Você está na página 1de 1

EM SEGUIDA APRESENTAM-SE DOIS EXEMPLOS DE PRÁTICAS DE CONSTRUÇÃO E PROJECTO

08 SUSTENTÁVEL, UMA DE REABILITAÇÃO, OUTRA AO NÍVEL DO PROJECTO DE RAIZ. AMBAS SE


SITUAM EM POVOAÇÕES DA PERIFERIA DA CIDADE DE COIMBRA.

A PRIMEIRA CONSISTIU NA RECUPERAÇÃO DE UMA CASA DO SÉCULO XIX, NA POVOAÇÃO DE FORNOS, DESTINANDO-SE A TURISMO EM ESPAÇO RURAL, A SE-
GUNDA DIRIGIU-SE A UMA FAMÍLIA NÃO NUMEROSA, E IMPLANTA-SE NUMA COLINA VOLTADA A POENTE, NOS LIMITES DA ALDEIA DO AMEAL, NUMA ZONA DE
EXCELENTE ENQUAMENTO PAISAGÍSTICO. NA PRIMEIRA INTRODUZIRAM-SE AS COMODIDADES QUE SE IMPÕEM NUMA CASA ABERTA A TURISTAS; NA SEGUN-
DA, PROCUROU-SE HARMONIZAR A RELAÇÃO DA CONSTRUÇÃO COM A NATUREZA, RELEVO E CLIMA LOCAL, AO MESMO TEMPO QUE SE DAVA RESPOSTA A UM
EXIGENTE PROGRAMA FUNCIONAL.

Na casa de turismo, recuperaram- (iluminação natural e ventilação acen- Na casa unifamiliar as soluções apontam para

1 se técnicas tradicionais, como a


construção em madeira e em ter-
ra, incutindo-se um novo conceito ene-
sional)
– Materiais provenientes dum raio de 70
km, evitando-se aumentos de custo e
2 um elevado desempenho energético e ambien-
tal:
– Estruturas leves (tubulares) em aço galvanizado e pare-
gético-ambiental. Vejamos as prin- emissões. Excepção para o zinco puro, des (interiores e exteriores) em placas à base de fibras
cipais soluções adoptadas: cuja durabilidade e pouca manunten- de madeira (exterior) e gesso cartonado (interior), com
– Estrutura de pisos e da cobertura em te- ção , justificam a escolha lã de rocha na caixa de ar, solução de conjunto que re-
lhado em madeira (combinada com – Toda a madeira usada em obra foi pinho presenta baixa energia incoporada, baixo impacto eco-
perfis de aço). português tratado em autoclave e pro- lógico (nível de emissões), redução de resíduos e po-
– Paredes interiores construídas com tabi- veniente de desbastes e florestas geri- tencial de reutlização e reciclagem
ques de fasquiado (taipa de rodízio), das – Betão armado aparente em parede dupla com isolamen-
usando-se como enchimento cal, sai- – Tintas e vernizes isentos de compostos to
bro, argilas, palha (fornecida pelas pró- orgânicos voláteis (consultoria – Isolamento térmico pelo exterior, tipo ‘“capoto”
prias proprietárias que possuem uma Robbiallac). – Exposição Sul das zonas de estar (protegidas por palas)
quinta ao lado) e inertes provenientes – Electrodomésticos da classe A+ e lâmpa- e poucas aberturas a Norte
das demolições, das fluorescentes compactas – Quartos virados a Nascente
– Estuques manuais e rebocos de cal e sai- – Torneiras e chuveiros com redutores – Piscina biológica, a criar um micro-clima
bro, de fluxo e autoclismos de dupla des- – Árvores de folha perene, a proteger dos ventos
– Réplicas de janelas de madeira, com carga. – Jardim de Inverno protegido e ventilado
vidros laminados – Acessiblidade a pessoa com mobilida- – Ripado de madeira as fachada Poente e Sul,
– Nas caixilharias novas, vidros duplos, de condicionada em todo o piso terreo – Pinho português proveniente de florestas sustentáveis,
portadas e ripado exterior (a Sul). – Executada por empreiteiro local – Coberturas ajardinadas
– Calafetagem com vedantes de borracha. – Caixilharia em alumínio, de vidro duplo com corte
– Guarda-vento na zona de entrada. térmico e revestimento baixo emissivo
– Águas quentes por sistema solar térmi- – Ventilação cruzada e ascensional (bandeiras e clarabóias)
co, complementado por caldeira a gás. Custo/m2 final da obra (sem contabilizar – Sistema de aquecimento/arrefecimento terra-ar
– Bomba de calor que produz um ligeiro climatização e o solar térmico): 590 eu- – Solar térmico para aquecimento de águas
aquecimento ou arrefecimento com ros+IVA – Fogão de sala e recuperador de calor
consumos mensais mínimos e difu- Arquitectos: Nuno Martins, Rui Fernan- – Construção modulada (redução de resíduos)
sores lineares integrados nos tectos em des e Licínio Faim (Coimbra), – Electrodoméstico classe A+ e lâmpadas ecomizadoras
forro à portuguesa colaboração de Carmen Morais e Sara – Reutilização das águas da chuva (regas e máquinas)
– Lã de rocha ( isolamento das coberturas) Santos
– Jardim de inverno, protegido por ripado Estabilidade e águas: Hernâni Vidigueira Orçamento por empreiteiro local (sem piscina): 575 eu-
de madeira e dispondo de ventilação Empreiteiro: Leonel Silva (Lendiosa) ros+IVA/m2
natural, www.projecto9.com Arquitctos: Nuno Martins e Pedro Rodrigues
– Clarabóias nos quartos e nos sanitários