Você está na página 1de 6

1.1.

1 Dentina

1.1.2 Cavidade Pulpar

1.1.3 Polpa

1.2.1 Cemento Apical

1.2.2 Ligamento Periodontal Apical

1.2.3 Osso Alveolar Apical

É o tecido que rodeia a polpa nas suas regiões coronária e radicular,

formando as paredes da câmara pulpar e do conduto radicular, exceto no forame apical. É

um tecido conjuntivo calcificado de origem mesenquimal, constituída por células e

substâncias intercelular e figurada.

Sua cor é geralmente amarelada, apresenta-se mais dura que o osso e o

cemento, e menos dura que o esmalte, pois é menos mineralizada que este.
A composição química da dentina é 30% de água e substâncias orgânicas

(proteínas e proteoglicanas) e 70% de substância inorgânica (cristais de hidroxiapatita).

Tipos de dentina:

- Dentina primária, até a erupção do dente.

- Dentina secundária fisiológica (Aventícia)

- Dentina secundária reacional

- Dentina esclerosada

É o espaço no interior do dente, que aloja a polpa dental, e é limitado por

dentina em toda a extensão, exceto ao nível do forame apical, onde teremos cemento.

A forma da cavidade pulpar é semelhante a anatomia externa do dente.

É dividido em duas porções: câmara pulpar e canal radicular

a) Câmara pulpar: é a parte da cavidade pulpar que corresponde à coroa do

dente e, aloja a polpa coronária. Ela é delimitada pelas seguintes paredes:

- Parede incisal, oclusal ou teto: dentes anteriores - esta parede é reduzida

a um bordo, devido a convergência de suas paredes; dentes posteriores - nestes já é uma

parede, tem reentrâncias que correspondem às cúspides e são ocupadas por projeções da

polpa (cornos pulpares).

- Parede Cervical ou Assoalho: parte oposta ao teto, orifício de entrada dos

canais., superfície convexa, lisa e polida

Em dentes que têm apenas um canal, o assoalho não existe, a câmara


pulpar se transforma gradualmente em canal radicular.

A câmara pulpar é delimitada por 6 paredes: teto, assoalho, vestibular,

lingual, mesial, distal.

b) Canal radicular

É a parte da cavidade pulpar que corresponde a raiz do dente e aloja a

polpa radicular. Acompanha mais ou menos a forma da raiz, porém não com a mesma

regularidade, devido a deposição de dentina reacional.

O canal radicular inicia no assoalho da câmara pulpar e vai se afilando até

o ápice, onde se abre por um orifício, o forame apical.

Dividido em terços: terço apical, terço médio, terço cervical.

- Canal Dentinário: suas paredes são de dentina e aloja a polpa redicular

- Canal cementário: suas paredes são de cemento, e o tecido que o

preenche tem características histológicas do periodonto. Tem o seu menor diâmetro

voltado para a união cemento-dentina-canal e o maior diâmetro voltado para a região

periapical. Este não é o campo de ação do endodontista e deve ser respeitado.

- Limite CDC: separando estes dois segmentos temos o ponto de

constrição máxima do canal, que é o ponto de união cemento-dentina-canal.

O canal cementário é preenchido pelo coto pulpar, que é o tecido que

preenche o canal cementário. Se o dente apresenta vitalidade, a vitalidade do coto pulpar

deve ser preservada no tratamento endodôntico, pois ele é importante no processo de

reparo.
- Forame apical: é um bordo arredondado que separa a terminação do

canal da superfície externa da raiz.

A polpa dentária é um tecido conjuntivo frouxo que ocupa a cavidade

interna do dente e é composta por células, vasos, nervos, fibras e substância intercelular.

Ela é dividida em polpa coronária e redicular, correspondendo respectivamente à coroa e

raíz do dente.

- Função Nutritiva

- Função Sensorial

- Função Defensiva

Dividido em: cemento, ligamento periodontal

É um tecido que cobre as raízes dos dentes, desde a união

amelocementária até o ápice.

Histologicamente temos dois tipos de cementos:

- Cemento acelular ou primário: sem células

- Cemento celular ou secundário: com células, sua localização é no terço

apical. Este tipo de cemento é formado após a erupção do dente e também devido a
demandas funcionais.

O cemento apical desempenha um papel importante no processo de reparo,

pois é através dele que se consegue a obturação biológica do forame apical, (com tecido

osteocementóide) ocorre metaplasia tecido fibroso mineralizado.

É composto por fibras principais e secundárias, vasos sanguíneos e

linfáticos, células e nervos.

É um tecido conjuntivo que cerca as raízes dos dentes, ligando o dente ao

alvéolo.

Sua origem é mesodérmica, deriva da camada interna do saco dental.

A disposição dos feixes de fibras principais proporciona elasticidade ao

ligamento periodontal. Estas fibras têm um trajeto ondulado e, permitem uma ligeira

movimentação do dente, quando este é submetido a esforços.

Processo alveolar: é o osso que se estende a partir do corpo da maxila e da

mandíbula, com o qual é contínuo, para formar o alvéolo que aloja a raiz dental. O

processo alveolar é constituído de osso compacto (compactas) separado por um osso

esponjoso (esponja ou diploe).

As paredes vestibulares e lingual são compostas por:

- compacta perióstica
- osso esponjoso

- compacta periodôntica

Os septos interdentais e interradiculares são compostas por:

- compacta periodôntica

- osso esponjoso

- compacta periodôntica

- Anotações e Apostilas do Curso de Especialização em Endodontia, PUC-PR - 1985

- BERBERT, Alceu; BRAMANTE, Clóvis Monteiro; BERNARDINELI, Norberti,

Endodontia Prática - São Paulo, Sarvier - 1980

- CÖHEN, Stephen & BURNS, Richard C., Caminhos da Polpa, 2ª ed. Rio de Janeiro,

Guanabara Koogan, 1982

- DEUS, Quintiliano Diniz de; Endodontia, 4ª ed. Rio de Janeiro, Medsi, 1986

- DIAS, Amaryllis et alii, Manual de Endodontia, Rio de Janeiro, Guanabara Koogan,

1980

- INGLE, John I. & BEVERIDGE, Endodontia, 2ª ed. Rio de Janeiro, Interamericana,

1979

- LEONARDO, Mário Roberto et alli, Endodontia, Tratamento de Canais Radiculares,

São Paulo, Panamericana, 1982