termoencolhível, a Simpli- nhada especialmente www.huhtamaki.com
nada com apenas uma Drink constrói uma emba- para o trabalho com at-
das mãos, essa tampa lagem de água perfeita mosfera modifica-
visa competir com as para o público jovem e da (MAP),
tampas do tipo sport para as crianças”. tecnologia
cap. “Ela é uma alternati- www.seaquistclosures.com que estende
va vantajosa frente às ou- No Brasil: (11) 4141-2626 a shelf life dos
produtos in
natura, pre-
serva suas
característi -
cas naturais e
elimina uso de con-
servantes e aditivos.
Com propriedades de
A primeira garrafa originada do milho
Produtos destacados no estande da SIG Cor- De acordo com a SIG, a produção de recipien-
poplast, as novas garrafas plásticas da água tes para bebidas com a resina PLA não difere
mineral americana Biota são as primeiras significativamente da baseada em PET, garan-
compostáveis no mundo – submetidas ao ca- tindo até velocidades similares. Todavia, ela é
lor, à umidade e a microorganismos, as emba- restrita ao atendimento de bebidas não-gaso-
lagens decompõem-se em água, dióxido de sas, uma vez que o bioplástico não garante
carbono e material orgânico. O atributo ecolo- barreira. Por isso, crê a SIG, o PLA tende a
gicamente amigável é mérito da matéria-pri- concorrer com o polipropileno. Em tempo: o
ma utilizada, o bioplástico ácido poliláctico Na- nome Biota é sigla para Blame It On The Alti-
tureWorks PLA, da Cargill Dow, obtido a par- tude (“culpe a altitude”, numa tradução livre
tir do milho. Três diferentes pré-formas, para do inglês), expressão popular no Estado ame-
a produção das quatro garrafas componentes ricano do Colorado, local da fonte da água, a
da família Biota, são injetadas em uma esta- 9 010 metros acima do nível do mar.
ção da Husky e depois sopradas numa sopra- www.sigcorpoplast.com
dora Blomax 10 Series III, da SIG Corpoplast. www.natureworksllc.com

Colagem, o trunfo das novas bandejas para congelados


Membro do grupo finlandês de celu- ce melhor adesão entre a camada
lose e papéis UPM-Kymenne dedica- de barreira e o cartão, além de a
do à laminação e revestimento de cola tolerar melhor o aquecimento”,
materiais, a Walki Wisa demons- diz Stefan Erdmann, da área de ven-
trou na feira uma nova linha de ban- das técnicas e P&D da unidade ale-
dejas para refeições prontas conge- mã da Walki Wisa. “Vale também
ladas. Produzidas com diferentes ti- ressaltar que, diante da exigência
pos de papel cartão e uma camada de flexibilidade no fornecimento, a
de barreira de poliéster resistente colagem habilita produções em me-
ao calor, as embalagens WalkiTray nores volumes que o revestimento
são fornecidas prontas para irem do por extrusão.” Outro chamariz para
freezer ao forno, seja o convencional o produto na Europa: como levam
ou o de microondas, e podem levar menos de 5% de plástico em sua
metalização, dando crocância às re- composição, as bandejas WalkiTray
feições. “O filme de poliéster é apli- são classificadas como de um único
cado ao cartão numa laminação material, amortizando as chamadas
com cola em vez do tradicional re- “taxas verdes”.
vestimento por extrusão. Isso ofere- w3.walkiwisa.upm-kymmene.com

Alimentos no rastro do RFID


Tradicional provedora de soluções Label. Antenas embutidas nas má-
em processamento, fatiamento e quinas de embalagem gravam, en-
acondicionamento de carnes e ali- tão, os dados requeridos nas eti-
mentos frescos em geral, a Conve- quetas, garantindo rastreamento
nient Food Systems (CFS) apresen- individual das embalagens. A CFS
tou na feira alemã soluções auto- informa dispor de uma série de
matizadas e totalmente integra- aplicações para o casamento de
das para implemento de RFID em suas soluções RFID com os mais
seus sistemas de embalagem. A diversos sistemas de ERP utiliza-
aplicação das etiquetas RFID dos pelas indústrias.
(transponders) nas embalagens www.cfs.com
fica a cargo das rotuladoras Tiro- No Brasil: (19) 3707-5400

62 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


Pílulas seguras e sachê conveniente
Referência na área te e então girar a parte superior da da para crianças”, argumenta a
de embalagens plásti- embalagem – “tarefa fácil para adul- RPC. Já na seara das flexíveis, por
cas na Europa, o grupo tos e para idosos, porém complica- meio da controlada Cobelplast, a
1 RPC mostrou na Interpack algumas RPC realçou o novo sachê Squeez-
recentes inovações de suas empre- Me!, recém-adotado pela Heinz em
sas controladas. Na área farma- 2 seus ketchups e molhos especiais
cêutica, o destaque ficou por conta no mercado belga (imagem 2). Com
do Safe T Pac, estojo em polipropi- uma estrutura co-extrudada de alta
leno para fármacos vendidos em barreira em poliestireno/EVOH/po-
blisters, que traz um mecanismo de lietileno o sachê oferece uma aba
segurança contra o manejo por que, ao ser torcida e retirada, pro-
crianças (imagem 1). Para acessar vê ao consumidor um mecanismo
as pílulas, o consumidor deve pres- de fácil abertura.
sionar duas travas simultaneamen- www.rpc-group.com

Uma sacaria mais verde Pré-feitos com sliders


Como “alternativa ecoló- duas vezes, revertendo As embalagens FlexZiBox fo-
gica e tecnicamente van- num elevado grau de re- ram as estrelas da multinacio-
tajosa” aos sacos para sistência à tensão. As re- nal alemã da área de filmes
itens hortifrutícolas fabri- des Double-Twist podem técnicos Nordenia em Düs-
cados com redes e ráfia ser fornecidas em bobi- seldorf. São pouches com
sintéticas, detentores de nas, permitindo o enchi- formato do tipo quatro sol-
95% do mercado mun- mento de sacos em má- das com zíperes do tipo sli -
dial, a austríaca Verpa- quinas automáticas, e, der embutidos em sua
ckungs Zentrum exibiu segundo a VPZ, sem o fronte, e não no topo –
sua tecnologia de produ- risco de “perdas de pon- construção que, segundo
ção de sacaria Double- to” como acontece com a companhia, elimina ris-
Twist com têxteis basea- os sintéticos – o que re- cos de avarias no aces-
dos em matérias-primas sulta em buracos por sório durante processos
naturais e renováveis – onde o produto acondicio- logísticos das embala-
tais como celulose, linho, nado pode escapar. Os gens já enchidas. Os
algodão e até cânhamo sacos ecológicos podem pouches FlexZiBox são
(maconha). Nessa tecno- ser usados repetidas ve- fornecidos pré-fabrica -
logia, os filamentos são zes e são compostáveis. dos em estruturas que
enrolados uns aos outros www.vpz.at variam de acordo com os
requisitos do produto, trazem
uma membrana selada no verso
do zíper para evitar contaminações e
podem ainda acoplar uma alça para transporte em
seu topo. A Nordenia aposta no potencial da solu -
ção para o acondicionamento de cosméticos, ali-
mentos secos e cereais, produtos de jardinagem e,
principalmente, de pet food. “Já existe alta deman-
da dessa área e esperamos alto consumo em par-
ticular no Leste Europeu, onde embalagens pre-
made são novidades de mercado”, conta Sabine
Scheele, da área de marketing da Nordenia. Segun -
do ela, a FlexZiBox agora está sendo introduzida
nos Estados Unidos, onde a Nordenia possui uma
planta industrial.
www.nordenia.com

64 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


Num só aperto, duas espumas distintas à mão
Apresentado como o primeiro mecanismo para for - chamento é, portanto, indicado para produtos forma -
mação de espuma com câmara dupla no mundo, o d o s p or d o i s c o m p o n e n t e s q u e d e v e m
Dual Foamer foi destaque no estande da holandesa permanecer separados até o momen -
Airspray em Düsseldorf. Duas pequenas válvulas to do uso. “São os casos de novos
pump espuma ntes são ativadas por um único aciona - cosméticos antiacne e anti-sinais,
dor, dispensando quantidades iguais de dois compo - de loções bronzeadoras e de medi -
nentes numa vazão total de 0,8ml por ataque. O fe - camentos, inclusive veterinários”,
comenta Norbert de Jong, gerente
de marketing e vendas da Airs -
pray. Recentemente, o Dual Foa -
mer g anhou sua primeira utilização
comercial na Europa. Trata-se de
um produto para desinfecção hos -
pitalar, da inglesa Tristel, baseado
n o d i ó x i d o d e c l o r o ( à dir. ) . “ P a r a
máxima eficácia contra bactérias e
vírus, o dióxido de cloro é gerado
i m e d i a t a m e n t e a n t e s do u s o a t r a -
vés da mistura de dois componen -
tes químicos”, explica de Jong.
www.airspray.net

Rótulos inovadores, longe de serem commodities


O estande do braço europeu da fabri- em 12 cores por meio de duas cen- na traseira.” Outro pioneirismo exibi-
cante japonesa de impressoras Ko- trais, gerando rótulos termoencolhí- do foi o rótulo wrap-around com jane-
Pack atraiu grande público ao pavi- veis impressos em seis cores em la utilizado pela Pepsi na Polônia
lhão 8 da feira com as demonstra- cada uma de suas faces numa só (imagem 2). Com duas camadas de
ções da Euroflex 400 UV Film Press, passagem (imagem 1). “A 400 UV filme, impressas em ambas as fa-
flexográfica de banda estreita lança- permite outras configurações para ces, o rótulo apresenta em seu ver-
da para a conversão de rótulos ter- impressão nas duas faces da web”, so cupons destacáveis, com cortes
moencolhíveis, wrap-around e con- salienta Anna Lovelock, gerente de feitos em linha na 400 UV. “É um
vencionais produzidos em filmes de marketing da Ko-Pack. “Exemplos: produto especial para promoções e
PET-G (PET aditivado com glicol), dez cores, imprimindo-se oito na face que estimula a separação do rótulo
PVC e poliestireno orientado (OPS). e duas no verso; oito cores, com da garrafa, ajudando o processo de
Durante o evento, a máquina encon- seis na face e duas no verso; e seis reciclagem”, diz Anna.
trava-se configurada para impressão cores, sendo quatro na face e duas www.ko-pack.co.uk

1 2
FOTOS: ANDRÉ GODOY - STUDIO AG

66 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


In-mold enobrece aerossóis
Em seu estande, a ho - tográficas de alta reso -
landesa Ten Cate Plasti - lução, hologramas, me -
cum destacou tampas talizações, detalhes que
plásticas injetadas para brilham no escuro e re -
aerossóis ornadas com levo. Tudo isso sem fa -
rótulos in-mold. A idéia lar em tintas especiais
da companhia é propor - que promovem texturas
cionar às indústrias suaves ou um melhor
embalagens com vi - grip ( a g a r r a m e n t o ) d a
suais de impacto nos peça”, detalha Jeroen
pontos-de-venda atra - Jonker, diretor da Ten
vés da integração da Cate Plasticum. “Quere -
decoração litográfica mos mostrar que o in-
do corpo das latas com mold não é uma tecno -
os gráficos estampados logia restrita a potes e
nas tampas. “A criação tampas de potes e mó -
de produtos com identi - veis, e é um meio eco -
dades únicas é facilita - nômico de se obter uma
da pela possibilidade de tamp a customizada,
aplicação de diversos pois prescinde de cus -
efeitos no rótulo in- tos em ferramental.”
mold, como imagens fo - www.tcplasticum.com

Zíperes de última geração Ideais para iguarias


Companhia inglesa que cas flexíveis na Europa, Pontuado por grande ao mesmo tempo apelo
brande a liderança no a Supreme Plastics re - competitividade, o mer- premium, a estrutura
fornecimento de zíperes velou na Interpack cado europeu de choco - dessas embalagens
para embalagens plásti - 2005 a Keyseal Advan - lates e confeitos nobres combina polipropileno
ce, nova geração de zí - é o principal alvo da ale- orientado (OPP) com pa -
peres para pouches. De mã Reuther Verpac - pel como camada exter-
acordo com a fabrican - kung. A companhia divul- na. “É possível obter ja-
te, a nova linha garante gou na Interpack o seu nelas com desenhos úni-
alta performance na se - produto de força para in- cos e reforçar a sofisti -
lagem e eficácia produ - dústrias dessa área, sa- cação da embalagem
tiva em máquinas form- quinhos do tipo block com vernizes brilhantes
fill-seal e de conversão bottom fornecidos pré- ou foscos, metalizações,
de pouches. A série formados com uma jane- relevo e hot stamping”,
compreende zíperes es - la para visualização do anuncia Bernard Reu -
pecialmente desenvolvi - conteúdo. Para garantir ther, presidente da for-
dos para pouches de proteção ao produto e necedora.
produtos refrigerados e
congelados ( na foto ) e
um novo zíper retorta -
ble, para pouches de
alimentos úmidos, que
suporta processamento
sob temperaturas de
até 129º C por 45 mi -
nutos.
www.supremeplastics.com

68 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


Internacional e seletivo
Encontro reúne a nata da cadeia de rotulagem do Brasil e de outros países
os dias 17 e 18 de maio, São Paulo

N recebeu importante evento interna-


cional ligado à cadeia de rotulagem.
Trata-se do Latin American Label
Summit 2005 (Cúpula Latino-Americana de
Etiquetas), que juntou no hotel WTC Gran
Meliá uma mistura de seminário e feira.
Durante os dois dias, palestrantes falaram
para uma platéia seleta sobre temas que varia-
vam de tendências em rotulagem a inovações
técnicas. Paralelamente, cerca de cinqüenta
empresas ocuparam mesas para mostrar novi-
dades e para reforçar sua presença na região. o brasileiro. Foi o caso da RotoMetrics, como
Entre palestrantes, expositores e visitantes, explica o responsável pela área de vendas in-
quase 580 profissionais estiveram reunidos ternacionais da empresa, Walmir Rocha. “O
para discutir os possíveis caminhos da indús- evento superou as nossas expectativas e refle-
tria de rótulos e etiquetas na América Latina. tiu com clareza as excelentes oportunidades na
Dadas as limitações de espaço, nem todos América Latina, bem como a determinação e o
os expositores puderam levar seus produtos. talento dos empresários da região”. Paulo Ruf-
Não foi possível ver máquinas em funciona- fini, da Stork Prints, também enxergou no La-
mento, por exemplo. Mas a possibilidade de bel Summit uma ocasião para conhecer mais a
estar frente a frente com clientes em potencial
animou os expositores. Aproveitando o vácuo
“O público do Label Summit foi muito se- O Label Summit Latin Ameri- sas patrocinadoras, o semi-
lecionado”, explica Eduardo Xavier Pinto, ge- ca teve no dia 16 de maio úl- nário ofereceu profusos da-
rente de vendas da Comprint. “Estavam pre- timo, em São Paulo, uma es- dos técnicos sobre as espe-
sentes lá quase todos os principais convertedo- pécie de complemento – por cialidades de cada uma e
res de rótulos do Brasil, o que foi ótimo do antecipação – num evento di- orientações para obter os
ponto de vista de relacionamentos.” Fabio rigido à cadeia de convertedo- melhores resultados indus-
Braga, gerente de marketing da Braga Produ- res organizado por três triais e mercadológicos de
tos Adesivos, concorda. “A feira foi pequena, importantes empresas do seu uso.
mas muito focada nos convertedores”, ele diz. setor: Ahlstrom (liners para A rigor, a ação de oportuni-
“Fizemos bons contatos, sobretudo com pes- auto-adesivos), BASF (adesi- dade baseou-se, declarada-
soas vindas de outros países latino-america- vos) e Wacker Silicones. mente, num dado que endos-
nos.” A presença internacional foi celebrada Aproveitando o interesse des- sa a informação de que não
também por Carlos Chahestian, gerente de pertado pelo Label Summit, só o mercado mundial para
produto da Heidelberg. “A vinda de muitos es- as três empresas uniram es- auto-adesivos está aumentan-
trangeiros mostra a importância desse evento, forços para promover, no Ho- do, mas também de que isso
que foi um ponto de encontro de grandes em- tel Blue Tree Towers Morum- ocorre de forma especial na
presas interessadas em novidades e na movi- bi, um seminário de um dia América Latina, onde os nú-
mentação do mercado”, analisa. de duração sobre laminados meros anuais de expansão
Internacional também era o perfil dos pa- sensíveis à pressão, ao qual poderão atingir dois dígitos.
compareceram mais de 100 Outra tendência que estaria
lestrantes e dos expositores – o que fez do in-
representantes de empresas se consolidando, pelo que se
glês e do espanhol idiomas quase tão ouvidos
do setor. Resumidamente, pôde depreender do evento,
durante os dois dias quanto o português. Mui-
além de rápidas apresenta- é a da mudança da base-sol-
tas empresas vieram de fora para estudar me-
ções dos perfis das empre- vente parta solvent-free.
lhor o mercado latino-americano e, sobretudo,
70 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005
fundo as necessidades dos clientes da América
Latina. Ruffini avalia que a Cúpula de Etique-
tas “foi uma oportunidade interessante para
discutir e entender melhor as questões, as ten-
dências e as tecnologias que afetam o conver-
tedor da região”.
Contatos. Essa parece ter sido a chave para
as boas impressões deixadas pelo Label Sum-
mit. Rocha, que está baseado na RotoMetrics
dos Estados Unidos, conta que o encontro teve
ainda a função de colocá-lo em contato com
clientes que ele só conhecia por telefone. Mi-
guel Troccoli, da PTC, foi outro que usou a
ocasião para “se apresentar”. Conhecido no
meio, onde atua há vários anos, ele assumiu re-
centemente a representação da Mark Andy no
Brasil, fato que pôde comunicar formalmente
durante os dois dias do evento.
Oportunidade semelhante teve a Gafor,
empresa que distribui os substratos para auto-
adesivos da italiana Arconvert. De acordo com
a gerente de negócios da empresa, Roselene
Martins, “o Label Summit foi muito positivo,
pois pudemos mostrar que a Arconvert está de
volta ao mercado brasileiro, com estoque local
e pronta entrega”.

Prévia da Labelexpo
Pelo lado dos convertedores, o balanço tam-
bém foi positivo. Na avaliação de Alexandre
Chatziefstratiou, diretor industrial da Prakolar,
“foi excelente”. Sempre atento às novidades
disponíveis para o setor, Chatziefstratiou clas-
sificou o evento como uma prévia da Labelex-
po que ocorre em setembro em Bruxelas, na
Bélgica (ver quadro na página 70). “Pudemos
estar em contato com alguns dos principais
fornecedores mundiais da cadeia de rótulos, o
que constituiu uma ótima oportunidade para

BOM PÚBLICO – Na exposição, profissionais qualificados


esclarecer dúvidas técnicas, observar tendên- PROMISSOR – Mercado de rótulos
termoencolhíveis tem atraído a atenção de
cias e estreitar relacionamentos”, opina.
analistas, convertedores e empresas usuárias
Daniel Arippol, diretor de marketing e pla-
nejamento estratégico da Novelprint, corrobo-
ra a opinião de Chatziefstratiou. “O Label
Summit foi muito bom para nos mantermos
atualizados com as tecnologias mais recentes
disponíveis para a nossa indústria.”
Baseado em opiniões semelhantes emitidas
por outros convertedores, John Wurzburger,
vice-presidente e gerente geral de materiais e
produtos do escritório da América do Sul da
Avery Dennison, principal patrocinadora do
evento, acredita que “a Cúpula demonstrou ter
sido de grande valor para a indústria”, e diz na possibilidade de boas margens nesse seg-
que “a Avery Dennison continuará a apoiar mento. As pessoas que assistiram as palestras
eventos de atualização para os profissionais da do Label Summit saíram de lá com a impressão
indústria de conversão de etiquetas”. de que não se pode ficar fora desse mercado.
Atenta ao que ocorria não apenas no even- Quem observou na prática esse movimento
to, mas também às conversas de bastidores, a foi Carlos Rosa, diretor da Gesmat, represen-
equipe de EMBALAGEMMARCA presente ao tante da Karlville (fornecedora de equipamen-
evento identificou algumas tendências centrais tos voltados para esse segmento) no Brasil.
do mercado de rótulos. Como os principais “Após o evento, aumentaram as consultas por
produtos e tecnologias apresentados durante o parte de interessados em iniciar no mercado de
Label Summit já haviam sido mostrados nas termoencolhíveis”, ele revelou.
duas edições anteriores da revista, a análise Mas quem está de olho em oportunidades
que se faz nestas páginas restringe-se a essas nessa área deve ter uma precaução, sublinhada
movimentações de mercado. por quase todos os palestrantes que abordaram
o assunto: como em todo mercado competiti-
Para evitar “micos” vo, a entrada de muitos concorrentes acaba por
Refletindo o que se observa no dia-a-dia do reduzir margens. Assim, há que se estudar com
mercado, os rótulos termo-contráteis tiveram cuidado o melhor posicionamento, de forma
especial destaque no evento. Não são poucos que os investimentos não se tornem “micos”.
os convertedores que antes se dedicavam ape- Convém lembrar, ainda, que um dos gran-
nas à produção de rótulos auto-adesivos e hoje des entraves ao deslanche do mercado de rótu-
se voltam para os termo-encolhíveis, de olho los termoencolhíveis no Brasil é a reduzida

Fora do Brasil, para reduzir custos


Dos materiais usados para a con- bam por depender de fornece- mento dos clientes brasileiros da
fecção de rótulos termoencolhí- dores externos para o fornecimen- empresa, explicou que, em linhas
veis no Brasil, o PVC é o mais to de filmes. As duas opções mais gerais, a idéia era reduzir custos.
usual. E, das duas tecnologias de recorrentes são os filmes vindos “Nosso foco são convertedores
produção de filmes desse material da Ásia e os fornecidos pela com equipamentos de impressão
– plana e balão –, apenas a segun- Klöckner-Pentaplast, empresa que de alta produtividade e tecnologia,
da existe por aqui. Grosso modo, recentemente desmontou sua es- onde as diferenças entre o filme
a diferença entre as tecnologias é trutura de comercialização de fil- plano e o filme balão ficam mais
um filme mais homogêneo gerado mes no Brasil, passando a aten- evidentes”, ele diz. “No Brasil, ain-
pelo processo plano, o que teori- der o mercado latino-americano di- da se contam nos dedos as em-
camente resulta em qualidade de retamente dos Estados Unidos. presas desse porte, e por isso de-
impressão superior. Questionado pela reportagem de cidimos atendê-los diretamente,
Convertedores posicionados para EMBALAGEMMARCA sobre o porquê com estratégias individuais, elimi-
atender clientes com nível de dessa decisão, Daniel Stagnaro, nando as despesas com o atendi-
exigência elevado, portanto, aca- responsável nos EUA pelo atendi- mento local.”

72 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


gama de opções de filmes produzidos com alta
tecnologia (ver quadro na página 73), cujo su- Label Latinoamerica
primento se dá pela via das importações. De 28 de junho a 1º de julho ocorre no
Expomart, em São Paulo, a feira Label
Consolidação de convertedores Latinoamerica. Em sua segunda edição,
De um lado, clientes globais e de grande porte. reúne fornecedores da indústria de rótu-
Do outro, fornecedores globais e de grande los e etiquetas, e abrange desde insu-
porte. No meio, inúmeros convertedores com- mos até equipamentos. Mais informa-
petindo num mercado fragmentado. Essa reali- ções em www.labellatinoameri-
dade, que vigora no mundo inteiro, pode estar
com os dias contados, pelo que se pôde extrair entra mês, sai mês, e os “próximos meses”
das palestras proferidas no Label Summit. continuam lá. Na verdade, parece haver mais
Uma onda de consolidações, fusões e aqui- expectativa e vontade de que as coisas aconte-
sições se anuncia, e tentáculos de empresas es- çam do que fatos concretos.
trangeiras podem chegar em breve ao mercado Para analistas, a implantação generalizada
latino-americano. Alianças estratégicas na for- de etiquetas inteligentes no Brasil não se con-
ma da Label Alliance, da qual fazem parte a solidaria pela mesma razão por que ainda não
brasileira Baumgarten, a mexicana Flexo Print grassou em países de economia mais avançada,
e a chilena Toprint (ver EMBALAGEMMARCA nº com mercados maiores: o alto custo dos chips.
ETERNA PROMESSA – 60) são uma saída alternativa. Isso torna inexeqüível a demanda – e conse-
Apesar das previsões,
RFID como coisa Essa consolidação, na visão de analistas de qüentemente a oferta – de altos volumes.
corriqueira ainda deve mercado, é inevitável. Seria uma maneira de Em suma, a potencial generalização de uso
levar algum tempo elevar o poder de barganha do elo intermediá- do RFID empaca no quebra-cabeças baixa de-
rio da cadeia, hoje cada vez mais pressionado manda/baixa oferta/altos custos. Assim, gran-
a reduzir custos sem comprometer a qualidade. des players mundiais do lado da oferta estariam
se retirando da arena, depois de não verem re-
RFID sim, mas quando? torno para elevados investimentos feitos. A
Outro assunto que tem movimentado debates meio caminho, muitos se deram conta de que
na cadeia de rotulagem é a sempre iminente in- será preciso aplicar sempre mais em tecnologia
vasão da tecnologia RFID (Radio Frequency dispendiosa, de modo a poder oferecer solu-
Identification). De acordo com as previsões ções completas, integradas, aos convertedores.
gerais, as etiquetas inteligentes serão uma rea- Estes, por sua vez, teriam de investir fartamen-
lidade nos próximos meses. O problema é que te – e esperar que a indústria usuária também o
fizesse – para que a alta demanda forçasse os
Labelexpo Europe preços dos chips a descer a níveis razoáveis.
A Labelexpo, que neste ano vas e com a Tristar Turismo, Na previsão de executivos de indústrias globais
acontece em Bruxelas de 21 está organizando pacotes es- do ramo, ouvidos por EMBALAGEMMARCA tam-
a 24 de setembro, mais uma peciais para visitação do bém na Fispal e na Interpack, gira em torno de
vez deve atrair um bom nú- evento. Aqueles que aderirem “cinco anos ou mais” o prazo para que o RFID
mero de brasileiros. Tida a esse grupo estarão isentos se transforme em algo corriqueiro.
como o principal evento mun- da taxa de visitação da feira, Concretizem-se ou não as previsões acima,
dial do setor, a Labelexpo é hoje de 40 euros. uma certeza resta para a próxima edição do La-
sempre palco de importantes Para mais detalhes sobre o bel Summit em solo brasileiro, em maio de
lançamentos, e constitui uma pacote, consulte 2007: a de que fornecedores e clientes mais
ótima ocasião para observar abiea@abiea.org.br - (11) uma vez estarão frente a frente discutindo o
o que de mais recente em 3284-7247, fmargoni@tris- futuro da indústria que compõem. Afinal, ao
termos de tecnologia está tarturismo.com.br - (11) que parece, todos saíram do encontro com a
disponível para a indústria de 3016-1411 ou marcos@em- sensação de dever cumprido. “Para nós, foi ex-
rótulos e etiquetas. balagemmarca.com.br (11)
celente”, sentencia Rubens Wilmers, gerente
Neste ano, EMBALAGEMMARCA, 5181-6533.
de produtos da Gutenberg. “O nível dos visi-
em conjunto com a ABIEA –
tantes foi altíssimo, e os convertedores que re-
Associação Brasileira das In-
cebemos estavam interessados em se informar
dústrias de Etiquetas Adesi-
– não havia curiosos.”
74 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005
celulósicas >>> exportação

Apresentação é o filtro
Cerâmica paulista intensifica exportações após readequar embalagens
íder do mercado nacional de filtros divulgue números a esse respeito.

L de terracota para água, com share


próximo aos 35%, a Cerâmica Sté-
fani, de Jaboticabal (SP), é mais
uma das empresas brasileiras que, nos últi-
“Como na prática do mercado nacional os
filtros sempre ficaram expostos fora das
embalagens nos pontos-de-venda, a Cerâmica
utilizava caixas de papelão ondulado pardo
mos anos, decidiram investir nas exporta- com a única preocupação de proteção do pro-
ções. Aberta em 1929, ela enxergou potencial duto no transporte”, rememora Sandro da
lá fora para seu produto de força, popularíssi- Conceição, contratado à época da reestrutura-
mo no Brasil, mas pouco conhecido em out- ção da Stéfani para o cargo de gerente de ex-
ros países. Só que o plano azedou devido às portações. “As caixas traziam pouquíssimas
embalagens dos filtros. As caixas até então informações, e somente em português, e pa-
utilizadas jogavam contra o sucesso da em- deciam de apelo vendedor, características im-
presa nos mercados externos, o que motivou portantes para desbravar praças onde os fil-
um rearranjo na indústria, elevando a emba- tros não poderiam ser expostos in natura.”
lagem a um posto estratégico. Deu certo. Pas- Um esforço de redesign das caixas foi posto
sados quase três anos desde que a ficha caiu, em prática, com o auxílio da agência de publi-
a Stéfani já penetra em 24 países e vem fatu- cidade Jonathan.com GTR, de Ribeirão Preto
rando alto com as exportações, embora não (SP). A transformação foi radical. “As caixas
FOTOS STUDIO AG – ANDRÉ GODOY

PLÁSTICA – Com infor-


mações em diversas
línguas e maior apelo
visual, novas caixas (ao
lado) facilitaram acesso
a mercados estrangeiros,
antes dificultado
pela apresentação
antiga (abaixo)

76 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


ARROJO – Novos produtos têm design da Seragini Farné

passaram a ser feitas de papelão microondu-


lado e impressas em todo o seu exterior em
off-set quatro cores”, detalha Marco de Sou-
za, gerente de vendas da Impressora Brasil,
de Jaú (SP), a fornecedora das novas embala-
gens.
Nas novas caixas, a tradicional marca São
João, controlada pela Cerâmica, perdeu lugar
para a institucionalizada Stéfani, “mais ade-
quada às exportações”, explica Conceição. Os
dizeres agora são apresentados em duas ou
em até três diferentes línguas, dependendo
dos mercados de destino. “O visual das emba-
lagens agora influencia o consumidor nas
gôndolas”, entende o profissional da Stéfani,
destacando que, empilhadas, as caixas for-
mam um wall display (imagem em composi-
ção). Com os bons resultados, a Stéfani inves-
tiu também em modernização das embalagens
dos acessórios dos filtros. Para os lançamen-
tos das linhas de filtros mais recentes, a em-
presa contratou os serviços da agência Seragi-
ni Farné tanto para a criação das formas dos
produtos quanto para o design de suas emba-
lagens. “Agora, queremos promover gradati-
vamente a permanência de todas as novas cai-
xas, que nos propiciaram grande crescimento
de vendas lá fora, também no mercado nacio-
nal”, adianta Conceição.

Impressora Brasil Seragini Farné


(14) 3621-2233 (11) 3021-6500
www.impressorabrasil.com.br www.seraginifarne.com

Jonathan.com GTR
(16) 623-2333
jonathan@jonathan.com.br
CONGRAF

78
CONGRAF

79
evento >>> fispal

A culpa foi dos céus


Feriado de Corpus Christi e chuvas prejudicam Fispal Tecnologia 2005

um momento de expectativa de de negócios da Fispal Tecnologia 2005, que,

N avanço do PIB e da mais do


que confirmada retomada dos
índices de consumo, seria pre-
sumível que a Fispal Tecnologia, hoje a
oficialmente, contou com a visita de 58 314
profissionais, contra mais de 71 mil na
edição do ano anterior.
“Seja com a apresentação de embalagens
principal referência latino-americana em inovadoras ou através da mostra de tecnolo-
embalagens, equipamentos e serviços para a gias de última geração utilizadas na cadeia
indústria alimentícia, gerasse alto retorno produtiva, o evento deve ter movimentado ne-
para as empresas que nela investiram em espa- gócios da ordem de 4 bilhões de reais”, calcu-
ços. Por diferentes fatores, parece não ter sido lou Ricardo Santos Neto, chairman da Fispal,
assim na 21ª edição da feira, realizada entre 23 revelando assim outro ponto desfavorável em
e 26 de maio último, no Pavilhão de relação à feira de 2004, que movimentou ale-
Exposições do Anhembi, em São Paulo. gados 4,8 bilhões de reais.
Um dos motivos por trás do desempenho É imaginável que isso tenha tisnado um pouco
aquém das expectativas foi evidente, e não in- a alegria antecipada dos organizadores com a
terferiu apenas no andamento da Fispal: uma evolução do número de expositores, de 1 764
chuva, como há muito não se via, que caiu so- em 2004 para 1 887 agora, apesar de alguns te-
bre São Paulo entre o segundo e terceiro dia rem cancelado os contratos, ao terem se dado
do evento, fzendo transbordar rios, quase pa- conta da sobreposição do evento com as véspe-
ralisando a cidade e praticamente impedindo o ras e o dia de feriado longo. A insatisfação dos
acesso ao Anhembi. Com isso, no terceiro dia que não se aperceberam da coincidência mate-
do evento, uma quarta-feira, expositores e vi- rializou-se, entre outras indagações, num ques-
sitantes, mesmo os hospedados em hotéis pró- tionamento já ouvido em edições anteriores da
ximos, tiveram grande dificuldade para che- Fispal, sobre sua periodicidade anual, que seria
gar à exposição, minguando o movimento nos muito curta, e na pertinência de concentração
corredores. das verbas de marketing em eventos.
Por outro lado, o fato de a feira ter sido reali- De qualquer forma, a variedade de novidades
zada na semana em que foram celebradas as apresentadas na Fispal 2005 também não de-
festividades de Corpus Christi não foi assimi- cepcionou, como pode ser visto abaixo e nas
lado por muitos expositores. Para esses, ao páginas a seguir, em que são mostrados os lan-
lado da chuva, a data escolhida, com o último çamentos que a equipe de EMBALAGEMMARCA,
dia do evento caindo numa quinta-feira de fe- cujo trabalho também foi prejudicado pela
riado, comprometeu a capacidade de geração chuva, conseguiu apurar.

Mais uma estréia em RFID


A RR Etiquetas divulgou o início e antenas ativadas por ondas de
de sua estratégia com a tecnolo- rádio ou ondas eletromagnéti-
gia de identificação por rádio fre - cas. “A RFID tem sido usada
qüência (RFID, na sigla em in- com o principal objetivo de redu-
glês). A empresa organizou apre- zir a quantidade de mão-de-obra
sentações sobre as vantagens e melhorar a exatidão dos da-
do sistema, que, coqueluche na dos”, resume a empresa.
seara de rotulagem, utiliza mi- www.rretiquetas.com.br
crochips inseridos nas etiquetas (11) 6525-9000

80 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


Contêiner de papelão
ondulado: opção à madeira
Focada na produção de papéis, chapas e embala-
gens de papelão ondulado, a Irani apresentou seu
sistema de acondicionamento e estocagem pró-
prio para estratégias de exportação. Chamado de
Hard System, o produto é feito de papelão de
três ondas, composição co-
nhecida entre os profissio-
nais do setor como ACA.
“Essa tripla estrutura con-
fere alta resistência mecâ-
nica, permitindo substituir
com vantagens materiais
como plástico e madeira”,
diz Mauro Sales, gerente
comercial, afirmando que
há cada vez mais preocu-
pações a embalagens de ma-
deira utilizadas em produtos
exportados para a Europa. Isso ocorreria devido
a preocupações ambientais e higiênicas, já que o
material favorece a procriação de fungos quando
exposto a ambientes úmidos. “Estamos focados
no mercado de alimentos, especificamente de
carnes, onde o cliente, em vez de arcar com a lo-
gística reversa, pode vender as aparas de pape-
lão ondulado nos próprios países de destino da
mercadoria, reduzindo seus custos com embala-
gem”, argumenta o gerente comercial da Irani.
www.irani.com.br
(11) 4154-8200

HFFS com alto índice de


nacionalização
Filial nacional do grupo italiano G.D, especializa-
do na fabricação de máquinas de embalagens e
produtos descartáveis, a G.D do Brasil apresen-
tou novidades dentro da linha Volpack de envasa-
doras para stand-up pouches. Um dos destaques
foi o modelo SP 220. Segundo Dino Ricardo Fer-
reira, gerente da unidade de negócios packaging,
o equipamento, do tipo horizontal form fill seal
(HFFS), apresenta alto índice de nacionalização.
“Por este motivo é possível financiá-lo com recur -
sos do BNDES/Finame”, informa o executivo.
www.gdbr.com.br
(11) 6095-2009
Triplex da Suzano debuta em refrigerados
Apresentada no ano passado, a li- de embalagem, o portfólio da Cam-
nha TP Polar de papel cartão tri- po Verde traz opções incomuns nas
plex para embalagens de alimentos gôndolas brasileiras, como o Sala-
congelados e refrigerados voltou a da Cheese (mix de queijos para sa-
atrair atenção no estande da Suza- ladas) e a Tábua de Queijo. Segun-
no. Em parte o destaque se deveu do Marcelo Scarano, diretor da
à apresentação de cases inovado- Campo Verde, o filme termoencolhí-
res envolvendo o material, como o vel que envolve as bandejas, impor-
da linha de queijos Campo Verde, tado dos Estados Unidos e de cons- desenvolvida pela Clariant com ex-
tradicional fornecedora de queijos tituição não revelada, bem como o clusividade para a Suzano. Tal resi-
fatiados e porcionados para as acondicionamento em sistema de na não interfere na reciclabilidade
maiores redes de supermercados atmosfera modificada (ATM) garan- do material, que pode ser integral-
do país. Na Fispal a empresa mar- tem vida útil de 22 dias ao conteú- mente reaproveitado. De acordo
cou a estréia de sua marca pró- do, sete vezes mais do que as habi- com César Mendes, gerente de
pria, dirigida ao consumidor final, tuais bandejas de poliestireno ex- grupo de produto da Suzano Papel
com foco no atendimento da expec- pandido envoltas em filme de PVC e Celulose, “esse atributo é cada
tativa de conveniência. usadas nos supermercados. vez mais procurado nos mercados
Constituída de oito itens, a família é A Suzano, que até então só tinha internacionais, e está em claro
comercializada em bandejas de pa- aplicações do TP Polar em alimen- crescimento no Brasil”. Por sua
pel cartão produzidas com a linha tos congelados, buscou assim re- vez, ao destacar a estréia da Anti-
TP Polar, e impressas pela Anti- forçar o posicionamento da marca lhas na área de embalagens de pa-
lhas, com design da Projeto Inte- no setor de refrigerados, divulgan- pel cartão para alimentos, Cristina
grado. Além da inovação na parte do também as características pró- Hernandes, gerente de marketing
ambientais do produto. daquela empresa gráfica, observou
Neste aspecto, uma das que ela ocorre “de forma absoluta-
vantagens diz respeito à re- mente coerente com os padrões de
sina aplicada na parede in- respeito ambiental praticados pela
terna do cartão como for- empresa”.
ma de prover barreira con- www.antilhas.com.br
tra umidade e gordura. Em (11) 4152-1100
vez de revestimentos plas- www.clariant.com.br
tificados feitos a partir de (11) 5683-7233
polietileno (PE), o produto www.suzano.com.br
recebe uma especialidade 0800 555100

Para alimentos, pouches transparentes e esterilizáveis


Representando no Brasil a linha de Arantes, engenheira de alimento expôs em seu estande uma emba-
embalagens flexíveis da marca ita - da empresa. A alta barreira é ga- lagem de molho de tomate voltada
liana Goglio, também conhecida rantida por laminação composta ao setor de food-service.
pela produção de válvulas aromáti- de filme de poliéster e estrutura www.atlanticafoods.com.br
cas para torrefadoras de café, a coextrudada de sete camadas.“Es- (11) 4586-1226
Atlântica Internacional apresentou sas embalagens podem ser aplica- www.goglio.it
uma nova família de pouches e das para produtos esterilizáveis,
stand-up pouches esterilizáveis. pois suportam as altas condições
Batizados de Flexiglass, os produ- de temperatura e pressão das
tos são feitos de filme pasteurizá- auto-claves”, completa Juliana
vel de alta transparência. “Ao unir Arantes. A linha Flexiglass pode
transparência similar à do vidro e ser solicitada com alças de manu-
barreira característica do alumí- seio, e receber diferentes tipos de
nio, essa linha traz uma inovação impressão. Para exemplificar as
ao setor de flexíveis”, diz Juliana aplicações possíveis, a empresa

82 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


Diversidade em flexíveis
Na área de filmes, a Polo, especializada no mer -
cado de BOPP, apresentou sua linha de degrada-
ção acelerada em novas configurações, que in-
cluem o processo bolha, com espessuras varian -
do de 15 micras a 30 micras. Já utilizados na li-
nha Eco, marca de papel reciclável da família
Chamex, da International Paper, os produtos po-
dem ser fornecidos com as duas fáceis seláveis,
ou com uma delas com tratamento corona para
adesão de tintas e vernizes. Outro destaque da
Polo foi o filme monocamada Twist, que apresen-
ta propriedade de retenção de torção. A idéia,
explica Sandra Andrade, do departamento de
planejamento e marketing da Polo, é oferecê-lo a
fabricantes de caramelos e candies. “O filme
Twist tem selagem do lado interno e tratamento
do lado externo para ancoragem de tinta e ver-
nizes”, ela descreve. O último lançamento da
Polo na Fispal foi a marca Matt de filmes com
aspecto fosco em uma face e brilhante na outra.
“É uma opção para produtos mais nobres, ge-
rando interessante diferencial no aspecto visu-
al”, resume Sandra Andrade, acrescentando
que o filme Matt pode ser metalizado.
www.polofilms.com.br
(11) 3707-8270
Flexibilidade ganhando terreno
Buscando reproduzir diferen- equipamentos, permitindo ge-
tes configurações de suas plan- renciar com mais flexibilidade
tas produtivas, a Tetra Pak mudanças não previstas nas
divulgou, além de lançamentos demandas de mercado, as tec-
como as linhas Tetra Wedge nologias da multinacional sueca
Aseptic, desenvolvida para ir trazem a promessa de permitir
ao forno de microondas, e Te- a troca de volumes em embala-
tra Recart, para alimentos sóli- gens produzidas com a mesma
dos, ambos já mostrados em base ou com bases diferentes.
edições anteriores de EMBALA- “Com a plataforma TetraPak
GEMMARCA, as plataformas Te- A3/Flex respondemos às ne-
tra Pak A3/Flex e Tetra Pak cessidades do mercado ao oti-
A3 Speed, soluções para enva- mizar a capacidade de utiliza-
se em tamanhos diferentes. ção do maquinário”, resume
Desenvolvidas para aumentar o Eduardo Eisler, diretor de de-
retorno do investimento nos senvolvimento de negócios da Agito em termoencolhí-
Tetra Pak. veis e in-mold labels
Também no mercado de emba-
No mercado de termoencolhíveis, a
lagens cartonadas assépticas,
Etiam, da área de impressão, e a Narita,
a Sig Combibloc, que recente-
especializada em equipamentos de rotula-
mente anunciou novos planos
gem, se uniram e criaram a BR films, que
de investimento para aumentar
vem com a proposta de atuar em todo o
sua participação no mercado
processo produtivo dos termoencolhíveis
brasileiro, apresentou em seu
– da extrusão da matéria-prima até seu
estande uma novidade interna-
encolhimento no corpo da embalagem,
cional. Trata-se da combifitiMi-
passando pelas etapas de pré-impressão,
di de 1 litro, embalagem com
impressão e rotulagem. Para divulgar o
tampa de rosca e formato ori-
lançamento, foram distribuídas garrafas
ginal (parede frontal côncava e
promocionais com shrink labels decora-
verso convexo), que foi adotada
dos com diferentes frutas. Dessa forma,
pela fabricante de sucos pron-
a empresa deixou claro seu interesse no
tos para beber Fresh & Co, da
mercado de iogurtes líquidos.
Sérvia, e por uma marca aus-
Outras novidades em rotulagem puderam
tríaca de leites, a AlpenMilch
ser observadas no segmento de in-mold
Salzburg.
labels, no qual os rótulos são aplicados
www.sigcombibloc.biz
nos moldes de embalagens plásticas no
(11) 2107-6744
momento em que estes são soprados ou
www.tetrapak.com.br
injetados. A Pavão Indústria e Comércio
(11) 5501-3200
anunciou um novo modelo de balde provi-
do dessa decoração, com o qual espera
ampliar o portfólio de clientes na seara de
produtos químicos. Por sua vez, a Exxon-
Mobil Chemical aproveitou a feira para
anunciar sua entrada no mercado de ró-
tulos in-mold. “Nossos clientes estavam
pedindo esse tipo de solução”, diz Patrícia
M a n e l l a , r e p r e s e n t a n t e d e v e nd a s .
www.brfilms.ind.br
(11) 4352-1970
www.exxon.mobil.com
(11) 3291 8500
www.pavao.ind.br
(11) 6967-3337

84 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


Linaroll nacionalizada Codificação cede à compactação
A Krones anunciou o início da produção No ramo de marcação, novida-
local da rotuladora Linaroll G400, e já des foram apresentadas por
com um fornecimento registrado, em grandes do setor, como a Mar-
maio último. “O produto está voltado ao kem e a Imaje. Esta trouxe a
mercado de refrigerantes, mas há po- nova Série 9000 de codificado-
tencial nos setores alimentício e quími- ras a jato de tinta para peque-
co”, afirma Rogério Baldauf, diretor-co- nos caracteres. O produto
mercial da Krones do Brasil. Por trás da pesa menos de 20 quilos, ofe-
estratégia de nacionalização está o au- recendo facilidade de transpor-
mento da demanda de rotuladoras, que te. Completando sua linha de
no início de 2003 já havia levado a em- codificação, a Imaje lançou as
presa a iniciar a produção local de um Séries 2000 e 4040. A primei-
modelo específico para aplicação de se- ra atua com transferência tér-
los higiênicos em latas de bebidas. mica, e é voltada à impressão
www.krones.com.br de dados variáveis nas aplica-
(11) 4075-9500 ções de etiquetagem de emba-
lagens. Já a Série 4040 é indi-
tiva com a presença do presi-
cada para marcação personali-
dente mundial da companhia,
zada em superfícies porosas.
Jeff Miller, do gerente de ope-
“Nossa expectativa de cresci-
rações para América Latina,
mento está baseada na estra-
Eduardo Chapuis e de Ray-
tégia de atender qualquer ne-
mond Cartade, vice-presidente
cessidade das indústrias usuá-
de vendas globais. Este infor-
rias de embalagem”, diz Cláu-
mou que a empresa cresceu
dia Pereira, gerente de marke-
15% em 2004, quando o fatu-
ting da Imaje. Em 2004 a em-
ramento global excedeu a mar-
presa cresceu 17%. Os bons
ca de 300 milhões de dólares.
resultados ajudaram Georg Is-
Pesença institucional leib, diretor da Imaje Brasil, a
Cartade ainda observou que a
Markem é uma das pioneiras
No ramo de folhas de alumínio para assumir a diretoria para Améri-
na implementação de soluções
embalagens, duas grandes empresas do ca Latina da empresa.
em identificação por rádio fre-
setor, a Novelis e a Companhia Brasilei- Por sua vez, a americana Mar-
qüência, mercado no qual aca-
ra de Alumínio (CBA), marcaram presen- kem aproveitou o evento para
ba de fechar uma parceria com
ça de forma institucional na feira. Criada oficializar a abertura de um es-
a Zebra Technologies.
este ano a partir de um desmembramen- critório próprio no Brasil, onde
(11) 3305-9455
to da Alcan, a Novelis participou pela pri- atuava até então via represen-
www.imaje.com.br
meira vez da Fispal divulgando as diferen- tantes. A ação do escritório
0800 132020
tes marcas que criou para garantir a abrangerá os países da Améri-
www.markem.ind.br
procedência de seus produtos aos fabri- ca do Sul. Trabalhando com to-
cantes de embalagem. “Nossa intenção das as tecnologias de marca-
também é reforçar a imagem de nossos ção e identificação de produtos
produtos junto ao consumidor final”, (termotransferência, ink jet, la-
completa Adriana Stecca, gerente de ser e, mais recentemente,
marketing. Por sua vez, a Companhia RFID), a empresa apresentou
Brasileira de Alumínio (CBA), que está em seu estande a série
completando 50 anos, anunciou novo SmartLase 100i. O produto faz
plano de expansão, que prevê a implanta- parte de seu portfólio de solu-
ção de 164 novos fornos. Até 2007, a ções de codificação a laser,
meta é produzir 500 mil toneladas de mercado no qual afirma pos-
alumínio primário por ano, contra 240 suir a maior participação.
mil toneladas em 2000. Por ocasião do anúncio do es-
(11) 3224-7000 • www.aluminiocba.com.br critório brasileiro, a Markem
(11) 5503-0821 • www.novelis.com.br organizou uma entrevista cole-

86 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


Rápida degradação quebrando barreiras
Confiantes no crescimento da de- símbolo oficial de compostagem cria- produzida por um
manda de embalagens com caracte- do pela entidade. processo desenvolvi-
rísticas pró-ambientais, diferentes Na área de bandejas e estojos para do pela National Starch.
empresas trouxeram novidades li- lanches, carnes, ovos e outros ali- Empregada como material de
gadas a esse filão. A Innovia Films mentos perecíveis, a Spuma Pac di- proteção, a espuma é extrudada
(ex-UCB Films) destacou sua linha vulgou sua linha Biospuma, também usando como agente expansor água
NatureFlex de filmes de celofane bio- explorando a demanda por produtos em vez de produtos químicos.
degradável. A empresa espera difun- ambientalmente mais amigáveis. O www.innoviafilms.com
dir esses envoltórios no crescente material apresenta rápida degrada- (11) 5053-9945
mercado de produtos orgânicos, ção na comparação com as tradicio- www.nationalstarch.com
mas não descarta outros setores, nais bandejas de poliestireno expan- (11) 3618-3655
como confeitaria, cuidados pessoais dido. José Melnik, diretor da Spuma www.spumapac.com.br
e artigos domésticos. Registrada no Pac, explica que essas embalagens (11) 6859-6000
Instituto de Produtos Biodegradá- também utilizam poliestireno como
veis, a marca NatureFlex ostenta o matéria-prima, “porém adicionado
de aditivos que, embora mantenham
as propriedades físicas do material,
aceleram sua degradação”. Por isso
o material é chamado de “poliestire-
no oxi-biodegradável”.
Outro sistema de acondicionamento
ecologicamente amigável apresenta-
do na Fispal foi o Eco-Foam, espuma
feita de amido proveniente do milho,

Gigante em rótulos ataca de rígidas Grampos em xeque


Cerca de seis meses após a empresa estreou recente - A JHM Máquinas lançou dois modelos de
compra da PP Print, numa ne- mente uma unidade destinada seladoras de embalagens destinadas a
gociação que resultou num à produção de baldes indus- exposição em gancheiras. Ao mesmo
dos maiores fornecedores de triais injetados em PEAD e tempo em que sela, a Micromatic MH
rótulos de BOPP do Brasil, o PP. Fornecidos lisos ou seri- 300 faz o furo através do qual o gancho
Grupo Sol anunciou na Fispal grafados, com foco nos seto- deve passar. Para dispensar os grampos
avanços em outros segmen- res alimentício, químico e de metálicos usados para fixar nesse tipo de
tos do mercado de embala - cosméticos, os baldes são embalagem as estruturas de cartão co-
gens. Segundo Márcio Bac- projetados com ajuda de um nhecidas como “solapas”, a empresa
can, da área de marketing, a software de simulação de em- trouxe equipamento que a um só tempo
pilhamento e resistência a faz a selagem e a fixação da cartela. “Os
pressão. Outro setor em que grampos apresentam vários problemas”,
o Grupo Sol está investindo é entende Julio Cesar Moleti, gerente co-
o de sacaria para frutas e le- mercial da empresa. “Na indústria de
gumes. Segundo Baccan, a brinquedos, eles freqüentemente machu-
e m p r es a d e t é m a t u a l m e n t e cam as crianças. Já no setor de tempe-
80% do mercado de sacos ros e especiarias, podem cair acidental-
raschel no Brasil. “A partici - mente na comida que está sendo prepa-
pação aumentou com a com - rada.”
pra, há sete meses, da unida- www.jhm.com.br
de de sacaria da Cia. Jauen- (11) 4723-3744
se”, informa o profissional do
Grupo Sol.
www.solembalagens.com.br
(11) 4441-6800

88 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


Escala no cartucho explica a torra
Paralelamente à comemoração de 25 dando o consumidor brasileiro a en-
anos no Brasil, a Melitta está lançan- tender qual é o café mais indicado
do novos sabores de cafés – o Forte, para o seu gosto e para cada mo-
o Extra Forte e o Descafeinado Forte mento do dia”, afirma Maria Isabel
– com uma inovação de comerciali- Tarsitano, diretora de marketing da
zação entregada pelas embalagens. Melitta. Como proteção, os novos ca- Sendas ganha novo
Os cartuchos de papel cartão das fés são acondicionados a vácuo, em logotipo
novidades, produzidos pela Brasil- pouches primários da Embalagens
gráfica e com visual assinado pela Flexíveis Diadema. Com fins de atualização de imagem
Matriz Escritório de Desenho, trazem e de pontuar sua atual direção pelo
uma escala que aponta o ponto de Grupo Pão de Açúcar, a rede flumi-
torra da versão acondicionada, “aju- nense de supermercados Sendas aca-
ba de ganhar uma nova identidade
visual assinada pela M Design. O
novo logotipo, que não abre mão da
tradicional cor laranja ligada à ban-
deira, traz mais suavidade e luz no
tom, e sugere movimento através de
letras informais e mais finas. Até o
fim de julho, as 66 lojas Sendas irão
ganhar novas fachadas, acompa-
nhando a mudança.

Rótulos novos para Premiata Caixa de cartão


Os consumidores da Água instalações da empresa. O rótulo é com cartão
Mineral Premiata já notam impresso pela Gráfica Formag's em
a mudança na embalagem papel couché Lamimax, da Votoran-
acoplado
do produto. No trabalho tim. A tampa é da Jomabet. O De olho no Dia dos Namorados,
desenvolvido pela agência produto é distribuído nos a Arcor soltou uma caixa especial
Spice Design, a água ga- principais supermercados do Bombom Amor, com 14 unida-
nhou nova identidade visu- de São Paulo e do Rio des. Para valorizar seu apelo de
al e novos rótulos, com o de Janeiro e nos vôos presente, a caixa de papel cartão
objetivo de agregar valor das companhias aéreas
do produto, produzida pela Ibra-
ao produto. A garrafa é Air France e American
tec, traz um cartão destacável
de PET, soprada nas Airlines.
com mensagens românticas. As
embalagens primárias dos bom-
bons são da Converplast.
Sensação de cantina italiana
A nova linha de produtos Pre- los, desenvolvidos pela Ph2 Full
mium da Cepêra – Molhos Pron- Creativity. O layout divide-se em
tos Mamma – ganhou novos rótu- quadros que mesclam imagens de
ingredientes e pratos prontos, e o
efeito quadriculado remete às tra-
dicionais toalhas de cantinas ita-
lianas. Cada sabor do molho pos-
sui um rótulo diferente, fabricado
pela Wilgrafica. Os frascos de
vidro são fornecidos pela
Owens-Illinois, e as tampas, pela
Rojek.

90 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


Contribuir para o futuro...
fazer parte da história!
Muita criatividade! Novas parce-
rias, novos conceitos, novos pro-
dutos, novas tecnologias. Esta é
a proposta da nova equipe de
desenvolvimento de Produtos da
L'acqua di Fiori, empresa reco-
nhecida no setor de cosméticos
há 25 anos. Para isso, Embala-
gemMarca torna-se ferramenta
freqüente de consulta, uma
revista completa, de linguagem
clara e objetiva que aborda diver-
sos assuntos sobre atualidade,
tendência, história e design.
Uma revista que temos
vontade de ler e colecionar.
Anticaspa com esmero na decoração Massagem com
Rótulos auto-adesivos da Prodes- ve Anticaspa, da L´Oréal. Nas qua-
controle de fluxo
maq, feitos de filme de polietileno tro versões de xampu (cabelos se- A Weleda está investindo em novas
transparente e impressos em seri- cos, oleosos, normais a oleosos e 2 embalagens para seus óleos massa-
grafia e off-set com aplicações de em 1), as tampas e os frascos plás- geadores. Parte dos acessórios de
hot stamping prateado. Esse é o ticos são fornecidos pela Alpla. Já a acondicionamento é importada da Ale-
sistema de decoração das embala- embalagem e o fechamento do con- manha, a exemplo dos frascos e tam-
gens da recém-lançada linha Elsè- dicionador são feitos pela Igaratiba. pas, que têm dosador para regular o
fluxo do produto. Mas no óleo Rosa
Mosqueta, a embalagem de vidro ver-
de, que protege o produto da luz, é fei-
ta pela Vidraria Anchieta, com tampa
e batoque da Plásticos Bahi. Os demais
acessórios de embalagem também são
produzidos nacionalmente. Os cartu-
chos cartonados são da gráfica Escala
Sete, os rótulos da Emacon Comércio e
Distribuidora, e as bulas da Simpel In-
dústria Gráfica.

Refrescos em envelope tamanho família


A Brassuco, indústria de produtos envelopes contendo 450 gramas de
alimentícios situada em Itu (SP), está pó, quantidade suficiente para fazer
expandindo sua linha de refrescos 10 litros de refresco já adoçado.
em pó com a adição dos sabores
guaraná e mix de laranja com man-
ga. Os envelopes metalizados acon-
dicionam 30 gramas do produto e
são feitos pela Empax Embalagens a
Café gourmet a
partir de filmes de alumínio, poliéster preço competitivo
e polietileno. De olho no mercado de Depois de ter adquirido um lote de
food service, recentemente a Brassu-
grãos nobres, a marca Moka está en-
co também desenvolveu uma linha de
trando no mercado de cafés especiais.
A empresa recentemente lançou seu
Janelas e diferenciação pela cor Moka Gourmet em embalagens flexíveis
Fabricante de acessórios para áu- com gramatura de 280g/m2, os en- de 500g dotadas de válvulas aromáti-
dio, vídeo e informática, a Newness voltórios da família de cases para cas. O acondicionamento é fornecido
investiu no redesign das embala- CDs e DVDs ganharam novo layout, pela Rangel Indústria e Comércio. O
filme usado é composto de poliéster,
gens de uma de suas linhas de pro- a cargo da agência OdoisK Associa-
alumínio e polietileno. “Estamos ofere-
duto. Feitos de papel cartão duplex dos. A reformulação da identidade
cendo um produto em média 15% mais
visual privilegiou a cor das diferen-
barato que os principais concorrentes”,
tes linhas de produto como critério
afirma Jorge Mota, gerente de marke-
de organização nas pratelei- ting da Moka.
ras dos pontos-de-venda. Im-
pressas pela Regnus Indústria
Gráfica, as embalagens contam
com amplas janelas para
que o consumidor possa to-
car e enxergar os produtos.
Uma ação de “co-branding”
Ao desenvolver as embalagens do centemente lançada pela Unilever, a
Surf Toque de Fofo, a edição limitada agência Design Absoluto definiu
do sabão em pó com amaciante re- como ação de “co-branding” a unifi-
cação visual. Terminologias à parte,
ao unir os ícones de cada marca, o
layout da embalagem contribuiu com
o sucesso do produto, que no primei-
ro mês de vendas (março último) atin-
giu 3,1% de participação em um mer-
cado que movimenta 517 000 tonela-
das. Os cartuchos em que o Surf To-
que de Fofo é vendido são produzi-
dos pela Dixie Toga, com papel car-
tão da CMPC e da Klabin.

Padres estréiam em barras brancas


A linha de chocolates culinários da cargo da FutureBrand, o design da
Nestlé, cujas embalagens estam- embalagem traz os mesmos ícones
pam a clássica figura de uma dupla visuais presentes nos demais pro-
de padres experimentando o doce, dutos da linha, realçando a cor do
foi ampliada. Além do tradicional chocolate branco. Flexíveis, as
chocolate em pó solúvel e das bar- embalagens são feitas pela Conver-
ras ao leite para cobertura, a em- plast de estrutura composta por fil-
presa passou a oferecer a versão me de BOPP transparente e filme
branca da barra de chocolate. A de BOPP pérola.

Frasco mostra
rosa das mães
Numa homenagem às mães, a Uni-
lever lançou em maio o Comfort Dia
das Mães. A edição limitada do
amaciante de roupas ganhou praça
num frasco de 1,5 litro transparen-
te, para deixar à mostra a coloração
rosa do produto formulada especial-
mente para a ocasião. O frasco, em
PEAD, é produzido pela Sinimplast,
e decorado com um rótulo auto-
adesivo da Color G.
Bom trimestre...
As exportações diretas de resinas plás-
Sandretto agora é da Taylor’s HPM
ticas cresceram 17,4% no primeiro tri- Tradicional produtora de estações mas também nas de serviços de
mestre deste ano em relação ao mesmo de injeção, a Sandretto acaba de logística e de gerenciamento de
período de 2004, informa o Siresp – ser vendida pelo Grupo Cannon propriedades. Com o negócio, o
Sindicato da Indústria de Resinas Plás- para o grupo americano Taylor’s grupo Taylor’s contabiliza 62 000 in-
ticas de São Paulo. Foram vendidas HPM. Além da Sandretto do Brasil, jetoras instaladas pelo mundo. Só a
227 800 toneladas para o exterior, com o negócio envolve as outras compa- Sandretto, fundada em 1946 na Itá-
destacados aumentos de vendas do nhias pertencentes à divisão de má- lia, possui mais de 37 000 unidades
PEBDL (77,8%), do EVA (75%), do PP
quinas injetoras da Cannon, a ale- funcionando ao redor do globo –
(32%) e do PEBD (10,4%). Segundo o
mã Windsor e o Grupo Sandretto cerca de 3 000 no Brasil.
Siresp, o motivo da alta na demanda é
o crescimento da economia mundial. Itália. A Taylor’s atua não só na área www.taylorsind.com
de bens de capital, através da HPM, www.sandretto.com.br
...e expectativa para fim de ano
O balanço também mostra crescimento
de 8,7% nas vendas especiais de resi-
Brasilata comemora jubileu em 2005
nas para a exportação de produtos Uma das maiores fabricantes brasi- com a equipe de colaboradores des-
transformados. O setor trabalha para leiras de embalagens de aço, a Bra- de 1991, quatro anos antes de ser
crescer 8% este ano e a expectativa é silata está completando 50 anos em obrigatório por lei. Em 2004, a Brasi-
que o consumo per capita de termo- 2005. Com 900 funcionários e três lata registrou faturamento de 279 mi-
plásticos passe dos atuais 23,2 quilos fábricas, a empresa figura entre as lhões de reais, pagou 92 milhões de
para 25 quilos neste ano. “Entretanto, 150 Melhores Empresas para Traba- reais de impostos e distribuiu 1,4 sa-
estamos atentos a fatores econômicos, lhar no Brasil, conforme pesquisa lário aos funcionários como participa-
como taxas de juros e câmbio, e políti- das revistas Exame e Você S.A. Pio- ção nos lucros. Investindo em pes-
cos, como o calendário eleitoral, deter-
neira na utilização das técnicas ge- quisa e desenvolvimento de novas
minantes para o bom desempenho eco-
renciais japonesas, a Brasilata opera tecnologias, exporta produtos e licen-
nômico em 2005”, afirma José Ricardo
Roriz Coelho, presidente do Siresp. desde a década de 80 no conceito cia tecnologia para o México e Esta-
just in time com seus clientes, elimi- dos Unidos, e está investindo 12 mi-
Consolidação nando estoques e garantindo rapidez lhões de reais na ampliação da uni-
Tradicional fornecedora de resinas PET e pontualidade nas entregas. A em- dade de São Paulo.
para embalagens no mercado nacional, presa compartilha seus resultados (11) 3871-8500 • www.brasilata.com.br
a Rhodia-ster Fibras e Resinas Ltda.
teve sua denominação social formal-
mente alterada para M&G Fibras e Re-
Dessecantes com padrão internacional
sinas Ltda. no último dia 31 de março. A Fornecedora de soluções para a secantes. De acordo com Luciano
mudança integra o plano de adminis- proteção de produtos embalados Villano Almeida, um dos diretores
tração da companhia proposto após contra a umidade, a paulistana SPL da SPL, os novos produtos seguem
sua aquisição, fechada em 2002, pelo Dessecantes participou, com um padrão internacional, atestado pela
grupo italiano Mossi & Ghisolfi (M&G). estande próprio, da edição deste obtenção de seu registro junto ao
ano da feira de negócios alemã In- respeitado FDA, órgão americano
Planta chinesa
terpack (veja reportagem nesta de controle das áreas de alimentos
A Alcan anunciou no fim de março a
edição). A empresa, que obteve em e de medicamentos. Em tempo: a
aquisição de uma planta industrial de
embalagem na região de Suzhou, na março a certificação ISO SPL também acaba de reformular
China. Ela irá fabricar embalagens 9001:2000, conferida pelo BVQI seu site na Internet.
plásticas e de alumínio para cosméti- (Bureau Veritas), apresentou na fei- (11) 6942-8600
cos e atenderá os clientes da região, ra uma nova linha de cápsulas des- www.spldessecantes.com.br
“em rápida evolução”, segundo a Al-
can. “Este investimento nos permite
estar melhor alinhados com o cresci-
mento de nossos clientes nesse mer-
cado emergente”, afirmou Christel Bo-
ries, presidente e CEO mundial da Al-
can Packaging.

94 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


Tetra Pak contra o aquecimento global
Numa decisão da matriz sueca, a Te- ra de metanol ou etanol (álcool de
tra Pak Brasil foi escolhida operação- cana) com óleos vegetais (de mamo-
piloto do Programa de Mudanças Cli- na, soja ou dendê), gordura animal
máticas, projeto mundial que visa ou até óleo residual de frituras. A ini-
contribuir para a redução da emissão ciativa pega carona no Programa
de gases causadores do efeito estufa Brasileiro de Biodiesel lançado pelo
no transporte de suas embalagens governo em dezembro de 2004. “A
cartonadas assépticas. Cerca de grande vantagem é a substituição de
10% da frota de caminhões utilizada uma fonte não renovável por uma re-
pelas fábricas de Monte Mor (SP) e novável, diminuindo assim em 2% as
Ponta Grossa (PR) irão aderir ao bio- emissões de enxofre, dióxido e mo-
diesel, combustível obtido pela mistu- nóxido de carbono na atmosfera, que
são os causadores do efeito estufa”,
explica Fernando von Zuben, diretor
de Meio Ambiente da Tetra Pak
Brasil. “O Brasil será piloto dessa ini-
ciativa porque é um dos poucos paí-
ses onde se pode produzir o biodie-
sel de forma economicamente viável,
pela disponibilidade de matéria-pri-
ma.” O biodiesel será adquirido do
centro de desenvolvimento do Gover-
no Federal, situado em Piracicaba
DIVULGAÇÃO TETRA PAK

(SP). Segundo a Tetra Pak, a iniciati-


va será analisada e se os resultados
forem positivos, ela poderá ser ado-
tada em definitivo.
(11) 5501-3200 • www.tetrapak.com.br

Visuais virtuais fiéis aos reais


A companhia química Eastman, transparência. “A Eastman enrique-
grande fornecedora mundial de resi- ceu nossas bibliotecas de software,
nas para embalagens, anunciou uma tornando mais fácil a nossos
parceria com a francesa OPTIS, em- usuários simular materiais inovado-
presa que desenvolve softwares para res e tecnologicamente avançados”,
renderização de iluminações e visua- afirmou Jacques Delacour, presiden-
lização de produtos. Com isso, desig- te da OPTIS. Maiores informações
ners usuários dos programas da OP- podem ser conseguidas no site da
TIS poderão ter, em seus monitores Eastman na Internet, sob a guia Eas-
de computador, definições acuradas tman Innovation Lab (Laboratório de
das aparências reais de embalagens Inovação Eastman). Em tempo: a
e produtos plásticos em desenvolvi- Eastman também acaba de lançar a
mento com diferentes resinas celuló- pedra fundamental de sua nova fábri-
sicas ou copoliésteres da Eastman. ca de resinas PET na Carolina do
Os programas da OPTIS geram ima- Sul, Estados Unidos, e de anunciar
gens computadorizadas do produto Laurie Andriate como sua nova dire-
com as propriedades ópticas especí- tora global de marketing e plásticos.
ficas de um dado material, inclusive www.eastman.com
cor, reflexo, difusão, opacidade e www.optis-world.com
Photoshop maníacos
Aconteceu em maio último, em
Portfólio de máquinas de corte ampliado
São Paulo, a segunda edição do Após apresentar na Drupa 2004 a lhos. Na América Central, a expectati-
Photoshop Conference, principal Dymatrix 106 CSB, a Heidelberg com- va é que a Varimatrix 105 CS passe a
evento brasileiro relacionado ao
plementou seu portfólio de máquinas ser vendida a partir do início de 2006.
programa de edição, tratamento e
configuração de arquivos de ima-
de corte voltadas a gráficas de emba- www.br.heidelberg.com
gens da fabricante de softwares lagens apresentando na China Print (11) 5525-4520
Adobe. A abertura do encontro fi- 2005, feira de impressão realizada re-
cou a cargo do gerente de desen- centemente em Pequim, a Varimatrix
volvimento de negócios para a 105 CS. O equipamento corta e aplica
América Latina, Gustavo Brunser,
relevo em papéis com gramatura a
que falou sobre os novos recursos
do Photoshop CS 2, produto partir de 80g/m2 . O formato das fo-
anunciado em abril último. lhas pode variar de 370mm x 400mm
até 750mm x 1,050mm. A força máxi-
Fim de uma era ma de corte é de 300 tons. Outra ca-
A Takano Gráfica e Editora, uma
racterística destacada no equipamen-
das maiores do setor na América
Latina, encerrou suas atividades
to é a existência de um display de to-
no final de abril. O motivo não foi que que facilita o controle e aumenta
revelado oficialmente, mas o Sin- a produtividade de pequenos traba-
dicato dos Gráficos de São Paulo
afirma que a empresa acumula
dívidas de mais de 90 milhões de
DuPont anuncia prêmio flexográfico
reais. Até o final de julho poderão ser feitas especiais destinados aos melhores
as inscrições para o Grand Prix Cyrel resultados em impressão e prova. O
Martelo batido 2005, concurso voltado à área flexo- Grand Prix Cyrel foi realizado pela
A Eastman Kodak Company com-
gráfica, exclusivo a trabalhos produ- primeira vez na Europa, em 1982. Na
pletou em abril último a aquisição
zidos com chapas Cyrel, da DuPont. América Latina, ele vem acontecendo
da Kodak Polychrome Graphics
(KPG) ao comprar da Sun Chemi- Organizado pela multinacional de es- desde 1998. “Queremos com esse
cal Corporation 50% dos papéis pecialidades químicas, o prêmio é di- prêmio agradecer o respeito e a con-
restantes. O negócio inclui defini- vidido em categorias como filmes fle- fiança dos nossos clientes, além de
tivamente a KPG no Grupo de Co- xíveis, rótulos e etiquetas, sacolas de retribuir o talento dos profissionais de
municações Gráficas (GCG) da
mão, sacos e sacolas, papelão pré- impressão”, resume Roseli Martins,
Kodak.
impresso, embalagens de papelão coordenadora de comunicações da
Certificada ondulado (ondas A, B e C), além de DuPont.
As duas fábricas, além das áreas cartão e impressão contínua. Tam- www.dupont.com.br
de suprimentos, marketing e ven- bém serão distribuídos três prêmios (11) 4166-8701
das da Melhoramentos Papéis re-
ceberam a certificação ISO
9001:2000. O atestado refere-se São Paulo ganha novo centro gráfico
aos processos de desenvolvimen- Em comemoração a seu aniversário sign e mercado gráfico”, resume Ste-
to, produção e comercialização de
de 10 anos, a Fine Papers inaugurou phan Barth, presidente da Fine Pa-
pasta celulósica (CTMP e TMP),
papéis tissue e produtos de papel em São Paulo o Design & Graphic pers. O Design & Graphic Center fica
tissue. Center, espaço cultural e educacio- na rua Dona Ana Néri, 793, Cambu-
nal destinado a abrigar serviços, pro- ci. Maiores informações:
Novo gerente dutos, cursos e exposições relacio- contato@designgraphiccenter.com.br
O Graphia, grupo de exportação
nados ao mercado gráfico. Na pri- (11) 3385.7300
do setor gráfico, organizado no
meira semana de atividades a em-
âmbito da Abigraf Regional São
Paulo, junto com o Sebrae-SP e a presa organizou a 1ª Edição da Se-
Apex, conta com novo gerente. É mana do Design, visando gerar inter-
Wagner José da Silva, que geren- câmbio entre profissionais, estudan-
ciou projetos como o Impsat tes, compradores e fornecedores das
(rede de cabos ópticos que inter-
áreas gráfica e de design de emba-
liga Chile, Argentina e Brasil).
lagem e produto. “Queremos estabe-
lecer um centro de referência em de-

96 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005


Nacionalizando as chapas
A Agfa anunciou mudanças na es- lo Amaral, diretor da divisão de sis-
tratégia brasileira de comercializa- temas gráficos da Agfa do Brasil.
ção de chapas gráficas. A linha Em termos técnicos, a empresa de-
P5S, importada, foi substituída por fende que a nova linha traz diver-
um modelo nacional, chamado de sos benefícios aos clientes, como
Meridian P51. O produto vem sendo agilidade e eficiência no processa-
produzido na unidade de Suzano mento, tempo de exposição reduzi-
(SP), e a idéia é abastecer outros do, alto contraste de imagem, quali-
países latino-americanos a partir da dade de reprodução e maior equilí-
fábrica paulista. “A chapa Meridian brio entre água e tinta.
P51 não deve nada às produzidas www.agfa.com.br
em países desenvolvidos”, diz Pau- (11) 5188-6444

Rapida 105 em destaque na Turquia


Interessada em mercados emergen- que foi a impressora cinco cores Ra-
tes da Europa, a alemã Koenig & pida 105 com torre de revestimento
Bauer AG (KBA) participou da Tüyap própria, permitindo impressão de pôs-
Fair and Congress, feira gráfica reali- teres e embalagens em uma vasta
zada em Istambul, Turquia, entre os gama de substratos. Classificado
dias 17 e 22 de maio último. O desta- entre as soluções de médio formato,
o equipamento oferece velocidade
máxima de impressão de 15 000 fo-
lhas por hora. Além de depositar fi-
chas nessa família, graças aos inves-
timentos que identifica na tecnologia
web offset, a KBA está confiante na
disseminação no mercado turco dos
modelos Rapida 142 e 162, que tra-
balham com formatos maiores na
comparação com os da Rapida 105.
www.kba.com.br
(11) 6121-5277

Nova geração de tintas para flexíveis


A divisão de embalagens da fabricante a condições severas de calor, tais
norte-americana de tintas para impres- como stand-up pouches e acondicio-
são Flint Ink anunciou uma nova gera- namentos flexíveis dotados de fecha-
ção de produtos para aplicações em mento do tipo zip.
filmes laminados e rótulos. Sob a www.flintink.com
chancela Arrowbond Ultra, os produtos No Brasil (11) 4613-5200
são próprios para flexografia e rotogra-
vura, e têm nova fórmula que garante
adesão a diversos tipos de substratos,
incluindo filmes PET quimicamente
tratados. Além de baixa retenção de
solvente, a Flint Ink sugere como van-
tagem da nova linha a possibilidade
de aplicação em embalagens que, no
processo de selagem, são submetidas
Almanaque
O Companheiro Como é mesmo o nome da bebida?
Inseparável A mais antiga destilaria de uísque que II da Inglaterra voltaram ale-
Um dos mais recentes avanços na – ainda em plena produção – fica gremente de uma incursão à Irlan-
área de bebidas alcoólicas, o reci- em Bushmills, no condado de da com o hábito de tomar o desti-
piente de alumínio com formato Amtrim, na Irlanda. A primeira li- lado cujo nome, por não saberem
de garrafa e tampa de rosca já cença para ali produzir Uisce Bea- pronunciar, virou Uisce, depois
teve destacada presença no tha, ou “água de vida”, em irlan- Fuisce e, finalmente, Whiskey.
Brasil, mais de quarenta anos dês, data de 1608, mas a tradição
atrás – porém com desempenho de destilação da bebida no local
insatisfatório. Nos início dos anos remonta a 1276, conforme docu-
60 fazia grande sucesso entre os mentos da época. Mas as origens
apreciadores da bebida a Vodca da bebida se perdem na bruma do
Sputnik, criada por um casal de tempo, e os irlandeses reivindi-
imigrante russos e produzida com cam para si a primazia da destila-
os mesmos rigorosos processos de ção. De fato, há registro de que já
pureza da famosa Stolychnaia. em 1170 os soldados do rei Henri-
Um parente que trabalhara numa
das fábricas da bebida, em Mos-
cou, trouxe o know-how. A marca A mãe de todos os
permaneceu naquele tipo de stand-up pouches
embalagem, feita no Brasil, por
Na época sequer se cogitava do
apenas dois anos e meio, devido à
conceito de stand-up pouches
baixa resistência da resina prote-
(SUP), embalagens flexíveis ge-
tora interna à agressão do
ralmente feitas de filmes plásticos
álcool, que corroía o alu-
hoje cada vez mais presentes nos
mínio. Foi então substituí-
pontos-de-venda. Porém, na déca-
da por uma garrafa de vi-
da de 60 do século 20 a Gordura
dro personalizada, também Da pedra para o vidro
Vegetal Saúde (hidrogenada), da
de 500ml, fabricada pela Até a primeira metade do século Anderson Clayton, era comerciali-
Wheaton. Ao ser vendi- 17, as hoje onipresentes garrafas zada não só em latas de aço de 2
da para novo fabri- de vidro, utilizadas para acondicio-
quilos, mas em pacotes de 450g
cante, ainda no século nar os mais variados tipos de bebi-
que ficavam em pé. Eram confec-
recém-findo, a Sputnik da, eram raras. Em 1650, na Ingla-
cionados em “papel manteiga”,
passou a ser acondi- terra, onde há registro, a popula-
cuja barreira se obtinha com apli-
cionada em litro stan- ção estava muito mais familiariza-
da com garrafas de pedra importa-
cação de fina camada de parafina.
dard. Foi assim bati-
zada em homenagem das da Alemanha – até hoje um for-
te produtor – ou com imitações. O
ao primeiro satélite
domínio do vidro foi meteórico: em
artificial da Terra,
1653, escasseavam os recipientes
lançado pelos soviéti-
de pedra que haviam sido pratica-
cos em 1956. O nome mente substituídos por atraentes
quer dizer “compa- garrafas de vidro verde, usadas
nheiro inseparável”. para servir vinho às mesas, como
O produto brasileiro decanters e, claro, para armazenar
não tem relação com o produto. O último exemplar de
a vodca da mesma garrafa de pedra fabricado no país
marca feita na Rússia. data de 1672.

98 >>> EmbalagemMarca >>> junho 2005