Crónica Nº 116 – Os Malefícios da Internet.

Por Henrique de Almeida Cayolla Com este título, alguns poderão logo comentar: Ok, terá alguns inconvenientes, mas tem muitos benefícios! Estou perfeitamente de acordo, e é incontável o número deles, tais como o acesso rápido a fantásticas situações de conhecimento e de cultura, a correspondência com outras pessoas a nível mundial, a possibilidade de constituir um enorme arquivo de textos, fotos ou vídeos, a facilidade de tratar de assuntos que antes eram tratados pelo telefone, pelo correio ou pessoalmente, o envio a jornais ou organismos públicos ou privados de documentos por nós elaborados…enfim, uma fonte inesgotável de recursos a que podemos recorrer. Precisamente por esta última referência, é que se torna desnecessário listar os benefícios, tal o “testamento” em que tal escrita se tornaria, conhecendo cada um, uns mais, outros menos, o rol de benefícios que advêm da utilização da Internet. Mas, como tudo na vida, há sempre a outra face da moeda, e neste caso serão «Os malefícios» e sua lista. Passo então a enumerar alguns deles:

1.1 – Publicaçõescontendoenormidades
Infelizmente, são muitos os casos que nos são dados a conhecer, como sendo verdadeiros, invadindo facilmente as nossas casas, casos esses, que podem influenciar mentes mais frágeis. Vejam a enormidade com a qual deparei um dia destes, casualmente: MICHEL JACKSON, SELENA E JOÃO PAULO II ESTÃO NO INFERNO, DIZ MENINA EQUATORIANA Angélica, uma jovem equatoriana, teve uma tremenda experiência, ela esteve, por um período de 23 horas, morta. A ela foram mostrados o Céu e o Inferno! Ela testemunhou Jesus chorando enquanto observava multidões de almas perdidas para sempre; um mundo que o rejeita; uma Igreja que está despreparada para Ele; um povo que parou de testemunhar para os perdidos; e uma indústria de entretenimento que atrai até mesmo as crianças a satanás. Ela testemunhou muitos de nossos ícones culturais sofrendo no abismo: cantores, artistas, e até um papa. FIM DA CITAÇÃO (Mas o artigo é enorme, não se imagina!).

1.2 - Pedidos de auxílio/ Falsos mails

É uma autêntica invasão da nossa privacidade, se não nos acautelarmos minimamente, e uma enxurrada de mensagens que constantemente recebemos, com pedidos de auxílio a isto e aquilo, como por exemplo, uma criança que precisa urgentemente, de imediato, senão morre, de uma transfusão de um tipo de sangue muito raro a nível mundial. Eu, embora não ande na internet senão há 3 anos, já “tirei o curso”, e desconfio por princípio, e assim, indo averiguar, vi que essa mensagem andava na internet há 5 anos, e a criança já tinha morrido há muito. Estes são casos de “FALSOS MAILS”, em 95% das situações. É incrível a quantidade de pessoas que embarcam nisto, e são muito rápidas a divulgar por todos os contactos que têm, pessoas essas, muitas vezes com cursos superiores, mas com uma ingenuidade de todo o tamanho.

1.3 – O lançamento de títulos de notícias desajustados e até ofensivos
Como a internet é um meio de potenciar a divulgação de notícias, que de outra forma, poderiam ficar apenas restringidas aos leitores do jornal em papel, usa-se e abusa-se de títulos chamativos, totalmente desadequados, face ao que a própria notícia contém. Veja-se este exemplo: Papa teve namorada e chegou a pedi-la em casamento
Redação Lux em 2013-03-14

Amalia foi a mulher por quem o atual Papa Francisco ficou perdidamente apaixonado quando tinha apenas 12 anos. Chegou a pedir-lhe em casamento, mas não teve a sorte que desejava na altura. «Se não me caso contigo, viro padre» foi o que Jorge Bergoglio disse a Amalia, segundo contou a própria, citada pelo jornal argentino «La Nacion». Assim, o Papa podia ter subido ao altar como noivo e não como Sumo Pontífice, como veio agora a acontecer. O «romance» não foi avante por causa da proibição dos pais de Amalia. «Quando éramos jovens ele escreveu-me uma carta e eu não lhe respondi. Queria que desaparecesse do mapa. O meu pai bateu-me porque me atrevi a escrever uma carta a um menino. Ele tinha desenhado uma casa com um teto vermelho e branco que em baixo dizia esta é a casa que te vou comprar quando nos casarmos». Depois veio a proposta de Bergoglio e nova repreensão.

1.4 – A publicação de comentários ordinários, grosseiros.
É perfeitamente inadmissível que os meios de comunicação, com a desculpa de que em democracia não pode haver censura, permitam que leitores sem carácter, sem educação, sem princípios, escrevam textos do mais ordinário que há, usando palavras e termos malcriados, da linguagem mais obscena, ordinária, rasca, insultando a pessoa A, ou o organismo ou sociedade B! É muito triste constatar

que à boleia da democracia, se possam considerar da mesma forma, todos os indivíduos, metendo no mesmo saco os cidadãos normais e aqueles que o não são. Alguns jornais, como os exemplos seguintes, lavam as mãos com os avisos que lá incluem.

CONTEÚDO EVENTUALMENTE OFENSIVO

Por opção editorial, o exercício da liberdade de expressão é total, sem limitações, nas caixas de comentários abertas ao público disponibilizadas pelo Diário de Notícias em www.dn.pt. Os textos aí escritos podem, por vezes, ter um conteúdo susceptível de ferir o código moral ou ético de alguns leitores, pelo que o Diário de Notícias não recomenda a sua leitura a menores ou a pessoas mais sensíveis. As opiniões, informações, argumentações e linguagem utilizadas pelos comentadores desse espaço não refletem, de algum modo, a linha editorial ou o trabalho jornalístico do Diário de Notícias. Os participante são incentivados a respeitar o Código de Conduta do Utilizador e os Termos de Uso e Política de Privacidade, que podem ser lidos neste endereço:http://www.dn.pt/info/termosdeuso.aspx O Diário de Notícias reserva-se o direito de proceder judicialmente ou de fornecer às autoridades informações que permitam a identificação de quem use as caixas de comentários em www.dn.pt para cometer ou incentivar atos considerados criminosos pela Lei Portuguesa, nomeadamente injúrias, difamações, apelo à violência, desrespeito pelos símbolos nacionais, Anotação do autor desta crónica: Ferir o código moral ou ético de alguns ….a pessoas mais sensíveis? Mas o que é isto? O tipo de conteúdo que eu acima referi, é contra o senso comum, não é cá de ferir códigos, ou pessoas mais sensíveis! É porco, ordinário, reles, baixo, obsceno, autêntico terrorismo escrito, que ataca, nomeadamente, pessoas ou entidades perfeitamente identificadas! Eu queria ver se algum dos directores do jornal recebesse um comentário do género, agredindo a Mãe ou o Pai dele, e ameaçando-o, se ele deixava publicar isso!

OUTRO EXEMPLO
Disclaimer: "O Económico apela aos leitores para que utilizem este
espaço para um debate sério e construtivo, dispensando-se, para o bem de todos, o insulto e a injúria gratuitos. Desaconselha-se o uso exclusivo de maiúsculas e a repetição de comentários. Comentários inadequados devem ser denunciados e quando tiverem mais de cinco denúncias serão eliminados. O IP do leitor não será revelado mas ficará registado na base de dados". ANOTAÇÃO DO AUTOR DESTA CRÓNICA: Quer dizer, ainda se dá a chance daqueles conjuntos de palavras como vai te f------, vai apanhar no ----, filho da p…… c……… de m……., pan……….. etc, ainda serem lidos por vários leitores, até haver cinco, que acham que é demais! Repito o que acima disse: Se estes insultos fossem directos à Mãe, ou ao Pai, ou a filhos dos Directores

dos jornais ou jornalistas, eles encolhiam os ombros, ou pediam a quatro colegas para fazerem os clics?

E lá está: Como a internet dá muito maior divulgação às notícias, tais “indíviduos” sentem-se os maiores ao escrever tanta grosseria. TRISTE SINAL DOS TEMPOS! E não há quem tenha a coragem de dar um murro na mesa, e de dizer: Alto e paira o baile, isto não é democracia, é libertinagem, anarquismo, terrorismo verbal.

1.5 – Informações contraditórias
Aqui há poucos dias, recebi de um amigo, um mail incentivando-me a substituir o leite, pela bebida de soja. Pesquisando na internet, li muitos artigos e publicações, defendendo a soja, e enumerando as imensas vantagens que tinha o seu consumo, ao reflectir-se numa melhoria assinalável de saúde. A par e passo, faziam-se referências aos inconvenientes graves para a saúde, para aqueles que consumissem leite, chegando até a argumentar-se que o homem é o único mamífero que continua a beber leite, após criança. Dias depois, resolvi efectuar o mesmo tipo de pesquisa, sobre as vantagens para a saúde, provenientes do consumo regular de leite e seus derivados, e vim a deparar com imensos argumentos a apoiar a utilização do leite.

Então, em que ficamos: SOJA OU LEITE? Estão em confronto dois grandes grupos de interesses a nível mundial: De um lado o produtor de leite, e toda a cadeia relacionada com a sua produção e comercialização, e do outro lado os produtores de soja e seu circuito de tratamento até ao consumidor final. QUE VENHA O DIABO E QUE ESCOLHA! Uma coisa será certa: Deveremos variar muito a nossa alimentação, usando um pouco de tudo, pois como dizia um médico por quem eu tenho muita consideração, uns produtos fazem bem a umas coisas, mas são inconvenientes para outras, e assim nada como diversificar o que consumimos.

1.6 – ACESSO DEMASIADO FACILITADO A PUBLICAÇÕES INCONVENIENTES
Qualquer criança que se comece a iniciar na internet, e que queira vorazmente progredir, enveredando pela pesquisa, e sem ser induzida por quem quer que seja, rapidamente descobre, que através de simples palavras ou frases no GOOGLE, tem acesso a um mundo inimaginável de situações nada recomendáveis para a sua tenra

idade! Antigamente, havia uma adaptação lenta e suave, do mundo encantado e puro da criança, para a realidade nua e crua da vida adulta e para a crueza de situações despoletadas por indivíduos sem qualquer escrúpulo, moral, social ou ético. Agora, entra-se, de mergulho, “sem saber nadar”, no mundo real da vivência humana, e seus comportamentos desadequados à construção de uma positiva personalidade.

1.7 – A devassa da nossa intimidade
Na “aldeia global” em que vivíamos, já havia alguns que se iam queixando de que através do Google Street View, viam a sua intimidade devassada, ao serem captadas imagens das suas casas, quintais, quintas ou propriedades, ou até de, em sítios públicos, aparecerem imagens pessoais. Agora mesmo estando ao computador, apercebemo-nos que é localizado com aproximação o local em que estamos, só faltando qualquer dia, ser identificado ao certo, o nº de polícia, do andar, ou do apartamento onde vivemos.

1.8 – O vício da internet e a “vassalagem” ao computador.
A utilização do computador e da internet, (nomeadamente o facebook) poder-se-á transformar num vício, estando cada pessoa horas e horas ao computador, escrevendo, arquivando, comunicando, pesquisando, e entretanto prescindindo do contacto pessoal com amigos, de alguma actividade física, de pequenos prazeres como apreciar ao vivo a natureza, o comportamento dos animais, a beleza de um pôr do sol, eu sei lá tanta e tanta coisa! Essa situação deve ser evitada e combatida, até porque, conforme aconselham os profissionais de saúde, não se devem estar muitas horas ao computador, e nunca, mas nunca, seguidas, tais os problemas que daí podem advir.

È por essas e por outras que, por hoje, dou por terminada esta crónica. Passem bem. Um bom e santo domingo de Páscoa na vivência com Jesus Cristo ressuscitado.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful