>>EXPEDIENTE

ASSOCIAÇÃO ESTADUAL DOS RONDONISTAS DO CEARÁ PROJETO RONDON/CE CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO José Teodoro Soares Presidente Antônio de Albuquerque Sousa Filho Vice-Presidente Pedro Henrique Chaves Antero Vice-Presidente Marcondes Rosa de Sousa Membro Olga Rubênia da Silva Caminha de Menezes Membro Eurileny Lucas de Almeida Membro CONSELHO FISCAL Domingos Miguel Antônio Gazzineo Presidente Eduardo Girão Santiago Membro Geraldo Lúcio Telles do Carmo Membro COORDENAÇÃO DO PROJETO RONDON/CE Adyr da Silva Sampaio Coordenador no Ceará Valdomiro Marques das Neves Coordenador na Zona Norte do Ceará projetorondonsobral@hotmail.com Tiragem: 300 exemplares Paulo Passos de Oliveira MTb: 19.553 Editor e redator Neil Silveira Editoração eletrônica

-3-

O que é o Projeto Rondon®

O Projeto Rondon® é o maior projeto de extensão universitária do Brasil. O trabalho executado pelo Projeto parte do voluntariado de alunos universitários e professores de todas as regiões do Brasil, que realizam ações solidárias ajudando comunidades carentes de sua região ou de outras regiões da Nação, e promovem o desenvolvimento sustentável. Ao mesmo tempo em que os estudantes botam em prática seu saber acadêmico, têm a oportunidade de descobrir o Brasil por dentro. Dizendo de outra forma, o estudante realiza nas comunidades distantes e pobres o que aprende dentro dos muros da universidade. O engajamento é espontâneo e o Projeto não tem fins lucrativos, visando, apenas, atender às populações das comunidades mais carentes do País. O Projeto Rondon® faz a ligação entre os universitários, a universidade e a comunidade. As operações são definidas como nacional – intercâmbio de universitários entre as diversas regiões do Brasil –, regional – procura desenvolver a região de atuação da universidade conveniada – e as operações especiais – caracterizadas por trabalhos específicos com o objetivo de atender às necessidades de entidades públicas. Os alunos universitários que aderem ao Projeto Rondon®, além de contribuírem para o desenvolvimento do País, poderão ter – segundo acordo estabelecido com a instituição de ensino superior – sua carga-horária de atividades incorporada à grade curricular como atividade de extensão, registrada em histórico escolar.

-4-

História do Projeto Rondon®

Em 1967, um grupo de cerca de 30 estudantes, sob a coordenação do professor Wilson Choeri, da antiga Universidade do Estado da Guanabara – atual Uerj –, viajou do Rio de Janeiro

para Porto Velho com o objetivo de conhecer a realidade da Região Norte do Brasil. A viagem, marcante para toda a equipe, deu a certeza de que o desenvolvimento do País deveria passar pelas instituições de ensino superior. A experiência foi abraçada pelo Ministério do Interior em 1968 e foi batizada de Projeto Rondon, em homenagem ao marechal Cândido Mariano da Silva Rondon, considerado o moderno bandeirante do século XX. O Projeto Rondon® surge como suporte às ações das universidades e instituições de ensino superior, públicas e particulares, proporcionando-lhes participação no desenvolvimento regional, assim como programação à política nacional de desenvolvimento. As propostas de internacionalização do território da Amazônia, somadas às necessidades de conhecimento da geopolítica brasileira, levaram os primeiros alunos a criar o lema Integrar para não

Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon

-5-

Entregar, presente até hoje junto ao emblema do Projeto. Os participantes do Projeto Rondon® são todos que mantêm vínculos com instituições de ensino superior, sejam alunos ou professores. Segundo o presidente da Associação Estadual dos Rondonistas do Ceará, professor José Teodoro Soares, no auge da expansão do Projeto Rondon® na década de 70, as operações nacionais eram a maior movimentação de tropas em tempos de paz já realizada no Brasil. Professor Teodoro fez parte da equipe de coordenadores do Projeto naquela época e, atualmente, é um dos maiores incentivadores do seu crescimento. Em 1989, sob argumentos pouco claros, o Projeto Rondon® foi extinto pelo Governo Federal. Entretanto, quatro anos depois, ressurgiu oficialmente em Brasília sob forma de Organização Não Governamental. Aos poucos, a Associação Nacional dos Rondonistas começou a expandir-se na figura de Associações Estaduais, que possuem autonomia administrativa, mas são ligadas pelos mesmos objetivos, finalidades e doutrina. Em 1996, no estado de Pernambuco, foi realizada a primeira grande operação da nova fase, batizada de Operação Fênix. Hoje, o Projeto Rondon® Nacional é parceiro de 25 Organizações da sociedade civil e desenvolve inúmeras atividades pelo Brasil.

No final de 2003 a União Nacional dos Estudantes – UNE – solicitou ao Governo Federal a reativação do Projeto Rondon no âmbito governamental. Atualmente, além das associações estaduais de rondonistas, ligadas à Associação Nacional, existem atividades realizadas pelo Governo Federal, cujas estratégias estão sob a responsabilidade do Ministério da Defesa. O trabalho de supervisão e avaliação acadêmica das ações está vinculado ao MEC. A Associação Nacional dos Rondonistas mantém convênio com o projeto desenvolvido pelo Governo Federal. Além da verba pública, o projeto do Governo Federal conta com recursos privados. Ao longo de mais de 40 anos o Projeto Rondon® conquistou respeito perante a sociedade. Nesse intervalo, estima-se que mais de 400.000 universitários e professores colaboraram de diversas formas para prestar assistência e contribuir com o desenvolvimento das áreas mais carentes do Brasil. Para que isso acontecesse, 23 campi avançados de universidades brasileiras permitiram a realização de operações em caráter permanente, construídos em locais considerados estratégicos na Amazônia e em regiões pobres. Para tanto, foi importante a interiorização de profissionais qualificados em nível superior.

-6-

Projeto Rondon® no Ceará

No ano de 2001 nasce a Associação Estadual dos Rondonistas do Ceará, com sede em Fortaleza. Ao longo destes oito anos de atividade, a Associação, também conhecida como Projeto Rondon Ceará, promoveu atividades em quase uma dezena de municípios do Ceará e, até, em outros estados do Nordeste. No final de 2008, com o objetivo de atender às demandas de outras localidades, foi criada a coordenação na Zona Norte, com sede em Sobral. Ainda em 2001, quando era reitor da Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA –, em Sobral, professor Teodoro vislumbrou

a possibilidade de instalar o primeiro campus avançado do Projeto Rondon® no Ceará. Para que isso acontecesse, o então reitor colocou a UVA à disposição da Associação dos Rondonistas e, com apoio financeiro e logístico de institutos parceiros da Universidade, em especial do Instituto de Desenvolvimento, Educação e Cultura do Ceará – IDECC –, inaugurou, em 11 de maio de 2002, o campus avançado Marechal Rondon, em Reriutaba, zona norte do Estado. A cidade apresenta baixo Índice de Desenvolvimento Humano – IDH –, o que exige ações, como as empreendidas pelo Projeto. A estrutura física do campus Marechal Rondon foi montada obedecendo todos os requisitos de um espaço universitário: salas de aula, laboratórios, alojamentos, refeitório, espaço de convivência, etc. O campus já rece-

Professor Teodoro Soares idealizou a instalação do Campus Avançado do Projeto Rondon em Reriutaba

-7-

O Campus de Reriutaba já recebeu alunos de diversos cursos da UVA

beu alunos dos cursos de Zootecnia, Biologia, Geografia, Enfermagem, Química, Informática, Educação Física, todos da UVA, e Medicina, da Universidade Federal do Ceará – UFC. Os programas oferecidos são os mais diversos, como o “Cabra Leiteira”, que doava estes animais para famílias carentes; ou o programa de apicultura familiar, que distribuía colméias para algumas comunidades e capacitava pessoas para a produção de mel. Atividades podem ser realizadas dentro das dependências do campus e em diversas localidades do município. Além dos trabalhos regulares, são realizados “encontrões” durante o período de férias, nos quais são oferecidos, durante três dias, para toda a comunidade, os serviços do Rondon.

Atualmente, sob responsabilidade da coordenação da Zona Norte do Ceará, está em atividade uma ação, fruto de parceria entre a Prefeitura Municipal de Reriutaba e a Caixa Econômica Federal – CEF. Além da UVA e da Prefeitura, o Instituto de Estudos e Pesquisa Vale do Acaraú – IVA –, parceiro da UVA, participa da operação, cedendo o transporte para um grupo de estudantes dos cursos de Engenharia Civil e Tecnologia da Construção Civil. Nesta fase, estão sendo distribuídos formulários com ficha cadastral de saneamento para melhorias de habitação nos bairros com menos infra-estrutura. Com base nas informações dos questionários vai ser feita seleção para a instalação de kit sanitário nas residências escolhidas.

-8-

Como são promovidas as ações do Projeto Rondon® no Ceará

Trabalho de campo realizado pelo Projeto Rondon

As ações resultam do convênio envolvendo o Projeto Rondon®, instituições de ensino superior e prefeituras. Elas são conseqüência da análise da realidade regional, e se propõem agir sobre a mesma realidade. Para realizar o diagnóstico, podem participar gestores públicos – prefeitos e legisladores –, líderes comunitários, professores e alunos, e integrantes da sociedade civil, que solicitem a ação do Rondon em determinada região. Com base na solicitação,

são criadas as diretrizes e o plano de ação da operação a partir de um projeto, com objetivos, competências, definição das instituições de ensino participantes, formas de recrutamento e seleção dos discentes, atividade a ser desenvolvida, metodologia, prazos e estimativa de custos. Após a preparação do projeto, as parcerias são colocadas em prática, seja em trabalho de campo ou em ações realizadas no campus avançado de Reriutaba.

-9-

Depoimentos de alunos do Projeto Rondon® Ceará

“É um trabalho cansativo, mas é satisfatório. Você anda muito de casa em casa, aplica questionários... É interessante porque você participa da vida das outras pessoas, você conhece a realidade, você adquire experiência com isso, também. Pra nossa área, você vê as dificuldades que as pessoas passam em suas habitações.”
Maria Keila Neves Tavares, 24 anos, de Ipueiras, aluna do curso de Tecnologia da Construção Civil da Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA –, em Sobral.

Eu acho que as pessoas, em si, são sempre bem receptivas. Elas gostam de ter alguém pra conversar, de saber o que está acontecendo. O Rondon faz isso: ajuda; “integrar para não entregar”. Eu acho que a gente entrega muito isso: apoio. E isso é muito satisfatório pra gente. A gente vê que tem pessoas precisando, que tem pessoas mais necessitadas do que a gente. A gente não tem muito, mas o que a gente dá, eu acho, é muito importante pra eles.
Olavo Rafael de Sousa Mota, 24 anos, de Crateús, aluno do curso de Engenharia Civil da UVA, em Sobral.

- 10 -

O interessante é que a gente, quando é acadêmico e está na universidade, a gente considera que está um patamar acima. Atuamos sempre com senso crítico. Mas quando a gente parte pra visitar essas pessoas em cada uma das ações do Rondon, de repente, a gente pensa que a gente está indo ver o que de verdade está acontecendo. A maior parte dessas pessoas não tem condições sanitárias, as casas são feitas sem estrutura... no caso da gente, chegamos a nos perguntar “como seria se chegasse um calculista de estrutura?” Ele ficaria abismado e perguntaria: “como isso agüenta, como é que não caiu, ainda?” Ao mesmo tempo, quando a gente deixa o lado técnico, a gente vê que a gente está evoluindo, está aprendendo o lado humano. Eu acho que o paralelo que a gente traça entre uma ação e outra, é aquele entre tecnicidade e humanidade. Porque a gente sai de uma realidade tão técnica de dentro das paredes da Universidade e passa a derrubar paredes para evidenciar o mundo, para não ser só técnico, mas humano.
Marta Nélia Alves Braga, 24 anos, de Amontada, aluna do curso de Engenharia Civil da UVA, em Sobral.

- 11 -

Projeto Rondon® Ceará: como participar

Se você é estudante ou professor em nível superior e gostaria de participar das ações, você pode verificar se sua instituição de ensino mantém convênio com o Projeto Rondon. Caso ela seja entidade parceira, o passo seguinte é procurar saber se há alguma ação sendo desenvolvida para que você possa se engajar. Caso sua faculdade ou universidade ainda não mantenha convênio com o Rondon, você mesmo pode fazer contato com o Projeto, buscando viabilizar a parceria. Para maiores informações, se você mora em Fortaleza e região, ligue (85) 3307-6926 ou envie e-mail para prorondonce@ yahoo.com.br. Em Sobral e Zona Norte, telefone (88) 3613-1518 ou escreva para projetorondonsobral@hotmail.com. Faça parte de nossa comunidade no Orkut: Projeto Rondon Sobral. Visite também o blog do Projeto Rondon Ceará: www.projetorondonceara. blogspot.com. Se você preferir, faça-nos uma visita ou escreva: Projeto Rondon Ceará. Instituto de Desenvolvimento, Educação e Cultura do Ceará – IDECC. Rua Tenente Benévolo, 1251, Meireles, Fortaleza/CE. CEP: 60.040-170 Projeto Rondon Sobral. Flat Sobral Mundi. Rua Deputado João Adeodato, 550/ Loja 11, Centro, Sobral/CE. CEP: 62.010450. (Em frente à rodoviária).

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful