Você está na página 1de 3

http://ojt.com.sapo.

pt/

Tóquio, 28 de fevereiro de 2006.

Senhor Servidor:

Venho através do presente instrumento informar que, em virtude de abusos diversos


cometidos por policiais japoneses, nomeadamente, do departamento de investigações (Keiji),
para que essa distinta Missão Diplomática não seja enredada por eventuais tramas capciosas
com as quais tenho sido alvejado, a ter minha reputação maculada em inúmeros departamentos
de Estado, aqui, do Japão.
As violações cometidas por esses policiais nada têm a ver com o Estado Português,
entretanto, baseado nos precedentes criminais desses oficiais públicos ardis, SOLICITO o direito
de sigilo sobre os meus contactos que, agora e doravante, possam tomar lugar.

Sem outro particular, apresento minhas

Cordiais Saudações

Osvaldo Johnson Takahara

Exmo. Sr. Servidor Público Responsável pela Missão Diplomática Portuguesa


Embaixada de Portugal
Kamiura-Kojimachi Bldg. 4th / 5th Floor
3-10-3, Kojimachi
Chiyoda Ward
Tokyo 102-0083
Transcrição Parcial da Constituição da República Portuguesa,
de 2 de Abril de 1976

- Revista pelas Leis Constitucionais n.ºs 1/82, de 30 de Setembro, 1/89, de 8 de Julho, 1/92, de 25
de Novembro, 1/97, de 20 de Setembro e 1/2001, de 12 de Dezembro,1/2004, de 24 de Julho e
1/2005, de 12 de Agosto.

Artigo 21º
(Direito de resistência)

Todos têm o direito de resistir a qualquer ordem que ofenda os seus direitos, liberdades e
garantias e de repelir pela força qualquer agressão, quando não seja possível recorrer à autoridade
pública.

Artigo 22º
(Responsabilidade das entidades públicas)

O Estado e as demais entidades públicas são civilmente responsáveis, em forma solidária com os
titulares dos seus órgãos, funcionários ou agentes, por acções ou omissões praticadas no exercício
das suas funções e por causa desse exercício, de que resulte violação dos direitos, liberdades e
garantias ou prejuízo para outrem.

Artigo 23º
(Provedor de Justiça)

1. Os cidadãos podem apresentar queixas por acções ou omissões dos poderes públicos ao
Provedor de Justiça, que as apreciará sem poder decisório, dirigindo aos órgãos competentes as
recomendações necessárias para prevenir e reparar injustiças.

2. A actividade do Provedor de Justiça é independente dos meios graciosos e contenciosos


previstos na Constituição e nas leis.

3. O Provedor de Justiça é um órgão independente, sendo o seu titular designado pela Assembleia
da República, pelo tempo que a lei determinar.

4. Os órgãos e agentes da Administração Pública cooperam com o Provedor de Justiça na


realização da sua missão.
TÍTULO II
Direitos, liberdades e garantias

CAPÍTULO I
Direitos, liberdades e garantias pessoais

Artigo 24º
(Direito à vida)
1. A vida humana é inviolável.
2. Em caso algum haverá pena de morte.

Artigo 25º
(Direito à integridade pessoal)
1. A integridade moral e física das pessoas é inviolável.
2. Ninguém pode ser submetido a tortura, nem a tratos ou penas cruéis, degradantes ou
desumanos.

Artigo 26º
(Outros direitos pessoais)

1. A todos são reconhecidos os direitos à identidade pessoal, ao desenvolvimento da


personalidade, à capacidade civil, à cidadania, ao bom nome e reputação, à imagem, à palavra, à
reserva da intimidade da vida privada e familiar e à protecção legal contra quaisquer formas de
discriminação.

2. A lei estabelecerá garantias efectivas contra a obtenção e utilização abusivas, ou contrárias à


dignidade humana, de informações relativas às pessoas e famílias.

3. A lei garantirá a dignidade pessoal e a identidade genética do ser humano, nomeadamente na


criação, desenvolvimento e utilização das tecnologias e na experimentação científica.

4. A privação da cidadania e as restrições à capacidade civil só podem efectuar-se nos casos e


termos previstos na lei, não podendo ter como fundamento motivos políticos.

Artigo 27º
(Direito à liberdade e à segurança)

1. Todos têm direito à liberdade e à segurança.

2. Ninguém pode ser total ou parcialmente privado da liberdade, a não ser em consequência de
sentença judicial condenatória pela prática de acto punido por lei com pena de prisão ou de
aplicação judicial de medida de segurança.