Você está na página 1de 9

09-03-2009

GEOGRAFIAGEOGRAFIA Aula nº 117 e 118 09/03/2009 Sumário -Análise das disponibilidades hídricas em

GEOGRAFIAGEOGRAFIA

Aula nº 117 e 118

09/03/2009

Sumário

-Análise

das

disponibilidades

hídricas

em

Portugal;

-A variação espacial da precipitação:

irregularidade anual e interanual;

bacias

hidrográficas; -As águas subterrâneas: os aquíferos, as águas minerais e termais; - Ficha de trabalho.

-As

águas

superficiais:

a

rede

e

NãoNão existeexiste vidavida semsem água…água…

NãoNão existeexiste vidavida semsem água…água…

NãoNão existeexiste vidavida semsem água…água…
RecursosRecursos HídricosHídricos

RecursosRecursos HídricosHídricos

RecursosRecursos HídricosHídricos
RecursosRecursos HídricosHídricos Disponíveis:Disponíveis:

RecursosRecursos HídricosHídricos Disponíveis:Disponíveis:

RecursosRecursos HídricosHídricos Disponíveis:Disponíveis:

09-03-2009

DistribuiçãoDistribuição EspacialEspacial dada PrecipitaçãoPrecipitação Nº de dias com precipitação

DistribuiçãoDistribuição EspacialEspacial dada PrecipitaçãoPrecipitação

Nº de dias com precipitação

EspacialEspacial dada PrecipitaçãoPrecipitação Nº de dias com precipitação Precipitação total

Precipitação total

EspacialEspacial dada PrecipitaçãoPrecipitação Nº de dias com precipitação Precipitação total
DistribuiçãoDistribuição InteranualInteranual dada PrecipitaçãoPrecipitação

DistribuiçãoDistribuição InteranualInteranual dada PrecipitaçãoPrecipitação

DistribuiçãoDistribuição InteranualInteranual dada PrecipitaçãoPrecipitação
DistribuiçãoDistribuição AnualAnual dada PrecipitaçãoPrecipitação

DistribuiçãoDistribuição AnualAnual dada PrecipitaçãoPrecipitação

DistribuiçãoDistribuição AnualAnual dada PrecipitaçãoPrecipitação
Distribuição da Precipitação em Portugal – aspectos a reter: 1) Contrastes Regionais : -Região litoral,

Distribuição da Precipitação em Portugal – aspectos a reter:

1) Contrastes Regionais:

-Região litoral, norte e áreas montanhosas com precipitação abundante (mais de 2.000mm/ano); -Região a sul do rio Tejo com precipitação reduzida (cerca de 800mm/ano).

2) Contrastes Anuais e Interanuais:

-Verificam-se significativos contrastes na variação da precipitação ao longo do ano, correspondendo as estações de Primavera e Verão aos períodos de menor precipitação e paralelamente maior consumo (possibilidade de cheias e secas); -A variação interanual da precipitação é também irregular, de ano para ano constatam-se valores totais muito distintos.

09-03-2009

1)1) ÁguasÁguas SuperficiaisSuperficiais Rio Douro Ribeiro do Tua Lagoa das sete cidades (Açores)

1)1) ÁguasÁguas SuperficiaisSuperficiais

1)1) ÁguasÁguas SuperficiaisSuperficiais Rio Douro Ribeiro do Tua Lagoa das sete cidades (Açores)

Rio Douro

1)1) ÁguasÁguas SuperficiaisSuperficiais Rio Douro Ribeiro do Tua Lagoa das sete cidades (Açores)

Ribeiro do Tua

1)1) ÁguasÁguas SuperficiaisSuperficiais Rio Douro Ribeiro do Tua Lagoa das sete cidades (Açores)

Lagoa das sete cidades (Açores)

Douro Ribeiro do Tua Lagoa das sete cidades (Açores) Rede Hidrográfica Bacias Hidrográficas Precipitação e
Douro Ribeiro do Tua Lagoa das sete cidades (Açores) Rede Hidrográfica Bacias Hidrográficas Precipitação e
Douro Ribeiro do Tua Lagoa das sete cidades (Açores) Rede Hidrográfica Bacias Hidrográficas Precipitação e
Rede Hidrográfica Bacias Hidrográficas

Rede Hidrográfica

Rede Hidrográfica Bacias Hidrográficas

Bacias Hidrográficas

Rede Hidrográfica Bacias Hidrográficas
Precipitação e escoamento por bacia hidrográfica
Precipitação e escoamento por bacia hidrográfica

Precipitação e escoamento por bacia hidrográfica

09-03-2009

VariaçãoVariação AnualAnual dodo CaudalCaudal dosdos RiosRios A reter: Escoamento médio anual é o volume de

VariaçãoVariação AnualAnual dodo CaudalCaudal dosdos RiosRios

AnualAnual dodo CaudalCaudal dosdos RiosRios A reter: Escoamento médio anual é o volume de água

A reter: Escoamento médio anual é o volume de água transportado por um curso de água ao longo de um ano.

Perfis Longitudinais e Transversais dos cursos de água Perfil Transversal Perfil Longitudinal

Perfis Longitudinais e Transversais dos cursos de água

Perfil Transversal Perfil Longitudinal
Perfil
Transversal
Perfil
Longitudinal
VariaçãoVariação InteranualInteranual dodo CaudalCaudal dosdos RiosRios A reter: A irregularidade espacial e temporal

VariaçãoVariação InteranualInteranual dodo CaudalCaudal dosdos RiosRios

InteranualInteranual dodo CaudalCaudal dosdos RiosRios A reter: A irregularidade espacial e temporal da

A reter: A irregularidade espacial e temporal da precipitação confere ao escoamento uma acentuada sazonalidade e irregularidade.

Acção erosiva dos cursos de água A) Erosão ou desgaste – consiste no arranque de

Acção erosiva dos cursos de água

A) Erosão ou desgaste – consiste no arranque de material das rochas pelas águas correntes

B) Transporte – Os materiais arrancados vão sendo transportados por tracção (rolando ou saltando) para jusante.

C) Deposição – sempre que o rio não consegue transportar o material este fica depositado no fundo do leito.

– sempre que o rio não consegue transportar o material este fica depositado no fundo do

AAAA

BBBB

CCCC

09-03-2009

Tipos de vales dos cursos de água A) Vale em garganta B) Vale em V

Tipos de vales dos cursos de água

A) Vale em

garganta

B) Vale em V ou normal

C) Vale em

caldeira aluvial

vales dos cursos de água A) Vale em garganta B) Vale em V ou normal C)
Rio Tua
Rio Tua

Rio Tejo Tipos de vales dos cursos de água A) Vale em garganta B) Vale em V ou

Rio Sado
Rio Sado
Rio Douro - montante
Rio Douro - montante
Rio Douro - montante
Rio Homem - montante
Rio Homem - montante
Rio Homem - montante
Rio Douro - montante
Rio Douro - montante
Rio Douro - montante

09-03-2009

Rio Douro - jusante

Rio Douro - jusante

Rio Douro - jusante
Rede Hidrográfica - Aspectos a reter: 1) Rios mais importantes : -INTERNACIONAIS: Rio Douro, Tejo,

Rede Hidrográfica - Aspectos a reter:

1) Rios mais importantes:

-INTERNACIONAIS: Rio Douro, Tejo, Minho e Guadiana -NACIONAIS: Vouga, Mondego e Sado

2) Disposição no território:

-Orientação principal: nordeste / sudoeste em direcção ao Atlântico

3) Contrastes Regionais:

-REGIÃO NORTE: rede hidrográfica mais densa; rios apresentam maior declive e transportam um maior volume de água;

-REGIÃO SUL: menor nº de rios; rios apresentam menor declive, escoam em vales mais largos e transportam um menor volume de água;

Rio Tejo - jusante

Rio Tejo - jusante

Rio Tejo - jusante
Lagos e Lagoas Lagoa de Albufeira Lagoa Comprida – Serra da Estrela

Lagos e Lagoas

Lagos e Lagoas Lagoa de Albufeira Lagoa Comprida – Serra da Estrela

Lagoa de Albufeira

Lagoa Comprida – Serra da Estrela

09-03-2009

Lagos e Lagoas

Lagos e Lagoas

Lagos e Lagoas
2)2) ÁguasÁguas SubterrâneasSubterrâneas Parte da água da precipitação, infiltra- se no solo, dando lugar à
2)2) ÁguasÁguas SubterrâneasSubterrâneas
Parte
da
água da
precipitação, infiltra-
se no solo, dando
lugar à formação de
aquíferos – lençóis
de água subterrânea
que
se
acumula
quando
encontra
uma
camada
de
Formação de aquíferos
rocha impermeável.
Albufeiras
Albufeiras

A reter: As albufeiras são reservatórios de água construídos pelo Homem, potenciam as disponibilidades hídricas, pois permitem a acumulação de reservas para abastecimento da população e das actividades económicas, mesmo em períodos de seca.

Principais Barragens

em Portugal

abastecimento da população e das actividades económicas, mesmo em períodos de seca. Principais Barragens em Portugal
Aquíferos Constituem-se em formações geológicas permeáveis, normalmente porosas ou com numerosas fracturas ou fendas.

Aquíferos

Constituem-se em formações geológicas permeáveis, normalmente porosas ou com numerosas fracturas ou fendas. Tipos de Aquíferos:

1) Porosos – em formações rochosas sedimentares, de areias limpas, arenitos ou outros, a água infiltra-se através dos poros;

2) Fracturados / Fissurados – em formações rochosas mais duras e impermeáveis, como as de granito ou xisto, a água pode circular por pequenas fissuras ou fendas que possam existir;

3) Cársicos – em formações rochosas menos resistentes e permeáveis, como as de calcário, a água infiltra-se em pequenos canais que sucessivamente vai alargando e chegando mesmo a formar grutas e reservas de grande dimensão.

09-03-2009

Principais Formações Geológicas

Principais Formações

Geológicas

Principais Formações Geológicas
Águas Minerais
Águas Minerais

Nascentes Minerais

As águas subterrâneas profundas podem adquirir propriedades medicinais. Esta particularidade é resultante da respectiva composição química que é adquirida pela água em contacto com formações rochosas onde se armazenou ou por onde circulou prolongadamente, daí resultando, águas minerais.

com formações rochosas onde se armazenou ou por onde circulou prolongadamente, daí resultando, águas minerais.
Permeabilidade dos Solos Produtividade dos Aquíferos

Permeabilidade dos

Solos

Produtividade dos

Aquíferos

Permeabilidade dos Solos Produtividade dos Aquíferos
Permeabilidade dos Solos Produtividade dos Aquíferos
Águas Termais Águas Termais Algumas águas subterrâneas, além do teor em sais minerais, contém gás

Águas Termais

Águas Termais

Algumas águas subterrâneas, além do teor em sais minerais, contém gás carbónico e são mais quentes. A exploração deste recurso assume significativa importância medicinal e turística.

carbónico e são mais quentes. A exploração deste recurso assume significativa importância medicinal e turística.

09-03-2009

Ei o que é que a professora disse! Não sei Estive a ouvir música durante
Ei o que é que a professora disse! Não sei Estive a ouvir música durante
Ei
o que é que a
professora disse!
Não sei
Estive a
ouvir música
durante toda aula!

FIM

Então e agora? Como estudo para o teste?
Então e agora?
Como estudo
para o teste?